FlorestasAUTOR: MOACIR JOSÉ SALES MEDRADO
ÁRVORES DE MÚLTIPLO PROPÓSITOSUA SELEÇÃO E SEU PAPEL NOS SISTEMASDE USO DA TERRA
COMO DEFINIR UMA ESPÉCIE DEMÚLTIPLO PROPÓSITO?SÃO DEFINIDAS COMO TODAS AS PERENES LENHOSASQUE SÃO PROPOSITADAMENTE PLANTAD...
QUALQUER ESPÉCIE PERENELENHOSA PODE SERMULTIPROPÓSITO EM UMASITUAÇÃO E SIMPLES PROPÓSITOEM OUTRA.
COMO INDICAR ESPÉCIES MPT PARA UMLOCAL?ONDE HÁ POUCO CONHECIMENTO SOBRE AS ESPÉCIES, APESQUISA É LARGAMENTE EXPLORATÓRIA E...
A IMPORTÂNCIA DOS FATORESSOCIOECONÔMICOS NA INDICAÇÃO DEUMAESPÉCIE MPTO PAPEL DE UMA ESPECIE MPT NÃO PODE SERCONFINADO A S...
QUAIS AS CARACTERÍSTICAS DE IMPORTÂNCIA PARAAVALIAÇÃO DA COMUNIDADE?SERVIR PARA LENHA OU CARVÃOODOR E SABOR DA MADEIRA USA...
AS ESPÉCIES MPT DEVEM SER NATIVAS OUINTRODUZIDAS?O FATOR MAIS IMPORTANTE É QUE ATENDA ASNECESSIDADES DA POPULAÇÃO LOCALESP...
ATRIBUTOS DE UMA MPT EMRELAÇÃO A FUNÇÕES DEPRODUÇÃO E SERVIÇO
ALTURA DA ÁRVOREFACILIDADE DE COLHEITA DAS FOLHAS,FRUTOS SEMENTES, GALHOS, SOMBREAMENTOFORMA DO CAULEADEQUABILIDADE PARA P...
COPAQUANTIDADE DE FOLHAS, PRODUÇÃO DELITEIRA, PRODUÇÃO DE FRUTOS,PERMEABILIDADE À LUZ, SOMBREAMENTOHÁBITO MULTICAULEPRODUÇ...
ESPESSURA DA FOLHA E COMPOSIÇÃOQUÍMICA DE FOLHAS E FRUTOSPRODUÇÃO E QUALIDADE DE FORRAGEMPRODUÇÃO E QUALIDADE DA COBERTU...
FENOLOGIAENFOLHAMENTO; QUEDA DE FOLHAS; FLORAÇÃO EFRUTIFICAÇÃO; SAZONALIDADEDEMANDA DE TEMPO PARA COLHER FRUTOSDEMANDA D...
CARÁTER DECÍDUODISPONIBILIDADE SAZONAL OUPERMANENTE DE FORRAGEMADEQUABILIDADE PARA CERCA-VIVAADEQUABILIDADE PARA DIVISÕ...
RESISTÊNCIAA PRAGAS E VIGORREQUERIMENTOS PRINCIPAIS,INDEPENDENTE DA FUNÇÃO
ADAPTABILIDADE AO LOCAL E FAIXAECOLÓGICAADEQUABILIDADE A LOCAIS EXTREMOS E AUSOS PARA RECUPERAÇÃORESPOSTAA PODA E ESTAQUIA...
FIXAÇÃO DE NITROGÊNIOUSO EM BARREIRAS COM INTERCULTIVOSPOUSIOSISTEMAS DE ROTAÇÃO
ASPECTOS GENÉTICOSFAMÍLIAS TAXONÔMICAS, GENEROS E ESPÉCIES DIFEREMAMPLAMENTE EM CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS EFISIOLÓGICAS...
PRINCIPAISCARACTERÍSTICASDE ESPÉCIES MPT
TOLERÂNCIAAO MEIOBAIXA TEMPERATURA (VALORES MÉDIOS EXTREMOS E MENSAIS)ALTA TEMPERATURA (VALORES MÉDIOS EXTREMOS E MENSAI...
Queda defolhas em doisclones.Iugoslávia.
Diferença decrescimento entre doishíbridos de Populusnigra. Mardan,Paquistão.
ACACIA MANGIUM WILLD.ÁRVORE COM ATÉ 30 MGRANDES FILÓDIOSTOLERANTE A SOLOS ÁCIDOSTRÓPICOS ÚMIDOSLENHAMADEIRAPOLPA
ACACIA MEARNSII DE WILD.GRANDE ARBUSTO OU PEQUENA ARVORE COM ATE 18MCRESCIMENTO AGRESSIVOSUB-TROPICOS ÚMIDOS, ELEVAÇÕES...
ACACIA MELANOXYLON R. BROWN. (ACÁCIA-AUSTRALIANA)ÁRVORE PERENIFÓLIAPIONEIRATOLERANTE AO FRIOASSOCIA-SE COM RIZOBIUMCR...
ALNUS SUBCORDATA C.A. MEY (ALNUS-DO-CÁUCASO)CADUCIFÓLIAASSOCIA-SE COM ACTINOMICETOS DO GÊNERO FRANKIATOLERANTE A FRIOC...
