SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

  CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA




       DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO




             ELISA CRAVO
             KELLY JOANNY
             LUCAS XAVIER
             ROMY GLEYSE
            TÂMARA TAXMAN
            TIAGO OLIVEIRA




PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA
    INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SERGIPE




                 ARACAJU

                   2009
ELISA CRAVO
             KELLY JOANNY
             LUCAS XAVIER
             ROMY GLEYSE
            TÂMARA TAXMAN
            TIAGO OLIVEIRA




PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA
    INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SERGIPE




                                        Trabalho realizado como

                                 forma de avaliação na disciplina

                                 Gestão da Informação, do curso

                                 de Sistemas de Informação da

                                 Universidade     Federal     de

                                 Sergipe.




                Prof. PhD Rogério Patrício Chagas do Nascimento
RESUMO:

          Este trabalho apresenta estudos, resultados e possíveis melhorias sobre
a área de TIC (Tecnologia da Informação) da Assembleia Legislativa, a qual é
desenvolvida pelo Departamento de Sistemas e Informática ( DSI ). Diante
disso foi concebido o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e
Comunicação (PETIC) da Assembleia, fundamentado nos principais campos de
interesse do mesmo,         a saber: dados, software, hardware, pessoas e
telecomunicações. A análise foi elaborada por um grupo de alunos da
graduação do curso de sistemas de informação.

          Primeiramente, elaborou-se uma apresentação formal da organização,
seguida de uma visão geral do estado atual da mesma e de um panorama do
cenário desejado. É descrita também a metodologia utilizada na análise do
trabalho, e, logo depois, aborda-se detalhadamente o cenário atual de cada
uma das cinco grandes áreas de TI, além de apresentar propostas de melhorias
a cada uma dessas áreas.

          Em cada um dos campos foi disposto um conjunto de táticas, habilidades
e competências técnicas e de gestão que deverão servir como instrumentos
para melhorias expressivas na Tecnologia da Informação. Todas essas
capacidades foram dirigidas na disciplina de Gestão da Informação lecionada
pelo professor Dr. Rogério P. C. do Nascimento no ano corrente de 2009.

          Este epítome é de ampla importância pois, além de mostrar as prováveis
falhas e soluções de problemas deparados da organização em estudo, também
instiga     em   seus   desenvolvedores    o   senso   critico   e   aprendizagem
contextualizada dos principais objetivos e práticas da Gestão da Informação.

          Palavras-chave: Tecnologia de Informação, Planejamento Estratégico,
Assembleia Legislativa, Departamento de Sistemas e Informática, Áreas de TI

          ABSTRACT:

          This paper presents studies, results and possible improvements on the
area of ICT (Information technology) of the Legislative Assembly, which is
developed by the Department of Systems and Informatics (DSI). In view of this
is   designed     to   Strategic   Planning    for   Information   Technology     and
Communication (PETIC) Assembly, based in the main fields of interest the
same, namely: data, software, hardware, personnel and telecommunications.
The analysis was performed by a group of students in university degree of
information systems.

         First, we elaborated a formal presentation of the organization, followed
by an overview of the current state of the same and an overview of the desired
scenario. It also described the methodology used in the analysis of work, and
shortly thereafter discusses in detail the current situation of each of the five
major areas of IT, as well as proposals for improvements to each of these
areas.

         In each of the fields was provided a set of tactics, skills and expertise and
management that should serve as tools for considerable improvements in
Information Technology. All these skills were addressed in the discipline of
Information Management taught by Professor Dr. Roger P. C. do Nascimento of
the current year of 2009.

         This summary is widespread importance because in addition to showing
the likely failures and solutions to problems confronting the organization's study
also instigates its developers in a critical sense and contextualized learning of
the main objectives and practices of Information Management.

         Keywords: Information Technology, Strategic Planning, Legislative
Assembly, Department of Systems and Informatics, IT Areas.
SUMÁRIO



1. APRESENTAÇÃO FORMAL ........................................................... 6

2. ESTADO DA ARTE EM TIC ........................................................... 7

3. METODOLOGIA .......................................................................... 11

4. CENÁRIO ATUAL ........................................................................ 12

  4.1. HARDW ARE ......................................................................... 12

  4.2. DADOS ................................................................................ 13

  4.3. SOFTW ARE ......................................................................... 13

  4.4. PESSOAS ............................................................................ 14

  4.5. TELECOMUNICAÇÕES ......................................................... 16

5. CENÁRIO DESEJADO ................................................................. 18

  5.1. HARDW ARE ......................................................................... 18

  5.2. DADOS ................................................................................ 18

  5.3. SOFTW ARE ......................................................................... 19

  5.4. PESSOAS ............................................................................ 19

  5.5. TELECOMUNICAÇÕES ......................................................... 20

6. CONCLUSÃO ............................................................................. 22

7. TRABALHOS FUTUROS .............................................................. 23
1. APRESENTAÇÃO FORMAL

      De acordo com o deputado estadual Ulices Andrade, a Assembleia
Legislativa é o órgão que abriga os representantes do povo, ou seja, os
próprios deputados. A Casa tem como principal finalidade a criação de leis e a
fiscalização do Poder Executivo.

      No plenário também são discutidos temas que envolvem toda a
sociedade sergipana. Isso comprova o motivo da existência do órgão,
funcionando como um meio de comunicação da população com o governo e
vice-versa.

      A Assembleia Legislativa de Sergipe surgiu com a proclamação da
República em 1889, tendo como primeiro ato a delimitação das fronteiras com
Alagoas e Bahia. Desde então vários fatos historicamente interessantes
ocorreram, tais como a cassação do mandato do deputado estadual Antônio
Francisco Garcez Sobral.

      Como metas, a Casa apresenta manter a credibilidade e a confiança que
já possui junto à população e adotar, como princípios éticos, a transparência no
trato com a questão pública, a moralidade, a democracia e o respeito à
sociedade sergipana e seus representantes, desde as autoridades mais
conhecidas ao homem simples que busca aqui seus direitos.
2. ESTADO DA ARTE

       Estado da Arte é o nível mais alto do desenvolvimento de uma
tecnologia ou técnica. O estado da arte indica que o produto deixou de ser um
projeto para se tornar uma obra-prima.

       2.1. Certificação da Rede Elétrica

       Para um bom funcionamento de todos os equipamentos elétricos a rede
elétrica tem que ser certificada, garantido uma constante distribuição por toda a
Casa. Além disso, a tecnologia PLC (Power Line Comunications), que consiste
basicamente no uso da rede de eletricidade para Internet. Sem ser certificada,
a rede pode não aguentar e forçar constantes alternâncias na velocidade
fornecida.

       2.2. Treinamento Básico de Informática

       Apenas ter os computadores instalados não implica na plena utilização
dessa tecnologia. Para tal, deve ser feito treinamento em programas de
utilização comum. Com um curso de BrOffice, por exemplo, haveria uma
gigantesca economia na compra de pacotes para escritório, já que este é livre
e gratuito. Os usuários também devem estar capacitados a resolver problemas
simples, como cabos desconectados.

       2.3. Padronização da Ergonomia

       Padronizar a ergonomia garante a satisfação dos funcionários ao utilizar
toda a estrutura fornecida. Isso inclui melhora no desempenho dos
equipamentos dos escritórios, prevenindo danos musculares ou mesmo danos
aos ossos. Também inclui melhorias no acesso físico, como equipar banheiros
para deficientes, construir rampas de acesso e adequar o piso para orientar
deficientes visuais.

       2.4. Banco de Dados Oracle

       O Oracle permite um controle absoluto das informações, ao mesmo
tempo em que fornece ferramentas de autogerenciamento e automação. Além
disso, o Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados possui proteção contra
falhas, inclusive humanas, já que registra todas as alterações nos dados. Com
trinta anos no mercado, o Oracle permite armazenar imagens, textos e
reutilização das consultas acessadas com maior freqüência. E ainda segundo a
empresa de consultoria Gartner, o Oracle possui maior participação no
mercado que seus dois maiores concorrentes juntos, passando alta
confiabilidade no uso.

      2.5. Ginástica Laboral

      A ginástica laboral reduz as ocorrências de doenças ocupacionais e
lesões por esforços repetitivos. O objetivo dessa prática é reduzir a quantidade
de afastamento dos empregados do órgão. Com isso, se ganha mais
motivação, moral e concentração no trabalho por parte dos funcionários, que se
sentem menos estressados. A ginástica consiste em exercícios físicos de
alongamento, relaxamento e flexibilidade e pode ser adequada a funções
específicas.

