SlideShare uma empresa Scribd logo
EB1 JI A-DOS-CÃOS PNEP
A MARIA CASTANHA E OS DUENDES
Há muitos, muitos anos, havia uma cabana no meio da floresta onde
viviam seis duendes muito endiabrados. Usavam todos, um barrete laranja e
uma roupa de cor diferente. Eles gostavam muito de brincar e cantar. O que
tinha a roupa azul chamava-se Azulinho. O outro que andava vestido de
verde era o Verdinho. O que tinha a roupa cor de laranja chamavam-lhe
Laranjinha. O quarto andava vestido de Branco, era o Branquinho. O quinto
tinha a roupa amarela e chamavam-lhe Amarelinho. E o sexto andava
vestido com uma roupa vermelha, era o Vermelhinho.
Cada manhã, um dos duendes encarregava-se das tarefas da casa,
enquanto os outros corriam e brincavam na floresta. Mas quando chegava o
domingo, já todos os duendes tinham feito as suas tarefas e nenhum queria
trabalhar.
Assim, aos domingos, ninguém fazia as camas, nem varria a casa, nem
limpava o pó e, o pior de tudo, era que nenhum deles fazia a comida! Por
isso, aos domingos, estavam todos de mau humor e zangados e acabavam
quase sempre o dia a brigar uns com os outros.
No outro lado da floresta, vivia um avô com a sua neta, que era uma
menina muito bonita chamada Maria Castanha.
Deram-lhe este nome porque ela e o seu avô apanhavam castanhas e
iam vendê-las no mercado da povoação.
Cada vez que iam para a floresta, o avô dizia à Maria Castanha:
- Toma atenção, não te afastes muito e sobretudo não passes para o
outro lado do rio. Lembra-te que vivem lá os duendes da cabana.
- Os duendes são maus, avô? - perguntou a menina.
- Não, não são maus, mas gostam muito de fazer travessuras.
Já há muito tempo que não havia passagem para o outro lado do rio,
Paula D 4º Ano 2009/10
EB1 JI A-DOS-CÃOS PNEP
mas num dia de uma grande tempestade um castanheiro muito grande caiu e
ficou atravessado no rio.
E naquela tarde a Maria Castanha foi à floresta apanhar flores e
andando, andando, passou por cima da árvore para o outro lado do rio e
encontrou a cabana dos duendes.
Quando os duendes a viram, ficaram muito contentes. Depois, per-
guntaram-lhe como é que ela se chamava, onde vivia e se queria ficar a
brincar um bocado com eles. Assim, todos juntos, estiveram a tarde inteira a
brincar: às escondidas, aos cinco cantinhos, ao lenço, ao gato e ao rato...
Mas, de repente, a Maria Castanha percebeu que estava a escurecer:
- Bem, agora tenho que voltar para casa do meu avô - disse ela.
Naquele momento, os duendes deram as mãos e fizeram uma roda à
volta da menina e começaram a cantar:
- Não, não; tu não te irás embora. Não, não; não regressarás.
A princípio, a Maria Castanha pensou que eles estavam a brincar,
mas depois de um bocado, vendo que já era quase de noite, disse:
- Pronto, já chega. Agora é que me vou embora.
E os duendes tornaram a dar as mãos e cantaram: não, não, não irás
embora.
A pobre Maria Castanha, com a voz a tremer um bocadinho, perguntou:
- Mas por que é que não me deixam partir?
- Escuta bem: amanhã é domingo, e aos domingos nenhum de nós quer
trabalhar nem fazer a comida! E não fazemos nada, só brigamos uns com os
outros. Mas, se tu ficares, tratarás da casa e, sobretudo, poderás fazer o
comer.
- Mas o meu avô vai ficar preocupado.
- Basta que lhe mandes uma mensagem a dizeres onde estás e pronto.
- Não faz mal, mas temos o velho Krock.
Paula D 4º Ano 2009/10
EB1 JI A-DOS-CÃOS PNEP
- Quem é o velho Krock?
Os duendes bateram palmas e começaram a gritar: «Velho Krock!"
Nesse momento, ao longe ouviu-se «croc, croc, croc", o ruído de um
pássaro grande, e de repente viram chegar a voar uma espécie de corvo
muito grande, azul da cabeça aos pés, menos o bico que era amarelo. A
Maria Castanha, então, escreveu em letras grandes num papel:
«Avô, não fiques preocupado, fico até amanhã com os duendes."
O velho Krock agarrou no papel com o bico e voou até à casa do avô da
menina. No dia seguinte, a menina levantou-se para arrumar a casa:
acendeu a lareira, fez as camas, fez a comida, e ficaram todos muitos
contentes.
Quando chegou a tarde, a Maria Castanha quis ir-se embora..., mas os
duendes deram as mãos e fizeram uma roda à volta dela.
- Não, não, tu não te irás embora.
E a menina começou a chorar.
- Mas, por que é que não me posso ir embora?
- Podes ir embora mas tens que prometer que vens todos os domingos
para arrumar a casa e... fazer a comida!
A Maria Castanha prometeu. Mas antes de ela se ir embora ainda lhe
disseram:
- Se não cumprires o que prometeste, nós ficaremos muito zangados
contigo e o velho Krock, como castigo, rouba-vos todas as castanhas antes
de as poderem vender.
A Maria Castanha prometeu e por fim pôde regressar a casa do seu
avô.
Nos dois domingos seguintes a menina foi arrumar a cabana dos
Paula D 4º Ano 2009/10
EB1 JI A-DOS-CÃOS PNEP
duendes, mas no terceiro domingo a menina disse ao avô:
- Acho que desta vez não vou. Estou cansada.
- Está bem - disse o avô, - então temos que trancar bem as janelas e as
portas, porque o velho Krock pode vir roubar-nos as castanhas.
Quando já estava tudo trancado e fechado e a menina e o avô dormiam
descansados, ouviram alguém a bater à porta e uma velhinha a gemer:
- Sou uma pobre velhinha que me perdi na floresta; se me pudessem
ensinar o caminho...
O avô levantou-se e desceu para abrir, mas, em vez de uma velhinha,
viu que era um dos duendes que tinha disfarçado a voz e atrás deles
estavam os outros, que entraram a correr dentro da casa. Uns empurraram o
avô contra uma parede para que não fugisse, outros foram ao quarto da
menina para que não acordasse e os outros foram abrir as janelas para o
velho Krock entrar. Este levava um saco muito grande e levou todas as
castanhas que encontrou. O corvo saiu a voar e os duendes, mais espertos
do que uma raposa, desapareceram sem deixar rasto.
O avô e a Maria Castanha ficaram a chorar toda a noite enquanto lá
fora começava uma grande tempestade de raios, trovões e vento.
No dia seguinte, o avô disse:
- Aqueles duendes são uns ladrõezecos. Vamos procurar o guarda da
floresta. Ele vai ajudar-nos a fazer com que nos devolvam as castanhas.
O guarda da floresta, ao saber o que tinha acontecido, pegou no seu
cajado, chamou o cão e disse:
- Vamos, vou já dar uma lição a estes duendes.
O avô e a Maria Castanha seguiram atrás dele.
Mas, por mais que procurassem, não encontraram a cabana dos
duendes em lugar nenhum. A grande tempestade daquela noite tinha-a
derrubado e feito desaparecer. Passado um bocado, viram umas pegadas no
chão, debaixo de um grande castanheiro. Em cima da árvore estavam os
Paula D 4º Ano 2009/10
EB1 JI A-DOS-CÃOS PNEP
duendes, cansados, encharcados, sujos, a espirrar e a chorar. Estavam
todos ao monte, cheios de fome e de frio. Noutro ramo, com as penas cheias
de lama, todo molhado, estava o velho Krock.
- Fomos bem castigados - disse um dos duendes. - Por pouco não
morremos e ficámos sem casa. Perdoem-nos, nunca mais faremos isso!
O avô e a Maria Castanha tiveram pena deles e disseram-lhes: - Se não
