SlideShare uma empresa Scribd logo
PESQUISAR
Submit
< voltar
turismo
Atividade do setor terciário, o turismo é normalmente definido (embora não
exista uma aceção única) como um conjunto de atividades que as pessoas
realizam, em viagem e durante a sua permanência em locais diferentes dos
das suas residências habituais, por períodos de tempo inferiores a um ano
consecutivo, comfins que não sejam remuneratórios, como o lazer, o recreio
ou outros.
Também se designa por turismo todo o conjunto de serviços desenvolvidos
como objetivo de apoiar os turistas, ouseja, as pessoas querealizam aquelas
atividades.
A Organização Mundial de Turismo (OMT), pertencente à Organização das
Nações Unidas, é o principal organismo internacional nesta área.
Criada a 29 de setembro de 1970, tem como principais objetivos a promoção
e o desenvolvimento do turismo, funcionando também como um fórum
global onde se debatem questões políticas relacionadas com o assunto.
Portugal aderiu à OMT a 8 de julho de 1976.
O turismo é uma atividade essencial para muitos países, representando uma
importante fonte de rendimentos devido ao consumo acrescido de produtos
e serviços (restauração, transportes, hotelaria, comércio local, locais de
diversão), ao aumento do n.º de postos de trabalho e ao lucro crescente
resultante da aplicação de taxas na indústria deste setor.
É também uma das principais atividades a nível mundial no setor dos bens
transacionáveis e uma das que apresenta maior potencial de crescimento
económico futuro.
De grande importância socioeconómica, o turismo revela-se como uma
ferramenta cultural poderosa-promove o sentido dadescobertae o contacto
direto entre diferentes comunidades -, um potencial veículo para a paz e a
tolerância - incentiva o relacionamento e o conhecimento entre pessoas,
povos enações, assim como o intercâmbio de culturas e vivências diferentes
- e um poderoso estímulo para o desenvolvimento do próprio país - gera o
aparecimento de infraestruturas e serviços de apoio, obriga à recuperação do
património, favorece a afirmação dos valores e da identidade das regiões e
contribui para a qualificação dos espaços envolventes.
Existem várias modalidades de turismo consoante o tipo de serviços e
atividades disponibilizadas, como, por exemplo, o Turismo Rural, Turismo
de Habitação, Agroturismo, Casas de Campo, Turismo Ecológico, Turismo
Aventura, Turismo Cultural e Turismo Religioso.
Um número crescente de destinos investem no sector, fazendo do Turismo o
motor de crescimento social e económico em cada vez mais países, criando
empregos, empresas, infraestruturas e receitas.
A expansão do turismo tem sido contínua nas últimas décadas, e a
diversidade é a palavra de ordem. É o sector que regista maior crescimento
em todo o mundo, e estima-se que seja o 3º maior empregador do planeta,
logo a seguir aos sectores do retalho e da agricultura.
A Organização Mundial do Turismo, agência das Nações Unidas
especializada na promoção de um turismo responsável, sustentável e de
acesso universal, avançou no seu relatório anual com alguns números que
traçam um retrato muito positivo da evolução do sector do Turismo.
O turismo movimenta muitas pessoas e divisas entre os países, além
de movimentar também muitos outros setores em sua cadeia
produtiva. Deste modo, muitos países do mundo em geral e dos países
em desenvolvimento, em particular elegeram o turismo como
principal fonte de desenvolvimento económico, captação de divisas,
investimentos e criação de emprego. Neste contexto, o turismo é
apontado como uma alternativa económica necessária para a
preservação e conservação de áreas naturais. O resultado dessa
atividade podetrazer benefícios tanto deordem socioeconómicacomo
ambiental, visto que, dependendo
da área de conservação é possível estabelecer objetivos na manutenção
da diversidade natural, cultural, no favorecimento da pesquisa científica,
da educação ambiental, proteção da fauna e flora silvestres, recreação,
dentre outras. O desenvolvimento, assim como as novas tendências no
turismo, têm originado novos modelos deturismo, centrados na buscapor
práticas alternativas sustentadas por princípios de sustentabilidade e um
deles é o ecoturismo.
A crescenteprocuraporexperiência turísticas em ambientes naturais intactos
e a fuga de stress dos grandes aglomerados urbanos faz com que o
ecoturismo se tornasse o segmento do turismo com maior índice de
crescimento nos últimos tempos, destacando-se como uma nova fonte de
renda, preocupada com a conservação do meio ambiente e da cultura das
comunidades locais. Esta atividade possuiconceito eprincípios quepropõem
contribuir para conservação da biodiversidade dentro e fora das áreas
protegidas, de aprenderem sobre a importância da conservação da
biodiversidade e das culturas locais assim como a geração de renda para a
conservação e benefícios das comunidades locais
O turismo é um impulsor de desenvolvimento local, que produz rendimento
aos vários intervenientes queprestam serviços diretos e indireta. Nos últimos
anos tem associado o seudesenvolvimento e efetivação das políticas públicas
assim como nas tendências de procura turística, compromisso com a
conservação dos recursos naturais, culturais e a inclusão social das
comunidades recetoras.
O Turismo em Portugal é, na atualidade, um dos principais setores de
proveito para a economia nacional. Subactividades como elevadas taxas
alfandegárias aplicadas a turistas por itens trazidos em segunda mão fazem
parte também das fontes do rendimento nacional. Em 2017, o país foi eleito
"Melhor Destino do Mundo" nos World Travel Awards, revalidando o título
