SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
Baixar para ler offline
1
REDE COLETORA DE ESGOTO:
CONCEITOS E DIMENSIONAMENTO
Mateus Caetano Dezotti
Eng. Civil
Sistema Unitário: esgoto + águas pluviais
Sistema Separador Absoluto (Brasil): esgoto
(é proibido jogar água de chuva no esgoto)
SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS
TIPOS DE SISTEMAS:
CONCEITOS BÁSICOS
Ramal predial: Trecho da tubulação compreendido entre a
caixa de inspeção de ligação e o coletor de esgotos
Rede Coletora: Tubulação que recebe contribuições dos
ramais prediais e de outras redes coletoras de esgotos
Coletor tronco / Interceptor: Tubulação que recebe
contribuições de redes coletoras de esgoto e de outros
coletores tronco, não recebendo ligações prediais diretas
Emissário: Canalização destinada a conduzir os esgotos a
um destino conveniente sem receber contribuições em
marcha.
SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS
PARTES CONSTITUINTES:
CONCEITOS BÁSICOS
Estação Elevatória: Tem a finalidade de recalcar o
esgoto de uma cota mais baixa para uma cota mais alta
Sifão Invertido: Trecho rebaixado com escoamento sob
pressão, cuja finalidade é transpor obstáculos, depressões
do terreno ou cursos d´água
Estação de Tratamento: é a unidade operacional do
sistema de esgotamento sanitário que através de
processos físicos, químicos ou biológicos removem as
cargas poluentes do esgoto, devolvendo ao ambiente o
produto final, efluente tratado, em conformidade com os
padrões exigidos pela legislação ambiental.
SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS
PARTES CONSTITUINTES:
CONCEITOS BÁSICOS
SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS
PARTES CONSTITUINTES:
REDE COLETORA – ÓRGÃOS ACESSÓRIOS
Poço de Visita (PV): Câmara visitável através de abertura existente em sua
parte superior, destinado à execução de trabalhos de manutenção e
inspeção.
Deve ser obrigatoriamente usado nas seguintes condições:
a) na confluência de mais de 2 (dois) trechos à singularidade e 1 (uma)
saída;
b) na confluência que exige colocação de tubo de queda;
c) Quando a profundidade for maior ou igual a 1,60 m;
d) a jusante de ligações prediais cujas contribuições podem acarretar
problemas de manutenção.
POÇO DE VISITA (PV)
REDE COLETORA – ÓRGÃOS ACESSÓRIOS
Tubo de queda: Dispositivo instalado no poço de visita
(PV), ligando um coletor afluente ao fundo do poço
POÇO DE VISITA (PV)
REDE COLETORA – ÓRGÃOS ACESSÓRIOS
Poço de Inspeção (PI): Dispositivo não visitável que permite inspeção e
introdução de equipamentos de desobstrução e limpeza.
Devem ser usados nas seguintes situações:
a) na confluência de até 2 (dois) trechos à singularidade e 1 (uma) saída;
b) nos pontos com degrau de altura igual ou inferior a 0,50 m;
c) profundidade do coletor até 1,60 m
- diâmetro do coletor até 200 mm;
REDE COLETORA – ÓRGÃOS ACESSÓRIOS
REDE COLETORA – ÓRGÃOS ACESSÓRIOS
POÇO DE INSPEÇÃO (PI)
Terminal de Limpeza (TL): Dispositivo não
visitável que permite inspeção e introdução de
equipamentos de limpeza, sendo localizado na
cabeceira deste
O TL deve ser usado em pontas secas, isto é,
no início (montante) de redes coletoras de
esgotos, exceto em ruas de terra, e nos casos
em que há previsão de prolongamento de
rede, quando deve-se usar PI ou PV.
REDE COLETORA – ÓRGÃOS ACESSÓRIOS
TERMINAL DE LIMPEZA (TL)
h
p
p = a + i.L + h
SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS
RAMAIS PREDIAIS E A PROFUNDIDADE MÍNIMA DA REDE
Diâmetro do ramal predial: em geral – 100 mm
i = 2% - declividade do ramal predial (excepcionalmente = 1%)
SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS
RAMAIS PREDIAIS E A PROFUNDIDADE MÍNIMA DA REDE
Diâmetro do ramal predial: em geral – 100 mm
SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS
CONEXÃO À REDE COLETORA
SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS
REDE COLETORA – POSIÇÃO NA VIA PÚBLICA
A escolha da posição da rede em via pública depende dos seguintes fatores:
•Conhecimento das interferências (galerias de águas pluviais, cabos telefônicos e elétricos,
adutoras, redes de água, tubulação de gás);
•Profundidade dos coletores;
•Tráfego; Largura da rua e da calçada; Soleiras dos prédios, etc.
REDE SIMPLES:
Os coletores serão lançados no eixo carroçável, ou no terço
do leito carroçável;
Caso em um dos lados da rua existam soleiras mais baixas
ou negativas, o coletor deverá ser lançado no terço
correspondente.
SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS
REDE COLETORA – POSIÇÃO NA VIA PÚBLICA
REDE DUPLA:
Vias com tráfego intenso;
Vias largas (avaliação de custos);
Vias com interferências que impossibilitem o assentamento
do coletor no leito carroçável, ou que constituam empecilho
à execução das ligações prediais;
SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS
REDE COLETORA – POSIÇÃO NA VIA PÚBLICA
Rede Coletora, Interceptor, Emissário → Condutos
livres, em geral
Emissário → condutos livres (há também em
conduto forçado por gravidade)
Sifões Invertidos, Linha de Recalque das Elevatórias
e Emissários Submarinos → Condutos forçados
(gravidade ou recalque)
REGIME HIDRÁULICO DE ESCOAMENTO
CONCEITOS BÁSICOS
Tubos cerâmicos: 100, 150, 200, 250, 300, 350, 375,
400 mm - Junta: Asfalto / Elástica / Argamassa
Tubos de ferro fundido dúctil: 150 a 1200 mm – junta
elástica
Tubos de PVC: 100 a 400 mm – junta elástica
Tubos de polyester: 100 a 2000 mm – junta elástica
Tubos de concreto: 400 a 2000 mm – junta elástica
Tubos de PEAD
“O tubo cerâmico tem durabilidade superior a 100 anos”
TUBOS CERÂMICOS TAMBAÚ – 19 3673-1585
MATERIAIS UTILIZADOS EM TUBULAÇÕES
DE ESGOTO
NBR 9648 – Estudo de concepção de sistemas de Esgoto
Sanitário, 1986.
NBR 9649 – Projeto de Redes Coletoras de Esgoto Sanitário,
1986.
NBR 12207 - Projeto de Interceptores de Esgoto Sanitário,
1989.
NBR 12208 - Projeto de Estações Elevatórias de Esgoto
Sanitário, 1989.
NBR 12209 - Projeto de Estações de Tratamento de Esgoto
Sanitário, 1990.
SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS
NORMAS PARA PROJETOS
DIMENSIONAMENTO
DIMENSIONAMENTO DE REDES
COLETORAS DE ESGOTO
No dimensionamento há que se garantir, ao mesmo
tempo:
 Escoamento da vazão máxima de final de plano (de
tal forma que a lâmina de água máxima seja
inferior a 75%);
 Arraste de sólidos e controle do sulfeto de
hidrogênio para a vazão mínima de início de plano.
Para isso temos que escolher:
Diâmetro da tubulação;
Declividade da tubulação.
Com os menores custos
REDE COLETORA – PROFUNDIDADE DOS COLETORES
DIMENSIONAMENTO
VAZÕES DE DIMENSIONAMENTO
O menor valor da vazão em
qualquer trecho = 1,5 L/s.
DIMENSIONAMENTO
VAZÕES DE DIMENSIONAMENTO
DIMENSIONAMENTO
• Vazão Média
• Vazão Máxima Diária
• Vazão Máxima Horária
Vazões de Dimensionamento
VAZÕES DE PROJETO
