SlideShare uma empresa Scribd logo
INTRODUÇÃO À
LINGUAGEM C
Profª Ms. Engª Elaine Cecília Gatto
Curso de Bacharelado em Engenharia de Computação
Universidade do Sagrado CoraçãO – USC
Bauru/SP
Grau de Abstração
• Linguagens de programação de baixo nível: linguagem de
máquina, por exemplo, Assembly.
• Linguagens de programação de médio nível: conversão direta
para código de máquina, por exemplo, C.
• Linguagem de programação de alto nível: fácil para o ser
humano e complexo para a máquina, por exemplo, Java.

2
Paradigmas de Linguagens de
Programação
• Um paradigma de programação fornece e determina a visão
que o programador possui sobre a estruturação e execução do
programa. Os principais paradigmas de linguagens de
programação são:
• Linguagem Funcional: trata a computação como uma avaliação de
funções matemáticas, por exemplo, LISP.
• Programação Lógica: faz uso da lógica matemática, por exemplo,
PROLOG.
• Programação Imperativa:
• Programação Estruturada: ou programação modular, por exemplo,
PASCAL.
• Orientação a Objetos: abstração de conceitos do mundo real, por
exemplo, JAVA.

3
Interpretação X Compilação
• Um programa é uma forma de comunicação com o
computador e, sabemos que, a única linguagem que o
computador entende, é a linguagem de máquina.
• Assim, todos os programas devem estar em linguagem de
máquina e, para isso, eles devem ser traduzidos. A tradução
tem duas categorias: interpretação e compilação.
• A criação de um programa consiste na conversão do código
fonte para códigos de linguagem de máquina. Esta
“transformação” pode ocorrer antes ou durante a execução.
• Caso ocorra antes da execução o processo é chamado de
compilação – normalmente gera um arquivo executável.
• Caso ocorra durante a execução o processo é chamado de
interpretação – HTML é um bom exemplo de linguagem
interpretada.

4
Interpretação X Compilação
• Um interpretador lê o código fonte do seu programa uma
linha por vez, executando a instrução específica contida nessa
linha..
• Um compilador lê o programa inteiro e converte-o em um
código-objeto, que é uma tradução do código-fonte do
programa em uma forma que o computador possa executar
diretamente.
• Um programa interpretado precisa do seu interpretador
instalado na máquina em que será executado.
• Um programa compilado é independente.
5
História da Linguagem C
• Criada por Dennis Ritchie, 1972, centro de pesquisas da Bell
Laboratories;
• 1ª utilização: reescrita do sistema operacional UNIX;
• 1980: vários compiladores C disponíveis;
• Linguagem imperativa de propósito geral;
• Algumas características:
•
•
•
•

Portabilidade;
Geração de código eficiente;
Simplicidade;
Facilidade de uso;

• Observação: C é case sensitive

6
Estrutura do Programa
/* Estrutura de um programa
em C */
# include
<arquivo_cabecalho.h>
main ( )
{
declaração de variáveis
instrução_1;
instrução_2;
função_1(variáveis);
instrução_3;
}

int função_1 (variáveis)
{
declaração de variáveis
instrução_1;
instrução_2;
return (INT);
}

7
Tipos de dados em C
•
•
•
•
•

char – caractere
int – inteiros
float – reais
double – flutuante
void – função que não retorna valor

8
Modificadores de tipos de
dados
• Modificadores são usados para alterar o significado de um
tipo básico para adaptá-lo mais precisamente às necessidades
de diversas situações.
• Para Caractere e Inteiro:
•
•
•
•

signed – com sinal
unsigned – sem sinal
long – longo
short – curto

• Para double:
• long

9
Todos os tipos de dados
Tipo

Bits

Faixa

char

8

- 127 a 127

unsigned char

8

0 a 255

signed char

8

-127 a 127

int

16

-32.767 a 32.767

unsigned int

16

0 a 65.535

signed int

16

-32.767 a 32.767

short int

16

-32.767 a 32.767

unsigned short int

16

0 a 65.535

signed short int

16

-32.767 a 32.767

long int

32

-2.147.483.647 a 2.147.483.647

signed long int

32

-2.147.483.647 a 2.147.483.647

unsigned long int

32

0 a 4.294.967.295

float

32

Seis dígitos de precisão

double

64

Dez dígitos de precisão

long double

80

Dez dígitos de precisão

10
Identificadores
• São nomes usados para se fazer referência a variáveis,
funções, rótulos e outros objetos definidos pelo usuário;
• int X;
• int _X;

• É diferente de:
• int x;
• int _x;

• Dicas:
• Um programa deve ser legível para outros programadores;
• Escolher identificadores intuitivos, por exemplo, se uma variável
deve armazenar uma soma, um identificador muito bom para ela
será Soma.

11
Palavras Reservadas em C

12
Variáveis
• Variável é uma posição de memória cujo conteúdo pode ser
modificado durante a execução de um programa. A referência
a uma variável no programa é feita através do seu
identificador. Os valores que podem ser nela armazenados
dependem do seu tipo de dado.

• Sintaxe:
• tipo identificador;
• int x;
• int é o tipo e x é o identificador;
13
Declaração e Inicialização de
Variáveis
• Declaração de variável:
• int x;

• Declaração e inicialização de variável:
• int x = 3;
• int y, x = 3;
• int x=3, y;

14
Constantes
• Como uma variável, uma constante também é uma posição de
memória à qual devem ser associados um identificador e um
tipo de dado.
• O que caracteriza uma constante é o fato de que o conteúdo
de uma constante não pode ser modificado durante a
execução do programa.
• Este conteúdo é fixado quando da declaração da constante o
que deve ser feito de acordo com a seguinte sintaxe:
• const Tipo de Dado Identificador = Valor;
15
Variáveis Locais
• São aquelas declaradas
dentro de uma função.
Exemplo:
#include <stdio.h>
void funcao1(void);
void funcao2(void);
int main() {
funcao1();
funcao2();
return 0;
}

void funcao1(void){
int i;
i = 10;
int j;
j = 20;
printf(" n %d, %d", i, j);
}
void funcao2(void){
int i;
i = 10;
int j;
j = 20;
printf(" n %d, %d", i, j);
}

16
Variáveis Locais
Esta declaração está correta?

#include <stdio.h>
void funcao(void);
int main() {
funcao();
return 0;
}
void funcao(void){
int i;
i = 10;
int j;
j = 20;
printf(" n %d, %d", i, j);
}

17
Variáveis Locais
Esta declaração está correta?

#include <stdio.h>
void funcao(void);
int main() {
funcao();
return 0;
}
void funcao(void){
int i;
int j;
i = 10;
j = 20;
printf(" n %d, %d", i, j);
}

18
Saída de dados
• Utilizar a biblioteca stdio.h para entrar e sair com dados.
• printf(“expressão de controle”, argumentos);
• Exemplo:
#include <stdio.h>
int main() {
printf(" n Este é o comando de saída de dados.");
printf(" n Este é o número dois: %d.", 2);
printf(" n %s está a %d milhões de milhas n do sol.", "Vênus", 67);
printf(" n A letra %c ", 'j');
printf(" n Pronuncia-se %s.", "jota.");
return 0;
}
19
Saída de dados
• Tamanho de campos na impressão:
• printf(“ n %2d ” , 350);

• Para arredondamento:
• printf(“ n %4.2f ” , 3456.78 );

• Para alinhamento:
• printf(“ n %10.2f %10.2f %10.2f ”, 8.0, 15.3, 584.13);

• Complemento de zeros a esquerda;
• printf(“ n %04d ” , 21);

• Impressão de caracteres:
• printf(“ %d %c %x %o n ” , ‘A’, ‘A’, ‘A’, ‘A’);

