SlideShare uma empresa Scribd logo
Resumo pra P.M de ciências 3º trimestre
O sistema circulatório é constituído pelo coração, pelo sangue e pelos
vasos sanguíneos (por onde o sangue flui).
Em seu trajeto contínuo o sangue é impulsionado por uma “bomba” feita
de músculos: o coração. A passagem de sangue por um vaso sanguíneo, é a
consequência dos batimentos cardíacos. Quando a frequência cardíaca
aumenta, a pulsação aumenta igualmente.
O sistema circulatório é responsável pelo transporte de substâncias no
organismo. O sangue leva às células substâncias que elas necessitam e leva
para longe substâncias que elas descartam e que serão eliminadas na urina,
ou no ar que será expirado pelos pulmões (como o gás Co2).
Uma das substâncias que o sangue leva até as células são os nutrientes
absorvido pelo intestino na digestão. Alguns nutrientes são empregados na
respiração celular (por exemplo), processo que fornece energia ao
organismo. O gás O2, é outra importante substâncias conduzida às células
pelo sangue, que é necessária na respiração celular.
Entre as substâncias descartadas pelas células, estão o gás Co2 e o
excesso de água, produtos da respiração celular. O sangue também
transporta materiais provenientes da “limpeza” de partes desgastadas ou
mortas das células e da destruição de vírus e bactérias no organismo.
O sangue
Existem alguns componentes presentes no sangue que estão dissolvidos.
O sangue é dividido em duas partes:
• Parte líquida (plasma): água + nutrientes
• Parte sólida (elementos celulares, parte vermelha): glóbulos vermelhos (ou
hemácias ou eritrócitos), glóbulos brancos (ou leucócitos) e plaquetas.
Consulte a tabela da página 77, ela pode ajudar.
Glóbulos vermelhos:
• Células anucleadas
• Vivem cerca de 120 dias
• São produzidas na medula vermelha do osso longo
• Sua função é transporta oxigênio às células
A falta de glóbulos vermelhos no sangue causa anemia, porém o excesso não
causa nenhum problema
Glóbulos brancos (Leucócitos):
Sua função é combater as infecções. Ele combate elas ou por fagocitose
ou por anti-corpos.
• Leucopenia: diminuição de glóbulos brancos no sangue
• Leucemia: aumento de glóbulos brancos no sangue, sem haver doenças,
fazendo com que eles corroam o próprio organismo.
• Fagocitose: combate as infecções, com um processo em que o glóbulo
“come” o vírus ou bactéria.
• Anti-corpos: são substâncias fabricadas pelos glóbulos brancos para
combater ou neutralizar agentes infecciosos, ou antígenos.
Importante: Linfócito T4 é um tipo de glóbulo branco que identifica os vírus
ou bactérias no organismo.
Os vasos sanguíneos
Artérias:
• Conduzem o sangue para fora do coração.
• Suas paredes são musculares e pulsam com a passagem do sangue.
• É possível medir a pulsação nos locais por onde elas passam.
• São elásticas.
Arteríolas:
• São ramificações das artérias São mais finas do que as artérias e difíceis de
ver à olho nu.
Capilares:
• Ramificações das arteríolas.
• São tão estreitos que as hemácias tem passam por ele enfileiradas.
• Estão em todos os tecidos do corpo.
• Passam muito perto da células desses tecidos.
Vênulas:
• São formadas por vários capilares juntos.
• Se unem formando vasos ainda mais largos e vivíveis à olho nu: as veias
Veias:
• Conduzem o sangue de volta ao coração.
• Suas paredes não tão musculosa como a das artérias.
• Não pulsam como as artérias.
• Possuem válvulas venosas.
Não são elásticas.
Válvulas venosas:
• Impedem que o sangue não volte ao coração Atuam como portas de mão
única, fazendo o sangue fluir em apenas um sentido.
• Se fecham se o sangue voltar por ação do próprio peso.
artérias  arteríolas  capilares  vênulas  veias
O movimento dos músculos esqueléticos, durante o caminhar normal ou
exercício físico, ajuda a comprimir as veias e auxilia no retorno do sangue
ao coração.
Se as válvulas venosas ficam fracas e não impedem completamente a
volta do sangue, o sangue que retorna provoca aumento da pressão exercida
sobre a parede interna das veias. Com o tempo isso pode deixar as veias
anormalmente dilatadas e tortuosas, situação chamada de veias varicosas.
Elas são mais comuns em idosos, porém podem também aparecer em
grávidas ou em pessoas obesas. Também é possível aparecerem veias
varicosas na parte inferior do estômago e no ânus (hemorróidas). As válvulas
venosas fracas e as veias varicosas fazem com que o movimento muscular
não seja eficiente para auxiliar o bombeamento do sangue de volta ao
coração, o que pode conduzir a outros problemas como o inchaço de pés e
tornozelos.
Circulação sistêmica ou grande circulação
Sangue venoso: rico em gás carbônico e pobre em oxigênio
Sangue arterial: rico em gás oxigênio e pobre em carbônico.
As duas funções do sistema circulatório são: levar o gás O2 até os tecidos e
“remover” deles o gás Co2 produzido.
O sangue arterial é bombeado para fora do coração pela aorta. Em seguida ele
vai para as arteríolas e para os capilares.
Ao passar pelos capilares, o sangue deixa o gás O2 nas células e recebe o gás Co2.
Assim, o sangue deixa de ser arterial e “vira” venoso. Das vênulas o sangue vai para
as veias e por elas, retorna ao coração, completando o trajeto denominado
circulação sistêmica, ou grande circulação. Ela tem esse nome, pois o sangue
percorre todos os sistemas do corpo: digestório, esquelético, nervoso, o urinário,
etc.
Circulação pulmonar ou pequena circulação
Se o sangue que chega ao coração após a circulação sistêmica é venoso, como ele
vira arterial, para poder levar novamente O2 aos outros tecido do corpo humano?
A resposta está no fato de o coração não atuar apenas como uma bomba,
mas sim como duas. O sangue venoso que chega ao coração é bombeado
para os pulmões, onde vira venoso (pois recebe O2 e libera Co2 no ar que
será expirado pelos pulmões).
Esse trajeto inicia-se pelo sangue saindo do coração pela artéria
pulmonar ( nome da artéria), que se ramifica em duas e, assim divide em
dois o fluxo de sangue entre os dois pulmões. Cada uma dessas artérias se
ramifica até chegarem aos capilares do pulmão, onde ocorrem as trocas
gasosas da respiração pulmonar: o sangue recebe O2 do ar que foi expirado e
libera Co2 no ar que será expirado.
Após o sangue percorrer os capilares do pulmões, ele passa a ser venoso.
Continuando seu trajeto, o sangue chega á veia pulmonar (apos passar por
vênulas). Por meio de duas veias pulmonares, uma de cada pulmão , o
sangue retorna ao coração.
Coração  sistemas do corpo  coração  pulmões
Olhar esquema da página 81, ele pode ajudar
e o ciclo recomeça
Circulação sistêmica + coração = circulação pulmonar
O coração tem quatro cavidades
O coração é dividido em quatro compartimentos, cavidades. Além de quatro
cavidades, o coração possui quatro valvas. As valvas faz com que o sangue siga em
apenas um sentido, pois elas mesmas impedem q ele volte.
Olhar figura das cavidades e das valvas na página 81
O trajeto completo do sangue
A circulação sistêmica e a pulmonar estão incluídas na trajetória do sangue.
O sangue venoso chega ao coração pelo átrio direito e é bombeado pelo coração
para o ventrículo direito. Do ventrículo direito ele é bombeado para veia pulmonar,
iniciando a circulação pequena. Nos capilares do pulmão ocorre a troca gasosa. Após
a troca gasosa, o sangue é bombeado até chegar no átrio esquerdo. Do átrio
esquerdo ele é bombeado para o ventrículo esquerdo. De lá, ele é bombeado para a
Aorta, iniciando a circulação sistêmica. Ao passar pelos capilares do corpo inteiro, o
sangue se torna venoso novamente. Ele é levado pela veia cava inferior e superior
até o coração, entrando pelo átrio direito, começando todo o processo novamente.
Dica: Átrios recebem sangue das veias, e ventrículos bombeiam para artérias.
Enquanto lê “O trajeto completo do sangue”, vá acompanhando pelo esquema da
página 83, pode ajudar bastante.
Box sobre hipertensão
Pressão arterial: pressão exercida pelo sangue sobre as paredes da artéria
Ela muda durante os movimentos do coração. E pode alterar de acordo com
o que você estiver fazendo (ex: dormindo, praticando esporte, etc.). Essa
mudança da pressão arterial é comum durante o dia, e pode variar de uma
pessoa para outra.
Hipotensão ou pressão baixa: pressão arterial abaixo do normal. Ela não é
um sinal de distúrbio e não oferece riscos à um indivíduo, mas pode ser
decorrência de alguns problemas, por exemplo, no sistema endócrino
(conjunto de glândulas).
Hipertensão ou pressão alta: pressão arterial muito maior que o normal.
Ela pode ser consequência de fatores emocionais ou de problemas de saúde,
como distúrbio no sistema urinário e no sistema endócrino. Também está
relacionada com a aterosclerose, e pode resultar em ataques cardíacos e
derrames cerebrais. Em geral, a hipertensão na apresenta sintomas.
Frequência cardíaca
A pulsação indica a frequência cardíaca (o número de batimento do coração
a cada minuto). A frequência cardíaca pode aumentar em decorrência de
vários fatores, como exercícios físicos, emoções, sustos e doenças.
Quando o coração é auscultado, se pode perceber uma sequência regular
de ruídos (algo como “tum-tá”, pausa, “tum-tá”, pausa). Esses ruídos são
produzidos pelo fechamento periódico das valvas do coração. Ouve-se “tum”
no fechamento de uma dessas valvas (que separam os átrios dos ventrículos)
e “tá” no fechamento das saídas dos ventrículos.