      2.6. Ubuntu Server Edition

      Além de ser um sistema operacional gratuito, o Ubuntu Server Edition
possui ferramentas para facilitar e aperfeiçoar a segurança e desempenho dos
servidores. Este sistema possui forte segurança, já que não deixa nenhuma
porta da rede aberta. Também possui ferramentas que integram facilmente
com outros sistemas como Windows e MacOSX, o que permite que os clientes
façam autenticação sem qualquer mudança nos seus terminais.

      2.7. Rede sem fio

      Com a diminuição no custo dos equipamentos sem fio, essa tecnologia
vem crescendo como maior opção nas redes entre computadores. Além disso,
os equipamentos atuais possuem alcances de até 100 metros, gerando
grandes economias na infra-estrutura do cabeamento. Apesar de ser
obviamente menos segura que a rede física – já que a informação trafega pelo
ar – a rede sem fio possui meios de codificação mais que suficientes para
prevenção do furto de dados.
2.9. Scrum
      2.9

      É um processo de desenvolvimento interativo e incremental que pode
ser aplicado a qualquer produto ou no gerenciamento de qualquer atividade
complexa. Ou seja, é uma metodologia ágil para gestão e planejamento de
projetos de software, um processo ágil que permite manter o foco na entrega
do maior valor de negócio, no menor tempo possível.

      A Figura 1 mostra o ciclo de métodos inclusos no projeto. Este ciclo
permite uma rápida e contínua inspeção do software em produção. Ken
Schwaber e Mike Beedle desenvolveram a metodologia na década de 90
baseando-se em sua própria experiência no desenvolvimento de sistemas e
processos.




                      Figura 1. Ciclo de Desenvolvimento com Scrum




      2.8. Servidores Blade

      Este é um tipo especial de servidor, constituído por uma única placa, que
contém um ou mais processadores, memória RAM, discos rígidos e outros
periféricos e pode ser encaixada num único rack, junto com vários outros
servidores similares. Os vários servidores são interligados através de algum
tipo de barramento rápido (geralmente alguma tecnologia proprietária) e podem
ser configurados para oferecerem recursos como tolerância à falhas,
balanceamento de carga, etc. Este tipo de servidor é projetado para ocupar
pouco espaço e consumir pouca energia.

      2.10. Redundância Física:

      É um equipamento extra adicionado ao sistema como um todo de forma
que tolere a falha de outro componente. Pelo fato de sistemas distribuídos
possuírem múltiplas partes de hardware e de software funcionando
conjuntamente, as chances de algumas dessas partes falhar é bem maior do
que ocorreria num sistema simples. Em sistemas tolerantes a falhas, o efeito
de defeitos e interferências indevidas pode ser superado através de
redundância temporal e/ou redundância física. A redundância física consiste
em ter-se elementos repetidos capazes de executar a mesma operação. Esses
elementos referem-se tanto ao hardware quanto ao software do sistema
3. METODOLOGIA

      Para facilitar o processo da análise, dividiram-se as áreas de TIC em
cinco: dados, hardware, pessoas, software e telecomunicações, que ficaram
sobre a responsabilidade dos membros do grupo. Para colher as informações
necessárias,   foram   feitas   visitas   à   Assembleia   Legislativa,   tanto   no
Departamento de Sistemas e Informática, quanto no Departamento de
Administração e no Departamento de Consultoria Jurídica. As informações
foram colhidas pelos membros do grupo com o auxílio de Carlos Fiel, diretor do
Departamento de Sistemas e Informática; Flor dos Santos, responsável pela
Telefonia; Humberto Pereira, responsável pelo setor de Recursos Humanos e
Tereza Valença, funcionária do Departamento Jurídico; e moldadas com o
auxílio e orientação do Professor Dr. Rogério P. C. do Nascimento. A partir dos
resultados obtidos nas visitas e dos conselhos dados pelo professor, foi
possível propor melhorias cabíveis para cada uma das áreas abordadas neste
documento, e conseqüentemente elaborar o PETIC em questão.
4. CENÁRIO ATUAL

      4.1. Hardware

      A área de hardware possui tantos pontos fortes como fracos. Várias
salas e gabinetes possuem computadores com mais de três anos de uso ou
mais. Isso gera pouca confiança na estrutura atual já que estes computadores
podem parar de funcionar a qualquer momento.

      Paradoxalmente, a casa não pode deixar de usar esses equipamentos já
que toda sua comunicação interna e vários processos são feita através da
Internet. Isso se deve pelo simples fato de ser um órgão público, que necessita
fazer licitações para compra de novo material.

      Porém, os desktops presentes na casa são mais que suficientes para
atender a demanda dos funcionários. Já os novos computadores adquiridos
nos últimos dois anos, como o Lenovo M57p (Figura 2) são subutilizados,
gerando grande quantidade de desperdício de poder de processamento.




       Figura 2. Lenovo ThinkCentre M58p, um dos vários tipos de desktops na Assembleia

      A rede elétrica não possui certificação. Pelo contrário: as quedas e
oscilações de energia são constantes, acarretando problemas diários para os
funcionários do suporte.

      Além disso, a quantidade de itens de hardware estocados para
manutenção é muito pequena. Não raro funcionários do suporte ficam sem
ação por não ter como substituir os equipamentos com defeito, gerando conflito
entre os departamentos.

      Existem apenas cinco aparelhos de rede sem fio, que funcionam
somente para comunicação entre os prédios anexos. Dentro dos prédios existe
rede sem fio apenas no plenário, para uso exclusivo dos deputados. A rede
física estruturada

      4.2. Dados

      Atualmente a base de dados é unificada já que só usam o MS Sql
Server. Porém a análise de crescimento do banco é feita raramente, já que
somente o diretor do departamento possui conhecimento para tal.

      Diariamente, à meia-noite, é feito backup dos dados para outro HD.
Além disso, a cada três dias o backup passa para fitas DAT. São apenas 12
fitas que revezam, ou seja, a cada um mês o conteúdo da fita é substituído.

      O maior problema é a segurança física do local. Apenas uma porta e
uma placa proíbem o acesso não autorizado, pondo em risco toda a estrutura
de dados da Assembleia.

      Os servidores da casa utilizam o Windows Server 2000 e atualmente
estão migrando para Windows Server 2008, o que gerou muita confusão. Tudo
porque a licença do novo sistema operacional foi absurdamente cara na visão
do Departamento Financeiro, ao mesmo tempo em que era absolutamente
essencial ao DSI.

      4.3. Software

      A casa possui vários sistemas produzidos internamente. O problema é
que vários deles não são de responsabilidade do Departamento de Sistemas e
Informática. Por exemplo, o Núcleo de Patrimônio comprou um sistema que
administra os bens móveis, que é mantido por uma empresa terceirizada.

      Os desktops da Assembleia utilizam, em geral, duas versões do
Windows: XP e 2000. Isso é possível devido à facilidade que os dois sistemas
dão em relação à conectividade da rede. Também é instalado em qualquer
computador o Nero, BrOffice e o Windows Live Messenger, mesmo que esse
último só esteja liberado para uso das 12h as 13h.

      É possível a instalação de sistemas que permitam o uso do computador
por parte de deficientes visuais, como já aconteceu na Imprensa da casa.
Softwares de integração com celulares e câmeras podem ser instalados, desde
que devidamente autorizados pelo DSI.
Algumas páginas possuem conteúdo bloqueado em definitivo. Essa foi a
melhor forma que o departamento encontrou de proteger a rede interna de
vírus e programas maliciosos.       Não são permitidos downloads de a
                                                                    arquivos
executáveis nem MP3.

       4.4. Pessoas

       O setor de Sistemas e Informática esta diretamente subordinado à
Diretoria Geral e à Presidência, conforme apresenta o organograma abaixo:




             Figura 3. Organograma da Assembleia Legislativa do Estado de Sergipe

       O Diretor do Departamento de Sistemas e Informática é quem responde
           retor
pelo departamento, e como todo funcionário da casa possui competências e
atribuições definidas por lei. São estas (Art. 91
                                               91):

              I - Coordenar, orientar e controlar as atividades relativas aos recursos
              de informática;
              II - Expedir normas referentes ao gerenciamento de sua área de
              competência;
              III - Assessorar a Mesa Diretora, os Deputados, as Comissões e demais
              órgãos administrati
                       administrativos, municiando-os de informações competentes
                                                    os
              para tomada de decisão;
              IV - Elaborar cursos de aplicação interna, conjuntamente com a área de
              Recursos Humanos;
              V - Promover condições para o desenvolvimento e bom funcionamento
              dos sistemas e equipamentos d informática;
                                              de
              VI - Apresentar planos junto à Diretoria Geral para definição de metas e
              prioridades;
              VII - Promover a difusão da cultura de informática, e a racionalização da
              boa utilização dos recursos técnicos;
              VIII - exercer outras atribuições inerentes ao cargo, ou que lhes sejam
                                                inerentes
              determinadas pelo Diretor Geral e pela Mesa.
       A mão de obra do DSI da Assembleia Legislativa é composta,
atualmente, por técnicos em informática, que trabalham em dois turnos, e por
programadores, que trabalham um turno. A contratação de funcionários é feita
através de concursos ou através de uma empresa terceirizada, devidamente
licitada. Caso ocorra quebra do contrato com tal empresa, os funcionários de
nível operacional são demitidos. Já os funcionários do nível tático dependem
da entrada e saída dos deputados.