têm casa, podem ir viver connosco, lá ficam bem.
- Obrigado, obrigado! - disseram os duendes. - Prometemos que vamos
ser bonzinhos e que vamos trabalhar. Faremos todos os recados, lavamos,
varremos a casa, vamos apanhar lenha, não precisam de fazer nada... só a
comida, porque a Maria Castanha cozinha melhor do que ninguém.
- Tudo isso está muito bem - disse o guarda da floresta: - mas vocês
têm que ir buscar as castanhas e devolvê-las agora mesmo!
Então, os duendes e o velho Krock desapareceram floresta dentro e
trouxeram de um esconderijo as castanhas que tinham levado, e até
apanharam mais, enchendo três grandes sacos.
Depois, regressaram todos para casa do avô, muito contentes. Os
duendes fizeram o seu quarto no palheiro, e o velho Krock encontrou no
telhado um tronco bem forte onde fez a sua casa.
Retirado de http://pnepcervaes.blogspot.com/2007/11/maria-castanha.html Acedido em 10/11/08
Paula D 4º Ano 2009/10
EB1 JI A-DOS-CÃOS PNEP
Teatro (adaptado)
Narrador 1 - Há muitos, muitos anos, havia uma cabana no meio da
floresta onde viviam seis duendes muito endiabrados. Usavam todos, um
barrete laranja e uma roupa de cor diferente. Eles gostavam muito de brincar
e cantar. O que tinha a roupa azul chamava-se Azulinho. O outro que andava
vestido de verde era o Verdinho. O que tinha a roupa cor de laranja
chamavam-lhe Laranjinha. O quarto andava vestido de Branco, era o
Branquinho. O quinto tinha a roupa amarela e chamavam-lhe Amarelinho. E
o sexto andava vestido com uma roupa vermelha, era o Vermelhinho.
Narrador 2 – Cada manhã, um dos duendes encarregava-se das
tarefas da casa, enquanto os outros corriam e brincavam na floresta. Mas
quando chegava o domingo, já todos os duendes tinham feito as suas tarefas
e nenhum queria trabalhar.
Narrador 3 - No outro lado da floresta, vivia um avô com a sua neta, que
era uma menina muito bonita chamada Maria Castanha.
Deram-lhe este nome porque ela e o seu avô apanhavam castanhas e iam
vendê-las no mercado da povoação.
Cada vez que iam para a floresta, o avô dizia à Maria Castanha:
Avô - - Toma atenção, não te afastes muito e sobretudo não passes para o
outro lado do rio. Lembra-te que vivem lá os duendes da cabana.
Neta - Os duendes são maus, avô? (perguntou a menina).
Avô - - Não, não são maus, mas gostam muito de fazer travessuras.
Paula D 4º Ano 2009/10
EB1 JI A-DOS-CÃOS PNEP
Narrador 1 - E naquela tarde a Maria Castanha foi à floresta apanhar
flores e andando, andando, passou por cima de um castanheiro que tinha
caído e ficado atravessado no rio e encontrou a cabana dos duendes.
Narrador 2 - Quando os duendes a viram, ficaram muito contentes.
Depois, perguntaram-lhe como é que ela se chamava, onde vivia e se queria
ficar a brincar um bocado com eles. Assim, todos juntos, estiveram a tarde
inteira a brincar: às escondidas, aos cinco cantinhos, ao lenço, ao gato e ao
rato...
Narrador 3 - Mas, de repente… os duendes deram as mãos, fizeram
uma roda à volta da menina e começaram a cantar:
Duendes - - Não, não; tu não te irás embora. Não, não; tu não
regressarás.
Maria Castanha - Pronto, já chega. Agora é que me vou embora.
Duendes - - Não, não; tu não te irás embora. Não, não; tu não
regressarás.
Maria Castanha - Mas por que é que não me deixam partir?
Duendes - Escuta bem: amanhã é domingo, e aos domingos nenhum de
nós quer trabalhar nem fazer a comida! E não fazemos nada, só brigamos
Paula D 4º Ano 2009/10
EB1 JI A-DOS-CÃOS PNEP
uns com os outros. Mas, se tu ficares, tratarás da casa e, sobretudo, poderás
fazer o comer.
Maria Castanha - Mas o meu avô vai ficar preocupado.
Duendes - Basta que lhe mandes uma mensagem a dizeres onde estás e
pronto.
Maria Castanha – Como?
Duendes - Velho Krock!
Narrador 1 – Nesse momento, ao longe ouviu-se …
KrocK – croc, croc, croc! (Chega e leva o papel no bico…)
Narrador 1- Quando chegou a tarde, a Maria Castanha quis ir-se
embora…,mas os duendes deram as mãos e fizeram uma roda à volta dela.
Duendes – Não, não, tu não te irás embora. Não, não; tu não
regressarás.
Maria Castanha – - Mas, por que é que não me posso ir embora? (E a
menina começou a chorar.)
Duendes - - Podes ir embora mas tens que prometer que vens todos os
Paula D 4º Ano 2009/10
EB1 JI A-DOS-CÃOS PNEP
domingos para arrumar a casa e… fazer a comida!
- Se não cumprires o que prometeste, nós ficaremos muito zangados contigo
e o velho Krock, como castigo, rouba-vos todas as castanhas antes de as
poderem vender.
Narrador 2 - - A Maria Castanha prometeu e por fim pôde regressar a
casa do seu avô. Passaram dois domingos e no terceiro domingo a menina
disse ao avô:
Maria Castanha – - Acho que desta vez não vou. Estou cansada.
Avô - - Está bem, então temos que trancar bem as janelas e as portas,
porque o velho Krock pode vir roubar-nos as castanhas.
Narrador 3 – Ouviram alguém a bater à porta e uma velhinha a gemer:
Duendes - - Sou uma pobre velhinha que me perdi na floresta; se me
pudessem ensinar o caminho…
Narrador 1 – Os duendes entraram, levaram todas as castanhas, o corvo
saiu a voar e os duendes, mais espertos do que uma raposa, desapareceram
sem deixar rasto. A neta e o avô ficaram a chorar…
Narrador 2 – No outro dia o guarda da floresta, ao saber o que tinha
acontecido, pegou no seu cajado e disse:
Paula D 4º Ano 2009/10
EB1 JI A-DOS-CÃOS PNEP
O guarda da floresta – Vamos, vou já dar uma lição a estes duendes.
Narrador 3 – … O avô e a Maria Castanha seguiram atrás dele.
Procuraram, procuraram…e em cima de um grande castanheiro estavam os
duendes, cansados, encharcados, sujos, a espirrar e a chorar. Estavam
todos ao monte, cheios de fome e de frio. Noutro ramo, com as penas cheias
de lama, todo molhado, estava o velho Krock.
Duendes - - Fomos bem castigados. Por pouco não morremos e
ficámos sem casa. Perdoem-nos, nunca mais faremos isso!
O avô e a Maria Castanha – Se não têm casa, podem ir viver
connosco, lá ficam bem.
Duendes - - Obrigado, obrigado! Prometemos que vamos ser bonzinhos e
que vamos trabalhar.
O guarda da floresta - - Tudo isso está muito bem – disse o guarda
da floresta: - mas vocês têm que ir buscar as castanhas e devolvê-Ias agora
mesmo!
Narrador 1 – Os duendes e o velho Krock devolveram as castanhas que
tinham retirado, fizeram o seu quarto no palheiro, e o velho Krock encontrou
no telhado um tronco bem forte onde fez a sua casa.
Adaptado por:
Paula D 4º Ano 2009/10
EB1 JI A-DOS-CÃOS PNEP
Paula Dias
EB1 Amoreira
PNEP - 2008/09
Grupo 1 Alunos Fantoches
Narrador 1
Narrador 2
Narrador 3
Avô
Neta
Kroc
Guarda
Duendes
Eunice
João O.
André
Afonso
Vanessa
Tatiana
Francisco
João B. /Marta /Chiara
Fato
Fato
Fato
Bigode
Menina
Pássaro azul
Chapéu azul
polícia
Chapéus laranja
Grupo 2 Alunos Fantoches
Grupo 2 :
Narrador 1
Narrador 2
Narrador 3
Avô
Neta
Kroc
Guarda
Duendes (3)
Mariana
Inês
Rafael M.
Diogo
Ana M.
Rafael C.
Leonardo
Catarina/Cláudia/Maxi
m
Fato
Fato
Fato
Bigode
Menina
Pássaro azul
Chapéu azul
polícia
Chapéus laranja
Paula D 4º Ano 2009/10
EB1 JI A-DOS-CÃOS PNEP
Paula D 4º Ano 2009/10

