TEMPO EMCURSO                 Publicação eletrônica mensal             sobre as desigualdades de cor ou        raça e gêne...
TEMPO EM CURSO                          1. Apresentação 2. O movimento Ocupe “Wall Street” e os efeitos                   ...
TEMPO EM CURSO                            2. O movimento Ocupe “Wall Street” e os efeitos                                 ...
TEMPO EM CURSO                                 2. O movimento Ocupe “Wall Street” e os efeitos                            ...
TEMPO EM CURSO                          2. O movimento Ocupe “Wall Street” e os efeitos da crise econômica sobre os       ...
TEMPO EM CURSO                                     3. Evolução do rendimento habitual médio do trabalho principal         ...
TEMPO EM CURSO                              4. Evolução da taxa de desemprego 5. Rendimento horário médio habitualmente   ...
TEMPO EM CURSO                             5. Rendimento horário médio habitualmente                                      ...
TEMPO EM CURSO                             5. Rendimento horário médio habitualmente                                      ...
TEMPO EM CURSO                          5. Rendimento horário médio habitualmente                                         ...
TEMPO EM CURSO                          5. Rendimento horário médio habitualmente                                        1...
TEMPO EM CURSO                                                                                        12Ano III; Vol. 3; n...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

TEC 2011 09 - Ocupe Wall Street

377 visualizações

Publicada em

Publicação eletrônica “Tempo em Curso: boletim mensal sobre as desigualdades de cor ou raça e gênero no mercado de trabalho brasileiro” (ISSN: 2177-3955) do LAESER - edição de setembro de 2011

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
377
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

TEC 2011 09 - Ocupe Wall Street

  1. 1. TEMPO EMCURSO Publicação eletrônica mensal sobre as desigualdades de cor ou raça e gênero no mercado de trabalho metropolitano brasileiro Ano III; Vol. 3; nº 9, Setembro, 2011 (Ocupe Wall Street) ISSN 2177–3955
  2. 2. TEMPO EM CURSO 1. Apresentação 2. O movimento Ocupe “Wall Street” e os efeitos 2Ano III; Vol. 3; nº 9, Setembro, 2011 da crise econômica sobre os afrodescendentes dos EUASumário na ocupação e o modo pelo qual este indicador se apresentou, em julho de 2011, para os grupos de cor1. Apresentação ou raça e sexo das seis maiores RMs brasileiras.2. O movimento Ocupe “Wall Street” e os efeitos dacrise econômica sobre os afrodescendentes dos EUA 2. O movimento Ocupe “Wall Street” e3. Evolução do rendimento habitual médio do trabalho os efeitos da crise econômica sobre osprincipal afrodescendentes dos EUA4. Evolução da taxa de desemprego5. Rendimento habitual médio do trabalho principal de 2.a. “Ocupe Wall Street”: breve históricoacordo com a posição na ocupação Em setembro deste ano, algumas dezenas de pessoas1. Apresentação resolveram montar acampamento no parque Zuccotti, na Ilha de Manhattan, na cidade de Nova York. EstaCom o presente número, o LAESER dá continuidade mobilização foi uma tentativa de resposta à grave situ-ao boletim eletrônico “Tempo em Curso”, nesta publi- ação socioeconômica com a qual se defronta a econo-cação, completando sua 23ª edição. mia norte-americana nos dias atuais.Os principais indicadores desta publicação são os Aquele ato seria o embrião do que ficou conhecidomicrodados da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), como o “Movimento dos Indignados”. Especificamentedivulgados, mensalmente, pelo Instituto Brasileiro de em Nova York, conforme visto, origem do movimento,Geografia e Estatística (IBGE) em seu portal (www.ibge. encontra-se sua versão mais popular, até então autogov.br), e tabulados pelo LAESER no banco de dados intitulada“Occupy Wall Street” (“Ocupe Wall Street”).“Tempo em Curso”. Em cerca de um mês, o movimento “Ocupe WallA PME coleta informações sobre o mercado de trabalho Street” se expandiu aceleradamente e começaram ada população residente nas seis maiores Regiões Metro- ocorrer manifestações de centenas de milhares depolitanas (RMs) brasileiras. Da mais ao Norte, para a mais pessoas, não apenas em outras cidades dos EUA, masao Sul: Recife (PE), Salvador (BA), Belo Horizonte (MG), Rio também em Madri e Barcelona (Espanha), Roma (Itália),de Janeiro (RJ), São Paulo (SP) e Porto Alegre (RS). Genebra (Suíça), Miami (EUA), Paris (França), Sarajevo (Bósnia Herzegóvina), Zurique (Suíça), Cidade do Mé-A primeira parte desta edição do “Tempo em Curso” é xico (México), Lima (Peru), Santiago (Chile), Hong Kongdedicada ao “Movimento dos Indignados”. Este movimen- (Chile), Tóquio (Japão), Sydney (Austrália) e, mais recen-to vem se espalhando pelo mundo afora, em resposta à temente, no Rio de Janeiro e São Paulo (Brasil). Estascrise econômica dos dias atuais nos países desenvolvi- mobilizações passaram a se identificar como “Movi-dos, ainda produto da Crise das