SlideShare uma empresa Scribd logo
LIVRE-SE DAS DÍVIDAS
Introdução ............................................................................................................................................02
O início das Dívidas ...............................................................................................................................03
Tipos de Devedores ..............................................................................................................................04
Estágios da Dívida .................................................................................................................................10
Fatores Geradores de Dívidas ................................................................................................................12
Como sair do Problema ........................................................................................................................20
Equilíbrio Financeiro .............................................................................................................................32
Conclusão ..............................................................................................................................................37
Mayewski Fardin ...................................................................................................................................39
INTRODUÇÃO
Olá!
Neste e-book eu vou compartilhar contigo um
método que aprendi e aprimorei ao longo de cinco
anos atuando como Coach Financeiro, esse método me
ajudou a sair das dívidas e me tornar um investidor.
Esse mesmo método ajudou muitas pessoas que me
procuraram durante esse tempo pois não estavam
conseguindo lidar com a situação de endividamento.
Vou lhe ensinar todos os passos necessários
para que você possa entender como chegou até essa
dívida, o estado atual das suas finanças e formas para
que você possa eliminar suas dívidas e manter uma
vida financeira sadia.
Espero que goste da leitura e lembre-se de
contar comigo para lhe ajudar nessa sua trajetória.
2
O INÍCIO DAS DÍVIDAS
Dívidas não é uma exclusividade de quem
ganha pouco, todos nós temos dívidas. Alguns
conseguem honra-las, outros extrapolam todo seu
orçamento mensal e acabam por ficar inadimplentes.
A falta de educação financeira nas casas e nas
escolas, tem feito com que grande parte da nossa
população não execute um planejamento financeiro.
Essa falta de conhecimento sobre finanças, faz com
que muitos se percam nos números e abusem de
parcelamentos, usem o cheque especial como “renda
extra”, utilizam o cartão de crédito exageradamente,
fazem empréstimos para quitar outros empréstimos e
etc.
Mas nem sempre é assim, alguns endividados acabam
entrando nas dívidas por outras razões. Por isso, é
importante nos conhecer, saber qual é o tipo de
devedor que mais se encaixa na nossa situação.
3
livre-se das dividas.pdf
Esse é um dos grupos mais comuns do
endividamento. Infelizmente grande parte dos
brasileiros não possuem uma reserva de emergência
ou não se planejam para o futuro e quando acontece
algo que interrompe sua renda repentinamente, o
endividamento chega batendo a sua porta.
Grande parte dos pertencentes a esse grupo vivem no
“100%” da sua renda. Compromete seu salário com seu padrão de
vida e deixam de poupar. Essa situação sempre aconteceu e
continuará acontecendo (infelizmente), mas teve seu auge
durante os anos de 2015/2016, quando a economia brasileira
desandou e muitas demissões aconteceram, ocasionando uma
nova série de endividados no país. Sem emprego e sem um reserva
de emergência para cobrir seus gastos mensais durante o período
de desemprego, o jeito foi fazer dívidas para manter as coisas em
ordem.
5
Eu conheço bem esse grupo pois já pertenci a
ele. Apesar de sempre guardar uma parte do meu
salário mensalmente, durante muito tempo meu
orçamento ficou “engessado” com o presente, com os
compromissos atuais, aquelas prestações que
pagamos de casa, carro e etc. O dinheiro era suficiente
para honrar com esses compromissos, mas bastou um
problema de saúde para gerar uma despesa fora do
orçamento e me levar ao endividamento.
Durante esse período atendendo, grande parte das pessoas que
me procuraram por conta de endividamento também pertenciam a esse
grupo. E nesse grupo a reserva de emergência também faz falta! No meu
caso, eu já guardava uma parte do salário mensalmente e isso amenizou
a situação, mas não foi o suficiente, porque minha reserva estava sendo
guardada em uma aplicação que não era indicada para isso, e acabei
perdendo uma boa parte do dinheiro quando precisei resgata-lo.
6
Mas como diz o ditado: “Há males que vem
para bem”. Graças a essa situação, fui procurar
conhecimento sobre finanças, aprendi como sair das
minhas dívidas e acabei criando meu próprio método,
além de aprender mais sobre investimentos.
7
Conheci e ainda conheço algumas pessoas que
pertencem a esse grupo. Se eu pudesse dizer qual o
tipo de mentalidade dessas pessoas, seria a
mentalidade de classe média. E veja bem, não estou
falando sobre CAPACIDADE FINANCEIRA, estou falando
sobre mentalidade financeira.
Quem tem essa mentalidade acaba vivendo apenas o agora. Todos
seus esforços são voltados para aquisição de bens de consumo e
acabam utilizando o limite do cheque especial e do cartão de
crédito para bancar seu padrão de vida. Qualquer dinheiro extra
que vem para sua vida, é utilizado para bancar os gastos que já
foram realizados, aumento de salário já é comprometido antes
mesmo do dinheiro entrar na conta.
8
Apesar de existir solução para essas pessoas,
infelizmente esse grupo é o mais complicado de
trabalhar por se tratar exclusivamente de um
comportamento que os leva ao endividamento. Antes
de cuidar das finanças, é necessário cuidar da mente e
do comportamento, para conseguirem visualizar o
caminho que estão percorrendo e onde poderão
chegar caso persistam no erro.
A pessoa que pertence a esse grupo tem uma bomba relógio na
mão. Cada novo gasto, cada nova dívida, é um segundo a menos no
temporizador dessa bomba que se não for desarmada o quantos
antes, irá explodir, e o estrago será gigante, fazendo com que
muitas vezes a pessoa tenha que se desfazer de tudo o que comprou
para pagar parte das dívidas.
9
livre-se das dividas.pdf
11
livre-se das dividas.pdf
FATORES GERADORES DE DÍVIDAS
Nós vimos anteriormente sobre os tipos de
devedores e sobre os estágios das dívidas, mas você
sabia que existem fatores que são geradores de dívidas?
Sem dúvidas quando temos um pouco de
conhecimento financeiro, fica mais difícil cairmos nessas
armadilhas, mas em mundo consumista como vivemos com
propagandas a todo momento buscando despertar nossos desejos,
ficamos mais suscetíveis a cair nessas tentações.
Separei nesse ebook três fatores que acabam nos
influenciando a tomar decisões que nos levam ao endividamento.
13
Sem dúvidas um dos principais fatores que nos
fazem gastar além da conta. Já reparou que você não precisa
conversar com seu gerente para pegar um dinheiro
emprestado? Os bancos por pura boa vontade e querendo te
ajudar (claro que é ironia) disponibilizam um limite de
cheque especial para você utilizar sempre quando quiser,
esse limite está disponível 24 horas por dia a sua disposição,
basta usar o cartão e pronto, já se endividou.
E quando não temos mais limite do cheque especial
disponível? O banco sempre querendo nosso bem e nos
ajudar (contém mais ironia) nos disponibiliza um CDC
(crédito direto ao consumidor) aprovado em nossa conta.
Precisou do dinheiro a noite? Basta entrar no seu aplicativo
bancário e solicitar o CDC. Em menos de 1 minuto o dinheiro
está a sua disposição!
14
Temos também o santo Cartão de Crédito, que se
bem utilizado faz com que ganhemos dinheiro, mas se mal
utilizado, acabamos por complicar nossa situação. Sem falar
em todos os tipos de empréstimos existentes hoje, as
facilidades de pagamento, pequenas parcelas, 96 meses para
pagar... Uma porção de possibilidades de crédito que acabam
nos levando a desorganização financeira e logo depois, ao
endividamento.
15
A falta de um controle de gastos também é um fator
