SlideShare uma empresa Scribd logo

Artigo

O documento discute a favelização no Rio de Janeiro e como a política populista levou ao aumento desordenado da ocupação de morros e áreas de risco, colocando vidas em perigo. Governantes elegeram favelas como "currais eleitorais" sem levar em conta os riscos das localizações. Quando deslizamentos de terra ocorrem, são as comunidades mais pobres nas encostas que sofrem as piores consequências das tragédias, apesar de terem sido usadas apenas para angariar votos.

1 de 1
Baixar para ler offline
FAVELIZAÇÃO NÃO

        Rio de Janeiro – Cidade do Esplendor, filme de Winton Hoch, de 1936,
retrata o cenário trágico do populismo, da favelização, da ocupação
desordenada dos morros da “cidade maravilhosa”.
        Nas ultimas semanas foi possível acompanhar o deslizamento do Morro
do Bumba, antigo lixão hoje favela, em Niterói, onde milhares de pessoas
perderam suas casas, familiares e amigos. No meio da cratera que se abriu,
sobrou lixo, lama e lembranças do esplendor da cidade maravilhosa.
        Indaga-se se o que ocorreu é obra da natureza. Esta, estaria se voltando
contra o homem, o qual, desmatou e desmata, poluiu e polui cada vez mais? A
resposta afirmativa está na boca de todos. Mas pensando bem, no Brasil não
tem tsunamis, tornados, vulcões, terremotos, enfim fenômenos naturais que
abalem o país. Que fenômeno que abala o povo brasileiro? Mensalão, caixa
dois, dinheiro na meia, CPIs. A velha e conhecida política. Sim, a política
brasileira, seria um fator em potencial a ser considerado um dos causadores de
tragédias.
        As pessoas e as casas que foram soterrados por avalanches no Rio de
Janeiro e região metropolitana, foram vitimas da irresponsabilidade, da
demagogia de governantes que abriram caminho para que o processo da
“indústria da favelização”, ou seja, a ocupação desordenadas dos morros e
locais inadequados, acontecesse. Uma reportagem da revista Veja do mês de
abril mostra que a ocupação das favelas cariocas aumentou em um ritmo 270%
maior do que o crescimento populacional da cidade. Isso evidencia que as
pessoas mais pobres não foram parar nos morros por conseqüência da
demografia natural, mas sim, comunidades foram fundadas para eleger
políticos inescrupulosos, que assentaram essas pessoas humildes e sem voz
ativa em locais de risco. Currais eleitorais entremeio à maravilhosa paisagem
da Baia de Guanabara, Copacabana, Ipanema, Pão de Açúcar e Cristo
Redentor. Populismo desenfreado nas encostas da Serra do Mar. Pontos nem
tão turísticos, lembrados apenas em períodos de eleições.
        São essas pessoas, essas comunidades, currais eleitorais, que sofrem
com as chuvas, com a escassez de água, com a falta de recursos e com as
tragédias naturais. São eles, que perdem tudo. São eles a maioria, que com
seus votos, elegem esse ou aquele. A cidade nem mais tão maravilhosa assim,
precisa de ajuda. Favela é problema e voto não é a solução.
                                                      BRUNA BRINGHENTTI DALMAGRO

Recomendados

Riode janeiro,copadomundo,olimpíada.
Riode janeiro,copadomundo,olimpíada.Riode janeiro,copadomundo,olimpíada.
Riode janeiro,copadomundo,olimpíada.Renato Cardoso
 
Convocação para primeira audiencia publica crise hidrica cps 26 10-15
Convocação para primeira audiencia publica crise hidrica cps 26 10-15Convocação para primeira audiencia publica crise hidrica cps 26 10-15
Convocação para primeira audiencia publica crise hidrica cps 26 10-15Resgate Cambuí
 
Tragédias das chuvas - RJ
Tragédias das chuvas - RJTragédias das chuvas - RJ
Tragédias das chuvas - RJpoiemarilli
 