(l/s)
(l/s)
(l/s)
26
CONSUMO PER CAPITA MÉDIO “q”
A NB – 587/79 diz que inexistindo dados confiáveis, locais
ou regionais, e não sendo fixados previamente pelo órgão
contratante, serão adotados os seguintes consumos
médios “per capita”, para satisfazer inclusive à demanda
comercial, industrial (que não utilizam água em seus
processamentos), à demanda de usos públicos e as
perdas:
Populações futuras de até 10.000 hab 150–200 l/hab.dia
10.000 hab < População futura < 50.000 hab 200-250 l/hab.dia
População futura > 50.000 250 l/hab.dia
População temporária 100 l/hab.dia
Tabela – Consumos médios “per capita”
VAZÕES DE DIMENSIONAMENTO
a) por metro linear de tubulação
sendo:
qi = vazão de distribuição em marcha inicial (l/s m)
qf = vazão de distribuição em marcha final (l/s m)
Qi = vazão máxima inicial (l/s)
Qf = vazão máxima final (l/s)
Lc = comprimento total da tubulação com contribuição (m)
DIMENSIONAMENTO
REDE COLETORA- CRITÉRIOS PARA DIMENSIONAMENTO
DIMENSIONAMENTO
sendo:
D = diâmetro da tubulação (m)
Qf = vazão máxima final (m³/s)
I = declividade (m/m)
O diâmetro que atende a condição y/D=0,75, pode ser calculado pela equação:
Diâmetro:
Diâmetro mínimo para rede coletora = 150 mm
REDE COLETORA- CRITÉRIOS PARA DIMENSIONAMENTO
DIMENSIONAMENTO
Declividade mínima:
REDE COLETORA- CRITÉRIOS PARA DIMENSIONAMENTO
DIMENSIONAMENTO
Declividade máxima:
sendo:
Imax = declividade máxima (m/m)
Qf = vazão máxima final (l/s)
A equação da declividade máxima é valida para o coeficiente de
Manning: n = 0,013
REDE COLETORA- CRITÉRIOS PARA DIMENSIONAMENTO
DIMENSIONAMENTO
Velocidade Crítica:
Hidráulica Básica
Rodrigo de Melo Porto
REDE COLETORA- CRITÉRIOS PARA DIMENSIONAMENTO
DIMENSIONAMENTO
Lámina d’ água:
Lámina Máxima
A lámina máxima deverá ser igual ou inferior a 75%.
Lámina Mínima
Não se limita a lâmina mínima. O critério de cálculo da tensão
trativa maior ou igual a 1,0 Pa, garante a autolimpeza da rede.
OBRA:
LOCAL: q d = l/(s*m)
q i = 0,00020 l/(s*m)
EXTENSÃO
COEF. DO
TRECHO
VAZÃO A
MONTANTE
CONTRIB
TRECHO
VAZÃO A
JUSANTE
VAZÃO DE
PROJETO
DECLIV,
DIÂM.
COLETOR
(CALC)
DIÂM.
COLETOR
(ADOTADO)
PROF
PV
JUSANTE
LAMINA
LIQUIDA
V Vc
TENSÃO
TRATIVA
MONT JUSANTE (m) (l/s) (l/s) (l/s) (l/s) MONT JUSANTE MONT JUSANTE (m / m) (mm) (mm) (m) (y/D) (m/s) (m/s) (Pa)
-
-
-
-
-
-
-
-
-
SINGULARIDADE
COTA DO TERRENO
(m)
COTA DO COLETOR (m)
TRECHO
CNPJ:
Endereço:
RUA
Empresa:
LOGO
NENHUM LADO = 0
DOIS LADOS = 1,00
UM LADO = 0,50
DATA: 25/04/2021
PLANILHA DE DIMENSIONAMENTO - REDE DE COLETORA DE ESGOTO COEF. CONTRIBUIÇÃO
FOLHA: 1/1
PLANILHA EM EXCEL PARA DIMENSIONAMENTO DE REDE
COLETORA DE ESGOTO
DIMENSIONAMENTO
VERIFICAÇÃO
DECLIVIDADE
VERIFICAÇÃO LAMINA
LÍQUIDA
VERIFICAÇÃO
VELOCIDADE
VERIFICAÇÃO
DECLIVIDADE MÍNIMA
VERIFICAÇÃO
DECLIVIDADE
MÁXIMA
VERIFICAÇÃO
TENSÃO TRATIVA
DECLIVIDADE
MÍNIMA
DECLIVIDADE
MÁXIMA
VERIFICAÇÕES
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
DIMENSIONAMENTO
Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário
• Milton Tomoyuki Tsutiya e Pedro Além Sobrinho
Hidráulica Básica
• Rodrigo de Melo Porto
Manual de Hidráulica
• Azevedo Netto
35
Obrigado pela atenção.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 2 componentes sistema predial de esgoto
Aula 2   componentes sistema predial de esgotoAula 2   componentes sistema predial de esgoto
Aula 2 componentes sistema predial de esgoto
Claudio Santos
 
