Fundamentos do Velho Testamento                                                  CPD




             Só a Escritura, Só C...
Fundamentos do Velho Testamento                                                                          CPD

I. AS LÍNGUA...
Fundamentos do Velho Testamento                                                                            CPD

          ...
Fundamentos do Velho Testamento                                                                         CPD

   3. Vocabul...
Fundamentos do Velho Testamento                                                                                           ...
Fundamentos do Velho Testamento                                                                                           ...
Fundamentos do Velho Testamento                                                                                           ...
Fundamentos do Velho Testamento                                                                                           ...
Fundamentos do Velho Testamento                                                                CPD

IV.   INTERPRETANDO O ...
Fundamentos do Velho Testamento                                                                                 CPD

     ...
Fundamentos do Velho Testamento                                                                CPD

V.  A LINHA HISTÓRICA
...
Fundamentos do Velho Testamento                                                                CPD

     4. O Anúncio do P...
Fundamentos do Velho Testamento                                                                                           ...
Fundamentos do Velho Testamento                                                                   CPD

     8. O Chamado d...
Fundamentos do Velho Testamento                                                                    CPD

     10. O Reino
 ...
Fundamentos do Velho Testamento                                                                                           ...
Fundamentos do Velho Testamento                                                                CPD

    16. O Período Inte...
Fundamentos do Velho Testamento                                                                CPD

              Durante ...
Fundamentos do Velho Testamento                                                           CPD

V. A LEI

    1. Lei Civil:...
Fundamentos do Velho Testamento                                                               CPD

VI. O TABERNÁCULO, O EV...
Fundamentos do Velho Testamento                                                                 CPD

despercebidamente ent...
Fundamentos do Velho Testamento                                                               CPD

       d.3 Para a banda...
Fundamentos do Velho Testamento                                                            CPD

          b.2 Nesta única ...
Fundamentos do Velho Testamento                                                          CPD

       b. As divisões da Ten...
Fundamentos do Velho Testamento                                                               CPD

                  * O p...
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Fundamentos do Antigo Testamento
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Fundamentos do Antigo Testamento

7.372 visualizações

Publicada em

0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.372
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
664
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
503
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fundamentos do Antigo Testamento

