SlideShare uma empresa Scribd logo
Universidade Federal do Rio de Janeiro
                     Escola Politécnica
        MBA em Tecnologia da Informação Executivo




                Ana Cristina das Neves Izidoro
                       Giselle Lambert
              Marco Antonio de Azevedo Maciel
                       Michael Martins
                      Reinaldo Santana




Carrier Ethernet – Expansão Global de Serviços Ethernet




                           Trabalho apresentado à disciplina de Redes de
                           Comunicação do curso MBA em Tecnoligia da
                           Informação – MBTIe – da Universidade Federal do Rio
                           de Janeiro - UFRJ

                           Orientador: Prof. José Ferreira de Rezende.




                           MBTIe


                       Março de 2010
RESUMO




      Este trabalho tem por objetivo apresentar os avanços da conectividade global
através de Serviços Ethernet e sua evolução. Apresenta a perspectiva do Metro
Ethernet Forum para a expansão das definições Metro para Carrier Ethernet, sua
terminologia e tipos de serviço, além de um panorama sobre as tendências nos
próximos anos do Negócio Ethernet no mundo.




Palavras-Chave: Ethernet, Metro Ethernet, Metro Ethernet Forum, Carrier Ethernet,




                                                                               2
SIGLAS


MEF – Metro Ethernet Forum
LAN – Local Area Network
E-Line – Linha Ethernet
TDM – Time-Division Multiplexing
Mbps – Megabit por segundo
Gbps – Gibabit por segundo
E-LAN - Rede Multiponto Ethernet
QoS – Quality of Service
SLA – Service Level Agreement
CE – Customer Equipment
UNI – User-to-Network Interface
EVC – Ethernet Virtual Connection
NNI – Network-to-Network Interface
E-Tree – Rede Ponto Multiponto Ethernet
AO&M – Operations, Administration, and Management
ENNI – Ethernet Network-Network Interface
CAGR - Compound Annual Growth Rate




                                                    3
ÍNDICE DE FIGURAS


Figura 01 – Carrier Ethernet p/ clientes finais                              8
Figura 02 – Topologia de interface usuário-rede                              9
Figura 03 – E-Line: Circuito Privado Ethernet (virtual ou não)               10
Figura 04– E-Line: Acesso Ethernet à Internet.                               10
Figura 05 – E-LAN: Rede Multiponto                                           11
Figura 06 – E-Tree: Rede Ponto-Multiponto                                    11
Figura 07 – Fases do desenvolvimento Carrier Ethernet                        12
Figura 08 – Maturidade Ethernet para desenvolvimento de classe de serviços   13
Figura 09 – Maior oferta de serviços Ethernet                                13
Figura 10 – Mensurando o Boom Metro Ethernet                                 14
Figura 11 – Receita Mundial Projetada 2014                                   14
Figura 12 – Abrangência e Alcance Carrier Ethernet                           15
Figura 13 – MEF: Visão do Futuro Carrier Ethernet                            16




                                                                                 4
SUMÁRIO




1     Introdução - Metro Ethernet Forum (MEF)          6


2     Expansão Global de Metro para Carrier Ethernet   7


3     Definição de Carrier Ethernet                    7


4     Terminologia Carrier Ethernet                    9


5     Tipos de Serviços Carrier Ethernet               10


6     Fases de Desenvolvimento                         12


7     Negócio Ethernet no Mundo                        13


8     Metro Ethernet Fórum - Visão de Futuro           16


9     Conclusão                                        17


Referências                                            18


Anexo A – Empresas associadas ao MEF                   19




                                                            5
1. Introdução - Metro Ethernet Forum (MEF)


      Fundado em 2001, o Metro Ethernet Fórum (MEF) é uma organização sem
fins lucrativos, destinada e dedicada a promover e acelerar a adoção de redes e
serviços Ethernet.
      O Fórum é composto pelas principais empresas líderes prestadoras de
serviços, fabricantes de equipamentos e outras importantes organizações de
destaque no setor, que compartilham sua experiência com Metro Ethernet.
      Em 2003, o estatuto social do MEF foi ajustado para admitir a filiação de
grandes organizações corporativas, para a defesa de seus interesses de negócios e
trouxe ao grupo o profundo conhecimento das necessidades técnicas e comerciais
dos clientes, que servem como importantes diretrizes para as atividades do MEF.
      Já com doze especificações para serviços Metro Ethernet publicadas em
2005, o MEF conceituou, sob uma perspectiva global, a definição de Carrier
Ethernet.
      Com a missão de acelerar a adoção mundial de redes Carrier Ethernet e suas
classes de serviços, o MEF conta atualmente com 168 membros (Anexo A),
influenciando e avançando a indústria Carrier Ethernet.


Os principais objetivos do MEF são:


   Construir consensos e unir os prestadores de serviços, fornecedores de
   equipamentos e clientes finais sobre a definição, especificações técnicas e a
   interoperabilidade de serviços Ethernet;
   Definir procedimentos e especificações técnicas, facilitando a implementação das
   normas existentes e novas, construindo redes metropolitanas e globais Carrier
   Ethernet, verdadeiramente “carrier class”.
   Aumentar a consciência mundial sobre os benefícios dos serviços Ethernet,
   habilitando cada vez mais redes e aplicativos baseados em Ethernet.




                                                                                  6
2. Expansão global de Metro para Carrier Ethernet


      Inicialmente   os   serviços   Metro   Ethernet   foram   desenvolvidos   para
conectividade entre LANs de empresas corporativas, principalmente através de
redes óticas metropolitanas. O sucesso dos serviços Metro Ethernet ao longo dos
anos permitiu a difusão da tecnologia, ampliação de seu conceito e aplicações e que
seus serviços atravessassem redes nacionais e globais, disponibilizando redes de
acesso para uma classe muito maior de usuários, através de cabos ópticos,
metálicos (cobre) e wireless.
      Escalabilidade, rápida implantação e múltiplas aplicações para negócios,
redes residenciais e redes wireless convergindo e compartilhando a mesma infra-
estrutura e serviços resultam cada vez mais em maior economia de escala,
mantendo-se o modelo de custo e simplicidade Ethernet.
      Sob esta ótica e avançando em conectividade global, o conceito de Metro
naturalmente evoluiu para Carrier Ethernet, aliando-se aos objetivos do Fórum e
tornado sua missão, atualmente o MEF padroniza e difunde este conceito modelo ao
redor do mundo.




3. Definição de Carrier Ethernet


      Um serviço, uma rede ou uma tecnologia? O MEF define Carrier Ethernet sob
duas perspectivas: a dos Provedores de Serviços (Operadoras) e a dos Usuários
Finais (Corporativos).


      Provedores de Serviços (Operadoras): Um conjunto de elementos de redes
      certificados conectados para transportar serviços de valor agregados e
      padronizados oferecidos aos clientes (Usuários Finais)


      Usuários Finais (Corporativos): Uma única e padronizada rede de
      transporte com classes de serviços, definida por 5 atributos que se distinguem
      das LANs tradicionais baseadas em Ethernet.



                                                                                7
Os cinco atributos de Carrier Ethernet para Usuários finais são:


Serviços Padronizados: E-line (Ponto a Ponto), E-LAN (Multiponto), E-Tree (Ponto-
Multiponto), serviços LAN, Circuito privado, Circuito Privado Virtual, etc. Serviços
únicos providos localmente e globalmente através de equipamentos padronizados.
Não requer nos equipamentos no ambiente LAN do cliente, suportando
conectividade com redes mais exigentes, sensíveis ao tempo como trafego e
sinalização TDM. Ideal para convergência dados, voz e vídeo com opções de
amplas larguras de banda.


Escalabilidade: Com larguras de banda de 1Mbps até 10Gbps, é Ideal para uma
ampla variedade de negócios, informações, comunicações e aplicações de
entretenimento, com voz, vídeo e dados. Conta com serviços de acesso
Metropolitano, Nacional e Global sobre uma grande variedade de infra-estruturas
físicas implementadas por uma vasta gama de Prestadores de Serviços


Confiabilidade/Segurança: Capacitada para detectar incidentes e se recuperar,
sem impacto aos usuários, com rápido tempo de recuperação quando problemas
ocorrem (~ 50ms).


