Workshop loulé (20 nov.)

413 visualizações

Publicada em

Workshop Vermicomppostagem - Auditório da biblioteca municipal de Loulé, no âmbito da Semana Europeia de Prevenção de Resíduos, co-organizado pela Futuramb e pelo Município de Loulé.

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
413
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Workshop loulé (20 nov.)

  1. 1. FUTURAMB GESTÃO SUSTENTÁVEL DE RECURSOS 29.01.15 Nelson Miguel Guerreiro Lourenço Sónia Isabel Dias Coelho FUTURAMB WORKSHOP EM VERMICOMPOSTAGEM
  2. 2. ÍNDICE 1. Definição; 2. Escalas; 3. Onde fazer; 4. Objectivos; 5. Tipos de resíduos a utilizar; 6. Espécies de minhocas utilizadas; 7. Montagem de um vermicompostor doméstico; 8. Quantidade de minhocas necessária; 9. Colocação de resíduos no vermicompostor; 10. Separação das minhocas do vermicomposto; 11. Produtos da vermicompostagem; o Vermicomposto; o Chá de vermicomposto; o Minhocas. 12. Oportunidades / Conclusões. 29.01.15
  3. 3. 1. DEFINIÇÃO  Degradação controlada pelo Homem, na presença de oxigénio e a temperaturas moderadas, dos resíduos orgânicos utilizando-se a minhoca como agente biológico;
  4. 4. 2. ESCALAS  VERMICOMPOSTAGEM DOMÉSTICA Pequena escala - na varanda, no escritório, no jardim.  VERMICOMPOSTAGEM EM ESPAÇO RURAL Média escala - na quinta, na exploração ou espaço agrícola.  VERMICOMPOSTAGEM INDUSTRIAL Grande escala - em grandes unidades centralizadas para tratamento de resíduos.
  5. 5. 3. ONDE FAZER Onde a vermicompostagem pode ser realizada:  Cozinha;  Varanda;  Escritório;  Jardim;  Quintal;  Exploração agrícola. 29.01.15
  6. 6. 4. OBJECTIVOS  Redução e eliminação da perigosidade associada aos resíduos;  Tratamento e valorização controlada dos resíduos;  Aumento dos teores de matéria orgânica nos solos;  Poupança de recursos naturais;  Aumento da fertilidade e produtividade do solo;  Diminuição da poluição. 29.01.15
  7. 7. 5. TIPOS DE RESÍDUOS A UTILIZAR 29.01.15 Lourenço, (2010)
  8. 8. 5. TIPOS DE RESÍDUOS A UTILIZAR ALGUNS EXEMPLOS  Fracção orgânica dos RSU – resíduos alimentares;  Papel e cartão;  Lamas de ETAR e industriais;  Resíduos verdes;  Resíduos florestais;  Estrumes;  Óleos alimentares usados. Todos os de natureza orgânica
  9. 9. 5. TIPOS DE RESÍDUOS A UTILIZAR ALGUNS EXEMPLOS 29.01.15 Borras de café Mistura de diferentes materiais - substratos
  10. 10. 5. TIPOS DE RESÍDUOS A UTILIZAR ALGUNS EXEMPLOS 29.01.15 Resíduos alimentares mistos Estrumes
  11. 11. 6. ESPÉCIES DE MINHOCAS UTILIZADAS 29.01.15 Lourenço, (2010)
  12. 12. 6. ESPÉCIES DE MINHOCAS UTILIZADAS Eisenia foetida  Ingerem por dia o equivalente a metade e até ao total do seu peso em resíduos;  São hermafroditas incompletos – necessitam do parceiro para acasalarem;  São uma espécie animal fotofóbica – sensíveis à luz natural ou artificial;  O peso no estado adulto é variável dependendo da espécie e do tipo de resíduos.