em 2018 e em 2019. Lisboa foi considerada como o "Melhor Destino para
City Break" e a ilha da Madeira "o Melhor Destino Insular". Ao todo,
Portugal alcançou seis prémios deenorme prestígio internacional no setordo
turismo.
Em 2019 este número ultrapassou os 27 milhões.
Portugal é amplamente reconhecido na Europa pelo sol, pelas praias,
pela gastronomia e pela sua herança cultural, patrimonial e religiosa. O país
afirma-se cada vez mais no contexto mundial como um dos principais
destinos para os praticantes de golfe, comos seus resorts e aldeias históricas
Em 2018, a indústria do turismo contribuiu com 16,6 mil milhões de euros
para a economia do país, cercade13,7% do PIB nacional, e empregou, nesse
ano, umas estimadas 328,5 mil pessoas.[
Segmentos do turismo em Portugal
 Turismo de sol e mar – este tipo de turismo insere-se no Turismo
de Lazer/descanso em destinos de praia que excluem, no entanto,
os desportos aquáticos. Os consumidores são, na Europa,
maioritariamente famílias e casais em lua-de-mel;
 Turismo residencial – relativamente a este tipo de turismo, pode-
se definir como a escolha de um turista em adquirir uma segunda
ou terceira habitação num outro destino fora da sua residência
habitual. Por norma, este tipo de Turismo é praticado por um
consumidorcomum elevado rendimento e um elevado nível social
e cultural;
 Turismo de desporto – este tipo de turismo é definido
pela Organização Mundial de Turismo como “a participação ativa
ou passiva num desporto competitivo ou recreativo”. Quando
um turista escolhe este tipo de Turismo, a sua motivação principal
é a qualidade que o destino escolhido tem para a prática de
atividades desportivas. Estas atividades podem
ser: ciclismo, golfe, desportos
náuticos, caminhada, ténis, caça e pesca, desportos aquáticos e
subaquáticos e desportos de Inverno. O tipo de consumidor vai
depender do tipo de desporto que pratica, mas, na maioria, são
turistas com elevado rendimento;
 Turismo de negócios – o objetivo principal deste turista é
participar numa conferência oureunião, que constitui uma partedo
que hoje se designa por segmento MICE (Meetings, Incentives,
Conferences and Exhibitions). Os turistas que fazem este tipo de
viagens têm, geralmente, elevados níveis educacionais/culturais e
elevado rendimento também;
 Turismo urbano – estas viagens são feitas a locais ou cidades de
grande densidade populacional, sendo a duração destas viagens,
em geral, curta. Os consumidores podemser diversos: os DINKS,
que são atraídos pelas vistas e vida noturna e as famílias pelas
atracões das cidades;
 Turismo cultural – O termo Turismo Cultural designa uma
modalidade de turismo cuja motivação do deslocamento se dácom
o objetivo de encontros artísticos, científicos, de formação e de
informação. O tipo de consumidor é um turista de elevado
rendimento e de elevado nível educacional, com idades
compreendidas entre os 45 e os 60 anos;
 apresentar como atracão as plantações e culturas em áreas onde as
mesmas, porventura, sirvam de referência internacional no
chamado agronegócio. O consumidor deste tipo de turismo tem um elevado
nível cultural e educacional, pertencendo às classes média e alta;
 Ecoturismo e natureza – O ecoturismo é uma forma de turismo voltada para a
apreciação de ecossistemas no seu estado natural, com a sua vida selvagem e
a sua população nativa intactos. Não há um consumidor específico para este
tipo de turismo;
 Turismo de aventura – este tipo de turismo é definido como a participação dos
turistas em atividades que envolvem, geralmente, esforço físico. Para este tipo
de turismo, o consumidor tem que ter um elevado rendimento, pois estas
atividades exigem uma grande quantidade de dinheiro;
 Turismo de saúde – pode ser definido como o conjunto de deslocações a
locais orientados para o bem-estar físico e emocional que o turista necessita.
Os frequentadores tradicionais são seniores, de baixo nível económico e
cultural;
 Turismo religioso – neste tipo de turismo, as motivações são a fé, o culto e a
visita a lugares diretamente relacionados ou espirituais. Os consumidores são
de todas as idades, sexo e de todas as classes socioeconómicas;
 Turismo temático – compreende deslocações a parques temáticos ou outro
tipo de atracões relacionadas com divertimentos e experiências. Os
consumidores são geralmente famílias com filhos com idades compreendidas
entre os 5 e os 15 anos, grupos e também casais sem filhos;
 Cruzeiros – este tipo de turismo refere-se a viagens feitas em navios de
cruzeiro, com propósitos de lazer, em geral, no mar. Os consumidores podem
ser famílias e seniores;
 Turismo Militar – O Turismo Militar é um novo tipo de turismo, criado em 2014,
pelo Ministério da Defesa Nacional Português, em conjunto com várias
entidades ligadas ao Turismo em Portugal. Tem como principal objetivo dar a
conhecer aos turistas, nacionais e estrangeiros, a História Militar de Portugal
através da vida de vários heróis portugueses que tenham participado nas
várias temáticas apresentadas. Ao mesmo tempo, este tipo de turismo
pretende revitalizar espaços militares outrora abandonados, por forma a
revitalizar as economias locais envolvidas.
 Turismo em Pequenos Grupos: Portugal atrai muito o turista brasileiro, pela
facilidade do idioma e pela aproximação de uma pátria mãe. Muitos grupos de
viagem são enviados todos os anos para Portugal e também já existe o
conceito de 'Pequenos Grupos', onde o passageiro possui um atendimento
mais personalizado, viajando em grupos de 5 a 10 pessoas. Um conceito bem
inovador em um país de ótimas autoestradas e acessos.

