Palestra chiquetto

511 visualizações

Publicada em

Empreendedorismo no Brasil, Mortalidade das Empresas

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
511
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Palestra chiquetto

  1. 1. CONSULTORIA NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS ORLANDO CHIQUETO RODRIGUES
  2. 2. CONSULTORIA QUANDO UMA PESSOA PRECISA INFLUENCIAR OUTRAS USANDO APENAS SEUS CONHECIMENTOS E HABILIDADES DE RELACIONAMENTO, SEM DISPOR DE PODER, AUTORIDADE FORMAL OU CARGO DE CHEFIA, ESTA PESSOA ESTÁ PRATICANDO A CONSULTORIA.
  3. 3. MISSÃO DA CONSULTORIA TRANSFORMAR INFORMAÇÕES EM CONHECIMENTO, PARA GERAR OPORTUNIDADES E AÇÕES DE SUCESSO.
  4. 4. EMPREENDEDORISMO NO BRASIL INFORMAÇÕES EXTRAIDAS DO RELATÓRIO DE PESQUISA AMOSTRAL REALIZADA PELO SEBRAE E A FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA – FUBRA, VISANDO A IDENTIFICAÇÃO DAS TAXAS DE MORTALIDADE DAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL E OS PRINCIPAIS FATORES CONDICIONANTES DA MORTALIDADE.
  5. 5. TAXA DE ATIVIDADE EMPREENDEDORA (TAE) E ESTIMATIVA DO NÚMERO DE EMPREENDEDORES POR PAÍS <ul><li>  </li></ul>
  6. 6. ÍNDICES BRASILEIROS <ul><li>1 EM CADA 7 BRASILEIROS ECONOMICAMENTE ATIVOS ABREM UMA EMPRESA; </li></ul><ul><li>42% DOS EMPREENDEDORES BRASILEIROS SÃO MULHERES, ACIMA DA MÉDIA MUNDIAL DE 39,9%; </li></ul><ul><li>MAIS DE 50% DOS EMPREENDIMENTOS EM 2002, NASCENTES OU EM OUTROS ESTÁGIOS NO SEU CICLO DE VIDA, SÃO EMPRESAS FAMILIARES. A MÉDIA MUNDIAL É DE 35%; </li></ul>
  7. 7. POR QUE INDIVÍDUOS TORNAM-SE EMPREENDEDORES <ul><li>EMPREENDEDORES MOTIVADOS POR OPORTUNIDADE PREDOMINAM NOS PAÍSES DESENVOLVIDOS, ENQUANTO EMPREENDEDORES MOTIVADOS POR NECESSIDADE REPRESENTAM ATÉ A METADE DAQUELES ENVOLVIDOS EM EMPREENDEDORISMO NOS PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO. </li></ul>
  8. 8. TAXAS DE MORTALIDADE VERIFICADAS PARA O BRASIL SEGUNDO O SEBRAE <ul><li>59,9% para as empresas com até 4 anos de existência - 2000; </li></ul><ul><li>56,4% para as empresas com até 3 anos de existência - 2001; </li></ul><ul><li>49,4% para as empresas com até 2 anos de existência - 2000. </li></ul>
  9. 9. FATORES QUE COLABORAM DECISIVAMENTE PARA A MORTALIDADE DAS EMPRESAS <ul><li>Falta de Capital de Giro – 42% </li></ul><ul><li>Escassez de clientes – 25% </li></ul><ul><li>Problemas Financeiros – 21% </li></ul><ul><li>Maus pagadores – 16% </li></ul><ul><li>Falta de Crédito – 14% </li></ul><ul><li>Recessão econômica do pais – 14% </li></ul><ul><li>Ponto/local inadequado – 8% </li></ul><ul><li>Falta de conhecimentos gerenciais – 7% </li></ul><ul><li>Problemas com fiscalização – 6% </li></ul><ul><li>Mão-de-Obra pouco qualificada – 5% </li></ul><ul><li>Carga tributária elevada – 1% </li></ul>
  10. 10. FATORES QUE COLABORAM DECISIVAMENTE PARA A MORTALIDADE DAS EMPRESAS <ul><li>FALTA DE PLANEJAMENTO </li></ul><ul><li>FALTA DE PROFISSIONALIZAÇÃO </li></ul>