Hipotecas, ocorrida em mento dos Indignados”.2008. Neste momento, será dada ênfase especial aosdesdobramentos especialmente negativos da crise sobre Desde o início deste movimento nos EUA, vieram sur-a população afrodescendente norte-americana. gindo tentativas de comparações entre o “Ocupe Wall Street” e o conservador movimento da extrema direitaSucessivamente, é apresentada a análiseda evolução americana “Tea Party”. Assim, num determinado tipodos rendimentos médios habitualmente recebidos pelo de leitura, apesar dos diferentes enfoques, ambos ostrabalho principal e da taxa de desemprego nas seis setores estariam expressando descontentamento emmaiores RMs brasileiras, no intervalo de tempo com- relação ao sistema econômico e político vigente na-preendido entre julho de 2010 e julho de 2011. Neste quele país.plano, objetiva-se compreender a evolução das assi-metrias de cor ou raça e gênero no mercado metropo- Decerto, o “Tea Party” também expressa níveis ele-litano brasileiro no período considerado. vados de insatisfação com a atual situação dos EUA. Contudo, ao contrário de “Ocupe Wall Street”, a ban-Na última parte deste número, é realizada uma refle- deira do “Tea Party” se realiza através do Partido Re-xão sobre a evolução do rendimento horário habitual publicano, denotando ter escassa contradição com omédio do trabalho principal desagregado pela posição sistema econômico e político vigente. Igualmente, há
  3. 3. TEMPO EM CURSO 2. O movimento Ocupe “Wall Street” e os efeitos 3Ano III; Vol. 3; nº 9, Setembro, 2011 da crise econômica sobre os afrodescendentes dos EUAde destacar que este movimento é defensor de um Es- sem a população mais vulnerável socioeconomicamentetado mínimo em termos dos gastos sociais, é contrário das sequelas mais severas da crise.à elevação dos impostos para os mais ricos e carregavalores tradicionalistas no plano dos direitos civis e in- De acordo com uma lista de 15 países recentementedividuais, incluindo a oposição às ações afirmativas. Na divulgada pelo IBGE, tanto nos EUA,como na Uniãoverdade, o “Tea Party” responsabiliza principalmente o Europeia, o Produto Interno Bruto (PIB) expandiu-se emgoverno democrata de Barack Obama pela crise atual, apenas 0,2% no segundo trimestre de 2011, em relaçãoe não aos bancos, como fazem os manifestantes do ao trimestre imediatamente anterior. O Japão chegou“Movimento dos Indignados”. a ter variação negativa no PIB em 0,3%. Vale ressal- tar que, comparativamente, o Brasil apresentou umaAlternativamente, de acordo com os próprios manifes- maior elevação do PIB, com variação positiva de 0,8%tantes vinculados ao “Ocupe Wall Street”, o movimento para o mesmo período.“é um símbolo da luta internacional crescente contrao movimento de práticas econômicas neoliberais, dos O cenário socioeconômico dos países desenvolvidoscrimes de Wall Street e da desigualdade de renda, de- vem sendo deteriorado pelo efeito da crise econômica.semprego e opressão”1. Assim, os últimos anos têm sido marcados pelo cres- cimento do desemprego e da pobreza. Tais sequelas,Portanto, o foco das reivindicações de “Ocupe Wall Stre- por sua vez, possuem diferentes impactos sobre oset” vai além das altas taxas de desemprego e da vulne- diferentes contingentes étnico-raciais da população.rabilidade social a qual se viu exposta a sociedade norte- Devido à existência de indicadores demográficos desa-americana a partir da crise de 2009. O movimento é volta- gregados para estes grupos, os EUA podem ser vistosdo contra o capital financeiro, representado na figura dos como um caso exemplar neste sentido.grandes bancos, que são apontados pelos manifestantescomo um dos principais responsáveis pela crise. A taxa de desemprego norte-americana se manteve, em setembro de 2011, em 9,1%. Aquele país, de acordo2.b. Uma visão geral sobre a crise econômica com seu o Departamento de Trabalho, segue com cercaatual e seus efeitos sobre a população de 14 milhões de desempregados. Cabe apontar queafrodescendente (Black or African American) dos este indicador é 0,6 ponto percentual inferior à taxa deEUA (gráficos 1, 2 e 3) desemprego média entre 2010 e 2011 (9,7%). Porém, na comparação com o indicador vigente em setembro deA desregulamentação do sistema financeiro, que na ver- 2007 (4,7%) – ou seja, pouco mais de um ano antes dodade veio ocorrendo desdeo começo dos anos 1980, Gráfico 1. Variação Produto Interno Bruto (PIB) no Brasil e paísesteve um papel fundamental selecionaos, 2º trimestre de 2011 (em % em relação ao trimestre anterior)para a deflagração da Crisedas Hipotecas, irrompida em2008. Apesar das tentativasdos governos dos paísesdesenvolvidos em mitigar osefeitos desta crise, os meca-nismos adotados demons-tram ser infrutíferos. Emgrande medida, este insuces-so decorreu da priorizaçãode se salvar financeiramenteos bancos, em detrimento àgeração de mecanismos quepreservassem o nível de ati- Fonte: Institutos de Estatística / Banco Central / Banco Mundial. Disponível em www.ibge.gov.br.vidade econômica e poupas-1 Retirado de http://occupywallst.org/.
