SlideShare uma empresa Scribd logo
Sistemas de Arquivos



                                     Daiana Paula de Ávila
                                  <daiana_avila@live.com>
                     Universidade do Contestado - UnC Concórdia - 04/2012




Resumo


Um sistema de arquivos é o conjunto de estruturas lógicas e rotinas que permitem
ao sistema operacional armazenar dados nas unidades de memória persistentes
como discos flexíveis e rígidos, pendrives, CDROM e DVDs, ou seja, são dados não
voláteis de acesso concorrente. As principais operações que podem ser executadas
são as de abrir, fechar, deletar, ler, escrever. Possui Diretório, também conhecidos
como pastas, são arquivos do sistema de arquivos que tem a função de guardar as
informações de identificação dos documentos no computador. O Diretório pode ser
de um ou dois níveis. A alocação dos sistemas de arquivos poderá ser contíngua,
por lista encadeada ou indexada.


Abstract


A file system is the set of logical structures and routines that allow the operating
systemto store data in persistent memory units such as floppy disks and hard
drives, flash    drives, CDROM and           DVDs,      or non-volatile data are concurrent
access. The main operations that can be performed are as open, close, delete, read,
write. Has directory,also     known as       folders, files are system files   that have the
function of     storing identification     information of    the     documents on      your
computer. The directory can be one or two levels.The allocation of file systems can
be contíngua for linked list or indexed.
Introdução


         O sistema de arquivos provê o mecanismo para o armazenamento online e o
acesso a dados e programas do sistema operacional e de todos os usuários do
computador. O sistema de arquivos consiste em duas partes distintas: uma coleção
de arquivos, cada um armazenando dados relacionados, e uma estrutura de
diretório, que organiza e fornece informações sobre todos os arquivos no sistema.
Alguns sistemas de arquivos possuem uma terceira parte, as partições, usadas para
separar grandes coleções de diretórios física e logicamente. (SILBERSCHATZ et al,
2004).


         Os arquivos são gerenciados pelo sistema operacional. O modo como eles
são estruturados, nomeados, acessados, utilizados, protegidos e implementados
constitui temas importantes no projeto de um sistema operacional. Como um todo, a
parte do sistema operacional que lida com arquivos é conhecida como o sistema de
arquivos. (TANENBAUM & WOODHULL, 2000).


         Arquivos


         Os arquivos são mapeados pelo sistema operacional em dispositivos físicos.
Esses dispositivos de armazenamento não são voláteis, de modo que o conteúdo
persiste mesmo em casos de falta de energia e reinicialização do sistema.
(SILBERSCHATZ et al, 2004).


         Arquivos são um poderoso mecanismo de abstração que permite ao usuário
(e seus programas) utilizar dados armazenados dentro do sistema computacional,
ou seja, através da manipulação dos arquivos são realizadas as operações de
escrita e leitura de dados, de forma transparente, evitando que sejam conhecidos
detalhes do funcionamento com que estas operações tratam e armazenam a
informação. (JANDL, 2004).


         Provavelmente a mais importante característica de qualquer mecanismo de
abstração é a maneira como são nomeados os objetos que estão sendo
gerenciados. Quando um processo cria um arquivo, ele lhe dá um nome. Quando o
processo termina, o arquivo continua a existir e a poder ser acessado por outros
processos, utilizando seu nome. (TANEBAUM; WOODHULL, 2000).


       Atributos de Arquivo


       São informações de controle de cada arquivo. Variam dependendo o Sistema
de Arquivos, porém estes estão presentes em quase todos os sistemas: nome, local,
tipo, tamanho, proteção, identificação do criador, data da criação. (SILBERSCHATZ
et al, 2004).


       Nem sempre os atributos oferecidos pó um sistema de arquivos são
suficientes para exprimir todas as informações a respeito de um arquivo. Nesse
caso, a “solução” encontrada pelos usuários é usar o nome do arquivo para exprimir
a informação desejada. Por exemplo, em muitos sistemas a parte final do nome do
arquivo (sua extensão) é usada para identificar o formato de seu conteúdo. Outra
situação é usar parte do nome do arquivo para identificar diferentes versões do
mesmo conteúdo. (MAZIERO, 2011).


       As informações sobre todos os arquivos são manipuladas na estrutura do
diretório, que também reside no armazenamento secundário. Em geral, uma entrada
de diretório consiste no nome do arquivo e seu identificador exclusivo. O
identificador, por sua vez, localiza os outros atributos do arquivo. Pode ser
necessário 1 kilobyte para registrar essas informações para cada arquivo. Em um
sistema com muitos arquivos, o tamanho do próprio diretório pode ser de
megabytes. Como os diretórios, assim como os arquivos precisam ser não voláteis,
eles precisam ser armazenados no dispositivo e trazidos para a memória aos
poucos, conforme a necessidade. (SILBERCHATZ et al, 2004).


       Operações com Arquivos


       Os arquivos existem para armazenar informações e permitir que estas sejam
recuperadas mais tarde. Sistemas diferentes oferecem operações diferentes para
permitir armazenamento e recuperação. São chamadas de sistema mais comuns
que se relacionam com arquivos: create, delete, open, close, read, write, append,
seek, get atributes, set atributes e rename. (TANENBAUM; WOODHULL, 2000).


         Diretórios


         Os sistemas de arquivos dos computadores podem ser extensos. Alguns
sisteas armazenam milhões de arquivos em terabytes de disco. Para gerenciar todos
esses dados, precisamos organizá-los. Essa organização é feita em duas partes:
primeiro, os discos são divididos em uma ou mais partições. Cada disco em um
sistema contém pelo menos uma partição, que é uma estrutura de nível inferior em
que os arquivos e diretórios residem. As partições podem ser consideradas discos
virtuais, também podem armazenar vários sistemas operacionais, permitindo a um
sistema inicializar e executar mais de um deles. Segundo, cada partição contém
informações dentro dela. Essas informações são mantidas em entradas no diretório
do dispositivo ou sumário do volume. O diretório do dispositivo registra
informações - como nome, local, tamanho e tipo – para todos os arquivos nessa
partição. (SILBERSCHATZ et al, 2004).