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais Lengalengas
Mais LengalengasMais Lengalengas
Mais Lengalengas
Luis Rolhas
 
A casa da mosca fosca
A casa da mosca foscaA casa da mosca fosca
A casa da mosca fosca
gigilu
 
Papá, diz me porquê...
Papá, diz me porquê...Papá, diz me porquê...
Papá, diz me porquê...
Sílvia Bastos
 
NinguéM Dá Prendas Ao Pai Natal
NinguéM Dá Prendas Ao Pai NatalNinguéM Dá Prendas Ao Pai Natal
NinguéM Dá Prendas Ao Pai Natal
daliatrigo
 
Uma Vaca De Estimação
Uma Vaca De EstimaçãoUma Vaca De Estimação
Uma Vaca De Estimação
escolaldeia2010
 
A Horta Do Sr Lobo
A Horta Do Sr LoboA Horta Do Sr Lobo
A Horta Do Sr Lobo
Luzia Couto
 
Historia de outono
Historia de outonoHistoria de outono
Historia de outono
Anabela Afonso
 
O joão e o pé de feijão
O joão e o pé de feijãoO joão e o pé de feijão
O joão e o pé de feijão
Ana Grave
 
Ciclo do chocolate
Ciclo do chocolateCiclo do chocolate
Ciclo do chocolate
Isa Crowe
 
Frutos do outono
Frutos do outonoFrutos do outono
Frutos do outono
Carla Queiroz
 
Cabacinha
CabacinhaCabacinha
Cabacinha
AuroraMarques
 
Um lobo culto
Um lobo cultoUm lobo culto
Um lobo culto
AVEOS
 
Todos no sofá livro
Todos no sofá  livroTodos no sofá  livro
Todos no sofá livro
cristina123425
 