Relatório do FILME: Nas Terras do Bem-Virá
Relatório do FILME: Nas Terras do Bem-ViráRelatório do FILME: Nas Terras do Bem-Virá
Relatório do FILME: Nas Terras do Bem-ViráWagner Rabelo
 

Mais conteúdo relacionado

Destaque (20)

Arquivo exemplo
Arquivo exemploArquivo exemplo
Arquivo exemplo
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Construção civil
Construção civilConstrução civil
Construção civil
 
Retencao impostosfederais aliquota-evolucao
Retencao impostosfederais aliquota-evolucaoRetencao impostosfederais aliquota-evolucao
Retencao impostosfederais aliquota-evolucao
 
Aula do prof douglas
Aula do prof douglasAula do prof douglas
Aula do prof douglas
 
Balneario Castellano
Balneario CastellanoBalneario Castellano
Balneario Castellano
 
medicina humana (La tarantella y el trantulismo para todos.)
medicina humana (La tarantella y el trantulismo para todos.)medicina humana (La tarantella y el trantulismo para todos.)
medicina humana (La tarantella y el trantulismo para todos.)
 
B10
B10B10
B10
 
Dia dos pais
Dia dos paisDia dos pais
Dia dos pais
 
Medios audivisuales en las enseñanza el video
Medios audivisuales en las enseñanza  el videoMedios audivisuales en las enseñanza  el video
Medios audivisuales en las enseñanza el video
 
Ensayo ecotecnologias (1)
Ensayo ecotecnologias (1)Ensayo ecotecnologias (1)
Ensayo ecotecnologias (1)
 
Ode a Turma 72
Ode a Turma 72Ode a Turma 72
Ode a Turma 72
 
Deus conosco setembro
Deus conosco setembroDeus conosco setembro
Deus conosco setembro
 
Auto estima
Auto estimaAuto estima
Auto estima
 
Presentacion amistad
Presentacion amistadPresentacion amistad
Presentacion amistad
 
Cópia de eae bcapa livroexcelente resolução
Cópia de eae bcapa livroexcelente resoluçãoCópia de eae bcapa livroexcelente resolução
Cópia de eae bcapa livroexcelente resolução
 
Torne sua varanda mais acolhedora - parte 2
Torne sua varanda mais acolhedora - parte 2Torne sua varanda mais acolhedora - parte 2
Torne sua varanda mais acolhedora - parte 2
 
La comunicación
La comunicaciónLa comunicación
La comunicación
 
Udhockey
UdhockeyUdhockey
Udhockey
 
Presentacion01
Presentacion01Presentacion01
Presentacion01
 

Semelhante a Artigo

Trgédias das Chuvas
Trgédias das ChuvasTrgédias das Chuvas
Trgédias das Chuvaspoiemarilli
 
MÓDULO IX-ARCADISMO( O HOMEM E A VALORIZAÇÃO DAS RIQUEZAS NATURAIS)
MÓDULO IX-ARCADISMO( O HOMEM E A VALORIZAÇÃO DAS RIQUEZAS NATURAIS)MÓDULO IX-ARCADISMO( O HOMEM E A VALORIZAÇÃO DAS RIQUEZAS NATURAIS)
MÓDULO IX-ARCADISMO( O HOMEM E A VALORIZAÇÃO DAS RIQUEZAS NATURAIS)Priscila Santana
 
Simulado de portugues 9ano
Simulado de portugues 9anoSimulado de portugues 9ano
Simulado de portugues 9anoWendell Sena
 
Missoesumaperspectivaurbana 130814150615-phpapp01
Missoesumaperspectivaurbana 130814150615-phpapp01Missoesumaperspectivaurbana 130814150615-phpapp01
Missoesumaperspectivaurbana 130814150615-phpapp01Rubens Tatekawa
 
O Brasil que vive no século 19 (2016)
O Brasil que vive no século 19 (2016)O Brasil que vive no século 19 (2016)
O Brasil que vive no século 19 (2016)Marcelo Soares
 
