Doutores da construcao hidraúlica

93.170 visualizações

Publicada em

dicas sobre instalações hidráulicas. doutores da construção.

Publicada em: Serviços
6 comentários
73 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
93.170
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
191
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4.051
Comentários
6
Gostaram
73
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Doutores da construcao hidraúlica

  1. 1. 1
  2. 2. 2
  3. 3. 3 Índice Módulo 1 Módulo 2 3 Apresentação 16 Sistemas de Água Fria e Caixas d’ Água 36 Soluções em Água Quente 4 Introdução à Hidráulica 24 Sistemas de Esgoto 41 Águas Pluviais e Cisternas 65 Instalação de Produtos Economizadores de Água 78 Sistemas de Descarga 90 Ficha Técnica Profissional da construção civil, Seja bem-vindo ao Programa de Treinamento da Comunidade Doutores da Construção. A partir de agora, você vai começar um caminho que não tem mais volta: vai se tornar um profissional muito mais capaz e inteligente. Com o Programa de Treinamento Doutores da Construção, você vai ter acesso a informações novas, aprimorando tudo o que você já conhece sobre Hidráulica. Este curso tem duração de 8 aulas,apresentadasporprofessoresqueconhecem o assunto a fundo! E você poderá acompanhar os principais detalhes neste apostilão. Este material contém todas as informações, dicas e conceitos importantes que você já assistiu ou irá assistir em nossas aulas. Você poderá aplicar tudo isso em seu dia a dia, deixando o seu trabalho muito mais produtivo. E vai ser mais eficiente, vai conquistar novos trabalhos e vai deixar os seus clientes muito mais satisfeitos - e, dessa forma, poderá ganhar muito mais dinheiro! Esperamos que você aproveite muito esta oportunidade. Boa sorte e um abraço! Equipe de Treinamento Doutores da Construção Apresentação 56 Instalação de Metais Sanitários Para saber mais visite nosso site: www.doutoresdaconstrucao.com.br
  4. 4. 4 Capacitar o profissional para conhecer conceitos básicos de Hidráulica, os sistemas hidráulicos prediais, seus componentes, acessórios e características. Também ser capaz de identificar problemas causados pela má execução e por vazamentos nos sistemas hidráulicos prediais. Objetivo do Curso Introdução à Hidráulica Conteúdo Técnico Força - é o esforço feito sobre um objeto. Unidades de medida: quilograma-força (kgf) ou Newton (N), sendo que 1 kgf = 9,80 N. A água como qualquer outro objeto tem peso, por isso em Hidráulica as forças exercidas pelos líquidos estão associadas à Área (A) onde os líquidos estão contidos. Essa relação é conhecida como Pressão (P). Área – é a quantidade de espaço existente em uma superfície. Quando aplicada à Hidráulica, a área por onde a água passa é a seção do tubo ou a área de um reservatório. a) Pressão Hidrostática: forças exercidas pelo líquido contido em reservatórios. Introdução à Hidráulica (1) (2) F F Área F F A P = Unidades de medida: metro quadrado (m²), centímetro quadrado (cm²) e quilômetro quadrado (km²). Pressão (P) - é a quantidade de Força (F) que foi aplicada em uma determinada área (A). F h Mais água no copo Mais peso e maior será a altura de água no mesmo copo Mais pressão F H HIDRÁULICA
  5. 5. 5 c) Pressão de Serviço: pressão máxima que pode existir na rede para que a instalação hidráulica funcione em condições normais. Velocidade - rapidez com que um corpo muda de posição em um determinado tempo. Unidades de medida: - m/s - metro por segundo - km/h - quilômetro por hora A velocidade aumenta: - quanto mais inclinado estiver o tubo com escoamento livre - quando diminui a pressão na tubulação Vazão - rapidez com que o volume de líquido passa pelo tubo em um determinado tempo. Unidades de medida: m³/s - metro cúbico por segundo L/min - litro por minuto Golpe de Aríete - aumento instantâneo de pressão da água Vasos Comunicantes Altura da água em tubos: é a coluna d’água (m.c.a.) ou a altura manométrica, expressa em metros (m). - Quanto maior a altura da caixa d’água na edificação, maior será a pressão. Como medir? - Usar manômetro NBR 5626 recomenda que a pressão seja menor que 40 m.c.a. Exemplo: o manômetro marcou 1 kgf/cm² = 10 m.c.a., portanto 10 metros de distância desse ponto até o nível máximo de água na caixa d’água. b) Pressão Hidrodinâmica: pressão que a água exerce quando está em movimento. Nos pontos de uso > 1 m.c.a., com as exceções: Caixa de descarga = 0,5 m.c.a. Válvula de descarga = 1,5 m.c.a. UNIDADE VALOR LEGENDA kgf/cm² lb/pol² p.s.i. m.c.a kPa MPa bar 1 14,2 10 100 0,1 0,98 Quilograma-força por centímetro quadrado Libras por polegada quadrada Metros por coluna d’água Quilo Pascal Mega Pascal Pressão barométrica dentro da tubulação. Ocorre quando a descida da água é interrompida bruscamente. 1) Válvula fechada: apenas a pressão nominal atua dentro da coluna. 2) Válvula aberta: a água desce, aumentando sua velocidade dentro do tubo. A pressão hidrostática contra as paredes reduz ao máximo. Válvula fechada sem escoamento Válvula aberta Fluido escoando em velocidade Q = 20 L/min Q = 20 L/min Consumo = 200 L 20 litros 1 minuto 10 minutos ALTURA 2 ALTURA 1 INTRODUÇÃOÀHIDRÁULICA
  6. 6. 6 Introdução à Hidráulica 3) Fechamento rápido da válvula: interrupção brusca da água, que causa violento impacto na válvula e equipamentos. E também vibrações e fortes pressões que tendem a dilatar o tubo. Fortes pressões contra as paredes do tubo Válvula fechada bruscamente Depressão (vácuo) Ondas de vibração Para solucionar: - regule as válvulas de descarga a cada 6 meses - troque as válvulas de fechamento rápido - instale válvulas redutoras de pressão Conduto livre - o líquido dentro do tubo está sujeito apenas à pressão atmosférica e não preenche toda a seção no tubo. Ex: escoamento de esgoto e águas pluviais. Conduto sob pressão - o líquido dentro do tubo está sob pressão, positiva ou negativa, e preenche toda a seção do tubo. Ex: água fria, incêndio e água quente. Perda de Carga - resistência ao movimento da água. Pode ser: a) Localizada - o choque entre as partículas causam turbulências. água ar RUGOSIDADE b) Distribuídas - atrito ao longo da tubulação As principais causas da perda de carga são: - Traçados de tubulações: quanto maior o comprimento da rede, maior será a perda de carga. - Número de conexões: quanto mais conexões, maior será a perda de carga. - Rugosidade: quanto mais rugosas forem as paredes internas dos tubos, maior será a perda de carga. - Quanto menor forem os diâmetros dos tubos, maior será a perda de carga. Tipos de Instalação a) Tubulações suspensas ou aéreas: - Fixar com abraçadeiras ou suportes. - Mais utilizadas para instalações de água fria e esgoto. L L 20 mm 1/2” 0,80 metro 25 mm 3/4” 0,90 metro 32 mm 1” 1,10 metro 40 mm 1 1/4” 1,30 metro 50 mm 1 1/2” 1,50 metro 60 mm 2” 1,60 metro 75 mm 2 1/2” 1,90 metro 85 mm 3” 2,10 metro 110 mm 4” 2,50 metro DIÂMETRO SOLDÁVEL ESPAÇAMENTO DIÂMETRO ROSCÁVEL (máx.) P
  7. 7. 7 b) Tubulações enterradas: - Assentadas em: terreno resistente ou sobre base apropriada, sem detritos nem materiais pontiagudos - Mais utilizadas para instalações de esgoto. c) Tubulações embutidas: - Ficam independentes da alvenaria. - Devem permitir movimentação. - Deixam uma abertura na alvenaria maior que a do diâmetro do tubo. de de PAREDES LARGAS PAREDES ESTREITAS Sistemas de Água Fria Conjunto de tubulações e dispositivos destinados ao abastecimento dos pontos de água da edificação. Componentes - Ambiente externo: entrada de água. - Ambiente interno: instalação e distribuição. a) Ambiente externo - Executado pela concessionária pública. - Colocação do kit cavalete e hidrômetro - medidor de consumo Rua Rede pública de água Ramal predial Caixa para registro de calçada Muro Registro Hidrômetro Abrigo do cavalete Cavalete b) Ambiente interno - Instalação predial - fica toda a tubulação dentro da edificação. - Distribuição de água - são 3 tipos: Direto, Indireto e Misto. Produtos 1) Tubos e Conexões Soldáveis de PVC - aplicados na instalação de água fria permanente. A união é feita por solda com adesivo plástico. - PVC - cor marrom - 3 e 6 metros - DN 20 até 110 mm - pressão 75 m.c.a. - temperatura 20°C Adesivo Plástico Bisnaga Curva 90º Tubo de PVC Luva Junta Soldável Materiais utilizados - Tubos soldáveis - Conexões para tubos soldáveis - Solução limpadora - Adesivo plástico - Estopa - Lixa d’água Execução da Junta Soldável a) Corte o tubo no esquadro e chanfre a ponta. b) Lixe a extremidade do tubo e o interior da conexão até tirar o brilho, para melhorar a aderência do Adesivo plástico. INTRODUÇÃOÀHIDRÁULICA
  8. 8. 8 Introdução à Hidráulica c) Limpe as superfícies lixadas com Solução Limpadora, eliminando impurezas e preparando o PVC para a soldagem. d)Apliquecompinceluma camada fina e uniforme de Adesivo Plástico na parte interna da bolsa e na parte externa do tubo, cobrindo um terço de ambas as partes. Obs.: não exagere na quantidade de Adesivo Plástico. O excesso ou a falta de adesivo é prejudicial! f) Retire o excesso de Adesivo Plástico e deixe secar. g) Aguarde uma hora para liberar o fluxo de água e no mínimo 12 horas para fazer um teste de pressão, assim é possível assegurar que a junta foi bem feita. Manutenção com luvas simples - Permite consertar os tubos no próprio local do vazamento, quando o rompimento for pequeno. a) Remova o revestimento da parede. b) Retire um segmento do tubo danificado no tamanho um pouco menor do que a luva. d) Limpe as partes lixadas com a Solução Limpadora. f) Vista a luva em um pedaço do tubo e depois no outro. g) Para finalizar, refaça o reboco e o revestimento da parede. 2) Tubos e Conexões Roscáveis de PVC - aplicados na instalação de água fria. Fácil desmontagem ou remanejamento. União com Fita Veda-Rosca. - PVC - Cor branca - 6 metros - DN 1/2” até 2” - Pressão 75 m.c.a. - Temperatura 20°C - Maior espessura de parede em relação à linha soldável para compensar a parte perdida na abertura da rosca. Junta Roscável Materiais utilizados - Tubos roscáveis - Conexões para tubos roscáveis - Fita Veda-Rosca - Tarraxa - Morsa - Lixa d’água Tubo de PVC Luva Fita Veda-Rosca Curva 90º e) Una as duas partes forçando o encaixe até o fundo da bolsa. c) Após o corte, retire as rebarbas das pontas do tubo utilizando uma rasqueta ou lixa d’água, e lixe as pontas e as bolsas da luva. e) Passe o Adesivo Plástico nas pontas dos tubos e na luva.
  9. 9. 9 Execução da Junta Roscável a) Fixe bem o tubo na morsa a 15 cm da ponta, sem apertar para não ovalizar ou deformar. b) Posicione-se em frente à morsa para certificar que a serra está reta em relação ao tubo. c) Retire as rebarbas com o uso de uma rasqueta ou lixa d’água. d) Faça a rosca no tubo usando a tarraxa para PVC. Obs: não utilize os modelos de tarraxa para tubos de aço, pois podem danificar o PVC. e) Encaixe a tarraxa no tubo pelo lado da guia e gire uma volta para a direita no sentido horário, retornando um quarto de volta para eliminar as rebarbas do corte. f) Repita até que a ponta do tubo fique rente ao cossinete. g) Limpe bem e aplique a Fita Veda-Rosca no sentido da rosca, ou seja, no sentido horário. Se eventualmente houver uma rosca esquerda, deve-se passar a fita veda-rosca no sentido anti-horário. h) Fique atento para que cada volta ultrapasse a outra em 0,5 cm, num total de voltas suficiente para vedar totalmente à junta. i) Instale a conexão realizando aperto manual. Na execução da junta roscável, não é a força do aperto que faz a vedação, mas sim o material certo bemaplicado. 3) Registros de PVC - 12 opções de bitola: 6 roscáveis e 6 soldáveis. - Temperatura máxima 60 °C. - Pressão até 16 kgf/cm². REGISTRO DE ESFERA EM PVC Nº DESCRIÇÃO MATERIAL 1 Volante PVC 2 Vedação EPDM 3 Haste PVC 4 Corpo PVC 5 Assento da esfera PTFE+PE 6 Esfera PVC 7 Vedação do corpo EPDM 8 Suporte da esfera PVC 9 Vedação da flange EPDM 10 Bolsa destacável PVC 11 Porca da bolsa PVC Instalação a) Determine o alinhamento da tubulação, retire a porca e a bolsa destacável. Observe o sentido do fluxo de água orientado no corpo do produto. b) Faça a junta soldável ou roscável. INTRODUÇÃOÀHIDRÁULICA
  10. 10. 10 Introdução à Hidráulica c) Coloque a porca do registro na outra ponta do tubo. d) Solde ou rosqueie a ponta destacável. e) Mantenha o registro na posição fechado, una as partes e faça o aperto manual. Sistemas de Água Quente Fornece água quente nos pontos de consumo, utilizando a tubulação de entrada de água da instalação de água fria. Tipos de aquecimento a) Individual local - Água quente é fornecida em um ponto de consumo. Ex: duchas elétricas. b) Central privado - aquecedores residenciais Ex.: Aquecedor de acumulação de passagem. c) Central coletivo - aquecedores centrais da edificação. Produtos 1) Aquecedores - Aumentam a temperatura da água que será fornecida. a) Classificação por tipo de funcionamento - são 2 modelos: •Aquecedordepassagem: nãoarmazenaaágua quente,apenasaquece quandoelapassa. •Aquecedordeacumulação: armazenaaáguaquenteem reservatóriosconhecidos como“boilers”. b) Classificação por tipo de alimentação - são 3 modelos: • Aquecedor a gás natural ou elétrico: Instalação - em local com ventilação e chaminé. Manutenção - no mínimo uma vez por ano. • Aquecedor Solar: - Utiliza a luz solar como fonte de energia. - A captação da energia solar é feita por placas colocadas sobre o telhado, que retém o calor e aquece a água. Depois essa água fica armazenada no “boiler” pronta para o uso. - Precisa ter um sistema de aquecimento complementar.
