SERVIÇO NACIONAL DE
APRENDIZAGEM COMERCIAL
Matilde Oliveira Rodrigues da Costa
Estudo de caso: Fatores que influenciam na ...
SERVIÇO NACIONAL DE
APRENDIZAGEM COMERCIAL
Matilde Oliveira Rodrigues da Costa
Estudo de caso: Fatores que influenciam na ...
SERVIÇO NACIONAL DE
APRENDIZAGEM COMERCIAL
Matilde Oliveira Rodrigues da Costa
Estudo de caso: Fatores que influenciam na ...
RESUMO
O objetivo deste trabalho de conclusão de curso é identificar o perfil do discente, e
os fatores que contribuem par...
ABSTRACT
The objective of this work of completion is to identify the profile of the student, and
the factors that contribu...
LISTA DE GRÁFICOS
Gráfico 4.1 - Gênero.......................................................................................
LISTA DE QUADROS
Quadro 4.1 - A falta de tempo foi citada por 30% dos alunos pesquisados...............28
Quadro 4.2 - Dif...
LISTA DE TABELAS
Tabela 4.1 - Percentual das respostas informadas no questionário aplicado aos
alunos de Administração Púb...
SUMÁRIO
1 INTRODUÇÃO.........................................................................................................
9
1 INTRODUÇÃO
Este trabalho de conclusão de curso propõe-se a investigar os indicadores de
permanência ou desligamento po...
10
que contribuem para sua permanência ou desistência de um curso EaD, ainda que
limitando à análise a apenas um curso pes...
11
2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA
2.1 A Educação
A educação prepara o homem para viver em sociedade, e deve ocorrer de
maneira co...
12
dela foi possível que cada sociedade registrasse o que tinha de mais valoroso, o seu
conhecimento empírico, técnico e c...
13
As Instituições de ensino, sejam presenciais ou a distância, estão aprendendo
a utilizar os recursos oferecidos pela ed...
14
O Decreto N.º 2.494, de 10 de Fevereiro de 1998, define Educação a
Distância como:
Art. 1º Educação a distância é uma f...
15
demandam recursos financeiros, o abandono dos estudos vem a ser um fator
preocupante para as instituições de ensino, e ...
16
multidisciplinar da EaD, podem fazer para motivar o discente a manter-se
participante do processo de ensino-aprendizage...
17
contrapartida, ele se nega a aprender o que outros lhe impõem como sua
necessidade de aprendizagem
5. Orientação para a...
18
3 METODOLOGIA
Esta pesquisa foi classificada quanto a sua forma de abordagem e aos seus
objetivos.
Uma pesquisa pode te...
19
parte dos sujeitos pesquisados, com vistas a conhecer a opinião dos mesmos sobre
os assuntos em estudo”.
O questionário...
20
 Existem pessoas que não gostam de abrir os anexos das mensagens,
por causa de ocorrerem casos em que eles encontram-s...
21
As respostas declaradas nos questionários, como Nunca e Raramente, assim
com Frequentemente e Sempre, foram agrupadas p...
22
4 RESULTADO E DISCUSSÃO
Os dados levantados a partir da amostra coletada foram analisados através
da estatística simple...
23
Gráfico 4.1 - Gênero
Fonte: Dados da Pesquisa (2012)
Gráfico 4.2 - Faixa Etária
Fonte: Dados da Pesquisa (2012)
O gêner...
24
Os gráficos 4.3 e 4.4, representam o grau de escolaridade e o tempo que o
discente está longe dos estudos. 51% dos alun...
25
Os gráficos 4.5 e 4.6 demonstram que os discentes são em sua maioria
pessoas casadas ou que possuem uma união estável, ...
26
Franco (2006). Porém neste estudo não houve nenhuma citação relacionada ao
cansaço, seja físico ou mental por parte dos...
27
Tabela 4.1 – Percentual das respostas informadas no questionário aplicado
aos alunos de Administração Pública no períod...
28
4.2.2.1 A falta de tempo
A falta de tempo para a realização dos estudos e das atividades acadêmicas
é um fator muito ci...
29
4.2.2.3 Dificuldades em definir a função do tutor e em lidar com a ausência do
professor
Foi observado com a pesquisa, ...
30
4.2.2.4 O Material Instrucional deve atender as necessidades do discente
Na EAD todo o processo educativo é mediado por...
31
4.2.2.5 Sugestões de melhorias
Como sugestão para melhoria, os alunos permanescentes, citaram conforme
verbalizações no...
32
4.3 Análise dos dados coletados dos alunos Desistentes
4.3.1 Estudos das questões semiestruturadas
Com a análise dos in...
33
Tabela 4.2 – Percentual das respostas informadas no questionário aplicado
aos alunos Desistentes do curso de Administra...
34
Em síntese as verbalizações informadas no quadro 4.6, foram:
 A falta de tempo para dedicação aos estudos foi bastante...
35
4.3.3 Sugestões de melhorias
Quanto às sugestões de melhorias, foram citadas de acordo com as verbalizações
descritas n...
36
CONCLUSÃO
O presente estudo se propôs a investigar o perfil dos discentes, seus motivos
de permanência ou desistência d...
37
dele, para que venha a ter sucesso no processo de ensino-aprendizagem, qual a
função do tutor e do material didático en...
38
no curso e para a mediação da aprendizagem, e consequentemente deverá
aumentar a qualidade do curso.
Quanto à própria i...
39
REFERÊNCIAS
BERGAMINI. Cecília W. e CODA, Roberto. Psicodinâmica da Vida
Organizacional: Motivação e Liderança, 2 ed. S...
40
GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo. Atlas. 1991
GOUVÊA, G.; C. I. OLIVEIRA. Educação a ...
41
PIAGET, Jean. Psicologia e Pedagogia. Rio de Janeiro: Forense, 1969.
PÁDUA, Elisabete Matallo Marchesini. Metodologia d...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Fatores que influenciam na permanência ou na desistência de um curso a Distância

3.100 visualizações

Publicada em

Educação a Distância

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.100
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fatores que influenciam na permanência ou na desistência de um curso a Distância

  1. 1. SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Matilde Oliveira Rodrigues da Costa Estudo de caso: Fatores que influenciam na permanência ou na desistência de um curso a Distância Curitiba 2012
  2. 2. SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Matilde Oliveira Rodrigues da Costa Estudo de caso: Fatores que influenciam na permanência ou na desistência de um curso a Distância Trabalho de conclusão de curso apresentado como requisito parcial para a obtenção do título de Especialista em Educação a Distância junto ao Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial – SENAC. Orientador: Amilton Küster Curitiba 2012
  3. 3. SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Matilde Oliveira Rodrigues da Costa Estudo de caso: Fatores que influenciam na permanência ou na desistência de um curso a distância Trabalho de conclusão de curso apresentado como requisito parcial para a obtenção do título de Especialista em Educação a Distância junto ao Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial – SENAC. Aprovada em: 30 de Junho de 2012 COMISSÃO EXAMINADORA ____________________________________________ Prof. Ms Amilton Küster ____________________________________________ Profa. Ms Ana Paula Costa de Oliveira Kamiz ____________________________________________ Profa. Ms Luciene Ferreira Iahn
  4. 4. RESUMO O objetivo deste trabalho de conclusão de curso é identificar o perfil do discente, e os fatores que contribuem para a sua permanência ou desistência do curso de bacharel em Administração Pública, turma de 2011, modalidade a distância, oferecido por uma Instituição de Ensino do Paraná, para seus servidores. O método da pesquisa utilizado neste TCC é o estudo de caso, e se caracteriza como descritivo e explicativo, com abordagem qualiquantitativa. O interesse por este curso surgiu após conversa informal com algumas alunas do curso, que relataram algumas dificuldades enfrentadas pelos alunos e um número expressivo de participantes desistentes. A evasão de estudantes do ensino superior é um fator preocupante para as Instituições de Ensino, e tem sido motivo de estudos e pesquisas em todo o mundo. Como resultado da pesquisa pode-se observar similaridade entre os dados coletados e a revisão bibliográfica, e com base no conhecimento adquirido com os estudos, são apresentadas algumas sugestões que podem colaborar com a redução do índice de evasão, e manter o discente motivado na Instituição. Palavras-chave: Educação a Distância. Permanescentes. Desistentes. Motivação.