         - Sistema de Diretório em nível único


         A maneira mais simples de sistema de diretório é ter um diretório contendo
todos os arquivos. Algumas vezes ele é chamado de diretório-raiz, mas, como ele é
só um, o nome não importa muito. Nos primeiros computadores pessoais, esse
sistema era comum, em parte, porque havia somente um usuário. Curiosamente, o
primeiro supercomputador do mundo, o CDC 6600, também tinha somente um
diretório para todos os arquivos, mesmo sendo usado por várias pessoas ao mesmo
tempo. São mostrados os proprietários dos arquivos e não seus nomes. As
vantagens desse esquema são a simplicidade e a capacidade de localizar os
arquivos rapidamente – afinal, há somente um lugar onde procurar. (TANENBAUM,
2003).
- Diretório de dois níveis


      Um diretório de único nível normalmente ocasiona confusão de nomes de
arquivos entre diferentes usuários. A solução é criar um diretório separado para
cada usuário. Na estrutura de diretório de dois níveis, cada usuário possui seu
próprio diretório de arquivos do usuário (UFD). Os UFD possuem estruturas
semelhantes, mas cada um lista apenas os arquivos de um único usuário. Quando a
tarefa de um usuário é iniciada ou quando um usuário efetua o login, o diretório de
arquivos mestre (MDF) é pesquisado. O MDF é deixado por nome de usuário ou
número de conta, e cada entrada aponta para o UFD desse usuário. Quando um
usuário se refere a determinado arquivo, somente se próprio arquivo UFD é
pesquisado. Assim, diferentes usuários podem ter arquivos com o mesmo nome,
desde que todos os nomes de arquivo dentro de cada UFD sejam exclusivos.
(SILBERCHATZ et al, 2004).


      Implementação de Arquivos


      A questão mais importante na implementação de armazenamento de arquivos
talvez seja a manutenção do controle de quais blocos de discos estão relacionados
a quais arquivos. São usados vários métodos em diferentes sistemas operacionais.
(TANENBAUM, 2003).


      A alocação de um arquivo no disco tem como ponto de partida a definição de
um bloco de controle de arquivo (FCB – File Control Block), que nada mais é que
uma estrutura contendo os meta-dados do arquivo e a localização de seu conteúdo
no disco. Em alguns sistemas de arquivos mais simples, como o sistema FAT (File
Alocation Table) usado em plataformas MS-DOS, o FCB é bastante pequeno e cabe
na entrada correspondente ao arquivo, na tabela de diretório onde ele se encontra
definido. Em sistemas de arquivos mais complexos, os blocos de controle de
arquivos são definidos em estruturas separadas, como a Master File Table do
sistema NTFS e os i-nodes do sistema UNIX. (MAZIERO, 2011).
- Alocação contíngua


      O esquema mais simples de alocação é armazenar cada arquivo como um
bloco contíguo de dados no disco. Assim, em um disco com blocos de 1K, um
arquivo de 50K alocaria 50 blocos consecutivos. Esse esquema tem duas vantagens
significativas, é simples de implementar porque monitorar os blocos de um arquivo
estão reduz-se a lembrar um número, o endereço de disco do primeiro bloco. A outra
vantagem é que o desempenho é excelente porque o arquivo inteiro pode ser lido do
disco em uma única operação. (TANENBAUM; WOODHULL, 2000).


      A alocação contígua tem dois grandes problemas também. Primeiro, só pode
ser usada se o tamanho máximo do arquivo for conhecido no momento de sua
criação. Sem esta informação, o sistema operacional não pode saber quanto espaço
em disco deve ser reservado. O segundo problema é a fragmentação do disco,
resultante desta política de alocação. Perde-se muito espaço útil. A compactação do
disco normalmente é tão cara que torna-se proibitiva, apesar de poder ser realizada
à noite, quando o sistema é pouco usado. (TANENBAUM, 1995).


      - Alocação por lista encadeada


      Este método para armazenar arquivos mantém, cada um, como uma lista
encadeada de blocos de disco. A primeira palavra de cada bloco é usada como
ponteiro para um próximo. O restante do bloco é usado para dados, todo bloco de
disco pode ser usado. Para manter uma entrada de diretório é suficiente armazenar
apenas o endereço em disco do primeiro bloco. O restante pode ser encontrado a
partir dele. (TANENBAUM, 2003).


      Os principais problemas da alocação encadeada são o baixo desempenho
nos acessos diretos e a relativa fragilidade em relação a erros nos blocos do disco.
Ambos os problemas provêm do fato de que os ponteiros dos blocos são
aramzenados nos próprios blocos, junto dos dados do arquivo. Para resolver esse
problema, os ponteiros podem ser retirados dos blocos de dados arazaenados em
uma tabela separada. Essa tabela é denominada Tabela de Alocação de Arquivos
(FAT), sendo a base dos sistemas de arquivos FAT12, FAT16 e FAT32 usados nos
sistemas   operacionais   MS-Dos,    Windows    e   em   muitos   dispositivos   de
armazenamento portáteis, como        pen-drives, reprodutores MP3      e câmeras
fotográficas digitais. (MAZIERO, 2011).


      - Alocação indexada


      Na alocação indexada cada arquivo possui seu próprio bloco de índice, que é
um array de endereços de bloco do disco. A entrada i do bloco de índice aponta para
o bloco i do arquivo. O diretório contém o endereço do bloco de índice. Para ler o
bloco i, usamos o ponteiro para a entrada de bloco de índice i a fim de encontrar e
ler o bloco desejado. A alocação indexada admite acesso direto, sem sofrer com a
fragmentação externa, pois qualquer bloco livre no disco pode satisfazer a uma
requisição de mais espaço. (SILBERSCHATZ et al, 2004).
Conclusão