Quando uma ou mais valvas apresentam problemas, o som rítmico dos
batimentos cardíacos é alterado.
Aterosclerose
Aterosclerose é o acúmulo de material gorduroso nas paredes da artéria.
Esse acúmulo dificulta a circulação do sangue, já que o espaço para o
sangue fluir é menor, o que sobrecarrega o coração (pois ele começa a
bombear mais sangue).
A distribuição de sangue aos tecidos do coração, principalmente à camada
muscular responsável pelos batimentos (miocárdio), é executada por duas
artérias coronárias (direita e esquerda) e suas ramificações.
Quando a aterosclerose provoca entupimento de uma artéria coronária,
os tecidos que recebem sangue dela deixam de ser irrigados pelo sangue e
suas células morrem for falta de O2. Trata-se de um ataque cardíaco ou um
infarto do miocárdio. Quanto mais células do coração morrerem, maior a
sua gravidade e mais difícil será a recuperação do indivíduo.
Se uma artéria que leva sangue ao cérebro fica entupida pela
aterosclerose, e o sangue deixar de atingi-lo, alguns tecidos podem morrer
por falta de O2 . É o acidente vascular cerebral (AVC) isquêmico.
Às vezes a hipertensão ou outros problemas podem provocar o
rompimento de uma artéria no cérebro. Então haverá uma hemorragia no
cérebro, o AVC hemorrágico (derrame cerebral).
O consumo de alimentos gordurosos e oleoso, a hipertensão não
controlada, a falta de exercícios físicos regulares e o fumo contribuem na
aterosclerose.
Aneurisma
O aneurisma é a dilatação de uma artéria.Existem diferentes tipo de
aneurisma e pode aparecer em diferentes parte do corpo. Os mais comuns
são os cerebrais. O aneurisma cerebral sacular é o com maior ocorrência.
Ele se desenvolve nas paredes da artérias com defeitos congênitos em
decorrência do aumento do aumento do fluxo sanguíneo ou pressão arterial,
entre outros fatores. É comum esses aneurismas se romperem e provocarem
hemorragia cerebral. Existe ainda o aneurisma cerebral, que ocorre após
Traumatismos cranianos causados por acidentes ou pós-operatórios. Esse
tipo de aneurisma é bem perigos e também “traz consigo” hemorragias com
frequência.
Outro tipo de aneurisma bastante comum é o que se manifesta na artéria
aorta abdominal. Ele costuma ser provocado pela aterosclerose decorrente
do alto colesterol no sangue, da pressão alta, do tabagismo, do estresse e
da vida sedentária, associado a disposições individuais.
Coagulação do sangue
Processo que endurece o sangue acabando com um sangramento.
Plaqueta: ajuda na coagulação sanguínea.
A plaqueta é um fragmento (pedaço) de uma célula chamada
megacariócito. A plaqueta nasce na quebra de uma megacariócito . Ele se
quebra sozinho, e cada “parte” resultante da quebra é uma plaqueta. O
megacariócito está presente no corpo inteiro (no sangue).
Obs: depois que a plaqueta participa do processo de coagulação, ela deixa
de existir. Elas não são vivas.
Plaqueta
Pró-trombina
Trombina
Fibrinogênio
Fibrina
O nosso corpo produz fibrinogênio (proteína solúvel) que está diluída no
sangue. Quando nós nos cortamos, ao entrar em contato com uma
substância liberada pela trombina, o fibrinogênio se transforma em fibrina
(proteína solúvel) que forma uma espécie de rede insolúvel na ferida, que
não deixa que passem glóbulos vermelhos, para que a ferida possa ser
cicatrizada.
Trombose
A coagulação sanguínea é muito importante para evitar hemorragias, ces-
CORTOU  rompeu uma plaqueta  ela libera uma substância  essa substância se une com a pró-
trombina, formando a trombina  a trombina libera uma substância  o fibrinogênio entra em contato
com essa substância  após o contato se forma a fibrina  coagulação
criado por Lu Barreto, mas eu fiz botei mais umas coisas
sar sangramentos. No entanto, um coagulo pode acabar se formando em um
vaso sanguíneo, trazendo vários problemas. Quando se forma esse tipo de
coagulo, chamado de trombo, dizemos que a pessoa tem trombose.
Se o coagulo for suficientemente grande e estiver dentro de uma artéria,
pode obstruir perigosamente a circulação do sangue. E mesmo que o trombo
não esteja causando problemas onde está, ele pode se desprender e ser
levado pelo sangue para outro lugar, obstruindo-o.
A obstrução do sangue por um trombo é chamada de tromboembolia (ou
tromboembolismo), dependendo da área afetada pode ser fatal. A
obstrução da artéria coronária pode, por exemplo, causar infarto do
miocárdio (pois os tecidos do seu coração deixam de receber sangue). A
obstrução da artéria pulmonar pode provocar morte súbita (pois você deixa
de realizar a troca gasosa).
Sistema linfático
Cerca de 1% da parte liquida do sangue que entra nos tecidos não retorna
aos vasos sanguíneos, ele fica entre o as células e os tecidos.
O sistema linfático é o responsável pelo retorno desse liquido à circulação
sanguínea. Ele é formado por linfonodos, baço, timo e vasos linfáticos, que
captam o excesso de líquido existente no tecido. Esse líquido que entra pelo
vaso linfático é chamado de linfa. A linfa é formada por:
• Água
• Substâncias dissolvidas
• Células mortas
• Eventualmente por bactérias ou agente infecciosos (vírus e bactérias).
Em resumo, linfa = plasma + glóbulos brancos. A linfa tem função de levar
nutrientes às células.
Os vasos linfáticos mais finos (sua finura pode ser comparada com a dos
capilares) vão se juntando e formam vasos mais espessos, que conduzem a
linfa para as veias, onde ela se reincorpora ao sangue.
Os linfonodos, estruturas presentes no trajeto dos vasos linfáticos,
realizam uma espécie de filtração na linfa, eliminando impurezas, células
morta, etc. Nos linfonodos existe uma grande quantidade de glóbulos
brancos, que combatem agentes infecciosos que possam estar na linfa. Ao
fazer isso, o sistema linfático trabalha na defesa do organismo. O timo e o
baço, também estão envolvidos na manutenção dessas defesas do organismo
contra o vírus, bactérias e outros agentes causadores de doenças.
Íngua
Quando um agente invasor do organismo (bactérias e vírus, por exemplo) é
detectado pelo organismo humano, uma das ações naturais de defesa do
organismo é o aumento no número de glóbulos brancos especializados no
combate de infecções. Essa multiplicação faz com que hajam mais glóbulos
brancos nos linfonodos próximos ao local da infecção, fazendo com que eles
fiquem inchados e doloridos quando apalpados. Íngua é o nome popular do
linfonodo inchado. Ela é comum no pescoço, nas axilas e nas virilhas.
Excreção
Alguns dos principais resíduos produzidos pelo corpo humano são o gás
Co2, resultante da respiração celular, e a ureia , substância tóxica presente
na urina produzida para degradar aminoácidos. O excesso de água e de sais
minerais também precisa ser expulso do corpo para garantir o funcionamen-
to adequado do organismo. A excreção envolve a saída de gás O2 e vapor de
água pelos pulmões. E também envolve o descarte de ureia e do excesso de
água de água e sais minerais por meio do suor e principalmente pela urina.
Você não deve confundir a finalidade de eliminação (por meio da evacua-
ção) com a de excreção.
Evacuação: eliminamos resíduos presentes em alimentos que não chegaram
a ser digeridos nem absorvidos pelo sistema.
Excreção: descarte do excesso de água e sais minerais, assim como ureia e
outras substâncias tóxicas ou não necessárias.
Os dois rins são órgãos responsáveis pela produção da urina, porém cada
um de modo independente.
Há quem compare os rins com um filtro de sangue. Na verdade a filtração
renal é muito mais complexa do que uma simples filtração. Do líquido que
passa por essa filtração (plasma sanguíneo), os rins retiram tudo aquilo que
ainda é útil ao organismo e conduzem esses materiais de volta ao sangue, o
que evita o desperdício de glicose, vitaminas, sais minerais e etc.
Os rins são controlados por um mecanismo corporal que de modo geral,
permite descartar na urina apenas a quantidade de água e sais minerais que
pode ser eliminada sem causar prejuízo ao corpo. Quando ingerimos muita
água, os rins produzem muita urina para nos livrar do excesso de água.
Quando bebemos pouca água, eles produzem menos urina.
Além de descarta a ureia, evitar a perda de substâncias importantes e
regular a saída de água, os excretam na urina substâncias estranhas
(medicamentos e drogas) ao organismo.
O sistema urinário
O sistema urinário humano é formado por dois rins dois ureteres, uma
bexiga urinária e pela uretra.
Desidratação
Leia o parágrafo 1 / 3 / 4 / 5 / 7 (apartir da terceira linha) / 8 / 9 (até
“comprometidos”) / 10 / 11 (ultimas cinco linhas) DO BOX NA PG 92.
OBS: é bom indo acompanhando com o livro o que você for lendo aqui,
pois tem imagens que ajudam a entender.
O ar é uma mistura de gases, porém os principais são nitrogênio e
oxigênio. Analisando o gráfico da página 101, concluímos que:
Ar inspirado contém: Ar expirado contém:
21% 16%
0.04% 3,6%
0,5% 6,2%
Gás oxigênio
Gás carbônico
Vapor de água
O sangue entra no rim por meio de uma artéria  o rim produz urina  o sangue purificado sai do rim
por uma veia  a ureter conduz a urina à bexiga  a bexiga armazena urina  a uretra conduz a urina
ao exterior do corpo
O sistema respiratório tem a função de realizar as trocas gasosas, com o
objetivo de obter O2 para o organismo e excretar Co2.
As trocas gasosas são realizadas por causa do movimento rítmico de
inspiração e expiração, a respiração pulmonar.