gerador de dívidas. Muitos acham chato ter que ficar “controlando”
os gastos, mas se esquecem daquele ditado que diz: “Um pequeno
buraco afunda um navio”. Afinal, quando não se sabe o que entra e
o que sai, como você vai saber o que precisa mudar? Como saber
para onde o dinheiro está indo? Será que preciso tapar algum
buraco no “casco do meu navio?”.
Infelizmente em muitos lares não se pratica o
planejamento financeiro, muito menos é compartilhado essa
informação com os filhos e pessoas mais próximas. Crescemos sem
aprender sobre educação financeira dentro de casa, não
aprendemos nada sobre finanças na escola, na faculdade, em lugar
algum! Mas ainda bem que temos muita informação gratuita na
internet e que está disponível para quem quer melhorar, para quem
realmente quer mudar de vida e aprender a controlar suas finanças.
16
A desorganização financeira é sentida principalmente
quando chega a primeira fatura após você comprar algo no cartão
de crédito ou em cheque e carnês. Aquela pequena prestação de
apenas R$ 30,00 somada as outras prestações de R$ 20,00, R$ 50,00,
R$ 15,00, vão gerar um montante final, e esse montante final muitas
vezes não cabe dentro do nosso orçamento mensal. Nesse momento
você tem algumas escolhas a fazer, reduzir gastos, pagar valor
mínimo do cartão, pegar um empréstimo para pagar o cartão e
etc... Mas devido a nossa educação financeira (ou a falta dela),
acabamos por tomar as piores decisões na maioria das vezes.
Um simples planejamento financeiro, mesmo que seja
aqueles de anotar no papel, serve como um GPS, você vai visualizar
o caminho que está sendo percorrido, e vai te ajudar a visualizar o
destino final se continuar cometendo os mesmos atos. É
fundamental falar sobre dinheiro e não apenas falar das coisas que o
dinheiro pode comprar.
17
Tem uma frase que gosto muito para falar sobre status: “É
o sentimento que move alguém a comprar coisas que não precisa,
com o dinheiro que não tem, para agradar alguém que não gosta.”
Muitos clientes que atendi durante esse tempo admitiam
viver além da sua capacidade financeira, tudo fruto do “status”, ou
do sentimento de mostrar algo além da sua realidade para chamar
atenção, para se enturmar, para ser reconhecido e etc.
O dinheiro é suficiente para manter um carro popular, mas
o meu sentimento de “status” não aceita andar de carro popular,
para eu ser reconhecido preciso de um carro importado, ou de um
determinado carro, x ou y. Minha realidade me permite comprar
roupas em lojas mais simples, mas o sentimento do “status” diz que
preciso de comprar roupa em uma boutique. E assim vai com várias
outras coisas no dia a dia.
18
O grande problema nesse estilo de vida é que uma hora a
conta chega, e quando ela vem, muitas vezes você vai ter que se
desfazer de tudo o que comprou (e que na maioria das vezes não é
seu, pois é financiado) para pagar as dívidas.
O pior são aquelas pessoas que mesmo possuindo o bem,
estão tão apegados a eles que mesmo no momento de dificuldade
não aceitam se desfazer do bem com medo do julgamento dos
outros, e acabam se afundando em mais e mais dívidas.
Repense seus valores e crenças! É possível viver uma vida
digna com menos do que você vive hoje e ainda construir um futuro
próspero sem deixar de viver bons momentos no presente!
19
livre-se das dividas.pdf
Me responda, quando você vai viajar para um
lugar que você não conhece, é natural que pesquise
informações sobre esse local antes, não é verdade? Acredito
que você vai pesquisar o caminho que precisa pegar, a distância
que vai percorrer até destino, vai procurar saber se existe algum
supermercado localidade, assim você programa a quantidade de
comida que deve levar, pontos turísticos, custos e etc... Ou seja, várias
pesquisas para que sua viagem e estadia no destino sejam a melhor
possível.
Com suas dívidas é preciso fazer o mesmo! É
necessário mapear suas dívidas, colocar no papel três informações básicas e
essenciais nesse mapeamento: Quanto está devendo? Para quem está
devendo? Qual a taxa de juros de cada dívida?
Após registrar todas essas informações, você
vai conhecer a sua realidade devedora e estará apto a pular para o próximo passo.
21
Nessa segunda etapa você precisa organizar
seu orçamento. Você precisa anotar todo o dinheiro que
entra mensalmente para você, salário, renda extra, alugueis,
bônus e etc. É importante que nesse momento você seja muito
sincero com você mesmo! Não adianta você colocar um dinheiro
que ainda não existe, como por exemplo um dinheiro proveniente
da venda de um terreno, casa, carro ou etc. Registre apenas o que
realmente entra mensalmente, o que é certeza que terá no fim do mês.
Após registrar seus rendimentos, você vai
registrar todas as suas despesas mensais. Eu gosto de separar as despesas em
duas colunas distintas, as despesas obrigatórias e despesas não obrigatórias.
Tudo o que envolva seu lar e a manutenção da sua vida entra na parte de
obrigatórias, como por exemplo: Aluguel ou prestação da casa, condomínio, água,
energia, gás, impostos e etc. As não obrigatórias são aquelas que você pode cancelar a
qualquer momento, por exemplo: TV a Cabo, academia, alguma assinatura de aplicativos
ou revistas, restaurantes, festas e etc. Volto a dizer sobre a importância de você ser
honesto com você mesmo, separando fielmente o que é obrigatório e o que não é.
22
Depois de registrar as entradas e saídas, você
vai descobrir qual é o seu fluxo de caixa, para isso basta
pegar o valor das entradas e reduzir o total das despesas.
O valor que sobrar é o seu fluxo de caixa. Pode ser que o seu
resultado seja negativo, fruto de gastos maiores que os ganhos,
então será necessário cortar despesas, começando pelas não
obrigatórias e reduzindo as obrigatórias, utilizando dicas do dia a dia
como demorar menos no chuveiro, apagar as luzes de ambientes vazios,
quem sabe até mudar para uma casa com aluguel mais barato e várias
outras possibilidades. O mais importante aqui é conseguir fazer o seu fluxo
de caixa ser positivo, caso não tenha mais onde cortar, é preciso que você
coloque o passo 6 em ação para tornar seu fluxo positivo.
Quando conseguir encontrar um fluxo de caixa
positivo, você encontrará a sua capacidade de pagamento das dívidas!
23
Agora que você já sabe quanto deve e para quem
deve, passou a conhecer a sua capacidade de pagamento,
está na hora de negociar com seus credores!
A minha dica nesse momento é que você sempre
procure pagar primeiro as dívidas que tem a maior taxa de juros,
pois essa taxa pode dobrar a sua dívida em poucos meses. Mas
existem casos de clientes que optaram por pagar as dívidas de valores
mais baixos em primeiro lugar, pois saber que estavam conseguindo
paga-las gerava um estimulo a mais para continuar lutando para sair dessa
situação.
Uma boa alternativa é você procurar trocar
as dívidas mais caras por dívidas mais baratas. Um exemplo: Cartão de crédito e
cheque especial tem as maiores taxas de juros mensais hoje no país, um empréstimo
pessoal tem taxas muito menores, então porque não fazer um empréstimo pessoal a
taxas baixas para pagar o cartão que tem taxas bem altas?
24
Talvez você esteja se perguntando o motivo desse
passo estar depois da negociação, mas na verdade você vai
ler todos os passos antes de sair por aí negociando, não é
mesmo? Então, esse passo está aqui para trazer mais detalhes
sobre as negociações que você vai fazer e algumas dicas caso elas
não sejam bem-sucedidas.
Antes de começar os pagamentos, aconselho você
a procurar todos os credores, fazer sua proposta, ouvir a contraparte,
encontrar uma proposta que atenda sua capacidade de pagamento, veja
quem está mais disposto a te ajudar e dê sempre preferência a quem mais
ajuda.
Acredite, sempre existem outras opções antes de
aceitar aquela proposta meia boca que seu credor ofereceu. E na verdade, nunca
aceite a primeira proposta, sempre procure melhorar as condições, ele quer receber e
você quer pagar, diga a ele que sua capacidade de pagamento só permite assumir o
compromisso se for dessa forma que você está apresentando, caso contrário não vai
conseguir cumprir com o acordo e você dará a preferência a quem te ajudar.