ARAUCARIA ANGUSTIFOLIA (BERTOLONI) OTTO KUNTZE(PINHEIRO-DO-PARANÁ)PR, RS, SC, SP, MG, RJPERENIFÓLIASECUNDARIA LONGEVA, P...
CALLIANDRA CALOTHYRSUS MEISSNER(CALIANDRA)ARBUSTO COM ATE 7MTRÓPICOS ÚMIDOSRÁPIDO CRESCIMENTOTOLERANTE A ACIDEZ, FRACA...
CASUARINA EQUISSETIFOLIA FORT. & FORST.(CASUARINA)ARVORE COM ATE 30 MTROPICAL, DE REGIÕES COSTEIRASTOLERANTE A SOLOS SA...
CENTROLOBIUM MICROCHAETE (MARTIUS EX BENTHAM)LIMA (ARARIBÁ-AMARELO)CE, ES, MG, PR, RJ, SC, SE, SPPERENIFÓLIA A SEMI-CADUC...
CENTROLOBIUM ROBUSTUM (VELLOZO) MARTIUS EXBENTHAM (ARARIBÁ-ROSA)BA, ES, RJ, SPSEMI-CADUCIFÓLIA A CADUCIFÓLIASECUNDARIA T...
CENTROLOBIUM TOMENTOSUM GUILLEM EX BENTHAM(ARARUVA, ARARIBÁ-BRANCO)BA, ES, GO, MG, MS, MT, PR, RJ, SP, DFPERENIFÓLIA A SE...
COLUNBRINA GLANDULOSA PERKINS VAR. REITZII (M.C.JOHNSTON) M.C.JOHNSTON (SOBRASIL)CE, GO, MG, MS, PB, PE, PI, PR, RJ, SC, R...
CORDIA TRICHOTOMA (VELLOZO) ARRABIDA EX STEUDEL(LOURO-PARDO)BA, CE, PB, ES, GO, MG, MS, MT, PB, PE, PI, PR, RJ, RS, SC, SE...
CUPRESSUS LUSITANICA MILL. (CIPRESTE)CRESCIMENTO RÁPIDOTOLERANTE A FRIOTOLERA SOLOS RASOS.MADEIRA PARA DESDOBROCELULO...
ERYTHRINA POEPPIGIANA (WALPERS.) O. F. COOK.ARVORES COM ATE 20 MESPINHOSATRÓPICOS MÉSICO A FRIO.ORNAMENTALCERCA-VIVA...
EUCALYTPUS SPP.CRESCIMENTO RÁPIDOTOLERÂNCIA VARIÁVEL A FRIO.MÓVEISENERGIAPAPEL E CELULOSEQUEBRA-VENTOSBOSQUETES
GLIRICIDIA SEPIUM (JACQ.) WALP.ARVORE COM ATE 15 MRÁPIDO CRESCIMENTOFACILMENTE PROPAGADA POR ESTACASTRÓPICOS SECO A MÉ...
GREVILLEA ROBUSTA A. CUNN. EX R. BR.(GREVILEA)CRESCIMENTO RÁPIDORAIZ PROFUNDAREBROTA FRACAENCONTRADA EM CLIMAS ÚMIDO E...
HOVENIA DULCIS THUNBERG. (UVA-DO-JAPÃO)ÁRVORE CADUCIFÓLIAMEDIANAMENTE TOLERANTE AO FRIOCRESCIMENTO MONOPODIAL E RÁPIDO...
LEUCAENA DIVERSIFOLIA (SCHLECHT.) BENTH.ÁRVORE COM ATÉ 18 MTRÓPICOS MÉSICOSTERRAS ALTAS E MÉDIASBASTANTE TOLERANTE A A...
LEUCAENA LEUCOCEPHALA (LAM.) DE WIT.VARIEDADES ARBUSTIVAS E ARBÓREASÁRVORE COM ATÉ 20 MTRÓPICOS MÉSICOS A SECONÃO TOLE...
MELIA AZEDARACH L. (CINAMOMO)SEMI-CADUCIFÓLIA A CADUCIFÓLIACRESCIMENTO RÁPIDOMADEIRA PARA DESDOBROLAMINAÇÃOENERGIAFO...
MIMOSA SCABRELLA BENTHAM (BRACATINGA)MG, PR, RJ, RS, SC, SPÁRVORE ERETA COM ATÉ 12 M, PERENIFÓLIAPIONEIRAHELIÓFILATOLE...
PAULOWNIA SPP. (QUIRI)CADUCIFÓLIACRESCIMENTO MONOPODIAL E RÁPIDO.LAMINADOSCOMPENSADOSMÓVEISMELÍFERAFORRAGEIRAMEDIC...
PINUS SPP. (PINUS)ESPÉCIES TROPICAIS E SUBTROPICAISCRESCIMENTO MÉDIO.MÓVEISSERRARIASOMBREAMENTO DE PASTAGENS.
PLATANUS X ACERIFOLIA (PLÁTANO)CADUCIFÓLIACRESCIMENTO RÁPIDO.CARPINTARIAOBJETOS TORNEADOSMÓVEISQUEBRA-VENTOORNAMENT...
POPULUS SPP. (ÁLAMO OU CHOUPO)CRESCIMENTO JUVENIL BOMNÃO TOLERAM SOMBRATOLERAM BEM O FRIOBOA FORMALÁPISFÓSFOROCAIXO...