  11. 11. 11 alimentação dos coletores solares consumo alimentação de água fria respiro (suspiro) CAIXA D’ÁGUA BOILER (reservatório térmico) retorno de água quente dos coletores COLETORES SOLARES 2) Tubos e Conexões Amanco PPR - para condução de água quente e fria. - Permite execução de curvas longas / desvios. -União por termofusão: uso da termofusora para união molecular a uma temperatura de 260ºC.molecular a uma temperatura de 260ºC. Classes de Pressão PN 12 - água fria com 27°C a 100 m.c.a. - marcação linha azul. PN 20 - água quente e água fria com até 80°C a 40 m.c.a. com picos de 95°C - marcação linha amarela. PN 25 - água quente e água fria com até 80°C a 60 m.c.a. com picos de 95°C - marcação linha vermelha. Conexões - são todas PN 25 para água quente e água fria. Sistemas de Esgoto Coletam, conduzem e afastam da edificação os despejos do uso dos aparelhos sanitários, levando para a rede pública. NBR 8160 recomenda que: - Evite a contaminação da água potável. - Tenha fácil acesso à inspeção. - Impeça retorno de gases. - Seja separado do sistema de águas pluviais. Partes do Sistema - Instalação secundária. - Instalação primária. - Ventilação. Produtos 1) Caixas: de Inspeção, de Gordura e Sifonadas. INTRODUÇÃOÀHIDRÁULICA
  12. 12. 12 Introdução à Hidráulica 2) Tubos e conexões esgoto de PVC a) Série Normal (SN) - Cor branca. - 3 e 6 metros. - DN 40 junta soldável. - DN 50, 75, 100 e 150 - bolsa dupla atuação. - Escoamento livre. - Temperatura até 45°C. Curva 90º Curta Luva Simples Tubo de PVC Esgoto Luva Simples Pasta LubrificanteTubo de PVC Esgoto b) Série Reforçada (SR) - PVC reforçado. - Cor cinza. - 3 e 6 metros. - DN 40 até 150 - bolsa dupla atuação. - Temperatura até 75°C. - Escoamento livre. - Intercambiável com série normal. Comparativo de Espessuras 40 50 75 100 150 1,2 1,6 1,7 1,8 2,5 1,8 1,8 2,0 2,5 3,6 2,3 2,3 2,6 3,2 4,6 Diâmetro Nominal (DN) Série Reforçada SR (mm) Linha Silentium (mm) Série Normal SN (mm) Bolsa de Dupla Atuação • Junta Soldável Segue os mesmos procedimentos e materiais utilizados da execução da junta soldável para tubos de água fria. • Junta Elástica Materiais utilizados - Tubos de esgoto SN. - Conexões para tubos de esgoto SN. - Anel de vedação O’ring. - Pasta lubrificante. Passo a Passo 1) Limpe com uma estopa e Solução Limpadora a ponta e a bolsa que serão unidas, princi- palmente na virola de encaixe do anel de vedação. 2) Marque na ponta do tubo a profundidade da bolsa. 3) Encaixe o anel de vedação na virola da bolsa do tubo, mas observe que o anel não pode ficar torcido. 4) Aplique uma camada de pasta lubrificante na ponta do tubo e na parte visível do anel de vedação. 5) Introduza a ponta do tubo, forçando o encaixe até o fundo da bolsa. Depois, recue o tubo em aproximadamente 1 cm para permitir eventuais dilatações.
  13. 13. 13 01 01 15 14 06 06 03 02 03 05 01 11 07 16 01 10 04 c) Linha Amanco Silentium Primeira solução para reduzir o ruído nas instalações hidráulicas. c) Linha Amanco Silentium Primeira solução para reduzir o ruído nas instalações hidráulicas. Sistemas de Águas Pluviais Águas pluviais são as águas originadas a partir das chuvas. Esse sistema recolhe águas da chuva e conduz para fora da edificação. - Não é permitido ligar o sistema de águas pluviais a outros sistemas prediais como de água fria e esgotos. Componentes a) Coberturas Protege as áreas construídas contra a ação do tempo Ex: telhados, marquises, terraços, etc. Chuva Calha platibanda Chuva Condutores verticais Desagua na guia Calha beiral Condutor horizontal 1 Água 2 Águas Beiral Platibanda b) Calhas e condutores Recolhem as águas das coberturas e levam para o sistema público: - Sarjetas. - Redes de drenagem. 01 – Perfil 02 – Condutor Vertical 03 – Abraçadeira 04 – Emenda 05 – Joelho 90° 06 – Joelho 60° 07 – Cabeceira Esquerda 08 – Cabeceira Direta 09 – Esquadro Interno 10 – Esquadro Externo 11 – Suporte em PVC 12 – Suporte Dobrado 13 – Suporte Metálico 14 – Acoplamento 15 – Bocal 16 – Vedação INTRODUÇÃOÀHIDRÁULICA - Os produtos dessa linha são fabricados em PVC mineralizado, mais denso. - Faz o isolamento acústico. - Tem aumento da espessura do tubo. - Cor laranja Possui junta elástica bilabial integrada (JEBI).
  14. 14. 14 Introdução à Hidráulica Sistemas de Reservação Reservatórios para armazenamento de água potável, águas pluviais ou água de poço. Caixas dʼágua - Nunca devem ser enterradas. - Limpeza a cada 6 meses. 310L 500L 750L 1.750L 2.500L 6.000L 8.000L 1.0000L 12.000L 15.000L1.000L Cisternas - Só podem ser enterradas. - Limpeza a cada 6 meses. Manutenção dos Sistemas Requer inspeção visual inicial para verificar: - Estado de conservação. - Corrosão. - Vazamentos. - Alinhamento. - Condição das juntas. - Peças rompidas. Tipos 1) Preventiva Realizada para eliminar problemas futuros. 2) Corretiva Corrige problemas existentes, porém é considerada cara e gera alguns transtornos. Na maioria das vezes, os problemas surgem devido à má execução na instalação ou manutenção. Exposição ao sol - Perdem resistência à pressão. - Sofrem descoloração e ressecam, reduzindo a resistência ao impacto. Entrada de Ar na Tubulação - Causa falta de água em pontos internos da residência. - Para detectar, verificar sifões invertidos e a falta de respiro ou suspiro na caixa d’água, Tensionamento por instalação fora de prumo - Partes internas e flanges fragilizados. - Rompimento pelo deslocamento da tubulação. Bolsas/curvas feitas por aquecimento - Fragilizam as instalações. - Perdem resistência à pressão. - Causam rupturas. Excesso de adesivo - Fragiliza as partes internas. - Reduz o diâmetro interno. - Causa rompimento por fadiga.
  15. 15. 15 2) Coloque imediatamente um copo cheio de água na boca da torneira. 3) Se existir sucção da água do copo pela torneira, é sinal que existe vazamento no tubo alimentado diretamente pela rede. c) Tubos Alimentados pela Caixa dʼÁgua 1) Feche todas as torneiras da casa alimentadas pela caixa d’água e não utilize os sanitários. 2) Feche a torneira de boia da caixa d’água. 3) Marque no reservatório o nível da água e, após uma hora, verifique se ele baixou. Detecção de Vazamentos Gotejando 46 Litros/Dia = 1.380 Litros/Mês = 16.560 Litros/Ano Filete 2 mm 138 Litros/Dia = 4.140 Litros/Mês = 50.370 Litros/Ano Bacia sanitária 442 Litros/Dia = 13.260 Litros/Mês = 159.120 Litros/Ano Algumas dicas para detectar vazamentos podem ser seguidas quando iniciamos a inspeção em uma residência. a) Hidrômetro Tensionamento por excesso de aperto - Observe as marcas de chave de grifo na peça. - Compromete a resistência do produto. - Deforma o fundo da rosca. Ruptura por impacto na tubulação - Apresenta linha de rompimento em forma de estrela. - Trincas e rupturas. 1) Abra todos os registros e feche todas as torneiras. 2) Anote o valor inicial do hidrômetro. 3) Depois de uma hora, verifique se o número mudou ou se o ponteiro se movimentou. 4) Se isso aconteceu, há algum vazamento na casa. b) Tubos Alimentados Diretamente pela Rede Pública 1) Feche os registros, abra uma torneira alimentada diretamente pela rede pública e espere a água parar de sair. 4) Se abaixou, há vazamento na tubulação alimentada pela caixa d’água. d) Bacia Sanitária 1) Jogue cinzas (de cigarro ou borra de café, por exemplo) na bacia sanitária. 2) Se elas ficarem deposi- tadas no fundo da bacia, não existe vazamentos. 3) Se houver movimen- tação, existe vazamento na válvula ou na caixa de descarga. INTRODUÇÃOÀHIDRÁULICA
  16. 16. 16 Sistemas de Água Fria e Caixas D’água Capacitar o profissional a executar instalações de sistema de água fria e reservatórios, conhecer os tipos de cisterna de abastecimento e formas corretas de manuseio, cuidados no transporte e armazenagem dos produtos. Planeta Água Cerca de 70% do planeta Terra é coberto por água. Ciclo da Água Condensação - é uma das fases em que ocorre a transformação da matéria, do estado gasoso para o estado líquido. Evaporação - fenômeno no qual átomos ou moléculas no estado líquido (ou sólido, se a substância sublima) ganham energia suficiente para passar ao estado vapor. Evapotranspiração - perda de água do solo por evaporação e a perda de água da planta por transpiração. Precipitação - chuva (precipitação meteorológica) Infiltração - é quando a água da chuva penetra pelo solo, abastecendo o lençol freático. Escoamento - é o trajeto da água da chuva pela superfície do solo. Objetivo do Curso Sistemas de Água Fria e Caixas d’água Conteúdo Técnico Sistema de Água Fria Conjunto de tubulações, equipamentos, reservatórios e dispositivos destinados aos pontos de utilização de água da edificação. Podendo ser alimentada de duas formas: - Abastecimento público - Abastecimento privado Para esse tipo de instalação também existe uma norma que é a NBR 5626, que recomenda: - Preservar a potabilidade da água. - Promover economia de água e energia. - Garantir o fornecimento contínuo de água. - Evitar ruídos. Componentes - Ambiente externo: entrada e fornecimento de água pela rede pública. - Ambiente interno: instalação e distribuição da água dentro da edificação. Ambiente Externo - Executado pela concessionária pública. - Colocação do kit cavalete e hidrômetro (medidor de consumo). Poço Artesiano e Semi-Artesiano* Também utilizado para o abastecimento predial de água na edificação. Para sua utilização, é preciso ter a outorga de direito de uso, ou seja, autorização junto ao órgão responsável. Após o processo de outorga, é necessário apresentar mensalmente análises de água junto à Prefeitura. *Necessita de uma bomba para recalcar a água. Rua Rede pública de água Ramal predial Caixa para registro de calçada Muro Registro Hidrômetro Abrigo do cavalete Cavalete
  17. 17. 17 Corte do poço semi-artesiano Ambiente Interno - Instalação predial, toda tubulação dentro da edificação. - Sua distribuição de água pode ser direta, indireta e mista. Distribuição Direta - Alimentação direta da rede pública, sem reservatório. - Equipamentos hidráulicos abastecidos com a água da rua. - Baixo custo. - Pode ocorrer falta de água. - Pressão da água não é constante. Distribuição Indireta - Alimentação feita por reservatório superior. - Água da rua sobe até a caixa d’água e é distribuída para a edificação. - Na falta de água da rua, utiliza-se o reservatório superior, podendo ser: • Sem Bombeamento A pressão da água na rede pública alimenta o reservatório superior. • Com Bombeamento A pressão da água na rede pública não é capaz de alimentar o reservatório superior. Usa-se o reservatório inferior. pública de água Ramal predial Caixa para registro de calçada Cavalete ÁGUA DA REDE PÚBLICA Coluna de distribuição Ramal Ramal predial Alimentador predial RI Estação elevatória Tubulação de recalque RS Barrilete Sub-Ramal Cavalete /hidrômetro • Hidropneumático Necessário determinar uma pressão fixa, importante utilizar um pressurizador. Distribuição Mista Alimentação da rede predial é feita: - Parte pela rede pública. - Parte pelo reservatório superior. rede pública medidor (cavalete) caixa d’água vai para quintal lavabo cozinha banho 5050 3225 32 25 25 25 Conceitos de Hidráulica - Vasos comunicantes. - Pressão. - Vazão. - Velocidade. - Perda de carga. - Golpe de aríete. Verificar os conceitos no curso de Introdução à Hidráulica, onde são explicados com maior ênfase. LAJE CIMENTAÇÃO SOLO FILTRO RECALQUE COMANDO ROCHAS BOMBA SUBMERSA ÁGUAFRIAECAIXASD’ÁGUA
  18. 18. 18 Sistemas de Água Fria e Caixas D’água Tubos e Conexões da Linha Soldável Tubos e Conexões da Linha Roscável O sistema é composto por tubos de PVC, na cor marrom, com comprimentos comerciais de 3 e 6 metros, nos diâmetros de 20, 25, 32, 40, 50, 60, 75, 85 e 110 mm. Os tubos estão dimensionados para pressão de serviço de 750 kPa (= 7,5 kgf/cm² = 75 m.c.a.) à temperatura de 20°C. É aplicado em instalações prediais de água fria permanentes, embutidas em paredes ou aparentes em locais cobertos. Junta soldável - a união do sistema é feita através da solda com adesivo plástico. Adesivo Plástico Bisnaga Curva 90º Tubo de PVC Tubo de PVC Luva Curva 90º Fita Veda Rosca O sistema é composto por tubos de PVC, na cor branca, com comprimento comercial de 6 metros, nos diâmetros de 1/2”, 3/4”, 1”, 1 1/4”, 1 1/2” e 2” (referencial). Os tubos estão dimensionados para pressão de serviço de 750 kPa (= 7,5 kgf/cm² = 75 m.c.a.) à temperatura de 20°C, mas possuem paredes com espessuras maiores que a linha soldável para compensar uma parte da espessura da parede que é perdida ao efetuar a abertura de rosca. O sistema é aplicado em instalações prediais de água fria, instalações provisórias ou em locais que necessitem ser desmontados com frequência. Junta Roscável - a união do sistema é feita por rosca utilizando a fita veda-rosca. Componentes do Sistema de Água Fria 1) Ladrão ou extravasor - Cálculo em função da vazão e perda de carga. - Normalmente uma bitola acima da de abastecimento. - Limpeza no mínimo ø 32 mm. 2) Colar ou barrilete Conjunto de tubulações de saída ramificado ou simplificado, usando a hipótese mais desfavorável. 3) Coluna de distribuição Conjunto de tubulações que partem do barrilete e descem alimentando os ramais - cálculo para determinar diâmetro. 4) Ramais de distribuição - Tubulações derivadas das colunas de distribuição, chegando aos sub-ramais. - Dimensionamento trecho a trecho. 5) Sub-ramais - São tubulações que fazem a ligação dos ramais até os pontos de utilização. - Chuveiros e lavatórios: DN 20 mm ou ½’’. - Tanques: DN 25 mm ou ¾’’. - Válvulas de descarga: DN 50 mm ou 1 ½’’ (BP) / DN 40 mm ou 1 ¼’’ (AP).