       Quando visto de fora, um sistema de arquivos é uma coleção de arquivos e
de diretórios, mais as operações sobre os mesmo. Os arquivos podem ser lidos,
gravados, os diretórios podem ser criados e destruídos, e os arquivos podem ser
movidos de um diretório para outro. Sistemas de arquivos mais modernos suportam
um sistema de diretório hierárquico, nos quais diretórios podem ter subdiretórios ad
infinitum.
       Quando visto do interior, um sistema de arquivos parece bem diferente. Os
projetistas de sistema de arquivos precisam preocupar-se com o modo como o
armazenamento é alocado e com o modo como o sistema monitora qual bloco vai
com qual arquivo. Bem como diferentes sistemas têm diferentes estruturas de
diretórios, a confiabilidade e o desempenho do sistema de arquivos também são
questões importantes.
       Entre os exemplos de sistemas de arquivos estão ISSO 9660, CP/M, MS-
DOS, Windows 98 e Unix. Eles se diferenciam de várias maneiras, inclusive pelo
modo de monitorar quais blocos vão para quais arquivos, pela estrutura de diretórios
e pelo gerenciamento do espaço livre em disco.
Referências


JANDL, Peter, Jr. Notas sobre Sistemas Operacionais. 2004. Disponível em:
<http://rossano.pro.br/fatec/cursos/soii/SistemasOperacionais-peter-jandl-jr.pdf>.
Acesso em 20-03-2012 ás 16:00.


MAZIERO, Carlos Alberto. Sistemas Operacionais VI – Gerência de Arquivos.
2011. Disponível em: <http://dainf.ct.utfpr.edu.br/~maziero>. Acesso em 06-04-2012
ás 10:50.


SILBERSCHATZ, Abraham; GALVIN, Peter Baer; GAGME, Game. Sistemas
operacionais. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.


TANENBAUM, Andrew S. Sistemas Operacionais Modernos. Rio de Janeiro: JC,
1995.


TANENBAUM, Andrew S. Sistemas Operacionais Modernos. 2. Ed. São Paulo:
Pearson Prentice Hall, 2003.


TANENBAUM, Andrew S.; WOODHULL, Albert S. Sistemas Operacionais: projeto
e implementação. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2000.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistemas de Gestão de Arquivo
Sistemas de Gestão de ArquivoSistemas de Gestão de Arquivo
Sistemas de Gestão de Arquivo
Andreia Carvalho
 
Aula 5 bios
Aula 5 biosAula 5 bios
Aula 5 bios
Marcos Basilio
 
Aula1 e aula2 - Analise e Projeto de Sistemas
Aula1 e aula2 - Analise e Projeto de SistemasAula1 e aula2 - Analise e Projeto de Sistemas
Aula1 e aula2 - Analise e Projeto de Sistemas
Gustavo Gonzalez
 
Gestion de Memoria
Gestion de MemoriaGestion de Memoria
Gestion de Memoria
jhoax
 
Tipos de sistemas de informação nas organizações
Tipos de sistemas de informação nas organizaçõesTipos de sistemas de informação nas organizações
Tipos de sistemas de informação nas organizações
Pricila Yessayan
 
Sistemas Operacionais
Sistemas OperacionaisSistemas Operacionais
Sistemas Operacionais
Daniel Paz de Araújo
 
Sd08 (si) sistemas de arquivos distribuídos
Sd08 (si)   sistemas de arquivos distribuídosSd08 (si)   sistemas de arquivos distribuídos
Sd08 (si) sistemas de arquivos distribuídos
Computação Depressão
 
Sistema operativo servidor
Sistema operativo servidorSistema operativo servidor
Sistema operativo servidor
Sandu Postolachi
 
Sistema de ficheiros
Sistema de ficheirosSistema de ficheiros
Sistema de ficheiros
ATEC
 
Sistemas operacionais de redes particionamento de discos ii
Sistemas operacionais de redes   particionamento de discos iiSistemas operacionais de redes   particionamento de discos ii
Sistemas operacionais de redes particionamento de discos ii
Carlos Melo
 
Gerenciamento de Memoria
Gerenciamento de MemoriaGerenciamento de Memoria
Gerenciamento de Memoria
audineisilva1
 
Sistema de automação de escritório
Sistema de automação de escritórioSistema de automação de escritório
Sistema de automação de escritório
Denilson Sousa
 
Formatando o computador
Formatando o computadorFormatando o computador
Formatando o computador
Suzana Viana Mota
 
Sistemas Operativos Servidores
Sistemas Operativos ServidoresSistemas Operativos Servidores
Sistemas Operativos Servidores
Alexandre Maia
 
Introdução à Análise de Sistemas - Parte II
Introdução à Análise de Sistemas - Parte IIIntrodução à Análise de Sistemas - Parte II
Introdução à Análise de Sistemas - Parte II
Nécio de Lima Veras
 
SO-06 Gerenciamento de Memória: Paginação e Segmentação
SO-06 Gerenciamento de Memória: Paginação e SegmentaçãoSO-06 Gerenciamento de Memória: Paginação e Segmentação
SO-06 Gerenciamento de Memória: Paginação e Segmentação
Eduardo Nicola F. Zagari
 
Aula 06 comandos linux
Aula 06   comandos linuxAula 06   comandos linux
Aula 06 comandos linux
Aparicio Junior
 
Sistemas operativos 10º
Sistemas operativos 10ºSistemas operativos 10º
Sistemas operativos 10º
teacherpereira
 
Noções básicas de Sistemas Operacionais
Noções básicas de Sistemas OperacionaisNoções básicas de Sistemas Operacionais
Noções básicas de Sistemas Operacionais
Luciano Crecente
 
Capítulo 6 Sistemas Operacionais Modernos
Capítulo 6 Sistemas Operacionais ModernosCapítulo 6 Sistemas Operacionais Modernos
Capítulo 6 Sistemas Operacionais Modernos
Wellington Oliveira
 

Mais procurados (20)

Sistemas de Gestão de Arquivo
Sistemas de Gestão de ArquivoSistemas de Gestão de Arquivo
Sistemas de Gestão de Arquivo
 
Aula 5 bios
Aula 5 biosAula 5 bios
Aula 5 bios
 
Aula1 e aula2 - Analise e Projeto de Sistemas
Aula1 e aula2 - Analise e Projeto de SistemasAula1 e aula2 - Analise e Projeto de Sistemas
Aula1 e aula2 - Analise e Projeto de Sistemas
 