Sistemas prediais de aguas pluviais
Sistemas prediais de aguas pluviaisSistemas prediais de aguas pluviais
Sistemas prediais de aguas pluviais
Sergiooi
 
Linhas de-influencia-de-estruturas-isostaticas (1)
Linhas de-influencia-de-estruturas-isostaticas (1)Linhas de-influencia-de-estruturas-isostaticas (1)
Linhas de-influencia-de-estruturas-isostaticas (1)
UFRJ
 
Estudo de demandas do sistema de abastecimento de água
Estudo de demandas do sistema de abastecimento de águaEstudo de demandas do sistema de abastecimento de água
Estudo de demandas do sistema de abastecimento de água
Carlos Elson Cunha
 

Mais procurados (20)

Calculo da vazao projeto 2015.2
Calculo da vazao projeto 2015.2Calculo da vazao projeto 2015.2
Calculo da vazao projeto 2015.2
 
Pluviometria
PluviometriaPluviometria
Pluviometria
 
Projeto de sistema de drenagem (Completo)
Projeto de sistema de drenagem (Completo)Projeto de sistema de drenagem (Completo)
Projeto de sistema de drenagem (Completo)
 
Aula 2 componentes sistema predial de esgoto
Aula 2   componentes sistema predial de esgotoAula 2   componentes sistema predial de esgoto
Aula 2 componentes sistema predial de esgoto
 
Projeto de esgoto
Projeto de esgotoProjeto de esgoto
Projeto de esgoto
 
Exercicios resolvidos hidraulica
Exercicios resolvidos hidraulicaExercicios resolvidos hidraulica
Exercicios resolvidos hidraulica
 
Sistemas prediais de aguas pluviais
Sistemas prediais de aguas pluviaisSistemas prediais de aguas pluviais
Sistemas prediais de aguas pluviais
 
Exercícios mistura rápida
Exercícios mistura rápidaExercícios mistura rápida
Exercícios mistura rápida
 
Exercicios e respostas
Exercicios e respostasExercicios e respostas
Exercicios e respostas
 
Linhas de-influencia-de-estruturas-isostaticas (1)
Linhas de-influencia-de-estruturas-isostaticas (1)Linhas de-influencia-de-estruturas-isostaticas (1)
Linhas de-influencia-de-estruturas-isostaticas (1)
 
Saneamento - captação
Saneamento - captaçãoSaneamento - captação
Saneamento - captação
 
Aula Hidrologia - Método Racional
Aula Hidrologia - Método RacionalAula Hidrologia - Método Racional
Aula Hidrologia - Método Racional
 
Saneamento
SaneamentoSaneamento
Saneamento
 
Exercicios resolvidos -_hidraulica_basic
Exercicios resolvidos -_hidraulica_basicExercicios resolvidos -_hidraulica_basic
Exercicios resolvidos -_hidraulica_basic
 
684067 apostila drenagem (parte 1)
684067 apostila   drenagem (parte 1)684067 apostila   drenagem (parte 1)
684067 apostila drenagem (parte 1)
 
Hidráulica de Canais
Hidráulica de CanaisHidráulica de Canais
Hidráulica de Canais
 
Aula 1 exercício
Aula 1   exercícioAula 1   exercício
Aula 1 exercício
 
Estudo de demandas do sistema de abastecimento de água
Estudo de demandas do sistema de abastecimento de águaEstudo de demandas do sistema de abastecimento de água
Estudo de demandas do sistema de abastecimento de água
 
Cap6 adutoras
Cap6 adutorasCap6 adutoras
Cap6 adutoras
 
Taa 5
Taa 5Taa 5
Taa 5
 

Semelhante a Rede coletora de esgoto: Conceitos e Dimensionamento

Dimensionamento da micro drenagem (PSA/SEMASA - SANTO ANDRÉ).ppt
Dimensionamento da micro drenagem (PSA/SEMASA - SANTO ANDRÉ).pptDimensionamento da micro drenagem (PSA/SEMASA - SANTO ANDRÉ).ppt
Dimensionamento da micro drenagem (PSA/SEMASA - SANTO ANDRÉ).ppt
PequenoSenSei
 