  19. 19. 19 Dimensionamento O dimensionamento de um sistema de água fria é realizado para determinar as bitolas dos tubos que serão utilizados na rede. Exemplo: qual o diâmetro dos tubos que serão utilizados em um banheiro com: - 1 bidê. - 1 chuveiro. - 1 lavatório. Resolução 1) Consulte a Tabela de Diâmetro Mínimo dos Sub-Ramais: - 1 bidê. - 1 chuveiro. - 1 lavatório. Aquecedor de alta pressão Aquecedor de baixa pressão Banheira Bebedouro Bidê Caixa de descarga/Caixa acoplada Chuveiro Filtro de pressão Lavatório Máquina de lavar pratos ou roupas Mictório autoaspirante Mictório não-aspirante Pia de cozinha Tanque de lavar roupas Válvula de descarga APARELHO SANITÁRIO DIÂMETRO MÍNIMO DOS SUB-RAMAIS DN (mm) Ref. (pol.) 20 25 20 20 20 20 20 20 20 25 32 20 20 25 40 1/2 3/4 1/2 1/2 1/2 1/2 1/2 1/2 1/2 3/4 1 1/2 1/2 3/4 1 1/4 Aquecedor de alta pressão Banheira Bidê Caixa de descarga Chuveiro Lavatório Pia de cozinha Tanque de lavar roupas Válvula de descarga DIÂMETRO MÍNIMO DOS SUB-RAMAIS DN (mm) Ref. (pol.) 20 20 20 20 20 20 20 25 40 1/2 1/2 1/2 1/2 1/2 1/2 1/2 3/4 1 1/4 2) Determine o Diâmetro Mínimo dos Sub-Ramais dos aparelhos sanitários que o banheiro contém: 3) Com os valores dos diâmetros mínimos já determinados, consulte a Tabela de Equivalência: Nº de Equivalência 1/2” 3/4” 1” 1 1/4” 1 1/2” 2” 2 1/2” 3” 4” 1,0 2,9 6,2 10,9 17,4 37,0 65,5 110,5 169,0 O ÁGUAFRIAECAIXASD’ÁGUA
  20. 20. 20 Sistemas de Água Fria e Caixas D’água 4) Some os números equivalentes dos aparelhos sanitários que estão no banheiro: Somar as equivalências Nº de Equivalência 1/2” 3/4” 1” 1 1/4” 1 1/2” 2” 2 1/2” 3” 4” 1,0 2,9 6,2 10,9 17,4 37,0 65,5 110,5 169,0 Nº de Equivalência 1/2” 3/4” 1” 1 1/4” 1 1/2” 2” 2 1/2” 3” 4” 1,0 2,9 6,2 10,9 17,4 37,0 65,5 110,5 169,0 Bidê 1/2” 1,0 Chuveiro 1/2” 1,0 Lavatório 1/2” 1,0 Nº de EquivalênciaO + 3,0 Nº de Equivalência 3,0 5) Escolher o primeiro número equivalente maior que o valor encontrado na soma: Neste banheiro, serão utilizados sub-ramais de 1”. Reservatório - Cálculo de Volume Consumo Diário Cd = P x q Cd = Litros/dia P = População que ocupará a edificação q = Consumo por pessoa (adotar 200 litros) O O Capacidade do Reservatório (CR) CR = 2 x Cd 60% = RESERVATÓRIOS INFERIORES 40% = RESERVATÓRIOS SUPERIORES Exemplo: calcular o volume dos reservatórios em uma edificação com: - 2 pavimentos - 2 aptos./pavimento - 2 quartos/apto. - 2 pessoas/quarto P = (2 x 2) = 4 pessoas/apto. x 2 aptos. P = 8 pessoas Cd = 8 x 200 litros/dia = 1.600 litros/dia CR= 2 x 1.600 = 3.200 litros/pavimento 2 pavimentos = 6.400 litros Caixas dʼÁgua Saída e Componentes entrada torneira de bóia boia base totalmente plana (lisa) e nivelada *Conforme projeto. barrilete* barrilete* barrilete* flange descarga tubo extravasor (ladrão)ramal entrada - Extravasor (Ladrão) - tem a função de evitar o transbordamento. - Torneira de boia - usualmente utilizada quando o abasteci- mento ocorre gravidade. - Saída e limpeza - dependem da posição e do tamanho da caixa. - Barrilete - conjunto de tubulações originadas do reservatório superior e que alimenta as colunas de distribuição.
  21. 21. 21 Tipos de Reservatório São 2: - Moldados in Loco: reservatórios construídos na própria obra. Podem ser de concreto armado ou alvenaria. - Industrializados: construídos basicamente de fibrocimento, metal, polietileno ou fibra de vidro, sendo utilizados para pequenas médias reservas. Amanco Tinaplas – Dupla Camada Medidas aproximadas Capacidade (L) Altura (cm) Diâmetro (cm) Peso (Kg) Peso caixa c/ água 310 70 90 10,3 320,3 500 70 120 16,4 516,2 750 75 140 21,1 771,1 1.000 90 140 25,15 1.025,15 1.750 110 160 37,1 1.787,1 2.500 175 150 50,5 2.550,5 6.000 230 200 113,9 6.113,9 8.000 215 235 151,9 8.151,4 10.000 255 235 190,7 10.190,7 12.000 305 235 239,7 12.239,7 15.000 360 235 310,6 15.310,6 Medidas aproximadas Capacidade (L) Altura (cm) Diâmetro (cm) Peso (Kg) Peso caixa c/ água 310 70 90 9,3 319,3 500 70 120 14,4 514,4 750 75 140 18,6 768,6 1.000 90 140 22,2 1.022,2 1.750 110 160 32,6 1.782,6 2.500 175 150 44,25 2.544,25 6.000 230 200 99,9 6.099,9 8.000 215 235 132,9 8.132,9 10.000 255 235 167,0 10.167,0 12.000 305 235 210,0 12.210,0 15.000 360 235 271,8 15.271,8 1ª Camada (Cinza): proteção exterior que evita a passagem de luz, com aditivos para resistência ao raio ultravioleta (UV), e agentes antioxidantes (AO). 2 ª Camada (Branca): conserva melhor a temperatura da água e proporciona visibilidade na limpeza. Aditivada também com antioxidantes (AO) e proteção anti-UV. Amanco Tinabras – Tripla Camada 1ª Camada (Bege): proteção exterior que evita a passagem de luz, com aditivos para resistência ao raio ultravioleta (UV), e agentes antioxidantes (AO). 2ª Camada (Preta): proteção total contra os raios solares, evitando o desenvolvimento de musgos, colônias de bactérias e outros micro-organismos. 3ª Camada (Branca): conserva melhor a temperatura da água e proporciona visibilidade na limpeza. Aditivada também com antioxidantes (AO) e proteção anti-UV. Cisterna - Reservatório de polietileno de alta densidade para instalações hidráulicas residenciais e comerciais. - Tem como função garantir a reserva de água potável (rede pública) para o consumo na eventual falta de abastecimento. - Pode ser utilizada também para armazenar águas pluviais ou de poços. - Só pode ser instalada enterrada. ÁGUAFRIAECAIXASD’ÁGUA
  22. 22. 22 Sistemas de Água Fria e Caixas D’água 3 4 5 6 21 1,2,3: Locais para perfuração opcionais. Furação realizada em fábrica nas caixas d’água até 1.000 litros. 4,5,6: Passo a Passo Instalação Caixa DʼÁgua 1) Coloque a caixa em uma superfície plana e nivelada. 2) Retire a tampa superior. 3) Fure nos pontos indicados utilizando serra-copo compatível com o diâmetro dos flanges. 4) Faça no mínimo 3 furos: um para a entrada d’água, um para a saída d’água e um para o extravasor (ladrão). 5) Faça a fixação dos flanges nos furos apertando manualmente. 6) Se necessário, utilize uma chave de grifo para ajustá-los. Atenção! O uso de flanges com vedação de borracha dispensa vedação adicional, com silicone, por exemplo. 7) Lixe os flanges e a ponta dos tubos. Limpe as partes lixadas com solução limpadora e aplique o adesivo plástico. 8) Conecte os tubos nos flanges. 9) Faça a instalação da torneira de boia junto ao flange de entrada de água. 10) Passe fita veda-rosca na torneira e na boia. Fixe a torneira separada da boia. 11) Fixe a boia roscável na base. 12) Limpe a caixa com um pano úmido, em especial o lado interno, para garantir a retirada de partículas e outros resíduos. 13) Feche a tampa e conecte a caixa na rede hidráulica.
  23. 23. 23 Dicas de Instalação - Instalar sobre base plana (lisa), rígida e nivelada, sem contato com superfícies pontiagudas. - Não deve ser enterrada. - Para instalar 2 ou mais caixas em conjunto (vasos comunicantes), utilize o esquema abaixo: - Atenção ao uso incorreto de tubulações instaladas na parte inferior central das caixas d’água. Saída de água VálvulaVálvula Entrada de água (opcional) Extravasor (ladrão) Extravasor (ladrão) Entrada de água Base totalmente plana Atenção! - Não cimentar ou fixar a união entre as caixas. - Instalar extravasores (ladrão) em todas as caixas. Locais de instalação • Lajes: o local deve estar nivelado, isento de qualquer irregularidade e com área superior à base da caixa. • Sob telhados: ideal efetuar 2 pequenas aberturas em paredes opostasparacirculaçãoerenovaçãodoaraprisionadosobotelhado. Içamento O içamento das caixas d’água com mais de 10.000 litros deve ser realizado com roldanas. Para isso, você precisará: - 1 corda grande e resistente. - 2 pedaços de madeira que tenham o mesmo diâmetro da caixa d’água e uma roldana. • Circulação ao redor da caixa d’água: a caixa deverá ter uma distância de no mínimo 45 cm em relação a qualquer outro ponto fixo que possa ser considerado um obstáculo permanente, ou qualquer outro material, de forma a permitir que a pessoa circunde toda a caixa. Os filtros devem ser instalados sempre fora da edificação, de preferência próximos ao cavalete (hidrômetro) de entrada. Importante - sempre verifique: 1) Posição da boia. 2) Colocação do extravasor. 3) Colocação de telas de cobre no extravasor e na ventilação. 4) Apoio do reservatório sobre plano resistente. 5) Local de saída da água do extravasor. 6) Posicionamento das tubulações (esgoto x potável). Limpeza Programe com antecedência o dia da limpeza da caixa. - Pelo menos a cada 6 meses. - Usar água limpa e um pano ou esponja. - Esfregar para tirar o limo. - Não usar produtos químicos. borracha para revestimento dos apoios da escada pano Produtos Químicos roldana VISTA FRONTAL VISTA SUPERIOR madeira corda panopano Caixas d’Água Pequenas Caixas d’Água Grandes ÁGUAFRIAECAIXASD’ÁGUA - A instalação sobre perfis de madeira deve estar nivelada e sem espaçamento, feita com material que não sofra deformação com o tempo e seja resistente para suportar o peso da caixa cheia. - Não apoiar sobre vigas, estra- dos, grades ou perfis metálicos, seja qual for a capacidade volu- métrica dela.