Qualidade de Serviços (QoS): Amplas opções de largura de banda e Qualidade de
Serviço com Acordo de Nível de Serviço (SLA) que garantem o desempenho e
requisitos para voz, vídeo e dados convergentes sobre redes comerciais e
residenciais


Serviços Gerenciados: A capacidade de monitorar, diagnosticar e gerenciar
centralmente a rede




                        Figura 1 – Carrier Ethernet p/ clientes finais

                                                                                8
4. Terminologia Carrier Ethernet


       As principais terminologias que compõem o serviço Carrier Ethernet estão
descritas abaixo. Elas nomeiam os elementos da topologia do serviço, porém todas
elas   possuem      “’subgrupo     de    terminologias”.      Estes        subgrupos   detalham
minuciosamente todas as componentes de determinado elemento e são descritos ao
longo das atuais 26 Especificações publicadas pelo MEF.


CE (Customer Equipment) – Equipamento do cliente
       –   Roteadores ou switches


UNI (User-to-Network Interface) - Interface Usuário-Rede
       –   Interface física ou porta – demarca a divisão entre o prestador do serviço e
           o cliente final
       –   Sempre fornecida pelo provedor
       –   Em redes Carrier Ethernet, a UNI é uma interface física com velocidades
           de 10Mbps, 100Mbps, 1Gbps ou 10Gbps.


       Na definição de Carrier Ethernet, ainda podemos dividir este termo em UNI
tipo 1, que possui configuração manual ( Especificado na MEF 13) e UNI Tipo 2, com
configuração automática e totalmente gerenciável.




                         Figura 02 – Topologia de interface usuário-rede


Ethernet Virtual Connection (EVC) - Conexão virtual Ethernet
   – Conexão de duas ou mais UNIs
   – Impede a transferência de dados entre sites que não são da mesma EVC
   – Especificado na MEF 10.1



                                                                                           9
NNI (Network-to-Network Interface) – Interfaces Rede-Rede
   – Demarca a troca de trafego entre Provedores de Serviços (NNI) e entre
       serviços providos em redes internas (I-NNI)


EVCs e Serviços - Em uma rede Carrier Ethernet, os dados são transportados
através de conexões Ponto a Ponto ou Multiponto, de acordo com os atributos e
definições dos três tipos de EVC: E-Line, E-LAN e E-Tree.




5. Tipos de serviços Carrier Ethernet


      Existem três tipos de serviços ou conexões virtuais ethernet (EVC):E-Line, E-
LAN e E-Tree. As duas primeiras existem desde o inicio e já eram definias em Metro
Ethernet. A terceira faz parte da expansão da definição Metro para Carrier Ethernet.


E-Line (Ponto a Ponto): são serviços ou conexões ponto a ponto para comunicação
e são utilizadas para prover circuitos privados Ethernet, virtuais ou não e acesso
Ethernet à internet.




                  Figura 03 – E-Line: Circuito Privado Ethernet (virtual ou não)




                        Figura 04 – E-Line: Acesso Ethernet à Internet.




                                                                                   10
E-LAN (Multiponto): conexões entre vários pontos, através de uma rede virtual
privada e transparente aos serviços LAN, ou seja, com total interoperabilidade.




                           Figura 05 – E-LAN: Rede Multiponto




E-Tree (Ponto-Multiponto): Utilizada para tecnologias que requerem este tipo de
conexão, como vídeo sob demanda (e-learning, por exemplo), aceso à internet,
aplicações para franquias etc.
Este serviço prove tráfego de dados separado por “folhas” (Leaf) ou ramos de UNIs.
O trafego originado de qualquer Leaf é mandado e recebido para “raiz” (Root),
porém nunca encaminhado para outra Leaf.
Destinado a multi-host e onde o tráfego de usuários devem ser mantidos invisíveis
para outros usuários, foi previsto para ser um facilitador para backhaul móveis e
infra-estrutura de triple-play (interconexões entre backbone de operadoras) e não
para usuário final SLAs, preferencialmente.




                        Figura 06 – E-Tree: Rede Ponto-Multiponto




                                                                                  11
6. Fases de desenvolvimento Carrier Ethernet


      Os Serviços Ethernet possuem atualmente três fases de desenvolvimento. A
primeira, “Arquitetura e Definição”, desenvolvida desde 2001 até hoje, foi onde
nasceu as definições de Serviços Ethernet, as primeiras especificações e ocorreram
as primeiras implementações. A primeira Especificação publicada foi no ano de 2003
e em 2004, nasce a definição de Carrier Ethernet
      A partir de 2005, a segunda fase “Implementação e Certificação” é
impulsionada pelo desenvolvimento em larga escala e os serviços Ethernet avançam
em redes nacionais e globais. É definido o programa de Certificação MEF, com
grande aceitação e adoção da comunidade Metro.
      A partir de 2008, a terceira fase deu inicio a “Conectividade Global”. Com a
publicação de especificações de conectividade, interface e certificações (ENNI) de
redes ao redor do mundo, houve um grande avanço nas ferramentas, aplicações e
gerencia de serviços Ethernet.




                      Figura 07 – Fases do desenvolvimento Carrier Ethernet




                                                                              12
7. Negócio Ethernet no Mundo


       Já em 2007, pesquisas apontavam um enorme progresso e aceitação no
desenvolvimento de classes de serviço (Figura 08) e a crescente adoção e expansão
de serviços Ethernet. Mais da metade dos participantes mensuravam economias de
11 a 40%, e creditava Ethernet como parte da nova geração de comunicações
metropolitanas e globais. Notava-se também a crescente oferta de serviços
baseados em Ethernet pelos Provedores de Serviços – Operadoras - (Figura 09) e
um “boom” para Metro já era esperado.
       Com uma previsão de crescimento de 16% ao ano e alavancado pelo alto
crescimento do tráfego, incluindo vídeo, os Negócios Ethernet alcançariam em 2011
o patamar de US$ 23,7 bilhões de receita (Figura 10).




                                   Figura 08 – Maturidade Ethernet para desenvolvimento de classe
                                    de serviços (Fonte: Infonetics Research, Service Provider Plans
                                   for Metro Optical and Ethernet: North America, Europe, and Asia
                                                             Pacific 2007)




Figura 09 – Maior oferta de serviços Ethernet (Fonte: Infonetics Research, Service Provider Plans for
             Metro Optical and Ethernet: North America, Europe, and Asia Pacific 2007)

                                                                                               13
Figura 10 – Mensurando o Boom Metro Ethernet (Fonte: Infonetics Research, Service Provider Plans
           for Metro Optical and Ethernet: North America, Europe, and Asia Pacific 2007)




      Dados atuais demonstram coerência e assertividade das pesquisas
anteriormente realizadas. Com o faturamento atual por volta dos US$ 20 bilhões,
resultados finais de pesquisas de 2009 apontam firmemente a receita mundial nos
Negócios Ethernet alcançará o patamar dos US$ 40,2 bilhões até 2014.




 Figura 11 – Receita Mundial Projetada 2014 (Fonte: ENS Reseach Programs – Vertical Systems –
                                              2009)




                                                                                           14
Com    os   Serviços    Ethernet    trazendo     significantes     benefícios   como
escalabilidade, controle, confiabilidade e permitindo maior desempenho na
consolidação de dados e principalmente reduzindo custos e acelerando receitas, os
Prestadores de Serviço (Operadoras) estão cada vez mais comprometidos com o
padrão Ethernet e os fornecedores de equipamentos e softwares estão ativamente
permitindo essa transição e expansão Carrier Ethernet.




                    Figura 12 – Abrangência e Alcance Carrier Ethernet




                                                                                      15
8. Metro Ethernet Fórum - Visão de Futuro


      Aplicações, conectividade e dispositivos que permitam a convergência, sob
uma mesma plataforma, provendo entretenimento, informação, dados, voz e vídeo
de qualquer lugar, seja em casa, no escritório ou em movimento, sempre conectado,
a qualquer hora, nos 365 dias do ano.
      Todos emitindo em uma alta performance onipresente, um serviço global
criando um novo mundo de comunicação com Carrier Ethernet




                    Figura 13 – MEF: Visão do Futuro Carrier Ethernet




                                                                            16
9. Conclusão


      Concluímos que os serviços Ethernet estão totalmente consolidados no
mercado mundial e em franca expansão. A adoção e aceitação dos provedores de
serviços e clientes, juntamente com o trabalho desenvolvido pelo MEF, acelerando a
adoção mundial de redes Carrier Class Ethernet, permitem a expansão da cobertura,
estendendo o alcance das redes e ampliando os serviços Ethernet.
      A rápida evolução de Serviços Ethernet nos últimos anos trouxe soluções
integradas, padronizadas e simplificadas, ferramentas de gerencia e manutenção
avançadas,   aplicações   em       classes   de   serviços,   disponibilizando   maior
acessibilidade e alavancado oportunidades estratégicas, diminuindo custos,
ampliando receitas e trazendo vantagem competitiva para empresas no mundo todo
através de uma rede globalizada.




