SlideShare uma empresa Scribd logo
Sumário
Conteúdo                                                        Página
    Capítulo 1- .NET                                                 1
      Framework
                           O que é?                                  1
                           História                                  1
                           Versões do .NET Framework                 2
                           Principais Recursos por versões           2
                           Arquitetura básica                        3
                           O que é IL?                               3
                           Garbage Collection                        6
                           GAC                                       6
                           LINKS                                     7


  Capítulo 2-Microsoft                                               8
   Visual Studio 2010
                           O que é?                                  8
                           História                                  8
                           Funcionalidades por versões               8
                           Como iniciar?                             8
                           Estrutura de um projeto e tipos de       10
                           arquivos básicos
                           Templates                                11
                           Code Snippet                             12
                           Ferramentas de analise de código         13
                           Principais janelas do VS 2010            13
                           Debugando com VS 2010                    13
                           IntelliTrace                             14
                           Gerando um release                       16
                           LINKS                                    16

 Capítulo 3-Microsoft C#                                            17
                           O que é?                                 17
                           História                                 17
                           Visão conceitual classes                 17
                           Namespaces                               18
                           Using                                    18
                           Tipos de dados básicos                   19
                           Tipos de valor e de referência           20
                           Varáveis                                 21
                           Operadores                               21
                           Desvios condicionais                     24
                           Switch                                   25
                           Estruturas de repetição                  26
                           Tratamento de erro                       30
                           Arrays e Lists                           30
                           Windows Forms                            32
                           Eventos                                  32
                           Guia rápido: Hello World                 33
                           Principais componentes Windows           34
Forms
                            Trabalhando com arquivo texto   51
                            Modificadores de acesso         53
                            Classes                         53
                            Propriedades e variáveis        53
                            Construtores                    54
                            Métodos                         56
                            Sobrecarga                      57
                            Enums                           59
                            Herança                         59
                            Classes e métodos estáticos     60
                            Conversões                      61
                            Interfaces                      61
                            ADO.net – Trabalhando com       62
                            bancos de dados
                            Criação de controles            65
                            customizados
                            Generics                        66
                            Lambda Expressions              67
                            Reflection                      68
                            LINKS                           71

Capítulo 4 – Orientação a                                   72
         objetos
                            Pilares                         72
                            Princípios                      73
1    Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

    Capítulo 1 - Microsoft .NET Framework.




    O que é?

             Microsoft .NET é componente construído pela Microsoft, que visa uma plataforma única para desenvolvimento e
    execução de sistemas e aplicações. Todo e qualquer código gerado para .NET, pode ser executado em qualquer dispositivo que
    possua o framework de tal plataforma instalado. Dessa forma o programador deixa de escrever código para um sistema ou
    dispositivo específico, e passa a escrever para a plataforma.NET.

    O .net Framework é projetado para atender os seguintes objetivos:

           Fornecer um ambiente de programação orientada a objetos consistente, se o código é armazenado e executado
            localmente, executado localmente, mas distribuído pela Internet ou executado remotamente.
           Fornecer um ambiente de execução que minimiza conflitos de implantação de software e controle de versões.
           Fornecer um ambiente de execução que promove a execução segura do código, incluindo código criado por um
            desconhecido ou por um terceiro que não seja totalmente confiável.
           Fornecer um ambiente de execução que elimina os problemas de desempenho de ambientes interpretados ou com scripts.
           Tornar a experiência do desenvolvedor consistente, através dos diversos tipos de aplicações, tais como aplicativos
            baseados no Windows e aplicativos baseados na Web.
           Construir toda a comunicação em padrões da indústria para garantir que o código com base no .net framework possa
            interagir com qualquer outro código.

    História

    A Microsoft lançou o .net Framework em 2001 com a intenção de redefinir a maneira que escrevemos programas para Windows e
    também pra web, a iniciativa .net travou uma árdua briga com a Sun Microsystems em relação a versão da Microsoft da
    linguagem java que era a mais usada para desenvolvimento de aplicativos .net quando o framework surgiu. Esta implementação
    específica do java concebida pela Microsoft foi nomeada J++ e sua biblioteca de classe WFC(Windows foundation Classes) foi
    em grande parte desenhada por Ander Hejlsber um ex-funcionário da Borland que ficou conhecido pela sua participação
    nas linguagens Pascal, Turbo Pascal,Borland Pascal e Delphi. Posteriormente o Visual J + +( Visual Studio 6.0 foi o último a
    conter suporte a essa linguagem) foi descontinuado, Hejlsberg foi nomeado arquiteto-chefe da linguagem C # e um dos principais
    desenvolvedores do .NET Framework.
2       Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

    Versões do .net framework




    Principais recursos por versão do framework

    Cada versão do .net framework tem suas particularidades, porém toda versão é completamente compatíveis com as anteriores
    minimizando assim o impacto da migração de uma versão para outra, inclusive módulos compilados em uma versão mais antiga
    pode ser carregado em um aplicativo construído com uma versão mais atual. Na tabela abaixo temos os principais alterações
    ocorridas em cada versão do .net framework, notem que nem sempre o CLR é atualizado a cada versão do .net quer dizer que
    apenas novos módulos foram adicionados mas a forma de gerenciamento do código permanece a mesma.



    Versão do .NET       Versão    Versão do Visual Studio         Descrição
    Framework            do CLR
    1.0                  1.0       Visual Studio .NET              Contém a primeira versão do CLR e a primeira versão da
                                                                   biblioteca de classes.
    1.1                  1.1       Visual Studio .NET 2003         Inclui atualizações para o ASP.NET e pra o ADO.NET. Essa
                                                                   versão foi posteriormente atualizada 2 vezes com o Service
                                                                   Pack 1(SP1) e Service Pack 2(SP2) Essa versão também
                                                                   introduziu a execução sibe-by-side a qual habilita aplicações
                                                                   em um único computador executar em várias versões do CLR .
    2.0                  2.0       Visual Studio 2005
                                                                   Introduziu uma nova versão do CLR com adições para as
                                                                   bibliotecas de classes incluindo os tipos genéricos, coleções
                                                                   genéricas e acréscimos significativos para o ASP.NET. Esta
                                                                   versão foi posteriormente atualizada com o SP1 e o SP2.

    3.0                  2.0       Visual Studio 2005              Esta versão é essencialmente o .NET Framework 2.0 com a
                                                                   adição do Windows Presentation Foundation (WPF), o
                                                                   Windows Communications Foundation (WCF), o Windows
                                                                   Workflow Foundation (WF) e o CardSpace. Posteriormente foi
                                                                   atualizado com o SP1 e o SP2.

    3.5                  2.0       Visual Studio 2008              Acrescentou novas funcionalidades, tais como suporte a AJAX
                                                                   e LINQ. A atualização do SP1, acrescentou ao. NET
                                                                   Framework, dados dinâmicos, e um pequeno conjunto de
                                                                   melhorias adicionais.
    4                    4         Visual Studio 2010              Inclui uma nova versão do CLR, bibliotecas de classes básicas
                                                                   e novas funcionalidades, tais como o Managed Extensibility
                                                                   Framework (MEF) , dynamic language runtime (DLR) e code
                                                                   contracts.
3    Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

    Arquitetura básica

    O Microsoft .NET Framework é composto por 2 componentes principais: o CLR(Common Language Runtime) e a biblioteca de
    classes. O Common Language Runtime é a base do Framework .NET. Você pode pensar no Runtime como um agente que gere
    código em tempo de execução, fornecendo principalmente serviços como gerenciamento de memória, gerenciamento de segmento
    e processamento remoto, ao mesmo tempo a segurança de tipos estritos e outras formas de precisão de código que promovem
    segurança e robustez. Na verdade, o conceito de gerenciamento de código é um princípio fundamental do runtime. Código
    rodando sobre o CLR é conhecido como código gerenciado, enquanto o código que não roda sobre ele é conhecido como código
    não gerenciado. A biblioteca de classes, é o outro componente principal do .NET Framework, se trata de uma vasta coleção
    orientada a objetos de tipos reutilizáveis que você pode usar para desenvolver aplicações que vão desde a tradicional linha de
    comando até aplicativos com interface gráfica do usuário (GUI), para aplicativos com base em inovações mais recentes fornecidas
    pelo ASP.NET, como Web Forms e Serviços Web XML.



    Abaixo temos uma ilustração com uma visão holística da relação entre a biblioteca de classes, o.net framework, sua aplicação e o
                                               sistema operacional ou o hardware.




    O que é IL?

    Uma grande quantidade de linguagens podem ser utilizadas para construção de aplicativos baseados no .net framework , na
    verdade qualquer linguagem que possua um compilador IL pode ser utilizada, como exemplo podemos citar C#, VB.NET,
    DELPHI.NET e J#, apesar de o C# ter sido adotado como linguagem oficial para o .net framework. O que acontece na verdade
    acontece é que todo código é traduzido na compilação para IL que é a abreviação Itermediate language, ou seja, linguagem
    intermediária e essa é a única linguagem que o CLR entende sendo interpretada e gerenciada por ele em tempo de execução e
    transformando-a posteriormente em código de máquina(binário), os principais tipos de arquivos gerados por um compilador IL
    variam dependendo do tipo de projeto são estes: EXE, DLL e ASPX.

    Abaixo um pequeno exemplo “hello world” em c# e abaixo o mesmo programa em IL.

    Versão C#;

    using System;
    namespace HelloWorldIL
    {
        class Program
        {
            static void Main(string[] args)
            {
                Console.WriteLine("Hello, World !");
            }
        }
    }
4    Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

    Versão IL;

    .assembly extern mscorlib {}
    .assembly HelloWorldIL {}
    .namespace HelloWorldIL
    {
        .class Program
        {
            .method static public void Main() cil managed
            {
                .entrypoint
                .maxstack 8
                ldstr "Hello, World !"
            call void [mscorlib] System.Console::WriteLine(string)
            call valuetype [mscorlib]System.ConsoleKeyInfo
    [mscorlib]System.Console::ReadKey()
                ret
            }
        }
    }
5    Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

    A imagem abaixo demonstra o fluxo ocorrido entre a compilação e a execução de um aplicativo .net.




    Você pode acessar o código em IL de um arquivo .net compilado através da ferramenta IL Disassembler que normalmente pode
    ser encontrado na pasta do Visual Studio 2010 no menu iniciar-> Microsoft Windows SDK Tools IL Disassemble ou no caminho:
    C:Program FilesMicrosoft SDKsWindowsv7.0ABinNETFX 4.0 Toolsx64ildasm.exe




    Você pode também escrever um aplicativo utilizando IL diretamente, mas infelizmente o Visual Studio 2010 não oferece suporte
    a essa linguagem então um editor de texto qualquer pode ser utilizado, para compilar utilize a ferramenta ILAsm que vem junto
    com o SDK do .net framework e é acessível através do prompt do Visual Studio e pode ser encontrado normalmente na pasta do
    menu iniciar do Visual Studio->Visual Studio Tools->Visual Studio Command Prompt. Apesar desta prática não ser muito
6    Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

    comum nos ajuda a entender como funcionam as coisa “por baixo do capô” no .net framework e também pode ser utilizado para
    criar programas em tempo de execução(Reflection.Emitting).




    Garbage Collection

    O Garbage Collection é um recurso do Common Language Runtime que faz o gerenciamento automático da memória e oferece os
    seguintes benefícios:

           Permite que você desenvolva sua aplicação sem a necessidade de liberar memória.
           Aloca objetos no heap gerenciado de forma eficiente.
           Identifica objetos que não estão mais sendo usados, apaga-os da memória e a mantém disponível para futuras atribuições.
           Objetos gerenciados automaticamente têm o espaço para seus atributos previamente alocados, assim o construtor não
            precisa inicializar cada um deles.
           Fornece segurança de memória, certificando-se que um objeto não pode usar o conteúdo de outro objeto.


    Em que situações o Garbage Collection é acionado:

           O sistema tem memória física baixa.
           A memória que é usada por objetos alocados no heap gerenciado ultrapassa um limite aceitável. Este limiar é
            continuamente ajustado conforme o processo é executado.
           O método GC.Collect é chamado. Em quase todos os casos, você não precisa chamar esse método, porque o coletor de
            lixo é executado de forma contínua. Este método é usado principalmente para situações únicas e testes.

    Nota: Heap Gerenciado é o segmento de memória para armazenar e gerenciar os objetos.



    GAC

            GAC é a abreviações para Global Assembly Cache que consiste em um sistema robusto e unificado serviço de
    gerenciamento de DLL’S compartilhadas, com ele aplicações podem usar diferentes versões da mesma DLL instalada no disco.
7    Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

    LINKS
    Visão conceitural do .net framework - http://msdn.microsoft.com/pt-br/library/zw4w595w.aspx

    Página oficial do .net framework - http://msdn.microsoft.com/en-us/netframework/default.aspx

    Versões e dependências do .net framework - http://msdn.microsoft.com/pt-br/library/bb822049.aspx

    Instalação do .net framework 4.0 runtime - http://www.microsoft.com/download/en/details.aspx?id=17718

    Como o framework .net reconhece tantas linguagens - http://www.devmedia.com.br/post-14830-Como-o-framework--NET-
    reconhece-varias-linguagens-de-programacao.html

    .NET Framework Class library overview - http://msdn.microsoft.com/en-us/library/hfa3fa08.aspx

    Common language runtime overview- http://msdn.microsoft.com/en-us/library/ddk909ch.aspx

    Entrevistas de Anders Hejlsberg sobre o .net framework -
    http://www.bitwisemag.com/copy/programming/milestones/pm_dotnet.html

    Artigo Wikipédia j++ - http://en.wikipedia.org/wiki/Visual_J%2B%2B

    Fundamentos garbage collection - http://msdn.microsoft.com/en-us/library/ee787088.aspx

    Visão geral biblioteca .net - http://msdn.microsoft.com/en-us/library/hfa3fa08.aspx

    Mapa das principais classes .net framework 4.0 - http://brad_abrams.members.winisp.net/Projects/PDC2008/PDC2008-
    NETFX4.pdf

    Mapa de classes comuns do .net framework 3.5 - http://www.microsoft.com/download/en/details.aspx?displaylang=en&id=19341
8    Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

    Capítulo 2 – Microsoft Visual Studio

    O que é?

    O Microsoft Visual Studio é uma IDE(integrated development enviroment) , se trata uma plataforma multi linguagem concebida
    pela Microsoft que apresenta facilidades significativas para o desenvolvimento de software englobando um série de
    funcionalidades que auxiliam nas rotinas de desenvolvimento, pode ser usada para desenvolver aplicações console ou gráficas
    através das bibliotecas Windows Forms, web sites, aplicações web e web services.

            Algumas das suas principais funcionalidades são

                             Um editor de código com esquema de cores que visa facilitar o entendimento.
                             Um sistema de auto completar para nome de funções, tipos de dados, namespaces e palavras reservadas
                              (Intelissense).
                             Um compilador/interpretador de código.
                             Em versões mais avançadas até mesmo controle de versões.
                             Editor gráfico para criação da interface de usuário.
                             Refatoração de código.

    Dentre as linguagens suportadas de forma nativa estão: C#,VB.net,F#,XML,HTML,JavaScript e CSS.

    Apesar de ser um software proprietário, existem as versões gratuitas chamadas de express que possuem menos recursos e são
    voltadas para um linguagem específica como Visual C# Express,Visual C++ dentro outras.

    História

    A primeira versão do Visual Studio foi o Visual Studio 97 que agregou grande parte das ferramentas necessárias para o
    desenvolvimento de software pela primeira vez. O Visual Studio 97 teve duas versões, Visual Studio Professional e o Visual
    Studio Enterprise. As linguagem suportadas eram Visual Basic 5.0 e Visual C++ 5.0 voltados ao desenvolvimento para Windows,
    J++ 1.1 para programação para JVM, Visual Fox Pro 5.0 para programação de bancos de dados e também foi introduzido suporte
    à construção de sites de conteúdo dinâmico através do Active Server Page(ASP), em 2002 foi lançado o primeiro Visual Studio
    voltado a programação com .net. A versão atual da IDE é o Microsoft Visual Studio 2010 e esta será a que utilizaremos como
    ferramenta padrão de desenvolvimento em nosso curso, as principais alterações ocorridas nessa versão foram a reorganização da
    interface para torna-la mais simples utilizando as novas tecnologias para desenvolvimento de interface criadas pela própria
    Microsoft (WPF). Inclusão do DLR - Dynamic Language Runtime no pacote de instalação que dá suporte aos tipos dinâmico e à
    metaprogramação, Suporte ao .net framework 4.0 e Suporte ao desenvolvimento de aplicativos para o Windows phone 7.



    Funcionalidades por versão do Microsoft Visual Studio 2010




    Como Iniciar?

    Agora faremos um rápido guia de como construir uma aplicação simples no VS2010. Para começar o desenvolvimento de um
    aplicativo com Visual Studio é relativamente simples basta abrir o programa ir até o menu superior na opção File->new->Project.
    Uma janela como a da imagem abaixo aparecerá:
9    Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#




    Do lado direto temos uma lista hierárquica com o título “Instaled templates” o que seria modelos de projetos para cada tipo de
    aplicativo, os templates serão detalhados posteriormente nesse capítulo. No caso está selecionada a categoria “Windows” e dentro
    dela há subtipos como “Windows Forms Applications” e “Class Library Application”. Na parte superior temos versão do .net que
    será utilizado no projeto no caso selecionado .net framework 4. Na parte inferior temos o nome que queremos dar ao nosso
    projeto, e logo abaixo o caminho no computador que os projetos e os arquivos relacionados serão salvos e abaixo o nome da
    solução que funciona como uma agregadora de conteúdo para podermos organizar um sistema formado de vários projetos será
    melhor explicada posteriormente nesse capítulo.

    Temos ainda duas caixas de seleção a primeira indica se gostaríamos de criar um diretório para organizar fisicamente os arquivos
    da solução e o segundo indica se gostaríamos de já adicionar o projeto á um controle de versão.

    Feitas essas configurações iniciais podemos dar ok e será criado um projeto de acordo com o template escolhido e este
    normalmente é apresentado do lado direito na janela “Solution Explorer”. A partir de agora tomaremos como exemplo o template
    “Console Application” que é um dos mais simples para prosseguir esse guia rápido.
10    Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

     A imagem abaixo mostra o que veremos após dar ok na janela anterior:




     Já será aberto o arquivo com a classe principal do projeto e o método de entrada basta editar a definição do mesmo
     implementando as ações que desejar e depois clicar no botão parecido com um play na parte superior da tela ao lado da palavra
     debug                  o seu aplicativo será executado para que o comportamento do mesmo seja analisado. Vamos supor que
     tudo correu bem, o próximo será alterar o a caixa de seleção onde está escrita a palavra Debug para Release, feito isso basta clicar
     com o botão direto sobre a solução na janela “Solution Explorer”, será aberto um menu contextual escolha a opção “rebuild” e isto
     iniciará a montagem do seu aplicativo para um arquivo executável. Agora basta ir até o diretório da solução, procurar a pasta do
     projeto, “ConsoleApplication1”->bin->release, o arquivo executável estará lá dentro, clique duas vezes no mesmo e sua aplicação
     será iniciada.

     Estrutura de um projeto e tipos de arquivos básicos

     O Visual Studio tem uma organização hierárquica que consiste basicamente em Soluções, Projetos, Configurações, itens do
     projeto e itens das soluções.

             -Soluções

                               Funciona como uma forma de organizar os insumos necessários para execução e/ou construção de um
     sistema, uma solução pode ter diretório, projetos e qualquer outro tipo de arquivo que seja importante para o sistema, como uma
     imagem ou um documento de texto, cada projeto pode gerar um executável ou uma dll e pode ter dependências de outros projetos,
     a solução se encarrega de organizar a ordem de “build” para que todas dependências de um projeto que estejam também estejam
     na forma de projeto sejam compiladas antes do mesmo. A solução só existe em tempo de desenvolvimento depois de compilado
     não gera uma saída significativa e vai depender de como você organizar os arquivos gerados para realização com sucesso do
     deploy, no computador as soluções ficam armazenadas em arquivos com a extensão “.sln” e você pode abri-la clicando duas vezes
     no arquivo, porém para copiar com sucesso uma solução o computador deve estar configurado para mostrar arquivos oculto, pois
     existe um arquivo com o mesmo nome da solução com a extensão “.suo” que precisa ser copiado junto para a pasta destino.

