SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Lâmpadas Tubulares de Conservação Energética T5 – Projecto experimental
I. Introdução
1. Lâmpadas tubulares de conservação energética T5
As lâmpadas tubulares de conservação energética T5 são luminárias que podem
substituir directamente as lâmpadas tradicionais T8. As características da fonte
luminosa e a qualidade de iluminação das lâmpadas tubulares T5 são iguais às
lâmpadas tradicionais T8, o índice de restituição da cor é alto, semelhante ao da luz
natural, o fluxo luminoso é estável e a eficiência da luz é mais alta. Este tipo de
lâmpadas é mais apropriado para gabinetes e fábricas. De uma maneira geral, as
lâmpadas tubulares T5 podem conservar entre 20% a 30% mais energia do que as
lâmpadas tradicionais T8, e também têm uma vida útil mais longa, cerca do dobro ou
do triplo, do que as segundas.
As potências padrão das lâmpadas tubulares de conservação energética T5 são:
14W, 21W, 28W e 35W. Como a sua eficiência de luz é mais alta, utilizam menos
energia eléctrica para obter o mesmo nível de iluminação, por isso podem manter
inalterável a premissa do nível de iluminação. Ao optar-se por lâmpadas tubulares T5,
que consomem menos electricidade do que as T8, poupa-se na quantidade de energia
eléctrica consumida diariamente. Sobre as características técnicas das lâmpadas
tubulares T8 e T5, queira por favor consultar a seguinte tabela:
Tipos de
lâmpadas
tubulares
Potência
(W)
Fluxo
luminoso
(lm)
Potência
(lâmpadas
tubulares+balastro
electrónico) (W)
Eficiência da luz
(lm/W)
T8
(balastro de
indutância)
18
36
58
1100
2800
4600
27
47
71
40.7
59.6
64.8
T5
(balastro
electrónico)
14
21
28
35
1150
2100
2900
3650
18
25
32
39
63.9
84
90.6
93.6
As lâmpadas tubulares T8 podem ser usadas com balastro de indutância ou com
balastro electrónico, porém, as lâmpadas tubulares T5 têm que ser usadas com
balastro electrónico cujo consumo de electricidade é menor do que o do balastro de
2
indutância. Mantido o nível de iluminação inalterável, ao substituir-se as lâmpadas
tubulares T8 (com balastro de indutância) pelas T5 (com balastro electrónico), a
percentagem de conservação de electricidade é a seguinte:
Ao substituir-se as lâmpadas tubulares T8, já com balastro electrónico, pelas T5,
a percentagem de conservação de electricidade é a seguinte:
Lâmpadas
tubulares T8
Lâmpadas tubulares
de conservação
energética T5
Conservação de
energia eléctrica
(lâmpadas tubulares +
balastro electrónico)
Percentagem de
conservação de
electricidade
58W 35W 23W 39.7%
36W 28W 8W 22.2%
18W 14W 4W 22.2%
2. Métodos para trocar para lâmpadas tubulares de conservação energética T5
Actualmente, existem duas maneiras para a substituição das lâmpadas
tubulares T8 pelas T5:
1) Substituir as luminárias T8 por luminárias de conservação energética T5.
Primeiro, desligar a fonte de abastecimento eléctrico, desmontar e remover
as luminárias T8, incluindo as lâmpadas tubulares, os balastros e as armações; a
seguir, instalar as luminárias de conservação energética T5, incluindo as
Lâmpadas
tubulares T8
Lâmpadas tubulares
de conservação
energética T5
Conservação de
energia por unidade
(lâmpadas
tubulares+balastro
electrónico)
Percentagem de
conservação de
electricidade
58W 35W 32W 55.2%
36W 28W 15W 41.4%
18W 14W 9W 50%
3
armações, as lâmpadas tubulares e os balastros electrónicos, e ligar de novo à
corrente eléctrica.
2) Manter as armações das luminárias T8, substituindo as lâmpadas tubulares
T8 pelas de conservação energética T5 e usando dispositivos de ligação com
balastro electrónico que podem ser desmontados e instalados no local. Depois
de removidas as lâmpadas tubulares T8 e o arrancador (starter), instalar as
lâmpadas tubulares T5 com balastro electrónico. (Processo idêntico ao de
mudar as lâmpadas)
Retirar as lâmpadas tubulares T8 Retirar o arrancador
Instalação terminada Instalar as lâmpadas tubulares T5 com balastro electrónico
4
II. Projecto Experimental para Optimização da Conservação Energética dos
Sistemas de Iluminação
A fim de conhecer os desempenhos concretos e a eficiência das lâmpadas
tubulares de conservação energética T5, o GDSE, em cooperação com o Instituto
de Habitação, o Instituto de Formação Turística, a Direcção dos Serviços de
Administração e Função Pública, o Instituto do Desporto e a Direcção dos Serviços de
Finanças, sob a premissa de não alterar o nível de iluminação, levou a cabo o projecto
experimental para optimização da conservação energética dos sistemas de
iluminação, em que se inclui:
1) Substituição das luminárias T8 por luminárias de conservação energética
T5.
2) Substituição das lâmpadas tubulares T8 por lâmpadas tubulares de
conservação energética T5 usando dispositivos de ligação com balastro
electrónico que podem ser desmontados e instalados no local;
3) Substituição das lâmpadas tubulares dos indicadores de saída, por
lâmpadas LED.
Relativamente ao projecto referido anteriormente, foram mudadas, no total,
cerca de 10,284 luminárias. Depois da recolha e análise dos dados referentes ao
consumo energético, os benefícios de conservação energética do projecto
experimental foram de cerca de 21% a 34,3%, ou seja, conservando anualmente
703,113 kW/h.
Nome dos Serviços Número de
luminárias
mudadas
(Unidade)
Conservação de
electricidade, por
ano
(Kw/h)
Percentagem de
conservação de
electricidade
Instituto de Habitação 4,374 528,616 34.3%
Instituto de Formação
Turística
3,800 93,497 21%
Direcção dos Serviços
de Administração e
Função Pública
910 57,000 28%
Direcção dos Serviços
de Finanças e
Instituto do Desporto
1,200 24,000 21%
Total﹕ 10,284 703,113 /
5
1. Projecto experimental para optimização da conservação energética dos sistemas
de iluminação dos edifícios de habitação social
Entre 2007 e 2008, o GDSE cooperou com o Instituto de Habitação,
concretizando o projecto experimental para optimização da conservação energética
dos sistemas de iluminação das zonas comuns dos edifícios, incluindo os halls dos
elevadores, corredores e escadas, de 20 edifícios de habitação social (o Edifício D.
Angélica Lopes dos Santos, os Blocos A a C do Edifício D. Julieta Nobre de Carvalho,
Torres ABC – Tamagnini Barbosa, os Blocos 3 a 5 do Edifício Hou Kong Garden, os
Blocos A a G do Bairro Social de Fai Chi Kei, os Blocos 9 a 11 do Bairro Social da
Taipa e o Bloco 17 do Edifício San Seng Si Fa Un. Sob a premissa de não alterar o
nível de iluminação, foram substituídas cerca de 4,374 luminárias de zonas comuns de
20 edifícios de habitação social de Macau. A optimização da conservação energética
incluiu:
1) Substituição de todas as lâmpadas incandescentes e luminárias T8
(lâmpadas tubulares e balastros de indutância) por luminárias de alta
eficiência T5 (lâmpadas tubulares e balastros electrónicos), das zonas