Gestion de Memoria
Gestion de MemoriaGestion de Memoria
Gestion de Memoria
 
Tipos de sistemas de informação nas organizações
Tipos de sistemas de informação nas organizaçõesTipos de sistemas de informação nas organizações
Tipos de sistemas de informação nas organizações
 
Sistemas Operacionais
Sistemas OperacionaisSistemas Operacionais
Sistemas Operacionais
 
Sd08 (si) sistemas de arquivos distribuídos
Sd08 (si)   sistemas de arquivos distribuídosSd08 (si)   sistemas de arquivos distribuídos
Sd08 (si) sistemas de arquivos distribuídos
 
Sistema operativo servidor
Sistema operativo servidorSistema operativo servidor
Sistema operativo servidor
 
Sistema de ficheiros
Sistema de ficheirosSistema de ficheiros
Sistema de ficheiros
 
Sistemas operacionais de redes particionamento de discos ii
Sistemas operacionais de redes   particionamento de discos iiSistemas operacionais de redes   particionamento de discos ii
Sistemas operacionais de redes particionamento de discos ii
 
Gerenciamento de Memoria
Gerenciamento de MemoriaGerenciamento de Memoria
Gerenciamento de Memoria
 
Sistema de automação de escritório
Sistema de automação de escritórioSistema de automação de escritório
Sistema de automação de escritório
 
Formatando o computador
Formatando o computadorFormatando o computador
Formatando o computador
 
Sistemas Operativos Servidores
Sistemas Operativos ServidoresSistemas Operativos Servidores
Sistemas Operativos Servidores
 
Introdução à Análise de Sistemas - Parte II
Introdução à Análise de Sistemas - Parte IIIntrodução à Análise de Sistemas - Parte II
Introdução à Análise de Sistemas - Parte II
 
SO-06 Gerenciamento de Memória: Paginação e Segmentação
SO-06 Gerenciamento de Memória: Paginação e SegmentaçãoSO-06 Gerenciamento de Memória: Paginação e Segmentação
SO-06 Gerenciamento de Memória: Paginação e Segmentação
 
Aula 06 comandos linux
Aula 06   comandos linuxAula 06   comandos linux
Aula 06 comandos linux
 
Sistemas operativos 10º
Sistemas operativos 10ºSistemas operativos 10º
Sistemas operativos 10º
 
Noções básicas de Sistemas Operacionais
Noções básicas de Sistemas OperacionaisNoções básicas de Sistemas Operacionais
Noções básicas de Sistemas Operacionais
 
Capítulo 6 Sistemas Operacionais Modernos
Capítulo 6 Sistemas Operacionais ModernosCapítulo 6 Sistemas Operacionais Modernos
Capítulo 6 Sistemas Operacionais Modernos
 

Semelhante a Sistemas de arquivos artigo

FACULDADE DE CIÊNCIAS EXACTAS E TECNOLÓGICAS SLIDE 4 GRUPO.pptx
FACULDADE DE CIÊNCIAS EXACTAS E TECNOLÓGICAS SLIDE 4 GRUPO.pptxFACULDADE DE CIÊNCIAS EXACTAS E TECNOLÓGICAS SLIDE 4 GRUPO.pptx
FACULDADE DE CIÊNCIAS EXACTAS E TECNOLÓGICAS SLIDE 4 GRUPO.pptx
RolleynMachoco
 
SO04 - Sistemas-Operacionais - Gerencia de Arquivos.pdf
SO04 - Sistemas-Operacionais - Gerencia de Arquivos.pdfSO04 - Sistemas-Operacionais - Gerencia de Arquivos.pdf
SO04 - Sistemas-Operacionais - Gerencia de Arquivos.pdf
Silvano Oliveira
 
Sgf
SgfSgf
1ª Unidade Sistemas de arquivos
1ª Unidade Sistemas de arquivos1ª Unidade Sistemas de arquivos
1ª Unidade Sistemas de arquivos
Cleiton Cunha
 
Sistemas Operacionais parte 3
Sistemas Operacionais parte 3Sistemas Operacionais parte 3
Sistemas Operacionais parte 3
Matheus Brito
 
Introdução ao linux
Introdução ao linuxIntrodução ao linux
Introdução ao linux
Filipe Jesus
 
Módulo 7 – Tratamento de ficheiros.pptx
Módulo 7 – Tratamento de ficheiros.pptxMódulo 7 – Tratamento de ficheiros.pptx
Módulo 7 – Tratamento de ficheiros.pptx
BrancaSilva12
 
Unidade 3.3 Estrutura de Diretórios Linux
Unidade 3.3 Estrutura de Diretórios LinuxUnidade 3.3 Estrutura de Diretórios Linux
Unidade 3.3 Estrutura de Diretórios Linux
Juan Carlos Lamarão
 
Material sobre sistemas de arquivos do Windows,como é a organização e o supor...
Material sobre sistemas de arquivos do Windows,como é a organização e o supor...Material sobre sistemas de arquivos do Windows,como é a organização e o supor...
Material sobre sistemas de arquivos do Windows,como é a organização e o supor...
Julio Oliveira
 
ADS e GTI
ADS e GTIADS e GTI
ADS e GTI
Marcellus Dutra
 
Entendendo FHS - Palestra Debian Day 2013
Entendendo FHS - Palestra Debian Day 2013Entendendo FHS - Palestra Debian Day 2013
Entendendo FHS - Palestra Debian Day 2013
Juliana Felix, MBA, ITIL v3
 
Gerência de Armazenamento: Interface do Sistema de Arquivos
Gerência de Armazenamento: Interface do Sistema de ArquivosGerência de Armazenamento: Interface do Sistema de Arquivos
Gerência de Armazenamento: Interface do Sistema de Arquivos
Alexandre Duarte
 
Estrutura de diretorios
Estrutura de diretoriosEstrutura de diretorios
Estrutura de diretorios
Ivani Nascimento
 
Artigo ipiranga
Artigo ipirangaArtigo ipiranga
Artigo ipiranga
lobotutb
 
Apostila 8 sistema de arquivos
Apostila 8   sistema de arquivosApostila 8   sistema de arquivos
Apostila 8 sistema de arquivos
Paulo Fonseca
 