             -Projetos

                       O Projeto é a versão em tempo de desenvolvimento de uma aplicação, nele contém todos os arquivos de códigos
     não compilados os “.cs” no caso do c#, todas as configurações por exemplo, as plataformas suportada(X86,X64) e todas as
     referências externas necessárias para o seu funcionamento, na compilação é ele que de fato se transforma no produto final. No
     computador o projeto em c# ficam armazenados em arquivos com a extensão “.csproj” e você pode abri-lo no Visual Studio
11    Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

     clicando sobre esse arquivo, porém na verdade ele se trata de um arquivo XML em um padrão estabelecido pelo VS, você pode
     acessar e editar diretamente esse arquivo XML clicando com o botão direito sobre o arquivo e seleciona abri com... notepad.

                -Propriedades

                       Praticamente todos os templates de projetos criam um item chamado properties onde podem ser configurados os
     principais aspectos do projeto, apesar de poder ser considerado como um item do projeto merece uma atenção especial, abaixo as
     principais configurações que podem ser feitas no properties de um projeto para Windows.

                      Plataforma(s) em que a aplicação funcionará depois de compilada.
                      Versão do framework utilizada no projeto.
                      Versão do arquivo compilado.
                      Temos um espaço para colocarmos recursos que ficarão embarcados no arquivo compilado.

     As propriedades não são salvas em um arquivo único com uma extensão específica, mas estão distribuídas nos arquivos “.csproj”,
     no arquivo AssembyInfo.cs e quando adicionados recursos no arquivo também nos arquivos ” .resx” e no Resource.Design.cs,
     como os aplicativos .net foram projetados para serem xcopy ou seja basta colocar todas dependências em uma pasta sem precisar
     de criar valores no registro, a maioria dos arquivo que gravam dados sobre aplicativos são xmls em um padrão do Visual Studio e
     tiveram sua extensão relacionadas com o mesmo.

                -Itens do projeto

             O projeto como a solução pode ter praticamente quaisquer tipos de arquivos adicionados entre os seus itens, como
     imagens e documentos de textos, mas o principal em aplicações Windows podemos dizer que são os arquivos “.cs” que contêm o
     código fonte de nossos programas, esses arquivos servem apenas para organizar o código, que pode ser separado em arquivos da
     forma que for mais conveniente, facilitando o controle de versão e melhorando a semântica.




                                               Tabela de extensões básica do Visual Studio(C#)

     Extensão                                                          Do que se trata
     *.sln                                                             Arquivo onde ficam armazenadas as informações sobre as
                                                                       soluções do Visual Studio.
     *.suo                                                             Arquivo oculto complementar da solução precisa ser copiado
                                                                       com a solução para a pasta destino.
     *.csproj                                                          Arquivo onde ficam armazenados os dados sobre os projetos
                                                                       do Visual Studio.
     *.cs                                                              Arquivo onde fica armazenado o código não compilado do c#.
     *.resx                                                            Arquivo onde ficam contidas informações sobre os recursos de
                                                                       um projeto.


     TEMPLATES

     Os templates são modelos pré-definidos para facilitar a inclusão de um projeto, o template define quais as referências necessárias
     para um determinado tipo de projeto, por exemplo, a dll System.Windows.Forms do .net framework é adicionada no template
     “Windows application” mas não é adicionada no template “Console application”, porém nada impede que essa dll seja adicionada
     posteriormente, no template também estão definidos os item que serão adicionados ao projeto incialmente tomando novamente
     como exemplo “Windows Forms” e o “Console Applications” no primeiro um formulário já vem adicionado no projeto e no
     segundo não. No Visual Studio 2010 os templates instalados vão depender das suas escolhas na hora da instalação, mas de
     qualquer maneira você terá uma vasta gama de templates a sua disposição, ainda há templates disponibilizado na internet por
     terceiros como “Applications for twitter” e quando se tratar de algo muito específico você mesmo pode fazer os seus templates.

     Intellissense

     O Intellissense é um recurso do Visual Studio 2010 que auxilia na construção do código fonte ele tem o papel de sugerir o
     complemento da palavras que estamos digitando e também auxiliar na resolução de problemas, como identificar o namespace que
     precisa ser “importado”. Ao começar escrever uma palavra aparece uma lista do que possivelmente você pretende escrever, você
12    Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

     pode navegar pela lista com as setas do teclado e encontrando a correspondência que deseja basta dar tab para que a palavra seja
     inserida no fonte.

                                          Imagem da janela de auto complemento do intellissense




     No caso de você escrever um tipo não reconhecido aparecerá um pequeno quadrado sobre ele, basta clicar com o mouse no
     mesmo e selecionar a ação desejada, ao renomear algum objeto também aparecerá o mesmo quadrado clicando nele terão as
     opções para ajudar a refatorar o código. Veja na imagem abaixo.




                       Aqui a sugestão foi apenas de adicionar o namespace que já está disponível ao contexto atual.




     Code Snippet

     Os code snnipet’s além de auto completar a palavra inserem o restante de código que compõe um comando, um exemplo é o “for “
     o auto completar ajudaria sugerindo “for” quando for digitado “f”, mas não incluiria uma espécie de esqueleto no editor com a
     sintaxe básica do comando. Toda vez que iniciar a digitação de um comando e houve uma espécie de um papel partido na frente
     da sugestão de complemento conforme a imagem abaixo:




     Basta apertar duas vezes o “Tab” que o complemento do comando será incluído, abaixo imagem com o código gerado ao apertar
     duas vezes o “Tab”.




     Se você continuar utilizar o “Tab” o cursor será direcionado as partes variáveis da função que são as que estão com o fundo
     amarelo na imagem acima.
13    Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

     Ferramentas de análise de código

     O Visual Studio tem algumas ferramentas que auxiliam a melhorar e manter a qualidade dos projetos uma é especialmente
     interessante.

     -Code metrics analysis

     Essa ferramenta fornece uma série de índices sobre a qualidade do código, ajuda avaliar o trabalho feito e também é interessante
     para analisar se as mudanças feitas melhoraram ou pioram os aspectos avaliados. Ela é muito simples de usar basta clicar com o
     botão direito sobre a solução ou sobre um projeto específico e selecionar a opção “Calculate Code Metrics”, será aberta uma
     janela e um índice geral é atribuído para cada item, inclusive ele ajuda você interpreta-los, é possível ir abrindo níveis até chegar
     nas funções que estão piorando os indíces.

     Principais janelas do Visual Studio 2010

     ToolBox

     Concentra os itens que podemos utilizar dependendo do contexto, no desenvolvimento de aplicativos Windows estarão disponível
     na ToolBox os controles nativos para esse tipo aplicação como textbox,lable,combobox,datagrid e datetimepiker . Eventualmente
     poderá conter também controles definido pelo usuário. Pode ser acessada pelo menu:View->Toolbox ou pelo atalho Ctrl+W,X.

     Solution Explorer

     Essa janela apresenta uma lista hierárquica representando a solução com todos seus itens. Pode ser acessada através do
     menu:View->Solution Explorer ou pelo atalho Ctrl+W,S.

     Server Explorer

     Essa janela serve para gerenciar conexões com bancos de dados. Pode ser usada para localizar Windows Services ativos e servir
     como DataSources. Pode ser acessada através do menu:View->Server Explorer ou pelo atalho Ctrl+W,L.

     Properties

     Essa janela apresenta as propriedade da maioria dos itens selecionáveis no Visual Studio 2010 como controles e projetos. Pode ser
     acessada clicando com o botão direito sobre o item deseja e selecionando a opção “properties” no menu contextual, pelo menu
     principal: View->Propertie Window ou ainda pelo atalho Ctrl+W,P.

     Document Outline

     Essa janela apresenta uma lista hierárquica com todos os componentes contidos em um formulário, é uma ótima opção para
     navegar entre eles. Pode ser acessada pelo menu:View->Other Windows->Document Outline ou pelo atalho Ctrl+W,U.

     Immediate

     Essa só é acessível em tempo de depuração e serve para execução de comandos, utilizando os objetos carregados no escopo em
     que a aplicação foi pausada, é interessante usa-la para avaliar os comportamentos individuais dos objetos. Pode ser acessada pelo
     menu: Debug->Windows->Immediate ou pelo atalho Ctrl+D,I.




     Debugando com Visual Studio

     Para debugar o código no Visual Studio, basta selecionar a opção Debug na caixa de seleção da barra de ferramentas padrão e
     clicar no botão Start Debugging se trata do botão do lado da caixa onde foi escolhida a opção Debug com um ícone parecido com
     um “play” ou ainda apertar o atalho F5. O programa será executado no modo debbug. Pontos de parada podem ser adicionados ao
     código selecionando a linha em que deseja que ocorra a interrupção e apertando o atalho f9, uma bola vermelha será adicionada do
     lado esquerdo da linha e a mesma terá a cor do plano de fundo alterada para vermelho conforme imagem abaixo:
14    Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

     Assim a execução do programa será interrompida quando chegar a este ponto uma seta amarela apontará para a linha indicando
     que a execução está parada naquele ponto conforme a imagem abaixo.




     O desenvolvedor poderá fazer basicamente 3 coisas a partir desse ponto, executar o próximo passo sem passar na definição do
     método(F10), executar o próximo passo passando por dentro da definição do método(F11) ou voltar a execução normal do
     programa(F5). No Visual Studio você pode voltar à execução do programa arrastando a seta amarela para a linha desejada.
     Enquanto o programa estiver parado o desenvolvedor pode analisar os valores das variáveis colocando o mouse sobre elas, em
     quais condições a linha de execução entrou ao ver por onde a seta amarela está se movendo e fazer simulações com a Immediate
     Window, dentre outras coisas ou seja analisar passo a passo o que está acontecendo com o sistema afim de solucionar problemas.
     Para analisar valores de um objeto podemos utilizar a função QuickWatch, para acessa-la é só selecionar o objeto em questão e
     clicar com o botão direto sobre, como na imagem abaixo:




     Selecionar a opção QuickWatch, uma popup como a da imagem abaixo será exibida mostrando as informações do objeto:




     Nela temos o nome do objeto, o valor e o tipo, no caso de objetos que têm propriedades poderíamos navegar entre elas verificando
     cada um de seus valores.

     A execução do programa pode ser Interrompida também pelo botão “Break All” presente na barra de ferramentas “Debug”, o
     ícone do botão tem o aspecto de um símbolo de Pause ou pelo atalho Ctrl+Alt+Break. Para encerrar o Debug e consequentemente
     a execução da aplicação basta fecha-la ou selecionar o botão “Stop Debugging” na barra de ferramentas “Debug” ou ainda acionar
     o atalho Shift+F5.

     IntelliTrace

     Intellitrace é uma nova tecnologia de rastreamento disponível apenas para usuários do Visual Studio 2010 Ultimate.
     Com o Intellitrace mensagens sobre os eventos ocorrido na aplicação são automaticamente emitidas pelo Visual
15    Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

     Studio em segundo plano para um arquivo .iTrace, onde podem ser recuperadas e examinados para
     fins de depuração. O Intellitrace é altamente configurável no que diz respeito ao tipo e quantidade
     de informação que você deseja gravar e com as configurações padrão tem muito pouco impacto sobre a performance da execução
     durante a depuração.


     Habilitando o IntelliTrace

     O IntelliTrace já vem habilitado por padrão e os eventos do Intellitrace são registrados automaticamente. Esse evento representam
     os eventos da aplicação e as gravações dessas informações causam um impacto tão pequeno que se torna praticamente
     imperceptível na execução do aplicativo. Você pode também configurar o IntelliTrace para registrar as chamadas de função,
     informação sobre os parâmetros passados e eventos disparados por componentes.

     Porém registrando essas informação pode haver uma degradação da performance que por outro lado proporciona mais dados para
     depuração.

     Para habilitar o IntelliTrace:

     1-Selecionar Tools->Options - Na lista da direita da popup que aparecer seleciona IntelliTrace e por fim marque a opção Enable
     IntelliTrace.

     2-Para habilitar o registro sobre chamada de função e eventos selecione a opção IntelliTrace Events and Call Informations.

     Selecionando o local para salvar os arquivos do IntelliTrace

     Os arquivos do IntelliTrace podem ser salvos em disco para posterior analise. Para selecionar o local onde ficará esse arquivo
     pode ser escolhido seguindo os seguintes passos:

     1- Selecionar Tools->Options->Na lista da direita da popup que aparecer expanda a opção IntelliTrace.

     2-Selecione Advanced.

     3-Se a opção “Store IntelliTrace recordings in this directory” estiver desmarcada, marque-a.

     4-Clique no botão “Browse” e selecione o caminho em seu computador.

     Selecionando os eventos que o Intellitrace irá registrar.

     Os tipo de eventos a serem registrados pelo IntelliTrace são altamente configuráveis. Você pode registrar todos os eventos
     disponíveis ou limitar o registro apenas aos tipos de eventos que lhe interessar seguindo estes passos:

     1- Selecionar Tools->Options->Na lista da direita da popup que aparecer expanda a opção IntelliTrace.

     2-Selecione a opção IntelliTrace Events.

     3-Aparecerá uma série de tipos de eventos, basta marca-los e desmarca-los para incluir ou excluir dos tipos de eventos a serem
     registrados pelo intellitrace.

     Visualizando eventos do IntelliTrace durante a depuração.

     Você pode ver os eventos do IntelliTrace em tempo de depuração através da janela do IntelliTrace.

     Os eventos só poderão ser visualizados quando a aplicação estiver pausada.

     Para o caminho para acessar a janela é:

     Debug->IntelliTrace->IntelliTrace events só disponível durante a depuração.
16    Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

     Gerando um release

     Para gerar um release no Visual Studio 2010 basta mudar o valor da caixa de seleção “Solutions Configurations” na barra de
     tarefas padrão para release clicar com um botão direto sobre um projeto ou sobre a solução no caso de querer compilar todos
     os projetos que estiverem contidos na mesma e no menu contextual selecionar “rebuild”.




     LINKS

     Página oficial do Visual Studio 2010 - http://msdn.microsoft.com/en-us/vstudio/default

     História Visual Studio - http://blogs.msdn.com/b/ricom/archive/2009/10/05/my-history-of-visual-studio-part-1.aspx

     Artigo Wikipedia - http://en.wikipedia.org/wiki/Microsoft_Visual_Studio
17    Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

     Capítulo 3-Microsoft C#

     O que é?

     C # é uma linguagem de programação multi-paradigma fortemente tipada, imperativa, declarativa, funcional, genérica, orientada
     a objetos (class-based) e orientada a componentes. Ele foi desenvolvido pela Microsoft como parte da iniciativa
     .net e posteriormente aprovada como padrão pelo Ecma (ECMA-334) e ISO (ISO / IEC 23270). C # é uma das linguagens de
     programação projetadas para o Common Language Infrastructure.
     C # é destinado a ser uma linguagem orientada a objetos, simples, moderna e de propósito geral. A sua equipe de
     desenvolvimento é liderada por Anders Hejlsberg.

     História

     Durante o desenvolvimento do .net Framework as biblioteca de classes foram originalmente escrita utilizando um sistema
     compilador de código gerenciado chamado Simple Managed C(SMC). Em janeiro de 1999 Anders Hejlsberg formou um time para
     construir uma nova linguagem por hora chamada de Cool um Acrônimo para “Clique Object Oriented Language”. A Microsoft
     chegou a considerar deixar Cool como o nome final da linguagem, mas mudou de ideia por razões comerciais. O C# foi anunciado
     oficialmente em julho de 2000 e neste momento a biblioteca de classes do ASP.net já havia sido reescrita em c#.

     Visão Conceitual Classes
     Iniciaremos com uma visão conceitual sobre classes, pois o C# é totalmente orientado a objetos e tudo é baseado em classes, o
     conceito de classe é basicamente a união entre os dados e as funções em uma mesma unidade lógica. Diferente de linguagens
     como o C++ você não consegue escrever uma função sem que a mesma esteja dentro de uma classe. As classes são utilizadas
     para criar instancias, ou seja armazenar dados na memória sobre operações e valores para que fiquem disponíveis em tempo
     execução. Abaixo um exemplo de classe:


          public. class MyClass
          {
              //No caso MyPropertie e MypropertieInt int seriam os dados da classe MyClass
              private string MyPropertie;
              private int MyPropertieInt;

                //SetMyPropertie seria um método que manipula os dados dados da própria classe
                public void SetMyPropertie(string MyPropertie) {
                    this.MyPropertie = MyPropertie;
                }
          }


     A sintaxe básica de uma classe em C#

     public class [Nome da classe]{
                   //Variaveis
                   private string var1;
                   private string varN...;

                      //Contrutores
                      public [Nome da classe]();


                      //Funções
                      public void Method1();
                      public void MethodN...();
          }
18    Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

     Sintaxe para criação de Instancia em C#;

                                        MyClass obj = new MyClass();


     Posteriormente nesse capítulo abordaremos as classes com mais profundidade.

     Namespaces

     Os Namespaces servem como uma forma de dividir os objetos em categorias, normalmente de acordo com sua natureza,
     independente do projeto ou arquivo que estão.

     Sintaxe básica

                                        namespace [NomeNameEspace]{
                                             ...//Objetos definidos no namespace
                                         }
     Namespaces podem conter outros namespace formando uma estrutura hierárquica, veja o exemplo abaixo:

                                        namespace Animal
                                        {
                                            namespace Caninos
                                            {
                                                namespace Cachorro
                                                {
                                                    public class Poodle
                                                    {

                                                      }
                                                  }
                                              }
                                        }
     Isso permite ter o mesmo nome de classe em namespaces diferentes, pois o nome completo da classe consiste em cada um de seus
     namespaces separados por um ponto com o nome da classe no final, também separado por um ponto. Sendo assim o nome
     completo da classe Poodle seria “Animal.Caninos.Cachorro.Poodle”, esse nome não precisa ser escrito completo a toda hora
     graças ao comando using que será detalhado a seguir.


     Using
     Esse é outro elemento básico da sintaxe do C# ele serve para que todos os tipos definidos em um namespace fiquem disponíveis
     sem escrever o seu nome completo. Abaixo um exemplo:

     Temos 3 classes Poodle,PastorAlemao e Canil, as duas primeiras estão no namespace “Animais” e a última está no namespace
     “Lugares”, precisamos declarar um objeto Poodle e um PastorAlemão na classe Canil, abaixo o código sem a utilização de using:


                               namespace Lugares
                               {
                                   public class Canil
                                   {
                                       Animais.Poodle Cachorro1;
                                       Animais.PastorAlemao Cachorro2;

                                            public Canil(Animais.Poodle Cachorro1,Animais.PastorAlemao Cachorro2) {
                                                this.Cachorro1 = Cachorro1;
                                                this.Cachorro2 = Cachorro2;
                                            }

                                    }
                               }

     Agora com a utilização do using:

                               using System;
                               using System.Collections.Generic;
                               using System.Linq;
19    Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

                               using System.Text;
                               using Animais;
                               namespace Lugares
                               {
                                   public class Canil
                                   {
                                       Poodle Cachorro1;
                                       PastorAlemao Cachorro2;

                                         public Canil(Poodle Cachorro1, PastorAlemao Cachorro2)
                                         {
                                             this.Cachorro1 = Cachorro1;
                                             this.Cachorro2 = Cachorro2;
                                         }

                                    }
                               }

     Observe os outros namespaces antes de Animais, são onde estão os tipos fundamentais do framework e por padrão são
     adicionados ao criar uma classe.



     Tipos de dados básicos

     C# é uma linguagem fortemente tipada. Cada variável e constante tem um tipo explícito. Cada assinatura do método Especifica
     um tipo para cada parâmetro de entrada e o valor de retorno. A.NET Framework class library define um conjunto de tipos
     numéricos internos, como também os tipos mais complexos que representam uma ampla variedade de construções lógicas, como,
     por exemplo, sistema de arquivos, conexões de rede, coleções e matrizes de objetos e as datas. Um programa C# típico usa tipos
     da biblioteca de classes bem como tipos definidos pelo usuário que modelam os conceitos que são específicos para o domínio do
     problema do programa.

     As informações armazenadas em um tipo podem incluir o seguinte:

           O espaço de armazenamento que necessita de uma variável do tipo.
           Os valores máximo e mínimo que ele pode representar.
           Os membros (métodos, campos, eventos e assim por diante) que ele contém.
           O tipo base que ela herda.
           O local de memória onde as variáveis serão alocadas em tempo de execução.
           Os tipos de operações que são permitidos.

     O compilador usa informações do tipo para verificar se todas as operações que são executadas em seu código são seguras. Por
     exemplo, se você declarar uma variável do tipo int, o compilador permite usar a variável em operações de soma e subtração. Se
     você tentar executar essas mesmas operações em uma variável do tipo bool, o compilador gera um erro.

     Abaixo exemplo de código que geraria um erro no compilador

                               static void Main(string[] args)
                                       {
                                           int a = 5;
                                           int b = a + 2; //OK

                                              bool test = true;

                                              // Error. Operator '+' cannot be applied to operands of type 'int'
                               and 'bool'.
                                              int c = a + test;
                                         }

                               O operador + não pode ser aplicado entre um int e um bool;
20    Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

     Especificações dos principais tipos em C#.

