SlideShare uma empresa Scribd logo
Introdução
Ao longo de uma formação acadêmica para se tornar professor de química,
além de um curso teórico muito difícil é necessário que ao fim dos estágios nas
escolas públicas e/ouprivadas os futuros professores estejam aptos a lecionar de
maneira que a disciplina seja atraente para o público que irá aprendê-la.Muitos
desafios aparecem até a formatura e um deles seria como mostrar para os alunos
que a Química é uma disciplina interessante e quea entendendo bem, podem usar o
que aprenderam em sala de aula no dia-a-dia fora dela.
O professor de química deve mostrar para os alunos que a química não é a
grande vilã do final do século. Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais –
PCN - (2000) os meios de comunicação informam a população de maneira
superficial, errada ou exagerando no linguajar técnico. A escola juntamente com o
professor precisa evoluir junto com as novas tecnologias e se adaptar para que os
alunos se sintam atraídos pelo ambiente escolar.
A química é uma ciência experimental e deveria ser assim ensinada em todas
as escolas. O aluno ao sair de sala e se transferir para outro ambiente, como o
laboratório de química, iria fazer com que ele se aproximasse da realidade cientifica.
Segundo a revista PEC (2002), para haver aprendizagem significativa o aluno
precisa em primeiro lugar estar disposto a aprender, a memorização de algum
conteúdo torna a aprendizagem mecânica. Em segundo lugar, o conteúdo escolar a
ser aprendido tem que ser logicamente e psicologicamente significativo, ou seja, o
significado lógico depende somente da natureza do conteúdo, e o significado
psicológico é uma experiência de cada individuo. Cada aluno faz a filtragem do que
tem sentido ou não pra si próprio.
Os PCN (2000) falam sobre o “conhecimento acumulado”, onde o aluno, de
modo geral, ao memorizar as informações de forma passiva estaria ganhando
conhecimento, porém aprender é muito mais do que decorar certas regras ou nomes
complicados. Existe uma preocupação com a situação do ensino de química, apesar
de nos últimos anos tenha ocorrido uma complementação do currículo com a
abordagem CTS (Ciência, Tecnologia e Sociedade), o ensino de química nas
escolas continua praticamente o mesmo.
A finalidade social da abordagem CTS é promover a alfabetização
cientifica mostrando a ciência e a tecnologia como atividades importantes, pois
formam parte da cultura geral das sociedades modernas. O jovem é estimulado a ter
um olhar critico sobre ciência e tecnologia além de uma analise reflexiva bem
embasada das suas relações sociais. Os estudos CTS ainda pretende diminuir o
abismo que se consolidou entre a cultura humanista e a cultura cientifico tecnológica
que tanto fragmenta os diversos grupos humanos.
O ensino médio é definido pela Lei de Diretrizes e Bases (1996)– Lei
da LDB - nº 9.394/1996 – como a última etapa da educação básica. São necessários
três anos para concluir essa etapa e para os estudantes que concluem os estudos
sem interrupção e/ou reprovação ocorre nessa etapa à maturidade sexual e
intelectual. Segundo Vygotsky (1997) é nesse período que o adolescente constitui a
capacidade do pensamento conceitual. Em suateoria sócio-cultural, Vygotsky diz que
o desenvolvimento cognitivo é limitado a um determinado potencial para cada
intervalo de idade, o indivíduo/aluno deve estar inserido em um grupo social para
aprender o que seu grupo produz; o conhecimento surgirá primeiro daquele grupo e
depois será interiorizado. A aprendizagem ocorre no relacionamento do aluno com o
professor e com outros alunos.
O processo de construção de conhecimento deve ser vinculado à
realidade, pensando assim a aprendizagem pode ser definida como o modo como os
seres adquirem novos conhecimentos, desenvolvem competências e mudam o
comportamento.Por teorias de aprendizagem podemos observar três modalidades
gerais: Cognitiva, afetiva e psicomotora.A cognitiva ou significativa está relacionada
com o conhecimento e pode ser entendida com aquela resultante do
armazenamento de informações de maneira organizada pelo ser que se aprende.O
indivíduo é visto como um ser que interage com o meio e é graças a essa interação
que aprende. A aprendizagem afetiva é um tipo de conhecimento que provoca
sentimentos ou sensações como dor, prazer, satisfações, desejos e ansiedades.Já a
aprendizagem psicomotora é aquela que provoca respostas condicionadas,
resultado de muita práticae treino (MOREIRA, 1982)
O psicólogo norte americano David Ausubel dedicou sua carreira à
psicologia educacional e dentre os três tipos de aprendizagem, Ausubel, se ocupou
primordialmente da cognitiva. Nos meados de 1960 propôs uma explicação teórica
para o processo de aprendizagem.Nesse processo a nova informação interage com
uma estrutura de conhecimento específica que Ausubel chama de “subsunçor”.
