O MARXISMO IMPORTA NA ANÁLISE
DOS MOVIMENTOS SOCIAIS?
ANDRÉIA GALVÃO –
UNIFESP/GUARULHOS
32º ANPOCS - 2008
Autora
• Andréia Galvão é professora de Sociologia da
Unifesp/Guarulhos. Este artigo foi elaborado a
partir das discussões...
Introdução
• A América Latina tem sido, no período recente, palco de diferentes
movimentos sociais: movimentos rurais, com...
Discute-se
• Como o marxismo analisa os movimentos sociais e
quais as especificidades de uma análise marxista dos
moviment...
Estrutura do Texto:
• Na primeira, a autora trata de algumas considerações críticas às
abordagens supra-mencionadas. Não s...
1. Algumas polêmicas com a
bibliografia
• As teorias dos novos movimentos sociais e a da
mobilização de recursos, desenvol...
Touraine define movimento social
• Touraine define movimento social como “a combinação de um princípio de
identidade (luta...
Identificando algumas idéias centrais
de Touraine
• A primeira delas é que as mudanças verificadas na sociedade levariam a...
Continuando a ideia de Touraine – 8.1
• A consequência dessa formulação é que os
conflitos de classe teriam sido ultrapass...
Continuando a ideia de Touraine - 8.2
• Touraine, negligencia as continuidades e
supervaloriza as mudanças. Uma das maneir...
Touraine enfatiza um segundo aspecto
• O conflito só é dinâmico se não se institucionaliza; se se dirige ao
Estado, deixa ...
Terceiro aspecto enfatizado por
Touraine
• O terceiro aspecto é que o autor não se coloca
a questão da unidade do moviment...
Obra de outros estudiosos
dos novos movimentos sociais.
• Para Melucci (1980, p. 200), o marxismo carece
de instrumental a...
Teorias dos novos movimentos sociais
• Para Evers, os novos movimentos sociais “não diz[em]
respeito principalmente ao pod...
Base dos novos movimentos sociais
• A base dos novos movimentos sociais é
predominantemente de classe média, Offe (1985,
p...
A teoria da mobilização de recursos
• Autores como McCarthy e Zald (1977), enfatiza os recursos,
principalmente econômicos...
Tarrow mostra como surgem os
movimentos sociais
• O autor destaca, entre os aspectos importantes para explicar o
surgiment...
Ideia de Honneth
• A concepção de Honneth é fortemente individualista:
por luta social entende o “processo prático no qual...
A reabilitação do conceito de classe
sem a perspectiva marxista
• Eder (2001) discorda daqueles que consideram que a noção...
Sallum Jr. Da ênfase a questão da
cultura
• Sallum Jr. também enfatiza a importância da cultura, criticando autores como
M...
2. Elementos para uma abordagem
marxista dos movimentos sociais
• As contribuições dos autores vinculados a essa abordagem...
Marxismo na questão urbana
• Nos anos 70, três estudos de autores vinculados ao marxismo se destacaram por
abordar essa te...
Lojkine e conceito de movimento
social
• Movimento social é definido “pela capacidade de um conjunto de agentes das classe...
Os autores
• Consideram o movimento social como expressão da
luta de classes; não estabelecem uma cisão entre
mobilização ...
Castells define movimentos sociais
urbanos
• Castells definindo os movimentos sociais
urbanos como “sistemas de práticas s...
Crise do marxismo
• Nos anos 80, já num contexto de crise do marxismo, dois autores influenciados por
Gramsci, Laclau e Mo...
Autores Franceses numa concepção
marxista
• Apenas nos anos 90 houve uma renovação
dos estudos dos movimentos sociais a pa...
Para Vakaloulis , movimentos sociais
Reconhecer a existência de movimentos policlassistas não significa que a dominação e ...
Vakaloulis,
• “A força de um movimento social não se mede somente por seus efeitos
conjunturais (impacto temporário) ou su...