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...Universidade Federal Fluminense
 
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...Universidade Federal Fluminense
 
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social de populações sujeita...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social de populações sujeita...Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social de populações sujeita...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social de populações sujeita...Universidade Federal Fluminense
 
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIII
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIIIFolhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIII
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIIIValter Gomes
 
O Rio Civilizado - Sonhos e Pesadelos da Cidade Moderna
O Rio Civilizado  - Sonhos e Pesadelos da Cidade ModernaO Rio Civilizado  - Sonhos e Pesadelos da Cidade Moderna
O Rio Civilizado - Sonhos e Pesadelos da Cidade ModernaAdilson P Motta Motta
 
Jornal Viva Gente Edição 05
Jornal Viva Gente Edição 05 Jornal Viva Gente Edição 05
Jornal Viva Gente Edição 05 O Vale do Ribeira
 
Modulo 5 pibid
Modulo 5 pibidModulo 5 pibid
Modulo 5 pibidstuff5678
 

Semelhante a Artigo (20)

Avaliação 1
Avaliação 1Avaliação 1
Avaliação 1
 
Trgédias das Chuvas
Trgédias das ChuvasTrgédias das Chuvas
Trgédias das Chuvas
 
O urbanismo e a gestão de desastres naturais
O urbanismo e a gestão de desastres naturaisO urbanismo e a gestão de desastres naturais
O urbanismo e a gestão de desastres naturais
 
515 an 17_março_2015.ok
515 an 17_março_2015.ok515 an 17_março_2015.ok
515 an 17_março_2015.ok
 
MÓDULO IX-ARCADISMO( O HOMEM E A VALORIZAÇÃO DAS RIQUEZAS NATURAIS)
MÓDULO IX-ARCADISMO( O HOMEM E A VALORIZAÇÃO DAS RIQUEZAS NATURAIS)MÓDULO IX-ARCADISMO( O HOMEM E A VALORIZAÇÃO DAS RIQUEZAS NATURAIS)
MÓDULO IX-ARCADISMO( O HOMEM E A VALORIZAÇÃO DAS RIQUEZAS NATURAIS)
 
Módulo+09..
Módulo+09..Módulo+09..
Módulo+09..
 
Simulado de portugues 9ano
Simulado de portugues 9anoSimulado de portugues 9ano
Simulado de portugues 9ano
 
Módulo 09 arcadismo
Módulo 09   arcadismoMódulo 09   arcadismo
Módulo 09 arcadismo
 
Missoesumaperspectivaurbana 130814150615-phpapp01
Missoesumaperspectivaurbana 130814150615-phpapp01Missoesumaperspectivaurbana 130814150615-phpapp01
Missoesumaperspectivaurbana 130814150615-phpapp01
 
O Brasil que vive no século 19 (2016)
O Brasil que vive no século 19 (2016)O Brasil que vive no século 19 (2016)
O Brasil que vive no século 19 (2016)
 
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
 
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
 
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social de populações sujeita...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social de populações sujeita...Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social de populações sujeita...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social de populações sujeita...
 
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIII
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIIIFolhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIII
Folhetim do Estudante - Ano II - Núm. XXIII
 
O Rio Civilizado - Sonhos e Pesadelos da Cidade Moderna
O Rio Civilizado  - Sonhos e Pesadelos da Cidade ModernaO Rio Civilizado  - Sonhos e Pesadelos da Cidade Moderna
O Rio Civilizado - Sonhos e Pesadelos da Cidade Moderna
 
Caderno de pauta 003
Caderno de pauta 003Caderno de pauta 003
Caderno de pauta 003
 
Jornal Viva Gente Edição 05
Jornal Viva Gente Edição 05 Jornal Viva Gente Edição 05
Jornal Viva Gente Edição 05
 
Modulo 5 pibid
Modulo 5 pibidModulo 5 pibid
Modulo 5 pibid
 
Módulo V
Módulo VMódulo V
Módulo V
 
Favelização
FavelizaçãoFavelização
Favelização
 

Mais de Bruna Dalmagro (20)