25
Sempre, mas sempre mesmo, peça desconto
a vista. As vantagens para quem tem todo o dinheiro
disponível para pagamento são muito maiores do que aqueles
que ainda vão pagar em prestações, pois o risco de uma nova
inadimplência ainda existe e por isso os juros são cobrados.
Caso perceba em alguma negociação que o
credor está sendo abusivo quanto a cobrança de juros, ou irredutível
quanto a um melhor acordo, procure ajuda dos órgãos de proteção ao
consumidor, explique a situação e procure saber quais são seus direitos e
deveres nessa situação.
26
Pode parecer brincadeira esse quinto passo,
mas é verdade. Muitas pessoas saem para negociar,
assumem o compromisso de pagar aquele valor, mas não
muito tempo depois acabam deixando de pagar aquele acordo.
Vários podem ser os fatores que te impeçam de arcar com esse
compromisso, sabemos que situações extraordinárias acontecem a
todo momento, mas tente se planejar financeiramente de uma forma
que você não deixe de cumprir com esses acordos.
Nesse momento um planejamento financeiro
vai te ajudar muito. Faz total sentido você sacrificar um mês de desejos pessoais
para juntar uma graninha a mais e já resolver sua situação com determinado
credor. Essa situação será passageira na sua vida, e ela só está existindo por más
escolhas do passado.
Comece desde já a mudança de mentalidade
financeira para que sua vida seja muito mais próspera do que já foi até hoje!
27
Esse passo existe justamente para adiantar o
processo de pagamento das dívidas. Se você tem um
fluxo de caixa positivo, fazer mais dinheiro vai te ajudar a se
livrar mais rapidamente dessas dívidas e ter mais qualidade de
vida muito mais rápido que a maioria, mas se você não tem um
fluxo de caixa positivo, esse passo serve como dica para que você
possa criar novas alternativas de renda e ajudar na resolução da sua
situação.
Em um primeiro momento procure tudo o
que possa ser vendido dentro da sua casa. Todos os itens que você não usa
mais, faça um bazar com roupas que já não cabem ou não usa, venda qualquer
objeto que você tenha e que não seja necessário para o dia a dia. Se tiver um carro,
venda-o e resolva o seu problema o mais rápido possível, caso dependa do carro,
troque por um modelo mais barato e pegue o dinheiro da diferença, use-o para ajudar na
quitação das dívidas.
28
Se já vendeu tudo o que podia mas ainda
precisa de dinheiro, procure novas fontes de renda extra.
Quais são suas habilidades? Conhecendo suas habilidades fica
mais fácil oferecer um determinado produto ou serviço que
pode te gerar uma renda extra. Talvez uma aula particular de
violão, ou aula de inglês, digitação de trabalhos, construção de sites
na internet, fazer comidas para vender (bolos, pães, doces...).
Descubra novas alternativas de renda extra
caso não tenha uma habilidade especifica, passear com cachorros é uma
atividade que está crescendo muito e a demanda está bem alta, cuidar de
jardins, garçom em festas e eventos.
São várias possibilidades de conseguir renda
extra e aumentar seus ganhos mensais facilitando o pagamento das dívidas em tempo
recorde. Basta você se dedicar e querer sair dessa situação!
29
Último passo, mas não menos importante é
organizar seu orçamento. Após cumprir todos os passos
anteriores é hora de sentar e organizar suas entradas e
saídas. Comece planejando os gastos para o resto do ano. É
uma atividade prazerosa de se fazer, dedique ao menos meia
hora por semana para executar essa atividade.
O primeiro passo para você organizar seu
orçamento é entender as suas despesas. Monitore todos os seus gastos,
tenha o hábito de anotar tudo o que gasta, até aquela balinha que você
compra dentro do ônibus. Essas atitudes vão te ajudar a entender como você
gasta seu dinheiro e te auxiliam nas futuras tomadas de decisões, pois você sabe
o que vai fazer diferença na sua vida se você tiver ou não tiver.
Reúna todos os comprovantes que você
tenha de pagamentos efetuados e vá registrando os valores em sua planilha em todos os
meses do ano. Aqueles gastos referentes a impostos, seguros e outras despesas que são feitas
30
apenas uma vez ao ano, divida o valor por doze meses e
registre no seu planejamento o valor mensal referente a
cada mês. O mesmo vale para despesas com veículo, as
manutenções de rotina que são feitas com o passar do tempo.
Some os gastos do ano e divida por doze meses para encontrar a
média mensal dos seus gastos. Essa é a melhor forma de você
identificar o valor real dos seus gastos mensais. Agindo dessa forma
você consegue se planejar melhor para futuras compras.
É importante que dentro do seu planejamento
financeiro, você separe uma parte do seu salário para investir em você e no
seu futuro! Eu costumo indicar que você guarde 20% da sua renda, sendo 10% para
o futuro e 10% para um objetivo de curto/médio prazo. Mas lembrando que esses
investimentos devem ser feitos após você ter se libertado das dívidas, no primeiro
momento seus esforços devem estar direcionados a sair dessa situação.
31
livre-se das dividas.pdf
Durante e após esse período de pagamento das
dívidas, é importante que você já comece mudando a sua
mentalidade sobre o dinheiro. Colocando em prática todos
os passos do tópico anterior você estará no caminho para
uma vida mais próspera e equilibrada, mas é necessário que
você continue seguindo algumas dicas para que isso seja
mais fácil e prazeroso.
33
Evite entrar em novos parcelamentos, crie o
hábito de juntar o dinheiro para comprar a vista. Evite sair
com volumes grandes de dinheiro e cartões de crédito, em
um momento de “tristeza” você pode querer compensar
com uma “comprinha”.
NÃO FAÇA NOVAS DÍVIDAS
34
SEPARE SEU ORÇAMENTO EM POTES
Uma das formas mais utilizadas para um equilíbrio
financeiro é a Teoria dos Potes Financeiros, onde cada pote é
responsável por uma área da sua vida e você destina uma
porcentagem do seu salário para cada um desses potes.
Existem várias dicas de divisão desses potes, mas a mais
utilizada é a 50-30-20, sendo:
50% destinado para o pote dos gastos essenciais (moradia,
alimentação, transporte);
30% destinado para o pote dos desejos (restaurantes,
academia, tv por assinatura);
20% destinado para o pote dos investimentos (curto, médio
e longo prazo);
35
Um dos grandes erros da maioria dos brasileiros é
esperar sobrar para investir, quando na verdade o hábito
comum deveria ser investir primeiro e viver com o que
sobrar. Esse é um dos “truques” que servem para mudar sua
mentalidade sobre o dinheiro. Primeiro você se paga e vive
com o resto. Acredite em mim, você consegue!
INVERTA SEUS “VALORES” FINANCEIROS
36
livre-se das dividas.pdf
Mais importante que todas essas informações compartilhadas no ebook é você ter aprendido com
essa situação que viveu e não repetir os mesmos erros! Para isso, mantenha-se focado em controlar e
organizar seu orçamento pessoal, só assim conseguirá se manter saudável financeiramente.
A mudança de mentalidade e de hábitos são os aspectos principais para uma vida financeira mais
equilibrada.
Você deve ter percebido que sair do endividamento é possível, basta ter calma e um método nas
mãos, depois é só colocar tudo em prática partindo para a ação. Só depende de você!
38
“Olá”
Sou Mayewski Fardin Especialista em Finanças Pessoais
Uma breve apresentação do meu perfil profissional.
Coach Financeiro Practitioner pelo ICF/RJ
Gestor em Finanças Pessoais pela ESAF/DF
Consultor de Investimentos
Trader Profissional na B3
Conheça mais sobre esse programa em:
https://bit.ly/2SLOgn1
Um programa de mentoria capaz de
tirar você das dívidas e transforma-lo
em investidor!
São 7 semanas de aulas gravadas e ao
vivo, trabalhando desde os conceitos
mais básicos de finanças pessoais e
economia, até temas mais avançados
como investimentos em ações.
Meu compromisso é transformar sua
vida!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Livro "Os Segredos da Mente Milionária" - T. Harv Eker (resumo)
Livro "Os Segredos da Mente Milionária" - T. Harv Eker (resumo) Livro "Os Segredos da Mente Milionária" - T. Harv Eker (resumo)
Livro "Os Segredos da Mente Milionária" - T. Harv Eker (resumo)
Lélio Braga Calhau
 