                                                              Tipos inteiros
     Tipo                                          Abrangência                                Tamanho em bits
     sbyte                                         -128 to 127                                                         8
     byte                                          0 to 255                                                            8
     char                                          U+0000 to U+ffff                                                   16
     short                                         -32,768 to 32,767                                                  16
     ushort                                        0 to 65,535                                                        16

     int                                           -2,147,483,648 to 2,147,483,647                                    32


     uint                                          0 to 4,294,967,295                                                 32




                                                   -9,223,372,036,854,775,808 to
     long                                                                                                             64
                                                   9,223,372,036,854,775,807




     ulong                                         0 to 18,446,744,073,709,551,615                                    64




                                                  Tipos de ponto flutuante e decimal
                                                                                                                 Tamanho
                Abrangência
     Tipo                                                                      Precisão                          em bits
     float      ±1.5e−45 to ±3.4e38                                            7 dígitos                                32
     double     ±5.0e−324 to ±1.7e308                                          15-16dígitos                             64
                         28               28     0 to 28
     decimal    (-7.9 x 10 to 7.9 x 10 ) / (10          )                      28-29 dígitos significantes             128


                                                 Outros tipos de dados importantes
     Tipo                     Descrição
     string                   Representa uma cadeia de caracteres
     DateTime                 Representa um espaço de tempo e contém uma série de funções para lidar com datas


     Tipos de valor e de referência

     Os tipos de valor são aqueles tipos que a variável fica diretamente ligada ao valor atribuído a mesma, e quando passado como
     parâmetro para alguma função na verdade é copiado para o escopo da função, o que faz que alterações feitas nos valores dentro
     dela não reflitam no valor original da variável, a menos que ela seja atribuída novamente no escopo em que foi declarada. Já com
     tipo de referência o que ocorre é que a variável esta relacionada a um ponteiro para o espaço de memória onde o valor da mesma
     está armazenado, então quando ela é passada como parâmetro para uma função a referência é passada e as alterações de valores
     são feitas diretamente no espaço de memória que guarda o valor da variável alterando assim o valor da mesma no escopo original,
     porém isso só ocorre quando a palavra reservada “ref” é colocada na assinatura da função. Abaixo um exemplo para ficar mais
     fácil entender o que isso representa.

     class Program
         {
             static void Main(string[] args)
             {
                 string a = "5";
21    Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

                    string b = "2";

                    String a2="5";
                    String b2 = "2";


                 Console.WriteLine("TIPOS DE VALOR...rnrn");
                 Console.WriteLine(string.Format("Valores de a e b no escopo que foram definidos a:{0}
     b:{1}rn",a,b));
                 Swap(ref a,ref b);
                 Console.WriteLine(string.Format("Valores de a e b no escopo que foram definidos
     continuam os mesmos a:{0} b:{1}rn",a2,b2));


                 Console.WriteLine("TIPOS DE REFERÊNCIA...rnrn");
                 Console.WriteLine(string.Format("Valores de a e b no escopo que foram definidos a:{0}
     b:{1}rn",a2,b2));
                 Swap(ref a2,ref b2);
                 Console.WriteLine(string.Format("Valores de a e b no escopo que foram definidos mudam
     a:{0} b:{1}rn",a2,b2));
                 Console.ReadKey();
             }
             public static void Swap(ref String a,ref String b)
             {
                 string c;
                 c = a;
                 a = b;
                 b = c;
                 Console.WriteLine(string.Format("Valores de a e b no escopo da função a:{0}
     b:{1}rn",a,b));
             }

          }


     Escrevam esse código em um projeto do tipo Console Application do Visual Studio e percebam que os valores de a e b foram
     alterados dentro da função, mas na classe main permaneceram os mesmos, já de a2 e b2 tiveram os seus valores alterados também
     no escopo principal. Dos tipos apresentados nas tabelas acima apenas DateTime é de referência os demais são de valor, porém
     todos os tipos citados tem um correspondente de referência que fazem parte do .net Framework.

     Variáveis

     Variáveis são simplesmente locais de armazenamento de dados. Você pode armazenar e recuperar os dados através de um nome
     atribuído à variável. Quando criamos uma variável precisamos dizer o tipo de dado a ser armazenado na mesma e atribuir-lhe um
     nome, a sintaxe para isso em C# é a seguinte:

                      [Tipos] [Nome Da Variável];

              Exemplo:

                      int Numero;
     As variáveis assim como as funções só podem ser definidas dentro de uma classe.

     Operadores

     Em C #, um operador é um elemento do programa que é aplicada a um ou mais operações em uma expressão ou
     declaração. Operadores que levam um operando, como o operador de incremento (+ +), são referidos como operadores
     unários. Operadores que usam dois operandos, como operadores aritméticos (+,-,*,/), são referidos como operadores binários. O
     operador condicional (?:), leva três operandos e é o único operador ternário em C #.

     Um operando pode ser uma expressão válida de qualquer tamanho, e pode ser composto por qualquer numero de outras
     expressões. Em uma expressão que contenha múltiplos operadores, a ordem na qual os operadores serão aplicados é determinada
     pela ordem de precedência do operador, associatividade e posicionamento de parênteses.
22    Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

     Cada operador tem uma precedência definida. Em uma expressão que contenham múltiplos operadores com ordem de precedência
     diferentes, a precedência dos operadores determina a ordem que os operadores serão executados. Por exemplo, a expressão
     seguinte atribui o valor 3 para n1.

                       n1 = 11 - 2 * 4;

                       A multiplicação é executada primeiro, pois tem precedência sobre a subtração.

                       As tabelas a seguir separam os operadores em categorias baseadas no tipo de operações que realizam. As
              categorias estão listadas em ordem de precedência.

     Operações primárias

     Expressão                                         Descrição
     x.y                                               Acesso de associado
     f(x)                                              Invocação de métodos e delegates
     a[x]                                              Array and indexer access
     x++                                               Pós-incremento
     x--                                               Pós-decremento
     new T(...)                                        Criação de objetos e delegates
     new T(...){...}                                   Criação de objeto com inicializador.
     new {...}                                         Inicializador de objeto anônimo.
     new T[...]                                        Criação de array
     typeof(T)                                         Obtém o Sytem.Type para T
     checked(x)                                        Executa a expressão em um contexto checado
     unchecked(x)                                      Executa a expressão em um contexto não checado
     default (T)                                       Obtém o valor default para T
     delegate {}                                       Função anônima(Método anônimo)

     Operadores unários

     Expressão                                              Descrição
     +x                                                     Identidade
     -x                                                     Negação
     !x                                                     Negação lógica
     ~x                                                     Negação bit à bit
     ++x                                                    Pré-Incremento
     --x                                                    Pré-decremento
     (T)x                                                   Conversão explicita para o tipo T

     Operadores multiplicativos

     Expressão                                                                                  Descrição
     *                                                                                          Multiplicação
     /                                                                                          Divisão
     %                                                                                          Resto

     Operadores Aditivos

     Expressão                             Descrição
     x+y                                   Adição, concatenação de string, combinação de delegate.
     x-y                                   Subtração remoção de delegate.

     Operadores de troca
23    Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

     Expressão                                                                     Descrição
     x << y                                                                        Troca à direita
     x >> y                                                                        Troca à esquerda

     Operadores relacionais e de tipo

     Expressão                          Descrição
     x<y                                Menor
     x>y                                Maior
     x <= y                             Menor ou igual
     x >= y                             Maior ou igual
     x is T                             Retorna se x é do tipo T.
     x as T                             Retorna x “tipado” como T ou nulo se não for possível.

     Operadores de igualdade

     Expressão                            Descrição
     x == y                               Igual
     x != y                               Diferente

     Operadores lógicos,condicionais e para tratamento de valores nulos

     Categoria                                        Expressão                      Descrição
     Logical AND                                      x&y                             AND bit à bit inteiro, AND lógico booleano
     Logical XOR                                      x^y                             XOR bit à bit inteiro, XOR lógico booleano
     Logical OR                                       x|y                             OR bit à bit inteiro, OR lógico booleano
     Conditional AND                                  x && y                          Retorna verdadeiro para x e y verdadeiros.
     Conditional OR                                   x || y                          Verdadeiro se x ou y verdadeiros.
     Null coalescing                                  x ?? y                          Retorna y se x for nulo, caso contrário x
     Conditional                                      x ?: y : z                      Retorna y para x verdadeiro, caso contrário z

     Operadores de atribuição e anônimos

     Expressão             Descrição
     =                     Atribuição
     x op= y               Compound assignment. Supports these operators: +=, -=, *=, /=, %=, &=, |=, !=, <<=, >>=
     (T x) => y            Função anônima (lambda expression.)




     Alguns exemplos com operadores

                  //Operador de negacao(-) inverte o sinal do número
                  int Identidade = 1;
                  Console.WriteLine(-Identidade);
                  //Saída "-1"
                  Identidade = -1;
                  Console.WriteLine(-Identidade);
                  //Saída "1"
                  int Negacao = 1;

                  //Operador de pré-incremento(++)
                  int PreIncremento = 1;
                  PreIncremento = ++PreIncremento;
                  Console.WriteLine(PreIncremento);
24    Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

                      //Saída "2"

                      //Operador pós-incremento
                      int PosIncremento = 1;
                      PosIncremento = PosIncremento++;
                      Console.WriteLine(PosIncremento);
                      //Saída "1", pois primeiro ele atribui o valor a variável e depois incrementa o valor.

                      bool NegacaoLogica = true;
                      Console.WriteLine(!NegacaoLogica);
                      //Saída "false"
                      NegacaoLogica = false;
                      Console.WriteLine(!NegacaoLogica);
                      //Saída "true", pois negar uma negação a torna em uma afirmação.

                      //Algumas operações aritmética
                      int n1=4, n2 = 2;

                      Console.WriteLine(n1 + n2);
                      //Saída "6", 4+2

                      Console.WriteLine(n1 * n2);
                      //Saída "8", 4*2

                      Console.WriteLine(n1 / n2);
                      //Saída "2", 4/2

                      Console.WriteLine(n1 - n2);
                      //Saída "2", 4-2

                      Console.ReadKey();



     Desvios condicionais

     A instrução ”if” é usada para realizar desvios condicionais no C#. Com ele o fluxo de execução pode ser alterado de acordo com o
     retorno de expressões booleanas, a sintaxe do comando é a seguinte:

             if( [Expressão booleana]){

                       Trecho de código...

             }

             Você pode definir o segmento “else” para um “if” que serve como fluxo alternativo caso a condição testada seja falsa.

             if( [Expressão booleana]){

                       Trecho de código...

             }else{

                       Trecho de código...

             }

              Você pode ainda testar várias condições em uma mesma instrução “if” adicionando segmentos “else if”, a execução
     passará na primeira e somente na primeira condição verdadeira do “if” se houver.

             if( [Expressão booleana]){

                       Trecho de código...

             }else if([Expressão booleana]){
25     Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

                       Trecho de código...

              }

              Exemplos utilizando “if”:

     bool Validado = true;
                 //Quando se tratar de um booleano não precisa fazer comparação porque ele mesmo já é um
     valor booleano
                 if (Validado)
                 {
                     Console.WriteLine("Ok!");
                 }


                 string strRetorno = "Sucesso";
                 //Outros tipos de dados precisam de uma expressão booleano escrita.
                 //Obs: O == é um operador de comparação, que retorna true caso os valores sejam iguais
     caso contrário false
                 if (strRetorno == "Sucesso")
                 {
                      Console.WriteLine("Missão comprida");
                 }
                 else {
                      Console.WriteLine("Tente novamente");
                 }
                 //Aqui temos um if sem delimitadores "{}", essa sintaxe pode ser utilizada quando formos
     executar apenas uma instrução.
                 //Obs: o != é o inverso do == e retorna true para valores diferente caso contrário
     false.
                 if (strRetorno != "Sucesso")
                      Console.WriteLine("Tente novamente");
                 else
                      Console.WriteLine("Sucesso");

                     DateTime Dt = DateTime.Now;

                     if (Dt.Hour < 8)
                          Console.WriteLine("Está muito cedo....");
                     else if (Dt.Hour == 8)
                          Console.WriteLine("Em cima da hora....");
                     else
                          Console.WriteLine("Atrasado!");
     Switch

     O comando switch serve para definirmos ações a serem executadas dependendo do valor de uma variável ou de uma expressão, é
     muito utilizado com enumerações e quando temos um rol de valores conhecidos que a variável ou a expressão pode assumir.

     A sintaxe básica para o switch é a seguinte

     switch([Nome da variável]){

     case [possível valor 1]

              [Ações a serem executadas];

              break;//Termina a execução da instrução switch

     ....

     case[Possível valor n]

              [Ações a serem executadas];

              break;//Termina a execução da instrução switch
26       Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

     default://Opcional

                [Ação padrão para caso o valor não esteja definido em nenhum dos Cases];

                break;

     }

     int caseSwitch = 1;
     switch (caseSwitch)
     {
         case 1:
             Console.WriteLine("Case 1");
             break;
         case 2:
             Console.WriteLine("Case 2");
             break;
         default:
             Console.WriteLine("Default case");
             break;
     }


               int switchExpression = 3;
               switch (switchExpression)
               {
                    // Uma seção de instruções podem ser iniciadas por mais de um valor no caso 0 e 1
                    case 0:
                    case 1:
                         Console.WriteLine("Case 0 or 1");
                         // para cada case é necessário um break, um return ou um goto.
                         break;
                    case 2:
                         Console.WriteLine("Case 2");
                         break;
                         // O código da linha abaixo causa um alerta na compilação, pois nunca será
     executada pelo fato de estar depois do break;
                         Console.WriteLine("Código irrelevante");
                    // 7 - 4 abaixo o case está em função de um expressão matemática “7-4” então quando
     o valor da variável for 3 essa condição será satisfeita.
                    case 7 - 4:
                         Console.WriteLine("Case 3");
                         break;
                    // Se o valor da váriavel não estiver entre 0, 1, 2, or 3, o código definido no
     rótulo default será executado.
                    default:
                         Console.WriteLine("Default case (Opcional)");
                         break;
               }
     Estruturas de repetição

     Estruturas de repetição são instruções que de acordo com uma condição, executam uma sequência de ações repetidas um
     determinado número de vezes. Estruturas de repetição também são conhecidas como loops.

     As principais instruções para execução de Loop são: “while”,”do”,”for” e “foreach”, vamos analisar cada uma separadamente.

     WHILE

     Um loop while verifica uma condição e em seguida executa um bloco de código enquanto a condição avaliada for verdadeira. A
     sua sintaxe é a seguinte:

         while ([Expressão booleana]) {

                [Conjunto de instruções]
27       Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

     }

     Ao terminar a execução das instruções dentro do bloco definido para o while a expressão booleana é verificada novamente e caso
     seja verdadeira o conjunto de instruções é executado novamente esse ciclo se repete até que o valor da expressão avaliada no
     segmento while seja falsa. No while se na primeira verificação o valor avaliado for falso o bloco de código não é executado nem
     uma vez.

     Exemplo:

                    //Declaração de uma variável
                     int i = 0;

                     //Segmento while, nesse caso verifica se o valor da váriavel i é menor que 10.
                     //O bloco de código será executado enquanto essa expressão for verdadeira
                     while (i<10)
                     {
                         //Conjunto de instruções a serem executadas

                          //Escreve o valor de i no console
                          Console.WriteLine(1);

                          //Soma 1 ao valor de i a cada execução do bloco de código.
                          i++;
                     }
                     //Espera que uma tecla seja digitada para encerrar a execução do programa.
                     Console.ReadKey();


     DO

     O loop “do” se comporta como o loop “while”, porém é garantido que o bloco de código seja executado ao menos uma vez, pois a
     expressão booleana é avaliada depois da execução do bloco de código.

     A sintaxe é a seguinte:

     do{

               [Conjunto de instruções]

     }while([Expressão booleana]);

     Exemplo:

         //Declaração de uma variável
                   int i = 0;


                     do
                     {
                          //Conjunto de instruções a serem executadas.
                          //A diferença é que mesmo que neste ponto o valor de i seja maior que 10
                          //Esse bloco de código será executado ao menos 1 vez.

                          //Escreve o valor de i no console
                          Console.WriteLine(1);

                          //Soma 1 ao valor de i a cada execução do bloco de código.
                          i++;
                     }
                     while (i < 10);//Segmento while, nesse caso verifica se o valor da váriavel i é menor
     que 10.
                     //O bloco de código será executado enquanto essa expressão for verdadeira

                     //Espera que uma tecla seja digitada para encerrar a execução do programa.
                     Console.ReadKey();
28       Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

     FOR

     O Loop for também executa um bloco de código em função de uma expressão booleana, com a diferença de possuir em sua
     sintaxe a possibilidade de incluir um inicializador e um modificador para uma variável que existirá somente em seu escopo. Essa
     instrução é largamente utilizada para varrer listas, pois sua sintaxe garante uma semântica melhor em relação ao while quando é
     necessário ter um contador das iterações ocorridas no loop.

     Sintaxe:

     for([Inicializador de variável];[Expressão booleana];[Modificador da variável]){

                [Conjunto de instruções]

     }

     Exemplos:

     //Declarando um array de inteiros, e já inicializando com valores.
                 int[] valores = new int[]{1,2,3,4,5,6,7,8,9,10};

                     /*No segmento for esta sendo feita inicialização de uma váriavel i que será incrementada
     com mais 1
                  a cada iteração ocorrida, enquanto o valor da váriavel seja menor que o tamanho da
     colação de inteiros obtida através da propriedade length do valor.
                  é importante lembrar que o ultimo índice da lista é sempre o tamanho da mesma menos 1,
     pois a primeira posição é 0 e não 1.*/
                 for (int i = 0; i < valores.Length; i++)
                 {
                     //Escreve o valor que está na posição "i" da lista a cada iteração sendo que o "i"
     vai sendo incrementado a cada iteração.
                     //Todos os valores da lista serão escritos na tela em ordem crescente.
                     Console.WriteLine(valores[i]);
                 }


                 Console.WriteLine("Ordem decrescente");
                 /*Podemos também escreve-los de forma decrescente.
                 Fazendo algumas alterações no nosso segmento for.
                     - Iniciando a váriavel i com a ultima posição do array em vez da primeira "0", a
     melhor formam de fazer isso é
                        atribuindo o valor da propriedade length -1 ao seu valor.
                     - Invertendo o sinal da expressão booleana de < para >= e substituindo a propriedade
     length pela constante 0.
                     - Por fim substituindo o operador unário de incremento(++) para o de decremento(--).
                  */

                 for (int i = valores.Length-1; i >=0; i--)
                 {
                     //Escreve o valor que está na posição "i" da lista a cada iteração sendo que o "i"
     vai sendo decrementado a cada iteração.
                     //Todos os valores da lista serão escritos na tela em ordem decrescente.
                     Console.WriteLine(valores[i]);
                 }

                     //Espera que uma tecla seja digitada para encerrar a execução do programa.
                     Console.ReadKey();



     FOREACH

     Este é um tipo de loop específico da linguagem C# que veio como uma forma de varrer coleções mais eficientemente. Com
     foreach não é necessário verificar se o número de iterações é menor que o número de item em uma coleção e nem acessar o item
     da coleção através do índice em função da variável do for, pois no foreach ocorre uma iteração para cada item da lista e uma
29       Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

     variável assume o valor deste item, qualquer objeto que herde da interface IEnumerable pode ser utilizado como fonte de dados
     em um foreach. Listas serão exploradas com mais profundidade neste capítulo.

     foreach ([Declaração da variável] in [Coleção a ser varrida]){

               [Conjunto de instruções]

     }



     Exemplo:

     //Declarando um array de inteiros, e já inicializando com valores.
                 int[] valores = new int[] { 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10 };

                 /*Agora faremos a mesma coisa que nos dois exemplos utilizando for, ou seja mostraremos
     os valores do array
                  * em ordem crescente e decrescente só que utilizando o foreach.*/

                 /*No segmento foreach temos a declaração de uma váriavel que assumira o valor de um item
     da lista de cada vez
                  * Reparem que o tipo da váriavel devem representar o tipo que a lista reúne no caso
     int. Depois a palavra reservada in
                  * que deve ser sucedida pela lista a ser varrida.
                  */
                 foreach (int item in valores)
                 {
                     Console.WriteLine(item);
                 }

                 /*Agora em ordem decrescente
                 Basta utilizar o método reverse disponível para qualquer tipo de array, que a ordem dos
     valores na lista será invertida completamente.
                  Como os valores estão organizados em forma crescente nesse exemplo, ao inverter serão
     apresentados de forma decrescente.
                  */
                 foreach (int item in valores.Reverse())
                 {
                     Console.WriteLine(item);
                 }

                    //Espera que uma tecla seja digitada para encerrar a execução do programa.
                    Console.ReadKey();



     BREAK

     O comando break pode ser utilizado dentro do bloco de código de qualquer Loop apresentado anteriormente e causa uma
     interrupção imediata das iterações. Pode ser utilizado para quando estamos procurando a primeira ocorrência de um valor
     específico, abaixo um exemplo.