  1. 1. Fundamentos do Velho Testamento CPD Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, So a Fé , Só a Deus Glória 1
  2. 2. Fundamentos do Velho Testamento CPD I. AS LÍNGUAS DO VELHO TESTAMENTO O Velho Testamento foi escrito em duas línguas semíticas: o hebraico e o aramaico. 1. Aramaico O aramaico, língua que tem origem bem próxima do hebraico, e não derivado deste, é o idioma em que estão escritas as passagens de Dn 2:4-7; Ed 4:8 - 6:18; 7:12-26; Jr 10:11; duas palavras em Gn 31:47. A referência em II Re 18:26 demonstra que, já no tempo de Senaqueribe (705-681 a.C.), o aramaico era um idioma diplomático. No império persa (550-450) esse era o idioma oficial. A forma escrita é a mesma que no hebraico, pois o aramaico tem aproximadamente as mesmas características fonológicas. Sete dialetos do Aramaico Ocidental eram falados na época de Jesus. Eles eram provavelmente distintos ainda que mutuamente inteligíveis. O Velho Judaico era o dialeto proeminente de Jerusalém e da Judéia. A Samaria tinha seu Aramaico Samaritano distinto, onde as consoantes 'he', 'heth' e '`ayin' todas se tornaram pronunciadas como 'aleph'. O Aramaico Galileu, a língua da região natal de Jesus só é conhecida de alguns poucos lugares, das influências no Targúmico Galileu, de alguma literatura dos rabinos e algumas poucas cartas privadas. Ela parece ter um número de características distintas, como: ditongos nunca são simplificados a "monotongos". A leste do Jordão, os vários dialetos de Jordaniano Oriental eram falados. Na região de Damasco e no Líbano, o Aramaico Damasceno era falado (deduzido na sua maioria do Aramaico Ocidental Moderno. Finalmente, bem ao norte, como em Aleppo, o dialeto do Aramaico de Orontes era falado. Além desses dialetos de Aramaico, o Grego era usado extensivamente nos centros urbanos. Há pouca evidência do uso do Hebraico durante esse período. Algumas palavras em Hebraico continuaram como parte do vocabulário Aramaico Judeu (em sua maior parte palavras religiosas, mas também algumas do cotidiano, como `ē , árvore) e a língua escrita do Tanakh era lida e entendida pelas classes cultas. Contudo, o Hebraico deixou de ser a língua do dia a dia. Em adição, as várias palavras no contexto Grego do Novo Testamento que não são traduzidas, são claramente Aramaico ao invés de Hebraico. 2. O hebraico O Hebraico pertence ao grupo ocidental dos idiomas semíticos. No antigo testamento é chamado de “a língua de Canaã” (Is 19:18), ou “judaico” (II Re 18:26;Is 36:11 e Ne 13:24). A primeira designação “hebraico” ocorre pela primeira vez no livro de Ben-Siraque (130 a.C). Umas das características dos idiomas semíticos e a raiz tri-consonatal que age como uma espécie de arcabouço para uma série de padrões vocálicos. Os sinais vocálicos não eram usados, mas, em conseqüência de certas alterações fonéticas, surgiram soletrações etimológicas em w e y, e essas letras passaram então a ser usadas em outros lugares a fim de representarem as vogais longas. Quando o hebraico entrou em declínio como língua falada, foram inventados os sinais vocálicos com a finalidade de conservar a pronúncia aproximada das palavras. Este sinais foram inventados pelos massoretas (de “massorah” que significa tradição - eles viveram entre os século V e X d.C.). Por isso, esses sinais são também chamados de sinais massoréticos. Sinais massoréticos a ¨n / ma ©n / ma e ¥n / mê ¤n / me i ¦n / mi h¦n / mi o «n / mo ¨n / mô In / mô u ªn / mu Un /mu Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, So a Fé , Só a Deus Glória 2
  3. 3. Fundamentos do Velho Testamento CPD ¨n: este sinal massorético, de acordo com a etimologia da palavra, pode corresponder tanto a letra “o” como a letra “a” do alfabeto português. Exemplo: hk¢j (hºli) = doença i¨,²b (Nathan) = Natã Alfabeto Hebraico Nome Letra Pronúncia provável Palavra Tradução ‘aleph t ‘ - Consoante muda, como o h de homem c¨t pai c Som equivalente a b, só que aspirado; algo parecido com v ohcIy bons beth B b iC filho g Som equivalente a g de gato, porém aspirado s³dC agir gimel g (como de gato) povo D hID d Som equivalente ao th da palavra inglesa this o¨s¨t homem, Adão daleth d palavra, coisa S rc¨S h Som equivalente ao h da palavra inglesa his th¦v Ela he Som equivalente ao h da palavra inglesa his O rei dela V VFk©n waw w v/w (em algumas palavras como a vogal o ou u) i®u¨t sofrimento zayin z z r²z forasteiro heth x Som equivalente ao j do espanhol trabajo hk¢j doença Teth j t cIy bom yodh y i rhg cidade k /l Som equivalente a k, porém aspirado rIfC primogênito kaph K q (como em queijo) ,©rF Cortar / fazer lamedh l l tO não mem m /o m Qk¤n rei nun n/ i n h°b£t Eu samekh s s xUx cavalo ‘ayin [ ‘ i¤sg Éden p /; Som equivalente ao p, porém aspirado; algo parecido com f yp¨a julgar pe p touro P rP tsadeh c /. Som inexistem em português, equivalente ao zz do italiano eh¦Sm justo pizza qoph q Som inexistente em Português, equivalente ao nosso q, só oUe estável que pronunciado mais enfaticamente com a língua retraída resh r r vg«r pastor sin f s r¨aC carne shin v sh oh©n¨J céus t Som equivalente ao th do inglês thin t¨y¨j pecado taw T t v¨rIT Lei Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, So a Fé , Só a Deus Glória 3
  4. 4. Fundamentos do Velho Testamento CPD 3. Vocabulário Tradução Tradução Tradução Tradução c¨t pai ,hC casa rc¨S palavra s«t§n muito iC filho oIk¨J paz o¨S sangue vk«g holocausto kIe voz v¨rIT lei rP touro Jp®b alma Jh¦t homem eh¦Sm Justo, reto yp¨J julgar ©jUr espírito o¥J nome i¨,²b Nata c¤rg tarde ,h¦rC aliança i¥v«F sacerdote v¤a«n Moisés hID povo oh¦rc§S palavras th¦v ela h³b«s£t adonay r¨aC Carne oh©nJ ¨ céus tUv ele r©v monte .g árvore o°h©n águas rhg cidade J¤n¤J sol h¦r£t leão o°hbP face cIy bom .¤r¤t terra hk¢j doença o²h mar oIh dia Qk¤n Rei r¤e«C manhã ,¤n¡t verdade rIt luz ,C Filha rIC sepultura g©r®z semente tO não o¥t mãe k©t²D resgatar s¤x¤j bondade k¥t Deus rg©©J porta kk¨v louvar J¤s«e santidade h°b£t eu t¥XF trono t¨y¨j pecar i¤sg Éden og povo v¨¨J¦t mulher r²z forasteiro oIH©v hoje xUx cavalo o¤jk pão i¨jkªªJ mesa ,°hC casa o¨s¨t homem iIs¨t senhor v©J¨n ungir eh¦Sm Justo, reto r©J¨©h ser reto, justo v¨n¨s£t terra v¨rIT lei g©r mal r²z²u culpado i°h©e Cain o°hk¨J Ur±h ¨ Jerusalém oh°bC filhos th¦a²b príncipe r²d¨v Agar J©s¨e ser santo c©v¨t amar vg«r pastor Jt«r cabeça ,©rF Cortar/fazer ,Un morrer ohcIy bons oUe estável v²h¨j Ser vivente ,IcIy boa 4. Frases Ao fazermos a leitura de textos na língua hebraica não devemos nos esquecer que esta língua tem uma particularidade: sua leitura deve ser efetuada da direita apara a esquerda. Vejamos alguns exemplos. .¤r¨t¨v ,¥t±u oh©n¨ ©v ,¥t oh¦vO¡t t¨rC ,h¦Jt¥rC (Gn 1:1) No princípio criou Deus os céus e a terra oIv§, hbP-kg Q¤a«j±u Uv«c²u Uv«, v¨,±h¨v .¤r¨t¨v±u (Gn 1:2) E a terra estava sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo o°h¨N©v hbP-kg ,p¤j©r§n oh¦vO¡t ©jUr±u E o Espírito de Deus pairava sobre as águas rIt hv±h³u rIt h¦v±h oh¦vO¡t r¤nt«H³u (Gn 1:3) E disse Deus: haja luz e houve luz Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, So a Fé , Só a Deus Glória 4
  5. 5. Fundamentos do Velho Testamento CPD 5. O Texto Hebraico Consonantal GÊNESIS 1 e 2:1-17 #rah taw ~ymvh ta ~yhla arb tyvarb 1 ~ymh ynpÄl[ tpxrm ~yhla xwrw ~wht ynpÄl[ $vxw whbw wht htyh #rahw 2 rwaÄyhyw rwa yhy ~yhla rmayw 3 $vxh !ybw rwah !yb ~yhla ldbyw bwjÄyk rwahÄta ~yhla aryw 4 dxa ~wy rqbÄyhyw br[Äyhyw hlyl arq $vxlw ~wy rwal ~yhla arqyw 5 ~yml ~ym !yb lydbm yhyw ~ymh $wtb [yqr yhy ~yhla rmayw 6 !kÄyhyw [yqrl l[m rva ~ymh !ybw [yqrl txtm rva ~ymh !yb ldbyw [yqrhÄta ~yhla f[yw 7 ynv ~wy rqbÄyhyw br[Äyhyw ~ymv [yqrl ~yhla arqyw 8 !kÄyhyw hvbyh hartw dxa ~wqmÄla ~ymvh txtm ~ymh wwqy ~yhla rmayw 9 bwjÄyk ~yhla aryw ~ymy arq ~ymh hwqmlw #ra hvbyl ~yhla arqyw 10 !kÄyhyw #rahÄl[ wbÄw[rz rva wnyml yrp hf[ yrp #[ [rz [yrzm bf[ avd #rah avdt ~yhla rmayw 11 bwjÄyk ~yhla aryw whnyml wbÄw[rz rva yrp hf[ #[w whnyml [rz [yrzm bf[ avd #rah acwtw 12 yvylv ~wy rqbÄyhyw br[Äyhyw 13 ~ynvw ~ymylw ~yd[wmlw ttal wyhw hlylh !ybw ~wyh !yb lydbhl ~ymvh [yqrb tram yhy ~yhla rmayw 14 !kÄyhyw #rahÄl[ ryahl ~ymvh [yqrb trwaml wyhw 15 ~ybkwkh taw hlylh tlvmml !jqh rwamhÄtaw ~wyh tlvmml ldgh rwamhÄta ~yldgh tramh ynvÄta ~yhla f[yw 16 #rahÄl[ ryahl ~ymvh [yqrb ~yhla ~ta !tyw 17 bwjÄyk ~yhla aryw $vxh !ybw rwah !yb lydbhlw hlylbw ~wyb lvmlw 18 y[ybr ~wy rqbÄyhyw br[Äyhyw 19 ~ymvh [yqr ynpÄl[ #rahÄl[ @pw[y @w[w hyx vpn #rv ~ymh wcrvy ~yhla rmayw 20 bwjÄyk ~yhla aryw whnyml @nk @w[Älk taw ~hnyml ~ymh wcrv rva tfmrh hyxh vpnÄlk taw ~yldgh ~nynthÄta ~yhla arbyw 21 #rab bry @w[hw ~ymyb ~ymhÄta walmw wbrw wrp rmal ~yhla ~ta $rbyw 22 yvymx ~wy rqbÄyhyw br[Äyhyw 23 !kÄyhyw hnyml #raÄwtyxw fmrw hmhb hnyml hyx vpn #rah acwt ~yhla rmayw 24 bwjÄyk ~yhla aryw whnyml hmdah fmrÄlk taw hnyml hmhbhÄtaw hnyml #rah tyxÄta ~yhla f[yw 25 #rahÄl[ fmrh fmrhÄlkbw #rahÄlkbw hmhbbw ~ymvh @w[bw ~yh tgdb wdryw wntwmdk wnmlcb ~da hf[n ~yhla rmayw 26 ~ta arb hbqnw rkz wta arb ~yhla ~lcb wmlcb ~dahÄta ~yhla arbyw 27 #rahÄl[ tfmrh hyxÄlkbw ~ymvh @w[bw ~yh tgdb wdrw hvbkw #rahÄta walmw wbrw wrp ~yhla ~hl rmayw ~yhla ~ta $rbyw 28 hlkal