      A organização apresenta um plano de carreira em que a cada 2 anos o
funcionário pode subir de cargo, obedecendo três condições: tempo de serviço
na organização, capacitação profissional ou merecimento. Com relação ao
treinamento de novos funcionários, a organização não possui uma política
elaborada, e o treinamento se dá na base da observação, onde os novos
funcionários observam os mais antigos e aprendem suas funções.

      Caso ocorra ‘fuga’ de dados em qualquer departamento da Assembleia,
o Departamento de Sistemas e Informática são responsabilizados, e cabe a
este apurar quem é foi culpado. Se ao fim da apuração, descobre-se que a
culpa foi do usuário do sistema, este responderá pela ‘fuga’ dos dados. Porém,
se ao fim da apuração não se chegar a nenhum culpado, o diretor do
departamento responderá pela ‘fuga’ que ocorreu.

      Existem dois órgãos de suporte dentro da Assembleia, a Sindalese e a
Escola do Legislativo, porém não atingem os objetivos para os quais foram
criados. Esses órgãos existem para oferecer subsídios aos funcionários, tanto
na parte que luta pelos seus direitos, quanto na parte que ajuda na
compreensão da missão do poder legislativo, a fim de que exerçam suas
atividades de forma eficaz, além de oferecer cursos e promover a inclusão
social dentro da organização. A Sindalese apresenta pouca ou nenhuma
atuação, pois há uma considerável distância física da maior parte dos
funcionários. Já a Escola do Legislativo não possui divulgação suficiente dos
cursos que oferta, e nem incentiva os funcionários a participar dos mesmos,
além de disponibilizar apenas uma turma por turno.

      Quanto à estrutura, cada setor é responsável pela sua ergonomia, não
há um padrão. A estrutura do DSI é satisfatória: apresentam mesas e cadeiras
confortáveis, geladeira, área ventilada. A organização, como um todo, possui
elevadores, câmeras, detectores de metais e guardas, além dos banheiros
serem equipados para melhor atender os cadeirantes. A segurança física,
embora exista, apresenta falhas.

       4.5. Telecomunicações

       A    Telecomunicação        da   Assembleia    Legislativa   é   regida   pela
Coordenadoria do Interligis em Sergipe (CISE), esse órgão está diretamente
subordinado ao Departamento de Sistemas e Informática (DSI), ao qual
compete: controlar a agenda de vídeo-conferência, preparar em conjunto com o
Cerimonial os convites para participantes de vídeo-conferência, fazer contato e
se relacionar com a Interligis Brasília, órgão do Estado Federal, operar os
equipamentos de vídeo conferência, preparar agenda de cursos para sala de
multiusos, bem como manter atualizadas normas e padrões de procedimentos
para o bom desempenho da unidade e integração subsidiaria da Escola do
Legislativo.

       É saliente que essa é uma área de amplo desenvolvimento dentro do
campo Legislativo sergipano, já que a mesma possui uma agência de notícias
na internet responsável por manter um canal de ouvidoria com seus usuários,
que contém informações sobre os últimos acontecimentos na política e
legislação do estado.            Sua atualização é feita constantemente pelo
Departamento de Imprensa, também incumbido de postar fotos de eventos e
organizar um Newsletter destinado aos cadastrados do portal.

       Possui como extensão a TV Alese, emissora 24 horas no ar, que
promove uma programação centrada nas atividades legislativas, sem
negligenciar a promoção da cidadania e da sergipanidade. As sessões da
Assembleia Legislativa ocorrem no plenário e mostram o trabalho dos
deputados estaduais. Essas mesmas sessões são transmitidas ao vivo pela TV
Alese e também online pela Agência Alese de Notícias. Além disso, a TV Alese
coloca no ar, diariamente, um telejornal com os principais fatos produzidos
pelos parlamentares dentro e fora do plenário.

       No      web   site   da   Assembleia   há     muitas   funções   intuitivas   e
correspondentes às atividades de interesse da população, dos parlamentares e
de seus funcionários, como: licitações, processos, contracheque, serviços de
saúde, atos de poder, webmail, correio eletrônico.
Dentro do ramo da Telefonia foi adotada a utilização de ramais para a
comunicação interna e externa, com existência do ramal central criado para
questionamentos, controle e relatório de ligações (através do sistema
TARITRON mostrado na figura 4) e os ramais por departamento, onde se faz a
comunicação direta com seus responsáveis. Os diretores possuem celulares,
porém esses têm limite de crédito o que mostra um controle realizado
regularmente em suas atividades.




                       Figura 4. Um exemplo de relatório do Taritron

      Na Internet, é visto que os trabalhadores do Legislativo têm alguns sites
bloqueados para que haja uma melhor navegação, além da limitação dos
mesmos aos horários de menor movimentação. Em suas estruturas há
utilização de fibra ótica, apenas para a operadora de telefone, o Blackbone e o
Wi-Fi (WAP2), embora esse só se encontre presente no plenário para livre
utilização dos parlamentares.
5. CENÁRIO DESEJADO

      5.1. Hardware

      O mais indicado para órgãos do porte da Assembleia é que seu
hardware tenha no máximo três anos de uso, o que mantêm a confiabilidade da
aparelhagem. Para tanto seria necessário licitações constantes e mais
importante, diversas doações das maquinas que passaram da “validade”.

      Para o uso do VoIP é necessário que sejam adquiridos head-sets, para
utilização dos computadores como terminais de telefone. É possível a
adaptação dos telefones já existentes, desde que sejam adquiridos
adaptadores analógicos para a interface web.

      Com o uso de servidores em Blade, é preciso trocar grande parte da
estrutura física dos atuais servidores. Apesar do grande custo e da mobilização
necessária por parte do DSI, essa nova estrutura geraria grandes economias
em longo prazo, com maior desempenho e menor gasto de energia elétrica.

      A energia elétrica merece atenção especial. A Assembleia deve
urgentemente certificar sua rede elétrica. Tal medida tende a minimizar a
quantidade de computadores com defeito. Uma medida mais rápida, porém
muito mais cara é a compra por empenho de vários no-breaks.

      Paralelamente a essas medidas, os usuários da casa devem receber
treinamento para otimização do uso da TIC. Isso é possível já no cenário atual,
desde que a Escola do Legislativo fornecesse cursos de Informática Básica
para os funcionários.

      5.2. Dados

      Uma das principais atividades da Assembleia Legislativa é a criação de
Leis, portanto o uso de um banco de dados que utiliza pesquisa dentro do
conteúdo do Banco de Dados, como o Oracle. Com isso, a pesquisa no próprio
site seria melhorada, usando a pesquisa por temas ou assuntos de preferência.

      Visando minimizar os custos do servidor, seria desejável a implement
      ação de servidores Linux, justamente por vários serem de licença
gratuita. Todavia, isso traria a necessidade de treinamento específico na
manutenção desses sistemas.

      Tal treinamento poderia ser feito depois da contratação de uma pessoa
específica para gerenciamento dos servidores e dados. Isso diminuiria a
sobrecarga e a dependência do Diretor do DSI.

      Outra medida indicada é a implantação da redundância física, para
garantir a maior segurança dos dados. Finalmente, as fitas DAT tem de ser
organizadas em um rack especial.

      5.3. Software

      Com o uso de Softwares Open Source, os gastos da Assembleia
diminuiriam consideravelmente. Porém, pacotes como BrOffice e o Ubuntu
necessitam de treinamento específico, que também pode ser feito pela Escola
do Legislativo.

      Na parte de sistemas, deve haver maior controle por parte do DSI. Só
assim, os sistemas poderão ser mais bem gerenciados e ter melhor
manutenção, reduzindo a quantidade de conflitos dos usuários.

      Além disso, o DSI deve contratar mais pessoas para desenvolver e
gerenciar sistemas. O site poderá passar a ser atualizado da melhor forma
possível e sistemas como de controle de materiais devem ser melhorados.

