SlideShare uma empresa Scribd logo
Histologia Vegetal: Os Tecidos das Plantas




              Prof. Eduardo
• Tecido definição: Grupo de células de mesma origem
  embrionária, organizadas para uma mesma função.
• Nos vegetais os tecidos pode ser de dois tipos: Os meristemas
  e os adultos.
• 1- Tecidos meristemáticos: São tecidos embrionários, que
  nas plantas existem durante toda a vida destas. Se
  caracterizam por realizarem muitas mitoses e apresentarem
  células com paredes finas com poucos ou nenhum vacúolo.
• Os meristemas dão origem aos tecidos adultos, e podem
  ser primários ou secundários.
• a) Meristemas primários são derivados diretamente do
  embrião.
• A partir de células iniciais presentes nos meristemas
  apicais, são formados os seguinte tecidos iniciais:
• a) Dermatogênio ou protoderme: formam as epidermes.
• b) Meristema fundamental ou pleriblema, forma o casca, o
  cortex, os parênquimas e outras partes internas dos vegetais.
• c) Pleroma ou Procâmbio formas o cilindro vascular (vasos
  condutores).
• Meristemas apicais do caule raiz: .Origem:
• Meristemas apicais do caule raiz: .Origem:
• Meristema apical do caule: .Origina os primórdios foliares e
  as gemas laterais. O crescimento é primário ou longitudinal
  (em direção ao sol)
Tecidos vegetais
• Meristema apical da raiz: .protegida pela coifa. O crescimento
  é primário ou longitudinal (em direção ao solo)
• Meristemas Secundários: Crescimento lateral (espessura)

• Formado por células desdiferenciadas, células adultas que
  voltam ao estado embrionário:

• A) Câmbio: tecido circular que fica entre os vasos condutores,
  responsável por formar novos xilemas e floemas (xilema e
  floema secundários:

•    B) felogênio: tecido circular que surge na casca e produz
    nova casca suberificada, (crescimento para “fora”) em galhos e
    raízes e novo feloderma no sentido posto (para “dentro).
• Meristemas secundários: Câmbio e felogênio
• Cambio vascular: fascicular e interfascicular do cale



                           câmbio
• Felogênio:




    ritidoma
• Cambio e felogênio da raiz
• Resultado: crescimento lateral:
meristemas primários e secundários dão origem aos tecidos
 adultos
TECIDOS ADULTOS
• Tecidos adultos são formados por células diferenciadas
  (especializadas) que dão as características aos tecidos.
• Além das células, tecidos adultos apresentam espaços
  intercelulares:

• Meatos: espaços menores que as células

• Lacunas: + ou - o mesmo tamanho das células próximas.

• Câmaras: grandes espaços intercelulares
• Tipos de Tecidos Adultos:

• 1) Parênquimas: São tecidos internos, geralmente
  preenchendo o interior dos vegetais com células vivas.
• Podem ser :

• a) Reservas de substâncias: ( ar,água, amido)

• b) Clorofiliano: (paliçádico e lacunoso)
• Parênquima: tecidos de preenchimento.
• a.1- Parênquima amilífero: reserva de amido.
• Encontrado principalmente nas raízes tuberosas ou caules
  subterrâneos (rizomas).
• Pode ocorrem nas sementes, em menor quantidade.
• As células são ricas em amiloplastos
• a.2- Parênquima Aquífero: reserva de água, contém
  substância mucilaginosa que retém líquidos em plantas
  suculentas ou de climas secos, como cactos (xerófitas):
• a.3)- Parênquima Aerífero o Aerênquima: acumula ar, em
  grandes lacunas, como nas plantas aquáticas:
• b) Parênquimas clorofilianos: presentes no mesófilo (meio)
  das folhas, apresentam células com muitos cloroplastos.
  Principal local de fotossíntese na maioria das plantas:

• b.1- Parênquimas clorofilianos paliçádicos: estão na parte
  superior, abaixo da epiderme.
• Suas células são alongadas e muito próximas entre si,
  lembrando uma “cerca” ou paliçada
• Apresentam pequenos espaços intercelulares (meatos).

• b. 2- Parênquimas clorofilianos lacunosos: apresentam
  células arredondadas, com grandes cloroplastos.
• Possuem grandes espaços entre as células (lacunas).
• Mesófilo com parênquimas clorofilianos:
• 2) Tecidos de Sustentação: possibilitam o tamanho da planta
• a ) Colênquimas:
• Apresentam células vivas com parede primária reforçada,
  composta por celulose e pectinas.