20
Exemplos
#include <stdio.h>
int main() {
int num;
num = 2;
printf(" n Este é o número dois: %d", num);
return 0;
}

21
Exemplos
#include <stdio.h>
int main() {
int evento;
char corrida;
float tempo;
evento = 5;
corrida = 'c';
tempo = 27.25;
printf(" n O tempo vitorioso na eliminatória %c", corrida);
printf(" n da competicao %d foi %.2f.", evento, tempo);
return 0;
}
22
Exemplos
#include <stdio.h>
int main() {
unsigned int j=65000;
int i=j;
printf(" n %d %u n", i, j);
return 0;
}

23
Exemplos
#include <stdio.h>
int main() {
int reajuste = 10;
printf(" n O reajuste foi de %d%%. n", reajuste);
return 0;
}

24
Exemplos
#include <stdio.h>
int main() {
printf(" n Os alunos são %2d. n", 350);
printf(" n Os alunos são %4d. n", 350);
printf(" n Os alunos são %6d. n", 350);
return 0;
}

25
Código de formatação das
funções de entrada e saída
n

Nova linha

%c

Caractere simples

t

Tab

%d

Decimal

b

Retrocesso

%e

Notação cientifica

”

Aspas

%f

Ponto flutuante



Barra

%o

Octal

f

Salta formulário

%s

Cadeia de caracteres

0

nulo

%u

Decimal sem sinal

%x

Hexadecimal

26
Entrada de dados
• Utilizar a biblioteca stdio.h para entrar e sair com dados.
• scanf(“expressão de controle”, argumentos);
• scanf(“ %_ ”, &);
• Argumentos: deve consistir nos endereços das variáveis. A
linguagem C oferece um operador para tipos básicos chamado
operador de endereço e referenciado pelo símbolo & que
retorna o endereço do operando.
int num;
scanf(“ %d ” , &num);
27
Entrada de dados
• Um endereço de memória é visto como um número inteiro
sem sinal, por isso usamos %u;
• A saída deste programa varia conforme a máquina e a
memória do equipamento, um exemplo é:
• Valor = 2
• Endereço = 1370

28
Exemplos
#include <stdio.h>
int main() {
float anos, dias;
printf(" n Digite sua idade em anos: ");
fflush(stdout);
scanf("%f", &anos);
dias = anos * 365;
printf(" n Sua idade em dias é: %.0f ", dias);
return 0;
}

29
Exemplos
#include <stdio.h>
int main() {
char a;
printf(" n Digite um caractere e veja-o em decimal, octal e hexadecimal: ");
fflush(stdout);
scanf("%c",&a);
printf("n %c em decimal = %d, octal = %o e hexadecimal = %x n", a, a, a, a);
return 0;
}

30
Mais Exemplos
#include <stdio.h>
int main() {
printf("%4.2f n", 3456.78);
printf("%3.2f n", 3456.78);
printf("%3.1f n", 3456.78);
printf("%10.3f n", 3456.78);
return 0;
}

31
Ex.
#include <stdio.h>
int main() {
printf("%.2f %2f %2f n", 8.0, 15.3, 584.13);
printf("%.2f %2f %2f n", 834.0, 1500.55, 4890.21);
return 0;
}

32
Ex.
#include <stdio.h>
int main() {
printf("-%10.2f -%10.2f -%10.2f n", 8.0, 15.3, 584.13);
printf("-%10.2f -%10.2f -%10.2f n", 834.0, 1500.55,
4890.21);
return 0;
}

33
Operador de atribuição
• O Operador de atribuição em C é o sinal de igual =
• Ao contrário de outras linguagens, o operador de atribuição
pode ser utilizado em expressões que também envolvem
outros operadores.

34
Operadores aritméticos
+

Soma

-

Subtração

*

Multiplicação

/

Divisão

%

Resto da divisão

++

Incremento

--

decremento

35
Expressões com operadores
aritméticos
x = x + k;

x + = k;

x = x – k;

x - = k;

x=x*k;

x * = k;

x = x / k;

x / = k;

x = x % k;

x % = k;

36
Ex.
#include <stdio.h>
int main() {
int ftemp, ctemp;
printf(" n Digite a temperatura em graus fahrenheit: ");
fflush(stdout);
scanf("%d", &ftemp);
ctemp=(ftemp-32)*5/9;
printf(" n Temperatura em graus celsius é: %d", ctemp);
fflush(stdout);
return 0;
}

37
Ex.
#include <stdio.h>
int main() {
int ftemp;
printf(" n Digite temperatura em graus fahrenheit: ");
scanf("%d", &ftemp);
printf(" n A temperatura em graus celsius é: %d", (ftemp-32)*
5/9);
return 0;
}
38
Ex.
#include <stdio.h>
int main() {
int x, r;
printf(" n Digite um número com até 4 algarismos n");
fflush(stdout);
scanf("%d", &x);
r = 19998 + x;
printf(" n O resultado da nossa conta será: %d n", r);
fflush(stdout);
printf(" n Digite o segundo número (4 algarismos) n");
fflush(stdout);
scanf("%d", &x);
printf(" n O meu número é: %d n", 9999-x);
fflush(stdout);
printf(" n O digite o quarto número (4 algarismos) n");
fflush(stdout);
scanf("%d", &x);
printf(" n O meu número é %d n", 9999-x);
fflush(stdout);
return 0;
}

39
Operadores relacionais
>

Maior que

<

Menor que

>=

Maior ou igual que

<=

Menor ou igual que

==

Igual

!=

Diferente

40
Expressões com Operadores
relacionais
• x>y
• Suponha x = 5 e y = 3.
• 5 > 3 (5 é maior que 3? Sim, verdade)
• Suponha x = 3 e y = 5.
• 3 > 5 (3 é maior que 5? Não, falso)
• x<y
• Suponha x = 5 e y = 3.
• 5 < 3 (5 é menor que 3? Não, Falso)
• Suponha x = 3 e y = 5.
• 3 < 5 (3 é menor que 5? Sim, verdadeiro)

41
Ex.
#include <stdio.h>
int main() {
int verdadeiro, falso;
verdadeiro = (15<20);
falso = (15 == 20);
printf("verdadeiro = %d, falso = %d n", verdadeiro, falso);
return 0;
}

42
Ex.
#include <stdio.h>
int main() {
int veloc;
printf(" n 1 = sim; 0 = não n ");
veloc = 75;
printf("n A velocidade é igual a 55? %d", veloc==55);
veloc = 55;
printf("n A velocidade é igual a 55? %d", veloc==55);
return 0;
}

43
Operadores lógicos
Tabela and – e
&&

And – e

1

1

1

||

Or – ou

1

0

0

!

Not – não

0

1

0

0

0

0

Tabela or - ou

Tabela not – nao
1

0

0

1

1

1

1

1

0

1

0

1

1

0

0

0

44
Operadores bit a bit
&

And

Tabela verdade E

|

Or

Tabela verdade OU

^

Or exclusive

Tabela OU exclusivo

~

Complemento de um

(inverso)

>>

Deslocamento à esquerda

<<

Deslocamento à direita

Operadores bit a bit referem-se a testar, atribuir ou deslocar os
bit efeitvos em um byte ou em uma palavra, que correspondem
aos tipos de dados char e int e suas variantes.
45
Operador unário • É usado somente para indicar troca de sinal algébrico do
valor. Pode também multiplicar o valor do operando por -1.
• Exemplo:
• num = -10;
• num = - num;

46
Operador ternário ?
• Expressão1 ? Expressão2 : Expressão3;
•
•
•
•

Y = x>9 ? 100 : 200;
Y recebe o valor 100
Se x for menor que 9, y recebe o valor 200
O operador ternário funciona da seguinte forma:
• a expressão1 é avaliada, se ela for verdadeira, então a
expressão2 é avaliada e se torna o valor da expressão;
caso contrário a expressão3 é avaliada e torna-se o valor
da expressão.
47
Incremento ++ e decremento -•
•
•
•

++ soma 1 ao seu operando
-- subtrai um ao seu operando
x = x + 1 é igual a ++x;
x= x – 1 é igual a - - x;

• Exemplo:
• x = 10;
• x = ++x; primeiro incrementa x depois usa o valor
incrementado
• x = x++; primeiro usa o valor de x e depois o incrementa
• Em ambos os casos y receberá 11, entretanto a diferença está
em quando isso acontece

48
Prioridade/precedência
Mais alta

( ) [ ] ->
! ~ ++ -- - * & sizeof
*/%
+<< >>
< <= > >=
== !=

&
^
!
&&
!!

