SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
Sistemas Operacionais I
Gerência de Armazenamento: Sistemas de
Armazenamento em Massa
Prof. Alexandre Duarte : http://alexandrend.com
Centro de Informática | Universidade Federal da Paraíba
Estes slides são baseados no material que acompanha o livro Operating
Systems Concepts de Silberschatz, Galvin and Gagne
Objetivos
 Descrever a estrutura física de dispositivos de
armazenamento secundário e terciário e os
efeitos resultantes do uso desses dispositivos
 Explicar as características de desempenho de
diferentes dispositivos de armazenamento em
massa
 Discutir os serviços providos pelo sistema
operacional para gerenciamento de
dispositivos de armazenamento em massa,
incluindo RAID e HSM
Visão geral: Discos Magnéticos
 Discos magnéticos representam a maior parte do armazenamento
secundário em computadores modernos
 Giram de 60 a 200 vezes por segundo
 Taxa de transferência é a taxa na qual os dados fluem entre o disco
e o computador
 Tempo de posicionamento (tempo de acesso aleatório) é o
tempo para mover a cabeça de leitura para o cilindro desejado (tempo
de busca) somado ao tempo necessário para que o setor desejado
passe pela cabeça de leitura (latência rotacional)
 Head crash (colisão do cabeçote) acontece quando a cabeça de
leitura entra em contato com a superfície do disco
 That’s bad! Geralmente resulta em perda irreparável do disco.
 Podem ser fixos ou removíveis
 São conectados ao computador através de barramentos de E/S
 Barramentos variam: EIDE, ATA, SATA, USB, FC (Canal de Fibra), SCSI
 O controlador hospedeiro no computador utiliza um barramento
para se comunicar com o controlador do disco incluindo no próprio
drive de disco
Mecanismo de disco com cabeça de
leitura móvel
Visão geral: Fita Magnética
 Utilizada nos primórdios da computação como principal meio de
armazenamento secundário
 Relativamente persistente e pode armazenar grandes quantidade
de dados
 Tempo de acesso muito alto
 Acesso aleatório é aproximadamente 1000 mais lento do que em disco
 Utilizado principalmente para backup, para armazenar dados
usados com pouca frequência e para transferir grandes
quantidades de dados entre sistemas
 Mantida em uma bobina que é enrolada ou desenrolada sob uma
cabeça de leitura
 Estando os dados na posição de leitura as taxas de transferência
são comparáveis às de um disco magnético
 Capacidade de armazenamento varia de 20GB a 2.5TB
 Tecnologias mais comuns são 4mm, 8mm, 19mm, LTO e SDLT
Estrutura de disco
 Drives de disco são endereçados como arrays
unidimensionais de blocos lógicos, onde um bloco
é a menor unidade de transferência.
 O array unidimensional de blocos lógicos é
mapeado de forma sequência em setores do
disco
 O setor 0 é o primeiro setor da primeira trilha do
cilindro mais externo
 O mapeamento procede em ordem através da trilha,
depois através das outras trilhas do mesmo cilindro e
depois através dos demais cilindros, do mais externo
para o mais interno.
Conexão de disco: Local
 Discos conectados localmente ao computador são
acessados através de portas de E/S se comunicando com
barramentos de E/S
 Computadores desktop utilizam barramentos mais simples
como o SATA. Servidores de alto desempenho utilizam
barramentos mais eficientes como SCSI ou FC
 SCSI é uma arquitetura de barramento que permite conectar até
16 dispositivos em um único cabo
 Possui um dispositivo Iniciador no lado do computador e até 15
Alvos para armazenamento
 Cada alvo pode representar até 8 unidades lógicas (discos
conectados a controladores)
 FC é uma arquitetura serial de alta velocidade
 Estrutura de chaveamento com espaço de endereçamento de 24 bits:
base para as storage area networks (SANs) nas quais vários
hospedeiros se conectam a varias unidades de armazenamento
 Loop arbitrado: pode endereçar até 126 dispositivos
Conexão de disco: Rede
 Armazenamento conectado a rede (NAS) é
uma forma de acessar um dispositivo de
armazenamento através de uma conexão de
rede ao invés de um barramento de E/S
 NFS e CIFS são protocolos comuns
 Implementado utilizando chamadas remotas de
procedimento (RPCs) entre o cliente e o
armazenamento
Conexão de disco: Rede
Storage Area Network
 Comum em grandes ambientes de
armazenamento (mais comuns a cada dia)
 Múltiplos hospedeiros conectados a múltiplos
dispositivos de armazenamento
 Extremamente flexível
Storage Area Network
Escalonamento de Disco
 O sistema operacional é responsável pela utilização
eficiente do hardware — para os discos, isso significa
ter baixos tempos de acesso e boas largura de banda
 O tempo de acesso tem dois componentes
 Tempo de busca: tempo necessário para mover a cabeça de
