SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Movimentos sociais na América Latina na atualidade
Maria da Glória Gohn
UNICAMP/UNINOVE/CNPq
Brasil
Comprender las nuevas concepciones del proceso cultural de civilización puesto en marcha
con la globalización, implica la capacidad de leer críticamente el mundo que nos rodea en el
plano local, para entender las contradicciones globales y convivir con la fragmentación y los
antagonismos de una sociedad que se sustenta a partir de conflictos. Uno de los grandes
desafíos de esta era es construir e implementar un proceso de autonomía política que enseñe
a ocupar los espacios públicos, a tener una visión crítica del mundo y a no depender de
prácticas políticas del pasado. La autonomía debe capacitar a los individuos a incorporarse en
el contexto social y a comprender las circunstancias de la existencia humana en la
globalización. Estos desafíos nos remiten a la figura de los sujetos colectivos de la sociedad
civil organizada, los movimientos sociales, las ONGs, las asociaciones comunitarias y las
cooperativas populares.
Este texto objetiva refletir sobre o contexto da atual conjuntura latino-americana, a partir dos
impactos da globalização na sociedade e nas políticas públicas, e avaliar os espaços de
construção de outras possibilidades de ação coletiva em direção a processos socioculturais
emancipatórios. Este segundo ponto terá como referência a atuação da sociedade civil
organizada, destacando o papel dos movimentos sociais e das ONGs.
A SOCIEDADE POLÍTICA: ESTADO E AS POLÍTICAS PÚBLICAS NA AMÉRICA LATINA
Sabe-se que, nas últimas décadas, na maioria dos países da América Latina, implantou-se um
modelo de desenvolvimento fundamentado em concepções neoliberais, no qual as políticas
públicas priorizam o pagamento de juros da dívida, o controle dos déficis e superávits
financeiros, os fluxos de caixa, etc. em detrimento da oferta de serviços públicos para o
atendimento dos direitos econômicos, sociais e coletivos dos cidadãos. O resultado na
realidade desses países tem sido um cenário com altos índices de desigualdade social,
concentração da riqueza, desemprego, redefinição do papel do estado, estabelecimento de
políticas sociais assistencialistas de caráter compensatório, etc. Disso tudo resultam ações
onde se destacam o pragmatismo, o tecnicismo, a ausência dos sonhos para construir
alternativas. A ação coletiva emancipatória não é a que gera compaixão. Ela é fruto de
relações que geram sinergias, forças, inovações de outras ordens, que constroem caminhos
para a mudança e a transformação social.
Do ponto de vista da cultura - como o capital não tem compromisso com o lugar, com os
territórios locais -, a sua tendência é ser algo como um furacão: onde chega e destrói tudo. O
território local é o lugar da memória, da cultura, da religião, das tradições, de uma língua, um
dialeto, uma etnia, um povo específico em suma. A globalização separa a economia da cultura.
Divide-se o mundo em áreas de domínio e tenta-se impor uma cultura global - vista como
sinônimo de consumo, de mercado, de acesso, distribuição e consumo de marcas, grifes,
logotipos. A globalização não tem preocupação com a preservação do mundo cultural do
indivíduo. O neoliberalismo, por sua vez, exige diversidade mercadológica, quer um indivíduo
desenraizado culturalmente, aposta na possibilidade de aliená-lo politicamente, Os direitos
culturais de amplas maiorias são apresentados como direitos monitorados, concedidos a
grupos específicos. Mas é só a partir dos direitos que se pode falar em políticas
emancipatórias. Só a partir dos direitos pode-se reformular a agenda econômica e
resgatar a cultura. Ética, moral, sonhos, desejos, felicidade, etc. são necessidades do
ser humano, não do capital, não podem ser concedidas pelo mercado porque este visa o
lucro.
Quando olhamos para o campo social observa-se que o "mundo global financeiro" fez dos
indivíduos um amontoado de números, senhas infinitas, cartões múltiplos, tudo para fazê-lo
crer que é único, singular, não comparável com outro globalizado. Para impor-se, enquanto
cidadão(ã), o indivíduo tem que conquistar a autonomia. Necessita relacioná-la como uma das
formas para vencer as dificuldades de compreensão política do mundo que o cerca, para além
dos problemas emergentes locais, autonomia como instrumento de formação de um cidadão
capaz de ser e agir, de ter um entendimento crítico da sociedade globalizada, de ler o mundo.
Isso tudo implica, necessariamente, na absorção de novos valores e na mudança de
comportamentos, a partir da compreensão crítica da realidade. A autonomia é o principal canal
para o alcance da participação dos cidadãos, em múltiplos espaços (políticos, produtivos,
sociais, culturais, etc.), em direção a uma sociedade onde haja mudanças e emancipação
sócio-política e cultural dos indivíduos e não a formação de redes de clientes usuários de
políticas sociais atreladas, não emancipatórias. É preciso ter a capacidade de fazer uma leitura