SCHIZOLOBIUM PARAHYBA (VELLOZO) BLAKE (GUAPURUVU)BA, ES, MG, PR, RJ, RS, SC, SPCADUCIFÓLIA A SEMI-CADUCIFÓLIASECUNDARIA...
ZEYHERIA TUBERCULOSA (VELLOZO) BUREAU (IPÊ-FELPUDO)BA, CE, ES, GO, MA, MG, MS, PE, PI, PR, RJ, SPSEMI-CADUCIFÓLIA A CADUC...
Paulownia e trigo. Província de Shandong, China.
Paulownia e trigo. Província de Shandong, China
Plantação deálamo (8 x 5 m),aos 2 anos deidade.
Plantação de Populus nigra (I-214) aos 3 anos de idade(6m x 4 m)
Plantação deálamo (6 x 5m),aos seis anos deidade.
Álamos em exploração arrozeira
Plantio de álamo (1ano de idade), associado com beterrabaaçucareira. Izmit, Turquia.
Plantação de álamos (1 ano de idade), associado comalgodão. Adana. Turquia.
Bobina de álamo.
Caixas de madeira de álamo, para exportação dequadros.
Caixas feitas com madeira de álamo.
Galpão de madeira de álamo. Iugoslávia.
Casa com estrutura em madeira de álamo. Turquia.
TORAS DE Eucalyptus grandis PARA SERRARIA E LAMINAÇÃOFolder da Klabin Fabricadora de Papel e Celulose S.A
TORAS DE E.GLOBULUS ARMAZENADAS SOB ASPERSÃO DEÁGUASilvicultura, v.1, n.58, p. 37
MADEIRA SERRADA DE E. globulusSilvicultura, v.15, n.58, p.37
EM PRIMEIRO PLANO, MADEIRA SERRADA DE E. GLOBULUS, AOFUNDO TORAS DA MESMA ESPÉCIE.Silvicultura, v.15, n.58, p. 36
Klabin Fabricadora de Papel e Celulose S.ATereticornis; Camaldulensis; Citriodora, Grandis 2 2 5mesbaste aos 4 anos
MÓVEL DE ESCRITÓRIO FABRICADO COM PEÇAS MACIÇAS DE E.grandis.Silvicultura, v.18, n.71, p.33
MESA DE EUCALYPTUS GRANDIS CONFECCIONADA NO IPT/SP.Silvicultura, v.18, n.69, p.18
COR DO CERNE DE E. grandis VARIA DE UMA TONALIDADE RÓSEAAAVERMELHADA CLARAFolder da Klabin Fabricadora de Papel e Celulose...
BOA TRABALHABILIDADE E BELEZA DAS PEÇAS SÃOCARACTERÍSTICAS DO E. grandis.Folder da Klabin Fabricadora de Papel e Celulose ...
Espécies de multipropósito.completa
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Espécies de multipropósito.completa

579 visualizações

Publicada em

Palestra sobre espécies de múltiplo propósito feita por Moacir José Sales Medrado

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
579
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Espécies de multipropósito.completa

  1. 1. FlorestasAUTOR: MOACIR JOSÉ SALES MEDRADO
  2. 2. ÁRVORES DE MÚLTIPLO PROPÓSITOSUA SELEÇÃO E SEU PAPEL NOS SISTEMASDE USO DA TERRA
  3. 3. COMO DEFINIR UMA ESPÉCIE DEMÚLTIPLO PROPÓSITO?SÃO DEFINIDAS COMO TODAS AS PERENES LENHOSASQUE SÃO PROPOSITADAMENTE PLANTADAS PARAPROVER MAIS QUE UMA SIGNIFICANTECONTRIBUIÇÃO PARA A PRODUÇÃO E/OU FUNÇÃO DESERVIÇO DE UM SISTEMA DE USO DA TERRA. ELAS SÃOCLASSIFICADAS DE ACORDO COM O ATRIBUTO DAESPÉCIE ASSIM COMO DA FUNÇÃO EXERCIDA NATECNOLOGIAAGROFLORESTAL.
  4. 4. QUALQUER ESPÉCIE PERENELENHOSA PODE SERMULTIPROPÓSITO EM UMASITUAÇÃO E SIMPLES PROPÓSITOEM OUTRA.
  5. 5. COMO INDICAR ESPÉCIES MPT PARA UMLOCAL?ONDE HÁ POUCO CONHECIMENTO SOBRE AS ESPÉCIES, APESQUISA É LARGAMENTE EXPLORATÓRIA E QUANTO MAIS SEVAI TENDO INFORMAÇÕES, A PESQUISA TORNA-SE MAISDEFINITIVA.COMPARAÇÃO HOMOCLIMAL PERMITE UMA CONSIDERAVELREDUÇAO NO NUMERO DE ESPECIES MPT A SEREM TESTADAS EMUM LOCAL, TODAVIA ELE NÃO PODE SUBSTITUIR TOTALMENTE OTESTE DE CAMPOHÁ VÁRIOS BANCO DE DADOS SOBRE ESPÉCIES DE MPT, SENDO OMAIS IMPORTANTE O ICRAF´s MPT DATABASE QUE INCLUIINFORMAÇÕES SOBRE CARACTERISTICAS DE CLIMA E SOLOONDE MAIS DE 1000 ESPECIES ESTÃO CRESCENDO
  6. 6. A IMPORTÂNCIA DOS FATORESSOCIOECONÔMICOS NA INDICAÇÃO DEUMAESPÉCIE MPTO PAPEL DE UMA ESPECIE MPT NÃO PODE SERCONFINADO A SUAS FUNÇÕES DE SERVIÇO EPRODUÇÃO; ELA DEVE SER ACEITÁVEL EM TODOSOS ASPECTOS PELO PRODUTOR E PELACOMUNIDADE LOCAL.
