SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Baixar para ler offline
OOrrggaanniizzaannddoo
oo DDIIJJ ddaa
CCaassaa EEssppíírriittaa
Dezembro/2009
2
"Amigos e companheiros desencarnados podem inspirar e sugerir, alertar e esclarecer,
mas é necessário reconhecer que a oportunidade do trabalho efetivo é nossa e temos que
procurar fazer o melhor. Improvisar é recurso de emergência. Programar para agir é
condição de equilíbrio".
Joanna de Ângelis
 Para que o DIJ na Casa Espírita?
Estabelecer linhas mestras ou um eixo filosófico em torno do qual possamos nos
encontrar não é tarefa fácil num labirinto de idéias e enfoques tão diversificados e de ângulos
de visão tão parciais, com os quais cada um de nós costuma ver os fatos relativos à educação,
especialmente à Evangelização Espírita.
O ponto de encontro de todos os espíritas, denominador comum para todos que
professam o Espiritismo é sem dúvida as bases do Evangelho de Jesus – maior filósofo e
pedagogo – e a Codificação Kardequiana, as quais enfeixam os princípios norteadores,
capazes de orientar todo o processo de aperfeiçoamento moral, ético, afetivo, intelectual e
social. Esses princípios nos levarão aos fins a que nos propomos com a evangelização espírita.
Perfectibilidade, integração com as Leis Divinas, auto-conhecimento, transformação para
o bem, eis a meta que toda educação verdadeiramente inspirada nos postulados cristãos, deve
buscar.
O DIJ tem a função específica de levar às crianças e jovens os conhecimentos espíritas
e o estímulo à vivência do Evangelho.
Sendo o espiritismo a revivescência do Cristianismo, nada mais natural que ele tenha
em seu interior uma dimensão essencialmente educativa, uma proposta de formação moral
voltada para a formação do homem cristão, do homem de bem.
Para atingir esse propósito é necessária organização, de modo a atender às referidas
tarefas que se relacionam, mas que tem suas peculiaridades e aspectos distintos.
 Como organizar o Depto. de Infância e Juventude da Casa Espírita?
O Movimento de Evangelização Espírita Infanto-juvenil demanda preparo adequado a
fim de que não se constitua uma tarefa dispersiva sem repercussão positiva no meio social.
Desse modo, o DIJ da Casa Espírita deve ser constituído, basicamente, dos Setores de
Infância e Juventude, sendo coordenados por um Diretor, nomeado pela Presidência da Casa,
que fará parte da Diretoria da mesma, além dos Coordenadores dos Setores.
A Evangelização Espírita da criança e do jovem, considerados os aspectos psico-
pedagógicos do trabalho, exige um corpo de evangelizadores e coordenadores que estejam em
3
constante aprimoramento das suas habilidades através de cursos rápidos e intensivos ou
regulares, para o melhor desempenho de sua missão, porque, dentro do seu grande objetivo,
visa não a transmissão mecânica e intelectual do ensinamento, mas a formação de valores
morais de conseqüências profundas e duradouras.
Também, é preciso lembrar, que não se pode falar em evangelização espírita infanto-
juvenil sem estender os ensinamentos espíritas aos lares dessas crianças e desses jovens, em
especial aos seus pais. Concomitantemente às tarefas referidas, deverá ser desenvolvido um
trabalho junto à família, que é a mais importante agência educativa que se conhece, em
relação às novas gerações.
 Funcionamento do Setor de Infância:
Cada ciclo deverá funcionar, preferencialmente, em sala própria e será orientado por um
evangelizador. No caso de falta de salas ou evangelizadores, pode-se adotar o critério dos
horários diferentes ou dos ciclos aglutinados. A distribuição das crianças, nos diversos ciclos,
será feita pela idade cronológica:
MATERNAL  Crianças de 3 – 4 anos
JARDIM  Crianças de 5 – 6 anos
PRIMEIRO CICLO  Crianças de 7 – 8 anos
SEGUNDO CICLO  Crianças de 9 – 10 anos
TERCEIRO CICLO  Crianças de 11 – 12 anos
 Funcionamento do Setor de Juventude:
Cada ciclo deverá funcionar, preferencialmente, em sala própria e será orientado por um
evangelizador. A distribuição dos adolescentes , nos diversos ciclos, também será feita pela
idade cronológica:
PRIMEIRO CICLO  Adolescentes de 13 – 14 anos
SEGUNDO CICLO  Adolescentes de 15 – 17 anos
TERCEIRO CICLO  Jovens de 18 – 21 anos *
* É preciso não perder de vista a necessidade do encaminhamento dos jovens do TERCEIRO
CICLO às atividades do ESDE ou de grupos da Casa Espírita, buscando assim uma maior
integração dos mesmos aos trabalhos da casa e evitando a descontinuidade do processo de
evangelização após a conclusão dos Ciclos.
No caso de falta de salas, evangelizadores ou na impossibilidade de se efetuar a divisão
proposta, pode-se adotar o critério dos horários diferentes ou dos ciclos aglutinados, de acordo
com a maior proximidade das idades.
No trabalho com o jovem na casa espírita é necessário levar em consideração os
propósitos deste tipo de trabalho:
4
 Ministrar conhecimentos da Doutrina Espírita aos jovens, ensejando atividades de vivência
desses conhecimentos;
 Conceder aos jovens oportunidades de desempenhar tarefas, compatíveis com as suas
possibilidades na Sociedade Espírita;
 Envolver os jovens em atividades e tarefas voltadas para o auxílio ao próximo, estimulando-
os à vivência do Evangelho de Jesus dentro e fora da casa espírita;
 Conscientizar os jovens de que eles são os continuadores e responsáveis pela organização
do Movimento Espírita;
 Favorecer o intercâmbio do jovem com outras juventudes e sua integração no Movimento
Espírita em geral.
Os orientadores dos dois últimos ciclos de Juventude poderão constituir uma Comissão
de Assessoramento (auxiliares), composta de jovens integrantes desses ciclos, que tenham
demonstrado interesse especial pelas atividades da Juventude.
Quanto ao envolvimento do jovem na instituição, são lembradas as seguintes atividades
para aqueles que integram os dois últimos ciclos de Juventude:
 Colaboração nas aulas de evangelização para crianças;
 Prestação de serviços nos setores de secretaria, tesouraria;
 Colaboração nas reuniões públicas, doutrinárias, quer ocupando a tribuna, quer realizando
outras atividades programadas para essas reuniões;
 Auxílio na divulgação da Doutrina, participando da organização de bibliotecas, periódicos,
na distribuição de mensagens;
 Atividades assistenciais, sob orientação e supervisão.
Além dessas, outras atividades poderão propiciar a perfeita integração do jovem na
Casa Espírita.
 Atribuições do Diretor do DIJ:
 Ser membro da Diretoria da Sociedade Espírita, quando a sua estrutura permitir;
 Administrar as atividades do Departamento;
 Elaborar com a sua equipe, plano de atividades do ano, não esquecendo da necessidade
de formar evangelizadores de infância e coordenadores de juventude;
 Providenciar e freqüentar, junto com sua equipe, cursos e treinamentos, com vistas à
atualização de conhecimentos;
 Apresentar o plano de atividades do DIJ à Diretoria;
 Designar os evangelizadores e coordenadores que se responsabilizarão pela orientação
dos ciclos de infância e de juventude;
 Nomear entre os seus colaboradores, um coordenador para o Setor de Infância e outro para
o Setor de Juventude, quando as condições de trabalho assim o permitirem;
5
 Promover reuniões com seus colaboradores, tanto de ordem administrativa como de ordem
pedagógica;
 Fazer a coordenação e acompanhamento permanente das atividades dos Setores do DIJ;
 Participar do Movimento Federativo Municipal, Regional e Estadual;
 Manter contato com o DIJ da União Regional Espírita e ou da Federativa Estadual;
 Proceder à avaliação interna;
 Entregar relatório à Diretoria da Instituição.
 Atribuições do Coordenador do Setor de Infância:
 Coordenar as atividades de evangelização infantil da instituição;