Órgãos do sistema respiratório em ordem que o ar passa (por eles):
1) Cavidade nasal
2) Faringe
3) Laringe
4) Traquéia
5) Brônquios
6) Bronquíolos
7) Alvéolos
Como vimos acima, o ar inspirado passa primeiramente pela cavidade
nasal. Nessa cavidade existem muitos pequenos pelos que filtram o ar e
retêm as partículas maiores de poeira. Se o ar inalado estiver muito frio, ele
se aquece ao passar pela cavidade nasal. Se o ar inalado estiver muito seco,
a evaporação da umidade nasal umedece o ar, o que facilita as trocas
gasosas que ocorrerão no pulmão. Ou seja, basicamente a cavidade nasal
serve para facilitar as trocas gasosas que ocorrerão no pulmão.
Quando por algum motivo, o mecanismo de fechamento da epiglote falha
e partículas de alimento penetram na laringe, ocorre na pessoa o reflexo de
tossir. Esse reflexo também é desencadeado quando substâncias presentes
no ar irritam a faringe, laringe ou traqueia.
A tosse permite a rápida saída de ar dos pulmões, o que expulsa da
laringe os objetos intrusos ou substâncias irritantes.
Quando pequenas partículas de material sólido entram na cavidade nasal
ou quando substâncias presentes no ar irritam a mucosa nasal (revestimento
da cavidade nasal), ocorre o reflexo do espirro. O violento jato de ar que é
expulso ao se espirrar expele as partículas ou substâncias irritantes da
cavidade nasal.
Da laringe, o ar inspirado vai para a traqueia, um órgão semelhante à um
tubo, que se separa, “dando” em dois órgãos tubulares: os brônquios, que
entram cada qual em um pulmão. Já no interior dos pulmões, os brônquios
se ramificam várias vezes originando tubos cada vez mais finos: os
bronquíolos. Cada brônquio e cada bronquíolo derivado dele pode ser
comparado à uma árvore de cabeça pra baixo. Os bronquíolos conduzem o ar
a minúsculas estruturas, os alvéolos pulmonares. É neles que ocorrem as
trocas gasosas entre o sangue e o ar.
Ar seco e problemas respiratórios
Ler parágrafo 1 / 2 / 3 do BOX DA PÁGINA 104
Movimentos de inspirar e expirar
O ar ocupa todo o espaço disponível.
Os pulmões são órgãos esponjosos que se encontram protegidos numa
cavidade formada pelas costelas, a cavidade torácica. Quando inspiramos,a
cavidade torácica aumenta (para que caiba mais ar) de volume e o ar entra
nos pulmões. Quando expiramos a cavidade torácica diminui, expelindo o ar
de dentro dos pulmões.
A cavidade torácica muda de tamanho graças ao trabalho de músculos
envolvidos no processo da respiração pulmonar: o diafragma e os músculos
intercostais. O diafragma é um músculo que separa a cavidade torácica -
onde estão os pulmões e o coração - do abdome - onde estão vários órgãos
do sistema digestório. Os músculos intercostais prendem-se às costelas e
distribuem-se sobre elas
Expiração: diafragma e músculos intercostais relaxam, o que faz uma parte
do ar que está nos pulmões sair deles.
Inspiração: diafragma e músculos intercostais se contraem, o que provoca o
aumento aumento da cavidade torácica e a entrada do ar
Quando o diafragma se contrai ele vai para baixo, e quando relaxa para
cima. Quando os músculos intercostais se relaxam eles se movem para
baixo, e quando se contraem para cima.
A troca gasosa no pulmões
Quando determinado material se espalha de uma região onde está mais
concentrado para outra região na qual está menos concentrado, dizemos
que o material passou pelo processo de difusão.
Há vários exemplos de difusão no dia-a-dia, como quando abrimos um
perfume e seu cheiro se espalha pelo ambiente, em várias direções, às
vezes chegando ao nosso nariz, etc.
Os alvéolos tem um interior oco; eles são minúsculos saquinhos dentro
dos quais chega o ar inspirado na respiração pulmonar. Os alvéolos estão
rodeados por capilares sanguíneos. Por dentro desses capilares circula o
sangue que realiza as trocas gasosas com o ar inspirado no interior dos
alvéolos.
O sangue chega, pelos capilares, até o redor dos alvéolos contém gás
carbônico em concentração mais alta do que o ar inspirado e contém gás
oxigênio em concentração mais baixa do que a do ar inspirado. Por causa
dessas diferenças de concentração, o gás carbônico sofre difusão do sangue
para o ar e o gás oxigênio sofre difusão do ar para o sangue. VEJA IMAGEM
DA PÁGINA 107, AJUDA BASTANTE!
Após a troca de gases, o sangue vira arterial. Esse sangue agora será
distribuído pelo coração para todas as células do corpo, que aproveitarão o
gás oxigênio para a respiração celular. Essas mesma células descarregarão
no sangue o gás carbônico, produzido na respiração celular a fim de que ele
seja levado aos pulmões e seja expirado.
Frequência cardíaca e respiratória
A frequência cardíaca (pulsação) indica quantas vezes nosso coração bate
a cada minuto. Já a frequência respiratória indica quantas vezes
inspiramos e expiramos por minuto. A pulsação e a frequência respiratória
não tem valores iguais para um mesmo indivíduo.
Ao realizar uma atividade física, tanto a frequência cardíaca quanto a
respiratória aumentam.
O exercício físico requer dos músculos maior atividade. Assim, as células
dos músculos gastam mais energia e, por isso, têm de aumentar a
velocidade com que realizam a respiração celular. O coração tem de bater
mais vezes a cada minuto - aumento da frequência cardíaca -, a fim de
aumentar a quantidade de sangue bombeado e distribuir mais rapidamente
gás oxigênio às células dos músculos.
O aumento da frequência respiratória durante uma atividade física está
ligado à maior necessidade de gás oxigênio pelos músculos. Quanto maior o
número de inspirações e de expirações por minuto, maior a quantidade de
gases trocados nos alvéolos pulmonares. Em outras palavras, o aumento da
frequência respiratória permite oxigenar mais rapidamente o sangue, que
por sua vez, fornecerá mais rapidamente oxigênio aos músculos em
atividade.
O controle automático da respiração pulmonar
Na maior parte do tempo, contudo, a frequência respiratória é controlada
automaticamente pelo sistema nervoso, que envia impulsos nervos a
intervalos regulares ao músculos envolvidos no movimento de inspiração e
expiração.
O sistema de controle automático da respiração pulmonar pelo sistema
nervoso inclui um sensor que detecta a concentração de gás oxigênio no
sangue. Quando realizamos atividades físicas, as células musculares
transferem mais gás carbônico no sistema circulatório e a concentração
desse gás no sangue aumenta. Assim que detecta esse aumento, o sistema
nervoso acelera a frequência com que envia impulsos nervosos aos músculos
responsáveis pela respiração pulmonar. Como consequência a frequência
respiratória aumenta.
Simultaneamente, o sistema nervoso também envia estímulos ao coração
para que ele bata mais rápido. Ambas as alterações, o aumento da
frequência respiratória e cardíaca garantem maior oxigenação do sangue e
uma distribuição mais rápida do sangue oxigenado às células do corpo,
particularmente às células musculares que estão em atividade mais intensa.
Quando voltamos ao repouso, a concentração de gás carbônico no sangue
gradualmente volta a se reduzir e, por isso, o sistema nervoso faz tanto a
frequência respiratória com a cardíaca retornarem aos valores de repouso.
Alguns distúrbios do sistema respiratório
O resfriado e a gripe são doenças do sistema respiratório causadas por
vírus, ou seja são viroses.
Há algumas espécies de bactérias que são eficientemente combatidas
pelas defesas naturais do organismo. Contudo, quando o corpo se encontra
enfraquecido, combatendo uma virose, por exemplo, essas bactérias podem
não ser combatidas com eficiência e originar uma infecção bacteriana.
Tuberculose é uma doença bacteriana.
Como defesa contra a bactéria, o organismo produz estruturas com uma
grossa camada de tecido conjuntivo ao redor dos alvéolos pulmonares
atacados por ela. Essas estruturas, os tubérculos, reduzem a velocidade com
que a infecção se espalha pelo corpo, mas em geral, não mata as bactérias.
Todos os portadores de aids, tem as defesas do organismo comprometidas
por causa da síndrome.
A alergia é um distúrbio no qual o corpo se torna muito sensível à
determinado material ou substância e passa a responde a ele toda vez que
sua presença é detectada no organismo. A alergia pode desencadear crises
de rinite alérgica ou de asma brônquica.
Rinite alérgica: é uma forma de alergia na qual ocorre a inflamação da
parede interna da cavidade nasal, com produção de muco que escorre pelo
nariz
Asma brônquica: é um distúrbio que se caracteriza pela contração das
paredes dos bronquíolos, o que diminui o espaço interno para a passagem do
ar inspirado e provoca intensa falta de ar.
BOX EUFISEMA PULMONAR: LEIA ELE INTEIRO!
Fibrose pulmonar
Fibrose pulmonar é a reação à presença de partículas estranhas nos pul-
mões. O organismo produz uma camada de tecido conjuntivo fibroso (cheio
de fibras), que reveste o material intruso. Quanto maior for a quantidade de
partículas inaladas, maior a quantidade de tecido fibroso produzido e maio a
perda de elasticidade do pulmão, o que dificulta a inspiração e as trocas
gasosas no pulmão.
É alta a incidência de câncer de pulmão entre as pessoas com fibrose
pulmonar.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema Circulatório
Sistema CirculatórioSistema Circulatório
Sistema Circulatório
Patrícia Santos
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
Tânia Reis
 