• podem ainda conter cloroplastos e acompanham o
  crescimento do tecido até atingir a maturidade

• Ocorre em caules jovens, sendo usualmente periférico e nos
  pecíolos e nervuras das folhas.
• b) Esclerênquimas: tecido de suporte
• Encontrados em tecidos maduros e velhos.
• Formado por dois tipos diferentes de células mortas (parede
  secundária lignificada):

• b.1) Esclerídos ou células pétreas: células com forma e
  tamanho variável (poliédricas ou alongadas e ramificadas).
• Comuns na polpa de peras e bananas (polpa “empedradas”) e
  também nos “caroços” como da azeitona e do pêssego.




                       esclerídos
• b.2) Fibras esclerenquimáticas:
• células mortas e longas (até 55 cm) e estreitas, de parede
  espessada por deposição de lignina.
• Importantes fibras industriais: linho, juta, cânhamo e o
  algodão.
TECIDOS DE REVESTIMENTO E PROTEÇÃO:
          EPIDERME E SÚBER
• A) Epiderme: tecido de revestimento dos órgãos vegetais.

• Células vivas, sem cloroplastos, justapostas, derivadas do
  dermatogênio.
• Geralmente dispostas em camada única (uniestratificada),
  exceto em xerófitas (cactos).
• Pode estar ausente em plantas aquáticas ou de lugares muito
  úmidos.
• Funções:
• Proteção a ferimentos
  e a transpiração
• Absorção
• Trocas gasosas
• Secreção e excreção
• Anexos da epiderme e suas funções:

• a) Cutícula: película de cera (cutina) que impermeabiliza a
  epiderme, evitando excesso de perda de água por transpiração
• b) Pelos ou Tricomas: podem ser uni ou pluricelulares,
  simples, ramificados ou capitados.




• Funções: Proteção contra transpiração: formam um
  emaranhado sobre a folha, retendo vapor de água:
• Secretam substâncias aromáticas (alecrim). Função glandular.

• Secretam substâncias urticantes (urtiga). Função glandular

• Disseminação das sementes (algodão).r

• Absorção. Pelos absorventes da raiz




         Tricoma glandular
• c) Papilas: semelhante a pelos, porém menores, relacionadas
  a secreção de substâncias.
• d) Acúleos:
• Anexos epidérmicos pontiagudos, semelhantes a espinhos.
• Se destacam com facilidade da planta, pois não apresentam
  sistema de sustentação.
• Relacionados com a defesa da planta (ex. Roseira).
• e) Escamas: Estruturas em forma de estrela, pluricelulares que
  exercem as função de absorção de água em bromélias
  (epífitas com raízes e caules aéreos). Funciona como uma
  esponja.
• f) Estômatos: controla ativamente as trocas gasosas e a
  transpiração estomática (vapor de água) da planta
• Ocorrem principalmente nas folhas, mas pode aparecer nos
  caules verdes (fotossintetizantes).
• È formada por duas células-guarda ou estomáticas, que
  dependente da turgência (quantidade de água) determinam a
  abertura e fechamento da abertura, o ostíolo.
• Ao lado das células guardas estão as células anexas ou
  companheiras (ambas com muitos cloroplastos)
• São mais comuns na epiderme inferior (hipoestomatismo)
  como nas plantas de florestas tropicais.

• Podem ocorrer na epiderme superior (epiestomatismo) como
  nas plantas aquáticas.

• Quando ocorres nas duas epiderme chama-se
  anfiestomatismo.
• B) Periderma ou “casca”: soma de três camadas (tecidos):

• a) Felogênio: meristema secundários, responsável pela
  formação do periderma ou periderme. Produz dois tecidos:

• b) Feloderma: surge do felogênio em direção ao centro do
  caule, (tecido interno),formando um parênquima de
  preenchimento.

• c) Súber ou Cortiça: surge do felogênio, que cresce para fora,
  em direção a periferia do caule (tecido externo). Composto de
  células mortas com parede primária suberificada (suberina).

• Substitui a epiderme nos caules e raízes. Funciona como
  proteção contra ferimentos, impermeabilização (perda de
  água), e isolante térmico.
• - Lenticelas: são pequenos corte presentes na casca,
  formando espaços por onde o caule pode realizar trocas
  gasosas:
• C) Ritidomas: camadas mais velhas do súber que vão se
  destacando da superfície dos troncos das plantas lenhosas,
  constituída por células mortas, é resultado do crescimento
  lateral (secundário) do felogênio.
TECIDOS CONDUTORES OU VASCULARES:
         XILEMAS E FLOEMAS
• A) Xilemas ou lenho (vasos lenhosos):
• Pode ter origem primária (pleroma ou procâmbio) ou
  secundária (câmbio).

• composto por células mortas, muito lignificadas repletas de
  poros denominados pontoações.