A Europa ganhou 306 mil milhões de euros em turismo e Portugal 7,6 em 2009. Em 2001,
Portugal ganhou 6,1 mil milhões de euros, mais do que a Suécia e a Polónia. Portugal
desceu as suas receitas em 2002 e desde aí tem vindo sempre a aumentar, exceto em
2008.
Portugal recebe mais turismo do que países como a Polónia, os Países Baixos ou o Brasil.
Portugal recebeu 12,3 milhões de turistas em 2007, mais 0,6 milhões do que em 2002.[9]
O ano de 2014 foi o melhor ano de sempre do sector, com crescimentos superiores a 10%
face ao ano recorde, quer se considere o número de dormidas, o número de hóspedes ou
os proveitos da hotelaria.
Portugal recebeu 18 milhões de hóspedes entre janeiro e novembro de 2016, crescendo
9,5%.
Em 2016, em comparação com 2015, Lisboa cresceu 25,2%.
Em 2016, o turismo gerou perto de 11,5 mil milhões de euros, o que representou mais de
7% do valor acrescentado bruto gerado pelo conjunto da economia nesse ano. No mesmo
ano, o consumo dos turistas ultrapassou os 23 mil milhões de euros, o equivalente a mais
de 12% do produto interno bruto.[10]
O ano de 2017 foi um ano histórico para o setor do Turismo em Portugal, registando a
entrada de 20,6 milhões de turistas. Este valor permitiu um aumento das receitas
portuguesas no valor de 19,4%, sendo um dos setores que mais contribuiu para o
desenvolvimento do país nesse ano. [11][12]
2019
Em 2019 Portugal foi o destino de 27 milhões de turistas, a maioria oriundos do
estrangeiro. Este número representa uma subida de 7,3% face a 2018 e uma aceleração
no ritmo de crescimento. Em termos de receitas turísticas, estas aumentaram para 4,28 mil
milhões de euros.
O total de hóspedes bateu um novo recorde, subindo 7,3% para cerca de 27 milhões, com
a maioria a vir de países estrangeiros. Contudo, apesar de liderarem em número (16,3
milhões), os estrangeiros subiram apenas 7,1% face aos 7,5% de crescimento dos
hóspedes nacionais (10,7 milhões).
Em termos de estadia, tanto os hóspedes nacionais como os internacionais passaram
menos noites nas unidades turísticas, estando a média nas 2,59 noites. Os portugueses
ficaram, em média, hospedados durante 1,97 noites (-1,2%), enquanto os estrangeiros
ficaram 2,99 noites (-3,6%). A hotelaria continua a liderar a escolha dos turistas,
concentrando cerca de 58 milhões de dormidas (82,9% do total), à frente do Alojamento
Local com dez milhões de dormidas e do turismo no espaço rural e de habitação, com 1,9
milhões de dormidas. Em termos de crescimento, os hostels destacaram-se com as
dormidas a dispararem 23,7%.
A maior parte das dormidas internacionais veio do Reino Unido, num total de 9,38 milhões
de dormidas[13]
, tendo esta nacionalidade subido 1,5% face a 2018, representando uma
quota de 19,2%. Atrás aparecem os alemães com 5,88 milhões de dormidas[13]
e os
espanhóis com 5,22 milhões. Em termos de crescimento, o destaque vai para os mercados
norte-americano (29,2%), canadiano (27,6%) e irlandês (26%)[14]
.
Turistas por origem
As principais origens dos turistas foram:
País de origem
Turistas
em 2019[13]
Reino Unido 2.149.100
Espanha 2.278.000
França 1.611.900
Alemanha 1.522.000
Brasil 1.271.000
E.U.A. 1.191.300
Itália 713.700
País de origem
Turistas
em 2019[13]
Países Baixos 595.200
Irlanda 413.700
Bélgica 324.000
Outros 4.245.800
Reconhecimento internacional
Portugal foi eleito pela Condé Nast Traveller o melhor destino do mundo para se viajar em
2013.[15]
Paisagem, gastronomia e praias foram os aspetos que mais pesaram na escolha
dando ainda especial destaque à simpatia do povo português. A prestigiada revista fala do
"especial encanto que é visível nas tradições do país, com cidades que combinam a
modernidade com o peso visível da história, paisagens e praias que nos reconciliam com a
Natureza".[16]
Também em 2013, o Porto foi eleito pela Lonely Planet como o melhor dos 10 destinos de
férias de eleição na Europa.[17]
Em maio de 2014 o portal de viagens do jornal norte-americano USA Today elegeu
Portugal como o melhor país da Europa para passar férias, destacando as “praias
ensolaradas”, a “gastronomia”, as “aldeias pavimentadas sob a sombra de castelos
medievais”. O “fado de Lisboa”, o “vinho do Porto” e as “águas azul-turquesa do Algarve”
também foram elogiadas.[18]
Actualmente o turismo é um fenómeno mundial com grandes diferenciações no que diz
respeito aos destinos e actividades disponíveis, das culturas anfitriãs e de tipos de
visitantes. Presentemente o turista é extremamente exigente, na medida em que tem ao
seu dispor uma panóplia de ofertas. Assiste-se a uma perda de interesse pelos destinos
turísticos ditos convencionais, o que provoca a procura de novos cenários e novas
práticas nos espaços tradicionais com oferta renovada.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a TURISMO.docx