                    //Declarando um array de inteiros, e já inicializando com valores.
                    int[] valores = new int[] { 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10 };


                 foreach (int item in valores)
                 {
                     if (item == 3)
                     {
                         Console.WriteLine(item);
                         //Ao encontrar a primeira ocorrência do valor 3 o mesmo será escrito na tela e a
     execução do Loop será interrompida.
                         break;
30       Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

                          }
                    }

     Tratamento de erro

     O C# implementa uma funcionalidade do framework para tratamento de erros, que consiste na possibilidade de executar uma ação
     que trata um exceção gerada pelo programa, de modo que não ocorra uma interrupção na execução, esse tratamento é feito através
     da instrução “try”, cuja sintaxe básica é a seguinte:




     try{

     [Conjunto de instruções que podem lançar uma exceção]

     }catch([Tipo de exceção] [Nome da variável](Opcional declaração da variável)){

     [Conjunto de instrução que gerencia a exceção ocorrida]

     }

     Exemplo:

     int[] vals=new int[]{0,1,2,3,4,5,6,7,8,9};

                    try
                    {
                          /*Nesse caso ocorrerá um erro, pois iniciei o contador do for em 1 o que vai causar
                              uma tentativa de acesso à uma posição que não existe na lista a posição 10 e
     apesar da lista
                              ter 10 valores os índices vão de 0 a 9, isso provocará o lançamento de uma
     exceção no sistema.

                            */
                          for (int i = 1; i < vals.Length+1; i++)
                          {
                               Console.WriteLine(vals[i]);
                          }
                 }
                 //O Bloco catch escreverá a mensagem de erro retornada no console e evitará que a
     execução do programa seja interrompida.
                 catch (Exception ex) {
                     Console.WriteLine(ex.Message);
                 }
                 Console.ReadKey();

     Arrays e Lists

     Muitas vezes no desenvolvimento de aplicações necessitamos de agrupar determinados tipos de dados em coleções, para efeitos de
     comparação, ordenação, dentre outros. Em C# é possível fazer esse agrupamento de duas formas.

     Através de Arrays e Lists, a diferença fundamental entre ambo é que o Array precisa ter o seu tamanho definido na sua
     inicialização, já as Lists podem crescer indefinidamente. As Lists também oferecem mais recursos para tratamento das coleções
     como consequência consumem mais processamento. As List foram implementadas sobre o conceito de tipos genéricos que serão
     detalhados posteriormente nesse capítulo, por hora vamos analisar a sintaxe, a utilização em um contexto e a interoperabilidade
     entre ambos.

     Arrays

     Um Array pode ser composto por várias dimensões, porém o mais comum é o unidimensional cuja sintaxe é a seguinte:

     “[tipo de dado]”[] “[Nome da variável]”;
31     Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

     Exemplo Array de inteiros:

     int[] Inteiros;

     Ou seja basta adicionar um par de colchetes ao lado do tipo da variável e este passa a representar uma lista unidimensional
     daquele mesmo tipo.

     Para declaração de um Array multidimensional basta colocar uma vírgula separando as dimensões, por exemplo, a declaração de
     um array bidimensional de inteiros ficaria assim:

     int[,] MatrizInteiros;

     O acesso aos itens dos vetores se dá através de índices, sendo cada índice a posição de uma unidade na matriz, a coleção de
     índices começa em 0 e termina no tamanho do vetor -1, o índice do último elemento de um vetor de tamanho n é igual a n-1.

     Existem algumas maneiras de se inicializar um vetor abaixo exemplos comentados.

     // Declaração e inicialização de um Array unidimensional de 5 posições.
     int[] array1 = new int[5];

     // Declaração e inicialização de um Array unidimensional de 5 posições,
     // mas nesse caso o número de posições é definido pelo número de valores definido entre as
     chaves na sintaxe de inicialização.
     int[] array2 = new int[] { 1, 3, 5, 7, 9 };

     // Sintaxe alternativa
     int[] array3 = { 1, 2, 3, 4, 5, 6 };

     // Declaração e inicialização de um Array bidimensional, sem atribuição de valores.
     int[,] multiDimensionalArray1 = new int[2, 3];

     // Declaração e inicialização de um Array bidimensional, com atribuição de valores.
     int[,] multiDimensionalArray2 = { { 1, 2, 3 }, { 4, 5, 6 } };

     Para acessar o elemento de valor 3 do array “array2” a sintaxe seria a seguinte:

               int Elemento = array2[1];

     Para atribuir um novo valor a esta mesma posição a sintaxe seria a seguinte:
              int Elemento=20;
              array2[1]=Elemento;


     Para acessar o elemento de valor 5 do array multidimensional “multiDimensionalArray2” a sintaxe seria a seguinte:
                int elemento= multiDimensionalArray2[1,1];

     Para atribuir um novo valor a esta mesma posição a sintaxe seria a seguinte:
                 int Elemento=20;
                 array2[1,1]=Elemento;

     Lists

     Os Lists são listas genéricas unidimensionais que assumem um determinado tipo. Não precisam ter seu tamanho especificado na
     inicialização. A List provê algumas funcionalidades a mais que o Array como o método Find, que serve para encontrar
     ocorrências de um determinado valor na lista. Para utilização do List o namespace System.Collections.Generic do assembly
     “mscorlib.dll” deve estar acessível.


     A sintaxe básica é a seguinte:

     List<[Tipo de dado]> [Nome da variável];

     Exemplo List de inteiros:
32    Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

       List<int> lst = new List<int>();

     A inclusão de um elemento na lista pode ser feito através do método Add. Cuja sintaxe é a seguinte:

             int Elemento=10;
             lst.Add(Elemento);

     A sintaxe de acesso e atribuição de elementos é idêntica à de Arrays unidimensionais.

     Interoperabilidade
     Uma lista pode ser transformada em um Array através do método “ToArray()”, exemplo abaixo:
                   int[] Myarray;
                    List<int> MyList = new List<int>();
                    Myarray = MyList.ToArray();

     Um Array pode ser transformado em List através do método “ToList()”,exemplo abaixo:
                  List<int> MyList;
                  int[] Myarray=new int[10];


                    MyList = Myarray.ToList();

     Todos os itens de um Array podem ser inserido em uma lista através do método AddRange([Fonte de dados enumerável]) da
     classe List, Exemplo abaixo:
                     List<int> MyList=new List<int>();
                     int[] Myarray=new int[10];


                    MyList.AddRange(Myarray);



     Tabela com os principais métodos comuns à Arrays e Lists.

     Nome do método                                                    Descrição
     Reverse()                                                         Inverte a ordem dos elementos na lista.
     First()                                                           Retorna o primeiro elemento da lista.
     OrderBy(Predicate)                                                Ordena os valores da lista de acordo com o valor passado com
                                                                       parâmetro.
     Max()                                                             Retorna o elemento de valor máximo pela ordem de
                                                                       precedência.
     Min()                                                             Retorna o elemento de valor mínimo pela ordem de
                                                                       precedência.


     Windows Forms

     Windows Forms é um conjunto de bibliotecas que fornecem funcionalidades para desenvolvimento de aplicações desktop que
     utilizem interações através de janelas no padrão Windows. As principais funcionalidades estão na biblioteca
     System.WindowsForms.dll. Nesse tópico iremos abordar os principais componentes do Windows forms.



     Eventos

     A orientação a eventos é um dos paradigmas da linguagem C#, isso quer dizer que os componentes executam as suas ações através
     de eventos. Por exemplo, um componente do tipo botão tem o evento Click, esse evento será relacionado com um ou mais
     métodos e quando o mesmo ocorrer as instruções contidas nesses métodos serão executadas.
33    Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#




     Guia rápido hello World em Windows forms

     Vamos fazer passo a passo a criação de um aplicativo Windows forms simples. O famoso Hello World.

     Abra o Microsoft Visual Studio 2010.

     Vá até o menu:File->New->Project.

     A janela abaixo aparecerá:




     Escolha a categoria Windows e dentro dela escolha Windows Forms Application.

     Seleciona o nome do projeto na caixa de texto rotulada “Name”.

     Clique em Ok.

     O form principal do projeto aparecerá.

     Abra a toolbox e arraste um controle do tipo Button para o form.

     Clique no controle que acabou de adicionar com o botão direito e escolha a opção “Properties”.

     Na janela que aparecerá selecione o item “text” e mude o valor de “button1” para “Saudar”, conforme imagem abaixo:




     Agora clique na imagem de um raio no topo da janela properties.
34    Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#




     Uma lista dos eventos existente para o botão será exibida, dê um duplo clique no evento “Click”.

     Você será redirecionado ao arquivo de código onde já terá um método criado e relacionado ao evento “Click”, coloque o trecho de
     código a seguir entre as chaves do método.

     //Aqui temos uma chamado ao método show da classe MessageBox , este método exibe uma caixa de dialogo com o texto passado
     como parâmetro à ele.

     MessageBox.Show("Hello World");


     Agora basta apertar F5 para rodar o aplicativo.

     Clique no botão do formulário para visualizar a caixa de dialogo.

     Principais componentes

     Form

     O form é o elemento fundamental das aplicações Windows forms e pode hospedar uma série de outros controles.

     O form pode receber as interações do usuário através do mouse ou através do teclado, e também apresentar dados através dos
     controles hospedados. Aplicações mais complexas podem necessitar de uma série de forms para cumprir seu objetivo. Sempre que
     você criar um projeto do tipo Windows forms um form com o nome form1.cs é adicionado, você pode mudar o nome clicando
     sobre ele e apertando a tecla F2, se tudo correr bem todas as referências para o mesmo também serão alteradas. Você pode
     adicionar outros forms ao seu projeto clicando sobre ele com o botão direito, escolhendo a opção new->item no menu contextual.
     A janela abaixo aparecerá:
35    Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#




     Selecione o item Windows Form, mude o nome na caixa de texto abaixo da lista conforme desejado. E clique no botão “Add”.
36    Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

     O formulário pode ser customizado através de suas propriedades para altera-las acesse a janela “properties”, abaixo uma tabela
     com as mais importantes e suas respectivas descrições:


      Propriedade                 Descrição
      (Name)                      O nome do objeto form.
      Backcolor                   Cor de fundo do formulário.
      BackgroundImage             Indica uma imagem para o plano de fundo do formulário.
                                  Determina como a imagem defina na propriedade BackGroundImage será apresentada.
     BackgroundImage1Layout
      ControlBox                  Determina quando o form tem um ControBox.
     Cursor                       Aparência do cursor do mouse quando estiver sobre o form.
     Enabled                      Determina se o form está habilitado, se estiver falso todos os controle hospedados também ficarão
                                  desabilitados
     Font                         Atribui a font padrão para textos do form.



     ForeColor                    Determina uma cor de primeiro plano padrão, será utilizada para todos controle caso não seja
                                  atribuída separadamente.


     FormBorderStyle              Indica a aparência e o comportamento das bordas do form.


     HelpButton                   Indica quando o Form tem um botão de ajuda.
     Icon                         Indica o ícone a ser apresentado no topo do form.
     Location                     Determina o posicionamento do form na tela quando a propriedade StarPosition está com o valor
                                  “Manual”.

     MaximizeBox                  Indica se o form tem a opção de maximizar.
     MaximumSize                  Determina o tamanho máximo que o form pode assumir.


     MinimizeBox                  Indica se o form tem a opção de minimizar.
     MinimumSize                  Determina o tamanho mínimo que o form pode assumir.


     Opacity                      Representa o nível de transparência do formulário, quando maior mais transparente.




     Size                         Atribui e recupera o tamanho inicial do form
     StartPosition                Posição do Form na sua primeira aparição.


     Text                         Determina o texto que aparece no topo do forn.
     TopMost                      Determina se o formulário aparece na frente de todas as outras aplicações.


     Visible                      Determina se o formulário esta visível.
     Windowstate                  Determina o estado inicial do formulário: Maximizado, Minimizado, etc.




     Alterando o formulário inicial de um projeto

     Esse é o primeiro form aberto ao executarmos um projeto, para alterar qual será esse formulário é necessário abrir o arquivo
     program.cs e mudar a instância de form passada para o método Run([Instância form]) da classe application . Se o form criado
     junto com o projeto não tiver sido renomeado estará assim:
37    Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C#

                                                     Application.Run(new Form1());

     Caso contrário no lugar de Form1 estará o nome atual do Form que foi criado junto com o projeto. Altere para o nome do
     formulário que deseja que seja inicializado.


     Prática;

     Crie 2 formulários.

     Os requisitos do primeiro são:

         1.     O título deve ser “formulário 1”.
         2.     O formulário deve abrir maximizado.
         3.     O formulário não pode ser minimizado.
         4.     O formulário deve ser parcialmente transparente.
         5.     O formulário deve aparecer acima de todas as outras telas abertas.
         6.     O formulário deve abrir junto canto superior direito da tela.

     Os requisitos do segundo são:

         1.     O título deve ser “formulário 2”
         2.     O formulário deve abrir no centro da tela.
         3.     A cor de fundo do formulário deve ser vermelha.
         4.     O Formulário deve apesentar um ícone ao lado do texto.
         5.     O formulário não pode ser redimensionado.
         6.     O Formulário não pode ser minimizado.

     Controles containers

     Os controles do tipo contêineres foram concebidos para reunir uma série de outros controles. Com eles é possível criar subdivisões
     lógicas e físicas no form que agrupam outros controles. Por exemplo, você pode colocar uma série de opções correlatas dentro de
     um groupbox onde somente uma pode ser escolhida. Quando um controle do tipo container hospeda outros controles, algumas
     propriedades do mesmo podem impactar em todos os seus filhos, por exemplo, se a propriedade Enable for atribuída como false
     todos os controles dentro do contêiner também ficarão desabilitados, assim como se a propriedade Visible for falsa, todos os itens
     também ficarão invisíveis.

     Para adicionar controles a um container basta arrasta-los da ToolBox para o mesmo.

     Existem propriedades de layout dos itens que tem relação com seu container. Por exemplo, a propriedade “Anchor” presente em
     todos os controles Windows Forms. Essa propriedade determina quais distâncias entre as extremidades do controle item e seu
     container serão mantidas quando o container for redimensionado. Observe as imagens abaixo para que esse conceito fique mais
     claro.

     Temos um botão dentro de um groupbox na imagem abaixo.
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#
Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sobre as Aprendizagens Essenciais para Disciplina de TIC dos Cursos Profissio...
Sobre as Aprendizagens Essenciais para Disciplina de TIC dos Cursos Profissio...Sobre as Aprendizagens Essenciais para Disciplina de TIC dos Cursos Profissio...
Sobre as Aprendizagens Essenciais para Disciplina de TIC dos Cursos Profissio...Fernanda Ledesma
 
Introdução a linguagem C# (CSharp)
Introdução a linguagem C# (CSharp)Introdução a linguagem C# (CSharp)
Introdução a linguagem C# (CSharp)Marcos Castro
 
Excel Intermediário
Excel IntermediárioExcel Intermediário
Excel Intermediárioaprcds
 
Encapsulamento em Orientação a Objetos
Encapsulamento em Orientação a ObjetosEncapsulamento em Orientação a Objetos
Encapsulamento em Orientação a ObjetosDaniel Brandão
 
3 - Modelo Entidade Relacionamento
3 - Modelo Entidade Relacionamento3 - Modelo Entidade Relacionamento
3 - Modelo Entidade RelacionamentoCris Fidelix
 
Banco de Dados I - Aula 05 - Banco de Dados Relacional (Modelo Conceitual)
Banco de Dados I - Aula 05 - Banco de Dados Relacional (Modelo Conceitual)Banco de Dados I - Aula 05 - Banco de Dados Relacional (Modelo Conceitual)
Banco de Dados I - Aula 05 - Banco de Dados Relacional (Modelo Conceitual)Leinylson Fontinele
 
Análise e Projeto de Sistemas
Análise e Projeto de SistemasAnálise e Projeto de Sistemas
Análise e Projeto de SistemasGuilherme
 
Algoritmos visualg
Algoritmos visualgAlgoritmos visualg
Algoritmos visualgDiego Sales
 
Normalização - Banco de Dados
Normalização - Banco de DadosNormalização - Banco de Dados
Normalização - Banco de DadosRoberto Grande
 
Conceitos e arquitetura do sistema de banco de dados
Conceitos e arquitetura do sistema de banco de dadosConceitos e arquitetura do sistema de banco de dados
Conceitos e arquitetura do sistema de banco de dadosElaine Cecília Gatto
 
Banco de Dados II Aula Dinâmica 1 (Perguntas e Respostas)
Banco de Dados II Aula Dinâmica 1 (Perguntas e Respostas)Banco de Dados II Aula Dinâmica 1 (Perguntas e Respostas)
Banco de Dados II Aula Dinâmica 1 (Perguntas e Respostas)Leinylson Fontinele
 
Aula 01 - Sistemas Operacionais - Windows 10
Aula 01 - Sistemas Operacionais - Windows 10Aula 01 - Sistemas Operacionais - Windows 10
Aula 01 - Sistemas Operacionais - Windows 10LucasMansueto
 
Cabeamento estruturado
Cabeamento estruturadoCabeamento estruturado
Cabeamento estruturadomacedovidal
 
Tutorial - Criando Banco com MySQL Workbench
Tutorial - Criando Banco com MySQL WorkbenchTutorial - Criando Banco com MySQL Workbench
Tutorial - Criando Banco com MySQL WorkbenchDaniel Brandão
 

Mais procurados (20)

Sobre as Aprendizagens Essenciais para Disciplina de TIC dos Cursos Profissio...
Sobre as Aprendizagens Essenciais para Disciplina de TIC dos Cursos Profissio...Sobre as Aprendizagens Essenciais para Disciplina de TIC dos Cursos Profissio...
Sobre as Aprendizagens Essenciais para Disciplina de TIC dos Cursos Profissio...
 