                                                                                 17
10.    Referencias


–   “An Overview of the MEF” – April 2010
–   “MEF Quarterly Meeting – Infonetics Service Provider Panel Final” – Atlanta, April
    2008
–   “Ethernet Services Overview” – August 2008
–   Vertical Systems Research, “ENS Reseach Programs” –– 2009
–   Infonetics Research, Service Provider Plans for Metro Optical and Ethernet: North
    America, Europe, and Asia Pacific 2007
–   Ciscopress - Metro Ethernet
–   External Network Network Interface (ENNI) – Phase 1 – Technical Spacification –
    Draft 8
–   Metro Ethernet Forum Services Definitions (eline_etree_elan)
–   Metro Ethernet (Serviços Metro Ethernet). ,Dep. de Eng. Eletrônica e
    Computação UFRJ
–   www.verticalsystems.com
–   http://www.tiaonline.org/
–   http://www.infonetics.com/research.asp
–   http://www.gta.ufrj.br/grad/04_2/metro/
–   www.metroethernetforum.org
–   http://en.wikipedia.org/wiki/Carrier_Ethernet
–   http://en.wikipedia.org/wiki/Time-division_multiplexing
–   http://pt.wikipedia.org/wiki/Backhaul
–   http://en.wikipedia.org/wiki/OA&M
–   http://pt.wikipedia.org/wiki/IPTV
–   http://en.wikipedia.org/wiki/Multiple_system_operator
–   http://blog.ccna.com.br/2008/04/27/metro-ethernet/




                                                                                 18
ANEXO A – Empresas Associadas ao MEF
Indústria Carrier Ethernet


Provedores de Serviços (Operadoras)
AboveNet Communications          Covad                    P&T Luxembourg            Symphony
Alpheus Communications           Cox Business             Pipe Networks             Communication
Amcom                            DE-CIX                   PT Indonesia Comnets      TATA Communications
Ancotel                          Deutsche Telekom         Plus                      Telecom Italia
AT&T                             Equinix                  PT Inovação               Telecom NZ
Belgacom                         EuroFiber                PT Prime                  Telefonica
Bell Canada                      Global Crossing          PT Telecom Indonesia      Telekom Malaysia
Bright House Networks            Globe Telecom            Qwest Communications      Teliasonera AB
British Telecom                  GlobeNet                 RCN Business Solutions    Telstra
Broadnet                         Kordia                   Reliance Communications   Telus
CenturyLink                      KPN Telecom              Rogers                    Telx
CENX                             Level 3 Communications   SIN                       Time Warner Cable
Charter Communications           Mediacom                 Shaw Business Solutions   TW Telecom
China Telecom                    NECA                     SingTel                   Uecomm
Cincinnati Bell                  Neos Networks            Sprint                    US Signal
Colt                             NTT                      Starhub                   Verizon Business
Comcast                          Optimum Lightpath        Swisscom                  Virgin Media
CoStreet                         Orange                                             XO Communications




Fornecedores de Equipamentos, Softwares, Testes e Laboratórios
Accedian Networks                Connection Technology    Intune Networks           SMC Networks
Actelis Networks                 Systems                  Iometrix                  Spirent Communications
Adtran                           CTC Union                IP Infusion               Suminet (Sumitomo Electric
Adva Optical Networking          D-Link                   Ixia                      Networks)
Afore Solutions                  Datacom                  JDSU                      Sunrise Telecom
Agilent Technologies             Dowslake Microsystems    Juniper Networks          Sycamore Networks
Albis Technologies               DragonWave               KDDI R&D Labs             Symmetricom
Alcatel- Lucent                  EANTC                    Maxim                     T | Pack
Allied Telysis                   ECI Telecom              Motorola                  Tail-f
Alloptic                         Ericsson                 MRV Communications        Tejas Networks
ANDA Networks                    EXFO                     Nakina Systems            Teknovus
ARRIS International              Extreme Networks         NEC                       Telco Systems
Aurora Networks                  FHN                      NetO2                     Telcordia Technologies
Aviat                            Force 10 Networks        Neutral Tandem            Tellabs
Axerra Networks                  Fujitsu Network          Nokia Siemens Networks    Telrad Networks
Bridgewave                       Communications           Nortel Networks Corp.     Teragate
Broadcom                         Hatteras Networks        Occam Networks            Tollgrade
Brocade                          Hitachi Cable            Omnitron Systems          Transition Networks
BTI Systems                      Hitachi Communication    OneAccess                 Transmode Optical
CableLabs                        Technologies America     Orckit Corrigent          UNH-IOL
Calix                            Huawei Technologies      Overture Networks         UTStarcom
Canoga Perkins                   IBM                      Positron                  Vitesse
Ceragon Networks                 IMC Networks             RAD Data Communications   Zarlink Semiconductor
Ciena Corporation                Infinera                 Raisecom                  Zhone
Cisco                            InfoVista                Sagem Communications      ZTE Corporation
                                 Intracom Telecom         siae microelettronica     Zyxel Communications




                      Fonte: “An Over View of the MEF – MEF Membership – Abril 2010”


                                                                                                        19

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

(Médias de communications)
(Médias de communications)(Médias de communications)
(Médias de communications)
Anouar Abtoy
 
Arquitetura de Redes de Computadores
 Arquitetura de Redes de Computadores Arquitetura de Redes de Computadores
Arquitetura de Redes de Computadores
Ana Julia F Alves Ferreira
 
Michael Moore e a teoria da distância transaccional
Michael Moore e a teoria da distância transaccionalMichael Moore e a teoria da distância transaccional
Michael Moore e a teoria da distância transaccional
João Pinto
 
Ethernet regras de segmentação-miguel ferreira
Ethernet regras de segmentação-miguel ferreiraEthernet regras de segmentação-miguel ferreira
Ethernet regras de segmentação-miguel ferreira
Miguel Ferreira
 
Rota Estática / Link State / Vetor de Distância
Rota Estática / Link State / Vetor de DistânciaRota Estática / Link State / Vetor de Distância
Rota Estática / Link State / Vetor de Distância
Rodrigo Rovere - CCIE RS
 
Modelo OSI
Modelo OSIModelo OSI
Modelo OSI
Ricardo Batista
 
Opnet lab 2 solutions
Opnet lab 2 solutionsOpnet lab 2 solutions
Opnet lab 2 solutions
حيدر نافع nafaa
 
Projeto de Rede Local (LAN)
Projeto de Rede Local (LAN)Projeto de Rede Local (LAN)
Projeto de Rede Local (LAN)
Ferramentas Didáticas
 
PROJETO DE REDE
PROJETO DE REDEPROJETO DE REDE
PROJETO DE REDE
WELLINGTON MARTINS
 
Fibras opticas
Fibras opticasFibras opticas
Fibras opticas
Josué D'Castro
 
Redes de-computadores-tipos-de-redes
Redes de-computadores-tipos-de-redesRedes de-computadores-tipos-de-redes
Redes de-computadores-tipos-de-redes
Leonardo Bruno
 
Trabalho camada de transporte
Trabalho camada de transporteTrabalho camada de transporte
Trabalho camada de transporte
Aluno QI - Escolas e Faculdades - bObY
 
Camada De Aplicação
Camada De AplicaçãoCamada De Aplicação
Camada De Aplicação
Lyous
 
258420 projeto-de-rede-local
258420 projeto-de-rede-local258420 projeto-de-rede-local
258420 projeto-de-rede-local
Cezar Ceretta
 
Articulação de quadril
Articulação de quadrilArticulação de quadril
Articulação de quadril
Adriane Cunha
 
Aula 02 meios de comunicação de dados
Aula 02 meios de comunicação de dadosAula 02 meios de comunicação de dados
Aula 02 meios de comunicação de dados
Jorge Ávila Miranda
 
Apostila.de.redes. .cabeamento.e.estruturado
Apostila.de.redes. .cabeamento.e.estruturadoApostila.de.redes. .cabeamento.e.estruturado
Apostila.de.redes. .cabeamento.e.estruturado
jpl200
 

Mais procurados (17)

(Médias de communications)
(Médias de communications)(Médias de communications)
(Médias de communications)
 
Arquitetura de Redes de Computadores
 Arquitetura de Redes de Computadores Arquitetura de Redes de Computadores
Arquitetura de Redes de Computadores
 
Michael Moore e a teoria da distância transaccional
Michael Moore e a teoria da distância transaccionalMichael Moore e a teoria da distância transaccional
Michael Moore e a teoria da distância transaccional
 
