Correntes teórico metodológicas do Serviço Social

4.722 visualizações

Publicada em

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.722
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
126
Comentários
0
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Correntes teórico metodológicas do Serviço Social

  1. 1. Correntes teórico- metodológicas  1- FENOMENOLOGIA  Ênfase no mundo da vida cotidiana. Volta ao mundo da vida, no confronto com o mundo dos valores;  Husserl – fundador da fenomenologia moderna (filosofia), escritor e filósofo de grande influência sobre o existencialismo e as Ciências Sociais;  Objeto de estudo são as coisas como se apresentam na experiência, na consciência, buscando seus verdadeiros significados (essência)
  2. 2. Fenomenologia Husserl  O fenômeno integra a consciência e a realidade  Para chegar no fenômeno deve-se observar como o indivíduo o percebe, o experimenta e o constrói  Método – abertura para compreender o fenômeno a partir dos significados e vivências atribuídas pelo sujeito  Análise dos fenômenos subjetivos, o que tem importância é a experiência vivida no cotidiano  Volta-se à análise dos relatosdescrição dos sujeitos que vivenciaram o fenômeno em questão
  3. 3. Fenomenologiamétodo  Fenômeno tem um lado externo (objetivo e observável): comportamentos e valores; lado interno(subjetivo): as emoções, pensamentos, sensações, emoções, significados;  Apreensão do fenômeno de segunda mão, por meio do relato do sujeito  Descobrir os sentidos menos aparentes  A redução fenomenológica visa à maior aproximação possível da essência dos fenômenos investigados, na apreensão da parcela invariável, da experiência vivida comum a todos.
  4. 4. Fenomenologia apresenta: A) uma critica radical ao objetivismo da ciência e propõe a subjetividade como fundante do sentido; B) uma demonstração da subjetividade como sendo constitutiva do ser social e inerente ao âmbito da autocompreensão objetiva; C) propõe a descrição fenomenológica como tarefa da sociologia
  5. 5. Fenomenologia nas Ciências Sociais  Principal representantes Schutz  Propõe como objeto de estudo o mundo da vida cotidiana  Espaço-tempo: presente e a relação face a face  Método: primeiro nível é o mundo da cotidianidade, tal como é experimentado pelo homem em “atitude natural”. Se apresenta através de tipificações, tipos-ideiais (construto de primeira ordeminterpretação)  Segundo nível é o conhecimento científico – construto de segunda ordem, uma reinterpretação (diferença pela consistência lógica, coerência)
  6. 6. Fenomenologia nas Ciências Sociais  Categorias e princípios: intersubjetividade, compreensão, intencionalidade, subjetividade, cotidiano  A compreensão do mundo vivido deve apreender as coisas sociais como significativas;  A racionalidade e interacionalidade: mundo construído sempre por ações e interações que obedecem a usos, costumes e regras.
  7. 7. Críticas ao positivismo A) nas explicações totalizantes e invariáveis; B) separação fatos sociais e valores; C) a pretensão de construir conhecimentos objetivos e neutros; D) à coerção da sociedade sobre o indivíduo
  8. 8. Críticas à fenomenologia Não inclui os fenômenos estruturais, os conflitos de classes, discussão de dominação, poder, correlação de forças; Atomiza a realidade social Não considera a historicidade dos fatos sociais
  9. 9. Marxismo  Fundado por Karl Marx e Frederico Engels  Três fontes do marxismo A) A filosofia alemã B) a economia política C) o socialismo utópico  Categorias principais: modo de produção, formação social, alienação, trabalho, totalidade, dentre outras
  10. 10. A) Filosofia Alemãidealismo  Parte da crítica a Hegel e aos novos hegelianos  Neles encontra a dialética de cabeça para baixo, onde as idéias, os pensamento e os conceitos produzem, determinam a vida real dos homens, seu mundo material, suas relações reais;  Base material como fundadora das condições de vida, da consciência e da política;  Diferenças entre ser e consciência. Não é a consciência que determina a vida, mas a vida que determina a consciência  Ultrapassa o materialismo do século XVIII e XIX que não pensa a atividade humana enquanto práxis e a historicidade da vida social;  Homens como sujeitos históricos e revolucionários;
  11. 11. b) A economia política clássica  Parte das idéias de A. Smith e Ricardo do valor- trabalho;  Teoria da mais-valia, concorrência intercapitalista, crises cíclicas do capitalismo (leis do funcionamento do capitalismo);  Demonstrou que o valor de toda mercadoria é determinado pelo tempo de trabalho socialmente necessário à sua produção;  Onde os economistas burgueses viam relações entre objetos, descobriu relações entre homens;  Teoria da mais-valia – fonte dos lucros
  12. 12. c) Socialismo Utópico  Socialismo da época era utópico  Criticava a sociedade capitalista, condenava-a, maldizia-a, sonha aboli-la, procurava persuadir os ricos da imoralidade da exploração;  Mas não tinha a saída, nem explicava a natureza das desigualdades, nem conhecia as leis do funcionamento do capitalismo, nem a força motriz capaz de criar uma nova sociedade;  Proletários como sujeito revolucionário (organização e lutas)  Sociedade dos produtores associados
  13. 13. Materialismo histórico- dialético  Compreensão da realidade na sua dimensão histórica (dinamicidade, provisoriedade e transformação);  A dialética exprime o movimento contraditório do real e suas tendências de negatividade e transformação  Realidade como uma totalidade de fenômenos econômicos, políticos e sociais inter-relacionados (modo de produção)  Totalidade é uma unidade de contrários  Consciência como produto das condições materiais;
  14. 14. Materialismo histórico- dialético  Enquanto o materialismo histórico representa o caminho teórico que aponta a dinâmica do real na sociedade, a dialética refere-se ao método de abordagem deste real, é a lógica do real, do seu movimento  Realidade como criação dos homens sob condições determinadas realidade tem seu movimento contraditório e dialético  Homens enquanto classe podem promover mudanças nas condições de produção, e na superestrutura
  15. 15. Materialismo histórico- dialético  Concepção dialética e materialista da realidade (materialismo dialético);  Interpretação da história a partir das relações sociais de produção e da luta de classe (materialismo histórico);  Superestrutura deriva da infraestrutura econômico-social;  Teoria da práxis como modelo da atuação humana;  Valor supremo do trabalhoprotoforma da práxis e sua alienação no capitalismo;  Triunfo final do proletariadoRevolução radical  Ditadura do proletariado (socialismo)  Fim das alienações e do Estado (comunismo)  Propriedade coletiva dos meios de produção
  16. 16. Marxismo  Método – visa através da perspectiva histórica captar a gênese e a estrutura do objeto; cercar o objeto de conhecimento através de todas as suas mediações e correlações;  Objeto existe fora e independente do sujeito que pesquisa;  Processo de pesquisa visa a explicação do particular no geral e vice-versa (singularparticulargeral);  Estudo de totalidades parciais buscando suas conexões orgânicas, determinações essenciais e as condições e efeitos de suas manifestações
  17. 17. Relação dialética entre:  Fenômenos e sua essência;  imaginação e a razão;  Base material e consciência;  Teoria e prática  Objetivo e subjetivo  Indução e dedução

×