Desmatamento
DesmatamentoDesmatamento
Desmatamento
Sandra Barros
 
Requerimento 091 Poda Das áRvores E ReposiçãO Das LâMpadas Da PraçA Do EstáDi...
Requerimento 091 Poda Das áRvores E ReposiçãO Das LâMpadas Da PraçA Do EstáDi...Requerimento 091 Poda Das áRvores E ReposiçãO Das LâMpadas Da PraçA Do EstáDi...
Requerimento 091 Poda Das áRvores E ReposiçãO Das LâMpadas Da PraçA Do EstáDi...
guestf0e12f3
 
Modelo de plano de contas
Modelo de plano de contasModelo de plano de contas
Modelo de plano de contas
Fafá Mota
 
Conceitos bancários
Conceitos bancáriosConceitos bancários
Conceitos bancários
Valéria Lins
 
CADERNO PNAIC 3 - CONSTRUÇÃO DO SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL
CADERNO PNAIC 3 - CONSTRUÇÃO DO SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMALCADERNO PNAIC 3 - CONSTRUÇÃO DO SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL
CADERNO PNAIC 3 - CONSTRUÇÃO DO SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL
Aline Caixeta
 
Alfabetização e letramento 30.08.11
Alfabetização e letramento 30.08.11Alfabetização e letramento 30.08.11
Alfabetização e letramento 30.08.11
Ana Lucia Gouveia
 
O Pequeno Príncipe
O Pequeno PríncipeO Pequeno Príncipe
O Pequeno Príncipe
Fernanda Bork
 
RELATO DE EXPERIÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE
RELATO DE EXPERIÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTERELATO DE EXPERIÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE
RELATO DE EXPERIÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE
educacaodetodos
 
Atividade Complementar (Planejamento Financeiro)
Atividade Complementar (Planejamento Financeiro)Atividade Complementar (Planejamento Financeiro)
Atividade Complementar (Planejamento Financeiro)
Kelly Queiroz
 
Apresentação do Programa de Educação Financeira nas Escolas
Apresentação do Programa de Educação Financeira nas Escolas  Apresentação do Programa de Educação Financeira nas Escolas
Apresentação do Programa de Educação Financeira nas Escolas
Instituto Unibanco
 
Juro composto
Juro compostoJuro composto
Juro composto
Patricia Souza
 
2017: Tópicos em Educação Financeira
2017: Tópicos em Educação Financeira2017: Tópicos em Educação Financeira
2017: Tópicos em Educação Financeira
Leandro de Castro
 
Projeto celeiro
Projeto celeiroProjeto celeiro
Projeto celeiro
felipe_higa
 
Consciencia intrassilábica
Consciencia intrassilábicaConsciencia intrassilábica
Consciencia intrassilábica
Ana Paula Santos
 
Educação Financeira para Jovens
Educação Financeira para JovensEducação Financeira para Jovens
Educação Financeira para Jovens
Marden Rodrigues
 
Texto
TextoTexto
Treinamento Profissional De Cobranca
Treinamento Profissional De CobrancaTreinamento Profissional De Cobranca
Treinamento Profissional De Cobranca
Alexsandro Rebello Bonatto
 
Gêneros textuais – caderno 4 matemática
Gêneros textuais – caderno 4 matemáticaGêneros textuais – caderno 4 matemática
Gêneros textuais – caderno 4 matemática
Osinéia Brunelli
 
Matemática 4º ano
Matemática   4º anoMatemática   4º ano
Matemática 4º ano
NILDA Leite Leite
 

Mais procurados (20)

Livro "Os Segredos da Mente Milionária" - T. Harv Eker (resumo)
Livro "Os Segredos da Mente Milionária" - T. Harv Eker (resumo) Livro "Os Segredos da Mente Milionária" - T. Harv Eker (resumo)
Livro "Os Segredos da Mente Milionária" - T. Harv Eker (resumo)
 
Desmatamento
DesmatamentoDesmatamento
Desmatamento
 
Requerimento 091 Poda Das áRvores E ReposiçãO Das LâMpadas Da PraçA Do EstáDi...
Requerimento 091 Poda Das áRvores E ReposiçãO Das LâMpadas Da PraçA Do EstáDi...Requerimento 091 Poda Das áRvores E ReposiçãO Das LâMpadas Da PraçA Do EstáDi...
Requerimento 091 Poda Das áRvores E ReposiçãO Das LâMpadas Da PraçA Do EstáDi...
 
Modelo de plano de contas
Modelo de plano de contasModelo de plano de contas
Modelo de plano de contas
 
Conceitos bancários
Conceitos bancáriosConceitos bancários
Conceitos bancários
 
CADERNO PNAIC 3 - CONSTRUÇÃO DO SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL
CADERNO PNAIC 3 - CONSTRUÇÃO DO SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMALCADERNO PNAIC 3 - CONSTRUÇÃO DO SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL
CADERNO PNAIC 3 - CONSTRUÇÃO DO SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL
 
Alfabetização e letramento 30.08.11
Alfabetização e letramento 30.08.11Alfabetização e letramento 30.08.11
Alfabetização e letramento 30.08.11
 
O Pequeno Príncipe
O Pequeno PríncipeO Pequeno Príncipe
O Pequeno Príncipe
 
RELATO DE EXPERIÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE
RELATO DE EXPERIÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTERELATO DE EXPERIÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE
RELATO DE EXPERIÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE
 
Atividade Complementar (Planejamento Financeiro)
Atividade Complementar (Planejamento Financeiro)Atividade Complementar (Planejamento Financeiro)
Atividade Complementar (Planejamento Financeiro)
 
Apresentação do Programa de Educação Financeira nas Escolas
Apresentação do Programa de Educação Financeira nas Escolas  Apresentação do Programa de Educação Financeira nas Escolas
Apresentação do Programa de Educação Financeira nas Escolas
 
Juro composto
Juro compostoJuro composto
Juro composto
 
2017: Tópicos em Educação Financeira
2017: Tópicos em Educação Financeira2017: Tópicos em Educação Financeira
2017: Tópicos em Educação Financeira
 
Projeto celeiro
Projeto celeiroProjeto celeiro
Projeto celeiro
 
Consciencia intrassilábica
Consciencia intrassilábicaConsciencia intrassilábica
Consciencia intrassilábica
 
Educação Financeira para Jovens
Educação Financeira para JovensEducação Financeira para Jovens
Educação Financeira para Jovens
 
Texto
TextoTexto
Texto
 
Treinamento Profissional De Cobranca
Treinamento Profissional De CobrancaTreinamento Profissional De Cobranca
Treinamento Profissional De Cobranca
 
Gêneros textuais – caderno 4 matemática
Gêneros textuais – caderno 4 matemáticaGêneros textuais – caderno 4 matemática
Gêneros textuais – caderno 4 matemática
 