  7. 7. QUAIS AS CARACTERÍSTICAS DE IMPORTÂNCIA PARAAVALIAÇÃO DA COMUNIDADE?SERVIR PARA LENHA OU CARVÃOODOR E SABOR DA MADEIRA USADA COMO LENHA OUCARVÃOESPINHOSIDADEBENEFÍCIOS ECONÔMICOSREDUÇÃO DE RISCOS
  8. 8. AS ESPÉCIES MPT DEVEM SER NATIVAS OUINTRODUZIDAS?O FATOR MAIS IMPORTANTE É QUE ATENDA ASNECESSIDADES DA POPULAÇÃO LOCALESPÉCIES NATIVAS NECESSITAM SER AVALIADAS,PRINCIPALMENTE AQUELAS LEVANTADAS A PARTIR DEDIAGNÓSTICOS LOCAIS, LEVANTAMENTOS ETNOBOTÂNICOSE ESTUDOS ESPECIALIZADOS DE MERCADO
  9. 9. ATRIBUTOS DE UMA MPT EMRELAÇÃO A FUNÇÕES DEPRODUÇÃO E SERVIÇO
  10. 10. ALTURA DA ÁRVOREFACILIDADE DE COLHEITA DAS FOLHAS,FRUTOS SEMENTES, GALHOS, SOMBREAMENTOFORMA DO CAULEADEQUABILIDADE PARA PRODUÇÃO DEMADEIRA SERRADA, POSTES, MOURÕES
  11. 11. COPAQUANTIDADE DE FOLHAS, PRODUÇÃO DELITEIRA, PRODUÇÃO DE FRUTOS,PERMEABILIDADE À LUZ, SOMBREAMENTOHÁBITO MULTICAULEPRODUÇÃO DE LENHA E SOMBREAMENTOENRAIZAMENTOCOMPETIÇÃO COM OUTROS COMPONENTESADEQUABILIDADE PARA CONSERVAÇÃO DESOLO
  12. 12. ESPESSURA DA FOLHA E COMPOSIÇÃOQUÍMICA DE FOLHAS E FRUTOSPRODUÇÃO E QUALIDADE DE FORRAGEMPRODUÇÃO E QUALIDADE DA COBERTURAMORTAASPECTOS NUTRICIONAIS DO SOLOQUALIDADE DA MADEIRAACEITABILIDADE PARA LENHA OU OUTROSPRODUTOS
  13. 13. FENOLOGIAENFOLHAMENTO; QUEDA DE FOLHAS; FLORAÇÃO EFRUTIFICAÇÃO; SAZONALIDADEDEMANDA DE TEMPO PARA COLHER FRUTOSDEMANDA DE TEMPO PARA COLHER FORRAGEMDEMANDA DE TEMPO PARA COLHER SEMENTESHABILIDADE PARA VENCER CONDIÇÕES EXTREMAS
  14. 14. CARÁTER DECÍDUODISPONIBILIDADE SAZONAL OUPERMANENTE DE FORRAGEMADEQUABILIDADE PARA CERCA-VIVAADEQUABILIDADE PARA DIVISÕES DECULTURAADEQUABILIDADE PARA BOSQUETES
  15. 15. RESISTÊNCIAA PRAGAS E VIGORREQUERIMENTOS PRINCIPAIS,INDEPENDENTE DA FUNÇÃO
  16. 16. ADAPTABILIDADE AO LOCAL E FAIXAECOLÓGICAADEQUABILIDADE A LOCAIS EXTREMOS E AUSOS PARA RECUPERAÇÃORESPOSTAA PODA E ESTAQUIAUSO EM BARREIRAS EM CULTIVOS OU EMSISTEMAS DEMANDANTES DE PODA
  17. 17. FIXAÇÃO DE NITROGÊNIOUSO EM BARREIRAS COM INTERCULTIVOSPOUSIOSISTEMAS DE ROTAÇÃO
  18. 18. ASPECTOS GENÉTICOSFAMÍLIAS TAXONÔMICAS, GENEROS E ESPÉCIES DIFEREMAMPLAMENTE EM CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS EFISIOLÓGICAS E HÁ VARIAÇÕES MUITO CLARAS DENTRO DEPOPULAÇÕES DE UMA MESMA ESPÉCIE. CONSIDERÁVEISVARIAÇÕES INDIVIDUAIS PODEM PORTANTO SEREMESPERADAS NOS NÍVEIS ABAIXO DA ESPÉCIE, COMOPROCEDÊNCIAS, VARIEDADE OU PROGÊNIE.ESTA VARIAÇÃO SERÁ UMA FONTE PARA FUTURAS SELEÇÕESGENÉTICAS E MELHORAMENTO, FAZENDO COM QUE OSIDEÓTIPOS DESEJADOS POSSAM SER ADEQUADAMENEDESCRITOS.A CONSTITUIÇÃO GENÉTICA DE UMA MPT RESULTA DE UMAFORÇA EVOLUCIONÁRIA COMPLEXA E NÃO PODE SERFUNDAMENTALMENTE TROCADA, EXCETO ATRAVÉS DAENGENHARIA GENÉTICA
  19. 19. PRINCIPAISCARACTERÍSTICASDE ESPÉCIES MPT
  20. 20. TOLERÂNCIAAO MEIOBAIXA TEMPERATURA (VALORES MÉDIOS EXTREMOS E MENSAIS)ALTA TEMPERATURA (VALORES MÉDIOS EXTREMOS E MENSAIS)MÍNIMO DE PLUVIOSIDADE (ANUAL E PARA MESES INDIVIDUAIS)COMPRIMENTO DE ESTAÇÃO SECA (MESES)PH DO SOLO (MÁXIMO E MÍNIMO)ALCALINIDADESALINIDADEVELOCIDADE DO VENTO (EXTREMO E MÉDIA DE KM / DIAENCHARCAMENTORESISTÊNCIAA PESTES E DOENÇAS
  21. 21. Queda defolhas em doisclones.Iugoslávia.