 Distribuir o material de evangelização entre os evangelizadores;
 Organizar a matrícula e registrar os dados de freqüência dos evangelizandos;
 Participar de encontros de evangelizadores de infância, promovidos pelo seu Órgão de
Unificação e/ou Federativa;
 Realizar reuniões de pais;
 Proceder à avaliação interna das atividades do Setor;
 Realizar outras tarefas propostas pelo Diretor do DIJ.
 Atribuições do Coordenador do Setor de Juventude:
 Coordenar as reuniões dos jovens na instituição;
 Distribuir o material de evangelização aos coordenadores dos ciclos;
 Participar de encontros de coordenadores de Juventude, programados pelo seu Órgão de
Unificação e/ou Federativa;
 Dar oportunidade aos jovens para se integrar na instituição e no movimento municipal;
 Realizar reuniões de pais;
 Realizar outras tarefas propostas pelo Diretor do DIJ.
 Atribuições dos Evangelizadores e/ ou Coordenadores:
 Desenvolver o plano de trabalho elaborado para o ano;
 Planejar, estudar e preparar as atividades a serem desenvolvidas em cada ciclo;
 Comparecer à tarefa com assiduidade e pontualidade;
 Comunicar, com antecedência, os seus impedimentos;
 Participar dos Cursos Intensivos de Preparação ou Atualização, Encontros, Seminários,
etc., programados pelo seu Órgão de Unificação e ou Federativa;
 Manter em dia o registro de freqüência de seu ciclo;
 Participar ativamente das reuniões de pais e evangelizadores;
6
 Recomendações Gerais Importantes:
1. Divulgação da Tarefa
 Aproveitamento de todas as palestras públicas para esclarecimentos relativos à tarefa e
informes sobre o andamento das atividades;
 Utilização de cartazes e murais com incentivos e notícias;
 Distribuição de mensagens focalizando a importância da evangelização da Infância e da
Juventude, bem como sobre o Evangelho no Lar;
 Aproveitamento dos periódicos para salientar a relevância da tarefa e publicar trabalhos dos
jovens.
2. Matrícula
Sendo a atividade de evangelização um trabalho sistematizado, convém realizar no
início de cada ano um registro das crianças e dos jovens, em uma Ficha de Matrícula,
contendo, entre outros, os seguintes dados: nome, data de nascimento, filiação, sexo,
escolaridade, endereço, telefone e outras informações que forem julgadas necessárias (por
exemplo, se a família é ou não espírita, se os pais são trabalhadores da Sociedade Espírita, se
realizam Evangelho no Lar, etc.)
3. Registro de Freqüência
Objetivando um melhor acompanhamento da participação das crianças e dos jovens nas
reuniões da Evangelização Infantil e Juventude, e para facilitar o levantamento estatístico, com
vistas ao relatório, sugere-se realizar um registro de freqüência.
4. Organização do Calendário do DIJ
Para o bom funcionamento das atividades se faz necessária a elaboração de um
Calendário do DIJ, que deverá integrar o calendário da instituição. Para isso, devem ser
observadas alguns ítens que deverão constar neste calendário:
 Quantidades de encontros ministrados no ano
 Recessos (Feriados)
 Início e Término das aulas (semestral)
 Datas comemorativas
 Atividades Artísticas
 Reuniões de Planejamento
7
5. Tipos de Reuniões
 Reuniões de planejamento:
 Objetivos: Planejar os programas que serão desenvolvidos durante o ano;
Organizar o calendário para o ano seguinte;
Distribuir os evangelizadores nos ciclos de atividades.
 Quantidade no ano: 01 por semestre
 Participantes: Presidente da Casa Espírita (buscar envolvê-lo no trabalho), Diretor do DIJ,
Coordenadores dos Setores de Infância e Juventude, Evangelizadores de todos os Ciclos,
Auxiliares de todos os Ciclos.
 Coordenação: Diretor do DIJ e Coordenadores dos Setores de Infância e Juventude.
 Reuniões de avaliação:
 Objetivos: Avaliar as atividades durante ;
Avaliar os conteúdos dos programas;
Avaliar a participação dos evangelizandos;
 Quantidade no ano: 01 por semestre (mais as reuniões semanais de avaliação)
 Participantes: Presidente da Casa Espírita (buscar envolvê-lo na proposta), Diretor do DIJ,
Coordenadores dos Setores de Infância e Juventude, Evangelizadores de todos os Ciclos,
Auxiliares de todos os Ciclos.
 Coordenação: Diretor do DIJ, Coordenadores dos Setores de Infância e Juventude.
 Reuniões de Treinamento para Evangelizadores:
 Objetivos: Oferecer subsídios de didática, metodologia e pedagogia nas aulas de
evangelização a equipe do DIJ;
 Quantidade no ano: mínimo de 01 por ano
 Participantes: Diretor do DIJ da Casa Espírita, Coordenadores dos Setores de Infância e
Juventude, Evangelizadores de todos os Ciclos, Auxiliares de todos os Ciclos.
 Coordenação: Diretor do DIJ ou Grupo da Federativa.
 Reuniões de Pais:
 Objetivos: Orientar os pais quanto às atividades desenvolvidas na evangelização;
Planejar e executar palestras sobre temas pertinentes à Evangelização Infanto-
juvenil (ex: Religião, Limites, Importância da Evangelização, Psicologia Infanto-juvenil);
 Quantidade no ano: mínimo de 02 (01 por semestre)
8
 Participantes: Presidente da Casa Espírita (buscar envolvê-lo no trabalho), Diretor do DIJ,
Coordenadores dos Setores de Infância e Juventude, Evangelizadores de todos os Ciclos,
Auxiliares de todos os Ciclos.
 Coordenação: Diretor do DIJ.
 Confraternizações:
 Objetivos: Promover a integração entre a equipe do DIJ, os pais e os evangelizandos.
 Quantidade no ano: mínimo de 02 (01 por semestre)
 Sugestões de atividades: Ginkanas, lanches, pic-nics, jantares, tardes esportivas,
brincadeiras, teatro, artesanato, contar histórias...
 Participantes: Presidente da Casa Espírita (buscar envolvê-lo no trabalho), Diretor do DIJ,
Coordenadores dos Setores de Infância e Juventude, Evangelizadores de todos os Ciclos,
Auxiliares de todos os Ciclos, Pais, Evangelizandos.
 Coordenação: Diretor do DIJ.
 Confraternizações do DIJ:
 Objetivos: Promover a integração entre os integrantes do DIJ.
 Quantidade no ano: mínimo de 02 (01 por semestre)
 Sugestões de atividades: Lanches, saraus, pic-nics, jantares, cinema, teatro, amigo-secreto,
evangelhos nos lares dos integrantes...
 Participantes: Presidente da Casa Espírita (buscar envolvê-lo na proposta), Diretor do DIJ,
Coordenadores dos Setores de Infância e Juventude, Evangelizadores de todos os Ciclos,
Auxiliares de todos os Ciclos.
 Coordenação: Todos os integrantes do DIJ.
Fontes de Consulta:
 Organização e Funcionamento do DIJ na Casa Espírita – FEP (2001)
 Organização e Funcionamento do DIJ nas Federativas – FEB
 Orientação ao Centro Espírita – FEB
 Currículo para as Escolas de Evangelização Espírita Infanto-juvenil – FEB (1998)
 Diretrizes 2010 - Caderno Compacto I/II/II – USEERJ (2001)
9
Anexo 01:
Nome da Instituição
Departamento de Infância e Juventude
Ficha de Matrícula na Evangelização
Nome: __________________________________________________________________
Data de nascimento: ____ / ____ / ____ Escolaridade: __________________________
Endereço: ______________________________________________________________
Bairro: _________________ CEP_______________Telefone: _____________________
Nome do Pai: ____________________________________________________________
Nome da Mãe: ___________________________________________________________
Religião do Pai: ______________________ Religião da Mãe: ______________________
Profissão do Pai: _____________________ Profissão da Mãe: _____________________
Escolaridade do Pai: ________________ Escolaridade da Mãe: ____________________
Nome e ciclo dos irmãos que freqüenta ou freqüentou a Evangelização: ______________
Observações sobre o Evangelizando (no ato da matrícula):_________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________
Data da Matrícula: ____ / ____ / ____
________________________________________
Assinatura do Evangelizador
ANO CICLO EVANGELIZADOR OBSERVAÇÕES