hyhy ~kl [rz [rz #[Äyrp wbÄrva #[hÄlkÄtaw #rahÄlk ynpÄl[ rva [rz [rz bf[ÄlkÄta ~kl yttn hnh ~yhla rmayw 29 !kÄyhyw hlkal bf[ qryÄlkÄta hyx vpn wbÄrva #rahÄl[ fmwr lklw ~ymvh @w[Älklw #rah tyxÄlklw 30 yvvh ~wy rqbÄyhyw br[Äyhyw dam bwjÄhnhw hf[ rvaÄlkÄta ~yhla aryw 31 ~abcÄlkw #rahw ~ymvh wlkyw 1 hf[ rva wtkalmÄlkm y[ybvh ~wyb tbvyw hf[ rva wtkalm y[ybvh ~wyb ~yhla lkyw 2 twf[l ~yhla arbÄrva wtkalmÄlkm tbv wb yk wta vdqyw y[ybvh ~wyÄta ~yhla $rbyw 3 ~ymvw #ra ~yhla hwhy twf[ ~wyb ~arbhb #rahw ~ymvh twdlwt hla 4 hmdahÄta db[l !ya ~daw #rahÄl[ ~yhla hwhy ryjmh al yk xmcy ~rj hdfh bf[Älkw #rab hyhy ~rj hdfh xyf lkw 5 hmdahÄynpÄlkÄta hqvhw #rahÄ!m hl[y daw 6 hyx vpnl ~dah yhyw ~yyx tmvn wypab xpyw hmdahÄ!m rp[ ~dahÄta ~yhla hwhy rcyyw 7 rcy rva ~dahÄta ~v ~fyw ~dqm !d[bÄ!g ~yhla hwhy [jyw 8 [rw bwj t[dh #[w !gh $wtb ~yyxh #[w lkaml bwjw harml dmxn #[Älk hmdahÄ!m ~yhla hwhy xmcyw 9 ~yvar h[bral hyhw drpy ~vmw !ghÄta twqvhl !d[m acy rhnw 10 bhzh ~vÄrva hlywxh #raÄlk ta bbsh awh !wvyp dxah ~v 11 ~hvh !baw xldbh ~v bwj awhh #rah bhzw 12 vwk #raÄlk ta bbwsh awh !wxyg ynvh rhnhÄ~vw 13 trp awh y[ybrh rhnhw rwva tmdq $lhh awh lqdx yvylvh rhnh ~vw 14 hrmvlw hdb[l !d[Ä!gb whxnyw ~dahÄta ~yhla hwhy xqyw 15 lkat lka !ghÄ#[ lkm rmal ~dahÄl[ ~yhla hwhy wcyw 16 twmt twm wnmm $lka ~wyb yk wnmm lkat al [rw bwj t[dh #[mw 17 Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, So a Fé , Só a Deus Glória 5
  6. 6. Fundamentos do Velho Testamento CPD II. OS NOMES DE DEUS NO ANTIGO TESTAMENTO Gênesis 1 e 2:1-17 #rah taw ~ymvh ta ~yhla arb tyvarb 1 ~ymh ynpÄl[ tpxrm ~yhla xwrw ~wht ynpÄl[ $vxw whbw wht htyh #rahw 2 rwaÄyhyw rwa yhy ~yhla rmayw 3 $vxh !ybw rwah !yb ~yhla ldbyw bwjÄyk rwahÄta ~yhla aryw 4 dxa ~wy rqbÄyhyw br[Äyhyw hlyl arq $vxlw ~wy rwal ~yhla arqyw 5 ~yml ~ym !yb lydbm yhyw ~ymh $wtb [yqr yhy ~yhla rmayw 6 !kÄyhyw [yqrl l[m rva ~ymh !ybw [yqrl txtm rva ~ymh !yb ldbyw [yqrhÄta ~yhla f[yw 7 ynv ~wy rqbÄyhyw br[Äyhyw ~ymv [yqrl ~yhla arqyw 8 !kÄyhyw hvbyh hartw dxa ~wqmÄla ~ymvh txtm ~ymh wwqy ~yhla rmayw 9 bwjÄyk ~yhla aryw ~ymy arq ~ymh hwqmlw #ra hvbyl ~yhla arqyw 10 !kÄyhyw #rahÄl[ wbÄw[rz rva wnyml yrp hf[ yrp #[ [rz [yrzm bf[ avd #rah avdt ~yhla rmayw 11 bwjÄyk ~yhla aryw whnyml wbÄw[rz rva yrp hf[ #[w whnyml [rz [yrzm bf[ avd #rah acwtw 12 yvylv ~wy rqbÄyhyw br[Äyhyw 13 ~ynvw ~ymylw ~yd[wmlw ttal wyhw hlylh !ybw ~wyh !yb lydbhl ~ymvh [yqrb tram yhy ~yhla rmayw 14 !kÄyhyw #rahÄl[ ryahl ~ymvh [yqrb trwaml wyhw 15 ~ybkwkh taw hlylh tlvmml !jqh rwamhÄtaw ~wyh tlvmml ldgh rwamhÄta ~yldgh tramh ynvÄta ~yhla f[yw 16 #rahÄl[ ryahl ~ymvh [yqrb ~yhla ~ta !tyw 17 bwjÄyk ~yhla aryw $vxh !ybw rwah !yb lydbhlw hlylbw ~wyb lvmlw 18 y[ybr ~wy rqbÄyhyw br[Äyhyw 19 ~ymvh [yqr ynpÄl[ #rahÄl[ @pw[y @w[w hyx vpn #rv ~ymh wcrvy ~yhla rmayw 20 bwjÄyk ~yhla aryw whnyml @nk @w[Älk taw ~hnyml ~ymh wcrv rva tfmrh hyxh vpnÄlk taw ~yldgh ~nynthÄta ~yhla arbyw 21 #rab bry @w[hw ~ymyb ~ymhÄta walmw wbrw wrp rmal ~yhla ~ta $rbyw 22 yvymx ~wy rqbÄyhyw br[Äyhyw 23 !kÄyhyw hnyml #raÄwtyxw fmrw hmhb hnyml hyx vpn #rah acwt ~yhla rmayw 24 bwjÄyk ~yhla aryw whnyml hmdah fmrÄlk taw hnyml hmhbhÄtaw hnyml #rah tyxÄta ~yhla f[yw 25 #rahÄl[ fmrh fmrhÄlkbw #rahÄlkbw hmhbbw ~ymvh @w[bw ~yh tgdb wdryw wntwmdk wnmlcb ~da hf[n ~yhla rmayw 26 ~ta arb hbqnw rkz wta arb ~yhla ~lcb wmlcb ~dahÄta ~yhla arbyw 27 #rahÄl[ tfmrh hyxÄlkbw ~ymvh @w[bw ~yh tgdb wdrw hvbkw #rahÄta walmw wbrw wrp ~yhla ~hl rmayw ~yhla ~ta $rbyw 28 hlkal hyhy ~kl [rz [rz #[Äyrp wbÄrva #[hÄlkÄtaw #rahÄlk ynpÄl[ rva [rz [rz bf[ÄlkÄta ~kl yttn hnh ~yhla rmayw 29 !kÄyhyw hlkal bf[ qryÄlkÄta hyx vpn wbÄrva #rahÄl[ fmwr lklw ~ymvh @w[Älklw #rah tyxÄlklw 30 yvvh ~wy rqbÄyhyw br[Äyhyw dam bwjÄhnhw hf[ rvaÄlkÄta ~yhla aryw 31 ~abcÄlkw #rahw ~ymvh wlkyw 1 hf[ rva wtkalmÄlkm y[ybvh ~wyb tbvyw hf[ rva wtkalm y[ybvh ~wyb ~yhla lkyw 2 twf[l ~yhla arbÄrva wtkalmÄlkm tbv wb yk wta vdqyw y[ybvh ~wyÄta ~yhla $rbyw 3 ~ymvw #ra ~yhla hwhy twf[ ~wyb ~arbhb #rahw ~ymvh twdlwt hla 4 hmdahÄta db[l !ya ~daw #rahÄl[ ~yhla hwhy ryjmh al yk xmcy ~rj hdfh bf[Älkw #rab hyhy ~rj hdfh xyf lkw 5 hmdahÄynpÄlkÄta hqvhw #rahÄ!m hl[y daw 6 hyx vpnl ~dah yhyw ~yyx tmvn wypab xpyw hmdahÄ!m rp[ ~dahÄta ~yhla hwhy rcyyw 7 rcy rva ~dahÄta ~v ~fyw ~dqm !d[bÄ!g ~yhla hwhy [jyw 8 [rw bwj t[dh #[w !gh $wtb ~yyxh #[w lkaml bwjw harml dmxn #[Älk hmdahÄ!m ~yhla hwhy xmcyw 9 ~yvar h[bral hyhw drpy ~vmw !ghÄta twqvhl !d[m acy rhnw 10 bhzh ~vÄrva hlywxh #raÄlk ta bbsh awh !wvyp dxah ~v 11 ~hvh !baw xldbh ~v bwj awhh #rah bhzw 12 vwk #raÄlk ta bbwsh awh !wxyg ynvh rhnhÄ~vw 13 trp awh y[ybrh rhnhw rwva tmdq $lhh awh lqdx yvylvh rhnh ~vw 14 hrmvlw hdb[l !d[Ä!gb whxnyw ~dahÄta ~yhla hwhy xqyw 15 lkat lka !ghÄ#[ lkm rmal ~dahÄl[ ~yhla hwhy wcyw 16 twmt twm wnmm $lka ~wyb yk wnmm lkat al [rw bwj t[dh #[mw 17 Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, So a Fé , Só a Deus Glória 6
  7. 7. Fundamentos do Velho Testamento CPD Gênesis 12:1-3 Çara rva #raÇhÄla $Çyba tybÇmÇw $ÇtdlwmÇmÇw $ÇcraÇm $ÇlÄ$l ~rbaÄla hwhy rmayÇw 1 hkrb hyhÇw $Çmv hldgaÇw $ÇkrbaÇw lwdg ywgÇl $Çf[aÇw 2 hmdaÇh txpvm lk $Çb wkrbnÇw raa $ÇllqmÇw $Çykrbm hÇkrbaÇw 3 Gênesis 26:2-6 $Çyla rma rva #raÇb !kv hÇmyrcm drtÄla rmayÇw hwhy wÇyla aryÇw 2 $Çyba ~hrbaÇl yt[bvn rva h[bvÇhÄta ytmqhÇw laÇh tcraÇhÄlkÄta !ta $Ç[rzÇlÇw $ÇlÄyk $ÇkrbaÇw $Çm[ hyhaÇw tazÇh #raÇb rwg 3 #raÇh yywg lk $Ç[rzÇb wkrbthÇw laÇh tcraÇhÄlk ta $Ç[rzÇl yttnÇw ~ymvÇh ybkwkÇk $Ç[rzÄta ytybrhÇw 4 yÇtrwtÇw yÇtwqx yÇtwcm yÇtrmvm rmvyÇw yÇlqÇb ~hrba [mvÄrva bq[ 5 rrgÇb qxcy bvyÇw 6 Gênesis 2810-16 hÇnrx $lyÇw [bv rabÇm bq[y acyÇw 10 awhÇh ~wqmÇb bkvyÇw wÇytvarm ~fyÇw ~wqmÇh ynbaÇm xqyÇw vmvÇh abÄyk ~v !lyÇw ~wqmÇb [gpyÇw 11 wÇb ~ydryÇw ~yl[ ~yhla ykalm hnhÇw hÇmymvÇh [ygm wÇvarÇw hÇcra bcm ~ls hnhÇw ~lxyÇw 12 $Ç[rzÇlÇw hnÇnta $Çl hÇyl[ bkv hta rva #raÇh qxcy yhlaÇw $Çyba ~hrba yhla hwhy yna rmayÇw wÇyl[ bcn hwhy hnhÇw 13 $Ç[rzÇbÇw hmdaÇh txpvmÄlk $Çb wkrbnÇw hÇbgnÇw hÇnpcÇw hÇmdqÇw hÇmy tcrpÇw #raÇh rp[Çk $Ç[rz hyhÇw 14 $Çl ytrbdÄrva ta ytyf[Ä~a rva d[ $Çbz[a al yk tazÇh hmdaÇhÄla $ÇytbvhÇw $ltÄrva lkÇb $ÇytrmvÇw $Çm[ ykna hnhÇw 15 yt[dy al yknaÇw hzÇh ~wqmÇb hwhy vy !ka rmayÇw wÇtnvÇm bq[y #qyyÇw 16 Êxodo 3:13-18 ~hÇla rma hm wÇmvÄhm yÇlÄwrmaÇw ~kÇyla ynÇxlv ~kÇytwba yhla ~hÇl ytrmaÇw larfy ynbÄla ab ykna hnh ~yhlaÇhÄla hvm rmayÇw 13 ~kÇyla ynÇxlv hyha larfy ynbÇl rmat hk rmayÇw hyha rva hyha hvmÄla ~yhla rmayÇw 14 rd rdÇl yÇrkz hzÇw ~l[Çl yÇmvÄhz ~kÇyla ynÇxlv bq[y yhlaÇw qxcy yhla ~hrba yhla ~kÇytba yhla hwhy larfy ynbÄla rmatÄhk hvmÄla ~yhla dw[ rmayÇw 15 ~yrcmÇb ~kÇl ywf[ÇhÄtaÇw ~kÇta ytdqp dqp rmaÇl bq[yÇw qxcy ~hrba yhla yÇla harn ~kÇytba yhla hwhy ~hÇla trmaÇw larfy ynqzÄta tpsaÇw $l 16 vbdÇw blx tbz #raÄla yswbyÇhÇw ywxÇhÇw yzrpÇhÇw yrmaÇhÇw ytxÇhÇw yn[nkÇh #raÄla ~yrcm yn[Çm ~kÇta hl[a rmaÇw 17 wnÇyhla hwhyÇl hxbznÇw rbdmÇb ~ymy tvlv $rd anÄhkln ht[Çw wnÇyl[ hrqn ~yyrb[Çh yhla hwhy wÇyla ~trmaÇw ~yrcm $lmÄla larfy ynqzÇw hta tabÇw $ÇlqÇl w[mvÇw 18 Daniel 9:1-4 ~ydfk twklm l[ $lmh rva ydm [rzm vwrwvxaÄ!b vwyrdl txa tnvb 1 hnv ~y[bv ~lvwry twbrxl twalml aybnh hymryÄla hwhyÄrbd hyh rva ~ynvh rpsm ~yrpsb ytnyb laynd yna wklml txa tnvb 2 rpaw qfw ~wcb ~ynwnxtw hlpt vqbl ~yhlah yndaÄla ynpÄta hntaw 3 wytwcm yrmvlw wybhal dsxhw tyrbh rmv arwnhw lwdgh lah ynda ana hrmaw hdwtaw yhla hwhyl hllptaw 4 Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, So a Fé , Só a Deus Glória 7
  8. 8. Fundamentos do Velho Testamento CPD III. A CLASSIFICAÇÃO DOS LIVROS DO VELHO TESTAMENTO LIVROS DO ANTIGO TESTAMENTO (LXX) LIVROS DO VELHO TESTAMENTO (TM) A Lei Poesia A Lei (Tora) Os Profetas (Nebhiin) (Pentateuco) Gênesis Jo Gênesis Profetas Profetas Êxodo Salmos Êxodo Anteriores Posteriores Levitico Proverbios Levítico Josué Isaías Números Eclesiastes Números Juízes Jeremias Deuteronômio Cantares Deuteronômio Samuel Ezequiel Reis Os doze História Profetas Os Escritos (Kethubhim) Profetas Maiores Profetas Menores Livros Poéticos Cinco Rolos Livros Históricos Josué, Juizes Isaías Oséias, Joel, Amós, Salmos Cantares Daniel Rue, I Samuel Jeremias Obadias,Jonas, Provérbios Rute Esdras - Neemias II Samuel, I reis Lamentações Miquéias, Jó Lamentações Crônicas II reis, I crônicas Ezequiel Naum, Habacuque, Ester II crônicas, Daniel Sofonias, Ageu Eclesiastes Esdras, Neemias, Zacarias, Malaquias Ester Lei Fundamento da chegada de Cristo VELHO História Preparação para a chegada de Cristo TESTAMENTO Poesia Anelo pela chegada de Cristo Profecia Certeza da Chegada de Cristo Evangelhos Manifestação de Cristo NOVO Atos Propagação de Cristo TESTAMENTO Epístolas Interpretação e aplicação de Cristo Apocalipse Consumação em Cristo Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, So a Fé , Só a Deus Glória 8