Introdução a linguagem C# (CSharp)
Introdução a linguagem C# (CSharp)Introdução a linguagem C# (CSharp)
Introdução a linguagem C# (CSharp)
 
Excel Intermediário
Excel IntermediárioExcel Intermediário
Excel Intermediário
 
Encapsulamento em Orientação a Objetos
Encapsulamento em Orientação a ObjetosEncapsulamento em Orientação a Objetos
Encapsulamento em Orientação a Objetos
 
3 - Modelo Entidade Relacionamento
3 - Modelo Entidade Relacionamento3 - Modelo Entidade Relacionamento
3 - Modelo Entidade Relacionamento
 
Planificação do Projeto de Software
Planificação do Projeto de SoftwarePlanificação do Projeto de Software
Planificação do Projeto de Software
 
Banco de Dados I - Aula 05 - Banco de Dados Relacional (Modelo Conceitual)
Banco de Dados I - Aula 05 - Banco de Dados Relacional (Modelo Conceitual)Banco de Dados I - Aula 05 - Banco de Dados Relacional (Modelo Conceitual)
Banco de Dados I - Aula 05 - Banco de Dados Relacional (Modelo Conceitual)
 
Análise e Projeto de Sistemas
Análise e Projeto de SistemasAnálise e Projeto de Sistemas
Análise e Projeto de Sistemas
 
Algoritmos visualg
Algoritmos visualgAlgoritmos visualg
Algoritmos visualg
 
Excel Basico
Excel BasicoExcel Basico
Excel Basico
 
Normalização - Banco de Dados
Normalização - Banco de DadosNormalização - Banco de Dados
Normalização - Banco de Dados
 
Virtualização
VirtualizaçãoVirtualização
Virtualização
 
Conceitos e arquitetura do sistema de banco de dados
Conceitos e arquitetura do sistema de banco de dadosConceitos e arquitetura do sistema de banco de dados
Conceitos e arquitetura do sistema de banco de dados
 
Banco de Dados II Aula Dinâmica 1 (Perguntas e Respostas)
Banco de Dados II Aula Dinâmica 1 (Perguntas e Respostas)Banco de Dados II Aula Dinâmica 1 (Perguntas e Respostas)
Banco de Dados II Aula Dinâmica 1 (Perguntas e Respostas)
 
Pacote office
Pacote officePacote office
Pacote office
 
Aula 2 - Introdução a Banco de Dados
Aula 2 - Introdução a Banco de DadosAula 2 - Introdução a Banco de Dados
Aula 2 - Introdução a Banco de Dados
 
Aula 01 - Sistemas Operacionais - Windows 10
Aula 01 - Sistemas Operacionais - Windows 10Aula 01 - Sistemas Operacionais - Windows 10
Aula 01 - Sistemas Operacionais - Windows 10
 
Cabeamento estruturado
Cabeamento estruturadoCabeamento estruturado
Cabeamento estruturado
 
Ciclo desenvolvimento de sistemas
Ciclo desenvolvimento de sistemasCiclo desenvolvimento de sistemas
Ciclo desenvolvimento de sistemas
 
Tutorial - Criando Banco com MySQL Workbench
Tutorial - Criando Banco com MySQL WorkbenchTutorial - Criando Banco com MySQL Workbench
Tutorial - Criando Banco com MySQL Workbench
 

Destaque

Aprendendo Na Prática: Aplicativos Web Com Asp.Net MVC em C# e Entity Framewo...
Aprendendo Na Prática: Aplicativos Web Com Asp.Net MVC em C# e Entity Framewo...Aprendendo Na Prática: Aplicativos Web Com Asp.Net MVC em C# e Entity Framewo...
Aprendendo Na Prática: Aplicativos Web Com Asp.Net MVC em C# e Entity Framewo...Daniel Makiyama
 
Reconstrução de pterossauros com poliestireno extrudido (24o. cbp)
Reconstrução de pterossauros com poliestireno extrudido (24o. cbp)Reconstrução de pterossauros com poliestireno extrudido (24o. cbp)
Reconstrução de pterossauros com poliestireno extrudido (24o. cbp)Helder da Rocha
 
Programação c# - banco de dados
Programação   c# - banco de dadosProgramação   c# - banco de dados
Programação c# - banco de dadosdouglasschaefler
 
Cadastro de clientes em c#
Cadastro de clientes em c#Cadastro de clientes em c#
Cadastro de clientes em c#André Luiz
 
Visão geral da segurança em Java EE
Visão geral da segurança em Java EEVisão geral da segurança em Java EE
Visão geral da segurança em Java EEHelder da Rocha
 
Curso desenvolvendo web sites (asp)
Curso desenvolvendo web sites (asp)Curso desenvolvendo web sites (asp)
Curso desenvolvendo web sites (asp)Feliz Bunguele
 
TOTVS LINHA RM TREINAMENTO SQL
TOTVS LINHA RM TREINAMENTO SQLTOTVS LINHA RM TREINAMENTO SQL
TOTVS LINHA RM TREINAMENTO SQLFábio Delboni
 
TOTVS LINHA RM - FÓRMULAS - Lógica de construção de fórmulas
TOTVS LINHA RM - FÓRMULAS - Lógica de construção de fórmulasTOTVS LINHA RM - FÓRMULAS - Lógica de construção de fórmulas
TOTVS LINHA RM - FÓRMULAS - Lógica de construção de fórmulasFábio Delboni
 
TOTVS IP CAMPINAS FSW Treinamento .NET C# - v4 POR FABIO DELBONI
TOTVS IP CAMPINAS FSW Treinamento .NET C# - v4 POR FABIO DELBONITOTVS IP CAMPINAS FSW Treinamento .NET C# - v4 POR FABIO DELBONI
TOTVS IP CAMPINAS FSW Treinamento .NET C# - v4 POR FABIO DELBONIFábio Delboni
 
Minicurso Testes em .NET - Globalcode Vinicius Quaiato
Minicurso Testes em .NET - Globalcode Vinicius QuaiatoMinicurso Testes em .NET - Globalcode Vinicius Quaiato
Minicurso Testes em .NET - Globalcode Vinicius QuaiatoVinicius Quaiato
 
Construindo Apps Com SignalR
Construindo Apps Com SignalRConstruindo Apps Com SignalR
Construindo Apps Com SignalRIvan Paulovich
 
C sharp feup10set2001
C sharp feup10set2001C sharp feup10set2001
C sharp feup10set2001leojr_0
 
Fundamentos do asp.net
Fundamentos do asp.netFundamentos do asp.net
Fundamentos do asp.netleojr_0
 
Interop itcare: Interoperabilidade Java e .NET
Interop itcare: Interoperabilidade Java e .NETInterop itcare: Interoperabilidade Java e .NET
Interop itcare: Interoperabilidade Java e .NETAlessandro Binhara
 
C# 6.0 .net coders
C# 6.0   .net codersC# 6.0   .net coders
C# 6.0 .net codersRenato Groff
 

Destaque (20)

Aprendendo Na Prática: Aplicativos Web Com Asp.Net MVC em C# e Entity Framewo...
Aprendendo Na Prática: Aplicativos Web Com Asp.Net MVC em C# e Entity Framewo...Aprendendo Na Prática: Aplicativos Web Com Asp.Net MVC em C# e Entity Framewo...
Aprendendo Na Prática: Aplicativos Web Com Asp.Net MVC em C# e Entity Framewo...
 
Sistema Controle de Estoque ASP.NET
Sistema Controle de Estoque ASP.NETSistema Controle de Estoque ASP.NET
Sistema Controle de Estoque ASP.NET
 
Reconstrução de pterossauros com poliestireno extrudido (24o. cbp)
Reconstrução de pterossauros com poliestireno extrudido (24o. cbp)Reconstrução de pterossauros com poliestireno extrudido (24o. cbp)
Reconstrução de pterossauros com poliestireno extrudido (24o. cbp)
 
Apostila php
Apostila phpApostila php
Apostila php
 
Programação c# - banco de dados
Programação   c# - banco de dadosProgramação   c# - banco de dados
Programação c# - banco de dados
 
Cadastro de clientes em c#
Cadastro de clientes em c#Cadastro de clientes em c#
Cadastro de clientes em c#
 
Visão geral da segurança em Java EE
Visão geral da segurança em Java EEVisão geral da segurança em Java EE
Visão geral da segurança em Java EE
 
Curso desenvolvendo web sites (asp)
Curso desenvolvendo web sites (asp)Curso desenvolvendo web sites (asp)
Curso desenvolvendo web sites (asp)
 
TOTVS LINHA RM TREINAMENTO SQL
TOTVS LINHA RM TREINAMENTO SQLTOTVS LINHA RM TREINAMENTO SQL
TOTVS LINHA RM TREINAMENTO SQL
 
TOTVS LINHA RM - FÓRMULAS - Lógica de construção de fórmulas
TOTVS LINHA RM - FÓRMULAS - Lógica de construção de fórmulasTOTVS LINHA RM - FÓRMULAS - Lógica de construção de fórmulas
TOTVS LINHA RM - FÓRMULAS - Lógica de construção de fórmulas
 
TOTVS IP CAMPINAS FSW Treinamento .NET C# - v4 POR FABIO DELBONI
TOTVS IP CAMPINAS FSW Treinamento .NET C# - v4 POR FABIO DELBONITOTVS IP CAMPINAS FSW Treinamento .NET C# - v4 POR FABIO DELBONI
TOTVS IP CAMPINAS FSW Treinamento .NET C# - v4 POR FABIO DELBONI
 
Minicurso Testes em .NET - Globalcode Vinicius Quaiato
Minicurso Testes em .NET - Globalcode Vinicius QuaiatoMinicurso Testes em .NET - Globalcode Vinicius Quaiato
Minicurso Testes em .NET - Globalcode Vinicius Quaiato
 
Construindo Apps Com SignalR
Construindo Apps Com SignalRConstruindo Apps Com SignalR
Construindo Apps Com SignalR
 
Curso asp - intermediario
Curso   asp - intermediarioCurso   asp - intermediario
Curso asp - intermediario
 
C sharp feup10set2001
C sharp feup10set2001C sharp feup10set2001
C sharp feup10set2001
 
Curso de xml
Curso de xmlCurso de xml
Curso de xml
 
Fundamentos do asp.net
Fundamentos do asp.netFundamentos do asp.net
Fundamentos do asp.net
 
Interop itcare: Interoperabilidade Java e .NET
Interop itcare: Interoperabilidade Java e .NETInterop itcare: Interoperabilidade Java e .NET
Interop itcare: Interoperabilidade Java e .NET
 
C# 6.0 .net coders
C# 6.0   .net codersC# 6.0   .net coders
C# 6.0 .net coders
 
Introdução ao Arduino
Introdução ao ArduinoIntrodução ao Arduino
Introdução ao Arduino
 

Semelhante a Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#

DotNet Framework e Orientação a Objetos 1 - Introdução
DotNet Framework e Orientação a Objetos 1 - IntroduçãoDotNet Framework e Orientação a Objetos 1 - Introdução
DotNet Framework e Orientação a Objetos 1 - IntroduçãoLorival Smolski Chapuis
 
Padrões Arquiteturais de Sistemas
Padrões Arquiteturais de SistemasPadrões Arquiteturais de Sistemas
Padrões Arquiteturais de SistemasVagner Santana
 
Apresentação TCC-pós
Apresentação TCC-pósApresentação TCC-pós
Apresentação TCC-pósthiago.lenz
 
06-engenharia de softwere Análise e Projeto de Software.docx
06-engenharia de softwere Análise e Projeto de Software.docx06-engenharia de softwere Análise e Projeto de Software.docx
06-engenharia de softwere Análise e Projeto de Software.docxJulioCesar371362
 
Fundamentos do .NET Framework - Parte 1
Fundamentos do .NET Framework - Parte 1Fundamentos do .NET Framework - Parte 1
Fundamentos do .NET Framework - Parte 1Julian Correa
 
FLTK Summer Course - Part I - First Impact
FLTK Summer Course - Part I - First ImpactFLTK Summer Course - Part I - First Impact
FLTK Summer Course - Part I - First ImpactMichel Alves
 
Aplicações Profissionais para Internet com Zend Framework
Aplicações Profissionais para Internet com Zend FrameworkAplicações Profissionais para Internet com Zend Framework
Aplicações Profissionais para Internet com Zend FrameworkFlávio Lisboa
 
Apresentação Gerpro
Apresentação GerproApresentação Gerpro
Apresentação Gerprorafahreis
 
ASP.NET MVC com jQuery (Retome o controle da sua aplicação web)
ASP.NET MVC com jQuery (Retome o controle da sua aplicação web)ASP.NET MVC com jQuery (Retome o controle da sua aplicação web)
ASP.NET MVC com jQuery (Retome o controle da sua aplicação web)Giovanni Bassi
 
Arquitetura MVC, JavaBeans e DAO
Arquitetura MVC, JavaBeans e DAOArquitetura MVC, JavaBeans e DAO
Arquitetura MVC, JavaBeans e DAOLeonardo Sousa
 
Reutilização
ReutilizaçãoReutilização
Reutilizaçãoemjorge
 

Semelhante a Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C# (20)

Projeto de Software
Projeto de SoftwareProjeto de Software
Projeto de Software
 
DotNet Framework e Orientação a Objetos 1 - Introdução
DotNet Framework e Orientação a Objetos 1 - IntroduçãoDotNet Framework e Orientação a Objetos 1 - Introdução
DotNet Framework e Orientação a Objetos 1 - Introdução
 
Python para Desenvolvedores
Python para DesenvolvedoresPython para Desenvolvedores
Python para Desenvolvedores
 
Padrões Arquiteturais de Sistemas
Padrões Arquiteturais de SistemasPadrões Arquiteturais de Sistemas
Padrões Arquiteturais de Sistemas
 
Micronaut
MicronautMicronaut
Micronaut
 
Apresentação TCC-pós
Apresentação TCC-pósApresentação TCC-pós
Apresentação TCC-pós
 
06-engenharia de softwere Análise e Projeto de Software.docx
06-engenharia de softwere Análise e Projeto de Software.docx06-engenharia de softwere Análise e Projeto de Software.docx
06-engenharia de softwere Análise e Projeto de Software.docx
 
Fundamentos do .NET Framework - Parte 1
Fundamentos do .NET Framework - Parte 1Fundamentos do .NET Framework - Parte 1
Fundamentos do .NET Framework - Parte 1
 
ASP.NET MVC
ASP.NET MVCASP.NET MVC
ASP.NET MVC
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
FLTK Summer Course - Part I - First Impact
FLTK Summer Course - Part I - First ImpactFLTK Summer Course - Part I - First Impact
FLTK Summer Course - Part I - First Impact
 
Asp net mvc
Asp net mvcAsp net mvc
Asp net mvc
 
Aplicações Profissionais para Internet com Zend Framework
Aplicações Profissionais para Internet com Zend FrameworkAplicações Profissionais para Internet com Zend Framework
Aplicações Profissionais para Internet com Zend Framework
 
DCI com PHP
DCI com PHPDCI com PHP
DCI com PHP
 
Apresentação Gerpro
Apresentação GerproApresentação Gerpro
Apresentação Gerpro
 
Introducao ao .Net
Introducao ao .NetIntroducao ao .Net
Introducao ao .Net
 
ASP.NET MVC com jQuery (Retome o controle da sua aplicação web)
ASP.NET MVC com jQuery (Retome o controle da sua aplicação web)ASP.NET MVC com jQuery (Retome o controle da sua aplicação web)
ASP.NET MVC com jQuery (Retome o controle da sua aplicação web)
 
Framework Miolo
Framework MioloFramework Miolo
Framework Miolo
 
Arquitetura MVC, JavaBeans e DAO
Arquitetura MVC, JavaBeans e DAOArquitetura MVC, JavaBeans e DAO
Arquitetura MVC, JavaBeans e DAO
 