comuns dos edifícios;
2) Substituição de todas as lâmpadas tubulares dos indicadores de saída,
por lâmpadas LED, das zonas comuns dos edifícios.
Quando o projecto de optimização energética terminou, foi possível a leitura
dos resultados relativos à conservação energética efectiva, através dos dados
recolhidos ao longo de um ano, sobre o consumo de electricidade anterior e
posterior ao Projecto (dados do consumo de electricidade nas zonas comuns,
constantes nas facturas de electricidade), de cada um dos edifícios de habitação
social. Segundo a análise desses mesmos dados, um ano após a conclusão do
projecto, o consumo de electricidade dos 20 edifícios de habitação social reduziu
528,616 kW/h em relação ao ano anterior, conservando cerca de 34,3%. Fazendo
o cálculo de 1,2 patacas por cada kWh, foi possível poupar cerca de 634,339.20
patacas.
Após a conclusão do Projecto, a média do nível de iluminação das zonas de
passagem manteve-se basicamente inalterada e em algumas zonas aumentou
sensivelmente.
6
2. Projecto experimental para optimização da conservação energética dos
sistemas de iluminação do Instituto de Formação Turística
Em 2008, o GDSE cooperou com o Instituto de Formação Turística (IFT), tendo
realizado o Projecto Experimental para Optimização da Conservação Energética dos
Sistemas de Iluminação dos Edifícios do IFT, incluindo o Restaurante Escola, o
Edifício de Inspiração, a Pousada de Mong-Há e o Edifício de Equipa, abrangendo,
entre outras zonas, os halls dos elevadores, os corredores, as escadas, as salas de aula,
os gabinetes, os parques de estacionamento, a oficina de manutenção, a cozinha
pedagógica e a biblioteca, tendo sido trocadas nos edifícios cerca de 3,800 luminárias,
no total. A optimização da conservação energética incluiu:
1) Substituição das luminárias T8 por luminárias de conservação energética
T5;
2) Substituição das lâmpadas tubulares T8 por lâmpadas tubulares de
conservação energética T5 usando dispositivos de ligação com balastro
electrónico que podem ser desmontados e instalados no local;
3) Substituição das lâmpadas tubulares dos indicadores de saída, por lâmpadas
7
LED.
Com vista a conhecer os resultados concretos da conservação energética,
foram comparados os consumos reais de electricidade, anterior e posterior ao
Projecto, dos sistemas de iluminação. De acordo com a leitura dos valores dos
consumos reais de electricidade, os edifícios do IFT conservaram, anualmente,
cerca de 93,497 kW/h, o que corresponde a cerca de 21% de conservação de energia.
Calculando cada kWh a 1,2 patacas, foi possível poupar cerca de 112.196, 40 patacas.
Após a conclusão do Projecto, a média do nível de iluminação das zonas de
passagem manteve-se basicamente inalterada e em algumas zonas aumentou
sensivelmente.
3. Projecto experimental para optimização da conservação energética dos
sistemas de iluminação da Direcção dos Serviços de Administração e Função
Pública
Em 2008, o GDSE cooperou com a Direcção dos Serviços de Administração e
Função Pública, tendo realizado o Projecto Experimental para Optimização da
Conservação Energética dos Sistemas de Iluminação do Edifício Administração Pública,
abrangendo, entre outras zonas, os halls dos elevadores, as escadas, os gabinetes do 26º
andar e o parque de estacionamento, tendo sido trocadas no edifício cerca de 910
luminárias, no total. A optimização da conservação energética incluiu:
1) Substituição das luminárias T8 por luminárias de conservação energética T5;
8
2) Substituição das lâmpadas tubulares T8 por lâmpadas tubulares de
conservação energética T5 usando dispositivos de ligação com balastro
electrónico que podem ser desmontados e instalados no local;
3) Substituição das lâmpadas tubulares dos indicadores de saída, por lâmpadas
LED.
Com o objectivo de conhecer os resultados concretos da conservação
energética, foram comparados os consumos reais de electricidade, anterior e
posterior ao Projecto, dos sistemas de iluminação. De acordo com a leitura desses
valores, o Edifício Administração Pública conservou anualmente 57,000 kW/h, o que
corresponde a cerca de 28% de energia conservada. Calculando cada kWh a 1,2 patacas,
foi possível poupar cerca de 68,400.00 patacas.
Após a conclusão do Projecto, a média do nível de iluminação das zonas de
passagem manteve-se basicamente inalterada e em algumas zonas aumentou
sensivelmente.
4.Projecto experimental para optimização da conservação energética dos sistemas
de iluminação da Direcção dos Serviços de Finanças e do Instituto do
Desporto
Em 2008, o GDSE cooperou com a Direcção dos Serviços de Finanças e com o
Instituto do Desporto, tendo desenvolvido o Projecto Experimental para Optimização
da Conservação Energética dos Sistemas de Iluminação do Edifício das Finanças
9
(rés-do-chão, sobreloja e 1º andar) e no pavilhão da Piscina (Lin Fong) do Complexo
Desportivo de Macau (sala polivalente de desporto no 2º andar), abrangendo o
rés-do-chão, a sobreloja e a zona de atendimento do 1º andar do Edifício das Finanças e
do pavilhão da Piscina (Lin Fong) do Complexo Desportivo de Macau, tendo sido
trocadas, nos edifícios cerca de 1,200 luminárias, no total. A optimização da
conservação energética incluiu:
1)Substituição das lâmpadas tubulares T8 por lâmpadas tubulares de conservação
energética T5 usando dispositivos de ligação com balastro electrónico que podem
ser desmontados e instalados no local.
Com o objectivo de conhecer os resultados concretos da conservação
energética, foram comparados os consumos reais de electricidade, anterior e
posterior ao Projecto, dos sistemas de iluminação. De acordo com a leitura desses
valores, o Edifício dos Serviços de Finanças (rés-do-chão, sobreloja e 1º andar) e o
pavilhão da piscina (Lin Fong) do Complexo Desportivo de Macau conservaram,
anualmente, 24,000 kW/h, o que corresponde a cerca de 21% de energia conservada.
Calculando cada kWh a 1,2 patacas, foi possível poupar cerca de 28.800,00 patacas.
Após a conclusão do Projecto, a média do nível de iluminação das zonas de
passagem manteve-se basicamente inalterada e em algumas zonas aumentou
sensivelmente.
10
III. Conclusão
Os resultados concretos do Projecto Experimental para Optimização da
Conservação Energética dos Sistemas de Iluminação acima referidos permitem concluir
que é possível alcançar a meta de conservação de energia e aumentar a eficiência na
utilização da energia através da realização do Projecto nos edifícios, substituindo as
luminárias T8 por luminárias de conservação energética T5 e substituindo as lâmpadas
tubulares dos indicadores de saída, por lâmpadas LED. Além disso, os métodos de
substituição também são muito simples, convenientes e rápidos.
Gabinete para o Desenvolvimento do Sector Energético
Novembro de 2010