• Conduz a seiva bruta (águas + sais minerais) no sentido
  ascendente, da raiz para o caule.

• Devido a lignificação também faz parte o sistema de
  sustentação das plantas (apresentam esclerênquima).

• È um tecido complexo: (células do xilema +parênquima
  lenhoso) ou (células do xilema + fibras de esclerênquima).
• Células que compõem o xilema (sistema traqueário):
• 1 ) Traqueídes: células, dispostas em fileiras e formando
  pilhas que vão da raiz até as folhas. Suas paredes terminais
  são fechadas e a seiva passa somente por pontoações. São
  mais primitivas, comuns em Pteridófitas e gimnospermas.




pontoções
• 2 ) Elementos de vaso: células, alongadas, dispostas em
  fileiras e formando pilhas que vão da raiz até as folhas. Suas
  paredes terminais são perfuradas, formando os vasos
  lenhosos. Presentes nas angiospermas apenas

                                              perfurações
perfurações
Tecidos vegetais
• O parênquima lenhoso do xilema funciona como um tecido de
  reserva, armazenando amido, óleos, e outras substâncias.
  Quando os vasos do xilema ficam velhos ou sofrem alguma
  lesão, as células do parênquima seu redor, podem emitir
  projeções para o interior destes elementos de condução as
  tilas, que acabam por obstruí-los..
• B) Floemas ou Líber (vasos liberianos):

• Pode ter origem primária (pleroma ou procâmbio) ou
  secundária (câmbio).

• composto por células vivas, porém anucleadas, necessitando
  de células auxiliares (célula anexa) para sobreviverem.

• Conduz a seiva elaborada (águas + glicose) no sentido
  descendente, do caule para a raiz .

• È um tecido complexo: tem função de reserva de nutrientes
  (floema +parênquima liberiano), e de sustentação (Floema +
  fibras de esclerênquima.

• Formado por dois tipos de células:
• 1) Vasos liberianos ou crivados e elementos de vasos
  crivados: células, alongadas, dispostas em fileiras e formando
  pilhas que vão das as folhas até a raiz.

• Suas paredes terminais formam as placas crivadas que
  facilita a passagem da seiva entre as células

• As placas são revestidas por calose (polissacarídeo), que se
  obstruem as placas em períodos de inatividade e desaparece
  em períodos de atividade.

• Estão sempre associadas a células companheiras, sem as
  quais morrem.

• 2) Células companheiras : vivas e pequenas. Controlam o
  movimento de substâncias nos elementos dos tubos crivosos,
  estabelecendo numerosos plasmodesmos com estes.
Tecidos vegetais
Tecidos vegetais

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
Eldon Clayton
 
Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
URCA
 
Aula Introdução à Citologia
Aula Introdução à CitologiaAula Introdução à Citologia
Aula Introdução à Citologia
Thiago Manchester
 
Tecidos vegetais
Tecidos vegetaisTecidos vegetais
Tecidos vegetais
Ana Carolina
 
Zoologia geral aulas 1
Zoologia geral aulas 1Zoologia geral aulas 1
Zoologia geral aulas 1
Henrique Zini
 
celula vegetal
celula vegetalcelula vegetal
celula vegetal
Cederj
 
Deuterostômios 1ª parte
Deuterostômios   1ª parteDeuterostômios   1ª parte
Deuterostômios 1ª parte
Marcia Bantim
 
Briofitas
BriofitasBriofitas
Briofitas
jcrrios
 
Célula animal e vegetal
Célula animal e vegetalCélula animal e vegetal
Célula animal e vegetal
00367p
 
Aula 1 citologia - introdução
Aula 1 citologia - introduçãoAula 1 citologia - introdução
Aula 1 citologia - introdução
Amarildo César
 
Morfologia vegetal da raiz
Morfologia vegetal da raizMorfologia vegetal da raiz
Morfologia vegetal da raiz
Joseanny Pereira
 
Taxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetais
Taxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetaisTaxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetais
Taxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetais
Heitor de Oliveira Braga
 
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino MédioAnatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
Camila Rossi
 
Raiz
RaizRaiz
Slides da aula de Biologia (Renato) Anatofisiologia Vegetal
Slides da aula de Biologia (Renato) Anatofisiologia VegetalSlides da aula de Biologia (Renato) Anatofisiologia Vegetal
Slides da aula de Biologia (Renato) Anatofisiologia Vegetal
Turma Olímpica
 
Osteologia Veterinária
Osteologia VeterináriaOsteologia Veterinária
Osteologia Veterinária
Patrícia Oliver
 
Zoologia 01
Zoologia 01Zoologia 01
Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)
Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)
Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)
Ronaldo Santana
 
