SlideShare uma empresa Scribd logo
Dimensionamento partida direta de
motores
ENG ° EVERTON MORAES OUTUBRO 3, 2012 31
COMENTÁRIOS COMANDOS
 277
 5
 12

 4
É muito provável que você conheça ou já escutou alguém falar
sobre a Partida Direta de Motores Trifásicos, bom a este sistema
de partida, como vimos anteriormente (acesse aqui o post da
partida direta), se aplica à motores que possuam potência igual
ou inferior a 10cv. Quando a partida direta é escolhida como
chave de partida a ser utilizada, devemos atentarmos nos
dispositivos de acionamentos que serão empregados, como por
exemplo o contator, relé térmico e etc. Caso contrário
poderemos ter a redução da vida útil destes componentes.
Algumas “regras” deverão ser obedecidas para a escolha destes
componentes no dimensionamento partida direta.
Trataremos a seguir das principais características técnicas para
podermos dimensionar uma partida de motor elétrico trifásico.
O Motor
O motor a ser considerado neste artigo será um motor tipo gaiola
de esquilo e poderá receber qualquer nível de tensão elétrica,
podendo portanto estar com seus terminais proporcionando um
fechamento em estrela ou triângulo (isso não implica no
dimensionamento) relembre abaixo os fechamentos estrela e
triângulo:
[one_half]
Fechamento triângulo
[/one_half]
[one_half_last]
Fechamento Estrela
[/one_half_last]
Dimensionamento partida direta
Para tornar nosso aprendizado mais pático, iremos partir do
pressuposto que possuímos um motor elétrico trifásico com as
seguintes características:
[one_half]
Motor elétrico trifásico de 30cv de potência, 4 polos e será
energizado a uma rede de alimentação trifásica de
380Vac/60Hz. A corrente nominal informada pelo fabricante é de
44A e possui como fator de corrente de partida: Ip/In=8,0. Este
trabalha em regime normal de manobra com rotor gaiola de
esquilo e desligamento em regime, por fim, possui tempo de
partida de 5 segundos.
[/one_half]
[one_half_last]
[/one_half_last]
[alert type=”blue”]OBS: A Categoria de emprego dos
componentes será AC3, pois trata-se de aplicação de motor
elétrico trifásico de indução e a interrupção se efetua com o
motor em regime[/alert]
Composição do circuito de potência:
Roteiro de cálculos
Dimensionamento do contator K1
Considerando que o contator, neste tipo de acionamento,
conduzirá 100% da corrente do motor, temos que a corrente do
contator deverá ser igual ou superior a corrente nominal do
motor elétrico trifásico, veja a seguir:
Formula
Logo teremos para nosso exemplo:
 Ie = Corrente nominal de emprego (Do
contator)
 In = Corrente nominal de trabalho do
motor
 1,15 = fator de segurança que determina um
acréscimo de 15%do valor da correntede
trabalho do contator
A corrente elétrica a ser considerada ao contatorK1,
chamda de corrente de emprego será de 50,6A como
podemos observar no cálculo acima
Escolha do componente
Consultando o catálogo do fabricante do contator escolhido,
determinaremos qual o modelo que atende a necessidade, veja
que neste caso utilizaremos como referência o catálogo do
fabricante WEG, sendo assim teremos o seguinte contator:
O contator escolhido foi o CWM65 que, utilizado na classe AC3
conforme necessidade do exercício proposto, pode ser aplicado
para potências nominais de até 40cv conforme o item“B” acima
(nossa necessidade é de 30cv). Este mesmo contator é aplicado
a uma corrente de emprego máxima de 65A conforme o
item “A” na figura anterior, nosso cálculo determinou uma
corrente mínima de emprego de 50,6A.
Consulte estes valores no catálogo
Aproveite para interagir com o catálogo eletrônica e assim se
habituar com esta prática de consulta, clique na imagem abaixo
e acesse para consulta e também o download:
Acesse a página 3
Dimensionamento do relé térmico
O relé térmico tem a função de proteger a integridade do motor
elétrico, desta forma, este deverá possuir em sua faixa de ajuste,
a mesma corrente nominal do motor e também deverá ser
compatível ao contator escolhido, pois caso contrário não será