Quando o conteúdo escolar a ser aprendido não consegue ligar-se a algo já
conhecido, ocorre oque Ausubel chama de aprendizagem mecânica, ou seja,
quando as novas informações são aprendidassem interagir com o conhecimento
prévio do aluno. Assim, a pessoa decora fórmulas,leis, mas esquece após a
avaliação (PELIZZARE e outros, 2002).
Sua teoria é construtivista e o papel da interação
professor aluno, sem dúvida é importante, para que, a partir dos
subsunçores que o aluno possui construir novos subsunçores ou
modificar os velhos. A aprendizagem é dinâmica, pois ela é uma
interação entre aluno e professor, a partir do conhecimento prévio
que o aluno tem.
(AUSUBEL, NOVAK E HANESIAN, 1983).
Na aprendizagem significativa, o aprendiz não é um receptor passivo.
Ele deve fazer uso dos significados que já incorporou inconscientemente, de
maneira substantiva e não arbitrária, para poder captar os significados dos materiais
educativos. Nesse processo, ao mesmo tempo em que está progressivamente
diferenciando sua estrutura cognitiva, está também fazendo a reconciliação
integradora de modo a identificar semelhanças e diferenças e reorganizar seu
conhecimento (MOREIRA, 2006).
Complementando essa ideia, GOWIN apud MOREIRA (2006), diz que
outro aspecto fundamental da aprendizagem significativa, é que o aprendiz deve
apresentar uma pré-disposição para aprender. Ou seja, para aprender
significativamente, o aluno tem que manifestar uma disposição para relacionar de
maneira não arbitrária e não literal, à sua estrutura cognitiva e os significados que
capta dos materiais educativos.
Mas a dificuldade está em como motivar esse aluno a ter essa pré-
disposição em aprender e não apenas memorizar conteúdos soltos sem relação com
seu cotidiano. Quanto mais se relaciona o novo conteúdo de maneira substancial e
nãoarbitráriacom algum aspecto da estrutura cognitiva prévia que lhe for relevante,
mais próximo se estáda aprendizagem significativa. Quanto menos se estabelece
esse tipo de relação, mais próxima se está daaprendizagem mecânica ou repetitiva,
assim a aprendizagem não seria mais cognitiva e sim psicomotora. Segundo a teoria
de Ausubel, na aprendizagem significativa há três vantagens essenciais em relação
àaprendizagem memorística. Em primeiro lugar, o conhecimento que se adquire de
maneira significativaé retido e lembrado por mais tempo. Em segundo, aumenta a
capacidade de aprender outros conteúdosde uma maneira mais fácil, mesmo se a
informação original for esquecida. E, em terceiro, uma vezesquecida, facilita a
aprendizagem seguinte– a “reaprendizagem”. A aprendizagem significativa tem
vantagens notáveis, tanto do ponto de vista do enriquecimento da estrutura cognitiva
do aluno como do ponto de vista da lembrança posterior, esses fatores mostram que
a aprendizagem cognitiva é a mais adequada para ser promovida entre os alunos.
(PELIZZARE e outros, 2002).
Além de saber motivar o aluno para ter uma aprendizagem significativa,
existe uma preocupação em saber pra que e como avaliar o rendimento escolar dos
alunos. A verificação do rendimento escolar observará os seguintes critérios:
a) avaliação contínua e cumulativa do desempenho do aluno, com prevalência
dos aspectos qualitativos sobre os quantitativos e dos resultados ao longo doperíodo
sobre os de eventuais provas finais;
b) possibilidade de aceleração de estudos para alunos com atraso escolar;
c) possibilidade de avanço nos cursos e nas series mediante verificação do
aprendizado
d) aproveitamento de estudos concluídos com êxito
e) obrigatoriedade de estudos de recuperação, de preferência paralelos ao
período letivo, para os casos de baixo rendimento escolar, a serem disciplinados
pelas instituições de ensino em seus regimentos (LDB, 1996).