?:
= += -= *= /=
Mais baixa

.

49
Ex.
#include <stdio.h>
int main() {
char c;
unsigned char uc;
int i;
unsigned int ui;
float f;
double d;
printf(" n char: %d",sizeof(c));
printf(" n unsigned char: %d",sizeof(uc));
printf(" n int: %d",sizeof(i));
printf(" n unsigned int: %d",sizeof(ui));
printf(" n float: %d",sizeof(f));
printf(" n double: %d",sizeof(d));
return 0;
}

50
Ex.
#include <stdio.h>
int main() {
int x,y; x=10; y=3;
printf(" Quociente de x/y = %dn",x/y);
printf(" Resto de x/y = %dn",x%y);
return 0;
}

51
Ex.
#include <stdio.h>
int main() {
int x=2, y=3, produto;
if ((produto=x*y)>0) printf("x*y é maior que zero. O
produto de x*y é %d", produto);
return 0;
}

52
Ex.
#include <stdio.h>
int main() {
int i,j;
printf(" n Digite dois números: ");
fflush(stdout);
scanf("%d%d",&i,&j);
printf(" n %d == %d é %dn ",i,j,i==j);
printf(" %d != %d é %dn ",i,j,i!=j);
printf(" %d <= %d é %dn ",i,j,i<=j);
printf(" %d >= %d é %dn ",i,j,i>=j);
printf(" %d < %d é %dn ",i,j,i< j);
printf(" %d > %d é %dn ",i,j,i> j);
return 0;
}

53
Ex.
#include <stdio.h>
int main() {
int i=1;
printf(" n %d/3 é: %2.2f ",i,(float) i/3);
return 0;
}

54
Ex.
#include <stdio.h>
int main() {
int x=0;
printf(" n x= %d n",x++);
printf(" n x= %d n",x);
printf(" n x= %d n",++x);
printf(" n x= %d n",x);
return 0;
}
55
Ex.
#include <stdio.h>
int main() {
float a, b, c;
printf(" n Digite três números não inteiros");
fflush(stdout);
scanf("%f %f %f", &a, &b, &c);
printf(" n A media dos números %2.2f, %2.2f e %2.2f é igual a
%2.2f ", a, b, c, (a + b + c)/3);
fflush(stdout);
return 0;
}

56
Ex.
/* Objetivo: inverte um número
* com dois algarismos */
#include <stdio.h>
int main() {
int Num, Unidades, Dezenas, Invertido;
printf(" n Digite um inteiro com dois algarismos");
fflush(stdout);
scanf("%d", &Num);
Unidades = Num % 10;
Dezenas = Num/10;
Invertido = Unidades * 10 + Dezenas;
printf(" n O número invertido de %d é %d ", Num, Invertido);
return 0;
}

57
Ex.
/*
* Objetivo: Determinar o número
* de múltiplos de um inteiro k
* situados entre dois inteiros x e y
*/
#include <stdio.h>
int main() {
int x, y, a, k, NumMultiplos = 0;
printf(" n Digite os números inteiros x e y (y > x)");
fflush(stdout);
scanf("%d %d", &y, &x);
a = y - 1;
printf(" n Digite o inteiro k n");
fflush(stdout);
scanf("%d", &k);
NumMultiplos = (a - a % k - x + x % k)/k;
printf(" n O número de múltiplos de %d compreendidos entre %d e %d é %d n", k, x, y,
NumMultiplos);
return 0;
}

58
Ex.
/* Aula.c
* Objetivo: Fornecer a parte
* fracionária de um numero
* dado
*/
#include <stdio.h>

int main() {
float Num, Frac;
int Inteiro;
puts(" n Digite um numero n ");
fflush(stdout);
scanf("%f", &Num);
Inteiro = Num;
Frac = Num - Inteiro;
printf(" n A parte fracionaria de %f e' %f ", Num, Frac);
return 0;
}

59

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lista de exercicios algoritmos com pseudocodigo
Lista de exercicios   algoritmos com pseudocodigoLista de exercicios   algoritmos com pseudocodigo
Lista de exercicios algoritmos com pseudocodigo
Mauro Pereira
 
Exercicios resolvidos visuAlg
Exercicios resolvidos visuAlgExercicios resolvidos visuAlg
Exercicios resolvidos visuAlg
Willians Miyabara
 
Algoritmos
AlgoritmosAlgoritmos
Algoritmo aula 01-f
Algoritmo   aula 01-fAlgoritmo   aula 01-f
Algoritmo aula 01-f
Professor Samuel Ribeiro
 
Pseudocódigo - Estrutura de Repetição (Lógica de Programação)
Pseudocódigo - Estrutura de Repetição (Lógica de Programação)Pseudocódigo - Estrutura de Repetição (Lógica de Programação)
Pseudocódigo - Estrutura de Repetição (Lógica de Programação)
Gercélia Ramos
 
Lógica de Programação
Lógica de ProgramaçãoLógica de Programação
Lógica de Programação
Claudio Stein Junior
 
Lógica de Programação e Algoritmos
Lógica de Programação e AlgoritmosLógica de Programação e Algoritmos
Lógica de Programação e Algoritmos
Mario Jorge Pereira
 
Aula 3 algoritmos
Aula 3   algoritmosAula 3   algoritmos
Aula 3 algoritmos
Patrick_turma10
 
Visualg
VisualgVisualg
Visualg
Pedro Silva
 
Logica Algoritmo 05 Repeticao
Logica Algoritmo 05 RepeticaoLogica Algoritmo 05 Repeticao
Logica Algoritmo 05 Repeticao
Regis Magalhães
 
Lista de exercícios em portugol
Lista de exercícios em portugolLista de exercícios em portugol
Lista de exercícios em portugol
Gabriel Faustino
 
Exercicios resolvidos visu alg vetores
Exercicios resolvidos visu alg vetoresExercicios resolvidos visu alg vetores
Exercicios resolvidos visu alg vetores
Willians Miyabara
 
Lista de exercicios algoritmos resolvida-
Lista de exercicios   algoritmos  resolvida-Lista de exercicios   algoritmos  resolvida-
Lista de exercicios algoritmos resolvida-
Mauro Pereira
 
Exercicios java básico
Exercicios java básicoExercicios java básico
Exercicios java básico
Alessandro Plaviak
 
Introdução ao Python
Introdução ao PythonIntrodução ao Python
Introdução ao Python
Marcio Palheta
 
Algoritmo - tipos de dados
Algoritmo - tipos de dadosAlgoritmo - tipos de dados
Algoritmo - tipos de dados
Professor Samuel Ribeiro
 
Aula01 - Logica de Programação
Aula01 - Logica de ProgramaçãoAula01 - Logica de Programação
Aula01 - Logica de Programação
Jorge Ávila Miranda
 