possível realizar sua montagem ao contator. Veja na ilustração
abaixo o relé térmico escolhido…
Observe que o modelo de relé térmico escolhido é o RW67-
2D (B) que, por sua vez, é compatível com o contator
selecionado anteriormente (A). A corrente nominal do motor
fornecida pelo fabricante é de 44A conforme mencionado no
início do exercício, portanto, além de determinarmos o modelo
do relé utilizado, devemos encontrar uma faixa de ajuste
compatível a corrente nominal. Já que In=44A escolhemos a
faixa de ajuste de 40 a 57 (C).
Consulte estes valores no catálogo
Acesse a página 5
Dimensionamento de Fusíveis
Próximo de finalizarmos este artigo, iremos agora para o ultimo
passo de nosso dimensionamento de partida direta. Serão
necessário três situações para determinarmos os fusíveis de
proteção, são eles:Antes de determinarmos o fusível devemos
submeter o fusível escolhido em três situações distintas que
implicará na proteção do circuito como um todo.
1ª Situação
Antes de mais nada temos que reconhecer que, neste caso, o
fusível terá como função, garantir a proteção do circuito de
acionamento do motor e não a proteção do motor propriamente
dita.
Quando tratamos de proteção do motor através de fusível
devemos nos atentar que, no momento da partida, o motor
possui a corrente de partida elevada, podendo chegar a 8 vezes
a corrente nominal, sendo assim teremos que utilizar os fusíveis
de acionamento retardado para que estes não sejam acionados
no momento da partida do motor.Em nosso exemplo o motor
executa sua partida em 5 segundos, tempo este em que a
corrente de partida terá seu valor acima da nominal, então
determinaremos a corrente do fusível baseado nestas
características bem como a corrente de partida do motor elétrico
trifásico.
Determinando a corrente de partida do motor
Formula
 Ip = Corrente de Partida
 Ip/In = Fator multiplicativo que
determina Ip
 In = Corrente Nominal
Logo teremos para nosso exemplo:
A correnteelétrica no momento da partidado motor
será de 352A aproximadamente.
Conhecendo a corrente de partida e o tempo que o motor leva
para chegar em seu valor nominal de rotação podemos
determinar o valor de fusível a ser aplicado. veja na ilustração
abaixo estas informações aplicadas ao gráfico do fabricante do
fusível:
Observe que o fusível escolhido foi o de 63A Retardado
2ª Situação
A corrente do fusível dever ter valor superior a 20% da corrente
nominal do motor elétrico a qual será aplicado. Logo, teremos a
seguinte fórmula:
Formula
 Ip = Corrente de Partida
 Ip/In = Fator multiplicativo que
determina Ip
 In = Corrente Nominal
Logo teremos para nosso exemplo:
A corrente elétrica que representa a corrente
nominal do motor acrescida de 20% é 52,8A
aproximadamente
Portanto teremos o seguinte valor de corrente:
A corrente calculada de 52,8A é inferior a corrente determinada
na 1° situação, portanto o fusível escolhido de 63A através do
gráfico atende a necessidade desta segunda situação de
escolha do fusível.
3ª Situação
Nesta terceira e ultima situação observaremos se o fusível irá
proteger os dispositivos de acionamento do motor (contator e
relé térmico), para isso devemos garantir que a corrente do
contato, bem como a do relé térmico seja superior a do fusível
escolhido. veja:
IF MÁXIMA DO CONT AT OR = 125A IF RELÉ T ÉRMICO = 100A
Conclusão:
Tendo em vista que se faz necessário, para a seletividade dos
fusíveis, o atendimento dos três requisitos (situação 1, 2 e 3)
podemos afirmar que o fusível escolhido de 63A atende
perfeitamente as necessidades que o circuito de partida direta
exige em sua proteção.
Link:
Um link interessante para o dimensionamento de sistemas de
partidas de motores:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Corrente nominal de motores trifásicos 220v
Corrente nominal de motores trifásicos 220vCorrente nominal de motores trifásicos 220v
Corrente nominal de motores trifásicos 220v
Planalto Engenharia e Automação
 