leitura para o cilindro contendo o setor desejado
 Latência rotacional: tempo necessário para que setor
desejado passe abaixo da cabeça de leitura.
 Objetivo: Minimizar o tempo de busca!
 Tempo de busca ≈ distância de busca
 Largura de banda é a quantidade total de bytes
transferidos dividida pelo tempo total entre a primeira
requisição e a conclusão da última transferência
Escalonamento de disco
 Existem vários algoritmos de escalonamento
para atender requisições de E/S de disco
 Ilustraremos o funcionamento destes
algoritmos utilizando a seguinte fila de
requisições de E/S para blocos dos cilindros
(0-199).
98, 183, 37, 122, 14, 124, 65, 67
Cabeça de leitura inicialmente no cilindro 53
FCFS
Movimento de 640 cilindros para a cabeç a de leitura
SSTF
 Seleciona a requisição com o menor tempo de
busca a partir da posição atual da cabeça de
leitura
 O escalonamento SSTF é semelhante ao SJF
para escalonamento de processos: pode
causar starvation
SSTF
Movimento de 236 cilindros para a cabeç a de leitura
SCAN
 A cabeça de leitura inicia em uma
extremidade do disco e se move até a outra
extremidade atendendo todas as requisições
no caminho.
 Ao chegar ao final o movimento é invertido e o
atendimento continua
 Também conhecido como algoritmo do
elevador
SCAN (Algoritmo do elevador)
Movimento de 208 cilindros para a cabeç a de leitura
C-SCAN
 Apresenta um tempo de espera mais uniforme
que o do SCAN
 A cabeça de leitura vai de uma extremidade
para a outra do disco atendendo as
requisições, porém, ao chegar ao final, volta
imediatamente para o começo sem atender
nenhuma requisição
 Trata os cilindros como uma lista de circular
C-SCAN
LOOK e C-LOOK
 Versões do SCAN e C-SCAN
 A cabeça de leitura se move apenas até a
última requisição em cada direção, depois
inverte o sentido
C-LOOK
Selecionando um algoritmo de
escalonamento de disco
 SSTF é comum e tem um apelo natural
 SCAN e C-SCAN tem melhor desempenho para
sistemas que apresentam grande carga de operações
de disco.
 O desempenho depende do número de requisições.
 As requisição ao disco podem ser influenciadas pelo
método de alocação de arquivos.
 O algoritmo de escalonamento de disco deve ser
escrito como um modelo separado do sistema
operacional, permitindo que seja substituindo por um
algoritmo diferente caso seja necessário.
 Tanto o SSTF quanto o LOOK são escolhas
razoáveis para um algoritmo padrão
Gerenciamento de disco
 Formatação de baixo nível, ou formatação física — Dividir
o disco em setores que possam ser lidos e escritos
pelo controlador.
 Para ser utilizado para gravar arquivos o sistema
operacional ainda precisar gravar suas próprias
estruturas de dados no disco.
 Particionar o disco em um ou mais grupos de cilindros.
 Formatação lógica: criação do sistema de arquivos.
 Bloco de boot inicializa o sistema
 O software de boot é armazenado em ROM
 Programa para carga do software de boot.
 Métodos como setores de reserva são utilizados para
lidar com bad blocks
Gerenciamento de espaço de
swap
 Espaço de swap: a memória virtual utiliza
espaço em disco como uma extensão da
memória principal
 Espaço de swap pode ser reservado no
sistema de arquivos normal ou, mais
comumente, ser alocado em uma partição de
disco diferente
Estruturas de dados para gerenciamento de
swap em sistemas Linux
Estruturas de RAID
 RAID – múltiplos drives de disco para prover
confiabilidade via redundância.
 RAID pode ser configurado em seis níveis
diferentes
RAID
 Muitas melhorias nas técnicas de utilização de
discos envolvem a utilização cooperativa de
múltiplos discos
 Esquemas de RAID melhoram o desempenho e a
confiabilidade do sistema de armazenamento
armazenando dados de forma redundante
 Espelhamento ou sombreamento mantém cópias de cada
disco
 Paridade com blocos entrelaçados utiliza muito menos
redundância.
Níveis de RAID
Gerenciamento hierárquico de
armazenamento (HSM)
 Um sistema de armazenamento hierárquico estende a
hierarquia de armazenamento para além do armazenamento
primário e secundário para incorporar também o
armazenamento terciário, geralmente utilizando uma jukebox
de fitas ou discos removíveis
 Geralmente o armazenamento terciário é incorporado para
estender o sistema de arquivos
 Arquivos pequenos e frequentemente utilizados
permanecem no disco.
 Arquivos maiores, mais antigos ou inativos são arquivados
na jukebox.
 HSM é geralmente encontrado em centros de
supercomputação e outras grandes instalações que
armazenam enormes volumes de dados
Estudo de caso: armazenando os
dados do LHC
Estudo de caso: armazenando os
dados do LHC
Estudo de caso: armazenando os
dados do LHC
Estudo de caso: armazenando os
dados do LHC