A ovelhinha que veio para jantar - Steve Smallman
A ovelhinha que veio para jantar - Steve SmallmanA ovelhinha que veio para jantar - Steve Smallman
A ovelhinha que veio para jantar - Steve Smallman
Emília Lima
 
História da Maria Castanha
História da Maria CastanhaHistória da Maria Castanha
História da Maria Castanha
MariaArmindaLopes
 
Power point a bruxinha que voava numa escova de dentes
Power point  a bruxinha que voava numa escova de dentesPower point  a bruxinha que voava numa escova de dentes
Power point a bruxinha que voava numa escova de dentes
Teresa Ramos
 
O senhor mago e a folha
O senhor mago e a folhaO senhor mago e a folha
O senhor mago e a folha
Virgínia Ferreira
 
História da lã
História da lãHistória da lã
História da lã
JosBatista
 
História --para-que-serve-o-ouriço
História --para-que-serve-o-ouriçoHistória --para-que-serve-o-ouriço
História --para-que-serve-o-ouriço
helenasalazar
 
Uma estranha dor barriga
Uma estranha dor barrigaUma estranha dor barriga
Uma estranha dor barriga
Sónia Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Mais Lengalengas
Mais LengalengasMais Lengalengas
Mais Lengalengas
 
A casa da mosca fosca
A casa da mosca foscaA casa da mosca fosca
A casa da mosca fosca
 
Papá, diz me porquê...
Papá, diz me porquê...Papá, diz me porquê...
Papá, diz me porquê...
 
NinguéM Dá Prendas Ao Pai Natal
NinguéM Dá Prendas Ao Pai NatalNinguéM Dá Prendas Ao Pai Natal
NinguéM Dá Prendas Ao Pai Natal
 
Uma Vaca De Estimação
Uma Vaca De EstimaçãoUma Vaca De Estimação
Uma Vaca De Estimação
 
A Horta Do Sr Lobo
A Horta Do Sr LoboA Horta Do Sr Lobo
A Horta Do Sr Lobo
 
Historia de outono
Historia de outonoHistoria de outono
Historia de outono
 
O joão e o pé de feijão
O joão e o pé de feijãoO joão e o pé de feijão
O joão e o pé de feijão
 
Ciclo do chocolate
Ciclo do chocolateCiclo do chocolate
Ciclo do chocolate
 
Frutos do outono
Frutos do outonoFrutos do outono
Frutos do outono
 
Cabacinha
CabacinhaCabacinha
Cabacinha
 
Um lobo culto
Um lobo cultoUm lobo culto
Um lobo culto
 
Todos no sofá livro
Todos no sofá  livroTodos no sofá  livro
Todos no sofá livro
 
A ovelhinha que veio para jantar - Steve Smallman
A ovelhinha que veio para jantar - Steve SmallmanA ovelhinha que veio para jantar - Steve Smallman
A ovelhinha que veio para jantar - Steve Smallman
 
História da Maria Castanha
História da Maria CastanhaHistória da Maria Castanha
História da Maria Castanha
 
Power point a bruxinha que voava numa escova de dentes
Power point  a bruxinha que voava numa escova de dentesPower point  a bruxinha que voava numa escova de dentes
Power point a bruxinha que voava numa escova de dentes
 
O senhor mago e a folha
O senhor mago e a folhaO senhor mago e a folha
O senhor mago e a folha
 
História da lã
História da lãHistória da lã
História da lã
 
História --para-que-serve-o-ouriço
História --para-que-serve-o-ouriçoHistória --para-que-serve-o-ouriço
História --para-que-serve-o-ouriço
 
Uma estranha dor barriga
Uma estranha dor barrigaUma estranha dor barriga
Uma estranha dor barriga
 

Semelhante a Teatro maria castanha_duendes(2)

Maria castanha(história)
Maria castanha(história)Maria castanha(história)
Maria castanha(história)
labeques
 
Maria Castanha
Maria CastanhaMaria Castanha
História da Maria Castanha
História da Maria CastanhaHistória da Maria Castanha
História da Maria Castanha
BEFreamunde
 
Maria Castanha
Maria CastanhaMaria Castanha
Maria Castanha
Aida Graça
 
A FamíLia Feliz
A FamíLia FelizA FamíLia Feliz
A FamíLia Feliz
TrasimacoSapo
 
áRvores da floresta
áRvores da florestaáRvores da floresta
áRvores da floresta
catarina01
 
Letras com rugas
Letras com rugasLetras com rugas
Letras com rugas
Biblioteca Escolar Portel
 
A floresta
A florestaA floresta
A floresta
Jaime Fernandes
 
Projeto "Uma lenda, duas lendas, tantas lendas..." 5º ano C
Projeto "Uma lenda, duas lendas, tantas lendas..." 5º ano C Projeto "Uma lenda, duas lendas, tantas lendas..." 5º ano C
Projeto "Uma lenda, duas lendas, tantas lendas..." 5º ano C
Juliana Cosenza Camara
 
áRvores da floresta
áRvores da florestaáRvores da floresta
áRvores da floresta
catarina01
 
3408628.ppt
3408628.ppt3408628.ppt
3408628.ppt
EduardoLima522172
 
aula trovad.
aula trovad.aula trovad.
aula trovad.
La-Antunes
 
Textos a pares 2
Textos a pares 2Textos a pares 2
Textos a pares 2
SaraHonorio
 
A menina do capuchinho vermelho no século xxi
A menina do capuchinho vermelho no século xxiA menina do capuchinho vermelho no século xxi
A menina do capuchinho vermelho no século xxi
Fernanda Sousa
 
Histórias 4.ºa
Histórias 4.ºaHistórias 4.ºa
Histórias 4.ºa
Dulce Monteiro
 
Contos Africanos - Versão Final.pdf
Contos Africanos - Versão Final.pdfContos Africanos - Versão Final.pdf
Contos Africanos - Versão Final.pdf
ssuser9cb078
 
Minha webquest
Minha webquestMinha webquest
Minha webquest
VPS1
 
Branca De Neve
Branca De NeveBranca De Neve
Branca De Neve
CJM
 
Pps sítio ppd prof Rosane 2012
Pps sítio ppd prof Rosane 2012Pps sítio ppd prof Rosane 2012
Pps sítio ppd prof Rosane 2012
Rosane Ribeiro
 