Celula procarionte
Celula procarionte Celula procarionte
Celula procarionte
Karoline Sena
 
Aula 9 gimnospermas
Aula 9   gimnospermasAula 9   gimnospermas
Aula 9 gimnospermas
Grupo UNIASSELVI
 

Mais procurados (20)

Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
 
Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
 
Aula Introdução à Citologia
Aula Introdução à CitologiaAula Introdução à Citologia
Aula Introdução à Citologia
 
Tecidos vegetais
Tecidos vegetaisTecidos vegetais
Tecidos vegetais
 
Zoologia geral aulas 1
Zoologia geral aulas 1Zoologia geral aulas 1
Zoologia geral aulas 1
 
celula vegetal
celula vegetalcelula vegetal
celula vegetal
 
Deuterostômios 1ª parte
Deuterostômios   1ª parteDeuterostômios   1ª parte
Deuterostômios 1ª parte
 
Briofitas
BriofitasBriofitas
Briofitas
 
Célula animal e vegetal
Célula animal e vegetalCélula animal e vegetal
Célula animal e vegetal
 
Aula 1 citologia - introdução
Aula 1 citologia - introduçãoAula 1 citologia - introdução
Aula 1 citologia - introdução
 
Morfologia vegetal da raiz
Morfologia vegetal da raizMorfologia vegetal da raiz
Morfologia vegetal da raiz
 
Taxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetais
Taxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetaisTaxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetais
Taxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetais
 
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino MédioAnatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
Anatomia e Morfologia Vegetal - Ensino Médio
 
Raiz
RaizRaiz
Raiz
 
Slides da aula de Biologia (Renato) Anatofisiologia Vegetal
Slides da aula de Biologia (Renato) Anatofisiologia VegetalSlides da aula de Biologia (Renato) Anatofisiologia Vegetal
Slides da aula de Biologia (Renato) Anatofisiologia Vegetal
 
Osteologia Veterinária
Osteologia VeterináriaOsteologia Veterinária
Osteologia Veterinária
 
Zoologia 01
Zoologia 01Zoologia 01
Zoologia 01
 
Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)
Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)
Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)
 
Celula procarionte
Celula procarionte Celula procarionte
Celula procarionte
 
Aula 9 gimnospermas
Aula 9   gimnospermasAula 9   gimnospermas
Aula 9 gimnospermas
 

Semelhante a Tecidos vegetais

Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
paramore146
 
Morfologiavegetalsementeraizcauleefolha 111108063906-phpapp01
Morfologiavegetalsementeraizcauleefolha 111108063906-phpapp01Morfologiavegetalsementeraizcauleefolha 111108063906-phpapp01
Morfologiavegetalsementeraizcauleefolha 111108063906-phpapp01
adrianapaulon
 
Morfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermasMorfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermas
alinesantana1422
 
Tecidos vegetais apresentação em sala de aula_.pptx
Tecidos vegetais apresentação em sala de aula_.pptxTecidos vegetais apresentação em sala de aula_.pptx
Tecidos vegetais apresentação em sala de aula_.pptx
cleyton29
 
Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
andreepinto
 
Histologia vegetal
Histologia vegetal  Histologia vegetal
Histologia vegetal
Faculdade Guaraí
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
Isabella Silva
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Histologia Vegetal
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Histologia VegetalSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Histologia Vegetal
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Histologia Vegetal
Turma Olímpica
 
Anatomia do caule
Anatomia do cauleAnatomia do caule
Anatomia do caule
Géssica Guarani-Kaiowá
 
Introdução à Anatomia Vegetal- Origem e Características
Introdução à Anatomia Vegetal- Origem e CaracterísticasIntrodução à Anatomia Vegetal- Origem e Características
Introdução à Anatomia Vegetal- Origem e Características
aurearocha5
 
Histología vegetal
Histología vegetalHistología vegetal
Histología vegetal
txaux1
 
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folhaMorfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Marcos Albuquerque
 
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folhaMorfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Marcos Albuquerque
 
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folhaMorfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Marcos Albuquerque
 
Botânica
BotânicaBotânica
Botânica
familiaestagio
 
6_SISTEMA_DÉRMICO-bb438fea96164c63bacca931f2177827.pdf
6_SISTEMA_DÉRMICO-bb438fea96164c63bacca931f2177827.pdf6_SISTEMA_DÉRMICO-bb438fea96164c63bacca931f2177827.pdf
6_SISTEMA_DÉRMICO-bb438fea96164c63bacca931f2177827.pdf
EfraimAlmeida1
 
Aula 3 Prof. Guth Berger
Aula 3 Prof. Guth BergerAula 3 Prof. Guth Berger
Aula 3 Prof. Guth Berger
Matheus Yuri
 