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatorio viabilidade led
Relatorio viabilidade ledRelatorio viabilidade led
Relatorio viabilidade led
alvreg
 
Bruno Pimenta - ADENE
Bruno Pimenta - ADENEBruno Pimenta - ADENE
Bruno Pimenta - ADENE
Construção Sustentável
 
Normalização e certificação de Biocombustíveis sólidos - Cláudia Mendes
Normalização e certificação de Biocombustíveis sólidos - Cláudia MendesNormalização e certificação de Biocombustíveis sólidos - Cláudia Mendes
Normalização e certificação de Biocombustíveis sólidos - Cláudia Mendes
CIDAADS
 
Dinis Rodrigues - ADENE
Dinis Rodrigues - ADENEDinis Rodrigues - ADENE
Dinis Rodrigues - ADENE
Construção Sustentável
 
02 Carlos Meses - ADENE
02 Carlos Meses - ADENE02 Carlos Meses - ADENE
02 Carlos Meses - ADENE
Construção Sustentável
 
Prospecto Da Visita De Estudo Ii Blog
Prospecto Da Visita De Estudo Ii BlogProspecto Da Visita De Estudo Ii Blog
Prospecto Da Visita De Estudo Ii Blog
fercarbar
 
As Energias Solar e Eólica casasolar 2013
As Energias Solar e Eólica casasolar 2013As Energias Solar e Eólica casasolar 2013
As Energias Solar e Eólica casasolar 2013
fpv_transilvania
 
FORUM PORTUGAL ENERGY POWER: "Aproveitamento de Biomassa na Região Centro"
FORUM PORTUGAL ENERGY POWER: "Aproveitamento de Biomassa na Região Centro"FORUM PORTUGAL ENERGY POWER: "Aproveitamento de Biomassa na Região Centro"
FORUM PORTUGAL ENERGY POWER: "Aproveitamento de Biomassa na Região Centro"
Associação Nacional de Jovens Empresários
 
Guia da eficiência energética
Guia da eficiência energéticaGuia da eficiência energética
Guia da eficiência energética
Maria Santos
 
Escola da-energia-energia-fotovoltaica-guia-prático-de-dimensionamento
Escola da-energia-energia-fotovoltaica-guia-prático-de-dimensionamentoEscola da-energia-energia-fotovoltaica-guia-prático-de-dimensionamento
Escola da-energia-energia-fotovoltaica-guia-prático-de-dimensionamento
Clodomiro Unsihuay Vila
 
Utilização de energia metabolizável pelos frangos de corte
Utilização de energia metabolizável pelos frangos de corteUtilização de energia metabolizável pelos frangos de corte
Utilização de energia metabolizável pelos frangos de corte
Keysuke Muramatsu
 
Apres. nova lampadas incandescente fluorescentes_alta_pressao_reatores (1)
Apres. nova lampadas incandescente fluorescentes_alta_pressao_reatores (1)Apres. nova lampadas incandescente fluorescentes_alta_pressao_reatores (1)
Apres. nova lampadas incandescente fluorescentes_alta_pressao_reatores (1)
Áureo do Carmo Moura
 
Electricidade
ElectricidadeElectricidade
COGERAÇÃO: ESTADO DE ARTE E PROSPECTIVAS NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA
COGERAÇÃO: ESTADO DE ARTE E PROSPECTIVAS NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRACOGERAÇÃO: ESTADO DE ARTE E PROSPECTIVAS NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA
COGERAÇÃO: ESTADO DE ARTE E PROSPECTIVAS NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA
Giuseppe Alessandro Signoriello
 
Orlando Paraíba (Presidente da ENA - Agência de Energia e Ambiente da Arrábida)
Orlando Paraíba (Presidente da ENA - Agência de Energia e Ambiente da Arrábida) Orlando Paraíba (Presidente da ENA - Agência de Energia e Ambiente da Arrábida)
Orlando Paraíba (Presidente da ENA - Agência de Energia e Ambiente da Arrábida)
Construção Sustentável
 
A rede energética em portugal
A rede energética em portugalA rede energética em portugal
A rede energética em portugal
Filipe Leal
 
ApresentaçãO Dr AntóNio Joyce
ApresentaçãO Dr AntóNio JoyceApresentaçãO Dr AntóNio Joyce
ApresentaçãO Dr AntóNio Joyce
cideias
 
Viterbo Sinergia Eolica E P&G Apresentacao
Viterbo   Sinergia Eolica E P&G   ApresentacaoViterbo   Sinergia Eolica E P&G   Apresentacao
Viterbo Sinergia Eolica E P&G Apresentacao
Jean Viterbo
 
Green Campus - Apresentação Instituto Superior Técnico
Green Campus - Apresentação Instituto Superior TécnicoGreen Campus - Apresentação Instituto Superior Técnico
Green Campus - Apresentação Instituto Superior Técnico
Green Campus
 
