SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
Célio Alan Kardec de Oliveira Belo Horizonte,  Julho de 2010 VISÃO PROGRAMÁTICA PARA A ORGANIZAÇÃO SOCIAL CRISTA ANDRÉ LUIZ – OSCAL
MISSÃO DA OSCAL   MOVIMENTO  DA  FRATERNIDADE Afeto Saúde  Visitação Luz Pão
MISSÃO DA OSCAL   JESUS, TEMPLO VIVO EM NOSSOS CORAÇÕES
JUSTIFICATIVA   À OSCAL, como entidade representativa dos Grupos da Fraternidade Espírita e da Cidade da Fraternidade, comunidade Espírita Cristã, cabe o inadiável dever de materializar os objetivos e ideais do Movimento da Fraternidade, consagrados no seu estatuto social .
PERÍODO Gestão entre 2010 a 2013 para os fraternistas envolvidos na administração e vivência da filosofia da OSCAL, expressos nos ideais do Movimento da Fraternidade.
FINALIDADE Gestão entre 2010 a 2013 para os fraternistas envolvidos na administração e vivência da filosofia da OSCAL, expressos nos ideais do Movimento da Fraternidade.
MISSÃO DA OSCAL U nir criaturas conscientes que, sob a égide de Jesus Cristo, se propõem a espalhar, à luz da Doutrina Espírita, a verdade do Evangelho e a praticá-la junto aos irmãos em humanidade, levando à criança desamparada o calor paternal e ao doente ou carenciado a visitação, o remédio, a veste, a água e o pão. Divulgar e implementar  o PTP – Programa de Trabalho Permanente da OSCAL
ROTEIRO CRISTÃO Priorizar, em todos os campos de trabalho, o estabelecimento de relações de apreço e fraternais. A tônica do Movimento da Fraternidade é o cultivo de vivências legitimamente cristãs.
ROTEIRO CRISTÃO Seguir a filosofia do Movimento da Fraternidade - MOFRA, contida no Estatuto Social da OSCAL:  “Os objetivos do MOFRA são a evangelização, a espiritualização e o aprimoramento do Espírito em evolução, encarnado e desencarnado”.  E no que se refere a Assistência Social Espírita prevalece a assertiva contida no Estatuto Social da OSCAL: “ Fazer com que a assistência social e filantrópica seja praticada sempre que possível com recursos próprios, a partir dos lares dos fraternistas.
Coordenação Geral   Orientar os GFE a redimensionarem seus quadros de pessoal remunerado, reduzindo despesas e a necessidade de realizarem excessivos eventos para complementação de recursos financeiros a fim de cobrir as demandas de manutenção das atividades, sobremodo as de assistência social. Empreender esforços para que a questão monetária não seja causadora de sofrimento e para tanto a sustentação das atividades haverão de ter menos dependência dos meios externos, inclusive de convênios.
Coordenação Geral   Imprimir à OSCAL menor dimensão sob o ponto de vista administrativo, para prevalência dos aspectos de natureza evangélica e doutrinária e torná-la mais itinerante com presença nos Encontros Fraternos Regionais, na COMEMOFRA, nas Caravanas, nos GFE, e inclusive criando sub secretaria em Belo Horizonte, na CEAL.
Coordenação Geral   Finalizar entendimentos com o INCRA acerca das terras/gleba da CIFRATER na condição de membro do Assentamento Silvio Rodrigues e investir em relações de solidariedade e amizade com as famílias assentadas, por meio de projeto de Assistência Social Espírita que envolvam os GFE.
Coordenação das Regiões Fraternas Contatar e visitar os Grupos da Fraternidade Espírita que estão ausentes, sobretudo se o motivo determinante foi desestímulo ou distanciamento das unidades de administração da OSCAL. Essa atividade deve ser realizada pelos componentes do CAD/OSCAL, englobando aí os Grupos Coordenadores Regionais.
Coordenação das Regiões Fraternas Criar a campanha “ Amigos da Cidade da Fraternidade”  a partir de amplo cadastro de fraternistas para esses desenvolverem diversas ações planejadas na comunidade por meio de sistema a ser definido.
Coordenação das Regiões Fraternas Instituir o Conselho das Regiões Fraternas de modo a cada Região Fraterna ter o seu conselho, em sistema colegiado, abrigando unidades no mesmo formato dos colegiados dos Grupos da Fraternidade Espírita, tais como EDU, ASE, MED e FRA. Estes conselhos atuarão regionalmente para assistirem e orientarem os GFE, bem como programarem e coordenarem eventos, tudo em sintonia com a Coordenação das Regiões Fraternas.
Coordenação das Regiões Fraternas Estimular a cada GFE criar Reunião de Confraternização dos Trabalhadores, com periodicidade mensal, constando ela de atividades lítero-musicais e de um momento real de confraternização entre os tarefeiros.
Coordenação das Regiões Fraternas Redimensionar as Regiões Fraternas limitando-as a dez (10) e suprimindo a 9ª Região Fraterna qual seja a dos Grupos da Espanha que aderiram afetivamente aos ideais do MOFRA. A 12ª Região Fraterna passaria a ser a 9ª R.F. e a 13ª seria absorvida pela 3ª Região Fraterna.
