SlideShare uma empresa Scribd logo
SISTEMA DE ARQUIVOS
REISER E HPFS
Anderson, Cicero, Daiane, Gabriela, Gerson, Tyele
O que é Sistema de Arquivos
• É um sistema de armazenamento de dados que tem a
função de fornecer ao sistema operacional uma estrutura
necessária para ler/gravar/executar arquivos.
• Um sistema de arquivos é a parte mais visível de um
sistema de computação.
• É criado durante a formatação de uma partição no disco
rígido (HD).
• No Linux este passo é feito durante a instalação do
mesmo, onde o usuário irá escolher por qualquer sistema
de arquivos ele irá utilizar em cada partição
Conceito de arquivo
• Um arquivo é um recurso para armazenamento de
informação
• Um arquivo pode ser considerado como um objeto,
possuindo um nome que o identifica, atributos e valores.
• Os arquivos são o computador.
• Ex: São como as peças do motor de um carro: elas estão
lá para que o carro funcione bem.
Tipos de arquivos
• Áudio - Ex.: MP3, WMA
• Vídeo – Ex.: AVI, MOV
• Imagem – Ex.: JPEG, PNG, GIF
• Compactadores – Ex.: ZIP, RAR
• Documentos – Ex.: DOC, PDF
ReiserFS
• Criado por Hans Reiser e mantido pela empresa The Namig
System Venture (Namesys)
• Sua primeira introdução foi em 2001 no Linux 2.4.1
• São seus patrocinadores as empresas Linspire e Novell
(Novell até 2006)
• O ReiserFS já foi o sistema de arquivos padrão nas
distribuições GNU/Linux que são Elive, Xandros, Linspire e
GoboLinux.
• ReiserFS saiu do mercado em 2008, pois
Hans Reiser foi condenado a 15 anos de prisão.
Características Técnicas - ReiserFS
• Possui tamanho de blocos variáveis, suporta a arquivos
de arte 1 Eib de tamanho.
• O acesso mhash, a árvore de diretórios é um pouco mais
rápido que o ext3.
• Dentre os vários tamanhos de bloco: 512, 1024, 4096 e
8192 bytes
• Não utiliza blocos de tamanho fixo e sim o ajuste do
tamanho deste bloco conforme o tamanho do tipo de
arquivo utilizado em cada parte do HD
Recuperação
• É simples e dispensa o uso de ferramentas adicionais.
• Ele tem uma própria ferramenta “reiserfsck”.
• O maior problema é que o “reiserfsck” nem sempre
consegue recuperar corretamente os nomes do arquivos.
Implementação
• O Reiser4 é uma nova implementação do ReiserFS, ou seja, é seu
sucessor natural. Sua proposta é a de oferecer, entre outros
recursos, o seguinte:
• Journaling mais eficiente;
• Melhor suporte a grandes quantidades de arquivos pequenos;
• Gerenciamento mais rápido de diretórios com muitos arquivos (na
casa dos milhares);
• Estrutura de arquivos dinamicamente otimizada;
• Transações atômicas na modificação do sistema de arquivos. Neste
caso, uma operação só pode ser tida como concluída se executada
por completo, ou seja, não há meio termo: ou está feito ou não está.
Estrutura – B+Tree
• Os dados são fixados em posições organizadas por
divisões denominadas folhas.
• As folhas são organizadas por nós ou ponteiros
chamados de sub-árvores, que estão ligados a um nó
raiz.
• Esse processo organizacional exige algoritmos mais
complexos, porém apresenta performance superior na
gravação e no acesso aos dados, se comparado a outros
sistemas de arquivos;
Blocos, metadados e formas de
organizar dados no sistema;
• O ReiserFS não aloca espaço em disco de acordo com os
blocos disponíveis no HD, mas sim aloca o tamanho exato
que é necessário para aquele arquivo.
• Para arquivos pequenos, seus dados em si e seus
metadados são gravados muito próximos um do outro.
Assim os arquivos podem ser lidos e recuperados com uma
única movimentação do cabeçote de leitura do disco(HD).
• O fato de o ReiserFS ser muito bom em gerenciar arquivos
pequenos não significa que o tratamento com arquivos
grandes seja ruim.
Permissões
• Reiserfs só pode acessar e recuperar dados de Linux.
• Acesso a dados imediata para sistemas de arquivos
consistentes.
• O software permite acessar dados em todos os sistemas
de arquivos suportados, incluindo sistemas de arquivos
armazenados em imagens de disco, disco virtual,
storages RAID, etc, sem a necessidade de exame
anterior.
ReiserFS - Vantagens
• Journaling mais eficiente;
• Melhor suporte a grandes quantidades de arquivos
pequenos;
• Gerenciamento mais rápido de diretórios com muitos
arquivos (na casa dos milhares);
• Estrutura de arquivos dinamicamente otimizada;
• Transações atômicas na modificação do sistema de
arquivos. Neste caso, uma operação só pode ser tida
como concluída se executada por completo, ou seja, não
há meio termo: ou está feito ou não está.
ReiserFS - Desvantagens
• Não há desfragmentação.
• Consumo elevado de CPU – utiliza no mínimo sete por
cento da CPU, podendo chegar a consumir 99 por cento
da mesma;
• O futuro do ReiserFS é atualmente dado como incerto,
em virtude da prisão, em 10 de Outubro de 2006, de
Hans Reiser, seu criador, e sua condenação em 28 de