Os contos do 5.º E
Os contos  do 5.º EOs contos  do 5.º E
Os contos do 5.º E
cristinapedrogao
 

Semelhante a Teatro maria castanha_duendes(2) (20)

Maria castanha(história)
Maria castanha(história)Maria castanha(história)
Maria castanha(história)
 
Maria Castanha
Maria CastanhaMaria Castanha
Maria Castanha
 
História da Maria Castanha
História da Maria CastanhaHistória da Maria Castanha
História da Maria Castanha
 
Maria Castanha
Maria CastanhaMaria Castanha
Maria Castanha
 
A FamíLia Feliz
A FamíLia FelizA FamíLia Feliz
A FamíLia Feliz
 
áRvores da floresta
áRvores da florestaáRvores da floresta
áRvores da floresta
 
Letras com rugas
Letras com rugasLetras com rugas
Letras com rugas
 
A floresta
A florestaA floresta
A floresta
 
Projeto "Uma lenda, duas lendas, tantas lendas..." 5º ano C
Projeto "Uma lenda, duas lendas, tantas lendas..." 5º ano C Projeto "Uma lenda, duas lendas, tantas lendas..." 5º ano C
Projeto "Uma lenda, duas lendas, tantas lendas..." 5º ano C
 
áRvores da floresta
áRvores da florestaáRvores da floresta
áRvores da floresta
 
3408628.ppt
3408628.ppt3408628.ppt
3408628.ppt
 
aula trovad.
aula trovad.aula trovad.
aula trovad.
 
Textos a pares 2
Textos a pares 2Textos a pares 2
Textos a pares 2
 
A menina do capuchinho vermelho no século xxi
A menina do capuchinho vermelho no século xxiA menina do capuchinho vermelho no século xxi
A menina do capuchinho vermelho no século xxi
 
Histórias 4.ºa
Histórias 4.ºaHistórias 4.ºa
Histórias 4.ºa
 
Contos Africanos - Versão Final.pdf
Contos Africanos - Versão Final.pdfContos Africanos - Versão Final.pdf
Contos Africanos - Versão Final.pdf
 
Minha webquest
Minha webquestMinha webquest
Minha webquest
 
Branca De Neve
Branca De NeveBranca De Neve
Branca De Neve
 
Pps sítio ppd prof Rosane 2012
Pps sítio ppd prof Rosane 2012Pps sítio ppd prof Rosane 2012
Pps sítio ppd prof Rosane 2012
 
Os contos do 5.º E
Os contos  do 5.º EOs contos  do 5.º E
Os contos do 5.º E
 

Mais de Mara Pinto

Coordination of Education in Emergencies.pptx
Coordination of Education in Emergencies.pptxCoordination of Education in Emergencies.pptx
Coordination of Education in Emergencies.pptx
Mara Pinto
 
Education in Emergency - research coord.pptx
Education in Emergency - research coord.pptxEducation in Emergency - research coord.pptx
Education in Emergency - research coord.pptx
Mara Pinto
 
Xico,o campeão-da-reciclagem
Xico,o campeão-da-reciclagemXico,o campeão-da-reciclagem
Xico,o campeão-da-reciclagem
Mara Pinto
 
Viagem ao tecto_do_mundo-1
Viagem ao tecto_do_mundo-1Viagem ao tecto_do_mundo-1
Viagem ao tecto_do_mundo-1
Mara Pinto
 
Uma vaca de estimação
Uma vaca de estimaçãoUma vaca de estimação
Uma vaca de estimação
Mara Pinto
 
Proverbiosmusica
ProverbiosmusicaProverbiosmusica
Proverbiosmusica
Mara Pinto
 
Principezinho
PrincipezinhoPrincipezinho
Principezinho
Mara Pinto
 
O menino-pequeno
O menino-pequenoO menino-pequeno
O menino-pequeno
Mara Pinto
 
O ourico artur
O ourico arturO ourico artur
O ourico artur
Mara Pinto
 
O meu pai[1]
O meu pai[1]O meu pai[1]
O meu pai[1]
Mara Pinto
 
O dia em_que_as_cores_do_arco-iris_se_zangaram
O dia em_que_as_cores_do_arco-iris_se_zangaramO dia em_que_as_cores_do_arco-iris_se_zangaram
O dia em_que_as_cores_do_arco-iris_se_zangaram
Mara Pinto
 
O desejo da_bruxa
O desejo da_bruxaO desejo da_bruxa
O desejo da_bruxa
Mara Pinto
 
O bicnhinho que_queria_crescer
O bicnhinho que_queria_crescerO bicnhinho que_queria_crescer
O bicnhinho que_queria_crescer
Mara Pinto
 
O rapaz que tinha zero a matemática
O rapaz que tinha zero a matemáticaO rapaz que tinha zero a matemática
O rapaz que tinha zero a matemática
Mara Pinto
 
O menino que não gostava de ler
O menino que não gostava de lerO menino que não gostava de ler
O menino que não gostava de ler
Mara Pinto
 
O coelho que não era da páscoa
O coelho que não era da páscoaO coelho que não era da páscoa
O coelho que não era da páscoa
Mara Pinto
 
Meninos de-todas-as-cores
Meninos de-todas-as-coresMeninos de-todas-as-cores
Meninos de-todas-as-cores
Mara Pinto
 
Maria dos olhos_grandes_e_ze_pimpao
Maria dos olhos_grandes_e_ze_pimpaoMaria dos olhos_grandes_e_ze_pimpao
Maria dos olhos_grandes_e_ze_pimpao
Mara Pinto
 
Lengalengas
LengalengasLengalengas
Lengalengas
Mara Pinto
 

Mais de Mara Pinto (20)

Coordination of Education in Emergencies.pptx
Coordination of Education in Emergencies.pptxCoordination of Education in Emergencies.pptx
Coordination of Education in Emergencies.pptx
 
Education in Emergency - research coord.pptx
Education in Emergency - research coord.pptxEducation in Emergency - research coord.pptx
Education in Emergency - research coord.pptx
 