Reutilização
ReutilizaçãoReutilização
Reutilização
 

Apostila desenvolvimento aplicações comerciais com C#

  • 1.
  • 2. Sumário Conteúdo Página Capítulo 1- .NET 1 Framework O que é? 1 História 1 Versões do .NET Framework 2 Principais Recursos por versões 2 Arquitetura básica 3 O que é IL? 3 Garbage Collection 6 GAC 6 LINKS 7 Capítulo 2-Microsoft 8 Visual Studio 2010 O que é? 8 História 8 Funcionalidades por versões 8 Como iniciar? 8 Estrutura de um projeto e tipos de 10 arquivos básicos Templates 11 Code Snippet 12 Ferramentas de analise de código 13 Principais janelas do VS 2010 13 Debugando com VS 2010 13 IntelliTrace 14 Gerando um release 16 LINKS 16 Capítulo 3-Microsoft C# 17 O que é? 17 História 17 Visão conceitual classes 17 Namespaces 18 Using 18 Tipos de dados básicos 19 Tipos de valor e de referência 20 Varáveis 21 Operadores 21 Desvios condicionais 24 Switch 25 Estruturas de repetição 26 Tratamento de erro 30 Arrays e Lists 30 Windows Forms 32 Eventos 32 Guia rápido: Hello World 33 Principais componentes Windows 34
  • 3. Forms Trabalhando com arquivo texto 51 Modificadores de acesso 53 Classes 53 Propriedades e variáveis 53 Construtores 54 Métodos 56 Sobrecarga 57 Enums 59 Herança 59 Classes e métodos estáticos 60 Conversões 61 Interfaces 61 ADO.net – Trabalhando com 62 bancos de dados Criação de controles 65 customizados Generics 66 Lambda Expressions 67 Reflection 68 LINKS 71 Capítulo 4 – Orientação a 72 objetos Pilares 72 Princípios 73
  • 4. 1 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# Capítulo 1 - Microsoft .NET Framework. O que é? Microsoft .NET é componente construído pela Microsoft, que visa uma plataforma única para desenvolvimento e execução de sistemas e aplicações. Todo e qualquer código gerado para .NET, pode ser executado em qualquer dispositivo que possua o framework de tal plataforma instalado. Dessa forma o programador deixa de escrever código para um sistema ou dispositivo específico, e passa a escrever para a plataforma.NET. O .net Framework é projetado para atender os seguintes objetivos:  Fornecer um ambiente de programação orientada a objetos consistente, se o código é armazenado e executado localmente, executado localmente, mas distribuído pela Internet ou executado remotamente.  Fornecer um ambiente de execução que minimiza conflitos de implantação de software e controle de versões.  Fornecer um ambiente de execução que promove a execução segura do código, incluindo código criado por um desconhecido ou por um terceiro que não seja totalmente confiável.  Fornecer um ambiente de execução que elimina os problemas de desempenho de ambientes interpretados ou com scripts.  Tornar a experiência do desenvolvedor consistente, através dos diversos tipos de aplicações, tais como aplicativos baseados no Windows e aplicativos baseados na Web.  Construir toda a comunicação em padrões da indústria para garantir que o código com base no .net framework possa interagir com qualquer outro código. História A Microsoft lançou o .net Framework em 2001 com a intenção de redefinir a maneira que escrevemos programas para Windows e também pra web, a iniciativa .net travou uma árdua briga com a Sun Microsystems em relação a versão da Microsoft da linguagem java que era a mais usada para desenvolvimento de aplicativos .net quando o framework surgiu. Esta implementação específica do java concebida pela Microsoft foi nomeada J++ e sua biblioteca de classe WFC(Windows foundation Classes) foi em grande parte desenhada por Ander Hejlsber um ex-funcionário da Borland que ficou conhecido pela sua participação nas linguagens Pascal, Turbo Pascal,Borland Pascal e Delphi. Posteriormente o Visual J + +( Visual Studio 6.0 foi o último a conter suporte a essa linguagem) foi descontinuado, Hejlsberg foi nomeado arquiteto-chefe da linguagem C # e um dos principais desenvolvedores do .NET Framework.
  • 5. 2 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# Versões do .net framework Principais recursos por versão do framework Cada versão do .net framework tem suas particularidades, porém toda versão é completamente compatíveis com as anteriores minimizando assim o impacto da migração de uma versão para outra, inclusive módulos compilados em uma versão mais antiga pode ser carregado em um aplicativo construído com uma versão mais atual. Na tabela abaixo temos os principais alterações ocorridas em cada versão do .net framework, notem que nem sempre o CLR é atualizado a cada versão do .net quer dizer que apenas novos módulos foram adicionados mas a forma de gerenciamento do código permanece a mesma. Versão do .NET Versão Versão do Visual Studio Descrição Framework do CLR 1.0 1.0 Visual Studio .NET Contém a primeira versão do CLR e a primeira versão da biblioteca de classes. 1.1 1.1 Visual Studio .NET 2003 Inclui atualizações para o ASP.NET e pra o ADO.NET. Essa versão foi posteriormente atualizada 2 vezes com o Service Pack 1(SP1) e Service Pack 2(SP2) Essa versão também introduziu a execução sibe-by-side a qual habilita aplicações em um único computador executar em várias versões do CLR . 2.0 2.0 Visual Studio 2005 Introduziu uma nova versão do CLR com adições para as bibliotecas de classes incluindo os tipos genéricos, coleções genéricas e acréscimos significativos para o ASP.NET. Esta versão foi posteriormente atualizada com o SP1 e o SP2. 3.0 2.0 Visual Studio 2005 Esta versão é essencialmente o .NET Framework 2.0 com a adição do Windows Presentation Foundation (WPF), o Windows Communications Foundation (WCF), o Windows Workflow Foundation (WF) e o CardSpace. Posteriormente foi atualizado com o SP1 e o SP2. 3.5 2.0 Visual Studio 2008 Acrescentou novas funcionalidades, tais como suporte a AJAX e LINQ. A atualização do SP1, acrescentou ao. NET Framework, dados dinâmicos, e um pequeno conjunto de melhorias adicionais. 4 4 Visual Studio 2010 Inclui uma nova versão do CLR, bibliotecas de classes básicas e novas funcionalidades, tais como o Managed Extensibility Framework (MEF) , dynamic language runtime (DLR) e code contracts.
  • 6. 3 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# Arquitetura básica O Microsoft .NET Framework é composto por 2 componentes principais: o CLR(Common Language Runtime) e a biblioteca de classes. O Common Language Runtime é a base do Framework .NET. Você pode pensar no Runtime como um agente que gere código em tempo de execução, fornecendo principalmente serviços como gerenciamento de memória, gerenciamento de segmento e processamento remoto, ao mesmo tempo a segurança de tipos estritos e outras formas de precisão de código que promovem segurança e robustez. Na verdade, o conceito de gerenciamento de código é um princípio fundamental do runtime. Código rodando sobre o CLR é conhecido como código gerenciado, enquanto o código que não roda sobre ele é conhecido como código não gerenciado. A biblioteca de classes, é o outro componente principal do .NET Framework, se trata de uma vasta coleção orientada a objetos de tipos reutilizáveis que você pode usar para desenvolver aplicações que vão desde a tradicional linha de comando até aplicativos com interface gráfica do usuário (GUI), para aplicativos com base em inovações mais recentes fornecidas pelo ASP.NET, como Web Forms e Serviços Web XML. Abaixo temos uma ilustração com uma visão holística da relação entre a biblioteca de classes, o.net framework, sua aplicação e o sistema operacional ou o hardware. O que é IL? Uma grande quantidade de linguagens podem ser utilizadas para construção de aplicativos baseados no .net framework , na verdade qualquer linguagem que possua um compilador IL pode ser utilizada, como exemplo podemos citar C#, VB.NET, DELPHI.NET e J#, apesar de o C# ter sido adotado como linguagem oficial para o .net framework. O que acontece na verdade acontece é que todo código é traduzido na compilação para IL que é a abreviação Itermediate language, ou seja, linguagem intermediária e essa é a única linguagem que o CLR entende sendo interpretada e gerenciada por ele em tempo de execução e transformando-a posteriormente em código de máquina(binário), os principais tipos de arquivos gerados por um compilador IL variam dependendo do tipo de projeto são estes: EXE, DLL e ASPX. Abaixo um pequeno exemplo “hello world” em c# e abaixo o mesmo programa em IL. Versão C#; using System; namespace HelloWorldIL { class Program { static void Main(string[] args) { Console.WriteLine("Hello, World !"); } } }
  • 7. 4 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# Versão IL; .assembly extern mscorlib {} .assembly HelloWorldIL {} .namespace HelloWorldIL { .class Program { .method static public void Main() cil managed { .entrypoint .maxstack 8 ldstr "Hello, World !" call void [mscorlib] System.Console::WriteLine(string) call valuetype [mscorlib]System.ConsoleKeyInfo [mscorlib]System.Console::ReadKey() ret } } }
  • 8. 5 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# A imagem abaixo demonstra o fluxo ocorrido entre a compilação e a execução de um aplicativo .net. Você pode acessar o código em IL de um arquivo .net compilado através da ferramenta IL Disassembler que normalmente pode ser encontrado na pasta do Visual Studio 2010 no menu iniciar-> Microsoft Windows SDK Tools IL Disassemble ou no caminho: C:Program FilesMicrosoft SDKsWindowsv7.0ABinNETFX 4.0 Toolsx64ildasm.exe Você pode também escrever um aplicativo utilizando IL diretamente, mas infelizmente o Visual Studio 2010 não oferece suporte a essa linguagem então um editor de texto qualquer pode ser utilizado, para compilar utilize a ferramenta ILAsm que vem junto com o SDK do .net framework e é acessível através do prompt do Visual Studio e pode ser encontrado normalmente na pasta do menu iniciar do Visual Studio->Visual Studio Tools->Visual Studio Command Prompt. Apesar desta prática não ser muito
  • 9. 6 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# comum nos ajuda a entender como funcionam as coisa “por baixo do capô” no .net framework e também pode ser utilizado para criar programas em tempo de execução(Reflection.Emitting). Garbage Collection O Garbage Collection é um recurso do Common Language Runtime que faz o gerenciamento automático da memória e oferece os seguintes benefícios:  Permite que você desenvolva sua aplicação sem a necessidade de liberar memória.  Aloca objetos no heap gerenciado de forma eficiente.  Identifica objetos que não estão mais sendo usados, apaga-os da memória e a mantém disponível para futuras atribuições.  Objetos gerenciados automaticamente têm o espaço para seus atributos previamente alocados, assim o construtor não precisa inicializar cada um deles.  Fornece segurança de memória, certificando-se que um objeto não pode usar o conteúdo de outro objeto. Em que situações o Garbage Collection é acionado:  O sistema tem memória física baixa.  A memória que é usada por objetos alocados no heap gerenciado ultrapassa um limite aceitável. Este limiar é continuamente ajustado conforme o processo é executado.  O método GC.Collect é chamado. Em quase todos os casos, você não precisa chamar esse método, porque o coletor de lixo é executado de forma contínua. Este método é usado principalmente para situações únicas e testes. Nota: Heap Gerenciado é o segmento de memória para armazenar e gerenciar os objetos. GAC GAC é a abreviações para Global Assembly Cache que consiste em um sistema robusto e unificado serviço de gerenciamento de DLL’S compartilhadas, com ele aplicações podem usar diferentes versões da mesma DLL instalada no disco.
  • 10. 7 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# LINKS Visão conceitural do .net framework - http://msdn.microsoft.com/pt-br/library/zw4w595w.aspx Página oficial do .net framework - http://msdn.microsoft.com/en-us/netframework/default.aspx Versões e dependências do .net framework - http://msdn.microsoft.com/pt-br/library/bb822049.aspx Instalação do .net framework 4.0 runtime - http://www.microsoft.com/download/en/details.aspx?id=17718 Como o framework .net reconhece tantas linguagens - http://www.devmedia.com.br/post-14830-Como-o-framework--NET- reconhece-varias-linguagens-de-programacao.html .NET Framework Class library overview - http://msdn.microsoft.com/en-us/library/hfa3fa08.aspx Common language runtime overview- http://msdn.microsoft.com/en-us/library/ddk909ch.aspx Entrevistas de Anders Hejlsberg sobre o .net framework - http://www.bitwisemag.com/copy/programming/milestones/pm_dotnet.html Artigo Wikipédia j++ - http://en.wikipedia.org/wiki/Visual_J%2B%2B Fundamentos garbage collection - http://msdn.microsoft.com/en-us/library/ee787088.aspx Visão geral biblioteca .net - http://msdn.microsoft.com/en-us/library/hfa3fa08.aspx Mapa das principais classes .net framework 4.0 - http://brad_abrams.members.winisp.net/Projects/PDC2008/PDC2008- NETFX4.pdf Mapa de classes comuns do .net framework 3.5 - http://www.microsoft.com/download/en/details.aspx?displaylang=en&id=19341
  • 11. 8 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# Capítulo 2 – Microsoft Visual Studio O que é? O Microsoft Visual Studio é uma IDE(integrated development enviroment) , se trata uma plataforma multi linguagem concebida pela Microsoft que apresenta facilidades significativas para o desenvolvimento de software englobando um série de funcionalidades que auxiliam nas rotinas de desenvolvimento, pode ser usada para desenvolver aplicações console ou gráficas através das bibliotecas Windows Forms, web sites, aplicações web e web services. Algumas das suas principais funcionalidades são  Um editor de código com esquema de cores que visa facilitar o entendimento.  Um sistema de auto completar para nome de funções, tipos de dados, namespaces e palavras reservadas (Intelissense).  Um compilador/interpretador de código.  Em versões mais avançadas até mesmo controle de versões.  Editor gráfico para criação da interface de usuário.  Refatoração de código. Dentre as linguagens suportadas de forma nativa estão: C#,VB.net,F#,XML,HTML,JavaScript e CSS. Apesar de ser um software proprietário, existem as versões gratuitas chamadas de express que possuem menos recursos e são voltadas para um linguagem específica como Visual C# Express,Visual C++ dentro outras. História A primeira versão do Visual Studio foi o Visual Studio 97 que agregou grande parte das ferramentas necessárias para o desenvolvimento de software pela primeira vez. O Visual Studio 97 teve duas versões, Visual Studio Professional e o Visual Studio Enterprise. As linguagem suportadas eram Visual Basic 5.0 e Visual C++ 5.0 voltados ao desenvolvimento para Windows, J++ 1.1 para programação para JVM, Visual Fox Pro 5.0 para programação de bancos de dados e também foi introduzido suporte à construção de sites de conteúdo dinâmico através do Active Server Page(ASP), em 2002 foi lançado o primeiro Visual Studio voltado a programação com .net. A versão atual da IDE é o Microsoft Visual Studio 2010 e esta será a que utilizaremos como ferramenta padrão de desenvolvimento em nosso curso, as principais alterações ocorridas nessa versão foram a reorganização da interface para torna-la mais simples utilizando as novas tecnologias para desenvolvimento de interface criadas pela própria Microsoft (WPF). Inclusão do DLR - Dynamic Language Runtime no pacote de instalação que dá suporte aos tipos dinâmico e à metaprogramação, Suporte ao .net framework 4.0 e Suporte ao desenvolvimento de aplicativos para o Windows phone 7. Funcionalidades por versão do Microsoft Visual Studio 2010 Como Iniciar? Agora faremos um rápido guia de como construir uma aplicação simples no VS2010. Para começar o desenvolvimento de um aplicativo com Visual Studio é relativamente simples basta abrir o programa ir até o menu superior na opção File->new->Project. Uma janela como a da imagem abaixo aparecerá:
  • 12. 9 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# Do lado direto temos uma lista hierárquica com o título “Instaled templates” o que seria modelos de projetos para cada tipo de aplicativo, os templates serão detalhados posteriormente nesse capítulo. No caso está selecionada a categoria “Windows” e dentro dela há subtipos como “Windows Forms Applications” e “Class Library Application”. Na parte superior temos versão do .net que será utilizado no projeto no caso selecionado .net framework 4. Na parte inferior temos o nome que queremos dar ao nosso projeto, e logo abaixo o caminho no computador que os projetos e os arquivos relacionados serão salvos e abaixo o nome da solução que funciona como uma agregadora de conteúdo para podermos organizar um sistema formado de vários projetos será melhor explicada posteriormente nesse capítulo. Temos ainda duas caixas de seleção a primeira indica se gostaríamos de criar um diretório para organizar fisicamente os arquivos da solução e o segundo indica se gostaríamos de já adicionar o projeto á um controle de versão. Feitas essas configurações iniciais podemos dar ok e será criado um projeto de acordo com o template escolhido e este normalmente é apresentado do lado direito na janela “Solution Explorer”. A partir de agora tomaremos como exemplo o template “Console Application” que é um dos mais simples para prosseguir esse guia rápido.
  • 13. 10 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# A imagem abaixo mostra o que veremos após dar ok na janela anterior: Já será aberto o arquivo com a classe principal do projeto e o método de entrada basta editar a definição do mesmo implementando as ações que desejar e depois clicar no botão parecido com um play na parte superior da tela ao lado da palavra debug o seu aplicativo será executado para que o comportamento do mesmo seja analisado. Vamos supor que tudo correu bem, o próximo será alterar o a caixa de seleção onde está escrita a palavra Debug para Release, feito isso basta clicar com o botão direto sobre a solução na janela “Solution Explorer”, será aberto um menu contextual escolha a opção “rebuild” e isto iniciará a montagem do seu aplicativo para um arquivo executável. Agora basta ir até o diretório da solução, procurar a pasta do projeto, “ConsoleApplication1”->bin->release, o arquivo executável estará lá dentro, clique duas vezes no mesmo e sua aplicação será iniciada. Estrutura de um projeto e tipos de arquivos básicos O Visual Studio tem uma organização hierárquica que consiste basicamente em Soluções, Projetos, Configurações, itens do projeto e itens das soluções. -Soluções Funciona como uma forma de organizar os insumos necessários para execução e/ou construção de um sistema, uma solução pode ter diretório, projetos e qualquer outro tipo de arquivo que seja importante para o sistema, como uma imagem ou um documento de texto, cada projeto pode gerar um executável ou uma dll e pode ter dependências de outros projetos, a solução se encarrega de organizar a ordem de “build” para que todas dependências de um projeto que estejam também estejam na forma de projeto sejam compiladas antes do mesmo. A solução só existe em tempo de desenvolvimento depois de compilado não gera uma saída significativa e vai depender de como você organizar os arquivos gerados para realização com sucesso do deploy, no computador as soluções ficam armazenadas em arquivos com a extensão “.sln” e você pode abri-la clicando duas vezes no arquivo, porém para copiar com sucesso uma solução o computador deve estar configurado para mostrar arquivos oculto, pois existe um arquivo com o mesmo nome da solução com a extensão “.suo” que precisa ser copiado junto para a pasta destino. -Projetos O Projeto é a versão em tempo de desenvolvimento de uma aplicação, nele contém todos os arquivos de códigos não compilados os “.cs” no caso do c#, todas as configurações por exemplo, as plataformas suportada(X86,X64) e todas as referências externas necessárias para o seu funcionamento, na compilação é ele que de fato se transforma no produto final. No computador o projeto em c# ficam armazenados em arquivos com a extensão “.csproj” e você pode abri-lo no Visual Studio
  • 14. 11 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# clicando sobre esse arquivo, porém na verdade ele se trata de um arquivo XML em um padrão estabelecido pelo VS, você pode acessar e editar diretamente esse arquivo XML clicando com o botão direito sobre o arquivo e seleciona abri com... notepad. -Propriedades Praticamente todos os templates de projetos criam um item chamado properties onde podem ser configurados os principais aspectos do projeto, apesar de poder ser considerado como um item do projeto merece uma atenção especial, abaixo as principais configurações que podem ser feitas no properties de um projeto para Windows.  Plataforma(s) em que a aplicação funcionará depois de compilada.  Versão do framework utilizada no projeto.  Versão do arquivo compilado.  Temos um espaço para colocarmos recursos que ficarão embarcados no arquivo compilado. As propriedades não são salvas em um arquivo único com uma extensão específica, mas estão distribuídas nos arquivos “.csproj”, no arquivo AssembyInfo.cs e quando adicionados recursos no arquivo também nos arquivos ” .resx” e no Resource.Design.cs, como os aplicativos .net foram projetados para serem xcopy ou seja basta colocar todas dependências em uma pasta sem precisar de criar valores no registro, a maioria dos arquivo que gravam dados sobre aplicativos são xmls em um padrão do Visual Studio e tiveram sua extensão relacionadas com o mesmo. -Itens do projeto O projeto como a solução pode ter praticamente quaisquer tipos de arquivos adicionados entre os seus itens, como imagens e documentos de textos, mas o principal em aplicações Windows podemos dizer que são os arquivos “.cs” que contêm o código fonte de nossos programas, esses arquivos servem apenas para organizar o código, que pode ser separado em arquivos da forma que for mais conveniente, facilitando o controle de versão e melhorando a semântica. Tabela de extensões básica do Visual Studio(C#) Extensão Do que se trata *.sln Arquivo onde ficam armazenadas as informações sobre as soluções do Visual Studio. *.suo Arquivo oculto complementar da solução precisa ser copiado com a solução para a pasta destino. *.csproj Arquivo onde ficam armazenados os dados sobre os projetos do Visual Studio. *.cs Arquivo onde fica armazenado o código não compilado do c#. *.resx Arquivo onde ficam contidas informações sobre os recursos de um projeto. TEMPLATES Os templates são modelos pré-definidos para facilitar a inclusão de um projeto, o template define quais as referências necessárias para um determinado tipo de projeto, por exemplo, a dll System.Windows.Forms do .net framework é adicionada no template “Windows application” mas não é adicionada no template “Console application”, porém nada impede que essa dll seja adicionada posteriormente, no template também estão definidos os item que serão adicionados ao projeto incialmente tomando novamente como exemplo “Windows Forms” e o “Console Applications” no primeiro um formulário já vem adicionado no projeto e no segundo não. No Visual Studio 2010 os templates instalados vão depender das suas escolhas na hora da instalação, mas de qualquer maneira você terá uma vasta gama de templates a sua disposição, ainda há templates disponibilizado na internet por terceiros como “Applications for twitter” e quando se tratar de algo muito específico você mesmo pode fazer os seus templates. Intellissense O Intellissense é um recurso do Visual Studio 2010 que auxilia na construção do código fonte ele tem o papel de sugerir o complemento da palavras que estamos digitando e também auxiliar na resolução de problemas, como identificar o namespace que precisa ser “importado”. Ao começar escrever uma palavra aparece uma lista do que possivelmente você pretende escrever, você
