SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
Baixar para ler offline
InVesalius 3.0a
                                     Pré-Manual pelo Usuário
                                            Versão 1.0 (26/01/2009)




InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário                             1
Sobre o InVesalius


InVesalius é um software público para área de saúde que realiza análise e segmentação de
modelos anatômicos virtuais, possibilitando a confecção de modelos físicos com o auxílio da
prototipagem rápida.


A partir de imagens em duas dimensões (2D) obtidas através de equipamentos de Tomografia
Computadorizada (TC) ou Ressonância Magnética (RM), o programa permite criar modelos
virtuais em três dimensões (3D) correspondentes às estruturas anatômicas dos pacientes em
acompanhamento médico.


O software InVesalius é desenvolvido pelo CTI (Centro de Tecnologia da Informação Renato
Archer), unidade do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), desde 2001. Inicialmente, o
programa era distribuído gratuitamente, mas com distribuição rigorosa de quem o utilizava. A
partir de novembro de 2007 o InVesalius foi disponibilizado como software livre no Portal do
Software Público (www.softwarepublico.gov.br), consolidando comunidades de usuários e
desenvolvedores.


O nome InVesalius é uma homenagem ao médico belga Andreas Vesalius (1514-1564),
considerado o "pai da anatomia moderna". Trata-se de uma ferramenta simples, livre e gratuita,
robusta, multiplataforma, com comandos em português, com funções claras e diretas, de fácil
manuseio e rápida quando executada em microcomputador PC.


O uso das tecnologias de visualização e análise tridimensional de imagens médicas, integradas
ou não a prototipagem rápida, auxiliam o cirurgião no diagnóstico de patologias e permitem que
seja realizado um planejamento cirurgico detalhado, simulando com antecedência intervenções
complexas, que podem envolver, por exemplo, alto grau de deformidade facial ou a colocação
de próteses.


O InVesalius tem demonstrado grande versatilidade e vem contribuindo com diversas áreas
dentre as quais medicina, odontologia, veterinária, arqueologia e engenharia.


Sobre os Autores do InVesalius


O InVesalius 3 foi desenvolvido do zero a partir de Novembro de 2008, sem qualquer
aproveitamento das versões prévias. Os autores da terceira versão do programa são: Eng.
Tatiana   Al-Chueyr    (tatiana.alchueyr@gmail.com),   Paulo   Henrique    Junqueira   Amorim
(paulojamorim@gmail.com) e Thiago Franco de Moraes (totonixsame@gmail.com). Todos os
autores foram financiados pelo CTI Renato Archer. Até o momento da distribuição deste
manual não houveram contribuições por parte de desenvolvedores da Comunidade.




InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário                                               2
Sobre o Autor deste Pré-Manual


Fabio Francisco da Silva (mcn07009@feg.unesp.br) é mestrando em Engenharia Mecânica e
elaborou este manual baseando-se na versão InVesalius 3.0.0 Alpha 2, durante a semana do
dia 19 de Janeiro de 2010, quando aprendeu a utilizar o programa. Algumas das informações
deste manual estão desatualizadas e incompletas, mas já são de grande valia para os futuros
usuários do programa.


Contato


O suporte e desenvolvimento do InVesalius é feito através do Portal do Software Público [1]. É
necessário apenas fazer a inscrição no Portal [2], responder ao email de confirmação e depois
entrar para a Comunidade InVesalius [3]. Neste site você poderá baixa todas as versões do
InVesalius. Nele também há videos sobre como utilizar o InVesalius, fórum de discussões e
toda a documentação sobre o projeto.


O meio alternativo para comunicação com a equipe de desenvolvimento é através do email:
invesalius@cti.gov.br


[1] http://www.softwarepublico.gov.br
[2] http://www.softwarepublico.gov.br/register/user-new
[3]http://www.softwarepublico.gov.br/dotlrn/registercommunity_id=626732&referer=/dotlrn/clubs/
invesalius/




InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário                                                3
Índice

       1 - ABRINDO O INVESALIUS ............................................................................. 03




       2 - BARRA DE FERRAMENTAS ......................................................................... 03




       3 - INICIANDO UM NOVO PROJETO ................................................................. 04




       4 - INICIANDO SEGMENTAÇÃO DE UMA ESTRUTURA ANATÔMICA ........... 09




       5 - CRIANDO E MANIPULANDO MÁSCARAS ...................................................11


            5.1 - TRABALHANDO COM JANELAS DE VISUALIZAÇÃO ..................... 17


            5.2 ALTERANDO A VISUALIZAÇÃO DE MÁSCARAS .............................. 23




       6 - CONFIGURANDO SUPERFÍCIES ................................................................. 23




       7 - EXPORTANDO DADOS ................................................................................. 27




InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário                                                                          4
1 - ABRINDO O INVESALIUS


        Ao instalar o Invesalius, um ícone será criado em sua área de trabalho. Para iniciar o
software, clique duas vezes sobre o referido ícone.




        2 - BARRA DE FERRAMENTAS




                                            Figura 1




                Importa um novo conjunto de imagens médicas.




              Abre um projeto existente.




               Salva o projeto atual.




               Altera a disposição das imagens na tela.




                Exibe/Oculta as informações contidas nas janelas de visualização.




                Zoom: Após clicar nesse botão, mantenha o botão esquerdo do mouse
pressionado em seguida arraste-o.




                Zoom localizado: Após clicar nesse botão, mantenha o botão esquerdo do
mouse pressionado e selecione a área de interesse. Dois cliques na imagem com o botão
ativado retorna ao zoom original.




InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário                                               5
Gira a imagem em torno de um eixo perpendicular ao plano da tela.




                Desloca a imagem dentro da janela de visualização.




                Altera os valores de brilho e contraste das janelas. Mantenha o botão esquerdo
do mouse pressionado e arraste-o para modificar os valores.




                 Avança e retrocede as fatias visualizadas. Mantenha o botão esquerdo do
mouse pressionado e arraste-o para modificar os valores.




                Ponteiro para localização de uma estrutura, observando sua posição nas outras
vistas.




          3 - INICIANDO UM NOVO PROJETO


          Com o software aberto, inicie um novo trabalho de segmentação clicando sobre


ARQUIVO e em seguida em IMPORTAR DICOM, ou se desejar, clique no botão                . DICOM
é o formato de arquivo gerado por equipamentos de imagens médicas como TC, RM, Ultra-
Sonografia (US), entre outros.
          Ao importar a pastas que contém as imagens médicas (arquivos DICOM), o Invesalius
carregará todas as fatias do exame.




InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário                                               6
Figura 2


         Em seguida, uma nova tela apresentará dados sobre o paciente e do exame realizado.


Na coluna NOME DO PACIENTE, clique no símbolo               existente, expandindo uma nova
linha.