Coordenação das Regiões Fraternas Sistematização de Caravanas à CIFRATER, com periodicidade regular, por meio das Regiões fraternas (1ª; 2ª e 3ª; 4ª, 9ª e 11ª; 5ª; 6ª e 10ª, 7ª, 8ª),  e criação do embrião de micro caravanas tendo em vista a realização de efetiva cooperação dos fraternistas com a CIFRATER.
Coordenação de Ação Espírita Dar ênfase especial para os GFE priorizarem as atividades de visitação fraterna ou visitação aos enfermos, ampliando as equipes existentes, sob a chancela da Coordenação da Assistência Social Espírita. Esta tarefa é o carro chefe da assistência social espírita, na visão do MOFRA.
Coordenação da Ação Espírita Integrar educadores, pedagogos e psicólogos, de larga experiência, com os profissionais do Educandário Humberto de Campos, enriquecendo os valores da instrução, da ética e da moral, com benefícios diretos para os educandos e com reflexos direto na comunidade.
Coordenação de Ação Espírita Recadastrar o quadro de expositores e oradores espíritas vinculados aos GFE. Os critérios para o recadastramento levarão em conta as seguintes premissas: “conhecimentos sólidos da Doutrina Espírita, no seu tríplice aspecto; esforço para vivência do Evangelho de Jesus; domínio da comunicação e compromisso com uma Casa Espírita e com a Causa do Cristo” (Joseph Gleber). É preciso incentivar o intercâmbio de oradores e expositores no meio dos agrupamentos fraternistas.
Coordenação de Ação Espírita Incitar cada GFE, na medida do amadurecimento das suas atividades mediúnicas, a criar Reunião Mediúnica de Orientação Espiritual, para atender parte daqueles que procuram o Atendimento Fraterno bem como demandas internas dos grupos de tarefeiros.
Coordenação de Ação Espírita Incentivar os Grupos da Fraternidade Espírita participarem das atividades do Movimento Espírita Institucional, contribuindo para a união dos espíritas e o trabalho da unificação, sem prejuízos para as ações do MOFRA.
Coordenação de Ação Espírita Revisar e reeditar o livro “Orientação aos Grupos da Fraternidade Espírita – Regimentos Internos”, publicados pela OSCAL, com o intuito de nortear as atividades dos GFE.
Coordenação de Ação Espírita   Incentivar, sobremodo aos Grupos da Fraternidade Espírita, localizados em cidades de médio e grande porte, quanto a  implementação dos Ciclos de Estudos sobre Evangelho, Filosofia Espírita e Mediunidade, adotados pela OSCAL e que atende ao 2º ponto do Programa de Trabalho Permanente - PTP, atividade esta já testada e bem sucedida em vários agrupamentos espíritas.
Coordenação de Ação Espírita Estender o conceito de Cidade da Fraternidade para os Grupos da Fraternidade Espírita de maneira que cada agrupamento tenha pelo menos um lar de fraternista convertido em família para acolhimento de criança em situação de vulnerabilidade social.
Coordenação de Ação Espírita Publicar o Hinário do Movimento da Fraternidade, contendo letras e cifras.
Coordenação de Ação Espírita Revisar e reeditar o livro Movimento da Fraternidade, incorporando elementos de recente pesquisa elaborada pela Coordenação de Assuntos Oscalinos – gestão 2008/2010.
Coordenação de Ação Espírita Promover encontros, seminários e palestras específicas voltadas para capacitação, reflexão e avaliação visando a construção de consensos e parcerias dentro do MOFRA, em torno dos princípios norteadores da ASE e do conceito “Cidade da Fraternidade”.
Coordenação da CIFRATER Rever o Projeto Rosa da Esperança adequando-o à visão filosófica do Movimento da Fraternidade e empreendendo ações planejadas para sua implementação na CIFRATER.
Coordenação da CIFRATER Dialogar com a Secretaria Estadual de Educação e Prefeitura Municipal de Alto Paraíso - Goiás, visando otimizar a parceria na condução do Educandário Humberto de Campos, sem prejuízo da referida escola vivenciar a filosofia do MOFRA, em especial no que tange ao ensino moral ao bem dos alunos.
Coordenação da CIFRATER Formatar projetos de culturas e horticulturas apropriadas à vocação das terras da CIFRATER, sob a orientação de técnicos especializados disponíveis no meio dos GFE.
Coordenação da CIFRATER   Investir na melhoria da infra estrutura e conservação das edificações da CIFRATER, proporcionando condições favoráveis de vida e sobrevivência.
Coordenação da CIFRATER Resgatar a proposta pioneira do Movimento da Fraternidade, de atenção à criança em situação de vulnerabilidade social, a partir dos lares dos comunitários, através de projetos específicos.
Coordenação da CIFRATER Preparar comunitários para receber nos seus lares crianças em situação de vulnerabilidade social e/ou encaminhadas pelo Conselho Tutelar.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Organização Missionária no Brasil
Organização Missionária no Brasil Organização Missionária no Brasil
Organização Missionária no Brasil Bernadetecebs .
 