Sistema Circulatório
Sistema CirculatórioSistema Circulatório
Sistema Circulatório
Patrícia Santos
 
Sistema CirculatóRio (Ciclo CardíAco)
Sistema CirculatóRio (Ciclo CardíAco)Sistema CirculatóRio (Ciclo CardíAco)
Sistema CirculatóRio (Ciclo CardíAco)
Nuno Correia
 
Sistema cardiovascular 8 ano
Sistema cardiovascular 8 anoSistema cardiovascular 8 ano
Sistema cardiovascular 8 ano
Barbara Stherfany Caetano
 
Sistema circulatorio (4) (1)
Sistema circulatorio (4) (1)Sistema circulatorio (4) (1)
Sistema circulatorio (4) (1)
Luciano Silveira
 
Anatomia do sistema cardiovascular
Anatomia do sistema cardiovascularAnatomia do sistema cardiovascular
Anatomia do sistema cardiovascular
Rafael Fontoura
 
Sistema circulatório 1
Sistema circulatório 1Sistema circulatório 1
Sistema circulatório 1
rukka
 
Aula cardio vascular - Anato Fisiologia Humana
Aula cardio vascular - Anato Fisiologia HumanaAula cardio vascular - Anato Fisiologia Humana
Aula cardio vascular - Anato Fisiologia Humana
Clovis Gurski
 
Sistema circulatorio
Sistema circulatorioSistema circulatorio
Sistema circulatorio
Fernando Moreira
 
Sistema circulatorio powerpoint
Sistema circulatorio powerpointSistema circulatorio powerpoint
Sistema circulatorio powerpoint
isabelalexandrapinto
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
Anderson Ribeiro de Moraes
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
Rosa Pereira
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
Marcus Bancilon
 
Sistema cardiovascular bárbara de castro
Sistema cardiovascular   bárbara de castroSistema cardiovascular   bárbara de castro
Sistema cardiovascular bárbara de castro
BarbaraCastroLoureiro
 
127
127127
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
Roxana Alhadas
 
Circulação slides
Circulação slidesCirculação slides
Circulação slides
Fábio Ianomami
 
1202258760 sistema circulatorio
1202258760 sistema circulatorio1202258760 sistema circulatorio
1202258760 sistema circulatorio
Pelo Siro
 

Mais procurados (19)

Sistema Circulatório
Sistema CirculatórioSistema Circulatório
Sistema Circulatório
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
 
Sistema Circulatório
Sistema CirculatórioSistema Circulatório
Sistema Circulatório
 
Sistema CirculatóRio (Ciclo CardíAco)
Sistema CirculatóRio (Ciclo CardíAco)Sistema CirculatóRio (Ciclo CardíAco)
Sistema CirculatóRio (Ciclo CardíAco)
 
Sistema cardiovascular 8 ano
Sistema cardiovascular 8 anoSistema cardiovascular 8 ano
Sistema cardiovascular 8 ano
 
Sistema circulatorio (4) (1)
Sistema circulatorio (4) (1)Sistema circulatorio (4) (1)
Sistema circulatorio (4) (1)
 
Anatomia do sistema cardiovascular
Anatomia do sistema cardiovascularAnatomia do sistema cardiovascular
Anatomia do sistema cardiovascular
 
Sistema circulatório 1
Sistema circulatório 1Sistema circulatório 1
Sistema circulatório 1
 
Aula cardio vascular - Anato Fisiologia Humana
Aula cardio vascular - Anato Fisiologia HumanaAula cardio vascular - Anato Fisiologia Humana
Aula cardio vascular - Anato Fisiologia Humana
 
Sistema circulatorio
Sistema circulatorioSistema circulatorio
Sistema circulatorio
 
Sistema circulatorio powerpoint
Sistema circulatorio powerpointSistema circulatorio powerpoint
Sistema circulatorio powerpoint
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
Sistema cardiovascular bárbara de castro
Sistema cardiovascular   bárbara de castroSistema cardiovascular   bárbara de castro
Sistema cardiovascular bárbara de castro
 
127
127127
127
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
 
Circulação slides
Circulação slidesCirculação slides
Circulação slides
 
1202258760 sistema circulatorio
1202258760 sistema circulatorio1202258760 sistema circulatorio
1202258760 sistema circulatorio
 

Semelhante a Resumo pra p.m de ciências 3º trimestre.

Sistema circulatório.docx
Sistema circulatório.docxSistema circulatório.docx
Sistema circulatório.docx
EduardoGomes340723
 
Sistema Circulatorio
Sistema CirculatorioSistema Circulatorio
Sistema Circulatorio
António Pires
 
sistema_circulatorio_2.ppt
sistema_circulatorio_2.pptsistema_circulatorio_2.ppt
sistema_circulatorio_2.ppt
ElisMaria15
 
O ciclo cardíaco
O ciclo cardíacoO ciclo cardíaco
O ciclo cardíaco
Catir
 
Sistema cardiovascular e o sangue
Sistema cardiovascular e o sangueSistema cardiovascular e o sangue
Sistema cardiovascular e o sangue
robioprof
 
Fisiologia - Sistema Cardiorrespiratório - Circulação Sanguínea
Fisiologia - Sistema Cardiorrespiratório - Circulação SanguíneaFisiologia - Sistema Cardiorrespiratório - Circulação Sanguínea
Fisiologia - Sistema Cardiorrespiratório - Circulação Sanguínea
Wisley Velasco
 
Aula MANHÃ - SISTEMA CARDIOVASCULAR.pptx
Aula MANHÃ - SISTEMA CARDIOVASCULAR.pptxAula MANHÃ - SISTEMA CARDIOVASCULAR.pptx
Aula MANHÃ - SISTEMA CARDIOVASCULAR.pptx
RodrigoSousa736857
 
sistemacirculatorioelinfatico.pdf
sistemacirculatorioelinfatico.pdfsistemacirculatorioelinfatico.pdf
sistemacirculatorioelinfatico.pdf
HelgaMello2
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
bandeiraneidi
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
bandeiraneidi
 
sistema circulatorio.pptx
sistema circulatorio.pptxsistema circulatorio.pptx
sistema circulatorio.pptx
AndreiaCosta151227
 
sistema circulatorio
 sistema circulatorio sistema circulatorio
sistema circulatorio
Roberto Barbosa Souza
 
Sistema circulatório - Resumo
Sistema circulatório - ResumoSistema circulatório - Resumo
Sistema circulatório - Resumo
Matheus Alves
 
UFCD 6568- Noções Gerais do Sistema Circulatório e.pptx
UFCD 6568- Noções Gerais do Sistema Circulatório e.pptxUFCD 6568- Noções Gerais do Sistema Circulatório e.pptx
UFCD 6568- Noções Gerais do Sistema Circulatório e.pptx
Nome Sobrenome
 
25309070 1202258760-sistema-circulatorio
25309070 1202258760-sistema-circulatorio25309070 1202258760-sistema-circulatorio
25309070 1202258760-sistema-circulatorio
Pelo Siro
 
Sistema circulatório andreia
 Sistema circulatório  andreia Sistema circulatório  andreia
Sistema circulatório andreia
Andreia Margarido
 
127
127127
Sistema CirculatóRio
Sistema CirculatóRioSistema CirculatóRio
Sistema CirculatóRio
Segundo B
 
Sistema Circulatorio
Sistema CirculatorioSistema Circulatorio
Sistema Circulatorio
Eunice Palma
 
Sistema Circulatório por Marcio Colucci
Sistema Circulatório por Marcio ColucciSistema Circulatório por Marcio Colucci
Sistema Circulatório por Marcio Colucci
Marcio Colucci
 

Semelhante a Resumo pra p.m de ciências 3º trimestre. (20)

Sistema circulatório.docx
Sistema circulatório.docxSistema circulatório.docx
Sistema circulatório.docx
 