Cálculo de demanda para medição de cliente em baixa tensão
Cálculo de demanda para medição de cliente em baixa tensãoCálculo de demanda para medição de cliente em baixa tensão
Cálculo de demanda para medição de cliente em baixa tensão
Gustavo Brito Beltrame
 
Maquinas eletricas
Maquinas eletricasMaquinas eletricas
Maquinas eletricas
Francisco Costa
 
Maquinas elétricas ( Senai )
Maquinas elétricas ( Senai )Maquinas elétricas ( Senai )
Maquinas elétricas ( Senai )
Ricardo Akerman
 
Instalaã§ãµes elã©tricas simbologia (diagramas unifilares)
Instalaã§ãµes elã©tricas   simbologia (diagramas unifilares)Instalaã§ãµes elã©tricas   simbologia (diagramas unifilares)
Instalaã§ãµes elã©tricas simbologia (diagramas unifilares)
Aldair Edmilson Mendes
 
Plano de manutenção painéis MT/AT
Plano de manutenção   painéis MT/ATPlano de manutenção   painéis MT/AT
Plano de manutenção painéis MT/AT
Alexandre Grossi
 
Porque raiz 3 nos circuitos trifasicos
Porque raiz 3 nos circuitos trifasicosPorque raiz 3 nos circuitos trifasicos
Porque raiz 3 nos circuitos trifasicos
Alex Davoglio
 
Aterramento
AterramentoAterramento
Aterramento
FRANCESCO GALGANO
 
Guia de aplicação de soft starters
Guia de aplicação de soft startersGuia de aplicação de soft starters
Guia de aplicação de soft starters
confidencial
 
Curso de-eletricista-residencial
Curso de-eletricista-residencialCurso de-eletricista-residencial
Curso de-eletricista-residencial
Claudio Arkan
 
Aterramento elétrico
Aterramento elétricoAterramento elétrico
Aterramento elétrico
Bittec Eletrônica
 
Estruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio beco
Estruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio becoEstruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio beco
Estruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio beco
Jonatas Ramos
 
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardoEletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Carlos Melo
 
Instalacoes eletricas 1
Instalacoes eletricas 1Instalacoes eletricas 1
Instalacoes eletricas 1
Eduardo Teixeira
 
Sistema de Aterramento e SPDA
Sistema de Aterramento e SPDASistema de Aterramento e SPDA
Sistema de Aterramento e SPDA
Rodrigo Campos
 
Tabela sensores da sense.
Tabela sensores da sense.Tabela sensores da sense.
Tabela sensores da sense.
Paulo Vitor Costa Cintra
 
Elementos de subestação
Elementos de subestaçãoElementos de subestação
Elementos de subestação
Rafael Silveira
 
Aula 3 corrente contínua e corrente alternada
Aula 3 corrente contínua e corrente alternadaAula 3 corrente contínua e corrente alternada
Aula 3 corrente contínua e corrente alternada
Vander Bernardi
 
Liga e desliga com um unico botao
Liga e desliga com um unico botaoLiga e desliga com um unico botao
Liga e desliga com um unico botao
Ademir Santos
 
Instalações elétricas instalações elétricas residenciais - prysmian - 2006
Instalações elétricas   instalações elétricas residenciais - prysmian - 2006Instalações elétricas   instalações elétricas residenciais - prysmian - 2006
Instalações elétricas instalações elétricas residenciais - prysmian - 2006
ClaytonSulivan Oliveira
 

Mais procurados (20)

Corrente nominal de motores trifásicos 220v
Corrente nominal de motores trifásicos 220vCorrente nominal de motores trifásicos 220v
Corrente nominal de motores trifásicos 220v
 
Cálculo de demanda para medição de cliente em baixa tensão
Cálculo de demanda para medição de cliente em baixa tensãoCálculo de demanda para medição de cliente em baixa tensão
Cálculo de demanda para medição de cliente em baixa tensão
 
Maquinas eletricas
Maquinas eletricasMaquinas eletricas
Maquinas eletricas
 
Maquinas elétricas ( Senai )
Maquinas elétricas ( Senai )Maquinas elétricas ( Senai )
Maquinas elétricas ( Senai )
 
Instalaã§ãµes elã©tricas simbologia (diagramas unifilares)
Instalaã§ãµes elã©tricas   simbologia (diagramas unifilares)Instalaã§ãµes elã©tricas   simbologia (diagramas unifilares)
Instalaã§ãµes elã©tricas simbologia (diagramas unifilares)
 
Plano de manutenção painéis MT/AT
Plano de manutenção   painéis MT/ATPlano de manutenção   painéis MT/AT
Plano de manutenção painéis MT/AT
 
Porque raiz 3 nos circuitos trifasicos
Porque raiz 3 nos circuitos trifasicosPorque raiz 3 nos circuitos trifasicos
Porque raiz 3 nos circuitos trifasicos
 