      A sugestão para uso do VoIP precisa que softwares como Skype sejam
instalados em cada terminal. Em adição, esse programa também deve ser
disponibilizado para instalação nos celulares dos deputados.

      5.4. Pessoas

      Primeiramente, deverá se criar uma política de treinamento, com um
profissional à frente, e de preferência com uma sala e/ ou horário reservados
para isso. Paralelamente, deverá ser implantada a prática da ginástica laboral,
feita por um profissional especializado, que acompanhará os trabalhadores
periodicamente e ensinará práticas de alongamento que deverão ser realizadas
todos os dias, a fim de evitar as lesões por esforços repetitivos (LER).
Uma maior divulgação da Escola do Legislativo e do Sindalese, bem
como um planejamento detalhado também são necessários para resolver as
deficiências anteriormente citadas. Isso porque esses dois órgãos são capazes
de fornecer tais mudanças.

      É necessário também um melhoramento na segurança física da
organização, com a adição de mais guardas além da intensificação na revista
logo na entrada.

      A padronização da ergonomia deverá ser feita gradualmente e deve
gerar um ambiente de trabalho mais agradável em todos os departamentos da
casa. Assim os funcionários vestirão mais a camisa e se sentirão mais
confortáveis no exercício de suas funções.

      5.5 Telecomunicações

      Apesar das muitas inovações presentes na Assembleia Legislativa, é
importante que ela melhore e adquira novos meios de desenvolvimento central
e estadual. Dentre esses meios seria interessante a extensão da fibra ótica,
para melhoria na qualidade de serviço aos prédios anexos da casa.

      A implantação do VoIP possibilitaria muitas vantagens com relação ao
custo/benefício, já que reduziria significamente o custo com telefonia, efetuaria
chamadas de longas distâncias a custos locais, - por exemplo, a comunicação
entre Assembleias seria facilitada – integraria telefonias móveis e fixas, além
de por não ser necessária a criação de uma outra estrutura apenas para o
tráfego de voz, a estrutura já existente na empresa seria aproveitada na sua
fundação. Devido a isto o retorno do investimento é mais rápido.

      A extensão do Wi-Fi para todo prédio, traria benefícios nas aplicações
internas, ou seja, na cobertura limitada a recintos ou áreas externas, como
também a maior mobilidade. È uma tecnologia que facilitaria bastante as
tarefas dos trabalhadores, reduziria a quantidade de fios o que resolveria
problemas de organização. Sendo esse um recurso de baixo custo e de fácil
instalação.

      Por último, como ‘’Casa que abriga os representantes e faz a tomada de
decisões responsáveis por buscar soluções para os problemas da população’’,
seria interessante a ampliação da TV Alese - esta somente existente em Tv
paga e online - para a TV aberta, pois é importante que todos sem distinção
tenham acesso as resoluções e determinações adotadas para o melhoramento
do Estado Sergipano e a vida da população.
6. CONCLUSÃO

      Perante o cenário atual da Assembléia Legislativa, notou-se que embora
tenham   sido   implantados   na   organização    outros   diversos   processos
tecnológicos, foi também perceptível através da elaboração de um PETIC, uma
situação sobre a qual foram identificadas vulnerabilidades e necessidades de
melhorias. Estas, já citadas e discutidas acima, precisam de uma implantação
participativa, pensando-se sempre no ritmo e velocidade necessários para
educar todos os envolvidos, sejam eles chefes, executivos ou subordinados.
Logo, é visto que há uma precisão no tempo de maturação para o processo
que leve em conta a cultura organizacional presente na mesma.

      Com a realização das soluções e objetivos estratégicos traçados no
PETIC, almeja-se que o DSI atinja uma condição bastante satisfatória com
relação ao desenvolvimento dos sistemas computacionais, disponibilidade de
serviços, aprimoramento dos recursos humanos.

      E principalmente que a efetivação e implementação das melhorias
propostas possam ajudar a instituição a melhorar, alcançar um maior sucesso,
e sobretudo representar todos os estratos sociais e ideológicos, sem distinção.
7. TRABALHOS FUTUROS

      Este projeto, para alcançar o objetivo sobre o qual foi concebido,
necessita de resultados. Estes resultados se darão através da apresentação
deste documento à diretoria do Departamento de Sistemas e Informática da
Assembléia, o qual avaliará as propostas e entrará com um pedido, através de
licitações, junto à Diretoria Geral da Casa. É necessário um acompanhamento
constante das propostas, bem como da implantação das mesmas.

       A análise apresentada neste documento precisa ser revista e
complementada, pois não abrangeu todas as deficiências que a organização
apresenta, já que foi feita levando em consideração as limitações dos membros
do grupo, tanto de um maior conhecimento sobre o tema abordado quanto de
tempo e responsabilidades.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a PETIC - Assembléia Legislativa

ARMSI - Artefato PETIC
ARMSI - Artefato PETICARMSI - Artefato PETIC
ARMSI - Artefato PETIC
Alef Vinicius
 
PETIC Casa Civil 2009-2010
PETIC Casa Civil 2009-2010PETIC Casa Civil 2009-2010
PETIC Casa Civil 2009-2010
alberto.santos1301
 
Artefato petic colegio bom pastor
Artefato petic colegio bom pastorArtefato petic colegio bom pastor
Artefato petic colegio bom pastor
Wesley Melo
 
Manuscrito Petic Emgetis Final
Manuscrito Petic Emgetis FinalManuscrito Petic Emgetis Final
Manuscrito Petic Emgetis Final
netimba
 
MANUSCRITO_PETIC_EMGETIS_FINAL
MANUSCRITO_PETIC_EMGETIS_FINALMANUSCRITO_PETIC_EMGETIS_FINAL
MANUSCRITO_PETIC_EMGETIS_FINAL
netimba
 
MANUSTRICO_FINAL_PETIC-EMGETIS
MANUSTRICO_FINAL_PETIC-EMGETISMANUSTRICO_FINAL_PETIC-EMGETIS
MANUSTRICO_FINAL_PETIC-EMGETIS
netimba
 
PETIC-EMGETIS Final 2.0
PETIC-EMGETIS Final 2.0PETIC-EMGETIS Final 2.0
PETIC-EMGETIS Final 2.0
netimba
 
PETIC 2.0 - GERTEC - SEFAZ/SE - 2009 - 2011
PETIC 2.0 - GERTEC - SEFAZ/SE - 2009 - 2011PETIC 2.0 - GERTEC - SEFAZ/SE - 2009 - 2011
PETIC 2.0 - GERTEC - SEFAZ/SE - 2009 - 2011
luizrbs
 
CHQAO - GTI Unid 03.pdf
CHQAO - GTI Unid 03.pdfCHQAO - GTI Unid 03.pdf
CHQAO - GTI Unid 03.pdf
ViniciusAlmeida137
 
Gestão e Engenharia do Conhecimento: Perspectivas e Resultados Empresariais
Gestão e Engenharia do Conhecimento: Perspectivas e Resultados EmpresariaisGestão e Engenharia do Conhecimento: Perspectivas e Resultados Empresariais
Gestão e Engenharia do Conhecimento: Perspectivas e Resultados Empresariais
Roberto C. S. Pacheco
 
Palestra na Unirio - Tese de Doutorado
Palestra na Unirio - Tese de DoutoradoPalestra na Unirio - Tese de Doutorado
Palestra na Unirio - Tese de Doutorado
Luiz Agner
 
Artefato PETIC Final Petrobras UO-SEAL
Artefato PETIC Final Petrobras UO-SEAL Artefato PETIC Final Petrobras UO-SEAL
Artefato PETIC Final Petrobras UO-SEAL
diegofarias2014
 
Artigo halan t14_seminário07072007
Artigo halan t14_seminário07072007Artigo halan t14_seminário07072007
Artigo halan t14_seminário07072007
Halan Ridolphi
 
LIVRO PROPRIETÁRIO - CENÁRIOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
LIVRO PROPRIETÁRIO - CENÁRIOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃOLIVRO PROPRIETÁRIO - CENÁRIOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
LIVRO PROPRIETÁRIO - CENÁRIOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
Os Fantasmas !
 