  4. 4. TEMPO EM CURSO 2. O movimento Ocupe “Wall Street” e os efeitos 4Ano III; Vol. 3; nº 9, Setembro, 2011 da crise econômica sobre os afrodescendentes dos EUAinício da Crise das Hipotecas Gráfico 2. Taxa de Desemprego da PEA (16 anos ou mais) segundo grupos– a taxa de desemprego nos étnico-raciais selecionados, EUA , série do mês de setembro (em %)EUA quase duplicou em ter-mos proporcionais. 18,0 White Black or African American 16,0 Hispanics or Latinos 15,9No mês de setembro de 2011, Total 14,0a taxa de desemprego dosbrancos (White) norte-ameri- 12,0 10,8canos chegou a 7,6%, corres- 10,0 8,6pondendo a um recuo de 0,7 8,0 9,1ponto percentual ao ocorrido 6,0 6,3 7,6em setembro do ano anterior, 5,0 4,0todavia, sendo 3,5 pontos per- 4,1centuais superior ao ocorrido 2,0em setembro de 2007. 0,0 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011No caso dos afrodescenden- Nota: na população total estão incluídos todos os grupos étnico-raciais da população dos EUAtes (Black or African Ameri- Fonte: U.S. Bureau of Labor Statistics, Departamento de Trabalho Americano. Disponível em http://www.bls.gov/.can) dos EUA, a taxa de de-semprego, em setembro de2011, alcançou 15,9%. Este indicador seguiu sendo o tou elevada taxa de desemprego em setembro de 2011:mesmo de setembro de 2010. Porém, em comparação 10,8%. Este indicador foi 1,1 pontos percentuais inferiorcom o mês de setembro de 2007, a taxa de desempre- ao ocorrido em setembro do ano anterior e 5,2 pontosgo dos afrodescendentes (Black or African American) percentuais superior ao ocorrido em setembro de 2007.dos EUA, se elevou em 8,0 pontos percentuais. Portanto, apesar do cenário atual do mercado de traba-Também a população hispânica ou latina (pessoas nas- lho estadunidense ser de elevadas taxas de desempre-cidas em países da América de língua castelhana resi- go para o conjunto dos grupos étnico-raciais, o fato édente nos EUA e seus descendentes, neste último caso que este indicador impactou de maneira mais forte jus-independentemente de local de nascimento) apresen- tamente os afrodescendentes (Black or African Ameri- can). Assim, em setembro de 2011, a taxa de desemprego deste último contingente Gráfico 3. População em situação de Pobreza, EUA, 2002-2010 (em %) era 5,1 pontos percentuais superior à dos hispânicos ou35,0 latinos; 8,3 pontos percen-30,0 29,8 tuais superior à dos brancos25,0 27,2 27,3 (White); e 6,8 pontos percen- 26,3 24,020,0 21,8 tuais superior à média do país como um todo.15,0 15,110,0 12,1 Em termos proporcionais, 8,0 9,95,0 entre setembro de 2007 e0,0 setembro de 2011, a taxa 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 de desemprego da PEA de 16 anos ou mais nos EUA se White no hispanic White hispanic Black or African American no hispanic Black or African American hispanic elevou em 93,6%. Ente os Total brancos (White), este indi- Nota: exclui crianças abaixo de 15 anos não inseridas em um núcleo familiar. cador se elevou em 85,4%. Fonte: U.S. Census Bureau - Current Population Survey, Annual Social and Economic Supplement. No caso dos hispânicos ou Dados disponíveis em http://www.census.gov/hhes/www/poverty/. latinos, a taxa de desempre-
  5. 5. TEMPO EM CURSO 2. O movimento Ocupe “Wall Street” e os efeitos da crise econômica sobre os 5Ano III; Vol. 3; nº 9, Setembro, 2011 afrodescendentes dos EUA 3. Evolução do rendimento habitual médio do trabalho principalgo se elevou em 92,9%. Já entre os afrodescendentes pontos percentuais entre os afrodescendentes (Black(Black ou African American), a taxa de desemprego or African American) não hispânicos ou latinos. No casocresceu em 101,3%. Igualmente digno de nota é o fato dos hispânicos ou latinos afrodescendentes (Black orA-que a taxa de desemprego deste último contingente frican American), a taxa de pobreza caiu ligeiramente(7,9%), há pouco mais de um ano antes do começo em 0,3 ponto percentual, mais uma vez, não correspon-da crise era ligeiramente maior do que a dos brancos dendo a um fundamental movimento de melhoria do(White), durante o período atual. padrão de vida deste grupo durante aquele período.Outro indicador que expressa com razoável poder A partir destas informações, ao menos parcialmente,descritivo os efeitos desiguais da crise econômica pode-se ver os efeitos da crise econômica dos EUAsobre os diferentes grupos étnico-raciais dos EUA é o sobre sua população, com seus especiais efeitos sobreda população abaixo da linha de pobreza. Cabe salien- grupos minoritários, como afrodescendentes e hispâni-tar que este indicador foi obtido junto ao comitê de cos ou latinos. Assim, diante de uma crônica realidadeestatísticas daquele país (U.S Census Bureau, Current de desvantagens para estes contingentes, um cenárioPopulation Survey), que o produziu através de metodo- de crise acaba tão somente aprofundando os abismoslogia própria. Portanto, os dados de pobreza contidos que separam os diferentes grupos étnico-raciais.no gráfico 3 são incomparáveis ao mesmo indicador deoutros países, incluindo o Brasil. Infelizmente, a falta de desagregação de informações para estes grupos em outros países desenvolvidosNão obstante, em setembro de 2010, a taxa de pobre- impede uma análise mais objetiva dos efeitos da criseza da população dos EUA atingia 15,1%. Na compara- sobre os diferentes contingentes. Todavia, os recentesção com o quadro verificado em 2007, aquele indicador acontecimentos que se deram na Inglaterra, no qualhavia se elevado em 2,6 pontospercentuais. afrodescendentes se engajaram, em diversas cidades, num explosivo protesto contra a morte de um jovemNaquele mesmo ano de 2010, a taxa de pobreza dos deste grupo por parte de policiais, sugerem que o ce-brancos (White) não hispânicos ou latinos nos EUA era nário não seja muito distante do agora visto nos EUA.de 9,9%. Já os indicadores dos afrodescendentes (Blackor African American) não hispânicos ou latinos chega- É bem verdade que a atual falta de regulamentação dovam a 27,3%; dos hispânicos ou latinos brancos (White), sistema