  24. 24. 24 Norma ABNT NBR 8160 diz que esse sistema deve: - Evitar a contaminação da água potável. - Permitir o rápido escoamento dos esgotos. - Impedir que gases do interior do sistema de esgotos atinjam as áreas de utilização. - Permitir fácil acesso para inspeções. - Não misturar o sistema de esgoto com o de águas pluviais. É dividido em 3 partes: instalação primária, instalação secundária e ventilação. Sistemas de Esgoto Capacitar o profissional para conhecer as partes de um sistema predial de esgotos público e particular, executar instalações e fazer o dimensionamento. SistemaPredialdeEsgotos-temafunçãodecoletar,conduzir e afastar da edificação todos os despejos provenientes do uso dos aparelhos sanitários, conduzindo-os para a rede pública de coleta de esgotos ou para um sistema local. Objetivo do Curso Sistemas de Esgoto Conteúdo Técnico Esgoto Secundário Recebe os esgotos dos aparelhos sanitários e encaminha para um desconector, como sifões ou caixas sifonadas. - Não deve ter contato direto com os gases do esgoto. - Toda a instalação fica dentro do ambiente utilizado (banheiro, cozinha etc.). - Sempre utiliza DN 40. Componentes a) Aparelhos Sanitá- rios – fornecem água e fazem a coleta dos esgotos gerados. Ex: pias, banheiras, bacia, mictórios, tanques e bidês. b) Ramal de Descarga - Recebe os esgotos dos aparelhos sanitários e leva até o desconector. Ficam localizados dentro das áreas molhadas da residência. - Em banheiros – utiliza tubos e conexões de PVC DN 40. RAMAL DE DESCARGA Caixa de Inspeção Coletor Coletor Público Água de Lavagem Caixa Sifonada Caixa c/ Grelha Recalque Subcoletor Ramais de Descarga Ramais de Esgoto Coluna de Ventilação Primária Coluna de Ventilação Secundária Tubo de Queda
  25. 25. 25 d) Desconector Impede a passagem do esgoto para ao ambiente fechado, através da atuação do fecho hídrico. Ex: Caixas sifonadas, ralos sifonados e sifões. Fecho hídrico - é uma camada de água que bloqueia a passagem dos gases e de insetos. Essa camada de água deve ter no mínimo 5 cm. Atenção! A bacia sanitária é um aparelho sanitário e não tem ramal de descarga. - Não é ligada ao esgoto secundário. - É ligada direto ao esgoto primário. - Cozinha e áreas de serviço – Utiliza tubos e conexões de PVC DN 50, diâmetro ideal para evitar entupimento. c) Acessórios para Facilitar o Despejo Adaptador para Máquina de Lavar - Acopla a mangueira da máquina de lavar ao tubo de esgoto na parede - Evita o retorno de insetos e mau cheiro. Instalação 1) Lixar a bolsa interna do tu- bo e a parte externa da peça. 5) Acople na saída de esgoto e faça o aperto manual. 3) Solde a peça na parede. 2) Limpe com solução limpa- dora e aplique adesivo plás- tico. 6) Ajuste a canopla 4) Verifique se o anel de veda- ção está bem posicionado. • Não use fita veda-rosca. • Retire o plugue para fazer a ligação. Retorno dos gases Fecho hídrico Água após o uso 5cm Tubo de entrada de água - Devem ser protegidos contra possíveis pressões que ocorrem no interior da tubulação com um sistema de ventilação. - Todos os aparelhos sanitários devem ter um desconector instalado próximo a eles. Ex: Pias da cozinha: sifão. Bacia sanitária: água do fundo da bacia. SISTEMASDEESGOTO
  26. 26. 26 Sistemas de Esgoto Sifão Existem vários tipos: - Sanfonados universais - Duplos - Em “copo” - Em “s” H Sifão em “S” Sifão Universal H Sifão em “Copo” - Os sifões sanfonados solucionam problemas de alinhamento entre a pia e a tubulação de esgoto na parede. Ralos – existem ralos secos e ralos sifonados. - Ralos Secos: não têm fecho hídrico. Recebem água de pisos, terraços, sacadas e box. - Ralos Sifonados: Possuem sifonagem. Podem ter formato cilíndrico, cônico ou quadrado. Água após uso Retorno dos gases Fecho hídrico grelha Entrada de água Ralo Sifonado Quadrado Ralo Sifonado Cilíndrico Ralo Sifonado Redondo Ralo Sifonado Quadrado Caixas Sifonadas – recebem os esgotos do ramal de descarga e levam para o ramal de esgoto, iniciando a parte do esgoto secundário. Requerem sistema de ventilação.
  27. 27. 27 b) Prolongamento – segmento de tubo que prolonga o tamanho das caixas sifonadas, de gordura e de inspeção. c) Anti-infiltração - recolhe a água de infiltrações e leva para a caixa sifonada, evitando que o vazamento atinja o andar inferior. Condições de Instalação - Caixa enterrada - deve-se fazer um berço de areia ou concreto fraco para apoiá-la. Ex.: térreo de edificações. - Suspensa - deve-se utilizar abraçadeiras para a fixação. Instalação 1) Faça o alinhamento das tubulações de entrada e saída. 2) Nivele a caixa com o contrapiso, através de caixa de areia ou concreto magro. 3) Na tubulação de entrada, faça a solda com adesivo plástico. 4) Na tubulação de saída, faça a junta elástica. 5) Instale o porta-grelha com a colocação de espaçadores. 6) Faça o acabamento do piso. • Não utilize adesivo plástico. Complementos da Caixa Sifonada a) Antiespuma - evita a saída de espuma, insetos e mau cheiro pela grelha das caixas ou ralos sifonados. Boa solução para casos em que não tem ventilação no banheiro. Instalação Pode ser instalado em três situações diferentes: - Antes da concretagem da laje. - Após a concretagem. - Após a instalação da grelha. ANTES DA CONCRETAGEM DA LAJE 1) Fixe na fôrma de madeira 3) Lixe o tubo e o anti- infiltração. 2) Corte pedaços de tubo ou use o prolongamento. 4) Limpe com solução limpadora e aplique adesivo plástico. SISTEMASDEESGOTO
  28. 28. 28 Sistemas de Esgoto 5) Solde o segmento na parte superior do anti-infiltração. 3) Faça novo corte no prolon- gamento, para a borda ficar no máximo a 3 cm do contrapiso. 1) Retire o contrapiso em volta da grelha. 7) Utilize um formão e um martelo para cortar os suportes de fixação. 9) Solde outro segmento na parte inferior do anti- -infiltração. 11) Faça o contrapiso. 10) Instale a caixa sifonada, o porta-grelha e a grelha. 6) Faça a concretagem. 4) Lixe, limpe e solde um segmento na parte superior 2)Retireagrelhaeoporta- grelha.Seestiversoldado,corte. 8) Retire a fôrma, lixe e limpe as partes que serão soldadas. APÓS A CONCRETAGEM DA LAJE APÓS A INSTALAÇÃO DA GRELHA 1) Faça a concretagem e deixe um espaço na laje para o prolongamento. 5) Instale o anti-infiltração e preencha os espaços vazios e a parte superior do disco com argamassa de cimento. 5)Preenchaosespaçosvazios eapartesuperiordodiscocom argamassadecimento. 6) Instale a caixa sifonada e faça 3 cm de contrapiso acima da borda externa da aba. 6) Fixe o porta-grelha na altura do piso acabado. 3) Lixe, limpe e solde o segmento na parte superior do anti-infiltração. 2) Deixe a borda com um chanfro suficiente para acomodar a aba. 4) Quebre o concreto para deixar um espaço para o disco.
  29. 29. 29 Esgoto secundário Cx. sifonada Caixa de inspeção Coletor público Tubo de ventilação Coletor predial Esgoto primário Esgoto primário Esgoto Primário Recebe os esgotos da parte secundária e leva até a rede pública ou fossa séptica. - Contém gases do esgoto . - Isolada pelo fecho hídrico. - Recebe várias contribuições. Componentes a) Ramal de Esgoto - Recebe o esgoto do desconector e leva até o tubo de queda. - Sempre instalado na horizontal com certa declividade. - Bitola maior ou igual à DN 50. Caso especial - o ramal de esgoto da bacia sanitária deve ser maior ou igual a DN 100. Recomendações de Instalação - Pavimentos térreos: ligação através de caixas de inspeção. - Pavimentos superiores: ligação direta no tubo de queda. b) Tubo de Queda - tubulação vertical em edificações de 2 ou mais pavimentos. c) Subcoletor - tubulação horizontal que recebe o esgoto dos ramais de esgoto ou tubos de queda. - Diâmetro mínimo DN 100. - Instalar caixas de inspeção entre subcoletores. - Declividade 1%, ou até 0,5% dependendo do comprimento do subcoletor. - Recebe o esgoto dos ramais de esgoto e da bacia sanitária. - Bitola mínima - sem bacia sanitária DN 75. Com bacia sanitária, mínimo DN 100 para evitar efeito funil. - Nos pés da coluna pode ocorrer forte impacto pela queda de resíduos. Utilizar conexões reforçadas (série R). Curva Curta com Bolsas para pé de Coluna d) Coletor - tubulação final que liga a última caixa de inspeção e o coletor público ou fossa séptica. - Comprimento máximo 15 m. - Bitola mínima DN 100. - Declividade máxima 5%. - Evitar desvios para evitar perda de carga. Válvula de Retenção e) Válvula de Retenção - tem a função de evitar o retorno do esgoto da rede pública para a residência, assim como a entrada de insetos e roedores para dentro da residência através do esgoto. - Só libera o fluxo por um lado. SUB-COLETORES 1%DECLIVIDADE TUBO DE QUEDA RAMAL DE ESGOTO SISTEMASDEESGOTO
  30. 30. 30 Sistemas de Esgoto Instalação 1) Chanfre a ponta dos tubos e coloque os anéis. 3) Verifique o sentido do fluxo para fazer a instalação corretamente. 2) Aplique pasta lubrificante. 4) Acople os tubos e recue 5 cm de cada lado. 1) Coloque a caixa na vala e verifique o alinhamento. 2) Retire e faça um berço de areia ou concreto magro. f) Caixas - são dois tipos: caixa de inspeção e caixa de gordura. - Caixas de Inspeção: utilizada para verificar as condições da rede de esgoto em inspeção, facilitando a limpeza e desobstrução das tubulações. Quando instalar? - Na mudança de diâmetro, direção ou declividade. - Receber os esgotos de vários subcoletores. - Se o comprimento de coletores ou subcoletores for maior do que 12 m. Cuidados na Instalação: - Profundidade máxima 1 m. - Evitar locais de tráfego de veículos. Tipos - Plástico - quadrada, retangular ou circular. - Alvenaria de tijolos. - Concreto. - Caixas de Gordura: retém gorduras, graxas e óleos. Evita entupimentos. - Instalar em locais de fácil acesso e boa ventilação. - Grande volume. Porta tampa Tampa de inspeção Anel de vedação Prolongador Entrada de esgoto Saída para o esgoto Entrada de esgoto Entrada de esgoto Porta tampa Tampa de inspeção Anel de vedação Prolongador DN 300 Saída para o esgoto Sifão removível Entrada de esgoto Corpo da caixa de gordura - Tampa das caixas: deve ficar em local visível, no nível do terreno. Instalação das caixas A instalação das caixas de inspeção e gordura deve seguir os passos:
  31. 31. 31 3) Verifique o prolongamento para nivelar no piso e solde. 5) Faça a junta elástica nos tubos de saída. 7) Aterre com terra e areia e faça o acabamento do piso. 4) Solde os tubos de entrada. 6)Protejaoportatampacom plásticoecoloqueespaçadores. Ventilação - Impede que gases passem para o ambiente utilizado e levando-os para o ar livre. - Mantém o bom funcionamento dos fechos hídricos - Bitola mínima DN 75. - Obrigatória em qualquer instalação de esgoto primário (ABNT NBR 8160). A edificação pode ter somente ventilação primária ou conjunto de ventilação primária e secundária. Ventilação Primária É o prolongamento do tubo de queda acima da cobertura do prédio. Tubo ventilador primário - Alinhamento reto e vertical. - Extremidade do tubo deve ser aberta ao ar livre. - Proteger com barrilete ou colocar um terminal de ventilação. Ventilação Secundária É formada por tubulações independentes do sistema predial de esgoto, como ramais de ventilação e colunas de ventilação. Tubo ventilador Primário Tubo de Queda Coluna de Ventilação Ramal de Ventilação Ramal de esgoto Ramal de descarga Desconector - C.S Subcoletor Ramal de ventilação Caixa sifonada Coluna de ventilação Ramal de Ventilação – liga o desconector e o ramal da bacia sanitária na coluna de ventilação. Ramal de ventilação Junção 75 X 50 Tê 50 mm Ramal de esgoto 100 mm 50mm 50mm SISTEMASDEESGOTO
  32. 32. 32 Sistemas de Esgoto Coluna de Ventilação - tubulação vertical com a parte superior aberta ou ligada a um barrilete. Diâmetros mínimos: - Casas DN 50. - Edificações DN 75. - Aclive mínimo 1%: impede a entrada de esgoto no tubo. Barrilete de ventilação Tubo ou coluna de ventilação Telhados Laje Terraço Barrilete de ventilação Mínimo 30 cm Mínimo 30 cm Mínimo 2 m Tubo ou coluna de ventilação Barrilete de ventilação Tubo ou coluna de ventilação Terminal de ventilação para esgoto: tem a função de barrilete, protegendo o tubo de ventilação. - Fabricado em PVC com DN 50. Dimensionamento O dimensionamento de um sistema predial de esgotos é realiza- do através das UNIDADES HUNTER DE CONTRIBUIÇÃO (UHC). A UHC é a contribuição de esgoto que cada aparelho sanitário tem. Esse número é determinado pela Norma ABNT NBR 8160. Dados Iniciais - N°de Áreas de Coletas (quantidade de banheiros, cozinhas e outras áreas molhadas). - Tipos de Aparelhos Sanitários (bacia sanitária, chuveiro, lava- tórios). - Declividade mínima dos tubos na instalação - varia de acordo com o diâmetro do tubo: - 2% para tubulações com DN ≤ 75. - 1% para tubulações com DN ≥ 100. Ramal de Descarga - Bitola dada diretamente pela Tabela da NBR 8160. - O diâmetro mínimo permitido é DN 40. DNmin = Diâmetro Nominal Mínimo Devem ser consideradas as recomendações dos fabricantes para cada aparelho sanitário FONTE: ABNT NBR 8160 Bacia Sanitária Banheira de Residência Bebedouro Bidê Chuveiro de Residência Chuveiro Coletivo Lavatório de Residência APARELHO SANITÁRIO TABELA A - DIMENSIONAMENTO DO RAMAL DE DESCARGA DNmin do Ramal de Descarga Nº UHC 6 2 0,5 1 2 4 1 100 40 40 40 40 40 40 Bacia Sanitária Bidê Chuveiro de Residência Lavatório de Residência APARELHO SANITÁRIO SOMA TOTAL SOMA TOTAL TABELA A - DIMENSIONAMENTO DO RAMAL DE DESCARGA TABELA B - DIMENSIONAMENTO DO RAMAL DE ESGOTO DNmin do Ramal de Esgoto Nº UHC de contribuição 6 1 2 1 10 100 40 40 40 Nº máximo de UHC DNmin do Tubo 3 6 20 160 40 50 75 100 Ramal de Esgoto Determinado pela soma das UHC de todos os aparelhos que contribuem neste ramal. Em seguida, comparar com a Tabela B, e determinar o diâmetro nominal mínimo da tubulação. Exemplo 1: o banheiro de uma residência tem 1 bacia sanitária, 1 lavatório, 1 chuveiro e 1 bidê. Qual o DN do ramal de esgoto? 1. SOME AS UHC DOS APARELHOS SANITÁRIOS (VER TABELA A) ? 2. COMPARE A QUANTIDADE DE UHC COM A TABELA B 10 Ver Tabela B = DN 75 Pela Tabela B, verifica-se que o diâmetro mínimo que pode ser utilizado é DN 75. Resposta: utilizaremos DN 100 para este ramal, pois a tubulação de esgoto não pode reduzir de diâmetro. Como o ramal da Bacia Sanitária já é DN 100, todo o ramal de esgoto será DN 100. Tubo de Queda Dimensionado pela soma das UHC de todos os ambientes que contribuem nele. Em seguida, comparar com a Tabela C, e deter- minar o diâmetro nominal mínimo da tubulação. Exemplo 2: uma edificação tem 5 andares e o banheiro de cada
