A teologia prática

231 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
231
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A teologia prática

  1. 1. A TEOLOGIA PRÁTICA COMO MODO DE SER DA TEOLOGIA CRISTÃ •Apartirdodesenvolvimentodamodernidadeocidentaléqueateologiacristãfoiseidentif icandocadavezmaiscomumsistemadeidéias,distanciando-sedavidacotidianadecristãoseigrejas; •Comoacrisedamodernidadetambémrefletiunomundoreligioso,eespecificamenteno mundodateologia,écomumfalaremteologiaprática. PARADIGMAS DA TEOLOGIA CRISTÃ NA HISTÓRIA •Ahistóriadateologiacristãconheceutrêsgrandesparadigmasreguladores: –Paradigmadateologiahabitual: •Período:desdeasorigensdaigrejacristãatéoiníciodaIdadeMédia; •Premissa:ateologiacomoumhabitusdevidaeestudo,concebidacomoconhecimento deDeuseconstruídapormeiodasdisciplinasdaoração,doestudoedaparticipaçãolitúrg ica; •Objetivo:formarpessoas,liderançasecomunidadeseclesiaiscristãs; •Seussujeitos:PaisdaIgreja,ahierarquiasacerdotalcristãeosconcílioscristãos; •Finalidade:diálogocríticocomosataquesqueaigrejasofria,tantointernamente(pelas“ heresias”)quantoexternamente,porreligiõesefilosofiasconcorrentes. –Paradigmadateologiacientífica: •Período:duranteaIdadeMédiaatéaContra- Reforma; •Premissa:ateologiacomoarcabouçoordenadordetodooconhecimentohumano,bem comoodasnascentesuniversidadesdaEuropa; •Objetivo:alterarsignificativamenteasênfasesmetodológicas,nasrelaçõescomafilos ofiae, principalmente,nafunçãodateologia; •Seussujeitos:AbelardoeTomásdeAquino;
  2. 2. •Finalidade:Ateologiaultrapassaasfronteiraseclesiaiseassumepapeldeterminantee mtodoemtodoodesenvolvimentodosabereuropeu–arainhadoconhecimento. –Paradigmadateologiadisciplinar: •Período:nasceucomamodernidadeepredominaatéhoje; •Premissa:subordinaçãodateologiaaosimperativosdomundoacadêmicodevidoàper dadeprestígioepoderdasIgrejasnocampouniversitário,edosaberemgeral; •Objetivo:transformarcadavezmaisateologiaemuma“ciência”,oumelhor,emumsiste madisciplinardeconhecimento,divididoemáreasdosaberteológicoouemdisciplinasp articulares. •Finalidade:enfrentarosgrandesconflitosqueodesenvolvimentodaracionalidademod ernaapresentouàsigrejaseàadesãoàfécristã, individualmente; •Seussujeitos:teólogosprofissionais,sejamaquelesaserviçodasigrejascristãs,sejam osmaisdiretamenteligadosàsuniversidades. O PARADIGMA DISCIPLINAR MODERNO E A CRISE COMTEMPORÂNEA •Asdisciplinasteológicasdamodernidade– comoatividadeacadêmica,ateologiafoiseorganizandoaoredordequatrograndeseixo sdisciplinares: –TeologiaSistemática; –TeologiaHistórica; –TeologiaBíblicae; –TeologiaPrática. •TeologiaSistemática– reflexãosistemáticasobreasverdadesdafécristã,seumétodoprivilegiouodiálogocom