Aula 5 - Sistemas Operacionais - Sistema de Arquivos (1).pptx
Aula 5 - Sistemas Operacionais - Sistema de Arquivos (1).pptxAula 5 - Sistemas Operacionais - Sistema de Arquivos (1).pptx
Aula 5 - Sistemas Operacionais - Sistema de Arquivos (1).pptx
RicardoCristovao2
 
Sistemas de Arquivos.pptx
Sistemas de Arquivos.pptxSistemas de Arquivos.pptx
Sistemas de Arquivos.pptx
stenio medeiros
 
Sistema de Arquivos
Sistema de ArquivosSistema de Arquivos
Sistema de Arquivos
Ana Cristina Aparecida
 
Formatação
FormataçãoFormatação
Formatação
Wellington Oliveira
 
Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)
Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)
Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)
Faculdade Mater Christi
 

Semelhante a Sistemas de arquivos artigo (20)

FACULDADE DE CIÊNCIAS EXACTAS E TECNOLÓGICAS SLIDE 4 GRUPO.pptx
FACULDADE DE CIÊNCIAS EXACTAS E TECNOLÓGICAS SLIDE 4 GRUPO.pptxFACULDADE DE CIÊNCIAS EXACTAS E TECNOLÓGICAS SLIDE 4 GRUPO.pptx
FACULDADE DE CIÊNCIAS EXACTAS E TECNOLÓGICAS SLIDE 4 GRUPO.pptx
 
SO04 - Sistemas-Operacionais - Gerencia de Arquivos.pdf
SO04 - Sistemas-Operacionais - Gerencia de Arquivos.pdfSO04 - Sistemas-Operacionais - Gerencia de Arquivos.pdf
SO04 - Sistemas-Operacionais - Gerencia de Arquivos.pdf
 
Sgf
SgfSgf
Sgf
 
1ª Unidade Sistemas de arquivos
1ª Unidade Sistemas de arquivos1ª Unidade Sistemas de arquivos
1ª Unidade Sistemas de arquivos
 
Sistemas Operacionais parte 3
Sistemas Operacionais parte 3Sistemas Operacionais parte 3
Sistemas Operacionais parte 3
 
Introdução ao linux
Introdução ao linuxIntrodução ao linux
Introdução ao linux
 
Módulo 7 – Tratamento de ficheiros.pptx
Módulo 7 – Tratamento de ficheiros.pptxMódulo 7 – Tratamento de ficheiros.pptx
Módulo 7 – Tratamento de ficheiros.pptx
 
Unidade 3.3 Estrutura de Diretórios Linux
Unidade 3.3 Estrutura de Diretórios LinuxUnidade 3.3 Estrutura de Diretórios Linux
Unidade 3.3 Estrutura de Diretórios Linux
 
Material sobre sistemas de arquivos do Windows,como é a organização e o supor...
Material sobre sistemas de arquivos do Windows,como é a organização e o supor...Material sobre sistemas de arquivos do Windows,como é a organização e o supor...
Material sobre sistemas de arquivos do Windows,como é a organização e o supor...
 
ADS e GTI
ADS e GTIADS e GTI
ADS e GTI
 
Entendendo FHS - Palestra Debian Day 2013
Entendendo FHS - Palestra Debian Day 2013Entendendo FHS - Palestra Debian Day 2013
Entendendo FHS - Palestra Debian Day 2013
 
Gerência de Armazenamento: Interface do Sistema de Arquivos
Gerência de Armazenamento: Interface do Sistema de ArquivosGerência de Armazenamento: Interface do Sistema de Arquivos
Gerência de Armazenamento: Interface do Sistema de Arquivos
 
Estrutura de diretorios
Estrutura de diretoriosEstrutura de diretorios
Estrutura de diretorios
 
Artigo ipiranga
Artigo ipirangaArtigo ipiranga
Artigo ipiranga
 
Apostila 8 sistema de arquivos
Apostila 8   sistema de arquivosApostila 8   sistema de arquivos
Apostila 8 sistema de arquivos
 
Aula 5 - Sistemas Operacionais - Sistema de Arquivos (1).pptx
Aula 5 - Sistemas Operacionais - Sistema de Arquivos (1).pptxAula 5 - Sistemas Operacionais - Sistema de Arquivos (1).pptx
Aula 5 - Sistemas Operacionais - Sistema de Arquivos (1).pptx
 
Sistemas de Arquivos.pptx
Sistemas de Arquivos.pptxSistemas de Arquivos.pptx
Sistemas de Arquivos.pptx
 
Sistema de Arquivos
Sistema de ArquivosSistema de Arquivos
Sistema de Arquivos
 
Formatação
FormataçãoFormatação
Formatação
 
Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)
Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)
Sistemas de arquivos cap 04 (iii unidade)
 

Mais de Daiana de Ávila

Projeto Informática na Escola
Projeto Informática na EscolaProjeto Informática na Escola
Projeto Informática na Escola
Daiana de Ávila
 
Qual é o seu maior sonho?
Qual é o seu maior sonho? Qual é o seu maior sonho?
Qual é o seu maior sonho?
Daiana de Ávila
 
Utilizando o audacity para editar e cortar músicas
Utilizando o audacity para editar e cortar músicasUtilizando o audacity para editar e cortar músicas
Utilizando o audacity para editar e cortar músicas
Daiana de Ávila
 
Projeto Sonhos
Projeto SonhosProjeto Sonhos
Projeto Sonhos
Daiana de Ávila
 
Windows Movie Maker
Windows Movie MakerWindows Movie Maker
Windows Movie Maker
Daiana de Ávila
 
Projeto sonhos (Preto e Branco)
Projeto sonhos (Preto e Branco)Projeto sonhos (Preto e Branco)
Projeto sonhos (Preto e Branco)
Daiana de Ávila
 
Projeto sonhos
Projeto sonhosProjeto sonhos
Projeto sonhos
Daiana de Ávila
 
Dicas de como pesquisar no Google
Dicas de como pesquisar no GoogleDicas de como pesquisar no Google
Dicas de como pesquisar no Google
Daiana de Ávila
 