  13. 13. 6. ESPÉCIES DE MINHOCAS UTILIZADAS Eisenia foetida 29.01.15 Minhocas num substrato de sobrevivência Casulos de minhoca
  14. 14. 7. MONTAGEM DE UM VERMICOMPOSTOR DOMÉSTICO 29.01.15 Lourenço, (2010)
  15. 15. 7. MONTAGEM DE UM VERMICOMPOSTOR DOMÉSTICO  Método simples e prático podendo ser realizado no jardim, cozinha ou varanda;  Resíduos que deverão ser valorizados: resíduos alimentares e de cozinha.
  16. 16. 7. MONTAGEM DE UM VERMICOMPOSTOR DOMÉSTICO  Estrutura feita em plástico reciclado ou madeira;  Permite o tratamento e valorização de resíduos orgânicos;  Produção de vermicomposto e chá de vermicomposto;  Recolha aprox. de 110 kg de resíduos ano-1;  Produção aprox. de 73 kg de vermicomposto ano-1; 29.01.15
  17. 17. 7. MONTAGEM DE UM VERMICOMPOSTOR DOMÉSTICO  Passo 1 Colocar o compartimento base por cima dos pés e utilizar os parafusos disponibilizados para prender ambas as partes. • Passo 2 Colocar o compartimento de produção do chá de vermicomposto sobre o compartimento base e alinhar os buracos. • Passo 3 Aplicar as anilhas de borracha no local destinado à torneira e só depois enroscar a torneira. • Passo 4 Colocar por cima todos os compartimentos restantes e finalmente o compartimento relativo ao telhado. 29.01.15
  18. 18. 7. MONTAGEM DE UM VERMICOMPOSTOR DOMÉSTICO  Vermicompostor doméstico de 3 a 4 compartimentos;  Quantidade de resíduos valorizados: 100 kg por ano. 29.01.15 TRATAMENTO DE RESÍDUOS E PRODUÇÃO DE VERMICOMPOSTO PRODUÇÃO DE CHÁ (LIXIVIADO) DE VERMICOMPOSTO
  19. 19. 8. QUANTIDADE DE MINHOCAS NECESSÁRIA 29.01.15 Lourenço, (2010)
  20. 20. 8. QUANTIDADE DE MINHOCAS NECESSÁRIA Área superficial do vermicompostor (m2) N.º minhocas aprox. Volume minhocas (L) Quantidade minhocas (g) 0,125 222 0,11 120 0,25 454 0,23 240 0,5 909 0,45 500 1,0 1 818 0,91 1 000 29.01.15 Importante: Para maiores quantidades de minhocas no vermicompostor, mais rapidamente os resíduos são decompostos.
  21. 21. 9. COLOCAÇÃO DE RESÍDUOS NO VERMICOMPOSTOR 29.01.15 Lourenço, (2010)
  22. 22. 9. COLOCAÇÃO DE RESÍDUOS NO VERMICOMPOSTOR 29.01.15 Quantidade substrato inicial (kg) Frequência de colocação Quantidade substrato adicionado aprox. (kg) 3,8 Diariamente 0,18 2x por semana 0,47 Semanalmente 0,95 Vinte dias 3,8 Importante: A quantidade de resíduo adicionada irá depender da quantidade de resíduos decompostos pelas minhocas.
  23. 23. 10. SEPARAÇÃO DAS MINHOCAS DO VERMICOMPOSTO 29.01.15 Lourenço, (2010)
  24. 24. 10. SEPARAÇÃO DAS MINHOCAS DO VERMICOMPOSTO  As minhocas são separadas do vermicomposto através da sua passagem por uma malha existente em cada compartimento;  Esta passagem (ou migração) é feita devido ao facto de serem adicionados resíduos ao compartimento que se encontra imediatamente superior ao actual. 29.01.15
  25. 25. 11. PRODUTOS DA VERMICOMPOSTAGEM 29.01.15 Lourenço, (2010)