  • 15. 12 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# pode navegar pela lista com as setas do teclado e encontrando a correspondência que deseja basta dar tab para que a palavra seja inserida no fonte. Imagem da janela de auto complemento do intellissense No caso de você escrever um tipo não reconhecido aparecerá um pequeno quadrado sobre ele, basta clicar com o mouse no mesmo e selecionar a ação desejada, ao renomear algum objeto também aparecerá o mesmo quadrado clicando nele terão as opções para ajudar a refatorar o código. Veja na imagem abaixo. Aqui a sugestão foi apenas de adicionar o namespace que já está disponível ao contexto atual. Code Snippet Os code snnipet’s além de auto completar a palavra inserem o restante de código que compõe um comando, um exemplo é o “for “ o auto completar ajudaria sugerindo “for” quando for digitado “f”, mas não incluiria uma espécie de esqueleto no editor com a sintaxe básica do comando. Toda vez que iniciar a digitação de um comando e houve uma espécie de um papel partido na frente da sugestão de complemento conforme a imagem abaixo: Basta apertar duas vezes o “Tab” que o complemento do comando será incluído, abaixo imagem com o código gerado ao apertar duas vezes o “Tab”. Se você continuar utilizar o “Tab” o cursor será direcionado as partes variáveis da função que são as que estão com o fundo amarelo na imagem acima.
  • 16. 13 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# Ferramentas de análise de código O Visual Studio tem algumas ferramentas que auxiliam a melhorar e manter a qualidade dos projetos uma é especialmente interessante. -Code metrics analysis Essa ferramenta fornece uma série de índices sobre a qualidade do código, ajuda avaliar o trabalho feito e também é interessante para analisar se as mudanças feitas melhoraram ou pioram os aspectos avaliados. Ela é muito simples de usar basta clicar com o botão direito sobre a solução ou sobre um projeto específico e selecionar a opção “Calculate Code Metrics”, será aberta uma janela e um índice geral é atribuído para cada item, inclusive ele ajuda você interpreta-los, é possível ir abrindo níveis até chegar nas funções que estão piorando os indíces. Principais janelas do Visual Studio 2010 ToolBox Concentra os itens que podemos utilizar dependendo do contexto, no desenvolvimento de aplicativos Windows estarão disponível na ToolBox os controles nativos para esse tipo aplicação como textbox,lable,combobox,datagrid e datetimepiker . Eventualmente poderá conter também controles definido pelo usuário. Pode ser acessada pelo menu:View->Toolbox ou pelo atalho Ctrl+W,X. Solution Explorer Essa janela apresenta uma lista hierárquica representando a solução com todos seus itens. Pode ser acessada através do menu:View->Solution Explorer ou pelo atalho Ctrl+W,S. Server Explorer Essa janela serve para gerenciar conexões com bancos de dados. Pode ser usada para localizar Windows Services ativos e servir como DataSources. Pode ser acessada através do menu:View->Server Explorer ou pelo atalho Ctrl+W,L. Properties Essa janela apresenta as propriedade da maioria dos itens selecionáveis no Visual Studio 2010 como controles e projetos. Pode ser acessada clicando com o botão direito sobre o item deseja e selecionando a opção “properties” no menu contextual, pelo menu principal: View->Propertie Window ou ainda pelo atalho Ctrl+W,P. Document Outline Essa janela apresenta uma lista hierárquica com todos os componentes contidos em um formulário, é uma ótima opção para navegar entre eles. Pode ser acessada pelo menu:View->Other Windows->Document Outline ou pelo atalho Ctrl+W,U. Immediate Essa só é acessível em tempo de depuração e serve para execução de comandos, utilizando os objetos carregados no escopo em que a aplicação foi pausada, é interessante usa-la para avaliar os comportamentos individuais dos objetos. Pode ser acessada pelo menu: Debug->Windows->Immediate ou pelo atalho Ctrl+D,I. Debugando com Visual Studio Para debugar o código no Visual Studio, basta selecionar a opção Debug na caixa de seleção da barra de ferramentas padrão e clicar no botão Start Debugging se trata do botão do lado da caixa onde foi escolhida a opção Debug com um ícone parecido com um “play” ou ainda apertar o atalho F5. O programa será executado no modo debbug. Pontos de parada podem ser adicionados ao código selecionando a linha em que deseja que ocorra a interrupção e apertando o atalho f9, uma bola vermelha será adicionada do lado esquerdo da linha e a mesma terá a cor do plano de fundo alterada para vermelho conforme imagem abaixo:
  • 17. 14 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# Assim a execução do programa será interrompida quando chegar a este ponto uma seta amarela apontará para a linha indicando que a execução está parada naquele ponto conforme a imagem abaixo. O desenvolvedor poderá fazer basicamente 3 coisas a partir desse ponto, executar o próximo passo sem passar na definição do método(F10), executar o próximo passo passando por dentro da definição do método(F11) ou voltar a execução normal do programa(F5). No Visual Studio você pode voltar à execução do programa arrastando a seta amarela para a linha desejada. Enquanto o programa estiver parado o desenvolvedor pode analisar os valores das variáveis colocando o mouse sobre elas, em quais condições a linha de execução entrou ao ver por onde a seta amarela está se movendo e fazer simulações com a Immediate Window, dentre outras coisas ou seja analisar passo a passo o que está acontecendo com o sistema afim de solucionar problemas. Para analisar valores de um objeto podemos utilizar a função QuickWatch, para acessa-la é só selecionar o objeto em questão e clicar com o botão direto sobre, como na imagem abaixo: Selecionar a opção QuickWatch, uma popup como a da imagem abaixo será exibida mostrando as informações do objeto: Nela temos o nome do objeto, o valor e o tipo, no caso de objetos que têm propriedades poderíamos navegar entre elas verificando cada um de seus valores. A execução do programa pode ser Interrompida também pelo botão “Break All” presente na barra de ferramentas “Debug”, o ícone do botão tem o aspecto de um símbolo de Pause ou pelo atalho Ctrl+Alt+Break. Para encerrar o Debug e consequentemente a execução da aplicação basta fecha-la ou selecionar o botão “Stop Debugging” na barra de ferramentas “Debug” ou ainda acionar o atalho Shift+F5. IntelliTrace Intellitrace é uma nova tecnologia de rastreamento disponível apenas para usuários do Visual Studio 2010 Ultimate. Com o Intellitrace mensagens sobre os eventos ocorrido na aplicação são automaticamente emitidas pelo Visual
  • 18. 15 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# Studio em segundo plano para um arquivo .iTrace, onde podem ser recuperadas e examinados para fins de depuração. O Intellitrace é altamente configurável no que diz respeito ao tipo e quantidade de informação que você deseja gravar e com as configurações padrão tem muito pouco impacto sobre a performance da execução durante a depuração. Habilitando o IntelliTrace O IntelliTrace já vem habilitado por padrão e os eventos do Intellitrace são registrados automaticamente. Esse evento representam os eventos da aplicação e as gravações dessas informações causam um impacto tão pequeno que se torna praticamente imperceptível na execução do aplicativo. Você pode também configurar o IntelliTrace para registrar as chamadas de função, informação sobre os parâmetros passados e eventos disparados por componentes. Porém registrando essas informação pode haver uma degradação da performance que por outro lado proporciona mais dados para depuração. Para habilitar o IntelliTrace: 1-Selecionar Tools->Options - Na lista da direita da popup que aparecer seleciona IntelliTrace e por fim marque a opção Enable IntelliTrace. 2-Para habilitar o registro sobre chamada de função e eventos selecione a opção IntelliTrace Events and Call Informations. Selecionando o local para salvar os arquivos do IntelliTrace Os arquivos do IntelliTrace podem ser salvos em disco para posterior analise. Para selecionar o local onde ficará esse arquivo pode ser escolhido seguindo os seguintes passos: 1- Selecionar Tools->Options->Na lista da direita da popup que aparecer expanda a opção IntelliTrace. 2-Selecione Advanced. 3-Se a opção “Store IntelliTrace recordings in this directory” estiver desmarcada, marque-a. 4-Clique no botão “Browse” e selecione o caminho em seu computador. Selecionando os eventos que o Intellitrace irá registrar. Os tipo de eventos a serem registrados pelo IntelliTrace são altamente configuráveis. Você pode registrar todos os eventos disponíveis ou limitar o registro apenas aos tipos de eventos que lhe interessar seguindo estes passos: 1- Selecionar Tools->Options->Na lista da direita da popup que aparecer expanda a opção IntelliTrace. 2-Selecione a opção IntelliTrace Events. 3-Aparecerá uma série de tipos de eventos, basta marca-los e desmarca-los para incluir ou excluir dos tipos de eventos a serem registrados pelo intellitrace. Visualizando eventos do IntelliTrace durante a depuração. Você pode ver os eventos do IntelliTrace em tempo de depuração através da janela do IntelliTrace. Os eventos só poderão ser visualizados quando a aplicação estiver pausada. Para o caminho para acessar a janela é: Debug->IntelliTrace->IntelliTrace events só disponível durante a depuração.
  • 19. 16 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# Gerando um release Para gerar um release no Visual Studio 2010 basta mudar o valor da caixa de seleção “Solutions Configurations” na barra de tarefas padrão para release clicar com um botão direto sobre um projeto ou sobre a solução no caso de querer compilar todos os projetos que estiverem contidos na mesma e no menu contextual selecionar “rebuild”. LINKS Página oficial do Visual Studio 2010 - http://msdn.microsoft.com/en-us/vstudio/default História Visual Studio - http://blogs.msdn.com/b/ricom/archive/2009/10/05/my-history-of-visual-studio-part-1.aspx Artigo Wikipedia - http://en.wikipedia.org/wiki/Microsoft_Visual_Studio
  • 20. 17 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# Capítulo 3-Microsoft C# O que é? C # é uma linguagem de programação multi-paradigma fortemente tipada, imperativa, declarativa, funcional, genérica, orientada a objetos (class-based) e orientada a componentes. Ele foi desenvolvido pela Microsoft como parte da iniciativa .net e posteriormente aprovada como padrão pelo Ecma (ECMA-334) e ISO (ISO / IEC 23270). C # é uma das linguagens de programação projetadas para o Common Language Infrastructure. C # é destinado a ser uma linguagem orientada a objetos, simples, moderna e de propósito geral. A sua equipe de desenvolvimento é liderada por Anders Hejlsberg. História Durante o desenvolvimento do .net Framework as biblioteca de classes foram originalmente escrita utilizando um sistema compilador de código gerenciado chamado Simple Managed C(SMC). Em janeiro de 1999 Anders Hejlsberg formou um time para construir uma nova linguagem por hora chamada de Cool um Acrônimo para “Clique Object Oriented Language”. A Microsoft chegou a considerar deixar Cool como o nome final da linguagem, mas mudou de ideia por razões comerciais. O C# foi anunciado oficialmente em julho de 2000 e neste momento a biblioteca de classes do ASP.net já havia sido reescrita em c#. Visão Conceitual Classes Iniciaremos com uma visão conceitual sobre classes, pois o C# é totalmente orientado a objetos e tudo é baseado em classes, o conceito de classe é basicamente a união entre os dados e as funções em uma mesma unidade lógica. Diferente de linguagens como o C++ você não consegue escrever uma função sem que a mesma esteja dentro de uma classe. As classes são utilizadas para criar instancias, ou seja armazenar dados na memória sobre operações e valores para que fiquem disponíveis em tempo execução. Abaixo um exemplo de classe: public. class MyClass { //No caso MyPropertie e MypropertieInt int seriam os dados da classe MyClass private string MyPropertie; private int MyPropertieInt; //SetMyPropertie seria um método que manipula os dados dados da própria classe public void SetMyPropertie(string MyPropertie) { this.MyPropertie = MyPropertie; } } A sintaxe básica de uma classe em C# public class [Nome da classe]{ //Variaveis private string var1; private string varN...; //Contrutores public [Nome da classe](); //Funções public void Method1(); public void MethodN...(); }
  • 21. 18 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# Sintaxe para criação de Instancia em C#; MyClass obj = new MyClass(); Posteriormente nesse capítulo abordaremos as classes com mais profundidade. Namespaces Os Namespaces servem como uma forma de dividir os objetos em categorias, normalmente de acordo com sua natureza, independente do projeto ou arquivo que estão. Sintaxe básica namespace [NomeNameEspace]{ ...//Objetos definidos no namespace } Namespaces podem conter outros namespace formando uma estrutura hierárquica, veja o exemplo abaixo: namespace Animal { namespace Caninos { namespace Cachorro { public class Poodle { } } } } Isso permite ter o mesmo nome de classe em namespaces diferentes, pois o nome completo da classe consiste em cada um de seus namespaces separados por um ponto com o nome da classe no final, também separado por um ponto. Sendo assim o nome completo da classe Poodle seria “Animal.Caninos.Cachorro.Poodle”, esse nome não precisa ser escrito completo a toda hora graças ao comando using que será detalhado a seguir. Using Esse é outro elemento básico da sintaxe do C# ele serve para que todos os tipos definidos em um namespace fiquem disponíveis sem escrever o seu nome completo. Abaixo um exemplo: Temos 3 classes Poodle,PastorAlemao e Canil, as duas primeiras estão no namespace “Animais” e a última está no namespace “Lugares”, precisamos declarar um objeto Poodle e um PastorAlemão na classe Canil, abaixo o código sem a utilização de using: namespace Lugares { public class Canil { Animais.Poodle Cachorro1; Animais.PastorAlemao Cachorro2; public Canil(Animais.Poodle Cachorro1,Animais.PastorAlemao Cachorro2) { this.Cachorro1 = Cachorro1; this.Cachorro2 = Cachorro2; } } } Agora com a utilização do using: using System; using System.Collections.Generic; using System.Linq;
  • 22. 19 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# using System.Text; using Animais; namespace Lugares { public class Canil { Poodle Cachorro1; PastorAlemao Cachorro2; public Canil(Poodle Cachorro1, PastorAlemao Cachorro2) { this.Cachorro1 = Cachorro1; this.Cachorro2 = Cachorro2; } } } Observe os outros namespaces antes de Animais, são onde estão os tipos fundamentais do framework e por padrão são adicionados ao criar uma classe. Tipos de dados básicos C# é uma linguagem fortemente tipada. Cada variável e constante tem um tipo explícito. Cada assinatura do método Especifica um tipo para cada parâmetro de entrada e o valor de retorno. A.NET Framework class library define um conjunto de tipos numéricos internos, como também os tipos mais complexos que representam uma ampla variedade de construções lógicas, como, por exemplo, sistema de arquivos, conexões de rede, coleções e matrizes de objetos e as datas. Um programa C# típico usa tipos da biblioteca de classes bem como tipos definidos pelo usuário que modelam os conceitos que são específicos para o domínio do problema do programa. As informações armazenadas em um tipo podem incluir o seguinte:  O espaço de armazenamento que necessita de uma variável do tipo.  Os valores máximo e mínimo que ele pode representar.  Os membros (métodos, campos, eventos e assim por diante) que ele contém.  O tipo base que ela herda.  O local de memória onde as variáveis serão alocadas em tempo de execução.  Os tipos de operações que são permitidos. O compilador usa informações do tipo para verificar se todas as operações que são executadas em seu código são seguras. Por exemplo, se você declarar uma variável do tipo int, o compilador permite usar a variável em operações de soma e subtração. Se você tentar executar essas mesmas operações em uma variável do tipo bool, o compilador gera um erro. Abaixo exemplo de código que geraria um erro no compilador static void Main(string[] args) { int a = 5; int b = a + 2; //OK bool test = true; // Error. Operator '+' cannot be applied to operands of type 'int' and 'bool'. int c = a + test; } O operador + não pode ser aplicado entre um int e um bool;
  • 23. 20 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# Especificações dos principais tipos em C#. Tipos inteiros Tipo Abrangência Tamanho em bits sbyte -128 to 127 8 byte 0 to 255 8 char U+0000 to U+ffff 16 short -32,768 to 32,767 16 ushort 0 to 65,535 16 int -2,147,483,648 to 2,147,483,647 32 uint 0 to 4,294,967,295 32 -9,223,372,036,854,775,808 to long 64 9,223,372,036,854,775,807 ulong 0 to 18,446,744,073,709,551,615 64 Tipos de ponto flutuante e decimal Tamanho Abrangência Tipo Precisão em bits float ±1.5e−45 to ±3.4e38 7 dígitos 32 double ±5.0e−324 to ±1.7e308 15-16dígitos 64 28 28 0 to 28 decimal (-7.9 x 10 to 7.9 x 10 ) / (10 ) 28-29 dígitos significantes 128 Outros tipos de dados importantes Tipo Descrição string Representa uma cadeia de caracteres DateTime Representa um espaço de tempo e contém uma série de funções para lidar com datas Tipos de valor e de referência Os tipos de valor são aqueles tipos que a variável fica diretamente ligada ao valor atribuído a mesma, e quando passado como parâmetro para alguma função na verdade é copiado para o escopo da função, o que faz que alterações feitas nos valores dentro dela não reflitam no valor original da variável, a menos que ela seja atribuída novamente no escopo em que foi declarada. Já com tipo de referência o que ocorre é que a variável esta relacionada a um ponteiro para o espaço de memória onde o valor da mesma está armazenado, então quando ela é passada como parâmetro para uma função a referência é passada e as alterações de valores são feitas diretamente no espaço de memória que guarda o valor da variável alterando assim o valor da mesma no escopo original, porém isso só ocorre quando a palavra reservada “ref” é colocada na assinatura da função. Abaixo um exemplo para ficar mais fácil entender o que isso representa. class Program { static void Main(string[] args) { string a = "5";
  • 24. 21 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# string b = "2"; String a2="5"; String b2 = "2"; Console.WriteLine("TIPOS DE VALOR...rnrn"); Console.WriteLine(string.Format("Valores de a e b no escopo que foram definidos a:{0} b:{1}rn",a,b)); Swap(ref a,ref b); Console.WriteLine(string.Format("Valores de a e b no escopo que foram definidos continuam os mesmos a:{0} b:{1}rn",a2,b2)); Console.WriteLine("TIPOS DE REFERÊNCIA...rnrn"); Console.WriteLine(string.Format("Valores de a e b no escopo que foram definidos a:{0} b:{1}rn",a2,b2)); Swap(ref a2,ref b2); Console.WriteLine(string.Format("Valores de a e b no escopo que foram definidos mudam a:{0} b:{1}rn",a2,b2)); Console.ReadKey(); } public static void Swap(ref String a,ref String b) { string c; c = a; a = b; b = c; Console.WriteLine(string.Format("Valores de a e b no escopo da função a:{0} b:{1}rn",a,b)); } } Escrevam esse código em um projeto do tipo Console Application do Visual Studio e percebam que os valores de a e b foram alterados dentro da função, mas na classe main permaneceram os mesmos, já de a2 e b2 tiveram os seus valores alterados também no escopo principal. Dos tipos apresentados nas tabelas acima apenas DateTime é de referência os demais são de valor, porém todos os tipos citados tem um correspondente de referência que fazem parte do .net Framework. Variáveis Variáveis são simplesmente locais de armazenamento de dados. Você pode armazenar e recuperar os dados através de um nome atribuído à variável. Quando criamos uma variável precisamos dizer o tipo de dado a ser armazenado na mesma e atribuir-lhe um nome, a sintaxe para isso em C# é a seguinte: [Tipos] [Nome Da Variável]; Exemplo: int Numero; As variáveis assim como as funções só podem ser definidas dentro de uma classe. Operadores Em C #, um operador é um elemento do programa que é aplicada a um ou mais operações em uma expressão ou declaração. Operadores que levam um operando, como o operador de incremento (+ +), são referidos como operadores unários. Operadores que usam dois operandos, como operadores aritméticos (+,-,*,/), são referidos como operadores binários. O operador condicional (?:), leva três operandos e é o único operador ternário em C #. Um operando pode ser uma expressão válida de qualquer tamanho, e pode ser composto por qualquer numero de outras expressões. Em uma expressão que contenha múltiplos operadores, a ordem na qual os operadores serão aplicados é determinada pela ordem de precedência do operador, associatividade e posicionamento de parênteses.
  • 25. 22 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# Cada operador tem uma precedência definida. Em uma expressão que contenham múltiplos operadores com ordem de precedência diferentes, a precedência dos operadores determina a ordem que os operadores serão executados. Por exemplo, a expressão seguinte atribui o valor 3 para n1. n1 = 11 - 2 * 4; A multiplicação é executada primeiro, pois tem precedência sobre a subtração. As tabelas a seguir separam os operadores em categorias baseadas no tipo de operações que realizam. As categorias estão listadas em ordem de precedência. Operações primárias Expressão Descrição x.y Acesso de associado f(x) Invocação de métodos e delegates a[x] Array and indexer access x++ Pós-incremento x-- Pós-decremento new T(...) Criação de objetos e delegates new T(...){...} Criação de objeto com inicializador. new {...} Inicializador de objeto anônimo. new T[...] Criação de array typeof(T) Obtém o Sytem.Type para T checked(x) Executa a expressão em um contexto checado unchecked(x) Executa a expressão em um contexto não checado default (T) Obtém o valor default para T delegate {} Função anônima(Método anônimo) Operadores unários Expressão Descrição +x Identidade -x Negação !x Negação lógica ~x Negação bit à bit ++x Pré-Incremento --x Pré-decremento (T)x Conversão explicita para o tipo T Operadores multiplicativos Expressão Descrição * Multiplicação / Divisão % Resto Operadores Aditivos Expressão Descrição x+y Adição, concatenação de string, combinação de delegate. x-y Subtração remoção de delegate. Operadores de troca
  • 26. 23 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# Expressão Descrição x << y Troca à direita x >> y Troca à esquerda Operadores relacionais e de tipo Expressão Descrição x<y Menor x>y Maior x <= y Menor ou igual x >= y Maior ou igual x is T Retorna se x é do tipo T. x as T Retorna x “tipado” como T ou nulo se não for possível. Operadores de igualdade Expressão Descrição x == y Igual x != y Diferente Operadores lógicos,condicionais e para tratamento de valores nulos Categoria Expressão Descrição Logical AND x&y AND bit à bit inteiro, AND lógico booleano Logical XOR x^y XOR bit à bit inteiro, XOR lógico booleano Logical OR x|y OR bit à bit inteiro, OR lógico booleano Conditional AND x && y Retorna verdadeiro para x e y verdadeiros. Conditional OR x || y Verdadeiro se x ou y verdadeiros. Null coalescing x ?? y Retorna y se x for nulo, caso contrário x Conditional x ?: y : z Retorna y para x verdadeiro, caso contrário z Operadores de atribuição e anônimos Expressão Descrição = Atribuição x op= y Compound assignment. Supports these operators: +=, -=, *=, /=, %=, &=, |=, !=, <<=, >>= (T x) => y Função anônima (lambda expression.) Alguns exemplos com operadores //Operador de negacao(-) inverte o sinal do número int Identidade = 1; Console.WriteLine(-Identidade); //Saída "-1" Identidade = -1; Console.WriteLine(-Identidade); //Saída "1" int Negacao = 1; //Operador de pré-incremento(++) int PreIncremento = 1; PreIncremento = ++PreIncremento; Console.WriteLine(PreIncremento);