Abril de 2008 pelo assassinato de sua mulher no início de
Setembro de 2006.
Limites
• Tamanho máximo de arquivo: 1 EiB (8 TiB em sistemas
de 32 bits)
• Número máximo de arquivos: Aproximadamente 4 bilhões
• Tamanho máximo de volume: 16 TiB (aproximadamente
17.6 TB)
HPFS
• Foi escrito por Gordon Letwin e outros na Microsoft e
adicionado a versão 1.2 do OS/2 em 1989, na altura
ainda um compromisso conjunto da Microsoft e IBM.
• Apesar de eficiente, este sistema de arquivos caiu em
desuso junto com o OS/2.
• Microsoft utilizou o HPFS no Windows NT e as versões
do NT que suportavam o HPFS eram a 3.1, 3.5, 3.51.
• Atualmente, o único sistema operacional que suporta o
HPFS é o Linux.
Características Técnicas - HPFS
• O HPFS tem estrutura de diretórios semelhante à FAT.
• Utilização mais eficiente do espaço em disco
• Adiciona classificação automática de diretórios com base nos nomes de
arquivo.
• Menor fragmentação de dados.
• Nomes de arquivo com até 254 caracteres de dois bytes.
• Uma arquitetura interna que mantém os itens relacionados próximos uns
dos outros sobre o volume de disco.
• Não utiliza cluster, e a unidade de alocação é alterada para os setores
físicos de 512 bytes, o que reduz a perda de espaço em disco.
• Também pode manter 64 KiB de metadados ( "atributos estendido") por
arquivo.
Implementação
• Foi uma melhoria em FAT, a raiz foi colocado no meio do
volume para ajudar com os tempos de acesso mais
rápidos. A raiz de FAT foi armazenado no início do disco.
Estrutura – B+Tree
• Os dados são fixados em posições organizadas por
divisões denominadas folhas.
• As folhas são organizadas por nós ou ponteiros
chamados de sub-árvores, que estão ligados a um nó
raiz.
• Esse processo organizacional exige algoritmos mais
complexos, porém apresenta performance superior na
gravação e no acesso aos dados, se comparado a outros
sistemas de arquivos;
Blocos, metadados e formas de
organizar dados no sistema;
• Blocos de montagem da estrutura de disco HPFS, um
disco HPFS possui as três estruturas básicas a seguir:
•
• BootBlock
• SuperBlock
• SpareBlock
Permissões
• Foi introduzido pela primeira vez com o SO/2 1.2 para permitir
um maior acesso a unidades de disco rígido maiores daquelas
aparecendo no mercado.
• O HPFS mantém a organização de diretório do FAT, mas
adiciona classificação automática do diretório baseado em
nomes de arquivo.
• Também permite que um arquivo seja composto de "dados" e
atributos especiais para permitir uma maior flexibilidade em
termos de suporte de outras convenções de nomeação e
segurança.
• A unidade de alocação é alterada de clusters para setores
físicos (512 bytes), que reduz o espaço em disco perdido.
HPFS - Vantagens
• Tem um ótimo sistema de tratamento de erros, com hotfixies e
a fragmentação do disco é mínima, o que também diminui a
probabilidade de erro no disco.
• Força a procura por setores para alocar novos arquivos sem
serem fragmentados.
• Não tem desperdício em disco, pois não há clusters e a menor
unidade de alocação é o próprio setor.
• Suporte para níveis hierárquicos de segurança.
• Melhor do que a versão FAT em muitos aspectos.
HPFS - Desvantagens
• Funcionamento melhor para discos entre 200 e 400 Mb.
• Suportado apenas pelo Windows 3.1, 3.5 e 3.51.
Windows NT 4.0 ou superior não acessam mais partições
HPFS.
• Não é possível definir os níveis de segurança do HPFS
sobre o Windows NT.
Limites
• Número máximo de arquivos: Ilimitado
• Tamanho máximo de volume: 64 GiB
• Número de unidades físicas: 24
• Número de partições: 16
• Tamanho da partição: 512 GB
• Tamanho do setor: 512 bytes
• Tamanho do bloco (unidade de alocação): 512 bytes
• Tamanho máximo do arquivo: 2 GB
Diferenças
HPFS REISERFS
Não há desperdícios em
disco, pois não há clusters
e a menor unidade de
alocação é o próprio setor.
Processo de inicialização do sistema é
muito mais rápido que os outros, pois
verifica apenas no disco rígido o que é
apontado pelo “journal file” e ao uso
árvores balanceada
Suporte para níveis
hierárquicos de segurança.
Suporta arquivos maiores que 2GB
Pode inutilizar totalmente a
unidade e os custos para
tentar recuperar os dados
são caríssimos sem muitas
probabilidades de
recuperação dos dados.
Oferece uma grande proteção contra o
corrompimento de arquivos em caso de
desligamento incorreto, principalmente.
Conclusão
• Concluímos então que ambos sistemas arquivos tiveram
seu auge, mas acabaram no esquecimento de muitos.
Em suas épocas tiveram grandes progressos quando se
tratava de sistemas de arquivos pois era algo inovador e
que estava em constante evolução.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Discos e sistemas de arquivos em Linux
Discos e sistemas de arquivos em LinuxDiscos e sistemas de arquivos em Linux
Discos e sistemas de arquivos em Linux
Fábio dos Reis
 