  9. 9. Fundamentos do Velho Testamento CPD IV. INTERPRETANDO O VELHO TESTAMENTO Segundo as Escrituras Sagradas os dois Testamentos, que ela compõem, estão em um constante fluxo e refluxo de interpretação, ou seja, tanto o V.T. deve ser interpretado à luz do N.T. como o N.T. à luz do V.T. Neste movimento interpretativo temos a relação entre sombra e realidade, antítipo e tipo, profecia verbalizada e profecia cumprida (Cl 2:16,17; Hb 10:1 / Hb 7:1-3; Jo 1:29; At 2:29-36; Mt 1:1-16). Diante deste fato, necessário se faz que entendamos alguns aspectos da revelação bíblia no Velho Testamento: a) Ela não é exaustiva, ou seja, não trata sobre todos os assuntos e de uma forma completa. Exemplo disto é a doutrina da expiação e intercessão limitada de Cristo (Ex 39:6-14 - Lv 16:20,21). b) Ela é progressiva (Ex. O plano da salvação, a Trindade, escatologia, etc) c) Ela é, em muitos fatos e aspectos, uma sombra (Cl 2:16,17; Hb 10:1), e, como sombra, devem ser consideradas algumas verdades: c.1 Uma sombra é incompleta: a circuncisão era menos abrangente quando comparada ao batismo, pois aquela era ministrada tão somente aos descendestes do sexo masculino (Gn 17:10), já este tanto aos homens como às mulheres (At 16:14,15). c.2 Uma sombra é transitória: em sua própria essência, toda sombra se esvai quando vem plena luz e quando a realidade que representa se aproxima mais e mais, até assumir completamente o seu lugar (Dn 9:26,27; Hb 9:1, 10, 11); ou seja, apresença da realidade exclui necessariamente a sombra. c.3 Não é o retrato real do que representa: embora se assemelhe a realidade, a sombra nada mais é do que um contorno daquilo que representa (Hb 10:1). Exemplo disto temos a cerimônia da unção naqual o óleo representava a presença do Espírito Santo na vida daquele que era ungido. c.4 Apresenta parcialmente a realidade: as várias cerimônias existentes na lei mosaica nos demonstram que o ministério de Cristo, em sua totalidade, não poderia ser representado por apenas um só ato cerimonial ou litúrgico (Cl 2:16,17; Lv 16:5-10) c.5 Aponta para uma realidade: os rituais do V.T. não foram dados por Deus em função de si mesmos (I Co 7:19), mas para comunicar ao seu povo realidades futuras que certamente já existiam e que estavam “prestes” a se manifestarem (Cl 2:16,17). A sombra era, portanto, a testemunha daquilo que certamente Deus faria. d) Ela é profética, no sentido em que Deus inspirou homens santos a proclamarem e escreverem sobre fatos que ainda viriam acontecer na nova dispensação (Mt 1:18-23; At 2:29-36). Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, So a Fé , Só a Deus Glória 9
  10. 10. Fundamentos do Velho Testamento CPD Profecia Onde Cumprimento Como Filho de Deus Sl 2.7 Lc 1.32,35 Como descendente de mulher Gn 3.15 Gl 4.4 Como descendente de Abraão Gn 17.7; 22.18 Gl 3.16 Como descendente de Isaque Gn 21.12 Hb 11.17-19 Como descendente de Davi Sl 132.11; Jr 23.5 At 13.23; Rm 1.3 Sua vinda em tempo certo Gn 49.10; Dn 9.23,25 Lc 2.1 Seu nascer de uma virgem Is 7.14 Mt 1.18; Lc 2.7 Ser chamado Emanuel Is 7.14 Mt 1.22,23 Nascer em Belém Mq 5.2 Mt 2.1; Lc 2.4-6 Grandes viriam adorá-lo Sl 72.10 Mt 2.1-11 Matança dos meninos de Belém Jr 31.15 Lc 2.16-18 Ter chamado do Egito Os 11.1 Mt 2.15 Ser precedido por João Is 40.3; Ml 3.1 Mt 3.1-3; Lc 1.17 Sua unção com o Espírito Sl 45.7; Is 11.2, 61.1 Mt 3.16; Jo 3.34; At 10.38 Ser profeta semelhante a Moisés Dt 18.15-18 At 3.20-22 Ser sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque Sl 110.4 Hb 5.5,6 Sua entrada no ministério publico Is 61.1,2 Lc 4.16-21, 43 Se ministério iniciado na galiléia Is 9.1,2 Mt 4.12-16, 23 Sua entrada publica em Jerusalém Zc 9.9 Mt 21.1-5 Sua vinda ao templo Ag 2.7,9; Ml 3.1 Mt 21.12; Lc 2.27-32; Jo 2.13-16 Sua pobreza Is 53.2 Mc 6.3; Lc 9.58 Sua humildade e falta de ostentação Is 42.2 Mt 12.15,16,19 Sua ternura e compaixão Is 40.11; 42.3 Mt 12.15, 20; Hb 4.15 Sua ausência de engano Is 53.9 1Pe 2.22 Seu zelo Sl 69.9 Jo 2.17 Sua pregação por parábola Sl 78.2 Mt 13.34,35 Seus milagres Is 35.5,6 Mt 11.4-6; Jo 11.47 Ter sido injuriado Sl 22.6; 69.7,9,20 Rm 15.3 Ter sido rejeitado por seus irmãos Sl 69.8; Is 63.3 Jo 1.11; 7.3 Ser uma pedra de escândalo aos judeus Is 8.14 Rm 9.32; 1Pe 2.8 Ter sido odiado pelos judeus Sl 69.4; Is 49.7 Jo 15.24,25 Ter sido rejeitado pelos lideres judeus Sl 118.22 Mt 21.42; Jo 7.48 Os judeus e os gentios, contra Ele Sl 2.1,2 Lc 23.12; At 4.27 Seria traído por um amigo Sl 41.9; 55.12-14 Jo 13.18-21 Seus discípulos O abandonariam Zc 13.7 Mt 26.31-56 Seria vendido por trinta moedas Zc 11.12 Mt 26.15 Seu preço seria dado pelo campo do oleiro Zc 11.13 Mt 27.7 A intensidade de seus sofrimentos Sl 22.14,15 Lc 22.42,44 Seu sofrimento em lugar de outros Is 53.4-6,12 Mt 20.28 Sua paciência e silencio sob os sofrimentos Is 53.7 Mt 26.63; 27 12-14 Ser esbofeteado Mq 5.1 Mt 27.30 Sua aparência maltratada Is 52.14; 53.3 Jo 19.5 Terem-No cuspido e flagelado Is 50.6 Mt 14.65; Jo 19.1 Cravação de seus pés e mãos à cruz Sl 22.16 Jo 19.18; 20.25 Ter sido esquecido por Deus Sl 22.1 Mt 27.46 Ter sido zombado Sl 22.7,8 Mt 27.39-44 Mel e vinagre ser-Lhe-iam dados Sl 69.21 Mt 27.34 Suas vestes seriam divididas e sortes lançadas Sl 22.18 Mt 27.35 Seria contado com os transgressores Is 53.12 Mc 15.28 Sua intercessão pelos Seus assassinos Is 53.12 Lc 23.34 Sua morte Is 53.12 Mt 27.50 Nenhum dos Seus ossos seria quebrado Ex 12.46; Sl 34.20 Jo 19.33,36 Seria traspassado Zc 12.10 Jo 19.34,37 Seria sepultado com o rico Is 53.9 Mt 27.57-60 Não veria a corrupção Sl 16.10 At 2.31 Sua ressurreição Sl 16.10; Is 26.19 Lc 2.6,31,34 Sua ascensão Sl 68.18 Lc 24.51; At 1.9 Seu assentar à direita de Deus Sl 110.1 Hb 1.3 Seu exercer o oficio sacerdotal, no céu Zc 6.13 Rm 8.34 Seria a pedra principal da igreja Is 28.16 1Pe 2.6,7 Seria Rei em Sião Sl 2.6 Lc 1.32; Jo 18.33-37 Conversão dos gentios a Ele Is 11.10; 42.1 Mt 1.17-21; Jo 10.16; At 10.45-47 Seu governo reto Sl 45.6,7 Jo 5.30; Ap 19.11 Seu domínio universal Sl 72.8; Dn 7.14 Fp 2.9-11 A perpetuidade de Seu reino Is 9.7; Dn 7.14 Lc 1.32,33 Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, So a Fé , Só a Deus Glória 10
  11. 11. Fundamentos do Velho Testamento CPD V. A LINHA HISTÓRICA O Velho Testamento compreende um espaço de tempo de milhares anos, pois é o registro do que ocorreu entre a criação de todas as coisas (Gn 1:1) até última profecia a respeito da vinda do Messias (Ml 4:2). Neste caminhar da humanidade podemos destacar os seguintes fatos históricos que são importantes na história do povo de Israel e sua relação com a revelação do Novo Testamento. 1. A Criação O Velho Testamento logo em seu início nos apresenta elohim (~yhla) criando todas as coisas. O registro da criação é um dos argumentos das Escrituras para afirmar o direito que Deus tem sobre tudo que nos rodeia, e sobre nós mesmos. O texto de Gênesis desconhece a teoria da evolução. Para o escritor sagrado, tudo quando existe é obra de um único Deus (~yhla) pessoal que, em seu infinito poder e graça, comunica a realidade de sua existência aos homens, criados à sua imagem e semelhança. 2. O Pacto das Obras Tendo criado os seres humanos à sua imagem e semelhança (Gn 1:26), o Senhor Deus (~yhla hwhy) estabelece com estes um pacto de obras (Gn 2:16,17), através do qual Ele promete a perpetuidade da vida edêmica através da obediência perfeita de nossos primeiros pais. Que as palavras de Gn 2:16,17 são palavras pactuais, isto nós sabemos pois nelas encontramos os seguintes elementos: a. Duas partes envolvidas: estas partes envolvidas logicamente são a humanidade, representada em Adão, e Deus, como criador e soberano sobre todas as coisas. b. Uma promessa: a promessa é a vida eterna c. Uma condição: plena obediência no ato de não comer da árvore do conhecimento do bem e do mal. d. Uma sentença de juízo: a morte Neste pacto Deus não propôs nada que estivesse além daquilo que Adão e Eva poderiam realizar. Muito pelo contrário, Deus concedeu a eles todos os meios e condições para que triunfassem sobre a prova. Vejamos: a. Eles foram criados seres racionais (Gn 1:26; 2:16,17), portanto entenderam a proposta de Deus. b. Foram criados positivamente retos (Ec 7:29), portanto poderiam praticar o bem. c. Possuíam livre arbítrio o que tornava cada ação uma livre expressão da vontade de cada um. d. Tinham uma excelente motivação material para não desobedecerem: a vida eterna e. Tinham uma infinita motivação espiritual para não desobedecerem: a comunhão com Deus f. Possuíam abundância de alimento. g. Foram orientados enfaticamente sobre o perigo da desobediência. 3. A Queda Mesmo diante de todas as graças que Deus concedeu aos nossos primeiros pais, eles desobedeceram a lei divina e ficaram sob o domínio da morte. De fato, eles ficaram sob o julgo da morte física, espiritual e eterna. E as conseqüências de tal rebelião se estenderam também a toda descendência deles (Gn 4; Rm 3). Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, So a Fé , Só a Deus Glória 11