                                            Figura 3




InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário                                             7
Após clicar na caixa      ao lado do nome do paciente, dê um duplo clique na linha
subjacente.




                                            Figura 4


          Assim, temos todas as fatias exibidas do exame na parte inferior esquerdo da tela
abaixo:




                                            Figura 5




InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário                                             8
Na figura 5, o usuário pode optar por trabalhar com todas as fatias apresentadas ou
então somente com uma determinada região de interesse. Por exemplo: temos uma TC de
cabeça e pescoço e queremos trabalhar somente com a mandíbula. Nesse caso, devemos
gerar a visualização somente daquelas fatias que nos interessam, ou seja, das imagens que
compreendem a área da mandíbula. Para isso, seleciona-se as imagens desejadas clicando
sobre as mesmas. Em cada imagem apresentada abaixo, temos acima da fatia, a identificação
e posição espacial de cada uma.




                                             Figura 5


        Na figura abaixo, o software nos apresenta algumas informações importantes: tamanho
da imagem gerada pelo aparelho de TC ou RM (no topo e à esquerda da fatia em exposição.
Neste exemplo, o tamanho é 512x512 pixels); à direita há o número de identificação do
paciente; na parte inferior à esquerda, apresenta-se o espaçamento entre as fatias e a
localização da fatia exposta; na parte inferior à direita, a data e hora da realização do exame.




                                             Figura 6


InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário                                                    9
Observe que abaixo da fatia apresentada na figura 6, temos a opção REPRODUZIR.
Ao selecionar essa caixa, o software apresentará uma seqüência animada de todas as fatias
contidas na pasta.
       Definidas as imagens a serem trabalhadas, o usuário deverá clicar em IMPORTAR
IMAGENS MÉDICAS, como na figura abaixo.




                                            Figura 7


       Após o carregamento das fatias, o software apresentará a seguinte tela, estando apto
para início da segmentação.




InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário                                           10
Figura 8




       4 - INICIANDO SEGMENTAÇÃO DE UMA ESTRUTURA ANATÔMICA


       Na figura 8, temos a tela principal do software, onde realizaremos a segmentação das
imagens médicas. Entende-se por segmentação, a ação de separar as estruturas anatômicas
de interesse das áreas adjacentes.
       Temos à esquerda da figura 8, as principais quatro ferramentas para segmentação –
(1) importação de imagens médicas ou abertura de projetos existentes; (2) definição da área de
interesse; (3) configuração da superfície 3D; (4) exportação dos dados para outros softwares,
como mostrado abaixo




InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário                                              11
Figura 9


       À direita da figura 8, temos três janelas de visualização das fatias (planos AXIAL,
SAGITAL e CORONAL), além de uma quarta janela que nos apresenta a reconstrução
tridimensional volumétrica das fatias (neste momento, esta área não contém uma superfície
tridimensional pois nenhuma foi criada), como mostrado na figura 10.




InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário                                          12
Figura 10




       5 - CRIANDO E MANIPULANDO MÁSCARAS


       Para segmentarmos uma estrutura, iniciaremos pelos quatro passos ao lado esquerdo


da tela principal. Clicaremos em            no passo 2 para expandir a guia. Se ainda não
houvéssemos realizado a importação de imagens médicas como feito anterior, iniciaríamos
pelo passo 1.




InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário                                          13
Figura 11


       Nesta caixa de opções, definiremos a região de interesse a ser segmentada. Para isso,
o software disponibiliza algumas configurações pré-estabelecidas para segmentação das
imagens.




                                            Figura 12


       Ao escolhermos uma das opções, o software nos indicará na fatia qual a área
correspondente à opção selecionada. Em nosso exemplo, queremos segmentar uma área
óssea de um paciente adulto. Para visualização da área de interesse na cor da máscara



InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário                                            14
escolhida (roxa, porém, a mesma pode ser alterada) a opção      da máscara deve estar ativa.
Para ativá-la e desativa-la, dê um simples clique no local do “olho”, ao lado da caixa que
contém a cor da máscara, na guia MÁSCARAS na parte inferior da tela. Neste exemplo, a

presença do símbolo      indica que estamos com a máscara ativa e visível.




                                            Figura 13


       Para uma maior organização do trabalho, podemos dar nome às máscaras. Para isso,
dê um clique sobre MÁSCARA 1 na guia de MÁSCARAS na parte inferior da tela. Ao
clicarmos, será possível editar o nome da máscara. Em nosso exemplo, colocaremos o nome
de CRÂNIO.




InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário                                            15
Figura 14


       Se desejarmos criar uma nova máscara para identificarmos outra estrutura anatômica,


devemos adicionar uma nova máscara. Para isso, clique em         e uma caixa se abrirá. Dê o
nome à máscara. Daremos o nome de TECIDO MOLE e definiremos a cor amarela como
identificação dessa máscara clicando na caixa de cores. Selecionamos também TECIDO
GORDUROSO (ADULTO) para visualização das partes moles. Observe que cada material que
compõe o corpo humano (ósseo, gorduroso, epitelial...) possui uma faixa de limiar que o
caracteriza. Dependendo de cada exame e de cada paciente, pode ser necessário o ajuste
manual no valor do limiar para adequação do mesmo às características específicas do caso.
Pode ser necessário também realizar pequenas alterações no limiar durante o correr das fatias
pois a densidade do material pode variar ao longo do deslocamento das fatias. Sempre realize
o ajuste quando julgar necessário.




                                            Figura 15




InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário                                             16
Na guia MÁSCARAS, a máscara criada será listada. Podemos ativar ou desativar a


visualização das máscaras quando possibilitamos a presença do         junto à cor de
identificação da máscara, como na figura abaixo.




                                               Figura 16


       Os valores de limiares de cada máscara são indicados na frente da identificação da
máscara, como apresentado acima.
       Após determinadas as máscaras, podemos gerar uma superfície 3D para prévia
visualização do modelo. Para isso, cliquemos em CRIAR SUPERFÍCIE 3D. A superfície
tridimensional será apresentada na janela inferior-direita do software, na janela VOLUME.




                                            Figura 17




InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário                                               17
Ainda na configuração de máscaras, que servirão para criação das superfícies
tridimensionais, temos a opção FERRAMENTAS AVANÇADAS DE EDIÇÃO. Nessa guia,
podemos segmentar as áreas de interesse. Por exemplo: temos uma seqüência de imagens da
cabeça de um paciente porém, necessitamos criar um modelo somente de sua arcada dentária.
Para isso, não utilizaremos outras estruturas ósseas adjacentes. Como o recurso de
PROPRIEDADES DA MÁSCARA indicou todas as partes ósseas do crânio, áreas ósseas
indesejadas serão incluídas, necessitando uma especificação do que desejamos trabalhar
(nesse caso, indicar quais das estruturas são aquelas que correspondem às da arcada
dentária). Dessa forma, editaremos fatia por fatia que forma a arcada dentária. Começaremos
pela primeira fatia que nos apresenta a arcada dentária, deixando selecionada a máscara
CRÂNIO, que visualiza as partes ósseas das fatias.
       Para essa tarefa, existem três ferramentas importantes: DESENHAR, APAGAR E
LIMIAR.