Polissemia do movimento social
• Béroud, Mouriaux e Vakaloulis apontam a
polissemia da expressão movimento social e
utiliz...
Os movimentos sociais emergem num contexto determinado, no qual há uma
dificuldade de apreender a esfera política (as difi...
Partindo da contribuição de Tarrow,
• Define movimentos sociais como “contestações coletivas, baseada em
objetivos comuns ...
Perspectiva marxista nos movimentos
sociais
• A partir dessas considerações, pode-se afirmar que a
perspectiva marxista fa...
• A abordagem marxista também permite ao analista se
interrogar sobre a diversidade dos movimentos e, ao
mesmo tempo, busc...
3. Os movimentos sociais na América
Latina em questão
• Buscaremos refletir sobre algumas experiências
latinoamericanas re...
Algumas questões e de algumas
hipóteses
• 1) Que condições teriam possibilitado a constituição e a
ascensão desses movimen...
• 2) Que tipo de relação esses movimentos estabelecem com a esfera política? Essa
questão contém em si mesma um suposto, q...
• 3) Como definir esses movimentos? Esses movimentos caracterizam-se pela luta
por direitos econômicos, como acesso à terr...
3.1 A relação entre neoliberalismo e
movimentos sociais
• As causas que se encontram na origem desses diversos movimentos
...
• Essa conjuntura deu origem a movimentos distintos, cuja unidade
pode ser encontrada no questionamento do neoliberalismo....
O impacto negativo do neoliberalismo
• O impacto negativo do neoliberalismo afetou, embora o tenha feito
de maneira difere...
Caso Boliviano - Neoliberalismo
• A relação entre neoliberalismo e movimentos sociais também é
evidente no caso boliviano:...
Os exemplos= critica ao
Neoliberalismo
• Esses exemplos indicam que esses movimentos exprimem
uma crítica ao neoliberalism...
3.2 A composição social dos
movimentos e as formas de luta
• Esses movimentos possuem uma abrangência
social ampla, sendo ...
Exemplo
• No caso brasileiro, a composição social do MST inclui desempregados urbanos e
trabalhadores informais, bem como ...
• Esses movimentos, tão diversos em sua
composição social e em suas demandas,
também se diferenciam em termos de
correntes...
• Os movimentos latino-americanos se originam ou se amplificam num contexto de
crise da democracia representativa, cuja ex...
3.3 As reivindicações e suas
implicações políticas
É possível afirmar que esses movimentos,
exprimem uma recusa às institu...
• A presença marginal do movimento no governo e sua incapacidade de
alterar a agenda neoliberal levaram à deterioração e à...
Conclusão
• Por fim, os conflitos sociais que conduziram a esses movimentos
podem ser lidos à luz do pertencimento de clas...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação em power point do texto: Movimentos sociais - Andreia Galvão

1.829 visualizações

Publicada em

Um apresentação da obra de Andreia Galvão sobre Manifestos

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.829
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
27
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação em power point do texto: Movimentos sociais - Andreia Galvão

  1. 1. O MARXISMO IMPORTA NA ANÁLISE DOS MOVIMENTOS SOCIAIS? ANDRÉIA GALVÃO – UNIFESP/GUARULHOS 32º ANPOCS - 2008
  2. 2. Autora • Andréia Galvão é professora de Sociologia da Unifesp/Guarulhos. Este artigo foi elaborado a partir das discussões do grupo de pesquisa “Neoliberalismo e classes sociais”, vinculado ao Cemarx/Unicamp.
  3. 3. Introdução • A América Latina tem sido, no período recente, palco de diferentes movimentos sociais: movimentos rurais, como o MST no Brasil; urbanos, como os piqueteiros na Argentina; de caráter étnico, como os movimentos indígenas na Bolívia, Peru, Equador e México. Esses movimentos têm sido analisados por perspectivas teóricas distintas, que destacam, sobretudo, sua composição social e sua plataforma reivindicativa,especialmente no que concerne a demandas de participação popular e ampliação da cidadania.