Reino plantae[1]
Reino plantae[1]Reino plantae[1]
Reino plantae[1]
Roberto Bagatini
 
HISTOLOGIA VEGETAL.pptx
HISTOLOGIA VEGETAL.pptxHISTOLOGIA VEGETAL.pptx
HISTOLOGIA VEGETAL.pptx
RonaldoAlves153492
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
aulasdotubao
 

Semelhante a Tecidos vegetais (20)

Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
 
Morfologiavegetalsementeraizcauleefolha 111108063906-phpapp01
Morfologiavegetalsementeraizcauleefolha 111108063906-phpapp01Morfologiavegetalsementeraizcauleefolha 111108063906-phpapp01
Morfologiavegetalsementeraizcauleefolha 111108063906-phpapp01
 
Morfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermasMorfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermas
 
Tecidos vegetais apresentação em sala de aula_.pptx
Tecidos vegetais apresentação em sala de aula_.pptxTecidos vegetais apresentação em sala de aula_.pptx
Tecidos vegetais apresentação em sala de aula_.pptx
 
Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
 
Histologia vegetal
Histologia vegetal  Histologia vegetal
Histologia vegetal
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Histologia Vegetal
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Histologia VegetalSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Histologia Vegetal
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Histologia Vegetal
 
Anatomia do caule
Anatomia do cauleAnatomia do caule
Anatomia do caule
 
Introdução à Anatomia Vegetal- Origem e Características
Introdução à Anatomia Vegetal- Origem e CaracterísticasIntrodução à Anatomia Vegetal- Origem e Características
Introdução à Anatomia Vegetal- Origem e Características
 
Histología vegetal
Histología vegetalHistología vegetal
Histología vegetal
 
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folhaMorfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
 
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folhaMorfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
 
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folhaMorfologia vegetal, semente raiz caule e folha
Morfologia vegetal, semente raiz caule e folha
 
Botânica
BotânicaBotânica
Botânica
 
6_SISTEMA_DÉRMICO-bb438fea96164c63bacca931f2177827.pdf
6_SISTEMA_DÉRMICO-bb438fea96164c63bacca931f2177827.pdf6_SISTEMA_DÉRMICO-bb438fea96164c63bacca931f2177827.pdf
6_SISTEMA_DÉRMICO-bb438fea96164c63bacca931f2177827.pdf
 
Aula 3 Prof. Guth Berger
Aula 3 Prof. Guth BergerAula 3 Prof. Guth Berger
Aula 3 Prof. Guth Berger
 
Reino plantae[1]
Reino plantae[1]Reino plantae[1]
Reino plantae[1]
 
HISTOLOGIA VEGETAL.pptx
HISTOLOGIA VEGETAL.pptxHISTOLOGIA VEGETAL.pptx
HISTOLOGIA VEGETAL.pptx
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
 

Mais de Marcos Albuquerque

Genetica
GeneticaGenetica
Pac
PacPac
Agua
AguaAgua
Evolução 3o.
Evolução 3o.Evolução 3o.
Evolução 3o.
Marcos Albuquerque
 
Sistema nervoso
Sistema  nervosoSistema  nervoso
Sistema nervoso
Marcos Albuquerque
 
Radiações e a células
Radiações e a célulasRadiações e a células
Radiações e a células
Marcos Albuquerque
 
Tecido muscular
Tecido muscularTecido muscular
Tecido muscular
Marcos Albuquerque
 
Reino monera curso
Reino monera cursoReino monera curso
Reino monera curso
Marcos Albuquerque
 
Histologia
HistologiaHistologia
Histologia
Marcos Albuquerque
 
Sistema excretor e osmorregulador
Sistema excretor e osmorreguladorSistema excretor e osmorregulador
Sistema excretor e osmorregulador
Marcos Albuquerque
 
Semi virus, monera fungi e protista
Semi   virus, monera fungi e protistaSemi   virus, monera fungi e protista
Semi virus, monera fungi e protista
Marcos Albuquerque
 
Euploidias e aneuploidias 1o. anp
Euploidias  e aneuploidias 1o. anpEuploidias  e aneuploidias 1o. anp
Euploidias e aneuploidias 1o. anp
Marcos Albuquerque
 
Organelas (mod. 8)
Organelas (mod. 8)Organelas (mod. 8)
Organelas (mod. 8)
Marcos Albuquerque
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
Marcos Albuquerque
 
Semente e germinação
Semente e germinaçãoSemente e germinação
Semente e germinação
Marcos Albuquerque
 
Semente e germinação
Semente e germinaçãoSemente e germinação
Semente e germinação
Marcos Albuquerque
 