Ethernet regras de segmentação-miguel ferreira
Ethernet regras de segmentação-miguel ferreiraEthernet regras de segmentação-miguel ferreira
Ethernet regras de segmentação-miguel ferreira
 
Rota Estática / Link State / Vetor de Distância
Rota Estática / Link State / Vetor de DistânciaRota Estática / Link State / Vetor de Distância
Rota Estática / Link State / Vetor de Distância
 
Modelo OSI
Modelo OSIModelo OSI
Modelo OSI
 
Opnet lab 2 solutions
Opnet lab 2 solutionsOpnet lab 2 solutions
Opnet lab 2 solutions
 
Projeto de Rede Local (LAN)
Projeto de Rede Local (LAN)Projeto de Rede Local (LAN)
Projeto de Rede Local (LAN)
 
PROJETO DE REDE
PROJETO DE REDEPROJETO DE REDE
PROJETO DE REDE
 
Fibras opticas
Fibras opticasFibras opticas
Fibras opticas
 
Redes de-computadores-tipos-de-redes
Redes de-computadores-tipos-de-redesRedes de-computadores-tipos-de-redes
Redes de-computadores-tipos-de-redes
 
Trabalho camada de transporte
Trabalho camada de transporteTrabalho camada de transporte
Trabalho camada de transporte
 
Camada De Aplicação
Camada De AplicaçãoCamada De Aplicação
Camada De Aplicação
 
258420 projeto-de-rede-local
258420 projeto-de-rede-local258420 projeto-de-rede-local
258420 projeto-de-rede-local
 
Articulação de quadril
Articulação de quadrilArticulação de quadril
Articulação de quadril
 
Aula 02 meios de comunicação de dados
Aula 02 meios de comunicação de dadosAula 02 meios de comunicação de dados
Aula 02 meios de comunicação de dados
 
Apostila.de.redes. .cabeamento.e.estruturado
Apostila.de.redes. .cabeamento.e.estruturadoApostila.de.redes. .cabeamento.e.estruturado
Apostila.de.redes. .cabeamento.e.estruturado
 

Destaque

MCommerce insights on Brazil
MCommerce insights on BrazilMCommerce insights on Brazil
MCommerce insights on Brazil
Rafael Pellon
 
02 wtr2012-carrier ethernet-jab
02 wtr2012-carrier ethernet-jab02 wtr2012-carrier ethernet-jab
02 wtr2012-carrier ethernet-jab
Ivanise Leite
 
Introdução a Redes de Computadores
Introdução a Redes de ComputadoresIntrodução a Redes de Computadores
Introdução a Redes de Computadores
Marcio Paciello Paruolo
 
Aula 5 rede de computadores
Aula 5   rede de computadoresAula 5   rede de computadores
Aula 5 rede de computadores
rhomelio1
 
Mef latam connects 3
Mef latam connects 3Mef latam connects 3
Mef latam connects 3
Mobile Entertainment Forum LATAM
 
Protolos Ethernet e PPP
Protolos Ethernet e PPPProtolos Ethernet e PPP
Protolos Ethernet e PPP
Kelve Aragão
 
VAS no Brasil: Desafios e Tendências em 2014
VAS no Brasil: Desafios e Tendências em 2014VAS no Brasil: Desafios e Tendências em 2014
VAS no Brasil: Desafios e Tendências em 2014
Rafael Pellon
 
Benefícios da comunicação integrada com Ethernet Industrial: Uso de Ethernet ...
Benefícios da comunicação integrada com Ethernet Industrial: Uso de Ethernet ...Benefícios da comunicação integrada com Ethernet Industrial: Uso de Ethernet ...
Benefícios da comunicação integrada com Ethernet Industrial: Uso de Ethernet ...
senaimais
 
Metro Ethernet - MBTI-e
Metro Ethernet - MBTI-eMetro Ethernet - MBTI-e
Metro Ethernet - MBTI-e
Felipe Plattek
 
Colt wholesale vpn customer presentation
Colt wholesale vpn customer presentationColt wholesale vpn customer presentation
Colt wholesale vpn customer presentation
acaiani
 

Destaque (10)

MCommerce insights on Brazil
MCommerce insights on BrazilMCommerce insights on Brazil
MCommerce insights on Brazil
 
02 wtr2012-carrier ethernet-jab
02 wtr2012-carrier ethernet-jab02 wtr2012-carrier ethernet-jab
02 wtr2012-carrier ethernet-jab
 
Introdução a Redes de Computadores
Introdução a Redes de ComputadoresIntrodução a Redes de Computadores
Introdução a Redes de Computadores
 
Aula 5 rede de computadores
Aula 5   rede de computadoresAula 5   rede de computadores
Aula 5 rede de computadores
 
Mef latam connects 3
Mef latam connects 3Mef latam connects 3
Mef latam connects 3
 
Protolos Ethernet e PPP
Protolos Ethernet e PPPProtolos Ethernet e PPP
Protolos Ethernet e PPP
 
VAS no Brasil: Desafios e Tendências em 2014
VAS no Brasil: Desafios e Tendências em 2014VAS no Brasil: Desafios e Tendências em 2014
VAS no Brasil: Desafios e Tendências em 2014
 
Benefícios da comunicação integrada com Ethernet Industrial: Uso de Ethernet ...
Benefícios da comunicação integrada com Ethernet Industrial: Uso de Ethernet ...Benefícios da comunicação integrada com Ethernet Industrial: Uso de Ethernet ...
Benefícios da comunicação integrada com Ethernet Industrial: Uso de Ethernet ...
 
Metro Ethernet - MBTI-e
Metro Ethernet - MBTI-eMetro Ethernet - MBTI-e
Metro Ethernet - MBTI-e
 
Colt wholesale vpn customer presentation
Colt wholesale vpn customer presentationColt wholesale vpn customer presentation
Colt wholesale vpn customer presentation
 

Semelhante a Carrier Ethernet

CONCEITOS E APLICAÇÕES DE REDES MEC
CONCEITOS E APLICAÇÕES DE REDES MECCONCEITOS E APLICAÇÕES DE REDES MEC
CONCEITOS E APLICAÇÕES DE REDES MEC
Júlio César Magro
 
Panorama Geral e Tendências em Redes IP - I Workshop CPqD de Inovação Tecnoló...
Panorama Geral e Tendências em Redes IP - I Workshop CPqD de Inovação Tecnoló...Panorama Geral e Tendências em Redes IP - I Workshop CPqD de Inovação Tecnoló...
Panorama Geral e Tendências em Redes IP - I Workshop CPqD de Inovação Tecnoló...
CPqD
 
LTE (Long Term Evolution) - 4G
LTE (Long Term Evolution) - 4GLTE (Long Term Evolution) - 4G
LTE (Long Term Evolution) - 4G
Rafael Berto
 
Arquiteturas 5G
Arquiteturas 5GArquiteturas 5G
Exec 1 resenha
Exec 1 resenhaExec 1 resenha
Exec 1 resenha
Halysson Ferreira
 
Convergencia art02
Convergencia art02Convergencia art02
Convergencia art02
Gabriel Martins
 
CONCEITOS E APLICAÇÕES DE REDES MEC
CONCEITOS E APLICAÇÕES DE REDES MECCONCEITOS E APLICAÇÕES DE REDES MEC
CONCEITOS E APLICAÇÕES DE REDES MEC
Júlio César Magro
 
802.3z ab
802.3z ab802.3z ab
802.3z ab
netcax
 
Proposta técnica - TTH Telecom
Proposta técnica - TTH TelecomProposta técnica - TTH Telecom
Proposta técnica - TTH Telecom
Leonardo de Paula
 
Cala webinar on mbh august por 2012 - v02 pt-br-1
Cala webinar on mbh   august por 2012 - v02 pt-br-1Cala webinar on mbh   august por 2012 - v02 pt-br-1
Cala webinar on mbh august por 2012 - v02 pt-br-1
Rafael Junquera
 
Redes A
Redes ARedes A
Redes A
guest027ef6
 
Cd a5 072
Cd a5 072Cd a5 072
Cd a5 072
redesinforma
 
IMS – IP Multimedia Subsystem como solução de convergência para redes heterog...
IMS – IP Multimedia Subsystem como solução de convergência para redes heterog...IMS – IP Multimedia Subsystem como solução de convergência para redes heterog...
IMS – IP Multimedia Subsystem como solução de convergência para redes heterog...
Rivaldo Guedes Corrêa. Jr
 