Sistema Circulatorio
Sistema CirculatorioSistema Circulatorio
Sistema Circulatorio
 
sistema_circulatorio_2.ppt
sistema_circulatorio_2.pptsistema_circulatorio_2.ppt
sistema_circulatorio_2.ppt
 
O ciclo cardíaco
O ciclo cardíacoO ciclo cardíaco
O ciclo cardíaco
 
Sistema cardiovascular e o sangue
Sistema cardiovascular e o sangueSistema cardiovascular e o sangue
Sistema cardiovascular e o sangue
 
Fisiologia - Sistema Cardiorrespiratório - Circulação Sanguínea
Fisiologia - Sistema Cardiorrespiratório - Circulação SanguíneaFisiologia - Sistema Cardiorrespiratório - Circulação Sanguínea
Fisiologia - Sistema Cardiorrespiratório - Circulação Sanguínea
 
Aula MANHÃ - SISTEMA CARDIOVASCULAR.pptx
Aula MANHÃ - SISTEMA CARDIOVASCULAR.pptxAula MANHÃ - SISTEMA CARDIOVASCULAR.pptx
Aula MANHÃ - SISTEMA CARDIOVASCULAR.pptx
 
sistemacirculatorioelinfatico.pdf
sistemacirculatorioelinfatico.pdfsistemacirculatorioelinfatico.pdf
sistemacirculatorioelinfatico.pdf
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
sistema circulatorio.pptx
sistema circulatorio.pptxsistema circulatorio.pptx
sistema circulatorio.pptx
 
sistema circulatorio
 sistema circulatorio sistema circulatorio
sistema circulatorio
 
Sistema circulatório - Resumo
Sistema circulatório - ResumoSistema circulatório - Resumo
Sistema circulatório - Resumo
 
UFCD 6568- Noções Gerais do Sistema Circulatório e.pptx
UFCD 6568- Noções Gerais do Sistema Circulatório e.pptxUFCD 6568- Noções Gerais do Sistema Circulatório e.pptx
UFCD 6568- Noções Gerais do Sistema Circulatório e.pptx
 
25309070 1202258760-sistema-circulatorio
25309070 1202258760-sistema-circulatorio25309070 1202258760-sistema-circulatorio
25309070 1202258760-sistema-circulatorio
 
Sistema circulatório andreia
 Sistema circulatório  andreia Sistema circulatório  andreia
Sistema circulatório andreia
 
127
127127
127
 
Sistema CirculatóRio
Sistema CirculatóRioSistema CirculatóRio
Sistema CirculatóRio
 
Sistema Circulatorio
Sistema CirculatorioSistema Circulatorio
Sistema Circulatorio
 
Sistema Circulatório por Marcio Colucci
Sistema Circulatório por Marcio ColucciSistema Circulatório por Marcio Colucci
Sistema Circulatório por Marcio Colucci
 

Mais de Marcos Schwartz

Resumo pra p.u de geog terceiro trimestre
Resumo pra p.u de geog  terceiro trimestreResumo pra p.u de geog  terceiro trimestre
Resumo pra p.u de geog terceiro trimestre
Marcos Schwartz
 
Resumo pra p.u de geog terceiro trimestre
Resumo pra p.u de geog  terceiro trimestreResumo pra p.u de geog  terceiro trimestre
Resumo pra p.u de geog terceiro trimestre
Marcos Schwartz
 
Resumo pra p.u de l.p terceiro trimestre
Resumo pra p.u de l.p terceiro trimestreResumo pra p.u de l.p terceiro trimestre
Resumo pra p.u de l.p terceiro trimestre
Marcos Schwartz
 
Resumo pra p.u de l.p terceiro trimestre
Resumo pra p.u de l.p terceiro trimestreResumo pra p.u de l.p terceiro trimestre
Resumo pra p.u de l.p terceiro trimestre
Marcos Schwartz
 
Resumo pra p.m de história 3º trimestre
Resumo pra p.m de história 3º trimestreResumo pra p.m de história 3º trimestre
Resumo pra p.m de história 3º trimestre
Marcos Schwartz
 
Resumo pra p.m de l.p 3º tri
Resumo pra p.m de  l.p 3º triResumo pra p.m de  l.p 3º tri
Resumo pra p.m de l.p 3º tri
Marcos Schwartz
 
Resumo para p.m de geografia 1º trimestre
Resumo para p.m de geografia 1º trimestreResumo para p.m de geografia 1º trimestre
Resumo para p.m de geografia 1º trimestre
Marcos Schwartz
 
Resumo áfrica
Resumo áfricaResumo áfrica
Resumo áfrica
Marcos Schwartz
 
Resumo de ciências
Resumo de ciênciasResumo de ciências
Resumo de ciências
Marcos Schwartz
 
Resumo espanhol - 2º trimestre
Resumo espanhol - 2º trimestreResumo espanhol - 2º trimestre
Resumo espanhol - 2º trimestre
Marcos Schwartz
 
Resumo lema
Resumo lemaResumo lema
Resumo lema
Marcos Schwartz
 
Resumo de l.p 2º tri
Resumo de l.p   2º triResumo de l.p   2º tri
Resumo de l.p 2º tri
Marcos Schwartz
 
Resumo de história
Resumo de históriaResumo de história
Resumo de história
Marcos Schwartz
 
Resumo espanhol
Resumo espanholResumo espanhol
Resumo espanhol
Marcos Schwartz
 
Resumo de ciências
Resumo de ciênciasResumo de ciências
Resumo de ciências
Marcos Schwartz
 
Resumo espanhol
Resumo espanholResumo espanhol
Resumo espanhol
Marcos Schwartz
 
Resumo espanhol
Resumo espanholResumo espanhol
Resumo espanhol
Marcos Schwartz
 
Resumo Geog
Resumo GeogResumo Geog
Resumo Geog
Marcos Schwartz
 
Resumo De CiêNcias
Resumo De CiêNciasResumo De CiêNcias
Resumo De CiêNcias
Marcos Schwartz
 
Resumo MatemáTica
Resumo MatemáTicaResumo MatemáTica
Resumo MatemáTica
Marcos Schwartz
 

Mais de Marcos Schwartz (20)

Resumo pra p.u de geog terceiro trimestre
Resumo pra p.u de geog  terceiro trimestreResumo pra p.u de geog  terceiro trimestre
Resumo pra p.u de geog terceiro trimestre
 
Resumo pra p.u de geog terceiro trimestre
Resumo pra p.u de geog  terceiro trimestreResumo pra p.u de geog  terceiro trimestre
Resumo pra p.u de geog terceiro trimestre
 
Resumo pra p.u de l.p terceiro trimestre
Resumo pra p.u de l.p terceiro trimestreResumo pra p.u de l.p terceiro trimestre
Resumo pra p.u de l.p terceiro trimestre
 
Resumo pra p.u de l.p terceiro trimestre
Resumo pra p.u de l.p terceiro trimestreResumo pra p.u de l.p terceiro trimestre
Resumo pra p.u de l.p terceiro trimestre
 
Resumo pra p.m de história 3º trimestre
Resumo pra p.m de história 3º trimestreResumo pra p.m de história 3º trimestre
Resumo pra p.m de história 3º trimestre
 
Resumo pra p.m de l.p 3º tri
Resumo pra p.m de  l.p 3º triResumo pra p.m de  l.p 3º tri
Resumo pra p.m de l.p 3º tri
 
Resumo para p.m de geografia 1º trimestre
Resumo para p.m de geografia 1º trimestreResumo para p.m de geografia 1º trimestre
Resumo para p.m de geografia 1º trimestre
 
Resumo áfrica
Resumo áfricaResumo áfrica
Resumo áfrica
 
Resumo de ciências
Resumo de ciênciasResumo de ciências
Resumo de ciências
 
Resumo espanhol - 2º trimestre
Resumo espanhol - 2º trimestreResumo espanhol - 2º trimestre
Resumo espanhol - 2º trimestre
 
Resumo lema
Resumo lemaResumo lema
Resumo lema
 
Resumo de l.p 2º tri
Resumo de l.p   2º triResumo de l.p   2º tri
Resumo de l.p 2º tri
 
Resumo de história
Resumo de históriaResumo de história
Resumo de história
 
Resumo espanhol
Resumo espanholResumo espanhol
Resumo espanhol
 
Resumo de ciências
Resumo de ciênciasResumo de ciências
Resumo de ciências
 
Resumo espanhol
Resumo espanholResumo espanhol
Resumo espanhol
 
Resumo espanhol
Resumo espanholResumo espanhol
Resumo espanhol
 
Resumo Geog
Resumo GeogResumo Geog
Resumo Geog
 
Resumo De CiêNcias
Resumo De CiêNciasResumo De CiêNcias
Resumo De CiêNcias
 
Resumo MatemáTica
Resumo MatemáTicaResumo MatemáTica
Resumo MatemáTica
 

Resumo pra p.m de ciências 3º trimestre.