Matemática 4º ano
Matemática   4º anoMatemática   4º ano
Matemática 4º ano
 

Semelhante a livre-se das dividas.pdf

Cartilha do nosso grupo de tcc 2012kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Cartilha do nosso grupo de tcc 2012kkkkkkkkkkkkkkkkkkkCartilha do nosso grupo de tcc 2012kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Cartilha do nosso grupo de tcc 2012kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Brunoud16
 
Cartilha do nosso grupo de tcc 2012
Cartilha do nosso grupo de tcc 2012Cartilha do nosso grupo de tcc 2012
Cartilha do nosso grupo de tcc 2012
Brunoud16
 
Arq 729 palestra_a_financasapessoais (1)
Arq 729 palestra_a_financasapessoais (1)Arq 729 palestra_a_financasapessoais (1)
Arq 729 palestra_a_financasapessoais (1)
Douglas Rodrigues - GΔLLO
 
Planejamento financeiro pessoal e familiar
Planejamento financeiro pessoal e familiarPlanejamento financeiro pessoal e familiar
Planejamento financeiro pessoal e familiar
Ronilson Sousa
 
Educaoeplanejamentofinanceiro rio negro
Educaoeplanejamentofinanceiro rio negroEducaoeplanejamentofinanceiro rio negro
Educaoeplanejamentofinanceiro rio negro
Wagner Garcia.´.
 
Dinheiro no bolso 2 selecoes reader's digest
Dinheiro no bolso 2   selecoes reader's digestDinheiro no bolso 2   selecoes reader's digest
Dinheiro no bolso 2 selecoes reader's digest
pauloweimann
 
1 como poupar mais e gastar menos: segredos de quem sabe clube dos poupadores
1 como poupar mais e gastar menos: segredos de quem sabe   clube dos poupadores1 como poupar mais e gastar menos: segredos de quem sabe   clube dos poupadores
1 como poupar mais e gastar menos: segredos de quem sabe clube dos poupadores
Antonio Zotarelli
 
Saia do vermelho
Saia do vermelhoSaia do vermelho
Saia do vermelho
Monitoria Contabil S/C
 
Como organizar-sua-vida-financeira
Como organizar-sua-vida-financeiraComo organizar-sua-vida-financeira
Como organizar-sua-vida-financeira
RonaldoCursoPUCRio
 
Métodos de controle do consumo
Métodos de controle do consumoMétodos de controle do consumo
Métodos de controle do consumo
Matheus Barbosa
 
Pensando na aposentadoria
Pensando na aposentadoriaPensando na aposentadoria
Pensando na aposentadoria
vitadenarium
 
Curso de Finanças Pessoais
Curso de Finanças Pessoais Curso de Finanças Pessoais
Curso de Finanças Pessoais
FlavioPrieto2
 
Motivação financeira
Motivação financeiraMotivação financeira
Motivação financeira
Cristiano Brasil
 
Educação financeira ao alcance de todos
Educação financeira ao alcance de todosEducação financeira ao alcance de todos
Educação financeira ao alcance de todos
Ronaldo Andrade
 
Ed 2. Revisada - Segredos dos Consignados.pdf.pdf
Ed 2. Revisada - Segredos dos Consignados.pdf.pdfEd 2. Revisada - Segredos dos Consignados.pdf.pdf
Ed 2. Revisada - Segredos dos Consignados.pdf.pdf
AlessandroJustinoSan
 
Plano de investimentos
Plano de investimentosPlano de investimentos
Plano de investimentos
Jornal do Commercio
 
DICAS SOBRE FINANÇAS PESSOAIS
DICAS SOBRE FINANÇAS PESSOAISDICAS SOBRE FINANÇAS PESSOAIS
DICAS SOBRE FINANÇAS PESSOAIS
JooAntonioChavesMiqu
 
EBOOKHOLOMONEYELAINNEOURIVES.pdf
EBOOKHOLOMONEYELAINNEOURIVES.pdfEBOOKHOLOMONEYELAINNEOURIVES.pdf
EBOOKHOLOMONEYELAINNEOURIVES.pdf
DeiaNunes1
 
Ebook 6-passos
Ebook 6-passosEbook 6-passos
Ebook 6-passos
ivanetemendonca
 
Ebook 6-passos
Ebook 6-passosEbook 6-passos
Ebook 6-passos
info_cimol
 

Semelhante a livre-se das dividas.pdf (20)

Cartilha do nosso grupo de tcc 2012kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Cartilha do nosso grupo de tcc 2012kkkkkkkkkkkkkkkkkkkCartilha do nosso grupo de tcc 2012kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Cartilha do nosso grupo de tcc 2012kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
Cartilha do nosso grupo de tcc 2012
Cartilha do nosso grupo de tcc 2012Cartilha do nosso grupo de tcc 2012
Cartilha do nosso grupo de tcc 2012
 
Arq 729 palestra_a_financasapessoais (1)
Arq 729 palestra_a_financasapessoais (1)Arq 729 palestra_a_financasapessoais (1)
Arq 729 palestra_a_financasapessoais (1)
 
Planejamento financeiro pessoal e familiar
Planejamento financeiro pessoal e familiarPlanejamento financeiro pessoal e familiar
Planejamento financeiro pessoal e familiar
 
Educaoeplanejamentofinanceiro rio negro
Educaoeplanejamentofinanceiro rio negroEducaoeplanejamentofinanceiro rio negro
Educaoeplanejamentofinanceiro rio negro
 
Dinheiro no bolso 2 selecoes reader's digest
Dinheiro no bolso 2   selecoes reader's digestDinheiro no bolso 2   selecoes reader's digest
Dinheiro no bolso 2 selecoes reader's digest
 
1 como poupar mais e gastar menos: segredos de quem sabe clube dos poupadores
1 como poupar mais e gastar menos: segredos de quem sabe   clube dos poupadores1 como poupar mais e gastar menos: segredos de quem sabe   clube dos poupadores
1 como poupar mais e gastar menos: segredos de quem sabe clube dos poupadores
 
Saia do vermelho
Saia do vermelhoSaia do vermelho
Saia do vermelho
 
Como organizar-sua-vida-financeira
Como organizar-sua-vida-financeiraComo organizar-sua-vida-financeira
Como organizar-sua-vida-financeira
 
Métodos de controle do consumo
Métodos de controle do consumoMétodos de controle do consumo
Métodos de controle do consumo
 
Pensando na aposentadoria
Pensando na aposentadoriaPensando na aposentadoria
Pensando na aposentadoria
 
Curso de Finanças Pessoais
Curso de Finanças Pessoais Curso de Finanças Pessoais
Curso de Finanças Pessoais
 
Motivação financeira
Motivação financeiraMotivação financeira
Motivação financeira
 
Educação financeira ao alcance de todos
Educação financeira ao alcance de todosEducação financeira ao alcance de todos
Educação financeira ao alcance de todos
 
Ed 2. Revisada - Segredos dos Consignados.pdf.pdf
Ed 2. Revisada - Segredos dos Consignados.pdf.pdfEd 2. Revisada - Segredos dos Consignados.pdf.pdf
Ed 2. Revisada - Segredos dos Consignados.pdf.pdf
 
Plano de investimentos
Plano de investimentosPlano de investimentos
Plano de investimentos
 
DICAS SOBRE FINANÇAS PESSOAIS
DICAS SOBRE FINANÇAS PESSOAISDICAS SOBRE FINANÇAS PESSOAIS
DICAS SOBRE FINANÇAS PESSOAIS
 
EBOOKHOLOMONEYELAINNEOURIVES.pdf
EBOOKHOLOMONEYELAINNEOURIVES.pdfEBOOKHOLOMONEYELAINNEOURIVES.pdf
EBOOKHOLOMONEYELAINNEOURIVES.pdf
 