  5. 5. ABSTRACT The objective of this work of completion is to identify the profile of the student, and the factors that contribute to their presence or withdrawal of the course's degree in Public Administration, class of 2011, the distance mode offered by an Educational Institution of Paraná to their servers. The research method used in this study CBT is the case, and is characterized as descriptive and explanatory, with qualitative and quantitative approach, the interest in this course came after informal discussion with some students of the course, which reported some difficulties faced by students and a number significant participant dropouts. The avoidance of higher education students is a concern for educational institutions, and has been the subject of studies and research worldwide. As a result of research can be observed similarity between the collected data and literature review, and based on knowledge gained from the studies are some suggestions that might contribute to reducing the dropout rate, and keep students motivated in the institution. Keywords: Distance Education. Permanescentes. Dropouts. Motivation.
  6. 6. LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 4.1 - Gênero...................................................................................................23 Gráfico 4.2 - Faixa Etária............................................................................................23 Gráfico 4.3 - Escolaridade..........................................................................................24 Gráfico 4.4 - Tempo sem estudar...............................................................................24 Gráfico 4.5 - Estado Civil............................................................................................25 Gráfico 4.6 - Tempo de Serviço na Instituição...........................................................25
  7. 7. LISTA DE QUADROS Quadro 4.1 - A falta de tempo foi citada por 30% dos alunos pesquisados...............28 Quadro 4.2 - Dificuldades relacionadas ao tempo que estão sem estudar foi citada por 38% dos discentes...............................................................................................28 Quadro 4.3 - Dificuldades relacionadas à falta de ambientação a modalidade a distância.....................................................................................................................29 Quadro 4. 4 - Dificuldades relacionadas ao material instrucional..............................30 Quadro 4.5 - Sugestões de melhorias........................................................................31 Quadro 4.6 - Indicadores de satisfação dos alunos desistentes................................34 Quadro 4.7 - Sugestões de melhorias........................................................................35
  8. 8. LISTA DE TABELAS Tabela 4.1 - Percentual das respostas informadas no questionário aplicado aos alunos de Administração Pública no período de 14/04/2012 a 14/05/2012...............27 Tabela 4.2 - Percentual das respostas informadas no questionário aplicado aos alunos Desistentes do curso de Administração Pública no período de 14/04/2012 a 14/05/2012..................................................................................................................33
  9. 9. SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO......................................................................................................9 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA..........................................................................11 2.1 A Educação.....................................................................................................11 2.2 A Educação a Distância.................................................................................11 2.3 Educação a Distância no Século XXI ...........................................................12 2.4 Educação a Distância segundo a Legislação Brasileira.............................13 2.5 Gestão da Educação a Distância..................................................................14 2.6 Fatores motivacionais do Discente de EaD.................................................15 3 METODOLOGIA.................................................................................................18 3.1 Coleta de Dados.............................................................................................19 3.2 Análise de dados............................................................................................20 4 RESULTADO E DISCUSSÃO ............................................................................22 4.1 Perfil do aluno ................................................................................................22 4.2 Análise dos dados coletados dos alunos Permanescentes.......................26 4.2.1 Questões estruturadas..................................................................................26 4.2.2 Análise das questões semiestruturadas........................................................27 4.2.2.1 A falta de tempo.........................................................................................28 4.2.2.2 Tempo fora de um ambiente de ensino......................................................28 4.2.2.3 Dificuldades em definir a função do tutor e em lidar com a ausência do professor................................................................................................................29 4.2.2.4 O Material Instrucional deve atender as necessidades do discente...........30 4.2.2.5 Sugestões de melhorias.............................................................................31 4.3 Análise dos dados coletados dos alunos Desistentes...............................32 4.3.1 Estudos das questões semiestruturadas ......................................................32 4.3.2 Estudos das questões estruturadas..............................................................33 4.3.3 Sugestões de melhorias................................................................................35 CONCLUSÃO........................................................................................................36 REFERÊNCIAS .....................................................................................................39
  10. 10. 9 1 INTRODUÇÃO Este trabalho de conclusão de curso propõe-se a investigar os indicadores de permanência ou desligamento por parte dos alunos em um curso de Graduação em Administração Pública, oferecido por uma Instituição de Ensino do Paraná, na modalidade semipresencial de educação a distância, para seus servidores. Para ingressar no curso, os servidores participaram de um processo seletivo específico, aprovado segundo normas básicas da atividade acadêmica dos Cursos de Graduação na modalidade de Educação a Distância da Instituição. Foi pré- requisito para as inscrições ser servidor da instituição, ter concluído o ensino médio ou equivalente e possuir conhecimentos básicos de informática. O curso de Administração Pública a distância foi escolhido como objeto deste TCC após conversa informal em janeiro de 2012, com quatro alunas do curso que informaram algumas dificuldades enfrentadas pelos alunos e a desistência de um número relativamente grande de participantes. A evasão de estudantes do ensino superior é um fator preocupante para as Instituições de Ensino, e tem sido motivo de estudos e pesquisas em todo o mundo. Entre os estudos brasileiros encontra-se o "Seminário sobre evasão nas Universidades Brasileiras" criado pela Secretaria de Educação Superior do Ministério da Educação e do Desporto - SESU/MEC, em fevereiro de 1995, qual definiu como evasão dos cursos de graduação, para efeito de estudo, a saída definitiva do aluno de seu curso de origem, sem concluí-lo. Segundo o Censo da Educação Superior (2010), o Brasil atingiu 4,8 milhões de matriculas em 2006, das quais1, 9 milhões representam os novos ingressos. Os novos ingressos (tanto no ensino presencial quanto no ensino a distância) deveriam concluir seus estudos em 2010, isso de uma forma geral, pois se sabe que há cursos que necessitam de um tempo maior para sua conclusão, assim como existem cursos com tempo menor, porém o total de alunos concluintes em 2010 foi de 973 mil, o que representa apenas 49% do total de alunos matriculados. Quanto aos estudos específicos sobre o ensino a distância, estes relatam que a evasão em determinados cursos pode chegar a 70% (RUBIO, 2011). O interesse por esta pesquisa surgiu após o conhecimento destas informações, e com elas o empenho em conhecer quem é o aluno e quais fatores
  11. 11. 10 que contribuem para sua permanência ou desistência de um curso EaD, ainda que limitando à análise a apenas um curso pesquisado. O objetivo geral desta pesquisa é identificar o perfil do discente, e os fatores que contribuem para a sua permanência ou desistência do curso de bacharel em Administração Pública, modalidade a distância oferecida por uma Instituição de Ensino do Paraná. Para o atendimento do objetivo geral, foram estabelecidos os seguintes objetivos específicos:  Verificar juntos aos alunos permanescentes e desistentes, os motivos que contribuem para a permanência ou abandono do curso.  Identificar possíveis sugestões de melhorias para implementação no curso, com intenção de diminuir a índice de evasão por parte do discente. O método utilizado para atingir tais objetivos foi a revisão bibliográfica que buscou explanar o conceito e a gestão dos processos pedagógicos e motivacionais da Educação a Distância de uma forma genérica, sendo enriquecido pelo estudo de caso do curso de Administração Pública pesquisado. A pesquisa possui abordagem qualiquantitativa, e se caracteriza como descritiva e explicativa, pois além da coleta e análise dos dados, se busca identificar as causas e motivos dos fatores pesquisados.