financeiro, o corte dos gastos sociais e a recusaa 26,3%; e dos hispânicos afrodescendentes (Black or dos mais ricos em contribuir financeiramente para supe-African American), a 29,8%. ração da crise formam um justificável pano de fundo para a emergência do “Ocupe Wall Street” e do “MovimentoNa comparação com o ano de 2009, em 2010, a taxa dos Indignados”. Contudo, é importante lembrar que ade pobreza havia crescido 0,5 ponto percentual entre persistente presença do racismo em diferentes paísesos brancos (White) não hispânicos ou latinos; e 1,1 pon- do mundo, e suas constantes sequelas sobre os gruposto percentual, entre os hispânicos ou latinos brancos historicamente discriminados, poderia ter igual local de(White). Já entre os afrodescendentes (Black or African destaque na agenda dos manifestantes dos dias atuais.American) não hispânicos ou latinos o indicador haviacrescido 1,8 ponto percentual. Mesmo considerando 3. Evolução do rendimento habitualque entre os hispânicos ou latinos afrodescendentes médio do trabalho principal (tabela 1)(Black or African American) a taxa de pobreza no mes-mo período havia declinado 1,3 ponto percentual, o No mês de julho de 2011, o rendimento médio habitu-fato deste indicador corresponder a quase 30% dos almente recebido do trabalho principal da População-membros deste grupo, defintivamente, impede um Economicamente Ativa (PEA) das seis maiores RMsolhar mais otimista. brasileiras foi de R$ 1.612,88. Na comparação com o mês de junho de 2011, este valor foi 2,2% superior.Finalmente, contrastando os anos de 2010 e 2007 (ano Relativamente ao mês de julho de 2010, ocorreu umaimediatamente anterior à Crise das Hipotecas), a taxa de elevação em 4,0% no rendimento da PEA total.pobreza cresceu 1,7 ponto percentual entre os brancos(White) não hispânicos ou latinos; 4,9 pontos percentu- O rendimento médio habitualmente recebido pelos tra-ais entre os hispânicos ou latinos brancos (White); e 3,0 balhadores de cor ou raça branca de ambos os sexos,
  6. 6. TEMPO EM CURSO 3. Evolução do rendimento habitual médio do trabalho principal 6Ano III; Vol. 3; nº 9, Setembro, 2011Tabela 1. Rendimento médio habitualmente recebido pela PEA ocupada residente nas seis maioresRMs, Brasil, jul / 10 – jul / 11 (em R$ - jul 11, INPC) 2010 2011 Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun JulHomensBrancos 2.262,35 2.336,34 2.352,65 2.339,23 2.268,82 2.298,78 2.328,44 2.329,11 2.364,39 2.282,95 2.304,95 2.293,96 2.352,36MulheresBrancas 1.604,16 1.585,91 1.631,38 1.663,34 1.671,03 1.609,41 1.622,83 1.622,33 1.637,05 1.629,15 1.641,02 1.635,35 1.661,04Brancos 1.959,36 1.990,73 2.018,39 2.028,40 1.995,95 1.981,07 2.000,77 2.006,49 2.030,29 1.982,11 2.000,61 1.990,16 2.034,10HomensPretos & 1.176,02 1.197,08 1.214,26 1.222,19 1.235,99 1.229,62 1.226,39 1.224,09 1.203,10 1.180,82 1.194,51 1.205,99 1.236,85PardosMulheresPretas & 875,25 886,52 884,45 892,53 885,24 897,10 899,34 884,62 875,84 872,65 870,43 871,04 893,67PardasPretos &Pardos 1.043,21 1.060,17 1.068,11 1.075,85 1.080,46 1.081,85 1.081,91 1.074,79 1.057,65 1.043,74 1.051,49 1.059,24 1.085,51PEA Total 1.550,31 1.571,86 1.591,82 1.595,96 1.582,98 1.571,31 1.579,16 1.571,84 1.580,06 1.551,47 1.569,46 1.577,89 1.612,88Nota: PEA total inclui amarelos, indígenas e cor ignoradaFonte: IBGE, microdados PME. Tabulação LAESER (banco de dados Tempo em Curso)em julho de 2011, foi de R$ 2.034,10. Já o rendimento no caso dos trabalhadores brancos, e 5,2%, entre osmédio auferido pela PEA preta & parda de ambos os trabalhadores pretos & pardos. No contingente do sexosexos foi de R$ 1.085,51. feminino, no mesmo período, ocorreram elevações no rendimento médio do trabalho em 3,5%, no caso dasComparativamente ao mês de junho de 2011, o ren- trabalhadoras brancas; e de 2,1%, no caso das traba-dimentomédio da PEA branca se elevou em 2,2%. Já lhadoras pretas & pardas.no caso da PEA preta& parda, ocorreu elevação norendimento médio em 2,5%. Na comparação entre os No que tange à diferença na remuneração dos brancosmeses de julho de 2010 e julho de 2011, a elevação foi em relação aos pretos & pardos, em julho de 2011, nasde 3,8%, no caso da PEA branca; e de 4,1%, no caso da seis maiores RMs brasileiras, o hiato foi de 87,4%. EstaPEA preta & parda. diferença correspondeu a uma redução em 0,5 ponto- percentual relativamente ao mês de junho de 2011. Em comparação com o mês de julho de 2010, ocorreu umaNo mês de julho de 2011, o rendimento habitual médio redução em 0,4 ponto percentual.da PEA branca do sexo masculino foi de R$ 2.352,36. Jáo da PEA preta & parda do sexo masculino, foi igual a Quando o indicador é decomposto também pelos gru-R$ 1.236,85. No interior da PEA feminina, o rendimento pos de sexo, verifica-se que, em julho de 2011, as assi-médio do trabalho principal foi de R$ 1.661,04, no caso metrias nos rendimentos entre os homens brancose osdas trabalhadoras brancas; e R$ 893,67, no caso das pretos & pardos foram de 90,2%, favoráveis aos primei-trabalhadoras pretas & pardas. ros. Já na PEA feminina, as assimetrias de cor ou raça foram de 85,9%, favoráveis às mulheres brancas.Desta forma, na comparação entre os meses de junhoe julho de 2011, todos os grupos de cor ou raça e sexo Entre junho e julho de 2011, as assimetrias de cor ouexperimentaram uma elevação no rendimento habitual raça se mantiveram estacionárias no contingente mas-médio do trabalho principal. Medindo-se a evolução culino, enquanto,entre as mulheres, ocorreu uma redu-em termosde pontos percentuais: homens brancos, ção em 1,9 pontospercentuais. Na comparação com o2,5%; homens pretos & pardos, 2,6%; mulheres bran- quadro vigente no mesmo mês do ano anterior, entrecas, 1,6%; mulheres pretas & pardas, 2,6%. os homens, ocorreu uma queda nas assimetrias de cor ou raça, em 2,2 pontos percentuais. No caso da PEARelativamente ao mês de julho de 2010, a elevação no feminina, ao contrário, as desigualdades de cor ou raçarendimento médio do trabalho principal foi de 4,0%, se elevaram em 2,6 pontos percentuais.
