SlideShare uma empresa Scribd logo
Caçadores Grupo de historiadores é especializado em descobrir 
informações perdidas no Arquivo Público da Bahia HISTORIAS Texto VITOR PAMPLONA vpamplona@grupoatarde.com.br 
Foto MARCO AURÉLIO MARTINS mmartins@grupoatarde.com.br 
o prédioda Quinta doTan-que, 
construção do século 
16 onde funciona o Arqui­vo 
Público da Bahia, o si­lêncio 
é de ouro. Na sala 
destinada à consulta dos 
documentos históricos, muitos deles ma­nuscritos 
originais do Brasil colonial, ape-naso 
som provocado pelos maços de papel 
está autorizado. 
Mas, numa tarde de 2006, um choro 
ecoounopátiodoedifíciodedoispavimen-tos, 
localizado na Baixa de Quintas, em Sal­vador. 
Funcionários do arquivo, que com­pleta 
120 anos em 2010 e é o mais impor­tante 
do País depois do Arquivo Nacional, 
no Rio de Janeiro, pararam de trabalhar. 
Na sala de consulta, pesquisadores perde­ram 
a concentração. O historiador Urano 
Andrade abandonou papéis sobre a mesa 
e, após descer dois vãos de escada em di­reção 
ao térreo, encontrou uma moça com 
lágrimas nos olhos. Chamava-se Luciana. 
O motivo do choro: sua irmã, que tra­balhava 
na Itália, corria risco de expulsão 
do país por não ter visto de permanência. 
Sustentadapelodinheiroenviadotodosos 
meses do exterior, a família sentia-se 
ameaçada pela extradição. "Ela estava de­sesperada", 
lembra Urano. "Tinha vindo 
procurar o registro de entrada de passagei­ros 
na Bahia, em busca do dia em que o 
bisavô italiano chegou aqui". 
O pesquisador reuniu alguns colegas e 
começaram a procurar. "Encontramos não 
só a inscrição da entrada do bisavô dela no 
portode Ilhéus, massuascertidõesdenas-cimento 
e casamento. Isso salvou a famí­lia". 
Após alguns dias, um tradutorfoi con­tratado 
e, ao fim do julgamento do proces-l 
i iw v ! o a ln iu iK ttn r iw*. UHftJÁ 
1 % s i»i.N‘ In * ) m 
« l.ila i'*U «K i l i I L 4,w »fir 
S vw ís .tNNO WS* 
LEIS RELIGIOSAS 
Uma das peças antigas mais bem 
conservadas do Arquivo Público da Bahia 
é o Compromisso da Irmandade de S. 
Benedito da Matriz da Conceição da Praia, 
um código de leis de 1684
so na Itália, a irmã de Luciana obteve a du­pla 
nacionalidade, podendo permanecer 
legalmente na Europa. 
AVENTURA 
Para Urano, um ex-gerente de super­mercado 
de 37 anos que só entrou na fa­culdade 
de história depois dos 30, o epi­sódio 
ilustra os momentos emocionantes 
de uma profissão que parece saída de fil-mesdeaventura: 
adecaçadordehistórias. 
Sob um olhar generoso, ele é um Indiana 
Jonesdosdocumentosraros,queconciliaa 
descoberta de informações históricas com 
a atividade de professor. 
Mas as semelhanças com o persona­gem 
aventureiro, vivido no cinema por 
Harrison Ford, terminam aí. Urano não 
gosta de se meter em conflitos nos quais é 
quase impossível descobrir quem é o ban­dido 
e quem é o mocinho. "Prefiro não fa­zer 
pesquisas sobre questões envolvendo, 
por exemplo, brigas por herança ou reser­vas 
indígenas". 
Desde que começou a vasculhar o pas­sado, 
como monitor de pesquisas univer­sitárias, 
há sete anos, ele se aproximou de 
outros pesquisadores. Juntos, formaram 
umgrupo especializadoemdesenterrarin-formações 
perdidas em papéis amarela­dos, 
cuja escrita dificilmente é compreen­sível 
para uma pessoa sem familiaridade 
com a grafia de séculos passados. 
Em comum com a maioria dos historia­dores, 
eles têm projetos pessoais e traba­lham 
para escrever as próprias teses e dis­sertações. 
Mas, ao oferecer seus serviços 
a terceiros, que os contratam para encon­trar 
a informação que precisam, já ajuda­ram 
a resolver questões judiciais, recons­truir 
árvores genealógicas e reunir mate­rial 
fundamental para o trabalho de outros 
historiadores. 
"Sempre vão existir pessoas precisando 
W ' 
1 
/• 1 «MM*- **«- 
*tf * H|l«. » 
í . . ■■ f.- 
/ rs z 
/. C K f? - - . 
/ 
ILHA DE PRESENTE 
A carta de doação da Ilha de Itaparica 
(na época chamada sesmaria), feita pelo 
primeiro governador-geral do Brasil, 
Thomé de Souza, é o mais antigo 
documento preservado no acervo do 
Arquivo Público. A ilha foi doada ao nobre 
português D. Antônio de Ataíde, conde de 
Castanheira, em 1552 
de pesquisa, seja nas universidades ou em 
outras demandas, como passaporte, du­pla 
nacionalidade, escrituras. Tudo isso es­tá 
envolvido com documentação histórica. 
Por isso, surgiu a proposta de criar o grupo 
e profissionalizar a atividade". 
O primeiro a embarcar na ideiafoiJetro 
do Carmo da Luz, 28, que há cinco anos co­nheceu 
Urano na Católica. No começo de 
sua carreira de caçador de histórias, cada 
incursão nos acervos significava uma sur­presa. 
"Lembro que, ao fazer um trabalho, 
encontrei cartas de cerca de 1850, escritas 
por um padre da região de Rodelas (a 540 
quilômetros de Salvador)", diz. "O padre 
denunciava para a arquidiocese, na capi­tal, 
que um europeu de 'maus hábitos'ha­via 
chegado à vila quando os índios esta-vam 
já 'domesticados'. O estrangeiro intro­duziu 
o álcool e teria, de certa forma, per­turbado 
a ordem. Foi um caso muito de­talhado, 
interessante". 
CONVIVÊNCIA 
No Arquivo Público da Bahia, principal 
território de atuação dos dois pesquisado­res, 
eles conheceram Cândido Domingues, 
25, e Jacira Santos Pinto, 31. Cândido já 
ajudou pessoas a comprovarem a naciona­lidade 
de antepassados e tem no currículo 
o trabalho de recolher material para livros 
como DomingosSodré-Um SacerdoteAfri-cano 
(Companhia das Letras), a elogiada 
biografia de um ex-escravo escrita pelo his­toriador 
baiano João José Reis, um dos 
maiores estudiosos da área no País. Jacira 
também fez pesquisas para obras do gêne­ro 
e encontrou documentos ligados a ques­tões 
imobiliárias. Recentemente, uma 
construtora a procurou para encontrar a es­critura 