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Anjo da guarda
Anjo da guardaAnjo da guarda
Anjo da guardaLisete B.
 
Missionários da luz resumo capítulo ii
Missionários da luz  resumo capítulo iiMissionários da luz  resumo capítulo ii
Missionários da luz resumo capítulo iiSergio Rodriguez
 
Retorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptx
Retorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptxRetorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptx
Retorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptxRosimeire Alves
 
Evangelização espirita
Evangelização espiritaEvangelização espirita
Evangelização espiritaFEEAK
 
Palestra Espírita - A caridade material e a caridade moral
Palestra Espírita - A caridade material e a caridade moralPalestra Espírita - A caridade material e a caridade moral
Palestra Espírita - A caridade material e a caridade moralDivulgador do Espiritismo
 
Retribuir o Mal com o Bem
Retribuir o Mal com o BemRetribuir o Mal com o Bem
Retribuir o Mal com o Bemigmateus
 
A vida no mundo espiritual
A vida no mundo espiritualA vida no mundo espiritual
A vida no mundo espiritualGraça Maciel
 
Humildade - A primeira virtude
Humildade - A primeira virtudeHumildade - A primeira virtude
Humildade - A primeira virtudeRicardo Azevedo
 
Bem aventurados os que têm os olhos fechados
Bem aventurados os que têm os olhos fechadosBem aventurados os que têm os olhos fechados
Bem aventurados os que têm os olhos fechadosHelio Cruz
 
Observai os Pássaros
Observai os PássarosObservai os Pássaros
Observai os Pássarosigmateus
 

Mais procurados (20)

Anjo da guarda
Anjo da guardaAnjo da guarda
Anjo da guarda
 
Virtudes e vicios
Virtudes e viciosVirtudes e vicios
Virtudes e vicios
 
O Centro Espírita - ESDE
O Centro Espírita - ESDEO Centro Espírita - ESDE
O Centro Espírita - ESDE
 
Missionários da luz resumo capítulo ii
Missionários da luz  resumo capítulo iiMissionários da luz  resumo capítulo ii
Missionários da luz resumo capítulo ii
 
ReconciliaçãO Com Os AdversáRios
ReconciliaçãO Com Os AdversáRiosReconciliaçãO Com Os AdversáRios
ReconciliaçãO Com Os AdversáRios
 
Retorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptx
Retorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptxRetorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptx
Retorno à Vida Corporal - planejamento reencarnatório.pptx
 
Evangelização espirita
Evangelização espiritaEvangelização espirita
Evangelização espirita
 
Palestra Espírita - A caridade material e a caridade moral
Palestra Espírita - A caridade material e a caridade moralPalestra Espírita - A caridade material e a caridade moral
Palestra Espírita - A caridade material e a caridade moral
 