Conhecendo o funcionamento do sistema operacional
Conhecendo o funcionamento do sistema operacionalConhecendo o funcionamento do sistema operacional
Conhecendo o funcionamento do sistema operacional
Daiana de Ávila
 
Sistemas operacionais
Sistemas operacionaisSistemas operacionais
Sistemas operacionais
Daiana de Ávila
 
Criando um e-mail no Gmail
Criando um e-mail no GmailCriando um e-mail no Gmail
Criando um e-mail no Gmail
Daiana de Ávila
 
Resumo básico de introdução à informática
Resumo básico de introdução à informáticaResumo básico de introdução à informática
Resumo básico de introdução à informática
Daiana de Ávila
 
Relatório de Estágio Sistemas de Informação
Relatório de Estágio Sistemas de InformaçãoRelatório de Estágio Sistemas de Informação
Relatório de Estágio Sistemas de Informação
Daiana de Ávila
 
Sistema Operacional iOS
Sistema Operacional iOSSistema Operacional iOS
Sistema Operacional iOS
Daiana de Ávila
 
Protocolos de Segurança
Protocolos de SegurançaProtocolos de Segurança
Protocolos de Segurança
Daiana de Ávila
 
10 de março dia do Assistente de Educação
10 de março dia do Assistente de Educação10 de março dia do Assistente de Educação
10 de março dia do Assistente de Educação
Daiana de Ávila
 
Dados atuais sobre a água
Dados atuais sobre a águaDados atuais sobre a água
Dados atuais sobre a água
Daiana de Ávila
 
Sistema Gerenciador Para um Salão de Beleza
Sistema Gerenciador Para um Salão de BelezaSistema Gerenciador Para um Salão de Beleza
Sistema Gerenciador Para um Salão de Beleza
Daiana de Ávila
 
O que é ideologia
O que é ideologiaO que é ideologia
O que é ideologia
Daiana de Ávila
 
Vírus informático
Vírus informáticoVírus informático
Vírus informático
Daiana de Ávila
 

Mais de Daiana de Ávila (20)

Projeto Informática na Escola
Projeto Informática na EscolaProjeto Informática na Escola
Projeto Informática na Escola
 
Qual é o seu maior sonho?
Qual é o seu maior sonho? Qual é o seu maior sonho?
Qual é o seu maior sonho?
 
Utilizando o audacity para editar e cortar músicas
Utilizando o audacity para editar e cortar músicasUtilizando o audacity para editar e cortar músicas
Utilizando o audacity para editar e cortar músicas
 
Projeto Sonhos
Projeto SonhosProjeto Sonhos
Projeto Sonhos
 
Windows Movie Maker
Windows Movie MakerWindows Movie Maker
Windows Movie Maker
 
Projeto sonhos (Preto e Branco)
Projeto sonhos (Preto e Branco)Projeto sonhos (Preto e Branco)
Projeto sonhos (Preto e Branco)
 
Projeto sonhos
Projeto sonhosProjeto sonhos
Projeto sonhos
 
Dicas de como pesquisar no Google
Dicas de como pesquisar no GoogleDicas de como pesquisar no Google
Dicas de como pesquisar no Google
 
Conhecendo o funcionamento do sistema operacional
Conhecendo o funcionamento do sistema operacionalConhecendo o funcionamento do sistema operacional
Conhecendo o funcionamento do sistema operacional
 
Sistemas operacionais
Sistemas operacionaisSistemas operacionais
Sistemas operacionais
 
Criando um e-mail no Gmail
Criando um e-mail no GmailCriando um e-mail no Gmail
Criando um e-mail no Gmail
 
Resumo básico de introdução à informática
Resumo básico de introdução à informáticaResumo básico de introdução à informática
Resumo básico de introdução à informática
 
Relatório de Estágio Sistemas de Informação
Relatório de Estágio Sistemas de InformaçãoRelatório de Estágio Sistemas de Informação
Relatório de Estágio Sistemas de Informação
 
Sistema Operacional iOS
Sistema Operacional iOSSistema Operacional iOS
Sistema Operacional iOS
 
Protocolos de Segurança
Protocolos de SegurançaProtocolos de Segurança
Protocolos de Segurança
 
10 de março dia do Assistente de Educação
10 de março dia do Assistente de Educação10 de março dia do Assistente de Educação
10 de março dia do Assistente de Educação
 
Dados atuais sobre a água
Dados atuais sobre a águaDados atuais sobre a água
Dados atuais sobre a água
 
Sistema Gerenciador Para um Salão de Beleza
Sistema Gerenciador Para um Salão de BelezaSistema Gerenciador Para um Salão de Beleza
Sistema Gerenciador Para um Salão de Beleza
 