Aula 3 - Sistemas de Esgotamento Sanitário - Parte 1.pdf
Aula 3 - Sistemas de Esgotamento Sanitário - Parte 1.pdfAula 3 - Sistemas de Esgotamento Sanitário - Parte 1.pdf
Aula 3 - Sistemas de Esgotamento Sanitário - Parte 1.pdf
RenatoTito3
 

Semelhante a Rede coletora de esgoto: Conceitos e Dimensionamento (20)

Dimensionamento da micro drenagem (PSA/SEMASA - SANTO ANDRÉ).ppt
Dimensionamento da micro drenagem (PSA/SEMASA - SANTO ANDRÉ).pptDimensionamento da micro drenagem (PSA/SEMASA - SANTO ANDRÉ).ppt
Dimensionamento da micro drenagem (PSA/SEMASA - SANTO ANDRÉ).ppt
 
Aula16_SHS409_2014.pdf
Aula16_SHS409_2014.pdfAula16_SHS409_2014.pdf
Aula16_SHS409_2014.pdf
 
Esgotos pluv
Esgotos pluvEsgotos pluv
Esgotos pluv
 
Manual de esgotamento sanitário
Manual de esgotamento sanitárioManual de esgotamento sanitário
Manual de esgotamento sanitário
 
Aula 3 - Sistemas de Esgotamento Sanitário - Parte 1.pdf
Aula 3 - Sistemas de Esgotamento Sanitário - Parte 1.pdfAula 3 - Sistemas de Esgotamento Sanitário - Parte 1.pdf
Aula 3 - Sistemas de Esgotamento Sanitário - Parte 1.pdf
 
Desenho de Instalacoes Sanitarias.ppt
Desenho de Instalacoes Sanitarias.pptDesenho de Instalacoes Sanitarias.ppt
Desenho de Instalacoes Sanitarias.ppt
 
Aula16_dimensionamento rede de distribuição.pptx
Aula16_dimensionamento rede de distribuição.pptxAula16_dimensionamento rede de distribuição.pptx
Aula16_dimensionamento rede de distribuição.pptx
 
Drenagem Urbana 01_85.pdf
Drenagem Urbana 01_85.pdfDrenagem Urbana 01_85.pdf
Drenagem Urbana 01_85.pdf
 
SISTEMAS DE ESGOTAMENTO SANITARIO NOTAS DE AULA.pdf
SISTEMAS DE ESGOTAMENTO SANITARIO NOTAS DE AULA.pdfSISTEMAS DE ESGOTAMENTO SANITARIO NOTAS DE AULA.pdf
SISTEMAS DE ESGOTAMENTO SANITARIO NOTAS DE AULA.pdf
 
Abastecimento de água Eberson.pptx
Abastecimento de água Eberson.pptxAbastecimento de água Eberson.pptx
Abastecimento de água Eberson.pptx
 
Aula 4 dimensionamento
Aula 4   dimensionamentoAula 4   dimensionamento
Aula 4 dimensionamento
 
aula-6.pptx
aula-6.pptxaula-6.pptx
aula-6.pptx
 
1241681
12416811241681
1241681
 
SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS - drenagem 1.pptx
SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS - drenagem 1.pptxSISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS - drenagem 1.pptx
SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS - drenagem 1.pptx
 
Estudo tecnico preliminar de saneamento basico no municipio de arcoverde.pptx
Estudo tecnico preliminar de saneamento basico no municipio de arcoverde.pptxEstudo tecnico preliminar de saneamento basico no municipio de arcoverde.pptx
Estudo tecnico preliminar de saneamento basico no municipio de arcoverde.pptx
 
Rede de esgoto
Rede de esgotoRede de esgoto
Rede de esgoto
 
classes
classesclasses
classes
 
Apostila de encanador
Apostila de encanadorApostila de encanador
Apostila de encanador
 
Apostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria finalApostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria final
 
Apostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria finalApostila hidraulica sanitaria final
Apostila hidraulica sanitaria final
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 

Último (20)

análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 

Rede coletora de esgoto: Conceitos e Dimensionamento

  • 1. 1 REDE COLETORA DE ESGOTO: CONCEITOS E DIMENSIONAMENTO Mateus Caetano Dezotti Eng. Civil
  • 2. Sistema Unitário: esgoto + águas pluviais Sistema Separador Absoluto (Brasil): esgoto (é proibido jogar água de chuva no esgoto) SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS TIPOS DE SISTEMAS: CONCEITOS BÁSICOS
  • 3. Ramal predial: Trecho da tubulação compreendido entre a caixa de inspeção de ligação e o coletor de esgotos Rede Coletora: Tubulação que recebe contribuições dos ramais prediais e de outras redes coletoras de esgotos Coletor tronco / Interceptor: Tubulação que recebe contribuições de redes coletoras de esgoto e de outros coletores tronco, não recebendo ligações prediais diretas Emissário: Canalização destinada a conduzir os esgotos a um destino conveniente sem receber contribuições em marcha. SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS PARTES CONSTITUINTES: CONCEITOS BÁSICOS
  • 4. Estação Elevatória: Tem a finalidade de recalcar o esgoto de uma cota mais baixa para uma cota mais alta Sifão Invertido: Trecho rebaixado com escoamento sob pressão, cuja finalidade é transpor obstáculos, depressões do terreno ou cursos d´água Estação de Tratamento: é a unidade operacional do sistema de esgotamento sanitário que através de processos físicos, químicos ou biológicos removem as cargas poluentes do esgoto, devolvendo ao ambiente o produto final, efluente tratado, em conformidade com os padrões exigidos pela legislação ambiental. SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS PARTES CONSTITUINTES: CONCEITOS BÁSICOS
  • 5. SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS PARTES CONSTITUINTES:
  • 6. REDE COLETORA – ÓRGÃOS ACESSÓRIOS Poço de Visita (PV): Câmara visitável através de abertura existente em sua parte superior, destinado à execução de trabalhos de manutenção e inspeção. Deve ser obrigatoriamente usado nas seguintes condições: a) na confluência de mais de 2 (dois) trechos à singularidade e 1 (uma) saída; b) na confluência que exige colocação de tubo de queda; c) Quando a profundidade for maior ou igual a 1,60 m; d) a jusante de ligações prediais cujas contribuições podem acarretar problemas de manutenção.
  • 7. POÇO DE VISITA (PV) REDE COLETORA – ÓRGÃOS ACESSÓRIOS Tubo de queda: Dispositivo instalado no poço de visita (PV), ligando um coletor afluente ao fundo do poço
  • 8. POÇO DE VISITA (PV) REDE COLETORA – ÓRGÃOS ACESSÓRIOS
  • 9. Poço de Inspeção (PI): Dispositivo não visitável que permite inspeção e introdução de equipamentos de desobstrução e limpeza. Devem ser usados nas seguintes situações: a) na confluência de até 2 (dois) trechos à singularidade e 1 (uma) saída; b) nos pontos com degrau de altura igual ou inferior a 0,50 m; c) profundidade do coletor até 1,60 m - diâmetro do coletor até 200 mm; REDE COLETORA – ÓRGÃOS ACESSÓRIOS
  • 10. REDE COLETORA – ÓRGÃOS ACESSÓRIOS POÇO DE INSPEÇÃO (PI)