  12. 12. Fundamentos do Velho Testamento CPD 4. O Anúncio do Pacto da Redenção Como conseqüência da quebra da lei divina, o que caberia ao ser humano instantaneamente era tão somente o justo juízo de Deus. Entretanto, por mais paradoxal que seja, aquele mesmo que fora o agente da tentação recebe de Deus a demonstração da Sua graça à humanidade caída, prometendo-lhe um salvador que viria para esmagar-lhe a cabeça (Gn 3:15). Aí, então, temos o primeiro registro do pacto da redenção, a promessa de um salvador. E tendo feito esta promessa, o próprio Deus derrama o sangue de um animal e faz para Adão e Eva vestimentas para que se cobrissem. E, aí, então, temos o princípio de cobertura de pecados por morte substitutiva, que norteará todo o Velho Testamento. 4. O Chamado de Noé Com o crescimento do pecado, Deus separa para si Noé (Gn 6) e salva sua família através de uma arca. Neste ato salvífico Deus confirma o pacto da graça (Gn 9) e à humanidade é dada a continuidade de existência. 5. O Chamado de Abrão Da linhagem de Sem (Gn 11:10-26), filho de noé, Abrão recebe o chamado de Deus para ir à uma terra que lhe mostraria e na qual ele e sua descendência seriam abençoados ricamente (Gn 12). De Abraão nasce Isaque, de Isaque nasce Jacó. Até que Jacó viesse a se converter muitas tristezas sua família teria que suportar. Mas no encontro que teve com Deus no val de Jaboque, seu nome foi mudado para Israel e sua vida transformada. De seus casamentos Jacó, teve doze filhos e destes vieram as doze tribos (Gn 49), que seriam chamadas mais à frente de “povo de Israel”. 6. A Ida de Israel Para o Egito Avançado em dias, Israel tinha José como filho predileto. Isto causou tanto ódio a seus outros filhos que José foi vendido, por estes, como escravo. Contudo, José tudo sofreu pacientemente até que veio a ser uma grande autoridade no Egito e meio de livramento à sua família que passava grandes necessidades. Através de José, a família toda de Israel foi para o Egito, no qual por anos gozou de toda a consideração das autoridades daquela nação estrangeira (Gn 37 – 50). 7. O Chamado de Moisés Após a morte de José subiu ao trono egípcio um faraó que começou a explorar os israelitas. Na aflição o povo clama por libertação, e Deus chama Moisés para liberta-lo (Ex 3). Este Moisés, embora viver na corte egípcia como filho da filha do faraó, era na verdade um israelita que pela providência divina havia sido poupado da morte, quando o faraó tinha decretado a morte das crianças hebréias. Este Moisés, juntamente com seu irmão Arão, apresentam-se a faraó; contudo, mesmo diante de cada praga, o líder egípcio fica cada vez mais duro em seu coração. Com a morte dos primogênitos o povo de Israel e liberado (Ex 12). E isto o povo faz após realizar a primeira páscoa, na qual um cordeiro sem defeito e sem mácula é morto, assado e comido pelas famílias hebréias e seu sangue é posto nos umbrais das portas. Com Moisés o povo atravessa o Mar Vermelho e caminha rumo a terra que Deus havia prometido a Abraão. Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, So a Fé , Só a Deus Glória 12
  13. 13. Fundamentos do Velho Testamento CPD AS DEZ PRAGAS DO EGITO O Deus Produziu O Coração Os Magos Praga Texto Aviso Egípcio Efeito em Comentário de Faraó Copiaram? Zombado Gósen? Ficou 7 dias. O Nilo era um rio sagardo do Água do Egito. Os magos copiaram as pragas, mas rio Nilo 7:14-24 Sim Os deuses do Rio Coração dele Sim - 7:20-21 Sim porque? O que pricisaram foi água, não se tornou Nilo se endureceu mais sangue. Eles não puderam desfazer sangue - 7:22 o que Deus tinha feito, nem fazer água para o povo beber. Fizeram de novo. Para que? Não Pta e Heca - deus precisaram mais rãs. De novo não Rãs 8:1-15 Sim Endureceu o Sim - 8:6 Sim puderam desfazer o que Deus tinha feito. e deusa de seu coração - cabeça de rã A rã representou para o Egoto a vida 8:15 humana em embrião. Deus mostrou que Ele é a fonte de toda vida. Piolhos são pulgas ou mosquitos. Esta Coração dele Piolhos 8:16-19 Não Leb - deus da Sim - 8:17 Não vez os magos disseram a Faraó que “isto se endureceu terra é o dedo de Deus, 8:19. As pulgas - 8:19 ficaram sobre a terra como o pó. Um tipo de mosca chamado “mosca de Endureceu cachorro”que morde a pálpebra, pode dar Quepara - deus- ainda esta vez doença dos olhos e até cegueira. Moscas 8:20-32 Sim besouro seu coração - Não 8:22-23 Não Começando com esta praga Deus fez 8:32 diferença entre Egito e Israel, 8:22-23, 11:7. Observa os comprissos de Faraó,, v. 25 e 28. Os magos não puderam desfazer nem Pestilênc Seráfis (Ápis) – O coração de curar a doença. Uma doença que atacou ia 9:1-7 Sim deus sagrado de Faraó se Não 9:4 e 7 Não o gado. Todo gado do Egito morreu, mas Gravíssi Mênfis do gado agravou - 9:7 nenhum morreu de Israel. ma Deus nesta praga zombou a deusa e O Senhor rainha do céu do Egito. Moisés jogou o pó Neite - deusa e endureceu o para o céu que deu um tumor ulceroso na Sarna 9:8-12 Não rainha do céu coração de Não - 9:11 Não pela do povo que doeu demais. Os magos Faraó - 9:12 também pegaram a doença e não puderam adorar a sua deusa e rainha religiosa. Íris - deus da O coração de Não 9:26 Todos que creram na Palavra de Deus água e Faraó se escaparam desta praga, 9:20-21. Deus Saraiva 9:13-35 Sim Osiris - deus de endureceu - Não mandou saraiva cair na terra e fogo correr fogo 9:35 no chão. Mostou que seus deuses da água e do fogo eram mesmo nada. Deus encheu o ar de gafanhotos. Os Xu - deus do ar e O Senhor deuses egípcios (Xu E Sebeque) não Gafanhot 10:1-20 Sim Sebeque - deus- endureceu o Não - 10:6 Não puderam fazer nada para não deixar os inseto coração de acontecer. Ó que deuses fracos! Observa Faraó – 10:20 o terceiro comprisso oferecido por Faraó, 10:11. Com esta praga Deus derrubou o deus O Senhor principal do Egito, Rá, o deus-sol. A 10:21- Rá - deus-sol. Ele endureceu o palavra Faraó significa sol, ele era um Trevas 23 Não era o deus coração de Não - 10:23 Não deus. Egito ficou nas trevas (sem ver principal do Egito Faraó – 10:27 nadinha) durante 3 dias, mas Israel ficou na luz. Observa o quarto comprisso de Faraó, 10:24. Depois disto todos souberam que Deus Jeová reina! Ele Pela última Aqueles que era o Senhor e Seu nome ficou anunciado Morte do destruiu todos os vez o seu tinham o Não puderam em toda a terra. Deus destruiu todo deus primogên 11-12 Não deuses falsos do coração se sangue do aliviar o povo falso do Egito. Na morte do primogênito itos Egito. Agora endureceu - cordeiro não Deus mostoru que Ele tem na Sua mão o mostra que Ele é 14:1-10, 21-28 morreram poder de morte e de vida. Depois vamos a vida. estudar mais detalhadamente a Páscoa. Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, So a Fé , Só a Deus Glória 13
  14. 14. Fundamentos do Velho Testamento CPD 8. O Chamado de Josué Com a morte de Moisés Deus chama Josué para substituí-lo (Js1). Muitas batalhas são travadas, mas o povo conquista a terra prometida a seus pais (Js 24:14-33). 9. O tempo dos juízes Shoftim ou Juízes (em hebraico: ) do Velho Testamento que trata da história dos israelitas entre a conquista da terra de Canaã no final da vida de Josué até o estabelecimento do primeiro reinado. Escrito originalmente em hebraico, sua autoria é até hoje incerta, embora alguns afirmem que poderia ter sido profeta Samuel, durante o reinado de Saul, em torno de 1050 a.C.. Juízes retrata um período de aproximadamente três séculos em que os israelitas, encontrando-se na terra prometida, desviaram-se dos mandamentos divinos praticando a idolatria e que por isso chegaram a ser derrotados pelas nações vizinhas ou próximas que passavam a oprimir o povo. Então os israelitas arrependiam-se e pediam a ajuda de Deus. Surgiam assim líderes heróicos para resgatarem o povo de Israel dos inimigos e restabelecerem a obediência à lei mosaica. O primeiro juiz teria sido Otniel, o qual teria libertado os israelitas do rei Cusã-Risataim. Após a morte de Otniel, os israelitas novamente afastam-se dos mandamentos de Deus e são dominados pelos moabitas. Novamente é levantado um novo juiz, Eúde que livra o povo de seus opressores. Assim, seguem novos períodos sob a liderança dos juízes em que, repetidamente, os israelitas voltam a adorar deuses pagãos, são dominados por outros povos, arrependem-se e são mais uma vez libertos. O último juiz da história dos israelitas foi Sansão, o qual possuía uma força excepcional e teria liderado o povo contra os filisteus, mas foi traído por Dalila ao lhe revelar que o segredo de sua força encontrava-se nos seus cabelos. Entre alguns juízes durante essa época que mais se destacam no livro estão Débora, Gideão e Sansão. O livro termina relatando a decadência moral dos israelitas, assim concluindo no verso 6 do caítulo 17: Naqueles dias, não havia rei em Israel; cada qual fazia o que achava mais reto. Cronologicamente pode-se mencionar os seguintes líderes que teriam julgado Israel, com suas respectivas tribos de origem e referências bíblicas: JUÍZES DE ISRAEL Juíz Origem Texto Bíblico Otniel Judá Jz 1:11-15; Jz 3:7-11 Eúde Benjamim Jz 3:12-30; Jz 4:1 Sangar desconhecido a origem Jz 3:31; Jz 5:6 Débora Efraim Jz 4:1; Jz 5:31 Gideão Manassés Jz 6:1-8; Jz 6:32 Abimeleque Manassés Jz 8:33-9:57 Tola Issacar Jz 10:1-2 Jair Manassés Jz 10:3-5 Jafté Manassés Jz 10:6-12; Jz 7 Ibsã Judá ou Zebulom Jz 12:8-9 Elom Zebulom Jz 12:11-12 Abdom Efraim Jz 12:13-15 Sansão Dã Jz 13:1-16 e Jz 31 Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, So a Fé , Só a Deus Glória 14