Sistemas Operativos Servidores
Sistemas Operativos ServidoresSistemas Operativos Servidores
Sistemas Operativos Servidores
Alexandre Maia
 
Aula 00 - Introducao ao Windows Server .pdf
Aula 00 - Introducao ao Windows Server .pdfAula 00 - Introducao ao Windows Server .pdf
Aula 00 - Introducao ao Windows Server .pdf
Luiz Carlos Araujo da Silva
 
Sistema de ficheiros
Sistema de ficheirosSistema de ficheiros
Sistema de ficheiros
ATEC
 
Windows Server 2008 - Marcio
Windows Server 2008 - MarcioWindows Server 2008 - Marcio
Windows Server 2008 - Marcio
Anderson Favaro
 
Sistemas Operacionais - 03 - Tipos e Estrutura dos SO
Sistemas Operacionais - 03 - Tipos e Estrutura dos SOSistemas Operacionais - 03 - Tipos e Estrutura dos SO
Sistemas Operacionais - 03 - Tipos e Estrutura dos SO
Mauro Duarte
 
Sistemas de Arquivos FAT x NTFS
Sistemas de Arquivos FAT x NTFSSistemas de Arquivos FAT x NTFS
Sistemas de Arquivos FAT x NTFS
Cleber Ramos
 
Windows server
Windows serverWindows server
Windows server
Eder E. Pereira
 
Criação do pendrive bootável
Criação do pendrive bootávelCriação do pendrive bootável
Criação do pendrive bootável
Francis Torres
 
Trabalho de sistema operativo servidor
Trabalho de sistema operativo servidorTrabalho de sistema operativo servidor
Trabalho de sistema operativo servidor
dtml2k
 
Hardware servidores
Hardware servidoresHardware servidores
Hardware servidores
Illo Vinicius
 
Tipos de Servidores
Tipos de ServidoresTipos de Servidores
Tipos de Servidores
Aricelio Souza
 
Sistema de ficheiros mais utilizados
Sistema de ficheiros mais utilizadosSistema de ficheiros mais utilizados
Sistema de ficheiros mais utilizados
Leandro Silva
 
SO-08 Sistemas de Arquivos
SO-08 Sistemas de ArquivosSO-08 Sistemas de Arquivos
SO-08 Sistemas de Arquivos
Eduardo Nicola F. Zagari
 
Sistemas Operacionais - Gnu/Linux Gerenciamento de Arquivos
Sistemas Operacionais - Gnu/Linux Gerenciamento de ArquivosSistemas Operacionais - Gnu/Linux Gerenciamento de Arquivos
Sistemas Operacionais - Gnu/Linux Gerenciamento de Arquivos
Luiz Arthur
 
S.o. windows server2008
S.o. windows server2008S.o. windows server2008
S.o. windows server2008
teacherpereira
 
Gerenciamento de Memoria
Gerenciamento de MemoriaGerenciamento de Memoria
Gerenciamento de Memoria
audineisilva1
 
Apostila 8 sistema de arquivos
Apostila 8   sistema de arquivosApostila 8   sistema de arquivos
Apostila 8 sistema de arquivos
Paulo Fonseca
 
Sd01 (si) sistemas de arquivos
Sd01 (si)   sistemas de arquivosSd01 (si)   sistemas de arquivos
Sd01 (si) sistemas de arquivos
Computação Depressão
 
Windows server 2012
Windows server 2012Windows server 2012
Windows server 2012
Jairo Soares Dolores Mosca
 

Mais procurados (20)

Discos e sistemas de arquivos em Linux
Discos e sistemas de arquivos em LinuxDiscos e sistemas de arquivos em Linux
Discos e sistemas de arquivos em Linux
 
Sistemas Operativos Servidores
Sistemas Operativos ServidoresSistemas Operativos Servidores
Sistemas Operativos Servidores
 