Apresentacao ECOPOWER ECOFOTON SOLAR MICROGERACAO MINIPRODUCAO RENOVAVEIS NA ...
Apresentacao ECOPOWER ECOFOTON SOLAR MICROGERACAO MINIPRODUCAO RENOVAVEIS NA ...Apresentacao ECOPOWER ECOFOTON SOLAR MICROGERACAO MINIPRODUCAO RENOVAVEIS NA ...
Apresentacao ECOPOWER ECOFOTON SOLAR MICROGERACAO MINIPRODUCAO RENOVAVEIS NA ...
Domingos Morgado
 

Mais procurados (20)

Relatorio viabilidade led
Relatorio viabilidade ledRelatorio viabilidade led
Relatorio viabilidade led
 
Bruno Pimenta - ADENE
Bruno Pimenta - ADENEBruno Pimenta - ADENE
Bruno Pimenta - ADENE
 
Normalização e certificação de Biocombustíveis sólidos - Cláudia Mendes
Normalização e certificação de Biocombustíveis sólidos - Cláudia MendesNormalização e certificação de Biocombustíveis sólidos - Cláudia Mendes
Normalização e certificação de Biocombustíveis sólidos - Cláudia Mendes
 
Dinis Rodrigues - ADENE
Dinis Rodrigues - ADENEDinis Rodrigues - ADENE
Dinis Rodrigues - ADENE
 
02 Carlos Meses - ADENE
02 Carlos Meses - ADENE02 Carlos Meses - ADENE
02 Carlos Meses - ADENE
 
Prospecto Da Visita De Estudo Ii Blog
Prospecto Da Visita De Estudo Ii BlogProspecto Da Visita De Estudo Ii Blog
Prospecto Da Visita De Estudo Ii Blog
 
As Energias Solar e Eólica casasolar 2013
As Energias Solar e Eólica casasolar 2013As Energias Solar e Eólica casasolar 2013
As Energias Solar e Eólica casasolar 2013
 
FORUM PORTUGAL ENERGY POWER: "Aproveitamento de Biomassa na Região Centro"
FORUM PORTUGAL ENERGY POWER: "Aproveitamento de Biomassa na Região Centro"FORUM PORTUGAL ENERGY POWER: "Aproveitamento de Biomassa na Região Centro"
FORUM PORTUGAL ENERGY POWER: "Aproveitamento de Biomassa na Região Centro"
 
Guia da eficiência energética
Guia da eficiência energéticaGuia da eficiência energética
Guia da eficiência energética
 
Escola da-energia-energia-fotovoltaica-guia-prático-de-dimensionamento
Escola da-energia-energia-fotovoltaica-guia-prático-de-dimensionamentoEscola da-energia-energia-fotovoltaica-guia-prático-de-dimensionamento
Escola da-energia-energia-fotovoltaica-guia-prático-de-dimensionamento
 
Utilização de energia metabolizável pelos frangos de corte
Utilização de energia metabolizável pelos frangos de corteUtilização de energia metabolizável pelos frangos de corte
Utilização de energia metabolizável pelos frangos de corte
 
Apres. nova lampadas incandescente fluorescentes_alta_pressao_reatores (1)
Apres. nova lampadas incandescente fluorescentes_alta_pressao_reatores (1)Apres. nova lampadas incandescente fluorescentes_alta_pressao_reatores (1)
Apres. nova lampadas incandescente fluorescentes_alta_pressao_reatores (1)
 
Electricidade
ElectricidadeElectricidade
Electricidade
 
COGERAÇÃO: ESTADO DE ARTE E PROSPECTIVAS NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA
COGERAÇÃO: ESTADO DE ARTE E PROSPECTIVAS NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRACOGERAÇÃO: ESTADO DE ARTE E PROSPECTIVAS NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA
COGERAÇÃO: ESTADO DE ARTE E PROSPECTIVAS NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA
 
Orlando Paraíba (Presidente da ENA - Agência de Energia e Ambiente da Arrábida)
Orlando Paraíba (Presidente da ENA - Agência de Energia e Ambiente da Arrábida) Orlando Paraíba (Presidente da ENA - Agência de Energia e Ambiente da Arrábida)
Orlando Paraíba (Presidente da ENA - Agência de Energia e Ambiente da Arrábida)
 
A rede energética em portugal
A rede energética em portugalA rede energética em portugal
A rede energética em portugal
 
ApresentaçãO Dr AntóNio Joyce
ApresentaçãO Dr AntóNio JoyceApresentaçãO Dr AntóNio Joyce
ApresentaçãO Dr AntóNio Joyce
 
Viterbo Sinergia Eolica E P&G Apresentacao
Viterbo   Sinergia Eolica E P&G   ApresentacaoViterbo   Sinergia Eolica E P&G   Apresentacao
Viterbo Sinergia Eolica E P&G Apresentacao
 
Green Campus - Apresentação Instituto Superior Técnico
Green Campus - Apresentação Instituto Superior TécnicoGreen Campus - Apresentação Instituto Superior Técnico
Green Campus - Apresentação Instituto Superior Técnico
 
Apresentacao ECOPOWER ECOFOTON SOLAR MICROGERACAO MINIPRODUCAO RENOVAVEIS NA ...
Apresentacao ECOPOWER ECOFOTON SOLAR MICROGERACAO MINIPRODUCAO RENOVAVEIS NA ...Apresentacao ECOPOWER ECOFOTON SOLAR MICROGERACAO MINIPRODUCAO RENOVAVEIS NA ...
Apresentacao ECOPOWER ECOFOTON SOLAR MICROGERACAO MINIPRODUCAO RENOVAVEIS NA ...
 

Semelhante a Lampadas eficiencia energética

m2cE 01_apresentação 11dezembro2013
m2cE 01_apresentação 11dezembro2013m2cE 01_apresentação 11dezembro2013
m2cE 01_apresentação 11dezembro2013
claudiaasousa
 
Painel III - Escola Profissional de Aveiro: exemplo de boas práticas em DS – ...
Painel III - Escola Profissional de Aveiro: exemplo de boas práticas em DS – ...Painel III - Escola Profissional de Aveiro: exemplo de boas práticas em DS – ...
Painel III - Escola Profissional de Aveiro: exemplo de boas práticas em DS – ...
CIDAADS
 
Iluminação publica tecnologia led
Iluminação publica tecnologia ledIluminação publica tecnologia led
Iluminação publica tecnologia led
Francis Zeman
 
Doc principal eficiência energética
Doc principal eficiência energéticaDoc principal eficiência energética
Doc principal eficiência energética
escola de macedo de cavaleiros
 