  7. 7. TEMPO EM CURSO 4. Evolução da taxa de desemprego 5. Rendimento horário médio habitualmente 7Ano III; Vol. 3; nº 9, Setembro, 2011 recebido do trabalho principal de acordo com a posição na ocupação4. Evolução da taxa de desemprego o mês anterior, ocorreu uma redução de 0,1 ponto(tabela 2) percentual no indicador. Já na comparação com julho de 2010, a taxa de desemprego deste grupo de cor ouEm julho de 2011, nas seis maiores RMs, a taxa de de- raça e sexo caiu em 0,8 ponto percentual.semprego foi de 6,0%. Comparativamente ao mês dejunho de 2011, o indicador apresentou uma redução A taxa de desemprego da PEA feminina preta & parda,de 0,2 ponto percentual. Na comparação com o mês em julho de 2011, foi de 9,1%. Na comparação com ode julho do ano anterior, a redução foi de 0,9 ponto mês imediatamente anterior, houve uma queda nopercentual. indicador em 0,1 ponto percentual. Quando comparado ao mês de julho de 2010, a redução foi de 1,8 pontoDesagregando a taxa de desemprego pelos grupos percentual. Desta forma, entre julho de 2010 e julhode cor ou raça, verifica-se que, em julho de 2011, este de 2011, a PEA feminina preta& parda foi o grupo queindicador da PEA branca foi igual a 5,1%, ao passo que, experimentou a maior redução da taxa de desempregoa PEA preta & parda ficou em 7,1%. dentre todos os contingentes de cor ou raça e sexo.Na comparação com julho de 2010, a taxa de desem- Não obstante, em julho de 2011, a taxa de desempre-prego dos brancos caiu em 0,5 ponto percentual, e, a go das mulheres pretas& pardas continuava sendo ados pretos & pardos, em 1,4 ponto percentual. Relativa- mais alta em relação aos demais grupos. Em termosmente ao mês de junho de 2011, houve uma redução de proporcionais,a taxa de desemprego deste grupo0,2 e 0,1 ponto percentual, respectivamente, na taxa de apresentou-se 110,3% superior à mesma taxa dos ho-desemprego da PEA branca e da preta & parda. mensbrancos; 43,8% superior à das mulheres brancas; e 62,9% superior à dos homens pretos & pardos.A taxa de desemprego aberta dos homens brancos, emjulho de 2011, foi de 4,1%. O mesmo indicador para os 5. Rendimento horário médiohomens pretos & pardos correspondeu a 5,5%. Compa- habitualmente recebido do trabalhorativamente ao mês de junho de 2011, a taxa de desem- principal de acordo com a posição naprego da PEA masculina branca se reduziu em 0,3 ponto ocupação (tabelas 3 e 4)percentual e a da PEA masculina preta & parda caiu 0,1ponto percentual. Em relação ao mês de julho de 2010, O rendimento horário do trabalho principal é um in-a redução da taxa de desemprego dos homens brancos dicador que é gerado pela razão entre o rendimentofoi de 0,2 ponto percentual. Já entre os homens pretos & médio do trabalho dividido pela quantidade de horaspardos, a redução foi de 1,1 ponto percentual. trabalhadas. Com isso, consegue-se captar a remune- ração horária do trabalho, minimizando-se os efeitosEm julho de 2011, a taxa de desemprego para as mu- que reduzem o poder explicativo do indicador de rendi-lheres brancas foi igual a 6,3%. Na comparação com mento médio. Entre estes efeitos podem-se listar, porTabela 2. Taxa de desemprego da PEA residente nas seis maiores RMs, Brasil,jul / 10 – jul / 11 (em % da PEA)  2010 2011  Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun JulHomens Brancos 4,3 4,4 4,0 4,1 3,8 3,5 4,4 4,6 4,4 4,3 4,2 4,4 4,1Mulheres Brancas 7,1 6,8 6,5 6,4 5,8 5,5 5,9 6,4 6,8 6,9 6,8 6,4 6,3Brancos 5,6 5,6 5,2 5,2 4,7 4,4 5,1 5,4 5,5 5,5 5,4 5,3 5,1Homens Pretos & Pardos 6,6 6,0 5,6 5,3 4,9 4,7 5,2 5,7 5,7 5,8 5,8 5,6 5,5Mulheres Pretas & Pardas 10,9 10,7 9,7 9,4 9,3 8,2 9,4 9,5 9,8 9,4 9,5 9,2 9,1Pretos & Pardos 8,5 8,1 7,5 7,1 6,9 6,3 7,1 7,4 7,6 7,5 7,5 7,2 7,1PEA Total 6,9 6,7 6,2 6,1 5,7 5,3 6,1 6,4 6,5 6,4 6,4 6,2 6,0Nota: PEA total inclui amarelos, indígenas e cor ignoradaFonte: IBGE, microdados PME. Tabulação LAESER (banco de dados Tempo em Curso)
  8. 8. TEMPO EM CURSO 5. Rendimento horário médio habitualmente 8Ano III; Vol. 3; nº 9, Setembro, 2011 recebido do trabalho principal de acordo com a posição na ocupaçãoexemplo, a realização de horas extras, que eleva o ren- Em julho de 2011, o rendimento horário médio da PEAdimento do trabalho; ou do trabalho em tempo parcial, branca era de R$ 47,64/hora. Já o mesmo indicador paraque reduz o rendimento do trabalho. a PEA preta & parda correspondia a 53,9% da remunera- ção do outro contingente, totalizando R$ 25,66/hora.Em julho de 2011, o rendimento horário habitual médio daPEA residente nas seis maiores RMs era de R$ 37,93/hora. As três posições que auferiam os rendimentos mais elevados no caso da PEA branca foram: empregador,Em julho de 2011, no conjunto das seis maiores RMs bra- R$ 100,58/hora; militar ou funcionário público, R$78,89/sileiras, os ocupados na condição de empregador foram hora; empregado no setor público com carteira, R$os que recebiam o rendimento médio mais