  15. 15. Fundamentos do Velho Testamento CPD 10. O Reino Vendo Israel que os povos ao seu redor possuíam reis, pedem a Samuel que lhes dê um rei. Deus se mostra desgostoso com o povo pois tal pedido era a prova que os israelitas não estavam satisfeitos com a teocracia. Saul então é o escolhido (I Sm 10). Porém, sua personalidade instável, ciúme excessivo quanto ao trato do povo a favor de Davi e sua deliberada desobediência a Deus fizeram com este primeiro perdesse o seu reinado para o jovem Davi (I Sm 16). 11. O Chamado de Davi Com a morte de Saul, Davi reina em Israel. Seu reinado é próspero e os inimigos dos israelitas são postos longe dos muros de Jerusalém. A construção um templo para YAHWEH (hwhy) é dado a seu filho Salomão (I Re 1:11-39), uma vez que Davi havia derramado muito sangue em seu reinado. Entretanto, antes mesmo de Davi partir, Deus lhe faz a promessa de que nunca lhe faltaria um sucessor em seu trono e que seu reinado seria eterno (II Sm 7:12-16). 12. O Chamado de Salomão Às portas da morte de Davi, Salomão já experimenta as lutas políticas próprias da monarquia. Seu irmão Adonias (I Re 1:5-10) usurpa o trono; todavia, Nata e Bate-seba advogam a favor de Salomão (I Re 1:11-31) e Davi ordena a Zadoque (o sacerdote) e Natã (o profeta) que proclamem a Salomão como rei sobre Israel. E assim é feito (I Re 1:32-40). 13. A Divisão do reino Com a proximidade da morte de Salomão, mais uma vês o reinado sofre abalo e cisão. O filho de Salomão, Roboão, sobe ao trono, mas mostra-se desqualificado para tal posto de liderança. Nisto, Jeroboão (filho de Nebate, eframita de Zeredá, servo de Salomão – I Re 11:26-40) levantou- se contra a posição de Roboão e dez tribos seguem-no (I Re 12:12-20). Com isto a monarquia judaica se divide: a. Reino de Judá: sob a liderança de Roboão e tendo como capital Jerusalém. b. Reino de Israel: sob a liderança de Jeroboão e tendo como capital Samaria. 14. O Exílio Pelos muitos pecados dos reinos do norte (reino de Israel) e do sul (Reino de Judá), o povo judeu foi para o cativeiro. O reino do Norte foi para exílio assírio no ano 722 a.C. e o reino do sul foi para o cativeiro babilônico em 587 a.C. Contudo, mesmo diante da término da monarquia judaica; sempre o povo de Israel acalentou em seu coração a esperança que um filho de Davi novamente reinaria em Jerusalém e traria à nação judaica os tempo áureos de outrora. 14. O Retorno Para a Palestina Tendo purificado o povo de Israel da idolatria por meio do cativeiro (Dn 3), Deus levanta Ciro (o medo-persa) para repatriar seu povo à terra prometida. Para a reconstrução da cidade e fortalecimento da fé, Deus envia Neemias e Esdras (Ne 1). 15. A última Profecia Com Malaquias ouvimos a última profecia com respeito à vinda do Messias (Ml 4:5,6). A revelação da velha dispensação está selada e o povo instruído quanto a vindo do Filho de Davi, o Messias. Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, So a Fé , Só a Deus Glória 15
  16. 16. Fundamentos do Velho Testamento CPD Reino Hebraico Unido: 1102 – 982 a.C. Saul (40) - Davi (40) - Salomão (40) Reino Hebraico Dividido Reino de Judá Reino de Israel Roboão 17 Profetas do V. T. Jerobão 22 Abias 3 Judá Israel Nadabe 2 Asa 41 Baasa 24 Josafá 25 Elá 2 Josafá 8 Zinri 7 dias Acazias 1 Onri 12 Atalia 6 Elias Acabe 22 Joás 40 Eliseu Acazias 2 Amazias 29 Obadias Josafá 12 Uzias 52 Isaías Jeú 28 Jotão 16 Miquéias Jeoacaz 17 Acaz 16 Jonas Joás 16 Ezequias 29 Oséias Jeroboão II 41 Judá Só 135 anos Amós Zacarias 6 meses Manassés 55 Salum 1 mês Amom 2 Menaém 10 Josias 31 Pecaías 2 Jeocaz 3 meses Peca 20 Jeoaquim 11 Jeremias Oséias 9 Zoaquim 3 meses Naum Cativeiro Assírio 722 a.C. Sofonias Zedequeias 11 Habacuque Cativeiro Babilônico 587 a.C. (49 anos) Daniel e Jerusalém Destruída Ezequiel Restauração (147 anos) Zorobabel Esdras Neemias Ageu Zacarias Malaquias Entre Os Testamentos (386 anos) Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, So a Fé , Só a Deus Glória 16
  17. 17. Fundamentos do Velho Testamento CPD 16. O Período Intertestamentário a. Desenvolvimento Político A Expressão “400 anos de silêncio”, freqüentemente empregada para descrever o período entre os últimos eventos do A.T. e o começo dos acontecimentos do N.T. não é correta nem apropriada. Embora nenhum profeta inspirado se tivesse erguido em Israel durante aquele período, e o A.T. já estivesse completo aos olhos dos judeus, certos acontecimentos ocorreram que deram ao judaísmo posterior sua ideologia própria e, providencialmente, prepararam o caminho para a vinda de Cristo e a proclamação do Seu evangelho. a.1 Supremacia Persa Por cerca de um século depois da época de Neemias, o império Persa exerceu controle sobre a Judéia. O período foi relativamente tranqüilo, pois os persas permitiam aos judeus o livre exercício de suas instituições religiosas. A Judéia era dirigida pelo sumo sacerdotes, que prestavam contas ao governo persa, fato que, ao mesmo tempo, permitiu aos judeus uma boa medida de autonomia e rebaixou o sacerdócio a uma função política. Inveja, intriga e até mesmo assassinato tiveram seu papel nas disputas pela honra de ocupar o sumo sacerdócio. Joanã, filho de Joiada (Ne 12.22), é conhecido por ter assassinado o próprio irmão, Josué, no recinto do templo. A Pérsia e o Egito envolveram-se em constantes conflitos durante este período, e a Judéia, situada entre os dois impérios, não podia escapar ao envolvimento. Durante o reino de Artaxerxes III muitos judeus engajaram-se numa rebelião contra a Pérsia. Foram deportados para Babilônia e para as margens do mar Cáspio. a.2 Alexandre, o Grande Em seguida à derrota dos exércitos persas na Ásia Menor (333 AC), Alexandre marchou para a Síria e Palestina. Depois de ferrenha resistência, Tiro foi conquistada e Alexandre deslocou-se pra o sul, em direção ao Egito. Diz a lenda que quando Alexandre se aproximava de Jerusalém o sumo sacerdote Jadua foi ao seu encontro e lhe mostrou as profecias de Daniel, segundo as quais o exército grego seria vitorioso (Dn 8). Essa narrativa não é levada a sério pelos historiadores, mas é fato que Alexandre tratou singularmente bem aos judeus. Ele lhes permitiu observarem suas leis, isentou-os de impostos durante os anos sabáticos e, quando construiu Alexandria no Egito (331 AC), estimulou os judeus a se estabelecerem ali e deu-lhes privilégios comparáveis aos seus súditos gregos. a.3 A Judéia sob os Ptolomeus Depois da morte de Alexandre (323 AC), a Judéia, ficou sujeita, por algum tempo a Antígono, um dos generais de Alexandre que controlava parte da Ásia Menor. Subseqüentemente, caiu sob o controle de outro general, Ptolomeu I (que havia então dominado o Egito), cognominado Soter, o Libertador, o qual capturou Jerusalém num dia de sábado em 320 AC Ptolomeu foi bondoso para com os judeus. Muitos deles se radicaram em Alexandria, que continuou a ser um importante centro da cultura e pensamento judaicos por vários séculos. No governo de Ptolomeu II (Filadelfo) os judeus de Alexandria começaram a traduzir a sua Lei, i.e., o Pentateuco, para o grego. Esta tradução seria posteriormente conhecida como a Septuaginta, a partir da lenda de que seus setenta (mais exatamente 72 - seis de cada tribo) tradutores foram sobrenaturalmente inspirados para produzir uma tradução infalível. Nos subseqüentes todo o Antigo Testamento foi incluído na Septuaginta. a.4 A Judéia sob os Selêucidas Depois de aproximadamente um século de vida dos judeus sob o domínio dos Ptolomeus, Antíoco III (o Grande) da Síria conquistou a Síria e a Palestina aos Ptomeus do Egito (198 AC). Os governantes sírios eram chamados selêucidas porque seu reino, construído sobre os escombros do império de Alexandre, fora fundado por Seleuco I (Nicator). Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, So a Fé , Só a Deus Glória 17
  18. 18. Fundamentos do Velho Testamento CPD Durante os primeiros anos de domínio sírio, os selêucidas permitiram que o sumo sacerdote continuasse a governar os judeus de acordo com suas leis. Todavia, surgiram conflitos entre o partido helenista e os judeus ortodoxo. Antíoco IV (Epifânio) aliou-se ao partido helenista e indicou para o sacerdócio um homem que mudara seu nome de Josué para Jasom e que estimulava o culto a Hércules de Tiro. Jasom, todavia, foi substituído depois de dois anos por uma rebelde chamado Menaém (cujo nome grego era Menelau). Quando partidários de Jasom entraram em luta com os de Menelau, Antíoco marcho contra Jerusalém, saqueou o templo e matou muitos judeus (170 AC). As liberdades civis e religiosas foram suspensas, os sacrifícios diários forma proibidos e um altar a Júpiter foi erigido sobre o altar do holocausto. Cópias das Escrituras foram queimadas e os judeus foram forçadas a comer carne de porco, o que era proibido pela Lei. Uma porca foi oferecida sobre ao altar do holocausto para ofender ainda mais a consciência religiosa dos judeus. a.5 Os Macabeus Não demorou muito para que os judeus oprimidos encontrassem um líder para sua causa. Quando os emissários de Antíoco chegaram à vila de Modina, cerca de 24 quilômetros a oeste de Jerusalém, esperavam que o velho sacerdote, Matatias, desse bom exemplo perante o seu povo, oferecendo um sacrifício pagão. Ele, porém, além de recusar-se a fazê-lo, matou um judeu apóstata junto ao altar e o oficial sírio que presidia a cerimonia. Matatias fugiu