ANÁLISE DE TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO VISANDO REDUÇÃO DE PERDAS NO SISTE...
ANÁLISE DE TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO VISANDO REDUÇÃO DE PERDAS NO SISTE...ANÁLISE DE TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO VISANDO REDUÇÃO DE PERDAS NO SISTE...
ANÁLISE DE TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO VISANDO REDUÇÃO DE PERDAS NO SISTE...
Victor Quinteiro
 
18.ago ouro i 17.15_487_copel-d
18.ago ouro i 17.15_487_copel-d18.ago ouro i 17.15_487_copel-d
18.ago ouro i 17.15_487_copel-d
itgfiles
 
AULA 02 - Eletrecista.pptx
AULA 02 - Eletrecista.pptxAULA 02 - Eletrecista.pptx
AULA 02 - Eletrecista.pptx
EsequielRovani
 
Projeto luminotecnico no_contexto_da_eficiencia_energetica
Projeto luminotecnico no_contexto_da_eficiencia_energeticaProjeto luminotecnico no_contexto_da_eficiencia_energetica
Projeto luminotecnico no_contexto_da_eficiencia_energetica
Thayne Carvalho
 
CONOTEL - Congresso Nacional de Hotéis
CONOTEL - Congresso Nacional de HotéisCONOTEL - Congresso Nacional de Hotéis
CONOTEL - Congresso Nacional de Hotéis
TEKNERGIA
 
Lampadas Economizadoras
Lampadas EconomizadorasLampadas Economizadoras
Lampadas Economizadoras
Diiannaa
 
Apresentacao+led1
Apresentacao+led1Apresentacao+led1
Apresentacao+led1
José Luis de Souza
 
18.ago ouro i 10.15_521_copel-d
18.ago ouro i 10.15_521_copel-d18.ago ouro i 10.15_521_copel-d
18.ago ouro i 10.15_521_copel-d
itgfiles
 
Capítulo 1 aula 1
Capítulo 1   aula 1Capítulo 1   aula 1
Capítulo 1 aula 1
Marcio Versuti
 
Dimensionamento de um sistema fotovoltaico.pptx
 Dimensionamento de um sistema fotovoltaico.pptx Dimensionamento de um sistema fotovoltaico.pptx
Dimensionamento de um sistema fotovoltaico.pptx
WWEFUTEBOL
 
Aps
ApsAps
Cbqee n. 139541
Cbqee   n. 139541Cbqee   n. 139541
Cbqee n. 139541
lbm93
 
Revisão ENEM-FÍSICA
Revisão ENEM-FÍSICARevisão ENEM-FÍSICA
Apresentação pece 22mar2013
Apresentação pece 22mar2013Apresentação pece 22mar2013
Apresentação pece 22mar2013
roranje
 
m2cE apresentação 12março2014
m2cE apresentação 12março2014m2cE apresentação 12março2014
m2cE apresentação 12março2014
claudiaasousa
 
Nuno Quelhas - ArquiLED
Nuno Quelhas - ArquiLEDNuno Quelhas - ArquiLED
Nuno Quelhas - ArquiLED
ken.nunes
 

Semelhante a Lampadas eficiencia energética (20)

m2cE 01_apresentação 11dezembro2013
m2cE 01_apresentação 11dezembro2013m2cE 01_apresentação 11dezembro2013
m2cE 01_apresentação 11dezembro2013
 
Painel III - Escola Profissional de Aveiro: exemplo de boas práticas em DS – ...
Painel III - Escola Profissional de Aveiro: exemplo de boas práticas em DS – ...Painel III - Escola Profissional de Aveiro: exemplo de boas práticas em DS – ...
Painel III - Escola Profissional de Aveiro: exemplo de boas práticas em DS – ...
 
Iluminação publica tecnologia led
Iluminação publica tecnologia ledIluminação publica tecnologia led
Iluminação publica tecnologia led
 
Doc principal eficiência energética
Doc principal eficiência energéticaDoc principal eficiência energética
Doc principal eficiência energética
 
ANÁLISE DE TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO VISANDO REDUÇÃO DE PERDAS NO SISTE...
ANÁLISE DE TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO VISANDO REDUÇÃO DE PERDAS NO SISTE...ANÁLISE DE TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO VISANDO REDUÇÃO DE PERDAS NO SISTE...
ANÁLISE DE TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO VISANDO REDUÇÃO DE PERDAS NO SISTE...
 
18.ago ouro i 17.15_487_copel-d
18.ago ouro i 17.15_487_copel-d18.ago ouro i 17.15_487_copel-d
18.ago ouro i 17.15_487_copel-d
 
AULA 02 - Eletrecista.pptx
AULA 02 - Eletrecista.pptxAULA 02 - Eletrecista.pptx
AULA 02 - Eletrecista.pptx
 
Projeto luminotecnico no_contexto_da_eficiencia_energetica
Projeto luminotecnico no_contexto_da_eficiencia_energeticaProjeto luminotecnico no_contexto_da_eficiencia_energetica
Projeto luminotecnico no_contexto_da_eficiencia_energetica
 
CONOTEL - Congresso Nacional de Hotéis
CONOTEL - Congresso Nacional de HotéisCONOTEL - Congresso Nacional de Hotéis
CONOTEL - Congresso Nacional de Hotéis
 
Lampadas Economizadoras
Lampadas EconomizadorasLampadas Economizadoras
Lampadas Economizadoras
 
Apresentacao+led1
Apresentacao+led1Apresentacao+led1
Apresentacao+led1
 
18.ago ouro i 10.15_521_copel-d
18.ago ouro i 10.15_521_copel-d18.ago ouro i 10.15_521_copel-d
18.ago ouro i 10.15_521_copel-d
 
Capítulo 1 aula 1
Capítulo 1   aula 1Capítulo 1   aula 1
Capítulo 1 aula 1
 
Dimensionamento de um sistema fotovoltaico.pptx
 Dimensionamento de um sistema fotovoltaico.pptx Dimensionamento de um sistema fotovoltaico.pptx
Dimensionamento de um sistema fotovoltaico.pptx
 
Aps
ApsAps
Aps
 
Cbqee n. 139541
Cbqee   n. 139541Cbqee   n. 139541
Cbqee n. 139541
 
Revisão ENEM-FÍSICA
Revisão ENEM-FÍSICARevisão ENEM-FÍSICA
Revisão ENEM-FÍSICA
 
Apresentação pece 22mar2013
Apresentação pece 22mar2013Apresentação pece 22mar2013
Apresentação pece 22mar2013
 
m2cE apresentação 12março2014
m2cE apresentação 12março2014m2cE apresentação 12março2014
m2cE apresentação 12março2014
 