                                            Figura 18


       - DESENHAR: é utilizada para construir partes que serão projetas tridimensionalmente.
Muitas vezes, uma fatia pode perder uma pequena parte da estrutura anatômica, o que pode
prejudicar usa reconstrução. Assim, devemos desenhar a área mal delimitada através dessa
ferramenta, fechando o contorno da estrutura. Tudo que for desenhado será representado
tridimensionalmente.


       - APAGAR: utilizamos essa ferramenta para apagar as estruturas adjacentes à região
de interesse. Por exemplo, ao segmentarmos a arcada dentária, teremos que excluir da fatia
estruturas como vértebra e ossos da base do crânio. As estruturas apagadas não serão
representadas tridimensionalmente na reconstrução.


       - LIMIAR: ao definirmos um limiar através da máscara ou através do ajuste do LIMIAR
DO PINCEL, o software destacará as estruturas que obedecem à densidade representada por


InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário                                            18
esse limiar. Dessa forma, podemos passar o pincel por uma área e os locais que
corresponderem à esse limiar, serão marcados para que sejam projetados na reconstrução.


       Para utilizar essas três ferramentas, devemos definir o tamanho e o tipo de pincel mais
adequado à tarefa. Há duas opções de forma do pincel e o seu tamanho pode variar de 1 à
100.




                                            Figura 19


       Editada todas as fatias que compreendem à área de interesse, podemos criar a
superfície tridimensional clicando em CRIAR SUPERFÍCIE 3D.




       5.1 - TRABALHANDO COM JANELAS DE VISUALIZAÇÃO


       Para uma melhor reconstrução, é aconselhável que o usuário escolha o melhor tipo de
vista (AXIAL, SAGITAL ou CORONAL) para segmentar as fatias. Às vezes é necessário editar
em mais de uma vista para definir adequadamente uma estrutura.
       Note que na janela superior-esquerda da figura 17 o software nos apresenta uma fatia
do plano AXIAL indicando em amarelo quais as áreas de tecido gorduroso. As janelas da fatia
SAGITAL e CORONAL no momento não nos mostra uma fatia visualizável. Para isso, ao lado
de cada janela, existe uma barra de rolagem que avança e retrocede a seqüência de imagens.
O avanço e retrocesso das fatias podem ocorrer através do botão SCROLL do mouse. Na tela
seguinte, ajustaremos cada janela para uma nova fatia.




InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário                                              19
Figura 20


       Cada janela nos mostra em amarelo a disposição do tecido gorduroso na fatia, assim
como o número da fatia (no canto inferior esquerdo de cada janela). Observe também que a
janela ativa é aquela que possui uma sutil linha em vermelha em volta, como na figura 21.




                                            Figura 21


       Em cada janela é apresentada a orientação espacial da fatia.
       No plano AXIAL, temos as letras:
       - A: Anterior
       - P: Posterior



InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário                                               20
- E: Esquerda
        - D: Direita


        No plano SAGITAL, temos:
        - S: Superior
        - I: Inferior
        - P: Posterior
        - A: Anterior


        E no plano CORONAL:
        - S: Superior
        - I: Inferior
        - E: Esquerda
        - D: Direita

        Se desejarmos maximizar uma janela de visualização, clique em      no canto superior


direito da janela. Para retornar à visualização normal, clique em   .
        Ainda trabalhando com as janelas, temos a opção de alterar os valores de BRILHO e
CONTRASTE, PSEUDO COR e CONJUNTO DE IMAGENS clicando o botão direito do mouse
em qualquer janela.
        BRILHO E CONTRASTE: altera os valores de brilho e contraste de todas as janelas.
Essa alteração pode facilitar em muito a visualização de uma determinada estrutura. Pede-se
ao usuário para não se ater ao órgão pré-determinado nas opções e a qualidade de
visualização pois há casos que o brilho e contraste de um determinado órgão pode ser muito
bem aplicado à visualização de uma outra estrutura. Teste todas as opções de brilho e
contraste para observar qual melhor se adequa às suas necessidades de visualização.


        PSEUDO COR: essa opção não trabalha somente com escalas de cinza e pode facilitar
a identificação de estruturas.


        CONJUNTO DE IMAGENS: podemos visualizar mais de uma fatia em uma mesma
vista. As opções de CONJUNTO DE IMAGENS nos permitem colocar as fatias em linhas ou em
colunas ou ainda em linhas e colunas.




InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário                                             21
Figura 22


              No exemplo acima, utilizamos um conjunto de imagens do tipo 2x3 ou seja, 2 colunas
x 3 linhas.
        Podemos ainda combinar as opções de BRILHO e CONTRASTE com PSEUDO COR
para uma melhor visualização. Para identificar estruturas de difícil caracterização, pode-se
desativar a máscara para melhorar o resultado. Mas lembre-se: para segmentação, devemos
trabalhar com a máscara ativada.
        Do lado direito da janela de visualização volumétrica, podemos notar a presença de
quatro botões.




                                             Figura 23




                 Esse botão nos permite mudar a cor do plano de fundo da janela volumétrica.




InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário                                                22
Figura 24




             Aqui podemos escolher algumas formas de visualização do modelo volumétrico.




                                            Figura 25




               Com este botão ativado, podemos escolher vistas pelas quais podemos melhor
visualizar o volume.




InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário                                          23
Figura 26




               Com este botão ativado, podemos inserir planos nas disposições AXIAL,
CORONAL e SAGITAL, podendo movimenta-los no modelo volumétrico, fatia por fatia. Há
possibilidade de utilizar somente um plano ou combinar dois ou mais como mostrado abaixo:
       .




                                            Figura 27




InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário                                            24
5.2 ALTERANDO A VISUALIZAÇÃO DE MÁSCARAS


       Vamos agora visualizar as partes ósseas das fatias, alterando a visualização de
máscara.

       Clique uma vez na opção              da máscara TECIDO MOLE para desativar sua
visualização e em seguida ative a visualização da máscara CRÂNIO clicando duas vezes à
esquerda da cor de identificação da máscara. Desses dois cliques, o primeiro serve para
selecionar a máscara e o segundo para ativar a visualização da máscara selecionada.