Sucessão Pastoral
Sucessão PastoralSucessão Pastoral
Sucessão PastoralFabinho Lima
 
Formação - Conselho Pastoral Paroquial
Formação - Conselho Pastoral ParoquialFormação - Conselho Pastoral Paroquial
Formação - Conselho Pastoral Paroquialeusouaimaculada
 
Fundamentos cpac
Fundamentos cpacFundamentos cpac
Fundamentos cpacbabins
 
Visão corporativa d.n.m informações
Visão corporativa   d.n.m informaçõesVisão corporativa   d.n.m informações
Visão corporativa d.n.m informaçõesigrejadedeus
 
Desenvolvimento sócio econômico, uma perspectiva bahá'í
Desenvolvimento sócio econômico, uma perspectiva bahá'íDesenvolvimento sócio econômico, uma perspectiva bahá'í
Desenvolvimento sócio econômico, uma perspectiva bahá'íMauricio Gonçalves
 
Dúvidas frequentes da Pastoral de Juventude
Dúvidas frequentes da Pastoral de Juventude Dúvidas frequentes da Pastoral de Juventude
Dúvidas frequentes da Pastoral de Juventude Pejota2015
 
PROJETO CNBB - ADCE
PROJETO CNBB - ADCEPROJETO CNBB - ADCE
PROJETO CNBB - ADCEAdce Perfil
 
QUESTIONÁRIO SÍNODO DOS BISPOS 2023, PROF. PAULO DAVID, MISSIONÁRIO LEIGO
QUESTIONÁRIO SÍNODO DOS BISPOS 2023, PROF. PAULO DAVID, MISSIONÁRIO LEIGOQUESTIONÁRIO SÍNODO DOS BISPOS 2023, PROF. PAULO DAVID, MISSIONÁRIO LEIGO
QUESTIONÁRIO SÍNODO DOS BISPOS 2023, PROF. PAULO DAVID, MISSIONÁRIO LEIGOPaulo David
 
Plano diretor versao 3.1
Plano diretor versao 3.1Plano diretor versao 3.1
Plano diretor versao 3.1SEDU
 

Mais procurados (10)

Organização Missionária no Brasil
Organização Missionária no Brasil Organização Missionária no Brasil
Organização Missionária no Brasil
 
Sucessão Pastoral
Sucessão PastoralSucessão Pastoral
Sucessão Pastoral
 
Formação - Conselho Pastoral Paroquial
Formação - Conselho Pastoral ParoquialFormação - Conselho Pastoral Paroquial
Formação - Conselho Pastoral Paroquial
 
Fundamentos cpac
Fundamentos cpacFundamentos cpac
Fundamentos cpac
 
Visão corporativa d.n.m informações
Visão corporativa   d.n.m informaçõesVisão corporativa   d.n.m informações
Visão corporativa d.n.m informações
 
Desenvolvimento sócio econômico, uma perspectiva bahá'í
Desenvolvimento sócio econômico, uma perspectiva bahá'íDesenvolvimento sócio econômico, uma perspectiva bahá'í
Desenvolvimento sócio econômico, uma perspectiva bahá'í
 
Dúvidas frequentes da Pastoral de Juventude
Dúvidas frequentes da Pastoral de Juventude Dúvidas frequentes da Pastoral de Juventude
Dúvidas frequentes da Pastoral de Juventude
 
PROJETO CNBB - ADCE
PROJETO CNBB - ADCEPROJETO CNBB - ADCE
PROJETO CNBB - ADCE
 
QUESTIONÁRIO SÍNODO DOS BISPOS 2023, PROF. PAULO DAVID, MISSIONÁRIO LEIGO
QUESTIONÁRIO SÍNODO DOS BISPOS 2023, PROF. PAULO DAVID, MISSIONÁRIO LEIGOQUESTIONÁRIO SÍNODO DOS BISPOS 2023, PROF. PAULO DAVID, MISSIONÁRIO LEIGO
QUESTIONÁRIO SÍNODO DOS BISPOS 2023, PROF. PAULO DAVID, MISSIONÁRIO LEIGO
 
Plano diretor versao 3.1
Plano diretor versao 3.1Plano diretor versao 3.1
Plano diretor versao 3.1
 

Destaque

Presentacion. PracticacursoCarlosA.
Presentacion. PracticacursoCarlosA.Presentacion. PracticacursoCarlosA.
Presentacion. PracticacursoCarlosA.Buzoalegre
 
Alunas: Caroline Segall e Gabriela Rovani
 Alunas: Caroline Segall e Gabriela Rovani  Alunas: Caroline Segall e Gabriela Rovani
Alunas: Caroline Segall e Gabriela Rovani Carol Segall
 
Orienta curriculares expectativasaprendizagem_ensfnd_cicloi (1)
Orienta curriculares expectativasaprendizagem_ensfnd_cicloi (1)Orienta curriculares expectativasaprendizagem_ensfnd_cicloi (1)
Orienta curriculares expectativasaprendizagem_ensfnd_cicloi (1)010214
 
Codigo de infancia 1.1
Codigo de infancia 1.1Codigo de infancia 1.1
Codigo de infancia 1.1nanyandrea
 
Exercícios realismo-naturalismo
Exercícios realismo-naturalismoExercícios realismo-naturalismo
Exercícios realismo-naturalismoAndriane Cursino
 