Nuno Quelhas - ArquiLED
Nuno Quelhas - ArquiLEDNuno Quelhas - ArquiLED
Nuno Quelhas - ArquiLED
 

Mais de jccabral

Subestações
SubestaçõesSubestações
Subestações
jccabral
 
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primariaProcedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
jccabral
 
Plano de Manutenção em Equipamentos Elétricos
Plano de Manutenção em Equipamentos ElétricosPlano de Manutenção em Equipamentos Elétricos
Plano de Manutenção em Equipamentos Elétricos
jccabral
 
Roteira de Manutenção
Roteira de ManutençãoRoteira de Manutenção
Roteira de Manutenção
jccabral
 
Unidade 2 água fria_novo
Unidade 2 água fria_novoUnidade 2 água fria_novo
Unidade 2 água fria_novo
jccabral
 
Sistemas de água fria dimensionamento das instalações dicas - renato massano
Sistemas de água fria  dimensionamento das instalações   dicas - renato massanoSistemas de água fria  dimensionamento das instalações   dicas - renato massano
Sistemas de água fria dimensionamento das instalações dicas - renato massano
jccabral
 
Predial agua-fria tigre
Predial agua-fria tigrePredial agua-fria tigre
Predial agua-fria tigre
jccabral
 
Nbr 5410
Nbr 5410Nbr 5410
Nbr 5410
jccabral
 
Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)
Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)
Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)
jccabral
 
Laudoaeaxpmsjc3 (1)
Laudoaeaxpmsjc3 (1)Laudoaeaxpmsjc3 (1)
Laudoaeaxpmsjc3 (1)
jccabral
 
Dimensionamento partida direta de motores
Dimensionamento partida direta de motoresDimensionamento partida direta de motores
Dimensionamento partida direta de motores
jccabral
 
Desenhos isométricos (1)
Desenhos isométricos (1)Desenhos isométricos (1)
Desenhos isométricos (1)
jccabral
 
Ct coele 2013_2_21
Ct coele 2013_2_21Ct coele 2013_2_21
Ct coele 2013_2_21
jccabral
 
Como colocar cotas em perspectiva isométrica
Como colocar cotas em perspectiva isométricaComo colocar cotas em perspectiva isométrica
Como colocar cotas em perspectiva isométrica
jccabral
 
Com mgi206
Com mgi206Com mgi206
Com mgi206
jccabral
 
Auto cad2unl
Auto cad2unlAuto cad2unl
Auto cad2unl
jccabral
 
Apostila cad
Apostila cadApostila cad
Apostila cad
jccabral
 

Mais de jccabral (17)

Subestações
SubestaçõesSubestações
Subestações
 
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primariaProcedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
 
Plano de Manutenção em Equipamentos Elétricos
Plano de Manutenção em Equipamentos ElétricosPlano de Manutenção em Equipamentos Elétricos
Plano de Manutenção em Equipamentos Elétricos
 
Roteira de Manutenção
Roteira de ManutençãoRoteira de Manutenção
Roteira de Manutenção
 
Unidade 2 água fria_novo
Unidade 2 água fria_novoUnidade 2 água fria_novo
Unidade 2 água fria_novo
 
Sistemas de água fria dimensionamento das instalações dicas - renato massano
Sistemas de água fria  dimensionamento das instalações   dicas - renato massanoSistemas de água fria  dimensionamento das instalações   dicas - renato massano
Sistemas de água fria dimensionamento das instalações dicas - renato massano
 
Predial agua-fria tigre
Predial agua-fria tigrePredial agua-fria tigre
Predial agua-fria tigre
 
Nbr 5410
Nbr 5410Nbr 5410
Nbr 5410
 
Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)
Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)
Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)
 
Laudoaeaxpmsjc3 (1)
Laudoaeaxpmsjc3 (1)Laudoaeaxpmsjc3 (1)
Laudoaeaxpmsjc3 (1)
 
Dimensionamento partida direta de motores
Dimensionamento partida direta de motoresDimensionamento partida direta de motores
Dimensionamento partida direta de motores
 
Desenhos isométricos (1)
Desenhos isométricos (1)Desenhos isométricos (1)
Desenhos isométricos (1)
 
Ct coele 2013_2_21
Ct coele 2013_2_21Ct coele 2013_2_21
Ct coele 2013_2_21
 
Como colocar cotas em perspectiva isométrica
Como colocar cotas em perspectiva isométricaComo colocar cotas em perspectiva isométrica
Como colocar cotas em perspectiva isométrica
 
Com mgi206
Com mgi206Com mgi206
Com mgi206
 
Auto cad2unl
Auto cad2unlAuto cad2unl
Auto cad2unl
 
Apostila cad
Apostila cadApostila cad
Apostila cad
 

Último

Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
carlos silva Rotersan
 
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
Vilson Stollmeier
 
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60AManual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Tronicline Automatismos
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
Consultoria Acadêmica
 
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
Aula 4 - 3D laser scanning para bim em engenharia
Aula 4 - 3D laser scanning para bim em engenhariaAula 4 - 3D laser scanning para bim em engenharia
Aula 4 - 3D laser scanning para bim em engenharia
JosAtila
 

Último (7)

Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
 
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
 
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60AManual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
 
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
 
Aula 4 - 3D laser scanning para bim em engenharia
Aula 4 - 3D laser scanning para bim em engenhariaAula 4 - 3D laser scanning para bim em engenharia
Aula 4 - 3D laser scanning para bim em engenharia
 