Aula 00 - Introducao ao Windows Server .pdf
Aula 00 - Introducao ao Windows Server .pdfAula 00 - Introducao ao Windows Server .pdf
Aula 00 - Introducao ao Windows Server .pdf
 
Sistema de ficheiros
Sistema de ficheirosSistema de ficheiros
Sistema de ficheiros
 
Windows Server 2008 - Marcio
Windows Server 2008 - MarcioWindows Server 2008 - Marcio
Windows Server 2008 - Marcio
 
Sistemas Operacionais - 03 - Tipos e Estrutura dos SO
Sistemas Operacionais - 03 - Tipos e Estrutura dos SOSistemas Operacionais - 03 - Tipos e Estrutura dos SO
Sistemas Operacionais - 03 - Tipos e Estrutura dos SO
 
Sistemas de Arquivos FAT x NTFS
Sistemas de Arquivos FAT x NTFSSistemas de Arquivos FAT x NTFS
Sistemas de Arquivos FAT x NTFS
 
Windows server
Windows serverWindows server
Windows server
 
Criação do pendrive bootável
Criação do pendrive bootávelCriação do pendrive bootável
Criação do pendrive bootável
 
Trabalho de sistema operativo servidor
Trabalho de sistema operativo servidorTrabalho de sistema operativo servidor
Trabalho de sistema operativo servidor
 
Hardware servidores
Hardware servidoresHardware servidores
Hardware servidores
 
Tipos de Servidores
Tipos de ServidoresTipos de Servidores
Tipos de Servidores
 
Sistema de ficheiros mais utilizados
Sistema de ficheiros mais utilizadosSistema de ficheiros mais utilizados
Sistema de ficheiros mais utilizados
 
SO-08 Sistemas de Arquivos
SO-08 Sistemas de ArquivosSO-08 Sistemas de Arquivos
SO-08 Sistemas de Arquivos
 
Sistemas Operacionais - Gnu/Linux Gerenciamento de Arquivos
Sistemas Operacionais - Gnu/Linux Gerenciamento de ArquivosSistemas Operacionais - Gnu/Linux Gerenciamento de Arquivos
Sistemas Operacionais - Gnu/Linux Gerenciamento de Arquivos
 
S.o. windows server2008
S.o. windows server2008S.o. windows server2008
S.o. windows server2008
 
Gerenciamento de Memoria
Gerenciamento de MemoriaGerenciamento de Memoria
Gerenciamento de Memoria
 
Apostila 8 sistema de arquivos
Apostila 8   sistema de arquivosApostila 8   sistema de arquivos
Apostila 8 sistema de arquivos
 
Sd01 (si) sistemas de arquivos
Sd01 (si)   sistemas de arquivosSd01 (si)   sistemas de arquivos
Sd01 (si) sistemas de arquivos
 
Windows server 2012
Windows server 2012Windows server 2012
Windows server 2012
 

Destaque

Time Triggered Protocol
Time Triggered ProtocolTime Triggered Protocol
Time Triggered Protocol
Dhruv Goel
 
Apostila de técnicas de arquivo
Apostila de técnicas de arquivoApostila de técnicas de arquivo
Apostila de técnicas de arquivo
Ênio Cavalcanti
 
Capítulo 6 Sistemas Operacionais Modernos
Capítulo 6 Sistemas Operacionais ModernosCapítulo 6 Sistemas Operacionais Modernos
Capítulo 6 Sistemas Operacionais Modernos
Wellington Oliveira
 
Sistemas de arquivos
Sistemas de arquivosSistemas de arquivos
Sistemas de arquivos
Joao Ferreira
 
Arquivo mt bom
Arquivo  mt bomArquivo  mt bom
Arquivo mt bom
Raquel Lopes
 
Arquivo
ArquivoArquivo
O arquivo
O arquivoO arquivo
O arquivo
Jorge Roberto
 
Manual organização arquivos administrativos
Manual organização arquivos administrativosManual organização arquivos administrativos
Manual organização arquivos administrativos
pedroapeixoto
 
Python and GIS: Improving Your Workflow
Python and GIS: Improving Your WorkflowPython and GIS: Improving Your Workflow
Python and GIS: Improving Your Workflow
John Reiser
 
File system.
File system.File system.
File system.
elyza12
 
Resumao Arquivologia
Resumao ArquivologiaResumao Arquivologia
Sistema Operacional Android
Sistema Operacional AndroidSistema Operacional Android
Sistema Operacional Android
Guiherme Alarcão
 
Arquivo
ArquivoArquivo
Arquivo
dioguinho92
 
Intro to GIS and Remote Sensing
Intro to GIS and Remote SensingIntro to GIS and Remote Sensing
Intro to GIS and Remote Sensing
John Reiser
 
Tecnicas de arquivamento
Tecnicas de arquivamentoTecnicas de arquivamento
Tecnicas de arquivamento
Cursos Profissionalizantes
 

Destaque (15)

Time Triggered Protocol
Time Triggered ProtocolTime Triggered Protocol
Time Triggered Protocol
 