Lista de exercicios vetores, matrizes, registros e sub-algoritmos
Lista de exercicios   vetores, matrizes, registros e sub-algoritmosLista de exercicios   vetores, matrizes, registros e sub-algoritmos
Lista de exercicios vetores, matrizes, registros e sub-algoritmos
Mauro Pereira
 
Linguagem C - Ponteiros
Linguagem C - PonteirosLinguagem C - Ponteiros
Linguagem C - Ponteiros
Elaine Cecília Gatto
 
Algoritmos e linguagem pascal
Algoritmos e linguagem pascalAlgoritmos e linguagem pascal
Algoritmos e linguagem pascal
angelicamenegassi
 

Mais procurados (20)

Lista de exercicios algoritmos com pseudocodigo
Lista de exercicios   algoritmos com pseudocodigoLista de exercicios   algoritmos com pseudocodigo
Lista de exercicios algoritmos com pseudocodigo
 
Exercicios resolvidos visuAlg
Exercicios resolvidos visuAlgExercicios resolvidos visuAlg
Exercicios resolvidos visuAlg
 
Algoritmos
AlgoritmosAlgoritmos
Algoritmos
 
Algoritmo aula 01-f
Algoritmo   aula 01-fAlgoritmo   aula 01-f
Algoritmo aula 01-f
 
Pseudocódigo - Estrutura de Repetição (Lógica de Programação)
Pseudocódigo - Estrutura de Repetição (Lógica de Programação)Pseudocódigo - Estrutura de Repetição (Lógica de Programação)
Pseudocódigo - Estrutura de Repetição (Lógica de Programação)
 
Lógica de Programação
Lógica de ProgramaçãoLógica de Programação
Lógica de Programação
 
Lógica de Programação e Algoritmos
Lógica de Programação e AlgoritmosLógica de Programação e Algoritmos
Lógica de Programação e Algoritmos
 
Aula 3 algoritmos
Aula 3   algoritmosAula 3   algoritmos
Aula 3 algoritmos
 
Visualg
VisualgVisualg
Visualg
 
Logica Algoritmo 05 Repeticao
Logica Algoritmo 05 RepeticaoLogica Algoritmo 05 Repeticao
Logica Algoritmo 05 Repeticao
 
Lista de exercícios em portugol
Lista de exercícios em portugolLista de exercícios em portugol
Lista de exercícios em portugol
 
Exercicios resolvidos visu alg vetores
Exercicios resolvidos visu alg vetoresExercicios resolvidos visu alg vetores
Exercicios resolvidos visu alg vetores
 
Lista de exercicios algoritmos resolvida-
Lista de exercicios   algoritmos  resolvida-Lista de exercicios   algoritmos  resolvida-
Lista de exercicios algoritmos resolvida-
 
Exercicios java básico
Exercicios java básicoExercicios java básico
Exercicios java básico
 
Introdução ao Python
Introdução ao PythonIntrodução ao Python
Introdução ao Python
 
Algoritmo - tipos de dados
Algoritmo - tipos de dadosAlgoritmo - tipos de dados
Algoritmo - tipos de dados
 
Aula01 - Logica de Programação
Aula01 - Logica de ProgramaçãoAula01 - Logica de Programação
Aula01 - Logica de Programação
 
Lista de exercicios vetores, matrizes, registros e sub-algoritmos
Lista de exercicios   vetores, matrizes, registros e sub-algoritmosLista de exercicios   vetores, matrizes, registros e sub-algoritmos
Lista de exercicios vetores, matrizes, registros e sub-algoritmos
 
Linguagem C - Ponteiros
Linguagem C - PonteirosLinguagem C - Ponteiros
Linguagem C - Ponteiros
 
Algoritmos e linguagem pascal
Algoritmos e linguagem pascalAlgoritmos e linguagem pascal
Algoritmos e linguagem pascal
 

Semelhante a Introdução à Linguagem C

Aula09 traducaosin110
Aula09 traducaosin110Aula09 traducaosin110
Aula09 traducaosin110
Aldo Henrique Dias Mendes
 
Comandos de Controle de Programa em C
Comandos de Controle de Programa em CComandos de Controle de Programa em C
Comandos de Controle de Programa em C
Elaine Cecília Gatto
 
Curso Completo de Linguagem de Programação C
Curso Completo de Linguagem de Programação CCurso Completo de Linguagem de Programação C
Curso Completo de Linguagem de Programação C
JoberthSilva
 
Ud2
Ud2Ud2
Linguagem C - Controle de Programa
Linguagem C - Controle de ProgramaLinguagem C - Controle de Programa
Linguagem C - Controle de Programa
Elaine Cecília Gatto
 
Introdução+à+linguagem+c
Introdução+à+linguagem+cIntrodução+à+linguagem+c
Introdução+à+linguagem+c
Thiago Freitas
 
Introdução à Linguagem de Programação C
Introdução à Linguagem de Programação CIntrodução à Linguagem de Programação C
Introdução à Linguagem de Programação C
Jose Augusto Cintra
 
Aula de Algoritmos II - Turma 222
Aula de Algoritmos II - Turma 222Aula de Algoritmos II - Turma 222
Aula de Algoritmos II - Turma 222
Bianca Dantas
 
Introdução a linguagem de programação C
Introdução a linguagem de programação CIntrodução a linguagem de programação C
Introdução a linguagem de programação C
SchoolByte
 
Linguagem_C.pdf
Linguagem_C.pdfLinguagem_C.pdf
Linguagem_C.pdf
ApebNetherlands
 
Aula 02 - Introdução a ALGORITMOS.pptx
Aula 02 - Introdução a ALGORITMOS.pptxAula 02 - Introdução a ALGORITMOS.pptx
Aula 02 - Introdução a ALGORITMOS.pptx
judsonBg3
 
Curso de Linguagem C
Curso de Linguagem CCurso de Linguagem C
Curso de Linguagem C
Rogerio R. Lima Cisi
 
Notas deaulas
Notas deaulasNotas deaulas
Notas deaulas
Jcradio Vw
 
Logica5 141120062157-conversion-gate02
Logica5 141120062157-conversion-gate02Logica5 141120062157-conversion-gate02
Logica5 141120062157-conversion-gate02
Lucas Antonio
 
Introdução a Linguagem C
Introdução a Linguagem CIntrodução a Linguagem C
Introdução a Linguagem C
apolllorj
 
Linguagem C clecioamerico
Linguagem C clecioamericoLinguagem C clecioamerico
Linguagem C clecioamerico
Clécio Américo de Lima
 
Apostila de-introdução-à-linguagem-c
Apostila de-introdução-à-linguagem-cApostila de-introdução-à-linguagem-c
Apostila de-introdução-à-linguagem-c
Maicon Rodrigues
 
Infos algoritmo
Infos algoritmoInfos algoritmo
Infos algoritmo
Wander Santos
 
Cet P Sistemas Linguagem C Introducao
Cet P Sistemas Linguagem C IntroducaoCet P Sistemas Linguagem C Introducao
Cet P Sistemas Linguagem C Introducao
mmind
 
Introdução a linguagem c karen lowhany
Introdução a linguagem c   karen lowhanyIntrodução a linguagem c   karen lowhany
Introdução a linguagem c karen lowhany
Karen Costa
 

Semelhante a Introdução à Linguagem C (20)

Aula09 traducaosin110
Aula09 traducaosin110Aula09 traducaosin110
Aula09 traducaosin110
 
Comandos de Controle de Programa em C
Comandos de Controle de Programa em CComandos de Controle de Programa em C
Comandos de Controle de Programa em C
 
Curso Completo de Linguagem de Programação C
Curso Completo de Linguagem de Programação CCurso Completo de Linguagem de Programação C
Curso Completo de Linguagem de Programação C
 