Pp ads
Pp adsPp ads
Plano governanca-em-ti-sti
Plano governanca-em-ti-stiPlano governanca-em-ti-sti
Plano governanca-em-ti-sti
Haroldo Borges da Costa
 
Plano governanca-em-ti-sti
Plano governanca-em-ti-stiPlano governanca-em-ti-sti
Plano governanca-em-ti-sti
Haroldo Borges da Costa
 
Techmining e Expertise Location: gestão estratégica do conhecimento organizac...
Techmining e Expertise Location: gestão estratégica do conhecimento organizac...Techmining e Expertise Location: gestão estratégica do conhecimento organizac...
Techmining e Expertise Location: gestão estratégica do conhecimento organizac...
Roberto C. S. Pacheco
 
Gesiti seguranca,inovacao-e-sociedade abipti
Gesiti seguranca,inovacao-e-sociedade abiptiGesiti seguranca,inovacao-e-sociedade abipti
Gesiti seguranca,inovacao-e-sociedade abipti
University of North Carolina at Chapel Hill
 
Gesiti seguranca,inovacao-e-sociedade abipti
Gesiti seguranca,inovacao-e-sociedade abiptiGesiti seguranca,inovacao-e-sociedade abipti
Gesiti seguranca,inovacao-e-sociedade abipti
University of North Carolina at Chapel Hill Balloni
 

Semelhante a PETIC - Assembléia Legislativa (20)

ARMSI - Artefato PETIC
ARMSI - Artefato PETICARMSI - Artefato PETIC
ARMSI - Artefato PETIC
 
PETIC Casa Civil 2009-2010
PETIC Casa Civil 2009-2010PETIC Casa Civil 2009-2010
PETIC Casa Civil 2009-2010
 
Artefato petic colegio bom pastor
Artefato petic colegio bom pastorArtefato petic colegio bom pastor
Artefato petic colegio bom pastor
 
Manuscrito Petic Emgetis Final
Manuscrito Petic Emgetis FinalManuscrito Petic Emgetis Final
Manuscrito Petic Emgetis Final
 
MANUSCRITO_PETIC_EMGETIS_FINAL
MANUSCRITO_PETIC_EMGETIS_FINALMANUSCRITO_PETIC_EMGETIS_FINAL
MANUSCRITO_PETIC_EMGETIS_FINAL
 
MANUSTRICO_FINAL_PETIC-EMGETIS
MANUSTRICO_FINAL_PETIC-EMGETISMANUSTRICO_FINAL_PETIC-EMGETIS
MANUSTRICO_FINAL_PETIC-EMGETIS
 
PETIC-EMGETIS Final 2.0
PETIC-EMGETIS Final 2.0PETIC-EMGETIS Final 2.0
PETIC-EMGETIS Final 2.0
 
PETIC 2.0 - GERTEC - SEFAZ/SE - 2009 - 2011
PETIC 2.0 - GERTEC - SEFAZ/SE - 2009 - 2011PETIC 2.0 - GERTEC - SEFAZ/SE - 2009 - 2011
PETIC 2.0 - GERTEC - SEFAZ/SE - 2009 - 2011
 
CHQAO - GTI Unid 03.pdf
CHQAO - GTI Unid 03.pdfCHQAO - GTI Unid 03.pdf
CHQAO - GTI Unid 03.pdf
 
Gestão e Engenharia do Conhecimento: Perspectivas e Resultados Empresariais
Gestão e Engenharia do Conhecimento: Perspectivas e Resultados EmpresariaisGestão e Engenharia do Conhecimento: Perspectivas e Resultados Empresariais
Gestão e Engenharia do Conhecimento: Perspectivas e Resultados Empresariais
 
Palestra na Unirio - Tese de Doutorado
Palestra na Unirio - Tese de DoutoradoPalestra na Unirio - Tese de Doutorado
Palestra na Unirio - Tese de Doutorado
 
Artefato PETIC Final Petrobras UO-SEAL
Artefato PETIC Final Petrobras UO-SEAL Artefato PETIC Final Petrobras UO-SEAL
Artefato PETIC Final Petrobras UO-SEAL
 
Artigo halan t14_seminário07072007
Artigo halan t14_seminário07072007Artigo halan t14_seminário07072007
Artigo halan t14_seminário07072007
 
LIVRO PROPRIETÁRIO - CENÁRIOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
LIVRO PROPRIETÁRIO - CENÁRIOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃOLIVRO PROPRIETÁRIO - CENÁRIOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
LIVRO PROPRIETÁRIO - CENÁRIOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
 
Pp ads
Pp adsPp ads
Pp ads
 
Plano governanca-em-ti-sti
Plano governanca-em-ti-stiPlano governanca-em-ti-sti
Plano governanca-em-ti-sti
 
Plano governanca-em-ti-sti
Plano governanca-em-ti-stiPlano governanca-em-ti-sti
Plano governanca-em-ti-sti
 
Techmining e Expertise Location: gestão estratégica do conhecimento organizac...
Techmining e Expertise Location: gestão estratégica do conhecimento organizac...Techmining e Expertise Location: gestão estratégica do conhecimento organizac...
Techmining e Expertise Location: gestão estratégica do conhecimento organizac...
 
Gesiti seguranca,inovacao-e-sociedade abipti
Gesiti seguranca,inovacao-e-sociedade abiptiGesiti seguranca,inovacao-e-sociedade abipti
Gesiti seguranca,inovacao-e-sociedade abipti
 
Gesiti seguranca,inovacao-e-sociedade abipti
Gesiti seguranca,inovacao-e-sociedade abiptiGesiti seguranca,inovacao-e-sociedade abipti
Gesiti seguranca,inovacao-e-sociedade abipti
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 