Apostila de técnicas de arquivo
Apostila de técnicas de arquivoApostila de técnicas de arquivo
Apostila de técnicas de arquivo
 
Capítulo 6 Sistemas Operacionais Modernos
Capítulo 6 Sistemas Operacionais ModernosCapítulo 6 Sistemas Operacionais Modernos
Capítulo 6 Sistemas Operacionais Modernos
 
Sistemas de arquivos
Sistemas de arquivosSistemas de arquivos
Sistemas de arquivos
 
Arquivo mt bom
Arquivo  mt bomArquivo  mt bom
Arquivo mt bom
 
Arquivo
ArquivoArquivo
Arquivo
 
O arquivo
O arquivoO arquivo
O arquivo
 
Manual organização arquivos administrativos
Manual organização arquivos administrativosManual organização arquivos administrativos
Manual organização arquivos administrativos
 
Python and GIS: Improving Your Workflow
Python and GIS: Improving Your WorkflowPython and GIS: Improving Your Workflow
Python and GIS: Improving Your Workflow
 
File system.
File system.File system.
File system.
 
Resumao Arquivologia
Resumao ArquivologiaResumao Arquivologia
Resumao Arquivologia
 
Sistema Operacional Android
Sistema Operacional AndroidSistema Operacional Android
Sistema Operacional Android
 
Arquivo
ArquivoArquivo
Arquivo
 
Intro to GIS and Remote Sensing
Intro to GIS and Remote SensingIntro to GIS and Remote Sensing
Intro to GIS and Remote Sensing
 
Tecnicas de arquivamento
Tecnicas de arquivamentoTecnicas de arquivamento
Tecnicas de arquivamento
 

Semelhante a Sistema de arquivos - HPFS e ReiserFS/4

S.O. Tec. CIOB.pptx
S.O. Tec. CIOB.pptxS.O. Tec. CIOB.pptx
S.O. Tec. CIOB.pptx
SergioBraminchekel
 
Aula 13 instalação de hardware
Aula 13 instalação de hardwareAula 13 instalação de hardware
Aula 13 instalação de hardware
Jorge Ávila Miranda
 
Sistema de Arquivos
Sistema de ArquivosSistema de Arquivos
Sistema de Arquivos
Ana Cristina Aparecida
 
Sistemas de arquivos feito em latex
Sistemas de arquivos feito em latexSistemas de arquivos feito em latex
Sistemas de arquivos feito em latex
Bruno Teixeira
 
Sistemas de arquivo
Sistemas de arquivoSistemas de arquivo
Sistemas de arquivo
Tiago Brito
 
Sistemas de Ficheiros Linux
Sistemas de Ficheiros LinuxSistemas de Ficheiros Linux
Sistemas de Ficheiros Linux
Miguel Sousa Filipe
 
Artigo ipiranga
Artigo ipirangaArtigo ipiranga
Artigo ipiranga
lobotutb
 
Formatação
FormataçãoFormatação
Formatação
Wellington Oliveira
 
Servidores 02 - Sistemas de arquivos
Servidores 02 - Sistemas de arquivosServidores 02 - Sistemas de arquivos
Servidores 02 - Sistemas de arquivos
Manoel Afonso
 
Sistemas operacionais sistemas de arquivos-atualizado-senai
Sistemas operacionais   sistemas de arquivos-atualizado-senaiSistemas operacionais   sistemas de arquivos-atualizado-senai
Sistemas operacionais sistemas de arquivos-atualizado-senai
Carlos Melo
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
Henrique
 
FACULDADE DE CIÊNCIAS EXACTAS E TECNOLÓGICAS SLIDE 4 GRUPO.pptx
FACULDADE DE CIÊNCIAS EXACTAS E TECNOLÓGICAS SLIDE 4 GRUPO.pptxFACULDADE DE CIÊNCIAS EXACTAS E TECNOLÓGICAS SLIDE 4 GRUPO.pptx
FACULDADE DE CIÊNCIAS EXACTAS E TECNOLÓGICAS SLIDE 4 GRUPO.pptx
RolleynMachoco
 
Módulo 7 – Tratamento de ficheiros.pptx
Módulo 7 – Tratamento de ficheiros.pptxMódulo 7 – Tratamento de ficheiros.pptx
Módulo 7 – Tratamento de ficheiros.pptx
BrancaSilva12
 
1ª Unidade Sistemas de arquivos
1ª Unidade Sistemas de arquivos1ª Unidade Sistemas de arquivos
1ª Unidade Sistemas de arquivos
Cleiton Cunha
 
Sistema de Arquivos.pdf
Sistema de Arquivos.pdfSistema de Arquivos.pdf
Sistema de Arquivos.pdf
RobertaGomes99
 