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Memórias secundárias
Memórias secundáriasMemórias secundárias
Memórias secundáriasCarloxEnrike
 
Aula 01 fundamentos da informática
Aula 01   fundamentos da informáticaAula 01   fundamentos da informática
Aula 01 fundamentos da informáticaGilberto Campos
 
Processadores - CPU
Processadores - CPUProcessadores - CPU
Processadores - CPURoney Sousa
 
Aula 02-processos-e-threads-tanenbaum-parte-2
Aula 02-processos-e-threads-tanenbaum-parte-2Aula 02-processos-e-threads-tanenbaum-parte-2
Aula 02-processos-e-threads-tanenbaum-parte-2Cristiano Pires Martins
 
Gerenciamento de Memoria
Gerenciamento de MemoriaGerenciamento de Memoria
Gerenciamento de Memoriaaudineisilva1
 
Aula Introdução a Arquitetura e Organização de Computadores
Aula Introdução a Arquitetura e Organização de ComputadoresAula Introdução a Arquitetura e Organização de Computadores
Aula Introdução a Arquitetura e Organização de ComputadoresGilvan Latreille
 
Visão geral do sistema operacional
Visão geral do sistema operacionalVisão geral do sistema operacional
Visão geral do sistema operacionalLuciano Crecente
 
Sistemas Operacionais - Aula 03 (Conceitos de hardware e software)
Sistemas Operacionais - Aula 03 (Conceitos de hardware e software)Sistemas Operacionais - Aula 03 (Conceitos de hardware e software)
Sistemas Operacionais - Aula 03 (Conceitos de hardware e software)Leinylson Fontinele
 
Aula 02-processos-e-threads-tanenbaum-parte-1
Aula 02-processos-e-threads-tanenbaum-parte-1Aula 02-processos-e-threads-tanenbaum-parte-1
Aula 02-processos-e-threads-tanenbaum-parte-1Cristiano Pires Martins
 
Hardware e redes de computadores (Componente, tipos de redes e topologias)
Hardware e redes de computadores (Componente, tipos de redes e topologias)Hardware e redes de computadores (Componente, tipos de redes e topologias)
Hardware e redes de computadores (Componente, tipos de redes e topologias)Augusto Nogueira
 
Apostila 8 sistema de arquivos
Apostila 8   sistema de arquivosApostila 8   sistema de arquivos
Apostila 8 sistema de arquivosPaulo Fonseca
 
Sistemas operativos módulo2 - ms dos
Sistemas operativos   módulo2 -  ms dosSistemas operativos   módulo2 -  ms dos
Sistemas operativos módulo2 - ms dosteacherpereira
 

Mais procurados (20)

Memórias secundárias
Memórias secundáriasMemórias secundárias
Memórias secundárias
 
Aula 01 fundamentos da informática
Aula 01   fundamentos da informáticaAula 01   fundamentos da informática
Aula 01 fundamentos da informática
 
Aula 5 (Raid)
Aula 5 (Raid)Aula 5 (Raid)
Aula 5 (Raid)
 
Processadores - CPU
Processadores - CPUProcessadores - CPU
Processadores - CPU
 
Aula de hardware
Aula de hardwareAula de hardware
Aula de hardware
 
Informática Básica - Aula 03 - Hardware
Informática Básica - Aula 03 - HardwareInformática Básica - Aula 03 - Hardware
Informática Básica - Aula 03 - Hardware
 
Barramentos
Barramentos Barramentos
Barramentos
 
Placa mãe
Placa mãePlaca mãe
Placa mãe
 
Aula 02-processos-e-threads-tanenbaum-parte-2
Aula 02-processos-e-threads-tanenbaum-parte-2Aula 02-processos-e-threads-tanenbaum-parte-2
Aula 02-processos-e-threads-tanenbaum-parte-2
 
Gerenciamento de Memoria
Gerenciamento de MemoriaGerenciamento de Memoria
Gerenciamento de Memoria
 
Sistema Operacional Android
Sistema Operacional AndroidSistema Operacional Android
Sistema Operacional Android
 
Aula Introdução a Arquitetura e Organização de Computadores
Aula Introdução a Arquitetura e Organização de ComputadoresAula Introdução a Arquitetura e Organização de Computadores
Aula Introdução a Arquitetura e Organização de Computadores
 