PETIC - Assembléia Legislativa

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO ELISA CRAVO KELLY JOANNY LUCAS XAVIER ROMY GLEYSE TÂMARA TAXMAN TIAGO OLIVEIRA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SERGIPE ARACAJU 2009
  • 2. ELISA CRAVO KELLY JOANNY LUCAS XAVIER ROMY GLEYSE TÂMARA TAXMAN TIAGO OLIVEIRA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SERGIPE Trabalho realizado como forma de avaliação na disciplina Gestão da Informação, do curso de Sistemas de Informação da Universidade Federal de Sergipe. Prof. PhD Rogério Patrício Chagas do Nascimento
  • 3. RESUMO: Este trabalho apresenta estudos, resultados e possíveis melhorias sobre a área de TIC (Tecnologia da Informação) da Assembleia Legislativa, a qual é desenvolvida pelo Departamento de Sistemas e Informática ( DSI ). Diante disso foi concebido o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETIC) da Assembleia, fundamentado nos principais campos de interesse do mesmo, a saber: dados, software, hardware, pessoas e telecomunicações. A análise foi elaborada por um grupo de alunos da graduação do curso de sistemas de informação. Primeiramente, elaborou-se uma apresentação formal da organização, seguida de uma visão geral do estado atual da mesma e de um panorama do cenário desejado. É descrita também a metodologia utilizada na análise do trabalho, e, logo depois, aborda-se detalhadamente o cenário atual de cada uma das cinco grandes áreas de TI, além de apresentar propostas de melhorias a cada uma dessas áreas. Em cada um dos campos foi disposto um conjunto de táticas, habilidades e competências técnicas e de gestão que deverão servir como instrumentos para melhorias expressivas na Tecnologia da Informação. Todas essas capacidades foram dirigidas na disciplina de Gestão da Informação lecionada pelo professor Dr. Rogério P. C. do Nascimento no ano corrente de 2009. Este epítome é de ampla importância pois, além de mostrar as prováveis falhas e soluções de problemas deparados da organização em estudo, também instiga em seus desenvolvedores o senso critico e aprendizagem contextualizada dos principais objetivos e práticas da Gestão da Informação. Palavras-chave: Tecnologia de Informação, Planejamento Estratégico, Assembleia Legislativa, Departamento de Sistemas e Informática, Áreas de TI ABSTRACT: This paper presents studies, results and possible improvements on the area of ICT (Information technology) of the Legislative Assembly, which is developed by the Department of Systems and Informatics (DSI). In view of this
  • 4. is designed to Strategic Planning for Information Technology and Communication (PETIC) Assembly, based in the main fields of interest the same, namely: data, software, hardware, personnel and telecommunications. The analysis was performed by a group of students in university degree of information systems. First, we elaborated a formal presentation of the organization, followed by an overview of the current state of the same and an overview of the desired scenario. It also described the methodology used in the analysis of work, and shortly thereafter discusses in detail the current situation of each of the five major areas of IT, as well as proposals for improvements to each of these areas. In each of the fields was provided a set of tactics, skills and expertise and management that should serve as tools for considerable improvements in Information Technology. All these skills were addressed in the discipline of Information Management taught by Professor Dr. Roger P. C. do Nascimento of the current year of 2009. This summary is widespread importance because in addition to showing the likely failures and solutions to problems confronting the organization's study also instigates its developers in a critical sense and contextualized learning of the main objectives and practices of Information Management. Keywords: Information Technology, Strategic Planning, Legislative Assembly, Department of Systems and Informatics, IT Areas.
  • 5. SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO FORMAL ........................................................... 6 2. ESTADO DA ARTE EM TIC ........................................................... 7 3. METODOLOGIA .......................................................................... 11 4. CENÁRIO ATUAL ........................................................................ 12 4.1. HARDW ARE ......................................................................... 12 4.2. DADOS ................................................................................ 13 4.3. SOFTW ARE ......................................................................... 13 4.4. PESSOAS ............................................................................ 14 4.5. TELECOMUNICAÇÕES ......................................................... 16 5. CENÁRIO DESEJADO ................................................................. 18 5.1. HARDW ARE ......................................................................... 18 5.2. DADOS ................................................................................ 18 5.3. SOFTW ARE ......................................................................... 19 5.4. PESSOAS ............................................................................ 19 5.5. TELECOMUNICAÇÕES ......................................................... 20 6. CONCLUSÃO ............................................................................. 22 7. TRABALHOS FUTUROS .............................................................. 23
  • 6. 1. APRESENTAÇÃO FORMAL De acordo com o deputado estadual Ulices Andrade, a Assembleia Legislativa é o órgão que abriga os representantes do povo, ou seja, os próprios deputados. A Casa tem como principal finalidade a criação de leis e a fiscalização do Poder Executivo. No plenário também são discutidos temas que envolvem toda a sociedade sergipana. Isso comprova o motivo da existência do órgão, funcionando como um meio de comunicação da população com o governo e vice-versa. A Assembleia Legislativa de Sergipe surgiu com a proclamação da República em 1889, tendo como primeiro ato a delimitação das fronteiras com Alagoas e Bahia. Desde então vários fatos historicamente interessantes ocorreram, tais como a cassação do mandato do deputado estadual Antônio Francisco Garcez Sobral. Como metas, a Casa apresenta manter a credibilidade e a confiança que já possui junto à população e adotar, como princípios éticos, a transparência no trato com a questão pública, a moralidade, a democracia e o respeito à sociedade sergipana e seus representantes, desde as autoridades mais conhecidas ao homem simples que busca aqui seus direitos.
  • 7. 2. ESTADO DA ARTE Estado da Arte é o nível mais alto do desenvolvimento de uma tecnologia ou técnica. O estado da arte indica que o produto deixou de ser um projeto para se tornar uma obra-prima. 2.1. Certificação da Rede Elétrica Para um bom funcionamento de todos os equipamentos elétricos a rede elétrica tem que ser certificada, garantido uma constante distribuição por toda a Casa. Além disso, a tecnologia PLC (Power Line Comunications), que consiste basicamente no uso da rede de eletricidade para Internet. Sem ser certificada, a rede pode não aguentar e forçar constantes alternâncias na velocidade fornecida. 2.2. Treinamento Básico de Informática Apenas ter os computadores instalados não implica na plena utilização dessa tecnologia. Para tal, deve ser feito treinamento em programas de utilização comum. Com um curso de BrOffice, por exemplo, haveria uma gigantesca economia na compra de pacotes para escritório, já que este é livre e gratuito. Os usuários também devem estar capacitados a resolver problemas simples, como cabos desconectados. 2.3. Padronização da Ergonomia Padronizar a ergonomia garante a satisfação dos funcionários ao utilizar toda a estrutura fornecida. Isso inclui melhora no desempenho dos equipamentos dos escritórios, prevenindo danos musculares ou mesmo danos aos ossos. Também inclui melhorias no acesso físico, como equipar banheiros para deficientes, construir rampas de acesso e adequar o piso para orientar deficientes visuais. 2.4. Banco de Dados Oracle O Oracle permite um controle absoluto das informações, ao mesmo tempo em que fornece ferramentas de autogerenciamento e automação. Além
  • 8. disso, o Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados possui proteção contra falhas, inclusive humanas, já que registra todas as alterações nos dados. Com trinta anos no mercado, o Oracle permite armazenar imagens, textos e reutilização das consultas acessadas com maior freqüência. E ainda segundo a empresa de consultoria Gartner, o Oracle possui maior participação no mercado que seus dois maiores concorrentes juntos, passando alta confiabilidade no uso. 2.5. Ginástica Laboral A ginástica laboral reduz as ocorrências de doenças ocupacionais e lesões por esforços repetitivos. O objetivo dessa prática é reduzir a quantidade de afastamento dos empregados do órgão. Com isso, se ganha mais motivação, moral e concentração no trabalho por parte dos funcionários, que se sentem menos estressados. A ginástica consiste em exercícios físicos de alongamento, relaxamento e flexibilidade e pode ser adequada a funções específicas. 2.6. Ubuntu Server Edition Além de ser um sistema operacional gratuito, o Ubuntu Server Edition possui ferramentas para facilitar e aperfeiçoar a segurança e desempenho dos servidores. Este sistema possui forte segurança, já que não deixa nenhuma porta da rede aberta. Também possui ferramentas que integram facilmente com outros sistemas como Windows e MacOSX, o que permite que os clientes façam autenticação sem qualquer mudança nos seus terminais. 2.7. Rede sem fio Com a diminuição no custo dos equipamentos sem fio, essa tecnologia vem crescendo como maior opção nas redes entre computadores. Além disso, os equipamentos atuais possuem alcances de até 100 metros, gerando grandes economias na infra-estrutura do cabeamento. Apesar de ser obviamente menos segura que a rede física – já que a informação trafega pelo ar – a rede sem fio possui meios de codificação mais que suficientes para prevenção do furto de dados.