Reprodução em animais
Reprodução em animaisReprodução em animais
Reprodução em animais
Marcos Albuquerque
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
Marcos Albuquerque
 
Gimnospermas e angiospermas
Gimnospermas e angiospermasGimnospermas e angiospermas
Gimnospermas e angiospermas
Marcos Albuquerque
 
Briófitas e pteridófitas
Briófitas e pteridófitasBriófitas e pteridófitas
Briófitas e pteridófitas
Marcos Albuquerque
 

Mais de Marcos Albuquerque (20)

Genetica
GeneticaGenetica
Genetica
 
Pac
PacPac
Pac
 
Agua
AguaAgua
Agua
 
Evolução 3o.
Evolução 3o.Evolução 3o.
Evolução 3o.
 
Sistema nervoso
Sistema  nervosoSistema  nervoso
Sistema nervoso
 
Radiações e a células
Radiações e a célulasRadiações e a células
Radiações e a células
 
Tecido muscular
Tecido muscularTecido muscular
Tecido muscular
 
Reino monera curso
Reino monera cursoReino monera curso
Reino monera curso
 
Histologia
HistologiaHistologia
Histologia
 
Sistema excretor e osmorregulador
Sistema excretor e osmorreguladorSistema excretor e osmorregulador
Sistema excretor e osmorregulador
 
Semi virus, monera fungi e protista
Semi   virus, monera fungi e protistaSemi   virus, monera fungi e protista
Semi virus, monera fungi e protista
 
Euploidias e aneuploidias 1o. anp
Euploidias  e aneuploidias 1o. anpEuploidias  e aneuploidias 1o. anp
Euploidias e aneuploidias 1o. anp
 
Organelas (mod. 8)
Organelas (mod. 8)Organelas (mod. 8)
Organelas (mod. 8)
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Semente e germinação
Semente e germinaçãoSemente e germinação
Semente e germinação
 
Semente e germinação
Semente e germinaçãoSemente e germinação
Semente e germinação
 
Reprodução em animais
Reprodução em animaisReprodução em animais
Reprodução em animais
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
 
Gimnospermas e angiospermas
Gimnospermas e angiospermasGimnospermas e angiospermas
Gimnospermas e angiospermas
 
Briófitas e pteridófitas
Briófitas e pteridófitasBriófitas e pteridófitas
Briófitas e pteridófitas
 