  3. 3. afilosofiaeaelaboraçãodegrandescompêndiossistemáticos,coerentementeorganiza dosparaabrangertodoouniversodosaberteológico; •TeologiaHistórica– umadisciplinateológicaauxiliar,aserviçodaconstruçãodosgrandessistemasteológico soudoutrinários,conformeoespaçodaproduçãoteológica; •Seuparceiroprivilegiadodediálogoeraahistóriadafilosofia,permitindoadistinçãoentr everdadesteológicasecrençasreligiosas; •Nosmeioseclesiaisrecebeudiferentesnomes:históriadosdogmas,históriadasdoutri nas,históriadateologia,históriadopensamentocristão. •TeologiaBíblica– especialmentenosetorprotestante,ateologiabíblicatevegrandedesenvolvimento,da daaprofundavinculaçãoqueaverdadetem,nessasigrejas,comasEscrituras; •TeologiaPrática– Nosmeiosacadêmicos,foiexercidaprincipalmentecomoumateologiasistemáticaaplic ada–daqualextraiusuastemáticasemetodologias–servindocomotecnologia; •Nosmeioseclesiais,ateologiapráticaestevesubordinadaaosinteresseseàsnecessid adesorganizacionaisdasigrejascristãs; •NoséculoXX,ateologiapráticapassaadisputarespaçocomasdemaisdisciplinasteoló gicaseaseconstituirautonomamente,desenvolvendometodologiaeobjetivosespecífi cos. •Acrisedoparadigmadisciplinarmoderno •Acrisedoiluminismoedoprojetomodernoracional-científico, comumenteconhecidocomopós-modernidade, tambémseusefeitossobreaatividadeteológica; •Oparadigmadisciplinardateologiaédesafiadopelomenosemtrêsfronts: –Areflexãomissiológica– fomentasériascríticasaopredomíniodaformasistemáticaeabstratadefazerteologia,à qualconvocaparaumaprofundareflexãosobreamissãoeopapeldasigrejascristãs;
  4. 4. –Entreospraticantesmaistípicosdateologia,ascorrentesneo-ortodoxa( Barth,Brunner,Tillich,etc.)epolítica(Metz,Moltmann,etc.)foramasprincipai spromotorasdacrisedateologiasistemática; –Teologiascontextuais– começamaserelaboradasapartirdemeadosdosanos60equestionam,comgrandediv ersidade,oparadigmamodernodofazerteológico; –Teologiadalibertaçãoeateologiaevangélicaradical(evangelical)- exercemforteimpactonaelaboraçãodenovosmodelosdofazerteológico,entendidaate ologiaespecialmentecomoreflexãosobreapráticaoupráxiscristãnasociedade. – Essasteologiasvieramaproduzirumefeitocolateralinteressante:considerarprática(ou práxis)ateologia, alavancandoosmovimentosmaistipicamentepós-modernosderevisãoparadigmáticadocampoteológico; TEOLOGIA PRÁTICA: MODO DE SER DE TODA A TEOLOGIA •Práticaéomododeserdateologiaàmedidaque“oobjetivoúltimodareflexãoeconstruçã oteológicaséprático,nãoespeculativo”(G.D.Kaufman) •“Primeiroéocompromissodacaridade,deserviço. Ateologiavemdepoiséatosegundo”(G.Guitiérrez); (25) •Teologia(prática)édiscurso,açãocomunicativa, atividadecomunitáriaenãoindividualeisolada. Comotalconstrói-seapartirdereflexão,diálogoeconfronto.(26)
  5. 5. •Opapeldoteólogonaigrejaépartilharareflexãoeestimularopensamentoeaaçãocrítico seconstrutivos(27); •Comodiscursosobreaaçãocristã,osujeitoprivilegiadodateologiaéacomunidadecrist ãemaçãonomundo,paraaqualateologiaservirácomomeiodeexpressãodediscernime ntocríticoconstrutivo,simultaneamente(Rm12.1,2;Cl1.9-12); •AscomunidadescristãsdevemservistascomoprotótiposepremissasdoreinodeDeus, espaçosondeaspessoaspoderãoencontraramizade,companheirismo,sentidoparaa vidae,especialmente,poderãoencontrarDeuspresenteeatuante(28); •Deve-se