Ebook 6-passos
Ebook 6-passosEbook 6-passos
Ebook 6-passos
 
Ebook 6-passos
Ebook 6-passosEbook 6-passos
Ebook 6-passos
 

livre-se das dividas.pdf

  • 2. Introdução ............................................................................................................................................02 O início das Dívidas ...............................................................................................................................03 Tipos de Devedores ..............................................................................................................................04 Estágios da Dívida .................................................................................................................................10 Fatores Geradores de Dívidas ................................................................................................................12 Como sair do Problema ........................................................................................................................20 Equilíbrio Financeiro .............................................................................................................................32 Conclusão ..............................................................................................................................................37 Mayewski Fardin ...................................................................................................................................39
  • 3. INTRODUÇÃO Olá! Neste e-book eu vou compartilhar contigo um método que aprendi e aprimorei ao longo de cinco anos atuando como Coach Financeiro, esse método me ajudou a sair das dívidas e me tornar um investidor. Esse mesmo método ajudou muitas pessoas que me procuraram durante esse tempo pois não estavam conseguindo lidar com a situação de endividamento. Vou lhe ensinar todos os passos necessários para que você possa entender como chegou até essa dívida, o estado atual das suas finanças e formas para que você possa eliminar suas dívidas e manter uma vida financeira sadia. Espero que goste da leitura e lembre-se de contar comigo para lhe ajudar nessa sua trajetória. 2
  • 4. O INÍCIO DAS DÍVIDAS Dívidas não é uma exclusividade de quem ganha pouco, todos nós temos dívidas. Alguns conseguem honra-las, outros extrapolam todo seu orçamento mensal e acabam por ficar inadimplentes. A falta de educação financeira nas casas e nas escolas, tem feito com que grande parte da nossa população não execute um planejamento financeiro. Essa falta de conhecimento sobre finanças, faz com que muitos se percam nos números e abusem de parcelamentos, usem o cheque especial como “renda extra”, utilizam o cartão de crédito exageradamente, fazem empréstimos para quitar outros empréstimos e etc. Mas nem sempre é assim, alguns endividados acabam entrando nas dívidas por outras razões. Por isso, é importante nos conhecer, saber qual é o tipo de devedor que mais se encaixa na nossa situação. 3
  • 6. Esse é um dos grupos mais comuns do endividamento. Infelizmente grande parte dos brasileiros não possuem uma reserva de emergência ou não se planejam para o futuro e quando acontece algo que interrompe sua renda repentinamente, o endividamento chega batendo a sua porta. Grande parte dos pertencentes a esse grupo vivem no “100%” da sua renda. Compromete seu salário com seu padrão de vida e deixam de poupar. Essa situação sempre aconteceu e continuará acontecendo (infelizmente), mas teve seu auge durante os anos de 2015/2016, quando a economia brasileira desandou e muitas demissões aconteceram, ocasionando uma nova série de endividados no país. Sem emprego e sem um reserva de emergência para cobrir seus gastos mensais durante o período de desemprego, o jeito foi fazer dívidas para manter as coisas em ordem. 5
  • 7. Eu conheço bem esse grupo pois já pertenci a ele. Apesar de sempre guardar uma parte do meu salário mensalmente, durante muito tempo meu orçamento ficou “engessado” com o presente, com os compromissos atuais, aquelas prestações que pagamos de casa, carro e etc. O dinheiro era suficiente para honrar com esses compromissos, mas bastou um problema de saúde para gerar uma despesa fora do orçamento e me levar ao endividamento. Durante esse período atendendo, grande parte das pessoas que me procuraram por conta de endividamento também pertenciam a esse grupo. E nesse grupo a reserva de emergência também faz falta! No meu caso, eu já guardava uma parte do salário mensalmente e isso amenizou a situação, mas não foi o suficiente, porque minha reserva estava sendo guardada em uma aplicação que não era indicada para isso, e acabei perdendo uma boa parte do dinheiro quando precisei resgata-lo. 6
  • 8. Mas como diz o ditado: “Há males que vem para bem”. Graças a essa situação, fui procurar conhecimento sobre finanças, aprendi como sair das minhas dívidas e acabei criando meu próprio método, além de aprender mais sobre investimentos. 7
  • 9. Conheci e ainda conheço algumas pessoas que pertencem a esse grupo. Se eu pudesse dizer qual o tipo de mentalidade dessas pessoas, seria a mentalidade de classe média. E veja bem, não estou falando sobre CAPACIDADE FINANCEIRA, estou falando sobre mentalidade financeira. Quem tem essa mentalidade acaba vivendo apenas o agora. Todos seus esforços são voltados para aquisição de bens de consumo e acabam utilizando o limite do cheque especial e do cartão de crédito para bancar seu padrão de vida. Qualquer dinheiro extra que vem para sua vida, é utilizado para bancar os gastos que já foram realizados, aumento de salário já é comprometido antes mesmo do dinheiro entrar na conta. 8
  • 10. Apesar de existir solução para essas pessoas, infelizmente esse grupo é o mais complicado de trabalhar por se tratar exclusivamente de um comportamento que os leva ao endividamento. Antes de cuidar das finanças, é necessário cuidar da mente e do comportamento, para conseguirem visualizar o caminho que estão percorrendo e onde poderão chegar caso persistam no erro. A pessoa que pertence a esse grupo tem uma bomba relógio na mão. Cada novo gasto, cada nova dívida, é um segundo a menos no temporizador dessa bomba que se não for desarmada o quantos antes, irá explodir, e o estrago será gigante, fazendo com que muitas vezes a pessoa tenha que se desfazer de tudo o que comprou para pagar parte das dívidas. 9
  • 12. 11
  • 14. FATORES GERADORES DE DÍVIDAS Nós vimos anteriormente sobre os tipos de devedores e sobre os estágios das dívidas, mas você sabia que existem fatores que são geradores de dívidas? Sem dúvidas quando temos um pouco de conhecimento financeiro, fica mais difícil cairmos nessas armadilhas, mas em mundo consumista como vivemos com propagandas a todo momento buscando despertar nossos desejos, ficamos mais suscetíveis a cair nessas tentações. Separei nesse ebook três fatores que acabam nos influenciando a tomar decisões que nos levam ao endividamento. 13
  • 15. Sem dúvidas um dos principais fatores que nos fazem gastar além da conta. Já reparou que você não precisa conversar com seu gerente para pegar um dinheiro emprestado? Os bancos por pura boa vontade e querendo te ajudar (claro que é ironia) disponibilizam um limite de cheque especial para você utilizar sempre quando quiser, esse limite está disponível 24 horas por dia a sua disposição, basta usar o cartão e pronto, já se endividou. E quando não temos mais limite do cheque especial disponível? O banco sempre querendo nosso bem e nos ajudar (contém mais ironia) nos disponibiliza um CDC (crédito direto ao consumidor) aprovado em nossa conta. Precisou do dinheiro a noite? Basta entrar no seu aplicativo bancário e solicitar o CDC. Em menos de 1 minuto o dinheiro está a sua disposição! 14
  • 16. Temos também o santo Cartão de Crédito, que se bem utilizado faz com que ganhemos dinheiro, mas se mal utilizado, acabamos por complicar nossa situação. Sem falar em todos os tipos de empréstimos existentes hoje, as facilidades de pagamento, pequenas parcelas, 96 meses para pagar... Uma porção de possibilidades de crédito que acabam nos levando a desorganização financeira e logo depois, ao endividamento. 15