elevado, equi- 64,01/hora. Já no caso da PEA preta & parda, o rendi-valente a R$ 89,42/hora. Em seguida, vinham os militares mento médio das três posições na ocupação mais bemou funcionários públicos estatutários, com um rendimen- remuneradas foram: empregador, R$ 56,84/hora; mili-to de R$ 69,53/hora e os empregados no setor público tar ou funcionário público, R$53,86/hora; empregadocom carteira, com um rendimento de R$ 53,44/hora. no setor público com carteira, R$ 38,40/hora.Sucessivamente, em ordem decrescente, as remu- Comparando-se o quadro em julho de 2011 com julhonerações médias das outras posições na ocupação de 2010, observa-se que houve elevação no rendimen-foram: R$ 39,79/hora, no caso dos empregados no to médio horário para a PEA das seis maiores RMs emsetor público sem carteira; R$ 33,95/hora, no caso dos 10,1%. No mesmo período, para o conjunto da PEA,empregados no setor privado com carteira; R$ 31,94/ as três posições na ocupação que experimentaram ashora, no caso dos trabalhadores por conta-própria; R$ maiores elevações nos rendimentos foram: emprega-30,89/hora no caso dos empregados no setor privado do sem carteira no setor privado (19,5%), empregadosem carteira; R$ 17,82/hora, no caso dos empregados doméstico com carteira (17,3%), empregado no setordomésticos com carteira; e R$ 15,61/hora, no caso dos público sem carteira (12,7%).empregados domésticos sem carteira. O cenário acima se repetiu para os grupos de cor ouDesagregando o indicador acima pelos grupos de cor raça. Assim, na PEA branca, a valorização foi de 9,4%.ou raça, se mantinha a classificação das posições na Na PEA preta & parda, ocorreu um crescimento no ren-ocupação de acordo com o rendimento médio horário dimento médio em 10,6%. Quando se realiza a decom-do trabalho principal, com a única exceção, na PEA de posição deste dado para as distintas posições na ocu-cor ou raça branca, da inversão de posição entre os pação, com uma única exceção (trabalhadores brancosempregados sem carteira do setor privado e os traba- empregados no setor público com carteira), igualmentelhadores por conta-própria. ocorreram aumentos médios no rendimento horário.Tabela 3. Rendimento médio horário habitualmente recebido pela PEA ocupada residente nas seismaiores RMs de acordo com a posição na ocupação, Brasil, jul / 10 (em R$, jul / 11 - INPC) Homens Mulheres Homens Mulheres Pretos &   Brancos Brancas Brancos Total Pretos & Pretas & Pardos Total Total Pardos PardasEmp. Domestico Com Carteira 17,07 16,37 16,42 15,04 14,41 14,45 15,20Emp. Domestico Sem Carteira 14,40 15,92 15,87 13,08 13,86 13,82 14,60Emp. Com Carteira Setor Privado 40,86 34,75 38,34 23,42 20,50 22,38 31,26Emp. Sem Carteira Setor Privado 36,97 27,59 33,07 18,21 15,96 17,45 25,85Emp. Setor Público ComCarteira 75,47 54,58 64,60 40,69 29,49 34,88 52,32Emp. Setor Público SemCarteira 49,29 36,65 41,37 27,98 25,69 26,58 35,30Militar Ou Func Publico 83,99 65,28 73,69 51,80 44,76 48,19 63,61Conta-Propria 40,17 34,13 37,99 21,47 16,51 19,80 29,45Empregador 97,36 76,06 90,66 54,82 48,18 53,06 81,45Total 48,35 37,42 43,55 25,02 20,65 23,20 34,46Nota: PEA total inclui amarelos, indígenas e cor ignorada Fonte: IBGE, microdados PME. Tabulação LAESER (banco de dados Tempo em Curso)
  9. 9. TEMPO EM CURSO 5. Rendimento horário médio habitualmente 9Ano III; Vol. 3; nº 9, Setembro, 2011 recebido do trabalho principal de acordo com a posição na ocupaçãoTabela 4. Rendimento médio horário habitualmente recebido pela PEA ocupada residente nas seismaiores RMs de acordo com a posição na ocupação, Brasil, jul / 11 (em R$, jul / 11 - INPC) Homens Mulheres Homens Mulheres Pretos &  Brancos Brancas Brancos Total Pretos & Pretas & Pardos Total Total Pardos PardasEmp. Domestico Com Carteira 50,47 17,87 19,92 18,83 16,28 16,48 17,82Emp. Domestico Sem Carteira 23,53 16,17 16,45 16,84 15,02 15,11 15,61Emp. Com Carteira Setor Privado 44,65 37,24 41,57 26,01 22,07 24,58 33,95Emp. Sem Carteira Setor Privado 44,54 34,50 40,59 19,35 17,56 18,71 30,89Emp. Setor Público ComCarteira 76,34 55,00 64,01 48,09 28,93 38,40 53,44Emp. Setor Público SemCarteira 59,86 41,54 48,87 30,98 26,77 28,37 39,79Militar Ou Func Publico 87,46 72,01 78,89 59,28 48,09 53,86 69,53Conta-Propria 42,63 36,17 40,26 23,87 18,69 22,08 31,94Empregador 106,65 85,40 100,58 58,93 50,61 56,84 89,42Total 52,91 40,88 47,64 28,00 22,37 25,66 37,93Nota: PEA total inclui amarelos, indígenas e cor ignorada Fonte: IBGE, microdados PME. Tabulação LAESER (banco de dados Tempo em Curso)Entre os trabalhadores brancos de ambos os sexos, se que o hiato entre os rendimentos da PEA branca eas elevações mais consistentes no rendimento foram da preta & parda se reduziu em 2,1 pontos percentuais.registradas entre os empregados sem carteira no setorprivado (22,7%), os empregados domésticos com car- Dentro daquele intervalo entre julho de 2010 e 2011, asteira (21,3%), e os empregados no