  26. 26. 11. PRODUTOS DA VERMICOMPOSTAGEM VERMICOMPOSTO CHÁ DE VERMICOMPOSTO MINHOCAS 29.01.15
  27. 27. 11. PRODUTOS DA VERMICOMPOSTAGEM VERMICOMPOSTO 29.01.15 Passível de aplicação em solo agrícola Material higienizado Ausência de odores
  28. 28. 11. PRODUTOS DA VERMICOMPOSTAGEM CHÁ DE VERMICOMPOSTO 29.01.15 Passível de aplicação em solo agrícola Aplicável por fertirrega ou em hidroponia Solução nutritiva
  29. 29. 11. PRODUTOS DA VERMICOMPOSTAGEM CHÁ DE VERMICOMPOSTO - APLICAÇÃO 29.01.15
  30. 30. 11. PRODUTOS DA VERMICOMPOSTAGEM MINHOCAS Casulo Minhoca recém nascida Minhoca juvenil Minhoca adulta 29.01.15
  31. 31. 29.01.15 Lourenço, (2010) 12. OPORTUNIDADES CONCLUSÕES
  32. 32. 12. OPORTUNIDADES/CONCLUSÕES EFEITO DA APLICAÇÃO DO CHÁ NA GERMINAÇÃO DO TOMATE  ). Com CHÁ Sem CHÁ
  33. 33. 12. OPORTUNIDADES/CONCLUSÕES APLICAÇÃO DO VERMICOMPOSTO  Solos leves e pouco densos: aumenta a capacidade de retenção de água - Menor perda de água e lixiviação de nutrientes.  Solos pesados e mais densos: aumenta a taxa de infiltração e a permeabilidade. - Melhor drenagem - Menor escorrência superficial (redução da erosão). 29.01.15
  34. 34. 12. OPORTUNIDADES/CONCLUSÕES APLICAÇÃO DO CHÁ DE VERMICOMPOSTO  Maior resistência e sanidade das plantas fruto da supressão de pragas e doenças;  Melhoria da estrutura, porosidade e densidade aparente do solo com melhores condições para as raízes;  Aumento da fertilidade do solo;  Aumento da biodiversidade a nível do solo – circulação de nutrientes facilitada.
  35. 35. 12. OPORTUNIDADES/CONCLUSÕES TRIAGEM E RECOLHA SELECTIVA DE RESÍDUOS 29.01.15 Plástico Plástico Plástico
  36. 36. 12. OPORTUNIDADES/CONCLUSÕES VERMICOMPOSTAGEM  A vermicompostagem pode ser desenvolvida de forma fácil e prática;  A vermicompostagem possibilita o aproveitamento e valorização dos resíduos orgânicos produzindo-se vermicomposto, chá de vermicomposto e minhocas;  Para realizar vermicompostagem doméstica necessita de resíduos, minhocas, 1 vermicompostor e 5 minutos diários de manutenção;  A vermicompostagem pode ser realizada em casa ou no jardim (doméstica), numa exploração agrícola (rural) ou por empresas ou Associações de Municípios (industrial). 29.01.15
  37. 37. 12. OPORTUNIDADES/CONCLUSÕES É PRECISO  Desmistificar;  Eliminar equívocos e opiniões erradas;  Entender/compreender;  Praticar/experimentar. 29.01.15
  38. 38. FUTURAMB QUEM SOMOS NELSON LOURENÇO Mestre em Gestão Sustentável dos Espaços Rurais Licenciado em Engenharia do Ambiente Formador Departamento Científico e de Engenharia Ambiental - DCEA Centro de Pesquisa e Investigação em Vermicompostagem - CPIV Telemóvel: 967359487 cientifico@futuramb.com SÓNIA COELHO Técnica Superior de Higiene e Segurança no Trabalho Formadora Licenciada em Educação Social Departamento de Formação / Departamento Comercial Telemóvel: 963851179 comercial@futuramb.com
  39. 39. BOAS PRÁTICAS! SAUDAÇÕES AMBIENTAIS

×