O que é ideologia
O que é ideologiaO que é ideologia
O que é ideologia
 
Vírus informático
Vírus informáticoVírus informático
Vírus informático
 

Sistemas de arquivos artigo

  • 1. Sistemas de Arquivos Daiana Paula de Ávila <daiana_avila@live.com> Universidade do Contestado - UnC Concórdia - 04/2012 Resumo Um sistema de arquivos é o conjunto de estruturas lógicas e rotinas que permitem ao sistema operacional armazenar dados nas unidades de memória persistentes como discos flexíveis e rígidos, pendrives, CDROM e DVDs, ou seja, são dados não voláteis de acesso concorrente. As principais operações que podem ser executadas são as de abrir, fechar, deletar, ler, escrever. Possui Diretório, também conhecidos como pastas, são arquivos do sistema de arquivos que tem a função de guardar as informações de identificação dos documentos no computador. O Diretório pode ser de um ou dois níveis. A alocação dos sistemas de arquivos poderá ser contíngua, por lista encadeada ou indexada. Abstract A file system is the set of logical structures and routines that allow the operating systemto store data in persistent memory units such as floppy disks and hard drives, flash drives, CDROM and DVDs, or non-volatile data are concurrent access. The main operations that can be performed are as open, close, delete, read, write. Has directory,also known as folders, files are system files that have the function of storing identification information of the documents on your computer. The directory can be one or two levels.The allocation of file systems can be contíngua for linked list or indexed.
  • 2. Introdução O sistema de arquivos provê o mecanismo para o armazenamento online e o acesso a dados e programas do sistema operacional e de todos os usuários do computador. O sistema de arquivos consiste em duas partes distintas: uma coleção de arquivos, cada um armazenando dados relacionados, e uma estrutura de diretório, que organiza e fornece informações sobre todos os arquivos no sistema. Alguns sistemas de arquivos possuem uma terceira parte, as partições, usadas para separar grandes coleções de diretórios física e logicamente. (SILBERSCHATZ et al, 2004). Os arquivos são gerenciados pelo sistema operacional. O modo como eles são estruturados, nomeados, acessados, utilizados, protegidos e implementados constitui temas importantes no projeto de um sistema operacional. Como um todo, a parte do sistema operacional que lida com arquivos é conhecida como o sistema de arquivos. (TANENBAUM & WOODHULL, 2000). Arquivos Os arquivos são mapeados pelo sistema operacional em dispositivos físicos. Esses dispositivos de armazenamento não são voláteis, de modo que o conteúdo persiste mesmo em casos de falta de energia e reinicialização do sistema. (SILBERSCHATZ et al, 2004). Arquivos são um poderoso mecanismo de abstração que permite ao usuário (e seus programas) utilizar dados armazenados dentro do sistema computacional, ou seja, através da manipulação dos arquivos são realizadas as operações de escrita e leitura de dados, de forma transparente, evitando que sejam conhecidos detalhes do funcionamento com que estas operações tratam e armazenam a informação. (JANDL, 2004). Provavelmente a mais importante característica de qualquer mecanismo de abstração é a maneira como são nomeados os objetos que estão sendo gerenciados. Quando um processo cria um arquivo, ele lhe dá um nome. Quando o
  • 3. processo termina, o arquivo continua a existir e a poder ser acessado por outros processos, utilizando seu nome. (TANEBAUM; WOODHULL, 2000). Atributos de Arquivo São informações de controle de cada arquivo. Variam dependendo o Sistema de Arquivos, porém estes estão presentes em quase todos os sistemas: nome, local, tipo, tamanho, proteção, identificação do criador, data da criação. (SILBERSCHATZ et al, 2004). Nem sempre os atributos oferecidos pó um sistema de arquivos são suficientes para exprimir todas as informações a respeito de um arquivo. Nesse caso, a “solução” encontrada pelos usuários é usar o nome do arquivo para exprimir a informação desejada. Por exemplo, em muitos sistemas a parte final do nome do arquivo (sua extensão) é usada para identificar o formato de seu conteúdo. Outra situação é usar parte do nome do arquivo para identificar diferentes versões do mesmo conteúdo. (MAZIERO, 2011). As informações sobre todos os arquivos são manipuladas na estrutura do diretório, que também reside no armazenamento secundário. Em geral, uma entrada de diretório consiste no nome do arquivo e seu identificador exclusivo. O identificador, por sua vez, localiza os outros atributos do arquivo. Pode ser necessário 1 kilobyte para registrar essas informações para cada arquivo. Em um sistema com muitos arquivos, o tamanho do próprio diretório pode ser de megabytes. Como os diretórios, assim como os arquivos precisam ser não voláteis, eles precisam ser armazenados no dispositivo e trazidos para a memória aos poucos, conforme a necessidade. (SILBERCHATZ et al, 2004). Operações com Arquivos Os arquivos existem para armazenar informações e permitir que estas sejam recuperadas mais tarde. Sistemas diferentes oferecem operações diferentes para permitir armazenamento e recuperação. São chamadas de sistema mais comuns
  • 4. que se relacionam com arquivos: create, delete, open, close, read, write, append, seek, get atributes, set atributes e rename. (TANENBAUM; WOODHULL, 2000). Diretórios Os sistemas de arquivos dos computadores podem ser extensos. Alguns sisteas armazenam milhões de arquivos em terabytes de disco. Para gerenciar todos esses dados, precisamos organizá-los. Essa organização é feita em duas partes: primeiro, os discos são divididos em uma ou mais partições. Cada disco em um sistema contém pelo menos uma partição, que é uma estrutura de nível inferior em que os arquivos e diretórios residem. As partições podem ser consideradas discos virtuais, também podem armazenar vários sistemas operacionais, permitindo a um sistema inicializar e executar mais de um deles. Segundo, cada partição contém informações dentro dela. Essas informações são mantidas em entradas no diretório do dispositivo ou sumário do volume. O diretório do dispositivo registra informações - como nome, local, tamanho e tipo – para todos os arquivos nessa partição. (SILBERSCHATZ et al, 2004). - Sistema de Diretório em nível único A maneira mais simples de sistema de diretório é ter um diretório contendo todos os arquivos. Algumas vezes ele é chamado de diretório-raiz, mas, como ele é só um, o nome não importa muito. Nos primeiros computadores pessoais, esse sistema era comum, em parte, porque havia somente um usuário. Curiosamente, o primeiro supercomputador do mundo, o CDC 6600, também tinha somente um diretório para todos os arquivos, mesmo sendo usado por várias pessoas ao mesmo tempo. São mostrados os proprietários dos arquivos e não seus nomes. As vantagens desse esquema são a simplicidade e a capacidade de localizar os arquivos rapidamente – afinal, há somente um lugar onde procurar. (TANENBAUM, 2003).