Ressaltarparticularmenteocaráterprovisórioedialogaldetodaaelaboraçãoteológica, soboriscodeateologiatransformar-seemletramortaefontededivisãoeconfusãonaigreja;( 29) •NaspalavrasdeJesus,ateologiapráticadevesersaldaterraeluzdomundo,eparasê-loprecisadialogar, estarnaterraenomundo,massemserdomundo(Jo17.11-18); •Ateologiapráticaassumeosriscosdapresençanomundoedodiálogocríticoeconstruti vocomossaberesproduzidosforadaigreja(31); TEOLOGIA PRÁTICA: UMA TEOLOGIA DA AÇÃO EM DISCERNIMENTO •Objetodateologiaprática:conhecimentodavontadedeDeus; •Produtofinaldateologiaprática:aaxiologiadaaçãocristã; UMA TEOLOGIA CUJO OBJETO É O CONHECIMENTO DA VONTADE DE DEUS
  6. 6. •OconhecimentoéfrutodaaçãodoEspíritonavidadapessoa(Rm12.1,2;1Co2.13,16; •Ateologiapráticacomoatividadereflexivadaortopraxis,centradaemtrêsgrandeseixos : –Elaboraçãodeconceitos:compreenderasituaçãoreal; –Análisecríticadeconhecimentosepráticas: compreenderosentidodoEspírito,quenosfazsuperarasimplesvisãodosensocomum, emesmoavisãomaisanalíticadasciênciasquandoestascontrariamavontadedeDeus; Direçãodecondutaséticas,ministeriaisemissionais:compreendercomoseintegrames sestrêsconhecimentoseformulardeliberaçõesconcretasparaaaçãocristã,emconcor dânciacomonãoeosimdaaçãomissionária; •ComoteologiadaaçãoemdiscernimentooriundodoEspíritoSantodeDeus– queéoamordeDeusderramadoemnós– ateologiapráticaseinicianasolidãointeriordaprofundacomunhãocomDeus. UMA TEOLOGIA CUJO PRODUTO FINAL É UMA AXIOLOGIADA AÇÃO CRISTÃ •A axiologiase caracteriza pela construção de critérios de valor; •Na teologia paulina, o critério básico da ação cristã é sua dignidade, sua conformidade ou padrão, ou seja, ao agir de Deus: –Rm 16.2 –a identidadeda igreja como povo dos santos; –Ef 4.1 –a vocaçãorecebida pela igreja, que molda sua identidade; –Fp 1.27 –o evangelho de Cristo, que molda a missão da comunidade cristã; –Cl 1.10 –o Senhorque em tudo tem a primazia; e –1 Ts 2.12 –Deus, que chama seu povo para seu reino e sua glória.
  7. 7. •Umateologiaqueintegraaéticaeaestéticaaserviçodoaperfeiçoamentodeumaigrejatr ansformadaetransformadora: –Osaber(plenoconhecimentodavontadedeDeus)conjugadocom; –Odever(andardemododignodoSenhor)ecom –Osabor(agradando-oemtudo); •EmColossenses1.9s,aaxiologiadavidacristãéconstruídapormeiodequatroorações participiais: –Frutificandoemtodaboaobra; –CrescendonoplenoconhecimentodeDeus; –Sendofortalecidoscomotodoopoderemtodaperseverançaelonganimidade;e –DandograçasaoPai,quevosfezidôneos. •Seatradiçãosuspeitoudasboasobras,ascomunidadesatuaistendemasuspeitardoco nhecimento; •Colossenses1.11éconstruídodeformaaressaltaraimportânciaeanaturezadaenergi adivinaquenoséconcedidaeemnósopera: –“Sendofortalecidoscomtodoopoder”– sercristãoédependerdeDeusparaagireagirenergizadopeloEspíritodeDeus; –“asuaforçagloriosa”– quenosenergizaparaaaçãoemconformidadecomasuavontade; –“Emtodaperseverançaelonganimidade”– Deusenergizaseupovopararesistiratodasasocasiõesemquepensadesistirdesuaide ntidademissionária; – Atransformaçãodefinitivadomundoedapessoasóocorreráescatologicamente,poriss oéprecisoresistir.