Aula 10 semana
Aula 10 semanaAula 10 semana
Aula 10 semana
 
Visão geral do sistema operacional
Visão geral do sistema operacionalVisão geral do sistema operacional
Visão geral do sistema operacional
 
Sistemas Operacionais - Aula 03 (Conceitos de hardware e software)
Sistemas Operacionais - Aula 03 (Conceitos de hardware e software)Sistemas Operacionais - Aula 03 (Conceitos de hardware e software)
Sistemas Operacionais - Aula 03 (Conceitos de hardware e software)
 
Aula 02-processos-e-threads-tanenbaum-parte-1
Aula 02-processos-e-threads-tanenbaum-parte-1Aula 02-processos-e-threads-tanenbaum-parte-1
Aula 02-processos-e-threads-tanenbaum-parte-1
 
Hardware e redes de computadores (Componente, tipos de redes e topologias)
Hardware e redes de computadores (Componente, tipos de redes e topologias)Hardware e redes de computadores (Componente, tipos de redes e topologias)
Hardware e redes de computadores (Componente, tipos de redes e topologias)
 
Apostila 8 sistema de arquivos
Apostila 8   sistema de arquivosApostila 8   sistema de arquivos
Apostila 8 sistema de arquivos
 
Fatores limitantes
Fatores limitantesFatores limitantes
Fatores limitantes
 
Sistemas operativos módulo2 - ms dos
Sistemas operativos   módulo2 -  ms dosSistemas operativos   módulo2 -  ms dos
Sistemas operativos módulo2 - ms dos
 

Semelhante a Gerenciamento de Armazenamento em Massa

Introdução a computação 05
Introdução a computação 05Introdução a computação 05
Introdução a computação 05Felipe Pereira
 
Armazenamento em massa
Armazenamento em massaArmazenamento em massa
Armazenamento em massaManuelMponda1
 
Redes de computadores módulo 3
Redes de computadores módulo 3Redes de computadores módulo 3
Redes de computadores módulo 3ruitavares998
 
Sistemas operativos servidor
Sistemas operativos servidorSistemas operativos servidor
Sistemas operativos servidorAndré bogas
 
Tcvb2 diogo mendes_sistemas operativos servidor_v1
Tcvb2 diogo mendes_sistemas operativos servidor_v1Tcvb2 diogo mendes_sistemas operativos servidor_v1
Tcvb2 diogo mendes_sistemas operativos servidor_v1diogomendes99
 
Sistemas operativos servidor
Sistemas operativos servidorSistemas operativos servidor
Sistemas operativos servidorsimoesflavio
 
Aula 07 disco rígido e mídias de armazenamento
Aula 07   disco rígido e mídias de armazenamentoAula 07   disco rígido e mídias de armazenamento
Aula 07 disco rígido e mídias de armazenamentoLeewan Meneses
 
RAID - Redundant Array of Independent Disks (Conjunto Reduntante de Discos I...
RAID - Redundant Array of Independent Disks (Conjunto Reduntante de Discos I...RAID - Redundant Array of Independent Disks (Conjunto Reduntante de Discos I...
RAID - Redundant Array of Independent Disks (Conjunto Reduntante de Discos I...elliando dias
 
2010 1 sistemas_operacionais_seminario
2010 1 sistemas_operacionais_seminario2010 1 sistemas_operacionais_seminario
2010 1 sistemas_operacionais_seminarioCarlos
 
Dispositivos [Entrada E SaíDa]
Dispositivos [Entrada E SaíDa]Dispositivos [Entrada E SaíDa]
Dispositivos [Entrada E SaíDa]SergioSouza
 
Sistema de arquivos - HPFS e ReiserFS/4
Sistema de arquivos - HPFS e ReiserFS/4Sistema de arquivos - HPFS e ReiserFS/4
Sistema de arquivos - HPFS e ReiserFS/4Anderson Rodrigues
 
Arquitetura de computadores – memórias
Arquitetura de computadores – memóriasArquitetura de computadores – memórias
Arquitetura de computadores – memóriasElaine Cecília Gatto
 
Aula 5a - Sistemas Operacionais
Aula 5a - Sistemas OperacionaisAula 5a - Sistemas Operacionais
Aula 5a - Sistemas OperacionaisJocelma Rios
 
Segurança no Armazenamento
Segurança no ArmazenamentoSegurança no Armazenamento
Segurança no Armazenamentoelliando dias
 
Estou seguro com no sql
Estou seguro com no sqlEstou seguro com no sql
Estou seguro com no sqlRafael Redondo
 

Semelhante a Gerenciamento de Armazenamento em Massa (20)

Introdução a computação 05
Introdução a computação 05Introdução a computação 05
Introdução a computação 05
 
Aula3,4
Aula3,4Aula3,4
Aula3,4
 
Armazenamento em massa
Armazenamento em massaArmazenamento em massa
Armazenamento em massa
 