  • 17. A falta de um controle de gastos também é um fator gerador de dívidas. Muitos acham chato ter que ficar “controlando” os gastos, mas se esquecem daquele ditado que diz: “Um pequeno buraco afunda um navio”. Afinal, quando não se sabe o que entra e o que sai, como você vai saber o que precisa mudar? Como saber para onde o dinheiro está indo? Será que preciso tapar algum buraco no “casco do meu navio?”. Infelizmente em muitos lares não se pratica o planejamento financeiro, muito menos é compartilhado essa informação com os filhos e pessoas mais próximas. Crescemos sem aprender sobre educação financeira dentro de casa, não aprendemos nada sobre finanças na escola, na faculdade, em lugar algum! Mas ainda bem que temos muita informação gratuita na internet e que está disponível para quem quer melhorar, para quem realmente quer mudar de vida e aprender a controlar suas finanças. 16
  • 18. A desorganização financeira é sentida principalmente quando chega a primeira fatura após você comprar algo no cartão de crédito ou em cheque e carnês. Aquela pequena prestação de apenas R$ 30,00 somada as outras prestações de R$ 20,00, R$ 50,00, R$ 15,00, vão gerar um montante final, e esse montante final muitas vezes não cabe dentro do nosso orçamento mensal. Nesse momento você tem algumas escolhas a fazer, reduzir gastos, pagar valor mínimo do cartão, pegar um empréstimo para pagar o cartão e etc... Mas devido a nossa educação financeira (ou a falta dela), acabamos por tomar as piores decisões na maioria das vezes. Um simples planejamento financeiro, mesmo que seja aqueles de anotar no papel, serve como um GPS, você vai visualizar o caminho que está sendo percorrido, e vai te ajudar a visualizar o destino final se continuar cometendo os mesmos atos. É fundamental falar sobre dinheiro e não apenas falar das coisas que o dinheiro pode comprar. 17
  • 19. Tem uma frase que gosto muito para falar sobre status: “É o sentimento que move alguém a comprar coisas que não precisa, com o dinheiro que não tem, para agradar alguém que não gosta.” Muitos clientes que atendi durante esse tempo admitiam viver além da sua capacidade financeira, tudo fruto do “status”, ou do sentimento de mostrar algo além da sua realidade para chamar atenção, para se enturmar, para ser reconhecido e etc. O dinheiro é suficiente para manter um carro popular, mas o meu sentimento de “status” não aceita andar de carro popular, para eu ser reconhecido preciso de um carro importado, ou de um determinado carro, x ou y. Minha realidade me permite comprar roupas em lojas mais simples, mas o sentimento do “status” diz que preciso de comprar roupa em uma boutique. E assim vai com várias outras coisas no dia a dia. 18
  • 20. O grande problema nesse estilo de vida é que uma hora a conta chega, e quando ela vem, muitas vezes você vai ter que se desfazer de tudo o que comprou (e que na maioria das vezes não é seu, pois é financiado) para pagar as dívidas. O pior são aquelas pessoas que mesmo possuindo o bem, estão tão apegados a eles que mesmo no momento de dificuldade não aceitam se desfazer do bem com medo do julgamento dos outros, e acabam se afundando em mais e mais dívidas. Repense seus valores e crenças! É possível viver uma vida digna com menos do que você vive hoje e ainda construir um futuro próspero sem deixar de viver bons momentos no presente! 19
  • 22. Me responda, quando você vai viajar para um lugar que você não conhece, é natural que pesquise informações sobre esse local antes, não é verdade? Acredito que você vai pesquisar o caminho que precisa pegar, a distância que vai percorrer até destino, vai procurar saber se existe algum supermercado localidade, assim você programa a quantidade de comida que deve levar, pontos turísticos, custos e etc... Ou seja, várias pesquisas para que sua viagem e estadia no destino sejam a melhor possível. Com suas dívidas é preciso fazer o mesmo! É necessário mapear suas dívidas, colocar no papel três informações básicas e essenciais nesse mapeamento: Quanto está devendo? Para quem está devendo? Qual a taxa de juros de cada dívida? Após registrar todas essas informações, você vai conhecer a sua realidade devedora e estará apto a pular para o próximo passo. 21
  • 23. Nessa segunda etapa você precisa organizar seu orçamento. Você precisa anotar todo o dinheiro que entra mensalmente para você, salário, renda extra, alugueis, bônus e etc. É importante que nesse momento você seja muito sincero com você mesmo! Não adianta você colocar um dinheiro que ainda não existe, como por exemplo um dinheiro proveniente da venda de um terreno, casa, carro ou etc. Registre apenas o que realmente entra mensalmente, o que é certeza que terá no fim do mês. Após registrar seus rendimentos, você vai registrar todas as suas despesas mensais. Eu gosto de separar as despesas em duas colunas distintas, as despesas obrigatórias e despesas não obrigatórias. Tudo o que envolva seu lar e a manutenção da sua vida entra na parte de obrigatórias, como por exemplo: Aluguel ou prestação da casa, condomínio, água, energia, gás, impostos e etc. As não obrigatórias são aquelas que você pode cancelar a qualquer momento, por exemplo: TV a Cabo, academia, alguma assinatura de aplicativos ou revistas, restaurantes, festas e etc. Volto a dizer sobre a importância de você ser honesto com você mesmo, separando fielmente o que é obrigatório e o que não é. 22
  • 24. Depois de registrar as entradas e saídas, você vai descobrir qual é o seu fluxo de caixa, para isso basta pegar o valor das entradas e reduzir o total das despesas. O valor que sobrar é o seu fluxo de caixa. Pode ser que o seu resultado seja negativo, fruto de gastos maiores que os ganhos, então será necessário cortar despesas, começando pelas não obrigatórias e reduzindo as obrigatórias, utilizando dicas do dia a dia como demorar menos no chuveiro, apagar as luzes de ambientes vazios, quem sabe até mudar para uma casa com aluguel mais barato e várias outras possibilidades. O mais importante aqui é conseguir fazer o seu fluxo de caixa ser positivo, caso não tenha mais onde cortar, é preciso que você coloque o passo 6 em ação para tornar seu fluxo positivo. Quando conseguir encontrar um fluxo de caixa positivo, você encontrará a sua capacidade de pagamento das dívidas! 23
  • 25. Agora que você já sabe quanto deve e para quem deve, passou a conhecer a sua capacidade de pagamento, está na hora de negociar com seus credores! A minha dica nesse momento é que você sempre procure pagar primeiro as dívidas que tem a maior taxa de juros, pois essa taxa pode dobrar a sua dívida em poucos meses. Mas existem casos de clientes que optaram por pagar as dívidas de valores mais baixos em primeiro lugar, pois saber que estavam conseguindo paga-las gerava um estimulo a mais para continuar lutando para sair dessa situação. Uma boa alternativa é você procurar trocar as dívidas mais caras por dívidas mais baratas. Um exemplo: Cartão de crédito e cheque especial tem as maiores taxas de juros mensais hoje no país, um empréstimo pessoal tem taxas muito menores, então porque não fazer um empréstimo pessoal a taxas baixas para pagar o cartão que tem taxas bem altas? 24
  • 26. Talvez você esteja se perguntando o motivo desse passo estar depois da negociação, mas na verdade você vai ler todos os passos antes de sair por aí negociando, não é mesmo? Então, esse passo está aqui para trazer mais detalhes sobre as negociações que você vai fazer e algumas dicas caso elas não sejam bem-sucedidas. Antes de começar os pagamentos, aconselho você a procurar todos os credores, fazer sua proposta, ouvir a contraparte, encontrar uma proposta que atenda sua capacidade de pagamento, veja quem está mais disposto a te ajudar e dê sempre preferência a quem mais ajuda. Acredite, sempre existem outras opções antes de aceitar aquela proposta meia boca que seu credor ofereceu. E na verdade, nunca aceite a primeira proposta, sempre procure melhorar as condições, ele quer receber e você quer pagar, diga a ele que sua capacidade de pagamento só permite assumir o compromisso se for dessa forma que você está apresentando, caso contrário não vai conseguir cumprir com o acordo e você dará a preferência a quem te ajudar. 25