  12. 12. 11 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 A Educação A educação prepara o homem para viver em sociedade, e deve ocorrer de maneira continua, desenvolvendo suas habilidades, seus valores éticos e culturais. Educação, segundo os artigos 1º e 2º da Lei Federal Nº 9.394 de 1996. Art. 1º A educação abrange os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais. Art. 2º A educação, é dever da família e do Estado, inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana, tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. O conceito de educação refere-se à prática educativa e ao processo de ensino-aprendizagem que leva o aprendiz a aprender a aprender, a saber, pensar, a criar, a inovar, a construir conhecimentos, a participar ativamente de seu próprio crescimento (LANDIM, 1997). Segundo Piaget (1969, p.182), dentre os objetivos da Educação, o principal é criar homens que sejam capazes de fazer coisas novas e não simplesmente repetir o que outras gerações fizeram; homens que sejam criativos, inventores e descobridores. O segundo objetivo é formar mentes que possam ser críticas, que possam analisar e não aceitar tudo que lhes é oferecido. A humanidade passa por constante transformação e evolução, e a maneira de se ensinar e educar deve acompanhar tais evoluções, a Educação a Distância – EaD- é uma maneira inovadora e democrática de se transmitir conhecimento. Capaz de proporcionar a um grande número de pessoas o acesso a Educação, e a uma formação criativa, inovadora, crítica e reflexiva, como citada por Piaget. 2.2 A Educação a Distância O desenvolvimento da escrita foi um marco histórico para a educação da humanidade, sendo aprimorada após a criação da língua impressa, que veio a possibilitar a veiculação da informação de maneira mais rápida e eficaz. Por meio
  13. 13. 12 dela foi possível que cada sociedade registrasse o que tinha de mais valoroso, o seu conhecimento empírico, técnico e cientifico relacionado às mais variadas áreas. Alguns autores acordam que as epístolas de São Paulo às comunidades cristãs da Ásia Menor, registradas na Bíblia, como a origem histórica da Educação a Distância. Pois estas epístolas ensinavam como viver dentro das doutrinas cristãs em ambientes desfavoráveis e teriam sido enviadas por volta de meados do século I (GOUVÊA & OLIVEIRA, 2006). Para que ocorra a transmissão do ensino-aprendizagem por meio da EaD é necessário um veículo de transmissão, definido hoje como mídia, portanto a primeira mídia utilizada foi a escrita, e sua evolução seguiu os avanços tecnológicos de cada época. As mídias mais utilizadas na EaD atual são: material impresso, rádio, TV, rádio e TV web (transmitidos pela Internet), CD-ROM, DVD, áudio e vídeo, a teleconferência, entre outras. A EaD tem permitindo um aumento expressivo do universo dos que têm acesso ao conhecimento, conhecimento esse que tem sido compartilhado de forma globalizada, por meio das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs), elas agem como agentes facilitadores da educação seja no modo formal ou informal. 2.3 Educação a Distância no Século XXI Hoje o Brasil e o mundo vivem um período de constante transformação, tudo ocorre com grande velocidade, é difícil acompanhar em tempo real a evolução das TICs e a nova maneira da humanidade se relacionar; vivemos segundo Pierre Levy, A Era da Cibercultura. “Cibercultura é o termo que designa o conjunto de valores e comportamentos de determinados grupos relacionados ao surgimento da Internet” (MONTEIRO et al, 2002, p.140). A EaD representa uma das grandes mudanças na área da educação, ela permite ao usuário a exploração e utilização das principais ferramentas fornecidas hoje pela cibercultura, que são: o uso da Internet e a utilização de rede de computadores conectados. O ciberespaço com seus computadores interligados em rede auxiliam no desenvolvimento cognitivo do ser humano, entre eles, a memória, a imaginação, a percepção e o raciocínio (LÉVY, 1999).
  14. 14. 13 As Instituições de ensino, sejam presenciais ou a distância, estão aprendendo a utilizar os recursos oferecidos pela educação on-line, em benefício do aluno. A EaD surge como uma boa alternativa à educação convencional. As técnicas dessa nova modalidade de educação combinam o uso das TIC com metodologias educacionais, considerando pressupostos filosóficos e pedagógicos orientados para o desenvolvimento de competências e valores alicerçados em uma estratégia de ensino-aprendizagem (LÉVY, 1999). Segundo a Associação Brasileira de Educação a Distância, - ABED- (2012). Muitas são as definições possíveis e apresentadas para a EaD, mas há um consenso mínimo em torno da ideia de que EaD é a modalidade de educação em que as atividades de ensino-aprendizagem são desenvolvidas majoritariamente (e em bom número de casos exclusivamente) sem que alunos e professores estejam presentes no mesmo lugar à mesma hora. 2.4 Educação a Distância segundo a Legislação Brasileira A LEI 9.394/1996 estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e permitiu avanços significativos à Educação a Distância, admitindo o oferecimento da educação na modalidade a distância em todos os níveis de escolaridade, conforme o conteúdo do artigo 80 da Constituição Federal Brasileira. Art. 80. O Poder Público incentivará o desenvolvimento e a veiculação de programas de ensino a distância, em todos os níveis e modalidades de ensino, e de educação continuada. § 1º A educação a distância, organizada com abertura e regime especiais, será oferecida por instituições especificamente credenciadas pela União. § 2º A União regulamentará os requisitos para a realização de exames e registro de diploma relativos a cursos de educação a distância. § 3º As normas para produção, controle e avaliação de programas de educação a distância e a autorização para sua implementação, caberão aos respectivos sistemas de ensino, podendo haver cooperação e integração entre os diferentes sistemas. § 4º A educação a distância gozará de tratamento diferenciado, que incluirá: I - custos de transmissão reduzidos em canais comerciais de radiodifusão sonora e de sons e imagens; II - concessão de canais com finalidades exclusivamente educativas; III - reserva de tempo mínimo, sem ônus para o Poder Público, pelos concessionários de canais comerciais.
  15. 15. 14 O Decreto N.º 2.494, de 10 de Fevereiro de 1998, define Educação a Distância como: Art. 1º Educação a distância é uma forma de ensino que possibilita a autoaprendizagem, com a mediação de recursos didáticos sistematicamente organizados, apresentados em diferentes suportes de informação, utilizados isoladamente ou combinados, e veiculados pelos diversos meios de comunicação. Uma nova versão dos decretos anteriores foi publicada no Diário Oficial da União em 19/12/2005, o decreto 5.622/2005 que vem a regulamentar o art. 80 da lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e dar uma nova definição para a Educação a distância no país: Art. 1o Para os fins deste Decreto, caracteriza-se a educação a distância como modalidade educacional na qual a mediação didático-pedagógica nos processos de ensino e aprendizagem ocorre com a utilização de meios e tecnologias de informação e comunicação, com estudantes e professores desenvolvendo atividades educativas em lugares ou tempos diversos. Este novo decreto veio a regulamentar a educação na modalidade a distância, instituindo orientações gerais, sob a forma de regulação e supervisão. 2.5 Gestão da Educação a Distância Na EaD, para que haja o cumprimento de todos os objetivos e metas pré- estabelecidos pela instituição educacional é necessário o envolvimento articulado de toda uma equipe multidisciplinar. O sucesso do projeto, esta firmado na gestão e coordenação de diversos fatores, entre eles a adequação entre o contexto, objetivos, conteúdos e métodos de aprendizagem, e na opção apropriada da modalidade de tutoria (TRACTENBERG, 2010). Para se realizar um ensino a distância com qualidade é preciso a participação de bons educadores, preocupados em manterem-se atualizados com os avanços da ciência e da tecnologia, condizentes com as necessidades educacionais dessa nova sociedade em que vivemos (VALENTE, 2003). Na opinião da autora, deste trabalho, toda instituição busca por em prática seu conhecimento científico em seus projetos de ensino, com a intenção de oferecer um excelente curso a seus alunos; e considerando que todos os esforços
  16. 16. 15 demandam recursos financeiros, o abandono dos estudos vem a ser um fator preocupante para as instituições de ensino, e afeta a toda equipe responsável pelo projeto, assim como ao aluno que por algum motivo vem a ter frustradas as suas expectativas de aprendizagem e formação. Esse texto acadêmico utiliza como definição de evasão dos cursos de graduação, a saída definitiva do aluno de seu curso de origem, sem concluí-lo. Ela pode ocorrer das seguintes maneiras: quando o estudante desliga-se do curso superior em situações diversas tais como abandono (deixa de matricular-se), por desistência (oficial), transferência ou reopção de curso e exclusão por norma da instituição (SESU/MEC, 1995). Segundo Maia e Meirelles (2003, p. 4): “A evasão dos cursos consiste em estudantes que não completam cursos ou programas de estudo, podendo ser considerado como evasão aqueles alunos que se matriculam e desistem antes mesmo de iniciar o curso”. Considera-se evasão a desistência do curso, incluindo os que, após terem se matriculado, nunca se apresentaram ou se manifestaram de alguma forma para os colegas e mediadores do curso, em qualquer momento (FÁVERO; FRANCO, 2006). A evasão como objeto de estudos tem sido causa de opiniões diferentes, entre elas têm-se as conclusões de Paredes (1994 apud MOEHLECKE, 2007) obtidas após análise comparativa entre em duas Universidades brasileiras, uma pública outra privada, que relata: o abandono definitivo do ensino superior corresponde apenas a 12,8% dos alunos pesquisados, e que 64 % dos mesmos concluiu o 3° grau em outra Instituição. Como a pesquisa que ampara este documento foi realizada no terceiro período do curso de graduação em Administração Pública, não se pode presumir o futuro dos alunos que estão cursando ou daqueles que estão afastados das atividades curriculares no momento. 2.6 Fatores motivacionais do discente de EaD O aluno na modalidade a distância é o principal autor de sua aprendizagem, ficando à sua responsabilidade gerir o seu tempo de estudos, a realização das atividades e das avaliações. Pergunta-se então: O que os integrantes de uma equipe