Tecidos vegetais

  • 1. Histologia Vegetal: Os Tecidos das Plantas Prof. Eduardo
  • 2. • Tecido definição: Grupo de células de mesma origem embrionária, organizadas para uma mesma função. • Nos vegetais os tecidos pode ser de dois tipos: Os meristemas e os adultos. • 1- Tecidos meristemáticos: São tecidos embrionários, que nas plantas existem durante toda a vida destas. Se caracterizam por realizarem muitas mitoses e apresentarem células com paredes finas com poucos ou nenhum vacúolo.
  • 3. • Os meristemas dão origem aos tecidos adultos, e podem ser primários ou secundários. • a) Meristemas primários são derivados diretamente do embrião.
  • 4. • A partir de células iniciais presentes nos meristemas apicais, são formados os seguinte tecidos iniciais: • a) Dermatogênio ou protoderme: formam as epidermes. • b) Meristema fundamental ou pleriblema, forma o casca, o cortex, os parênquimas e outras partes internas dos vegetais. • c) Pleroma ou Procâmbio formas o cilindro vascular (vasos condutores).
  • 5. • Meristemas apicais do caule raiz: .Origem:
  • 6. • Meristemas apicais do caule raiz: .Origem:
  • 7. • Meristema apical do caule: .Origina os primórdios foliares e as gemas laterais. O crescimento é primário ou longitudinal (em direção ao sol)
  • 9. • Meristema apical da raiz: .protegida pela coifa. O crescimento é primário ou longitudinal (em direção ao solo)
  • 10. • Meristemas Secundários: Crescimento lateral (espessura) • Formado por células desdiferenciadas, células adultas que voltam ao estado embrionário: • A) Câmbio: tecido circular que fica entre os vasos condutores, responsável por formar novos xilemas e floemas (xilema e floema secundários: • B) felogênio: tecido circular que surge na casca e produz nova casca suberificada, (crescimento para “fora”) em galhos e raízes e novo feloderma no sentido posto (para “dentro).
  • 11. • Meristemas secundários: Câmbio e felogênio
  • 12. • Cambio vascular: fascicular e interfascicular do cale câmbio
  • 13. • Felogênio: ritidoma
  • 14. • Cambio e felogênio da raiz
  • 16. meristemas primários e secundários dão origem aos tecidos adultos
  • 18. • Tecidos adultos são formados por células diferenciadas (especializadas) que dão as características aos tecidos. • Além das células, tecidos adultos apresentam espaços intercelulares: • Meatos: espaços menores que as células • Lacunas: + ou - o mesmo tamanho das células próximas. • Câmaras: grandes espaços intercelulares
  • 19. • Tipos de Tecidos Adultos: • 1) Parênquimas: São tecidos internos, geralmente preenchendo o interior dos vegetais com células vivas. • Podem ser : • a) Reservas de substâncias: ( ar,água, amido) • b) Clorofiliano: (paliçádico e lacunoso)
  • 20. • Parênquima: tecidos de preenchimento.
  • 21. • a.1- Parênquima amilífero: reserva de amido. • Encontrado principalmente nas raízes tuberosas ou caules subterrâneos (rizomas). • Pode ocorrem nas sementes, em menor quantidade. • As células são ricas em amiloplastos
  • 22. • a.2- Parênquima Aquífero: reserva de água, contém substância mucilaginosa que retém líquidos em plantas suculentas ou de climas secos, como cactos (xerófitas):
  • 23. • a.3)- Parênquima Aerífero o Aerênquima: acumula ar, em grandes lacunas, como nas plantas aquáticas:
  • 24. • b) Parênquimas clorofilianos: presentes no mesófilo (meio) das folhas, apresentam células com muitos cloroplastos. Principal local de fotossíntese na maioria das plantas: • b.1- Parênquimas clorofilianos paliçádicos: estão na parte superior, abaixo da epiderme. • Suas células são alongadas e muito próximas entre si, lembrando uma “cerca” ou paliçada • Apresentam pequenos espaços intercelulares (meatos). • b. 2- Parênquimas clorofilianos lacunosos: apresentam células arredondadas, com grandes cloroplastos. • Possuem grandes espaços entre as células (lacunas).
  • 25. • Mesófilo com parênquimas clorofilianos:
  • 26. • 2) Tecidos de Sustentação: possibilitam o tamanho da planta • a ) Colênquimas: • Apresentam células vivas com parede primária reforçada, composta por celulose e pectinas. • podem ainda conter cloroplastos e acompanham o crescimento do tecido até atingir a maturidade • Ocorre em caules jovens, sendo usualmente periférico e nos pecíolos e nervuras das folhas.
  • 27. • b) Esclerênquimas: tecido de suporte • Encontrados em tecidos maduros e velhos. • Formado por dois tipos diferentes de células mortas (parede secundária lignificada): • b.1) Esclerídos ou células pétreas: células com forma e tamanho variável (poliédricas ou alongadas e ramificadas). • Comuns na polpa de peras e bananas (polpa “empedradas”) e também nos “caroços” como da azeitona e do pêssego. esclerídos
  • 28. • b.2) Fibras esclerenquimáticas: • células mortas e longas (até 55 cm) e estreitas, de parede espessada por deposição de lignina. • Importantes fibras industriais: linho, juta, cânhamo e o algodão.
  • 29. TECIDOS DE REVESTIMENTO E PROTEÇÃO: EPIDERME E SÚBER
  • 30. • A) Epiderme: tecido de revestimento dos órgãos vegetais. • Células vivas, sem cloroplastos, justapostas, derivadas do dermatogênio. • Geralmente dispostas em camada única (uniestratificada), exceto em xerófitas (cactos). • Pode estar ausente em plantas aquáticas ou de lugares muito úmidos. • Funções: • Proteção a ferimentos e a transpiração • Absorção • Trocas gasosas • Secreção e excreção
