SlideShare uma empresa Scribd logo
Copyright © Andréia Galvão, Armando Boito Jr.,
João Quartim de Moraes, Jorge Grespan, Lígia Osório, Mauro Castelo Branco,
Paula Marcelino, Pedro Leão da Costa, Sergio Lessa, Tatiana Berringer, 2014
Crítica Marxista n239 - 2014
Capa: Megaart Design
Copidesque: Mariana Pires
Revisão: Camilla Bazzoni
Editoração eletrônica: Eduardo Seiji Seki
ISSN 0104-9321-39
Periodicidade semestral
Todos os direitos reservados.
É vedada, nos termos da lei, a reprodução de qualquer parte
desta publicação sem a expressa autorização da editora.
Iaedição 2014
Indexada em Worldwide Political Science Abstracts,
Sociological Abstracts e Social Services Abstracts
Distribuição
FUNDAÇÀO EDITORA DA UNESP
Praça da Sé, 108 - Centro
CEP 01001-900 - São Paulo - SP
Tel.: + 55 11 3242-7171
Fax: + 55 11 3242-7172
www.editoraunesp.com.br
www.livrariaunesp.com.br
feu@editora.unesp.br
CRÍTICA
Imarxista]
Comitê editorial
Andréia Galvão - Unicamp / Armando Boito Jr. - Unicamp / João Quartim de Moraes - Unicamp / Jorge
Grespan - USP / Lígia Maria Osório Silva - Unicamp / Mauro Castelo Branco de Moura - UFBA/ Paula
Marcelino - USP / Pedro Leão da Costa Neto - UTP / Sergio Lessa - UFAL / Tatiana Berringer - FAAP
Conselho editorial
Adriana Doyle Portugal - Socióloga / Adriano
Nascimento - UFAL / Adriano N. Codato - UFPR
/ Adriano Pereira Santos - Unifal-MG / Altamiro
Borges - Jornalista / Amarilio Ferreira Junior -
UFSCar / Ana Lúcia Goulart de Faria - Unicamp
/ Ana Selva Castelo Branco Albinati - PUC-MG
/ Ângela Lazagna - Cientista Política / Angélica
Lovatto - Unesp / Angelita Matos Souza - Unesp
/Anita Handfas - UFRJ /Anita Helena Schlesener
- UTP / Anita Prestes - UFRJ / Antônio Andrioli
- UFFS / Antônio Câmara - UFBA / Antônio
Rufino Vieira - UFPB / Ariane Leites Larentis -
Fiocruz / Augusto Buonicore - Historiador / Bruno
Durães - UFRB / Carla Ferreira - UFRGS / Carla
Luciana Silva - Unioeste / Carlos Alberto Barão
- Historiador / Carlos Dória - Sociólogo / Carlos
Eduardo Martins - UFRJ / Carlos Zacarias de
Sena Jr. - UFBA/ César Mangolin - FMU/ESAMC
/ Christy Ganzert Pato - UFFS / Claudinei Coletti
- Sociólogo / Claus Germer - UFPR / Cristiano
Ferraz - UESB / Cristina Paniago - UFAL / Danilo
Martuscelli - UFFS / Darlan Montenegro - UFRRJ
/ Davisson de Souza - Unifesp / Décio Azevedo
M. de Saes - Universidade Metodista / Diorge
Konrad - UFSM / Eduardo F. Chagas - UFC
/ Edilson Graciolli - UFU / Elaine Amorim -
Socióloga / Eleutério Prado - USP / Eliel Machado
- UEL/ Elza Peixoto - UFBA/ Emmanuel Appel -
UFPR / Enoque Feitosa - UFPB / Ester Vaisman
- UFMG / Eurelino Coelho - UEFS / Eurenice
Oliveira de Lima - UFAC / Fábio Mascaro Querido
- Sociólogo / Fauze Chelala - GPMARX/UFPA/
Fernando Novais - Unicamp / Fernando Leitão
Rocha Júnior - UFVJM / Francis Guimarães
Nogueira - Unioeste / Francisco Farias - UFPI /
Francisco Foot Hardman - Unicamp / Francisco
Teixeira - UFCE / Francisco Xarão - Professor
da rede pública / Gabriel Vitullo - UFRN / Geraldo
Barbosa - Florianópolis / Gilcilene Barão - UERJ
/ Gilberto Calil - Unioeste / Gonzalo Rojas -
UFCG / Hector Saint-Pierre - Unesp / Henrique
Amorim - Unifesp / Hermenegildo Bastos - UnB /
Homero Costa - UFRN / Igor Fuser - Unifesp /
Iná Camargo - USP / Jadir Antunes - Unioeste
/ Jair Batista da Silva - UFBA / Javier Amadeo
- Unifesp / Jesus Ranieri - Unicamp / Jorge
Miglioli - Unicamp / Jorge Almeida - UFBA /
José Carlos Ruy - Jornalista / José Claudinei
Lombardi - Unicamp / José dos Santos Souza
- UFRRJ / José Ricardo Figueiredo - Unicamp /
José Roberto Cabrera - Cientista Político / José
Roberto Zan - Unicamp / José Rodrigues - UFF
/ Juliana Amoretti - Socióloga / Leandro Galastri
- Unifal-MG / Leda Maria de Oliveira Rodrigues-
PUC-SP / Lígia Regina Klein - UFPR / Liliam Faria
Porto Borges - Unioeste / Lincoln Secco - USP
/ Lívia Moraes - UFES / Luciana Aliaga - UEL /
Luciano Cavini Martorano - Cientista Político /
Ludmila Abílio - USP / Luiz Eduardo Motta - UFRJ
/ Luiz Renato Martins - USP / Luziano Mendes
de Lima - UNEAL / Marcelo Ridenti - Unicamp
/ Márcio Naves - Unicamp / Márcio Nuno Rabat
- Cientista Político (Brasília) / Marco Antonio
dos Santos - CeCAC / Marcos Cassin - USP
/ Marcos Del Roio - Unesp / Marcos Novelli -
UFSCar / Marcos Vinícius Pansardi - IFPR /
Maria Augusta Tavares - UFPB / Maria Cecília
de Paula Silva - UFBA / Maria Cristina Cardoso
Pereira - UFG / Maria Lúcia Frizon Rizzotto
- Unioeste / Maria Orlanda Pinassi - Unesp /
Maria Ribeiro do Valle - Unesp / Mário Maestri
- UFP / Marisa Brandão - Cefet / Marly Vianna -
Universo / Mathias Seibel Luce - UFRGS / Mau­
rício Sabadini - UFES / Maurício Vieira Martins -
C o n s u l t e a B i b l io t e c a V i r t u a l d a C r ít ic a M a r x is t a
http://www.ifch.unicamp.br/criticamarxista
A grande virada de Lenin
João Quartim de Moraes
A moral em Marx
Yvon Quiniou
Althusser, o marxismo e o historicismo
Maurício Vieira Martins
Edição da MEGA: da política à filologia
Gerald Hubmann
Comentários: os Grundrisse e sua edição brasileira
Claus Germer, Eleutério Prado e
Pedro Leão da Costa Neto
34
E. P. Thompson
no Brasil:
recepção e usos
ANTO NIO L UIGI N E G R O '
Ele sempre reconheceu o débito que ele e o oficio do
historiador em geral contraíram com Marx, mas hesitou
crescentemente em se autodenominar um marxista. Ele preferia
dizer que escrevia no interior da tradição marxista. Sempre in­
sistiu que ciasse era um conceito e uma ferramenta de imenso
valor para o exame das estruturas sociais, mas constantemente
desacreditava de muitos dos sistemas teóricos fechados e au-
torreferidos que dela se valiam.
Dorothy Thompson, The Essentiai E. P. Thompson
Ante a chamada de Crítica Marxista, deparei-me com a pesquisa de Mattos
(2006,2012) sobre E. P. Thompson no Brasil. Assim, o leitor que deseja conhecer
mais sobre isso possui excelente autor à breve distância. Então, busco aqui percor­
rer uma via com comentários que incorporam Dorothy Thompson ao debate e, em
seguida, dirijo-os ao modo como E. P. Thompson foi adotado por uma rede tramada
entre Campinas, São Paulo, Rio e Niterói, dos anos 1970 aos 1990. Sugiro a atual
vigência de uma segunda e recente etapa, já que da recepção em rede se chega
nos muitos e variados usos de Thompson, que se distingue por sua articulação em
nível nacional (dado o crescimento da pós-graduação). Indicativamente, cumpre
assim apontar para o mestrado em História de Cândido (2002) - dos primeiros
* Professor de História na UFBA. E-mail: negro@ufba.br
defendidos no Ceará o qual (sem pedir licença a Rio ou São Paulo) estudou A
formação da classe operária inglesa a fim de compreender o giro de Thompson
para o século XVIII, guinada que subverte o foco habitualmente reconhecido
como pertinente ao conhecimento do processo de formação da classe operária,
aquele em que - presume-se - a classe trabalhadora corresponde ao modelo de
sua consciência de classe.
Thompson e a tradição marxista
Na coletânea que reúne o E. P. Thompson essencial, sua esposa e interlocutora
Dorothy - militante comunista, mãe e historiadora - comete indiscrição conjugal ao
revelar uma provocativa pergunta de seu marido: “seria estranho - não seria? - se
tudo sobre o que temos falado fosse, ao longo dos séculos, a luta dos pobres contra
os ricos” (Thompson, 2001, p.x). Pode parecer estranho um Thompson relutante
em aceitar ser um marxista, justo no que lhe é essencial, preferindo declarar que
escrevia no interior da tradição marxista. Justamente, sua recepção no Brasil guarda
relação direta com o que ele dizia ser uma tradição. Para o entendimento desta
última, é expressivo o pós-escrito de seu primeiro livro William Morris. Romantic
to Revolutionary. Neste, Thompson abre suas mãos vazias de “conceitos talismâ-
nicos”, aqueles que fazem “identificar instantaneamente se a teoria de referência
de qualquer pessoa ou grupo é ‘burguesa’ou ‘revolucionária’”. Atesta também a
inexistência de “uma única, ‘correta’, ortodoxia socialista imanente” (Thompson,
2011, p.39). Deste modo, a tradição romântica abraçada por Morris “não deve ser
definida nos termos de suas características tradicionais” (Thompson, 2011, p.52) -
conservadora, regressiva, escapista, utópica, subjetivista, idealista -, pronta para
sucumbir ante a mais bem acabada estratégia possível. “Isso significa dizer que a
crítica moral ao processo capitalista convergia para conclusões concordantes com
a crítica de Marx”. Se coube a Morris estabelecer a junção, não foi como alguém
que “tomou-se um marxista”, mas como alguém que combinou influxos. Morris
não era um alienado cujo pensamento carecia de recursos externos para uma teoria
crítica, dependente “da difusão dos escritos de Marx e Engels” para dotar-se de
espírito indagativo. Não era um “convertido ao marxismo”. Morris era um “pen­
sador socialista original” (Thompson, 2011, p.38 e 53).
Igualmente, Thompson volta-se para o marxismo como uma tradição, ou seja,
um conjunto de referências que são comungadas ao mesmo tempo em que são
interpretadas de forma mutante e heterogênea, em um dado contexto, de acordo
com circunstâncias particulares (Batalha, 2000, p. 194). É, aliás, de se notar que
o termo francês marxisant - bastante usado pelo casal - lhes serviu para designar
autores que, embora situados no interior da tradição marxista, não abonam sua
validade sempre em Marx (Thompson, D., 2004b, p.230). Não por acaso, Doro­
thy Thompson (2004c, p.249) é explícita ao dissentir do “cânone” “historiadores
marxistas britânicos”, preferindo o termo Grupo dos Historiadores do Partido
Comunista da Grã-Bretanha. Nesse coletivo, Dona Torr polemizava com os “tal-
mudistas”, aqueles “que queriam conduzir cada discussão através de referências
aos textos sagrados dos escritos de Marx e Engels” (Thompson, D., 2004c, p.247).
Logo, recusa-se o marxismo quando é
concebido como um autossuficiente corpo doutrinário, completo, internamente con­
sistente, e inteiramente concluído num conjunto particular de textos, seja de Marx
(jovem ou maduro), seja de Marx e Engels; ou ainda com um adendo hifenizado,
tipo -Lenin, -Trotsky, -Mao-Tse-Tung. (Thompson, 1973, p. 18)
Consequentemente, certas linhagens no Brasil viram em E. P. Thompson uma
leitura encorajadora para prosseguir adiante com suas investigações, sem porém
fazer de seu ícone um semióforo para a congregação sectária. Se a Segunda Guerra
Mundial foi, segundo Dorothy Thompson (2004a, p.215), um divisor de águas para
a pesquisa lançar-se ao encontro da “história das pessoas comuns”, a luta contra
a ditadura no Brasil deu mais ânimo ao interesse pelos trabalhadores. Notava-se
então o incerto processo de formação da classe trabalhadora e não o seu clímax (a
classe com consciência de classe). Thompson foi percebido, em dias de tremenda
repressão, como uma chance para mover e arejar a pesquisa feita pelas ciências
humanas. A conjuntura formada tanto com a derrota da esquerda armada quanto
com a transparente - e hercúlea - força e criatividade do povo comum (ou da
gente trabalhadora) dissolveu a segurança daqueles que estavam certos de que “só
os marxistas possuíam a verdadeira receita para a transformação da sociedade”
(Thompson, D., 2004a, p.216). Era uma oportunidade para ser abordado - e
seriamente considerado - aquilo que E. P. Thompson (1987, p.62), em inspiradora
passagem, frisou: a “tenacidade da autopreservaçâo” dos de baixo, “seus traços
mais robustos e desordeiros”, cuja linguagem politicamente não articulada lhes
servia para conservar “certos valores - espontaneidade, capacidade para a diversão
e lealdade mútua -, apesar das pressões inibidoras”. Do chão das fábricas, das ruas
nos bairros operários, das ruas do canavial e do engenho, dos mais variados locais -
o templo e o xangô, o assentamento e a vila -, jorrava a energia que dera sangue
ao cruel “milagre” econômico. Tal ímpeto não só atraiu o imaginário acadêmico
como também o modificou (Chalhoub; Silva, 2009). Em suma, a espontaneidade
popular, bem como sua história eram a chave para a democracia.
De modo geral, a rede disposta entre Rio, Niterói, Campinas e São Paulo
alinhou sociólogos, antropólogos e historiadores em dinâmico estágio formati-
vo e, portanto, obedeceu a um certo ritmo e cronologia. Sendo aqui impossível
esmiuçá-la em detalhes, é importante afirmar que ela não se fez com um número
exato de instituições, mas com os sujeitos das pesquisas, fossem os pesquisado­
res, fossem os sujeitos pesquisados. Com suas teses de doutorado defendidas em
1969, Michael Hall e Peter Eisenberg foram, na Unicamp, pioneiros. Em 1983,
juntou-se a eles Robert Slenes que, vindo da UFF, ainda orientava o mestrado em
História de Sidney Chalhoub. Em paralelo, Maria C. Paoli (que foi orientada por
Hobsbawm no doutorado) e Elisabeth Souza Lobo teciam os seus achados. Por
sua vez, antropólogos do Museu Nacional, no Rio, obtiveram seus mestrados e
doutorados ao longo das décadas de 1970 e 1980.
Longe do Rio e de São Paulo (e assim esticando a rede), um de seus pontos no-
dais foi Pernambuco, em particular a Zona da Mata, com suas usinas açucareiras, e
o grande Recife, com suas fábricas têxteis. Slenes (1988, p.287), ao expor o livro de
Eisenberg, Modernização sem mudança. A indústria açucareira em Pernambuco,
1840-1910 (1977), explica que a modernização capitalista da lavoura se fez com
o protagonismo de “antigos senhores de engenho” que, ao somarem “poderio
econômico” a “domínio político”, mantiveram “com sucesso sua posição social
privilegiada”, sendo bem-sucedidos no ato de submeter trabalhadores, livres ou
cativos, a miserável proletarização. Sem deixar de reconhecer que Eisenberg “não
foi o primeiro a enunciar essa tese”, Slenes (1988, p.286) observa a documentação
“detalhada e contundente”. Em acréscimo, além de seu conhecimento da história
econômica e transnacional do açúcar, Eisenberg fazia a ponte entre trabalho livre
e escravo. Ao chamar a atenção para a racionalidade e a cultura do trabalhador
livre ou escravo, Eisenberg os retirava do esquecimento e os apresentava de modo
inusitado, como sujeitos históricos contemporâneos um do outro.
“O que de fato fui lendo no entremeio das primeiras idas ao campo” feitas para o
doutorado, em meados dos anos 1980 (sob a orientação de Lygia Sigaud), esclarece
Leite Lopes, “foi o livro de E. P. Thompson, The Making o f the English Working
Class”, no qual enxergou “a hipótese da importância do passado, da memória, da
história incorporada para a possibilidade de criação do novo”. Intrigando ele e sua
companheira Rosilene Alvim, os trabalhadores de Paulista (PE) pareciam pular para
dentro das páginas do livro de Thompson após a pesquisa de campo, no final do
dia. Najornada seguinte, de volta às entrevistas, os mesmos trabalhadores pareciam
reescrever sua história, com sua presença, memória, narrativa e desenvoltura. E
persuadiram ambos a respeito da proposição inédita - e polêmica - de The Making:
inverter “o senso comum, inclusive o acadêmico”, atribuindo
o protagonismo não ao polo moderno da transformação capitalista, a fábrica e seus
operários, mas àqueles aos quais tais mudanças estavam deslocando e destruindo.
Eram eles: os artesãos, os trabalhadores rurais e os camponeses, os trabalhadores
a domicílio. (Leite Lopes, 2011, p.588)
Parafraseando Leite Lopes (2011, p.590), o argumento thompsoniano sobre a
relevância tanto “do peso do passado nas disposições presentes dos trabalhadores”
(com que a pesquisa antropológica se deparou) quanto “da importância de sua
experiência”, tinha muito a ver com o que não só Rosilene Alvim e ele próprio,
mas também Lygia Sigaud e Moacir Palmeira haviam anotado ao conhecerem
de perto os trabalhadores da área canavieira pernambucana. Em diálogo com
E. P. Thompson, Sigaud (1979, p.29, 141, 203, 222) elegeu “a categoria nativa
‘direitos’como centro de sua análise, como marcador do tempo histórico e como
operador central na vida cotidiana na área estudada” (Leite Lopes, 2009, p.261),
atitude crucial para seu livro Os clandestinos e os direitos. Paradoxalmente,
numa região nevrálgica para qualquer possibilidade de transformação social em
nosso país, os direitos, em riste, marcavam a arena. Certeiro nos seus alvos, o
Golpe de 1964 em Pernambuco ‘‘atingiu em profundidade as organizações dos
trabalhadores” (Sigaud, 1979, p. 12-14). Lideranças, ativistas, sindicatos e ligas
camponesas foram perseguidos sem cessar. Mesmo assim ‘‘os tempos de Arraes”
não foram liquidados; e foi “exatamente a continuidade das lutas pelos ‘direitos’
durante todos esses anos” (de 1963 a 1979) que a permitiu “compreender como
os acontecimentos de outubro” de 1979 - a greve nos engenhos - se originaram
e evoluíram. Os “direitos” pontuavam com força a história dos trabalhadores da
zona açucareira estudada e também a pesquisa de uma vida inteira, no caso de
Lygia Sigaud. Nesse sentido, Leite Lopes registra a sua presença marcante em
um dos últimos escritos de Sigaud:
os direitos, seis anos depois de sua outorga [em 1963], eram um tema que se im­
punha nas conversas: os patrões se queixavam do peso das obrigações trabalhistas
na folha de pagamento e se diziam incapazes de cumprira lei; os trabalhadores se
serviam dos direitos para periodizar e interpretar sua história recente (os tempos
“antes” e “depois” dos direitos), e para avaliar o comportamento dos patrões, de­
nunciados como “sonegadores”; os sindicalistas se atribuíam a missão de difundir
os direitos, e se apresentavam como seus guardiões. (Leite Lopes, 2009, p.262)
A “crença simbólica nos direitos” (Paoli, 1987, p. 162) da parte dos trabalha­
dores é um fértil ingrediente para muitos despachos na encruzilhada, combinando
tradições. De um lado, tem sido de valia para romper com mundos do trabalho
apartados entre liberdade e cativeiro e, outrossim, serve para pensá-los além
de senzalas e fábricas. Afora ser ponto de encontro entre história, sociologia e
antropologia, promove interessantes contrastes e comparações entre Sul e Norte
globais - e também exibe sua validade fora dos lugares mais conhecidos pela
pesquisa. Por fim, no lugar de ser uma atitude impositiva da parte de quem detém
o saber, os direitos constituem meio para tensa interação entre sujeitos históricos
distintos e assimétricos, no que toca aos recursos de poder. Para apagar o passado
(sem mencioná-lo com o fito deliberado de produzir sua inexistência), Getúlio
Vargas - e aqui cito Gomes (1988, p.26) - lidou “com os mesmos elementos
básicos presentes no discurso operário desde o século XIX”, ao cabo “relidos e
integrados em outro contexto” (arquitetado de cima para baixo com fartos recursos
de poder, tanto os materiais quanto os imateriais). Neste plano bem urdido, foram
reelaborados “o valor fundamental do trabalho” e “a dignidade do trabalhador”,
antes confeccionados pelos próprios trabalhadores. Seu resultado foi a invenção
do trabalhismo, que dialoga, mesmo que de maneira muda ou surda, com a luta
por direitos que a precedeu (e com a qual igualmente teve sempre de conviver).
Para tal, a autora adverte o leitor estar munida de autores (e Thompson é um deles)
que informaram seu entendimento “de como a construção de um ator coletivo” -
no caso, a classe trabalhadora - passa por sua “lógica simbólica” (Gomes, 1988,
p. 19). No lugar de antecipar vestígios que só podem ganhar músculo e plenitude
apenas nos exemplares evoluídos do século XX, a luta por direitos atravessa o
processo histórico brasileiro.
Difusão, tradução e discussão
Os direitos, óbvio, não são tudo. Tampouco as insurreições. Slenes (2012,
p. 101-102) é claro nesse sentido. A vida dos senhores e das autoridades zeladoras
do poder senhorial era bastante turbulenta não apenas pela (ameaça de) insurgên-
cia escrava (e o temor a ela): ela era também desafiada, com maior frequência,
“por meios sutis, não obstante subversivos”. Slenes indica então que Thompson
foi particularmente decisivo para Reis (1986), Lara (1988) e Chalhoub (1990)
quando demonstrava que a cultura rebelde da plebe inglesa no século XVII1se
camuflava em ladina prática deferencial acionada para socorrer, servir ou amansar
os patrícios. “Dos anos 1970 em diante”, situa um antropólogo, “sob a influência
de autores como Eugene Genovese e E. P. Thompson”, os estudos brasileiros
sobre escravidão entraram também nos terreiros das religiões afro-brasileiras e
demonstraram a eficácia “dos grupos subalternos em articular discursos contra-
-hegemônicos ou espaços alternativos de identidade no interior de estruturas de
desigualdade” (Parés, 2012, p. 145). Assim, o culto deixou de ser visto como um
fetichismo de negros descendentes de africanos dominados por um misticismo
fatalista, os quais, resignados pela religião, aceitavam a pobreza, o abandono por
parte dos poderes públicos, bem como a exploração patronal com a passividade
característica daqueles que esperam tudo do além.
Tendo citado os livros de Reis (1986) e Gomes (1988), vê-se - como já foi
dito - que a rede de pesquisadores na qual Thompson foi inserido não se restrin­
ge a Rio e São Paulo ou a um número determinado de instituições. Não era para
menos. Na Inglaterra, o fato de The Making ter vindo a lume com instantânea e
entusiástica leitura - dentro e fora da universidade -, sendo depois imediatamente
citado como um clássico; e o fato de ser lido e relido ao longo dos seus 50 anos de
vida mereceram do editorial do The Guardian (26/12/2013) a seguinte anotação:
"nenhum historiador da sociedade britânica escreveu um livro que fosse páreo para
The Making". O vaivém nas bibliotecas, livrarias, fotocópias e sebos - viajando
nas mãos, conversas e pulsantes afetos de leitores mundo afora (o livro, na Grã-
-Bretanha, jamais saiu das gráficas entre 1963 e 2013) - impede qualquer tutela
sobre suas linhas boas de ler. Assim, também no Brasil, para aqueles pesquisadores
cuja formação foi no exterior, ou para quem lia em inglês, Thompson foi uma
eleição livre e direta. Esta, enfim, ganhou mais liberdade em 1987, quando foram
publicadas as traduções Senhores & caçadores e A formação da classe operária
inglesa (em adição a outras, como aquelas de Christopher Hill e Hobsbawm).
Até aí o idioma era um limite não só para a leitura, mas também para os próprios
receptores de Thompson no Brasil. Por sinal, as originais e inéditas proposições
do artigo de Hall (1975) também tiveram de aguardar traduções para repercutir
mais profundamente. Mesmo assim, até hoje pode perturbar sua crítica ao mito do
imigrante radical assim como sua desconcertante afirmativa sobre os imigrantes
italianos terem, até a Grande Guerra (1914-18), mais atrapalhado e enfraquecido
o operariado paulista já existente (que era muito pouco branco ou europeu) do
que contribuído, de fato, para suas lutas. Em contraste, duas citações em bom
português estão ainda à espera de leitor que com elas dialogue: Fausto (1976,
p.9) e Cardoso (1985, p. 161).
As traduções de 1987 abriram um momento peculiar. Incluíram leitores e so­
maram-se à publicação de livros e artigos, aos 100 anos da abolição e à conjuntura
política democrática. Chegaram às livrarias com autores e citações a Thompson:
Caldeira (1984, p. 115-116), Cunha (1986, p. 17 e 24), Reis (1986), Abreu (1989,
p. 157), Mattos (1987, p.4,57), Gomes (1988, p. 18-21), Lara (1988, p. 112 e 351),
Leite Lopes (1988, p.22, 52, 216 e 583), Sader (1988, p.44), Chalhoub (1990,
p.23, 24), Ramalho (1989, p.78 e 210) e Souza-Lobo (1992, p.85, 86, 117, 126,
127 e 176). Em geral, essas citações ocorrem na introdução ou, seletivamente, ao
longo do texto. Ao tratarem da multidão, motins da fome, luta de classes, classe
trabalhadora, economia moral, hegemonia, domínio da lei, paternalismo, cultura
plebeia e proletarização, mesclam os textos sobre o século XVIII com A formação
da classe operária inglesa. Este último, a propósito, é útil para Mattos (1987)
elaborar o tempo Saquarema, focalizando a fonnação histórica da classe senhorial,
o que com certeza foi brilhante e inédito. Houve, pois, debate e pensamento, no
lugar de refúgio e apego. Anos depois, concluída em 1998 com Costumes em
comum, a tradução dos livros históricos mais importantes foi ainda integrada pela
coletânea As peculiaridades dos ingleses e outros artigos.
Um número tão pequeno de livros, que resulta de um apanhado frouxo, é de
qualquer sorte evidência de uma elaboração - da capa à quarta capa - nada obceca­
da por Thompson, que tampouco foi modismo volúvel. Ele foi recebido e, de fato,
apropriado em meio à sua interlocução com vários autores e investigações. Se Reis
(1986, p.30,202) cita seus artigos duas vezes, seja por causa dos motins da fome,
seja por causa da peculiar cultura dos trabalhadores africanos de Salvador, uma in­
teressante passagem de seu livro não está referendada em Thompson precisamente
porque foi recebido com outros autores (Gutman, Genovese, Hobsbawm), sendo
também fundido ao ato da própria expressão autoral dos brasileiros. Os “crioulos
eram mestres da dissimulação, não havia quem melhor fizesse o branco de bobo
e lhe arrancasse concessões”, escreveu Reis (1986, p. 176).
O caráter incompleto dessas indicações deve ser beneficiado com mais e mais
títulos, a serem levantados também em periódicos, a exemplo dos números 6 e
16 da Revista Brasileira de História (1984, 1988), de Trabalhadores, do Arquivo
Edgard Leuenroth (1989-1990) e de História Social (que publicou o dossiê “A
era de Hobsbawm”, em 1997). Feitos os acréscimos, será talvez possível notar,
em algum momento entre 1987 e 1998, a recepção cedendo lugar aos usos. A
propósito, registrar os livros de Gomes (1995) e Silva (1995) é uma forma de
marcar com pincelada rala um instante dessa mudança. Por um lado, o fato de
ambos terem saído no mesmo ano aponta - por assim dizer - para o tempo tomado
entre as safras de 1987 e do pós-1995. O incitamento de Thompson à pesquisa
árdua nos arquivos - o tosco método inglês de desenvolvimento - induziu à hi­
bernação nos arquivos, numa época em que a fotocópia era o mais difuso meio de
reprodução de originais.
Por outro lado, embora limitada e restritiva, a suprarreferida menção sugere a
situação vivida pelas pesquisas inspiradas em Thompson. Não só não se dispunha
de traduções para o português sobre o século XVIII inglês, como também, em
paralelo, os estudos sobre movimento operário irrompiam o (pouco explorado)
f pós-1^30, enquanto os sobre escravidão pareciam hesitantes em atravessar 1888.
Havia razões. Em primeiro lugar, os ganhos analíticos em jogo, que, como foi dito,
demandaram tempo em arquivo. Enquanto Silva (1995) demonstrou a politização
dos trabalhadores do porto de Santos e o potencial das fontes depositadas na Jus­
tiça do Trabalho (confirmando as vias de Sigaud e Leite Lopes), Gomes (1995)
redefiniu a investigação sobre fugas e quilombos, mostrando as rotas entre a cidade
negra e o campo negro. Em relação ao movimento da pesquisa em direção ao pós-
-1930 era uma empreitada arriscada. Alterar o interesse num movimento operário
grevista e radical - desligando-se da evocação libertária que tal impulso operava
(Garcia, 1982, p. 1992) - e ir ao encontro de trabalhadores migrantes vistos como
atrasados (sem consciência de classe) desafiava a tese hegemônica de Weffort
(1973, p.69-70) segundo quem, depois da “profunda cesura” inserta por Vargas,
uma fase heróica se encerrara, com o movimento operário esquecido de sua história.
Influência abrangente
Notado em sua utilidade para reatar cesuras, Thompson foi convocado para
rever o corte da história dos trabalhadores cativos e livres. Por ter investido contra
“as muralhas chinesas que separam o século XVIII do XIX” (Thompson, 1987,
p. 111), tem encorajado as pesquisas preocupadas em percebera formação da classe
trabalhadora no Brasil. Contudo, a esta altura, os usos já vão muito variados e
daqui escapam tanto por sua abrangência e multiplicidade quanto pela dispersão
regional. A história social da cultura, por sua vez, abriu as portas da percepção para
tabemeiros, prostitutas e ladrões, o teatro de revista, um variado associativismo,
incluindo a festa, a literatura, a sociabilidade, e muitas outras práticas culturais dos
subalternos. Por outro lado, Thompson também tem sido de valia para o debate
e pesquisa sobre populismo, trabalhismo, comunismo, lei e ordem política. Hoje
em dia, por fim, os encontros do Grupo de Trabalho “Mundos do Trabalho” da
Anpuh dão uma ideia dos usos em voga.
No entanto, pelo fato de os historiadores terem sido tratados com algum deta­
lhe, cumpre encerrar com a sociologia e a antropologia. Aludindo aos problemas
da “virada fenomenológica da historiografia marxista”,Adalberto Cardoso (2012)
retruca que, sem ela, a história dos trabalhadores “será, sempre, a história precon­
cebida do proletariado consciente de seu papel histórico”. Já John Dawsey põe
Thompson na roda da antropologia da performance. Ao citar Paoli (1983, p.52),
ele refaz a rede enquanto cai na cana com Marylin Monroe, pois a experiência
dos boias frias de Piracicaba que conheceu “não pode ser reduzida a uma história
institucional, à qual se atribui uma lógica prefixada modelarmente”. O fazer-se da
classe, reafirma, “ocorre apenas na luta e não em modelos que abstraíram o chão
histórico que lhes deram origem”, “descrições vazias sobre o que deve ser a classe,
o sindicato, o partido, o Estado e a própria história” (Dawsey, 1997, p.215,219).
Referências bibliográficas
ABREU, M. “Meninas Perdidas Os populares e o cotidiano do amor no Rio de Janeiro
da belie époque. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1989.
BATALHA, C. Thompson diante de Marx. In: BOITO JR., A.; TOLEDO, C. N.; RAN-
1ER1, Jesus; TRÓPIA, P. V. (Orgs.). A obra teórica de Marx: Atualidade, problemas
e interpretações. São Paulo/Campinas, Xamã/IFCH-Unicamp, 2000.
CALDEIRA, T. P. R. A política dos outros: o cotidiano dos moradores da periferia e o que
pensam do poder e dos poderosos. São Paulo, Editora Brasiliense, 1984.
CÂNDIDO, T. Dos homens sendo e tornando-se: tradição e experiência em E. P. Thomp­
son. Fortaleza, dissertação de mestrado em História (UFC), 2002.
CARDOSO, A. Sociologia e História: um diálogo de surdos? Palestra apresentada no II
Seminário Internacional Mundos do Trabalho. Rio de Janeiro, 2012.
CARDOSO, F. H. Economia e movimentos sociais na América Latina. São Paulo, Brasi­
liense, 1985.
CHALHOUB, S. Visões da liberdade. Uma História das últimas décadas da escravidão
na corte. São Paulo, Companhia das Letras, 1990.
; SILVA, F. T. Sujeitos no imaginário acadêmico: escravos e trabalhadores na
historiografia brasileira desde os anos 1980. Cadernos AEL, v. 14, n.26, 2009.
CUNHA, M. C. P. O espelho do mundo. Juquery a história de um asilo. Rio de Janeiro,
Paz e Terra, 1986.
DAWSEY, J. “Caindo na cana” com Marilyn Monroe: tempo, espaço e “boias-frias”.
Revista de Antropologia, v.40, n. 1, 1997.
FAUSTO, B. Trabalho urbano e conflito social. 1890-1920. São Paulo, Difel, 1976.
GARCIA, M. A. Tradição, memória e história dos trabalhadores. In: CUNHA, M. C.;
PAOLI, M. C. (Orgs.). O direito à memória. São Paulo, Secretaria Municipal de
Cultura, 1992.
GOMES, A. C. A invenção do trabalhismo. Rio de Janeiro, Vértice, 1988.
GOMES, F. Histórias de quilombolas. Mocambos e comunidades de senzalas no Rio de
Janeiro, século XIX. Rio de Janeiro, Arquivo Nacional, 1995.
HALL, M. Immigration and the Early São Paulo Working Class. Jahrbuchfürgeschichte
von staat, wirtschaft undgesellschaft latemamerikas, band 12, 1975.
LARA, S. Campos da violência. Escravos e senhores na capitania do Rio de Janeiro,
1750-1808. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1988.
LEITE LOPES, J. S. A tecelagem dos conflitos de classe na "cidade das chaminés ”. São
Paulo, Marco Zero, 1988.
. A ponta do novelo. Em busca da trajetória de Lygia Sigaud. Mana, v. 15, 2009.
. Memória e transformação social: trabalhadores de cidades industriais. Mana,
v. 17, 2011.
MATTOS, I. Tempo saquarema. São Paulo, Hucitec, 1987.
MATTOS, M. B. E. P. Thompson no Brasil. Outubro, v. 14, 2006.
. Thompson e a tradição de crítica ativa do materialismo histórico. Rio de Janeiro,
Editora UFRJ, 2012.
PAOLI, M. C. Os trabalhadores urbanos na fala dos outros: tempo, espaço e classe na
história operária brasileira. Comunicação (PPGAS - Museu Nacional), n.7, 1983.
. Labour, Law and lhe State in Brazil, 1930-1950. Doutorado em História Social
(University ofLondon), 1987.
PARÉS, L. Where Does Resistance Hide in Contemporary Candomblé? In: GLEDSON,
J.; SCHELL. P. A. (Orgs.). Rethinking Histories o f Resistance in Brazil and Mexico.
Durham, Duke University Press, 2012.
RAM ALHO, J. R., Estado-patrão e luta operária. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1989.
REIS, J. Rebelião escrava no Brasil. A História do levante dos malês, 1835. São Paulo.
Brasiliense, 1986.
SADER, E. Quando novos personagens entraram em cena. Experiências e lutas dos
trabalhadores da grande São Paulo, 1970-1980. Rio de Janeiro, Paz e Terra. 1988.
SIGAUD, L. Greve nos engenhos. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1979.
SILVA, F. T. A carga e a culpa. Os operários das docas de Santos: direitos e cultura de
solidariedade, 1937-1968. São Paulo, Hucitec. 1995.
SLENES, R. Dizendo adeus a Peter L. Eisenberg. Revista Brasileira de História, v.8.
n.16, 1988.
. A Great Arch Descending: Manumission Rates, Subaltern Social Mobility and
Slaveand Free(d) Black Identities in Southeastem Brazil, 1791-1888. In: GLEDSON,
J.; SCHELL, P. A. (Orgs.). Rethinking Histories o f Resistance in Brazil and Mexico.
Durham, Duke University Press, 2012.
SOUZA-LOBO, E. A classe operária tem dois sexos. São Paulo, Brasiliense, 1992.
THOMPSON, D. lntroduction. In: THOMPSON, D. (Org.). TheessentialE. P. Thompson.
Nova Iorque, The New Press, 2001.
. Marxismo e História. Cadernos AEL, v. 11, n.20/21, 2004a.
. Agendas escondidas do século XIX. Cadernos AEL, v. 11, n.20/21, 2004b.
. Fazendo Movimentos Sociais. Cadernos AEL, v. 11, n.20/21, 2004c.
THOMPSON, E. P. An open letter to Leszek Kolakowski. Socialist register, v. 10, 1973.
. A f ormação da classe operária inglesa, v. 1. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.
. Senhores & caçadores. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.
_______. Costumes em comum. São Paulo, Companhia das Letras, 1998.
.As peculiaridades dos ingleses e outros artigos. SILVA, S.; NEGRO, A. L. (Orgs.).
Campinas: Unicamp, 2001.
THOMPSON, E. P. William Morris: romantic to revolutionary. Oakland, PM Press, 2011.
. Pós-escrito: 1976. In: DUARTE, A. L.; MÜLLER, R. G. (Orgs.). E. P. Thompson:
paixão e política. Chapecó: Editora Argos, 2012.
WEFFORT, F. Origens do sindicalismo populista. Estudos Cebrap, n.4, 1973.
Resumo
Neste artigo, para falar da recepção de E. P. Thompson no Brasil, aponto a impor­
tância de sua esposa Dorothy Thompson e, em seguida, comento o modo como E.
P. Thompson foi adotado por uma rede tramada entre São Paulo e Rio, entre os anos
1970 e 1990. Sugiro a atual vigência de uma segunda etapa, já que da recepção se
chegou aos muitos e variados usos de Thompson, que se distinguem por sua des­
centralização em nível nacional. Nessas duas fases é possível percebera relevância
da questão, para os pesquisadores brasileiros, sobre como na classe trabalhadora a
experiência não corresponde, muitas vezes, ao modelo de sua consciência de classe.
Palavras-chaves: história social; E. P. Thompson; classe trabalhadora; Brasil.
Abstract
E.P. Thompson in Brazil: reception and usage
ln this article, in order to address the issue of the reception of E. P. Thompson
in Brazil, it is underlined the importance of his wife Dorothy Thompson. Then,
it is commented the way E. P. Thompson was adopted by a network in São
Paulo and Rio, between the decades of 1970 and 1990. It is also suggested an
ongoing and more recent second and new phase in which the widespread uses
of Thompson are the distinguishing feature. In both of them it may be observed
the relevance of how working-class experience is not a match with the class
consciousness model.
Keywords: social history; E. P. Thompson; working class; Brazil.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teoria da hitória aula basica
Teoria da  hitória aula basicaTeoria da  hitória aula basica
Teoria da hitória aula basica
Wilton Silva
 
Fronteira revisitado
Fronteira revisitadoFronteira revisitado
Fronteira revisitado
ajr_tyler
 
Formações ideológicas na cultura brasileira - Alfredo Bosi.
Formações ideológicas na cultura brasileira - Alfredo Bosi.Formações ideológicas na cultura brasileira - Alfredo Bosi.
Formações ideológicas na cultura brasileira - Alfredo Bosi.
Secretaria da Cultura de Araçatuba-SP
 
Resenha do texto historia das mentalidades e historia cultural r vainfas
Resenha do texto historia das mentalidades e historia cultural r vainfasResenha do texto historia das mentalidades e historia cultural r vainfas
Resenha do texto historia das mentalidades e historia cultural r vainfas
Sandra Kroetz
 
Projeto de Pesquisa Marcos Nalli
Projeto de Pesquisa   Marcos NalliProjeto de Pesquisa   Marcos Nalli
Projeto de Pesquisa Marcos Nalli
michelfoucault
 
Entrevista durval
Entrevista durvalEntrevista durval
Entrevista durval
Linguagens Identidades
 

Mais procurados (6)

Teoria da hitória aula basica
Teoria da  hitória aula basicaTeoria da  hitória aula basica
Teoria da hitória aula basica
 
Fronteira revisitado
Fronteira revisitadoFronteira revisitado
Fronteira revisitado
 
Formações ideológicas na cultura brasileira - Alfredo Bosi.
Formações ideológicas na cultura brasileira - Alfredo Bosi.Formações ideológicas na cultura brasileira - Alfredo Bosi.
Formações ideológicas na cultura brasileira - Alfredo Bosi.
 
Resenha do texto historia das mentalidades e historia cultural r vainfas
Resenha do texto historia das mentalidades e historia cultural r vainfasResenha do texto historia das mentalidades e historia cultural r vainfas
Resenha do texto historia das mentalidades e historia cultural r vainfas
 
Projeto de Pesquisa Marcos Nalli
Projeto de Pesquisa   Marcos NalliProjeto de Pesquisa   Marcos Nalli
Projeto de Pesquisa Marcos Nalli
 
Entrevista durval
Entrevista durvalEntrevista durval
Entrevista durval
 

Semelhante a E. P. Thompson no Brasil: recepção e usos Antonio Luigi Negro

Dissertação de jaime valim mansan na puc rs em 2009
Dissertação de jaime valim mansan na puc rs em 2009Dissertação de jaime valim mansan na puc rs em 2009
Dissertação de jaime valim mansan na puc rs em 2009
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
A dialética na oficina do historiador ideias arriscadas sobre algumas questõe...
A dialética na oficina do historiador ideias arriscadas sobre algumas questõe...A dialética na oficina do historiador ideias arriscadas sobre algumas questõe...
A dialética na oficina do historiador ideias arriscadas sobre algumas questõe...
Kelly Madaleny
 
Memorial modelo 7
Memorial modelo 7Memorial modelo 7
Memorial modelo 7
Michele Bortolai
 
Felipe correa rediscutindo_o_anarquismo
Felipe correa rediscutindo_o_anarquismoFelipe correa rediscutindo_o_anarquismo
Felipe correa rediscutindo_o_anarquismo
jurandirlucasdeoliveira
 
Rediscutindo o Anarquismo - Felipe Corrêa
Rediscutindo o Anarquismo - Felipe CorrêaRediscutindo o Anarquismo - Felipe Corrêa
Rediscutindo o Anarquismo - Felipe Corrêa
BlackBlocRJ
 
Anarquismo
AnarquismoAnarquismo
Anarquismo
XequeMateShannon
 
As contribuições teórico metodológicas de E. P. thompson
As contribuições teórico metodológicas de E. P. thompsonAs contribuições teórico metodológicas de E. P. thompson
As contribuições teórico metodológicas de E. P. thompson
UFMT Universidade Federal de Mato Grosso
 
MARTINS, Sueli Ap. As contribuições teórico-metodológicas de E. P. Thompson: ...
MARTINS, Sueli Ap. As contribuições teórico-metodológicas de E. P. Thompson: ...MARTINS, Sueli Ap. As contribuições teórico-metodológicas de E. P. Thompson: ...
MARTINS, Sueli Ap. As contribuições teórico-metodológicas de E. P. Thompson: ...
André Santos Luigi
 
Tese de angelica muller na usp 2010
Tese de angelica muller na usp 2010Tese de angelica muller na usp 2010
Tese de angelica muller na usp 2010
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Ebook rsc
Ebook rscEbook rsc
Manuel Antunes - Repensar Portugal
Manuel Antunes - Repensar PortugalManuel Antunes - Repensar Portugal
Manuel Antunes - Repensar Portugal
luvico
 
Frigotto, g. escola sem medo
Frigotto, g. escola sem medoFrigotto, g. escola sem medo
Frigotto, g. escola sem medo
Jean Rodrigues
 
Breve análise do texto de José Matoso
Breve análise do texto de José MatosoBreve análise do texto de José Matoso
Breve análise do texto de José Matoso
Acrópole - História & Educação
 
Tese de angelica muller na usp
Tese de angelica muller na uspTese de angelica muller na usp
Tese de angelica muller na usp
citacoesdosprojetos
 
Aden assuncao dissertacao
Aden assuncao dissertacaoAden assuncao dissertacao
Aden assuncao dissertacao
moratonoise
 
Teoria da comunicação Unidade V
Teoria da comunicação Unidade VTeoria da comunicação Unidade V
Teoria da comunicação Unidade V
Harutchy
 
Dissertação de jaime valim mansan na puc rs
Dissertação de jaime valim mansan na puc rsDissertação de jaime valim mansan na puc rs
Dissertação de jaime valim mansan na puc rs
citacoesdosprojetos
 
Ciencia politica-e-trajetorias-sociais
Ciencia politica-e-trajetorias-sociaisCiencia politica-e-trajetorias-sociais
Ciencia politica-e-trajetorias-sociais
Valdemir Ferreira Silva
 
Ciência, política e trajetórias sociais
Ciência, política e trajetórias sociaisCiência, política e trajetórias sociais
Ciência, política e trajetórias sociais
Em Busca de Oportunidades de Emprego
 
Dicionário de Política
Dicionário de PolíticaDicionário de Política
Dicionário de Política
João Soares
 

Semelhante a E. P. Thompson no Brasil: recepção e usos Antonio Luigi Negro (20)

Dissertação de jaime valim mansan na puc rs em 2009
Dissertação de jaime valim mansan na puc rs em 2009Dissertação de jaime valim mansan na puc rs em 2009
Dissertação de jaime valim mansan na puc rs em 2009
 
A dialética na oficina do historiador ideias arriscadas sobre algumas questõe...
A dialética na oficina do historiador ideias arriscadas sobre algumas questõe...A dialética na oficina do historiador ideias arriscadas sobre algumas questõe...
A dialética na oficina do historiador ideias arriscadas sobre algumas questõe...
 
Memorial modelo 7
Memorial modelo 7Memorial modelo 7
Memorial modelo 7
 
Felipe correa rediscutindo_o_anarquismo
Felipe correa rediscutindo_o_anarquismoFelipe correa rediscutindo_o_anarquismo
Felipe correa rediscutindo_o_anarquismo
 
Rediscutindo o Anarquismo - Felipe Corrêa
Rediscutindo o Anarquismo - Felipe CorrêaRediscutindo o Anarquismo - Felipe Corrêa
Rediscutindo o Anarquismo - Felipe Corrêa
 
Anarquismo
AnarquismoAnarquismo
Anarquismo
 
As contribuições teórico metodológicas de E. P. thompson
As contribuições teórico metodológicas de E. P. thompsonAs contribuições teórico metodológicas de E. P. thompson
As contribuições teórico metodológicas de E. P. thompson
 
MARTINS, Sueli Ap. As contribuições teórico-metodológicas de E. P. Thompson: ...
MARTINS, Sueli Ap. As contribuições teórico-metodológicas de E. P. Thompson: ...MARTINS, Sueli Ap. As contribuições teórico-metodológicas de E. P. Thompson: ...
MARTINS, Sueli Ap. As contribuições teórico-metodológicas de E. P. Thompson: ...
 
Tese de angelica muller na usp 2010
Tese de angelica muller na usp 2010Tese de angelica muller na usp 2010
Tese de angelica muller na usp 2010
 
Ebook rsc
Ebook rscEbook rsc
Ebook rsc
 
Manuel Antunes - Repensar Portugal
Manuel Antunes - Repensar PortugalManuel Antunes - Repensar Portugal
Manuel Antunes - Repensar Portugal
 
Frigotto, g. escola sem medo
Frigotto, g. escola sem medoFrigotto, g. escola sem medo
Frigotto, g. escola sem medo
 
Breve análise do texto de José Matoso
Breve análise do texto de José MatosoBreve análise do texto de José Matoso
Breve análise do texto de José Matoso
 
Tese de angelica muller na usp
Tese de angelica muller na uspTese de angelica muller na usp
Tese de angelica muller na usp
 
Aden assuncao dissertacao
Aden assuncao dissertacaoAden assuncao dissertacao
Aden assuncao dissertacao
 
Teoria da comunicação Unidade V
Teoria da comunicação Unidade VTeoria da comunicação Unidade V
Teoria da comunicação Unidade V
 
Dissertação de jaime valim mansan na puc rs
Dissertação de jaime valim mansan na puc rsDissertação de jaime valim mansan na puc rs
Dissertação de jaime valim mansan na puc rs
 
Ciencia politica-e-trajetorias-sociais
Ciencia politica-e-trajetorias-sociaisCiencia politica-e-trajetorias-sociais
Ciencia politica-e-trajetorias-sociais
 
Ciência, política e trajetórias sociais
Ciência, política e trajetórias sociaisCiência, política e trajetórias sociais
Ciência, política e trajetórias sociais
 
Dicionário de Política
Dicionário de PolíticaDicionário de Política
Dicionário de Política
 

Mais de Urano Andrade

Estatística da Capitânia de Rios de Senna do Ano de 1806 .pdf
Estatística da Capitânia de Rios de Senna do Ano de 1806 .pdfEstatística da Capitânia de Rios de Senna do Ano de 1806 .pdf
Estatística da Capitânia de Rios de Senna do Ano de 1806 .pdf
Urano Andrade
 
Seminário do gpcsl cnpq 2015
Seminário do gpcsl cnpq 2015Seminário do gpcsl cnpq 2015
Seminário do gpcsl cnpq 2015
Urano Andrade
 
LIVROS SOBRE A HISTÓRIA DO CANGAÇO
LIVROS SOBRE A HISTÓRIA DO CANGAÇO LIVROS SOBRE A HISTÓRIA DO CANGAÇO
LIVROS SOBRE A HISTÓRIA DO CANGAÇO
Urano Andrade
 
ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA - CONCLUSÃO DE REFORMAS EMERGENCIAIS DO SO...
ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA - CONCLUSÃO DE REFORMAS EMERGENCIAIS DO SO...ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA - CONCLUSÃO DE REFORMAS EMERGENCIAIS DO SO...
ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA - CONCLUSÃO DE REFORMAS EMERGENCIAIS DO SO...
Urano Andrade
 
Caçadores de história
Caçadores de históriaCaçadores de história
Caçadores de história
Urano Andrade
 
Notícias de Mandela
Notícias de MandelaNotícias de Mandela
Notícias de Mandela
Urano Andrade
 
Fundo de pasto e quilombo
Fundo de pasto e quilomboFundo de pasto e quilombo
Fundo de pasto e quilombo
Urano Andrade
 
Anpuh o perfil profissional dos historiadores atuantes em arquivos
Anpuh   o perfil profissional dos historiadores atuantes em arquivosAnpuh   o perfil profissional dos historiadores atuantes em arquivos
Anpuh o perfil profissional dos historiadores atuantes em arquivos
Urano Andrade
 
Historiador, como anda seu arquivo
Historiador, como anda seu arquivoHistoriador, como anda seu arquivo
Historiador, como anda seu arquivo
Urano Andrade
 
Carta convite 2011
Carta convite 2011Carta convite 2011
Carta convite 2011
Urano Andrade
 
Ana nery
Ana neryAna nery
Ana nery
Urano Andrade
 
O integralismo sem máscara
O integralismo sem máscaraO integralismo sem máscara
O integralismo sem máscara
Urano Andrade
 
Foto de página inteira
Foto de página inteiraFoto de página inteira
Foto de página inteira
Urano Andrade
 
Event flier new_iiii
Event flier new_iiiiEvent flier new_iiii
Event flier new_iiii
Urano Andrade
 
Posturas da câmara municipal de salvador 1873
Posturas da câmara municipal de salvador   1873Posturas da câmara municipal de salvador   1873
Posturas da câmara municipal de salvador 1873
Urano Andrade
 
Texto sérgio augusto martins mascarenhas novospesquisadores
Texto sérgio augusto martins mascarenhas novospesquisadoresTexto sérgio augusto martins mascarenhas novospesquisadores
Texto sérgio augusto martins mascarenhas novospesquisadores
Urano Andrade
 

Mais de Urano Andrade (20)

Estatística da Capitânia de Rios de Senna do Ano de 1806 .pdf
Estatística da Capitânia de Rios de Senna do Ano de 1806 .pdfEstatística da Capitânia de Rios de Senna do Ano de 1806 .pdf
Estatística da Capitânia de Rios de Senna do Ano de 1806 .pdf
 
Seminário do gpcsl cnpq 2015
Seminário do gpcsl cnpq 2015Seminário do gpcsl cnpq 2015
Seminário do gpcsl cnpq 2015
 
LIVROS SOBRE A HISTÓRIA DO CANGAÇO
LIVROS SOBRE A HISTÓRIA DO CANGAÇO LIVROS SOBRE A HISTÓRIA DO CANGAÇO
LIVROS SOBRE A HISTÓRIA DO CANGAÇO
 
ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA - CONCLUSÃO DE REFORMAS EMERGENCIAIS DO SO...
ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA - CONCLUSÃO DE REFORMAS EMERGENCIAIS DO SO...ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA - CONCLUSÃO DE REFORMAS EMERGENCIAIS DO SO...
ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA - CONCLUSÃO DE REFORMAS EMERGENCIAIS DO SO...
 
Caçadores de história
Caçadores de históriaCaçadores de história
Caçadores de história
 
Notícias de Mandela
Notícias de MandelaNotícias de Mandela
Notícias de Mandela
 
Fundo de pasto e quilombo
Fundo de pasto e quilomboFundo de pasto e quilombo
Fundo de pasto e quilombo
 
Anpuh o perfil profissional dos historiadores atuantes em arquivos
Anpuh   o perfil profissional dos historiadores atuantes em arquivosAnpuh   o perfil profissional dos historiadores atuantes em arquivos
Anpuh o perfil profissional dos historiadores atuantes em arquivos
 
Historiador, como anda seu arquivo
Historiador, como anda seu arquivoHistoriador, como anda seu arquivo
Historiador, como anda seu arquivo
 
Carta convite 2011
Carta convite 2011Carta convite 2011
Carta convite 2011
 
Ana nery
Ana neryAna nery
Ana nery
 
O integralismo sem máscara
O integralismo sem máscaraO integralismo sem máscara
O integralismo sem máscara
 
O rei dos negreiros
O rei dos negreirosO rei dos negreiros
O rei dos negreiros
 
O guaycuru
O guaycuruO guaycuru
O guaycuru
 
O guaycuru
O guaycuruO guaycuru
O guaycuru
 
Iphan fotografia
Iphan   fotografiaIphan   fotografia
Iphan fotografia
 
Foto de página inteira
Foto de página inteiraFoto de página inteira
Foto de página inteira
 
Event flier new_iiii
Event flier new_iiiiEvent flier new_iiii
Event flier new_iiii
 
Posturas da câmara municipal de salvador 1873
Posturas da câmara municipal de salvador   1873Posturas da câmara municipal de salvador   1873
Posturas da câmara municipal de salvador 1873
 
Texto sérgio augusto martins mascarenhas novospesquisadores
Texto sérgio augusto martins mascarenhas novospesquisadoresTexto sérgio augusto martins mascarenhas novospesquisadores
Texto sérgio augusto martins mascarenhas novospesquisadores
 

Último

Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 

Último (20)

Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 

E. P. Thompson no Brasil: recepção e usos Antonio Luigi Negro

  • 1. Copyright © Andréia Galvão, Armando Boito Jr., João Quartim de Moraes, Jorge Grespan, Lígia Osório, Mauro Castelo Branco, Paula Marcelino, Pedro Leão da Costa, Sergio Lessa, Tatiana Berringer, 2014 Crítica Marxista n239 - 2014 Capa: Megaart Design Copidesque: Mariana Pires Revisão: Camilla Bazzoni Editoração eletrônica: Eduardo Seiji Seki ISSN 0104-9321-39 Periodicidade semestral Todos os direitos reservados. É vedada, nos termos da lei, a reprodução de qualquer parte desta publicação sem a expressa autorização da editora. Iaedição 2014 Indexada em Worldwide Political Science Abstracts, Sociological Abstracts e Social Services Abstracts Distribuição FUNDAÇÀO EDITORA DA UNESP Praça da Sé, 108 - Centro CEP 01001-900 - São Paulo - SP Tel.: + 55 11 3242-7171 Fax: + 55 11 3242-7172 www.editoraunesp.com.br www.livrariaunesp.com.br feu@editora.unesp.br
  • 2. CRÍTICA Imarxista] Comitê editorial Andréia Galvão - Unicamp / Armando Boito Jr. - Unicamp / João Quartim de Moraes - Unicamp / Jorge Grespan - USP / Lígia Maria Osório Silva - Unicamp / Mauro Castelo Branco de Moura - UFBA/ Paula Marcelino - USP / Pedro Leão da Costa Neto - UTP / Sergio Lessa - UFAL / Tatiana Berringer - FAAP Conselho editorial Adriana Doyle Portugal - Socióloga / Adriano Nascimento - UFAL / Adriano N. Codato - UFPR / Adriano Pereira Santos - Unifal-MG / Altamiro Borges - Jornalista / Amarilio Ferreira Junior - UFSCar / Ana Lúcia Goulart de Faria - Unicamp / Ana Selva Castelo Branco Albinati - PUC-MG / Ângela Lazagna - Cientista Política / Angélica Lovatto - Unesp / Angelita Matos Souza - Unesp /Anita Handfas - UFRJ /Anita Helena Schlesener - UTP / Anita Prestes - UFRJ / Antônio Andrioli - UFFS / Antônio Câmara - UFBA / Antônio Rufino Vieira - UFPB / Ariane Leites Larentis - Fiocruz / Augusto Buonicore - Historiador / Bruno Durães - UFRB / Carla Ferreira - UFRGS / Carla Luciana Silva - Unioeste / Carlos Alberto Barão - Historiador / Carlos Dória - Sociólogo / Carlos Eduardo Martins - UFRJ / Carlos Zacarias de Sena Jr. - UFBA/ César Mangolin - FMU/ESAMC / Christy Ganzert Pato - UFFS / Claudinei Coletti - Sociólogo / Claus Germer - UFPR / Cristiano Ferraz - UESB / Cristina Paniago - UFAL / Danilo Martuscelli - UFFS / Darlan Montenegro - UFRRJ / Davisson de Souza - Unifesp / Décio Azevedo M. de Saes - Universidade Metodista / Diorge Konrad - UFSM / Eduardo F. Chagas - UFC / Edilson Graciolli - UFU / Elaine Amorim - Socióloga / Eleutério Prado - USP / Eliel Machado - UEL/ Elza Peixoto - UFBA/ Emmanuel Appel - UFPR / Enoque Feitosa - UFPB / Ester Vaisman - UFMG / Eurelino Coelho - UEFS / Eurenice Oliveira de Lima - UFAC / Fábio Mascaro Querido - Sociólogo / Fauze Chelala - GPMARX/UFPA/ Fernando Novais - Unicamp / Fernando Leitão Rocha Júnior - UFVJM / Francis Guimarães Nogueira - Unioeste / Francisco Farias - UFPI / Francisco Foot Hardman - Unicamp / Francisco Teixeira - UFCE / Francisco Xarão - Professor da rede pública / Gabriel Vitullo - UFRN / Geraldo Barbosa - Florianópolis / Gilcilene Barão - UERJ / Gilberto Calil - Unioeste / Gonzalo Rojas - UFCG / Hector Saint-Pierre - Unesp / Henrique Amorim - Unifesp / Hermenegildo Bastos - UnB / Homero Costa - UFRN / Igor Fuser - Unifesp / Iná Camargo - USP / Jadir Antunes - Unioeste / Jair Batista da Silva - UFBA / Javier Amadeo - Unifesp / Jesus Ranieri - Unicamp / Jorge Miglioli - Unicamp / Jorge Almeida - UFBA / José Carlos Ruy - Jornalista / José Claudinei Lombardi - Unicamp / José dos Santos Souza - UFRRJ / José Ricardo Figueiredo - Unicamp / José Roberto Cabrera - Cientista Político / José Roberto Zan - Unicamp / José Rodrigues - UFF / Juliana Amoretti - Socióloga / Leandro Galastri - Unifal-MG / Leda Maria de Oliveira Rodrigues- PUC-SP / Lígia Regina Klein - UFPR / Liliam Faria Porto Borges - Unioeste / Lincoln Secco - USP / Lívia Moraes - UFES / Luciana Aliaga - UEL / Luciano Cavini Martorano - Cientista Político / Ludmila Abílio - USP / Luiz Eduardo Motta - UFRJ / Luiz Renato Martins - USP / Luziano Mendes de Lima - UNEAL / Marcelo Ridenti - Unicamp / Márcio Naves - Unicamp / Márcio Nuno Rabat - Cientista Político (Brasília) / Marco Antonio dos Santos - CeCAC / Marcos Cassin - USP / Marcos Del Roio - Unesp / Marcos Novelli - UFSCar / Marcos Vinícius Pansardi - IFPR / Maria Augusta Tavares - UFPB / Maria Cecília de Paula Silva - UFBA / Maria Cristina Cardoso Pereira - UFG / Maria Lúcia Frizon Rizzotto - Unioeste / Maria Orlanda Pinassi - Unesp / Maria Ribeiro do Valle - Unesp / Mário Maestri - UFP / Marisa Brandão - Cefet / Marly Vianna - Universo / Mathias Seibel Luce - UFRGS / Mau­ rício Sabadini - UFES / Maurício Vieira Martins -
  • 3. C o n s u l t e a B i b l io t e c a V i r t u a l d a C r ít ic a M a r x is t a http://www.ifch.unicamp.br/criticamarxista A grande virada de Lenin João Quartim de Moraes A moral em Marx Yvon Quiniou Althusser, o marxismo e o historicismo Maurício Vieira Martins Edição da MEGA: da política à filologia Gerald Hubmann Comentários: os Grundrisse e sua edição brasileira Claus Germer, Eleutério Prado e Pedro Leão da Costa Neto 34
  • 4. E. P. Thompson no Brasil: recepção e usos ANTO NIO L UIGI N E G R O ' Ele sempre reconheceu o débito que ele e o oficio do historiador em geral contraíram com Marx, mas hesitou crescentemente em se autodenominar um marxista. Ele preferia dizer que escrevia no interior da tradição marxista. Sempre in­ sistiu que ciasse era um conceito e uma ferramenta de imenso valor para o exame das estruturas sociais, mas constantemente desacreditava de muitos dos sistemas teóricos fechados e au- torreferidos que dela se valiam. Dorothy Thompson, The Essentiai E. P. Thompson Ante a chamada de Crítica Marxista, deparei-me com a pesquisa de Mattos (2006,2012) sobre E. P. Thompson no Brasil. Assim, o leitor que deseja conhecer mais sobre isso possui excelente autor à breve distância. Então, busco aqui percor­ rer uma via com comentários que incorporam Dorothy Thompson ao debate e, em seguida, dirijo-os ao modo como E. P. Thompson foi adotado por uma rede tramada entre Campinas, São Paulo, Rio e Niterói, dos anos 1970 aos 1990. Sugiro a atual vigência de uma segunda e recente etapa, já que da recepção em rede se chega nos muitos e variados usos de Thompson, que se distingue por sua articulação em nível nacional (dado o crescimento da pós-graduação). Indicativamente, cumpre assim apontar para o mestrado em História de Cândido (2002) - dos primeiros * Professor de História na UFBA. E-mail: negro@ufba.br
  • 5. defendidos no Ceará o qual (sem pedir licença a Rio ou São Paulo) estudou A formação da classe operária inglesa a fim de compreender o giro de Thompson para o século XVIII, guinada que subverte o foco habitualmente reconhecido como pertinente ao conhecimento do processo de formação da classe operária, aquele em que - presume-se - a classe trabalhadora corresponde ao modelo de sua consciência de classe. Thompson e a tradição marxista Na coletânea que reúne o E. P. Thompson essencial, sua esposa e interlocutora Dorothy - militante comunista, mãe e historiadora - comete indiscrição conjugal ao revelar uma provocativa pergunta de seu marido: “seria estranho - não seria? - se tudo sobre o que temos falado fosse, ao longo dos séculos, a luta dos pobres contra os ricos” (Thompson, 2001, p.x). Pode parecer estranho um Thompson relutante em aceitar ser um marxista, justo no que lhe é essencial, preferindo declarar que escrevia no interior da tradição marxista. Justamente, sua recepção no Brasil guarda relação direta com o que ele dizia ser uma tradição. Para o entendimento desta última, é expressivo o pós-escrito de seu primeiro livro William Morris. Romantic to Revolutionary. Neste, Thompson abre suas mãos vazias de “conceitos talismâ- nicos”, aqueles que fazem “identificar instantaneamente se a teoria de referência de qualquer pessoa ou grupo é ‘burguesa’ou ‘revolucionária’”. Atesta também a inexistência de “uma única, ‘correta’, ortodoxia socialista imanente” (Thompson, 2011, p.39). Deste modo, a tradição romântica abraçada por Morris “não deve ser definida nos termos de suas características tradicionais” (Thompson, 2011, p.52) - conservadora, regressiva, escapista, utópica, subjetivista, idealista -, pronta para sucumbir ante a mais bem acabada estratégia possível. “Isso significa dizer que a crítica moral ao processo capitalista convergia para conclusões concordantes com a crítica de Marx”. Se coube a Morris estabelecer a junção, não foi como alguém que “tomou-se um marxista”, mas como alguém que combinou influxos. Morris não era um alienado cujo pensamento carecia de recursos externos para uma teoria crítica, dependente “da difusão dos escritos de Marx e Engels” para dotar-se de espírito indagativo. Não era um “convertido ao marxismo”. Morris era um “pen­ sador socialista original” (Thompson, 2011, p.38 e 53). Igualmente, Thompson volta-se para o marxismo como uma tradição, ou seja, um conjunto de referências que são comungadas ao mesmo tempo em que são interpretadas de forma mutante e heterogênea, em um dado contexto, de acordo com circunstâncias particulares (Batalha, 2000, p. 194). É, aliás, de se notar que o termo francês marxisant - bastante usado pelo casal - lhes serviu para designar autores que, embora situados no interior da tradição marxista, não abonam sua validade sempre em Marx (Thompson, D., 2004b, p.230). Não por acaso, Doro­ thy Thompson (2004c, p.249) é explícita ao dissentir do “cânone” “historiadores marxistas britânicos”, preferindo o termo Grupo dos Historiadores do Partido Comunista da Grã-Bretanha. Nesse coletivo, Dona Torr polemizava com os “tal-
  • 6. mudistas”, aqueles “que queriam conduzir cada discussão através de referências aos textos sagrados dos escritos de Marx e Engels” (Thompson, D., 2004c, p.247). Logo, recusa-se o marxismo quando é concebido como um autossuficiente corpo doutrinário, completo, internamente con­ sistente, e inteiramente concluído num conjunto particular de textos, seja de Marx (jovem ou maduro), seja de Marx e Engels; ou ainda com um adendo hifenizado, tipo -Lenin, -Trotsky, -Mao-Tse-Tung. (Thompson, 1973, p. 18) Consequentemente, certas linhagens no Brasil viram em E. P. Thompson uma leitura encorajadora para prosseguir adiante com suas investigações, sem porém fazer de seu ícone um semióforo para a congregação sectária. Se a Segunda Guerra Mundial foi, segundo Dorothy Thompson (2004a, p.215), um divisor de águas para a pesquisa lançar-se ao encontro da “história das pessoas comuns”, a luta contra a ditadura no Brasil deu mais ânimo ao interesse pelos trabalhadores. Notava-se então o incerto processo de formação da classe trabalhadora e não o seu clímax (a classe com consciência de classe). Thompson foi percebido, em dias de tremenda repressão, como uma chance para mover e arejar a pesquisa feita pelas ciências humanas. A conjuntura formada tanto com a derrota da esquerda armada quanto com a transparente - e hercúlea - força e criatividade do povo comum (ou da gente trabalhadora) dissolveu a segurança daqueles que estavam certos de que “só os marxistas possuíam a verdadeira receita para a transformação da sociedade” (Thompson, D., 2004a, p.216). Era uma oportunidade para ser abordado - e seriamente considerado - aquilo que E. P. Thompson (1987, p.62), em inspiradora passagem, frisou: a “tenacidade da autopreservaçâo” dos de baixo, “seus traços mais robustos e desordeiros”, cuja linguagem politicamente não articulada lhes servia para conservar “certos valores - espontaneidade, capacidade para a diversão e lealdade mútua -, apesar das pressões inibidoras”. Do chão das fábricas, das ruas nos bairros operários, das ruas do canavial e do engenho, dos mais variados locais - o templo e o xangô, o assentamento e a vila -, jorrava a energia que dera sangue ao cruel “milagre” econômico. Tal ímpeto não só atraiu o imaginário acadêmico como também o modificou (Chalhoub; Silva, 2009). Em suma, a espontaneidade popular, bem como sua história eram a chave para a democracia. De modo geral, a rede disposta entre Rio, Niterói, Campinas e São Paulo alinhou sociólogos, antropólogos e historiadores em dinâmico estágio formati- vo e, portanto, obedeceu a um certo ritmo e cronologia. Sendo aqui impossível esmiuçá-la em detalhes, é importante afirmar que ela não se fez com um número exato de instituições, mas com os sujeitos das pesquisas, fossem os pesquisado­ res, fossem os sujeitos pesquisados. Com suas teses de doutorado defendidas em 1969, Michael Hall e Peter Eisenberg foram, na Unicamp, pioneiros. Em 1983, juntou-se a eles Robert Slenes que, vindo da UFF, ainda orientava o mestrado em História de Sidney Chalhoub. Em paralelo, Maria C. Paoli (que foi orientada por
  • 7. Hobsbawm no doutorado) e Elisabeth Souza Lobo teciam os seus achados. Por sua vez, antropólogos do Museu Nacional, no Rio, obtiveram seus mestrados e doutorados ao longo das décadas de 1970 e 1980. Longe do Rio e de São Paulo (e assim esticando a rede), um de seus pontos no- dais foi Pernambuco, em particular a Zona da Mata, com suas usinas açucareiras, e o grande Recife, com suas fábricas têxteis. Slenes (1988, p.287), ao expor o livro de Eisenberg, Modernização sem mudança. A indústria açucareira em Pernambuco, 1840-1910 (1977), explica que a modernização capitalista da lavoura se fez com o protagonismo de “antigos senhores de engenho” que, ao somarem “poderio econômico” a “domínio político”, mantiveram “com sucesso sua posição social privilegiada”, sendo bem-sucedidos no ato de submeter trabalhadores, livres ou cativos, a miserável proletarização. Sem deixar de reconhecer que Eisenberg “não foi o primeiro a enunciar essa tese”, Slenes (1988, p.286) observa a documentação “detalhada e contundente”. Em acréscimo, além de seu conhecimento da história econômica e transnacional do açúcar, Eisenberg fazia a ponte entre trabalho livre e escravo. Ao chamar a atenção para a racionalidade e a cultura do trabalhador livre ou escravo, Eisenberg os retirava do esquecimento e os apresentava de modo inusitado, como sujeitos históricos contemporâneos um do outro. “O que de fato fui lendo no entremeio das primeiras idas ao campo” feitas para o doutorado, em meados dos anos 1980 (sob a orientação de Lygia Sigaud), esclarece Leite Lopes, “foi o livro de E. P. Thompson, The Making o f the English Working Class”, no qual enxergou “a hipótese da importância do passado, da memória, da história incorporada para a possibilidade de criação do novo”. Intrigando ele e sua companheira Rosilene Alvim, os trabalhadores de Paulista (PE) pareciam pular para dentro das páginas do livro de Thompson após a pesquisa de campo, no final do dia. Najornada seguinte, de volta às entrevistas, os mesmos trabalhadores pareciam reescrever sua história, com sua presença, memória, narrativa e desenvoltura. E persuadiram ambos a respeito da proposição inédita - e polêmica - de The Making: inverter “o senso comum, inclusive o acadêmico”, atribuindo o protagonismo não ao polo moderno da transformação capitalista, a fábrica e seus operários, mas àqueles aos quais tais mudanças estavam deslocando e destruindo. Eram eles: os artesãos, os trabalhadores rurais e os camponeses, os trabalhadores a domicílio. (Leite Lopes, 2011, p.588) Parafraseando Leite Lopes (2011, p.590), o argumento thompsoniano sobre a relevância tanto “do peso do passado nas disposições presentes dos trabalhadores” (com que a pesquisa antropológica se deparou) quanto “da importância de sua experiência”, tinha muito a ver com o que não só Rosilene Alvim e ele próprio, mas também Lygia Sigaud e Moacir Palmeira haviam anotado ao conhecerem de perto os trabalhadores da área canavieira pernambucana. Em diálogo com E. P. Thompson, Sigaud (1979, p.29, 141, 203, 222) elegeu “a categoria nativa
  • 8. ‘direitos’como centro de sua análise, como marcador do tempo histórico e como operador central na vida cotidiana na área estudada” (Leite Lopes, 2009, p.261), atitude crucial para seu livro Os clandestinos e os direitos. Paradoxalmente, numa região nevrálgica para qualquer possibilidade de transformação social em nosso país, os direitos, em riste, marcavam a arena. Certeiro nos seus alvos, o Golpe de 1964 em Pernambuco ‘‘atingiu em profundidade as organizações dos trabalhadores” (Sigaud, 1979, p. 12-14). Lideranças, ativistas, sindicatos e ligas camponesas foram perseguidos sem cessar. Mesmo assim ‘‘os tempos de Arraes” não foram liquidados; e foi “exatamente a continuidade das lutas pelos ‘direitos’ durante todos esses anos” (de 1963 a 1979) que a permitiu “compreender como os acontecimentos de outubro” de 1979 - a greve nos engenhos - se originaram e evoluíram. Os “direitos” pontuavam com força a história dos trabalhadores da zona açucareira estudada e também a pesquisa de uma vida inteira, no caso de Lygia Sigaud. Nesse sentido, Leite Lopes registra a sua presença marcante em um dos últimos escritos de Sigaud: os direitos, seis anos depois de sua outorga [em 1963], eram um tema que se im­ punha nas conversas: os patrões se queixavam do peso das obrigações trabalhistas na folha de pagamento e se diziam incapazes de cumprira lei; os trabalhadores se serviam dos direitos para periodizar e interpretar sua história recente (os tempos “antes” e “depois” dos direitos), e para avaliar o comportamento dos patrões, de­ nunciados como “sonegadores”; os sindicalistas se atribuíam a missão de difundir os direitos, e se apresentavam como seus guardiões. (Leite Lopes, 2009, p.262) A “crença simbólica nos direitos” (Paoli, 1987, p. 162) da parte dos trabalha­ dores é um fértil ingrediente para muitos despachos na encruzilhada, combinando tradições. De um lado, tem sido de valia para romper com mundos do trabalho apartados entre liberdade e cativeiro e, outrossim, serve para pensá-los além de senzalas e fábricas. Afora ser ponto de encontro entre história, sociologia e antropologia, promove interessantes contrastes e comparações entre Sul e Norte globais - e também exibe sua validade fora dos lugares mais conhecidos pela pesquisa. Por fim, no lugar de ser uma atitude impositiva da parte de quem detém o saber, os direitos constituem meio para tensa interação entre sujeitos históricos distintos e assimétricos, no que toca aos recursos de poder. Para apagar o passado (sem mencioná-lo com o fito deliberado de produzir sua inexistência), Getúlio Vargas - e aqui cito Gomes (1988, p.26) - lidou “com os mesmos elementos básicos presentes no discurso operário desde o século XIX”, ao cabo “relidos e integrados em outro contexto” (arquitetado de cima para baixo com fartos recursos de poder, tanto os materiais quanto os imateriais). Neste plano bem urdido, foram reelaborados “o valor fundamental do trabalho” e “a dignidade do trabalhador”, antes confeccionados pelos próprios trabalhadores. Seu resultado foi a invenção do trabalhismo, que dialoga, mesmo que de maneira muda ou surda, com a luta
  • 9. por direitos que a precedeu (e com a qual igualmente teve sempre de conviver). Para tal, a autora adverte o leitor estar munida de autores (e Thompson é um deles) que informaram seu entendimento “de como a construção de um ator coletivo” - no caso, a classe trabalhadora - passa por sua “lógica simbólica” (Gomes, 1988, p. 19). No lugar de antecipar vestígios que só podem ganhar músculo e plenitude apenas nos exemplares evoluídos do século XX, a luta por direitos atravessa o processo histórico brasileiro. Difusão, tradução e discussão Os direitos, óbvio, não são tudo. Tampouco as insurreições. Slenes (2012, p. 101-102) é claro nesse sentido. A vida dos senhores e das autoridades zeladoras do poder senhorial era bastante turbulenta não apenas pela (ameaça de) insurgên- cia escrava (e o temor a ela): ela era também desafiada, com maior frequência, “por meios sutis, não obstante subversivos”. Slenes indica então que Thompson foi particularmente decisivo para Reis (1986), Lara (1988) e Chalhoub (1990) quando demonstrava que a cultura rebelde da plebe inglesa no século XVII1se camuflava em ladina prática deferencial acionada para socorrer, servir ou amansar os patrícios. “Dos anos 1970 em diante”, situa um antropólogo, “sob a influência de autores como Eugene Genovese e E. P. Thompson”, os estudos brasileiros sobre escravidão entraram também nos terreiros das religiões afro-brasileiras e demonstraram a eficácia “dos grupos subalternos em articular discursos contra- -hegemônicos ou espaços alternativos de identidade no interior de estruturas de desigualdade” (Parés, 2012, p. 145). Assim, o culto deixou de ser visto como um fetichismo de negros descendentes de africanos dominados por um misticismo fatalista, os quais, resignados pela religião, aceitavam a pobreza, o abandono por parte dos poderes públicos, bem como a exploração patronal com a passividade característica daqueles que esperam tudo do além. Tendo citado os livros de Reis (1986) e Gomes (1988), vê-se - como já foi dito - que a rede de pesquisadores na qual Thompson foi inserido não se restrin­ ge a Rio e São Paulo ou a um número determinado de instituições. Não era para menos. Na Inglaterra, o fato de The Making ter vindo a lume com instantânea e entusiástica leitura - dentro e fora da universidade -, sendo depois imediatamente citado como um clássico; e o fato de ser lido e relido ao longo dos seus 50 anos de vida mereceram do editorial do The Guardian (26/12/2013) a seguinte anotação: "nenhum historiador da sociedade britânica escreveu um livro que fosse páreo para The Making". O vaivém nas bibliotecas, livrarias, fotocópias e sebos - viajando nas mãos, conversas e pulsantes afetos de leitores mundo afora (o livro, na Grã- -Bretanha, jamais saiu das gráficas entre 1963 e 2013) - impede qualquer tutela sobre suas linhas boas de ler. Assim, também no Brasil, para aqueles pesquisadores cuja formação foi no exterior, ou para quem lia em inglês, Thompson foi uma eleição livre e direta. Esta, enfim, ganhou mais liberdade em 1987, quando foram publicadas as traduções Senhores & caçadores e A formação da classe operária
  • 10. inglesa (em adição a outras, como aquelas de Christopher Hill e Hobsbawm). Até aí o idioma era um limite não só para a leitura, mas também para os próprios receptores de Thompson no Brasil. Por sinal, as originais e inéditas proposições do artigo de Hall (1975) também tiveram de aguardar traduções para repercutir mais profundamente. Mesmo assim, até hoje pode perturbar sua crítica ao mito do imigrante radical assim como sua desconcertante afirmativa sobre os imigrantes italianos terem, até a Grande Guerra (1914-18), mais atrapalhado e enfraquecido o operariado paulista já existente (que era muito pouco branco ou europeu) do que contribuído, de fato, para suas lutas. Em contraste, duas citações em bom português estão ainda à espera de leitor que com elas dialogue: Fausto (1976, p.9) e Cardoso (1985, p. 161). As traduções de 1987 abriram um momento peculiar. Incluíram leitores e so­ maram-se à publicação de livros e artigos, aos 100 anos da abolição e à conjuntura política democrática. Chegaram às livrarias com autores e citações a Thompson: Caldeira (1984, p. 115-116), Cunha (1986, p. 17 e 24), Reis (1986), Abreu (1989, p. 157), Mattos (1987, p.4,57), Gomes (1988, p. 18-21), Lara (1988, p. 112 e 351), Leite Lopes (1988, p.22, 52, 216 e 583), Sader (1988, p.44), Chalhoub (1990, p.23, 24), Ramalho (1989, p.78 e 210) e Souza-Lobo (1992, p.85, 86, 117, 126, 127 e 176). Em geral, essas citações ocorrem na introdução ou, seletivamente, ao longo do texto. Ao tratarem da multidão, motins da fome, luta de classes, classe trabalhadora, economia moral, hegemonia, domínio da lei, paternalismo, cultura plebeia e proletarização, mesclam os textos sobre o século XVIII com A formação da classe operária inglesa. Este último, a propósito, é útil para Mattos (1987) elaborar o tempo Saquarema, focalizando a fonnação histórica da classe senhorial, o que com certeza foi brilhante e inédito. Houve, pois, debate e pensamento, no lugar de refúgio e apego. Anos depois, concluída em 1998 com Costumes em comum, a tradução dos livros históricos mais importantes foi ainda integrada pela coletânea As peculiaridades dos ingleses e outros artigos. Um número tão pequeno de livros, que resulta de um apanhado frouxo, é de qualquer sorte evidência de uma elaboração - da capa à quarta capa - nada obceca­ da por Thompson, que tampouco foi modismo volúvel. Ele foi recebido e, de fato, apropriado em meio à sua interlocução com vários autores e investigações. Se Reis (1986, p.30,202) cita seus artigos duas vezes, seja por causa dos motins da fome, seja por causa da peculiar cultura dos trabalhadores africanos de Salvador, uma in­ teressante passagem de seu livro não está referendada em Thompson precisamente porque foi recebido com outros autores (Gutman, Genovese, Hobsbawm), sendo também fundido ao ato da própria expressão autoral dos brasileiros. Os “crioulos eram mestres da dissimulação, não havia quem melhor fizesse o branco de bobo e lhe arrancasse concessões”, escreveu Reis (1986, p. 176). O caráter incompleto dessas indicações deve ser beneficiado com mais e mais títulos, a serem levantados também em periódicos, a exemplo dos números 6 e 16 da Revista Brasileira de História (1984, 1988), de Trabalhadores, do Arquivo
  • 11. Edgard Leuenroth (1989-1990) e de História Social (que publicou o dossiê “A era de Hobsbawm”, em 1997). Feitos os acréscimos, será talvez possível notar, em algum momento entre 1987 e 1998, a recepção cedendo lugar aos usos. A propósito, registrar os livros de Gomes (1995) e Silva (1995) é uma forma de marcar com pincelada rala um instante dessa mudança. Por um lado, o fato de ambos terem saído no mesmo ano aponta - por assim dizer - para o tempo tomado entre as safras de 1987 e do pós-1995. O incitamento de Thompson à pesquisa árdua nos arquivos - o tosco método inglês de desenvolvimento - induziu à hi­ bernação nos arquivos, numa época em que a fotocópia era o mais difuso meio de reprodução de originais. Por outro lado, embora limitada e restritiva, a suprarreferida menção sugere a situação vivida pelas pesquisas inspiradas em Thompson. Não só não se dispunha de traduções para o português sobre o século XVIII inglês, como também, em paralelo, os estudos sobre movimento operário irrompiam o (pouco explorado) f pós-1^30, enquanto os sobre escravidão pareciam hesitantes em atravessar 1888. Havia razões. Em primeiro lugar, os ganhos analíticos em jogo, que, como foi dito, demandaram tempo em arquivo. Enquanto Silva (1995) demonstrou a politização dos trabalhadores do porto de Santos e o potencial das fontes depositadas na Jus­ tiça do Trabalho (confirmando as vias de Sigaud e Leite Lopes), Gomes (1995) redefiniu a investigação sobre fugas e quilombos, mostrando as rotas entre a cidade negra e o campo negro. Em relação ao movimento da pesquisa em direção ao pós- -1930 era uma empreitada arriscada. Alterar o interesse num movimento operário grevista e radical - desligando-se da evocação libertária que tal impulso operava (Garcia, 1982, p. 1992) - e ir ao encontro de trabalhadores migrantes vistos como atrasados (sem consciência de classe) desafiava a tese hegemônica de Weffort (1973, p.69-70) segundo quem, depois da “profunda cesura” inserta por Vargas, uma fase heróica se encerrara, com o movimento operário esquecido de sua história. Influência abrangente Notado em sua utilidade para reatar cesuras, Thompson foi convocado para rever o corte da história dos trabalhadores cativos e livres. Por ter investido contra “as muralhas chinesas que separam o século XVIII do XIX” (Thompson, 1987, p. 111), tem encorajado as pesquisas preocupadas em percebera formação da classe trabalhadora no Brasil. Contudo, a esta altura, os usos já vão muito variados e daqui escapam tanto por sua abrangência e multiplicidade quanto pela dispersão regional. A história social da cultura, por sua vez, abriu as portas da percepção para tabemeiros, prostitutas e ladrões, o teatro de revista, um variado associativismo, incluindo a festa, a literatura, a sociabilidade, e muitas outras práticas culturais dos subalternos. Por outro lado, Thompson também tem sido de valia para o debate e pesquisa sobre populismo, trabalhismo, comunismo, lei e ordem política. Hoje em dia, por fim, os encontros do Grupo de Trabalho “Mundos do Trabalho” da Anpuh dão uma ideia dos usos em voga.
  • 12. No entanto, pelo fato de os historiadores terem sido tratados com algum deta­ lhe, cumpre encerrar com a sociologia e a antropologia. Aludindo aos problemas da “virada fenomenológica da historiografia marxista”,Adalberto Cardoso (2012) retruca que, sem ela, a história dos trabalhadores “será, sempre, a história precon­ cebida do proletariado consciente de seu papel histórico”. Já John Dawsey põe Thompson na roda da antropologia da performance. Ao citar Paoli (1983, p.52), ele refaz a rede enquanto cai na cana com Marylin Monroe, pois a experiência dos boias frias de Piracicaba que conheceu “não pode ser reduzida a uma história institucional, à qual se atribui uma lógica prefixada modelarmente”. O fazer-se da classe, reafirma, “ocorre apenas na luta e não em modelos que abstraíram o chão histórico que lhes deram origem”, “descrições vazias sobre o que deve ser a classe, o sindicato, o partido, o Estado e a própria história” (Dawsey, 1997, p.215,219). Referências bibliográficas ABREU, M. “Meninas Perdidas Os populares e o cotidiano do amor no Rio de Janeiro da belie époque. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1989. BATALHA, C. Thompson diante de Marx. In: BOITO JR., A.; TOLEDO, C. N.; RAN- 1ER1, Jesus; TRÓPIA, P. V. (Orgs.). A obra teórica de Marx: Atualidade, problemas e interpretações. São Paulo/Campinas, Xamã/IFCH-Unicamp, 2000. CALDEIRA, T. P. R. A política dos outros: o cotidiano dos moradores da periferia e o que pensam do poder e dos poderosos. São Paulo, Editora Brasiliense, 1984. CÂNDIDO, T. Dos homens sendo e tornando-se: tradição e experiência em E. P. Thomp­ son. Fortaleza, dissertação de mestrado em História (UFC), 2002. CARDOSO, A. Sociologia e História: um diálogo de surdos? Palestra apresentada no II Seminário Internacional Mundos do Trabalho. Rio de Janeiro, 2012. CARDOSO, F. H. Economia e movimentos sociais na América Latina. São Paulo, Brasi­ liense, 1985. CHALHOUB, S. Visões da liberdade. Uma História das últimas décadas da escravidão na corte. São Paulo, Companhia das Letras, 1990. ; SILVA, F. T. Sujeitos no imaginário acadêmico: escravos e trabalhadores na historiografia brasileira desde os anos 1980. Cadernos AEL, v. 14, n.26, 2009. CUNHA, M. C. P. O espelho do mundo. Juquery a história de um asilo. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1986. DAWSEY, J. “Caindo na cana” com Marilyn Monroe: tempo, espaço e “boias-frias”. Revista de Antropologia, v.40, n. 1, 1997. FAUSTO, B. Trabalho urbano e conflito social. 1890-1920. São Paulo, Difel, 1976. GARCIA, M. A. Tradição, memória e história dos trabalhadores. In: CUNHA, M. C.; PAOLI, M. C. (Orgs.). O direito à memória. São Paulo, Secretaria Municipal de Cultura, 1992. GOMES, A. C. A invenção do trabalhismo. Rio de Janeiro, Vértice, 1988. GOMES, F. Histórias de quilombolas. Mocambos e comunidades de senzalas no Rio de Janeiro, século XIX. Rio de Janeiro, Arquivo Nacional, 1995. HALL, M. Immigration and the Early São Paulo Working Class. Jahrbuchfürgeschichte von staat, wirtschaft undgesellschaft latemamerikas, band 12, 1975.
  • 13. LARA, S. Campos da violência. Escravos e senhores na capitania do Rio de Janeiro, 1750-1808. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1988. LEITE LOPES, J. S. A tecelagem dos conflitos de classe na "cidade das chaminés ”. São Paulo, Marco Zero, 1988. . A ponta do novelo. Em busca da trajetória de Lygia Sigaud. Mana, v. 15, 2009. . Memória e transformação social: trabalhadores de cidades industriais. Mana, v. 17, 2011. MATTOS, I. Tempo saquarema. São Paulo, Hucitec, 1987. MATTOS, M. B. E. P. Thompson no Brasil. Outubro, v. 14, 2006. . Thompson e a tradição de crítica ativa do materialismo histórico. Rio de Janeiro, Editora UFRJ, 2012. PAOLI, M. C. Os trabalhadores urbanos na fala dos outros: tempo, espaço e classe na história operária brasileira. Comunicação (PPGAS - Museu Nacional), n.7, 1983. . Labour, Law and lhe State in Brazil, 1930-1950. Doutorado em História Social (University ofLondon), 1987. PARÉS, L. Where Does Resistance Hide in Contemporary Candomblé? In: GLEDSON, J.; SCHELL. P. A. (Orgs.). Rethinking Histories o f Resistance in Brazil and Mexico. Durham, Duke University Press, 2012. RAM ALHO, J. R., Estado-patrão e luta operária. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1989. REIS, J. Rebelião escrava no Brasil. A História do levante dos malês, 1835. São Paulo. Brasiliense, 1986. SADER, E. Quando novos personagens entraram em cena. Experiências e lutas dos trabalhadores da grande São Paulo, 1970-1980. Rio de Janeiro, Paz e Terra. 1988. SIGAUD, L. Greve nos engenhos. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1979. SILVA, F. T. A carga e a culpa. Os operários das docas de Santos: direitos e cultura de solidariedade, 1937-1968. São Paulo, Hucitec. 1995. SLENES, R. Dizendo adeus a Peter L. Eisenberg. Revista Brasileira de História, v.8. n.16, 1988. . A Great Arch Descending: Manumission Rates, Subaltern Social Mobility and Slaveand Free(d) Black Identities in Southeastem Brazil, 1791-1888. In: GLEDSON, J.; SCHELL, P. A. (Orgs.). Rethinking Histories o f Resistance in Brazil and Mexico. Durham, Duke University Press, 2012. SOUZA-LOBO, E. A classe operária tem dois sexos. São Paulo, Brasiliense, 1992. THOMPSON, D. lntroduction. In: THOMPSON, D. (Org.). TheessentialE. P. Thompson. Nova Iorque, The New Press, 2001. . Marxismo e História. Cadernos AEL, v. 11, n.20/21, 2004a. . Agendas escondidas do século XIX. Cadernos AEL, v. 11, n.20/21, 2004b. . Fazendo Movimentos Sociais. Cadernos AEL, v. 11, n.20/21, 2004c. THOMPSON, E. P. An open letter to Leszek Kolakowski. Socialist register, v. 10, 1973. . A f ormação da classe operária inglesa, v. 1. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987. . Senhores & caçadores. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987. _______. Costumes em comum. São Paulo, Companhia das Letras, 1998. .As peculiaridades dos ingleses e outros artigos. SILVA, S.; NEGRO, A. L. (Orgs.). Campinas: Unicamp, 2001.
  • 14. THOMPSON, E. P. William Morris: romantic to revolutionary. Oakland, PM Press, 2011. . Pós-escrito: 1976. In: DUARTE, A. L.; MÜLLER, R. G. (Orgs.). E. P. Thompson: paixão e política. Chapecó: Editora Argos, 2012. WEFFORT, F. Origens do sindicalismo populista. Estudos Cebrap, n.4, 1973. Resumo Neste artigo, para falar da recepção de E. P. Thompson no Brasil, aponto a impor­ tância de sua esposa Dorothy Thompson e, em seguida, comento o modo como E. P. Thompson foi adotado por uma rede tramada entre São Paulo e Rio, entre os anos 1970 e 1990. Sugiro a atual vigência de uma segunda etapa, já que da recepção se chegou aos muitos e variados usos de Thompson, que se distinguem por sua des­ centralização em nível nacional. Nessas duas fases é possível percebera relevância da questão, para os pesquisadores brasileiros, sobre como na classe trabalhadora a experiência não corresponde, muitas vezes, ao modelo de sua consciência de classe. Palavras-chaves: história social; E. P. Thompson; classe trabalhadora; Brasil. Abstract E.P. Thompson in Brazil: reception and usage ln this article, in order to address the issue of the reception of E. P. Thompson in Brazil, it is underlined the importance of his wife Dorothy Thompson. Then, it is commented the way E. P. Thompson was adopted by a network in São Paulo and Rio, between the decades of 1970 and 1990. It is also suggested an ongoing and more recent second and new phase in which the widespread uses of Thompson are the distinguishing feature. In both of them it may be observed the relevance of how working-class experience is not a match with the class consciousness model. Keywords: social history; E. P. Thompson; working class; Brazil.