turismo
turismoturismo
turismo
Catia Silva
 
Trabalhodegeo 120127154639-phpapp02
Trabalhodegeo 120127154639-phpapp02Trabalhodegeo 120127154639-phpapp02
Trabalhodegeo 120127154639-phpapp02
Nuno Guimarães
 
Ecoturismo
EcoturismoEcoturismo
Ecoturismo
Cristina Miranda
 
Turismo E Meio Ambiente
Turismo E Meio AmbienteTurismo E Meio Ambiente
Turismo E Meio Ambiente
guest222a6b
 
Turismo Rura L Grupo Da Catia
Turismo Rura L Grupo Da CatiaTurismo Rura L Grupo Da Catia
Turismo Rura L Grupo Da Catia
Ministério da Educação
 
Plano de Marketing - Ecotel Adventure
Plano de Marketing - Ecotel AdventurePlano de Marketing - Ecotel Adventure
Plano de Marketing - Ecotel Adventure
Fernando Alves
 
Turismo geografia
Turismo   geografiaTurismo   geografia
Turismo geografia
Fátima Cunha Lopes
 
Disciplina Fundamentos do Turismo (I) (IFSP Campus Cubatao) (aula 04)
Disciplina Fundamentos do Turismo (I) (IFSP Campus Cubatao) (aula 04)Disciplina Fundamentos do Turismo (I) (IFSP Campus Cubatao) (aula 04)
Disciplina Fundamentos do Turismo (I) (IFSP Campus Cubatao) (aula 04)
Aristides Faria
 
Sustentabilidade do turismo 11 4
Sustentabilidade do turismo 11 4Sustentabilidade do turismo 11 4
Sustentabilidade do turismo 11 4
Joao Paulo Curto
 
O turismo no mundo atual
O turismo no mundo atualO turismo no mundo atual
O turismo no mundo atual
Beatriz Tobias
 
"Turismo e Cultura"
"Turismo e Cultura""Turismo e Cultura"
"Turismo e Cultura"
anassoares
 
"Turismo e Cultura"
"Turismo e Cultura""Turismo e Cultura"
"Turismo e Cultura"
Ana Patricia Baltazar
 
"Turismo e Cultura"
"Turismo e Cultura""Turismo e Cultura"
"Turismo e Cultura"
Ana Patricia Baltazar
 
1604
16041604
1604
Pelo Siro
 
Turismo evolução
Turismo evoluçãoTurismo evolução
Turismo evolução
Karlla Costa
 
TURISMO DO FUTURO SUSTENTAVEL E SAUDAVEL SP Lazzerini FT 2023.pdf
TURISMO DO FUTURO SUSTENTAVEL E SAUDAVEL SP Lazzerini FT 2023.pdfTURISMO DO FUTURO SUSTENTAVEL E SAUDAVEL SP Lazzerini FT 2023.pdf
TURISMO DO FUTURO SUSTENTAVEL E SAUDAVEL SP Lazzerini FT 2023.pdf
fabiolazzerini1
 
Texto 4 turismo sustentavel
Texto 4   turismo sustentavelTexto 4   turismo sustentavel
Texto 4 turismo sustentavel
Karlla Costa
 
FUNDAMENTOS DO TURISMO E DA HOSPITALIDADE.pptx
FUNDAMENTOS DO TURISMO E DA HOSPITALIDADE.pptxFUNDAMENTOS DO TURISMO E DA HOSPITALIDADE.pptx
FUNDAMENTOS DO TURISMO E DA HOSPITALIDADE.pptx
ProfessorTiagoNunes
 