  22. 22. Diferença decrescimento entre doishíbridos de Populusnigra. Mardan,Paquistão.
  23. 23. ACACIA MANGIUM WILLD.ÁRVORE COM ATÉ 30 MGRANDES FILÓDIOSTOLERANTE A SOLOS ÁCIDOSTRÓPICOS ÚMIDOSLENHAMADEIRAPOLPA
  24. 24. ACACIA MEARNSII DE WILD.GRANDE ARBUSTO OU PEQUENA ARVORE COM ATE 18MCRESCIMENTO AGRESSIVOSUB-TROPICOS ÚMIDOS, ELEVAÇÕES MEDIASMIL TOLERANTE A FRIO.BOSQUETESCARVÃOCONTROLE A EROSÃOFORRAGEM ACEITÁVEL EM MISTURASLENHAORNAMENTALPOLPAPOSTESPROTEÇÃO CONTRA FOGOTANINO
  25. 25. ACACIA MELANOXYLON R. BROWN. (ACÁCIA-AUSTRALIANA)ÁRVORE PERENIFÓLIAPIONEIRATOLERANTE AO FRIOASSOCIA-SE COM RIZOBIUMCRESCIMENTO RÁPIDO.SERRARIAMÓVEISLENHA E CARVÃOQUEBRA-VENTO.
  26. 26. ALNUS SUBCORDATA C.A. MEY (ALNUS-DO-CÁUCASO)CADUCIFÓLIAASSOCIA-SE COM ACTINOMICETOS DO GÊNERO FRANKIATOLERANTE A FRIOCRESCIMENTO RÁPIDOMADEIRA PARA LAMINAÇÃOAPÍCOLAFORRAGEIRAQUEBRA-VENTO.
  27. 27. ARAUCARIA ANGUSTIFOLIA (BERTOLONI) OTTO KUNTZE(PINHEIRO-DO-PARANÁ)PR, RS, SC, SP, MG, RJPERENIFÓLIASECUNDARIA LONGEVA, POREM DE TEMPERAMENTO PIONEIROHELIÓFILA NA FASE ADULTA, TOLERA SOMBRA NO PERÍODO JUVENILBROTA APÓS O CORTEDESRAMA NATURAL DEFICIENTETOLERANTE AO FRIORAIZ PRINCIPAL OU PIVOTANTE MUITO DESENVOLVIDAALIMENTARARTESANATOCONSTRUÇÃO CIVILCAIXOTARIACARPINTARIA E MARCENARIACELULOSE DE FIBRA LONGALAMINADOS E COMPENSADOSLÁPISMÓVEISORNAMENTALPALITOS DE FÓSFOROREFLORESTAMENTO AMBIENTAL, NOS DOIS PRIMEIROS ANOS DE PLANTIOCONSORCIADO COM MILHO E FEIJÃORESINA PARA FABRICAÇÃO DE VERNIZESTANOARIA
  28. 28. CALLIANDRA CALOTHYRSUS MEISSNER(CALIANDRA)ARBUSTO COM ATE 7MTRÓPICOS ÚMIDOSRÁPIDO CRESCIMENTOTOLERANTE A ACIDEZ, FRACA EM SOLOS ALCALINOSPERENIFÓLIANÃO TOLERANTE AO FRIONODULA MUITOREBROTA EFICAZMENTECRESCIMENTO RÁPIDOPODE SER CORTADA ANUALMENTE.ENERGIA E MADEIRAAPÍCOLAADUBO VERDE.FORRAGEIRA NÃO MUITO BOAORNAMENTAL.