Lampadas eficiencia energética

  • 1. 1 Lâmpadas Tubulares de Conservação Energética T5 – Projecto experimental I. Introdução 1. Lâmpadas tubulares de conservação energética T5 As lâmpadas tubulares de conservação energética T5 são luminárias que podem substituir directamente as lâmpadas tradicionais T8. As características da fonte luminosa e a qualidade de iluminação das lâmpadas tubulares T5 são iguais às lâmpadas tradicionais T8, o índice de restituição da cor é alto, semelhante ao da luz natural, o fluxo luminoso é estável e a eficiência da luz é mais alta. Este tipo de lâmpadas é mais apropriado para gabinetes e fábricas. De uma maneira geral, as lâmpadas tubulares T5 podem conservar entre 20% a 30% mais energia do que as lâmpadas tradicionais T8, e também têm uma vida útil mais longa, cerca do dobro ou do triplo, do que as segundas. As potências padrão das lâmpadas tubulares de conservação energética T5 são: 14W, 21W, 28W e 35W. Como a sua eficiência de luz é mais alta, utilizam menos energia eléctrica para obter o mesmo nível de iluminação, por isso podem manter inalterável a premissa do nível de iluminação. Ao optar-se por lâmpadas tubulares T5, que consomem menos electricidade do que as T8, poupa-se na quantidade de energia eléctrica consumida diariamente. Sobre as características técnicas das lâmpadas tubulares T8 e T5, queira por favor consultar a seguinte tabela: Tipos de lâmpadas tubulares Potência (W) Fluxo luminoso (lm) Potência (lâmpadas tubulares+balastro electrónico) (W) Eficiência da luz (lm/W) T8 (balastro de indutância) 18 36 58 1100 2800 4600 27 47 71 40.7 59.6 64.8 T5 (balastro electrónico) 14 21 28 35 1150 2100 2900 3650 18 25 32 39 63.9 84 90.6 93.6 As lâmpadas tubulares T8 podem ser usadas com balastro de indutância ou com balastro electrónico, porém, as lâmpadas tubulares T5 têm que ser usadas com balastro electrónico cujo consumo de electricidade é menor do que o do balastro de
  • 2. 2 indutância. Mantido o nível de iluminação inalterável, ao substituir-se as lâmpadas tubulares T8 (com balastro de indutância) pelas T5 (com balastro electrónico), a percentagem de conservação de electricidade é a seguinte: Ao substituir-se as lâmpadas tubulares T8, já com balastro electrónico, pelas T5, a percentagem de conservação de electricidade é a seguinte: Lâmpadas tubulares T8 Lâmpadas tubulares de conservação energética T5 Conservação de energia eléctrica (lâmpadas tubulares + balastro electrónico) Percentagem de conservação de electricidade 58W 35W 23W 39.7% 36W 28W 8W 22.2% 18W 14W 4W 22.2% 2. Métodos para trocar para lâmpadas tubulares de conservação energética T5 Actualmente, existem duas maneiras para a substituição das lâmpadas tubulares T8 pelas T5: 1) Substituir as luminárias T8 por luminárias de conservação energética T5. Primeiro, desligar a fonte de abastecimento eléctrico, desmontar e remover as luminárias T8, incluindo as lâmpadas tubulares, os balastros e as armações; a seguir, instalar as luminárias de conservação energética T5, incluindo as Lâmpadas tubulares T8 Lâmpadas tubulares de conservação energética T5 Conservação de energia por unidade (lâmpadas tubulares+balastro electrónico) Percentagem de conservação de electricidade 58W 35W 32W 55.2% 36W 28W 15W 41.4% 18W 14W 9W 50%
  • 3. 3 armações, as lâmpadas tubulares e os balastros electrónicos, e ligar de novo à corrente eléctrica. 2) Manter as armações das luminárias T8, substituindo as lâmpadas tubulares T8 pelas de conservação energética T5 e usando dispositivos de ligação com balastro electrónico que podem ser desmontados e instalados no local. Depois de removidas as lâmpadas tubulares T8 e o arrancador (starter), instalar as lâmpadas tubulares T5 com balastro electrónico. (Processo idêntico ao de mudar as lâmpadas) Retirar as lâmpadas tubulares T8 Retirar o arrancador Instalação terminada Instalar as lâmpadas tubulares T5 com balastro electrónico
  • 4. 4 II. Projecto Experimental para Optimização da Conservação Energética dos Sistemas de Iluminação A fim de conhecer os desempenhos concretos e a eficiência das lâmpadas tubulares de conservação energética T5, o GDSE, em cooperação com o Instituto de Habitação, o Instituto de Formação Turística, a Direcção dos Serviços de Administração e Função Pública, o Instituto do Desporto e a Direcção dos Serviços de Finanças, sob a premissa de não alterar o nível de iluminação, levou a cabo o projecto experimental para optimização da conservação energética dos sistemas de iluminação, em que se inclui: 1) Substituição das luminárias T8 por luminárias de conservação energética T5. 2) Substituição das lâmpadas tubulares T8 por lâmpadas tubulares de conservação energética T5 usando dispositivos de ligação com balastro electrónico que podem ser desmontados e instalados no local; 3) Substituição das lâmpadas tubulares dos indicadores de saída, por lâmpadas LED. Relativamente ao projecto referido anteriormente, foram mudadas, no total, cerca de 10,284 luminárias. Depois da recolha e análise dos dados referentes ao consumo energético, os benefícios de conservação energética do projecto experimental foram de cerca de 21% a 34,3%, ou seja, conservando anualmente 703,113 kW/h. Nome dos Serviços Número de luminárias mudadas (Unidade) Conservação de electricidade, por ano (Kw/h) Percentagem de conservação de electricidade Instituto de Habitação 4,374 528,616 34.3% Instituto de Formação Turística 3,800 93,497 21% Direcção dos Serviços de Administração e Função Pública 910 57,000 28% Direcção dos Serviços de Finanças e Instituto do Desporto 1,200 24,000 21% Total﹕ 10,284 703,113 /
  • 5. 5 1. Projecto experimental para optimização da conservação energética dos sistemas de iluminação dos edifícios de habitação social Entre 2007 e 2008, o GDSE cooperou com o Instituto de Habitação, concretizando o projecto experimental para optimização da conservação energética dos sistemas de iluminação das zonas comuns dos edifícios, incluindo os halls dos elevadores, corredores e escadas, de 20 edifícios de habitação social (o Edifício D. Angélica Lopes dos Santos, os Blocos A a C do Edifício D. Julieta Nobre de Carvalho, Torres ABC – Tamagnini Barbosa, os Blocos 3 a 5 do Edifício Hou Kong Garden, os Blocos A a G do Bairro Social de Fai Chi Kei, os Blocos 9 a 11 do Bairro Social da Taipa e o Bloco 17 do Edifício San Seng Si Fa Un. Sob a premissa de não alterar o nível de iluminação, foram substituídas cerca de 4,374 luminárias de zonas comuns de 20 edifícios de habitação social de Macau. A optimização da conservação energética incluiu: 1) Substituição de todas as lâmpadas incandescentes e luminárias T8 (lâmpadas tubulares e balastros de indutância) por luminárias de alta eficiência T5 (lâmpadas tubulares e balastros electrónicos), das zonas comuns dos edifícios; 2) Substituição de todas as lâmpadas tubulares dos indicadores de saída, por lâmpadas LED, das zonas comuns dos edifícios. Quando o projecto de optimização energética terminou, foi possível a leitura dos resultados relativos à conservação energética efectiva, através dos dados recolhidos ao longo de um ano, sobre o consumo de electricidade anterior e posterior ao Projecto (dados do consumo de electricidade nas zonas comuns, constantes nas facturas de electricidade), de cada um dos edifícios de habitação social. Segundo a análise desses mesmos dados, um ano após a conclusão do projecto, o consumo de electricidade dos 20 edifícios de habitação social reduziu 528,616 kW/h em relação ao ano anterior, conservando cerca de 34,3%. Fazendo o cálculo de 1,2 patacas por cada kWh, foi possível poupar cerca de 634,339.20 patacas. Após a conclusão do Projecto, a média do nível de iluminação das zonas de passagem manteve-se basicamente inalterada e em algumas zonas aumentou sensivelmente.