  • 1. Resumo pra P.M de ciências 3º trimestre O sistema circulatório é constituído pelo coração, pelo sangue e pelos vasos sanguíneos (por onde o sangue flui). Em seu trajeto contínuo o sangue é impulsionado por uma “bomba” feita de músculos: o coração. A passagem de sangue por um vaso sanguíneo, é a consequência dos batimentos cardíacos. Quando a frequência cardíaca aumenta, a pulsação aumenta igualmente. O sistema circulatório é responsável pelo transporte de substâncias no organismo. O sangue leva às células substâncias que elas necessitam e leva para longe substâncias que elas descartam e que serão eliminadas na urina, ou no ar que será expirado pelos pulmões (como o gás Co2). Uma das substâncias que o sangue leva até as células são os nutrientes absorvido pelo intestino na digestão. Alguns nutrientes são empregados na respiração celular (por exemplo), processo que fornece energia ao organismo. O gás O2, é outra importante substâncias conduzida às células pelo sangue, que é necessária na respiração celular. Entre as substâncias descartadas pelas células, estão o gás Co2 e o excesso de água, produtos da respiração celular. O sangue também transporta materiais provenientes da “limpeza” de partes desgastadas ou
  • 2. mortas das células e da destruição de vírus e bactérias no organismo. O sangue Existem alguns componentes presentes no sangue que estão dissolvidos. O sangue é dividido em duas partes: • Parte líquida (plasma): água + nutrientes • Parte sólida (elementos celulares, parte vermelha): glóbulos vermelhos (ou hemácias ou eritrócitos), glóbulos brancos (ou leucócitos) e plaquetas. Consulte a tabela da página 77, ela pode ajudar. Glóbulos vermelhos: • Células anucleadas • Vivem cerca de 120 dias • São produzidas na medula vermelha do osso longo • Sua função é transporta oxigênio às células A falta de glóbulos vermelhos no sangue causa anemia, porém o excesso não causa nenhum problema
  • 3. Glóbulos brancos (Leucócitos): Sua função é combater as infecções. Ele combate elas ou por fagocitose ou por anti-corpos. • Leucopenia: diminuição de glóbulos brancos no sangue • Leucemia: aumento de glóbulos brancos no sangue, sem haver doenças, fazendo com que eles corroam o próprio organismo. • Fagocitose: combate as infecções, com um processo em que o glóbulo “come” o vírus ou bactéria. • Anti-corpos: são substâncias fabricadas pelos glóbulos brancos para combater ou neutralizar agentes infecciosos, ou antígenos. Importante: Linfócito T4 é um tipo de glóbulo branco que identifica os vírus ou bactérias no organismo. Os vasos sanguíneos Artérias: • Conduzem o sangue para fora do coração. • Suas paredes são musculares e pulsam com a passagem do sangue. • É possível medir a pulsação nos locais por onde elas passam.
  • 4. • São elásticas. Arteríolas: • São ramificações das artérias São mais finas do que as artérias e difíceis de ver à olho nu. Capilares: • Ramificações das arteríolas. • São tão estreitos que as hemácias tem passam por ele enfileiradas. • Estão em todos os tecidos do corpo. • Passam muito perto da células desses tecidos. Vênulas: • São formadas por vários capilares juntos. • Se unem formando vasos ainda mais largos e vivíveis à olho nu: as veias Veias: • Conduzem o sangue de volta ao coração. • Suas paredes não tão musculosa como a das artérias. • Não pulsam como as artérias. • Possuem válvulas venosas.
  • 5. Não são elásticas. Válvulas venosas: • Impedem que o sangue não volte ao coração Atuam como portas de mão única, fazendo o sangue fluir em apenas um sentido. • Se fecham se o sangue voltar por ação do próprio peso. artérias  arteríolas  capilares  vênulas  veias O movimento dos músculos esqueléticos, durante o caminhar normal ou exercício físico, ajuda a comprimir as veias e auxilia no retorno do sangue ao coração. Se as válvulas venosas ficam fracas e não impedem completamente a volta do sangue, o sangue que retorna provoca aumento da pressão exercida sobre a parede interna das veias. Com o tempo isso pode deixar as veias anormalmente dilatadas e tortuosas, situação chamada de veias varicosas. Elas são mais comuns em idosos, porém podem também aparecer em grávidas ou em pessoas obesas. Também é possível aparecerem veias varicosas na parte inferior do estômago e no ânus (hemorróidas). As válvulas venosas fracas e as veias varicosas fazem com que o movimento muscular não seja eficiente para auxiliar o bombeamento do sangue de volta ao
  • 6. coração, o que pode conduzir a outros problemas como o inchaço de pés e tornozelos. Circulação sistêmica ou grande circulação Sangue venoso: rico em gás carbônico e pobre em oxigênio Sangue arterial: rico em gás oxigênio e pobre em carbônico. As duas funções do sistema circulatório são: levar o gás O2 até os tecidos e “remover” deles o gás Co2 produzido. O sangue arterial é bombeado para fora do coração pela aorta. Em seguida ele vai para as arteríolas e para os capilares. Ao passar pelos capilares, o sangue deixa o gás O2 nas células e recebe o gás Co2. Assim, o sangue deixa de ser arterial e “vira” venoso. Das vênulas o sangue vai para as veias e por elas, retorna ao coração, completando o trajeto denominado circulação sistêmica, ou grande circulação. Ela tem esse nome, pois o sangue percorre todos os sistemas do corpo: digestório, esquelético, nervoso, o urinário, etc. Circulação pulmonar ou pequena circulação Se o sangue que chega ao coração após a circulação sistêmica é venoso, como ele vira arterial, para poder levar novamente O2 aos outros tecido do corpo humano?
  • 7. A resposta está no fato de o coração não atuar apenas como uma bomba, mas sim como duas. O sangue venoso que chega ao coração é bombeado para os pulmões, onde vira venoso (pois recebe O2 e libera Co2 no ar que será expirado pelos pulmões). Esse trajeto inicia-se pelo sangue saindo do coração pela artéria pulmonar ( nome da artéria), que se ramifica em duas e, assim divide em dois o fluxo de sangue entre os dois pulmões. Cada uma dessas artérias se ramifica até chegarem aos capilares do pulmão, onde ocorrem as trocas gasosas da respiração pulmonar: o sangue recebe O2 do ar que foi expirado e libera Co2 no ar que será expirado. Após o sangue percorrer os capilares do pulmões, ele passa a ser venoso. Continuando seu trajeto, o sangue chega á veia pulmonar (apos passar por vênulas). Por meio de duas veias pulmonares, uma de cada pulmão , o sangue retorna ao coração. Coração  sistemas do corpo  coração  pulmões Olhar esquema da página 81, ele pode ajudar e o ciclo recomeça Circulação sistêmica + coração = circulação pulmonar
  • 8. O coração tem quatro cavidades O coração é dividido em quatro compartimentos, cavidades. Além de quatro cavidades, o coração possui quatro valvas. As valvas faz com que o sangue siga em apenas um sentido, pois elas mesmas impedem q ele volte. Olhar figura das cavidades e das valvas na página 81 O trajeto completo do sangue A circulação sistêmica e a pulmonar estão incluídas na trajetória do sangue. O sangue venoso chega ao coração pelo átrio direito e é bombeado pelo coração para o ventrículo direito. Do ventrículo direito ele é bombeado para veia pulmonar, iniciando a circulação pequena. Nos capilares do pulmão ocorre a troca gasosa. Após a troca gasosa, o sangue é bombeado até chegar no átrio esquerdo. Do átrio esquerdo ele é bombeado para o ventrículo esquerdo. De lá, ele é bombeado para a Aorta, iniciando a circulação sistêmica. Ao passar pelos capilares do corpo inteiro, o sangue se torna venoso novamente. Ele é levado pela veia cava inferior e superior até o coração, entrando pelo átrio direito, começando todo o processo novamente. Dica: Átrios recebem sangue das veias, e ventrículos bombeiam para artérias. Enquanto lê “O trajeto completo do sangue”, vá acompanhando pelo esquema da página 83, pode ajudar bastante.
  • 9. Box sobre hipertensão Pressão arterial: pressão exercida pelo sangue sobre as paredes da artéria Ela muda durante os movimentos do coração. E pode alterar de acordo com o que você estiver fazendo (ex: dormindo, praticando esporte, etc.). Essa mudança da pressão arterial é comum durante o dia, e pode variar de uma pessoa para outra. Hipotensão ou pressão baixa: pressão arterial abaixo do normal. Ela não é um sinal de distúrbio e não oferece riscos à um indivíduo, mas pode ser decorrência de alguns problemas, por exemplo, no sistema endócrino (conjunto de glândulas). Hipertensão ou pressão alta: pressão arterial muito maior que o normal. Ela pode ser consequência de fatores emocionais ou de problemas de saúde, como distúrbio no sistema urinário e no sistema endócrino. Também está relacionada com a aterosclerose, e pode resultar em ataques cardíacos e derrames cerebrais. Em geral, a hipertensão na apresenta sintomas. Frequência cardíaca A pulsação indica a frequência cardíaca (o número de batimento do coração a cada minuto). A frequência cardíaca pode aumentar em decorrência de