  • 11. Terminal de Limpeza (TL): Dispositivo não visitável que permite inspeção e introdução de equipamentos de limpeza, sendo localizado na cabeceira deste O TL deve ser usado em pontas secas, isto é, no início (montante) de redes coletoras de esgotos, exceto em ruas de terra, e nos casos em que há previsão de prolongamento de rede, quando deve-se usar PI ou PV. REDE COLETORA – ÓRGÃOS ACESSÓRIOS TERMINAL DE LIMPEZA (TL)
  • 12. h p p = a + i.L + h SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS RAMAIS PREDIAIS E A PROFUNDIDADE MÍNIMA DA REDE Diâmetro do ramal predial: em geral – 100 mm i = 2% - declividade do ramal predial (excepcionalmente = 1%)
  • 13. SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS RAMAIS PREDIAIS E A PROFUNDIDADE MÍNIMA DA REDE Diâmetro do ramal predial: em geral – 100 mm
  • 14. SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS CONEXÃO À REDE COLETORA
  • 15. SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS REDE COLETORA – POSIÇÃO NA VIA PÚBLICA A escolha da posição da rede em via pública depende dos seguintes fatores: •Conhecimento das interferências (galerias de águas pluviais, cabos telefônicos e elétricos, adutoras, redes de água, tubulação de gás); •Profundidade dos coletores; •Tráfego; Largura da rua e da calçada; Soleiras dos prédios, etc.
  • 16. REDE SIMPLES: Os coletores serão lançados no eixo carroçável, ou no terço do leito carroçável; Caso em um dos lados da rua existam soleiras mais baixas ou negativas, o coletor deverá ser lançado no terço correspondente. SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS REDE COLETORA – POSIÇÃO NA VIA PÚBLICA
  • 17. REDE DUPLA: Vias com tráfego intenso; Vias largas (avaliação de custos); Vias com interferências que impossibilitem o assentamento do coletor no leito carroçável, ou que constituam empecilho à execução das ligações prediais; SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS REDE COLETORA – POSIÇÃO NA VIA PÚBLICA
  • 18. Rede Coletora, Interceptor, Emissário → Condutos livres, em geral Emissário → condutos livres (há também em conduto forçado por gravidade) Sifões Invertidos, Linha de Recalque das Elevatórias e Emissários Submarinos → Condutos forçados (gravidade ou recalque) REGIME HIDRÁULICO DE ESCOAMENTO CONCEITOS BÁSICOS
  • 19. Tubos cerâmicos: 100, 150, 200, 250, 300, 350, 375, 400 mm - Junta: Asfalto / Elástica / Argamassa Tubos de ferro fundido dúctil: 150 a 1200 mm – junta elástica Tubos de PVC: 100 a 400 mm – junta elástica Tubos de polyester: 100 a 2000 mm – junta elástica Tubos de concreto: 400 a 2000 mm – junta elástica Tubos de PEAD “O tubo cerâmico tem durabilidade superior a 100 anos” TUBOS CERÂMICOS TAMBAÚ – 19 3673-1585 MATERIAIS UTILIZADOS EM TUBULAÇÕES DE ESGOTO
  • 20. NBR 9648 – Estudo de concepção de sistemas de Esgoto Sanitário, 1986. NBR 9649 – Projeto de Redes Coletoras de Esgoto Sanitário, 1986. NBR 12207 - Projeto de Interceptores de Esgoto Sanitário, 1989. NBR 12208 - Projeto de Estações Elevatórias de Esgoto Sanitário, 1989. NBR 12209 - Projeto de Estações de Tratamento de Esgoto Sanitário, 1990. SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS NORMAS PARA PROJETOS DIMENSIONAMENTO
  • 21. DIMENSIONAMENTO DE REDES COLETORAS DE ESGOTO No dimensionamento há que se garantir, ao mesmo tempo:  Escoamento da vazão máxima de final de plano (de tal forma que a lâmina de água máxima seja inferior a 75%);  Arraste de sólidos e controle do sulfeto de hidrogênio para a vazão mínima de início de plano. Para isso temos que escolher: Diâmetro da tubulação; Declividade da tubulação. Com os menores custos