  17. 17. 16 multidisciplinar da EaD, podem fazer para motivar o discente a manter-se participante do processo de ensino-aprendizagem. Segundo Lindemen (1926 apud OLIVEIRA, 2012) existem cinco fatores para uma educação significativa, fatores que hoje fazem parte dos fundamentos da moderna teoria de aprendizagem de adulto, que são:  Adultos são motivados a aprender à medida que experimentam que suas necessidades e interesses serão satisfeitos.  A orientação de aprendizagem do adulto está centrada na vida; por isto as unidades apropriadas para se organizar seu programa de aprendizagem são as situações de vida e não disciplinas.  A experiência é a mais rica fonte para o adulto aprender; por isto, o centro da metodologia da educação do adulto é a análise das experiências.  Adultos têm uma profunda necessidade de serem autodirigidos; por isto, o papel do professor é engajar-se no processo de mútua investigação com os alunos e não apenas transmitir-lhes seu conhecimento e depois avaliá-los.  As diferenças individuais entre pessoas crescem com a idade; por isto, a educação de adultos deve considerar as diferenças de estilo, tempo, lugar e ritmo de aprendizagem. Para motivar o aluno de EaD é fundamental conhecer suas necessidades e características especificas. Segundo Castro & Oliveira (2002, p.117) as principais características da aprendizagem do adulto são: 1-Necessidade de conhecer. Aprendizes adultos sabem, mais do que ninguém, da sua necessidade de conhecimento e para eles o como colocar em prática tal conhecimento no seu di-a-dia é fator determinante para o seu comprometimento com os eventos educacionais 2. Autoconceito de aprendiz. O adulto, além de ter consciência de sua necessidade de conhecimento, é capaz de suprir essa carência de forma independente. Ele tem capacidade plena de se autodesenvolver. 3. O papel da experiência. A experiência do aprendiz adulto tem central importância como base de aprendizagem. É a partir dela que ele se dispõe, ou se nega a participar de algum programa de desenvolvimento. O conhecimento do professor, o livro didático, os recursos audiovisuais, etc., são fontes que, por si mesmas, não garantem influenciar o indivíduo adulto para a aprendizagem. Essas fontes, portanto, devem ser vistas como referenciais opcionais colocados à disposição para livre escolha do aprendiz 4. Prontidão para aprender. O adulto está pronto para aprender o que decide aprender. Sua seleção de aprendizagem é natural e realista. Em
  18. 18. 17 contrapartida, ele se nega a aprender o que outros lhe impõem como sua necessidade de aprendizagem 5. Orientação para aprendizagem. A aprendizagem para a pessoa adulta é algo que tem significado para o seu dia-a-dia e não apenas retenção de conteúdos para futuras aplicações. Como consequência, o conteúdo não precisa, necessariamente, ser organizado pela lógica programática, mas sim pela bagagem de experiências acumuladas pelo aprendiz 6. Motivação. A motivação do adulto para aprendizagem está na sua própria vontade de crescimento, o que alguns autores denominam de "motivação interna" e não em estímulos externos vindo de outras pessoas, como notas de professores, avaliação escolar, promoção hierárquica, opiniões de "superiores", pressão de comandos, etc. Julga a autora, que em posse de tais informações relacionadas a como e porque o aluno aprende a equipe multidisciplinar da EaD que é formada por coordenadores, professores, designers instrucional, tutores, entre outros profissionais, devem cada um em sua área oferecer requisitos pedagógicos e tecnológicos que atendam as necessidades dos discentes. Segundo Bergamini (1997, p. 92), “a motivação nasce no interior de cada um. A única coisa que pode fazer para manter pessoas motivadas é conhecer suas necessidades e oferecer fatores de satisfação de tais necessidades”. Para tanto é necessário conhecer o aluno, para assim procurar satisfazer suas necessidades de aprendizagem.
  19. 19. 18 3 METODOLOGIA Esta pesquisa foi classificada quanto a sua forma de abordagem e aos seus objetivos. Uma pesquisa pode ter abordagem qualitativa e/ou quantitativa. A qualitativa se preocupa com uma realidade que não pode ser quantificada, já a abordagem quantitativa é aquela que tem como suporte medidas e cálculos mensuráveis. A abordagem qualitativa busca a compreensão e a quantitativa a explicação (COSTA E COSTA, 2001). Quanto aos seus objetivos específicos, as pesquisas podem ser classificadas em: exploratória quando tem como objetivo proporcionar maior familiaridade com o problema; descritiva quando adota como objetivo primordial a descrição das características de determinada população ou fenômeno; e explicativa quando tem como preocupação central identificar os fatores que determinam ou que contribuem para a ocorrência dos fenômenos (GIL, 1991). O método da pesquisa utilizada neste TCC é o estudo de caso, com abordagem qualitativa e quantitativa, e se caracteriza como descritiva e explicativa, pois além da coleta e análise dos dados, se busca identificar as causas que motivam a permanência ou evasão dos alunos do curso de Administração Pública. O trabalho foi realizado por meio de pesquisa literária, e coleta de dados junto aos alunos do curso de Administração Pública, turma 2011, oferecido na modalidade a distância, por uma Instituição de Ensino do Paraná. Foram selecionados um total 150 alunos, aprovados no vestibular de 2011, e que realizaram a matricula no primeiro período do mesmo ano. O universo da pesquisa são os alunos que permanecem assíduos e os que se encontram desligados do curso. Como critérios de exclusão estão todos os que não se encontram na descrição de inclusão acima. A forma de abordagem ao aluno foi por meio de e-mail, contato telefônico e pessoal. Os dados foram originários de fontes primárias, adquiridos por meio da aplicação de questionários semiestruturados no período de 14/04/2012 a 14/05/2012, pela própria pesquisadora. Segundo Severino (2007, p. 125) questionário é: “Conjunto de questões, sistematicamente articuladas, que se destinam a levantar informações escritas por
  20. 20. 19 parte dos sujeitos pesquisados, com vistas a conhecer a opinião dos mesmos sobre os assuntos em estudo”. O questionário foi elaborado com (23) questões distribuídas da seguinte maneira:  (7) perguntas de múltipla escolha relacionadas ao perfil do discente.  (16) perguntas relacionadas aos Indicadores de Satisfação ou Motivo de Evasão, das quais (13) são de múltipla escolha, e (3) são questões abertas. O instrumento de pesquisa foi utilizado para captura dos dados por um período de um mês. 3.1 Coleta de Dados Coleta de dados é a etapa da pesquisa em que se inicia a aplicação dos instrumentos elaborados e das técnicas selecionadas, a fim de se efetuar a coleta dos dados previstos (MARCONI; LAKATOS, 2007). Os questionários foram aplicados pela pesquisadora por e-mail a 138 alunos que mantinham seus e-mails inscritos na plataforma do curso em 14/04/2012. Dos (12) alunos que faltaram, (2) alunos informaram seus e-mails por telefone; com os outros (10) não foi possível obter contato. O questionário encontrava-se anexado a mensagem eletrônica, com uma breve apresentação da pesquisadora, de seus objetivos e uma solicitação de colaboração por parte do aluno. Disponibilizou-se uma explicação detalhada de como o aluno devia proceder para responder o questionário. “Para responder é necessário que você salve em seu computador o questionário, responda as questões, salve as alterações e envie para o meu e-mail, xxxxxx@hotmail.com. Qualquer dúvida entrar em contato por e-mail ou pelos telefones, (41) xxxx-xxxx ou (41) xxxx-xxxx”. Dos emails enviados (6) retornaram por problemas técnicos ou de e-mails desativados. Após uma semana do envio, apenas (15) pessoas haviam respondido a pesquisa. Então foi analisada a situação e levantado algumas hipóteses de possíveis causas da falta de respostas por parte dos alunos, tais como:
  21. 21. 20  Existem pessoas que não gostam de abrir os anexos das mensagens, por causa de ocorrerem casos em que eles encontram-se infectados com vírus;  Outras têm dificuldades relacionadas ao manuseio das mensagens eletrônicas;  Outras simplesmente consideram que, abrir e-mail, salvar, responder e enviar lhes ocupa muito tempo;  Entre outros motivos. Então no dia 20/04/2012, foram enviados novamente a aqueles que não tinham respondido outros 125 e-mails, porém sem anexos; para responder era necessário apenas clicar em responder a mensagem, responder e enviar. Foram então respondidos mais (18) questionários. Pessoalmente foram aplicados (6) questionários, totalizando (39) questionários respondidos. 3.2 Análise de Dados Com o término da coleta e tabulação de dados, observou-se que apenas 26% do universo de alunos pretendidos colaboraram com a pesquisa, dos quais 7 % representam os alunos que se encontram desligados do curso. Para tanto, os alunos que participaram da pesquisa serão caracterizados como uma amostra aleatória simples do universo pretendido. Segundo Pádua (2007, p.67), “a amostra é a representação menor de um todo maior, a fim de que o pesquisador possa analisar um dado Universo, a amostra representa o todo”. A análise da pesquisa foi dividida em três etapas:  Na primeira analisou-se o perfil de todos os alunos participantes da pesquisa;  Na segunda etapa, os dados dos alunos que permanecem assíduos no curso;  Na terceira etapa faz-se análise dos alunos que se encontram desligados do curso.