Gerência de Armazenamento: Sistemas de Armazenamento em Massa
Gerência de Armazenamento: Sistemas de Armazenamento em MassaGerência de Armazenamento: Sistemas de Armazenamento em Massa
Gerência de Armazenamento: Sistemas de Armazenamento em Massa
Alexandre Duarte
 
Introdução ao linux
Introdução ao linuxIntrodução ao linux
Introdução ao linux
Filipe Jesus
 
Aula 05 informática aplicada - discos e sistemas de arquivos
Aula 05  informática aplicada - discos e sistemas de arquivosAula 05  informática aplicada - discos e sistemas de arquivos
Aula 05 informática aplicada - discos e sistemas de arquivos
Robson Ferreira
 
Sgf
SgfSgf
Sistemas de arquivos artigo
Sistemas de arquivos   artigoSistemas de arquivos   artigo
Sistemas de arquivos artigo
Daiana de Ávila
 

Semelhante a Sistema de arquivos - HPFS e ReiserFS/4 (20)

S.O. Tec. CIOB.pptx
S.O. Tec. CIOB.pptxS.O. Tec. CIOB.pptx
S.O. Tec. CIOB.pptx
 
Aula 13 instalação de hardware
Aula 13 instalação de hardwareAula 13 instalação de hardware
Aula 13 instalação de hardware
 
Sistema de Arquivos
Sistema de ArquivosSistema de Arquivos
Sistema de Arquivos
 
Sistemas de arquivos feito em latex
Sistemas de arquivos feito em latexSistemas de arquivos feito em latex
Sistemas de arquivos feito em latex
 
Sistemas de arquivo
Sistemas de arquivoSistemas de arquivo
Sistemas de arquivo
 
Sistemas de Ficheiros Linux
Sistemas de Ficheiros LinuxSistemas de Ficheiros Linux
Sistemas de Ficheiros Linux
 
Artigo ipiranga
Artigo ipirangaArtigo ipiranga
Artigo ipiranga
 
Formatação
FormataçãoFormatação
Formatação
 
Servidores 02 - Sistemas de arquivos
Servidores 02 - Sistemas de arquivosServidores 02 - Sistemas de arquivos
Servidores 02 - Sistemas de arquivos
 
Sistemas operacionais sistemas de arquivos-atualizado-senai
Sistemas operacionais   sistemas de arquivos-atualizado-senaiSistemas operacionais   sistemas de arquivos-atualizado-senai
Sistemas operacionais sistemas de arquivos-atualizado-senai
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
FACULDADE DE CIÊNCIAS EXACTAS E TECNOLÓGICAS SLIDE 4 GRUPO.pptx
FACULDADE DE CIÊNCIAS EXACTAS E TECNOLÓGICAS SLIDE 4 GRUPO.pptxFACULDADE DE CIÊNCIAS EXACTAS E TECNOLÓGICAS SLIDE 4 GRUPO.pptx
FACULDADE DE CIÊNCIAS EXACTAS E TECNOLÓGICAS SLIDE 4 GRUPO.pptx
 
Módulo 7 – Tratamento de ficheiros.pptx
Módulo 7 – Tratamento de ficheiros.pptxMódulo 7 – Tratamento de ficheiros.pptx
Módulo 7 – Tratamento de ficheiros.pptx
 
1ª Unidade Sistemas de arquivos
1ª Unidade Sistemas de arquivos1ª Unidade Sistemas de arquivos
1ª Unidade Sistemas de arquivos
 
Sistema de Arquivos.pdf
Sistema de Arquivos.pdfSistema de Arquivos.pdf
Sistema de Arquivos.pdf
 
Gerência de Armazenamento: Sistemas de Armazenamento em Massa
Gerência de Armazenamento: Sistemas de Armazenamento em MassaGerência de Armazenamento: Sistemas de Armazenamento em Massa
Gerência de Armazenamento: Sistemas de Armazenamento em Massa
 
Introdução ao linux
Introdução ao linuxIntrodução ao linux
Introdução ao linux
 
Aula 05 informática aplicada - discos e sistemas de arquivos
Aula 05  informática aplicada - discos e sistemas de arquivosAula 05  informática aplicada - discos e sistemas de arquivos
Aula 05 informática aplicada - discos e sistemas de arquivos
 
Sgf
SgfSgf
Sgf
 
Sistemas de arquivos artigo
Sistemas de arquivos   artigoSistemas de arquivos   artigo
Sistemas de arquivos artigo
 