  • 10. vários fatores, como exercícios físicos, emoções, sustos e doenças. Quando o coração é auscultado, se pode perceber uma sequência regular de ruídos (algo como “tum-tá”, pausa, “tum-tá”, pausa). Esses ruídos são produzidos pelo fechamento periódico das valvas do coração. Ouve-se “tum” no fechamento de uma dessas valvas (que separam os átrios dos ventrículos) e “tá” no fechamento das saídas dos ventrículos. Quando uma ou mais valvas apresentam problemas, o som rítmico dos batimentos cardíacos é alterado. Aterosclerose Aterosclerose é o acúmulo de material gorduroso nas paredes da artéria. Esse acúmulo dificulta a circulação do sangue, já que o espaço para o sangue fluir é menor, o que sobrecarrega o coração (pois ele começa a bombear mais sangue). A distribuição de sangue aos tecidos do coração, principalmente à camada muscular responsável pelos batimentos (miocárdio), é executada por duas artérias coronárias (direita e esquerda) e suas ramificações. Quando a aterosclerose provoca entupimento de uma artéria coronária, os tecidos que recebem sangue dela deixam de ser irrigados pelo sangue e suas células morrem for falta de O2. Trata-se de um ataque cardíaco ou um
  • 11. infarto do miocárdio. Quanto mais células do coração morrerem, maior a sua gravidade e mais difícil será a recuperação do indivíduo. Se uma artéria que leva sangue ao cérebro fica entupida pela aterosclerose, e o sangue deixar de atingi-lo, alguns tecidos podem morrer por falta de O2 . É o acidente vascular cerebral (AVC) isquêmico. Às vezes a hipertensão ou outros problemas podem provocar o rompimento de uma artéria no cérebro. Então haverá uma hemorragia no cérebro, o AVC hemorrágico (derrame cerebral). O consumo de alimentos gordurosos e oleoso, a hipertensão não controlada, a falta de exercícios físicos regulares e o fumo contribuem na aterosclerose. Aneurisma O aneurisma é a dilatação de uma artéria.Existem diferentes tipo de aneurisma e pode aparecer em diferentes parte do corpo. Os mais comuns são os cerebrais. O aneurisma cerebral sacular é o com maior ocorrência. Ele se desenvolve nas paredes da artérias com defeitos congênitos em decorrência do aumento do aumento do fluxo sanguíneo ou pressão arterial, entre outros fatores. É comum esses aneurismas se romperem e provocarem hemorragia cerebral. Existe ainda o aneurisma cerebral, que ocorre após
  • 12. Traumatismos cranianos causados por acidentes ou pós-operatórios. Esse tipo de aneurisma é bem perigos e também “traz consigo” hemorragias com frequência. Outro tipo de aneurisma bastante comum é o que se manifesta na artéria aorta abdominal. Ele costuma ser provocado pela aterosclerose decorrente do alto colesterol no sangue, da pressão alta, do tabagismo, do estresse e da vida sedentária, associado a disposições individuais. Coagulação do sangue Processo que endurece o sangue acabando com um sangramento. Plaqueta: ajuda na coagulação sanguínea. A plaqueta é um fragmento (pedaço) de uma célula chamada megacariócito. A plaqueta nasce na quebra de uma megacariócito . Ele se quebra sozinho, e cada “parte” resultante da quebra é uma plaqueta. O megacariócito está presente no corpo inteiro (no sangue). Obs: depois que a plaqueta participa do processo de coagulação, ela deixa de existir. Elas não são vivas.
  • 13. Plaqueta Pró-trombina Trombina Fibrinogênio Fibrina O nosso corpo produz fibrinogênio (proteína solúvel) que está diluída no sangue. Quando nós nos cortamos, ao entrar em contato com uma substância liberada pela trombina, o fibrinogênio se transforma em fibrina (proteína solúvel) que forma uma espécie de rede insolúvel na ferida, que não deixa que passem glóbulos vermelhos, para que a ferida possa ser cicatrizada. Trombose A coagulação sanguínea é muito importante para evitar hemorragias, ces- CORTOU  rompeu uma plaqueta  ela libera uma substância  essa substância se une com a pró- trombina, formando a trombina  a trombina libera uma substância  o fibrinogênio entra em contato com essa substância  após o contato se forma a fibrina  coagulação criado por Lu Barreto, mas eu fiz botei mais umas coisas
  • 14. sar sangramentos. No entanto, um coagulo pode acabar se formando em um vaso sanguíneo, trazendo vários problemas. Quando se forma esse tipo de coagulo, chamado de trombo, dizemos que a pessoa tem trombose. Se o coagulo for suficientemente grande e estiver dentro de uma artéria, pode obstruir perigosamente a circulação do sangue. E mesmo que o trombo não esteja causando problemas onde está, ele pode se desprender e ser levado pelo sangue para outro lugar, obstruindo-o. A obstrução do sangue por um trombo é chamada de tromboembolia (ou tromboembolismo), dependendo da área afetada pode ser fatal. A obstrução da artéria coronária pode, por exemplo, causar infarto do miocárdio (pois os tecidos do seu coração deixam de receber sangue). A obstrução da artéria pulmonar pode provocar morte súbita (pois você deixa de realizar a troca gasosa). Sistema linfático Cerca de 1% da parte liquida do sangue que entra nos tecidos não retorna aos vasos sanguíneos, ele fica entre o as células e os tecidos. O sistema linfático é o responsável pelo retorno desse liquido à circulação sanguínea. Ele é formado por linfonodos, baço, timo e vasos linfáticos, que captam o excesso de líquido existente no tecido. Esse líquido que entra pelo
  • 15. vaso linfático é chamado de linfa. A linfa é formada por: • Água • Substâncias dissolvidas • Células mortas • Eventualmente por bactérias ou agente infecciosos (vírus e bactérias). Em resumo, linfa = plasma + glóbulos brancos. A linfa tem função de levar nutrientes às células. Os vasos linfáticos mais finos (sua finura pode ser comparada com a dos capilares) vão se juntando e formam vasos mais espessos, que conduzem a linfa para as veias, onde ela se reincorpora ao sangue. Os linfonodos, estruturas presentes no trajeto dos vasos linfáticos, realizam uma espécie de filtração na linfa, eliminando impurezas, células morta, etc. Nos linfonodos existe uma grande quantidade de glóbulos brancos, que combatem agentes infecciosos que possam estar na linfa. Ao fazer isso, o sistema linfático trabalha na defesa do organismo. O timo e o baço, também estão envolvidos na manutenção dessas defesas do organismo contra o vírus, bactérias e outros agentes causadores de doenças. Íngua Quando um agente invasor do organismo (bactérias e vírus, por exemplo) é
  • 16. detectado pelo organismo humano, uma das ações naturais de defesa do organismo é o aumento no número de glóbulos brancos especializados no combate de infecções. Essa multiplicação faz com que hajam mais glóbulos brancos nos linfonodos próximos ao local da infecção, fazendo com que eles fiquem inchados e doloridos quando apalpados. Íngua é o nome popular do linfonodo inchado. Ela é comum no pescoço, nas axilas e nas virilhas. Excreção Alguns dos principais resíduos produzidos pelo corpo humano são o gás Co2, resultante da respiração celular, e a ureia , substância tóxica presente na urina produzida para degradar aminoácidos. O excesso de água e de sais minerais também precisa ser expulso do corpo para garantir o funcionamen- to adequado do organismo. A excreção envolve a saída de gás O2 e vapor de água pelos pulmões. E também envolve o descarte de ureia e do excesso de água de água e sais minerais por meio do suor e principalmente pela urina. Você não deve confundir a finalidade de eliminação (por meio da evacua- ção) com a de excreção. Evacuação: eliminamos resíduos presentes em alimentos que não chegaram a ser digeridos nem absorvidos pelo sistema. Excreção: descarte do excesso de água e sais minerais, assim como ureia e
  • 17. outras substâncias tóxicas ou não necessárias. Os dois rins são órgãos responsáveis pela produção da urina, porém cada um de modo independente. Há quem compare os rins com um filtro de sangue. Na verdade a filtração renal é muito mais complexa do que uma simples filtração. Do líquido que passa por essa filtração (plasma sanguíneo), os rins retiram tudo aquilo que ainda é útil ao organismo e conduzem esses materiais de volta ao sangue, o que evita o desperdício de glicose, vitaminas, sais minerais e etc. Os rins são controlados por um mecanismo corporal que de modo geral, permite descartar na urina apenas a quantidade de água e sais minerais que pode ser eliminada sem causar prejuízo ao corpo. Quando ingerimos muita água, os rins produzem muita urina para nos livrar do excesso de água. Quando bebemos pouca água, eles produzem menos urina. Além de descarta a ureia, evitar a perda de substâncias importantes e regular a saída de água, os excretam na urina substâncias estranhas (medicamentos e drogas) ao organismo. O sistema urinário O sistema urinário humano é formado por dois rins dois ureteres, uma bexiga urinária e pela uretra.
  • 18. Desidratação Leia o parágrafo 1 / 3 / 4 / 5 / 7 (apartir da terceira linha) / 8 / 9 (até “comprometidos”) / 10 / 11 (ultimas cinco linhas) DO BOX NA PG 92. OBS: é bom indo acompanhando com o livro o que você for lendo aqui, pois tem imagens que ajudam a entender. O ar é uma mistura de gases, porém os principais são nitrogênio e oxigênio. Analisando o gráfico da página 101, concluímos que: Ar inspirado contém: Ar expirado contém: 21% 16% 0.04% 3,6% 0,5% 6,2% Gás oxigênio Gás carbônico Vapor de água O sangue entra no rim por meio de uma artéria  o rim produz urina  o sangue purificado sai do rim por uma veia  a ureter conduz a urina à bexiga  a bexiga armazena urina  a uretra conduz a urina ao exterior do corpo