setor público sem maiores elevações nas desigualdades do rendimentocarteira (18,1%). Entre os trabalhadores pretos & pardos horário médio se deram no emprego no setor privadode ambos os sexos, o emprego doméstico com carteira sem carteira (27,4 pontos percentuais); no emprego noapresentou o aumento mais elevado no rendimento mé- setor público sem carteira (16,6 pontos percentuais); nodio horário (14,1%), seguido pelos funcionários públicos emprego doméstico com carteira (7,2 pontos percentu-(11,8%) e os trabalhadores por conta-própria (11,5%). ais) e entre os empregadores (6,1 pontos percentuais).No mês de julho de 2011, havia uma diferença de 85,7% Alternativamente, a redução mais expressiva nasno rendimento médio horário da PEA branca, compa- assimetrias entre os rendimentos dos trabalhadoresrativamente à PEA preta & parda, residente nas seis brancos e pretos & pardos foi registrada entre os em-maiores RMs brasileiras. No mesmo mês, as posições pregados no setor público com carteira (18,5 pontosna ocupação onde eram encontradas as maiores desi- percentuais). Em seguida, vinham os trabalhadores porgualdades de rendimento entre brancos, de um lado, conta-própria (9,6 pontos percentuais); os militares oue pretos & pardos, de outro, eram: o emprego no setor funcionários públicos estatutários (6,4 pontos percen-privado sem carteira,116,9%; o trabalhador por conta- tuais); os empregados domésticos sem carteira (6,0própria, 82,3%; e o empregador, 77,0%. No emprego pontos percentuais) e os empregados com carteira nopúblico sem carteira, a diferença era de 72,%; e no em- setor privado (2,2 pontos percentuais).prego com carteira, as assimetrias chegaram a 66,7%.Entre os militares ou funcionários públicos estatutários a Em julho de 2011, entre os trabalhadores brancos dodesigualdade naquele mesmo indicador era de 46,5%. sexo masculino, a remuneração horária média era de R$ 52,91/hora. No interior deste contingente, os empre-Já as menores assimetrias de cor ou raça nos rendi- gadores auferiam os rendimentos mais elevados, sen-mentos médios horários eram registradas nas posi- do eles, em média, igual a R$ 106,65/hora. Em segundoções na ocupação com os menores níveis de rendi- lugar, vinham os militares ou funcionários públicos es-mento: o emprego doméstico sem carteira, 8,8%, e tatutários (R$ 87,46/hora), seguidos pelos empregadoscom carteira, 20,9%. do setor público com carteira (R$ 76,34/hora).Comparando-se as desigualdades de cor ou raça nos Vale ainda salientar que os rendimentos horários dos em-rendimentos em julho de 2010 e julho de 2011, verifica- pregados domésticos brancos de sexo masculino, com
  10. 10. TEMPO EM CURSO 5. Rendimento horário médio habitualmente 10Ano III; Vol. 3; nº 9, Setembro, 2011 recebido do trabalho principal de acordo com a posição na ocupaçãoou sem carteira, foram de,respectivamente, R$ 50,47/ Entre julho de 2010 e julho de 2011, os homens brancoshora e R$ 23,53/hora. Estes valores foram muito superio- apresentaram elevação na remuneração horária médiares aos auferidos pelos outros grupos de cor ou raça e em 9,4%. Este movimento se repetiu em todas as po-sexo, assim como representaram uma elevação expres- sições na ocupação. Pelas razões comentadas acima,siva em comparação com os rendimentos auferidos por deixando-se de considerar os ocupados no empregoeste mesmo grupo em julho de 2010. Esta discrepância doméstico, as elevações mais expressivas se derampode ser explicada a partir do fato de que, na PME de no emprego no setor público sem carteira (21,4%), nojulho de 2011, os trabalhadores brancos ocupados como emprego no setor privado sem carteira (20,5%), e entreempregados domésticos com ou sem carteira foram, os empregadores (9,5%).respectivamente, pouco mais de 13,5 mil e 11,2 mil pes-soas, representando um pequeno percentual do total de Naquele mesmo intervalo, os trabalhadores pretosocupados deste grupo (em julho de 2011, 0,21% e 0,17%, & pardos do sexo masculino também lograram obterrespectivamente). Desta forma, o tamanho reduzido des- aumentos reais de remuneraçãode 11,9%. Mais umate contingente pode ter afetado os valores encontrados, vez, este movimento se espelhou em todas as formasreduzindo a precisão da estimativa estatística. de posição na ocupação. Os maiores aumentos fo- ram registrados no emprego doméstico sem carteiraEm julho de 2011, a remuneração horária média da PEA (28,8%), no emprego doméstico com carteira (25,2%) epreta & parda do sexo masculino era de R$ 28,00/hora. no emprego no setor público com carteira (18,2%).Dentro deste grupo, a condição de militar ou funcionáriopúblico estatutário era a mais compensadora financei- Entre julho de 2010 e julho de 2011, as mulheres bran-ramente, R$ 59,28/hora. Os empregadores deste grupo cas obtiveram aumentos reais de rendimentos na or-recebiam, em média, R$ 58,93/hora e os empregados do dem de 9,3%. Mais uma vez, este movimento se