  4. 4. Discute-se • Como o marxismo analisa os movimentos sociais e quais as especificidades de uma análise marxista dos movimentos sociais contemporâneos. • Tratar criticamente perspectivas como a dos novos movimentos sociais e distinguir a análise marxista de classes de outras análises que, embora se valendo de um conceito de classes, não se inserem na perspectiva marxista.
  5. 5. Estrutura do Texto: • Na primeira, a autora trata de algumas considerações críticas às abordagens supra-mencionadas. Não se trata, aqui, de apresentá- las de forma menorizada, mas tão somente de apontar seus limites. • Na segunda parte, buscamos indicar os elementos que nos parecem fundamentais para uma análise marxista dos movimentos sociais. • Por fim, empreendemos uma breve análise dos movimentos sociais na América Latina hoje à luz dos elementos que, a nosso ver, caracterizam uma abordagem marxista.
  6. 6. 1. Algumas polêmicas com a bibliografia • As teorias dos novos movimentos sociais e a da mobilização de recursos, desenvolvidas, respectivamente, na Europa e nos EUA, constituem-se em contraposição ao marxismo. Touraine (sociólogo Francês), é um dos mais profícuos e controversos estudiosos dos movimentos sociais, aponta para o caráter histórico, datado do conceito (Touraine,1985).
  7. 7. Touraine define movimento social • Touraine define movimento social como “a combinação de um princípio de identidade (lutamos em nome de quem?), de um princípio de oposição (contra quem?) e de um princípio de totalidade (que designa a dinâmica societária)” (Touraine, 1978, p.109). A partir dessa definição geral, o autor identifica uma sucessão de formas de conflito que portam a “historicidade”, o sentido da sociedade, fazendo uma série de exigências (que variam de uma obra a outra) para que um movimento possa ser qualificado de movimento social.
  8. 8. Identificando algumas idéias centrais de Touraine • A primeira delas é que as mudanças verificadas na sociedade levariam a uma oposição entre “novos” e “velhos” movimentos sociais. O “novos” se definiriam por aspectos sociais e culturais: se situam no campo da cultura, da sociabilidade, do modo de vida, dos valores, da identidade de “minorias”; não se caracterizam pela luta pela igualdade, mas pelo direito à diferença. Nesse sentido, não concernem mais diretamente os problemas da produção, da economia, nem dizem respeito a um conflito estrutural: “o conflito não está mais associado a um setor fundamental da atividade social, à infraestrutura da sociedade, ao trabalho em particular; ele está em toda a parte” (Touraine, 1989, p. 13).
  9. 9. Continuando a ideia de Touraine – 8.1 • A consequência dessa formulação é que os conflitos de classe teriam sido ultrapassados e a luta de classes não seria mais uma categoria analítica relevante: “Descobrimos que os conflitos de classes não representam mais os instrumentos de mudanças históricas” (Touraine, 1989, p. 15).
  10. 10. Continuando a ideia de Touraine - 8.2 • Touraine, negligencia as continuidades e supervaloriza as mudanças. Uma das maneiras de fazê-lo é dissociar os movimentos sociais dos processos de exploração e de dominação capitalistas.
  11. 11. Touraine enfatiza um segundo aspecto • O conflito só é dinâmico se não se institucionaliza; se se dirige ao Estado, deixa de ser movimento social. Por isso não considera mais o sindicalismo um movimento social (Touraine, 1989, p. 11). Então segundo a autora na medida em que este aceita se integrar ao aparelho de Estado, acaba “funcionando apenas como uma agência de regulação” (Andreia Galvão, 2002, p. 161). Já Mouriaux fala que ao se institucionalizar, o movimento operário deixa de ser um ator social para ser um ator político ( René Mouriaux, 2003, p. 18).