O psicoscópio aula 2
O psicoscópio aula 2O psicoscópio aula 2
O psicoscópio aula 2
 
Retribuir o Mal com o Bem
Retribuir o Mal com o BemRetribuir o Mal com o Bem
Retribuir o Mal com o Bem
 
Pedi e Obtereis 2016
Pedi e Obtereis 2016Pedi e Obtereis 2016
Pedi e Obtereis 2016
 
Ovelha Perdida
Ovelha PerdidaOvelha Perdida
Ovelha Perdida
 
A vida no mundo espiritual
A vida no mundo espiritualA vida no mundo espiritual
A vida no mundo espiritual
 
Humildade - A primeira virtude
Humildade - A primeira virtudeHumildade - A primeira virtude
Humildade - A primeira virtude
 
Bem aventurados os que têm os olhos fechados
Bem aventurados os que têm os olhos fechadosBem aventurados os que têm os olhos fechados
Bem aventurados os que têm os olhos fechados
 
Lei de causa e efeito
Lei de causa e efeitoLei de causa e efeito
Lei de causa e efeito
 
Caridade para com os criminosos
Caridade para com os criminososCaridade para com os criminosos
Caridade para com os criminosos
 
Observai os Pássaros
Observai os PássarosObservai os Pássaros
Observai os Pássaros
 
Bem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coraçãoBem aventurados os puros de coração
Bem aventurados os puros de coração
 
Palestra evangelização 19.09.2012
Palestra evangelização   19.09.2012Palestra evangelização   19.09.2012
Palestra evangelização 19.09.2012
 

Destaque

Projeto educação do espírito
Projeto educação do espíritoProjeto educação do espírito
Projeto educação do espíritoAlice Lirio
 
Recursos e tecnicas pedagógicas evangelização espírita infantil
Recursos e tecnicas pedagógicas evangelização espírita infantilRecursos e tecnicas pedagógicas evangelização espírita infantil
Recursos e tecnicas pedagógicas evangelização espírita infantilTatiana Campos
 
Ficha de cadastro padrão modelo 1
Ficha de cadastro padrão modelo 1Ficha de cadastro padrão modelo 1
Ficha de cadastro padrão modelo 1Dennis Lucas
 
Subsídios às-ações-da-juventude-espírita-anexo
Subsídios às-ações-da-juventude-espírita-anexoSubsídios às-ações-da-juventude-espírita-anexo
Subsídios às-ações-da-juventude-espírita-anexodijfergs
 
Recursos didáticos infância
Recursos didáticos infânciaRecursos didáticos infância
Recursos didáticos infânciadijfergs
 
Curso De FormaçãO De Evangelizadores
Curso De FormaçãO De EvangelizadoresCurso De FormaçãO De Evangelizadores
Curso De FormaçãO De Evangelizadoresguest8c1f1a3
 
Implantação do dij na casa espirita
Implantação do dij na casa espiritaImplantação do dij na casa espirita
Implantação do dij na casa espiritaAlice Lirio
 
O Compromisso com a Evangelização
O Compromisso com a EvangelizaçãoO Compromisso com a Evangelização
O Compromisso com a Evangelizaçãoigmateus
 
A importância da evangelização espírita!
A importância da evangelização espírita!A importância da evangelização espírita!
A importância da evangelização espírita!Leonardo Pereira
 
Ficha de cadastro igreja
Ficha de cadastro igrejaFicha de cadastro igreja
Ficha de cadastro igrejaBispoAlberto
 
O PAPEL SOCIAL DA CASA ESPÍRITA
O PAPEL SOCIAL DA CASA ESPÍRITAO PAPEL SOCIAL DA CASA ESPÍRITA
O PAPEL SOCIAL DA CASA ESPÍRITAFatima Carvalho
 
Curso de Atendimento Fraterno 2014 - Completo
Curso de Atendimento Fraterno 2014 -  CompletoCurso de Atendimento Fraterno 2014 -  Completo
Curso de Atendimento Fraterno 2014 - CompletoEdna Costa
 
Ficha cadastral do candidato pessoa física
Ficha cadastral do candidato pessoa físicaFicha cadastral do candidato pessoa física
Ficha cadastral do candidato pessoa físicajjimoveispl
 
Ficha individual do aluno - creche e JI
Ficha individual do aluno - creche e JIFicha individual do aluno - creche e JI
Ficha individual do aluno - creche e JIAna Mafalda
 

Destaque (20)

Ficha de Cadastro ESDE
Ficha de Cadastro ESDEFicha de Cadastro ESDE
Ficha de Cadastro ESDE
 
Projeto educação do espírito
Projeto educação do espíritoProjeto educação do espírito
Projeto educação do espírito
 
Recursos e tecnicas pedagógicas evangelização espírita infantil
Recursos e tecnicas pedagógicas evangelização espírita infantilRecursos e tecnicas pedagógicas evangelização espírita infantil
Recursos e tecnicas pedagógicas evangelização espírita infantil
 
Ficha de Inscrição
Ficha de InscriçãoFicha de Inscrição
Ficha de Inscrição
 
Ficha de cadastro padrão modelo 1
Ficha de cadastro padrão modelo 1Ficha de cadastro padrão modelo 1
Ficha de cadastro padrão modelo 1
 
Subsídios às-ações-da-juventude-espírita-anexo
Subsídios às-ações-da-juventude-espírita-anexoSubsídios às-ações-da-juventude-espírita-anexo
Subsídios às-ações-da-juventude-espírita-anexo
 
Recursos didáticos infância
Recursos didáticos infânciaRecursos didáticos infância
Recursos didáticos infância
 
Curso De FormaçãO De Evangelizadores
Curso De FormaçãO De EvangelizadoresCurso De FormaçãO De Evangelizadores
Curso De FormaçãO De Evangelizadores
 
Ficha de matricula
Ficha de matriculaFicha de matricula
Ficha de matricula
 
Implantação do dij na casa espirita
Implantação do dij na casa espiritaImplantação do dij na casa espirita
Implantação do dij na casa espirita
 
O Compromisso com a Evangelização
O Compromisso com a EvangelizaçãoO Compromisso com a Evangelização
O Compromisso com a Evangelização
 
A importância da evangelização espírita!
A importância da evangelização espírita!A importância da evangelização espírita!
A importância da evangelização espírita!
 