Aterramento
AterramentoAterramento
Aterramento
 
Guia de aplicação de soft starters
Guia de aplicação de soft startersGuia de aplicação de soft starters
Guia de aplicação de soft starters
 
Curso de-eletricista-residencial
Curso de-eletricista-residencialCurso de-eletricista-residencial
Curso de-eletricista-residencial
 
Aterramento elétrico
Aterramento elétricoAterramento elétrico
Aterramento elétrico
 
Estruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio beco
Estruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio becoEstruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio beco
Estruturas de sustentação dos alimentadores n1 n2-n3-n4 e meio beco
 
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardoEletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
 
Instalacoes eletricas 1
Instalacoes eletricas 1Instalacoes eletricas 1
Instalacoes eletricas 1
 
Sistema de Aterramento e SPDA
Sistema de Aterramento e SPDASistema de Aterramento e SPDA
Sistema de Aterramento e SPDA
 
Tabela sensores da sense.
Tabela sensores da sense.Tabela sensores da sense.
Tabela sensores da sense.
 
Elementos de subestação
Elementos de subestaçãoElementos de subestação
Elementos de subestação
 
Aula 3 corrente contínua e corrente alternada
Aula 3 corrente contínua e corrente alternadaAula 3 corrente contínua e corrente alternada
Aula 3 corrente contínua e corrente alternada
 
Liga e desliga com um unico botao
Liga e desliga com um unico botaoLiga e desliga com um unico botao
Liga e desliga com um unico botao
 
Instalações elétricas instalações elétricas residenciais - prysmian - 2006
Instalações elétricas   instalações elétricas residenciais - prysmian - 2006Instalações elétricas   instalações elétricas residenciais - prysmian - 2006
Instalações elétricas instalações elétricas residenciais - prysmian - 2006
 

Semelhante a Dimensionamento partida direta de motores

1323531540 componentes-eletricos-do-refrigerador
1323531540 componentes-eletricos-do-refrigerador1323531540 componentes-eletricos-do-refrigerador
1323531540 componentes-eletricos-do-refrigerador
Mauro Luiz Costa
 
06 componentes eletricos do refrigerador (manual tecumseh)
06 componentes eletricos do refrigerador (manual tecumseh)06 componentes eletricos do refrigerador (manual tecumseh)
06 componentes eletricos do refrigerador (manual tecumseh)
andydurdem
 
Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02
Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02
Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02
Miguel Eletricista
 
Siemens guia do eletricista (192)
Siemens   guia do eletricista (192)Siemens   guia do eletricista (192)
Siemens guia do eletricista (192)
Marcellus Figueiredo
 
Apresentação de motores e servomecanismos slideshare
Apresentação de motores e servomecanismos slideshareApresentação de motores e servomecanismos slideshare
Apresentação de motores e servomecanismos slideshare
Watson Oliveira
 
Apostilha ssw
Apostilha sswApostilha ssw
Apostilha ssw
Magno Stedile
 
Newtoncbraga.inversor de frequencia
Newtoncbraga.inversor de frequenciaNewtoncbraga.inversor de frequencia
Newtoncbraga.inversor de frequencia
Gilvan Veloso
 
Placa identificadora do motor elétrico
Placa identificadora do motor elétricoPlaca identificadora do motor elétrico
Placa identificadora do motor elétrico
Mauricio Machado Concalves
 
[E-BOOK 3] - Comandos Elétricos 3.pdf
[E-BOOK 3] - Comandos Elétricos 3.pdf[E-BOOK 3] - Comandos Elétricos 3.pdf
[E-BOOK 3] - Comandos Elétricos 3.pdf
LucasEduardoSilva7
 
Instalação de Motores Elétricos.pptx
Instalação de Motores Elétricos.pptxInstalação de Motores Elétricos.pptx
Instalação de Motores Elétricos.pptx
VicenteOsmil
 
Aspectos Técnicos da Instalação de Motores Elétricos.pptx
Aspectos Técnicos da Instalação de Motores Elétricos.pptxAspectos Técnicos da Instalação de Motores Elétricos.pptx
Aspectos Técnicos da Instalação de Motores Elétricos.pptx
VladimirSilva37
 
5ª aula pratica com inversor de frequencia
5ª aula pratica com inversor de frequencia5ª aula pratica com inversor de frequencia
5ª aula pratica com inversor de frequencia
AnaMacedoeletrical
 
Guia do eletricista
Guia do eletricistaGuia do eletricista
Guia do eletricista
Milton Menezes
 
Motor CC no Matlab
Motor CC no MatlabMotor CC no Matlab
Motor CC no Matlab
Sergio Marcelino
 
Simulação de partida softstart
Simulação de partida softstartSimulação de partida softstart
Simulação de partida softstart
Estou a procura de oportunidade de trabalho.
 