  12. 12. Terceiro aspecto enfatizado por Touraine • O terceiro aspecto é que o autor não se coloca a questão da unidade do movimento social: cada movimento social é único, não havendo um princípio político que unifique os diferentes movimentos sociais (Touraine, 1985, p. 777).
  13. 13. Obra de outros estudiosos dos novos movimentos sociais. • Para Melucci (1980, p. 200), o marxismo carece de instrumental analítico para compreender os novos atores sociais, já que estes reúnem coletivos distintos das classes. Os novos conflitos sociais se dão em nome da defesa da identidade, da busca do reconhecimento enquanto indivíduo, e não se restringem a uma única classe.
  14. 14. Teorias dos novos movimentos sociais • Para Evers, os novos movimentos sociais “não diz[em] respeito principalmente ao poder, e sim à renovação de padrões sócio-culturais e sócio-psíquicos do quotidiano”(Evers, 1984, p. 12) • Para Offe (1985, p. 819), os novos movimentos sociais seriam afastados em relação ao Estado e à regulação política ou, conforme Melucci (1980, p. 220), não são focados no sistema político.
  15. 15. Base dos novos movimentos sociais • A base dos novos movimentos sociais é predominantemente de classe média, Offe (1985, p. 833) entende que esta não é movida por uma consciência de classe, porque não age em nome de seus interesses exclusivos, mas sim em nome de demandas e valores universais (como a paz, o meio-ambiente, os direitos humanos...)
  16. 16. A teoria da mobilização de recursos • Autores como McCarthy e Zald (1977), enfatiza os recursos, principalmente econômicos e coercitivos, que possibilitam a mobilização coletiva. Nesse sentido, privilegia menos o movimento, a ação coletiva em si, e mais os meios que são mobilizados para se atingir os objetivos pretendidos. Por esse motivo, tende a desconsiderar as razões que levam à mobilização, menosprezando as crenças, as ideologias, as visões de mundo (Chazel, 1995, p. 325).
  17. 17. Tarrow mostra como surgem os movimentos sociais • O autor destaca, entre os aspectos importantes para explicar o surgimento dos movimentos sociais: o funcionamento do sistema econômico, as motivações individuais, as capacidades organizativas do grupo, a criação ou expansão de oportunidades políticas (considerando que essas mudam ao longo do tempo) e o elemento transnacional (isto é, a capacidade das experiências nacionais serem influenciadas por similares estrangeiras ou serem articuladas internacionalmente) (Tarrow, 1999).
  18. 18. Ideia de Honneth • A concepção de Honneth é fortemente individualista: por luta social entende o “processo prático no qual experiências individuais de desrespeito são interpretadas como experiências cruciais típicas de um grupo inteiro, de forma que elas podem influir, como motivos diretores da ação, na exigência coletiva por relações ampliadas de reconhecimento” (Honneth, 2003, p. 257).
  19. 19. A reabilitação do conceito de classe sem a perspectiva marxista • Eder (2001) discorda daqueles que consideram que a noção de classe deixou de ser importante. Embora os novos movimentos sociais não considerem classe como um elemento definidor de sua identidade, podem ser definidos como movimentos de classe média: “são formas de radicalismo de classe média e protesto de classe média” (Eder, 2001, p. 7). • Para o autor, não adianta atribuir o caráter de classe de um movimento social à composição social de seus integrantes e apoiadores. O importante é analisar a cultura do movimento, o que pode ser feito através da identificação de seus interesses, normas e valores.
  20. 20. Sallum Jr. Da ênfase a questão da cultura • Sallum Jr. também enfatiza a importância da cultura, criticando autores como Melucci, Offe e Inglehart por não conseguirem explicar de modo satisfatório por que a classe média predomina nos novos movimentos sociais. Para Sallum Jr., esses autores “subestimam a relevância da cultura não apenas na articulação entre classe e ação coletiva, mas na conformação mesma dos dois termos... as classes e seus interesses são considerados como dedutíveis de suas posições sócio- econômicas” (Sallum Jr., 2005, p. 23-4). • As classes sociais não são, por si só, atores coletivos, “mas fixam balizas, por sua posição relativa nos planos material e cultural, à sociabilidade cotidiana, aos movimentos sociais...” (Sallum Jr., 2005, p. 40).