Ficha de cadastro igreja
Ficha de cadastro igrejaFicha de cadastro igreja
Ficha de cadastro igreja
 
Perispirito
PerispiritoPerispirito
Perispirito
 
O PAPEL SOCIAL DA CASA ESPÍRITA
O PAPEL SOCIAL DA CASA ESPÍRITAO PAPEL SOCIAL DA CASA ESPÍRITA
O PAPEL SOCIAL DA CASA ESPÍRITA
 
Apostila coem
Apostila coemApostila coem
Apostila coem
 
Curso de Atendimento Fraterno 2014 - Completo
Curso de Atendimento Fraterno 2014 -  CompletoCurso de Atendimento Fraterno 2014 -  Completo
Curso de Atendimento Fraterno 2014 - Completo
 
Ficha cadastral do candidato pessoa física
Ficha cadastral do candidato pessoa físicaFicha cadastral do candidato pessoa física
Ficha cadastral do candidato pessoa física
 
Ficha individual do aluno - creche e JI
Ficha individual do aluno - creche e JIFicha individual do aluno - creche e JI
Ficha individual do aluno - creche e JI
 
Ficha de inscrição XXVIII Comem 2015 -Evangelizador
Ficha de inscrição XXVIII Comem 2015 -EvangelizadorFicha de inscrição XXVIII Comem 2015 -Evangelizador
Ficha de inscrição XXVIII Comem 2015 -Evangelizador
 

Semelhante a Organizando o dij da casa espírita

Subsídios às-ações-da-juventude-espírita-documento
Subsídios às-ações-da-juventude-espírita-documentoSubsídios às-ações-da-juventude-espírita-documento
Subsídios às-ações-da-juventude-espírita-documentodijfergs
 
Diretrizes para-ações-da-juventude-espírita-do-brasil-fev.2014
Diretrizes para-ações-da-juventude-espírita-do-brasil-fev.2014Diretrizes para-ações-da-juventude-espírita-do-brasil-fev.2014
Diretrizes para-ações-da-juventude-espírita-do-brasil-fev.2014dijfergs
 
Orientação à ação evangelizadora espírita da infância: subsídios e di...
Orientação à ação evangelizadora espírita da infância: subsídios e di...Orientação à ação evangelizadora espírita da infância: subsídios e di...
Orientação à ação evangelizadora espírita da infância: subsídios e di...Daniane Bornea Friedl
 
O que é PJ? Pastoral da juventude 2016 (Caapiranga-AM)
O que é PJ? Pastoral da juventude 2016 (Caapiranga-AM)O que é PJ? Pastoral da juventude 2016 (Caapiranga-AM)
O que é PJ? Pastoral da juventude 2016 (Caapiranga-AM)Stanley Hall
 
Diretriz evangelizacao juventude
Diretriz evangelizacao juventudeDiretriz evangelizacao juventude
Diretriz evangelizacao juventudeAlice Lirio
 
Memorando iii reunião do conselho unidos pela missão
Memorando   iii reunião do conselho unidos pela missãoMemorando   iii reunião do conselho unidos pela missão
Memorando iii reunião do conselho unidos pela missãoUnidos Pela Missão
 
Orientação à ação evangelizadora espírita da juventude: subsídios e di...
Orientação à ação evangelizadora espírita da juventude: subsídios e di...Orientação à ação evangelizadora espírita da juventude: subsídios e di...
Orientação à ação evangelizadora espírita da juventude: subsídios e di...Daniane Bornea Friedl
 
Evangelização Espirita Infanto juvenil
Evangelização Espirita Infanto juvenilEvangelização Espirita Infanto juvenil
Evangelização Espirita Infanto juvenilFEEAK
 
Processo de educação na fé
Processo de educação na féProcesso de educação na fé
Processo de educação na féFábio de Nazaré
 

Semelhante a Organizando o dij da casa espírita (20)

Subsídios às-ações-da-juventude-espírita-documento
Subsídios às-ações-da-juventude-espírita-documentoSubsídios às-ações-da-juventude-espírita-documento
Subsídios às-ações-da-juventude-espírita-documento
 
Projeto #tamujunto
Projeto #tamujuntoProjeto #tamujunto
Projeto #tamujunto
 
Diretrizes para-ações-da-juventude-espírita-do-brasil-fev.2014
Diretrizes para-ações-da-juventude-espírita-do-brasil-fev.2014Diretrizes para-ações-da-juventude-espírita-do-brasil-fev.2014
Diretrizes para-ações-da-juventude-espírita-do-brasil-fev.2014
 
Orientação à ação evangelizadora espírita da infância: subsídios e di...
Orientação à ação evangelizadora espírita da infância: subsídios e di...Orientação à ação evangelizadora espírita da infância: subsídios e di...
Orientação à ação evangelizadora espírita da infância: subsídios e di...
 
Projeto brothers 2012
Projeto brothers 2012Projeto brothers 2012
Projeto brothers 2012
 
Eae 1 aula inaugural rev01
Eae 1   aula inaugural rev01Eae 1   aula inaugural rev01
Eae 1 aula inaugural rev01
 
O que é PJ? Pastoral da juventude 2016 (Caapiranga-AM)
O que é PJ? Pastoral da juventude 2016 (Caapiranga-AM)O que é PJ? Pastoral da juventude 2016 (Caapiranga-AM)
O que é PJ? Pastoral da juventude 2016 (Caapiranga-AM)
 
mpc vila velha
mpc vila velhampc vila velha
mpc vila velha
 
mpc vila velha
mpc vila velhampc vila velha
mpc vila velha
 
Diretriz evangelizacao juventude
Diretriz evangelizacao juventudeDiretriz evangelizacao juventude
Diretriz evangelizacao juventude
 
Projetos SemCe 2023
Projetos SemCe 2023Projetos SemCe 2023
Projetos SemCe 2023
 
Memorando iii reunião do conselho unidos pela missão
Memorando   iii reunião do conselho unidos pela missãoMemorando   iii reunião do conselho unidos pela missão
Memorando iii reunião do conselho unidos pela missão
 
Eae 94 - estrutura da aliança
Eae   94 - estrutura da aliançaEae   94 - estrutura da aliança
Eae 94 - estrutura da aliança
 
Orientação à ação evangelizadora espírita da juventude: subsídios e di...
Orientação à ação evangelizadora espírita da juventude: subsídios e di...Orientação à ação evangelizadora espírita da juventude: subsídios e di...
Orientação à ação evangelizadora espírita da juventude: subsídios e di...
 
Missão Jovem Estigmatina
Missão Jovem EstigmatinaMissão Jovem Estigmatina
Missão Jovem Estigmatina
 
Sav
SavSav
Sav
 
Evangelização Espirita Infanto juvenil
Evangelização Espirita Infanto juvenilEvangelização Espirita Infanto juvenil
Evangelização Espirita Infanto juvenil
 
Celulas Apostólicas- Aula 2.pdf
Celulas Apostólicas- Aula 2.pdfCelulas Apostólicas- Aula 2.pdf
Celulas Apostólicas- Aula 2.pdf
 
Processo de educação na fé
Processo de educação na féProcesso de educação na fé
Processo de educação na fé
 
Cifa 2013
Cifa 2013Cifa 2013
Cifa 2013
 

Mais de Daniane Bornea Friedl (20)

Donner sans attendre en retour
Donner sans attendre en retourDonner sans attendre en retour
Donner sans attendre en retour
 
Collaborer
CollaborerCollaborer
Collaborer
 
L'altruisme
L'altruismeL'altruisme
L'altruisme
 
L'honnêteté
L'honnêtetéL'honnêteté
L'honnêteté
 
L' empathie
L' empathieL' empathie
L' empathie
 
Autoconnaissance
AutoconnaissanceAutoconnaissance
Autoconnaissance
 
Pedagogia da virtude
Pedagogia da virtudePedagogia da virtude
Pedagogia da virtude
 
Projet semences pour l avenir
Projet semences pour l avenirProjet semences pour l avenir
Projet semences pour l avenir
 
Sócrates e platão, precursores
Sócrates e platão, precursores Sócrates e platão, precursores
Sócrates e platão, precursores
 
L' Amour
L' AmourL' Amour
L' Amour
 
Le Pardon
Le PardonLe Pardon
Le Pardon
 
Créer et raconter des histoires
Créer et raconter des histoiresCréer et raconter des histoires
Créer et raconter des histoires
 
Het Evangelie Thuis voor kinderen
Het Evangelie Thuis voor kinderenHet Evangelie Thuis voor kinderen
Het Evangelie Thuis voor kinderen
 
Jeu de auto estime
Jeu de auto estimeJeu de auto estime
Jeu de auto estime
 
Evangile au foyer
Evangile au foyerEvangile au foyer
Evangile au foyer
 
Gospel in the home
Gospel in the home Gospel in the home
Gospel in the home
 
Educando a Nova Geração
Educando a Nova GeraçãoEducando a Nova Geração
Educando a Nova Geração
 
Pedrito y el elefante
Pedrito y el elefantePedrito y el elefante
Pedrito y el elefante
 
Évangile au foyer pour les enfants
Évangile au foyer pour les enfantsÉvangile au foyer pour les enfants
Évangile au foyer pour les enfants
 
Evangelio en el hogar para niños
Evangelio en el hogar para niñosEvangelio en el hogar para niños
Evangelio en el hogar para niños
 

Último

Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxCelso Napoleon
 
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiamaysa997520
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaFranklinOliveira30
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxCelso Napoleon
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoInsituto Propósitos de Ensino
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoInsituto Propósitos de Ensino
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptxPIB Penha
 

Último (11)

Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
 
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarística
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
 
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdfO Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
 