Fundamentos sociologicos da educação
Fundamentos sociologicos da educaçãoFundamentos sociologicos da educação
Fundamentos sociologicos da educaçãoceliferreira
 
Receitas Para Hipertensos
Receitas Para HipertensosReceitas Para Hipertensos
Receitas Para HipertensosClaudia Cozinha
 
Apostila cozinha domestica
Apostila cozinha domesticaApostila cozinha domestica
Apostila cozinha domesticaPaula Mello
 
Innovación pública: cambiar para crear más valor público
Innovación pública: cambiar para crear más valor públicoInnovación pública: cambiar para crear más valor público
Innovación pública: cambiar para crear más valor públicoAlberto Ortiz de Zarate
 
Byggopp presentasjon flash 2
Byggopp presentasjon flash 2Byggopp presentasjon flash 2
Byggopp presentasjon flash 2fredrikklock
 
Tema 11º el arte barroco pintura española
Tema 11º el arte barroco pintura española Tema 11º el arte barroco pintura española
Tema 11º el arte barroco pintura española Francisco Bermejo
 

Destaque (20)

Matematica tercer ano
Matematica tercer anoMatematica tercer ano
Matematica tercer ano
 
Presentacion. PracticacursoCarlosA.
Presentacion. PracticacursoCarlosA.Presentacion. PracticacursoCarlosA.
Presentacion. PracticacursoCarlosA.
 
Apre Apcc
Apre ApccApre Apcc
Apre Apcc
 
Alunas: Caroline Segall e Gabriela Rovani
 Alunas: Caroline Segall e Gabriela Rovani  Alunas: Caroline Segall e Gabriela Rovani
Alunas: Caroline Segall e Gabriela Rovani
 
Banksy
BanksyBanksy
Banksy
 
Trabajodetecnologias 111126214944-phpapp01
Trabajodetecnologias 111126214944-phpapp01Trabajodetecnologias 111126214944-phpapp01
Trabajodetecnologias 111126214944-phpapp01
 
Orienta curriculares expectativasaprendizagem_ensfnd_cicloi (1)
Orienta curriculares expectativasaprendizagem_ensfnd_cicloi (1)Orienta curriculares expectativasaprendizagem_ensfnd_cicloi (1)
Orienta curriculares expectativasaprendizagem_ensfnd_cicloi (1)
 
Bahrain report
Bahrain reportBahrain report
Bahrain report
 
Codigo de infancia 1.1
Codigo de infancia 1.1Codigo de infancia 1.1
Codigo de infancia 1.1
 
Exercícios realismo-naturalismo
Exercícios realismo-naturalismoExercícios realismo-naturalismo
Exercícios realismo-naturalismo
 
Os biomas brasileiros
Os biomas brasileirosOs biomas brasileiros
Os biomas brasileiros
 
Fundamentos sociologicos da educação
Fundamentos sociologicos da educaçãoFundamentos sociologicos da educação
Fundamentos sociologicos da educação
 
Receitas Para Hipertensos
Receitas Para HipertensosReceitas Para Hipertensos
Receitas Para Hipertensos
 
Apostila cozinha domestica
Apostila cozinha domesticaApostila cozinha domestica
Apostila cozinha domestica
 
El Exito
El ExitoEl Exito
El Exito
 
Urbanização e problemas urbanos
Urbanização e problemas urbanosUrbanização e problemas urbanos
Urbanização e problemas urbanos
 
Aircraft inspections
Aircraft inspectionsAircraft inspections
Aircraft inspections
 
Innovación pública: cambiar para crear más valor público
Innovación pública: cambiar para crear más valor públicoInnovación pública: cambiar para crear más valor público
Innovación pública: cambiar para crear más valor público
 
Byggopp presentasjon flash 2
Byggopp presentasjon flash 2Byggopp presentasjon flash 2
Byggopp presentasjon flash 2
 
Tema 11º el arte barroco pintura española
Tema 11º el arte barroco pintura española Tema 11º el arte barroco pintura española
Tema 11º el arte barroco pintura española
 

Semelhante a Oscal visao programatica

Diretrizes para-ações-da-juventude-espírita-do-brasil-fev.2014
Diretrizes para-ações-da-juventude-espírita-do-brasil-fev.2014Diretrizes para-ações-da-juventude-espírita-do-brasil-fev.2014
Diretrizes para-ações-da-juventude-espírita-do-brasil-fev.2014dijfergs
 
Organizando o dij da casa espírita
Organizando o dij da casa espíritaOrganizando o dij da casa espírita
Organizando o dij da casa espíritaDaniane Bornea Friedl
 
rcc_ebook_01-alterado2_1.pdf
rcc_ebook_01-alterado2_1.pdfrcc_ebook_01-alterado2_1.pdf
rcc_ebook_01-alterado2_1.pdfJulioCesarXNayara
 
Plano de Ação Pastoral - aula e exemplo
Plano de Ação Pastoral - aula e exemploPlano de Ação Pastoral - aula e exemplo
Plano de Ação Pastoral - aula e exemploPaulo Dias Nogueira
 
Fraternidades
FraternidadesFraternidades
FraternidadesPercilia
 
HISTÓRIA DAS CAMPANHAS DA FRATERNIDADE
HISTÓRIA DAS CAMPANHAS DA FRATERNIDADEHISTÓRIA DAS CAMPANHAS DA FRATERNIDADE
HISTÓRIA DAS CAMPANHAS DA FRATERNIDADEBernadetecebs .
 