Dimensionamento de Sistemas elétricos.pdf
Dimensionamento de Sistemas elétricos.pdfDimensionamento de Sistemas elétricos.pdf
Dimensionamento de Sistemas elétricos.pdf
GleibsonHenrique
 
Alimentação da injeção eletrônica e seus defeitos
Alimentação da injeção eletrônica e seus defeitosAlimentação da injeção eletrônica e seus defeitos
Alimentação da injeção eletrônica e seus defeitos
Fabio Silva Oliveira
 
Interpretacao de-placas-de-motores
Interpretacao de-placas-de-motores Interpretacao de-placas-de-motores
Interpretacao de-placas-de-motores
Samuel Jó
 
Motores de inducao
Motores de inducaoMotores de inducao
Motores de inducao
Ademir Santos
 
Hangout servo motor 2016 2810
Hangout  servo motor 2016 2810Hangout  servo motor 2016 2810
Hangout servo motor 2016 2810
Kalatec Automação
 

Semelhante a Dimensionamento partida direta de motores (20)

1323531540 componentes-eletricos-do-refrigerador
1323531540 componentes-eletricos-do-refrigerador1323531540 componentes-eletricos-do-refrigerador
1323531540 componentes-eletricos-do-refrigerador
 
06 componentes eletricos do refrigerador (manual tecumseh)
06 componentes eletricos do refrigerador (manual tecumseh)06 componentes eletricos do refrigerador (manual tecumseh)
06 componentes eletricos do refrigerador (manual tecumseh)
 
Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02
Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02
Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02
 
Siemens guia do eletricista (192)
Siemens   guia do eletricista (192)Siemens   guia do eletricista (192)
Siemens guia do eletricista (192)
 
Apresentação de motores e servomecanismos slideshare
Apresentação de motores e servomecanismos slideshareApresentação de motores e servomecanismos slideshare
Apresentação de motores e servomecanismos slideshare
 
Apostilha ssw
Apostilha sswApostilha ssw
Apostilha ssw
 
Newtoncbraga.inversor de frequencia
Newtoncbraga.inversor de frequenciaNewtoncbraga.inversor de frequencia
Newtoncbraga.inversor de frequencia
 
Placa identificadora do motor elétrico
Placa identificadora do motor elétricoPlaca identificadora do motor elétrico
Placa identificadora do motor elétrico
 
[E-BOOK 3] - Comandos Elétricos 3.pdf
[E-BOOK 3] - Comandos Elétricos 3.pdf[E-BOOK 3] - Comandos Elétricos 3.pdf
[E-BOOK 3] - Comandos Elétricos 3.pdf
 
Instalação de Motores Elétricos.pptx
Instalação de Motores Elétricos.pptxInstalação de Motores Elétricos.pptx
Instalação de Motores Elétricos.pptx
 
Aspectos Técnicos da Instalação de Motores Elétricos.pptx
Aspectos Técnicos da Instalação de Motores Elétricos.pptxAspectos Técnicos da Instalação de Motores Elétricos.pptx
Aspectos Técnicos da Instalação de Motores Elétricos.pptx
 
5ª aula pratica com inversor de frequencia
5ª aula pratica com inversor de frequencia5ª aula pratica com inversor de frequencia
5ª aula pratica com inversor de frequencia
 
Guia do eletricista
Guia do eletricistaGuia do eletricista
Guia do eletricista
 
Motor CC no Matlab
Motor CC no MatlabMotor CC no Matlab
Motor CC no Matlab
 
Simulação de partida softstart
Simulação de partida softstartSimulação de partida softstart
Simulação de partida softstart
 
Dimensionamento de Sistemas elétricos.pdf
Dimensionamento de Sistemas elétricos.pdfDimensionamento de Sistemas elétricos.pdf
Dimensionamento de Sistemas elétricos.pdf
 
Alimentação da injeção eletrônica e seus defeitos
Alimentação da injeção eletrônica e seus defeitosAlimentação da injeção eletrônica e seus defeitos
Alimentação da injeção eletrônica e seus defeitos
 