Redes de computadores módulo 3
Redes de computadores módulo 3Redes de computadores módulo 3
Redes de computadores módulo 3
 
Sistemas operativos servidor
Sistemas operativos servidorSistemas operativos servidor
Sistemas operativos servidor
 
Tcvb2 diogo mendes_sistemas operativos servidor_v1
Tcvb2 diogo mendes_sistemas operativos servidor_v1Tcvb2 diogo mendes_sistemas operativos servidor_v1
Tcvb2 diogo mendes_sistemas operativos servidor_v1
 
Sistemas operativos servidor
Sistemas operativos servidorSistemas operativos servidor
Sistemas operativos servidor
 
Aula 07 disco rígido e mídias de armazenamento
Aula 07   disco rígido e mídias de armazenamentoAula 07   disco rígido e mídias de armazenamento
Aula 07 disco rígido e mídias de armazenamento
 
Redes e Servidores
Redes e ServidoresRedes e Servidores
Redes e Servidores
 
RAID - Redundant Array of Independent Disks (Conjunto Reduntante de Discos I...
RAID - Redundant Array of Independent Disks (Conjunto Reduntante de Discos I...RAID - Redundant Array of Independent Disks (Conjunto Reduntante de Discos I...
RAID - Redundant Array of Independent Disks (Conjunto Reduntante de Discos I...
 
2010 1 sistemas_operacionais_seminario
2010 1 sistemas_operacionais_seminario2010 1 sistemas_operacionais_seminario
2010 1 sistemas_operacionais_seminario
 
Dispositivos [Entrada E SaíDa]
Dispositivos [Entrada E SaíDa]Dispositivos [Entrada E SaíDa]
Dispositivos [Entrada E SaíDa]
 
Sistema de arquivos - HPFS e ReiserFS/4
Sistema de arquivos - HPFS e ReiserFS/4Sistema de arquivos - HPFS e ReiserFS/4
Sistema de arquivos - HPFS e ReiserFS/4
 
Arquitetura de computadores – memórias
Arquitetura de computadores – memóriasArquitetura de computadores – memórias
Arquitetura de computadores – memórias
 
Raid
RaidRaid
Raid
 
Hd’s e armazenamento
Hd’s e armazenamentoHd’s e armazenamento
Hd’s e armazenamento
 
Aula 5a - Sistemas Operacionais
Aula 5a - Sistemas OperacionaisAula 5a - Sistemas Operacionais
Aula 5a - Sistemas Operacionais
 
Segurança no Armazenamento
Segurança no ArmazenamentoSegurança no Armazenamento
Segurança no Armazenamento
 
teAula 11
teAula 11teAula 11
teAula 11
 
Estou seguro com no sql
Estou seguro com no sqlEstou seguro com no sql
Estou seguro com no sql
 

Mais de Alexandre Duarte

Táticas para Projeto de Experimentos
Táticas para Projeto de ExperimentosTáticas para Projeto de Experimentos
Táticas para Projeto de ExperimentosAlexandre Duarte
 
Fazer Ciência é Difícil!
Fazer Ciência é Difícil!Fazer Ciência é Difícil!
Fazer Ciência é Difícil!Alexandre Duarte
 
Escolhendo um Projeto de Pesquisa
Escolhendo um Projeto de PesquisaEscolhendo um Projeto de Pesquisa
Escolhendo um Projeto de PesquisaAlexandre Duarte
 
Ciência da Computação como Ciência
Ciência da Computação como CiênciaCiência da Computação como Ciência
Ciência da Computação como CiênciaAlexandre Duarte
 
Metodologia da Pesquisa Científica: Introdução
Metodologia da Pesquisa Científica:  IntroduçãoMetodologia da Pesquisa Científica:  Introdução
Metodologia da Pesquisa Científica: IntroduçãoAlexandre Duarte
 
Gráficos: 10 dicas sobre o que fazer e sobre o que não fazer
Gráficos: 10 dicas sobre o que fazer e sobre o que não fazerGráficos: 10 dicas sobre o que fazer e sobre o que não fazer
Gráficos: 10 dicas sobre o que fazer e sobre o que não fazerAlexandre Duarte
 
Panorama de Pesquisas em Análise de Dados na UFPB
Panorama de Pesquisas em Análise de Dados na UFPBPanorama de Pesquisas em Análise de Dados na UFPB
Panorama de Pesquisas em Análise de Dados na UFPBAlexandre Duarte
 
Sumarização Estatística 2D: Variáveis Nominais
Sumarização Estatística 2D: Variáveis NominaisSumarização Estatística 2D: Variáveis Nominais
Sumarização Estatística 2D: Variáveis NominaisAlexandre Duarte
 