  29. 29. CASUARINA EQUISSETIFOLIA FORT. & FORST.(CASUARINA)ARVORE COM ATE 30 MTROPICAL, DE REGIÕES COSTEIRASTOLERANTE A SOLOS SALINOS E A TUFÃO.ASSOCIA-SE COM ACTINOMICETOS PARA PRODUÇÃO DE N2REBROTA FRACACRESCIMENTO RÁPIDORESISTENTE A VENTOS.LENHA E CARVÃO DE ÓTIMA QUALIDADEQUEBRA-VENTOSPOSTEBARREIRAS VIVASESTABILIZAÇÃO DE DUNASQUEBRA-VENTO
  30. 30. CENTROLOBIUM MICROCHAETE (MARTIUS EX BENTHAM)LIMA (ARARIBÁ-AMARELO)CE, ES, MG, PR, RJ, SC, SE, SPPERENIFÓLIA A SEMI-CADUCIFÓLIASECUNDARIA INICIALHELIÓFILA TOLERANDO SOMBREAMENTO NA FASE JUVENILMEDIANAMENTE TOLERANTE AO FRIOBROTA APÓS O CORTEDESRAMA NATURAL SATISFATÓRIACONSTRUÇÃO CIVILDORMENTESLAMINAS FAQUEADAS PARA PAINÉIS DECORATIVOS E PEÇASTORNEADASLENHA DE PRIMEIRA QUALIDADEMÓVEIS E MARCENARIA DE LUXOORNAMENTALREFLORESTAMENTO AMBIENTALTANINO
  31. 31. CENTROLOBIUM ROBUSTUM (VELLOZO) MARTIUS EXBENTHAM (ARARIBÁ-ROSA)BA, ES, RJ, SPSEMI-CADUCIFÓLIA A CADUCIFÓLIASECUNDARIA TARDIAHELIÓFILA ACEITANDO SOMBREAMENTO NA FASE JUVENILNÃO TOLERANTE AO FRIODESRAMA NATURALBROTA APÓS O CORTEUSO PARECIDO COM A ANTERIOR.
  32. 32. CENTROLOBIUM TOMENTOSUM GUILLEM EX BENTHAM(ARARUVA, ARARIBÁ-BRANCO)BA, ES, GO, MG, MS, MT, PR, RJ, SP, DFPERENIFÓLIA A SEMI-CADUCIFÓLIASECUNDARIA INICIALHELIÓFILA ACEITANDO SOMBREAMENTO NA FASE JUVENILNÃO TOLERA FRIOREBROTA INTENSADESRAMA NATURALSISTEMA RADICIAL ACENTUADAMENTE PIVOTANTEARBORIZAÇÃO DE CULTURAS E PASTAGENSALIMENTARCABOS DE FERRAMENTAS E ENXADACERCASCONSTRUÇÃO CIVILCARPINTARIA, MARCENARIA DE LUXOESTEIOSHÉLICE DE PEQUENOS AVIÕESLENHA E CARVÃO DE BOA QUALIDADEMEDICINALMOURÕESMÓVEIS FINOSORNAMENTALPLANTIO DE PROTEÇÃOPOSTESREFLORESTAMENTO AMBIENTALTORNEADOSTANOARIATANINO
  33. 33. COLUNBRINA GLANDULOSA PERKINS VAR. REITZII (M.C.JOHNSTON) M.C.JOHNSTON (SOBRASIL)CE, GO, MG, MS, PB, PE, PI, PR, RJ, SC, RSSEMI-CADUCIFÓLIA A CADUCIFÓLIASECUNDARIA INICIALHELIÓFILA MAS TOLERA SOMBREAMENTO QUANDO JOVEMNÃO TOLERANTE AO FRIO EM TODAS AS FASES DA VIDABROTA APÓS O CORTEDESRAMA NATURAL SATISFATÓRIAPLANTIO A PLENO SOL EM PLANTIO PURO E EM PLANTIO MISTOEM VEGETAÇÃO MATRICIALAPÍCOLAARBORIZAÇÃO DE CULTURAS PERENESCABOS DE FERRAMENTASCONSTRUÇÃO CIVIL E NAVALLENHA DE BOA QUALIDADEORNAMENTALPONTES, DORMENTES, POSTES, MOURÕES, ESTEIOS, ESTACASQUEBRA-VENTOSVIGAMENTOS
  34. 34. CORDIA TRICHOTOMA (VELLOZO) ARRABIDA EX STEUDEL(LOURO-PARDO)BA, CE, PB, ES, GO, MG, MS, MT, PB, PE, PI, PR, RJ, RS, SC, SE, SP, DFSEMI-CADUCIFÓLIA A CADUCIFÓLIASECUNDARIA INICIALCOM TENDÊNCIA A PIONEIRAHELIÓFILAMEDIANAMENTE TOLERANTE AO FRIOREBROTA VIGOROSA APÓS O CORTEDESRAMA NATURAL INSATISFATÓRIAPLANTIO PURO ATE 100 ARVORES/HÁPLANTIO MISTO A PLENO SOLVEGETAÇÃO MATRICIALAPÍCOLAARBORIZAÇÃO DE CULTURAS E PASTAGENSBARREIRAS VIVASCHAPASCONSTRUÇÃO CIVILEMBARCAÇÕES LEVESESCULTURASFREIOS DE LOCOMOTIVALAMINAS FAQUEADAS PARA MÓVEISLENHA DE MÁ QUALIDADEMÓVEIS DE LUXOORNAMENTALREFLORESTAMENTO AMBIENTALREVESTIMENTOS DECORATIVOSTONÉISTORNEADOS
  35. 35. CUPRESSUS LUSITANICA MILL. (CIPRESTE)CRESCIMENTO RÁPIDOTOLERANTE A FRIOTOLERA SOLOS RASOS.MADEIRA PARA DESDOBROCELULOSEQUEBRA-VENTOS.