  • 27. 24 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# //Saída "2" //Operador pós-incremento int PosIncremento = 1; PosIncremento = PosIncremento++; Console.WriteLine(PosIncremento); //Saída "1", pois primeiro ele atribui o valor a variável e depois incrementa o valor. bool NegacaoLogica = true; Console.WriteLine(!NegacaoLogica); //Saída "false" NegacaoLogica = false; Console.WriteLine(!NegacaoLogica); //Saída "true", pois negar uma negação a torna em uma afirmação. //Algumas operações aritmética int n1=4, n2 = 2; Console.WriteLine(n1 + n2); //Saída "6", 4+2 Console.WriteLine(n1 * n2); //Saída "8", 4*2 Console.WriteLine(n1 / n2); //Saída "2", 4/2 Console.WriteLine(n1 - n2); //Saída "2", 4-2 Console.ReadKey(); Desvios condicionais A instrução ”if” é usada para realizar desvios condicionais no C#. Com ele o fluxo de execução pode ser alterado de acordo com o retorno de expressões booleanas, a sintaxe do comando é a seguinte: if( [Expressão booleana]){ Trecho de código... } Você pode definir o segmento “else” para um “if” que serve como fluxo alternativo caso a condição testada seja falsa. if( [Expressão booleana]){ Trecho de código... }else{ Trecho de código... } Você pode ainda testar várias condições em uma mesma instrução “if” adicionando segmentos “else if”, a execução passará na primeira e somente na primeira condição verdadeira do “if” se houver. if( [Expressão booleana]){ Trecho de código... }else if([Expressão booleana]){
  • 28. 25 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# Trecho de código... } Exemplos utilizando “if”: bool Validado = true; //Quando se tratar de um booleano não precisa fazer comparação porque ele mesmo já é um valor booleano if (Validado) { Console.WriteLine("Ok!"); } string strRetorno = "Sucesso"; //Outros tipos de dados precisam de uma expressão booleano escrita. //Obs: O == é um operador de comparação, que retorna true caso os valores sejam iguais caso contrário false if (strRetorno == "Sucesso") { Console.WriteLine("Missão comprida"); } else { Console.WriteLine("Tente novamente"); } //Aqui temos um if sem delimitadores "{}", essa sintaxe pode ser utilizada quando formos executar apenas uma instrução. //Obs: o != é o inverso do == e retorna true para valores diferente caso contrário false. if (strRetorno != "Sucesso") Console.WriteLine("Tente novamente"); else Console.WriteLine("Sucesso"); DateTime Dt = DateTime.Now; if (Dt.Hour < 8) Console.WriteLine("Está muito cedo...."); else if (Dt.Hour == 8) Console.WriteLine("Em cima da hora...."); else Console.WriteLine("Atrasado!"); Switch O comando switch serve para definirmos ações a serem executadas dependendo do valor de uma variável ou de uma expressão, é muito utilizado com enumerações e quando temos um rol de valores conhecidos que a variável ou a expressão pode assumir. A sintaxe básica para o switch é a seguinte switch([Nome da variável]){ case [possível valor 1] [Ações a serem executadas]; break;//Termina a execução da instrução switch .... case[Possível valor n] [Ações a serem executadas]; break;//Termina a execução da instrução switch
  • 29. 26 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# default://Opcional [Ação padrão para caso o valor não esteja definido em nenhum dos Cases]; break; } int caseSwitch = 1; switch (caseSwitch) { case 1: Console.WriteLine("Case 1"); break; case 2: Console.WriteLine("Case 2"); break; default: Console.WriteLine("Default case"); break; } int switchExpression = 3; switch (switchExpression) { // Uma seção de instruções podem ser iniciadas por mais de um valor no caso 0 e 1 case 0: case 1: Console.WriteLine("Case 0 or 1"); // para cada case é necessário um break, um return ou um goto. break; case 2: Console.WriteLine("Case 2"); break; // O código da linha abaixo causa um alerta na compilação, pois nunca será executada pelo fato de estar depois do break; Console.WriteLine("Código irrelevante"); // 7 - 4 abaixo o case está em função de um expressão matemática “7-4” então quando o valor da variável for 3 essa condição será satisfeita. case 7 - 4: Console.WriteLine("Case 3"); break; // Se o valor da váriavel não estiver entre 0, 1, 2, or 3, o código definido no rótulo default será executado. default: Console.WriteLine("Default case (Opcional)"); break; } Estruturas de repetição Estruturas de repetição são instruções que de acordo com uma condição, executam uma sequência de ações repetidas um determinado número de vezes. Estruturas de repetição também são conhecidas como loops. As principais instruções para execução de Loop são: “while”,”do”,”for” e “foreach”, vamos analisar cada uma separadamente. WHILE Um loop while verifica uma condição e em seguida executa um bloco de código enquanto a condição avaliada for verdadeira. A sua sintaxe é a seguinte: while ([Expressão booleana]) { [Conjunto de instruções]
  • 30. 27 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# } Ao terminar a execução das instruções dentro do bloco definido para o while a expressão booleana é verificada novamente e caso seja verdadeira o conjunto de instruções é executado novamente esse ciclo se repete até que o valor da expressão avaliada no segmento while seja falsa. No while se na primeira verificação o valor avaliado for falso o bloco de código não é executado nem uma vez. Exemplo: //Declaração de uma variável int i = 0; //Segmento while, nesse caso verifica se o valor da váriavel i é menor que 10. //O bloco de código será executado enquanto essa expressão for verdadeira while (i<10) { //Conjunto de instruções a serem executadas //Escreve o valor de i no console Console.WriteLine(1); //Soma 1 ao valor de i a cada execução do bloco de código. i++; } //Espera que uma tecla seja digitada para encerrar a execução do programa. Console.ReadKey(); DO O loop “do” se comporta como o loop “while”, porém é garantido que o bloco de código seja executado ao menos uma vez, pois a expressão booleana é avaliada depois da execução do bloco de código. A sintaxe é a seguinte: do{ [Conjunto de instruções] }while([Expressão booleana]); Exemplo: //Declaração de uma variável int i = 0; do { //Conjunto de instruções a serem executadas. //A diferença é que mesmo que neste ponto o valor de i seja maior que 10 //Esse bloco de código será executado ao menos 1 vez. //Escreve o valor de i no console Console.WriteLine(1); //Soma 1 ao valor de i a cada execução do bloco de código. i++; } while (i < 10);//Segmento while, nesse caso verifica se o valor da váriavel i é menor que 10. //O bloco de código será executado enquanto essa expressão for verdadeira //Espera que uma tecla seja digitada para encerrar a execução do programa. Console.ReadKey();
  • 31. 28 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# FOR O Loop for também executa um bloco de código em função de uma expressão booleana, com a diferença de possuir em sua sintaxe a possibilidade de incluir um inicializador e um modificador para uma variável que existirá somente em seu escopo. Essa instrução é largamente utilizada para varrer listas, pois sua sintaxe garante uma semântica melhor em relação ao while quando é necessário ter um contador das iterações ocorridas no loop. Sintaxe: for([Inicializador de variável];[Expressão booleana];[Modificador da variável]){ [Conjunto de instruções] } Exemplos: //Declarando um array de inteiros, e já inicializando com valores. int[] valores = new int[]{1,2,3,4,5,6,7,8,9,10}; /*No segmento for esta sendo feita inicialização de uma váriavel i que será incrementada com mais 1 a cada iteração ocorrida, enquanto o valor da váriavel seja menor que o tamanho da colação de inteiros obtida através da propriedade length do valor. é importante lembrar que o ultimo índice da lista é sempre o tamanho da mesma menos 1, pois a primeira posição é 0 e não 1.*/ for (int i = 0; i < valores.Length; i++) { //Escreve o valor que está na posição "i" da lista a cada iteração sendo que o "i" vai sendo incrementado a cada iteração. //Todos os valores da lista serão escritos na tela em ordem crescente. Console.WriteLine(valores[i]); } Console.WriteLine("Ordem decrescente"); /*Podemos também escreve-los de forma decrescente. Fazendo algumas alterações no nosso segmento for. - Iniciando a váriavel i com a ultima posição do array em vez da primeira "0", a melhor formam de fazer isso é atribuindo o valor da propriedade length -1 ao seu valor. - Invertendo o sinal da expressão booleana de < para >= e substituindo a propriedade length pela constante 0. - Por fim substituindo o operador unário de incremento(++) para o de decremento(--). */ for (int i = valores.Length-1; i >=0; i--) { //Escreve o valor que está na posição "i" da lista a cada iteração sendo que o "i" vai sendo decrementado a cada iteração. //Todos os valores da lista serão escritos na tela em ordem decrescente. Console.WriteLine(valores[i]); } //Espera que uma tecla seja digitada para encerrar a execução do programa. Console.ReadKey(); FOREACH Este é um tipo de loop específico da linguagem C# que veio como uma forma de varrer coleções mais eficientemente. Com foreach não é necessário verificar se o número de iterações é menor que o número de item em uma coleção e nem acessar o item da coleção através do índice em função da variável do for, pois no foreach ocorre uma iteração para cada item da lista e uma
  • 32. 29 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# variável assume o valor deste item, qualquer objeto que herde da interface IEnumerable pode ser utilizado como fonte de dados em um foreach. Listas serão exploradas com mais profundidade neste capítulo. foreach ([Declaração da variável] in [Coleção a ser varrida]){ [Conjunto de instruções] } Exemplo: //Declarando um array de inteiros, e já inicializando com valores. int[] valores = new int[] { 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10 }; /*Agora faremos a mesma coisa que nos dois exemplos utilizando for, ou seja mostraremos os valores do array * em ordem crescente e decrescente só que utilizando o foreach.*/ /*No segmento foreach temos a declaração de uma váriavel que assumira o valor de um item da lista de cada vez * Reparem que o tipo da váriavel devem representar o tipo que a lista reúne no caso int. Depois a palavra reservada in * que deve ser sucedida pela lista a ser varrida. */ foreach (int item in valores) { Console.WriteLine(item); } /*Agora em ordem decrescente Basta utilizar o método reverse disponível para qualquer tipo de array, que a ordem dos valores na lista será invertida completamente. Como os valores estão organizados em forma crescente nesse exemplo, ao inverter serão apresentados de forma decrescente. */ foreach (int item in valores.Reverse()) { Console.WriteLine(item); } //Espera que uma tecla seja digitada para encerrar a execução do programa. Console.ReadKey(); BREAK O comando break pode ser utilizado dentro do bloco de código de qualquer Loop apresentado anteriormente e causa uma interrupção imediata das iterações. Pode ser utilizado para quando estamos procurando a primeira ocorrência de um valor específico, abaixo um exemplo. //Declarando um array de inteiros, e já inicializando com valores. int[] valores = new int[] { 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10 }; foreach (int item in valores) { if (item == 3) { Console.WriteLine(item); //Ao encontrar a primeira ocorrência do valor 3 o mesmo será escrito na tela e a execução do Loop será interrompida. break;
  • 33. 30 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# } } Tratamento de erro O C# implementa uma funcionalidade do framework para tratamento de erros, que consiste na possibilidade de executar uma ação que trata um exceção gerada pelo programa, de modo que não ocorra uma interrupção na execução, esse tratamento é feito através da instrução “try”, cuja sintaxe básica é a seguinte: try{ [Conjunto de instruções que podem lançar uma exceção] }catch([Tipo de exceção] [Nome da variável](Opcional declaração da variável)){ [Conjunto de instrução que gerencia a exceção ocorrida] } Exemplo: int[] vals=new int[]{0,1,2,3,4,5,6,7,8,9}; try { /*Nesse caso ocorrerá um erro, pois iniciei o contador do for em 1 o que vai causar uma tentativa de acesso à uma posição que não existe na lista a posição 10 e apesar da lista ter 10 valores os índices vão de 0 a 9, isso provocará o lançamento de uma exceção no sistema. */ for (int i = 1; i < vals.Length+1; i++) { Console.WriteLine(vals[i]); } } //O Bloco catch escreverá a mensagem de erro retornada no console e evitará que a execução do programa seja interrompida. catch (Exception ex) { Console.WriteLine(ex.Message); } Console.ReadKey(); Arrays e Lists Muitas vezes no desenvolvimento de aplicações necessitamos de agrupar determinados tipos de dados em coleções, para efeitos de comparação, ordenação, dentre outros. Em C# é possível fazer esse agrupamento de duas formas. Através de Arrays e Lists, a diferença fundamental entre ambo é que o Array precisa ter o seu tamanho definido na sua inicialização, já as Lists podem crescer indefinidamente. As Lists também oferecem mais recursos para tratamento das coleções como consequência consumem mais processamento. As List foram implementadas sobre o conceito de tipos genéricos que serão detalhados posteriormente nesse capítulo, por hora vamos analisar a sintaxe, a utilização em um contexto e a interoperabilidade entre ambos. Arrays Um Array pode ser composto por várias dimensões, porém o mais comum é o unidimensional cuja sintaxe é a seguinte: “[tipo de dado]”[] “[Nome da variável]”;
  • 34. 31 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# Exemplo Array de inteiros: int[] Inteiros; Ou seja basta adicionar um par de colchetes ao lado do tipo da variável e este passa a representar uma lista unidimensional daquele mesmo tipo. Para declaração de um Array multidimensional basta colocar uma vírgula separando as dimensões, por exemplo, a declaração de um array bidimensional de inteiros ficaria assim: int[,] MatrizInteiros; O acesso aos itens dos vetores se dá através de índices, sendo cada índice a posição de uma unidade na matriz, a coleção de índices começa em 0 e termina no tamanho do vetor -1, o índice do último elemento de um vetor de tamanho n é igual a n-1. Existem algumas maneiras de se inicializar um vetor abaixo exemplos comentados. // Declaração e inicialização de um Array unidimensional de 5 posições. int[] array1 = new int[5]; // Declaração e inicialização de um Array unidimensional de 5 posições, // mas nesse caso o número de posições é definido pelo número de valores definido entre as chaves na sintaxe de inicialização. int[] array2 = new int[] { 1, 3, 5, 7, 9 }; // Sintaxe alternativa int[] array3 = { 1, 2, 3, 4, 5, 6 }; // Declaração e inicialização de um Array bidimensional, sem atribuição de valores. int[,] multiDimensionalArray1 = new int[2, 3]; // Declaração e inicialização de um Array bidimensional, com atribuição de valores. int[,] multiDimensionalArray2 = { { 1, 2, 3 }, { 4, 5, 6 } }; Para acessar o elemento de valor 3 do array “array2” a sintaxe seria a seguinte: int Elemento = array2[1]; Para atribuir um novo valor a esta mesma posição a sintaxe seria a seguinte: int Elemento=20; array2[1]=Elemento; Para acessar o elemento de valor 5 do array multidimensional “multiDimensionalArray2” a sintaxe seria a seguinte: int elemento= multiDimensionalArray2[1,1]; Para atribuir um novo valor a esta mesma posição a sintaxe seria a seguinte: int Elemento=20; array2[1,1]=Elemento; Lists Os Lists são listas genéricas unidimensionais que assumem um determinado tipo. Não precisam ter seu tamanho especificado na inicialização. A List provê algumas funcionalidades a mais que o Array como o método Find, que serve para encontrar ocorrências de um determinado valor na lista. Para utilização do List o namespace System.Collections.Generic do assembly “mscorlib.dll” deve estar acessível. A sintaxe básica é a seguinte: List<[Tipo de dado]> [Nome da variável]; Exemplo List de inteiros:
  • 35. 32 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# List<int> lst = new List<int>(); A inclusão de um elemento na lista pode ser feito através do método Add. Cuja sintaxe é a seguinte: int Elemento=10; lst.Add(Elemento); A sintaxe de acesso e atribuição de elementos é idêntica à de Arrays unidimensionais. Interoperabilidade Uma lista pode ser transformada em um Array através do método “ToArray()”, exemplo abaixo: int[] Myarray; List<int> MyList = new List<int>(); Myarray = MyList.ToArray(); Um Array pode ser transformado em List através do método “ToList()”,exemplo abaixo: List<int> MyList; int[] Myarray=new int[10]; MyList = Myarray.ToList(); Todos os itens de um Array podem ser inserido em uma lista através do método AddRange([Fonte de dados enumerável]) da classe List, Exemplo abaixo: List<int> MyList=new List<int>(); int[] Myarray=new int[10]; MyList.AddRange(Myarray); Tabela com os principais métodos comuns à Arrays e Lists. Nome do método Descrição Reverse() Inverte a ordem dos elementos na lista. First() Retorna o primeiro elemento da lista. OrderBy(Predicate) Ordena os valores da lista de acordo com o valor passado com parâmetro. Max() Retorna o elemento de valor máximo pela ordem de precedência. Min() Retorna o elemento de valor mínimo pela ordem de precedência. Windows Forms Windows Forms é um conjunto de bibliotecas que fornecem funcionalidades para desenvolvimento de aplicações desktop que utilizem interações através de janelas no padrão Windows. As principais funcionalidades estão na biblioteca System.WindowsForms.dll. Nesse tópico iremos abordar os principais componentes do Windows forms. Eventos A orientação a eventos é um dos paradigmas da linguagem C#, isso quer dizer que os componentes executam as suas ações através de eventos. Por exemplo, um componente do tipo botão tem o evento Click, esse evento será relacionado com um ou mais métodos e quando o mesmo ocorrer as instruções contidas nesses métodos serão executadas.
  • 36. 33 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# Guia rápido hello World em Windows forms Vamos fazer passo a passo a criação de um aplicativo Windows forms simples. O famoso Hello World. Abra o Microsoft Visual Studio 2010. Vá até o menu:File->New->Project. A janela abaixo aparecerá: Escolha a categoria Windows e dentro dela escolha Windows Forms Application. Seleciona o nome do projeto na caixa de texto rotulada “Name”. Clique em Ok. O form principal do projeto aparecerá. Abra a toolbox e arraste um controle do tipo Button para o form. Clique no controle que acabou de adicionar com o botão direito e escolha a opção “Properties”. Na janela que aparecerá selecione o item “text” e mude o valor de “button1” para “Saudar”, conforme imagem abaixo: Agora clique na imagem de um raio no topo da janela properties.
  • 37. 34 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# Uma lista dos eventos existente para o botão será exibida, dê um duplo clique no evento “Click”. Você será redirecionado ao arquivo de código onde já terá um método criado e relacionado ao evento “Click”, coloque o trecho de código a seguir entre as chaves do método. //Aqui temos uma chamado ao método show da classe MessageBox , este método exibe uma caixa de dialogo com o texto passado como parâmetro à ele. MessageBox.Show("Hello World"); Agora basta apertar F5 para rodar o aplicativo. Clique no botão do formulário para visualizar a caixa de dialogo. Principais componentes Form O form é o elemento fundamental das aplicações Windows forms e pode hospedar uma série de outros controles. O form pode receber as interações do usuário através do mouse ou através do teclado, e também apresentar dados através dos controles hospedados. Aplicações mais complexas podem necessitar de uma série de forms para cumprir seu objetivo. Sempre que você criar um projeto do tipo Windows forms um form com o nome form1.cs é adicionado, você pode mudar o nome clicando sobre ele e apertando a tecla F2, se tudo correr bem todas as referências para o mesmo também serão alteradas. Você pode adicionar outros forms ao seu projeto clicando sobre ele com o botão direito, escolhendo a opção new->item no menu contextual. A janela abaixo aparecerá:
  • 38. 35 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# Selecione o item Windows Form, mude o nome na caixa de texto abaixo da lista conforme desejado. E clique no botão “Add”.
  • 39. 36 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# O formulário pode ser customizado através de suas propriedades para altera-las acesse a janela “properties”, abaixo uma tabela com as mais importantes e suas respectivas descrições: Propriedade Descrição (Name) O nome do objeto form. Backcolor Cor de fundo do formulário. BackgroundImage Indica uma imagem para o plano de fundo do formulário. Determina como a imagem defina na propriedade BackGroundImage será apresentada. BackgroundImage1Layout ControlBox Determina quando o form tem um ControBox. Cursor Aparência do cursor do mouse quando estiver sobre o form. Enabled Determina se o form está habilitado, se estiver falso todos os controle hospedados também ficarão desabilitados Font Atribui a font padrão para textos do form. ForeColor Determina uma cor de primeiro plano padrão, será utilizada para todos controle caso não seja atribuída separadamente. FormBorderStyle Indica a aparência e o comportamento das bordas do form. HelpButton Indica quando o Form tem um botão de ajuda. Icon Indica o ícone a ser apresentado no topo do form. Location Determina o posicionamento do form na tela quando a propriedade StarPosition está com o valor “Manual”. MaximizeBox Indica se o form tem a opção de maximizar. MaximumSize Determina o tamanho máximo que o form pode assumir. MinimizeBox Indica se o form tem a opção de minimizar. MinimumSize Determina o tamanho mínimo que o form pode assumir. Opacity Representa o nível de transparência do formulário, quando maior mais transparente. Size Atribui e recupera o tamanho inicial do form StartPosition Posição do Form na sua primeira aparição. Text Determina o texto que aparece no topo do forn. TopMost Determina se o formulário aparece na frente de todas as outras aplicações. Visible Determina se o formulário esta visível. Windowstate Determina o estado inicial do formulário: Maximizado, Minimizado, etc. Alterando o formulário inicial de um projeto Esse é o primeiro form aberto ao executarmos um projeto, para alterar qual será esse formulário é necessário abrir o arquivo program.cs e mudar a instância de form passada para o método Run([Instância form]) da classe application . Se o form criado junto com o projeto não tiver sido renomeado estará assim:
  • 40. 37 Apostila: Desenvolvimento de aplicações comerciais com Microsoft C# Application.Run(new Form1()); Caso contrário no lugar de Form1 estará o nome atual do Form que foi criado junto com o projeto. Altere para o nome do formulário que deseja que seja inicializado. Prática; Crie 2 formulários. Os requisitos do primeiro são: 1. O título deve ser “formulário 1”. 2. O formulário deve abrir maximizado. 3. O formulário não pode ser minimizado. 4. O formulário deve ser parcialmente transparente. 5. O formulário deve aparecer acima de todas as outras telas abertas. 6. O formulário deve abrir junto canto superior direito da tela. Os requisitos do segundo são: 1. O título deve ser “formulário 2” 2. O formulário deve abrir no centro da tela. 3. A cor de fundo do formulário deve ser vermelha. 4. O Formulário deve apesentar um ícone ao lado do texto. 5. O formulário não pode ser redimensionado. 6. O Formulário não pode ser minimizado. Controles containers Os controles do tipo contêineres foram concebidos para reunir uma série de outros controles. Com eles é possível criar subdivisões lógicas e físicas no form que agrupam outros controles. Por exemplo, você pode colocar uma série de opções correlatas dentro de um groupbox onde somente uma pode ser escolhida. Quando um controle do tipo container hospeda outros controles, algumas propriedades do mesmo podem impactar em todos os seus filhos, por exemplo, se a propriedade Enable for atribuída como false todos os controles dentro do contêiner também ficarão desabilitados, assim como se a propriedade Visible for falsa, todos os itens também ficarão invisíveis. Para adicionar controles a um container basta arrasta-los da ToolBox para o mesmo. Existem propriedades de layout dos itens que tem relação com seu container. Por exemplo, a propriedade “Anchor” presente em todos os controles Windows Forms. Essa propriedade determina quais distâncias entre as extremidades do controle item e seu container serão mantidas quando o container for redimensionado. Observe as imagens abaixo para que esse conceito fique mais claro. Temos um botão dentro de um groupbox na imagem abaixo.