Correlação e Classificação
Correlação e ClassificaçãoCorrelação e Classificação
Correlação e ClassificaçãoAlexandre Duarte
 
Sumarização Estatística 2D
Sumarização Estatística 2DSumarização Estatística 2D
Sumarização Estatística 2DAlexandre Duarte
 
Sumarização Estatística 1D
Sumarização Estatística 1DSumarização Estatística 1D
Sumarização Estatística 1DAlexandre Duarte
 
Preparação e Limpeza de Dados
Preparação e Limpeza de DadosPreparação e Limpeza de Dados
Preparação e Limpeza de DadosAlexandre Duarte
 
Introdução ao Projeto de Experimentos
Introdução ao Projeto de ExperimentosIntrodução ao Projeto de Experimentos
Introdução ao Projeto de ExperimentosAlexandre Duarte
 
Introdução ao Projeto de Surveys
Introdução ao Projeto de SurveysIntrodução ao Projeto de Surveys
Introdução ao Projeto de SurveysAlexandre Duarte
 
Introdução à Análise de Dados - Aula 01
Introdução à Análise de Dados - Aula 01Introdução à Análise de Dados - Aula 01
Introdução à Análise de Dados - Aula 01Alexandre Duarte
 

Mais de Alexandre Duarte (20)

Projeto de Experimentos
Projeto de ExperimentosProjeto de Experimentos
Projeto de Experimentos
 
Táticas para Projeto de Experimentos
Táticas para Projeto de ExperimentosTáticas para Projeto de Experimentos
Táticas para Projeto de Experimentos
 
Causalidade e Abdução
Causalidade e AbduçãoCausalidade e Abdução
Causalidade e Abdução
 
Fazer Ciência é Difícil!
Fazer Ciência é Difícil!Fazer Ciência é Difícil!
Fazer Ciência é Difícil!
 
Atividades Científica
Atividades CientíficaAtividades Científica
Atividades Científica
 
Escolhendo um Projeto de Pesquisa
Escolhendo um Projeto de PesquisaEscolhendo um Projeto de Pesquisa
Escolhendo um Projeto de Pesquisa
 
Ciência da Computação como Ciência
Ciência da Computação como CiênciaCiência da Computação como Ciência
Ciência da Computação como Ciência
 
Metodologia da Pesquisa Científica: Introdução
Metodologia da Pesquisa Científica:  IntroduçãoMetodologia da Pesquisa Científica:  Introdução
Metodologia da Pesquisa Científica: Introdução
 
Gráficos: 10 dicas sobre o que fazer e sobre o que não fazer
Gráficos: 10 dicas sobre o que fazer e sobre o que não fazerGráficos: 10 dicas sobre o que fazer e sobre o que não fazer
Gráficos: 10 dicas sobre o que fazer e sobre o que não fazer
 
Panorama de Pesquisas em Análise de Dados na UFPB
Panorama de Pesquisas em Análise de Dados na UFPBPanorama de Pesquisas em Análise de Dados na UFPB
Panorama de Pesquisas em Análise de Dados na UFPB
 
Agrupamento com K-Means
Agrupamento com K-MeansAgrupamento com K-Means
Agrupamento com K-Means
 
Sumarização Estatística 2D: Variáveis Nominais
Sumarização Estatística 2D: Variáveis NominaisSumarização Estatística 2D: Variáveis Nominais
Sumarização Estatística 2D: Variáveis Nominais
 
Correlação e Classificação
Correlação e ClassificaçãoCorrelação e Classificação
Correlação e Classificação
 
Sumarização Estatística 2D
Sumarização Estatística 2DSumarização Estatística 2D
Sumarização Estatística 2D
 
Sumarização Estatística 1D
Sumarização Estatística 1DSumarização Estatística 1D
Sumarização Estatística 1D
 
Transformação de Dados
Transformação de DadosTransformação de Dados
Transformação de Dados
 
Preparação e Limpeza de Dados
Preparação e Limpeza de DadosPreparação e Limpeza de Dados
Preparação e Limpeza de Dados
 
Introdução ao Projeto de Experimentos
Introdução ao Projeto de ExperimentosIntrodução ao Projeto de Experimentos
Introdução ao Projeto de Experimentos
 
Introdução ao Projeto de Surveys
Introdução ao Projeto de SurveysIntrodução ao Projeto de Surveys
Introdução ao Projeto de Surveys
 
Introdução à Análise de Dados - Aula 01
Introdução à Análise de Dados - Aula 01Introdução à Análise de Dados - Aula 01
Introdução à Análise de Dados - Aula 01
 