  11. 11. FALTA DE PLANEJAMENTO
  12. 12. LEI DA SELVA
  13. 13. LEI DA SELVA
  14. 14. LEI DA SELVA
  15. 15. LEI DA SELVA
  16. 16. LEI DA SELVA
  17. 17. PLANEJAMENTO
  18. 18. PLANEJAMENTO
  19. 19. EM SITUAÇÕES DIFÍCEIS, QUEM ANALISA O PROBLEMA E CRIA AS MELHORES ESTRATÉGIAS ESTÁ SEMPRE UM PASSO À FRENTE DA CONCORRÊNCIA.
  20. 20. UM PLANEJAMENTO ADEQUADO É GARANTIA DE BONS RESULTADOS.
  21. 21. FALTA DE PROFISSIONALIZAÇÃO
  22. 22. FALTA DE PROFISSIONALIZAÇÃO
  23. 23. Empreendedorismo no Brasil
  24. 24. METODOLOGIA <ul><li>O desenvolvimento dos projetos que conduzimos obedece a uma seqüência lógica, que permite visualizar, passo a passo, os objetivos e os meios para atingí-los. Independentemente das técnicas gerenciais selecionadas para cada caso, todo projeto é segmentado em três partes: </li></ul><ul><ul><li>DIAGNÓSTICO </li></ul></ul><ul><ul><li>IMPLANTAÇÃO </li></ul></ul><ul><ul><li>TRANSFERÊNCIA DE TÉCNOLOGIA </li></ul></ul>
  25. 25. DIAGNÓSTICO <ul><li>Analisa a organização, buscando definir as necessidades de mudança, as oportunidades de melhor gerenciamento e o esforço necessário para realizá-las. O diagnóstico aborda a organização em quatro níveis distintos: </li></ul><ul><ul><li>Estrutural </li></ul></ul><ul><ul><li>Processos </li></ul></ul><ul><ul><li>Mercadológico </li></ul></ul><ul><ul><li>Comportamental </li></ul></ul>
  26. 26. DIAGNÓSTICO <ul><li>A partir de estudos documentados elaboramos uma proposta de trabalho que apresenta: </li></ul><ul><ul><li>Plano de ação </li></ul></ul><ul><ul><li>Cronograma de execução </li></ul></ul><ul><ul><li>Benefícios e Investimentos </li></ul></ul>
  27. 27. IMPLANTAÇÃO <ul><li>Introduz na organização novas práticas, modificando os métodos de operação e gerenciamento através da ação direta em busca de resultados. O atingimento dos objetivos é assegurado pela aplicação de conceitos pragmáticos voltados para o dia a dia de cada área da empresa. </li></ul>
  28. 28. TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA <ul><li>Habilita a empresa a dar continuidade ao processo de mudança, mesmo após o término do programa previsto no plano de ação. </li></ul><ul><li>Com a formação de uma equipe multidisciplinar interna capacitada a atuar com padrão profissional de desempenho, ocorre a transferência de técnicas que tornam a empresa auto-suficiente para manter e incrementar os resultados obtidos com a implantação do projeto. </li></ul>
  29. 29. CLIENTE VISÃO SISTÊMICA DA EMPRESA GESTÃO DO MERCADO GESTÃO DE PESSOAS GESTÃO DE PROCESSOS
  30. 30. MARKETING CAPACIDADE DE ATRAIR E MANTER CLIENTES IDENTIFICAR DESEJOS/ NECESSIDADES SATISFAZÊ-LOS DE FORMA MAIS EFICIENTE QUE O CONCORRENTE CLIENTE É ALGUÉM QUE ESTÁ DISPOSTO A PAGAR PARA TER SUAS NECESSIDADES SATISFEITAS GESTÃO DE MERCADO