Interpretacao de-placas-de-motores
Interpretacao de-placas-de-motores Interpretacao de-placas-de-motores
Interpretacao de-placas-de-motores
 
Motores de inducao
Motores de inducaoMotores de inducao
Motores de inducao
 
Hangout servo motor 2016 2810
Hangout  servo motor 2016 2810Hangout  servo motor 2016 2810
Hangout servo motor 2016 2810
 

Mais de jccabral

Subestações
SubestaçõesSubestações
Subestações
jccabral
 
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primariaProcedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
jccabral
 
Plano de Manutenção em Equipamentos Elétricos
Plano de Manutenção em Equipamentos ElétricosPlano de Manutenção em Equipamentos Elétricos
Plano de Manutenção em Equipamentos Elétricos
jccabral
 
Roteira de Manutenção
Roteira de ManutençãoRoteira de Manutenção
Roteira de Manutenção
jccabral
 
Unidade 2 água fria_novo
Unidade 2 água fria_novoUnidade 2 água fria_novo
Unidade 2 água fria_novo
jccabral
 
Sistemas de água fria dimensionamento das instalações dicas - renato massano
Sistemas de água fria  dimensionamento das instalações   dicas - renato massanoSistemas de água fria  dimensionamento das instalações   dicas - renato massano
Sistemas de água fria dimensionamento das instalações dicas - renato massano
jccabral
 
Predial agua-fria tigre
Predial agua-fria tigrePredial agua-fria tigre
Predial agua-fria tigre
jccabral
 
Nbr 5410
Nbr 5410Nbr 5410
Nbr 5410
jccabral
 
Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)
Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)
Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)
jccabral
 
Laudoaeaxpmsjc3 (1)
Laudoaeaxpmsjc3 (1)Laudoaeaxpmsjc3 (1)
Laudoaeaxpmsjc3 (1)
jccabral
 
Lampadas eficiencia energética
Lampadas eficiencia energéticaLampadas eficiencia energética
Lampadas eficiencia energética
jccabral
 
Desenhos isométricos (1)
Desenhos isométricos (1)Desenhos isométricos (1)
Desenhos isométricos (1)
jccabral
 
Ct coele 2013_2_21
Ct coele 2013_2_21Ct coele 2013_2_21
Ct coele 2013_2_21
jccabral
 
Como colocar cotas em perspectiva isométrica
Como colocar cotas em perspectiva isométricaComo colocar cotas em perspectiva isométrica
Como colocar cotas em perspectiva isométrica
jccabral
 
Com mgi206
Com mgi206Com mgi206
Com mgi206
jccabral
 
Auto cad2unl
Auto cad2unlAuto cad2unl
Auto cad2unl
jccabral
 
Apostila cad
Apostila cadApostila cad
Apostila cad
jccabral
 

Mais de jccabral (17)

Subestações
SubestaçõesSubestações
Subestações
 
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primariaProcedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
Procedimentos praticos para manutenção de cabine primaria
 
Plano de Manutenção em Equipamentos Elétricos
Plano de Manutenção em Equipamentos ElétricosPlano de Manutenção em Equipamentos Elétricos
Plano de Manutenção em Equipamentos Elétricos
 
Roteira de Manutenção
Roteira de ManutençãoRoteira de Manutenção
Roteira de Manutenção
 
Unidade 2 água fria_novo
Unidade 2 água fria_novoUnidade 2 água fria_novo
Unidade 2 água fria_novo
 
Sistemas de água fria dimensionamento das instalações dicas - renato massano
Sistemas de água fria  dimensionamento das instalações   dicas - renato massanoSistemas de água fria  dimensionamento das instalações   dicas - renato massano
Sistemas de água fria dimensionamento das instalações dicas - renato massano
 
Predial agua-fria tigre
Predial agua-fria tigrePredial agua-fria tigre
Predial agua-fria tigre
 
Nbr 5410
Nbr 5410Nbr 5410
Nbr 5410
 
Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)
Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)
Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)
 
Laudoaeaxpmsjc3 (1)
Laudoaeaxpmsjc3 (1)Laudoaeaxpmsjc3 (1)
Laudoaeaxpmsjc3 (1)
 
Lampadas eficiencia energética
Lampadas eficiencia energéticaLampadas eficiencia energética
Lampadas eficiencia energética
 