crítica do mundo que nos rodeia, no plano local, para entender as contradições globais, para
conviver com as fragmentações e os antagonismos de uma sociedade que faz dos conflitos a
sua base de sustentação, para compreender as novas concepções do processo cultural
civilizatório em marcha na globalização.
Portanto, um dos grandes desafios, na era da globalização, é a construção e implementação
de um processo de autonomia política, que ensine a aprender a ocupar espaços públicos, a ter
uma visão crítica do mundo, de não ser dependente de práticas políticas do passado. A
autonomia deve capacitar os indivíduos a inserir-se no contexto social e a compreender as
circunstâncias da existência humana na globalização. Estes desafios remetem a figura dos
sujeitos coletivos da sociedade civil organizada, os movimentos sociais, as ONGs, as
associações comunitárias, as cooperativas populares, fóruns diversos, etc.
A SOCIEDADE CIVIL:
OS MOVIMENTOS SOCIAIS E AS ONGS LATINO-AMERICANAS
O movimento social é expressão máxima do sujeito coletivo em ação. Este sujeito só se realiza
no coletivo, interagindo com o outro, trocando e confrontando subjetividades, num processo de
inter-subjetividade. Os sujeitos individuais tem seus pertencimentos, suas experiências
vivenciadas e seus projetos - que não são de ordem pessoal no sentido intimista, de sua
personalidade. São requerimentos de sua existência como ser humano - gênero, raça, língua,
nação, religião, valores e tradições herdadas e adquiridas, etc. Quando confrontados uns com
outros, quando relacionados por redes solidárias ou de pertencimento cultural, estes sujeitos
individuais constroem o sujeito coletivo. Os movimentos sociais são um dos principais sujeitos
coletivos porque eles são fonte de inovação e matrizes geradoras de saberes.
A América Latina é um continente pontilhado e recortado por movimentos sociais na
atualidade, de diferentes tipos, formas e demandas. Eles emanam de redes associativistas que
envolvem predominantemente as classes populares e as camadas médias. Muitos deles, na
atualidade, fazem um apelo a um sujeito plural, numa sociedade que os exclui, discrimina,
segrega, tenta suprimir e substituir seus valores e cultura.
No Brasil e em vários outros países da América Latina, no final da década de 70 e parte dos
anos 80, ficaram famosos os movimentos sociais populares articulados por grupos de oposição
ao então regime militar, especialmente pelos movimentos de base cristãos, sob a inspiração da
Teologia da Libertação. Ao final dos anos 80, e ao longo dos anos 90, o cenário sociopolítico
se transformou radicalmente. Inicialmente teve-se um declínio das manifestações nas ruas que
conferiam visibilidade aos movimentos populares nas cidades. Alguns analistas diagnosticaram
que eles estavam em crise porque haviam perdido seu alvo e inimigo principal - o regime
militar. Na realidade as causas da desmobilização são várias. O fato inegável é que os
movimentos sociais dos anos 70/80 contribuíram decisivamente, via demandas e pressões
organizadas, para a conquista de vários direitos sociais novos, que foram inscritos em leis na
nova Constituição brasileira de 1988.
A partir de 1990, ocorreu o surgimento de outras formas de organização popular, mais
institucionalizadas. No Brasil, por exemplo, teve-se a constituição de Fóruns Nacionais de Luta
pela Moradia, pela Reforma Urbana; Fórum Nacional de Participação Popular etc. Os fóruns
estabeleceram a prática de encontros nacionais em larga escala gerando grandes diagnósticos
dos problemas sociais, assim como definindo metas e objetivos estratégicos para solucioná-
los. Emergiram várias iniciativas de parceria entre a sociedade civil organizada e o poder
público, impulsionadas por políticas estatais ou por requerimentos constitucionais como a
formação de conselhos gestores. Todos atuam em questões que dizem respeito a participação
dos cidadãos na gestão dos negócios públicos. À medida que as políticas neoliberais
avançaram foram surgindo outros movimentos sociais como: contra as reformas estatais, a
Ação da Cidadania contra a Fome, movimentos de desempregados, ações de aposentados ou
pensionistas do sistema previdenciário. Algumas dessas ações coletivas surgiram como
respostas à crise socioeconômica, atuando mais como grupos de pressão do que como
movimentos sociais estruturados. Os atos e manifestações pela paz, contra a violência urbana,
também são exemplos desta categoria. Se antes a paz era um contraponto à guerra, hoje ela é
almejada como necessidade ao cidadão-cidadã comum, em seu cotidiano. Em todas as
mobilizações e movimentos, a presença das mulheres têm sido marcante e majoritária. Elas
também criaram redes de conscientização de seus direitos e frentes de lutas contra as
discriminações.
Os movimentos localizados no meio rural, como o dos indígenas aumentaram suas
mobilizações e organizações, especialmente nos países de língua espanhola onde
sempre foram parte do maior segmento das classes populares. O Brasil, diferentemente de