Vanets
VanetsVanets
Módulo de Análise de Parâmetros de Qualidade de Serviço em Aplicações de Áudi...
Módulo de Análise de Parâmetros de Qualidade de Serviço em Aplicações de Áudi...Módulo de Análise de Parâmetros de Qualidade de Serviço em Aplicações de Áudi...
Módulo de Análise de Parâmetros de Qualidade de Serviço em Aplicações de Áudi...
Júlio César Magro
 
Curso de redes_cisco
Curso de redes_ciscoCurso de redes_cisco
Curso de redes_cisco
Leandro Frezarini
 
Introdução LTE - Teleco EMERSON EDUARDO RODRIGUES
Introdução LTE - Teleco EMERSON EDUARDO RODRIGUESIntrodução LTE - Teleco EMERSON EDUARDO RODRIGUES
Introdução LTE - Teleco EMERSON EDUARDO RODRIGUES
EMERSON EDUARDO RODRIGUES
 
E book ethernet
E book ethernetE book ethernet
E book ethernet
Lucas
 
4G Comunicação Móvel
4G Comunicação Móvel4G Comunicação Móvel
4G Comunicação Móvel
Kleber Bernardo
 
Iscad ti 2010_2011_4 - comunicacoes
Iscad ti 2010_2011_4 - comunicacoesIscad ti 2010_2011_4 - comunicacoes
Iscad ti 2010_2011_4 - comunicacoes
Luis Vidigal
 

Semelhante a Carrier Ethernet (20)

CONCEITOS E APLICAÇÕES DE REDES MEC
CONCEITOS E APLICAÇÕES DE REDES MECCONCEITOS E APLICAÇÕES DE REDES MEC
CONCEITOS E APLICAÇÕES DE REDES MEC
 
Panorama Geral e Tendências em Redes IP - I Workshop CPqD de Inovação Tecnoló...
Panorama Geral e Tendências em Redes IP - I Workshop CPqD de Inovação Tecnoló...Panorama Geral e Tendências em Redes IP - I Workshop CPqD de Inovação Tecnoló...
Panorama Geral e Tendências em Redes IP - I Workshop CPqD de Inovação Tecnoló...
 
LTE (Long Term Evolution) - 4G
LTE (Long Term Evolution) - 4GLTE (Long Term Evolution) - 4G
LTE (Long Term Evolution) - 4G
 
Arquiteturas 5G
Arquiteturas 5GArquiteturas 5G
Arquiteturas 5G
 
Exec 1 resenha
Exec 1 resenhaExec 1 resenha
Exec 1 resenha
 
Convergencia art02
Convergencia art02Convergencia art02
Convergencia art02
 
CONCEITOS E APLICAÇÕES DE REDES MEC
CONCEITOS E APLICAÇÕES DE REDES MECCONCEITOS E APLICAÇÕES DE REDES MEC
CONCEITOS E APLICAÇÕES DE REDES MEC
 
802.3z ab
802.3z ab802.3z ab
802.3z ab
 
Proposta técnica - TTH Telecom
Proposta técnica - TTH TelecomProposta técnica - TTH Telecom
Proposta técnica - TTH Telecom
 
Cala webinar on mbh august por 2012 - v02 pt-br-1
Cala webinar on mbh   august por 2012 - v02 pt-br-1Cala webinar on mbh   august por 2012 - v02 pt-br-1
Cala webinar on mbh august por 2012 - v02 pt-br-1
 
Redes A
Redes ARedes A
Redes A
 
Cd a5 072
Cd a5 072Cd a5 072
Cd a5 072
 
IMS – IP Multimedia Subsystem como solução de convergência para redes heterog...
IMS – IP Multimedia Subsystem como solução de convergência para redes heterog...IMS – IP Multimedia Subsystem como solução de convergência para redes heterog...
IMS – IP Multimedia Subsystem como solução de convergência para redes heterog...
 
Vanets
VanetsVanets
Vanets
 
Módulo de Análise de Parâmetros de Qualidade de Serviço em Aplicações de Áudi...
Módulo de Análise de Parâmetros de Qualidade de Serviço em Aplicações de Áudi...Módulo de Análise de Parâmetros de Qualidade de Serviço em Aplicações de Áudi...
Módulo de Análise de Parâmetros de Qualidade de Serviço em Aplicações de Áudi...
 
Curso de redes_cisco
Curso de redes_ciscoCurso de redes_cisco
Curso de redes_cisco
 
Introdução LTE - Teleco EMERSON EDUARDO RODRIGUES
Introdução LTE - Teleco EMERSON EDUARDO RODRIGUESIntrodução LTE - Teleco EMERSON EDUARDO RODRIGUES
Introdução LTE - Teleco EMERSON EDUARDO RODRIGUES
 
E book ethernet
E book ethernetE book ethernet
E book ethernet
 
4G Comunicação Móvel
4G Comunicação Móvel4G Comunicação Móvel
4G Comunicação Móvel
 
Iscad ti 2010_2011_4 - comunicacoes
Iscad ti 2010_2011_4 - comunicacoesIscad ti 2010_2011_4 - comunicacoes
Iscad ti 2010_2011_4 - comunicacoes
 

Mais de Marco Antonio Maciel

TDC 2015 - Java 8 rodando em 256KB de RAM
TDC 2015 - Java 8 rodando em 256KB de RAMTDC 2015 - Java 8 rodando em 256KB de RAM
TDC 2015 - Java 8 rodando em 256KB de RAM
Marco Antonio Maciel
 
Desenvolvendo Produtos para Internet das Coisas
Desenvolvendo Produtos para Internet das CoisasDesenvolvendo Produtos para Internet das Coisas
Desenvolvendo Produtos para Internet das Coisas
Marco Antonio Maciel
 
TDC 2015 - Java 8 em 256 KB de memória RAM
TDC 2015 - Java 8 em 256 KB de memória RAMTDC 2015 - Java 8 em 256 KB de memória RAM
TDC 2015 - Java 8 em 256 KB de memória RAM
Marco Antonio Maciel
 
Tweet4Beer (atualizada): Torneira de Chopp Controlada por Java, JavaFX, IoT ...
Tweet4Beer (atualizada): Torneira de Chopp Controlada por Java, JavaFX, IoT ...Tweet4Beer (atualizada): Torneira de Chopp Controlada por Java, JavaFX, IoT ...
Tweet4Beer (atualizada): Torneira de Chopp Controlada por Java, JavaFX, IoT ...
Marco Antonio Maciel
 
Plataforma Java Embedded & Internet of Things (IoT)
Plataforma Java Embedded & Internet of Things (IoT)Plataforma Java Embedded & Internet of Things (IoT)
Plataforma Java Embedded & Internet of Things (IoT)
Marco Antonio Maciel
 
TV Digital Interativa & IoT - TDC 2014
TV Digital Interativa & IoT - TDC 2014TV Digital Interativa & IoT - TDC 2014
TV Digital Interativa & IoT - TDC 2014
Marco Antonio Maciel
 
Introdução à plataforma Java Embedded & IoT
Introdução à plataforma Java Embedded & IoTIntrodução à plataforma Java Embedded & IoT
Introdução à plataforma Java Embedded & IoT
Marco Antonio Maciel
 
Java Tweet for Beer! Chopeira controlada com Java, JavaFX, e IoT!
Java Tweet for Beer! Chopeira controlada com Java, JavaFX, e IoT!Java Tweet for Beer! Chopeira controlada com Java, JavaFX, e IoT!
Java Tweet for Beer! Chopeira controlada com Java, JavaFX, e IoT!
Marco Antonio Maciel
 
OEP - Oracle Event Processing para Java Embedded
OEP - Oracle Event Processing para Java EmbeddedOEP - Oracle Event Processing para Java Embedded
OEP - Oracle Event Processing para Java Embedded
Marco Antonio Maciel
 
O Aduino ama a Internet - TDC 2012
O Aduino ama a Internet - TDC 2012O Aduino ama a Internet - TDC 2012
O Aduino ama a Internet - TDC 2012
Marco Antonio Maciel
 
PHP e Robótica com Arduino - TDC 2012
PHP e Robótica com Arduino - TDC 2012PHP e Robótica com Arduino - TDC 2012
PHP e Robótica com Arduino - TDC 2012
Marco Antonio Maciel
 
Robótica e PHP com Arduino - PHPn' Rio 2011
Robótica e PHP com Arduino - PHPn' Rio 2011Robótica e PHP com Arduino - PHPn' Rio 2011
Robótica e PHP com Arduino - PHPn' Rio 2011
Marco Antonio Maciel
 
Arduino, Robótica e Computação nas Nuvens
Arduino, Robótica e Computação nas NuvensArduino, Robótica e Computação nas Nuvens
Arduino, Robótica e Computação nas Nuvens
Marco Antonio Maciel
 