Gerenciamento de Armazenamento em Massa

  • 1. Sistemas Operacionais I Gerência de Armazenamento: Sistemas de Armazenamento em Massa Prof. Alexandre Duarte : http://alexandrend.com Centro de Informática | Universidade Federal da Paraíba Estes slides são baseados no material que acompanha o livro Operating Systems Concepts de Silberschatz, Galvin and Gagne
  • 2. Objetivos  Descrever a estrutura física de dispositivos de armazenamento secundário e terciário e os efeitos resultantes do uso desses dispositivos  Explicar as características de desempenho de diferentes dispositivos de armazenamento em massa  Discutir os serviços providos pelo sistema operacional para gerenciamento de dispositivos de armazenamento em massa, incluindo RAID e HSM
  • 3. Visão geral: Discos Magnéticos  Discos magnéticos representam a maior parte do armazenamento secundário em computadores modernos  Giram de 60 a 200 vezes por segundo  Taxa de transferência é a taxa na qual os dados fluem entre o disco e o computador  Tempo de posicionamento (tempo de acesso aleatório) é o tempo para mover a cabeça de leitura para o cilindro desejado (tempo de busca) somado ao tempo necessário para que o setor desejado passe pela cabeça de leitura (latência rotacional)  Head crash (colisão do cabeçote) acontece quando a cabeça de leitura entra em contato com a superfície do disco  That’s bad! Geralmente resulta em perda irreparável do disco.  Podem ser fixos ou removíveis  São conectados ao computador através de barramentos de E/S  Barramentos variam: EIDE, ATA, SATA, USB, FC (Canal de Fibra), SCSI  O controlador hospedeiro no computador utiliza um barramento para se comunicar com o controlador do disco incluindo no próprio drive de disco
  • 4. Mecanismo de disco com cabeça de leitura móvel
  • 5. Visão geral: Fita Magnética  Utilizada nos primórdios da computação como principal meio de armazenamento secundário  Relativamente persistente e pode armazenar grandes quantidade de dados  Tempo de acesso muito alto  Acesso aleatório é aproximadamente 1000 mais lento do que em disco  Utilizado principalmente para backup, para armazenar dados usados com pouca frequência e para transferir grandes quantidades de dados entre sistemas  Mantida em uma bobina que é enrolada ou desenrolada sob uma cabeça de leitura  Estando os dados na posição de leitura as taxas de transferência são comparáveis às de um disco magnético  Capacidade de armazenamento varia de 20GB a 2.5TB  Tecnologias mais comuns são 4mm, 8mm, 19mm, LTO e SDLT
  • 6. Estrutura de disco  Drives de disco são endereçados como arrays unidimensionais de blocos lógicos, onde um bloco é a menor unidade de transferência.  O array unidimensional de blocos lógicos é mapeado de forma sequência em setores do disco  O setor 0 é o primeiro setor da primeira trilha do cilindro mais externo  O mapeamento procede em ordem através da trilha, depois através das outras trilhas do mesmo cilindro e depois através dos demais cilindros, do mais externo para o mais interno.
  • 7. Conexão de disco: Local  Discos conectados localmente ao computador são acessados através de portas de E/S se comunicando com barramentos de E/S  Computadores desktop utilizam barramentos mais simples como o SATA. Servidores de alto desempenho utilizam barramentos mais eficientes como SCSI ou FC  SCSI é uma arquitetura de barramento que permite conectar até 16 dispositivos em um único cabo  Possui um dispositivo Iniciador no lado do computador e até 15 Alvos para armazenamento  Cada alvo pode representar até 8 unidades lógicas (discos conectados a controladores)  FC é uma arquitetura serial de alta velocidade  Estrutura de chaveamento com espaço de endereçamento de 24 bits: base para as storage area networks (SANs) nas quais vários hospedeiros se conectam a varias unidades de armazenamento  Loop arbitrado: pode endereçar até 126 dispositivos
  • 8. Conexão de disco: Rede  Armazenamento conectado a rede (NAS) é uma forma de acessar um dispositivo de armazenamento através de uma conexão de rede ao invés de um barramento de E/S  NFS e CIFS são protocolos comuns  Implementado utilizando chamadas remotas de procedimento (RPCs) entre o cliente e o armazenamento
  • 10. Storage Area Network  Comum em grandes ambientes de armazenamento (mais comuns a cada dia)  Múltiplos hospedeiros conectados a múltiplos dispositivos de armazenamento  Extremamente flexível