  21. 21. 2. Elementos para uma abordagem marxista dos movimentos sociais • As contribuições dos autores vinculados a essa abordagem, sobretudo os clássicos, priorizaram a discussão sobre as formas partido e sindicato, e a relação entre ambas. Nesse sentido, o movimento operário era o movimento social por excelência, de modo que a noção de movimento social estava vinculada à condição de classe e à luta entre capital e trabalho.
  22. 22. Marxismo na questão urbana • Nos anos 70, três estudos de autores vinculados ao marxismo se destacaram por abordar essa temática. Trata-se de La question urbaine, de Manuel Castells (1972), de Le marxisme, l’Etat et la question urbaine, de Jean Lojkine (1977) e de Luttes urbaines et pouvoir politique (1973), de Manuel Castells. Os dois primeiros trabalhos não tinham como foco os movimentos sociais: Castells faz menção às lutas sociais urbanas, apontando a determinação, em última instância, dos elementos estruturais sobre as práticas sociais; Lojkine, por sua vez, discute o conceito de Estado capitalista e analisa as políticas sociais urbanas a partir dos interesses de classe. Apenas na conclusão do livro de Castells encontra-se, sob a forma de “tese exploratória”, uma definição de movimento social urbano
  23. 23. Lojkine e conceito de movimento social • Movimento social é definido “pela capacidade de um conjunto de agentes das classes dominadas diferenciar-se dos papéis e funções através dos quais a classe (ou fração de classe) dominante garante a subordinação e dependência dessas classes dominadas com relação ao sistema sócio-econômico em vigor” (Lojkine, 1981, p. 292). Ele compreende dois processos sociais: “A) Um processo de ‘pôr-se em movimento’ de classes, frações de classe e camadas sociais. Esse primeiro processo define a intensidade e a extensão (o campo social) do movimento social pelo tipo de combinação que une: a) a base social, e; b) a organização do movimento social [....] B) Do ‘pôr-se em movimento’ ao ‘desafio’ político” (Lojkine, 1981, p. 296-7). Assim, “o movimento social será definido, em última instância, por sua capacidade de transformar o sistema sócio-econômico no qual surgiu” (Lojkine, 1981, p. 298).
  24. 24. Os autores • Consideram o movimento social como expressão da luta de classes; não estabelecem uma cisão entre mobilização e poder político, entre movimento social e organização política; e apontam para as diferentes dimensões políticas do movimento social: lutar pela transformação do sistema sócio-econômico não equivale a dizer que o movimento seja revolucionário.
  25. 25. Castells define movimentos sociais urbanos • Castells definindo os movimentos sociais urbanos como “sistemas de práticas sociais contraditórias que controvertem a ordem estabelecida a partir das contradições específicas da problemática urbana” (Castells, 1991, p. 3).
  26. 26. Crise do marxismo • Nos anos 80, já num contexto de crise do marxismo, dois autores influenciados por Gramsci, Laclau e Mouffe (1985) produziram um trabalho que criticava tanto a teoria dos novos movimentos sociais quanto uma certa abordagem marxista, na medida em que recusava a idéia de um agente histórico privilegiado, seja ele um grupo ou uma classe social. Os autores criticavam o marxismo da Segunda Internacional, opondo-se ao economicismo e à tese da proletarização das classes médias e do campesinato, considerando que sem levar em conta as especificidades dessas classes não seria possível construir uma alternativa hegemônica das classes dominadas.
  27. 27. Autores Franceses numa concepção marxista • Apenas nos anos 90 houve uma renovação dos estudos dos movimentos sociais a partir de uma perspectiva teórica marxista.
  28. 28. Para Vakaloulis , movimentos sociais Reconhecer a existência de movimentos policlassistas não significa que a dominação e a exploração de classes deixaram de ser importantes. Admitir que os movimentos sociais não surgem apenas da luta de classes, não é o mesmo que afirmar que estas foram eliminadas. Por fim, embora esses movimentos não sejam anticapitalistas, não se situam no exterior da relação capital/trabalho. Para o autor, os movimentos sociais são “fatores de politização e de emancipação das trocas sociais” (Vakaloulis, 2003, p. 81). A dimensão política dos movimentos sociais pode ser observada nos seguintes aspectos: 1. os movimentos sociais levantam e politizam problemas como emprego, segurança social, saúde, aposentadoria... 2. 2. ao mesmo tempo, recusam a instrumentalização pela e a submissão à política partidária e institucional, o que não significa uma versão pósmoderna do anarco-sindicalismo, mas a demanda por igualdade com o político. 3. adotam práticas que ampliam o espaço público (participação direta, novos repertórios de ação).
  29. 29. Vakaloulis, • “A força de um movimento social não se mede somente por seus efeitos conjunturais (impacto temporário) ou substanciais (satisfação de reivindicações). Nem exclusivamente por sua capacidade de ‘pesar’ sobre a política institucional, modificando o que os cientistas políticos chamam de ‘estrutura de oportunidades políticas’. Se se coloca do ponto de vista de uma política de emancipação, a contribuição fundamental dos movimentos sociais é a de colocar os explorados e os dominados na frente da cena, mostrando que o espaço de contestação se constrói não em termos de contra-poderes mas, sobretudo, em termos de positividade” (Vakaloulis, s/d, p. 17).
  30. 30. Polissemia do movimento social • Béroud, Mouriaux e Vakaloulis apontam a polissemia da expressão movimento social e utilizam-na para designar “um processo amplo e multiforme de mobilizações” em busca de transformações sociais (Béroud et al., 1998, p. 21).
  31. 31. Os movimentos sociais emergem num contexto determinado, no qual há uma dificuldade de apreender a esfera política (as dificuldades de se exprimir através das instituições disponíveis, dos canais de representação tradicionais). Ou seja, eles não exprimem uma rejeição à política, tampouco se dirigem somente ao Estado. Eles têm projetos próprios, alternativos, expressam uma tentativa de transformação da sociedade. Não demandam apenas uma reorientação da política de Estado, uma intervenção, uma política pública, eles tentam fazer política de outro modo, são portadores de concepções distintas do que deve ser a política de Estado.
  32. 32. Partindo da contribuição de Tarrow, • Define movimentos sociais como “contestações coletivas, baseada em objetivos comuns e solidariedades sociais, numa interação prolongada com elites, oponentes e autoridades” (Tarrow, 1994, p. 4), esses autores se propõem a prolongar a problemática marxista do movimento social, definindo-o como a “dinâmica própria de um grupo social portador de reivindicações importantes, duráveis e conflituosas” (Béroud et al., 1998, p. 57). Distinguem movimento social de outras formas de expressão coletiva, que não se excluem mutuamente, para sustentar que nem toda ação coletiva é um movimento social.
  33. 33. Perspectiva marxista nos movimentos sociais • A partir dessas considerações, pode-se afirmar que a perspectiva marxista faz diferença (ou importa) na análise dos movimentos sociais ao buscar a relação entre ideologia e classe, entre política e economia. Compreender o posicionamento de classe requer a análise das condições materiais, do impacto da ideologia dominante, da relação com as outras classes.
  34. 34. • A abordagem marxista também permite ao analista se interrogar sobre a diversidade dos movimentos e, ao mesmo tempo, buscar seus elementos comuns. Ainda possibilita compreender os movimentos de modo não linear, uma vez que a conflituosidade é feita de avanços e retrocessos.
  35. 35. 3. Os movimentos sociais na América Latina em questão • Buscaremos refletir sobre algumas experiências latinoamericanas recentes. Essa reflexão – que toma por base a bibliografia disponível (nem toda ela inspirada no marxismo, é bom que se diga) – leva em conta os seguintes aspectos: a composição social, a plataforma reivindicativa e a forma de atuação desses movimentos.
  36. 36. Algumas questões e de algumas hipóteses • 1) Que condições teriam possibilitado a constituição e a ascensão desses movimentos? A hipótese presente na maior parte da bibliografia sustenta que esses diferentes movimentos, a despeito de sua heterogeneidade, constituem uma resposta aos efeitos nefastos da política neoliberal que vem sendo implantada, desde os anos 70 (se se leva em conta a experiência do Chile) por diferentes governos da região.
  37. 37. • 2) Que tipo de relação esses movimentos estabelecem com a esfera política? Essa questão contém em si mesma um suposto, qual seja, o de que esses movimentos possuem uma dimensão política, dimensão essa que pode ser observada sob dois ângulos: de um lado, porque se constituem em contraposição a instituições, projetos e medidas políticas; de outro porque ao resistirem a essas instituições, projetos e medidas produzem um impacto político de monta. Esse impacto político passa pela criação de novas forças políticas; por sua posição – de oposição ou apoio – frente aos governos; por sua relação com os partidos políticos e com os demais movimentos sociais, como o sindical; pela luta por uma inserção institucional ou pela recusa a ela.
  38. 38. • 3) Como definir esses movimentos? Esses movimentos caracterizam-se pela luta por direitos econômicos, como acesso à terra, garantia de trabalho ou benefícios sociais; e políticos, como o direito à participação política. Não se trata de lutar somente pelo reconhecimento de identidades étnicas ou de “minorias”, pois as reivindicações vão além dessas questões. Também não se trata de novos movimentos sociais stricto senso, não apenas porque alguns desses movimentos não são tão novos assim17, mas porque também não constituem necessariamente uma oposição ao movimento operário e sindical, mas se associam a ele, de formas distintas. Além disso, ao contrário do que propugnam as teorias sobre os novos movimentos sociais, é possível encontrar um caráter de classe nesses movimentos, o que permite pensar sua unidade, a despeito de sua heterogeneidade.
  39. 39. 3.1 A relação entre neoliberalismo e movimentos sociais • As causas que se encontram na origem desses diversos movimentos sociais são múltiplas, mas é possível encontrar, em todos eles, um aspecto comum: eles constituem uma reação ao neoliberalismo, muito embora a política neoliberal se apresente sob formas distintas e tenha sido aplicada com intensidade variada nos países latino- americanos. A Argentina talvez tenha sido o caso mais exemplar de uma política neoliberal levada ao extremo, cujo colapso teve um efeito devastador, dando origem à crise de 2001.
  40. 40. • Essa conjuntura deu origem a movimentos distintos, cuja unidade pode ser encontrada no questionamento do neoliberalismo. São movimentos que reagem ao desemprego, à precarização e à pobreza, exprimindo o descontentamento com as falsas promessas do neoliberalismo e com o slogan da modernidade: compreendem o panelaço da classe média contra o corralito, os piquetes dos desempregados, o movimento das fábricas recuperadas, as assembléias de bairro (Chesnais, Divès, 2002; Palomino, 2006).
  41. 41. O impacto negativo do neoliberalismo • O impacto negativo do neoliberalismo afetou, embora o tenha feito de maneira diferente, não apenas a classe operária, mas também as classes médias e até “grupos de burguesia dependente vinculados ao mercado interno” (Quijano, 2004, p. 75), produzindo uma contínua e crescente polarização social da população: “As três décadas de neoliberalismo na América Latina criaram as condições, as necessidades e os sujeitos sociais de um horizonte de conflitos sociais e políticos” (Quijano, 2004, p.82).
  42. 42. Caso Boliviano - Neoliberalismo • A relação entre neoliberalismo e movimentos sociais também é evidente no caso boliviano: a Marcha Indígena pelo Território e a Dignidade, de 1990, constitui uma reação às políticas de ajuste estrutural que passaram a ser aplicadas em 1985 (com a eleição de Victor Paz Estenssoro) e que se chocavam com as autonomias departamentais, já que pretendiam restaurar a autoridade e a unidade do Estado (Regalsky, 2007), e com as autonomias indígenas, como a justiça comunitária.
  43. 43. Os exemplos= critica ao Neoliberalismo • Esses exemplos indicam que esses movimentos exprimem uma crítica ao neoliberalismo e, ao mesmo tempo, sinalizam que as criticas e resistências à política neoliberal provocam mudanças e adaptações no neoliberalismo, contribuindo para deslegitimá-lo política e ideologicamente, bem como para modificar o cenário político, como se verifica por meio da eleição de partidos de centro-esquerda20.
  44. 44. 3.2 A composição social dos movimentos e as formas de luta • Esses movimentos possuem uma abrangência social ampla, sendo possível apontar, em alguns casos, a múltipla condição dos mobilizados.
  45. 45. Exemplo • No caso brasileiro, a composição social do MST inclui desempregados urbanos e trabalhadores informais, bem como camponeses expulsos de suas terras. Com efeito, a política neoliberal bloqueia as possibilidades de acomodar os ex- camponeses e assalariados rurais nas cidades. Impossibilitados de encontrar um emprego, mesmo que no setor informal, estes se juntam ao MST. O mesmo acontece com os desempregados urbanos, ao verem negadas as oportunidades de se reintegrar à empresa ou de serem “requalificados” e transferidos a uma outra ocupação. Nesse sentido, as conseqüências das políticas neoliberais, no campo e nas cidades, acabam fornecendo uma base social para a expansão do MST (Coletti, 2002).
  46. 46. • Esses movimentos, tão diversos em sua composição social e em suas demandas, também se diferenciam em termos de correntes e tendências político-ideológicas, bem como em suas formas de atuação.
  47. 47. • Os movimentos latino-americanos se originam ou se amplificam num contexto de crise da democracia representativa, cuja expressão são os limites à participação popular (decorrentes de sistemas políticos excludentes) e a degeneração de instituições políticas tradicionais (partidos e sindicatos marcados pela corrupção, por práticas autoritárias e pela incapacidade de representar as demandas sociais que emergem nesse novo contexto histórico). Sua constituição desafia o espaço institucionalizado da política tradicional, fazendo frente à crise de representação, recusando a democracia delegativa e buscando novas formas de participação. Essas formas de participação passam pela constituição de organismos sem inserção no sistema político tradicional.
  48. 48. 3.3 As reivindicações e suas implicações políticas É possível afirmar que esses movimentos, exprimem uma recusa às instituições políticas tradicionais, recusa essa que passa pela criação de novas forças políticas – ainda que a relação com organizações já existentes não esteja descartada.
  49. 49. • A presença marginal do movimento no governo e sua incapacidade de alterar a agenda neoliberal levaram à deterioração e à ruptura da aliança, após 7 meses. Embora tenha resistido a medidas governamentais, como o aumento do preço do gás, “o movimento político Pachakutik é pego em suas próprias contradições: deve questionar o sistema político desde dentro, mas ao participar finalmente o legitima” (Dávalos, 2004, p. 190). Isso evidencia os limites do potencial transformador dessa forma de participação, que se dá com determinados aliados e numa determinada conjuntura.
  50. 50. Conclusão • Por fim, os conflitos sociais que conduziram a esses movimentos podem ser lidos à luz do pertencimento de classe. Nesse sentido, há uma articulação entre identidades étnicas e ocupacionais e condição de classe. A despeito das diferentes classes e identidades envolvidas, são movimentos de classes trabalhadoras (consideradas aqui em sentido amplo, a fim de incluir as classes médias e os camponeses), que têm em comum o fato de partilhar uma ideologia antineoliberal.

×