Web tv
Web tvWeb tv
Web tv
 
Higiene bucal
Higiene bucalHigiene bucal
Higiene bucal
 
Pauta nutriçao
Pauta   nutriçaoPauta   nutriçao
Pauta nutriçao
 
Amor
AmorAmor
Amor
 
Palestra sobre comunicaçao
Palestra sobre comunicaçaoPalestra sobre comunicaçao
Palestra sobre comunicaçao
 
Eu, a empresa e a aquipe
Eu, a empresa e a aquipeEu, a empresa e a aquipe
Eu, a empresa e a aquipe
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 4
 
Pop art
Pop artPop art
Pop art
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 4
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Simple Past 1
Simple Past 1Simple Past 1
Simple Past 1
 
Simple Past
Simple PastSimple Past
Simple Past
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula
Aula Aula
Aula
 
jornalismo literário
jornalismo literáriojornalismo literário
jornalismo literário
 
Projeto de arte
Projeto de arteProjeto de arte
Projeto de arte
 
Picasso e cubismo
Picasso e cubismoPicasso e cubismo
Picasso e cubismo
 
Faixas decorativas
Faixas decorativasFaixas decorativas
Faixas decorativas
 
Aula inaugural
Aula inauguralAula inaugural
Aula inaugural
 

Artigo

  • 1. FAVELIZAÇÃO NÃO Rio de Janeiro – Cidade do Esplendor, filme de Winton Hoch, de 1936, retrata o cenário trágico do populismo, da favelização, da ocupação desordenada dos morros da “cidade maravilhosa”. Nas ultimas semanas foi possível acompanhar o deslizamento do Morro do Bumba, antigo lixão hoje favela, em Niterói, onde milhares de pessoas perderam suas casas, familiares e amigos. No meio da cratera que se abriu, sobrou lixo, lama e lembranças do esplendor da cidade maravilhosa. Indaga-se se o que ocorreu é obra da natureza. Esta, estaria se voltando contra o homem, o qual, desmatou e desmata, poluiu e polui cada vez mais? A resposta afirmativa está na boca de todos. Mas pensando bem, no Brasil não tem tsunamis, tornados, vulcões, terremotos, enfim fenômenos naturais que abalem o país. Que fenômeno que abala o povo brasileiro? Mensalão, caixa dois, dinheiro na meia, CPIs. A velha e conhecida política. Sim, a política brasileira, seria um fator em potencial a ser considerado um dos causadores de tragédias. As pessoas e as casas que foram soterrados por avalanches no Rio de Janeiro e região metropolitana, foram vitimas da irresponsabilidade, da demagogia de governantes que abriram caminho para que o processo da “indústria da favelização”, ou seja, a ocupação desordenadas dos morros e locais inadequados, acontecesse. Uma reportagem da revista Veja do mês de abril mostra que a ocupação das favelas cariocas aumentou em um ritmo 270% maior do que o crescimento populacional da cidade. Isso evidencia que as pessoas mais pobres não foram parar nos morros por conseqüência da demografia natural, mas sim, comunidades foram fundadas para eleger políticos inescrupulosos, que assentaram essas pessoas humildes e sem voz ativa em locais de risco. Currais eleitorais entremeio à maravilhosa paisagem da Baia de Guanabara, Copacabana, Ipanema, Pão de Açúcar e Cristo Redentor. Populismo desenfreado nas encostas da Serra do Mar. Pontos nem tão turísticos, lembrados apenas em períodos de eleições. São essas pessoas, essas comunidades, currais eleitorais, que sofrem com as chuvas, com a escassez de água, com a falta de recursos e com as tragédias naturais. São eles, que perdem tudo. São eles a maioria, que com seus votos, elegem esse ou aquele. A cidade nem mais tão maravilhosa assim, precisa de ajuda. Favela é problema e voto não é a solução. BRUNA BRINGHENTTI DALMAGRO