  • 12. Escalonamento de Disco  O sistema operacional é responsável pela utilização eficiente do hardware — para os discos, isso significa ter baixos tempos de acesso e boas largura de banda  O tempo de acesso tem dois componentes  Tempo de busca: tempo necessário para mover a cabeça de leitura para o cilindro contendo o setor desejado  Latência rotacional: tempo necessário para que setor desejado passe abaixo da cabeça de leitura.  Objetivo: Minimizar o tempo de busca!  Tempo de busca ≈ distância de busca  Largura de banda é a quantidade total de bytes transferidos dividida pelo tempo total entre a primeira requisição e a conclusão da última transferência
  • 13. Escalonamento de disco  Existem vários algoritmos de escalonamento para atender requisições de E/S de disco  Ilustraremos o funcionamento destes algoritmos utilizando a seguinte fila de requisições de E/S para blocos dos cilindros (0-199). 98, 183, 37, 122, 14, 124, 65, 67 Cabeça de leitura inicialmente no cilindro 53
  • 14. FCFS Movimento de 640 cilindros para a cabeç a de leitura
  • 15. SSTF  Seleciona a requisição com o menor tempo de busca a partir da posição atual da cabeça de leitura  O escalonamento SSTF é semelhante ao SJF para escalonamento de processos: pode causar starvation
  • 16. SSTF Movimento de 236 cilindros para a cabeç a de leitura
  • 17. SCAN  A cabeça de leitura inicia em uma extremidade do disco e se move até a outra extremidade atendendo todas as requisições no caminho.  Ao chegar ao final o movimento é invertido e o atendimento continua  Também conhecido como algoritmo do elevador
  • 18. SCAN (Algoritmo do elevador) Movimento de 208 cilindros para a cabeç a de leitura
  • 19. C-SCAN  Apresenta um tempo de espera mais uniforme que o do SCAN  A cabeça de leitura vai de uma extremidade para a outra do disco atendendo as requisições, porém, ao chegar ao final, volta imediatamente para o começo sem atender nenhuma requisição  Trata os cilindros como uma lista de circular
  • 21. LOOK e C-LOOK  Versões do SCAN e C-SCAN  A cabeça de leitura se move apenas até a última requisição em cada direção, depois inverte o sentido
  • 23. Selecionando um algoritmo de escalonamento de disco  SSTF é comum e tem um apelo natural  SCAN e C-SCAN tem melhor desempenho para sistemas que apresentam grande carga de operações de disco.  O desempenho depende do número de requisições.  As requisição ao disco podem ser influenciadas pelo método de alocação de arquivos.  O algoritmo de escalonamento de disco deve ser escrito como um modelo separado do sistema operacional, permitindo que seja substituindo por um algoritmo diferente caso seja necessário.  Tanto o SSTF quanto o LOOK são escolhas razoáveis para um algoritmo padrão
  • 24. Gerenciamento de disco  Formatação de baixo nível, ou formatação física — Dividir o disco em setores que possam ser lidos e escritos pelo controlador.  Para ser utilizado para gravar arquivos o sistema operacional ainda precisar gravar suas próprias estruturas de dados no disco.  Particionar o disco em um ou mais grupos de cilindros.  Formatação lógica: criação do sistema de arquivos.  Bloco de boot inicializa o sistema  O software de boot é armazenado em ROM  Programa para carga do software de boot.  Métodos como setores de reserva são utilizados para lidar com bad blocks
  • 25. Gerenciamento de espaço de swap  Espaço de swap: a memória virtual utiliza espaço em disco como uma extensão da memória principal  Espaço de swap pode ser reservado no sistema de arquivos normal ou, mais comumente, ser alocado em uma partição de disco diferente
  • 26. Estruturas de dados para gerenciamento de swap em sistemas Linux
  • 27. Estruturas de RAID  RAID – múltiplos drives de disco para prover confiabilidade via redundância.  RAID pode ser configurado em seis níveis diferentes
  • 28. RAID  Muitas melhorias nas técnicas de utilização de discos envolvem a utilização cooperativa de múltiplos discos  Esquemas de RAID melhoram o desempenho e a confiabilidade do sistema de armazenamento armazenando dados de forma redundante  Espelhamento ou sombreamento mantém cópias de cada disco  Paridade com blocos entrelaçados utiliza muito menos redundância.
  • 30. Gerenciamento hierárquico de armazenamento (HSM)  Um sistema de armazenamento hierárquico estende a hierarquia de armazenamento para além do armazenamento primário e secundário para incorporar também o armazenamento terciário, geralmente utilizando uma jukebox de fitas ou discos removíveis  Geralmente o armazenamento terciário é incorporado para estender o sistema de arquivos  Arquivos pequenos e frequentemente utilizados permanecem no disco.  Arquivos maiores, mais antigos ou inativos são arquivados na jukebox.  HSM é geralmente encontrado em centros de supercomputação e outras grandes instalações que armazenam enormes volumes de dados
  • 31. Estudo de caso: armazenando os dados do LHC
  • 32. Estudo de caso: armazenando os dados do LHC
  • 33. Estudo de caso: armazenando os dados do LHC
  • 34. Estudo de caso: armazenando os dados do LHC