  • 6. 6 2. Projecto experimental para optimização da conservação energética dos sistemas de iluminação do Instituto de Formação Turística Em 2008, o GDSE cooperou com o Instituto de Formação Turística (IFT), tendo realizado o Projecto Experimental para Optimização da Conservação Energética dos Sistemas de Iluminação dos Edifícios do IFT, incluindo o Restaurante Escola, o Edifício de Inspiração, a Pousada de Mong-Há e o Edifício de Equipa, abrangendo, entre outras zonas, os halls dos elevadores, os corredores, as escadas, as salas de aula, os gabinetes, os parques de estacionamento, a oficina de manutenção, a cozinha pedagógica e a biblioteca, tendo sido trocadas nos edifícios cerca de 3,800 luminárias, no total. A optimização da conservação energética incluiu: 1) Substituição das luminárias T8 por luminárias de conservação energética T5; 2) Substituição das lâmpadas tubulares T8 por lâmpadas tubulares de conservação energética T5 usando dispositivos de ligação com balastro electrónico que podem ser desmontados e instalados no local; 3) Substituição das lâmpadas tubulares dos indicadores de saída, por lâmpadas
  • 7. 7 LED. Com vista a conhecer os resultados concretos da conservação energética, foram comparados os consumos reais de electricidade, anterior e posterior ao Projecto, dos sistemas de iluminação. De acordo com a leitura dos valores dos consumos reais de electricidade, os edifícios do IFT conservaram, anualmente, cerca de 93,497 kW/h, o que corresponde a cerca de 21% de conservação de energia. Calculando cada kWh a 1,2 patacas, foi possível poupar cerca de 112.196, 40 patacas. Após a conclusão do Projecto, a média do nível de iluminação das zonas de passagem manteve-se basicamente inalterada e em algumas zonas aumentou sensivelmente. 3. Projecto experimental para optimização da conservação energética dos sistemas de iluminação da Direcção dos Serviços de Administração e Função Pública Em 2008, o GDSE cooperou com a Direcção dos Serviços de Administração e Função Pública, tendo realizado o Projecto Experimental para Optimização da Conservação Energética dos Sistemas de Iluminação do Edifício Administração Pública, abrangendo, entre outras zonas, os halls dos elevadores, as escadas, os gabinetes do 26º andar e o parque de estacionamento, tendo sido trocadas no edifício cerca de 910 luminárias, no total. A optimização da conservação energética incluiu: 1) Substituição das luminárias T8 por luminárias de conservação energética T5;
  • 8. 8 2) Substituição das lâmpadas tubulares T8 por lâmpadas tubulares de conservação energética T5 usando dispositivos de ligação com balastro electrónico que podem ser desmontados e instalados no local; 3) Substituição das lâmpadas tubulares dos indicadores de saída, por lâmpadas LED. Com o objectivo de conhecer os resultados concretos da conservação energética, foram comparados os consumos reais de electricidade, anterior e posterior ao Projecto, dos sistemas de iluminação. De acordo com a leitura desses valores, o Edifício Administração Pública conservou anualmente 57,000 kW/h, o que corresponde a cerca de 28% de energia conservada. Calculando cada kWh a 1,2 patacas, foi possível poupar cerca de 68,400.00 patacas. Após a conclusão do Projecto, a média do nível de iluminação das zonas de passagem manteve-se basicamente inalterada e em algumas zonas aumentou sensivelmente. 4.Projecto experimental para optimização da conservação energética dos sistemas de iluminação da Direcção dos Serviços de Finanças e do Instituto do Desporto Em 2008, o GDSE cooperou com a Direcção dos Serviços de Finanças e com o Instituto do Desporto, tendo desenvolvido o Projecto Experimental para Optimização da Conservação Energética dos Sistemas de Iluminação do Edifício das Finanças
  • 9. 9 (rés-do-chão, sobreloja e 1º andar) e no pavilhão da Piscina (Lin Fong) do Complexo Desportivo de Macau (sala polivalente de desporto no 2º andar), abrangendo o rés-do-chão, a sobreloja e a zona de atendimento do 1º andar do Edifício das Finanças e do pavilhão da Piscina (Lin Fong) do Complexo Desportivo de Macau, tendo sido trocadas, nos edifícios cerca de 1,200 luminárias, no total. A optimização da conservação energética incluiu: 1)Substituição das lâmpadas tubulares T8 por lâmpadas tubulares de conservação energética T5 usando dispositivos de ligação com balastro electrónico que podem ser desmontados e instalados no local. Com o objectivo de conhecer os resultados concretos da conservação energética, foram comparados os consumos reais de electricidade, anterior e posterior ao Projecto, dos sistemas de iluminação. De acordo com a leitura desses valores, o Edifício dos Serviços de Finanças (rés-do-chão, sobreloja e 1º andar) e o pavilhão da piscina (Lin Fong) do Complexo Desportivo de Macau conservaram, anualmente, 24,000 kW/h, o que corresponde a cerca de 21% de energia conservada. Calculando cada kWh a 1,2 patacas, foi possível poupar cerca de 28.800,00 patacas. Após a conclusão do Projecto, a média do nível de iluminação das zonas de passagem manteve-se basicamente inalterada e em algumas zonas aumentou sensivelmente.
  • 10. 10 III. Conclusão Os resultados concretos do Projecto Experimental para Optimização da Conservação Energética dos Sistemas de Iluminação acima referidos permitem concluir que é possível alcançar a meta de conservação de energia e aumentar a eficiência na utilização da energia através da realização do Projecto nos edifícios, substituindo as luminárias T8 por luminárias de conservação energética T5 e substituindo as lâmpadas tubulares dos indicadores de saída, por lâmpadas LED. Além disso, os métodos de substituição também são muito simples, convenientes e rápidos. Gabinete para o Desenvolvimento do Sector Energético Novembro de 2010