Implantação do dij na casa espirita
Implantação do dij na casa espiritaImplantação do dij na casa espirita
Implantação do dij na casa espiritaAlice Lirio
 
09082011112513CAMPANHA_DA_FRATERNIDADE_CNBB.PPT
09082011112513CAMPANHA_DA_FRATERNIDADE_CNBB.PPT09082011112513CAMPANHA_DA_FRATERNIDADE_CNBB.PPT
09082011112513CAMPANHA_DA_FRATERNIDADE_CNBB.PPTJoaciFernandes1
 
Manual de Comunicação Social Espirita
Manual de Comunicação Social EspiritaManual de Comunicação Social Espirita
Manual de Comunicação Social EspiritaUSE Jabaquara
 
Conheça a Secretaria Estadual de Missões da IEQ Ceará em 2015.1
Conheça a Secretaria Estadual de Missões da IEQ Ceará em 2015.1Conheça a Secretaria Estadual de Missões da IEQ Ceará em 2015.1
Conheça a Secretaria Estadual de Missões da IEQ Ceará em 2015.1Comando Resgatai
 

Semelhante a Oscal visao programatica (20)

Estatuto Padrão dos GFE
Estatuto Padrão dos GFEEstatuto Padrão dos GFE
Estatuto Padrão dos GFE
 
Amtb catalogo (1)
Amtb catalogo (1)Amtb catalogo (1)
Amtb catalogo (1)
 
Projetos SemCe 2023
Projetos SemCe 2023Projetos SemCe 2023
Projetos SemCe 2023
 
Diretrizes para-ações-da-juventude-espírita-do-brasil-fev.2014
Diretrizes para-ações-da-juventude-espírita-do-brasil-fev.2014Diretrizes para-ações-da-juventude-espírita-do-brasil-fev.2014
Diretrizes para-ações-da-juventude-espírita-do-brasil-fev.2014
 
mpc vila velha
mpc vila velhampc vila velha
mpc vila velha
 
mpc vila velha
mpc vila velhampc vila velha
mpc vila velha
 
Organizando o dij da casa espírita
Organizando o dij da casa espíritaOrganizando o dij da casa espírita
Organizando o dij da casa espírita
 
rcc_ebook_01-alterado2_1.pdf
rcc_ebook_01-alterado2_1.pdfrcc_ebook_01-alterado2_1.pdf
rcc_ebook_01-alterado2_1.pdf
 
Plano de Ação Pastoral - aula e exemplo
Plano de Ação Pastoral - aula e exemploPlano de Ação Pastoral - aula e exemplo
Plano de Ação Pastoral - aula e exemplo
 
Fraternidades
FraternidadesFraternidades
Fraternidades
 
HISTÓRIA DAS CAMPANHAS DA FRATERNIDADE
HISTÓRIA DAS CAMPANHAS DA FRATERNIDADEHISTÓRIA DAS CAMPANHAS DA FRATERNIDADE
HISTÓRIA DAS CAMPANHAS DA FRATERNIDADE
 
Esde recomendado pela mais alta espiritualidade
Esde   recomendado pela mais alta espiritualidadeEsde   recomendado pela mais alta espiritualidade
Esde recomendado pela mais alta espiritualidade
 
Jornal A Voz Espírita - Edição Maio/Junho de 2015 Nº 31
Jornal A Voz Espírita - Edição Maio/Junho de 2015 Nº 31Jornal A Voz Espírita - Edição Maio/Junho de 2015 Nº 31
Jornal A Voz Espírita - Edição Maio/Junho de 2015 Nº 31
 
Implantação do dij na casa espirita
Implantação do dij na casa espiritaImplantação do dij na casa espirita
Implantação do dij na casa espirita
 
09082011112513CAMPANHA_DA_FRATERNIDADE_CNBB.PPT
09082011112513CAMPANHA_DA_FRATERNIDADE_CNBB.PPT09082011112513CAMPANHA_DA_FRATERNIDADE_CNBB.PPT
09082011112513CAMPANHA_DA_FRATERNIDADE_CNBB.PPT
 
Manual de Comunicação Social Espirita
Manual de Comunicação Social EspiritaManual de Comunicação Social Espirita
Manual de Comunicação Social Espirita
 
Sav
SavSav
Sav
 
Conheça a Secretaria Estadual de Missões da IEQ Ceará em 2015.1
Conheça a Secretaria Estadual de Missões da IEQ Ceará em 2015.1Conheça a Secretaria Estadual de Missões da IEQ Ceará em 2015.1
Conheça a Secretaria Estadual de Missões da IEQ Ceará em 2015.1
 
Jornal A Voz Espírita de
Jornal A Voz Espírita de Jornal A Voz Espírita de
Jornal A Voz Espírita de
 
Boletim A Voz Espírita - Edição Janeiro/Fevereiro de 2015.
Boletim A Voz Espírita - Edição Janeiro/Fevereiro de 2015.Boletim A Voz Espírita - Edição Janeiro/Fevereiro de 2015.
Boletim A Voz Espírita - Edição Janeiro/Fevereiro de 2015.
 