Sistema de arquivos - HPFS e ReiserFS/4

  • 1. SISTEMA DE ARQUIVOS REISER E HPFS Anderson, Cicero, Daiane, Gabriela, Gerson, Tyele
  • 2. O que é Sistema de Arquivos • É um sistema de armazenamento de dados que tem a função de fornecer ao sistema operacional uma estrutura necessária para ler/gravar/executar arquivos. • Um sistema de arquivos é a parte mais visível de um sistema de computação. • É criado durante a formatação de uma partição no disco rígido (HD). • No Linux este passo é feito durante a instalação do mesmo, onde o usuário irá escolher por qualquer sistema de arquivos ele irá utilizar em cada partição
  • 3. Conceito de arquivo • Um arquivo é um recurso para armazenamento de informação • Um arquivo pode ser considerado como um objeto, possuindo um nome que o identifica, atributos e valores. • Os arquivos são o computador. • Ex: São como as peças do motor de um carro: elas estão lá para que o carro funcione bem.
  • 4. Tipos de arquivos • Áudio - Ex.: MP3, WMA • Vídeo – Ex.: AVI, MOV • Imagem – Ex.: JPEG, PNG, GIF • Compactadores – Ex.: ZIP, RAR • Documentos – Ex.: DOC, PDF
  • 5. ReiserFS • Criado por Hans Reiser e mantido pela empresa The Namig System Venture (Namesys) • Sua primeira introdução foi em 2001 no Linux 2.4.1 • São seus patrocinadores as empresas Linspire e Novell (Novell até 2006) • O ReiserFS já foi o sistema de arquivos padrão nas distribuições GNU/Linux que são Elive, Xandros, Linspire e GoboLinux. • ReiserFS saiu do mercado em 2008, pois Hans Reiser foi condenado a 15 anos de prisão.
  • 6. Características Técnicas - ReiserFS • Possui tamanho de blocos variáveis, suporta a arquivos de arte 1 Eib de tamanho. • O acesso mhash, a árvore de diretórios é um pouco mais rápido que o ext3. • Dentre os vários tamanhos de bloco: 512, 1024, 4096 e 8192 bytes • Não utiliza blocos de tamanho fixo e sim o ajuste do tamanho deste bloco conforme o tamanho do tipo de arquivo utilizado em cada parte do HD
  • 7. Recuperação • É simples e dispensa o uso de ferramentas adicionais. • Ele tem uma própria ferramenta “reiserfsck”. • O maior problema é que o “reiserfsck” nem sempre consegue recuperar corretamente os nomes do arquivos.
  • 8. Implementação • O Reiser4 é uma nova implementação do ReiserFS, ou seja, é seu sucessor natural. Sua proposta é a de oferecer, entre outros recursos, o seguinte: • Journaling mais eficiente; • Melhor suporte a grandes quantidades de arquivos pequenos; • Gerenciamento mais rápido de diretórios com muitos arquivos (na casa dos milhares); • Estrutura de arquivos dinamicamente otimizada; • Transações atômicas na modificação do sistema de arquivos. Neste caso, uma operação só pode ser tida como concluída se executada por completo, ou seja, não há meio termo: ou está feito ou não está.
  • 9. Estrutura – B+Tree • Os dados são fixados em posições organizadas por divisões denominadas folhas. • As folhas são organizadas por nós ou ponteiros chamados de sub-árvores, que estão ligados a um nó raiz. • Esse processo organizacional exige algoritmos mais complexos, porém apresenta performance superior na gravação e no acesso aos dados, se comparado a outros sistemas de arquivos;
  • 10. Blocos, metadados e formas de organizar dados no sistema; • O ReiserFS não aloca espaço em disco de acordo com os blocos disponíveis no HD, mas sim aloca o tamanho exato que é necessário para aquele arquivo. • Para arquivos pequenos, seus dados em si e seus metadados são gravados muito próximos um do outro. Assim os arquivos podem ser lidos e recuperados com uma única movimentação do cabeçote de leitura do disco(HD). • O fato de o ReiserFS ser muito bom em gerenciar arquivos pequenos não significa que o tratamento com arquivos grandes seja ruim.
  • 11. Permissões • Reiserfs só pode acessar e recuperar dados de Linux. • Acesso a dados imediata para sistemas de arquivos consistentes. • O software permite acessar dados em todos os sistemas de arquivos suportados, incluindo sistemas de arquivos armazenados em imagens de disco, disco virtual, storages RAID, etc, sem a necessidade de exame anterior.
  • 12. ReiserFS - Vantagens • Journaling mais eficiente; • Melhor suporte a grandes quantidades de arquivos pequenos; • Gerenciamento mais rápido de diretórios com muitos arquivos (na casa dos milhares); • Estrutura de arquivos dinamicamente otimizada; • Transações atômicas na modificação do sistema de arquivos. Neste caso, uma operação só pode ser tida como concluída se executada por completo, ou seja, não há meio termo: ou está feito ou não está.
  • 13. ReiserFS - Desvantagens • Não há desfragmentação. • Consumo elevado de CPU – utiliza no mínimo sete por cento da CPU, podendo chegar a consumir 99 por cento da mesma; • O futuro do ReiserFS é atualmente dado como incerto, em virtude da prisão, em 10 de Outubro de 2006, de Hans Reiser, seu criador, e sua condenação em 28 de Abril de 2008 pelo assassinato de sua mulher no início de Setembro de 2006.