  22. 22. 21 As respostas declaradas nos questionários, como Nunca e Raramente, assim com Frequentemente e Sempre, foram agrupadas para facilitar a interpretação dos dados coletados.  Nunca /Raramente: N/R  Algumas Vezes: A  Frequentemente/Sempre: F/S
  23. 23. 22 4 RESULTADO E DISCUSSÃO Os dados levantados a partir da amostra coletada foram analisados através da estatística simples com o auxílio do Microsoft Office Excel, um programa de planilha eletrônica que possibilita a execução de cálculos por meio de fórmulas e funções. Permitiu também a realização de gráficos com a representação real do perfil dos discentes pesquisados. Os dados obtidos, relacionados aos Indicadores de Satisfação, foram armazenados em planilhas e então analisados e descritos. A partir deste estudo também foi possível conhecer e descrever, conforme os objetivos propostos da pesquisa os fatores que contribuem para a permanência ou evasão do curso de Administração Pública. 4.1 Perfil do aluno É importante conhecer o perfil dos alunos que irão participar do processo de ensino-aprendizagem, a fim de que os programas de ensino correspondam as reais necessidades do aluno e assim possam motivá-lo a superar os obstáculos inerentes da modalidade a distância, como exemplo a ausência do professor presencial, a necessidade de dominar os conhecimentos relacionados às TIC, entre outros. A análise do perfil do discente do curso de Administração Pública demonstra correlação com as publicações literárias pesquisadas, que relatam que nas instituições de ensino de uma forma geral, o sexo feminino é predominante, e a idade do aluno é mais avançada (CENSO EAD, 2010). Esses dados são retratados nos gráficos de números 4.1 e 4.2.
  24. 24. 23 Gráfico 4.1 - Gênero Fonte: Dados da Pesquisa (2012) Gráfico 4.2 - Faixa Etária Fonte: Dados da Pesquisa (2012) O gênero predominante da pesquisa foi o feminino e a faixa etária da população pesquisada mostra-se ainda mais avançada que a média nacional, revelada pelo Censo de EaD de 2010, que é de 33 anos. É um dado importante a ser considerado, pois os alunos com mais de 40 anos representam 64% da população pesquisada. São alunos que possivelmente não tiveram a oportunidade de ingressar no ensino superior na idade adequada, e hoje buscam por um curso que lhes possibilite crescer profissionalmente e pessoalmente. 23% 77% Masculino Feminino 8% 28% 56% 8% De 20 a 30 anos De 31 a 40 anos De 41 a 50 anos De 51 e mais
  25. 25. 24 Os gráficos 4.3 e 4.4, representam o grau de escolaridade e o tempo que o discente está longe dos estudos. 51% dos alunos que declararam possuir um curso superior incompleto e aproximadamente 50%%, afirmam que há mais de 11 anos estão sem estudar. Tais informações possibilitam a compreensão das dificuldades enfrentadas pelos alunos, e foram relatadas nas questões abertas da pesquisa. Eles descrevem a falta de adaptação aos novos ritmos acadêmicos e a nova metodologia de ensino da EaD, como sendo um dos fatores de desistência do curso. Gráfico 4.3 - Escolaridade Fonte: Dados da pesquisa (2012) Gráfico 4.4 - Tempo sem estudar Fonte: Dados da pesquisa (2012) 13% 15% 51% 8% 8% 5% 0 Ensino Médio Ensino Médio e Técnico Superior incompleto Superior Especialização incompleto Especialização completo Outros 44% 8% 41% 8% De 1 a 5 anos De 6 a 10 anos De 11 a 20 anos De 21 e mais
  26. 26. 25 Os gráficos 4.5 e 4.6 demonstram que os discentes são em sua maioria pessoas casadas ou que possuem uma união estável, 100% ativas no mercado de trabalho e que 67% deles possuem mais de 10 anos de trabalho na instituição. Gráfico 4.5 - Estado Civil Fonte: Dados da pesquisa (2012) Gráfico 4.6 - Tempo de Serviço na Instituição Fonte: Dados da pesquisa (2012) Se for considerado que a maioria dos estudantes é formada por adultos, com família, que trabalham e estudam, seria justificável ser o cansaço uma das causas citadas pelo motivo de evasão, e da dificuldade do aprendizado na sua totalidade, independente do local onde esteja ocorrendo a aula como citado por Fávero e 72% 10% 15% 3% Casado(a)/ União Estável Solteiro(a) Divorciado/separado Viúvo(a) 33% 36% 28% 3% De 1 a 10 anos De 11 a 20 anos De 21 a 30 anos De 31 e mais
  27. 27. 26 Franco (2006). Porém neste estudo não houve nenhuma citação relacionada ao cansaço, seja físico ou mental por parte dos discentes. 4.2 Análise dos dados coletados dos alunos Permanescentes 4.2.1 Questões estruturadas Os resultados dos indicadores de satisfação das questões fechadas foram inseridos em tabelas, e as respostas mais optadas foram realçadas em vermelho, para melhor visualização e interpretação. Com a análise dos indicadores do instrumento de pesquisa apresentado na tabela 4.1 pode-se observar, que o curso de Administração Pública atende às expectativas dos alunos permanescentes, e que eles em sua maioria, não estão habituados à modalidade de ensino a distância, porém as novas tecnologias da informação e comunicação não foram destacadas como entraves para seus estudos. O tempo disponível para o estudo é um fator favorável à apenas a 14% dos alunos, e os problemas familiares, de saúde, de caráter pessoal e relacionadas ao trabalho interferem algumas vezes no desempenho acadêmico de aproximadamente 50% dos alunos. Quanto ao desempenho dos tutores presenciais e tutores a distância, pesquisado por meio das questões 7 a 12, estes geraram uma média de 42% dos Frequentemente/sempre satisfeitos. Os alunos também se mostraram satisfeitos de uma forma geral com o material instrucional, e ao atendimento realizado por parte da secretaria acadêmica.
  28. 28. 27 Tabela 4.1 – Percentual das respostas informadas no questionário aplicado aos alunos de Administração Pública no período de 14/04/2012 a 14/05/2012. Questões Aplicadas no período de 14/04/12 a 14/05/2012 Percentual das respostas de múltiplas escolhas (%) Alunos Permanescentes N/R A S/F 1- O curso de ADM atente suas expectativas de formação. 7% 34% 59% 2- Já realizou outro curso na modalidade a distância. 76% 17% 7% 3- Você considera o seu tempo disponível para os estudos, suficiente. 31% 55% 14% 4- Problemas familiares, de saúde e de caráter pessoal interferem em seus estudos. 24% 48% 28% 5- Questões relacionadas ao trabalho interferem em seus estudos. 34% 52% 14% 6-As novas tecnologias da informação e comunicação dificultam seu aprendizado. 79% 21% 0% 7- O tutor presencial ajuda a melhorar o seu processo de reflexão e autocrítica. 28% 34% 38% 8-O tutor presencial responde as suas perguntas com clareza, atenção, e em tempo hábil. 17% 41% 41% 9-O tutor presencial demonstra domínio do conteúdo didático. 10% 41% 48% 10-O tutor a distância responde as suas perguntas com clareza, atenção e em tempo hábil. 17% 28% 55% 11-O tutor a distância ajuda a melhorar o seu processo de reflexão e autocrítica. 50% 41% 9% 12- O tutor a distância demonstra domínio do conteúdo didático. 0% 38% 62% 13- Quanto ao material instrucional em sua opinião eles correspondem suas necessidades de aprendizagem. 17% 34% 48% 14- Quanto ao atendimento de forma geral por parte da secretaria acadêmica, está de acordo com suas expectativas. 14% 24% 62% Fonte: Dados da Pesquisa (2012) 4.2.2 Análise das questões semiestruturadas As questões abertas, respondidas pelos alunos permanescentes foram diversificadas e informativas, reforçando alguns resultados apurados na tabela 4. 1, e foram descritas na forma de quadros. Nos quadros relacionados a seguir, estão transcritas as principais dificuldades encontradas pelos alunos permanescentes, suas experiências e fatores de superação de dificuldades:
  29. 29. 28 4.2.2.1 A falta de tempo A falta de tempo para a realização dos estudos e das atividades acadêmicas é um fator muito citado na pesquisa, e comum para o estudante de EaD. Segundo o Censo de EaD de 2010, é a causa de 50% das evasões dos cursos a distância. Quadro 4.1 A falta de tempo para dedicação aos estudos VERBALIZAÇÕES DOS ALUNOS PESQUISADOS A pior dificuldade é o tempo para estudar. Aprender a fazer horas de estudo diárias. O que me ajuda a continuar é unicamente a minha força de vontade, a vontade de aprender, de ir até o fim, de conseguir ganhar a luta para conquistar o meu ideal, realizar o meu sonho, gosto muito de tudo que é ligado a administração pública. O que falta é tempo, pois, temos muitas outras coisas para fazer. O curso corresponde minhas expectativas, muitas vezes que pensei em desistir troquei idéias com meus amigos do curso, familiares e outros. Para não desistir procuro lembrar de minhas metas finais Fonte: Dados da Pesquisa (2012) 4.2.2.2 Tempo fora de um ambiente de ensino O tempo fora da sala de aula foi um fator muito citado, e compreensível, pois voltar a estudar depois de muitos anos e por meio de uma modalidade nova, que exige do aluno, muito mais dedicação, horas de leitura e domínio próprio, é para muitos um grande desafio, conforme a descrição do quadro 4.2. Quadro 4.2 - Dificuldades relacionadas ao tempo que estão sem estudar foi citada por 38% dos discentes VERBALIZAÇÕES DOS ALUNOS PESQUISADOS A princípio as minhas maiores dificuldades foi o fato de estar a quase 20 anos sem estudar, a adaptação, a interpretação dos textos. O que me ajudou bastante foi a presença dos amigos e do tutor presencial que tive no primeiro e segundo semestre de 2011, que sempre esteve incentivando aos alunos a não desistir. Um ensino a Distância a princípio parece ser bem fácil, porém depende de muito mais dedicação do que eu esperava. Maior organização, planejamento, atenção ao EAD, pois muitos de nós voltamos a estudar depois de muito tempo parados, para muitos a internet ainda é uma ferramenta nova de pesquisa e sentem dificuldades. Fonte: Dados da Pesquisa (2012)
  30. 30. 29 4.2.2.3 Dificuldades em definir a função do tutor e em lidar com a ausência do professor Foi observado com a pesquisa, e conforme as verbalizações do quadro 4.3 que os alunos encontram muita dificuldade em adaptar-se a essa nova modalidade de ensino. E não reconhecem a real função do tutor neste processo de ensino. O tutor é elemento dinamizador da interação e da (re) construção do saber pelos aprendizes. A tutoria medeia e enriquece a interação entre os aprendizes, os conteúdos disponibilizados pelos materiais didáticos e a instituição educacional que os organiza. É o tutor quem estimula e orienta os aprendizes a realizarem as atividades propostas, e a avançar no seu conhecimento (TRACTENBERG, 2010). O aluno necessita desligar-se da forma tradicional de transmissão de saberes, para ter sucesso nos estudos. Uma vez que a principal característica da EaD, como já citada neste estudo, é a separação física do professor e do aluno. E que tal situação ocorre na maior parte do tempo dedicado aos estudos, a falta de ambientação e dificuldade de lidar com a ausência do professor, não deve se caracterizar como resistência a nova modalidade de ensino, e sim uma dificuldade a ser superada. As verbalizações de cerca de 25% dos alunos, relatam suas preferências por aulas presenciais e expositivas, abordando a matéria estudada. Quadro 4.3 - Dificuldades relacionadas à falta de ambientação a modalidade a distância VERBALIZAÇÕES DOS ALUNOS PESQUISADOS Como já coloquei a ausência total do professor é prejudicial, e deveria durante a disciplina que esta se desenvolvendo, ter pelo menos um aulão com a presença dele, isso ajudaria a clarear as idéias, faz falta a explicação de algumas atividades devido ao entendimento que não conseguimos captar. ... tutor presencial é apenas uma pessoa que direciona a aula e não expõe o conteúdo sobre a matéria, ou seja, os encontros presenciais poderiam ser mais útil se fosse apresentado o conteúdo da unidade e não termos que ir e ficar debatendo entre nós e não chegarmos a lugar algum. Ainda não consegui superar a ausência de informações pertinentes as matérias postadas, procuro em livros e artigos publicados na internet. Fonte: Dados da Pesquisa (2012)
  31. 31. 30 4.2.2.4 O Material Instrucional deve atender as necessidades do discente Na EAD todo o processo educativo é mediado por recursos tecnológicos, cujas possibilidades comunicacionais relacionadas com as características e propriedades que lhes são inerentes, precisam ser exploradas para que possam propiciar ao aluno a aprendizagem com autonomia (SENAC, 2011.p.2). A linguagem das mídias escolhidas deve estar adequada ao contexto e à atividade em realização, com o propósito de atrair e motivar o aluno. Importa considerar ainda que, em um projeto educacional na modalidade a distância, podemos lançar mão de uma combinação apropriada das mídias, as quais, por sua vez, devem estar articuladas entre si (SENAC, 2011.p.4). No quadro 4.4 os alunos verbalizaram sinalizadores, desfavoráveis quanto à pedagogia e didática na elaboração do material instrucional. Também foi muito citado pelos discentes, a preferência por material instrucional sob a forma de vídeo, talvez por sua similaridade com uma aula presencial. Quadro 4. 4 - Dificuldades relacionadas ao material instrucional VERBALIZAÇÕES DOS ALUNOS PESQUISADOS Na verdade não tenho muito do que reclamar, pois já estou bem acostumado a fazer este tipo de curso a distância então me adapto bem, mas o maior problema que vejo do curso de Administração Publica a distância é com relação ao material principalmente de matérias que acho que apenas lendo não da para aprender acho que precisava de aulas tipo vídeo conferencia, ex: matemática, contabilidade, estatística, contabilidade publica, matemática financeira. Acredito que uma melhor seleção de textos complementares mais simples, que ajude o aluno a entender de fato a matéria e não exigir tanto tempo com textos que muitas vezes são repetitivos, porém você só descobre quando já esta quase no final. Fonte: Dados da Pesquisa (2012)
  32. 32. 31 4.2.2.5 Sugestões de melhorias Como sugestão para melhoria, os alunos permanescentes, citaram conforme verbalizações no quadro 4.5, fatores relacionados ao cursos, tais como: a melhoria do material didático, diminuição do número de atividades, feedbacks por parte dos tutores menos demorados, encontros presenciais com datas anteriores a postagem das atividades, para esclarecer as duvidas com os tutores antes da postagem, melhoria quanto a didática, uma utilização maior do vídeo como material instrucional Quadro 4.5 Sugestões de melhorias VERBALIZAÇÕES DOS ALUNOS PESQUISADOS Melhorar o material didático, diminuir numero de atividades, aumentar o tempo para a realização das tarefas, priorizar qualidade e não quantidade. Um feedback dos tutores a distância mais rápido ajudaria muito, outra coisa que se poderia melhorar é as datas de postagem das atividades acho que deveriam ser após os encontros presenciais, pois poderíamos tirar muitas dúvidas com os tutores antes da postagem. Os vídeos teriam que ser disponibilizados em todas as unidades das disciplinas pelos professores. Os tutores à distância em relação as atividades na plataforma deveriam ser mais ágeis p/ que o aluno possa acompanhar o conteúdo em tempo hábil. Tem bastante coisa para se melhorar, mas acredito que a coordenação do curso esta trabalhando para isto, pois já conseguimos sentir bastante diferenças neste semestre em vista do primeiro e segundo. Acho que ate o ano que vem muita coisa já vai haver melhorado e temos que ver que nosso curso é um curso piloto, somos a segunda turma, então há muitos erros, mas com o tempo o curso chegara a um patamar de qualidade que esperamos. A mudança deveria ser em toda a estrutura do curso, também com a atitude dos tutores a distância que não cumprem o prazo de correção das atividades. E uma melhor didática para o curso. A aula presencial poderia ser com um professor abordando a matéria. Fonte: Dados da Pesquisa (2012)
  33. 33. 32 4.3 Análise dos dados coletados dos alunos Desistentes 4.3.1 Estudos das questões semiestruturadas Com a análise dos indicadores de satisfação demonstrados na tabela 4.2, entende-se que para a turma pesquisada do curso de Administração Pública, o curso atende em 50% as expectativas de formação dos alunos desistentes, e que 90% dos alunos não estão habituados a modalidade de ensino a distância. As novas tecnologias da informação e comunicação também não foram destacadas como entraves para os estudos dos alunos desistentes. As questões relacionadas ao trabalho foram citadas, por 60% dos alunos, como motivo de interferência nos estudos, ora “algumas vezes”, outras “Frequentemente/Sempre”. O tempo disponível para o estudo é um fator desfavorável citado por 60% dos alunos, dos quais, a metade informa que Frequentemente/Sempre o tempo é insuficiente; a outra metade diz que em algumas vezes o tempo é insuficiente. Os problemas familiares, de saúde, de caráter pessoal e relacionados ao trabalho não interferem no desempenho acadêmico de quase a totalidade dos alunos entrevistados. Em média os alunos mostraram-se bastante insatisfeitos com o relacionamento com o tutor presencial em todos os indicadores avaliados. Quanto ao tutor a distância 50% dos alunos afirmam que Frequentemente/Sempre o tutor demonstra domínio do conteúdo e apresenta respostas as suas dúvidas em tempo hábil e com clareza. O material instrucional foi citado em 50% como Nunca/Raramente atende as necessidades dos alunos.