  • 31. • Anexos da epiderme e suas funções: • a) Cutícula: película de cera (cutina) que impermeabiliza a epiderme, evitando excesso de perda de água por transpiração
  • 32. • b) Pelos ou Tricomas: podem ser uni ou pluricelulares, simples, ramificados ou capitados. • Funções: Proteção contra transpiração: formam um emaranhado sobre a folha, retendo vapor de água:
  • 33. • Secretam substâncias aromáticas (alecrim). Função glandular. • Secretam substâncias urticantes (urtiga). Função glandular • Disseminação das sementes (algodão).r • Absorção. Pelos absorventes da raiz Tricoma glandular
  • 34. • c) Papilas: semelhante a pelos, porém menores, relacionadas a secreção de substâncias. • d) Acúleos: • Anexos epidérmicos pontiagudos, semelhantes a espinhos. • Se destacam com facilidade da planta, pois não apresentam sistema de sustentação. • Relacionados com a defesa da planta (ex. Roseira).
  • 35. • e) Escamas: Estruturas em forma de estrela, pluricelulares que exercem as função de absorção de água em bromélias (epífitas com raízes e caules aéreos). Funciona como uma esponja.
  • 36. • f) Estômatos: controla ativamente as trocas gasosas e a transpiração estomática (vapor de água) da planta • Ocorrem principalmente nas folhas, mas pode aparecer nos caules verdes (fotossintetizantes).
  • 37. • È formada por duas células-guarda ou estomáticas, que dependente da turgência (quantidade de água) determinam a abertura e fechamento da abertura, o ostíolo. • Ao lado das células guardas estão as células anexas ou companheiras (ambas com muitos cloroplastos)
  • 38. • São mais comuns na epiderme inferior (hipoestomatismo) como nas plantas de florestas tropicais. • Podem ocorrer na epiderme superior (epiestomatismo) como nas plantas aquáticas. • Quando ocorres nas duas epiderme chama-se anfiestomatismo.
  • 39. • B) Periderma ou “casca”: soma de três camadas (tecidos): • a) Felogênio: meristema secundários, responsável pela formação do periderma ou periderme. Produz dois tecidos: • b) Feloderma: surge do felogênio em direção ao centro do caule, (tecido interno),formando um parênquima de preenchimento. • c) Súber ou Cortiça: surge do felogênio, que cresce para fora, em direção a periferia do caule (tecido externo). Composto de células mortas com parede primária suberificada (suberina). • Substitui a epiderme nos caules e raízes. Funciona como proteção contra ferimentos, impermeabilização (perda de água), e isolante térmico.
  • 40. • - Lenticelas: são pequenos corte presentes na casca, formando espaços por onde o caule pode realizar trocas gasosas:
  • 41. • C) Ritidomas: camadas mais velhas do súber que vão se destacando da superfície dos troncos das plantas lenhosas, constituída por células mortas, é resultado do crescimento lateral (secundário) do felogênio.
  • 42. TECIDOS CONDUTORES OU VASCULARES: XILEMAS E FLOEMAS
  • 43. • A) Xilemas ou lenho (vasos lenhosos): • Pode ter origem primária (pleroma ou procâmbio) ou secundária (câmbio). • composto por células mortas, muito lignificadas repletas de poros denominados pontoações. • Conduz a seiva bruta (águas + sais minerais) no sentido ascendente, da raiz para o caule. • Devido a lignificação também faz parte o sistema de sustentação das plantas (apresentam esclerênquima). • È um tecido complexo: (células do xilema +parênquima lenhoso) ou (células do xilema + fibras de esclerênquima).
  • 44. • Células que compõem o xilema (sistema traqueário): • 1 ) Traqueídes: células, dispostas em fileiras e formando pilhas que vão da raiz até as folhas. Suas paredes terminais são fechadas e a seiva passa somente por pontoações. São mais primitivas, comuns em Pteridófitas e gimnospermas. pontoções
  • 45. • 2 ) Elementos de vaso: células, alongadas, dispostas em fileiras e formando pilhas que vão da raiz até as folhas. Suas paredes terminais são perfuradas, formando os vasos lenhosos. Presentes nas angiospermas apenas perfurações
  • 48. • O parênquima lenhoso do xilema funciona como um tecido de reserva, armazenando amido, óleos, e outras substâncias. Quando os vasos do xilema ficam velhos ou sofrem alguma lesão, as células do parênquima seu redor, podem emitir projeções para o interior destes elementos de condução as tilas, que acabam por obstruí-los..
  • 49. • B) Floemas ou Líber (vasos liberianos): • Pode ter origem primária (pleroma ou procâmbio) ou secundária (câmbio). • composto por células vivas, porém anucleadas, necessitando de células auxiliares (célula anexa) para sobreviverem. • Conduz a seiva elaborada (águas + glicose) no sentido descendente, do caule para a raiz . • È um tecido complexo: tem função de reserva de nutrientes (floema +parênquima liberiano), e de sustentação (Floema + fibras de esclerênquima. • Formado por dois tipos de células:
  • 50. • 1) Vasos liberianos ou crivados e elementos de vasos crivados: células, alongadas, dispostas em fileiras e formando pilhas que vão das as folhas até a raiz. • Suas paredes terminais formam as placas crivadas que facilita a passagem da seiva entre as células • As placas são revestidas por calose (polissacarídeo), que se obstruem as placas em períodos de inatividade e desaparece em períodos de atividade. • Estão sempre associadas a células companheiras, sem as quais morrem. • 2) Células companheiras : vivas e pequenas. Controlam o movimento de substâncias nos elementos dos tubos crivosos, estabelecendo numerosos plasmodesmos com estes.