                                            Figura 28




       6 - CONFIGURANDO SUPERFÍCIES


       Notemos que as janelas da figura 28 que apresentam as fatias alteraram a visualização
do tecido gorduroso para o tecido ósseo (ossos do crânio). No entanto, a janela de VOLUME
continua visualizando o tecido gorduroso em amarelo. Se desejarmos, podemos visualizar a


imagem volumétrica do crânio acessando a guia SUPERFÍCIES e clicando na opção              da
superfície SUPERFÍCIE 2 (o que desativará a visualização da superfície amarela) e em
seguida, clicar na visualização da superfície desejada (no caso, da SUPERFÍCIE 1). Para


desativar qualquer visualização de superfícies tridimensionais, não deixe nenhuma opção
presente na caixa em questão.




InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário                                             25
Figura 29


       Para um melhor desempenho de seu computador, é aconselhável que a visualização
tridimensional esteja inativa, pois a visualização desnecessária da mesma pode deixar o
computador lento durante o processamento dos dados.
       Assim, se desejarmos ativar ou desativar a visualização das superfícies, acessemos a
guia SUPERFÍCIES, como mostrado abaixo:




                                            Figura 30


       Observe na figura 30 que a superfície amarela (SUPERFÍCIE 2, que representa o


tecido gorduroso) está ativa. Para desativa-la, cliquemos na opção     . Podemos deixar as
duas ativadas, ativar somente uma ou ainda não gerar visualização das superfícies, deixando-
as desativadas.
       Vamos alterar os nomes SURPERFÍCIE 1 e SUPERFÍCIE 2 para CRÂNIO e TECIDO
MOLE, respectivamente. Para isso, devemos clicar sobre a palavra SUPERFÍCIE 1 e edita-la
para CRÂNIO.



InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário                                            26
Figura 31


       Aperte ENTER no teclado para confirmar a alteração. Repita o processo para
SUPERFÍCIE 2.
       Observe na figura 32 que na guia SUPERFÍCIES estão ativas as superfícies do crânio
e tecido mole, apresentado a transparência de cada uma. A transparência é utilizada para
visualização de superfícies sobrepostas.




                                            Figura 32


       Na opção PROPRIEDADES DA SUPERFÍCIE, escolha a superfície TECIDO MOLE
(pois esta está sobre a o crânio). Deixe a visualização das duas superfícies ativadas na guia
SUPERFÍCIES. Em seguida, altere a TRANSPARÊNCIA para aproximadamente 75%. Observe
a sobreposição das superfícies na janela tridimensional:




InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário                                             27
Figura 33


       Dessa forma, podemos analisar a disposição de estruturas sobrepostas como
músculos e ossos, por exemplo.
       Ainda na configuração de superfícies, clique em QUALIDADE DE SUPERFÍCIE.




                                            Figura 34


       Ao abrir a guia de QUALIDADE DE SUPERFÍCIE, o software apresenta alguns
possíveis ajustes para melhorar a qualidade das mesmas. Podemos determinar sua qualidade
através das opções abaixo:




InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário                                         28
Figura 35


         Podemos determinar ainda os valores de DECIMAÇÃO (relacionado ao tamanho dos
triângulos que formam a superfície) e de SUAVIZAÇÃO, que pode variar de 1 à 100 em
ambos.




                                               Figura 36




         7 - EXPORTANDO DADOS


         Na guia EXPORTE OS DADOS, após a configuração e segmentação de todo o modelo
virtual, o usuário pode exporta-lo para outros softwares para edição ou ainda, exportar em
formato .STL para prototipagem do modelo. Pode-se também exportar imagens do modelo para
softwares de edição de imagens.




InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário                                          29
Figura 37




InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário               30

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a User guide invesalius

TCC - APLICAÇÕES PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS: Um Protótipo de um Aplicativo de A...
TCC - APLICAÇÕES PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS: Um Protótipo de um Aplicativo de A...TCC - APLICAÇÕES PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS: Um Protótipo de um Aplicativo de A...
TCC - APLICAÇÕES PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS: Um Protótipo de um Aplicativo de A...Vinicius Dantas Dos Santos
 
Desenvolvimento da interface computacional gráfica em estereotaxia.
Desenvolvimento da interface computacional gráfica em estereotaxia.Desenvolvimento da interface computacional gráfica em estereotaxia.
Desenvolvimento da interface computacional gráfica em estereotaxia.Armando Alaminos Bouza
 
Curso MNPS 2016. Planejamento de Radiocirurgia
Curso MNPS 2016. Planejamento de RadiocirurgiaCurso MNPS 2016. Planejamento de Radiocirurgia
Curso MNPS 2016. Planejamento de RadiocirurgiaArmando Alaminos Bouza
 
Sistema de integração de Informações Médicas (SIIM) - Versão artigo
Sistema de integração de Informações Médicas (SIIM) - Versão artigoSistema de integração de Informações Médicas (SIIM) - Versão artigo
Sistema de integração de Informações Médicas (SIIM) - Versão artigoJerônimo Medina Madruga
 
APLICATIVO MÓVEL PARA AFERIÇÃO DA FREQUÊNCIA CARDÍACA E ACOMPANHAMENTO MÉDICO...
APLICATIVO MÓVEL PARA AFERIÇÃO DA FREQUÊNCIA CARDÍACA E ACOMPANHAMENTO MÉDICO...APLICATIVO MÓVEL PARA AFERIÇÃO DA FREQUÊNCIA CARDÍACA E ACOMPANHAMENTO MÉDICO...
APLICATIVO MÓVEL PARA AFERIÇÃO DA FREQUÊNCIA CARDÍACA E ACOMPANHAMENTO MÉDICO...Adilmar Dantas
 
00 15 carneiro (2013_09_27 02_23_03 utc)
00 15 carneiro (2013_09_27 02_23_03 utc)00 15 carneiro (2013_09_27 02_23_03 utc)
00 15 carneiro (2013_09_27 02_23_03 utc)Anderson Ricardo Cunha
 
Apostila+hot+potatoes
Apostila+hot+potatoesApostila+hot+potatoes
Apostila+hot+potatoesLuziaRosa
 
Curso MNPS 2016. Virtual Fiducials Mode
Curso MNPS 2016. Virtual Fiducials ModeCurso MNPS 2016. Virtual Fiducials Mode
Curso MNPS 2016. Virtual Fiducials ModeArmando Alaminos Bouza
 
System of Coverage of Georeferenced Images
System of Coverage of Georeferenced ImagesSystem of Coverage of Georeferenced Images
System of Coverage of Georeferenced ImagesMichel Alves
 
Personalização de programas de tv no contexto da tv digital portátil interativa
Personalização de programas de tv no contexto da tv digital portátil interativaPersonalização de programas de tv no contexto da tv digital portátil interativa
Personalização de programas de tv no contexto da tv digital portátil interativaElaine Cecília Gatto
 
Presentation at the Escola Regional de Computação Aplicada à Saúde
Presentation at the Escola Regional de Computação Aplicada à SaúdePresentation at the Escola Regional de Computação Aplicada à Saúde
Presentation at the Escola Regional de Computação Aplicada à SaúdeTimothy Cook
 
Apostilahotpotatoes mackenzie
Apostilahotpotatoes mackenzieApostilahotpotatoes mackenzie
Apostilahotpotatoes mackenziePatricia Fcm
 

Semelhante a User guide invesalius (20)

TCC - APLICAÇÕES PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS: Um Protótipo de um Aplicativo de A...
TCC - APLICAÇÕES PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS: Um Protótipo de um Aplicativo de A...TCC - APLICAÇÕES PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS: Um Protótipo de um Aplicativo de A...
TCC - APLICAÇÕES PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS: Um Protótipo de um Aplicativo de A...
 