de um terreno no IAPI (bairro), onde 
a empresa pretende construir um edifício 
de apartamentos. 
"Acabamos criando laços de amizade e 
conhecendo o trabalho um do outro", re­vela 
Jacira. Esse efeito colateral do convívio 
representa uma conveniência: como cada 
um deles é especializado em temas e pe­ríodos 
distintos da história do Brasil e da 
Bahia, os quatro conseguem cobrir pratica­mente 
todo o acervo do Arquivo Público, 
onde os documentos ocupam estantes 
que, alinhadas, preenchem uma distância 
equivalente a 25 quilômetros. 
O trabalho dos caçadores de histórias 
costuma ser remunerado por hora. "Mas 
posso fechar um pacote, se a pessoa já sa­be 
o que quer", explica Urano. "Cobro um 
determinado valor para fotografar um ma-
Grupo procura informação de casos históricos e já ajudou a resolver questões judiciais e a reconstruir árvores genealógicas 
Ç 
çocompletodedocumentos.Seapesquisa 
for mais intensa, quando tenho de procu­rar 
personagens, o valor é maior". 
De negociação em negociação, as inves­tigações 
rendem em torno de 600 reais 
mensais em cada trabalho. O valor máxi­mo 
já recebido por ele, por um único ser­viço, 
foi 1.500 reais, para localizar e foto­grafar 
seis maços de documentos. Urano 
levou duas semanas. "Hoje, mando catá­logos 
digitalizados para interessados em 
Portugal, nos EUA e outros países. Eles di­zem 
o que precisam e eu pesquiso". Atual­mente, 
trabalha para uma pesquisadora 
turca da Universidade de Nova Orleans. 
ACERVO 
As facilidades trazidas pelos investiga­dores 
profissionais, porém, não impedem 
que muitos estrangeiros frequentem pes- 
* f 
soalmente o Arquivo Público. Em regra, 
vêm atrás do valiosíssimo acervo colonial, 
que remete ao período emquea cidade de 
Salvador foi capital do Brasil. 
Uma das coleções mais importantes é a 
de documentos judiciários, produzidos pe­lo 
antigo Tribunal de Relação do Estado do 
Brasil e da Bahia, a corte suprema colonial 
criada há mais de 400 anos que deu ori­gem 
ao Tribunal de Justiça da Bahia e ao 
Supremo Tribunal Federal. 
Reconhecidos pela Unesco, os cerca de 
64mildocumentosdoTribunalganharam, 
há dois anos, o título de Memória do Mun­do, 
o equivalente a serem tombados como 
patrimônio da humanidade. "Nossa preo­cupação 
é preservar e difundir", diz a dire­tora 
doArquivo Público da Bahia, Maria Te­resa 
Matos. "Égratificante quando alguém 
nos procura para comprovação de direitos 
e podemos ajudar". 
Atualmente, o arquivo cuida da recupe-raçãodoacervoligadoàlndependênciada 
Bahia, restaurado com patrocínio do go­verno 
da Espanha. O próximo passo é a di­gitalização 
dos papéis, mas a direção afir­ma 
ainda não contar com a infraestrutura 
tecnológica necessária. Uma referência, 
REBELIÃO ESCRAVA 
Escrita em árabe, esta carta do escravo 
Amaro Ussá foi apreendida pelo governo 
imperial brasileiro durante a repressão à 
Revolta dos Malês (1935), movimento 
liderado por negros muçulmanos 
insatisfeitos com a escravidão, que tinham 
como objetivo a conquista da liberdade e 
a criação de uma república islâmica 
**:
m m 
■ v r 
S7 
T 7~ 
Arquivo Público da Bahia tem 120 anos e é o segundo mais importante do País, mas o prédio que o abriga precisa de reparos 
to 1 O 
Ca.-. ,-x> i > ií. 
K 3 1 2 V— . *•' 
* . u w * C * 
â L 
— ciírjíl/ 
U s « _ w 
'3^C' ‘ "XV . Z+Át 
•n£.tÁt^JHWr «X'«4u«« w •*»* 
fHi-.U M W 1KTSK* 
.U « l • ' 
■Sü»' J ^ A A O - ■*.'•***»>& 
•Zxcté ‘ f_ . i. fi-J I 'Vi+s .*zj- -W^*r-. <vx^-í»- 
Ci-. .-. i- pJHií.^itesrj» 
.* w . yrfii '/.M/t (3* 
• X/--^ «VfcjA- í ? 
Cl'—u^í« > 
r •• -j.-. 
^ -ííi>r tpttt tZ-sH*1 
.‘Zr-* 
REPÚBLICA BAIANA 
Uma das coleções mais valiosas é a da 
Conjuração Baiana (1798), ou Revolta dos 
Alfaiates. O Arquivo Público tem o registro 
da devassa feita pelas autoridades da coroa 
portuguesa sobre bens e papéis dos 
revolucionários, que eram republicanos 
segundo Maria Teresa, é a digitalização do acervo de A TARDE, feita 
em parceria com a Humanidades Editora e Projetos, com apoio do 
Arquivo Público, onde as edições podem ser consultadas. 
Além disso, novas normas de consulta para pesquisadores fo­ram 
aprovadas pelo governo estadual para proibir o acesso de 
não-funcionários aos depósitos. O objetivo é evitar a perda ou ex­travio 
de documentação. Mas o arquivo não tem muito mais a co­memorar. 
Parte da memória da Revolução dos Alfaiates e da Re­volta 
dos Malês, duas das mais significativas insurgências popu­lares 
da história da Bahia, está com os documentos corroídos ou 
parcialmente destruídos, à espera de restauração. 
Tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Na­cional 
(Iphan) desde 1949, a Quinta do Tanque passou por uma 
inspeção técnica no final de agosto. Segundo o relatório produzido 
pelo órgão, a situação do imóvel é preocupante. Sem manutenção, 
cerca de 20% da madeira do telhado e 50% do forro estão com­prometidos 
pela umidade. O Iphan apontou ainda goteiras, fiação 
elétrica exposta - há risco de incêndio - e esquadrias danificadas, 
entre outras inadequações. O diretor de arquivos da Fundação Pe­dro 
Calmon, Paulo de Jesus Santos, responsável pelo Arquivo Pú­blico, 
promete restaurar o telhado e instalar um sistema anti-in­cêndio 
no prédio. Para os caçadores de histórias, o caso não é ape­nas 
de preservar uma memória de valor incalculável. 
"Vemos nessa atividade um mercado de trabalho a ser explo­rado", 
acredita Urano. "Facilitamos o acesso aosdocumentose aju­damos 
outros pesquisadores a ter novos olhares sobre nossa his­tória, 
o que é muito importante". Anote-se. Arquive-se.« 
SERVIÇO 
Arquivo Público da 
Bahia / Ladeira de 
Quintas, 50, Baixa de 
Quintas / Tel. (71) 
3116-2163. 
Saiba mais sobre os 
caçadores de histórias: 
www.uranohistoria. 
blogspot.com 
V v '