Segurança e Certificação Digital
Segurança e Certificação DigitalSegurança e Certificação Digital
Segurança e Certificação Digital
Marco Antonio Maciel
 
Online Atlas Of Cancer Mortality
Online Atlas Of Cancer MortalityOnline Atlas Of Cancer Mortality
Online Atlas Of Cancer Mortality
Marco Antonio Maciel
 
Balanced Scorecard
Balanced ScorecardBalanced Scorecard
Balanced Scorecard
Marco Antonio Maciel
 
Uso de Critérios de Seleção para Frameworks Livres em Plataforma Java EE
Uso de Critérios de Seleção para Frameworks Livres em Plataforma Java EEUso de Critérios de Seleção para Frameworks Livres em Plataforma Java EE
Uso de Critérios de Seleção para Frameworks Livres em Plataforma Java EE
Marco Antonio Maciel
 
Mobile Commerce
Mobile CommerceMobile Commerce
Mobile Commerce
Marco Antonio Maciel
 

Mais de Marco Antonio Maciel (18)

TDC 2015 - Java 8 rodando em 256KB de RAM
TDC 2015 - Java 8 rodando em 256KB de RAMTDC 2015 - Java 8 rodando em 256KB de RAM
TDC 2015 - Java 8 rodando em 256KB de RAM
 
Desenvolvendo Produtos para Internet das Coisas
Desenvolvendo Produtos para Internet das CoisasDesenvolvendo Produtos para Internet das Coisas
Desenvolvendo Produtos para Internet das Coisas
 
TDC 2015 - Java 8 em 256 KB de memória RAM
TDC 2015 - Java 8 em 256 KB de memória RAMTDC 2015 - Java 8 em 256 KB de memória RAM
TDC 2015 - Java 8 em 256 KB de memória RAM
 
Tweet4Beer (atualizada): Torneira de Chopp Controlada por Java, JavaFX, IoT ...
Tweet4Beer (atualizada): Torneira de Chopp Controlada por Java, JavaFX, IoT ...Tweet4Beer (atualizada): Torneira de Chopp Controlada por Java, JavaFX, IoT ...
Tweet4Beer (atualizada): Torneira de Chopp Controlada por Java, JavaFX, IoT ...
 
Plataforma Java Embedded & Internet of Things (IoT)
Plataforma Java Embedded & Internet of Things (IoT)Plataforma Java Embedded & Internet of Things (IoT)
Plataforma Java Embedded & Internet of Things (IoT)
 
TV Digital Interativa & IoT - TDC 2014
TV Digital Interativa & IoT - TDC 2014TV Digital Interativa & IoT - TDC 2014
TV Digital Interativa & IoT - TDC 2014
 
Introdução à plataforma Java Embedded & IoT
Introdução à plataforma Java Embedded & IoTIntrodução à plataforma Java Embedded & IoT
Introdução à plataforma Java Embedded & IoT
 
Java Tweet for Beer! Chopeira controlada com Java, JavaFX, e IoT!
Java Tweet for Beer! Chopeira controlada com Java, JavaFX, e IoT!Java Tweet for Beer! Chopeira controlada com Java, JavaFX, e IoT!
Java Tweet for Beer! Chopeira controlada com Java, JavaFX, e IoT!
 
OEP - Oracle Event Processing para Java Embedded
OEP - Oracle Event Processing para Java EmbeddedOEP - Oracle Event Processing para Java Embedded
OEP - Oracle Event Processing para Java Embedded
 
O Aduino ama a Internet - TDC 2012
O Aduino ama a Internet - TDC 2012O Aduino ama a Internet - TDC 2012
O Aduino ama a Internet - TDC 2012
 
PHP e Robótica com Arduino - TDC 2012
PHP e Robótica com Arduino - TDC 2012PHP e Robótica com Arduino - TDC 2012
PHP e Robótica com Arduino - TDC 2012
 
Robótica e PHP com Arduino - PHPn' Rio 2011
Robótica e PHP com Arduino - PHPn' Rio 2011Robótica e PHP com Arduino - PHPn' Rio 2011
Robótica e PHP com Arduino - PHPn' Rio 2011
 
Arduino, Robótica e Computação nas Nuvens
Arduino, Robótica e Computação nas NuvensArduino, Robótica e Computação nas Nuvens
Arduino, Robótica e Computação nas Nuvens
 
Segurança e Certificação Digital
Segurança e Certificação DigitalSegurança e Certificação Digital
Segurança e Certificação Digital
 
Online Atlas Of Cancer Mortality
Online Atlas Of Cancer MortalityOnline Atlas Of Cancer Mortality
Online Atlas Of Cancer Mortality
 
Balanced Scorecard
Balanced ScorecardBalanced Scorecard
Balanced Scorecard
 
Uso de Critérios de Seleção para Frameworks Livres em Plataforma Java EE
Uso de Critérios de Seleção para Frameworks Livres em Plataforma Java EEUso de Critérios de Seleção para Frameworks Livres em Plataforma Java EE
Uso de Critérios de Seleção para Frameworks Livres em Plataforma Java EE
 