  34. 34. 33 Tabela 4.2 – Percentual das respostas informadas no questionário aplicado aos alunos Desistentes do curso de Administração Pública no período de 14/04/2012 a 14/05/2012. Questões Aplicadas no período de 14/04/12 a 14/05/2012 Percentual das respostas de múltiplas escolhas (%) Alunos Desistentes N/R A S/F 1- O curso de ADM atente suas expectativas de formação. 40% 10% 50% 2- Já realizou outro curso na modalidade a distância. 90% 10% 0% 3- Você considera o seu tempo disponível para os estudos, suficiente. 40% 30% 30% 4- Problemas familiares, de saúde e de caráter pessoal interferem em seus estudos. 70% 30% 0% 5- Questões relacionadas ao trabalho interferem em seus estudos. 40% 40% 20% 6-As novas tecnologias da informação e comunicação dificultam seu aprendizado. 50% 30% 20% 7- O tutor presencial ajuda a melhorar o seu processo de reflexão e autocrítica. 70% 20% 10% 8-O tutor presencial responde as suas perguntas com clareza, atenção, e em tempo hábil. 50% 20% 30% 9-O tutor presencial demonstra domínio do conteúdo didático. 60% 20% 20% 10-O tutor a distância responde as suas perguntas com clareza, atenção e em tempo hábil. 20% 30% 50% 11-O tutor a distância ajuda a melhorar o seu processo de reflexão e autocrítica. 50% 20% 30% 12- O tutor a distância demonstra domínio do conteúdo didático. 20% 30% 50% 13- Quanto ao material instrucional em sua opinião eles correspondem suas necessidades de aprendizagem. 50% 30% 20% 14- Quanto ao atendimento de forma geral por parte da secretaria acadêmica, está de acordo com suas expectativas. 40% 10% 50% Fonte: Dados da Pesquisa (2012) 4.3.2 Estudos das questões estruturadas Os alunos desistentes foram breves em suas respostas, alguns nem mesmo responderam as questões abertas. Porém as dificuldades foram idênticas às citadas pelos alunos permanescentes, talvez com uma intensidade maior, pois levaram os alunos à desistência do curso.
  35. 35. 34 Em síntese as verbalizações informadas no quadro 4.6, foram:  A falta de tempo para dedicação aos estudos foi bastante citada de uma forma geral.  A falta de adaptação a modalidade de EaD, seria um possível motivo, devido a informação de descontentamento com a metodologia do curso, aliado a informação da tabela 4.2 que informa que 90% dos alunos nunca haviam realizado um curso a distância.  A falta de motivação e frustração também foi citada, relacionada a uma expectativa superior, quanto a qualidade do curso, do material didático, e o preparo dos tutores. Quadro 4.6 – Indicadores de satisfação dos alunos desistentes VERBALIZAÇÕES DOS ALUNOS PESQUISADOS No início das aulas fiquei afastada por problemas de saúde e quando iniciei fiquei muito decepcionada... “Imaginava” que nos encontros presenciais, além de resolução de dúvidas, haveria aulas, por vídeo conferência. Mas a realidade é outra, os encontros são utilizados para desenvolver atividades em grupo e depois os alunos são dispensados. As atividades a serem postadas na plataforma, geralmente exigem um tempo de estudo superior ao proposto. Na forma exigida e no tempo cobrado, não é possível o “estudo”, é possível apenas uma leitura para resolução dos exercícios. ... achei um absurdo: matérias que necessitam de cálculos matemáticos, como alguém pode estudar utilizando cálculos em frente ao computador? Após algumas reclamações, fizeram um tutoral, que pouco ajudou. Então eu desisti. Quero saber, conhecer, estudar, saber os porquês, construir meu conhecimento e não simplesmente ganhar um diploma. O motivo de minha desistência foi à falta de tempo, para me dedicar aos estudos, a casa e o trabalho. E excesso de atividades e materiais para leitura. Desisti do curso por insatisfação após o primeiro módulo. Achei perda de tempo. Havia, falta de qualidade do conteúdo, e despreparo dos tutores. Estar respondendo por função, que ocupa muito o meu tempo, mas lamento ter desistido, pois estava adorando, mesmo com as dificuldades de acompanhar as tarefas. Fonte: Dados da Pesquisa (2012)
  36. 36. 35 4.3.3 Sugestões de melhorias Quanto às sugestões de melhorias, foram citadas de acordo com as verbalizações descritas no quadro 4.7 a melhora na eficiência e eficácia no ambiente virtual, no conteúdo didático, uma maior utilização da modalidade instrucional na forma de vídeo e feedbacks menos demorado por parte dos tutores. Quadro 4.7– Sugestões de melhorias VERBALIZAÇÕES DOS ALUNOS PESQUISADOS Melhorias no ambiente virtual, pois quando muitos acessam o ambiente ao mesmo tempo, acaba travando tudo e o chat é de muito má qualidade. Um melhor conteúdo de material na plataforma; professores fazendo apresentações presenciais no 1° dia de aula das disciplinas; quantidade de vídeos teriam que ser disponibilizados em todas as unidades das disciplinas pelos professores; tutores à distância com correções de atividades na plataforma mais ágeis p/ que o aluno possa acompanhar o conteúdo em tempo hábil. Fonte: Dados da Pesquisa (2012)
  37. 37. 36 CONCLUSÃO O presente estudo se propôs a investigar o perfil dos discentes, seus motivos de permanência ou desistência do primeiro curso de Administração Pública oferecido na modalidade a distância por uma Instituição pública do Paraná. E também buscar aporte para entender a realidade constatada, e propor possíveis soluções às dificuldades e necessidades informadas. Com a análise dos dados coletados, observou-se similaridade com a revisão bibliográfica realizada, e as dificuldades citadas pelos discentes relacionadas a ao ensino foram : A falta de adaptação a nova modalidade de ensino, a falta de tempo para a dedicação aos estudos, falta de motivação devido a frustração das expectativas relacionadas ao curso, ao preparo dos tutores. Também foram encontradas na investigação algumas especificidades que não devem ser ignoradas na análise da pesquisa, tais como:  Os alunos pesquisados em sua maioria possuem idade superior a média nacional;  Todos os discentes encontram-se trabalhando, e em uma mesma instituição;  O aluno informa que está há muito tempo sem estudar. Conhecer quem é o aluno, suas necessidades e dificuldades relacionadas ao curso, e o motivo de permanência ou desistência, é importante para identificar possíveis falhas no planejamento e implementação do curso, assim como para elaborar novas estratégias de ensino que solucionem, ou amenizem tais dificuldades. No momento grande parte dos alunos que iniciaram o curso, o abandonaram; resta inicialmente focar nas dificuldades dos alunos permanescentes e elaborar estratégias para que os mesmos não fiquem desmotivados, ao enfrentarem suas dificuldades pessoais e observarem o número expressivo dos alunos desistentes. Provavelmente ainda se faz necessário alguns esclarecimentos aos alunos quanto à definição e as estratégias de ensino da EaD, portanto seria interessante oferecer uma palestra, utilizando um dos momentos presenciais para expor de forma clara e objetiva, o que é o ensino a distância, quem é o aluno e o que se espera
  38. 38. 37 dele, para que venha a ter sucesso no processo de ensino-aprendizagem, qual a função do tutor e do material didático entre outras informações pertinentes. Procurar criar um vínculo de maior de confiança e de interação entre o aluno e o tutor; conferir junto aos responsáveis a possibilidade de oferecer mais aulas por vídeo, para satisfazer uma necessidade apontada na pesquisa, por parte dos alunos. Verificar a possibilidade de oferecer aulas de reforço, para os módulos que apresentarem um número maior de alunos, com dificuldade em acompanhar a matéria, como por exemplo, os módulos de matemática e de contabilidade que foram citados na pesquisa. Dentre os possíveis fatores motivacionais, observa-se que a decisão de permanecer no curso está ligada a adaptação do aluno a modalidade do curso, ao encorajamento por parte da família, dos amigos e da na força de vontade inerente de cada um, conforme foi citado por alguns dos alunos. Quanto ao oferecimento do mesmo curso para o ano de 2012, e para os anos seguintes, foi pesquisado junto ao Site da Instituição informações relevantes, que indicam que a instituição esta ciente dos problemas identificados na pesquisa, e está buscando ajustes na produção do curso, tais como:  Quanto ao vestibular, foi aumentado o grau de dificuldade, das questões predominando questões com grau de dificuldade média e difícil.  A instituição realizou em 2012 concurso para contratação de tutores, tendo como exigência para a inscrição, que o candidato seja graduado em Administração e possua especialização em Educação a Distância ou esteja cursando.  A instituição também esta oferecendo para o início do segundo semestre de 2012, um total de 120 vagas para o curso se Especialização em Educação a Distância, na modalidade a distância, curso oferecido exclusivamente para seus servidores. Possivelmente o maior grau de dificuldade das questões, se deve a procura por discentes mais preparados, para enfrentar uma modalidade que exige maior autonomia nos estudos e horas de leitura. Quanto à contratação de tutores graduados na área relacionada ao curso e especialista em EaD, irá tornar a equipe de tutoria mais preparada para a atuação
  39. 39. 38 no curso e para a mediação da aprendizagem, e consequentemente deverá aumentar a qualidade do curso. Quanto à própria instituição formar profissionais especializados em EaD, é uma maneira de suprir a demanda por profissionais capacitados para as atividades de tutoria, gestão, planejamento e produção de cursos e agregar valor ao processo de produção e implementação de cursos. Isso indica que a instituição esta atenta, e aberta a correções que se mostrarem necessárias, para que o projeto venha a suprir as necessidades específicas de seu público de forma eficaz e eficiente, assim como aos objetivos da instituição.