Mais de Movimento da Fraternidade

Projeto de Reforma dos Banheiros do Educandário Humberto de Campos
Projeto de Reforma dos Banheiros do Educandário Humberto de CamposProjeto de Reforma dos Banheiros do Educandário Humberto de Campos
Projeto de Reforma dos Banheiros do Educandário Humberto de CamposMovimento da Fraternidade
 
Roteiro para Introdução à Doutrina Espírita
Roteiro para Introdução à Doutrina EspíritaRoteiro para Introdução à Doutrina Espírita
Roteiro para Introdução à Doutrina EspíritaMovimento da Fraternidade
 
Roteiro para Estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo
Roteiro para Estudo do Evangelho Segundo o EspiritismoRoteiro para Estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo
Roteiro para Estudo do Evangelho Segundo o EspiritismoMovimento da Fraternidade
 

Mais de Movimento da Fraternidade (20)

Prestação de contas abr a jun 2015
Prestação de contas abr a jun 2015 Prestação de contas abr a jun 2015
Prestação de contas abr a jun 2015
 
Balancete junho 2015
Balancete junho 2015Balancete junho 2015
Balancete junho 2015
 
Balancete maio 2015
Balancete maio 2015Balancete maio 2015
Balancete maio 2015
 
Balancete abril 2015
Balancete abril 2015Balancete abril 2015
Balancete abril 2015
 
Balancete março 2015
Balancete março 2015Balancete março 2015
Balancete março 2015
 
Prestação de contas OSCAL jan a mar 2015
Prestação de contas OSCAL  jan a mar 2015Prestação de contas OSCAL  jan a mar 2015
Prestação de contas OSCAL jan a mar 2015
 
Prestação de contas OSCAL out a dez 2014
Prestação de contas OSCAL out a dez 2014 Prestação de contas OSCAL out a dez 2014
Prestação de contas OSCAL out a dez 2014
 
Prestação de contas out a dez 2014 oscal
Prestação de contas out a dez 2014 oscalPrestação de contas out a dez 2014 oscal
Prestação de contas out a dez 2014 oscal
 
Projeto de Reforma dos Banheiros do Educandário Humberto de Campos
Projeto de Reforma dos Banheiros do Educandário Humberto de CamposProjeto de Reforma dos Banheiros do Educandário Humberto de Campos
Projeto de Reforma dos Banheiros do Educandário Humberto de Campos
 
Projeto Esgotamento Sanitário
Projeto Esgotamento SanitárioProjeto Esgotamento Sanitário
Projeto Esgotamento Sanitário
 
Projeto Hidráulico Água Potável
Projeto Hidráulico Água PotávelProjeto Hidráulico Água Potável
Projeto Hidráulico Água Potável
 
Projeto mofra agua_potavel
Projeto mofra agua_potavelProjeto mofra agua_potavel
Projeto mofra agua_potavel
 
Relatorio de Atividades OSCAL
Relatorio de Atividades OSCALRelatorio de Atividades OSCAL
Relatorio de Atividades OSCAL
 
Roteiro para Introdução à Doutrina Espírita
Roteiro para Introdução à Doutrina EspíritaRoteiro para Introdução à Doutrina Espírita
Roteiro para Introdução à Doutrina Espírita
 
Roteiro para Estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo
Roteiro para Estudo do Evangelho Segundo o EspiritismoRoteiro para Estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo
Roteiro para Estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo
 
Roteiro para Estudo da Mediunidade
Roteiro para Estudo da MediunidadeRoteiro para Estudo da Mediunidade
Roteiro para Estudo da Mediunidade
 
Curso para doutrinadores
Curso para doutrinadoresCurso para doutrinadores
Curso para doutrinadores
 
Termo de adesão do GFE
Termo de adesão do GFETermo de adesão do GFE
Termo de adesão do GFE
 
Síntese histórica do MOFRA
Síntese histórica do MOFRASíntese histórica do MOFRA
Síntese histórica do MOFRA
 
Apanhado do livro de atas2
Apanhado do livro de atas2Apanhado do livro de atas2
Apanhado do livro de atas2
 

Último

Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxEspecialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxViniciusPetersen1
 
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para AutoconhecimentoHermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para AutoconhecimentoFabioLofrano
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaRicardo Azevedo
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoNilson Almeida
 
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024LeonardoQuintanilha4
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............MilyFonceca
 
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptxLivro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptxPIB Penha
 
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...M.R.L
 
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfOrações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfStelaWilbert
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - ApresentaçãoCurso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentaçãoantonio211075
 
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 

Último (13)

Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxEspecialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
 
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para AutoconhecimentoHermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
 
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
 
Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............
 