Desenvolvimento da interface computacional gráfica em estereotaxia.
Desenvolvimento da interface computacional gráfica em estereotaxia.Desenvolvimento da interface computacional gráfica em estereotaxia.
Desenvolvimento da interface computacional gráfica em estereotaxia.
 
Apostila impress
Apostila impressApostila impress
Apostila impress
 
Apostila impress
Apostila impressApostila impress
Apostila impress
 
Curso MNPS 2016. Planejamento de Radiocirurgia
Curso MNPS 2016. Planejamento de RadiocirurgiaCurso MNPS 2016. Planejamento de Radiocirurgia
Curso MNPS 2016. Planejamento de Radiocirurgia
 
Tp lourenco castro
Tp lourenco castroTp lourenco castro
Tp lourenco castro
 
Sistema de integração de Informações Médicas (SIIM) - Versão artigo
Sistema de integração de Informações Médicas (SIIM) - Versão artigoSistema de integração de Informações Médicas (SIIM) - Versão artigo
Sistema de integração de Informações Médicas (SIIM) - Versão artigo
 
Manualv2009
Manualv2009Manualv2009
Manualv2009
 
APLICATIVO MÓVEL PARA AFERIÇÃO DA FREQUÊNCIA CARDÍACA E ACOMPANHAMENTO MÉDICO...
APLICATIVO MÓVEL PARA AFERIÇÃO DA FREQUÊNCIA CARDÍACA E ACOMPANHAMENTO MÉDICO...APLICATIVO MÓVEL PARA AFERIÇÃO DA FREQUÊNCIA CARDÍACA E ACOMPANHAMENTO MÉDICO...
APLICATIVO MÓVEL PARA AFERIÇÃO DA FREQUÊNCIA CARDÍACA E ACOMPANHAMENTO MÉDICO...
 
Curso MNPS 2018: Radiocirurgia.
Curso MNPS 2018: Radiocirurgia.Curso MNPS 2018: Radiocirurgia.
Curso MNPS 2018: Radiocirurgia.
 
00 15 carneiro (2013_09_27 02_23_03 utc)
00 15 carneiro (2013_09_27 02_23_03 utc)00 15 carneiro (2013_09_27 02_23_03 utc)
00 15 carneiro (2013_09_27 02_23_03 utc)
 
Ansys
AnsysAnsys
Ansys
 
Apostila sobre o Visualg
Apostila sobre o VisualgApostila sobre o Visualg
Apostila sobre o Visualg
 
Apostila+hot+potatoes
Apostila+hot+potatoesApostila+hot+potatoes
Apostila+hot+potatoes
 
Supervisão
SupervisãoSupervisão
Supervisão
 
Curso MNPS 2016. Virtual Fiducials Mode
Curso MNPS 2016. Virtual Fiducials ModeCurso MNPS 2016. Virtual Fiducials Mode
Curso MNPS 2016. Virtual Fiducials Mode
 
System of Coverage of Georeferenced Images
System of Coverage of Georeferenced ImagesSystem of Coverage of Georeferenced Images
System of Coverage of Georeferenced Images
 
Personalização de programas de tv no contexto da tv digital portátil interativa
Personalização de programas de tv no contexto da tv digital portátil interativaPersonalização de programas de tv no contexto da tv digital portátil interativa
Personalização de programas de tv no contexto da tv digital portátil interativa
 
Presentation at the Escola Regional de Computação Aplicada à Saúde
Presentation at the Escola Regional de Computação Aplicada à SaúdePresentation at the Escola Regional de Computação Aplicada à Saúde
Presentation at the Escola Regional de Computação Aplicada à Saúde
 
Apostilahotpotatoes mackenzie
Apostilahotpotatoes mackenzieApostilahotpotatoes mackenzie
Apostilahotpotatoes mackenzie
 

Último

MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxpatriciapedroso82
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 

Último (20)

MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 

User guide invesalius

  • 1. InVesalius 3.0a Pré-Manual pelo Usuário Versão 1.0 (26/01/2009) InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário 1
  • 2. Sobre o InVesalius InVesalius é um software público para área de saúde que realiza análise e segmentação de modelos anatômicos virtuais, possibilitando a confecção de modelos físicos com o auxílio da prototipagem rápida. A partir de imagens em duas dimensões (2D) obtidas através de equipamentos de Tomografia Computadorizada (TC) ou Ressonância Magnética (RM), o programa permite criar modelos virtuais em três dimensões (3D) correspondentes às estruturas anatômicas dos pacientes em acompanhamento médico. O software InVesalius é desenvolvido pelo CTI (Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer), unidade do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), desde 2001. Inicialmente, o programa era distribuído gratuitamente, mas com distribuição rigorosa de quem o utilizava. A partir de novembro de 2007 o InVesalius foi disponibilizado como software livre no Portal do Software Público (www.softwarepublico.gov.br), consolidando comunidades de usuários e desenvolvedores. O nome InVesalius é uma homenagem ao médico belga Andreas Vesalius (1514-1564), considerado o "pai da anatomia moderna". Trata-se de uma ferramenta simples, livre e gratuita, robusta, multiplataforma, com comandos em português, com funções claras e diretas, de fácil manuseio e rápida quando executada em microcomputador PC. O uso das tecnologias de visualização e análise tridimensional de imagens médicas, integradas ou não a prototipagem rápida, auxiliam o cirurgião no diagnóstico de patologias e permitem que seja realizado um planejamento cirurgico detalhado, simulando com antecedência intervenções complexas, que podem envolver, por exemplo, alto grau de deformidade facial ou a colocação de próteses. O InVesalius tem demonstrado grande versatilidade e vem contribuindo com diversas áreas dentre as quais medicina, odontologia, veterinária, arqueologia e engenharia. Sobre os Autores do InVesalius O InVesalius 3 foi desenvolvido do zero a partir de Novembro de 2008, sem qualquer aproveitamento das versões prévias. Os autores da terceira versão do programa são: Eng. Tatiana Al-Chueyr (tatiana.alchueyr@gmail.com), Paulo Henrique Junqueira Amorim (paulojamorim@gmail.com) e Thiago Franco de Moraes (totonixsame@gmail.com). Todos os autores foram financiados pelo CTI Renato Archer. Até o momento da distribuição deste manual não houveram contribuições por parte de desenvolvedores da Comunidade. InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário 2
  • 3. Sobre o Autor deste Pré-Manual Fabio Francisco da Silva (mcn07009@feg.unesp.br) é mestrando em Engenharia Mecânica e elaborou este manual baseando-se na versão InVesalius 3.0.0 Alpha 2, durante a semana do dia 19 de Janeiro de 2010, quando aprendeu a utilizar o programa. Algumas das informações deste manual estão desatualizadas e incompletas, mas já são de grande valia para os futuros usuários do programa. Contato O suporte e desenvolvimento do InVesalius é feito através do Portal do Software Público [1]. É necessário apenas fazer a inscrição no Portal [2], responder ao email de confirmação e depois entrar para a Comunidade InVesalius [3]. Neste site você poderá baixa todas as versões do InVesalius. Nele também há videos sobre como utilizar o InVesalius, fórum de discussões e toda a documentação sobre o projeto. O meio alternativo para comunicação com a equipe de desenvolvimento é através do email: invesalius@cti.gov.br [1] http://www.softwarepublico.gov.br [2] http://www.softwarepublico.gov.br/register/user-new [3]http://www.softwarepublico.gov.br/dotlrn/registercommunity_id=626732&referer=/dotlrn/clubs/ invesalius/ InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário 3
  • 4. Índice 1 - ABRINDO O INVESALIUS ............................................................................. 03 2 - BARRA DE FERRAMENTAS ......................................................................... 03 3 - INICIANDO UM NOVO PROJETO ................................................................. 04 4 - INICIANDO SEGMENTAÇÃO DE UMA ESTRUTURA ANATÔMICA ........... 09 5 - CRIANDO E MANIPULANDO MÁSCARAS ...................................................11 5.1 - TRABALHANDO COM JANELAS DE VISUALIZAÇÃO ..................... 17 5.2 ALTERANDO A VISUALIZAÇÃO DE MÁSCARAS .............................. 23 6 - CONFIGURANDO SUPERFÍCIES ................................................................. 23 7 - EXPORTANDO DADOS ................................................................................. 27 InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário 4
  • 5. 1 - ABRINDO O INVESALIUS Ao instalar o Invesalius, um ícone será criado em sua área de trabalho. Para iniciar o software, clique duas vezes sobre o referido ícone. 2 - BARRA DE FERRAMENTAS Figura 1 Importa um novo conjunto de imagens médicas. Abre um projeto existente. Salva o projeto atual. Altera a disposição das imagens na tela. Exibe/Oculta as informações contidas nas janelas de visualização. Zoom: Após clicar nesse botão, mantenha o botão esquerdo do mouse pressionado em seguida arraste-o. Zoom localizado: Após clicar nesse botão, mantenha o botão esquerdo do mouse pressionado e selecione a área de interesse. Dois cliques na imagem com o botão ativado retorna ao zoom original. InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário 5
  • 6. Gira a imagem em torno de um eixo perpendicular ao plano da tela. Desloca a imagem dentro da janela de visualização. Altera os valores de brilho e contraste das janelas. Mantenha o botão esquerdo do mouse pressionado e arraste-o para modificar os valores. Avança e retrocede as fatias visualizadas. Mantenha o botão esquerdo do mouse pressionado e arraste-o para modificar os valores. Ponteiro para localização de uma estrutura, observando sua posição nas outras vistas. 3 - INICIANDO UM NOVO PROJETO Com o software aberto, inicie um novo trabalho de segmentação clicando sobre ARQUIVO e em seguida em IMPORTAR DICOM, ou se desejar, clique no botão . DICOM é o formato de arquivo gerado por equipamentos de imagens médicas como TC, RM, Ultra- Sonografia (US), entre outros. Ao importar a pastas que contém as imagens médicas (arquivos DICOM), o Invesalius carregará todas as fatias do exame. InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário 6
  • 7. Figura 2 Em seguida, uma nova tela apresentará dados sobre o paciente e do exame realizado. Na coluna NOME DO PACIENTE, clique no símbolo existente, expandindo uma nova linha. Figura 3 InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário 7
  • 8. Após clicar na caixa ao lado do nome do paciente, dê um duplo clique na linha subjacente. Figura 4 Assim, temos todas as fatias exibidas do exame na parte inferior esquerdo da tela abaixo: Figura 5 InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário 8
  • 9. Na figura 5, o usuário pode optar por trabalhar com todas as fatias apresentadas ou então somente com uma determinada região de interesse. Por exemplo: temos uma TC de cabeça e pescoço e queremos trabalhar somente com a mandíbula. Nesse caso, devemos gerar a visualização somente daquelas fatias que nos interessam, ou seja, das imagens que compreendem a área da mandíbula. Para isso, seleciona-se as imagens desejadas clicando sobre as mesmas. Em cada imagem apresentada abaixo, temos acima da fatia, a identificação e posição espacial de cada uma. Figura 5 Na figura abaixo, o software nos apresenta algumas informações importantes: tamanho da imagem gerada pelo aparelho de TC ou RM (no topo e à esquerda da fatia em exposição. Neste exemplo, o tamanho é 512x512 pixels); à direita há o número de identificação do paciente; na parte inferior à esquerda, apresenta-se o espaçamento entre as fatias e a localização da fatia exposta; na parte inferior à direita, a data e hora da realização do exame. Figura 6 InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário 9