  40. 40. 39 REFERÊNCIAS BERGAMINI. Cecília W. e CODA, Roberto. Psicodinâmica da Vida Organizacional: Motivação e Liderança, 2 ed. São Paulo: Atlas, 1997. BORGES. Martha Kaschny. O gestor do sistema de tutoria, disponível em, <http://senac.eduead.com.br/ead2011/file.php/195/Documentos_para_consulta__Uni dade_3/O_gestor_do_sistema_de_tutoria.pdf>, acesso em 02/03/12. CASTRO. Eder Alonso , OLIVEIRA. Paula Ramos de. Educando para o pensar. São Paulo: Pioneira Thonsom Learming, 2002. CENSO EAD. BR (2009). Relatório analítico da aprendizagem a distância no Brasil. Disponível em <http://www.abed.org.br/censoead/CensoEaDbr0809_portugues.pdf> acesso em 20/03/2012 CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR, Divulgação dos principais resultados do censo superior 2010. Disponível em. <http://portal.mec.gov.br/index.php?option%3Dcom_docman%26task%3Ddoc_downl oad%26gid%3D9332%26Itemid&ei=0ATVT4zJDPTH6AHNv8GBAw&usg=AFQjCNH nGDSNjDVSmihtRWT0wJFXJq2NSQ&sig2=XY6Aj9m4IGHYtdDH0AadA>. Acesso em 20/03/2012 Comissão Especial de Estudos sobre a Evasão nas Universidades Públicas Brasileiras. Diplomação, Retenção e Evasão nos Cursos De Graduação em Instituições de Ensino Superior Pública. Disponível em <http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me001613.pdf> acesso em 22 /03/2012. COSTA, Marco Antônio. F. Da; COSTA, Maria de Fátima Bazorroda. Metodologia da Pesquisa: conceitos e Técnicas. Rio de Janeiro: Interciência, 2001. DEC 5.622/2005 (DECRETO DO EXECUTIVO) 19/12/2005. Regulamenta o art. 80 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em, <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5622.htm.> Acesso em 02/04/2012. DEC 2.494/1998 (DECRETO DO EXECUTIVO) 10/02/1998. Regulamenta o art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e dá outras providências. Disponível em <http://legislacao.planalto.gov.br/legisla/legislacao.nsf/Viw_Identificacao/DEC%202.4 94-1998?OpenDocument>, acesso em 01/04/2012. FÁVERO, Rute Vera Maria; FRANCO, Sérgio Roberto Kieling. Um estudo sobre a permanência e a evasão na Educação a Distância. 2006. Disponível em <http://www.medicina.ufc.br/unasus/cesf2/ead/aula_03/pdfs_03/Interacao_e_Evasao _na_EaD.pdf> Acesso 15/03/2012.
  41. 41. 40 GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo. Atlas. 1991 GOUVÊA, G.; C. I. OLIVEIRA. Educação a Distância na formação de professores: viabilidades, potencialidades e limites. 4. ed. Rio de Janeiro: Vieira e Lent. 2006. LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Atlas 2007. LANDIM, Cláudia Maria das Mercês Paes Ferreira. Educação à distância: algumas considerações. Rio de Janeiro: Autores Associados, 1997. LEI 9.394/1996 (LEI ORDINÁRIA) 20/12/1996, Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em, <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/l9394.htm>, acesso em 02/04/2012. LÉVY, Pierre. Cibercultura. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1999. disponível em < http://ntefo.vilabol.uol.com.br/cibercultura.htm>, acesso em 12/04/2012. MAIA, Marta de Campos; MEIRELLES, Fernando de Souza. Tecnologias de informação e comunicação e os índices de evasão nos cursos a distância. 2005. Disponível em <http://www.abed.org.br/congresso2005/por/pdf/181tcc3.pdf> Acesso em 01/04/2012. MERCADO. Luis Paulo Leopoldo. Dificuldades na educação a distância online. Disponível em, <http://www.abed.org.br/congresso2007/tc/55200761718PM.pdf>, acesso em 01/03/2012. MOEHLECKE, Sabrina. Avaliação institucional no ensino superior: como acompanhar a trajetória dos estudantes de graduação? Disponível emhttp://www.anpae.org.br/congressos_antigos/simposio2007/401.pdf, acesso em 01/03/2012. MONTEIRO. R. OLIVEIRA. J.G; BARUTO. C. Tecnologia da informação para todos. São Paulo: Bei Conceição, 2002.140 p. Coleção Entenda e Aprenda.<http://www.abed.org.br/congresso2004/por/htm/073-TC-C2.htm>, acesso em 06/04/2012. MORAN, José Manuel. Ciência da Informação: como utilizar a Internet na educação. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?pid=s0100- 19651997000200006&script=sci_arttext>. Acesso em: 20/03/ 2012. OLIVEIRA, Ari Batista de. Andragogia - a educação de adultos, Disponível em<http://www.serprofessoruniversitario.pro.br/m%C3%B3dulos/andragogia/andrago gia-educa%C3%A7%C3%A3o-de-adultos>.Acesso em 01/06/2012 PAREDES, Alberto Sánchez. A Evasão do Terceiro Grau em Curitiba. Curitiba, 1994. Dissertação (Mestrado – Educação) UFPR. PALLOFF, Rena M. e PRATT, Keith. O aluno virtual: um guia para trabalhar com estudantes on-line. Porto Alegre: ARTMED, 2004.
  42. 42. 41 PIAGET, Jean. Psicologia e Pedagogia. Rio de Janeiro: Forense, 1969. PÁDUA, Elisabete Matallo Marchesini. Metodologia da pesquisa: abordagem teórico-prática. Campinas-SP, 13 ed. Papirus, 2007. RUBIO, C. P. Educação a distância enfrenta fase de transição. Disponível em, http://www.unesp.br/noticia.php?artigo=8097acesso em 22/03/12. SENAC. Design Instrucional. 2011a. Disponível em:< http://senac.eduead.com.br/ead2011/file.php/271/M4_U3_S1_Design.pdf >. Acesso em: 19 de junho 2012. ______Planejamento de Curso em EaD. 2011b. Disponível em: <http://senac.eduead.com.br/ead2011/file.php/271/M4_U1_S1.pdf> . Acesso em: 19 de junho de 2012. ______Design Instrucional: roteirização. Disponível em: <http://senac.eduead.com.br/ead2011/file.php/271/M4_U3_S2_Design- >versao_impressao.pdf . Acesso em: 19 de junho de 2012. SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. 23. ed. rev. e atual. São Paulo: Cortez, 2007. TRACTENBERG, Leonel. Gestão da Educação a Distância. Disponível em, <http://senac.eduead.com.br/ead2011/file.php/195/Documentos_para_consulta_- _Unidade_3/A_gestao_da_tutoria.pdf> Acesso em 02/02/2012. VALENTE, José Armando. Os desafios da implantação da EAD. Interface (Botucatu), Botucatu, v.7, n.12, fev.2003. Disponível em. <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141432832003000100014& nrm=iso&lng=pt&tlng=pt>, acesso em 10/03/12.

×