outros países da América Latina, tem mantido a maioria do que restou de sua população
indígena, confinada em áreas rurais longínquas, como na Amazônia. Há pouca visibilidade dos
descendentes de índios nas cidades, a maior visibilidade nos centros urbanos é a da
população afro-brasileira, dada nossas origens coloniais, ao passado escravocrata. Mas o
trabalho focalizado das ONGs possibilitou, nas entidades que tem por base práticas cidadãs e
projetos de emancipação junto aos grupos que atuam, que vários grupos indígenas se
organizassem e passassem a lutar por suas terras, pela sua língua, por escolas com
professores que ensinem nas e em suas línguas, e pela venda de seu produtos a preço justo e
não como quinquilharias para turistas. As ONGs ainda são o principal canal para levarem sua
voz e protesto ao mundo, já que os governos muitas vezes são surdos. Esse protagonismo
ativo do movimento indígena ficou mais visível.
Quanto aos sem-terra, o processo é diferente pois não são as ONGs que lhes assessoram mas
grupos articulados às pastorais, aos sindicatos, e a algumas lideranças históricas. No Brasil
eles se transformaram, via o MST - Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra -, no
movimento mais organizado do Brasil e da América Latina. Nos últimos anos houve um
deslocamento do foco da luta por entenderem que a contradição principal no meio rural
brasileiro hoje está entre o grande "agronegócio" exportador e os trabalhadores rurais sem
terra, e não entre a desapropriação e o crédito fundiário, como nos anos 90.
Quanto a outros movimentos sociais, de caráter global, como o movimento contra o pagamento
da dívida externa, embora tenha conseguido obter milhares de assinaturas em 1999, no início
deste século ele ficou confinado a pequenos círculos dos militantes e não sensibilizou a
sociedade. Mais forte do que ele tem sido o movimento antiglobalização no qual o Fórum
Social Mundial ocorrido em Porto Alegre, em 2001/2002 /2003 e 2005, são uma parte de sua
manifestação. Ao nos referirmos aos FSMs ocorridos em Porto Alegre é importante atentarmos
para as concepções globais que estão sendo construídas, especialmente na área dos direitos,
de diferentes tipos, predominando os humanos e o grande destaque para os direitos culturais.
Alguns autores elaboraram a hipótese de uma "tolerância" maior do estado na atualidade em
relação aos movimentos sociais. Creio que ela é insuficiente para explicar este cenário porque
ignora todo o processo da luta dos movimentos e atribui ao Estado e às políticas neoliberais
uma força de controle social, de integração dos demandatários na ordem instituída via
flexibilização da repressão; essas formas tolerantes promoveriam uma inclusão "por cima", pelo
alto. Trata-se, ao meu ver, de um processo de modernização conservadora, mas ele é
permeado de tensões e conflitos, um processo cujos resultados mudam constantemente
segundo a correlação das forças presentes.
Para finalizar mencionamos o movimento das associações de "Economia Solidária", e as ações
dos grupos organizados em redes solidárias ou cooperativas populares, voltadas para a
produção de bens ou serviços que gerem renda para as populações de baixa renda, nos
chamados projetos de inclusão social. O território tem uma importância fundamental nestas
atividades porque ele não é apenas um lugar geográfico-espacial. Ele é um elemento de
agregação, de catalização de energias e solidariedades. Ele formata a identidade de um grupo.
Concluindo: creio que o trabalho de FORMAÇÃO junto aos movimentos sociais deve ser
retomado (e não só informação). A motivação à participação e a renovação de quadros nos
movimentos é uma necessidade. A preocupação com a sistematização das aprendizagens e
com a construção do conhecimento precisam estar na agenda das entidades que realizam
mediações pedagógicas com os movimentos. Aprendizagens e metodologias devem ser
sistematizadas/socializadas. O interesse pelo tema dos movimentos sociais tem diminuído na
academia e centros de pesquisa, como se fosse um tema do passado, ou apenas do mundo
rural, dos sem-terras. Retomar a discussão da universalidade e da singularidade, contra a
política da focalização é uma forma de discutir a política. Muitos marcos legais que normatizam
tais políticas devem ser revistos. As experiências devem ser resgatadas para que a esperança
se reascenda. Os movimentos devem reapropriar-se do eixo da criatividade, das iniciativas. Na
maioria dos casos eles estão a reboque das iniciativas governamentais, à espera de programas
sociais que atendam suas demandas. As iniciativas inovadoras têm que pautar as ações
coletivas. (NA)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais, maria da glo...
Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais, maria da glo...Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais, maria da glo...
Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais, maria da glo...
Fabiana Adaice
 