Xico,o campeão-da-reciclagem
Xico,o campeão-da-reciclagemXico,o campeão-da-reciclagem
Xico,o campeão-da-reciclagem
 
Viagem ao tecto_do_mundo-1
Viagem ao tecto_do_mundo-1Viagem ao tecto_do_mundo-1
Viagem ao tecto_do_mundo-1
 
Uma vaca de estimação
Uma vaca de estimaçãoUma vaca de estimação
Uma vaca de estimação
 
Proverbiosmusica
ProverbiosmusicaProverbiosmusica
Proverbiosmusica
 
Principezinho
PrincipezinhoPrincipezinho
Principezinho
 
Pai pe de_pai
Pai pe de_paiPai pe de_pai
Pai pe de_pai
 
O menino-pequeno
O menino-pequenoO menino-pequeno
O menino-pequeno
 
O ourico artur
O ourico arturO ourico artur
O ourico artur
 
O meu pai[1]
O meu pai[1]O meu pai[1]
O meu pai[1]
 
O dia em_que_as_cores_do_arco-iris_se_zangaram
O dia em_que_as_cores_do_arco-iris_se_zangaramO dia em_que_as_cores_do_arco-iris_se_zangaram
O dia em_que_as_cores_do_arco-iris_se_zangaram
 
O desejo da_bruxa
O desejo da_bruxaO desejo da_bruxa
O desejo da_bruxa
 
O bicnhinho que_queria_crescer
O bicnhinho que_queria_crescerO bicnhinho que_queria_crescer
O bicnhinho que_queria_crescer
 
O rapaz que tinha zero a matemática
O rapaz que tinha zero a matemáticaO rapaz que tinha zero a matemática
O rapaz que tinha zero a matemática
 
O menino que não gostava de ler
O menino que não gostava de lerO menino que não gostava de ler
O menino que não gostava de ler
 
O coelho que não era da páscoa
O coelho que não era da páscoaO coelho que não era da páscoa
O coelho que não era da páscoa
 
Meninos de-todas-as-cores
Meninos de-todas-as-coresMeninos de-todas-as-cores
Meninos de-todas-as-cores
 
Maria dos olhos_grandes_e_ze_pimpao
Maria dos olhos_grandes_e_ze_pimpaoMaria dos olhos_grandes_e_ze_pimpao
Maria dos olhos_grandes_e_ze_pimpao
 
Lengalengas
LengalengasLengalengas
Lengalengas
 

Teatro maria castanha_duendes(2)