  33. 33. 33 residência contribui com 10 UHC. Qual o DN do Tubo de Queda desse banheiro? UHC = n°andares x contribuição de cada banheiro UHC = 5 x 10 = 50 Consulte a Tabela C, no item 4 ou mais pavimentos. Resposta: verifica-se que o tubo de queda terá diâmetro mínimo DN 75, mas será usado DN 100, porque neste tubo também está ligada a bacia sanitária DN 100. TABELA C - DIMENSIONAMENTO DO TUBO DE QUEDA DNmin do Tubo Nº máximo de UHC Até 3 pavimentos 4 ou mais pavimentos 40 50 75 100 150 200 250 300 4 10 30 240 960 2.200 3.800 6.000 8 24 70 500 1.900 3.600 5.600 8.400 Subcoletor e Coletor Predial Considera o número máximo de UHC e a declividade de instalação dos tubos, para selecionar o diâmetro na Tabela D. Exemplo 3: uma edificação de 5 andares tem 2 subcoletores. - Subcoletor 1 recebe os tubos de queda do banheiro 1 e 2 - Subcoletor 2 recebe tubo de queda da cozinha TQ Banheiro 1 TQ Banheiro 2 TQ Cozinha Subcoletor 1 Subcoletor 2 ColetorPredial Determine o diâmetro dos subcoletores e do coletor predial. Dados: UHC TQ cada banheiro = 50 UHC TQ da cozinha = 15 Declividade = 2% UHC Subcoletor 1 = UHC Banheiro 1 + UHC Banheiro 2 UHC Subcoletor 1 = 50 + 50 = 100 Como declividade é 2%, consultando Tabela D, o Subcoletor 1 tem DN 100. UHC Subcoletor 2 = UHC Cozinha = 15 Como declividade é 2%, consultando Tabela D, o Subcoletor 2 tem DN 100. UHC Coletor Predial = UHC Subcoletor 1 + UHC Subcoletor 2 = 100 + 15 = 150 Como declividade é 2%, consultando Tabela D, o Coletor Predial tem DN 100. Resposta: os dois subcoletores e o coletor predial terão diâmetro mínimo DN 100. TABELA D - DIMENSIONAMENTO DO SUBCOLETOR E COLETOR PREDIAL Nº máximo de UHCDNmin do Tubo 100 150 200 250 300 400 - - 1.400 2.500 3.900 7.000 0,5% 180 700 1.600 2.900 4.600 8.300 1,0% 216 840 1.920 3.500 5.600 10.000 1,5 % 250 1.000 2.300 4.200 6.700 12.000 2,0% SISTEMASDEESGOTO
  34. 34. 34 Sistemas de Esgoto Ramal de Ventilação O dimensionamento é imediato a partir da soma das UHC dos aparelhos sanitários contribuintes. Depois, consulte a Tabela E para obter o diâmetro mínimo do ramal de ventilação. Exemplo 4: O banheiro de uma residência tem contribuição de 10 UHC, incluindo a bacia sanitária. Qual o DN do Ramal de Ventilação? Resposta: de acordo com a Tabela E, para locais com bacia sanitária, até 17 UHC, o ramal de ventilação tem diâmetro mínimo DN 50. Barrilete e Coluna de Ventilação Para dimensionar é preciso saber: - Diâmetro nominal do tubo de queda ou ramais de esgoto. - Comprimento da coluna. - Número de UHC. Com esses dados, consulte a Tabela F e obtenha o diâmetro da coluna de ventilação. Exemplo 5: o tubo de queda de uma edificação de 70 m tem bitola 75 mm e UHC igual a 50. Qual o diâmetro da Coluna de Ventilação? Resposta: de acordo com a Tabela F, o tubo de ventilação tem diâmetro mínimo DN 75. TABELA E – DIMENSIONAMENTO DO RAMAL DE VENTILAÇÃO SEM BACIA SANITÁRIA Nºmáximode UHC Nºmáximode UHC DNmín do Ramalde Ventilação DNmín do Ramalde Ventilação COM BACIA SANITÁRIA TABELA F – DIMENSIONAMENTO DO BARRILETE E COLUNA DE VENTILAÇÃO DN do Tubo de Queda ou Ramal de Esgoto N°máx de UHC DNmín do Tubo de Ventilação 40 50 75 100 150 200 250 300 Comprimento Permitido (m) 40 40 50 50 75 75 75 75 100 100 100 100 150 150 150 150 200 200 200 200 250 250 250 250 300 300 300 300 46 30 23 15 13 10 8 8 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 61 46 46 33 29 26 11 8 7 6 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 317 247 207 189 76 61 52 46 10 8 7 6 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 299 229 195 177 40 31 26 23 10 7 6 5 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 305 238 201 183 73 57 49 43 24 18 16 14 9 7 6 5 - - - - - - - - - - - - - - - - 286 219 186 171 94 73 60 55 37 29 24 22 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 225 192 174 116 90 76 70 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 287 219 186 152 8 10 12 20 10 21 53 102 43 140 320 530 500 1.100 2.000 2.900 1.800 3.400 5.600 7.600 4.000 7.200 11.000 15.000 7.300 13.000 20.000 26.000 Até 12 13 a 18 19 a 36 40 50 75 Até 17 18 a 60 - 50 75 -
  35. 35. 35 Amanco Silentium Tubos que fazem a redu- ção do problema de ruídos nas edificações. Fossa Séptica Tratamento de esgotos individual para edificações que evita contaminação do solo e água e melhora saúde da população. Instalação No mínimo: 2,0 m de construções. 5,0 m de árvores. 20,0 m de rios, lagos etc. - Nível mais baixo do terreno. - Fazer limpeza anual. Amanco Silentium Tubos que fazem a redu- ção do problema de ruídos nas edificações. - Possuem amortecedores acústicos. - Compatível com os tubos de esgoto nor- mal (SN) e a tubos de esgoto série reforçada (SR) - Possui junta elástica bilabial integrada (JEBI). Caixa de inspeção Sumidouro 4 metros Fossa séptica Recomendações - Deve ser enterrada. - Não ficar perto da residência - evita mau cheiro. - Não ficar longe da residência - evitar tubulações longas. Função: separa e transforma a matéria sólida nos esgotos em um líquido não contaminante. Amanco Fossa Séptica - Possui filtro retentor de sólidos. - Volumes: 1.800, 3.000, 5.500, 10.000 litros. - Pronta para instalar. Dimensionamento O volume da fossa séptica depende do número de pesso- as na residência ou edificação. Sumidouro O dimensionamento do Sumidouro (diâmetro e profundidade) depende da quantidade de líquido lançado e do tipo de solo no local. Em geral utilizam-se sumidouros com 1 ou 2 m de diâmetro e 3 m de profundidade. Nº de Pessoas 5 10 20 45 7 14 30 60 1.800 3.000 5.500 10.000 120 180 230 255 160 160 200 235 Residencial Capacidade(L) Comercial Altura(cm) Diâmetro(cm) Tubo de entrada de esgoto Terra+Cimento Terra+Cimento Tubo de saída Líquidos filtrados Impróprio para o consumo humano e de animais filtro de Retenção Líquido Líquido Líquido Tampa de Acesso Lodo Tampa de entrada para limpeza Laje Laje SISTEMASDEESGOTO
  36. 36. 36 Soluções em Água Quente Capacitar o profissional a executar instalações, tipos de aquecedoresdesistemadeáguaquenteapresentandoconceitos do sistema e instruir sobre os cuidados de reparo, transporte e manuseio dos produtos. Instalações em Água Quente - Conjunto de equipamentos, fontes de energia e material. - Temperaturas próximas a 50°C e às vezes próximas de 80°C. - Devem ser projetadas para garantir fornecimento contínuo, preservar a qualidade proporcionando conforto e racionalizar o consumo. Características do PPR PPR – Polipropileno Copolímero Randon tipo 3 ProdutoprojetadodeacordocomaNormaISO15874,superando as especificações exigidas pela NBR 7198 referente ao Projeto e execução de instalações prediais de água quente. Objetivo do Curso Soluções em Água Quente Conteúdo Técnico Classes de Pressão Nominal e Utilização Os tubos Amanco PPR estão disponíveis nos diâmetros de 20, 25, 32, 40, 50, 63, 75, 90 e 110 mm, nas classes PN 20 e PN 25 para atender às instalações prediais de água quente. As características do sistema permitem realizar instalações hidráulicas nas mais variadas formas, possibilitando a execução de qualquer projeto hidráulico. Complementando o portfólio, a Amanco disponibiliza o PPR PN 12 para instalações prediais de água fria, nos diâmetros 32, 40, 50, 63, 75, 90 e 110 mm. As linhas PN 20 e PN 25 são identificadas pelas marcações amarela e vermelha, respectivamente. Veja as temperaturas de serviço em que o tubo Amanco PPR pode operar, mesmo com eventual desregulagem do aparelho de aquecimento: PPR PN20: 80°C a 40 m.c.a; suportando picos de 95ºC a 40 m.c.a. Tubo identificado pela linha amarela.¹ PPR PN25: 80°C a 60 m.c.a; suportando picos de 95ºC a 60 m.c.a. Tubo identificado pela linha vermelha. ¹ PPR PN12 (apenas para uso em instalações de água fria): até 100 m.c.a. para temperaturas médias de 27ºC. Identificado pela linha azul.² (1) Disponíveis no Ø 20,25,32,40,50,63,75,90 e 110 mm. (2) Disponíveis no Ø 32,40,50,63,75,90 e 110 mm. Adaptação de Projetos Devemos deixar claro que um projeto já feito para cobre não pode simplesmente ser convertido para o tubo Amanco PPR, sem a análise de algumas condições, como por exemplo, a equivalência de diâmetros. Para isso, devemos considerar as seguintes situações: - Projetos Pequenos: A instalação pode ser feita pelo próprio instalador, pois em bitolas menores é possível fazer a conversão de diâmetros direta, que deve seguir a tabela abaixo. Tabela de Conversão Direta DIÂMETRO COBRE DIÂMETRO COBRE DIÂMETRO PPR (em polegadas) (em mm) PN25 e PN20 (em mm) ½” 15 mm 20 mm ¾” 22 mm 25 mm 1” 28 mm 32 mm AMANCO PPR - PN20 e PN25 - Projetos Médios e Grandes (bitolas a partir de 35 mm): Deve-se entrar em contato com a Amanco para que seja auxiliado na conversão do projeto. SAC: 0800 701 8770 e-mail: atendimentotecnicoambr@amanco.com
  37. 37. 37 DIÂMETRO TEMPO DE AQUECIMENTO INTERVALO PARA ACOPLAMENTO TEMPO DE RESFRIAMENTO Instalação do PPR (Termofusão) 1) Apoie o Termofusor na bancada e limpe os bocais com um pano embebido em álcool em gel. 2) Corte os tubos com tesoura especial e retire as rebarbas. 3) Limpe a ponta dos tu- bos e a bolsa das cone- xões. 4)Marquenaextremidade do tubo a profundidade da bolsa da conexão. 5) Introduza os tubos e as conexões nos bocais. Cui- dado para não ultrapassar a marcação feita. 8) Introduza a ponta do tubo aquecido imediatamente na bolsa da conexão, até o anel formado pelo aquecimento do termofusor. Não se esqueça! • Limpe as extremidades do tubo e a bolsa da conexão antes de realizar a termofusão. • Faça a marcação da profundidade da bolsa nos tubos a serem termofundidos. • Ao introduzir tubo e conexão no bocal, respeite o tempo correspondente para cada diâmetro. 6) Retire o tubo e a conexão do termofusor, após o tempo mínimo de aquecimento. 9) Após a termofusão, num intervalode3segundosiniciais, pode-se alinhar a conexão em até15°(Nãogire). 7) Tempo de termofusão. Obs.: Esse tempo varia de acordo com a bitola, não importa a classe de pressão. Tabeladeintervalodetempodeaquecimentotermofusão 20 mm 25 mm 32 mm 40 mm 50 mm 63 mm 75 mm 90 mm 110 mm 5 segundos 7 segundos 8 segundos 12 segundos 18 segundos 24 segundos 30 segundos 40 segundos 50 segundos 4 segundos 4 segundos 6 segundos 6 segundos 6 segundos 8 segundos 8 segundos 8 segundos 10 segundos 2 minutos 2 minutos 4 minutos 4 minutos 4 minutos 6 minutos 6 minutos 6 minutos 8 minutos SOLUÇÕESEMÁGUAQUENTE
  38. 38. 38 Soluções em Água Quente Sistemas de Aquecimento O abastecimento de uma edificação pode ser efetuado de três formas distintas: - Aquecimento individual: ocorre quando alimenta uma única peça de utilização como, por exemplo, um chuveiro ou uma torneira elétrica. - Central privado: atende somente uma unidade habitacional, ou seja, alimenta vários pontos de consumo localizados em cozinhas, banheiros, áreas de serviço. Um exemplo desse tipo de sistema é o aquecedor de acumulação. - Central coletivo: ocorre quando um único conjunto de aquecimento alimenta várias unidades de um edifício, ou seja, várias peças de utilização de várias unidades habitacionais, ou de comércio e serviços. Exemplos: edifício residencial, hotel, hospital etc. Aquecedores Tem a função de elevar a temperatura da água, sendo que, para testes de funcionamento, a temperatura da água tem que chegar a 80ºC. Existem os aquecedores de passagem, onde não se estoca a água quente e os aquecedores com estocagem de água quente, denominados acumuladores. Tipo de Fontes de Calor - Aquecimento por uso de energia elétrica: é o sistema mais simples e mais usado, mas tem como grande inconveniente seu custo mais caro. Exemplos: chuveiros, torneiras elétricas e etc. - Aquecimento por uso do calor proveniente da queima de gás GLP ou por queima de gás natural: tende a ser o sistema mais barato no uso. Como desvantagem, apresenta o risco de vazamento, se não forem seguidas determinadas especificações e deve ser instalado em local com ventilação permanente. - Aquecimento por combustão de óleo diesel em caldeiras: gerando vapor, aquece a água do sistema predial por meio de trocador de calor. - Aquecimento solar: em horas ou épocas de pouca insolação, exige o uso associado de outro sistema de aquecimento. Nos dias de boa insolação, costuma atender bem a demanda, não precisando do trabalho complementar de outra fonte energética. - Aquecimento por queima de carvão ou madeira: apesar do desconforto de uso, ainda existem no país fogões a lenha ou a carvão. A água fria passa por serpentinas de cobre colocadas dentro da fornalha e com isso a água é aquecida, sendo enviada pela pressão até tanque elevado, de onde alimenta o sistema predial. Registros PPR A Amanco disponibiliza no mercado registros de pressão e gaveta de PPR, para drywall e alvenaria. Drywall Alvenaria Fixação - Pontos Fixos (Pf ): são abraçadeiras rígidas, constituídas por um elemento fixo, geralmente metálico, revestido de borracha e de um componente para fixar à edificação. pf. pf.pd. L L L pd. pd. pd. pd. pd. pd. pf. pf. pf. LL Ls Pƒ = Ponto fixo Pd = Ponto deslizante L = Distância entre apoios - Pontos Deslizantes (Pd): permitem um deslocamento axial do tubo (em ambos os sentidos). Por esse motivo, devem ser posicionados conforme tabela. À distância (L) varia em relação ao diâmetro nominal da tubulação, temperatura e classe de pressão.