  36. 36. ERYTHRINA POEPPIGIANA (WALPERS.) O. F. COOK.ARVORES COM ATE 20 MESPINHOSATRÓPICOS MÉSICO A FRIO.ORNAMENTALCERCA-VIVAQUEBRA-VENTOSÁRVORE COMPANHEIRA “NURSE TREE”POLPAADUBAÇÃO VERDEMULCH.
  37. 37. EUCALYTPUS SPP.CRESCIMENTO RÁPIDOTOLERÂNCIA VARIÁVEL A FRIO.MÓVEISENERGIAPAPEL E CELULOSEQUEBRA-VENTOSBOSQUETES
  38. 38. GLIRICIDIA SEPIUM (JACQ.) WALP.ARVORE COM ATE 15 MRÁPIDO CRESCIMENTOFACILMENTE PROPAGADA POR ESTACASTRÓPICOS SECO A MÉSICOCRESCENDO ATE 1.000 M.LENHAMADEIRA PARA SERRARIASOMBRAORNAMENTALFORRAGEIRA (MELHOR ACEITA QUANDO MURCHA-DMD 55%)
  39. 39. GREVILLEA ROBUSTA A. CUNN. EX R. BR.(GREVILEA)CRESCIMENTO RÁPIDORAIZ PROFUNDAREBROTA FRACAENCONTRADA EM CLIMAS ÚMIDO E SUPERÚMIDODO NÍVEL DO MAR ATÉ 2300 M.SOMBREAMENTO DO CAFEEIRO E DO CHÁORNAMENTALMELÍFERAMADEIRA PARA MÓVEIS
  40. 40. HOVENIA DULCIS THUNBERG. (UVA-DO-JAPÃO)ÁRVORE CADUCIFÓLIAMEDIANAMENTE TOLERANTE AO FRIOCRESCIMENTO MONOPODIAL E RÁPIDOCRESCE MAIS EM SOLOS FÉRTEIS E PROFUNDOS.MADEIRA PARA CONSTRUÇÃO CIVILENERGIAMELÍFERAFORRAGEIRA.
  41. 41. LEUCAENA DIVERSIFOLIA (SCHLECHT.) BENTH.ÁRVORE COM ATÉ 18 MTRÓPICOS MÉSICOSTERRAS ALTAS E MÉDIASBASTANTE TOLERANTE A ACIDEZRÁPIDO CRESCIMENTOALTA TOLERÂNCIA A PSILÍDEOSOMBREAMENTO DE CAFÉPRODUÇÃO DE ENERGIAFORRAGEIRAPILARES.
  42. 42. LEUCAENA LEUCOCEPHALA (LAM.) DE WIT.VARIEDADES ARBUSTIVAS E ARBÓREASÁRVORE COM ATÉ 20 MTRÓPICOS MÉSICOS A SECONÃO TOLERANTE A ACIDEZBAIXO CRESCIMENTO EM TERRAS ALTASRÁPIDO CRESCIMENTO.FIXA NITROGÊNIOGRANDE CAPACIDADE DE REBROTAFORRAGEIRAENERGIASOMBREADORAPOLPAPILARESMADEIRA SERRADAALIMENTO.
  43. 43. MELIA AZEDARACH L. (CINAMOMO)SEMI-CADUCIFÓLIA A CADUCIFÓLIACRESCIMENTO RÁPIDOMADEIRA PARA DESDOBROLAMINAÇÃOENERGIAFORRAGEIRAORNAMENTALINSETICIDA.
  44. 44. MIMOSA SCABRELLA BENTHAM (BRACATINGA)MG, PR, RJ, RS, SC, SPÁRVORE ERETA COM ATÉ 12 M, PERENIFÓLIAPIONEIRAHELIÓFILATOLERANTE AO FRIONÃO REBROTANÃO DESRAMA NATURALMENTEGERMINAÇÃO DE BANCOS DE SEMENTES PELA AÇÃO DO FOGO OU PLANTIO A PLENO SOL, ATRAVÉSDE MUDAS.SEM ESPINHOSRÁPIDO CRESCIMENTOTRÓPICOS ÚMIDOS FRIOS E SUBTRÓPICOSAPÍCOLAASSOCIAÇÃO COM CULTURAS DE CICLO CURTOCONSTRUÇÃO CIVILEMBALAGENS LEVESFORRAGEIRALAMINADOS, COMPENSADOS E AGLOMERADOS E INTERIOR DE MÓVEISLENHA E CARVÃO DE ÓTIMA QUALIDADEMEDICINAL” NURSE TREE”ORNAMENTALPEQUENAS PEÇAS TORNEADASPOLPA E GOMAQUEBRA-VENTOS REFLORESTAMENTO AMBIENTALSOMBREAMENTO INICIAL DE CULTURAS PERENES
  45. 45. PAULOWNIA SPP. (QUIRI)CADUCIFÓLIACRESCIMENTO MONOPODIAL E RÁPIDO.LAMINADOSCOMPENSADOSMÓVEISMELÍFERAFORRAGEIRAMEDICINALORNAMENTAL.