  • 1. EB1 JI A-DOS-CÃOS PNEP A MARIA CASTANHA E OS DUENDES Há muitos, muitos anos, havia uma cabana no meio da floresta onde viviam seis duendes muito endiabrados. Usavam todos, um barrete laranja e uma roupa de cor diferente. Eles gostavam muito de brincar e cantar. O que tinha a roupa azul chamava-se Azulinho. O outro que andava vestido de verde era o Verdinho. O que tinha a roupa cor de laranja chamavam-lhe Laranjinha. O quarto andava vestido de Branco, era o Branquinho. O quinto tinha a roupa amarela e chamavam-lhe Amarelinho. E o sexto andava vestido com uma roupa vermelha, era o Vermelhinho. Cada manhã, um dos duendes encarregava-se das tarefas da casa, enquanto os outros corriam e brincavam na floresta. Mas quando chegava o domingo, já todos os duendes tinham feito as suas tarefas e nenhum queria trabalhar. Assim, aos domingos, ninguém fazia as camas, nem varria a casa, nem limpava o pó e, o pior de tudo, era que nenhum deles fazia a comida! Por isso, aos domingos, estavam todos de mau humor e zangados e acabavam quase sempre o dia a brigar uns com os outros. No outro lado da floresta, vivia um avô com a sua neta, que era uma menina muito bonita chamada Maria Castanha. Deram-lhe este nome porque ela e o seu avô apanhavam castanhas e iam vendê-las no mercado da povoação. Cada vez que iam para a floresta, o avô dizia à Maria Castanha: - Toma atenção, não te afastes muito e sobretudo não passes para o outro lado do rio. Lembra-te que vivem lá os duendes da cabana. - Os duendes são maus, avô? - perguntou a menina. - Não, não são maus, mas gostam muito de fazer travessuras. Já há muito tempo que não havia passagem para o outro lado do rio, Paula D 4º Ano 2009/10
  • 2. EB1 JI A-DOS-CÃOS PNEP mas num dia de uma grande tempestade um castanheiro muito grande caiu e ficou atravessado no rio. E naquela tarde a Maria Castanha foi à floresta apanhar flores e andando, andando, passou por cima da árvore para o outro lado do rio e encontrou a cabana dos duendes. Quando os duendes a viram, ficaram muito contentes. Depois, per- guntaram-lhe como é que ela se chamava, onde vivia e se queria ficar a brincar um bocado com eles. Assim, todos juntos, estiveram a tarde inteira a brincar: às escondidas, aos cinco cantinhos, ao lenço, ao gato e ao rato... Mas, de repente, a Maria Castanha percebeu que estava a escurecer: - Bem, agora tenho que voltar para casa do meu avô - disse ela. Naquele momento, os duendes deram as mãos e fizeram uma roda à volta da menina e começaram a cantar: - Não, não; tu não te irás embora. Não, não; não regressarás. A princípio, a Maria Castanha pensou que eles estavam a brincar, mas depois de um bocado, vendo que já era quase de noite, disse: - Pronto, já chega. Agora é que me vou embora. E os duendes tornaram a dar as mãos e cantaram: não, não, não irás embora. A pobre Maria Castanha, com a voz a tremer um bocadinho, perguntou: - Mas por que é que não me deixam partir? - Escuta bem: amanhã é domingo, e aos domingos nenhum de nós quer trabalhar nem fazer a comida! E não fazemos nada, só brigamos uns com os outros. Mas, se tu ficares, tratarás da casa e, sobretudo, poderás fazer o comer. - Mas o meu avô vai ficar preocupado. - Basta que lhe mandes uma mensagem a dizeres onde estás e pronto. - Não faz mal, mas temos o velho Krock. Paula D 4º Ano 2009/10
  • 3. EB1 JI A-DOS-CÃOS PNEP - Quem é o velho Krock? Os duendes bateram palmas e começaram a gritar: «Velho Krock!" Nesse momento, ao longe ouviu-se «croc, croc, croc", o ruído de um pássaro grande, e de repente viram chegar a voar uma espécie de corvo muito grande, azul da cabeça aos pés, menos o bico que era amarelo. A Maria Castanha, então, escreveu em letras grandes num papel: «Avô, não fiques preocupado, fico até amanhã com os duendes." O velho Krock agarrou no papel com o bico e voou até à casa do avô da menina. No dia seguinte, a menina levantou-se para arrumar a casa: acendeu a lareira, fez as camas, fez a comida, e ficaram todos muitos contentes. Quando chegou a tarde, a Maria Castanha quis ir-se embora..., mas os duendes deram as mãos e fizeram uma roda à volta dela. - Não, não, tu não te irás embora. E a menina começou a chorar. - Mas, por que é que não me posso ir embora? - Podes ir embora mas tens que prometer que vens todos os domingos para arrumar a casa e... fazer a comida! A Maria Castanha prometeu. Mas antes de ela se ir embora ainda lhe disseram: - Se não cumprires o que prometeste, nós ficaremos muito zangados contigo e o velho Krock, como castigo, rouba-vos todas as castanhas antes de as poderem vender. A Maria Castanha prometeu e por fim pôde regressar a casa do seu avô. Nos dois domingos seguintes a menina foi arrumar a cabana dos Paula D 4º Ano 2009/10
  • 4. EB1 JI A-DOS-CÃOS PNEP duendes, mas no terceiro domingo a menina disse ao avô: - Acho que desta vez não vou. Estou cansada. - Está bem - disse o avô, - então temos que trancar bem as janelas e as portas, porque o velho Krock pode vir roubar-nos as castanhas. Quando já estava tudo trancado e fechado e a menina e o avô dormiam descansados, ouviram alguém a bater à porta e uma velhinha a gemer: - Sou uma pobre velhinha que me perdi na floresta; se me pudessem ensinar o caminho... O avô levantou-se e desceu para abrir, mas, em vez de uma velhinha, viu que era um dos duendes que tinha disfarçado a voz e atrás deles estavam os outros, que entraram a correr dentro da casa. Uns empurraram o avô contra uma parede para que não fugisse, outros foram ao quarto da menina para que não acordasse e os outros foram abrir as janelas para o velho Krock entrar. Este levava um saco muito grande e levou todas as castanhas que encontrou. O corvo saiu a voar e os duendes, mais espertos do que uma raposa, desapareceram sem deixar rasto. O avô e a Maria Castanha ficaram a chorar toda a noite enquanto lá fora começava uma grande tempestade de raios, trovões e vento. No dia seguinte, o avô disse: - Aqueles duendes são uns ladrõezecos. Vamos procurar o guarda da floresta. Ele vai ajudar-nos a fazer com que nos devolvam as castanhas. O guarda da floresta, ao saber o que tinha acontecido, pegou no seu cajado, chamou o cão e disse: - Vamos, vou já dar uma lição a estes duendes. O avô e a Maria Castanha seguiram atrás dele. Mas, por mais que procurassem, não encontraram a cabana dos duendes em lugar nenhum. A grande tempestade daquela noite tinha-a derrubado e feito desaparecer. Passado um bocado, viram umas pegadas no chão, debaixo de um grande castanheiro. Em cima da árvore estavam os Paula D 4º Ano 2009/10