Slide conceitos
Slide conceitosSlide conceitos
Slide conceitos
Karlla Costa
 
Turismo rural ecologia, lazer e desenvolvimento
Turismo rural  ecologia, lazer e desenvolvimentoTurismo rural  ecologia, lazer e desenvolvimento
Turismo rural ecologia, lazer e desenvolvimento
Marcelo Diedrich
 

Semelhante a TURISMO.docx (20)

turismo
turismoturismo
turismo
 
Trabalhodegeo 120127154639-phpapp02
Trabalhodegeo 120127154639-phpapp02Trabalhodegeo 120127154639-phpapp02
Trabalhodegeo 120127154639-phpapp02
 
Ecoturismo
EcoturismoEcoturismo
Ecoturismo
 
Turismo E Meio Ambiente
Turismo E Meio AmbienteTurismo E Meio Ambiente
Turismo E Meio Ambiente
 
Turismo Rura L Grupo Da Catia
Turismo Rura L Grupo Da CatiaTurismo Rura L Grupo Da Catia
Turismo Rura L Grupo Da Catia
 
Plano de Marketing - Ecotel Adventure
Plano de Marketing - Ecotel AdventurePlano de Marketing - Ecotel Adventure
Plano de Marketing - Ecotel Adventure
 
Turismo geografia
Turismo   geografiaTurismo   geografia
Turismo geografia
 
Disciplina Fundamentos do Turismo (I) (IFSP Campus Cubatao) (aula 04)
Disciplina Fundamentos do Turismo (I) (IFSP Campus Cubatao) (aula 04)Disciplina Fundamentos do Turismo (I) (IFSP Campus Cubatao) (aula 04)
Disciplina Fundamentos do Turismo (I) (IFSP Campus Cubatao) (aula 04)
 
Sustentabilidade do turismo 11 4
Sustentabilidade do turismo 11 4Sustentabilidade do turismo 11 4
Sustentabilidade do turismo 11 4
 
O turismo no mundo atual
O turismo no mundo atualO turismo no mundo atual
O turismo no mundo atual
 
"Turismo e Cultura"
"Turismo e Cultura""Turismo e Cultura"
"Turismo e Cultura"
 
"Turismo e Cultura"
"Turismo e Cultura""Turismo e Cultura"
"Turismo e Cultura"
 
"Turismo e Cultura"
"Turismo e Cultura""Turismo e Cultura"
"Turismo e Cultura"
 
1604
16041604
1604
 
Turismo evolução
Turismo evoluçãoTurismo evolução
Turismo evolução
 
TURISMO DO FUTURO SUSTENTAVEL E SAUDAVEL SP Lazzerini FT 2023.pdf
TURISMO DO FUTURO SUSTENTAVEL E SAUDAVEL SP Lazzerini FT 2023.pdfTURISMO DO FUTURO SUSTENTAVEL E SAUDAVEL SP Lazzerini FT 2023.pdf
TURISMO DO FUTURO SUSTENTAVEL E SAUDAVEL SP Lazzerini FT 2023.pdf
 
Texto 4 turismo sustentavel
Texto 4   turismo sustentavelTexto 4   turismo sustentavel
Texto 4 turismo sustentavel
 
FUNDAMENTOS DO TURISMO E DA HOSPITALIDADE.pptx
FUNDAMENTOS DO TURISMO E DA HOSPITALIDADE.pptxFUNDAMENTOS DO TURISMO E DA HOSPITALIDADE.pptx
FUNDAMENTOS DO TURISMO E DA HOSPITALIDADE.pptx
 
Slide conceitos
Slide conceitosSlide conceitos
Slide conceitos
 
Turismo rural ecologia, lazer e desenvolvimento
Turismo rural  ecologia, lazer e desenvolvimentoTurismo rural  ecologia, lazer e desenvolvimento
Turismo rural ecologia, lazer e desenvolvimento
 