  • 5. - Diretório de dois níveis Um diretório de único nível normalmente ocasiona confusão de nomes de arquivos entre diferentes usuários. A solução é criar um diretório separado para cada usuário. Na estrutura de diretório de dois níveis, cada usuário possui seu próprio diretório de arquivos do usuário (UFD). Os UFD possuem estruturas semelhantes, mas cada um lista apenas os arquivos de um único usuário. Quando a tarefa de um usuário é iniciada ou quando um usuário efetua o login, o diretório de arquivos mestre (MDF) é pesquisado. O MDF é deixado por nome de usuário ou número de conta, e cada entrada aponta para o UFD desse usuário. Quando um usuário se refere a determinado arquivo, somente se próprio arquivo UFD é pesquisado. Assim, diferentes usuários podem ter arquivos com o mesmo nome, desde que todos os nomes de arquivo dentro de cada UFD sejam exclusivos. (SILBERCHATZ et al, 2004). Implementação de Arquivos A questão mais importante na implementação de armazenamento de arquivos talvez seja a manutenção do controle de quais blocos de discos estão relacionados a quais arquivos. São usados vários métodos em diferentes sistemas operacionais. (TANENBAUM, 2003). A alocação de um arquivo no disco tem como ponto de partida a definição de um bloco de controle de arquivo (FCB – File Control Block), que nada mais é que uma estrutura contendo os meta-dados do arquivo e a localização de seu conteúdo no disco. Em alguns sistemas de arquivos mais simples, como o sistema FAT (File Alocation Table) usado em plataformas MS-DOS, o FCB é bastante pequeno e cabe na entrada correspondente ao arquivo, na tabela de diretório onde ele se encontra definido. Em sistemas de arquivos mais complexos, os blocos de controle de arquivos são definidos em estruturas separadas, como a Master File Table do sistema NTFS e os i-nodes do sistema UNIX. (MAZIERO, 2011).
  • 6. - Alocação contíngua O esquema mais simples de alocação é armazenar cada arquivo como um bloco contíguo de dados no disco. Assim, em um disco com blocos de 1K, um arquivo de 50K alocaria 50 blocos consecutivos. Esse esquema tem duas vantagens significativas, é simples de implementar porque monitorar os blocos de um arquivo estão reduz-se a lembrar um número, o endereço de disco do primeiro bloco. A outra vantagem é que o desempenho é excelente porque o arquivo inteiro pode ser lido do disco em uma única operação. (TANENBAUM; WOODHULL, 2000). A alocação contígua tem dois grandes problemas também. Primeiro, só pode ser usada se o tamanho máximo do arquivo for conhecido no momento de sua criação. Sem esta informação, o sistema operacional não pode saber quanto espaço em disco deve ser reservado. O segundo problema é a fragmentação do disco, resultante desta política de alocação. Perde-se muito espaço útil. A compactação do disco normalmente é tão cara que torna-se proibitiva, apesar de poder ser realizada à noite, quando o sistema é pouco usado. (TANENBAUM, 1995). - Alocação por lista encadeada Este método para armazenar arquivos mantém, cada um, como uma lista encadeada de blocos de disco. A primeira palavra de cada bloco é usada como ponteiro para um próximo. O restante do bloco é usado para dados, todo bloco de disco pode ser usado. Para manter uma entrada de diretório é suficiente armazenar apenas o endereço em disco do primeiro bloco. O restante pode ser encontrado a partir dele. (TANENBAUM, 2003). Os principais problemas da alocação encadeada são o baixo desempenho nos acessos diretos e a relativa fragilidade em relação a erros nos blocos do disco. Ambos os problemas provêm do fato de que os ponteiros dos blocos são aramzenados nos próprios blocos, junto dos dados do arquivo. Para resolver esse problema, os ponteiros podem ser retirados dos blocos de dados arazaenados em uma tabela separada. Essa tabela é denominada Tabela de Alocação de Arquivos (FAT), sendo a base dos sistemas de arquivos FAT12, FAT16 e FAT32 usados nos
  • 7. sistemas operacionais MS-Dos, Windows e em muitos dispositivos de armazenamento portáteis, como pen-drives, reprodutores MP3 e câmeras fotográficas digitais. (MAZIERO, 2011). - Alocação indexada Na alocação indexada cada arquivo possui seu próprio bloco de índice, que é um array de endereços de bloco do disco. A entrada i do bloco de índice aponta para o bloco i do arquivo. O diretório contém o endereço do bloco de índice. Para ler o bloco i, usamos o ponteiro para a entrada de bloco de índice i a fim de encontrar e ler o bloco desejado. A alocação indexada admite acesso direto, sem sofrer com a fragmentação externa, pois qualquer bloco livre no disco pode satisfazer a uma requisição de mais espaço. (SILBERSCHATZ et al, 2004).
  • 8. Conclusão Quando visto de fora, um sistema de arquivos é uma coleção de arquivos e de diretórios, mais as operações sobre os mesmo. Os arquivos podem ser lidos, gravados, os diretórios podem ser criados e destruídos, e os arquivos podem ser movidos de um diretório para outro. Sistemas de arquivos mais modernos suportam um sistema de diretório hierárquico, nos quais diretórios podem ter subdiretórios ad infinitum. Quando visto do interior, um sistema de arquivos parece bem diferente. Os projetistas de sistema de arquivos precisam preocupar-se com o modo como o armazenamento é alocado e com o modo como o sistema monitora qual bloco vai com qual arquivo. Bem como diferentes sistemas têm diferentes estruturas de diretórios, a confiabilidade e o desempenho do sistema de arquivos também são questões importantes. Entre os exemplos de sistemas de arquivos estão ISSO 9660, CP/M, MS- DOS, Windows 98 e Unix. Eles se diferenciam de várias maneiras, inclusive pelo modo de monitorar quais blocos vão para quais arquivos, pela estrutura de diretórios e pelo gerenciamento do espaço livre em disco.
  • 9. Referências JANDL, Peter, Jr. Notas sobre Sistemas Operacionais. 2004. Disponível em: <http://rossano.pro.br/fatec/cursos/soii/SistemasOperacionais-peter-jandl-jr.pdf>. Acesso em 20-03-2012 ás 16:00. MAZIERO, Carlos Alberto. Sistemas Operacionais VI – Gerência de Arquivos. 2011. Disponível em: <http://dainf.ct.utfpr.edu.br/~maziero>. Acesso em 06-04-2012 ás 10:50. SILBERSCHATZ, Abraham; GALVIN, Peter Baer; GAGME, Game. Sistemas operacionais. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004. TANENBAUM, Andrew S. Sistemas Operacionais Modernos. Rio de Janeiro: JC, 1995. TANENBAUM, Andrew S. Sistemas Operacionais Modernos. 2. Ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2003. TANENBAUM, Andrew S.; WOODHULL, Albert S. Sistemas Operacionais: projeto e implementação. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2000.