Emocionar e mobilizar o<br />Conheça  as Metodologias Vivenciais de nossa Agência <br />
Metodologias em redes vivenciais da Agência Consumidor Popular<br />As campanhas da Agência Consumidor Popular são complem...
Estratificações regional, cultural e social<br />Acessamos os consumidores formadores de opinião e suas redes vivenciais a...
Adotamos ferramentas culturais referendadas pelos consumidores formadores de opinião, adequamos a linguagem e a mídia para...
Adotamos um paralelo, aqui no Brasil, com o que foi descrito no livro “The Influentials”, de Edward B. Keller & Jonathan L...
Identificar  e localizar as lideranças que influenciam <br />Onde: <br />Identificamos lideranças populares nos bairros, c...
Ultrapassar barreiras<br />O peso dos “Influentials” brasileiros é bem maior do que seus equivalentes percebidos pelos aut...
Vivência social<br />O acesso às pessoas e às suas vontades, sejam elas de consumo, percepção de marcas ou de novos produt...
Consumidores formadores de opinião: “TheInfluentials”<br />A Agência Consumidor Popular fala com o pastor (ou com o padre)...
Emoção como sustentação das mensagens: acertar na veia<br />Ao reconhecer a enorme barreira que a falta de hábitos de leit...
Para tanto, usamos como artifícios de mídia simular programas de rádio e distribuí-los em CDs. <br />De criar mensagens aj...
Vivências sociais e Mídias sociais	<br />O relacionamento da Agência Consumidor Popular com as mídias sociais se dá atravé...
Marco Roza é jornalista. Trabalhou nos principais jornais de São Paulo: Folha de São Paulo, Notícias Populares, Folha da T...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Consumidor popular

574 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
574
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Consumidor popular