  • 10. Observe que abaixo da fatia apresentada na figura 6, temos a opção REPRODUZIR. Ao selecionar essa caixa, o software apresentará uma seqüência animada de todas as fatias contidas na pasta. Definidas as imagens a serem trabalhadas, o usuário deverá clicar em IMPORTAR IMAGENS MÉDICAS, como na figura abaixo. Figura 7 Após o carregamento das fatias, o software apresentará a seguinte tela, estando apto para início da segmentação. InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário 10
  • 11. Figura 8 4 - INICIANDO SEGMENTAÇÃO DE UMA ESTRUTURA ANATÔMICA Na figura 8, temos a tela principal do software, onde realizaremos a segmentação das imagens médicas. Entende-se por segmentação, a ação de separar as estruturas anatômicas de interesse das áreas adjacentes. Temos à esquerda da figura 8, as principais quatro ferramentas para segmentação – (1) importação de imagens médicas ou abertura de projetos existentes; (2) definição da área de interesse; (3) configuração da superfície 3D; (4) exportação dos dados para outros softwares, como mostrado abaixo InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário 11
  • 12. Figura 9 À direita da figura 8, temos três janelas de visualização das fatias (planos AXIAL, SAGITAL e CORONAL), além de uma quarta janela que nos apresenta a reconstrução tridimensional volumétrica das fatias (neste momento, esta área não contém uma superfície tridimensional pois nenhuma foi criada), como mostrado na figura 10. InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário 12
  • 13. Figura 10 5 - CRIANDO E MANIPULANDO MÁSCARAS Para segmentarmos uma estrutura, iniciaremos pelos quatro passos ao lado esquerdo da tela principal. Clicaremos em no passo 2 para expandir a guia. Se ainda não houvéssemos realizado a importação de imagens médicas como feito anterior, iniciaríamos pelo passo 1. InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário 13
  • 14. Figura 11 Nesta caixa de opções, definiremos a região de interesse a ser segmentada. Para isso, o software disponibiliza algumas configurações pré-estabelecidas para segmentação das imagens. Figura 12 Ao escolhermos uma das opções, o software nos indicará na fatia qual a área correspondente à opção selecionada. Em nosso exemplo, queremos segmentar uma área óssea de um paciente adulto. Para visualização da área de interesse na cor da máscara InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário 14
  • 15. escolhida (roxa, porém, a mesma pode ser alterada) a opção da máscara deve estar ativa. Para ativá-la e desativa-la, dê um simples clique no local do “olho”, ao lado da caixa que contém a cor da máscara, na guia MÁSCARAS na parte inferior da tela. Neste exemplo, a presença do símbolo indica que estamos com a máscara ativa e visível. Figura 13 Para uma maior organização do trabalho, podemos dar nome às máscaras. Para isso, dê um clique sobre MÁSCARA 1 na guia de MÁSCARAS na parte inferior da tela. Ao clicarmos, será possível editar o nome da máscara. Em nosso exemplo, colocaremos o nome de CRÂNIO. InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário 15
  • 16. Figura 14 Se desejarmos criar uma nova máscara para identificarmos outra estrutura anatômica, devemos adicionar uma nova máscara. Para isso, clique em e uma caixa se abrirá. Dê o nome à máscara. Daremos o nome de TECIDO MOLE e definiremos a cor amarela como identificação dessa máscara clicando na caixa de cores. Selecionamos também TECIDO GORDUROSO (ADULTO) para visualização das partes moles. Observe que cada material que compõe o corpo humano (ósseo, gorduroso, epitelial...) possui uma faixa de limiar que o caracteriza. Dependendo de cada exame e de cada paciente, pode ser necessário o ajuste manual no valor do limiar para adequação do mesmo às características específicas do caso. Pode ser necessário também realizar pequenas alterações no limiar durante o correr das fatias pois a densidade do material pode variar ao longo do deslocamento das fatias. Sempre realize o ajuste quando julgar necessário. Figura 15 InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário 16
  • 17. Na guia MÁSCARAS, a máscara criada será listada. Podemos ativar ou desativar a visualização das máscaras quando possibilitamos a presença do junto à cor de identificação da máscara, como na figura abaixo. Figura 16 Os valores de limiares de cada máscara são indicados na frente da identificação da máscara, como apresentado acima. Após determinadas as máscaras, podemos gerar uma superfície 3D para prévia visualização do modelo. Para isso, cliquemos em CRIAR SUPERFÍCIE 3D. A superfície tridimensional será apresentada na janela inferior-direita do software, na janela VOLUME. Figura 17 InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário 17
  • 18. Ainda na configuração de máscaras, que servirão para criação das superfícies tridimensionais, temos a opção FERRAMENTAS AVANÇADAS DE EDIÇÃO. Nessa guia, podemos segmentar as áreas de interesse. Por exemplo: temos uma seqüência de imagens da cabeça de um paciente porém, necessitamos criar um modelo somente de sua arcada dentária. Para isso, não utilizaremos outras estruturas ósseas adjacentes. Como o recurso de PROPRIEDADES DA MÁSCARA indicou todas as partes ósseas do crânio, áreas ósseas indesejadas serão incluídas, necessitando uma especificação do que desejamos trabalhar (nesse caso, indicar quais das estruturas são aquelas que correspondem às da arcada dentária). Dessa forma, editaremos fatia por fatia que forma a arcada dentária. Começaremos pela primeira fatia que nos apresenta a arcada dentária, deixando selecionada a máscara CRÂNIO, que visualiza as partes ósseas das fatias. Para essa tarefa, existem três ferramentas importantes: DESENHAR, APAGAR E LIMIAR. Figura 18 - DESENHAR: é utilizada para construir partes que serão projetas tridimensionalmente. Muitas vezes, uma fatia pode perder uma pequena parte da estrutura anatômica, o que pode prejudicar usa reconstrução. Assim, devemos desenhar a área mal delimitada através dessa ferramenta, fechando o contorno da estrutura. Tudo que for desenhado será representado tridimensionalmente. - APAGAR: utilizamos essa ferramenta para apagar as estruturas adjacentes à região de interesse. Por exemplo, ao segmentarmos a arcada dentária, teremos que excluir da fatia estruturas como vértebra e ossos da base do crânio. As estruturas apagadas não serão representadas tridimensionalmente na reconstrução. - LIMIAR: ao definirmos um limiar através da máscara ou através do ajuste do LIMIAR DO PINCEL, o software destacará as estruturas que obedecem à densidade representada por InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário 18