Desenhos isométricos (1)
Desenhos isométricos (1)Desenhos isométricos (1)
Desenhos isométricos (1)
 
Ct coele 2013_2_21
Ct coele 2013_2_21Ct coele 2013_2_21
Ct coele 2013_2_21
 
Como colocar cotas em perspectiva isométrica
Como colocar cotas em perspectiva isométricaComo colocar cotas em perspectiva isométrica
Como colocar cotas em perspectiva isométrica
 
Com mgi206
Com mgi206Com mgi206
Com mgi206
 
Auto cad2unl
Auto cad2unlAuto cad2unl
Auto cad2unl
 
Apostila cad
Apostila cadApostila cad
Apostila cad
 

Último

MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
Vilson Stollmeier
 
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de PosicionamentoIntrodução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
GeraldoGouveia2
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
Consultoria Acadêmica
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
marcosmpereira
 
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 

Último (8)

MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
 
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de PosicionamentoIntrodução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
 
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
 
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
 

Dimensionamento partida direta de motores

  • 1. Dimensionamento partida direta de motores ENG ° EVERTON MORAES OUTUBRO 3, 2012 31 COMENTÁRIOS COMANDOS  277  5  12   4 É muito provável que você conheça ou já escutou alguém falar sobre a Partida Direta de Motores Trifásicos, bom a este sistema de partida, como vimos anteriormente (acesse aqui o post da partida direta), se aplica à motores que possuam potência igual ou inferior a 10cv. Quando a partida direta é escolhida como chave de partida a ser utilizada, devemos atentarmos nos dispositivos de acionamentos que serão empregados, como por exemplo o contator, relé térmico e etc. Caso contrário poderemos ter a redução da vida útil destes componentes. Algumas “regras” deverão ser obedecidas para a escolha destes componentes no dimensionamento partida direta. Trataremos a seguir das principais características técnicas para podermos dimensionar uma partida de motor elétrico trifásico. O Motor
  • 2. O motor a ser considerado neste artigo será um motor tipo gaiola de esquilo e poderá receber qualquer nível de tensão elétrica, podendo portanto estar com seus terminais proporcionando um fechamento em estrela ou triângulo (isso não implica no dimensionamento) relembre abaixo os fechamentos estrela e triângulo: [one_half] Fechamento triângulo [/one_half] [one_half_last] Fechamento Estrela [/one_half_last]
  • 3. Dimensionamento partida direta Para tornar nosso aprendizado mais pático, iremos partir do pressuposto que possuímos um motor elétrico trifásico com as seguintes características: [one_half] Motor elétrico trifásico de 30cv de potência, 4 polos e será energizado a uma rede de alimentação trifásica de 380Vac/60Hz. A corrente nominal informada pelo fabricante é de 44A e possui como fator de corrente de partida: Ip/In=8,0. Este trabalha em regime normal de manobra com rotor gaiola de esquilo e desligamento em regime, por fim, possui tempo de partida de 5 segundos. [/one_half] [one_half_last] [/one_half_last] [alert type=”blue”]OBS: A Categoria de emprego dos componentes será AC3, pois trata-se de aplicação de motor
  • 4. elétrico trifásico de indução e a interrupção se efetua com o motor em regime[/alert] Composição do circuito de potência: Roteiro de cálculos Dimensionamento do contator K1 Considerando que o contator, neste tipo de acionamento, conduzirá 100% da corrente do motor, temos que a corrente do contator deverá ser igual ou superior a corrente nominal do motor elétrico trifásico, veja a seguir: Formula Logo teremos para nosso exemplo:
  • 5.  Ie = Corrente nominal de emprego (Do contator)  In = Corrente nominal de trabalho do motor  1,15 = fator de segurança que determina um acréscimo de 15%do valor da correntede trabalho do contator A corrente elétrica a ser considerada ao contatorK1, chamda de corrente de emprego será de 50,6A como podemos observar no cálculo acima Escolha do componente Consultando o catálogo do fabricante do contator escolhido, determinaremos qual o modelo que atende a necessidade, veja que neste caso utilizaremos como referência o catálogo do fabricante WEG, sendo assim teremos o seguinte contator: O contator escolhido foi o CWM65 que, utilizado na classe AC3 conforme necessidade do exercício proposto, pode ser aplicado para potências nominais de até 40cv conforme o item“B” acima