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Caçadores de história

Primeiro museu de Itaúna
Primeiro museu de ItaúnaPrimeiro museu de Itaúna
Primeiro museu de Itaúna
Charles
 
Inf historia 6
Inf historia 6Inf historia 6
Inf historia 6
Izaac Erder
 
Destaque33
Destaque33 Destaque33
Destaque33
Raphael Santos
 
Histor 08
Histor 08Histor 08
Avaliação de história (recuperação) estudos introdutórios
Avaliação de história (recuperação)   estudos introdutóriosAvaliação de história (recuperação)   estudos introdutórios
Avaliação de história (recuperação) estudos introdutórios
Acrópole - História & Educação
 
Histor 04
Histor 04Histor 04
Revisão 6 ano 1 trim parcial b
Revisão   6 ano 1 trim parcial bRevisão   6 ano 1 trim parcial b
Revisão 6 ano 1 trim parcial b
Carlos Zaranza
 
à Flor da terra cemiterio dos pretos novos no rio de janeiro
à Flor da terra cemiterio dos pretos novos no rio de janeiroà Flor da terra cemiterio dos pretos novos no rio de janeiro
à Flor da terra cemiterio dos pretos novos no rio de janeiro
Fátima Brito
 
Bens intangíveis pelegrini
Bens intangíveis   pelegriniBens intangíveis   pelegrini
Bens intangíveis pelegrini
Adriana Costa
 
Povoamento do Município de Ermo, SC
Povoamento do Município de Ermo, SCPovoamento do Município de Ermo, SC
Povoamento do Município de Ermo, SC
Brenner Cardoso
 
AULAS-2-3-Introd aos Est. da Hist.-FONTES HISTÓRICAS-25-01-2019.pptx
AULAS-2-3-Introd aos Est. da Hist.-FONTES HISTÓRICAS-25-01-2019.pptxAULAS-2-3-Introd aos Est. da Hist.-FONTES HISTÓRICAS-25-01-2019.pptx
AULAS-2-3-Introd aos Est. da Hist.-FONTES HISTÓRICAS-25-01-2019.pptx
Elisa Maria Gomide
 
Abreviaturas - Flexor.pdf
Abreviaturas - Flexor.pdfAbreviaturas - Flexor.pdf
Abreviaturas - Flexor.pdf
Thalita68
 
Ulrico_Schmidl no Brasil Quinhentista - Kloster & Sommer - soc Hans Staden -...
Ulrico_Schmidl no Brasil Quinhentista -  Kloster & Sommer - soc Hans Staden -...Ulrico_Schmidl no Brasil Quinhentista -  Kloster & Sommer - soc Hans Staden -...
Ulrico_Schmidl no Brasil Quinhentista - Kloster & Sommer - soc Hans Staden -...
Miguel Penteado
 
Limpos_de_Sangue_Familiares_do_Santo_Ofi.pdf
Limpos_de_Sangue_Familiares_do_Santo_Ofi.pdfLimpos_de_Sangue_Familiares_do_Santo_Ofi.pdf
Limpos_de_Sangue_Familiares_do_Santo_Ofi.pdf
AnaiMarinaPereira
 
Campanha - Ouro Preto - MG
Campanha - Ouro Preto - MGCampanha - Ouro Preto - MG
Campanha - Ouro Preto - MG
agmaracatu
 
Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional
Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional
Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional
Maira Teixeira
 
Avaliacao de historia saeb
Avaliacao de historia saebAvaliacao de historia saeb
Avaliacao de historia saeb
Atividades Diversas Cláudia
 
Viagem de Auguste de Saint–Hilaire à cidade de São Francisco do Sul
Viagem de Auguste de Saint–Hilaire à cidade de São Francisco do SulViagem de Auguste de Saint–Hilaire à cidade de São Francisco do Sul
Viagem de Auguste de Saint–Hilaire à cidade de São Francisco do Sul
Fernanda Maite dos Passos
 
Projeto papel antigo & papel velho
Projeto papel antigo & papel velhoProjeto papel antigo & papel velho
Projeto papel antigo & papel velho
Felipe
 

Semelhante a Caçadores de história (20)

Primeiro museu de Itaúna
Primeiro museu de ItaúnaPrimeiro museu de Itaúna
Primeiro museu de Itaúna
 
Inf historia 6
Inf historia 6Inf historia 6
Inf historia 6
 
Destaque33
Destaque33 Destaque33
Destaque33
 
Histor 08
Histor 08Histor 08
Histor 08
 
Avaliação de história (recuperação) estudos introdutórios
Avaliação de história (recuperação)   estudos introdutóriosAvaliação de história (recuperação)   estudos introdutórios
Avaliação de história (recuperação) estudos introdutórios
 
Histor 04
Histor 04Histor 04
Histor 04
 
Revisão 6 ano 1 trim parcial b
Revisão   6 ano 1 trim parcial bRevisão   6 ano 1 trim parcial b
Revisão 6 ano 1 trim parcial b
 
à Flor da terra cemiterio dos pretos novos no rio de janeiro
à Flor da terra cemiterio dos pretos novos no rio de janeiroà Flor da terra cemiterio dos pretos novos no rio de janeiro
à Flor da terra cemiterio dos pretos novos no rio de janeiro
 
Bens intangíveis pelegrini
Bens intangíveis   pelegriniBens intangíveis   pelegrini
Bens intangíveis pelegrini
 
Povoamento do Município de Ermo, SC
Povoamento do Município de Ermo, SCPovoamento do Município de Ermo, SC
Povoamento do Município de Ermo, SC
 
Noesdepaleografi1953ubir
Noesdepaleografi1953ubirNoesdepaleografi1953ubir
Noesdepaleografi1953ubir
 
AULAS-2-3-Introd aos Est. da Hist.-FONTES HISTÓRICAS-25-01-2019.pptx
AULAS-2-3-Introd aos Est. da Hist.-FONTES HISTÓRICAS-25-01-2019.pptxAULAS-2-3-Introd aos Est. da Hist.-FONTES HISTÓRICAS-25-01-2019.pptx
AULAS-2-3-Introd aos Est. da Hist.-FONTES HISTÓRICAS-25-01-2019.pptx
 
Abreviaturas - Flexor.pdf
Abreviaturas - Flexor.pdfAbreviaturas - Flexor.pdf
Abreviaturas - Flexor.pdf
 
Ulrico_Schmidl no Brasil Quinhentista - Kloster & Sommer - soc Hans Staden -...
Ulrico_Schmidl no Brasil Quinhentista -  Kloster & Sommer - soc Hans Staden -...Ulrico_Schmidl no Brasil Quinhentista -  Kloster & Sommer - soc Hans Staden -...
Ulrico_Schmidl no Brasil Quinhentista - Kloster & Sommer - soc Hans Staden -...
 
Limpos_de_Sangue_Familiares_do_Santo_Ofi.pdf
Limpos_de_Sangue_Familiares_do_Santo_Ofi.pdfLimpos_de_Sangue_Familiares_do_Santo_Ofi.pdf
Limpos_de_Sangue_Familiares_do_Santo_Ofi.pdf
 
Campanha - Ouro Preto - MG
Campanha - Ouro Preto - MGCampanha - Ouro Preto - MG
Campanha - Ouro Preto - MG
 
Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional
Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional
Relatório visita técnica Centro RJ e Museu Histórico Nacional
 
Avaliacao de historia saeb
Avaliacao de historia saebAvaliacao de historia saeb
Avaliacao de historia saeb
 
Viagem de Auguste de Saint–Hilaire à cidade de São Francisco do Sul
Viagem de Auguste de Saint–Hilaire à cidade de São Francisco do SulViagem de Auguste de Saint–Hilaire à cidade de São Francisco do Sul
Viagem de Auguste de Saint–Hilaire à cidade de São Francisco do Sul
 
Projeto papel antigo & papel velho
Projeto papel antigo & papel velhoProjeto papel antigo & papel velho
Projeto papel antigo & papel velho
 

Mais de Urano Andrade

Estatística da Capitânia de Rios de Senna do Ano de 1806 .pdf
Estatística da Capitânia de Rios de Senna do Ano de 1806 .pdfEstatística da Capitânia de Rios de Senna do Ano de 1806 .pdf
Estatística da Capitânia de Rios de Senna do Ano de 1806 .pdf
Urano Andrade
 
Seminário do gpcsl cnpq 2015
Seminário do gpcsl cnpq 2015Seminário do gpcsl cnpq 2015
Seminário do gpcsl cnpq 2015
Urano Andrade
 
LIVROS SOBRE A HISTÓRIA DO CANGAÇO
LIVROS SOBRE A HISTÓRIA DO CANGAÇO LIVROS SOBRE A HISTÓRIA DO CANGAÇO
LIVROS SOBRE A HISTÓRIA DO CANGAÇO
Urano Andrade
 
E. P. Thompson no Brasil: recepção e usos Antonio Luigi Negro
E. P. Thompson no Brasil: recepção e usos Antonio Luigi Negro E. P. Thompson no Brasil: recepção e usos Antonio Luigi Negro
E. P. Thompson no Brasil: recepção e usos Antonio Luigi Negro
Urano Andrade
 
ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA - CONCLUSÃO DE REFORMAS EMERGENCIAIS DO SO...
ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA - CONCLUSÃO DE REFORMAS EMERGENCIAIS DO SO...ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA - CONCLUSÃO DE REFORMAS EMERGENCIAIS DO SO...
ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA - CONCLUSÃO DE REFORMAS EMERGENCIAIS DO SO...
Urano Andrade
 
Notícias de Mandela
Notícias de MandelaNotícias de Mandela
Notícias de Mandela
Urano Andrade
 
Fundo de pasto e quilombo
Fundo de pasto e quilomboFundo de pasto e quilombo
Fundo de pasto e quilombo
Urano Andrade
 
Anpuh o perfil profissional dos historiadores atuantes em arquivos
Anpuh   o perfil profissional dos historiadores atuantes em arquivosAnpuh   o perfil profissional dos historiadores atuantes em arquivos
Anpuh o perfil profissional dos historiadores atuantes em arquivos
Urano Andrade
 
Historiador, como anda seu arquivo
Historiador, como anda seu arquivoHistoriador, como anda seu arquivo
Historiador, como anda seu arquivo
Urano Andrade
 
Carta convite 2011
Carta convite 2011Carta convite 2011
Carta convite 2011
Urano Andrade
 
Ana nery
Ana neryAna nery
Ana nery
Urano Andrade
 
O integralismo sem máscara
O integralismo sem máscaraO integralismo sem máscara
O integralismo sem máscara
Urano Andrade
 
Foto de página inteira
Foto de página inteiraFoto de página inteira
Foto de página inteira
Urano Andrade
 
Event flier new_iiii
Event flier new_iiiiEvent flier new_iiii
Event flier new_iiii
Urano Andrade
 
Posturas da câmara municipal de salvador 1873
Posturas da câmara municipal de salvador   1873Posturas da câmara municipal de salvador   1873
Posturas da câmara municipal de salvador 1873
Urano Andrade
 
Texto sérgio augusto martins mascarenhas novospesquisadores
Texto sérgio augusto martins mascarenhas novospesquisadoresTexto sérgio augusto martins mascarenhas novospesquisadores
Texto sérgio augusto martins mascarenhas novospesquisadores
Urano Andrade
 

Mais de Urano Andrade (20)

Estatística da Capitânia de Rios de Senna do Ano de 1806 .pdf
Estatística da Capitânia de Rios de Senna do Ano de 1806 .pdfEstatística da Capitânia de Rios de Senna do Ano de 1806 .pdf
Estatística da Capitânia de Rios de Senna do Ano de 1806 .pdf
 
Seminário do gpcsl cnpq 2015
Seminário do gpcsl cnpq 2015Seminário do gpcsl cnpq 2015
Seminário do gpcsl cnpq 2015
 
LIVROS SOBRE A HISTÓRIA DO CANGAÇO
LIVROS SOBRE A HISTÓRIA DO CANGAÇO LIVROS SOBRE A HISTÓRIA DO CANGAÇO
LIVROS SOBRE A HISTÓRIA DO CANGAÇO
 
E. P. Thompson no Brasil: recepção e usos Antonio Luigi Negro
E. P. Thompson no Brasil: recepção e usos Antonio Luigi Negro E. P. Thompson no Brasil: recepção e usos Antonio Luigi Negro
E. P. Thompson no Brasil: recepção e usos Antonio Luigi Negro
 
ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA - CONCLUSÃO DE REFORMAS EMERGENCIAIS DO SO...
ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA - CONCLUSÃO DE REFORMAS EMERGENCIAIS DO SO...ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA - CONCLUSÃO DE REFORMAS EMERGENCIAIS DO SO...
ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA - CONCLUSÃO DE REFORMAS EMERGENCIAIS DO SO...
 
Notícias de Mandela
Notícias de MandelaNotícias de Mandela
Notícias de Mandela
 
Fundo de pasto e quilombo
Fundo de pasto e quilomboFundo de pasto e quilombo
Fundo de pasto e quilombo
 
Anpuh o perfil profissional dos historiadores atuantes em arquivos
Anpuh   o perfil profissional dos historiadores atuantes em arquivosAnpuh   o perfil profissional dos historiadores atuantes em arquivos
Anpuh o perfil profissional dos historiadores atuantes em arquivos
 
Historiador, como anda seu arquivo
Historiador, como anda seu arquivoHistoriador, como anda seu arquivo
Historiador, como anda seu arquivo
 
Carta convite 2011
Carta convite 2011Carta convite 2011
Carta convite 2011
 
Ana nery
Ana neryAna nery
Ana nery
 
O integralismo sem máscara
O integralismo sem máscaraO integralismo sem máscara
O integralismo sem máscara
 
O rei dos negreiros
O rei dos negreirosO rei dos negreiros
O rei dos negreiros
 
O guaycuru
O guaycuruO guaycuru
O guaycuru
 
O guaycuru
O guaycuruO guaycuru
O guaycuru
 
Iphan fotografia
Iphan   fotografiaIphan   fotografia
Iphan fotografia
 
Foto de página inteira
Foto de página inteiraFoto de página inteira
Foto de página inteira
 
Event flier new_iiii
Event flier new_iiiiEvent flier new_iiii
Event flier new_iiii
 
Posturas da câmara municipal de salvador 1873
Posturas da câmara municipal de salvador   1873Posturas da câmara municipal de salvador   1873
Posturas da câmara municipal de salvador 1873
 
Texto sérgio augusto martins mascarenhas novospesquisadores
Texto sérgio augusto martins mascarenhas novospesquisadoresTexto sérgio augusto martins mascarenhas novospesquisadores
Texto sérgio augusto martins mascarenhas novospesquisadores
 

Caçadores de história

  • 1. Caçadores Grupo de historiadores é especializado em descobrir informações perdidas no Arquivo Público da Bahia HISTORIAS Texto VITOR PAMPLONA vpamplona@grupoatarde.com.br Foto MARCO AURÉLIO MARTINS mmartins@grupoatarde.com.br o prédioda Quinta doTan-que, construção do século 16 onde funciona o Arqui­vo Público da Bahia, o si­lêncio é de ouro. Na sala destinada à consulta dos documentos históricos, muitos deles ma­nuscritos originais do Brasil colonial, ape-naso som provocado pelos maços de papel está autorizado. Mas, numa tarde de 2006, um choro ecoounopátiodoedifíciodedoispavimen-tos, localizado na Baixa de Quintas, em Sal­vador. Funcionários do arquivo, que com­pleta 120 anos em 2010 e é o mais impor­tante do País depois do Arquivo Nacional, no Rio de Janeiro, pararam de trabalhar. Na sala de consulta, pesquisadores perde­ram a concentração. O historiador Urano Andrade abandonou papéis sobre a mesa e, após descer dois vãos de escada em di­reção ao térreo, encontrou uma moça com lágrimas nos olhos. Chamava-se Luciana. O motivo do choro: sua irmã, que tra­balhava na Itália, corria risco de expulsão do país por não ter visto de permanência. Sustentadapelodinheiroenviadotodosos meses do exterior, a família sentia-se ameaçada pela extradição. "Ela estava de­sesperada", lembra Urano. "Tinha vindo procurar o registro de entrada de passagei­ros na Bahia, em busca do dia em que o bisavô italiano chegou aqui". O pesquisador reuniu alguns colegas e começaram a procurar. "Encontramos não só a inscrição da entrada do bisavô dela no portode Ilhéus, massuascertidõesdenas-cimento e casamento. Isso salvou a famí­lia". Após alguns dias, um tradutorfoi con­tratado e, ao fim do julgamento do proces-l i iw v ! o a ln iu iK ttn r iw*. UHftJÁ 1 % s i»i.N‘ In * ) m « l.ila i'*U «K i l i I L 4,w »fir S vw ís .tNNO WS* LEIS RELIGIOSAS Uma das peças antigas mais bem conservadas do Arquivo Público da Bahia é o Compromisso da Irmandade de S. Benedito da Matriz da Conceição da Praia, um código de leis de 1684
  • 2. so na Itália, a irmã de Luciana obteve a du­pla nacionalidade, podendo permanecer legalmente na Europa. AVENTURA Para Urano, um ex-gerente de super­mercado de 37 anos que só entrou na fa­culdade de história depois dos 30, o epi­sódio ilustra os momentos emocionantes de uma profissão que parece saída de fil-mesdeaventura: adecaçadordehistórias. Sob um olhar generoso, ele é um Indiana Jonesdosdocumentosraros,queconciliaa descoberta de informações históricas com a atividade de professor. Mas as semelhanças com o persona­gem aventureiro, vivido no cinema por Harrison Ford, terminam aí. Urano não gosta de se meter em conflitos nos quais é quase impossível descobrir quem é o ban­dido e quem é o mocinho. "Prefiro não fa­zer pesquisas sobre questões envolvendo, por exemplo, brigas por herança ou reser­vas indígenas". Desde que começou a vasculhar o pas­sado, como monitor de pesquisas univer­sitárias, há sete anos, ele se aproximou de outros pesquisadores. Juntos, formaram umgrupo especializadoemdesenterrarin-formações perdidas em papéis amarela­dos, cuja escrita dificilmente é compreen­sível para uma pessoa sem familiaridade com a grafia de séculos passados. Em comum com a maioria dos historia­dores, eles têm projetos pessoais e traba­lham para escrever as próprias teses e dis­sertações. Mas, ao oferecer seus serviços a terceiros, que os contratam para encon­trar a informação que precisam, já ajuda­ram a resolver questões judiciais, recons­truir árvores genealógicas e reunir mate­rial fundamental para o trabalho de outros historiadores. "Sempre vão existir pessoas precisando W ' 1 /• 1 «MM*- **«- *tf * H|l«. » í . . ■■ f.- / rs z /. C K f? - - . / ILHA DE PRESENTE A carta de doação da Ilha de Itaparica (na época chamada sesmaria), feita pelo primeiro governador-geral do Brasil, Thomé de Souza, é o mais antigo documento preservado no acervo do Arquivo Público. A ilha foi doada ao nobre português D. Antônio de Ataíde, conde de Castanheira, em 1552 de pesquisa, seja nas universidades ou em outras demandas, como passaporte, du­pla nacionalidade, escrituras. Tudo isso es­tá envolvido com documentação histórica. Por isso, surgiu a proposta de criar o grupo e profissionalizar a atividade". O primeiro a embarcar na ideiafoiJetro do Carmo da Luz, 28, que há cinco anos co­nheceu Urano na Católica. No começo de sua carreira de caçador de histórias, cada incursão nos acervos significava uma sur­presa. "Lembro que, ao fazer um trabalho, encontrei cartas de cerca de 1850, escritas por um padre da região de Rodelas (a 540 quilômetros de Salvador)", diz. "O padre denunciava para a arquidiocese, na capi­tal, que um europeu de 'maus hábitos'ha­via chegado à vila quando os índios esta-vam já 'domesticados'. O estrangeiro intro­duziu o álcool e teria, de certa forma, per­turbado a ordem. Foi um caso muito de­talhado, interessante". CONVIVÊNCIA No Arquivo Público da Bahia, principal território de atuação dos dois pesquisado­res, eles conheceram Cândido Domingues, 25, e Jacira Santos Pinto, 31. Cândido já ajudou pessoas a comprovarem a naciona­lidade de antepassados e tem no currículo o trabalho de recolher material para livros como DomingosSodré-Um SacerdoteAfri-cano (Companhia das Letras), a elogiada biografia de um ex-escravo escrita pelo his­toriador baiano João José Reis, um dos maiores estudiosos da área no País. Jacira também fez pesquisas para obras do gêne­ro e encontrou documentos ligados a ques­tões imobiliárias. Recentemente, uma construtora a procurou para encontrar a es­critura de um terreno no IAPI (bairro), onde a empresa pretende construir um edifício de apartamentos. "Acabamos criando laços de amizade e conhecendo o trabalho um do outro", re­vela Jacira. Esse efeito colateral do convívio representa uma conveniência: como cada um deles é especializado em temas e pe­ríodos distintos da história do Brasil e da Bahia, os quatro conseguem cobrir pratica­mente todo o acervo do Arquivo Público, onde os documentos ocupam estantes que, alinhadas, preenchem uma distância equivalente a 25 quilômetros. O trabalho dos caçadores de histórias costuma ser remunerado por hora. "Mas posso fechar um pacote, se a pessoa já sa­be o que quer", explica Urano. "Cobro um determinado valor para fotografar um ma-
  • 3. Grupo procura informação de casos históricos e já ajudou a resolver questões judiciais e a reconstruir árvores genealógicas Ç çocompletodedocumentos.Seapesquisa for mais intensa, quando tenho de procu­rar personagens, o valor é maior". De negociação em negociação, as inves­tigações rendem em torno de 600 reais mensais em cada trabalho. O valor máxi­mo já recebido por ele, por um único ser­viço, foi 1.500 reais, para localizar e foto­grafar seis maços de documentos. Urano levou duas semanas. "Hoje, mando catá­logos digitalizados para interessados em Portugal, nos EUA e outros países. Eles di­zem o que precisam e eu pesquiso". Atual­mente, trabalha para uma pesquisadora turca da Universidade de Nova Orleans. ACERVO As facilidades trazidas pelos investiga­dores profissionais, porém, não impedem que muitos estrangeiros frequentem pes- * f soalmente o Arquivo Público. Em regra, vêm atrás do valiosíssimo acervo colonial, que remete ao período emquea cidade de Salvador foi capital do Brasil. Uma das coleções mais importantes é a de documentos judiciários, produzidos pe­lo antigo Tribunal de Relação do Estado do Brasil e da Bahia, a corte suprema colonial criada há mais de 400 anos que deu ori­gem ao Tribunal de Justiça da Bahia e ao Supremo Tribunal Federal. Reconhecidos pela Unesco, os cerca de 64mildocumentosdoTribunalganharam, há dois anos, o título de Memória do Mun­do, o equivalente a serem tombados como patrimônio da humanidade. "Nossa preo­cupação é preservar e difundir", diz a dire­tora doArquivo Público da Bahia, Maria Te­resa Matos. "Égratificante quando alguém nos procura para comprovação de direitos e podemos ajudar". Atualmente, o arquivo cuida da recupe-raçãodoacervoligadoàlndependênciada Bahia, restaurado com patrocínio do go­verno da Espanha. O próximo passo é a di­gitalização dos papéis, mas a direção afir­ma ainda não contar com a infraestrutura tecnológica necessária. Uma referência, REBELIÃO ESCRAVA Escrita em árabe, esta carta do escravo Amaro Ussá foi apreendida pelo governo imperial brasileiro durante a repressão à Revolta dos Malês (1935), movimento liderado por negros muçulmanos insatisfeitos com a escravidão, que tinham como objetivo a conquista da liberdade e a criação de uma república islâmica **:
  • 4. m m ■ v r S7 T 7~ Arquivo Público da Bahia tem 120 anos e é o segundo mais importante do País, mas o prédio que o abriga precisa de reparos to 1 O Ca.-. ,-x> i > ií. K 3 1 2 V— . *•' * . u w * C * â L — ciírjíl/ U s « _ w '3^C' ‘ "XV . Z+Át •n£.tÁt^JHWr «X'«4u«« w •*»* fHi-.U M W 1KTSK* .U « l • ' ■Sü»' J ^ A A O - ■*.'•***»>& •Zxcté ‘ f_ . i. fi-J I 'Vi+s .*zj- -W^*r-. <vx^-í»- Ci-. .-. i- pJHií.^itesrj» .* w . yrfii '/.M/t (3* • X/--^ «VfcjA- í ? Cl'—u^í« > r •• -j.-. ^ -ííi>r tpttt tZ-sH*1 .‘Zr-* REPÚBLICA BAIANA Uma das coleções mais valiosas é a da Conjuração Baiana (1798), ou Revolta dos Alfaiates. O Arquivo Público tem o registro da devassa feita pelas autoridades da coroa portuguesa sobre bens e papéis dos revolucionários, que eram republicanos segundo Maria Teresa, é a digitalização do acervo de A TARDE, feita em parceria com a Humanidades Editora e Projetos, com apoio do Arquivo Público, onde as edições podem ser consultadas. Além disso, novas normas de consulta para pesquisadores fo­ram aprovadas pelo governo estadual para proibir o acesso de não-funcionários aos depósitos. O objetivo é evitar a perda ou ex­travio de documentação. Mas o arquivo não tem muito mais a co­memorar. Parte da memória da Revolução dos Alfaiates e da Re­volta dos Malês, duas das mais significativas insurgências popu­lares da história da Bahia, está com os documentos corroídos ou parcialmente destruídos, à espera de restauração. Tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Na­cional (Iphan) desde 1949, a Quinta do Tanque passou por uma inspeção técnica no final de agosto. Segundo o relatório produzido pelo órgão, a situação do imóvel é preocupante. Sem manutenção, cerca de 20% da madeira do telhado e 50% do forro estão com­prometidos pela umidade. O Iphan apontou ainda goteiras, fiação elétrica exposta - há risco de incêndio - e esquadrias danificadas, entre outras inadequações. O diretor de arquivos da Fundação Pe­dro Calmon, Paulo de Jesus Santos, responsável pelo Arquivo Pú­blico, promete restaurar o telhado e instalar um sistema anti-in­cêndio no prédio. Para os caçadores de histórias, o caso não é ape­nas de preservar uma memória de valor incalculável. "Vemos nessa atividade um mercado de trabalho a ser explo­rado", acredita Urano. "Facilitamos o acesso aosdocumentose aju­damos outros pesquisadores a ter novos olhares sobre nossa his­tória, o que é muito importante". Anote-se. Arquive-se.« SERVIÇO Arquivo Público da Bahia / Ladeira de Quintas, 50, Baixa de Quintas / Tel. (71) 3116-2163. Saiba mais sobre os caçadores de histórias: www.uranohistoria. blogspot.com V v '