Organizando o dij da casa espírita

  • 1. OOrrggaanniizzaannddoo oo DDIIJJ ddaa CCaassaa EEssppíírriittaa Dezembro/2009
  • 2. 2 "Amigos e companheiros desencarnados podem inspirar e sugerir, alertar e esclarecer, mas é necessário reconhecer que a oportunidade do trabalho efetivo é nossa e temos que procurar fazer o melhor. Improvisar é recurso de emergência. Programar para agir é condição de equilíbrio". Joanna de Ângelis  Para que o DIJ na Casa Espírita? Estabelecer linhas mestras ou um eixo filosófico em torno do qual possamos nos encontrar não é tarefa fácil num labirinto de idéias e enfoques tão diversificados e de ângulos de visão tão parciais, com os quais cada um de nós costuma ver os fatos relativos à educação, especialmente à Evangelização Espírita. O ponto de encontro de todos os espíritas, denominador comum para todos que professam o Espiritismo é sem dúvida as bases do Evangelho de Jesus – maior filósofo e pedagogo – e a Codificação Kardequiana, as quais enfeixam os princípios norteadores, capazes de orientar todo o processo de aperfeiçoamento moral, ético, afetivo, intelectual e social. Esses princípios nos levarão aos fins a que nos propomos com a evangelização espírita. Perfectibilidade, integração com as Leis Divinas, auto-conhecimento, transformação para o bem, eis a meta que toda educação verdadeiramente inspirada nos postulados cristãos, deve buscar. O DIJ tem a função específica de levar às crianças e jovens os conhecimentos espíritas e o estímulo à vivência do Evangelho. Sendo o espiritismo a revivescência do Cristianismo, nada mais natural que ele tenha em seu interior uma dimensão essencialmente educativa, uma proposta de formação moral voltada para a formação do homem cristão, do homem de bem. Para atingir esse propósito é necessária organização, de modo a atender às referidas tarefas que se relacionam, mas que tem suas peculiaridades e aspectos distintos.  Como organizar o Depto. de Infância e Juventude da Casa Espírita? O Movimento de Evangelização Espírita Infanto-juvenil demanda preparo adequado a fim de que não se constitua uma tarefa dispersiva sem repercussão positiva no meio social. Desse modo, o DIJ da Casa Espírita deve ser constituído, basicamente, dos Setores de Infância e Juventude, sendo coordenados por um Diretor, nomeado pela Presidência da Casa, que fará parte da Diretoria da mesma, além dos Coordenadores dos Setores. A Evangelização Espírita da criança e do jovem, considerados os aspectos psico- pedagógicos do trabalho, exige um corpo de evangelizadores e coordenadores que estejam em
  • 3. 3 constante aprimoramento das suas habilidades através de cursos rápidos e intensivos ou regulares, para o melhor desempenho de sua missão, porque, dentro do seu grande objetivo, visa não a transmissão mecânica e intelectual do ensinamento, mas a formação de valores morais de conseqüências profundas e duradouras. Também, é preciso lembrar, que não se pode falar em evangelização espírita infanto- juvenil sem estender os ensinamentos espíritas aos lares dessas crianças e desses jovens, em especial aos seus pais. Concomitantemente às tarefas referidas, deverá ser desenvolvido um trabalho junto à família, que é a mais importante agência educativa que se conhece, em relação às novas gerações.  Funcionamento do Setor de Infância: Cada ciclo deverá funcionar, preferencialmente, em sala própria e será orientado por um evangelizador. No caso de falta de salas ou evangelizadores, pode-se adotar o critério dos horários diferentes ou dos ciclos aglutinados. A distribuição das crianças, nos diversos ciclos, será feita pela idade cronológica: MATERNAL  Crianças de 3 – 4 anos JARDIM  Crianças de 5 – 6 anos PRIMEIRO CICLO  Crianças de 7 – 8 anos SEGUNDO CICLO  Crianças de 9 – 10 anos TERCEIRO CICLO  Crianças de 11 – 12 anos  Funcionamento do Setor de Juventude: Cada ciclo deverá funcionar, preferencialmente, em sala própria e será orientado por um evangelizador. A distribuição dos adolescentes , nos diversos ciclos, também será feita pela idade cronológica: PRIMEIRO CICLO  Adolescentes de 13 – 14 anos SEGUNDO CICLO  Adolescentes de 15 – 17 anos TERCEIRO CICLO  Jovens de 18 – 21 anos * * É preciso não perder de vista a necessidade do encaminhamento dos jovens do TERCEIRO CICLO às atividades do ESDE ou de grupos da Casa Espírita, buscando assim uma maior integração dos mesmos aos trabalhos da casa e evitando a descontinuidade do processo de evangelização após a conclusão dos Ciclos. No caso de falta de salas, evangelizadores ou na impossibilidade de se efetuar a divisão proposta, pode-se adotar o critério dos horários diferentes ou dos ciclos aglutinados, de acordo com a maior proximidade das idades. No trabalho com o jovem na casa espírita é necessário levar em consideração os propósitos deste tipo de trabalho:
  • 4. 4  Ministrar conhecimentos da Doutrina Espírita aos jovens, ensejando atividades de vivência desses conhecimentos;  Conceder aos jovens oportunidades de desempenhar tarefas, compatíveis com as suas possibilidades na Sociedade Espírita;  Envolver os jovens em atividades e tarefas voltadas para o auxílio ao próximo, estimulando- os à vivência do Evangelho de Jesus dentro e fora da casa espírita;  Conscientizar os jovens de que eles são os continuadores e responsáveis pela organização do Movimento Espírita;  Favorecer o intercâmbio do jovem com outras juventudes e sua integração no Movimento Espírita em geral. Os orientadores dos dois últimos ciclos de Juventude poderão constituir uma Comissão de Assessoramento (auxiliares), composta de jovens integrantes desses ciclos, que tenham demonstrado interesse especial pelas atividades da Juventude. Quanto ao envolvimento do jovem na instituição, são lembradas as seguintes atividades para aqueles que integram os dois últimos ciclos de Juventude:  Colaboração nas aulas de evangelização para crianças;  Prestação de serviços nos setores de secretaria, tesouraria;  Colaboração nas reuniões públicas, doutrinárias, quer ocupando a tribuna, quer realizando outras atividades programadas para essas reuniões;  Auxílio na divulgação da Doutrina, participando da organização de bibliotecas, periódicos, na distribuição de mensagens;  Atividades assistenciais, sob orientação e supervisão. Além dessas, outras atividades poderão propiciar a perfeita integração do jovem na Casa Espírita.  Atribuições do Diretor do DIJ:  Ser membro da Diretoria da Sociedade Espírita, quando a sua estrutura permitir;  Administrar as atividades do Departamento;  Elaborar com a sua equipe, plano de atividades do ano, não esquecendo da necessidade de formar evangelizadores de infância e coordenadores de juventude;  Providenciar e freqüentar, junto com sua equipe, cursos e treinamentos, com vistas à atualização de conhecimentos;  Apresentar o plano de atividades do DIJ à Diretoria;  Designar os evangelizadores e coordenadores que se responsabilizarão pela orientação dos ciclos de infância e de juventude;  Nomear entre os seus colaboradores, um coordenador para o Setor de Infância e outro para o Setor de Juventude, quando as condições de trabalho assim o permitirem;