TURISMO.docx

  • 1. PESQUISAR Submit < voltar turismo Atividade do setor terciário, o turismo é normalmente definido (embora não exista uma aceção única) como um conjunto de atividades que as pessoas realizam, em viagem e durante a sua permanência em locais diferentes dos das suas residências habituais, por períodos de tempo inferiores a um ano consecutivo, comfins que não sejam remuneratórios, como o lazer, o recreio ou outros. Também se designa por turismo todo o conjunto de serviços desenvolvidos como objetivo de apoiar os turistas, ouseja, as pessoas querealizam aquelas atividades. A Organização Mundial de Turismo (OMT), pertencente à Organização das Nações Unidas, é o principal organismo internacional nesta área. Criada a 29 de setembro de 1970, tem como principais objetivos a promoção e o desenvolvimento do turismo, funcionando também como um fórum global onde se debatem questões políticas relacionadas com o assunto. Portugal aderiu à OMT a 8 de julho de 1976. O turismo é uma atividade essencial para muitos países, representando uma importante fonte de rendimentos devido ao consumo acrescido de produtos e serviços (restauração, transportes, hotelaria, comércio local, locais de diversão), ao aumento do n.º de postos de trabalho e ao lucro crescente resultante da aplicação de taxas na indústria deste setor. É também uma das principais atividades a nível mundial no setor dos bens transacionáveis e uma das que apresenta maior potencial de crescimento económico futuro.
  • 2. De grande importância socioeconómica, o turismo revela-se como uma ferramenta cultural poderosa-promove o sentido dadescobertae o contacto direto entre diferentes comunidades -, um potencial veículo para a paz e a tolerância - incentiva o relacionamento e o conhecimento entre pessoas, povos enações, assim como o intercâmbio de culturas e vivências diferentes - e um poderoso estímulo para o desenvolvimento do próprio país - gera o aparecimento de infraestruturas e serviços de apoio, obriga à recuperação do património, favorece a afirmação dos valores e da identidade das regiões e contribui para a qualificação dos espaços envolventes. Existem várias modalidades de turismo consoante o tipo de serviços e atividades disponibilizadas, como, por exemplo, o Turismo Rural, Turismo de Habitação, Agroturismo, Casas de Campo, Turismo Ecológico, Turismo Aventura, Turismo Cultural e Turismo Religioso. Um número crescente de destinos investem no sector, fazendo do Turismo o motor de crescimento social e económico em cada vez mais países, criando empregos, empresas, infraestruturas e receitas. A expansão do turismo tem sido contínua nas últimas décadas, e a diversidade é a palavra de ordem. É o sector que regista maior crescimento em todo o mundo, e estima-se que seja o 3º maior empregador do planeta, logo a seguir aos sectores do retalho e da agricultura. A Organização Mundial do Turismo, agência das Nações Unidas especializada na promoção de um turismo responsável, sustentável e de acesso universal, avançou no seu relatório anual com alguns números que traçam um retrato muito positivo da evolução do sector do Turismo. O turismo movimenta muitas pessoas e divisas entre os países, além de movimentar também muitos outros setores em sua cadeia produtiva. Deste modo, muitos países do mundo em geral e dos países
  • 3. em desenvolvimento, em particular elegeram o turismo como principal fonte de desenvolvimento económico, captação de divisas, investimentos e criação de emprego. Neste contexto, o turismo é apontado como uma alternativa económica necessária para a preservação e conservação de áreas naturais. O resultado dessa atividade podetrazer benefícios tanto deordem socioeconómicacomo ambiental, visto que, dependendo da área de conservação é possível estabelecer objetivos na manutenção da diversidade natural, cultural, no favorecimento da pesquisa científica, da educação ambiental, proteção da fauna e flora silvestres, recreação, dentre outras. O desenvolvimento, assim como as novas tendências no turismo, têm originado novos modelos deturismo, centrados na buscapor práticas alternativas sustentadas por princípios de sustentabilidade e um deles é o ecoturismo. A crescenteprocuraporexperiência turísticas em ambientes naturais intactos e a fuga de stress dos grandes aglomerados urbanos faz com que o ecoturismo se tornasse o segmento do turismo com maior índice de crescimento nos últimos tempos, destacando-se como uma nova fonte de renda, preocupada com a conservação do meio ambiente e da cultura das comunidades locais. Esta atividade possuiconceito eprincípios quepropõem contribuir para conservação da biodiversidade dentro e fora das áreas protegidas, de aprenderem sobre a importância da conservação da biodiversidade e das culturas locais assim como a geração de renda para a conservação e benefícios das comunidades locais O turismo é um impulsor de desenvolvimento local, que produz rendimento aos vários intervenientes queprestam serviços diretos e indireta. Nos últimos anos tem associado o seudesenvolvimento e efetivação das políticas públicas assim como nas tendências de procura turística, compromisso com a conservação dos recursos naturais, culturais e a inclusão social das comunidades recetoras. O Turismo em Portugal é, na atualidade, um dos principais setores de proveito para a economia nacional. Subactividades como elevadas taxas alfandegárias aplicadas a turistas por itens trazidos em segunda mão fazem parte também das fontes do rendimento nacional. Em 2017, o país foi eleito "Melhor Destino do Mundo" nos World Travel Awards, revalidando o título em 2018 e em 2019. Lisboa foi considerada como o "Melhor Destino para City Break" e a ilha da Madeira "o Melhor Destino Insular". Ao todo, Portugal alcançou seis prémios deenorme prestígio internacional no setordo turismo.