Mobile Commerce
Mobile CommerceMobile Commerce
Mobile Commerce
 

Carrier Ethernet

  • 1. Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica MBA em Tecnologia da Informação Executivo Ana Cristina das Neves Izidoro Giselle Lambert Marco Antonio de Azevedo Maciel Michael Martins Reinaldo Santana Carrier Ethernet – Expansão Global de Serviços Ethernet Trabalho apresentado à disciplina de Redes de Comunicação do curso MBA em Tecnoligia da Informação – MBTIe – da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ Orientador: Prof. José Ferreira de Rezende. MBTIe Março de 2010
  • 2. RESUMO Este trabalho tem por objetivo apresentar os avanços da conectividade global através de Serviços Ethernet e sua evolução. Apresenta a perspectiva do Metro Ethernet Forum para a expansão das definições Metro para Carrier Ethernet, sua terminologia e tipos de serviço, além de um panorama sobre as tendências nos próximos anos do Negócio Ethernet no mundo. Palavras-Chave: Ethernet, Metro Ethernet, Metro Ethernet Forum, Carrier Ethernet, 2
  • 3. SIGLAS MEF – Metro Ethernet Forum LAN – Local Area Network E-Line – Linha Ethernet TDM – Time-Division Multiplexing Mbps – Megabit por segundo Gbps – Gibabit por segundo E-LAN - Rede Multiponto Ethernet QoS – Quality of Service SLA – Service Level Agreement CE – Customer Equipment UNI – User-to-Network Interface EVC – Ethernet Virtual Connection NNI – Network-to-Network Interface E-Tree – Rede Ponto Multiponto Ethernet AO&M – Operations, Administration, and Management ENNI – Ethernet Network-Network Interface CAGR - Compound Annual Growth Rate 3
  • 4. ÍNDICE DE FIGURAS Figura 01 – Carrier Ethernet p/ clientes finais 8 Figura 02 – Topologia de interface usuário-rede 9 Figura 03 – E-Line: Circuito Privado Ethernet (virtual ou não) 10 Figura 04– E-Line: Acesso Ethernet à Internet. 10 Figura 05 – E-LAN: Rede Multiponto 11 Figura 06 – E-Tree: Rede Ponto-Multiponto 11 Figura 07 – Fases do desenvolvimento Carrier Ethernet 12 Figura 08 – Maturidade Ethernet para desenvolvimento de classe de serviços 13 Figura 09 – Maior oferta de serviços Ethernet 13 Figura 10 – Mensurando o Boom Metro Ethernet 14 Figura 11 – Receita Mundial Projetada 2014 14 Figura 12 – Abrangência e Alcance Carrier Ethernet 15 Figura 13 – MEF: Visão do Futuro Carrier Ethernet 16 4
  • 5. SUMÁRIO 1 Introdução - Metro Ethernet Forum (MEF) 6 2 Expansão Global de Metro para Carrier Ethernet 7 3 Definição de Carrier Ethernet 7 4 Terminologia Carrier Ethernet 9 5 Tipos de Serviços Carrier Ethernet 10 6 Fases de Desenvolvimento 12 7 Negócio Ethernet no Mundo 13 8 Metro Ethernet Fórum - Visão de Futuro 16 9 Conclusão 17 Referências 18 Anexo A – Empresas associadas ao MEF 19 5
  • 6. 1. Introdução - Metro Ethernet Forum (MEF) Fundado em 2001, o Metro Ethernet Fórum (MEF) é uma organização sem fins lucrativos, destinada e dedicada a promover e acelerar a adoção de redes e serviços Ethernet. O Fórum é composto pelas principais empresas líderes prestadoras de serviços, fabricantes de equipamentos e outras importantes organizações de destaque no setor, que compartilham sua experiência com Metro Ethernet. Em 2003, o estatuto social do MEF foi ajustado para admitir a filiação de grandes organizações corporativas, para a defesa de seus interesses de negócios e trouxe ao grupo o profundo conhecimento das necessidades técnicas e comerciais dos clientes, que servem como importantes diretrizes para as atividades do MEF. Já com doze especificações para serviços Metro Ethernet publicadas em 2005, o MEF conceituou, sob uma perspectiva global, a definição de Carrier Ethernet. Com a missão de acelerar a adoção mundial de redes Carrier Ethernet e suas classes de serviços, o MEF conta atualmente com 168 membros (Anexo A), influenciando e avançando a indústria Carrier Ethernet. Os principais objetivos do MEF são: Construir consensos e unir os prestadores de serviços, fornecedores de equipamentos e clientes finais sobre a definição, especificações técnicas e a interoperabilidade de serviços Ethernet; Definir procedimentos e especificações técnicas, facilitando a implementação das normas existentes e novas, construindo redes metropolitanas e globais Carrier Ethernet, verdadeiramente “carrier class”. Aumentar a consciência mundial sobre os benefícios dos serviços Ethernet, habilitando cada vez mais redes e aplicativos baseados em Ethernet. 6
  • 7. 2. Expansão global de Metro para Carrier Ethernet Inicialmente os serviços Metro Ethernet foram desenvolvidos para conectividade entre LANs de empresas corporativas, principalmente através de redes óticas metropolitanas. O sucesso dos serviços Metro Ethernet ao longo dos anos permitiu a difusão da tecnologia, ampliação de seu conceito e aplicações e que seus serviços atravessassem redes nacionais e globais, disponibilizando redes de acesso para uma classe muito maior de usuários, através de cabos ópticos, metálicos (cobre) e wireless. Escalabilidade, rápida implantação e múltiplas aplicações para negócios, redes residenciais e redes wireless convergindo e compartilhando a mesma infra- estrutura e serviços resultam cada vez mais em maior economia de escala, mantendo-se o modelo de custo e simplicidade Ethernet. Sob esta ótica e avançando em conectividade global, o conceito de Metro naturalmente evoluiu para Carrier Ethernet, aliando-se aos objetivos do Fórum e tornado sua missão, atualmente o MEF padroniza e difunde este conceito modelo ao redor do mundo. 3. Definição de Carrier Ethernet Um serviço, uma rede ou uma tecnologia? O MEF define Carrier Ethernet sob duas perspectivas: a dos Provedores de Serviços (Operadoras) e a dos Usuários Finais (Corporativos). Provedores de Serviços (Operadoras): Um conjunto de elementos de redes certificados conectados para transportar serviços de valor agregados e padronizados oferecidos aos clientes (Usuários Finais) Usuários Finais (Corporativos): Uma única e padronizada rede de transporte com classes de serviços, definida por 5 atributos que se distinguem das LANs tradicionais baseadas em Ethernet. 7
  • 8. Os cinco atributos de Carrier Ethernet para Usuários finais são: Serviços Padronizados: E-line (Ponto a Ponto), E-LAN (Multiponto), E-Tree (Ponto- Multiponto), serviços LAN, Circuito privado, Circuito Privado Virtual, etc. Serviços únicos providos localmente e globalmente através de equipamentos padronizados. Não requer nos equipamentos no ambiente LAN do cliente, suportando conectividade com redes mais exigentes, sensíveis ao tempo como trafego e sinalização TDM. Ideal para convergência dados, voz e vídeo com opções de amplas larguras de banda. Escalabilidade: Com larguras de banda de 1Mbps até 10Gbps, é Ideal para uma ampla variedade de negócios, informações, comunicações e aplicações de entretenimento, com voz, vídeo e dados. Conta com serviços de acesso Metropolitano, Nacional e Global sobre uma grande variedade de infra-estruturas físicas implementadas por uma vasta gama de Prestadores de Serviços Confiabilidade/Segurança: Capacitada para detectar incidentes e se recuperar, sem impacto aos usuários, com rápido tempo de recuperação quando problemas ocorrem (~ 50ms). Qualidade de Serviços (QoS): Amplas opções de largura de banda e Qualidade de Serviço com Acordo de Nível de Serviço (SLA) que garantem o desempenho e requisitos para voz, vídeo e dados convergentes sobre redes comerciais e residenciais Serviços Gerenciados: A capacidade de monitorar, diagnosticar e gerenciar centralmente a rede Figura 1 – Carrier Ethernet p/ clientes finais 8
  • 9. 4. Terminologia Carrier Ethernet As principais terminologias que compõem o serviço Carrier Ethernet estão descritas abaixo. Elas nomeiam os elementos da topologia do serviço, porém todas elas possuem “’subgrupo de terminologias”. Estes subgrupos detalham minuciosamente todas as componentes de determinado elemento e são descritos ao longo das atuais 26 Especificações publicadas pelo MEF. CE (Customer Equipment) – Equipamento do cliente – Roteadores ou switches UNI (User-to-Network Interface) - Interface Usuário-Rede – Interface física ou porta – demarca a divisão entre o prestador do serviço e o cliente final – Sempre fornecida pelo provedor – Em redes Carrier Ethernet, a UNI é uma interface física com velocidades de 10Mbps, 100Mbps, 1Gbps ou 10Gbps. Na definição de Carrier Ethernet, ainda podemos dividir este termo em UNI tipo 1, que possui configuração manual ( Especificado na MEF 13) e UNI Tipo 2, com configuração automática e totalmente gerenciável. Figura 02 – Topologia de interface usuário-rede Ethernet Virtual Connection (EVC) - Conexão virtual Ethernet – Conexão de duas ou mais UNIs – Impede a transferência de dados entre sites que não são da mesma EVC – Especificado na MEF 10.1 9
  • 10. NNI (Network-to-Network Interface) – Interfaces Rede-Rede – Demarca a troca de trafego entre Provedores de Serviços (NNI) e entre serviços providos em redes internas (I-NNI) EVCs e Serviços - Em uma rede Carrier Ethernet, os dados são transportados através de conexões Ponto a Ponto ou Multiponto, de acordo com os atributos e definições dos três tipos de EVC: E-Line, E-LAN e E-Tree. 5. Tipos de serviços Carrier Ethernet Existem três tipos de serviços ou conexões virtuais ethernet (EVC):E-Line, E- LAN e E-Tree. As duas primeiras existem desde o inicio e já eram definias em Metro Ethernet. A terceira faz parte da expansão da definição Metro para Carrier Ethernet. E-Line (Ponto a Ponto): são serviços ou conexões ponto a ponto para comunicação e são utilizadas para prover circuitos privados Ethernet, virtuais ou não e acesso Ethernet à internet. Figura 03 – E-Line: Circuito Privado Ethernet (virtual ou não) Figura 04 – E-Line: Acesso Ethernet à Internet. 10
