O contrario do amor

502 visualizações

Publicada em

mensagem

Publicada em: Espiritual, Tecnologia, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
502
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
14
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O contrario do amor

  1. 1. Clicar
  2. 2. O Contr á rio do amor Martha Medeiros Clicar
  3. 3. Clicar
  4. 4. Clicar O contrário de bonito é feio, de rico é pobre, de preto é branco, isso se aprende antes de entrar na escola. Se você fizer uma enquete entre as crianças, ouvirá também que o contrário do amor é o ódio. Elas estão erradas. Faça uma enquete entre adultos e descubra a resposta certa: o contrário do amor não é o ódio, é a indiferença.
  5. 5. Clicar
  6. 6. Clicar O que seria preferível, que a pessoa que você ama passasse a lhe odiar, ou que lhe fosse totalmente indiferente? Que perdesse o sono imaginando maneiras de fazer você se dar mal ou que dormisse feito um anjo a noite inteira, esquecido por completo da sua existência? O ódio é também uma maneira de se estar com alguém. Já a indiferença não aceita declarações ou reclamações: seu nome não consta mais do cadastro .
  7. 7. Clicar
  8. 8. Clicar Para odiar alguém, precisamos reconhecer que esse alguém existe e que nos provoca sensações, por piores que sejam. Para odiar alguém, precisamos de um coração, ainda que frio, e raciocínio, ainda que doente. Para odiar alguém gastamos energia, neurônios e tempo. Odiar nos dá fios brancos no cabelo, rugas pela face e angústia no peito. Para odiar, necessitamos do objeto do ódio, necessitamos dele nem que seja para dedicar-lhe nosso rancor, nossa ira, nossa pouca sabedoria para entendê-lo e pouco humor para aturá-lo. O ódio, se tivesse uma cor, seria vermelho, tal qual a cor do amor.
  9. 9. Clicar
  10. 10. Clicar Uma criança nunca experimentou essa sensação: ou ela é muito amada, ou criticada pelo que apronta. Uma criança está sempre em uma das pontas da gangorra, adoração ou queixas, mas nunca é ignorada. Só bem mais tarde, quando necessitar de uma atenção que não seja materna ou paterna, é que descobrirá que o amor e o ódio habitam o mesmo universo, enquanto que a indiferença é um exílio no deserto.
  11. 11. Clicar Lu Seibert http://www.4shared.com/account/dir/uR6Ys32Z/sharing.html?rnd=1 http://www.4shared.com/account/dir/uR6Ys32Z/sharing.html?rnd=82 http://pravocecomcarinho.spaces.live.com/
  12. 12. Lu Seibert – nov/2010 http://pravocecomcarinho.spaces.live.com/ http://www.4shared.com/account/dir/uR6Ys32Z/sharing.html?rnd=1 http://www.4shared.com/account/dir/2x7ISqwk/sharing.html?rnd=46

×