Geo 17 - Rochas Metamórficas - aula prática

1.401 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.401
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
61
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Geo 17 - Rochas Metamórficas - aula prática

  1. 1. Nuno Correia 10/11 2
  2. 2. Nuno Correia 10/11 3
  3. 3. Nuno Correia 10/11 4
  4. 4. Nuno Correia 10/11 5
  5. 5. Nuno Correia 10/11 6
  6. 6. Nuno Correia 10/11 7
  7. 7. Nuno Correia 10/11 8
  8. 8. Nuno Correia 10/11 9
  9. 9. Nuno Correia 10/11 10
  10. 10. Nuno Correia 10/11 11
  11. 11. Nuno Correia 10/11 12
  12. 12. Nuno Correia 10/11 13
  13. 13. Nuno Correia 10/11 14
  14. 14. Nuno Correia 10/11 15
  15. 15. Nuno Correia 10/11 16
  16. 16. Nuno Correia 10/11 17
  17. 17. Nuno Correia 10/11 18
  18. 18. Nuno Correia 10/11 19
  19. 19. Nuno Correia 10/11 20
  20. 20. Nuno Correia 10/11 21
  21. 21. Nuno Correia 10/11 22
  22. 22. A maior trilobite retirada da pedreira
  23. 23. Nuno Correia 10/11 24
  24. 24. Foto cedida por Catarina Oliveira Nuno Correia 10/11 25
  25. 25. Foto s cedidas por Catarina OliveiraNuno Correia 10/11 26
  26. 26. Foto cedida por Catarina Oliveira Nuno Correia 10/11 27
  27. 27. Foto cedida por Catarina Oliveira Nuno Correia 10/11 28
  28. 28. Constitui uma das actividades propostas pelo CIGC-AROUCA (Centro de Interpretação Geológica de Canelas-Arouca). A designação atribuída a este pequeno percurso pedestre deve-se ao facto de permitir a observação de rochas pertencentes aos períodos Câmbrico, Ordovícico, Silúrico e Carbónico, da Era Paleozóica.
  29. 29. Nuno Correia 10/11 30
  30. 30. SO NE
  31. 31. “Crista quartzítica dos Galinheiros” – corresponde a um relevoresidual que pela sua visibilidade e singularidade constituía naépoca medieval um ponto de referência e marco de limitação deinfluências territoriais.
  32. 32. Geologicamente, trata-se de uma crista quartzítica formada por umprocesso de erosão diferencial condicionado pela distintadureza das rochas aqui aflorantes.
  33. 33. São rochas de idade de 445 Ma e pertencentes à Formação Sobrido e marcam oinício da deposição de materiais glaciomarinhos diamictíticos relacionados com aglaciação tardiordovícica.Além disso, estes quartzitos são frequentemente cortados por filonetes de quartzodenotando a dinâmica a que estiveram sujeitos posteriormente à sua formação.
  34. 34. “Fojo” romano de exploração de ouro,similar a muitos que se encontram nadenominada “Faixa Auro-antimoníferaDúrico-Beirã”
  35. 35. Conjunto sequencial de quatro pequenos poços, quepoderiam corresponder hipoteticamente a uma lavariaprimitiva, e múltiplas “covinhas” no quartzito que nãoserão mais do que os almofarizes da moagem da rochamineralizada.
  36. 36. “Icnofósseis dos quartzitos” – nos quartzitos de idade Arenigiano (Ordovícico Inferior)é possível observar inúmeras marcas (Icnofósseis) deixadas pela actividade dos seresvivos que viveram nestas épocas geológicas remotas.
  37. 37. Os icnofósseis aqui encontrados correspondem maioritariamente a marcas de Cruziana,que são pistas ou trilhos deixadas por artrópodes, muito presumivelmente trilobites.

×