para a região montanhosa da Judéia e, com a ajuda de seus filhos, empreendeu uma luta de guerrilhas contra os sírios. Embora os velho sacerdote não tenha vivido para ver seu povo liberto do jugo sírio, deixou a seus filhos o término da tarefa. Judas, cognominado “o Macabeu”, assumiu a liderança depois da morte do pai. Por volta de 164 AC Judas havia reconquistado Jerusalém, purificado o templo e reinstituído os sacrifícios diários. Pouco depois das vitórias de Judas, Antíoco morreu na Pérsia. Entretanto, as lutas entre os Macabeus e os reis selêucidas continuaram por quase vinte anos. Aristóbulo I foi o primeiro dos governantes Macabeus a assumir o título de “Rei dos Judeus”. Depois de um breve reinado, foi substituído pelo tirânico Alexandre Janeu, que, por sua vez, deixou o reino para sua mãe, Alexandra. O reinado de Alexandra foi relativamente pacífico. Com a sua morte, um filho mais novo, Aristóbulo II, desapossou seu irmão mais velho. A essa altura, Antípater, governador da Iduméia, assumiu o partido de Hircano, e surgiu a ameaça de guerra civil. Conseqüentemente, Roma entrou em cena e Pompeu marchou sobre a Judéia com as suas legiões, buscando um acerto entre as partes e o melhor interesse de Roma. Aristóbulo II tentou defender Jerusalém do ataque de Pompeu, mas os romanos tomaram a cidade e penetraram até o Santo dos Santos. Pompeu, todavia, não tocou nos tesouros do templo. a.6 Roma Marco Antônio apoiou a causa de Hircano. Depois do assassinato de Júlio Cesar e da morte de Antípater (pai de Herodes), que por vinte anos fora o verdadeiro governante da Judéia, Antígono, o segundo filho de Aristóbulo, tentou apossar-se do trono. Por algum tempo chegou a reina em Jerusalém, mas Herodes, filho de Antípater, regressou de Roma e tornou-se rei dos judeus com apoio de Roma. Seu casamento com Mariamne, neta de Hircano, ofereceu um elo com os governantes Macabeus. Herodes foi um dos mais cruéis governantes de todos os tempos. Assassinou o venerável Hircano (31 AC) e mandou matar sua própria esposa Mariamne e seus dois filhos. No seu leito de morte, ordenou a execução de Antípater, seu filho com outra esposa. Nas Escrituras, Herodes é conhecido como o rei que ordenou a morte dos meninos em Belém por temer o Rival que nascera para ser Rei dos Judeus. Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, So a Fé , Só a Deus Glória 18
  19. 19. Fundamentos do Velho Testamento CPD V. A LEI 1. Lei Civil: Esta lei incluía todas as determinações referentes à vida social e comunitária de Israel, regulando o comportamento do povo, estabelecendo o padrão de santidade em todos os aspectos do cotidiano e requerendo a punição justa pelos delitos cometidos. Esta lei era, contudo, peculiar ao povo de Israel, pois fora promulgada em um clima de pacto entre Deus e este povo, o que dava a esta lei o caráter restrito e transitório [Ex 21 e 22]. 2. Lei Cerimonial: Esta lei incluía todas as determinações referentes a vida religiosa (festas, rituais, símbolos, etc) do povo de Israel. E, como e religião vetero-Testamentária era profética e apontava, em sombras, para Aquele que haveria devir, deduzimos que esta lei também tinha caráter transitório e sua permanência era assegurada até a vinda daquilo que ela representava (cordeiro pascal=Jesus; sábado=vida eterna; unção com óleo=recebimento do E.S.; Festa dos Tabernáculos=encarnação de Cristo, etc) [Ex 25 – 30]. 3. Lei Moral: Esta lei estabelecia o padrão de comportamento ético e moral pelo qual o povo de Deus deveria se guiar. Enquanto a Lei Civil apontava para as conseqüências de uma vida em pecado, a lei moral inspirava o povo a ter o caráter dAquele que o vocacionara. Disto concluímos que a lei moral é eterna e universal pois revela o caráter santíssimo do Deus Eterno [Ex 20]. Para ilustrarmos estes três aspectos da lei de Deus no V.T. damos o exemplo da guarda do sábado. Relacionado a este dia de culto, temos nele um aspecto cerimonial, um aspecto moral e outro civil. a. Por aspecto cerimonial, nos referimos a guarda literal do sétimo dia da semana e aquele significado espiritual para o qual ele apontava, ou seja, a vida eterna; b. por aspecto moral, dizemos aquele princípio que encontramos em Ex 20:9 que diz “seis dias trabalharás...mas o sétimo dia é o sábado do Senhor”, ou seja, após seis dias trabalhados, o próximo pertence ao Senhor para o culto; c. e, por aspecto civil nos referimos as sanções e punições pala quebra deste ou de qualquer mandamento. Portanto, dizer que o Evangelho nos desobriga a guardar um dia de culto ao Senhor é uma compreensão errada da Lei de Deus. Não é razoável asseverarmos que Deus ordena que pratiquemos todos os nove mandamentos do decálogo e venhamos a esquecer exatamente aquele nos intima a cultuá-lo. Daí segue-se que a guarda do sábado ainda é um princípio válido para todo povo de Deus ainda hoje. Contudo, não segundo o cerimonialismo do V.T., entretanto, de acordo com o espírito da lei que trás vida. O que nos faz concluir que, quando os sabatistas condenam a cristandade por guardar o domingo, como dia de culto, estes hereges se mostram ainda agrilhoados pelas sombras da antiga dispensação, pois são incapazes de perceber que o princípio moral da Lei não é quebrado, pois o trabalho de segunda a sábado perfaz um total de seis dias, e, que foi exatamente no dia de domingo que aquilo que o sábado representava foi-nos dado, ou seja, a vida eterna através da ressurreição de Cristo, no primeiro dia da semana. Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, So a Fé , Só a Deus Glória 19
  20. 20. Fundamentos do Velho Testamento CPD VI. O TABERNÁCULO, O EVANGELHO EM SOMBRAS (Ex 25:1-9) 1. O Sumo Sacerdote (Lv 21; Hb 5:1-9): a. Seu corpo: As leis que estabeleciam o sacerdócio eram extremamente rígidas. Não eram quaisquer descendentes de Arão que poderiam oficiar diante de YAHWEH, pois o próprio Deus estabelecera uma série de regras, as quais citamos a baixo: a.1 Não poderia tocar em mortos, exceto o pai, mãe, filho, filha, irmão ou irmã virgem. a.2 Não poderiam fazer calva a cabeça. a.3 Não poderiam cortar as extremidades da barba. a.4 Não poderiam ferir a sua carne. a.5 Só deveriam casar com uma virgem. a.6 Não poderiam ter alguma deformidade: cego, coxo, rosto mutilado desproporcionado, pé quebrado, mão quebrada, corcovado, anão, sarna, impinges, testículo quebrado. b. Suas vestes sacerdotais (Ex 28) b.1 Em seu vestuário o sumo sacerdote trazia com sigo as cores: branco, carmesim, púrpura e azul. b.2 No peitoral leva 12 pedras, e cada uma delas representava cada uma tribo de Israel. b.3 Nas ombreiras, o sacerdote possuía também 2 pedras de ônix, nas quais estavam escritas os nomes das doze tribos de Israel. Seis em cada uma delas. c. Aplicação Teológica: Diante destes elementos algumas conclusões podemos tirar, vejamos: c.1 O sacerdócio era uma sombra da pessoa e ministério de Cristo (Cl 2:16,17; Hb 5:1-9). c.2 A verdade da expiação limitada se faz presente no ofício sacerdotal, pois o Sumo- sacerdote representava diante de Deus tão somente aqueles que estavam incluídos nas doze pedras do seu peitoral e nas duas pedras de ônix em suas ombreiras. Ou seja, assim como o sumo sacerdote oficiava diante de Deus somente a favor do povo de Israel, assim também, Jesus, o sumo sacerdote da nova aliança, intercede tão somente pelos eleitos (Jo 17:9-20). 2. Os levitas (Nm 3) Levi do Hebraico Lêwi ligado a raiz IÃWÂ significa “juntar”, ou ainda HILLAWEH que significa UNIR. O nome HILLAWEH (LEVÍ) é da mesma família onomatopaica da palavra HALELUIA. "Outra vez concebeu Lia, e deu à luz um filho, e disse: Agora, desta vez, se unirá mais a mim meu marido, porque lhe dei à luz três filhos; por isso, lhe chamou Levi." (Gn 29:34) 2.1 Responsabilidades com o Tabernáculo O papel dos levitas como ministros do tabernáculo era de cooperarem na construção do tabernáculo, sob a supervisão do filho de Arão, Itamar. Nas leis preparatórias para a marcha pelo deserto, Levi foi separado por Deus, das outras tribos, e colocado sob a responsabilidade de desmanchar, transportar e erigir o tabernáculo alem de servirem como uma espécie de pára-choque para protegerem as demais tribos israelitas da indignação de Deus, que os ameaçava se Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, So a Fé , Só a Deus Glória 20