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptxLivro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
 
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
 
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfOrações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
 
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - ApresentaçãoCurso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
 
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
 

Oscal visao programatica

  • 1. Célio Alan Kardec de Oliveira Belo Horizonte, Julho de 2010 VISÃO PROGRAMÁTICA PARA A ORGANIZAÇÃO SOCIAL CRISTA ANDRÉ LUIZ – OSCAL
  • 2. MISSÃO DA OSCAL MOVIMENTO DA FRATERNIDADE Afeto Saúde Visitação Luz Pão
  • 3. MISSÃO DA OSCAL JESUS, TEMPLO VIVO EM NOSSOS CORAÇÕES
  • 4. JUSTIFICATIVA À OSCAL, como entidade representativa dos Grupos da Fraternidade Espírita e da Cidade da Fraternidade, comunidade Espírita Cristã, cabe o inadiável dever de materializar os objetivos e ideais do Movimento da Fraternidade, consagrados no seu estatuto social .
  • 5. PERÍODO Gestão entre 2010 a 2013 para os fraternistas envolvidos na administração e vivência da filosofia da OSCAL, expressos nos ideais do Movimento da Fraternidade.
  • 6. FINALIDADE Gestão entre 2010 a 2013 para os fraternistas envolvidos na administração e vivência da filosofia da OSCAL, expressos nos ideais do Movimento da Fraternidade.
  • 7. MISSÃO DA OSCAL U nir criaturas conscientes que, sob a égide de Jesus Cristo, se propõem a espalhar, à luz da Doutrina Espírita, a verdade do Evangelho e a praticá-la junto aos irmãos em humanidade, levando à criança desamparada o calor paternal e ao doente ou carenciado a visitação, o remédio, a veste, a água e o pão. Divulgar e implementar o PTP – Programa de Trabalho Permanente da OSCAL
  • 8. ROTEIRO CRISTÃO Priorizar, em todos os campos de trabalho, o estabelecimento de relações de apreço e fraternais. A tônica do Movimento da Fraternidade é o cultivo de vivências legitimamente cristãs.
  • 9. ROTEIRO CRISTÃO Seguir a filosofia do Movimento da Fraternidade - MOFRA, contida no Estatuto Social da OSCAL: “Os objetivos do MOFRA são a evangelização, a espiritualização e o aprimoramento do Espírito em evolução, encarnado e desencarnado”. E no que se refere a Assistência Social Espírita prevalece a assertiva contida no Estatuto Social da OSCAL: “ Fazer com que a assistência social e filantrópica seja praticada sempre que possível com recursos próprios, a partir dos lares dos fraternistas.
  • 10. Coordenação Geral Orientar os GFE a redimensionarem seus quadros de pessoal remunerado, reduzindo despesas e a necessidade de realizarem excessivos eventos para complementação de recursos financeiros a fim de cobrir as demandas de manutenção das atividades, sobremodo as de assistência social. Empreender esforços para que a questão monetária não seja causadora de sofrimento e para tanto a sustentação das atividades haverão de ter menos dependência dos meios externos, inclusive de convênios.
  • 11. Coordenação Geral Imprimir à OSCAL menor dimensão sob o ponto de vista administrativo, para prevalência dos aspectos de natureza evangélica e doutrinária e torná-la mais itinerante com presença nos Encontros Fraternos Regionais, na COMEMOFRA, nas Caravanas, nos GFE, e inclusive criando sub secretaria em Belo Horizonte, na CEAL.
  • 12. Coordenação Geral Finalizar entendimentos com o INCRA acerca das terras/gleba da CIFRATER na condição de membro do Assentamento Silvio Rodrigues e investir em relações de solidariedade e amizade com as famílias assentadas, por meio de projeto de Assistência Social Espírita que envolvam os GFE.
  • 13. Coordenação das Regiões Fraternas Contatar e visitar os Grupos da Fraternidade Espírita que estão ausentes, sobretudo se o motivo determinante foi desestímulo ou distanciamento das unidades de administração da OSCAL. Essa atividade deve ser realizada pelos componentes do CAD/OSCAL, englobando aí os Grupos Coordenadores Regionais.
  • 14. Coordenação das Regiões Fraternas Criar a campanha “ Amigos da Cidade da Fraternidade” a partir de amplo cadastro de fraternistas para esses desenvolverem diversas ações planejadas na comunidade por meio de sistema a ser definido.
  • 15. Coordenação das Regiões Fraternas Instituir o Conselho das Regiões Fraternas de modo a cada Região Fraterna ter o seu conselho, em sistema colegiado, abrigando unidades no mesmo formato dos colegiados dos Grupos da Fraternidade Espírita, tais como EDU, ASE, MED e FRA. Estes conselhos atuarão regionalmente para assistirem e orientarem os GFE, bem como programarem e coordenarem eventos, tudo em sintonia com a Coordenação das Regiões Fraternas.
  • 16. Coordenação das Regiões Fraternas Estimular a cada GFE criar Reunião de Confraternização dos Trabalhadores, com periodicidade mensal, constando ela de atividades lítero-musicais e de um momento real de confraternização entre os tarefeiros.