  39. 39. 39 TABELA DE DISTÂNCIAS MÁXIMAS ENTRE APOIOS (cm) TABELA DE DISTÂNCIAS MÁXIMAS ENTRE APOIOS (cm) TABELA DE DISTÂNCIAS MÁXIMAS ENTRE APOIOS (cm) Tipo de TEMPERATURA DE SERVIÇO (o C) tubo (mm) 0o C 10o C 20o C 30o C 40o C 50o C 60o C 70o C 80o C 20 80 70 60 60 50 50 45 40 40 25 90 80 70 70 60 60 50 50 45 32 100 90 90 80 70 70 60 60 50 40 120 110 100 90 85 80 70 65 60 50 140 130 120 100 100 90 80 80 70 63 160 150 135 120 115 100 100 90 80 75 180 170 150 140 130 120 110 100 90 90 200 190 170 160 150 130 125 115 100 110 220 200 180 170 160 140 136 125 110 Tipo de TEMPERATURA DE SERVIÇO (o C) tubo (mm) 0o C 10o C 20o C 30o C 40o C 50o C 60o C 70o C 80o C 20 75 70 60 55 50 50 45 40 40 25 85 80 70 65 60 55 50 50 40 32 100 90 80 75 70 65 60 55 50 40 120 100 100 90 80 75 70 65 60 50 135 120 110 100 95 90 80 75 70 63 160 140 130 120 110 100 95 85 80 75 180 160 150 130 125 115 100 100 90 90 200 180 165 150 140 130 120 110 100 110 220 200 175 160 150 140 130 120 110 Tipo de TEMPERATURA DE SERVIÇO (o C) tubo (mm) 0o C 10o C 20o C 30o C 40o C 50o C 60o C PN-25PN-20PN-12 32 90 85 80 70 65 60 55 40 100 100 90 80 75 70 65 50 125 110 100 95 85 80 75 63 145 130 120 100 100 90 85 75 160 150 135 120 115 100 100 90 180 170 150 140 130 120 100 110 200 180 155 160 145 140 110 Instalações Embutidas As instalações embutidas podem ser de dois tipos: de de - Paredes largas: para embutir e imobilizar a tubulação em paredes, utiliza-se uma cobertura demassadecimentodeespessura igual ou superior ao diâmetro do tubo. - Paredes Estreitas: deve-se aumentar a altura da canaleta, o que possibilita o distanciamento da tubulação de água fria pelo menos do mesmo diâmetro da tubulação de água quente. No caso de utilização de canaletas individuais, manter a tubulação afastada da parede da canaleta em pelo menos uma vez o diâmetro da tubulação. Teste Hidráulico Depois da execução da tubulação, faça o teste hidráulico, de pressão e estanqueidade que deve ser realizado a uma pressão de prova de 1,5 vez a pressão de trabalho da tubulação até 100 m de distância. Para trechos maiores, recomendamos subdividir em setores menores. Nas instalações pre- diais, esse teste deve ser realizado somente 1 hora após a última termofusão. O teste de pressão deve ser medido através de um manômetro aferido, o teste hidráulico é realizado com auxílio de um manômetro instalado próximo ao ponto a ser testado. O manômetro acusará a pressão estática normal da tubulação pressurizada. Reparos em Tubulações 1. Reparo com Tarugo Para furos no máximo de 11 mm (equivalente ao diâmetro do tarugo). 1) Faça a limpeza do tarugo e do bocal para reparos com álcool gel. 3) Introduza a ponta macho do bocal no furo. 2) Acople o bocal para reparos na termofusora e aguarde até atingir a temperatura de trabalho (260°C). 4) Segurando o bocal já acoplado no furo, introduza o tarugo no lado fêmea do bocal. SOLUÇÕESEMÁGUAQUENTE
  40. 40. 40 Soluções em Água Quente 2. Reparo com Luvas Simples F/F-PPR Para furos maiores que 11 mm ou em ambas as faces da tubulação. 1) Corte perpendicularmente a parte do tubo danificado. 2) Limpe a superfície externa com álcool gel. 3) Puxe o tubo para fora da parede e faça a termofusão do tubo e de uma parte da luva. 4) Coloque o bocal macho na outra bolsa da luva e mantenha o dobro do tempo de aquecimento. 5) Insira o bocal fêmea da termofusora na outra ponta do tubo na parede, e faça o aquecimento. 6) Una as partes, pressionando o tubo para a entrada na posição original da canaleta na parede. Cuidados Especiais - Raios ultravioletas: os tubos e conexões PPR devem ser protegidos da ação direta dos raios ultravioletas. Uma solução eficiente é proteger a tubulação com material isolante, como fita de alumínio. - Contato com corpos cortantes: o contato eventual com corpos cortantes provoca entalhes na superfície que podem causar rupturas. É necessário impedir que isso aconteça, seja durante o armazenamento ou a instalação. Benefícios da Solução Amanco PPR - Maior produtividade. - Não requer isolamento térmico. - Otimização do processo. - Suporta picos de temperatura. - Livre de corrosão. - Garantia total de juntas. - Resistência a impactos. - Mais flexíveis. 5) Aguarde 5 segundos, retire o bocal do tubo e do tarugo. Com o tarugo e o furo aquecidos, una as partes.
  41. 41. 41 Capacitar o profissional a conhecer conceitos e características do sistema de águas pluviais e de reservação, fazendo o dimensionamento e a instalação dos componentes. Águas Pluviais - são as águas originadas a partir das chuvas. Sistemas de Águas Pluviais Função: recolher e conduzir para local determinado às águas provenientes da chuva que atingem a edificação garantindo um bom escoamento e redução de alagamentos. - Serve para proteger os prédios, construções, casa, paredes e portas. A má execução do escoamento causa umidade em excesso ocasionando: - Problemas de saúde. - Danos físicos na alvenaria e nas madeiras. - Mau cheiro. Objetivo do Curso Conteúdo Técnico Águas Pluviais e Cisternas Esse sistema deve: - Permitir a limpeza e desobstrução. - Resistir a choques mecânicos e esforços provocados por variações térmicas. De acordo com a norma ABNT NBR 10844, a instalação predial deve: - Recolher e conduzir a vazão de água. - Ser estanque. Componentes a) Elementos Prediais - Áreas de captação. - Calhas. - Condutores. - Caixas e reservatórios. b) Elementos Públicos. - Sarjetas. - Bueiros. - Tubulação de drenagem. - Canalização de córregos.   Funcionamento A água da chuva que cai sobre as coberturas da edificação é captada e direcionada para um destino final adequado. A água é conduzida através de calhas, condutores horizontais e verticais, até o local de destino final. Destino final 1) Infiltrada no terreno - o tubo deverá levar as águas para um poço com leito de pedras. COBERTURA 4˚ PAV. 3˚ PAV. 2˚ PAV. 1˚ PAV. PAV. Sistema de recalque para águas pluviais Grelha em rampa de estacionamento Condutor horizontal Ralo da área externa Destino FinalTÉRREO Caixa de areia Ralo de balcão Sacada Sacada Grelha de cobertura CAUSAS SOLUÇÕES Problemas em telhados e coberturas Problemas no sistema de coleta de água de chuva Mau hábito de uso, deixando sempre as janelas fechadas Destino inadequado das águas das chuvas Falta de impermeabilização de fundações Corrigir o sistema de águas pluviais Arrumar o telhado e sistemas de coberturas em geral Consertar calhas, tubulações e caixas do sistema de águas pluviais Impermeabilizar fundações, pisos e paredes Prever boa insolação e ventilação no local Deixar janelas abertas o maior tempo possível ÁGUASPLUvIAISECISTERNAS Grama Camada de Terra Camada de Areia Camada de Brita Manta Drenante Tubo 100mm perfurado para captação de água
  42. 42. 42 Águas Pluviais e Cisternas 2) Lançada na sarjeta da rua ou no sistema público. 3) Armazenada em cisterna: a tubulação deverá levar as águas até um reservatório inferior para acumulação e uso posterior. Benefícios - Permite o armazenamento. - Possibilita o aproveitamento da água da chuva. - Reduz o consumo de água potável e os custos. - Protege as edificações contra umidade. - Complementa o sistema convencional. Ciclo da Água É o caminho que a água percorre no planeta: • Evaporação. • Chuva. • Infiltração. Período de Retorno (T) É o intervalo entre chuvas de grande intensidade, chamado também de período ou tempo de recorrência. T = 1 ano para Áreas Pavimentadas T = 5 anos para Coberturas e Telhados T = 25 anos para Coberturas e Áreas onde não são permitidos empoçamentos nem extravasamentos Intensidade de chuva (I) É a altura (mm) de água da chuva que cai em uma área de 1 m² durante uma hora, também chamada intensidade pluviométrica. O valor da intensidade de chuva depende da pesquisa de coleta de dados de chuva por longos períodos na região. A ABNT NBR 10844 possui tabelas com esses números: Captação da Água da Chuva Feita através da cobertura da edificação, chamada de Área de Contribuição: a) Telhados - protegem o espaço interno do edifício das intempéries e conforto. Bocal de descida (condutor vertical) Tipos de Telhado - Beiral: é o prolongamento do telhado além das paredes externas, projetado para proteger as portas, varandas e esquadrias da chuva e insolação direta. - Platibanda: é uma pequena murada utilizada para esconder o telhado das construções. 1 Água 2 Águas Beiral Platibanda Cisterna Filtro Bombeamento Condutores Verticais e Horizontais Calhas SISTEMA DE ÁGUAS PLUVIAIS SISTEMA DE ÁGUA FRIA Reservatório Superior volume chuva = área (a) x altura (h) = m³ a = 1m x 1m = 1m² h (mm) 1m1m Aracaju/SE Belém/PA Belo Horizonte/MG Cuiabá/MT Curitiba/PR Florianópolis/SC Fortaleza/CE Goiânia/GO João Pessoa/PB Maceió/AL Manaus/AM Natal/RN Porto Alegre/RS Porto Velho/RO Rio de Janeiro/RJ Salvador/BA São Luís/MA São Paulo/SP (Congonhas) Teresina/PI Vitória/ES TABELA A – CHUVAS INTENSAS NO BRASIL PERÍODO DE RETORNO (T) Intensidade de chuva (i) Chuva com duração de 5 minutos LOCAL FONTE: ABNT NBR 10844 116 138 132 144 132 114 120 120 115 102 138 113 118 130 122 108 120 122 154 102 1 ano 5 anos 25 anos 122 157 227 190 204 120 156 178 140 122 180 120 146 167 167 122 126 132 240 156 126 185 230 230 228 144 180 192 163 174 198 143 167 184 227 145 152 - 262 210