  1. 1. Emocionar e mobilizar o<br />Conheça as Metodologias Vivenciais de nossa Agência <br />
  2. 2. Metodologias em redes vivenciais da Agência Consumidor Popular<br />As campanhas da Agência Consumidor Popular são complementares às campanhas publicitárias convencionais;<br />E se dedicam à emocionar e mobilizar, num primeiro estágio, para através deles chegar às massas de consumidores.<br />Para emocioná-los e mobilizá-los a favor de marcas, produtos e serviços<br />
  3. 3. Estratificações regional, cultural e social<br />Acessamos os consumidores formadores de opinião e suas redes vivenciais a partir da estratificação regional (cidades, bairros, vilas);<br />Estratificação Cultural (em função da origem regional e dos hábitos culturais dos respectivos grupos sociais);<br />E por Estratificação Social (moradores em bairros tradicionais e organizados socialmente, em favelas, cortiços ou em agrupamentos que emergiram de ex-favelas). <br />
  4. 4. Adotamos ferramentas culturais referendadas pelos consumidores formadores de opinião, adequamos a linguagem e a mídia para emocionar e mobilizar os consumidores que tem nestes formadores de opinião seus líderes naturais;<br />Através das ferramentas culturais, com a referência e a aprovação dos líderes das comunidades, apresentamos os produtos, marcas ou serviços nos ambientes cultural, social e econômico que chamamos de vivências sociais. <br />Vivências sociais<br />
  5. 5. Adotamos um paralelo, aqui no Brasil, com o que foi descrito no livro “The Influentials”, de Edward B. Keller & Jonathan L. Berry, ambos da Roper Reports, editado pela FreePress:<br /><ul><li>E que mostra que nos Estados Unidos um americano em dez, diz aos outros nove como votar, onde comer e o que comprar. </li></ul>Base teórica: “TheInfluentials”<br />
  6. 6. Identificar e localizar as lideranças que influenciam <br />Onde: <br />Identificamos lideranças populares nos bairros, cortiços, favelas e <br />nos seus ambientes de vivência social (bares, igrejas de várias <br />denominações, ônibus, metrôs e trens); <br />O que fazemos:<br />Construímos as redes vivenciais, referendadas por consumidores <br />formadores de opinião, que influenciam com suas decisões em <br />quem votar, onde comer e o que compra.Com influência sobre a <br />aceitação de marcas e novos produtos<br />
  7. 7. Ultrapassar barreiras<br />O peso dos “Influentials” brasileiros é bem maior do que seus equivalentes percebidos pelos autores de “Influentials”, nos EUA. <br />Porque aqui temos que ultrapassar as barreiras de entendimento das mensagens escritas e até mesmo as apresentadas com conteúdo abstrato através de vídeo ou áudio:<br />pois no Brasil 14,9 milhões de pessoas com 15 anos ou mais de idade, ou seja, 11% da população, não sabem ler nem escrever.<br />Além disso, estudos do professor Julio JacoboWaiselfisz, feito com base no Pnad 2003, aponta que 51% ou 17,8 milhões de jovens de 15 a 24 anos estão fora da escola ou universidade.<br />
  8. 8. Vivência social<br />O acesso às pessoas e às suas vontades, sejam elas de consumo, percepção de marcas ou de novos produtos se dá, com mais facilidade, através de suas lideranças nos seus ambientes de vivência social:<br />Igrejas das várias denominações, inclusive centros de umbanda; campos de futebol, escolas de samba, salões de barbeiro e de cabeleireiro, pontos de ônibus e os próprios ônibus, metrôs, trens, clubes, salões de baile, salões de festa, associações de moradores, etc. <br />
  9. 9. Consumidores formadores de opinião: “TheInfluentials”<br />A Agência Consumidor Popular fala com o pastor (ou com o padre) e sua comunidade, dentro e no entorno da igreja e nas ramificações sociais que aquele pastor (ou padre) tem influência. <br />Fala com a cabeleireira e sua rede de relacionamentos, através do seu salão, de suas vinculações com outros grupos na igreja, no ônibus, no trem.<br />Fala com o jovem líder na escola e no salão de baile funk que frequenta, respeitando sua cultura e os hábitos de compra de suas marcas de referência. <br />
  10. 10. Emoção como sustentação das mensagens: acertar na veia<br />Ao reconhecer a enorme barreira que a falta de hábitos de leitura impõe, a Agência Consumidor Popular se relaciona através de mensagens que transferem conteúdos do nosso interesse através da emoção e que estejam adequadas aos respectivos hábitos culturais:<br />Identifica o viés emocional que sensibiliza os consumidores alvo, a partir de seus regionalismos, hábitos culturais e religiosos;<br />Ao acertar a veia emocional, constrói suas mensagens e escolhe suas mídias. <br />
  11. 11. Para tanto, usamos como artifícios de mídia simular programas de rádio e distribuí-los em CDs. <br />De criar mensagens ajustadas às vivências sociais em vídeos, apresentar e discutir o vídeo para grupos previamente agendados:<br />Aproveitar a interação para fazer ajustes finos, aprofundar as mensagens, descobrir novas barreiras ao entendimento das mensagens e como ultrapassá-las.<br />Rádios, vídeos e tvs<br />
  12. 12. Vivências sociais e Mídias sociais <br />O relacionamento da Agência Consumidor Popular com as mídias sociais se dá através de pesquisas realizadas no orkut, facebook e twitter dos nossos grupos de referência, para identificar os assuntos que estão no ar.<br />Em seguida, materializamos tais temas em cópias xerográficas, avisos em postes, cartinhas assinadas pelas lideranças para as pessoas que estão sob seu horizonte de influência. <br />Por exemplo, criamos o blog em papel, numa campanha para um cliente. Ou seja, o blog existia no ambiente Web, mas era reproduzido, toda semana, em papel e distribuído para as lideranças e seus públicos alvo.<br />
  13. 13. Marco Roza é jornalista. Trabalhou nos principais jornais de São Paulo: Folha de São Paulo, Notícias Populares, Folha da Tarde, Jornal da Tarde, DCI, Revista Visão, Diário do Grande ABC. <br />Em Londres, foi o responsável pela edição, pesquisa, produção e apresentação do programa de rádio "Meridiano Zero", do Central Office ofInformation.<br />É autor do livro "Procurar Emprego Nunca Mais", com prefácio de Joelmir Beting. Escreveu ao longo de quatro anos uma coluna para a Istoé Dinheiro e para o Portal Terra. Atualmente, é articulista do Diário de Guarulhos, na Grande São Paulo.<br />É presidente do Instituto Justiça do Consumidor e produtor do programa "Poder de Compra" que vai ao ar na Rádio Capital AM, a segunda em audiência nas manhãs, na Capitalé a primeira em audiência às tardes. <br />Marco Roza, diretor da Agência Consumidor Popular<br />

×