  • 17. Coordenação das Regiões Fraternas Redimensionar as Regiões Fraternas limitando-as a dez (10) e suprimindo a 9ª Região Fraterna qual seja a dos Grupos da Espanha que aderiram afetivamente aos ideais do MOFRA. A 12ª Região Fraterna passaria a ser a 9ª R.F. e a 13ª seria absorvida pela 3ª Região Fraterna.
  • 18. Coordenação das Regiões Fraternas Sistematização de Caravanas à CIFRATER, com periodicidade regular, por meio das Regiões fraternas (1ª; 2ª e 3ª; 4ª, 9ª e 11ª; 5ª; 6ª e 10ª, 7ª, 8ª), e criação do embrião de micro caravanas tendo em vista a realização de efetiva cooperação dos fraternistas com a CIFRATER.
  • 19. Coordenação de Ação Espírita Dar ênfase especial para os GFE priorizarem as atividades de visitação fraterna ou visitação aos enfermos, ampliando as equipes existentes, sob a chancela da Coordenação da Assistência Social Espírita. Esta tarefa é o carro chefe da assistência social espírita, na visão do MOFRA.
  • 20. Coordenação da Ação Espírita Integrar educadores, pedagogos e psicólogos, de larga experiência, com os profissionais do Educandário Humberto de Campos, enriquecendo os valores da instrução, da ética e da moral, com benefícios diretos para os educandos e com reflexos direto na comunidade.
  • 21. Coordenação de Ação Espírita Recadastrar o quadro de expositores e oradores espíritas vinculados aos GFE. Os critérios para o recadastramento levarão em conta as seguintes premissas: “conhecimentos sólidos da Doutrina Espírita, no seu tríplice aspecto; esforço para vivência do Evangelho de Jesus; domínio da comunicação e compromisso com uma Casa Espírita e com a Causa do Cristo” (Joseph Gleber). É preciso incentivar o intercâmbio de oradores e expositores no meio dos agrupamentos fraternistas.
  • 22. Coordenação de Ação Espírita Incitar cada GFE, na medida do amadurecimento das suas atividades mediúnicas, a criar Reunião Mediúnica de Orientação Espiritual, para atender parte daqueles que procuram o Atendimento Fraterno bem como demandas internas dos grupos de tarefeiros.
  • 23. Coordenação de Ação Espírita Incentivar os Grupos da Fraternidade Espírita participarem das atividades do Movimento Espírita Institucional, contribuindo para a união dos espíritas e o trabalho da unificação, sem prejuízos para as ações do MOFRA.
  • 24. Coordenação de Ação Espírita Revisar e reeditar o livro “Orientação aos Grupos da Fraternidade Espírita – Regimentos Internos”, publicados pela OSCAL, com o intuito de nortear as atividades dos GFE.
  • 25. Coordenação de Ação Espírita Incentivar, sobremodo aos Grupos da Fraternidade Espírita, localizados em cidades de médio e grande porte, quanto a implementação dos Ciclos de Estudos sobre Evangelho, Filosofia Espírita e Mediunidade, adotados pela OSCAL e que atende ao 2º ponto do Programa de Trabalho Permanente - PTP, atividade esta já testada e bem sucedida em vários agrupamentos espíritas.
  • 26. Coordenação de Ação Espírita Estender o conceito de Cidade da Fraternidade para os Grupos da Fraternidade Espírita de maneira que cada agrupamento tenha pelo menos um lar de fraternista convertido em família para acolhimento de criança em situação de vulnerabilidade social.
  • 27. Coordenação de Ação Espírita Publicar o Hinário do Movimento da Fraternidade, contendo letras e cifras.
  • 28. Coordenação de Ação Espírita Revisar e reeditar o livro Movimento da Fraternidade, incorporando elementos de recente pesquisa elaborada pela Coordenação de Assuntos Oscalinos – gestão 2008/2010.
  • 29. Coordenação de Ação Espírita Promover encontros, seminários e palestras específicas voltadas para capacitação, reflexão e avaliação visando a construção de consensos e parcerias dentro do MOFRA, em torno dos princípios norteadores da ASE e do conceito “Cidade da Fraternidade”.
  • 30. Coordenação da CIFRATER Rever o Projeto Rosa da Esperança adequando-o à visão filosófica do Movimento da Fraternidade e empreendendo ações planejadas para sua implementação na CIFRATER.
  • 31. Coordenação da CIFRATER Dialogar com a Secretaria Estadual de Educação e Prefeitura Municipal de Alto Paraíso - Goiás, visando otimizar a parceria na condução do Educandário Humberto de Campos, sem prejuízo da referida escola vivenciar a filosofia do MOFRA, em especial no que tange ao ensino moral ao bem dos alunos.
  • 32. Coordenação da CIFRATER Formatar projetos de culturas e horticulturas apropriadas à vocação das terras da CIFRATER, sob a orientação de técnicos especializados disponíveis no meio dos GFE.
  • 33. Coordenação da CIFRATER Investir na melhoria da infra estrutura e conservação das edificações da CIFRATER, proporcionando condições favoráveis de vida e sobrevivência.
  • 34. Coordenação da CIFRATER Resgatar a proposta pioneira do Movimento da Fraternidade, de atenção à criança em situação de vulnerabilidade social, a partir dos lares dos comunitários, através de projetos específicos.
  • 35. Coordenação da CIFRATER Preparar comunitários para receber nos seus lares crianças em situação de vulnerabilidade social e/ou encaminhadas pelo Conselho Tutelar.