  • 19. O sistema respiratório tem a função de realizar as trocas gasosas, com o objetivo de obter O2 para o organismo e excretar Co2. As trocas gasosas são realizadas por causa do movimento rítmico de inspiração e expiração, a respiração pulmonar. Órgãos do sistema respiratório em ordem que o ar passa (por eles): 1) Cavidade nasal 2) Faringe 3) Laringe 4) Traquéia 5) Brônquios 6) Bronquíolos 7) Alvéolos Como vimos acima, o ar inspirado passa primeiramente pela cavidade nasal. Nessa cavidade existem muitos pequenos pelos que filtram o ar e retêm as partículas maiores de poeira. Se o ar inalado estiver muito frio, ele se aquece ao passar pela cavidade nasal. Se o ar inalado estiver muito seco, a evaporação da umidade nasal umedece o ar, o que facilita as trocas gasosas que ocorrerão no pulmão. Ou seja, basicamente a cavidade nasal serve para facilitar as trocas gasosas que ocorrerão no pulmão.
  • 20. Quando por algum motivo, o mecanismo de fechamento da epiglote falha e partículas de alimento penetram na laringe, ocorre na pessoa o reflexo de tossir. Esse reflexo também é desencadeado quando substâncias presentes no ar irritam a faringe, laringe ou traqueia. A tosse permite a rápida saída de ar dos pulmões, o que expulsa da laringe os objetos intrusos ou substâncias irritantes. Quando pequenas partículas de material sólido entram na cavidade nasal ou quando substâncias presentes no ar irritam a mucosa nasal (revestimento da cavidade nasal), ocorre o reflexo do espirro. O violento jato de ar que é expulso ao se espirrar expele as partículas ou substâncias irritantes da cavidade nasal. Da laringe, o ar inspirado vai para a traqueia, um órgão semelhante à um tubo, que se separa, “dando” em dois órgãos tubulares: os brônquios, que entram cada qual em um pulmão. Já no interior dos pulmões, os brônquios se ramificam várias vezes originando tubos cada vez mais finos: os bronquíolos. Cada brônquio e cada bronquíolo derivado dele pode ser comparado à uma árvore de cabeça pra baixo. Os bronquíolos conduzem o ar a minúsculas estruturas, os alvéolos pulmonares. É neles que ocorrem as trocas gasosas entre o sangue e o ar.
  • 21. Ar seco e problemas respiratórios Ler parágrafo 1 / 2 / 3 do BOX DA PÁGINA 104 Movimentos de inspirar e expirar O ar ocupa todo o espaço disponível. Os pulmões são órgãos esponjosos que se encontram protegidos numa cavidade formada pelas costelas, a cavidade torácica. Quando inspiramos,a cavidade torácica aumenta (para que caiba mais ar) de volume e o ar entra nos pulmões. Quando expiramos a cavidade torácica diminui, expelindo o ar de dentro dos pulmões. A cavidade torácica muda de tamanho graças ao trabalho de músculos envolvidos no processo da respiração pulmonar: o diafragma e os músculos intercostais. O diafragma é um músculo que separa a cavidade torácica - onde estão os pulmões e o coração - do abdome - onde estão vários órgãos do sistema digestório. Os músculos intercostais prendem-se às costelas e distribuem-se sobre elas Expiração: diafragma e músculos intercostais relaxam, o que faz uma parte do ar que está nos pulmões sair deles. Inspiração: diafragma e músculos intercostais se contraem, o que provoca o aumento aumento da cavidade torácica e a entrada do ar
  • 22. Quando o diafragma se contrai ele vai para baixo, e quando relaxa para cima. Quando os músculos intercostais se relaxam eles se movem para baixo, e quando se contraem para cima. A troca gasosa no pulmões Quando determinado material se espalha de uma região onde está mais concentrado para outra região na qual está menos concentrado, dizemos que o material passou pelo processo de difusão. Há vários exemplos de difusão no dia-a-dia, como quando abrimos um perfume e seu cheiro se espalha pelo ambiente, em várias direções, às vezes chegando ao nosso nariz, etc. Os alvéolos tem um interior oco; eles são minúsculos saquinhos dentro dos quais chega o ar inspirado na respiração pulmonar. Os alvéolos estão rodeados por capilares sanguíneos. Por dentro desses capilares circula o sangue que realiza as trocas gasosas com o ar inspirado no interior dos alvéolos. O sangue chega, pelos capilares, até o redor dos alvéolos contém gás carbônico em concentração mais alta do que o ar inspirado e contém gás oxigênio em concentração mais baixa do que a do ar inspirado. Por causa dessas diferenças de concentração, o gás carbônico sofre difusão do sangue
  • 23. para o ar e o gás oxigênio sofre difusão do ar para o sangue. VEJA IMAGEM DA PÁGINA 107, AJUDA BASTANTE! Após a troca de gases, o sangue vira arterial. Esse sangue agora será distribuído pelo coração para todas as células do corpo, que aproveitarão o gás oxigênio para a respiração celular. Essas mesma células descarregarão no sangue o gás carbônico, produzido na respiração celular a fim de que ele seja levado aos pulmões e seja expirado. Frequência cardíaca e respiratória A frequência cardíaca (pulsação) indica quantas vezes nosso coração bate a cada minuto. Já a frequência respiratória indica quantas vezes inspiramos e expiramos por minuto. A pulsação e a frequência respiratória não tem valores iguais para um mesmo indivíduo. Ao realizar uma atividade física, tanto a frequência cardíaca quanto a respiratória aumentam. O exercício físico requer dos músculos maior atividade. Assim, as células dos músculos gastam mais energia e, por isso, têm de aumentar a velocidade com que realizam a respiração celular. O coração tem de bater mais vezes a cada minuto - aumento da frequência cardíaca -, a fim de aumentar a quantidade de sangue bombeado e distribuir mais rapidamente
  • 24. gás oxigênio às células dos músculos. O aumento da frequência respiratória durante uma atividade física está ligado à maior necessidade de gás oxigênio pelos músculos. Quanto maior o número de inspirações e de expirações por minuto, maior a quantidade de gases trocados nos alvéolos pulmonares. Em outras palavras, o aumento da frequência respiratória permite oxigenar mais rapidamente o sangue, que por sua vez, fornecerá mais rapidamente oxigênio aos músculos em atividade. O controle automático da respiração pulmonar Na maior parte do tempo, contudo, a frequência respiratória é controlada automaticamente pelo sistema nervoso, que envia impulsos nervos a intervalos regulares ao músculos envolvidos no movimento de inspiração e expiração. O sistema de controle automático da respiração pulmonar pelo sistema nervoso inclui um sensor que detecta a concentração de gás oxigênio no sangue. Quando realizamos atividades físicas, as células musculares transferem mais gás carbônico no sistema circulatório e a concentração desse gás no sangue aumenta. Assim que detecta esse aumento, o sistema nervoso acelera a frequência com que envia impulsos nervosos aos músculos
  • 25. responsáveis pela respiração pulmonar. Como consequência a frequência respiratória aumenta. Simultaneamente, o sistema nervoso também envia estímulos ao coração para que ele bata mais rápido. Ambas as alterações, o aumento da frequência respiratória e cardíaca garantem maior oxigenação do sangue e uma distribuição mais rápida do sangue oxigenado às células do corpo, particularmente às células musculares que estão em atividade mais intensa. Quando voltamos ao repouso, a concentração de gás carbônico no sangue gradualmente volta a se reduzir e, por isso, o sistema nervoso faz tanto a frequência respiratória com a cardíaca retornarem aos valores de repouso. Alguns distúrbios do sistema respiratório O resfriado e a gripe são doenças do sistema respiratório causadas por vírus, ou seja são viroses. Há algumas espécies de bactérias que são eficientemente combatidas pelas defesas naturais do organismo. Contudo, quando o corpo se encontra enfraquecido, combatendo uma virose, por exemplo, essas bactérias podem não ser combatidas com eficiência e originar uma infecção bacteriana. Tuberculose é uma doença bacteriana. Como defesa contra a bactéria, o organismo produz estruturas com uma
  • 26. grossa camada de tecido conjuntivo ao redor dos alvéolos pulmonares atacados por ela. Essas estruturas, os tubérculos, reduzem a velocidade com que a infecção se espalha pelo corpo, mas em geral, não mata as bactérias. Todos os portadores de aids, tem as defesas do organismo comprometidas por causa da síndrome. A alergia é um distúrbio no qual o corpo se torna muito sensível à determinado material ou substância e passa a responde a ele toda vez que sua presença é detectada no organismo. A alergia pode desencadear crises de rinite alérgica ou de asma brônquica. Rinite alérgica: é uma forma de alergia na qual ocorre a inflamação da parede interna da cavidade nasal, com produção de muco que escorre pelo nariz Asma brônquica: é um distúrbio que se caracteriza pela contração das paredes dos bronquíolos, o que diminui o espaço interno para a passagem do ar inspirado e provoca intensa falta de ar. BOX EUFISEMA PULMONAR: LEIA ELE INTEIRO! Fibrose pulmonar Fibrose pulmonar é a reação à presença de partículas estranhas nos pul-
  • 27. mões. O organismo produz uma camada de tecido conjuntivo fibroso (cheio de fibras), que reveste o material intruso. Quanto maior for a quantidade de partículas inaladas, maior a quantidade de tecido fibroso produzido e maio a perda de elasticidade do pulmão, o que dificulta a inspiração e as trocas gasosas no pulmão. É alta a incidência de câncer de pulmão entre as pessoas com fibrose pulmonar.