  • 22. REDE COLETORA – PROFUNDIDADE DOS COLETORES DIMENSIONAMENTO
  • 23. VAZÕES DE DIMENSIONAMENTO O menor valor da vazão em qualquer trecho = 1,5 L/s. DIMENSIONAMENTO
  • 25. • Vazão Média • Vazão Máxima Diária • Vazão Máxima Horária Vazões de Dimensionamento VAZÕES DE PROJETO (l/s) (l/s) (l/s)
  • 26. 26 CONSUMO PER CAPITA MÉDIO “q” A NB – 587/79 diz que inexistindo dados confiáveis, locais ou regionais, e não sendo fixados previamente pelo órgão contratante, serão adotados os seguintes consumos médios “per capita”, para satisfazer inclusive à demanda comercial, industrial (que não utilizam água em seus processamentos), à demanda de usos públicos e as perdas: Populações futuras de até 10.000 hab 150–200 l/hab.dia 10.000 hab < População futura < 50.000 hab 200-250 l/hab.dia População futura > 50.000 250 l/hab.dia População temporária 100 l/hab.dia Tabela – Consumos médios “per capita”
  • 27. VAZÕES DE DIMENSIONAMENTO a) por metro linear de tubulação sendo: qi = vazão de distribuição em marcha inicial (l/s m) qf = vazão de distribuição em marcha final (l/s m) Qi = vazão máxima inicial (l/s) Qf = vazão máxima final (l/s) Lc = comprimento total da tubulação com contribuição (m) DIMENSIONAMENTO
  • 28. REDE COLETORA- CRITÉRIOS PARA DIMENSIONAMENTO DIMENSIONAMENTO sendo: D = diâmetro da tubulação (m) Qf = vazão máxima final (m³/s) I = declividade (m/m) O diâmetro que atende a condição y/D=0,75, pode ser calculado pela equação: Diâmetro: Diâmetro mínimo para rede coletora = 150 mm
  • 29. REDE COLETORA- CRITÉRIOS PARA DIMENSIONAMENTO DIMENSIONAMENTO Declividade mínima:
  • 30. REDE COLETORA- CRITÉRIOS PARA DIMENSIONAMENTO DIMENSIONAMENTO Declividade máxima: sendo: Imax = declividade máxima (m/m) Qf = vazão máxima final (l/s) A equação da declividade máxima é valida para o coeficiente de Manning: n = 0,013
  • 31. REDE COLETORA- CRITÉRIOS PARA DIMENSIONAMENTO DIMENSIONAMENTO Velocidade Crítica:
  • 32. Hidráulica Básica Rodrigo de Melo Porto REDE COLETORA- CRITÉRIOS PARA DIMENSIONAMENTO DIMENSIONAMENTO Lámina d’ água: Lámina Máxima A lámina máxima deverá ser igual ou inferior a 75%. Lámina Mínima Não se limita a lâmina mínima. O critério de cálculo da tensão trativa maior ou igual a 1,0 Pa, garante a autolimpeza da rede.
  • 33. OBRA: LOCAL: q d = l/(s*m) q i = 0,00020 l/(s*m) EXTENSÃO COEF. DO TRECHO VAZÃO A MONTANTE CONTRIB TRECHO VAZÃO A JUSANTE VAZÃO DE PROJETO DECLIV, DIÂM. COLETOR (CALC) DIÂM. COLETOR (ADOTADO) PROF PV JUSANTE LAMINA LIQUIDA V Vc TENSÃO TRATIVA MONT JUSANTE (m) (l/s) (l/s) (l/s) (l/s) MONT JUSANTE MONT JUSANTE (m / m) (mm) (mm) (m) (y/D) (m/s) (m/s) (Pa) - - - - - - - - - SINGULARIDADE COTA DO TERRENO (m) COTA DO COLETOR (m) TRECHO CNPJ: Endereço: RUA Empresa: LOGO NENHUM LADO = 0 DOIS LADOS = 1,00 UM LADO = 0,50 DATA: 25/04/2021 PLANILHA DE DIMENSIONAMENTO - REDE DE COLETORA DE ESGOTO COEF. CONTRIBUIÇÃO FOLHA: 1/1 PLANILHA EM EXCEL PARA DIMENSIONAMENTO DE REDE COLETORA DE ESGOTO DIMENSIONAMENTO VERIFICAÇÃO DECLIVIDADE VERIFICAÇÃO LAMINA LÍQUIDA VERIFICAÇÃO VELOCIDADE VERIFICAÇÃO DECLIVIDADE MÍNIMA VERIFICAÇÃO DECLIVIDADE MÁXIMA VERIFICAÇÃO TENSÃO TRATIVA DECLIVIDADE MÍNIMA DECLIVIDADE MÁXIMA VERIFICAÇÕES
  • 34. BIBLIOGRAFIA SUGERIDA DIMENSIONAMENTO Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário • Milton Tomoyuki Tsutiya e Pedro Além Sobrinho Hidráulica Básica • Rodrigo de Melo Porto Manual de Hidráulica • Azevedo Netto