  43. 43. 43 Casos Especiais - Água para frente ou para trás: - Água jogada de telhado em telhado:   b) Lajes e terraços - recebem e direcionam as águas até um ralo e depois aos condutores, até o destino final. Quando não existem condutores, devem ser utilizados buzinotes. A B C CASA 1 E RUA RUA MURO DE DIVISA DO TERRENO N.T. N.T. CASA 2 MURO DE DIVISA c) Marquises - coberturas abertas nas laterais que protegem a porta de entrada e a parede da construção. Solução em marquises • Impermeabilização da sua face superior. • Número adequado de buzinotes. • Limpeza da marquise e manutenção periódica dos buzinotes. • Usam-se buzinotes a cada 5 metros de perímetro da cobertura. • O diâmetro mínimo do buzinote deve ser 50 mm. • Um mínimo de dois por marquises. Calhas Recebem as águas do telhado, conduzindo-as imediatamente aos condutores verticais. - É a primeira etapa do dimensionamento. - Fabricadas em PVC, chapa galvanizada, alumínio ou cobre. Formato da Seção Tipos Telhado A Telhado B Buzinote Laje Rua Regular U V Circular Semicircular Calha de beiral Instalada no beiral do telhado Calha água furtada Instalada no encontro das águas do telhado Calha de platibanda Instalada no vão entre a parede e o telhado Pingadeira I = 1% PVC Ø 100mm (Buzinote) I = 5% ÁGUASPLUvIAISECISTERNAS
  44. 44. 44 Águas Pluviais e Cisternas Amanco Calhas Pluviais - Calhas pré-fabricadas em PVC - Instalação em Telhados com beiral - Não sofre oxidação - Barra 3 m - Vazão de 533 L/min - Declividade mínima 0,5% Instalação Antes de iniciar a montagem, verifique se todas as ferramentas necessáriasàinstalaçãoestãodisponíveis.Façaumplanejamento para que a água dos condutores verticais seja despejada em locais que permitem a drenagem de forma adequada. Nota Nunca segure na calha quando estiver subindo no telhado da casa. 1) Instale a calha na testeira de madeira, avançando a telha 5 cm para o interior da calha. 2) Fixe o suporte: escolha o ponto mais alto da instalação a 30 cm da extremidade do beiral. Amarre a linha no suporte e estique até o último suporte do trecho, ponto mais baixo, com inclinação mínima de 0,5% (5 mm a cada metro). 3) A linha serve como base para colocação dos suportes intermediários (espaçamento máximo 60 cm). 4) Os bocais de descida deverão ser instalados no ponto mais baixo e fixados entre suportes. 5) Inicie a colocação da calha: fixe a borda interna (reta) da calha no suporte, girando-a para baixo até encaixar a borda externa (redonda). 6) As conexões devem ser fixadas na própria calha, usando a vedação para calha pluvial Amanco. 01 01 15 14 06 06 03 02 03 05 01 11 07 16 01 10 04 01 - Perfil 02 - Condutor Vertical 03 - Abraçadeira 04 - Emenda 05 - Joelho 90º 06 - Joelho 60º 07 - Cabeceira Esquerda 08 - Cabeceira Direita 09 - Esquadro Interno 10 - Esquadro Externo 11 - Suporte em PVC 12 - Suporte Dobrado 13 - Suporte Metálico 14 - Acoplamento 15 - Bocal 16 - Vedação
  45. 45. 45 7) Para trechos menores que 3 metros, marque com um lápis e corte o perfil com uma serra metálica. 8) Nos cantos de telhados, utilize as peças esquadro interno ou esquadro externo. 9) No final de trechos de calha, utilize as cabeceiras para calha. 10) Quando o bocal de descida for instalado no fim do trecho, utilize mais um trecho de calha com suporte e cabeceira. 11) A montagem do condutor vertical pode ser feita encaixando o joelho 60°no bocal de descida, ou com a utilização do acoplamento e de um segmento de condutor. 12) Os condutores verticais deverão ser soldados nas conexões com adesivo plástico. - No final do condutor, utilize um joelho 90°. - As abraçadeiras são fixadas com parafuso (espaçamento máximo 1,5 m). Utilização dos perfis metálicos 1) No caso de beiral com caibro recuado ou cortado fora do prumo, a calha deve ser instalada com o auxílio da haste zincada. 2) O suporte dobrado tem a mesma função da haste, mudando apenas o sistema de fixação, podendo ser ajustado de acordo com a inclinação do telhado. Dobre a presilha, prendendo a calha. Condutores Tubulações que transportam as águas pluviais até seu destino final. - Fabricados em PVC e ferro fundido. - Não podem ser utilizados para transportar esgoto. Dica! Os condutores de águas pluviais devem ficar independentes da alvenaria, possibilitando fácil acesso em caso manutenção e limpeza. Condutor Vertical Recolhem as águas coletadas pelas calhas e transportam até os condutores horizontais ou lançam direto no terreno. águaspluviaisecisternas
  46. 46. 46 Águas Pluviais e Cisternas - Projetar em uma só prumada. - Usar curvas de 45°ou 90°de raio longo no caso de desvios. - Colocar tela de proteção para evitar a entrada de sujeira, folhas e insetos. 1 - Telhado 2 - Platibanda 3 - Laje 4 - Rufo 6 - Calha 7 - Curva ou Joelho 90º 8 - Condutor vertical 9 - Tela de Proteção Condutor Horizontal Tubulações horizontais que recebem as águas pluviais dos condutores verticais ou da superfície do terreno e transportam até o destino final. - Fabricados em PVC, ferro fundido, aço galvanizado e fibrocimento. - Declividade mínima: 0,5%. - Fazer conexão entre os condutores com curvas de raio longo - Canaletas: proteger com grelhas. Complementos a) Grelha hemisférica ou ralo cebola - Grelhas flexíveis que impedem que folhas e outros detritos obstruam a rede. - Facilita a manutenção do sistema. b) Caixa de águas pluviais: - Retém sólido e sujeiras das águas pluviais. - Permite limpeza periódica do sistema. - Possuem sifão removível e/ou flexível. Instale sempre quando tiver: • Mudança de direção. • Mudança de diâmetro. • A cada 20 m na ligação com outros condutores. Grelha Tampa Anel de Vedação Porta Tampa / Grelha Prolongador DN 300 Corpo da Caixa Aproveitamento da Água da Chuva Principais aplicações - Em áreas de grande intensidade de chuva é uma medida preventiva para cheias. - Em áreas de seca é acumulada na época chuvosa e utilizada na época de estiagem. Cuidados na captação • Conservar limpa a área de captação. • Limpar as calhas e condutores. • Instalar sistema de filtros. • Descartar a primeira água coletada. • Instalar sistema de filtros antes da água entrar na cisterna. • Manter a cisterna fechada. Usos - Em áreas urbanas - utilização para fins não potáveis como limpeza, descarga de bacias sanitárias, lavagem de veículos, rega de jardins, irrigação de gramados e plantas ornamentais, d e s e n t u p i m e n t o de tubulações por 1 2 4 5 6 6 7 8 9 3
  47. 47. 47 Cisternas Reservatórios utilizados para o armazenamento de água. Amanco Cisternas • Fabricadas em polietileno de alta densidade. • Instalar apenas enterradas. jateamento e uso industrial. - Em áreas com problemas de abastecimento é comum o armazenamento para consumo humano. Neste caso, ferver a água por pelo menos 5 minutos. Reservatórios de Águas Pluviais Utilizados para armazenamento de águas pluviais. - Deve ter sistema de filtros e separadores de água. • Detalhe do Filtro • Detalhe do Separador de Águas • Funcionamento do Separador de Águas 1) O tubo reservatório está vazio. 2) Quando começa a chover, a água sobe junto com a bolinha. Enquanto isso, por baixo ocorre o descarte de um pouco de água pelo furinho do fundo. 3) Por último, em chuvas fortes, o reservatório vai ficar cheio e a bolinha vai bloquear a passagem da água, forçando-a a sair pelo tê, indo para a cisterna. MEDIDAS APROXIMADAS Capacidade (L) 2.100 3.300 6.000 10.000 120 180 230 255 160 160 200 235 50,9 69,5 126,6 220,7 2151 3370 6127 10221 Altura (cm) Diâmetro (cm) Peso cx sem água (kg) Peso cx com água (kg) Para que a Amanco Cisterna tenha correto desempenho funcional é imprescindível o cumprimento das especificações de instalação e limpeza. Filtro Separador de águas Saída para cisterna Entrada da água de chuva Tubo superior Tubo inferior Tela mosquiteiro Pequena calha Saída da água de chuva Saída das sujeiras grossas para descarte Entrada da água de chuva Tubo superior Tubo inferior Tela mosquiteiro Pequena calha Saída da água de chuva Saída das sujeiras grossas para descarte Entrada de água filtrada da chuva Saída para a cisterna Desvio de chuva forte para a cisterna Reservatório temporário da primeira água de chuva para descarte Saída para descarte da primeira água de chuva ou de chuva fraca 1 2 3 Descarte das primeiras águas por um pequeno furo Água da chuva forte vai para a cisterna águaspluviaisecisternas
  48. 48. 48 Águas Pluviais e Cisternas Instalação A Amanco Cisterna é fabricada para ser instalada exclusivamente ENTERRADA. Material necessário: 1. Furadeira 2. Serra-copo 1 1/2” e 3/4” 3. Tubos de PVC 4. Lixa 5. Chave de grifo 6. Fita veda-rosca 7. Adesivo plástico 8. Flanges 1 1/2” e 3/4” 9. Kit torneira de boia 10. Filtro para caixa d’água 11. Solução limpadora 1 7 4 6 2 3 5 11 10 9 9 9 8 8 8 Preparo da Cisterna 1) Coloque a cisterna em uma superfície plana e nivelada. 3 4 5 6 21 1,2,3: Locais para perfuração opcionais. Furação realizada em fábrica nas caixas d’água até 1.000 litros. 4,5,6: 4) Faça no mínimo 3 furos: um para a entrada d’água, um para a saída d’água e um para o extravasor (ladrão). 5) Faça a fixação dos flanges nos furos apertando manualmente. 6) Se necessário, utilize uma chave de grifo para ajustá-los. Atenção! O uso de flanges com vedação de borracha dispensa vedação adicional, com silicone, por exemplo. 7) Lixe os flanges e a ponta dos tubos. Limpe as partes lixadas com solução limpadora e aplique o adesivo plástico. 8) Conecte os tubos nos flanges. 9) Faça a instalação da torneira de boia junto ao flange de entrada de água. 10) Passe fita veda-rosca na torneira e na boia. Fixe a torneira separada da boia. 11) Fixe a boia roscável na base. 2) Retire a tampa superior. 3) Fure nos pontos indicados utilizando serra-copo compatível com o diâmetro dos flanges.