Ud2
Ud2Ud2
Ud2
 
Linguagem C - Controle de Programa
Linguagem C - Controle de ProgramaLinguagem C - Controle de Programa
Linguagem C - Controle de Programa
 
Introdução+à+linguagem+c
Introdução+à+linguagem+cIntrodução+à+linguagem+c
Introdução+à+linguagem+c
 
Introdução à Linguagem de Programação C
Introdução à Linguagem de Programação CIntrodução à Linguagem de Programação C
Introdução à Linguagem de Programação C
 
Aula de Algoritmos II - Turma 222
Aula de Algoritmos II - Turma 222Aula de Algoritmos II - Turma 222
Aula de Algoritmos II - Turma 222
 
Introdução a linguagem de programação C
Introdução a linguagem de programação CIntrodução a linguagem de programação C
Introdução a linguagem de programação C
 
Linguagem_C.pdf
Linguagem_C.pdfLinguagem_C.pdf
Linguagem_C.pdf
 
Aula 02 - Introdução a ALGORITMOS.pptx
Aula 02 - Introdução a ALGORITMOS.pptxAula 02 - Introdução a ALGORITMOS.pptx
Aula 02 - Introdução a ALGORITMOS.pptx
 
Curso de Linguagem C
Curso de Linguagem CCurso de Linguagem C
Curso de Linguagem C
 
Notas deaulas
Notas deaulasNotas deaulas
Notas deaulas
 
Logica5 141120062157-conversion-gate02
Logica5 141120062157-conversion-gate02Logica5 141120062157-conversion-gate02
Logica5 141120062157-conversion-gate02
 
Introdução a Linguagem C
Introdução a Linguagem CIntrodução a Linguagem C
Introdução a Linguagem C
 
Linguagem C clecioamerico
Linguagem C clecioamericoLinguagem C clecioamerico
Linguagem C clecioamerico
 
Apostila de-introdução-à-linguagem-c
Apostila de-introdução-à-linguagem-cApostila de-introdução-à-linguagem-c
Apostila de-introdução-à-linguagem-c
 
Infos algoritmo
Infos algoritmoInfos algoritmo
Infos algoritmo
 
Cet P Sistemas Linguagem C Introducao
Cet P Sistemas Linguagem C IntroducaoCet P Sistemas Linguagem C Introducao
Cet P Sistemas Linguagem C Introducao
 
Introdução a linguagem c karen lowhany
Introdução a linguagem c   karen lowhanyIntrodução a linguagem c   karen lowhany
Introdução a linguagem c karen lowhany
 

Mais de Elaine Cecília Gatto

A influência da Tecnologia em cada faixa etaria
A influência da Tecnologia em cada faixa etariaA influência da Tecnologia em cada faixa etaria
A influência da Tecnologia em cada faixa etaria
Elaine Cecília Gatto
 
Inteligência Artificial Aplicada à Medicina
Inteligência Artificial Aplicada à MedicinaInteligência Artificial Aplicada à Medicina
Inteligência Artificial Aplicada à Medicina
Elaine Cecília Gatto
 
Além do Aprendizado Local e Global: Particionando o espaço de classes em prob...
Além do Aprendizado Local e Global: Particionando o espaço de classes em prob...Além do Aprendizado Local e Global: Particionando o espaço de classes em prob...
Além do Aprendizado Local e Global: Particionando o espaço de classes em prob...
Elaine Cecília Gatto
 
Apresentação da minha tese de doutorado no EPPC
Apresentação da minha tese de doutorado no EPPCApresentação da minha tese de doutorado no EPPC
Apresentação da minha tese de doutorado no EPPC
Elaine Cecília Gatto
 
entrevista r7.pdf
entrevista r7.pdfentrevista r7.pdf
entrevista r7.pdf
Elaine Cecília Gatto
 
Como a pesquisa científica impacta o mundo real.pptx
Como a pesquisa científica impacta o mundo real.pptxComo a pesquisa científica impacta o mundo real.pptx
Como a pesquisa científica impacta o mundo real.pptx
Elaine Cecília Gatto
 
Empoderamento Feminino
Empoderamento FemininoEmpoderamento Feminino
Empoderamento Feminino
Elaine Cecília Gatto
 
Explorando correlações entre rótulos para o particionamento do espaço de rótu...
Explorando correlações entre rótulos para o particionamento do espaço de rótu...Explorando correlações entre rótulos para o particionamento do espaço de rótu...
Explorando correlações entre rótulos para o particionamento do espaço de rótu...
Elaine Cecília Gatto
 
Community Detection for Multi-Label Classification - Seminários UFSCar
Community Detection for Multi-Label Classification - Seminários UFSCarCommunity Detection for Multi-Label Classification - Seminários UFSCar
Community Detection for Multi-Label Classification - Seminários UFSCar
Elaine Cecília Gatto
 
Classificação Multirrótulo: Aprendizado de Correlações
Classificação Multirrótulo: Aprendizado de CorrelaçõesClassificação Multirrótulo: Aprendizado de Correlações
Classificação Multirrótulo: Aprendizado de Correlações
Elaine Cecília Gatto
 
EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...
EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...
EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...
Elaine Cecília Gatto
 
Community Detection Method for Multi-Label Classification
Community Detection Method for Multi-Label ClassificationCommunity Detection Method for Multi-Label Classification
Community Detection Method for Multi-Label Classification
Elaine Cecília Gatto
 
Mulheres na Campus Party assumir o feminismo ou não – Blogueiras Feministas.pdf
Mulheres na Campus Party assumir o feminismo ou não – Blogueiras Feministas.pdfMulheres na Campus Party assumir o feminismo ou não – Blogueiras Feministas.pdf
Mulheres na Campus Party assumir o feminismo ou não – Blogueiras Feministas.pdf
Elaine Cecília Gatto
 
Curtinhas de sábado.pdf
Curtinhas de sábado.pdfCurtinhas de sábado.pdf
Curtinhas de sábado.pdf
Elaine Cecília Gatto
 
Explorando Correlações entre Rótulos usando Métodos de Detecção de Comu...
Explorando Correlações entre Rótulos usando Métodos de Detecção de Comu...Explorando Correlações entre Rótulos usando Métodos de Detecção de Comu...
Explorando Correlações entre Rótulos usando Métodos de Detecção de Comu...
Elaine Cecília Gatto
 
EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...
EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...
EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...
Elaine Cecília Gatto
 
Pipeline desdobramento escalonamento
Pipeline desdobramento escalonamentoPipeline desdobramento escalonamento
Pipeline desdobramento escalonamento
Elaine Cecília Gatto
 
Cheat sheet Mips 32 bits
Cheat sheet Mips 32 bitsCheat sheet Mips 32 bits
Cheat sheet Mips 32 bits
Elaine Cecília Gatto
 
Resumo das Instruções de Desvio Incondicionais MIPS 32 bits
Resumo das Instruções de Desvio Incondicionais MIPS 32 bitsResumo das Instruções de Desvio Incondicionais MIPS 32 bits
Resumo das Instruções de Desvio Incondicionais MIPS 32 bits
Elaine Cecília Gatto
 
Como descobrir e classificar coisas usando machine learning sem compilcação
Como descobrir e classificar coisas usando machine learning sem compilcaçãoComo descobrir e classificar coisas usando machine learning sem compilcação
Como descobrir e classificar coisas usando machine learning sem compilcação
Elaine Cecília Gatto
 

Mais de Elaine Cecília Gatto (20)

A influência da Tecnologia em cada faixa etaria
A influência da Tecnologia em cada faixa etariaA influência da Tecnologia em cada faixa etaria
A influência da Tecnologia em cada faixa etaria
 
Inteligência Artificial Aplicada à Medicina
Inteligência Artificial Aplicada à MedicinaInteligência Artificial Aplicada à Medicina
Inteligência Artificial Aplicada à Medicina
 
Além do Aprendizado Local e Global: Particionando o espaço de classes em prob...
Além do Aprendizado Local e Global: Particionando o espaço de classes em prob...Além do Aprendizado Local e Global: Particionando o espaço de classes em prob...
Além do Aprendizado Local e Global: Particionando o espaço de classes em prob...
 