  31. 31. QUAL É MEU DIFERENCIAL? <ul><li>O QUE FAZ COM QUE O CONSUMIDOR PREFIRA A MIM E NÃO MEU CONCORRENTE? </li></ul><ul><li>SERÁ QUE TODOS OS CONSUMIDORES SÃO IGUAIS? </li></ul>
  32. 32. FAZENDO A DIFERENÇA <ul><li>Nossa mentalidade tradicional sempre entendeu empresa como uma entidade que compra barato e vende caro. </li></ul><ul><li>A nova abordagem define empresa como a organização que adiciona valor e cria riqueza. </li></ul>
  33. 33. O QUE VENDEM AS EMPRESAS DE SUCESSO? A Revlon não vende cosméticos. Vende esperança. O McDonald’s não vende sanduíches. Vende conveniência e modernidade. A C&A não vende roupas. Vende estilo de vida; A Volvo não vende automóveis. Vende status e segurança.
  34. 34. GESTÃO FINANCEIRA AUXILIA O EMPRESÁRIO NO PLANEJAMENTO DE METAS, AVALIAÇÃO DE RESULTADOS E TOMADA DE DECISÕES. DECISÕES DE INVESTIMENTOS DECISÕES DE FINANCIAMENTOS DECISÕES DE DESTINAÇÃO DO LUCRO OPORTUNIDADES GESTÃO DE PROCESSOS
  35. 35. GESTÃO FINANCEIRA CONTROLES FINANCEIROS ESSENCIAIS FLUXO DE CAIXA CAPITAL DE GIRO ADM DE CUSTOS FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA LUCRATIVIDADE RENTABILIDADE PONTO DE EQUILIBRIO CONCESSÃO DE CRÉDITO
  36. 36. UMA EMPRESA SEM CONTROLES GERENCIAIS <ul><li>NÃO SABE O RISCO QUE ESTÁ CORRENDO </li></ul>
  37. 37. GESTÃO DE PESSOAS LIDAR COM PESSOAS COMO UTILIZO MINHAS HABILIDADES PARA ALAVANCAR RESULTADOS ATRAVÉS DAS PESSOAS? QUAL É O MODELO DE PROFISSIONAL QUE ESTOU PASSANDO PARA MEUS COLABORADORES? COMO APROVEITAR O POTENCIAL DAS PESSOAS QUE TRABALHAM COMIGO?
  38. 38. TÉCNICAS PARA IDENTIFICAÇÃO, ANÁLISE E SOLUÇÃO DE PROBLEMAS <ul><li>FASES </li></ul><ul><li>CONHECIMENTO DA SITUAÇÃO ATUAL: </li></ul><ul><li>Conhecer o processo. </li></ul><ul><li>Observar e coletar dados do problema. </li></ul><ul><li>Identificar os problemas. </li></ul>
  39. 39. TÉCNICAS PARA IDENTIFICAÇÃO, ANÁLISE E SOLUÇÃO DE PROBLEMAS <ul><li>FASES </li></ul><ul><li>2. SELEÇÃO DO PROBLEMA: </li></ul><ul><li>Priorizar o problema a ser analisado. </li></ul>
  40. 40. TÉCNICAS PARA IDENTIFICAÇÃO, ANÁLISE E SOLUÇÃO DE PROBLEMAS <ul><li>FASES </li></ul><ul><li>3. BUSCA E AVALIAÇÃO DAS CAUSAS: </li></ul><ul><li>Descobrir e avaliar as causas do problema. </li></ul>
  41. 41. TÉCNICAS PARA IDENTIFICAÇÃO, ANÁLISE E SOLUÇÃO DE PROBLEMAS <ul><li>FASES </li></ul><ul><li>4. GERAÇÃO DE ALTERNATIVAS DE SOLUÇÃO: </li></ul><ul><li>Encontrar as ações para a remoção das causas. </li></ul>
  42. 42. TÉCNICAS PARA IDENTIFICAÇÃO, ANÁLISE E SOLUÇÃO DE PROBLEMAS <ul><li>FASES </li></ul><ul><li>5. AVALIAÇÃO DAS ALTERNATIVAS DE SOLUÇÃO: </li></ul><ul><li>Decidir quais são as ações que removerão as causas. </li></ul>
  43. 43. TÉCNICAS PARA IDENTIFICAÇÃO, ANÁLISE E SOLUÇÃO DE PROBLEMAS <ul><li>FASES </li></ul><ul><li>6. PLANEJAMENTO DAS AÇÕES: </li></ul><ul><li>Definir o que fazer, seus prazos, responsáveis, métodos, necessidades e locais. </li></ul>
  44. 46. Educação Continuada

×