  49. 49. 49 12) Limpe a cisterna com um pano úmido, em especial o lado interno, para garantir a retirada de partículas e outros resíduos. 13) Feche a tampa e conecte a cisterna na rede hidráulica. Cuidados antes da instalação - O fundo da cisterna deverá estar no mínimo 1,5 m acima do nível do lençol freático. - Executar teste para verificar as condições do solo – sondagem. Teste de verificação do solo: a) Faça um buraco de 1 metro de profundidade. b) Peneire a terra retirada, eliminando a presença de torrões. c) Espalhe a terra peneirada sobre uma superfície deixando-a exposta ao sol. d) Coloque essa terra seca até a metade de um copo para medir a altura inicial – anote (Hi). e) Adicione água no copo até que cubra toda a terra. f) Deixe descansar por 2 horas. g) Meça novamente a altura e anote a altura final – anote (Hf). % exp = (Hi - Hf) x 100 Hi onde: % exp é a porcentagem de expansão da terra Hi é a altura inicial de terra Hf é a altura final de terra Terra Umidade Torrões de terra Terra fina Hi Terra fina + Água Terra 1 metro Hf DEPOIS DE 1 HORA Sol h) Com o resultado, verifique na Tabela abaixo qual o procedimento de instalação adequado para o tipo de solo calculado. Instalação TIPO A – SOLO COM % EXPANSÃO MENOR QUE 10 Fazer a escavação com profundidade de 30 cm maior que a altura da cisterna e diâmetro de 30 cm maior que o diâmetro da cisterna, 15 cm de cada lado. DEMAIS TIPOS 1) Fazer a escavação com as bordas inclinadas, profundidade de 30 cm acima da cisterna e distância de 15 cm de cada lado da cisterna. 2) De acordo com a Tabela apresentada no item h, e consultando a figura a seguir, defina o tipo da instalação que será seguida: 30 cm Diâmetro da Cisterna Diâmetro inf. da Escavação 15 cm 15 cm TerraTerra Diâmetro da Cisterna Diâmetro inf. da Escavação 15 cm 15 cm Diâmetro sup. da Escavação 30 cm A A TerraTerra % expansão Potencial de expansão Tipo de Instalação PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CISTERNA Menor que 10 10 a 25 26 a 50 51 a 100 Maior que 100 Nenhum Baixíssimo Baixo Médio Alto TIPO A TIPO B TIPO C TIPO D TIPO E ÁGUASPLUvIAISECISTERNAS
  50. 50. 50 Águas Pluviais e Cisternas TIPO B – SOLO COM % EXPANSÃO ENTRE 10 E 25 O diâmetro na parte superior da escavação deve ser 70 cm maior que o diâmetro da cisterna, 35 cm de cada lado (A = 35 cm). TIPO C – SOLO COM % EXPANSÃO ENTRE 26 E 50 O diâmetro na parte superior da escavação deve ser 100 cm maior que o diâmetro da cisterna, 50 cm de cada lado (A = 50 cm). TIPO D – SOLO COM % EXPANSÃO ENTRE 51 E 100 O diâmetro na parte superior da escavação deve ser 150 cm maior que o diâmetro da cisterna, 75 cm de cada lado (A = 75 cm). TIPO E – SOLO COM % EXPANSÃO MAIOR QUE 100 O diâmetro na parte superior da escavação deve ser 200 cm maior que o diâmetro da cisterna, 100 cm de cada lado (A = 100 cm). 3) Após abertura do buraco, nivele o fundo e faça um contrapiso liso e nivelado de 10 cm de altura de concreto armado com malha de ferro. Deixe secar. At�nção! O fundo da escavação deverá estar, no mínimo, a 1,5 metro do lençol freático em períodos de cheia. Caso a distância seja menor, procure um profissional habilitado para calcular o contrapiso a ser construído. 4) Coloque a cisterna no buraco, centralizando-a no contrapiso. Utilize sistema de roldanas ou guinchos para evitar impactos que possam danificar a cisterna. 5) Instale os tubos de entrada e saída. 6) Encha a cisterna de água até que a água transborde pelo ladrão. 7) Faça uma mistura com 80% dessa terra e 20% de cimento e adicione água até obter uma massa homogênea. 8) Despeje essa massa em volta da cisterna até onde termina a parte cilíndrica e inicia-se a parte cônica. 9) Deixe secar por no mínimo 72 horas. 10) Faça uma furação de 9 mm, com furadeira, em uma das bordas superiores da cisterna para passar o fio do eletronível da cisterna. 11) Contate um eletricista para fazer a ligação do eletronível e da bomba da cisterna. 12) Feche o buraco da cisterna utilizando uma laje. Dica! Deixe sempre uma área que permita acesso à boca de inspeção da cisterna. Terra saída líquido válvula de retenção Boca de inspeção Tubulação de secção por bomba Terra entrada líquido Saída de água Água armazenada Tampa para acesso interno ParedeParede Entrada de água Caixa d`Água Bomba centrifuga Eletronível Terra + Cimento Torneira de bóia Eletronível 15 cm 15 cm 10 cmContra-piso Laje Laje ESQUEMA DE INSTALAÇÃO (SOLO COM % DE EXPANSÃO MENOR QUE 10) Manutenção 1) Limpeza Utilizar pano ou esponja e água para a remoção do limo formado pela alcalinidade da água. Utilize uma escada se necessário. Fazer a limpeza a cada 6 meses. Borracha para revestimento dos apoios da escada Pano
  51. 51. 51 2) Transporte A Amanco Cisterna deve ser transportada na posição vertical, sobre base plana e sem empilhamentos. 3) Içamento Separe uma corda grande e resistente. Amarre 2 pedaços de madeira com mesmo tamanho e passe a corda por uma roldana. Roldana Vista frontal Madeira Corda Vista superior Roldana Vista frontal Madeira Corda Vista superior Dimensionamento Para fazer o dimensionamento de um sistema de águas pluviais é preciso conhecer as características meteorológicas da região e os tipos de áreas de contribuição que receberão as águas da chuva, para depois determinar os demais componentes do sistema. A ABNT NBR 10844 é a Norma Brasileira que determina os critérios para esse dimensionamento. Dados Meteorológicos da Região Os dados meteorológicos são importantes para conhecermos as características das chuvas que atingem a região. a) Período de Retorno (T) É o intervalo de tempo médio para que ocorra uma chuva ou enchente de mesma duração e intensidade igual ou maior. De forma mais simples representa de quantos em quantos anos ocorrem chuvas semelhantes, com o mesmo volume de água no mesmo tempo. Esses períodos são pré-fixados na ABNT NBR 10844, sendo assim classificados: • T = 1 ano para Áreas Pavimentadas • T = 5 anos para Coberturas e Telhados • T = 25 anos para Coberturas e Áreas sem empoçamentos nem extravasamentos b) Intensidade da Chuva ou Intensidade Pluviométrica (I) É a altura (mm) de água da chuva que cai em área de 1m² durante uma hora. Para áreas de cobertura menores do que 100 m² adota-se I = 150 mm/h. Caso a área seja maior que 100 m², deve-se utilizar a tabela Chuvas Intensa no Brasil, apresentada abaixo: Aracaju/SE Belém/PA Belo Horizonte/MG Cuiabá/MT Curitiba/PR Florianópolis/SC Fortaleza/CE Goiânia/GO João Pessoa/PB Maceió/AL Manaus/AM Natal/RN Porto Alegre/RS Porto Velho/RO Rio de Janeiro/RJ Salvador/BA São Luís/MA São Paulo/SP (Congonhas) Teresina/PI Vitória/ES INTENSIDADE DE CHUVA (I) CHUVA COM DURAÇÃO DE 5 MINUTOS PERÍODO DE RETORNO (T)LOCAL FONTE: ABNT NBR 10844 116 138 132 144 132 114 120 120 115 102 138 113 118 130 122 108 120 122 154 102 1 ano 5 anos 25 anos 122 157 227 190 204 120 156 178 140 122 180 120 146 167 167 122 126 132 240 156 126 185 230 230 228 144 180 192 163 174 198 143 167 184 227 145 152 - 262 210 ÁGUASPLUvIAISECISTERNAS
  52. 52. 52 Águas Pluviais e Cisternas Determinação dos Componentes do Sistema a) Área de Contribuição A área de contribuição corresponde à área da cobertura do local (AC ) e também a área das paredes ao redor da cobertura (A1, A2, etc) que possam contribuir para o acúmulo de água da chuva. b) Vazão Após calcular a área de contribuição e conhecendo os dados meteorológicos da região, determina-se a Vazão de água que será coletada. Para isso, utiliza-se a equação: Q = I X A 60 Área de contribuição em m2 Intensidade pluviométrica em mm/h para período de retorno de 5 anos Vazão da chuva sobre a área, em L/min Exemplo 1: Calcule a vazão para um sistema predial de águas pluviais de uma residência em São Paulo, com telhado de uma água: 1) Calcule a área do telhado A área de contribuição de uma água do telhado (superfície plana inclinada) é dada por: Ac = a + h x b 2 Ac = (4,0 + 2,0) x 10,0 = (4,0 + 1,0) x 10,0 2 Ac = 5,0 x 10,0 Ac = 50,0 m2 Nota Se o telhado for de duas águas, multiplique o valor encontrado por 2. 2) Encontre a intensidade de chuva na região a) Consulte a tabela de Chuvas Intensas no Brasil e encontre “I”. b) Período de Retorno Para Coberturas e Telhados T = 5 anos São Paulo=132 mm/h 3) Calcule a vazão c) Calhas A capacidade das calhas de um sistema de águas pluviais é dimensionada de acordo com a sua forma, podendo ser semicircular ou retangular. Calha Semicircular A vazão da calha semicircular varia de acordo com o diâmetro e a declividade. Para determinar o diâmetro da calha, escolha a declividade (ex: 2%) e verifique onde a Qc calculada acima (110 L/min) se encaixa e determine o diâmetro. 2,0 = 10 4,0 INTENSIDADE DE CHUVA (I) CHUVA COM DURAÇÃO DE 5 MINUTOS LOCAL São Paulo/SP (Congonhas) 122 132 - FONTE: ABNT NBR 10844 PERÍODO DE RETORNO (T) 1 ano 5 anos 25 anos Para calcular a área de contribuição, basta calcular as áreas da edificação que recebem as águas das chuvas. São apresentadas abaixo as equações das áreas mais comuns: Qc = 132 x 50 = 6600 = 110 L/min 6060 I Ac Vazão de contribuição (Qc)
  53. 53. 53 Nota A declividade deve ser de no mínimo 0,5 para que a água escoe com maior rapidez para o ponto de coleta. Para Traçados Retos: É necessário comparar a vazão (Qc) da área de contribuição (telhado, lajes e etc) com a vazão máxima da calha. Para Traçados com Curvas: A capacidade da calha é reduzida e a vazão de contribuição (Qc) deverá ser multiplicada por um fator de correção (C), conforme tabela abaixo. Calha Retangular O dimensionamento é determinado em função do comprimento do telhado. Quando existirem 2 telhados para uma mesma calha (água furtada), os comprimentos dos dois deverão ser somados. Para determinar a largura da calha (L), some os comprimentos dos telhados (b) e observe a tabela a seguir: Exemplo 2: Para um telhado com comprimento de 8 metros, observe na tabela acima que deve ser utilizada uma calha retangular com 0,20 m (20 cm) de largura. d) Condutores Verticais O dimensionamento é feito para determinar o número necessário de condutores, a distância entre eles e o diâmetro. Número de Condutores Verticais (Nc) O número de condutores verticais (Nc) da edificação depende da área de telhado máxima At (determinada pela tabela) e da área de contribuição Ac (já calculada no início do dimensionamento). Primeiro consulte a tabela de área de telhado máxima (At) apropriada por tipo de calha e localize a cidade do projeto. Depois determine o número de condutores pela equação abaixo: D N.A. L L L 2 3 0,15 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 Até 5 6 a 10 11 a 15 16 a 20 21 a 25 26 a 30 Comprimento (b) do Telhado (m) LARGURA APROXIMADA DE CALHAS RETANGULARES Largura (L) da Calha (m) FONTE: ABNT NBR 10844 VAZÃO DA CALHA SEMICIRCULAR (L/min) Declividades para Calhas de Plástico, Fibrocimento, Alumínio, Aço Inox, Aço Galvanizado, Cobre e Latão (n = 0,011) Diâmetro Interno (mm) 100 130 183 256 125 236 339 466 150 384 541 757 200 829 1.167 1.634 0,5% 1% 2%(mm) Canto reto 1,2 1,1 Canto arredondado 1,1 1,05 Tipo de Curva COEFICIENTES (C) PARA A VAZÃO DE PROJETO Curva a menos de 2 m da saída da calha Curva entre 2 e 4 m da saída da calha FONTE: ABNT NBR 10844 Qcalculada = C x Qc Nc = Área de contribuição máxima = Área de contribuição calculada At Ac águaspluviaisecisternas
  54. 54. 54 LOCAL Bocal Retangular Bocal Circular ÁREA DE TELHADO MÁXIMA APROXIMADA POR TIPO DE CALHA (At em m2 ) Aracaju/SE Belém/PA Belo Horizonte/MG Cuiabá/MT Curitiba/PR Florianópolis/SC Fortaleza/CE Goiânia/GO João Pessoa/PB Maceió/AL Manaus/AM Natal/RN Porto Alegre/RS Porto Velho/RO Rio de Janeiro/RJ Salvador/BA São Luís/MA São Paulo/SP (Congonhas) Teresina/PI Vitória/ES 138 107 74 88 82 140 108 94 120 138 93 140 115 101 97 138 133 98 70 108 176 134 95 113 105 179 137 120 153 176 119 179 147 128 123 179 170 125 89 137 Águas Pluviais e Cisternas Exemplo 3: Para uma residência localizada em São Paulo, com área de contribuição Ac = 50 m², quantos condutores verticais devem ser instalados para um sistema predial de águas pluviais? Consultando a Tabela: - Bocal retangular → At = 98 Nc = 98 = 1,96 → usar mínimo 2 condutores 50 - Bocal circular → At = 125 Nc = 125 = 2,5 → usar mínimo 3 condutores 50 Distância Entre Condutores Verticais A distância entre os condutores é determinada de acordo com a largura do telhado (b) e o número de condutores (Nc) já calculado, utilizando a equação abaixo: Exemplo 4: Em uma residência com largura de telhado = 10 m e dois condutores verticais (Nc = 2), qual deve ser à distância (D) entre eles? Exemplo 5: Considerando um telhado com Ac = 50 m2 em São Paulo e sabendo que a intensidade da chuva é de 150 mm/h, qual será o diâmetro do condutor vertical? Consultado a Tabela, o condutor vertical terá diâmetro mínimo DN 100, já que para uma chuva de 150 mm/h o tubo DN 100 suporta uma área de até 90 m2 . e) Condutor Horizontal A NBR 10844 fornece uma tabela com a capacidade de vazão dos condutores horizontais em função da declividade, diâmetro e material do tubo. Para consultar essa tabela, primeiro verifique qual o material do condutor horizontal e defina a declividade da instalação. Em seguida encontre a vazão Qc que o condutor deverá suportar, e determine o diâmetro. Diâmetro ANBR10844estabeleceumatabelaparadeterminarodiâmetro do condutor vertical, que depende da área de contribuição (Ac), da vazão (Qc) e da intensidade de chuva (I). DIÂMETRO DOS CONDUTORES VERTICAIS Diâmetro (Mm) 50 75 100 125 150 200 0,57 1,76 3,78 7,00 11,53 25,18 14 42 90 167 275 600 17 53 114 212 348 760 Vazão (L/min) Área do Telhado (m2 ) Chuva 150 mm/h Chuva 120 mm/h D = b D = b = 10 (Nc - 1) (2 - 1) 1 (Nc - 1)Número de condutores Distância entre os condutores (m) Largura do telhado (m) D = 10 = 10 metros

×