  • 5. 5  Promover reuniões com seus colaboradores, tanto de ordem administrativa como de ordem pedagógica;  Fazer a coordenação e acompanhamento permanente das atividades dos Setores do DIJ;  Participar do Movimento Federativo Municipal, Regional e Estadual;  Manter contato com o DIJ da União Regional Espírita e ou da Federativa Estadual;  Proceder à avaliação interna;  Entregar relatório à Diretoria da Instituição.  Atribuições do Coordenador do Setor de Infância:  Coordenar as atividades de evangelização infantil da instituição;  Distribuir o material de evangelização entre os evangelizadores;  Organizar a matrícula e registrar os dados de freqüência dos evangelizandos;  Participar de encontros de evangelizadores de infância, promovidos pelo seu Órgão de Unificação e/ou Federativa;  Realizar reuniões de pais;  Proceder à avaliação interna das atividades do Setor;  Realizar outras tarefas propostas pelo Diretor do DIJ.  Atribuições do Coordenador do Setor de Juventude:  Coordenar as reuniões dos jovens na instituição;  Distribuir o material de evangelização aos coordenadores dos ciclos;  Participar de encontros de coordenadores de Juventude, programados pelo seu Órgão de Unificação e/ou Federativa;  Dar oportunidade aos jovens para se integrar na instituição e no movimento municipal;  Realizar reuniões de pais;  Realizar outras tarefas propostas pelo Diretor do DIJ.  Atribuições dos Evangelizadores e/ ou Coordenadores:  Desenvolver o plano de trabalho elaborado para o ano;  Planejar, estudar e preparar as atividades a serem desenvolvidas em cada ciclo;  Comparecer à tarefa com assiduidade e pontualidade;  Comunicar, com antecedência, os seus impedimentos;  Participar dos Cursos Intensivos de Preparação ou Atualização, Encontros, Seminários, etc., programados pelo seu Órgão de Unificação e ou Federativa;  Manter em dia o registro de freqüência de seu ciclo;  Participar ativamente das reuniões de pais e evangelizadores;
  • 6. 6  Recomendações Gerais Importantes: 1. Divulgação da Tarefa  Aproveitamento de todas as palestras públicas para esclarecimentos relativos à tarefa e informes sobre o andamento das atividades;  Utilização de cartazes e murais com incentivos e notícias;  Distribuição de mensagens focalizando a importância da evangelização da Infância e da Juventude, bem como sobre o Evangelho no Lar;  Aproveitamento dos periódicos para salientar a relevância da tarefa e publicar trabalhos dos jovens. 2. Matrícula Sendo a atividade de evangelização um trabalho sistematizado, convém realizar no início de cada ano um registro das crianças e dos jovens, em uma Ficha de Matrícula, contendo, entre outros, os seguintes dados: nome, data de nascimento, filiação, sexo, escolaridade, endereço, telefone e outras informações que forem julgadas necessárias (por exemplo, se a família é ou não espírita, se os pais são trabalhadores da Sociedade Espírita, se realizam Evangelho no Lar, etc.) 3. Registro de Freqüência Objetivando um melhor acompanhamento da participação das crianças e dos jovens nas reuniões da Evangelização Infantil e Juventude, e para facilitar o levantamento estatístico, com vistas ao relatório, sugere-se realizar um registro de freqüência. 4. Organização do Calendário do DIJ Para o bom funcionamento das atividades se faz necessária a elaboração de um Calendário do DIJ, que deverá integrar o calendário da instituição. Para isso, devem ser observadas alguns ítens que deverão constar neste calendário:  Quantidades de encontros ministrados no ano  Recessos (Feriados)  Início e Término das aulas (semestral)  Datas comemorativas  Atividades Artísticas  Reuniões de Planejamento
  • 7. 7 5. Tipos de Reuniões  Reuniões de planejamento:  Objetivos: Planejar os programas que serão desenvolvidos durante o ano; Organizar o calendário para o ano seguinte; Distribuir os evangelizadores nos ciclos de atividades.  Quantidade no ano: 01 por semestre  Participantes: Presidente da Casa Espírita (buscar envolvê-lo no trabalho), Diretor do DIJ, Coordenadores dos Setores de Infância e Juventude, Evangelizadores de todos os Ciclos, Auxiliares de todos os Ciclos.  Coordenação: Diretor do DIJ e Coordenadores dos Setores de Infância e Juventude.  Reuniões de avaliação:  Objetivos: Avaliar as atividades durante ; Avaliar os conteúdos dos programas; Avaliar a participação dos evangelizandos;  Quantidade no ano: 01 por semestre (mais as reuniões semanais de avaliação)  Participantes: Presidente da Casa Espírita (buscar envolvê-lo na proposta), Diretor do DIJ, Coordenadores dos Setores de Infância e Juventude, Evangelizadores de todos os Ciclos, Auxiliares de todos os Ciclos.  Coordenação: Diretor do DIJ, Coordenadores dos Setores de Infância e Juventude.  Reuniões de Treinamento para Evangelizadores:  Objetivos: Oferecer subsídios de didática, metodologia e pedagogia nas aulas de evangelização a equipe do DIJ;  Quantidade no ano: mínimo de 01 por ano  Participantes: Diretor do DIJ da Casa Espírita, Coordenadores dos Setores de Infância e Juventude, Evangelizadores de todos os Ciclos, Auxiliares de todos os Ciclos.  Coordenação: Diretor do DIJ ou Grupo da Federativa.  Reuniões de Pais:  Objetivos: Orientar os pais quanto às atividades desenvolvidas na evangelização; Planejar e executar palestras sobre temas pertinentes à Evangelização Infanto- juvenil (ex: Religião, Limites, Importância da Evangelização, Psicologia Infanto-juvenil);  Quantidade no ano: mínimo de 02 (01 por semestre)
  • 8. 8  Participantes: Presidente da Casa Espírita (buscar envolvê-lo no trabalho), Diretor do DIJ, Coordenadores dos Setores de Infância e Juventude, Evangelizadores de todos os Ciclos, Auxiliares de todos os Ciclos.  Coordenação: Diretor do DIJ.  Confraternizações:  Objetivos: Promover a integração entre a equipe do DIJ, os pais e os evangelizandos.  Quantidade no ano: mínimo de 02 (01 por semestre)  Sugestões de atividades: Ginkanas, lanches, pic-nics, jantares, tardes esportivas, brincadeiras, teatro, artesanato, contar histórias...  Participantes: Presidente da Casa Espírita (buscar envolvê-lo no trabalho), Diretor do DIJ, Coordenadores dos Setores de Infância e Juventude, Evangelizadores de todos os Ciclos, Auxiliares de todos os Ciclos, Pais, Evangelizandos.  Coordenação: Diretor do DIJ.  Confraternizações do DIJ:  Objetivos: Promover a integração entre os integrantes do DIJ.  Quantidade no ano: mínimo de 02 (01 por semestre)  Sugestões de atividades: Lanches, saraus, pic-nics, jantares, cinema, teatro, amigo-secreto, evangelhos nos lares dos integrantes...  Participantes: Presidente da Casa Espírita (buscar envolvê-lo na proposta), Diretor do DIJ, Coordenadores dos Setores de Infância e Juventude, Evangelizadores de todos os Ciclos, Auxiliares de todos os Ciclos.  Coordenação: Todos os integrantes do DIJ. Fontes de Consulta:  Organização e Funcionamento do DIJ na Casa Espírita – FEP (2001)  Organização e Funcionamento do DIJ nas Federativas – FEB  Orientação ao Centro Espírita – FEB  Currículo para as Escolas de Evangelização Espírita Infanto-juvenil – FEB (1998)  Diretrizes 2010 - Caderno Compacto I/II/II – USEERJ (2001)
  • 9. 9 Anexo 01: Nome da Instituição Departamento de Infância e Juventude Ficha de Matrícula na Evangelização Nome: __________________________________________________________________ Data de nascimento: ____ / ____ / ____ Escolaridade: __________________________ Endereço: ______________________________________________________________ Bairro: _________________ CEP_______________Telefone: _____________________ Nome do Pai: ____________________________________________________________ Nome da Mãe: ___________________________________________________________ Religião do Pai: ______________________ Religião da Mãe: ______________________ Profissão do Pai: _____________________ Profissão da Mãe: _____________________ Escolaridade do Pai: ________________ Escolaridade da Mãe: ____________________ Nome e ciclo dos irmãos que freqüenta ou freqüentou a Evangelização: ______________ Observações sobre o Evangelizando (no ato da matrícula):_________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________ Data da Matrícula: ____ / ____ / ____ ________________________________________ Assinatura do Evangelizador ANO CICLO EVANGELIZADOR OBSERVAÇÕES