  46. 46. PINUS SPP. (PINUS)ESPÉCIES TROPICAIS E SUBTROPICAISCRESCIMENTO MÉDIO.MÓVEISSERRARIASOMBREAMENTO DE PASTAGENS.
  47. 47. PLATANUS X ACERIFOLIA (PLÁTANO)CADUCIFÓLIACRESCIMENTO RÁPIDO.CARPINTARIAOBJETOS TORNEADOSMÓVEISQUEBRA-VENTOORNAMENTALPROTEÇÃO DO GADO.
  48. 48. POPULUS SPP. (ÁLAMO OU CHOUPO)CRESCIMENTO JUVENIL BOMNÃO TOLERAM SOMBRATOLERAM BEM O FRIOBOA FORMALÁPISFÓSFOROCAIXOTARIALÂMINASCOMPENSADOSQUEBRA-VENTOS.
  49. 49. SCHIZOLOBIUM PARAHYBA (VELLOZO) BLAKE (GUAPURUVU)BA, ES, MG, PR, RJ, RS, SC, SPCADUCIFÓLIA A SEMI-CADUCIFÓLIASECUNDARIAHELIÓFILANÃO TOLERANTE AO FRIOREBROTADESRAMA NATURAL INTENSAPLANTIO A PLENO SOL EM PLANTIO PURO E MISTOPRINCIPALMENTE NO TUTORAMENTO DE ESPÉCIES SECUNDARIAS A CLÍMAX.AEROMODELISMOAPÍCOLABRINQUEDOSCOMPENSADOSCONSTRUÇÃO CIVILEMBALAGENS LEVESINTER-CULTIVO COM CULTURAS PERENESLAMINADOSLÁPISLENHA DE MA QUALIDADEMEDICINALMIOLO DE PAINÉISMÓVEISORNAMENTA
  50. 50. ZEYHERIA TUBERCULOSA (VELLOZO) BUREAU (IPÊ-FELPUDO)BA, CE, ES, GO, MA, MG, MS, PE, PI, PR, RJ, SPSEMI-CADUCIFÓLIA A CADUCIFÓLIASECUNDARIA HELIÓFILANÃO TOLERANTE AO FRIOREBROTABOA DESRAMA NATURALPLANTIO A PLENO SOL, EM PLANTIO PURO OU MISTOARBORIZAÇÃO DE CULTURAS E DE PASTAGENSENERGIAFORRAGEIRAMARCENARIA E CARPINTARIAORNAMENTALPOSTES E MOIRÕESREFLORESTAMENTO AMBIENTALSERRARIA
  51. 51. Paulownia e trigo. Província de Shandong, China.
  52. 52. Paulownia e trigo. Província de Shandong, China
  53. 53. Plantação deálamo (8 x 5 m),aos 2 anos deidade.
  54. 54. Plantação de Populus nigra (I-214) aos 3 anos de idade(6m x 4 m)
  55. 55. Plantação deálamo (6 x 5m),aos seis anos deidade.
  56. 56. Álamos em exploração arrozeira
  57. 57. Plantio de álamo (1ano de idade), associado com beterrabaaçucareira. Izmit, Turquia.
  58. 58. Plantação de álamos (1 ano de idade), associado comalgodão. Adana. Turquia.
  59. 59. Bobina de álamo.
  60. 60. Caixas de madeira de álamo, para exportação dequadros.
  61. 61. Caixas feitas com madeira de álamo.
  62. 62. Galpão de madeira de álamo. Iugoslávia.
  63. 63. Casa com estrutura em madeira de álamo. Turquia.
  64. 64. TORAS DE Eucalyptus grandis PARA SERRARIA E LAMINAÇÃOFolder da Klabin Fabricadora de Papel e Celulose S.A
  65. 65. TORAS DE E.GLOBULUS ARMAZENADAS SOB ASPERSÃO DEÁGUASilvicultura, v.1, n.58, p. 37
  66. 66. MADEIRA SERRADA DE E. globulusSilvicultura, v.15, n.58, p.37
  67. 67. EM PRIMEIRO PLANO, MADEIRA SERRADA DE E. GLOBULUS, AOFUNDO TORAS DA MESMA ESPÉCIE.Silvicultura, v.15, n.58, p. 36
  68. 68. Klabin Fabricadora de Papel e Celulose S.ATereticornis; Camaldulensis; Citriodora, Grandis 2 2 5mesbaste aos 4 anos
  69. 69. MÓVEL DE ESCRITÓRIO FABRICADO COM PEÇAS MACIÇAS DE E.grandis.Silvicultura, v.18, n.71, p.33
  70. 70. MESA DE EUCALYPTUS GRANDIS CONFECCIONADA NO IPT/SP.Silvicultura, v.18, n.69, p.18
  71. 71. COR DO CERNE DE E. grandis VARIA DE UMA TONALIDADE RÓSEAAAVERMELHADA CLARAFolder da Klabin Fabricadora de Papel e Celulose S.A
  72. 72. BOA TRABALHABILIDADE E BELEZA DAS PEÇAS SÃOCARACTERÍSTICAS DO E. grandis.Folder da Klabin Fabricadora de Papel e Celulose S.A

×