repe-setor público com carteira, R$ 48,09/hora. Os emprega- tiu em todas as modalidades de posição naocupação.dos domésticos com e sem carteira, recebiam, em mé- As elevações mais expressivas ocorreram no empregodia, por hora, respectivamente,R$ 18,83/horae R$ 16,84/ no setor privado sem carteira (25%), no emprego nohora, correspondendo às piores remunerações. setor público sem carteira (13,3%) e entre as emprega- doras (12,3%).Na PEA branca do sexo feminino, a remuneração horáriamédia, em julho de 2011, era de R$ 22,37/hora. A remune- As mulheres pretas & pardas, por sua vez, obtiveramração média horária das empregadoras era de R$ 85,40, aumentos nos rendimentos horários médios de 8,3%,sendo a de valor mais elevado.Sucessivamente, vinham correspondendo ao avanço real menos expressivo,as ocupadas como militares oufuncionárias públicas esta- comparativamente aos demais grupos de cor ou raçatutárias, R$ 72,01/hora; e as empregadas do setor público e sexo. Neste último grupo, ocorreram aumentos reaiscom carteira, R$ 55,00/hora. As empregadas domésticas nas remunerações na maioria das modalidades ocu-brancas com carteira recebiam,em média, R$ 17,87 por pacionais, com exceção do emprego no setor públicohora. Já as sem carteira auferiam R$ 16,17/hora. com carteira, onde os rendimentos declinaram 1,9%. Dentro deste grupo de cor ou raça e sexo, os aumen-As trabalhadoras pretas & pardas, em julho de 2011, tos mais expressivos na remuneração horária média serecebiam, em média, R$ 22,37/hora. A posição na deram no trabalho por conta-própria (13,2%), no em-ocupação mais bem remunerada, mais uma vez, era prego doméstico com carteira (13,0%) e no empregode empregadora: R$ 50,61/hora. A posição de milita- no setor privado sem carteira (10,0%).res ou funcionárias públicas estatutárias apresentavaremuneração média de R$ 48,09/hora. Já a terceira Em julho de 2011, na PEA masculina, a diferença namelhor remuneração para este grupo de cor ou raça remuneração entre os trabalhadores brancos e pretose sexo foi encontrada no emprego do setor público & pardos foi de 88,9%. Este percentual foi 4,3 pontoscom carteira,R$ 28,93/hora. As piores remunerações percentuais inferior ao verificado em julho de 2010.ficavam por conta do emprego doméstico com e semcarteira, respectivamente, R$ 16,28/hora, e R$ 15,02/ Excluindo o emprego doméstico da análise, em julhohora. Em ambos os casos, as remunerações das em- de 2011, as assimetrias de cor ou raça foram mais ex-pregadasdomésticas pretas & pardas eram menores pressivas entre os empregados sem carteira no setorque às dos demais grupos analisados acima. privado (130,2%), entre os empregados sem carteira no
  11. 11. TEMPO EM CURSO 5. Rendimento horário médio habitualmente 11Ano III; Vol. 3; nº 9, Setembro, 2011 recebido do trabalho principal de acordo com a posição na ocupaçãosetor público (93,2%) e entre os empregadores (81,0%). des na remuneração das mulheres pretas & pardas emJá as menores desigualdades eram encontradas entre comparação aos demais grupos de cor ou raça e sexo.os militares e funcionários públicos estatutários (47,5%),do emprego público com carteira (58,7%) e no empre- As maiores desigualdades nos rendimentos auferidosgo com carteira no setor privado (71,7%). entre brancas e pretas & pardas foram encontradas no emprego sem carteira no setor privado (96,5%), no tra-Entre as trabalhadoras do sexo feminino, em julho balho por conta-própria (93,6%) e no emprego no setorde 2011, foi identificada uma diferença de 82,8% na público com carteira (90,1%). As menores diferençasremuneração das mulheres brancas, vis-à-vis, à remu- eram encontradas no emprego doméstico sem carteiraneração das trabalhadores pretas & pardas. Compara- (7,6%) e no emprego doméstico com carteira (9,7%),tivamente ao cenário de julho de 2010, as diferenças se formando uma desconcertante ironia das diferençasampliaram em 1,5 pontos percentuais. Neste sentido, serem menores justamente em um tipo de modalidadepode-se dizer que o cenário vigente entre julho de ocupacional escassamente prestigiada e que permite o2010 e julho de 2011 foi de ampliação das desigualda- acesso às menores remunerações.
  12. 12. TEMPO EM CURSO 12Ano III; Vol. 3; nº 9, Setembro, 2011Tempo em CursoElaboração escrita Equipe LAESER / IE / UFRJProfº Marcelo Paixão, Irene Rossetto e Elisa Monçores Coordenação GeralPesquisadora Assistente Profº Marcelo PaixãoIrene Rossetto Giaccherino Pesquisadores AssistentesBolsista de Graduação Azoilda LorettoElisa Monçores Cléber Julião Irene Rossetto GiaccherinoRevisão de texto e copy-desk José Jairo VieiraAlana Barroco Vellasco Austin Luciano Cerqueira Sandra Regina RibeiroEditoraçãoMaraca Design Bolsistas de Graduação Danielle Oliveira (PIBIC – CNPq)Apoio Elaine Carvalho – Curso de Extensão (UFRJ)Fundação Ford Elisa Monçores (Fundação Ford) Guilherme Câmara (PIBIC – CNPq) João Víctor Guimarães Costa (Fundação Ford)

×