3 ano plano de aula movimentos sociais
3 ano   plano de aula movimentos sociais3 ano   plano de aula movimentos sociais
3 ano plano de aula movimentos sociais
Alessandra Nascimento
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
esdrasfm
 
Movimento de Reconceituação do S.S. na América Latina
Movimento de Reconceituação do S.S. na América LatinaMovimento de Reconceituação do S.S. na América Latina
Movimento de Reconceituação do S.S. na América Latina
Ilana Fernandes
 
Movimentos sociais pela educação
Movimentos sociais pela educaçãoMovimentos sociais pela educação
Movimentos sociais pela educação
kaelly cristina
 

Mais procurados (20)

Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Movimentos sociais no brasil
Movimentos sociais no brasilMovimentos sociais no brasil
Movimentos sociais no brasil
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Movimentos Sociais e Redes Sociais
Movimentos Sociais e Redes SociaisMovimentos Sociais e Redes Sociais
Movimentos Sociais e Redes Sociais
 
Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais, maria da glo...
Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais, maria da glo...Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais, maria da glo...
Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais, maria da glo...
 
Sociologia - Os Movimentos Sociais
Sociologia  - Os Movimentos SociaisSociologia  - Os Movimentos Sociais
Sociologia - Os Movimentos Sociais
 
Políticas Sociais e Ampliação da Cidadania
Políticas Sociais e Ampliação da CidadaniaPolíticas Sociais e Ampliação da Cidadania
Políticas Sociais e Ampliação da Cidadania
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
3 ano plano de aula movimentos sociais
3 ano   plano de aula movimentos sociais3 ano   plano de aula movimentos sociais
3 ano plano de aula movimentos sociais
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Os movimentos sociais contemporâneos
Os movimentos sociais contemporâneosOs movimentos sociais contemporâneos
Os movimentos sociais contemporâneos
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Movimentos sociais
Movimentos sociais Movimentos sociais
Movimentos sociais
 
Movimento de Reconceituação do S.S. na América Latina
Movimento de Reconceituação do S.S. na América LatinaMovimento de Reconceituação do S.S. na América Latina
Movimento de Reconceituação do S.S. na América Latina
 
Os Movimentos Sociais no Brasil
Os Movimentos Sociais no BrasilOs Movimentos Sociais no Brasil
Os Movimentos Sociais no Brasil
 
Movimentos sociais pela educação
Movimentos sociais pela educaçãoMovimentos sociais pela educação
Movimentos sociais pela educação
 
O capital social dos territórios: repensando o desenvolvimento rural
O capital social dos territórios: repensando o desenvolvimento ruralO capital social dos territórios: repensando o desenvolvimento rural
O capital social dos territórios: repensando o desenvolvimento rural
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Movimentos sociais sociologia 2 ano
Movimentos sociais   sociologia 2 anoMovimentos sociais   sociologia 2 ano
Movimentos sociais sociologia 2 ano
 

Destaque (9)

Esto es un sueño!
Esto es un sueño!Esto es un sueño!
Esto es un sueño!
 
Portafolio 4 -Innovación Educativa-Maritza Domínguez Barrera
Portafolio 4 -Innovación Educativa-Maritza Domínguez BarreraPortafolio 4 -Innovación Educativa-Maritza Domínguez Barrera
Portafolio 4 -Innovación Educativa-Maritza Domínguez Barrera
 
Adolescencia blanca 1
Adolescencia blanca 1Adolescencia blanca 1
Adolescencia blanca 1
 
6. sistema oseo. bach iesaud
6.  sistema oseo. bach iesaud6.  sistema oseo. bach iesaud
6. sistema oseo. bach iesaud
 
3 dilemas futuroenergetico16
3 dilemas futuroenergetico163 dilemas futuroenergetico16
3 dilemas futuroenergetico16
 
Proyecto venecia
Proyecto veneciaProyecto venecia
Proyecto venecia
 
Las tic
Las ticLas tic
Las tic
 
0000000000213 anexo
0000000000213 anexo0000000000213 anexo
0000000000213 anexo
 
Cartilha fossas septicas biodigestoras
Cartilha fossas septicas biodigestorasCartilha fossas septicas biodigestoras
Cartilha fossas septicas biodigestoras
 

Semelhante a Movimentos sociais na américa latina na atualidade

Movimentos sociais na américa latina na atualidade
Movimentos sociais na américa latina na atualidadeMovimentos sociais na américa latina na atualidade
Movimentos sociais na américa latina na atualidade
Gracy Garcia
 
Sawaia, bader as artimanhas da exclusao
Sawaia, bader   as artimanhas da exclusaoSawaia, bader   as artimanhas da exclusao
Sawaia, bader as artimanhas da exclusao
marcaocampos
 
Movimentos nacionalistas e internacionais
Movimentos nacionalistas e internacionaisMovimentos nacionalistas e internacionais
Movimentos nacionalistas e internacionais
profdu
 
Sociedade civil, participação e cidadania.de que estamos falando
Sociedade civil, participação e cidadania.de que estamos falandoSociedade civil, participação e cidadania.de que estamos falando
Sociedade civil, participação e cidadania.de que estamos falando
Alvaro Gomes
 
Movimentos Sociais
Movimentos SociaisMovimentos Sociais
Movimentos Sociais
marifonseca
 

Semelhante a Movimentos sociais na américa latina na atualidade (20)

Movimentos sociais na américa latina na atualidade
Movimentos sociais na américa latina na atualidadeMovimentos sociais na américa latina na atualidade
Movimentos sociais na américa latina na atualidade
 
Sociologia iv
Sociologia ivSociologia iv
Sociologia iv
 
Surgimento e institucionalização do Serviço Social no Brasil
Surgimento e institucionalização do Serviço Social no BrasilSurgimento e institucionalização do Serviço Social no Brasil
Surgimento e institucionalização do Serviço Social no Brasil
 
Sociedade civil e movimentos sociais
Sociedade civil e movimentos sociaisSociedade civil e movimentos sociais
Sociedade civil e movimentos sociais
 
Entrevista_CH306
Entrevista_CH306Entrevista_CH306
Entrevista_CH306
 
Identidade e cidadania
Identidade e cidadaniaIdentidade e cidadania
Identidade e cidadania
 
Identidade e cidadania
Identidade e cidadaniaIdentidade e cidadania
Identidade e cidadania
 
Política e Sociedade no Brasil
Política e Sociedade no BrasilPolítica e Sociedade no Brasil
Política e Sociedade no Brasil
 
Palestra na Escola Lacaniana de Psicanálise- RJ
Palestra na Escola Lacaniana de Psicanálise- RJPalestra na Escola Lacaniana de Psicanálise- RJ
Palestra na Escola Lacaniana de Psicanálise- RJ
 
Sawaia, bader as artimanhas da exclusao
Sawaia, bader   as artimanhas da exclusaoSawaia, bader   as artimanhas da exclusao
Sawaia, bader as artimanhas da exclusao
 
Apostila 04 questão social
Apostila 04   questão socialApostila 04   questão social
Apostila 04 questão social
 
Movimentos nacionalistas e internacionais
Movimentos nacionalistas e internacionaisMovimentos nacionalistas e internacionais
Movimentos nacionalistas e internacionais
 
Forma urbana & espaço público apropriações contemporâneas & insurgências
Forma urbana & espaço público apropriações contemporâneas & insurgências  Forma urbana & espaço público apropriações contemporâneas & insurgências
Forma urbana & espaço público apropriações contemporâneas & insurgências
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Movimentos sociais do Brasil e do Mundo
Movimentos sociais do Brasil e do MundoMovimentos sociais do Brasil e do Mundo
Movimentos sociais do Brasil e do Mundo
 
Sociedade civil, participação e cidadania.de que estamos falando
Sociedade civil, participação e cidadania.de que estamos falandoSociedade civil, participação e cidadania.de que estamos falando
Sociedade civil, participação e cidadania.de que estamos falando
 
Imprimir
ImprimirImprimir
Imprimir
 
Movimentos Sociais
Movimentos SociaisMovimentos Sociais
Movimentos Sociais
 
Programa pcb para as cidades
Programa pcb para as cidadesPrograma pcb para as cidades
Programa pcb para as cidades
 
Quando outros atores vão às ruas as manifestações de junho de 2013 e suas m...
Quando outros atores vão às ruas   as manifestações de junho de 2013 e suas m...Quando outros atores vão às ruas   as manifestações de junho de 2013 e suas m...
Quando outros atores vão às ruas as manifestações de junho de 2013 e suas m...
 

Movimentos sociais na américa latina na atualidade

  • 1. Movimentos sociais na América Latina na atualidade Maria da Glória Gohn UNICAMP/UNINOVE/CNPq Brasil Comprender las nuevas concepciones del proceso cultural de civilización puesto en marcha con la globalización, implica la capacidad de leer críticamente el mundo que nos rodea en el plano local, para entender las contradicciones globales y convivir con la fragmentación y los antagonismos de una sociedad que se sustenta a partir de conflictos. Uno de los grandes desafíos de esta era es construir e implementar un proceso de autonomía política que enseñe a ocupar los espacios públicos, a tener una visión crítica del mundo y a no depender de prácticas políticas del pasado. La autonomía debe capacitar a los individuos a incorporarse en el contexto social y a comprender las circunstancias de la existencia humana en la globalización. Estos desafíos nos remiten a la figura de los sujetos colectivos de la sociedad civil organizada, los movimientos sociales, las ONGs, las asociaciones comunitarias y las cooperativas populares. Este texto objetiva refletir sobre o contexto da atual conjuntura latino-americana, a partir dos impactos da globalização na sociedade e nas políticas públicas, e avaliar os espaços de construção de outras possibilidades de ação coletiva em direção a processos socioculturais emancipatórios. Este segundo ponto terá como referência a atuação da sociedade civil organizada, destacando o papel dos movimentos sociais e das ONGs. A SOCIEDADE POLÍTICA: ESTADO E AS POLÍTICAS PÚBLICAS NA AMÉRICA LATINA Sabe-se que, nas últimas décadas, na maioria dos países da América Latina, implantou-se um modelo de desenvolvimento fundamentado em concepções neoliberais, no qual as políticas públicas priorizam o pagamento de juros da dívida, o controle dos déficis e superávits financeiros, os fluxos de caixa, etc. em detrimento da oferta de serviços públicos para o atendimento dos direitos econômicos, sociais e coletivos dos cidadãos. O resultado na realidade desses países tem sido um cenário com altos índices de desigualdade social, concentração da riqueza, desemprego, redefinição do papel do estado, estabelecimento de políticas sociais assistencialistas de caráter compensatório, etc. Disso tudo resultam ações onde se destacam o pragmatismo, o tecnicismo, a ausência dos sonhos para construir alternativas. A ação coletiva emancipatória não é a que gera compaixão. Ela é fruto de relações que geram sinergias, forças, inovações de outras ordens, que constroem caminhos para a mudança e a transformação social. Do ponto de vista da cultura - como o capital não tem compromisso com o lugar, com os territórios locais -, a sua tendência é ser algo como um furacão: onde chega e destrói tudo. O
  • 2. território local é o lugar da memória, da cultura, da religião, das tradições, de uma língua, um dialeto, uma etnia, um povo específico em suma. A globalização separa a economia da cultura. Divide-se o mundo em áreas de domínio e tenta-se impor uma cultura global - vista como sinônimo de consumo, de mercado, de acesso, distribuição e consumo de marcas, grifes, logotipos. A globalização não tem preocupação com a preservação do mundo cultural do indivíduo. O neoliberalismo, por sua vez, exige diversidade mercadológica, quer um indivíduo desenraizado culturalmente, aposta na possibilidade de aliená-lo politicamente, Os direitos culturais de amplas maiorias são apresentados como direitos monitorados, concedidos a grupos específicos. Mas é só a partir dos direitos que se pode falar em políticas emancipatórias. Só a partir dos direitos pode-se reformular a agenda econômica e resgatar a cultura. Ética, moral, sonhos, desejos, felicidade, etc. são necessidades do ser humano, não do capital, não podem ser concedidas pelo mercado porque este visa o lucro. Quando olhamos para o campo social observa-se que o "mundo global financeiro" fez dos indivíduos um amontoado de números, senhas infinitas, cartões múltiplos, tudo para fazê-lo crer que é único, singular, não comparável com outro globalizado. Para impor-se, enquanto cidadão(ã), o indivíduo tem que conquistar a autonomia. Necessita relacioná-la como uma das formas para vencer as dificuldades de compreensão política do mundo que o cerca, para além dos problemas emergentes locais, autonomia como instrumento de formação de um cidadão capaz de ser e agir, de ter um entendimento crítico da sociedade globalizada, de ler o mundo. Isso tudo implica, necessariamente, na absorção de novos valores e na mudança de comportamentos, a partir da compreensão crítica da realidade. A autonomia é o principal canal para o alcance da participação dos cidadãos, em múltiplos espaços (políticos, produtivos, sociais, culturais, etc.), em direção a uma sociedade onde haja mudanças e emancipação sócio-política e cultural dos indivíduos e não a formação de redes de clientes usuários de políticas sociais atreladas, não emancipatórias. É preciso ter a capacidade de fazer uma leitura crítica do mundo que nos rodeia, no plano local, para entender as contradições globais, para conviver com as fragmentações e os antagonismos de uma sociedade que faz dos conflitos a sua base de sustentação, para compreender as novas concepções do processo cultural civilizatório em marcha na globalização. Portanto, um dos grandes desafios, na era da globalização, é a construção e implementação de um processo de autonomia política, que ensine a aprender a ocupar espaços públicos, a ter uma visão crítica do mundo, de não ser dependente de práticas políticas do passado. A autonomia deve capacitar os indivíduos a inserir-se no contexto social e a compreender as circunstâncias da existência humana na globalização. Estes desafios remetem a figura dos
  • 3. sujeitos coletivos da sociedade civil organizada, os movimentos sociais, as ONGs, as associações comunitárias, as cooperativas populares, fóruns diversos, etc. A SOCIEDADE CIVIL: OS MOVIMENTOS SOCIAIS E AS ONGS LATINO-AMERICANAS O movimento social é expressão máxima do sujeito coletivo em ação. Este sujeito só se realiza no coletivo, interagindo com o outro, trocando e confrontando subjetividades, num processo de inter-subjetividade. Os sujeitos individuais tem seus pertencimentos, suas experiências vivenciadas e seus projetos - que não são de ordem pessoal no sentido intimista, de sua personalidade. São requerimentos de sua existência como ser humano - gênero, raça, língua, nação, religião, valores e tradições herdadas e adquiridas, etc. Quando confrontados uns com outros, quando relacionados por redes solidárias ou de pertencimento cultural, estes sujeitos individuais constroem o sujeito coletivo. Os movimentos sociais são um dos principais sujeitos coletivos porque eles são fonte de inovação e matrizes geradoras de saberes. A América Latina é um continente pontilhado e recortado por movimentos sociais na atualidade, de diferentes tipos, formas e demandas. Eles emanam de redes associativistas que envolvem predominantemente as classes populares e as camadas médias. Muitos deles, na atualidade, fazem um apelo a um sujeito plural, numa sociedade que os exclui, discrimina, segrega, tenta suprimir e substituir seus valores e cultura. No Brasil e em vários outros países da América Latina, no final da década de 70 e parte dos anos 80, ficaram famosos os movimentos sociais populares articulados por grupos de oposição ao então regime militar, especialmente pelos movimentos de base cristãos, sob a inspiração da Teologia da Libertação. Ao final dos anos 80, e ao longo dos anos 90, o cenário sociopolítico se transformou radicalmente. Inicialmente teve-se um declínio das manifestações nas ruas que conferiam visibilidade aos movimentos populares nas cidades. Alguns analistas diagnosticaram que eles estavam em crise porque haviam perdido seu alvo e inimigo principal - o regime militar. Na realidade as causas da desmobilização são várias. O fato inegável é que os movimentos sociais dos anos 70/80 contribuíram decisivamente, via demandas e pressões organizadas, para a conquista de vários direitos sociais novos, que foram inscritos em leis na nova Constituição brasileira de 1988. A partir de 1990, ocorreu o surgimento de outras formas de organização popular, mais institucionalizadas. No Brasil, por exemplo, teve-se a constituição de Fóruns Nacionais de Luta pela Moradia, pela Reforma Urbana; Fórum Nacional de Participação Popular etc. Os fóruns estabeleceram a prática de encontros nacionais em larga escala gerando grandes diagnósticos dos problemas sociais, assim como definindo metas e objetivos estratégicos para solucioná- los. Emergiram várias iniciativas de parceria entre a sociedade civil organizada e o poder público, impulsionadas por políticas estatais ou por requerimentos constitucionais como a
  • 4. formação de conselhos gestores. Todos atuam em questões que dizem respeito a participação dos cidadãos na gestão dos negócios públicos. À medida que as políticas neoliberais avançaram foram surgindo outros movimentos sociais como: contra as reformas estatais, a Ação da Cidadania contra a Fome, movimentos de desempregados, ações de aposentados ou pensionistas do sistema previdenciário. Algumas dessas ações coletivas surgiram como respostas à crise socioeconômica, atuando mais como grupos de pressão do que como movimentos sociais estruturados. Os atos e manifestações pela paz, contra a violência urbana, também são exemplos desta categoria. Se antes a paz era um contraponto à guerra, hoje ela é almejada como necessidade ao cidadão-cidadã comum, em seu cotidiano. Em todas as mobilizações e movimentos, a presença das mulheres têm sido marcante e majoritária. Elas também criaram redes de conscientização de seus direitos e frentes de lutas contra as discriminações. Os movimentos localizados no meio rural, como o dos indígenas aumentaram suas mobilizações e organizações, especialmente nos países de língua espanhola onde sempre foram parte do maior segmento das classes populares. O Brasil, diferentemente de outros países da América Latina, tem mantido a maioria do que restou de sua população indígena, confinada em áreas rurais longínquas, como na Amazônia. Há pouca visibilidade dos descendentes de índios nas cidades, a maior visibilidade nos centros urbanos é a da população afro-brasileira, dada nossas origens coloniais, ao passado escravocrata. Mas o trabalho focalizado das ONGs possibilitou, nas entidades que tem por base práticas cidadãs e projetos de emancipação junto aos grupos que atuam, que vários grupos indígenas se organizassem e passassem a lutar por suas terras, pela sua língua, por escolas com professores que ensinem nas e em suas línguas, e pela venda de seu produtos a preço justo e não como quinquilharias para turistas. As ONGs ainda são o principal canal para levarem sua voz e protesto ao mundo, já que os governos muitas vezes são surdos. Esse protagonismo ativo do movimento indígena ficou mais visível. Quanto aos sem-terra, o processo é diferente pois não são as ONGs que lhes assessoram mas grupos articulados às pastorais, aos sindicatos, e a algumas lideranças históricas. No Brasil eles se transformaram, via o MST - Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra -, no movimento mais organizado do Brasil e da América Latina. Nos últimos anos houve um deslocamento do foco da luta por entenderem que a contradição principal no meio rural brasileiro hoje está entre o grande "agronegócio" exportador e os trabalhadores rurais sem terra, e não entre a desapropriação e o crédito fundiário, como nos anos 90. Quanto a outros movimentos sociais, de caráter global, como o movimento contra o pagamento da dívida externa, embora tenha conseguido obter milhares de assinaturas em 1999, no início deste século ele ficou confinado a pequenos círculos dos militantes e não sensibilizou a sociedade. Mais forte do que ele tem sido o movimento antiglobalização no qual o Fórum Social Mundial ocorrido em Porto Alegre, em 2001/2002 /2003 e 2005, são uma parte de sua manifestação. Ao nos referirmos aos FSMs ocorridos em Porto Alegre é importante atentarmos para as concepções globais que estão sendo construídas, especialmente na área dos direitos, de diferentes tipos, predominando os humanos e o grande destaque para os direitos culturais.
  • 5. Alguns autores elaboraram a hipótese de uma "tolerância" maior do estado na atualidade em relação aos movimentos sociais. Creio que ela é insuficiente para explicar este cenário porque ignora todo o processo da luta dos movimentos e atribui ao Estado e às políticas neoliberais uma força de controle social, de integração dos demandatários na ordem instituída via flexibilização da repressão; essas formas tolerantes promoveriam uma inclusão "por cima", pelo alto. Trata-se, ao meu ver, de um processo de modernização conservadora, mas ele é permeado de tensões e conflitos, um processo cujos resultados mudam constantemente segundo a correlação das forças presentes. Para finalizar mencionamos o movimento das associações de "Economia Solidária", e as ações dos grupos organizados em redes solidárias ou cooperativas populares, voltadas para a produção de bens ou serviços que gerem renda para as populações de baixa renda, nos chamados projetos de inclusão social. O território tem uma importância fundamental nestas atividades porque ele não é apenas um lugar geográfico-espacial. Ele é um elemento de agregação, de catalização de energias e solidariedades. Ele formata a identidade de um grupo. Concluindo: creio que o trabalho de FORMAÇÃO junto aos movimentos sociais deve ser retomado (e não só informação). A motivação à participação e a renovação de quadros nos movimentos é uma necessidade. A preocupação com a sistematização das aprendizagens e com a construção do conhecimento precisam estar na agenda das entidades que realizam mediações pedagógicas com os movimentos. Aprendizagens e metodologias devem ser sistematizadas/socializadas. O interesse pelo tema dos movimentos sociais tem diminuído na academia e centros de pesquisa, como se fosse um tema do passado, ou apenas do mundo rural, dos sem-terras. Retomar a discussão da universalidade e da singularidade, contra a política da focalização é uma forma de discutir a política. Muitos marcos legais que normatizam tais políticas devem ser revistos. As experiências devem ser resgatadas para que a esperança se reascenda. Os movimentos devem reapropriar-se do eixo da criatividade, das iniciativas. Na maioria dos casos eles estão a reboque das iniciativas governamentais, à espera de programas sociais que atendam suas demandas. As iniciativas inovadoras têm que pautar as ações coletivas. (NA)