  • 27. Sempre, mas sempre mesmo, peça desconto a vista. As vantagens para quem tem todo o dinheiro disponível para pagamento são muito maiores do que aqueles que ainda vão pagar em prestações, pois o risco de uma nova inadimplência ainda existe e por isso os juros são cobrados. Caso perceba em alguma negociação que o credor está sendo abusivo quanto a cobrança de juros, ou irredutível quanto a um melhor acordo, procure ajuda dos órgãos de proteção ao consumidor, explique a situação e procure saber quais são seus direitos e deveres nessa situação. 26
  • 28. Pode parecer brincadeira esse quinto passo, mas é verdade. Muitas pessoas saem para negociar, assumem o compromisso de pagar aquele valor, mas não muito tempo depois acabam deixando de pagar aquele acordo. Vários podem ser os fatores que te impeçam de arcar com esse compromisso, sabemos que situações extraordinárias acontecem a todo momento, mas tente se planejar financeiramente de uma forma que você não deixe de cumprir com esses acordos. Nesse momento um planejamento financeiro vai te ajudar muito. Faz total sentido você sacrificar um mês de desejos pessoais para juntar uma graninha a mais e já resolver sua situação com determinado credor. Essa situação será passageira na sua vida, e ela só está existindo por más escolhas do passado. Comece desde já a mudança de mentalidade financeira para que sua vida seja muito mais próspera do que já foi até hoje! 27
  • 29. Esse passo existe justamente para adiantar o processo de pagamento das dívidas. Se você tem um fluxo de caixa positivo, fazer mais dinheiro vai te ajudar a se livrar mais rapidamente dessas dívidas e ter mais qualidade de vida muito mais rápido que a maioria, mas se você não tem um fluxo de caixa positivo, esse passo serve como dica para que você possa criar novas alternativas de renda e ajudar na resolução da sua situação. Em um primeiro momento procure tudo o que possa ser vendido dentro da sua casa. Todos os itens que você não usa mais, faça um bazar com roupas que já não cabem ou não usa, venda qualquer objeto que você tenha e que não seja necessário para o dia a dia. Se tiver um carro, venda-o e resolva o seu problema o mais rápido possível, caso dependa do carro, troque por um modelo mais barato e pegue o dinheiro da diferença, use-o para ajudar na quitação das dívidas. 28
  • 30. Se já vendeu tudo o que podia mas ainda precisa de dinheiro, procure novas fontes de renda extra. Quais são suas habilidades? Conhecendo suas habilidades fica mais fácil oferecer um determinado produto ou serviço que pode te gerar uma renda extra. Talvez uma aula particular de violão, ou aula de inglês, digitação de trabalhos, construção de sites na internet, fazer comidas para vender (bolos, pães, doces...). Descubra novas alternativas de renda extra caso não tenha uma habilidade especifica, passear com cachorros é uma atividade que está crescendo muito e a demanda está bem alta, cuidar de jardins, garçom em festas e eventos. São várias possibilidades de conseguir renda extra e aumentar seus ganhos mensais facilitando o pagamento das dívidas em tempo recorde. Basta você se dedicar e querer sair dessa situação! 29
  • 31. Último passo, mas não menos importante é organizar seu orçamento. Após cumprir todos os passos anteriores é hora de sentar e organizar suas entradas e saídas. Comece planejando os gastos para o resto do ano. É uma atividade prazerosa de se fazer, dedique ao menos meia hora por semana para executar essa atividade. O primeiro passo para você organizar seu orçamento é entender as suas despesas. Monitore todos os seus gastos, tenha o hábito de anotar tudo o que gasta, até aquela balinha que você compra dentro do ônibus. Essas atitudes vão te ajudar a entender como você gasta seu dinheiro e te auxiliam nas futuras tomadas de decisões, pois você sabe o que vai fazer diferença na sua vida se você tiver ou não tiver. Reúna todos os comprovantes que você tenha de pagamentos efetuados e vá registrando os valores em sua planilha em todos os meses do ano. Aqueles gastos referentes a impostos, seguros e outras despesas que são feitas 30
  • 32. apenas uma vez ao ano, divida o valor por doze meses e registre no seu planejamento o valor mensal referente a cada mês. O mesmo vale para despesas com veículo, as manutenções de rotina que são feitas com o passar do tempo. Some os gastos do ano e divida por doze meses para encontrar a média mensal dos seus gastos. Essa é a melhor forma de você identificar o valor real dos seus gastos mensais. Agindo dessa forma você consegue se planejar melhor para futuras compras. É importante que dentro do seu planejamento financeiro, você separe uma parte do seu salário para investir em você e no seu futuro! Eu costumo indicar que você guarde 20% da sua renda, sendo 10% para o futuro e 10% para um objetivo de curto/médio prazo. Mas lembrando que esses investimentos devem ser feitos após você ter se libertado das dívidas, no primeiro momento seus esforços devem estar direcionados a sair dessa situação. 31
  • 34. Durante e após esse período de pagamento das dívidas, é importante que você já comece mudando a sua mentalidade sobre o dinheiro. Colocando em prática todos os passos do tópico anterior você estará no caminho para uma vida mais próspera e equilibrada, mas é necessário que você continue seguindo algumas dicas para que isso seja mais fácil e prazeroso. 33
  • 35. Evite entrar em novos parcelamentos, crie o hábito de juntar o dinheiro para comprar a vista. Evite sair com volumes grandes de dinheiro e cartões de crédito, em um momento de “tristeza” você pode querer compensar com uma “comprinha”. NÃO FAÇA NOVAS DÍVIDAS 34
  • 36. SEPARE SEU ORÇAMENTO EM POTES Uma das formas mais utilizadas para um equilíbrio financeiro é a Teoria dos Potes Financeiros, onde cada pote é responsável por uma área da sua vida e você destina uma porcentagem do seu salário para cada um desses potes. Existem várias dicas de divisão desses potes, mas a mais utilizada é a 50-30-20, sendo: 50% destinado para o pote dos gastos essenciais (moradia, alimentação, transporte); 30% destinado para o pote dos desejos (restaurantes, academia, tv por assinatura); 20% destinado para o pote dos investimentos (curto, médio e longo prazo); 35
  • 37. Um dos grandes erros da maioria dos brasileiros é esperar sobrar para investir, quando na verdade o hábito comum deveria ser investir primeiro e viver com o que sobrar. Esse é um dos “truques” que servem para mudar sua mentalidade sobre o dinheiro. Primeiro você se paga e vive com o resto. Acredite em mim, você consegue! INVERTA SEUS “VALORES” FINANCEIROS 36
  • 39. Mais importante que todas essas informações compartilhadas no ebook é você ter aprendido com essa situação que viveu e não repetir os mesmos erros! Para isso, mantenha-se focado em controlar e organizar seu orçamento pessoal, só assim conseguirá se manter saudável financeiramente. A mudança de mentalidade e de hábitos são os aspectos principais para uma vida financeira mais equilibrada. Você deve ter percebido que sair do endividamento é possível, basta ter calma e um método nas mãos, depois é só colocar tudo em prática partindo para a ação. Só depende de você! 38
  • 40. “Olá” Sou Mayewski Fardin Especialista em Finanças Pessoais Uma breve apresentação do meu perfil profissional. Coach Financeiro Practitioner pelo ICF/RJ Gestor em Finanças Pessoais pela ESAF/DF Consultor de Investimentos Trader Profissional na B3
  • 41. Conheça mais sobre esse programa em: https://bit.ly/2SLOgn1 Um programa de mentoria capaz de tirar você das dívidas e transforma-lo em investidor! São 7 semanas de aulas gravadas e ao vivo, trabalhando desde os conceitos mais básicos de finanças pessoais e economia, até temas mais avançados como investimentos em ações. Meu compromisso é transformar sua vida!