  • 9. 2.9. Scrum 2.9 É um processo de desenvolvimento interativo e incremental que pode ser aplicado a qualquer produto ou no gerenciamento de qualquer atividade complexa. Ou seja, é uma metodologia ágil para gestão e planejamento de projetos de software, um processo ágil que permite manter o foco na entrega do maior valor de negócio, no menor tempo possível. A Figura 1 mostra o ciclo de métodos inclusos no projeto. Este ciclo permite uma rápida e contínua inspeção do software em produção. Ken Schwaber e Mike Beedle desenvolveram a metodologia na década de 90 baseando-se em sua própria experiência no desenvolvimento de sistemas e processos. Figura 1. Ciclo de Desenvolvimento com Scrum 2.8. Servidores Blade Este é um tipo especial de servidor, constituído por uma única placa, que contém um ou mais processadores, memória RAM, discos rígidos e outros periféricos e pode ser encaixada num único rack, junto com vários outros servidores similares. Os vários servidores são interligados através de algum
  • 10. tipo de barramento rápido (geralmente alguma tecnologia proprietária) e podem ser configurados para oferecerem recursos como tolerância à falhas, balanceamento de carga, etc. Este tipo de servidor é projetado para ocupar pouco espaço e consumir pouca energia. 2.10. Redundância Física: É um equipamento extra adicionado ao sistema como um todo de forma que tolere a falha de outro componente. Pelo fato de sistemas distribuídos possuírem múltiplas partes de hardware e de software funcionando conjuntamente, as chances de algumas dessas partes falhar é bem maior do que ocorreria num sistema simples. Em sistemas tolerantes a falhas, o efeito de defeitos e interferências indevidas pode ser superado através de redundância temporal e/ou redundância física. A redundância física consiste em ter-se elementos repetidos capazes de executar a mesma operação. Esses elementos referem-se tanto ao hardware quanto ao software do sistema
  • 11. 3. METODOLOGIA Para facilitar o processo da análise, dividiram-se as áreas de TIC em cinco: dados, hardware, pessoas, software e telecomunicações, que ficaram sobre a responsabilidade dos membros do grupo. Para colher as informações necessárias, foram feitas visitas à Assembleia Legislativa, tanto no Departamento de Sistemas e Informática, quanto no Departamento de Administração e no Departamento de Consultoria Jurídica. As informações foram colhidas pelos membros do grupo com o auxílio de Carlos Fiel, diretor do Departamento de Sistemas e Informática; Flor dos Santos, responsável pela Telefonia; Humberto Pereira, responsável pelo setor de Recursos Humanos e Tereza Valença, funcionária do Departamento Jurídico; e moldadas com o auxílio e orientação do Professor Dr. Rogério P. C. do Nascimento. A partir dos resultados obtidos nas visitas e dos conselhos dados pelo professor, foi possível propor melhorias cabíveis para cada uma das áreas abordadas neste documento, e conseqüentemente elaborar o PETIC em questão.
  • 12. 4. CENÁRIO ATUAL 4.1. Hardware A área de hardware possui tantos pontos fortes como fracos. Várias salas e gabinetes possuem computadores com mais de três anos de uso ou mais. Isso gera pouca confiança na estrutura atual já que estes computadores podem parar de funcionar a qualquer momento. Paradoxalmente, a casa não pode deixar de usar esses equipamentos já que toda sua comunicação interna e vários processos são feita através da Internet. Isso se deve pelo simples fato de ser um órgão público, que necessita fazer licitações para compra de novo material. Porém, os desktops presentes na casa são mais que suficientes para atender a demanda dos funcionários. Já os novos computadores adquiridos nos últimos dois anos, como o Lenovo M57p (Figura 2) são subutilizados, gerando grande quantidade de desperdício de poder de processamento. Figura 2. Lenovo ThinkCentre M58p, um dos vários tipos de desktops na Assembleia A rede elétrica não possui certificação. Pelo contrário: as quedas e oscilações de energia são constantes, acarretando problemas diários para os funcionários do suporte. Além disso, a quantidade de itens de hardware estocados para manutenção é muito pequena. Não raro funcionários do suporte ficam sem ação por não ter como substituir os equipamentos com defeito, gerando conflito entre os departamentos. Existem apenas cinco aparelhos de rede sem fio, que funcionam somente para comunicação entre os prédios anexos. Dentro dos prédios existe
  • 13. rede sem fio apenas no plenário, para uso exclusivo dos deputados. A rede física estruturada 4.2. Dados Atualmente a base de dados é unificada já que só usam o MS Sql Server. Porém a análise de crescimento do banco é feita raramente, já que somente o diretor do departamento possui conhecimento para tal. Diariamente, à meia-noite, é feito backup dos dados para outro HD. Além disso, a cada três dias o backup passa para fitas DAT. São apenas 12 fitas que revezam, ou seja, a cada um mês o conteúdo da fita é substituído. O maior problema é a segurança física do local. Apenas uma porta e uma placa proíbem o acesso não autorizado, pondo em risco toda a estrutura de dados da Assembleia. Os servidores da casa utilizam o Windows Server 2000 e atualmente estão migrando para Windows Server 2008, o que gerou muita confusão. Tudo porque a licença do novo sistema operacional foi absurdamente cara na visão do Departamento Financeiro, ao mesmo tempo em que era absolutamente essencial ao DSI. 4.3. Software A casa possui vários sistemas produzidos internamente. O problema é que vários deles não são de responsabilidade do Departamento de Sistemas e Informática. Por exemplo, o Núcleo de Patrimônio comprou um sistema que administra os bens móveis, que é mantido por uma empresa terceirizada. Os desktops da Assembleia utilizam, em geral, duas versões do Windows: XP e 2000. Isso é possível devido à facilidade que os dois sistemas dão em relação à conectividade da rede. Também é instalado em qualquer computador o Nero, BrOffice e o Windows Live Messenger, mesmo que esse último só esteja liberado para uso das 12h as 13h. É possível a instalação de sistemas que permitam o uso do computador por parte de deficientes visuais, como já aconteceu na Imprensa da casa. Softwares de integração com celulares e câmeras podem ser instalados, desde que devidamente autorizados pelo DSI.
  • 14. Algumas páginas possuem conteúdo bloqueado em definitivo. Essa foi a melhor forma que o departamento encontrou de proteger a rede interna de vírus e programas maliciosos. Não são permitidos downloads de a arquivos executáveis nem MP3. 4.4. Pessoas O setor de Sistemas e Informática esta diretamente subordinado à Diretoria Geral e à Presidência, conforme apresenta o organograma abaixo: Figura 3. Organograma da Assembleia Legislativa do Estado de Sergipe O Diretor do Departamento de Sistemas e Informática é quem responde retor pelo departamento, e como todo funcionário da casa possui competências e atribuições definidas por lei. São estas (Art. 91 91): I - Coordenar, orientar e controlar as atividades relativas aos recursos de informática; II - Expedir normas referentes ao gerenciamento de sua área de competência; III - Assessorar a Mesa Diretora, os Deputados, as Comissões e demais órgãos administrati administrativos, municiando-os de informações competentes os para tomada de decisão; IV - Elaborar cursos de aplicação interna, conjuntamente com a área de Recursos Humanos; V - Promover condições para o desenvolvimento e bom funcionamento dos sistemas e equipamentos d informática; de VI - Apresentar planos junto à Diretoria Geral para definição de metas e prioridades; VII - Promover a difusão da cultura de informática, e a racionalização da boa utilização dos recursos técnicos; VIII - exercer outras atribuições inerentes ao cargo, ou que lhes sejam inerentes determinadas pelo Diretor Geral e pela Mesa. A mão de obra do DSI da Assembleia Legislativa é composta, atualmente, por técnicos em informática, que trabalham em dois turnos, e por
  • 15. programadores, que trabalham um turno. A contratação de funcionários é feita através de concursos ou através de uma empresa terceirizada, devidamente licitada. Caso ocorra quebra do contrato com tal empresa, os funcionários de nível operacional são demitidos. Já os funcionários do nível tático dependem da entrada e saída dos deputados. A organização apresenta um plano de carreira em que a cada 2 anos o funcionário pode subir de cargo, obedecendo três condições: tempo de serviço na organização, capacitação profissional ou merecimento. Com relação ao treinamento de novos funcionários, a organização não possui uma política elaborada, e o treinamento se dá na base da observação, onde os novos funcionários observam os mais antigos e aprendem suas funções. Caso ocorra ‘fuga’ de dados em qualquer departamento da Assembleia, o Departamento de Sistemas e Informática são responsabilizados, e cabe a este apurar quem é foi culpado. Se ao fim da apuração, descobre-se que a culpa foi do usuário do sistema, este responderá pela ‘fuga’ dos dados. Porém, se ao fim da apuração não se chegar a nenhum culpado, o diretor do departamento responderá pela ‘fuga’ que ocorreu. Existem dois órgãos de suporte dentro da Assembleia, a Sindalese e a Escola do Legislativo, porém não atingem os objetivos para os quais foram criados. Esses órgãos existem para oferecer subsídios aos funcionários, tanto na parte que luta pelos seus direitos, quanto na parte que ajuda na compreensão da missão do poder legislativo, a fim de que exerçam suas atividades de forma eficaz, além de oferecer cursos e promover a inclusão social dentro da organização. A Sindalese apresenta pouca ou nenhuma atuação, pois há uma considerável distância física da maior parte dos funcionários. Já a Escola do Legislativo não possui divulgação suficiente dos cursos que oferta, e nem incentiva os funcionários a participar dos mesmos, além de disponibilizar apenas uma turma por turno. Quanto à estrutura, cada setor é responsável pela sua ergonomia, não há um padrão. A estrutura do DSI é satisfatória: apresentam mesas e cadeiras confortáveis, geladeira, área ventilada. A organização, como um todo, possui elevadores, câmeras, detectores de metais e guardas, além dos banheiros