  21. 21. Fundamentos do Velho Testamento CPD despercebidamente entrassem em contato com a tenda sagrada ou com os seus móveis (Números 1: 47-54). 2.2 O Levita e a Santificação A santificação é o elemento chave para que um levita tenha o seu ministério bem sucedido e é também a maior responsabilidade de um servo de Deus. "Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor" (Hebreus 12:14 RA). Nenhum Levita pode fazer a obra de Deus sem estar com sua vida em santidade: "Os levitas se purificaram e lavaram as suas vestes, e Arão os apresentou por oferta movida perante o SENHOR e fez expiação por eles, para purificá-los. Depois disso, chegaram os levitas, para fazerem o seu serviço na tenda da congregação, perante Arão e seus filhos; como o SENHOR ordenara a Moisés acerca dos levitas, assim lhes fizeram." (Números 8:21- 22 RA) 3. Ordem para a construção do tabernáculo (Ex 25:8,9) a ordem divina concernente à construção do tabernáculo era que o mesmo deveria ser construído e feitos seus utensílios exatamente como Deus havia revelado a Moisés; isto porque, segundo o plano sábio do Senhor; o tabernáculo seria para os irmãos velha dispensação o meio didático pelo qual o próprio Deus os ensinaria sobre a vinda do messias, sua vida e morte, seu ministério, e, por fim, as bênçãos decorrentes do penoso trabalho de sua alma. Retirar ou acrescentar algo à revelação de Deus acarretaria uma real deturpação da pessoa do salvador. 4. Propósito da Construção (Ex 25:9 = Gn 3:8 = Jo 1:14 = Ap 21:3): o propósito do tabernáculo é muito bem posto pelo próprio Deus, ou seja, “para que eu possa habitar no meio deles”. Esta assertiva apresenta-se não somente neste texto, mas sim, durante todo o transcurso histórico da revelação bíblica, o que certamente é testemunha inequívoca daquele anelo maior de Deus que foi, é, e sempre será, de habitar no meio do seu povo. Kai o logoj sarx egeneto kai eskhnwsen em hmin (Jo 1:14) E o Verbo carne se fez e habitou entre nós Idou h skhnh tou çqeou meta twn antrwpwn, kai skhnwsei meta autwn (Ap 21:3) Eis o tabernáculo de Deus com os homens e habitará com eles 5. Localização (Nm 2): A orientação quanto a localização do tabernáculo foi dado por Deus por cinco motivos diferentes. a. Ele deveria ficar no centro do acampamento do povo de Israel afim de que este pudesse a cada dia lembrar que o centro de sua vida deveria ser a vida espiritual. b. Ele deveria ser no centro para ilustrar que todos os fatos históricos na vida do povo convergiriam para a vinda do messias representado no tabernáculo. c. Deveria ser no centro para lembra-los da constante presença de Deus na direção do destino do seu povo. d. A porta do átrio deveria estar direcionada para o leste, ou seja, para o oriente (Nm 3:38) d.1 Foi exatamente desta banda que os magos viram a estrela que anunciava o nascimento de Jesus (Mt 2:2), d.2 Em Apocalipse, Jesus é chamada de a radiante estrela da manhã (Ap 22:16). Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, So a Fé , Só a Deus Glória 21
  22. 22. Fundamentos do Velho Testamento CPD d.3 Para a banda do oriente pois era exatamente nesta localização em a tribo de Judá se acampava (Nm 2:1-3), o que nos lembra as várias profecias concernentes a origem do Messias como vindo desta tribo (Gn 49:8-11). d.4 Este era a “entrada” do Éden Gn 3:24) Norte Dã Aser Naftali Oeste Efraim Judá Leste Ocidente Manassés Issacar Oriente Benjamim Zebulon Ruben Simeão Gade Sul 6. Estrutura do Tabernáculo (Ex 38:9-20): 6.1 Átrio (Ex 27:9-19; 38:4-20): a. Era cercado por cortinas de linho fino retorcido, seguras em colunas, cujos ganchos e vergas eram de prata e cujas as bases eram de bronze. b. Possuía uma só porta (Ex 38:13,14), o que nos lembra as palavras de cristo “eu sou a porta” (Jo 10:9,10), e certamente nos assevera que só existe um caminho de salvação (Jo 14:6). b.1 Esta porta possuía quatro colunas (Ex 38:19). O número quatro é símbolo da terra pois nos lembra dos quatro pontos cardeais (norte, sul, leste e oeste); nisto os irmãos do V.T. eram doutrinados sobre a universalidade da graça que era oferecida a todas às nações, bem como a universalidade do único meio de salvação que Deus propôs ao homem. Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, So a Fé , Só a Deus Glória 22
  23. 23. Fundamentos do Velho Testamento CPD b.2 Nesta única porta de quatro colunas havia um reposteiro de estofo azul, púrpura, carmesim e linho fino retorcido. Disto concluímos que este único salvador oferecido à todas nações não poderia ser qualquer pessoa, antes, sim, deveria agregar em seu ser determinadas características e virtudes imprescindíveis para efetuar com poder a salvação. E estas características eram: * Azul: tinha que ter origem celestial * Púrpura: ser grande em poder * Linho fino retorcido: sem nenhum pecado. * Carmesim: disposta a morrer pelos seus em uma morte expiatória e vicária. c. No átrio, entre a sua porta e a tenda da congregação, ficavam o Altar do Holocausto e a Bacia de Bronze. c.1 Altar do Holocausto (Ex 27): feito de madeira de acácia revestida de ouro, simbolizando a humanidade de Cristo revestida do esplendor da glória de Deus; em seus quatro cantos haviam quatro chifres, que simbolizavam o poder da morte vicária de Cristo para salvar a quem ele queira dos quatro cantos da terra. c.2 Bacia de Bronze (Ex 30:17-21): feita de bronze, na qual se colocava água para purificações. O bronze é símbolo de juízo e a água, símbolo de purificação. Arão e seus filhos deveriam ser purificados antes de entrarem na tenda da congregação ou antes de ministrarem no altar para acender a oferta queimada. Disto retiramos a verdade que o nosso mediador deveria ser perfeito e santo, pois somente assim ele seria aceito diante de Deus e intercederia com eficácia a nosso respeito (). [Jo 13:1-11] 6.2 A Tenda da Congregação (Ex 25 e 26) a. A cobertura: o Tabernáculo, ou Tenda da Congregação, era coberto por peles de animais que em suas texturas e cores (Ex 26:1-14) traziam ao povo de Israel conhecimento sobre a vida e o ministério do Messias, vejamos: a.1 Pelos de cabras (Ex 25:4) a.2 Peles de carneiro tintas de vermelho (Ex 25:5). a.3 Peles finas (Ex 25:15) Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, So a Fé , Só a Deus Glória 23
  24. 24. Fundamentos do Velho Testamento CPD b. As divisões da Tenda da Congregação (Ex 26:31-33; Hb 9:3): a tenda da congregação estava dividida em “santo lugar” e “Santo dos santos”, por meio de uma cortina (Hb 10:20; Mt 27:51; Mc 15:38; Lc 23:45; Hb 6:19). Esta cortina era feita de estofo azul, púrpura, carmesin e linho fino retorcido, tendo querubins bordados (Ex 26:31). [Gn 3:23,24 // Ex 26:31] c. Os Utensílios: c.1 Mesa dos Pães da proposição (Ex 25:23-29). Na mesa eram postos 12 pães asmos (sem fermento). Um para cada tribo de Israel. [Jo 6:35-51; I Co 5:1-8] c.2 O Candelabro (Ex 25:31-40): o candelabro possuía 7 lâmpadas e seu óleo era especialmente preparado. [Jo 8:12] c.3 O Altar do Incenso (Ex 30:1-10; Hb 9:4): O incenso era continuamente queimado na presença de Deus. [Lc 1:9-11; Ap 5:8; Ap 8:3,4] c.4 A Arca da Aliança (Êxodo 25:10-16): a arca da aliança era o mais sagrado de todos os utensílios no tabernáculo. Aqui os hebreus guardavam uma cópia dos dez mandamentos, que eram o resumo de toda a Aliança. Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, So a Fé , Só a Deus Glória 24
  25. 25. Fundamentos do Velho Testamento CPD * O propiciatório (Ex 25:17-22; Hb 9:5): o propiciatório era o nome dado à tampa da arca da aliança. Nele o sangue era aspergido como o fim de se pedir o perdão de pecados. [Rm 3:25; Hb 2:17; I Jo 2:2; I Jo 4:10] * O testemunho (Ex 25:16; Hb 9:4): A figura abaixo mostra a Arca aberta para que você possa ver o seu conteúdo, que eram estes: 1. As duas tábuas da Lei 2. A vara de Arão que floresceu 3. O maná 7. A Lei Sobre as Coisas Puras e Impuras 7.1 Aquilo que era impuro Em todo o Velho Testamento, um dos atributos marcantes de Deus é a sua santidade. E o meio didático de Deus ensinar ao povo este princípio espiritual foi a separação de um série de coisas que tornavam o israelita cerimonialmente impuro, vejamos os exemplos: a. Tocar em um morto (Lv 5:2; Lv 21:1; Nm 19:13) b. A menstruação (Lv 15:19) c. A mulher após o parto (Lv 12:2) d. A lepra (Lv 13:1,2) e. Comer animais considerados imundos (Lv 11:26,27). Estas questão certamente tinham apenas um valor cerimonial; apontavam tanto para a realidade da santidade de Deus, como convocava os israelitas à uma vida de contínua consagração e purificação aos olhos de Deus. Aprova disto é que a separação entre animais limpos e imundos vem após a queda de Adão. Antes disto, a palavra de Deus afirma que tudo “era muito bom”. Vejamos também At 10:15, At 11:9; I Co 10:25,26; Cl 2:16,17; Rm 14:6. 7.2 Atos de purificação A lei mosaica era precisa em questões de purificação. Para cada forma de impureza cerimonial havia respectivamente um ritual de purificação oferecido ao povo comum e aos sacerdotes. Isto porque, a intenção de Deus através dessas leis não era de esmagar a consciência do povo com a idéia de pecado e impureza, mas, sim, mostrar que eles necessitavam de um purificar poderoso para todos os seus pecados. E o próprio Deus oferecia isto a eles através da lei mosaica. Vejamos: a. Leproso (Lv 14) b. A mulher após o parto (Lv 12) c. Tocar num morto (Nm 19:11-22) Entretanto, todos estes rituais não eram um fim em si mesmos. Desde o início da revelação bíblica, a promessa divina recaía sobre “o” descendente da mulher que viria para esmagar a cabeça da serpente (Gn 3:15). Todos os rituais de purificação apontavam para o mesmo purificador futuro, Jesus Cristo (Cl 2:16,17; Hb 10:1-10). Mas, enquanto ele não vinha, o próprio Deus Pai estabeleceu, pela Lei de Moisés, uma série de atos ritualísticos que apontavam para a sua obra vicária na cruz do calvário (Hb 9:11-14; I Pe 1:18-20). Só a Escritura, Só Cristo, Só a Graça, So a Fé , Só a Deus Glória 25

×