  • 19. esse limiar. Dessa forma, podemos passar o pincel por uma área e os locais que corresponderem à esse limiar, serão marcados para que sejam projetados na reconstrução. Para utilizar essas três ferramentas, devemos definir o tamanho e o tipo de pincel mais adequado à tarefa. Há duas opções de forma do pincel e o seu tamanho pode variar de 1 à 100. Figura 19 Editada todas as fatias que compreendem à área de interesse, podemos criar a superfície tridimensional clicando em CRIAR SUPERFÍCIE 3D. 5.1 - TRABALHANDO COM JANELAS DE VISUALIZAÇÃO Para uma melhor reconstrução, é aconselhável que o usuário escolha o melhor tipo de vista (AXIAL, SAGITAL ou CORONAL) para segmentar as fatias. Às vezes é necessário editar em mais de uma vista para definir adequadamente uma estrutura. Note que na janela superior-esquerda da figura 17 o software nos apresenta uma fatia do plano AXIAL indicando em amarelo quais as áreas de tecido gorduroso. As janelas da fatia SAGITAL e CORONAL no momento não nos mostra uma fatia visualizável. Para isso, ao lado de cada janela, existe uma barra de rolagem que avança e retrocede a seqüência de imagens. O avanço e retrocesso das fatias podem ocorrer através do botão SCROLL do mouse. Na tela seguinte, ajustaremos cada janela para uma nova fatia. InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário 19
  • 20. Figura 20 Cada janela nos mostra em amarelo a disposição do tecido gorduroso na fatia, assim como o número da fatia (no canto inferior esquerdo de cada janela). Observe também que a janela ativa é aquela que possui uma sutil linha em vermelha em volta, como na figura 21. Figura 21 Em cada janela é apresentada a orientação espacial da fatia. No plano AXIAL, temos as letras: - A: Anterior - P: Posterior InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário 20
  • 21. - E: Esquerda - D: Direita No plano SAGITAL, temos: - S: Superior - I: Inferior - P: Posterior - A: Anterior E no plano CORONAL: - S: Superior - I: Inferior - E: Esquerda - D: Direita Se desejarmos maximizar uma janela de visualização, clique em no canto superior direito da janela. Para retornar à visualização normal, clique em . Ainda trabalhando com as janelas, temos a opção de alterar os valores de BRILHO e CONTRASTE, PSEUDO COR e CONJUNTO DE IMAGENS clicando o botão direito do mouse em qualquer janela. BRILHO E CONTRASTE: altera os valores de brilho e contraste de todas as janelas. Essa alteração pode facilitar em muito a visualização de uma determinada estrutura. Pede-se ao usuário para não se ater ao órgão pré-determinado nas opções e a qualidade de visualização pois há casos que o brilho e contraste de um determinado órgão pode ser muito bem aplicado à visualização de uma outra estrutura. Teste todas as opções de brilho e contraste para observar qual melhor se adequa às suas necessidades de visualização. PSEUDO COR: essa opção não trabalha somente com escalas de cinza e pode facilitar a identificação de estruturas. CONJUNTO DE IMAGENS: podemos visualizar mais de uma fatia em uma mesma vista. As opções de CONJUNTO DE IMAGENS nos permitem colocar as fatias em linhas ou em colunas ou ainda em linhas e colunas. InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário 21
  • 22. Figura 22 No exemplo acima, utilizamos um conjunto de imagens do tipo 2x3 ou seja, 2 colunas x 3 linhas. Podemos ainda combinar as opções de BRILHO e CONTRASTE com PSEUDO COR para uma melhor visualização. Para identificar estruturas de difícil caracterização, pode-se desativar a máscara para melhorar o resultado. Mas lembre-se: para segmentação, devemos trabalhar com a máscara ativada. Do lado direito da janela de visualização volumétrica, podemos notar a presença de quatro botões. Figura 23 Esse botão nos permite mudar a cor do plano de fundo da janela volumétrica. InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário 22
  • 23. Figura 24 Aqui podemos escolher algumas formas de visualização do modelo volumétrico. Figura 25 Com este botão ativado, podemos escolher vistas pelas quais podemos melhor visualizar o volume. InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário 23
  • 24. Figura 26 Com este botão ativado, podemos inserir planos nas disposições AXIAL, CORONAL e SAGITAL, podendo movimenta-los no modelo volumétrico, fatia por fatia. Há possibilidade de utilizar somente um plano ou combinar dois ou mais como mostrado abaixo: . Figura 27 InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário 24
  • 25. 5.2 ALTERANDO A VISUALIZAÇÃO DE MÁSCARAS Vamos agora visualizar as partes ósseas das fatias, alterando a visualização de máscara. Clique uma vez na opção da máscara TECIDO MOLE para desativar sua visualização e em seguida ative a visualização da máscara CRÂNIO clicando duas vezes à esquerda da cor de identificação da máscara. Desses dois cliques, o primeiro serve para selecionar a máscara e o segundo para ativar a visualização da máscara selecionada. Figura 28 6 - CONFIGURANDO SUPERFÍCIES Notemos que as janelas da figura 28 que apresentam as fatias alteraram a visualização do tecido gorduroso para o tecido ósseo (ossos do crânio). No entanto, a janela de VOLUME continua visualizando o tecido gorduroso em amarelo. Se desejarmos, podemos visualizar a imagem volumétrica do crânio acessando a guia SUPERFÍCIES e clicando na opção da superfície SUPERFÍCIE 2 (o que desativará a visualização da superfície amarela) e em seguida, clicar na visualização da superfície desejada (no caso, da SUPERFÍCIE 1). Para desativar qualquer visualização de superfícies tridimensionais, não deixe nenhuma opção presente na caixa em questão. InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário 25
  • 26. Figura 29 Para um melhor desempenho de seu computador, é aconselhável que a visualização tridimensional esteja inativa, pois a visualização desnecessária da mesma pode deixar o computador lento durante o processamento dos dados. Assim, se desejarmos ativar ou desativar a visualização das superfícies, acessemos a guia SUPERFÍCIES, como mostrado abaixo: Figura 30 Observe na figura 30 que a superfície amarela (SUPERFÍCIE 2, que representa o tecido gorduroso) está ativa. Para desativa-la, cliquemos na opção . Podemos deixar as duas ativadas, ativar somente uma ou ainda não gerar visualização das superfícies, deixando- as desativadas. Vamos alterar os nomes SURPERFÍCIE 1 e SUPERFÍCIE 2 para CRÂNIO e TECIDO MOLE, respectivamente. Para isso, devemos clicar sobre a palavra SUPERFÍCIE 1 e edita-la para CRÂNIO. InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário 26
  • 27. Figura 31 Aperte ENTER no teclado para confirmar a alteração. Repita o processo para SUPERFÍCIE 2. Observe na figura 32 que na guia SUPERFÍCIES estão ativas as superfícies do crânio e tecido mole, apresentado a transparência de cada uma. A transparência é utilizada para visualização de superfícies sobrepostas. Figura 32 Na opção PROPRIEDADES DA SUPERFÍCIE, escolha a superfície TECIDO MOLE (pois esta está sobre a o crânio). Deixe a visualização das duas superfícies ativadas na guia SUPERFÍCIES. Em seguida, altere a TRANSPARÊNCIA para aproximadamente 75%. Observe a sobreposição das superfícies na janela tridimensional: InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário 27
  • 28. Figura 33 Dessa forma, podemos analisar a disposição de estruturas sobrepostas como músculos e ossos, por exemplo. Ainda na configuração de superfícies, clique em QUALIDADE DE SUPERFÍCIE. Figura 34 Ao abrir a guia de QUALIDADE DE SUPERFÍCIE, o software apresenta alguns possíveis ajustes para melhorar a qualidade das mesmas. Podemos determinar sua qualidade através das opções abaixo: InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário 28
  • 29. Figura 35 Podemos determinar ainda os valores de DECIMAÇÃO (relacionado ao tamanho dos triângulos que formam a superfície) e de SUAVIZAÇÃO, que pode variar de 1 à 100 em ambos. Figura 36 7 - EXPORTANDO DADOS Na guia EXPORTE OS DADOS, após a configuração e segmentação de todo o modelo virtual, o usuário pode exporta-lo para outros softwares para edição ou ainda, exportar em formato .STL para prototipagem do modelo. Pode-se também exportar imagens do modelo para softwares de edição de imagens. InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário 29
  • 30. Figura 37 InVesalius 3.0b - Pré Manual pelo Usuário 30