  8. 8. •Parteintegrantedaaxiologiadaaçãocristãéagratidão,aatitudedeviveremtodasascirc unstanciascomalegriaeprazerderivadosdoreconhecimentodequetudooquenosacon teceestádentrodoplano–davontade–deDeus; •OverdadeirocultoqueprestamosaDeuséodavidatransformada(Rm12.1,2); •Aaçãodefazerteologiasemprecomeçacomopedidoporsabedoriaediscernimento,po isambosvêmdoEspírito,nãonascememnós. UMA CRISTOLOGIA PRÁTICA: O SENHORIO DE CRISTO •Ateologiapráticaconstruídacomoaxiologiadaaçãocristã,desenvolvecritérioscristoc êntricosparaoagir; •Tantoodiscernimentoquantoaxiologiadaaçãocristãsãoedificadosemtornodaaçãod eJesusedareflexãoneotestamentáriasobreela; •OcaminhojudaicoparaasalvaçãoeraocaminhodaobediênciaáLei– apráticadasboasobrasdaLei; •OMessiasnãoeraesperadocomosalvadordopovojásalvodeDeus,masapenascomol ibertadorpolítico; •Nomundogrego-romanoasalvaçãotinhaváriosaspectos: – Dualismoentrematériaeespírito(libertaçãodaalmadaprisãocorpóreaematerialneste mundo). Odestinocomoforçaimpessoalquecontrolavaomundoeaspessoas,diantedoqualsom enteaaçãomágicaerapossível(astrologia); – As“religiõesdemistério”ondeapessoaconseguiaassegurarofavordospoderesextrate rrenosempartilhardosseusbenefícios;
  9. 9. •PaulotevedecontextualizaramensagemdoEvangelho,sem,contudo,alteraraessênc iadoensinodeCristo; •EmdiálogocomColossenses1.15-20; verificamosaestruturaçãodecritériosparaoagircristãoqueatendamaosenhoriocósmi codeJesus; •DeiníciopodemosdestacaraaçãoreveladoradeCristo,poisnelepodemosencontraraf acedeDeus(aimagemdoDeusinvisível)eafacedomundo(oprimogênitodetodaacriaçã o); •NomundohelênicohaviadiferentesportadoresdaimagemdeDeus: –Ocosmos –Oserhumano –Orei •AoafirmarqueJesus,enãoaSabedoria(Tora),éaimagemdeDeus,torna-seclarooesvaziamentodosseguintespensamentos: –AfunçãodaSabedoriacomomediadora; –AfunçãodaToracomocaminhoatéDeus; –Afunçãodocosmoscomoreveladora; –Ovalordafilosofiacomocaminhoparaalcançaraverdade. •Portanto,quemquiserconheceraDeusdeveconheceraCristo,poiseleéoúnicointérpre teeporta-vozdeDeusnaterra(Jo1.14-18;Hb1.1-3); •Comoprimogênito,revela-nosaverdadeirahumanidade; •Cumpre-seneleoprojetodeDeusderefazerahumanidade, suagrandefamília(Rm8.29) •EmJesusencontramostantoosaberarespeitodoserhumanoeodeverdeconformar-nosaele, quantoosaboragradáveldenossamissão(2Co2.14); •AfunçãodeCristocomorepresentantedeDeuseregentedacriaçãojáestavapresenten atradiçãocristológicadaliteraturapaulina(1Co8.6;Rm11.36);
  10. 10. •Colossenses1.16,17destacaqueháumsóqueéSenhordetodasascoisas:JesusCrist o,omeio,oagenteeoalvodacriaçãodeDeus; •ArestauraçãodanaturezahumanaéumdosefeitosdasupremaciadeCristosobreanov acriação(Ef2.11-22): –Osgentios,afastadosdaaliança,aproximam-sedeDeuspelosanguedeCristo( 2.13); –Assim,temosacessolivreaoPaipormeiodoseuEspírito(2.18,22) •Dessaforma,afidelidadedeDeusémantida,seuplanohistóricoécumpridoeumanovah umanidadecomeçaaseformar; •UmanovahumanidadeemCristoJesus, criada“segundoDeusnajustiçaenasantidadequevemdaverdade”(Ef4.24); •Areunificaçãodahumanidadeéumpassohistóriconadireçãodaredençãocósmica, primíciasdanovacriação; •EmColossenses1.19,20(v.2Co5.19),Paulofalasobreareconciliaçãodetodasascoisa s,noscéusenaterra; •DeacordocomColossenses2.153Efésios1.20- 23,essareconciliaçãodepoderesconsistebasicamenteemdespojamento[escatológic o] desuacondiçãodesenhoresdavidahumana, ouseja,suasubordinaçãoaoagirsalvíficodeJesusCristo; •OFilhorestringeapossibilidadedeaçãodetodosospoderes,atéquevenhamaserefetiv amentederrotados,anuladosetotalmentesubordinadosaDeus(v1Co15.24;Ef1.10); •Apaxromanaéobtidamedianteasubmissãopelaforçamilitar:mortedosinimigos; •Natradiçãojudaico-cristã,apazéaplenaharmoniaqueDeusestabelecenacriação,
  11. 11. destacando-seajustiçasocial, queconsistenaharmoniacósmicadeDeusaplicadaàconvivênciasoci alhumana; •Nessecasopodemosveraigrejacomoprotótipodanovacriação,aantecipaçãoescatol ógicadautopiadosnovoscéusedanovaterra; •AreconciliaçãocósmicapermiteaopovodeDeusumaespiritualidadeintegral– cristocêntricaesolidária.

×