  • 11. E-LAN (Multiponto): conexões entre vários pontos, através de uma rede virtual privada e transparente aos serviços LAN, ou seja, com total interoperabilidade. Figura 05 – E-LAN: Rede Multiponto E-Tree (Ponto-Multiponto): Utilizada para tecnologias que requerem este tipo de conexão, como vídeo sob demanda (e-learning, por exemplo), aceso à internet, aplicações para franquias etc. Este serviço prove tráfego de dados separado por “folhas” (Leaf) ou ramos de UNIs. O trafego originado de qualquer Leaf é mandado e recebido para “raiz” (Root), porém nunca encaminhado para outra Leaf. Destinado a multi-host e onde o tráfego de usuários devem ser mantidos invisíveis para outros usuários, foi previsto para ser um facilitador para backhaul móveis e infra-estrutura de triple-play (interconexões entre backbone de operadoras) e não para usuário final SLAs, preferencialmente. Figura 06 – E-Tree: Rede Ponto-Multiponto 11
  • 12. 6. Fases de desenvolvimento Carrier Ethernet Os Serviços Ethernet possuem atualmente três fases de desenvolvimento. A primeira, “Arquitetura e Definição”, desenvolvida desde 2001 até hoje, foi onde nasceu as definições de Serviços Ethernet, as primeiras especificações e ocorreram as primeiras implementações. A primeira Especificação publicada foi no ano de 2003 e em 2004, nasce a definição de Carrier Ethernet A partir de 2005, a segunda fase “Implementação e Certificação” é impulsionada pelo desenvolvimento em larga escala e os serviços Ethernet avançam em redes nacionais e globais. É definido o programa de Certificação MEF, com grande aceitação e adoção da comunidade Metro. A partir de 2008, a terceira fase deu inicio a “Conectividade Global”. Com a publicação de especificações de conectividade, interface e certificações (ENNI) de redes ao redor do mundo, houve um grande avanço nas ferramentas, aplicações e gerencia de serviços Ethernet. Figura 07 – Fases do desenvolvimento Carrier Ethernet 12
  • 13. 7. Negócio Ethernet no Mundo Já em 2007, pesquisas apontavam um enorme progresso e aceitação no desenvolvimento de classes de serviço (Figura 08) e a crescente adoção e expansão de serviços Ethernet. Mais da metade dos participantes mensuravam economias de 11 a 40%, e creditava Ethernet como parte da nova geração de comunicações metropolitanas e globais. Notava-se também a crescente oferta de serviços baseados em Ethernet pelos Provedores de Serviços – Operadoras - (Figura 09) e um “boom” para Metro já era esperado. Com uma previsão de crescimento de 16% ao ano e alavancado pelo alto crescimento do tráfego, incluindo vídeo, os Negócios Ethernet alcançariam em 2011 o patamar de US$ 23,7 bilhões de receita (Figura 10). Figura 08 – Maturidade Ethernet para desenvolvimento de classe de serviços (Fonte: Infonetics Research, Service Provider Plans for Metro Optical and Ethernet: North America, Europe, and Asia Pacific 2007) Figura 09 – Maior oferta de serviços Ethernet (Fonte: Infonetics Research, Service Provider Plans for Metro Optical and Ethernet: North America, Europe, and Asia Pacific 2007) 13
  • 14. Figura 10 – Mensurando o Boom Metro Ethernet (Fonte: Infonetics Research, Service Provider Plans for Metro Optical and Ethernet: North America, Europe, and Asia Pacific 2007) Dados atuais demonstram coerência e assertividade das pesquisas anteriormente realizadas. Com o faturamento atual por volta dos US$ 20 bilhões, resultados finais de pesquisas de 2009 apontam firmemente a receita mundial nos Negócios Ethernet alcançará o patamar dos US$ 40,2 bilhões até 2014. Figura 11 – Receita Mundial Projetada 2014 (Fonte: ENS Reseach Programs – Vertical Systems – 2009) 14
  • 15. Com os Serviços Ethernet trazendo significantes benefícios como escalabilidade, controle, confiabilidade e permitindo maior desempenho na consolidação de dados e principalmente reduzindo custos e acelerando receitas, os Prestadores de Serviço (Operadoras) estão cada vez mais comprometidos com o padrão Ethernet e os fornecedores de equipamentos e softwares estão ativamente permitindo essa transição e expansão Carrier Ethernet. Figura 12 – Abrangência e Alcance Carrier Ethernet 15
  • 16. 8. Metro Ethernet Fórum - Visão de Futuro Aplicações, conectividade e dispositivos que permitam a convergência, sob uma mesma plataforma, provendo entretenimento, informação, dados, voz e vídeo de qualquer lugar, seja em casa, no escritório ou em movimento, sempre conectado, a qualquer hora, nos 365 dias do ano. Todos emitindo em uma alta performance onipresente, um serviço global criando um novo mundo de comunicação com Carrier Ethernet Figura 13 – MEF: Visão do Futuro Carrier Ethernet 16
  • 17. 9. Conclusão Concluímos que os serviços Ethernet estão totalmente consolidados no mercado mundial e em franca expansão. A adoção e aceitação dos provedores de serviços e clientes, juntamente com o trabalho desenvolvido pelo MEF, acelerando a adoção mundial de redes Carrier Class Ethernet, permitem a expansão da cobertura, estendendo o alcance das redes e ampliando os serviços Ethernet. A rápida evolução de Serviços Ethernet nos últimos anos trouxe soluções integradas, padronizadas e simplificadas, ferramentas de gerencia e manutenção avançadas, aplicações em classes de serviços, disponibilizando maior acessibilidade e alavancado oportunidades estratégicas, diminuindo custos, ampliando receitas e trazendo vantagem competitiva para empresas no mundo todo através de uma rede globalizada. 17
  • 18. 10. Referencias – “An Overview of the MEF” – April 2010 – “MEF Quarterly Meeting – Infonetics Service Provider Panel Final” – Atlanta, April 2008 – “Ethernet Services Overview” – August 2008 – Vertical Systems Research, “ENS Reseach Programs” –– 2009 – Infonetics Research, Service Provider Plans for Metro Optical and Ethernet: North America, Europe, and Asia Pacific 2007 – Ciscopress - Metro Ethernet – External Network Network Interface (ENNI) – Phase 1 – Technical Spacification – Draft 8 – Metro Ethernet Forum Services Definitions (eline_etree_elan) – Metro Ethernet (Serviços Metro Ethernet). ,Dep. de Eng. Eletrônica e Computação UFRJ – www.verticalsystems.com – http://www.tiaonline.org/ – http://www.infonetics.com/research.asp – http://www.gta.ufrj.br/grad/04_2/metro/ – www.metroethernetforum.org – http://en.wikipedia.org/wiki/Carrier_Ethernet – http://en.wikipedia.org/wiki/Time-division_multiplexing – http://pt.wikipedia.org/wiki/Backhaul – http://en.wikipedia.org/wiki/OA&M – http://pt.wikipedia.org/wiki/IPTV – http://en.wikipedia.org/wiki/Multiple_system_operator – http://blog.ccna.com.br/2008/04/27/metro-ethernet/ 18
  • 19. ANEXO A – Empresas Associadas ao MEF Indústria Carrier Ethernet Provedores de Serviços (Operadoras) AboveNet Communications Covad P&T Luxembourg Symphony Alpheus Communications Cox Business Pipe Networks Communication Amcom DE-CIX PT Indonesia Comnets TATA Communications Ancotel Deutsche Telekom Plus Telecom Italia AT&T Equinix PT Inovação Telecom NZ Belgacom EuroFiber PT Prime Telefonica Bell Canada Global Crossing PT Telecom Indonesia Telekom Malaysia Bright House Networks Globe Telecom Qwest Communications Teliasonera AB British Telecom GlobeNet RCN Business Solutions Telstra Broadnet Kordia Reliance Communications Telus CenturyLink KPN Telecom Rogers Telx CENX Level 3 Communications SIN Time Warner Cable Charter Communications Mediacom Shaw Business Solutions TW Telecom China Telecom NECA SingTel Uecomm Cincinnati Bell Neos Networks Sprint US Signal Colt NTT Starhub Verizon Business Comcast Optimum Lightpath Swisscom Virgin Media CoStreet Orange XO Communications Fornecedores de Equipamentos, Softwares, Testes e Laboratórios Accedian Networks Connection Technology Intune Networks SMC Networks Actelis Networks Systems Iometrix Spirent Communications Adtran CTC Union IP Infusion Suminet (Sumitomo Electric Adva Optical Networking D-Link Ixia Networks) Afore Solutions Datacom JDSU Sunrise Telecom Agilent Technologies Dowslake Microsystems Juniper Networks Sycamore Networks Albis Technologies DragonWave KDDI R&D Labs Symmetricom Alcatel- Lucent EANTC Maxim T | Pack Allied Telysis ECI Telecom Motorola Tail-f Alloptic Ericsson MRV Communications Tejas Networks ANDA Networks EXFO Nakina Systems Teknovus ARRIS International Extreme Networks NEC Telco Systems Aurora Networks FHN NetO2 Telcordia Technologies Aviat Force 10 Networks Neutral Tandem Tellabs Axerra Networks Fujitsu Network Nokia Siemens Networks Telrad Networks Bridgewave Communications Nortel Networks Corp. Teragate Broadcom Hatteras Networks Occam Networks Tollgrade Brocade Hitachi Cable Omnitron Systems Transition Networks BTI Systems Hitachi Communication OneAccess Transmode Optical CableLabs Technologies America Orckit Corrigent UNH-IOL Calix Huawei Technologies Overture Networks UTStarcom Canoga Perkins IBM Positron Vitesse Ceragon Networks IMC Networks RAD Data Communications Zarlink Semiconductor Ciena Corporation Infinera Raisecom Zhone Cisco InfoVista Sagem Communications ZTE Corporation Intracom Telecom siae microelettronica Zyxel Communications Fonte: “An Over View of the MEF – MEF Membership – Abril 2010” 19