Apresentação da minha tese de doutorado no EPPC
Apresentação da minha tese de doutorado no EPPCApresentação da minha tese de doutorado no EPPC
Apresentação da minha tese de doutorado no EPPC
 
entrevista r7.pdf
entrevista r7.pdfentrevista r7.pdf
entrevista r7.pdf
 
Como a pesquisa científica impacta o mundo real.pptx
Como a pesquisa científica impacta o mundo real.pptxComo a pesquisa científica impacta o mundo real.pptx
Como a pesquisa científica impacta o mundo real.pptx
 
Empoderamento Feminino
Empoderamento FemininoEmpoderamento Feminino
Empoderamento Feminino
 
Explorando correlações entre rótulos para o particionamento do espaço de rótu...
Explorando correlações entre rótulos para o particionamento do espaço de rótu...Explorando correlações entre rótulos para o particionamento do espaço de rótu...
Explorando correlações entre rótulos para o particionamento do espaço de rótu...
 
Community Detection for Multi-Label Classification - Seminários UFSCar
Community Detection for Multi-Label Classification - Seminários UFSCarCommunity Detection for Multi-Label Classification - Seminários UFSCar
Community Detection for Multi-Label Classification - Seminários UFSCar
 
Classificação Multirrótulo: Aprendizado de Correlações
Classificação Multirrótulo: Aprendizado de CorrelaçõesClassificação Multirrótulo: Aprendizado de Correlações
Classificação Multirrótulo: Aprendizado de Correlações
 
EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...
EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...
EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...
 
Community Detection Method for Multi-Label Classification
Community Detection Method for Multi-Label ClassificationCommunity Detection Method for Multi-Label Classification
Community Detection Method for Multi-Label Classification
 
Mulheres na Campus Party assumir o feminismo ou não – Blogueiras Feministas.pdf
Mulheres na Campus Party assumir o feminismo ou não – Blogueiras Feministas.pdfMulheres na Campus Party assumir o feminismo ou não – Blogueiras Feministas.pdf
Mulheres na Campus Party assumir o feminismo ou não – Blogueiras Feministas.pdf
 
Curtinhas de sábado.pdf
Curtinhas de sábado.pdfCurtinhas de sábado.pdf
Curtinhas de sábado.pdf
 
Explorando Correlações entre Rótulos usando Métodos de Detecção de Comu...
Explorando Correlações entre Rótulos usando Métodos de Detecção de Comu...Explorando Correlações entre Rótulos usando Métodos de Detecção de Comu...
Explorando Correlações entre Rótulos usando Métodos de Detecção de Comu...
 
EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...
EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...
EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...
 
Pipeline desdobramento escalonamento
Pipeline desdobramento escalonamentoPipeline desdobramento escalonamento
Pipeline desdobramento escalonamento
 
Cheat sheet Mips 32 bits
Cheat sheet Mips 32 bitsCheat sheet Mips 32 bits
Cheat sheet Mips 32 bits
 
Resumo das Instruções de Desvio Incondicionais MIPS 32 bits
Resumo das Instruções de Desvio Incondicionais MIPS 32 bitsResumo das Instruções de Desvio Incondicionais MIPS 32 bits
Resumo das Instruções de Desvio Incondicionais MIPS 32 bits
 
Como descobrir e classificar coisas usando machine learning sem compilcação
Como descobrir e classificar coisas usando machine learning sem compilcaçãoComo descobrir e classificar coisas usando machine learning sem compilcação
Como descobrir e classificar coisas usando machine learning sem compilcação
 

Último

O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdfO livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
dataprovider
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptxSlides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
ALEXANDRODECASTRODOS
 

Último (20)

O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdfO livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptxSlides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
 