  • 5. EB1 JI A-DOS-CÃOS PNEP duendes, cansados, encharcados, sujos, a espirrar e a chorar. Estavam todos ao monte, cheios de fome e de frio. Noutro ramo, com as penas cheias de lama, todo molhado, estava o velho Krock. - Fomos bem castigados - disse um dos duendes. - Por pouco não morremos e ficámos sem casa. Perdoem-nos, nunca mais faremos isso! O avô e a Maria Castanha tiveram pena deles e disseram-lhes: - Se não têm casa, podem ir viver connosco, lá ficam bem. - Obrigado, obrigado! - disseram os duendes. - Prometemos que vamos ser bonzinhos e que vamos trabalhar. Faremos todos os recados, lavamos, varremos a casa, vamos apanhar lenha, não precisam de fazer nada... só a comida, porque a Maria Castanha cozinha melhor do que ninguém. - Tudo isso está muito bem - disse o guarda da floresta: - mas vocês têm que ir buscar as castanhas e devolvê-las agora mesmo! Então, os duendes e o velho Krock desapareceram floresta dentro e trouxeram de um esconderijo as castanhas que tinham levado, e até apanharam mais, enchendo três grandes sacos. Depois, regressaram todos para casa do avô, muito contentes. Os duendes fizeram o seu quarto no palheiro, e o velho Krock encontrou no telhado um tronco bem forte onde fez a sua casa. Retirado de http://pnepcervaes.blogspot.com/2007/11/maria-castanha.html Acedido em 10/11/08 Paula D 4º Ano 2009/10
  • 6. EB1 JI A-DOS-CÃOS PNEP Teatro (adaptado) Narrador 1 - Há muitos, muitos anos, havia uma cabana no meio da floresta onde viviam seis duendes muito endiabrados. Usavam todos, um barrete laranja e uma roupa de cor diferente. Eles gostavam muito de brincar e cantar. O que tinha a roupa azul chamava-se Azulinho. O outro que andava vestido de verde era o Verdinho. O que tinha a roupa cor de laranja chamavam-lhe Laranjinha. O quarto andava vestido de Branco, era o Branquinho. O quinto tinha a roupa amarela e chamavam-lhe Amarelinho. E o sexto andava vestido com uma roupa vermelha, era o Vermelhinho. Narrador 2 – Cada manhã, um dos duendes encarregava-se das tarefas da casa, enquanto os outros corriam e brincavam na floresta. Mas quando chegava o domingo, já todos os duendes tinham feito as suas tarefas e nenhum queria trabalhar. Narrador 3 - No outro lado da floresta, vivia um avô com a sua neta, que era uma menina muito bonita chamada Maria Castanha. Deram-lhe este nome porque ela e o seu avô apanhavam castanhas e iam vendê-las no mercado da povoação. Cada vez que iam para a floresta, o avô dizia à Maria Castanha: Avô - - Toma atenção, não te afastes muito e sobretudo não passes para o outro lado do rio. Lembra-te que vivem lá os duendes da cabana. Neta - Os duendes são maus, avô? (perguntou a menina). Avô - - Não, não são maus, mas gostam muito de fazer travessuras. Paula D 4º Ano 2009/10
  • 7. EB1 JI A-DOS-CÃOS PNEP Narrador 1 - E naquela tarde a Maria Castanha foi à floresta apanhar flores e andando, andando, passou por cima de um castanheiro que tinha caído e ficado atravessado no rio e encontrou a cabana dos duendes. Narrador 2 - Quando os duendes a viram, ficaram muito contentes. Depois, perguntaram-lhe como é que ela se chamava, onde vivia e se queria ficar a brincar um bocado com eles. Assim, todos juntos, estiveram a tarde inteira a brincar: às escondidas, aos cinco cantinhos, ao lenço, ao gato e ao rato... Narrador 3 - Mas, de repente… os duendes deram as mãos, fizeram uma roda à volta da menina e começaram a cantar: Duendes - - Não, não; tu não te irás embora. Não, não; tu não regressarás. Maria Castanha - Pronto, já chega. Agora é que me vou embora. Duendes - - Não, não; tu não te irás embora. Não, não; tu não regressarás. Maria Castanha - Mas por que é que não me deixam partir? Duendes - Escuta bem: amanhã é domingo, e aos domingos nenhum de nós quer trabalhar nem fazer a comida! E não fazemos nada, só brigamos Paula D 4º Ano 2009/10
  • 8. EB1 JI A-DOS-CÃOS PNEP uns com os outros. Mas, se tu ficares, tratarás da casa e, sobretudo, poderás fazer o comer. Maria Castanha - Mas o meu avô vai ficar preocupado. Duendes - Basta que lhe mandes uma mensagem a dizeres onde estás e pronto. Maria Castanha – Como? Duendes - Velho Krock! Narrador 1 – Nesse momento, ao longe ouviu-se … KrocK – croc, croc, croc! (Chega e leva o papel no bico…) Narrador 1- Quando chegou a tarde, a Maria Castanha quis ir-se embora…,mas os duendes deram as mãos e fizeram uma roda à volta dela. Duendes – Não, não, tu não te irás embora. Não, não; tu não regressarás. Maria Castanha – - Mas, por que é que não me posso ir embora? (E a menina começou a chorar.) Duendes - - Podes ir embora mas tens que prometer que vens todos os Paula D 4º Ano 2009/10
  • 9. EB1 JI A-DOS-CÃOS PNEP domingos para arrumar a casa e… fazer a comida! - Se não cumprires o que prometeste, nós ficaremos muito zangados contigo e o velho Krock, como castigo, rouba-vos todas as castanhas antes de as poderem vender. Narrador 2 - - A Maria Castanha prometeu e por fim pôde regressar a casa do seu avô. Passaram dois domingos e no terceiro domingo a menina disse ao avô: Maria Castanha – - Acho que desta vez não vou. Estou cansada. Avô - - Está bem, então temos que trancar bem as janelas e as portas, porque o velho Krock pode vir roubar-nos as castanhas. Narrador 3 – Ouviram alguém a bater à porta e uma velhinha a gemer: Duendes - - Sou uma pobre velhinha que me perdi na floresta; se me pudessem ensinar o caminho… Narrador 1 – Os duendes entraram, levaram todas as castanhas, o corvo saiu a voar e os duendes, mais espertos do que uma raposa, desapareceram sem deixar rasto. A neta e o avô ficaram a chorar… Narrador 2 – No outro dia o guarda da floresta, ao saber o que tinha acontecido, pegou no seu cajado e disse: Paula D 4º Ano 2009/10
  • 10. EB1 JI A-DOS-CÃOS PNEP O guarda da floresta – Vamos, vou já dar uma lição a estes duendes. Narrador 3 – … O avô e a Maria Castanha seguiram atrás dele. Procuraram, procuraram…e em cima de um grande castanheiro estavam os duendes, cansados, encharcados, sujos, a espirrar e a chorar. Estavam todos ao monte, cheios de fome e de frio. Noutro ramo, com as penas cheias de lama, todo molhado, estava o velho Krock. Duendes - - Fomos bem castigados. Por pouco não morremos e ficámos sem casa. Perdoem-nos, nunca mais faremos isso! O avô e a Maria Castanha – Se não têm casa, podem ir viver connosco, lá ficam bem. Duendes - - Obrigado, obrigado! Prometemos que vamos ser bonzinhos e que vamos trabalhar. O guarda da floresta - - Tudo isso está muito bem – disse o guarda da floresta: - mas vocês têm que ir buscar as castanhas e devolvê-Ias agora mesmo! Narrador 1 – Os duendes e o velho Krock devolveram as castanhas que tinham retirado, fizeram o seu quarto no palheiro, e o velho Krock encontrou no telhado um tronco bem forte onde fez a sua casa. Adaptado por: Paula D 4º Ano 2009/10
  • 11. EB1 JI A-DOS-CÃOS PNEP Paula Dias EB1 Amoreira PNEP - 2008/09 Grupo 1 Alunos Fantoches Narrador 1 Narrador 2 Narrador 3 Avô Neta Kroc Guarda Duendes Eunice João O. André Afonso Vanessa Tatiana Francisco João B. /Marta /Chiara Fato Fato Fato Bigode Menina Pássaro azul Chapéu azul polícia Chapéus laranja Grupo 2 Alunos Fantoches Grupo 2 : Narrador 1 Narrador 2 Narrador 3 Avô Neta Kroc Guarda Duendes (3) Mariana Inês Rafael M. Diogo Ana M. Rafael C. Leonardo Catarina/Cláudia/Maxi m Fato Fato Fato Bigode Menina Pássaro azul Chapéu azul polícia Chapéus laranja Paula D 4º Ano 2009/10
  • 12. EB1 JI A-DOS-CÃOS PNEP Paula D 4º Ano 2009/10