  • 4. Em 2019 este número ultrapassou os 27 milhões. Portugal é amplamente reconhecido na Europa pelo sol, pelas praias, pela gastronomia e pela sua herança cultural, patrimonial e religiosa. O país afirma-se cada vez mais no contexto mundial como um dos principais destinos para os praticantes de golfe, comos seus resorts e aldeias históricas Em 2018, a indústria do turismo contribuiu com 16,6 mil milhões de euros para a economia do país, cercade13,7% do PIB nacional, e empregou, nesse ano, umas estimadas 328,5 mil pessoas.[ Segmentos do turismo em Portugal  Turismo de sol e mar – este tipo de turismo insere-se no Turismo de Lazer/descanso em destinos de praia que excluem, no entanto, os desportos aquáticos. Os consumidores são, na Europa, maioritariamente famílias e casais em lua-de-mel;  Turismo residencial – relativamente a este tipo de turismo, pode- se definir como a escolha de um turista em adquirir uma segunda ou terceira habitação num outro destino fora da sua residência habitual. Por norma, este tipo de Turismo é praticado por um consumidorcomum elevado rendimento e um elevado nível social e cultural;  Turismo de desporto – este tipo de turismo é definido pela Organização Mundial de Turismo como “a participação ativa ou passiva num desporto competitivo ou recreativo”. Quando um turista escolhe este tipo de Turismo, a sua motivação principal é a qualidade que o destino escolhido tem para a prática de atividades desportivas. Estas atividades podem ser: ciclismo, golfe, desportos náuticos, caminhada, ténis, caça e pesca, desportos aquáticos e subaquáticos e desportos de Inverno. O tipo de consumidor vai depender do tipo de desporto que pratica, mas, na maioria, são turistas com elevado rendimento;  Turismo de negócios – o objetivo principal deste turista é participar numa conferência oureunião, que constitui uma partedo que hoje se designa por segmento MICE (Meetings, Incentives, Conferences and Exhibitions). Os turistas que fazem este tipo de viagens têm, geralmente, elevados níveis educacionais/culturais e elevado rendimento também;  Turismo urbano – estas viagens são feitas a locais ou cidades de grande densidade populacional, sendo a duração destas viagens, em geral, curta. Os consumidores podemser diversos: os DINKS, que são atraídos pelas vistas e vida noturna e as famílias pelas atracões das cidades;
  • 5.  Turismo cultural – O termo Turismo Cultural designa uma modalidade de turismo cuja motivação do deslocamento se dácom o objetivo de encontros artísticos, científicos, de formação e de informação. O tipo de consumidor é um turista de elevado rendimento e de elevado nível educacional, com idades compreendidas entre os 45 e os 60 anos;
  • 6.  apresentar como atracão as plantações e culturas em áreas onde as mesmas, porventura, sirvam de referência internacional no chamado agronegócio. O consumidor deste tipo de turismo tem um elevado nível cultural e educacional, pertencendo às classes média e alta;  Ecoturismo e natureza – O ecoturismo é uma forma de turismo voltada para a apreciação de ecossistemas no seu estado natural, com a sua vida selvagem e a sua população nativa intactos. Não há um consumidor específico para este tipo de turismo;  Turismo de aventura – este tipo de turismo é definido como a participação dos turistas em atividades que envolvem, geralmente, esforço físico. Para este tipo de turismo, o consumidor tem que ter um elevado rendimento, pois estas atividades exigem uma grande quantidade de dinheiro;  Turismo de saúde – pode ser definido como o conjunto de deslocações a locais orientados para o bem-estar físico e emocional que o turista necessita. Os frequentadores tradicionais são seniores, de baixo nível económico e cultural;  Turismo religioso – neste tipo de turismo, as motivações são a fé, o culto e a visita a lugares diretamente relacionados ou espirituais. Os consumidores são de todas as idades, sexo e de todas as classes socioeconómicas;  Turismo temático – compreende deslocações a parques temáticos ou outro tipo de atracões relacionadas com divertimentos e experiências. Os consumidores são geralmente famílias com filhos com idades compreendidas entre os 5 e os 15 anos, grupos e também casais sem filhos;  Cruzeiros – este tipo de turismo refere-se a viagens feitas em navios de cruzeiro, com propósitos de lazer, em geral, no mar. Os consumidores podem ser famílias e seniores;  Turismo Militar – O Turismo Militar é um novo tipo de turismo, criado em 2014, pelo Ministério da Defesa Nacional Português, em conjunto com várias entidades ligadas ao Turismo em Portugal. Tem como principal objetivo dar a conhecer aos turistas, nacionais e estrangeiros, a História Militar de Portugal através da vida de vários heróis portugueses que tenham participado nas várias temáticas apresentadas. Ao mesmo tempo, este tipo de turismo pretende revitalizar espaços militares outrora abandonados, por forma a revitalizar as economias locais envolvidas.  