  • 16. serem equipados para melhor atender os cadeirantes. A segurança física, embora exista, apresenta falhas. 4.5. Telecomunicações A Telecomunicação da Assembleia Legislativa é regida pela Coordenadoria do Interligis em Sergipe (CISE), esse órgão está diretamente subordinado ao Departamento de Sistemas e Informática (DSI), ao qual compete: controlar a agenda de vídeo-conferência, preparar em conjunto com o Cerimonial os convites para participantes de vídeo-conferência, fazer contato e se relacionar com a Interligis Brasília, órgão do Estado Federal, operar os equipamentos de vídeo conferência, preparar agenda de cursos para sala de multiusos, bem como manter atualizadas normas e padrões de procedimentos para o bom desempenho da unidade e integração subsidiaria da Escola do Legislativo. É saliente que essa é uma área de amplo desenvolvimento dentro do campo Legislativo sergipano, já que a mesma possui uma agência de notícias na internet responsável por manter um canal de ouvidoria com seus usuários, que contém informações sobre os últimos acontecimentos na política e legislação do estado. Sua atualização é feita constantemente pelo Departamento de Imprensa, também incumbido de postar fotos de eventos e organizar um Newsletter destinado aos cadastrados do portal. Possui como extensão a TV Alese, emissora 24 horas no ar, que promove uma programação centrada nas atividades legislativas, sem negligenciar a promoção da cidadania e da sergipanidade. As sessões da Assembleia Legislativa ocorrem no plenário e mostram o trabalho dos deputados estaduais. Essas mesmas sessões são transmitidas ao vivo pela TV Alese e também online pela Agência Alese de Notícias. Além disso, a TV Alese coloca no ar, diariamente, um telejornal com os principais fatos produzidos pelos parlamentares dentro e fora do plenário. No web site da Assembleia há muitas funções intuitivas e correspondentes às atividades de interesse da população, dos parlamentares e de seus funcionários, como: licitações, processos, contracheque, serviços de saúde, atos de poder, webmail, correio eletrônico.
  • 17. Dentro do ramo da Telefonia foi adotada a utilização de ramais para a comunicação interna e externa, com existência do ramal central criado para questionamentos, controle e relatório de ligações (através do sistema TARITRON mostrado na figura 4) e os ramais por departamento, onde se faz a comunicação direta com seus responsáveis. Os diretores possuem celulares, porém esses têm limite de crédito o que mostra um controle realizado regularmente em suas atividades. Figura 4. Um exemplo de relatório do Taritron Na Internet, é visto que os trabalhadores do Legislativo têm alguns sites bloqueados para que haja uma melhor navegação, além da limitação dos mesmos aos horários de menor movimentação. Em suas estruturas há utilização de fibra ótica, apenas para a operadora de telefone, o Blackbone e o Wi-Fi (WAP2), embora esse só se encontre presente no plenário para livre utilização dos parlamentares.
  • 18. 5. CENÁRIO DESEJADO 5.1. Hardware O mais indicado para órgãos do porte da Assembleia é que seu hardware tenha no máximo três anos de uso, o que mantêm a confiabilidade da aparelhagem. Para tanto seria necessário licitações constantes e mais importante, diversas doações das maquinas que passaram da “validade”. Para o uso do VoIP é necessário que sejam adquiridos head-sets, para utilização dos computadores como terminais de telefone. É possível a adaptação dos telefones já existentes, desde que sejam adquiridos adaptadores analógicos para a interface web. Com o uso de servidores em Blade, é preciso trocar grande parte da estrutura física dos atuais servidores. Apesar do grande custo e da mobilização necessária por parte do DSI, essa nova estrutura geraria grandes economias em longo prazo, com maior desempenho e menor gasto de energia elétrica. A energia elétrica merece atenção especial. A Assembleia deve urgentemente certificar sua rede elétrica. Tal medida tende a minimizar a quantidade de computadores com defeito. Uma medida mais rápida, porém muito mais cara é a compra por empenho de vários no-breaks. Paralelamente a essas medidas, os usuários da casa devem receber treinamento para otimização do uso da TIC. Isso é possível já no cenário atual, desde que a Escola do Legislativo fornecesse cursos de Informática Básica para os funcionários. 5.2. Dados Uma das principais atividades da Assembleia Legislativa é a criação de Leis, portanto o uso de um banco de dados que utiliza pesquisa dentro do conteúdo do Banco de Dados, como o Oracle. Com isso, a pesquisa no próprio site seria melhorada, usando a pesquisa por temas ou assuntos de preferência. Visando minimizar os custos do servidor, seria desejável a implement ação de servidores Linux, justamente por vários serem de licença
  • 19. gratuita. Todavia, isso traria a necessidade de treinamento específico na manutenção desses sistemas. Tal treinamento poderia ser feito depois da contratação de uma pessoa específica para gerenciamento dos servidores e dados. Isso diminuiria a sobrecarga e a dependência do Diretor do DSI. Outra medida indicada é a implantação da redundância física, para garantir a maior segurança dos dados. Finalmente, as fitas DAT tem de ser organizadas em um rack especial. 5.3. Software Com o uso de Softwares Open Source, os gastos da Assembleia diminuiriam consideravelmente. Porém, pacotes como BrOffice e o Ubuntu necessitam de treinamento específico, que também pode ser feito pela Escola do Legislativo. Na parte de sistemas, deve haver maior controle por parte do DSI. Só assim, os sistemas poderão ser mais bem gerenciados e ter melhor manutenção, reduzindo a quantidade de conflitos dos usuários. Além disso, o DSI deve contratar mais pessoas para desenvolver e gerenciar sistemas. O site poderá passar a ser atualizado da melhor forma possível e sistemas como de controle de materiais devem ser melhorados. A sugestão para uso do VoIP precisa que softwares como Skype sejam instalados em cada terminal. Em adição, esse programa também deve ser disponibilizado para instalação nos celulares dos deputados. 5.4. Pessoas Primeiramente, deverá se criar uma política de treinamento, com um profissional à frente, e de preferência com uma sala e/ ou horário reservados para isso. Paralelamente, deverá ser implantada a prática da ginástica laboral, feita por um profissional especializado, que acompanhará os trabalhadores periodicamente e ensinará práticas de alongamento que deverão ser realizadas todos os dias, a fim de evitar as lesões por esforços repetitivos (LER).
  • 20. Uma maior divulgação da Escola do Legislativo e do Sindalese, bem como um planejamento detalhado também são necessários para resolver as deficiências anteriormente citadas. Isso porque esses dois órgãos são capazes de fornecer tais mudanças. É necessário também um melhoramento na segurança física da organização, com a adição de mais guardas além da intensificação na revista logo na entrada. A padronização da ergonomia deverá ser feita gradualmente e deve gerar um ambiente de trabalho mais agradável em todos os departamentos da casa. Assim os funcionários vestirão mais a camisa e se sentirão mais confortáveis no exercício de suas funções. 5.5 Telecomunicações Apesar das muitas inovações presentes na Assembleia Legislativa, é importante que ela melhore e adquira novos meios de desenvolvimento central e estadual. Dentre esses meios seria interessante a extensão da fibra ótica, para melhoria na qualidade de serviço aos prédios anexos da casa. A implantação do VoIP possibilitaria muitas vantagens com relação ao custo/benefício, já que reduziria significamente o custo com telefonia, efetuaria chamadas de longas distâncias a custos locais, - por exemplo, a comunicação entre Assembleias seria facilitada – integraria telefonias móveis e fixas, além de por não ser necessária a criação de uma outra estrutura apenas para o tráfego de voz, a estrutura já existente na empresa seria aproveitada na sua fundação. Devido a isto o retorno do investimento é mais rápido. A extensão do Wi-Fi para todo prédio, traria benefícios nas aplicações internas, ou seja, na cobertura limitada a recintos ou áreas externas, como também a maior mobilidade. È uma tecnologia que facilitaria bastante as tarefas dos trabalhadores, reduziria a quantidade de fios o que resolveria problemas de organização. Sendo esse um recurso de baixo custo e de fácil instalação. Por último, como ‘’Casa que abriga os representantes e faz a tomada de decisões responsáveis por buscar soluções para os problemas da população’’,
  • 21. seria interessante a ampliação da TV Alese - esta somente existente em Tv paga e online - para a TV aberta, pois é importante que todos sem distinção tenham acesso as resoluções e determinações adotadas para o melhoramento do Estado Sergipano e a vida da população.
  • 22. 6. CONCLUSÃO Perante o cenário atual da Assembléia Legislativa, notou-se que embora tenham sido implantados na organização outros diversos processos tecnológicos, foi também perceptível através da elaboração de um PETIC, uma situação sobre a qual foram identificadas vulnerabilidades e necessidades de melhorias. Estas, já citadas e discutidas acima, precisam de uma implantação participativa, pensando-se sempre no ritmo e velocidade necessários para educar todos os envolvidos, sejam eles chefes, executivos ou subordinados. Logo, é visto que há uma precisão no tempo de maturação para o processo que leve em conta a cultura organizacional presente na mesma. Com a realização das soluções e objetivos estratégicos traçados no PETIC, almeja-se que o DSI atinja uma condição bastante satisfatória com relação ao desenvolvimento dos sistemas computacionais, disponibilidade de serviços, aprimoramento dos recursos humanos. E principalmente que a efetivação e implementação das melhorias propostas possam ajudar a instituição a melhorar, alcançar um maior sucesso, e sobretudo representar todos os estratos sociais e ideológicos, sem distinção.
  • 23. 7. TRABALHOS FUTUROS Este projeto, para alcançar o objetivo sobre o qual foi concebido, necessita de resultados. Estes resultados se darão através da apresentação deste documento à diretoria do Departamento de Sistemas e Informática da Assembléia, o qual avaliará as propostas e entrará com um pedido, através de licitações, junto à Diretoria Geral da Casa. É necessário um acompanhamento constante das propostas, bem como da implantação das mesmas. A análise apresentada neste documento precisa ser revista e complementada, pois não abrangeu todas as deficiências que a organização apresenta, já que foi feita levando em consideração as limitações dos membros do grupo, tanto de um maior conhecimento sobre o tema abordado quanto de tempo e responsabilidades.