Introdução à Linguagem C

  • 1. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C Profª Ms. Engª Elaine Cecília Gatto Curso de Bacharelado em Engenharia de Computação Universidade do Sagrado CoraçãO – USC Bauru/SP
  • 2. Grau de Abstração • Linguagens de programação de baixo nível: linguagem de máquina, por exemplo, Assembly. • Linguagens de programação de médio nível: conversão direta para código de máquina, por exemplo, C. • Linguagem de programação de alto nível: fácil para o ser humano e complexo para a máquina, por exemplo, Java. 2
  • 3. Paradigmas de Linguagens de Programação • Um paradigma de programação fornece e determina a visão que o programador possui sobre a estruturação e execução do programa. Os principais paradigmas de linguagens de programação são: • Linguagem Funcional: trata a computação como uma avaliação de funções matemáticas, por exemplo, LISP. • Programação Lógica: faz uso da lógica matemática, por exemplo, PROLOG. • Programação Imperativa: • Programação Estruturada: ou programação modular, por exemplo, PASCAL. • Orientação a Objetos: abstração de conceitos do mundo real, por exemplo, JAVA. 3
  • 4. Interpretação X Compilação • Um programa é uma forma de comunicação com o computador e, sabemos que, a única linguagem que o computador entende, é a linguagem de máquina. • Assim, todos os programas devem estar em linguagem de máquina e, para isso, eles devem ser traduzidos. A tradução tem duas categorias: interpretação e compilação. • A criação de um programa consiste na conversão do código fonte para códigos de linguagem de máquina. Esta “transformação” pode ocorrer antes ou durante a execução. • Caso ocorra antes da execução o processo é chamado de compilação – normalmente gera um arquivo executável. • Caso ocorra durante a execução o processo é chamado de interpretação – HTML é um bom exemplo de linguagem interpretada. 4
  • 5. Interpretação X Compilação • Um interpretador lê o código fonte do seu programa uma linha por vez, executando a instrução específica contida nessa linha.. • Um compilador lê o programa inteiro e converte-o em um código-objeto, que é uma tradução do código-fonte do programa em uma forma que o computador possa executar diretamente. • Um programa interpretado precisa do seu interpretador instalado na máquina em que será executado. • Um programa compilado é independente. 5
  • 6. História da Linguagem C • Criada por Dennis Ritchie, 1972, centro de pesquisas da Bell Laboratories; • 1ª utilização: reescrita do sistema operacional UNIX; • 1980: vários compiladores C disponíveis; • Linguagem imperativa de propósito geral; • Algumas características: • • • • Portabilidade; Geração de código eficiente; Simplicidade; Facilidade de uso; • Observação: C é case sensitive 6
  • 7. Estrutura do Programa /* Estrutura de um programa em C */ # include <arquivo_cabecalho.h> main ( ) { declaração de variáveis instrução_1; instrução_2; função_1(variáveis); instrução_3; } int função_1 (variáveis) { declaração de variáveis instrução_1; instrução_2; return (INT); } 7
  • 8. Tipos de dados em C • • • • • char – caractere int – inteiros float – reais double – flutuante void – função que não retorna valor 8
  • 9. Modificadores de tipos de dados • Modificadores são usados para alterar o significado de um tipo básico para adaptá-lo mais precisamente às necessidades de diversas situações. • Para Caractere e Inteiro: • • • • signed – com sinal unsigned – sem sinal long – longo short – curto • Para double: • long 9
  • 10. Todos os tipos de dados Tipo Bits Faixa char 8 - 127 a 127 unsigned char 8 0 a 255 signed char 8 -127 a 127 int 16 -32.767 a 32.767 unsigned int 16 0 a 65.535 signed int 16 -32.767 a 32.767 short int 16 -32.767 a 32.767 unsigned short int 16 0 a 65.535 signed short int 16 -32.767 a 32.767 long int 32 -2.147.483.647 a 2.147.483.647 signed long int 32 -2.147.483.647 a 2.147.483.647 unsigned long int 32 0 a 4.294.967.295 float 32 Seis dígitos de precisão double 64 Dez dígitos de precisão long double 80 Dez dígitos de precisão 10
  • 11. Identificadores • São nomes usados para se fazer referência a variáveis, funções, rótulos e outros objetos definidos pelo usuário; • int X; • int _X; • É diferente de: • int x; • int _x; • Dicas: • Um programa deve ser legível para outros programadores; • Escolher identificadores intuitivos, por exemplo, se uma variável deve armazenar uma soma, um identificador muito bom para ela será Soma. 11
  • 13. Variáveis • Variável é uma posição de memória cujo conteúdo pode ser modificado durante a execução de um programa. A referência a uma variável no programa é feita através do seu identificador. Os valores que podem ser nela armazenados dependem do seu tipo de dado. • Sintaxe: • tipo identificador; • int x; • int é o tipo e x é o identificador; 13
  • 14. Declaração e Inicialização de Variáveis • Declaração de variável: • int x; • Declaração e inicialização de variável: • int x = 3; • int y, x = 3; • int x=3, y; 14
  • 15. Constantes • Como uma variável, uma constante também é uma posição de memória à qual devem ser associados um identificador e um tipo de dado. • O que caracteriza uma constante é o fato de que o conteúdo de uma constante não pode ser modificado durante a execução do programa. • Este conteúdo é fixado quando da declaração da constante o que deve ser feito de acordo com a seguinte sintaxe: • const Tipo de Dado Identificador = Valor; 15
  • 16. Variáveis Locais • São aquelas declaradas dentro de uma função. Exemplo: #include <stdio.h> void funcao1(void); void funcao2(void); int main() { funcao1(); funcao2(); return 0; } void funcao1(void){ int i; i = 10; int j; j = 20; printf(" n %d, %d", i, j); } void funcao2(void){ int i; i = 10; int j; j = 20; printf(" n %d, %d", i, j); } 16
  • 17. Variáveis Locais Esta declaração está correta? #include <stdio.h> void funcao(void); int main() { funcao(); return 0; } void funcao(void){ int i; i = 10; int j; j = 20; printf(" n %d, %d", i, j); } 17
  • 18. Variáveis Locais Esta declaração está correta? #include <stdio.h> void funcao(void); int main() { funcao(); return 0; } void funcao(void){ int i; int j; i = 10; j = 20; printf(" n %d, %d", i, j); } 18
  • 19. Saída de dados • Utilizar a biblioteca stdio.h para entrar e sair com dados. • printf(“expressão de controle”, argumentos); • Exemplo: #include <stdio.h> int main() { printf(" n Este é o comando de saída de dados."); printf(" n Este é o número dois: %d.", 2); printf(" n %s está a %d milhões de milhas n do sol.", "Vênus", 67); printf(" n A letra %c ", 'j'); printf(" n Pronuncia-se %s.", "jota."); return 0; } 19
  • 20. Saída de dados • Tamanho de campos na impressão: • printf(“ n %2d ” , 350); • Para arredondamento: • printf(“ n %4.2f ” , 3456.78 ); • Para alinhamento: • printf(“ n %10.2f %10.2f %10.2f ”, 8.0, 15.3, 584.13); • Complemento de zeros a esquerda; • printf(“ n %04d ” , 21); • Impressão de caracteres: • printf(“ %d %c %x %o n ” , ‘A’, ‘A’, ‘A’, ‘A’); 20
  • 21. Exemplos #include <stdio.h> int main() { int num; num = 2; printf(" n Este é o número dois: %d", num); return 0; } 21
  • 22. Exemplos #include <stdio.h> int main() { int evento; char corrida; float tempo; evento = 5; corrida = 'c'; tempo = 27.25; printf(" n O tempo vitorioso na eliminatória %c", corrida); printf(" n da competicao %d foi %.2f.", evento, tempo); return 0; } 22
  • 23. Exemplos #include <stdio.h> int main() { unsigned int j=65000; int i=j; printf(" n %d %u n", i, j); return 0; } 23
  • 24. Exemplos #include <stdio.h> int main() { int reajuste = 10; printf(" n O reajuste foi de %d%%. n", reajuste); return 0; } 24
  • 25. Exemplos #include <stdio.h> int main() { printf(" n Os alunos são %2d. n", 350); printf(" n Os alunos são %4d. n", 350); printf(" n Os alunos são %6d. n", 350); return 0; } 25
  • 26. Código de formatação das funções de entrada e saída n Nova linha %c Caractere simples t Tab %d Decimal b Retrocesso %e Notação cientifica ” Aspas %f Ponto flutuante Barra %o Octal f Salta formulário %s Cadeia de caracteres 0 nulo %u Decimal sem sinal %x Hexadecimal 26
  • 27. Entrada de dados • Utilizar a biblioteca stdio.h para entrar e sair com dados. • scanf(“expressão de controle”, argumentos); • scanf(“ %_ ”, &); • Argumentos: deve consistir nos endereços das variáveis. A linguagem C oferece um operador para tipos básicos chamado operador de endereço e referenciado pelo símbolo & que retorna o endereço do operando. int num; scanf(“ %d ” , &num); 27
  • 28. Entrada de dados • Um endereço de memória é visto como um número inteiro sem sinal, por isso usamos %u; • A saída deste programa varia conforme a máquina e a memória do equipamento, um exemplo é: • Valor = 2 • Endereço = 1370 28
  • 29. Exemplos #include <stdio.h> int main() { float anos, dias; printf(" n Digite sua idade em anos: "); fflush(stdout); scanf("%f", &anos); dias = anos * 365; printf(" n Sua idade em dias é: %.0f ", dias); return 0; } 29
  • 30. Exemplos #include <stdio.h> int main() { char a; printf(" n Digite um caractere e veja-o em decimal, octal e hexadecimal: "); fflush(stdout); scanf("%c",&a); printf("n %c em decimal = %d, octal = %o e hexadecimal = %x n", a, a, a, a); return 0; } 30
  • 31. Mais Exemplos #include <stdio.h> int main() { printf("%4.2f n", 3456.78); printf("%3.2f n", 3456.78); printf("%3.1f n", 3456.78); printf("%10.3f n", 3456.78); return 0; } 31
  • 32. Ex. #include <stdio.h> int main() { printf("%.2f %2f %2f n", 8.0, 15.3, 584.13); printf("%.2f %2f %2f n", 834.0, 1500.55, 4890.21); return 0; } 32
  • 33. Ex. #include <stdio.h> int main() { printf("-%10.2f -%10.2f -%10.2f n", 8.0, 15.3, 584.13); printf("-%10.2f -%10.2f -%10.2f n", 834.0, 1500.55, 4890.21); return 0; } 33
  • 34. Operador de atribuição • O Operador de atribuição em C é o sinal de igual = • Ao contrário de outras linguagens, o operador de atribuição pode ser utilizado em expressões que também envolvem outros operadores. 34
  • 36. Expressões com operadores aritméticos x = x + k; x + = k; x = x – k; x - = k; x=x*k; x * = k; x = x / k; x / = k; x = x % k; x % = k; 36
  • 37. Ex. #include <stdio.h> int main() { int ftemp, ctemp; printf(" n Digite a temperatura em graus fahrenheit: "); fflush(stdout); scanf("%d", &ftemp); ctemp=(ftemp-32)*5/9; printf(" n Temperatura em graus celsius é: %d", ctemp); fflush(stdout); return 0; } 37
  • 38. Ex. #include <stdio.h> int main() { int ftemp; printf(" n Digite temperatura em graus fahrenheit: "); scanf("%d", &ftemp); printf(" n A temperatura em graus celsius é: %d", (ftemp-32)* 5/9); return 0; } 38
  • 39. Ex. #include <stdio.h> int main() { int x, r; printf(" n Digite um número com até 4 algarismos n"); fflush(stdout); scanf("%d", &x); r = 19998 + x; printf(" n O resultado da nossa conta será: %d n", r); fflush(stdout); printf(" n Digite o segundo número (4 algarismos) n"); fflush(stdout); scanf("%d", &x); printf(" n O meu número é: %d n", 9999-x); fflush(stdout); printf(" n O digite o quarto número (4 algarismos) n"); fflush(stdout); scanf("%d", &x); printf(" n O meu número é %d n", 9999-x); fflush(stdout); return 0; } 39
  • 40. Operadores relacionais > Maior que < Menor que >= Maior ou igual que <= Menor ou igual que == Igual != Diferente 40
  • 41. Expressões com Operadores relacionais • x>y • Suponha x = 5 e y = 3. • 5 > 3 (5 é maior que 3? Sim, verdade) • Suponha x = 3 e y = 5. • 3 > 5 (3 é maior que 5? Não, falso) • x<y • Suponha x = 5 e y = 3. • 5 < 3 (5 é menor que 3? Não, Falso) • Suponha x = 3 e y = 5. • 3 < 5 (3 é menor que 5? Sim, verdadeiro) 41
  • 42. Ex. #include <stdio.h> int main() { int verdadeiro, falso; verdadeiro = (15<20); falso = (15 == 20); printf("verdadeiro = %d, falso = %d n", verdadeiro, falso); return 0; } 42
  • 43. Ex. #include <stdio.h> int main() { int veloc; printf(" n 1 = sim; 0 = não n "); veloc = 75; printf("n A velocidade é igual a 55? %d", veloc==55); veloc = 55; printf("n A velocidade é igual a 55? %d", veloc==55); return 0; } 43
  • 44. Operadores lógicos Tabela and – e && And – e 1 1 1 || Or – ou 1 0 0 ! Not – não 0 1 0 0 0 0 Tabela or - ou Tabela not – nao 1 0 0 1 1 1 1 1 0 1 0 1 1 0 0 0 44
  • 45. Operadores bit a bit & And Tabela verdade E | Or Tabela verdade OU ^ Or exclusive Tabela OU exclusivo ~ Complemento de um (inverso) >> Deslocamento à esquerda << Deslocamento à direita Operadores bit a bit referem-se a testar, atribuir ou deslocar os bit efeitvos em um byte ou em uma palavra, que correspondem aos tipos de dados char e int e suas variantes. 45
  • 46. Operador unário • É usado somente para indicar troca de sinal algébrico do valor. Pode também multiplicar o valor do operando por -1. • Exemplo: • num = -10; • num = - num; 46
  • 47. Operador ternário ? • Expressão1 ? Expressão2 : Expressão3; • • • • Y = x>9 ? 100 : 200; Y recebe o valor 100 Se x for menor que 9, y recebe o valor 200 O operador ternário funciona da seguinte forma: • a expressão1 é avaliada, se ela for verdadeira, então a expressão2 é avaliada e se torna o valor da expressão; caso contrário a expressão3 é avaliada e torna-se o valor da expressão. 47
  • 48. Incremento ++ e decremento -• • • • ++ soma 1 ao seu operando -- subtrai um ao seu operando x = x + 1 é igual a ++x; x= x – 1 é igual a - - x; • Exemplo: • x = 10; • x = ++x; primeiro incrementa x depois usa o valor incrementado • x = x++; primeiro usa o valor de x e depois o incrementa • Em ambos os casos y receberá 11, entretanto a diferença está em quando isso acontece 48
  • 49. Prioridade/precedência Mais alta ( ) [ ] -> ! ~ ++ -- - * & sizeof */% +<< >> < <= > >= == != & ^ ! && !! ?: = += -= *= /= Mais baixa . 49
  • 50. Ex. #include <stdio.h> int main() { char c; unsigned char uc; int i; unsigned int ui; float f; double d; printf(" n char: %d",sizeof(c)); printf(" n unsigned char: %d",sizeof(uc)); printf(" n int: %d",sizeof(i)); printf(" n unsigned int: %d",sizeof(ui)); printf(" n float: %d",sizeof(f)); printf(" n double: %d",sizeof(d)); return 0; } 50
  • 51. Ex. #include <stdio.h> int main() { int x,y; x=10; y=3; printf(" Quociente de x/y = %dn",x/y); printf(" Resto de x/y = %dn",x%y); return 0; } 51
  • 52. Ex. #include <stdio.h> int main() { int x=2, y=3, produto; if ((produto=x*y)>0) printf("x*y é maior que zero. O produto de x*y é %d", produto); return 0; } 52
  • 53. Ex. #include <stdio.h> int main() { int i,j; printf(" n Digite dois números: "); fflush(stdout); scanf("%d%d",&i,&j); printf(" n %d == %d é %dn ",i,j,i==j); printf(" %d != %d é %dn ",i,j,i!=j); printf(" %d <= %d é %dn ",i,j,i<=j); printf(" %d >= %d é %dn ",i,j,i>=j); printf(" %d < %d é %dn ",i,j,i< j); printf(" %d > %d é %dn ",i,j,i> j); return 0; } 53
  • 54. Ex. #include <stdio.h> int main() { int i=1; printf(" n %d/3 é: %2.2f ",i,(float) i/3); return 0; } 54
  • 55. Ex. #include <stdio.h> int main() { int x=0; printf(" n x= %d n",x++); printf(" n x= %d n",x); printf(" n x= %d n",++x); printf(" n x= %d n",x); return 0; } 55
  • 56. Ex. #include <stdio.h> int main() { float a, b, c; printf(" n Digite três números não inteiros"); fflush(stdout); scanf("%f %f %f", &a, &b, &c); printf(" n A media dos números %2.2f, %2.2f e %2.2f é igual a %2.2f ", a, b, c, (a + b + c)/3); fflush(stdout); return 0; } 56
  • 57. Ex. /* Objetivo: inverte um número * com dois algarismos */ #include <stdio.h> int main() { int Num, Unidades, Dezenas, Invertido; printf(" n Digite um inteiro com dois algarismos"); fflush(stdout); scanf("%d", &Num); Unidades = Num % 10; Dezenas = Num/10; Invertido = Unidades * 10 + Dezenas; printf(" n O número invertido de %d é %d ", Num, Invertido); return 0; } 57
  • 58. Ex. /* * Objetivo: Determinar o número * de múltiplos de um inteiro k * situados entre dois inteiros x e y */ #include <stdio.h> int main() { int x, y, a, k, NumMultiplos = 0; printf(" n Digite os números inteiros x e y (y > x)"); fflush(stdout); scanf("%d %d", &y, &x); a = y - 1; printf(" n Digite o inteiro k n"); fflush(stdout); scanf("%d", &k); NumMultiplos = (a - a % k - x + x % k)/k; printf(" n O número de múltiplos de %d compreendidos entre %d e %d é %d n", k, x, y, NumMultiplos); return 0; } 58
  • 59. Ex. /* Aula.c * Objetivo: Fornecer a parte * fracionária de um numero * dado */ #include <stdio.h> int main() { float Num, Frac; int Inteiro; puts(" n Digite um numero n "); fflush(stdout); scanf("%f", &Num); Inteiro = Num; Frac = Num - Inteiro; printf(" n A parte fracionaria de %f e' %f ", Num, Frac); return 0; } 59