  • 14. Limites • Tamanho máximo de arquivo: 1 EiB (8 TiB em sistemas de 32 bits) • Número máximo de arquivos: Aproximadamente 4 bilhões • Tamanho máximo de volume: 16 TiB (aproximadamente 17.6 TB)
  • 15. HPFS • Foi escrito por Gordon Letwin e outros na Microsoft e adicionado a versão 1.2 do OS/2 em 1989, na altura ainda um compromisso conjunto da Microsoft e IBM. • Apesar de eficiente, este sistema de arquivos caiu em desuso junto com o OS/2. • Microsoft utilizou o HPFS no Windows NT e as versões do NT que suportavam o HPFS eram a 3.1, 3.5, 3.51. • Atualmente, o único sistema operacional que suporta o HPFS é o Linux.
  • 16. Características Técnicas - HPFS • O HPFS tem estrutura de diretórios semelhante à FAT. • Utilização mais eficiente do espaço em disco • Adiciona classificação automática de diretórios com base nos nomes de arquivo. • Menor fragmentação de dados. • Nomes de arquivo com até 254 caracteres de dois bytes. • Uma arquitetura interna que mantém os itens relacionados próximos uns dos outros sobre o volume de disco. • Não utiliza cluster, e a unidade de alocação é alterada para os setores físicos de 512 bytes, o que reduz a perda de espaço em disco. • Também pode manter 64 KiB de metadados ( "atributos estendido") por arquivo.
  • 17. Implementação • Foi uma melhoria em FAT, a raiz foi colocado no meio do volume para ajudar com os tempos de acesso mais rápidos. A raiz de FAT foi armazenado no início do disco.
  • 18. Estrutura – B+Tree • Os dados são fixados em posições organizadas por divisões denominadas folhas. • As folhas são organizadas por nós ou ponteiros chamados de sub-árvores, que estão ligados a um nó raiz. • Esse processo organizacional exige algoritmos mais complexos, porém apresenta performance superior na gravação e no acesso aos dados, se comparado a outros sistemas de arquivos;
  • 19. Blocos, metadados e formas de organizar dados no sistema; • Blocos de montagem da estrutura de disco HPFS, um disco HPFS possui as três estruturas básicas a seguir: • • BootBlock • SuperBlock • SpareBlock
  • 20. Permissões • Foi introduzido pela primeira vez com o SO/2 1.2 para permitir um maior acesso a unidades de disco rígido maiores daquelas aparecendo no mercado. • O HPFS mantém a organização de diretório do FAT, mas adiciona classificação automática do diretório baseado em nomes de arquivo. • Também permite que um arquivo seja composto de "dados" e atributos especiais para permitir uma maior flexibilidade em termos de suporte de outras convenções de nomeação e segurança. • A unidade de alocação é alterada de clusters para setores físicos (512 bytes), que reduz o espaço em disco perdido.
  • 21. HPFS - Vantagens • Tem um ótimo sistema de tratamento de erros, com hotfixies e a fragmentação do disco é mínima, o que também diminui a probabilidade de erro no disco. • Força a procura por setores para alocar novos arquivos sem serem fragmentados. • Não tem desperdício em disco, pois não há clusters e a menor unidade de alocação é o próprio setor. • Suporte para níveis hierárquicos de segurança. • Melhor do que a versão FAT em muitos aspectos.
  • 22. HPFS - Desvantagens • Funcionamento melhor para discos entre 200 e 400 Mb. • Suportado apenas pelo Windows 3.1, 3.5 e 3.51. Windows NT 4.0 ou superior não acessam mais partições HPFS. • Não é possível definir os níveis de segurança do HPFS sobre o Windows NT.
  • 23. Limites • Número máximo de arquivos: Ilimitado • Tamanho máximo de volume: 64 GiB • Número de unidades físicas: 24 • Número de partições: 16 • Tamanho da partição: 512 GB • Tamanho do setor: 512 bytes • Tamanho do bloco (unidade de alocação): 512 bytes • Tamanho máximo do arquivo: 2 GB
  • 24. Diferenças HPFS REISERFS Não há desperdícios em disco, pois não há clusters e a menor unidade de alocação é o próprio setor. Processo de inicialização do sistema é muito mais rápido que os outros, pois verifica apenas no disco rígido o que é apontado pelo “journal file” e ao uso árvores balanceada Suporte para níveis hierárquicos de segurança. Suporta arquivos maiores que 2GB Pode inutilizar totalmente a unidade e os custos para tentar recuperar os dados são caríssimos sem muitas probabilidades de recuperação dos dados. Oferece uma grande proteção contra o corrompimento de arquivos em caso de desligamento incorreto, principalmente.
  • 25. Conclusão • Concluímos então que ambos sistemas arquivos tiveram seu auge, mas acabaram no esquecimento de muitos. Em suas épocas tiveram grandes progressos quando se tratava de sistemas de arquivos pois era algo inovador e que estava em constante evolução.