  • 6. (nossa necessidade é de 30cv). Este mesmo contator é aplicado a uma corrente de emprego máxima de 65A conforme o item “A” na figura anterior, nosso cálculo determinou uma corrente mínima de emprego de 50,6A. Consulte estes valores no catálogo Aproveite para interagir com o catálogo eletrônica e assim se habituar com esta prática de consulta, clique na imagem abaixo e acesse para consulta e também o download: Acesse a página 3 Dimensionamento do relé térmico O relé térmico tem a função de proteger a integridade do motor elétrico, desta forma, este deverá possuir em sua faixa de ajuste, a mesma corrente nominal do motor e também deverá ser compatível ao contator escolhido, pois caso contrário não será possível realizar sua montagem ao contator. Veja na ilustração abaixo o relé térmico escolhido…
  • 7. Observe que o modelo de relé térmico escolhido é o RW67- 2D (B) que, por sua vez, é compatível com o contator selecionado anteriormente (A). A corrente nominal do motor fornecida pelo fabricante é de 44A conforme mencionado no início do exercício, portanto, além de determinarmos o modelo do relé utilizado, devemos encontrar uma faixa de ajuste compatível a corrente nominal. Já que In=44A escolhemos a faixa de ajuste de 40 a 57 (C). Consulte estes valores no catálogo Acesse a página 5
  • 8. Dimensionamento de Fusíveis Próximo de finalizarmos este artigo, iremos agora para o ultimo passo de nosso dimensionamento de partida direta. Serão necessário três situações para determinarmos os fusíveis de proteção, são eles:Antes de determinarmos o fusível devemos submeter o fusível escolhido em três situações distintas que implicará na proteção do circuito como um todo. 1ª Situação Antes de mais nada temos que reconhecer que, neste caso, o fusível terá como função, garantir a proteção do circuito de acionamento do motor e não a proteção do motor propriamente dita. Quando tratamos de proteção do motor através de fusível devemos nos atentar que, no momento da partida, o motor possui a corrente de partida elevada, podendo chegar a 8 vezes a corrente nominal, sendo assim teremos que utilizar os fusíveis de acionamento retardado para que estes não sejam acionados no momento da partida do motor.Em nosso exemplo o motor executa sua partida em 5 segundos, tempo este em que a
  • 9. corrente de partida terá seu valor acima da nominal, então determinaremos a corrente do fusível baseado nestas características bem como a corrente de partida do motor elétrico trifásico. Determinando a corrente de partida do motor Formula  Ip = Corrente de Partida  Ip/In = Fator multiplicativo que determina Ip  In = Corrente Nominal Logo teremos para nosso exemplo: A correnteelétrica no momento da partidado motor será de 352A aproximadamente. Conhecendo a corrente de partida e o tempo que o motor leva para chegar em seu valor nominal de rotação podemos determinar o valor de fusível a ser aplicado. veja na ilustração abaixo estas informações aplicadas ao gráfico do fabricante do fusível: Observe que o fusível escolhido foi o de 63A Retardado
  • 10. 2ª Situação A corrente do fusível dever ter valor superior a 20% da corrente nominal do motor elétrico a qual será aplicado. Logo, teremos a seguinte fórmula: Formula  Ip = Corrente de Partida  Ip/In = Fator multiplicativo que determina Ip  In = Corrente Nominal Logo teremos para nosso exemplo: A corrente elétrica que representa a corrente nominal do motor acrescida de 20% é 52,8A aproximadamente Portanto teremos o seguinte valor de corrente:
  • 11. A corrente calculada de 52,8A é inferior a corrente determinada na 1° situação, portanto o fusível escolhido de 63A através do gráfico atende a necessidade desta segunda situação de escolha do fusível. 3ª Situação Nesta terceira e ultima situação observaremos se o fusível irá proteger os dispositivos de acionamento do motor (contator e relé térmico), para isso devemos garantir que a corrente do contato, bem como a do relé térmico seja superior a do fusível escolhido. veja: IF MÁXIMA DO CONT AT OR = 125A IF RELÉ T ÉRMICO = 100A Conclusão: Tendo em vista que se faz necessário, para a seletividade dos fusíveis, o atendimento dos três requisitos (situação 1, 2 e 3) podemos afirmar que o fusível escolhido de 63A atende perfeitamente as necessidades que o circuito de partida direta exige em sua proteção. Link: Um link interessante para o dimensionamento de sistemas de partidas de motores: