SlideShare uma empresa Scribd logo
O LUTO
(VIDA ADULTA TARDIA)
UNIVERSIDADE CATÓLICA DE ANGOLA
FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS
CURSO DE PSICOLOGIA DO TRABALHO E DAS ORGANIZAÇÕES/CLÍNICA
TRABALHO DE PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO
O LUTO
(VIDAADULTA TARDIA)
DISCENTES DO 3ºANO
GRUPO 7
Amélia Kwaya - 12196
Dilson Francisco – 13363
Esperança Luamba - 12833
Esmeraldina Costa- 12356
Teresa. Napoleão- 12654
Yara Agostinho- 12914 LUANDA, 2016
DOCENTE
João Saveia
Introdução
Nos foi dada a incumbências de versarmos sobre o Luto, no contexto
da vida adulta tardia, embora desde a infância já se pode viver este
fenómeno que ninguém pode escapar, até mesmo os animais,
deixando-nos num estado de choque, a tristeza, a raiva, a hostilidade,
a solidão, a agitação, a ansiedade e a fadiga onde com tempo
superamos.
Esperamos pois, que todos saiam saciados desta alimentação
intelectual por nós preparada para convosco partilhar.
O que é o Luto?
Etmologicamente, a palavra luto, provem do latim Luctus, que
significa “dor, pesar, aflição”, relacionada a palavra Lugere, “lamentar,
sofrer ou chorar pela perda de alguém”.
Segundo o Dicionário de Psicologia de A a Z (2013, p. 150), “luto é
uma reacção psicológica à perda de um objecto (coisa ou pessoa), real
ou simbólico.
Segundo John Bowlby, o luto é um conjunto de reacções a uma
perda significativa, geralmente pela morte de outro ser.
Com base os diferentes conceitos de luto, nós compreendemos
que o luto é um conjunto de reacções psicológicas relativas à perda
de uma pessoa, coisa ou ideal de que nos apegamos.
Teoria do Apego de John Bowlby
 A teoria do apego nos auxilia a entender a tendência dos seres
humanos de estabelecer fortes laços afetivos com outros, assim como a
compreender a forte reação emocional que ocorre quando esses laços
afetivos são ameaçados ou rompidos.
Como se caracteriza o luto?
Duas características muito comuns de luto, o choro e a
raiva.
Outra característica inicial do processo de luto acontece
pelas relembranças da perda, aliadas ao sentimento de
tristeza, choro, a inibição e o retrair-se sobre si da
pessoa gravemente enlutada, a perda de interesse por
tudo o que não diz respeito ao objecto perdido, a perda
do gosto de viver e de escolher novos objectos de amor
aparecem como consequência económica da
mobilização de toda a energia psíquica disponível para
realizar a prova de realidade relactivamente à perda de
objecto que recusada nas camadas profundas do
inconsciente.
Tipos de Luto
O luto pode ser normal ou patológico.
Se o luto permanece não resolvido ao longo de tempo, durante vários
anos, por vezes, para o resto da vida da pessoa, interferindo no estado
emocional da pessoa e condicionando significativamente a sua vida.
Nestes casos, estamos perante uma situação de luto patológico o contrário
é o luto normal.
Luto patológico caracteriza-se por uma diversidade de manifestações
clínicas nomeadamente (Parkes, 1998):
Reacções de luto cronicas;
Reacções de luto inibidas;
Reacções de luto exageradas;
Reacções de luto mascaradas.
O Luto na infância
O CONCEITO DE MORTE PARAAS CRIANÇAS
Lucélia E. Paiva (2011), fez um estudo sobre a aquisição do conceito
de morte pelas crianças, de acordo com os estágios estabelecidos por
Jean Piaget(1987, 1996). Aponta as seguintes diferenças para cada estágio:
1. Período Sensório-motor: crianças de 0 a 2 anos (antes da
aquisição da linguagem)
2. Período Pré-operacional: crianças de 3 a 5 anos
3. Período Operacional: crianças de 6 a 9 anos
4. Período de Operações Formais: crianças de 10 anos até a
adolescência
PESAR DO LUTO NA INFÂNCIA
Torres (1999), citando Bowlby, afirma que a criança é capaz de enlutar-se
tanto quanto o adulto, identificando três etapas principais no processo natural
do luto infantil:
1. Protesto
2. Desespero e desorganização da personalidade
3. Esperança
Primeiro aparece uma negação de qualquer
necessidade de dependência. “Não necessito de meus
pais”, diz o adolescente com ar de desafio. “São
superprotectores, interferem em minha vida. Tem
duas caras e são arrogantes.” Todavia, rejeita a sua
necessidade de uma figura estável para a qual possa
se voltar. Ele necessita de receber ajuda e apoio de
alguém e, enquanto não aceitar este facto, se
queixará de solidão e aborrecimento. Há também
uma sensação de sofrimento nos adolescentes apesar
de fingirem em público, choram sozinho.
O luto na adolescência
E COMO É O
LUTO NA FASE
ADULTA?
Nós apreendemos que as pessoas sentem a dor, o pesar e até
lamentam ou choram pela perda de alguém ou de algo
quando se apegam aos mesmos.
É MARCADO POR TRÊS REACÇÕES:
Negação
Aceitação
Recuperação
Como vimos, a aceitação da morte do ente querido
é seguida muitas vezes, nos primeiros tempos, por
falsas sensações de que o defunto ainda está presente
(negação), Pouco a pouco o sentido de realidade
prevalece (aceitação) e compreendemos que “a vida
deve continuar” (recuperação).
Outras formas de perda
Acabamos de descrever reacções psicológicas diante da morte de um ente
querido. Porém, o mesmo processo de negação, aceitação e recuperação, se
verifica ao enfrentarem-se outras perdas importantes, como: A perda de uma
parte do corpo, A perda de objectos inanimados, A perda de categoria, A
transição para outra etapa ou fase da vida e outras.
AS FASES DO PROCESSO DE TRANSIÇÃO DO LUTO
Bowlby e outros autores consideram estas reacções e estabelecem quatro
fases para melhor explicar tais reacções:
Fase de Entorpecimento
Fase de Anseio e Protesto
Fase de Desespero
Fase da recuperação e restituição
Alguns rituais cerimoniais fúnebres
O luto tem diferentes formas de manifestação ou expressão em culturas
distintas:
Às vezes é um ritual comtemplar o cadáver;
Passar por debaixo do caixão os filho ou alguns familiares próximos do
cadáver;
Na cerimônia é devolvido à terra de onde veio, dedica-se algumas
palavras de inevitabilidade “pó és e pó te converterás” e de esperança;
Apos ao enterro na casa da família enlutada é posta uma banheira com
água na qual todos os que vêm do cemitério deverão lavar as mãos;
Na maioria das religiões inclui a promessa de que chegará um dia no
qual aqueles que agora estão de luto se reunirão com os seus mortos
queridos.
O luto slid   ucan.2016
Considerações finais
Contudo, a morte faz parte da existência humana
e, a cada dia, nós nos deparamos com essa
possibilidade, a criança percebe a morte de forma
diferente do adulto, de acordo com faixa etária e
condições cognitivas. O processo de luto acontece
tanto na infância como na vida adulta.
Reflexão…
Obrigado pela sua
atenção…

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Aroldo Gavioli
 
Psicologia e morte
Psicologia e mortePsicologia e morte
Psicologia e morte
Ana Patricia Borges
 
A morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerA morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrer
Eliane Santos
 
A morte e o morrer! ( Leonardo Pereira).
A morte e o morrer! ( Leonardo Pereira). A morte e o morrer! ( Leonardo Pereira).
A morte e o morrer! ( Leonardo Pereira).
Leonardo Pereira
 
Aula III A psicologia hospitalar e a
Aula III    A psicologia hospitalar e aAula III    A psicologia hospitalar e a
Aula III A psicologia hospitalar e a
Artur Mamed
 
Depressão e Suicício
Depressão e SuicícioDepressão e Suicício
Depressão e Suicício
Laís Maria da Cruz
 
Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização
Inaiara Bragante
 
Grupo de humanização ao luto
Grupo de humanização ao lutoGrupo de humanização ao luto
apresentação luto beta 2.pptx
apresentação luto beta 2.pptxapresentação luto beta 2.pptx
apresentação luto beta 2.pptx
JooMurta3
 
História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
Andressa Macena
 
Mecanismos de defesa do ego
Mecanismos de defesa do egoMecanismos de defesa do ego
Mecanismos de defesa do ego
Silvia Marina Anaruma
 
Setembro amarelo
Setembro amareloSetembro amarelo
Setembro amarelo
Helio Cruz
 
Saúde mental
Saúde mentalSaúde mental
Saúde mental
Alinebrauna Brauna
 
Falando abertamente sobre suicidio
Falando abertamente sobre suicidioFalando abertamente sobre suicidio
Falando abertamente sobre suicidio
Robson Peixoto
 
Palestra Setembro Amarelo
Palestra Setembro AmareloPalestra Setembro Amarelo
Palestra Setembro Amarelo
Psicologia Conexão
 
Saúde Mental
Saúde Mental Saúde Mental
Saúde Mental
Marco Aurélio Leão
 
Morte e Luto
Morte e Luto Morte e Luto
Morte e Luto
KARINA ROCHA GALDF
 
Aula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátrica
Aroldo Gavioli
 
Foucault e a História da Loucura
Foucault e a História da LoucuraFoucault e a História da Loucura
Foucault e a História da Loucura
Bruno Carrasco
 

Mais procurados (20)

Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
 
Psicologia e morte
Psicologia e mortePsicologia e morte
Psicologia e morte
 
A morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerA morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrer
 
A morte e o morrer! ( Leonardo Pereira).
A morte e o morrer! ( Leonardo Pereira). A morte e o morrer! ( Leonardo Pereira).
A morte e o morrer! ( Leonardo Pereira).
 
Aula III A psicologia hospitalar e a
Aula III    A psicologia hospitalar e aAula III    A psicologia hospitalar e a
Aula III A psicologia hospitalar e a
 
Depressão e Suicício
Depressão e SuicícioDepressão e Suicício
Depressão e Suicício
 
Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização
 
Grupo de humanização ao luto
Grupo de humanização ao lutoGrupo de humanização ao luto
Grupo de humanização ao luto
 
apresentação luto beta 2.pptx
apresentação luto beta 2.pptxapresentação luto beta 2.pptx
apresentação luto beta 2.pptx
 
História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
Mecanismos de defesa do ego
Mecanismos de defesa do egoMecanismos de defesa do ego
Mecanismos de defesa do ego
 
Setembro amarelo
Setembro amareloSetembro amarelo
Setembro amarelo
 
Saúde mental
Saúde mentalSaúde mental
Saúde mental
 
Falando abertamente sobre suicidio
Falando abertamente sobre suicidioFalando abertamente sobre suicidio
Falando abertamente sobre suicidio
 
Palestra Setembro Amarelo
Palestra Setembro AmareloPalestra Setembro Amarelo
Palestra Setembro Amarelo
 
Saúde Mental
Saúde Mental Saúde Mental
Saúde Mental
 
Morte e Luto
Morte e Luto Morte e Luto
Morte e Luto
 
Aula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátrica
 
Foucault e a História da Loucura
Foucault e a História da LoucuraFoucault e a História da Loucura
Foucault e a História da Loucura
 

Semelhante a O luto slid ucan.2016

A elaboração da morte
A elaboração da morteA elaboração da morte
A elaboração da morte
Doroteia Múrcia Souza
 
Síntese aula 7.pptx
Síntese aula 7.pptxSíntese aula 7.pptx
Síntese aula 7.pptx
GabrielySousa2
 
SÉRIE FOTOGRÁFICA - O Prazer Afetivo Da Resignação (2012)
SÉRIE FOTOGRÁFICA - O Prazer Afetivo Da Resignação (2012)SÉRIE FOTOGRÁFICA - O Prazer Afetivo Da Resignação (2012)
SÉRIE FOTOGRÁFICA - O Prazer Afetivo Da Resignação (2012)
Sarita Birth
 
FINITUDE, MORTE E MORRER.pdf
FINITUDE, MORTE E MORRER.pdfFINITUDE, MORTE E MORRER.pdf
FINITUDE, MORTE E MORRER.pdf
IsadoraPereira32
 
A morte - Curso de Escatologia (6)
A morte - Curso de Escatologia (6)A morte - Curso de Escatologia (6)
A morte - Curso de Escatologia (6)
Afonso Murad (FAJE)
 
45 a intervenção psicológica na terminalidade, voltada para paciente e família
45   a intervenção psicológica na terminalidade, voltada para paciente e família45   a intervenção psicológica na terminalidade, voltada para paciente e família
45 a intervenção psicológica na terminalidade, voltada para paciente e família
ONCOcare
 
Corpo e temporalidade
Corpo e temporalidadeCorpo e temporalidade
Corpo e temporalidade
Seila Merida
 
Corpo e temporalidade
Corpo e temporalidadeCorpo e temporalidade
Corpo e temporalidade
Seila Merida
 
As 5 fases do luto.docx
As 5 fases do luto.docxAs 5 fases do luto.docx
As 5 fases do luto.docx
RoseliGeaVerissimoFe
 
Instituto Espírita de Educação - Perdas e Luto
Instituto Espírita de Educação - Perdas e LutoInstituto Espírita de Educação - Perdas e Luto
Instituto Espírita de Educação - Perdas e Luto
Instituto Espírita de Educação
 
00.FALTA_Psicologia_da_Morte.pdf
00.FALTA_Psicologia_da_Morte.pdf00.FALTA_Psicologia_da_Morte.pdf
00.FALTA_Psicologia_da_Morte.pdf
Gabinete De Psicologia
 
As crianças e jovens no mundo espiritual - Meimei 75 anos de desencarne
As crianças e jovens no mundo espiritual   - Meimei 75 anos de desencarne As crianças e jovens no mundo espiritual   - Meimei 75 anos de desencarne
As crianças e jovens no mundo espiritual - Meimei 75 anos de desencarne
ADALBERTO COELHO DA SILVA JR
 
Como lidar com a morte
Como lidar com a morte Como lidar com a morte
Como lidar com a morte
Felipe Cruz
 
Mens sana in corporis sano
Mens sana in corporis sanoMens sana in corporis sano
Mens sana in corporis sano
Dr. Walter Cury
 
Morte blog
Morte blogMorte blog
Morte blog
Simone Cristina
 
O luto, trab. psicologia do desenvolvimento, 3º ano, ucan, 2016
O luto, trab. psicologia do desenvolvimento, 3º ano, ucan, 2016O luto, trab. psicologia do desenvolvimento, 3º ano, ucan, 2016
O luto, trab. psicologia do desenvolvimento, 3º ano, ucan, 2016
Dilson Francisco
 
Suicídio conhecer para prevenir
Suicídio conhecer para prevenirSuicídio conhecer para prevenir
Suicídio conhecer para prevenir
Abel Sidney Souza
 
Inversão epistemológica | carolina buoro 2016
Inversão epistemológica | carolina buoro 2016Inversão epistemológica | carolina buoro 2016
Inversão epistemológica | carolina buoro 2016
Escola de Biodanza Rio de Janeiro
 
Reproducao palestra na avtsm
Reproducao palestra na avtsmReproducao palestra na avtsm
Reproducao palestra na avtsm
Ana Rauber
 
Resenha espirita on line 129
Resenha espirita on line 129Resenha espirita on line 129
Resenha espirita on line 129
MRS
 

Semelhante a O luto slid ucan.2016 (20)

A elaboração da morte
A elaboração da morteA elaboração da morte
A elaboração da morte
 
Síntese aula 7.pptx
Síntese aula 7.pptxSíntese aula 7.pptx
Síntese aula 7.pptx
 
SÉRIE FOTOGRÁFICA - O Prazer Afetivo Da Resignação (2012)
SÉRIE FOTOGRÁFICA - O Prazer Afetivo Da Resignação (2012)SÉRIE FOTOGRÁFICA - O Prazer Afetivo Da Resignação (2012)
SÉRIE FOTOGRÁFICA - O Prazer Afetivo Da Resignação (2012)
 
FINITUDE, MORTE E MORRER.pdf
FINITUDE, MORTE E MORRER.pdfFINITUDE, MORTE E MORRER.pdf
FINITUDE, MORTE E MORRER.pdf
 
A morte - Curso de Escatologia (6)
A morte - Curso de Escatologia (6)A morte - Curso de Escatologia (6)
A morte - Curso de Escatologia (6)
 
45 a intervenção psicológica na terminalidade, voltada para paciente e família
45   a intervenção psicológica na terminalidade, voltada para paciente e família45   a intervenção psicológica na terminalidade, voltada para paciente e família
45 a intervenção psicológica na terminalidade, voltada para paciente e família
 
Corpo e temporalidade
Corpo e temporalidadeCorpo e temporalidade
Corpo e temporalidade
 
Corpo e temporalidade
Corpo e temporalidadeCorpo e temporalidade
Corpo e temporalidade
 
As 5 fases do luto.docx
As 5 fases do luto.docxAs 5 fases do luto.docx
As 5 fases do luto.docx
 
Instituto Espírita de Educação - Perdas e Luto
Instituto Espírita de Educação - Perdas e LutoInstituto Espírita de Educação - Perdas e Luto
Instituto Espírita de Educação - Perdas e Luto
 
00.FALTA_Psicologia_da_Morte.pdf
00.FALTA_Psicologia_da_Morte.pdf00.FALTA_Psicologia_da_Morte.pdf
00.FALTA_Psicologia_da_Morte.pdf
 
As crianças e jovens no mundo espiritual - Meimei 75 anos de desencarne
As crianças e jovens no mundo espiritual   - Meimei 75 anos de desencarne As crianças e jovens no mundo espiritual   - Meimei 75 anos de desencarne
As crianças e jovens no mundo espiritual - Meimei 75 anos de desencarne
 
Como lidar com a morte
Como lidar com a morte Como lidar com a morte
Como lidar com a morte
 
Mens sana in corporis sano
Mens sana in corporis sanoMens sana in corporis sano
Mens sana in corporis sano
 
Morte blog
Morte blogMorte blog
Morte blog
 
O luto, trab. psicologia do desenvolvimento, 3º ano, ucan, 2016
O luto, trab. psicologia do desenvolvimento, 3º ano, ucan, 2016O luto, trab. psicologia do desenvolvimento, 3º ano, ucan, 2016
O luto, trab. psicologia do desenvolvimento, 3º ano, ucan, 2016
 
Suicídio conhecer para prevenir
Suicídio conhecer para prevenirSuicídio conhecer para prevenir
Suicídio conhecer para prevenir
 
Inversão epistemológica | carolina buoro 2016
Inversão epistemológica | carolina buoro 2016Inversão epistemológica | carolina buoro 2016
Inversão epistemológica | carolina buoro 2016
 
Reproducao palestra na avtsm
Reproducao palestra na avtsmReproducao palestra na avtsm
Reproducao palestra na avtsm
 
Resenha espirita on line 129
Resenha espirita on line 129Resenha espirita on line 129
Resenha espirita on line 129
 

Último

Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
CamilaSouza544051
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
tamirissousa11
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 

Último (20)

Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 

O luto slid ucan.2016

  • 2. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE ANGOLA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE PSICOLOGIA DO TRABALHO E DAS ORGANIZAÇÕES/CLÍNICA TRABALHO DE PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO O LUTO (VIDAADULTA TARDIA) DISCENTES DO 3ºANO GRUPO 7 Amélia Kwaya - 12196 Dilson Francisco – 13363 Esperança Luamba - 12833 Esmeraldina Costa- 12356 Teresa. Napoleão- 12654 Yara Agostinho- 12914 LUANDA, 2016 DOCENTE João Saveia
  • 3. Introdução Nos foi dada a incumbências de versarmos sobre o Luto, no contexto da vida adulta tardia, embora desde a infância já se pode viver este fenómeno que ninguém pode escapar, até mesmo os animais, deixando-nos num estado de choque, a tristeza, a raiva, a hostilidade, a solidão, a agitação, a ansiedade e a fadiga onde com tempo superamos. Esperamos pois, que todos saiam saciados desta alimentação intelectual por nós preparada para convosco partilhar.
  • 4. O que é o Luto? Etmologicamente, a palavra luto, provem do latim Luctus, que significa “dor, pesar, aflição”, relacionada a palavra Lugere, “lamentar, sofrer ou chorar pela perda de alguém”. Segundo o Dicionário de Psicologia de A a Z (2013, p. 150), “luto é uma reacção psicológica à perda de um objecto (coisa ou pessoa), real ou simbólico. Segundo John Bowlby, o luto é um conjunto de reacções a uma perda significativa, geralmente pela morte de outro ser. Com base os diferentes conceitos de luto, nós compreendemos que o luto é um conjunto de reacções psicológicas relativas à perda de uma pessoa, coisa ou ideal de que nos apegamos.
  • 5. Teoria do Apego de John Bowlby  A teoria do apego nos auxilia a entender a tendência dos seres humanos de estabelecer fortes laços afetivos com outros, assim como a compreender a forte reação emocional que ocorre quando esses laços afetivos são ameaçados ou rompidos.
  • 6. Como se caracteriza o luto? Duas características muito comuns de luto, o choro e a raiva. Outra característica inicial do processo de luto acontece pelas relembranças da perda, aliadas ao sentimento de tristeza, choro, a inibição e o retrair-se sobre si da pessoa gravemente enlutada, a perda de interesse por tudo o que não diz respeito ao objecto perdido, a perda do gosto de viver e de escolher novos objectos de amor aparecem como consequência económica da mobilização de toda a energia psíquica disponível para realizar a prova de realidade relactivamente à perda de objecto que recusada nas camadas profundas do inconsciente.
  • 7. Tipos de Luto O luto pode ser normal ou patológico. Se o luto permanece não resolvido ao longo de tempo, durante vários anos, por vezes, para o resto da vida da pessoa, interferindo no estado emocional da pessoa e condicionando significativamente a sua vida. Nestes casos, estamos perante uma situação de luto patológico o contrário é o luto normal. Luto patológico caracteriza-se por uma diversidade de manifestações clínicas nomeadamente (Parkes, 1998): Reacções de luto cronicas; Reacções de luto inibidas; Reacções de luto exageradas; Reacções de luto mascaradas.
  • 8. O Luto na infância O CONCEITO DE MORTE PARAAS CRIANÇAS Lucélia E. Paiva (2011), fez um estudo sobre a aquisição do conceito de morte pelas crianças, de acordo com os estágios estabelecidos por Jean Piaget(1987, 1996). Aponta as seguintes diferenças para cada estágio: 1. Período Sensório-motor: crianças de 0 a 2 anos (antes da aquisição da linguagem) 2. Período Pré-operacional: crianças de 3 a 5 anos 3. Período Operacional: crianças de 6 a 9 anos 4. Período de Operações Formais: crianças de 10 anos até a adolescência
  • 9. PESAR DO LUTO NA INFÂNCIA Torres (1999), citando Bowlby, afirma que a criança é capaz de enlutar-se tanto quanto o adulto, identificando três etapas principais no processo natural do luto infantil: 1. Protesto 2. Desespero e desorganização da personalidade 3. Esperança
  • 10. Primeiro aparece uma negação de qualquer necessidade de dependência. “Não necessito de meus pais”, diz o adolescente com ar de desafio. “São superprotectores, interferem em minha vida. Tem duas caras e são arrogantes.” Todavia, rejeita a sua necessidade de uma figura estável para a qual possa se voltar. Ele necessita de receber ajuda e apoio de alguém e, enquanto não aceitar este facto, se queixará de solidão e aborrecimento. Há também uma sensação de sofrimento nos adolescentes apesar de fingirem em público, choram sozinho. O luto na adolescência
  • 11. E COMO É O LUTO NA FASE ADULTA?
  • 12. Nós apreendemos que as pessoas sentem a dor, o pesar e até lamentam ou choram pela perda de alguém ou de algo quando se apegam aos mesmos. É MARCADO POR TRÊS REACÇÕES: Negação Aceitação Recuperação
  • 13. Como vimos, a aceitação da morte do ente querido é seguida muitas vezes, nos primeiros tempos, por falsas sensações de que o defunto ainda está presente (negação), Pouco a pouco o sentido de realidade prevalece (aceitação) e compreendemos que “a vida deve continuar” (recuperação).
  • 14. Outras formas de perda Acabamos de descrever reacções psicológicas diante da morte de um ente querido. Porém, o mesmo processo de negação, aceitação e recuperação, se verifica ao enfrentarem-se outras perdas importantes, como: A perda de uma parte do corpo, A perda de objectos inanimados, A perda de categoria, A transição para outra etapa ou fase da vida e outras. AS FASES DO PROCESSO DE TRANSIÇÃO DO LUTO Bowlby e outros autores consideram estas reacções e estabelecem quatro fases para melhor explicar tais reacções: Fase de Entorpecimento Fase de Anseio e Protesto Fase de Desespero Fase da recuperação e restituição
  • 15. Alguns rituais cerimoniais fúnebres O luto tem diferentes formas de manifestação ou expressão em culturas distintas: Às vezes é um ritual comtemplar o cadáver; Passar por debaixo do caixão os filho ou alguns familiares próximos do cadáver; Na cerimônia é devolvido à terra de onde veio, dedica-se algumas palavras de inevitabilidade “pó és e pó te converterás” e de esperança; Apos ao enterro na casa da família enlutada é posta uma banheira com água na qual todos os que vêm do cemitério deverão lavar as mãos; Na maioria das religiões inclui a promessa de que chegará um dia no qual aqueles que agora estão de luto se reunirão com os seus mortos queridos.
  • 17. Considerações finais Contudo, a morte faz parte da existência humana e, a cada dia, nós nos deparamos com essa possibilidade, a criança percebe a morte de forma diferente do adulto, de acordo com faixa etária e condições cognitivas. O processo de luto acontece tanto na infância como na vida adulta. Reflexão…