Turismo em Pequenos Grupos: Portugal atrai muito o turista brasileiro, pela facilidade do idioma e pela aproximação de uma pátria mãe. Muitos grupos de viagem são enviados todos os anos para Portugal e também já existe o conceito de 'Pequenos Grupos', onde o passageiro possui um atendimento mais personalizado, viajando em grupos de 5 a 10 pessoas. Um conceito bem inovador em um país de ótimas autoestradas e acessos.  A Europa ganhou 306 mil milhões de euros em turismo e Portugal 7,6 em 2009. Em 2001, Portugal ganhou 6,1 mil milhões de euros, mais do que a Suécia e a Polónia. Portugal desceu as suas receitas em 2002 e desde aí tem vindo sempre a aumentar, exceto em 2008. Portugal recebe mais turismo do que países como a Polónia, os Países Baixos ou o Brasil. Portugal recebeu 12,3 milhões de turistas em 2007, mais 0,6 milhões do que em 2002.[9] O ano de 2014 foi o melhor ano de sempre do sector, com crescimentos superiores a 10% face ao ano recorde, quer se considere o número de dormidas, o número de hóspedes ou os proveitos da hotelaria. Portugal recebeu 18 milhões de hóspedes entre janeiro e novembro de 2016, crescendo 9,5%. Em 2016, em comparação com 2015, Lisboa cresceu 25,2%.
  • 7. Em 2016, o turismo gerou perto de 11,5 mil milhões de euros, o que representou mais de 7% do valor acrescentado bruto gerado pelo conjunto da economia nesse ano. No mesmo ano, o consumo dos turistas ultrapassou os 23 mil milhões de euros, o equivalente a mais de 12% do produto interno bruto.[10] O ano de 2017 foi um ano histórico para o setor do Turismo em Portugal, registando a entrada de 20,6 milhões de turistas. Este valor permitiu um aumento das receitas portuguesas no valor de 19,4%, sendo um dos setores que mais contribuiu para o desenvolvimento do país nesse ano. [11][12] 2019 Em 2019 Portugal foi o destino de 27 milhões de turistas, a maioria oriundos do estrangeiro. Este número representa uma subida de 7,3% face a 2018 e uma aceleração no ritmo de crescimento. Em termos de receitas turísticas, estas aumentaram para 4,28 mil milhões de euros. O total de hóspedes bateu um novo recorde, subindo 7,3% para cerca de 27 milhões, com a maioria a vir de países estrangeiros. Contudo, apesar de liderarem em número (16,3 milhões), os estrangeiros subiram apenas 7,1% face aos 7,5% de crescimento dos hóspedes nacionais (10,7 milhões). Em termos de estadia, tanto os hóspedes nacionais como os internacionais passaram menos noites nas unidades turísticas, estando a média nas 2,59 noites. Os portugueses ficaram, em média, hospedados durante 1,97 noites (-1,2%), enquanto os estrangeiros ficaram 2,99 noites (-3,6%). A hotelaria continua a liderar a escolha dos turistas, concentrando cerca de 58 milhões de dormidas (82,9% do total), à frente do Alojamento Local com dez milhões de dormidas e do turismo no espaço rural e de habitação, com 1,9 milhões de dormidas. Em termos de crescimento, os hostels destacaram-se com as dormidas a dispararem 23,7%. A maior parte das dormidas internacionais veio do Reino Unido, num total de 9,38 milhões de dormidas[13] , tendo esta nacionalidade subido 1,5% face a 2018, representando uma quota de 19,2%. Atrás aparecem os alemães com 5,88 milhões de dormidas[13] e os espanhóis com 5,22 milhões. Em termos de crescimento, o destaque vai para os mercados norte-americano (29,2%), canadiano (27,6%) e irlandês (26%)[14] . Turistas por origem As principais origens dos turistas foram: País de origem Turistas em 2019[13] Reino Unido 2.149.100 Espanha 2.278.000 França 1.611.900 Alemanha 1.522.000 Brasil 1.271.000 E.U.A. 1.191.300 Itália 713.700
  • 8. País de origem Turistas em 2019[13] Países Baixos 595.200 Irlanda 413.700 Bélgica 324.000 Outros 4.245.800 Reconhecimento internacional Portugal foi eleito pela Condé Nast Traveller o melhor destino do mundo para se viajar em 2013.[15] Paisagem, gastronomia e praias foram os aspetos que mais pesaram na escolha dando ainda especial destaque à simpatia do povo português. A prestigiada revista fala do "especial encanto que é visível nas tradições do país, com cidades que combinam a modernidade com o peso visível da história, paisagens e praias que nos reconciliam com a Natureza".[16] Também em 2013, o Porto foi eleito pela Lonely Planet como o melhor dos 10 destinos de férias de eleição na Europa.[17] Em maio de 2014 o portal de viagens do jornal norte-americano USA Today elegeu Portugal como o melhor país da Europa para passar férias, destacando as “praias ensolaradas”, a “gastronomia”, as “aldeias pavimentadas sob a sombra de castelos medievais”. O “fado de Lisboa”, o “vinho do Porto” e as “águas azul-turquesa do Algarve” também foram elogiadas.[18] Actualmente o turismo é um fenómeno mundial com grandes diferenciações no que diz respeito aos destinos e actividades disponíveis, das culturas anfitriãs e de tipos de visitantes. Presentemente o turista é extremamente exigente, na medida em que tem ao seu dispor uma panóplia de ofertas. Assiste-se a uma perda de interesse pelos destinos turísticos ditos convencionais, o que provoca a procura de novos cenários e novas práticas nos espaços tradicionais com oferta renovada.