O principal propósito de uma avaliação de sistema é possibilitar o
desenvolvimento de politicas públicas da área educacional que contemplem a
qualidade do ensino oferecido a todos os alunos, e a igualdade de oportunidade
para que os alunos possam aprender. No Brasil, a avaliação de sistema
desenvolvida pelo Ministério de Educação e Cultura (MEC) analisa quais os
desempenhos conquistados pelos alunos no 5º e no 9º ano do ensino fundamental e
no 3º ano do Ensino Médio, em disciplinas como Língua Portuguesa, Matemática e
Ciências. Nessas avaliações, além da aprendizagem dos alunos, procura-se também
analisar variáveis que interfiram no desempenho do aluno e possam assim ajudar na
compreensão de diferenças encontradas nos resultados apresentados pelos alunos,
como por exemplo: formação dos docentes, situação das escolas etc (SOUSA,
2008).
Para iniciar uma avaliação do rendimento escolar que traduza na pratica o
compromisso da escola com o desenvolvimento do aluno, três perguntas podem
orientar o trabalho do docente: PARA QUE AVALIAR, O QUE AVALIAR E COMO
AVALIAR. A avaliação do aluno em sala de aula tem como propósito melhorar e
aperfeiçoar o ensino da forma que vem sendo oferecido, além de situar o próprio
professor e principalmente o aluno de como está seu percurso escolar. Baseado na
legislação já citada no texto sobre a verificação do rendimento escolar, o professor
amplia o nível das decisões que pode tomar a partir da sai avaliação e não somente
para classificar o aluno e definir aprovação e reprovação, segundo Sousa (2008) a
avaliação do rendimento escolar assume agora legalmente o que a teoria
especializada preconiza como sua função básica: subsidiar o aperfeiçoamento do
ensino. O que deve ser avaliado vai depender da instituição e para qual a finalidade
dessa avaliação. Escolas que atendem uma população de alunos bastante
diversificada e com habilidades escolares muito heterogêneas precisariam avaliar
pelo diagnósticos de pré-requisito, na eficácia dos programas de aceleração que são
desenvolvidos para os estudantes com maiores dificuldades tendo em vista a
preparação de programas que levassem a superação (SOUSA, 2008)
Como avaliar? O que significa avaliar? A avaliação deve substituir a função
classificatória da aprendizagem do aluno pela função formativa, uma vez que seu
objetivo principal é promover o processo de ensino-aprendizagem. Avaliar não é
medir e a avaliação chamada de formadora realiza um processo não fragmentado,
não punitivo e orientado por princípios éticos. Comprometida com a transformação
social, essa prática educativa prioriza a analise do pensamento crítico do aluno e
focaliza sua capacidade de solucionar problemas reais.
Dentro da disciplina Química existem três grandes áreas: Química Geral e
Inorgânica, Físico - Química e Química Orgânica e é essa ultima que o trabalho irá
focar. Por tradição, a Química Orgânica é apresentada nos livros didáticos do
Ensino Médio como a última parte do volume único ou, em caso de volumes
seriados é apresentada no volume três. Pelo currículo básico, as escolas de Ensino
Médio, quando tradicionais, apresentam essa parte da química no ultimo ano. Em
muitas escolas particulares e publicas, oestudo da Química Orgânica inicia na
segunda metade do segundo ano e termina no terceiro ano. Nos colégios/cursos,
toda a química orgânica é lecionada no segundo ano e no terceiro é feita uma
revisão geral, a fim de preparar o aluno para os vestibulares de todo o
Brasil.................................................................................

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Johann Friedrich Herbart
Johann Friedrich HerbartJohann Friedrich Herbart
Johann Friedrich Herbart
Alano Freire
 
LDB 9394-96.pdf
LDB 9394-96.pdfLDB 9394-96.pdf
LDB 9394-96.pdf
ssuser639f3a
 
Cartilha
CartilhaCartilha
Cartilha
Cristiani Crema
 
Relatorio final pronto!
Relatorio final pronto!Relatorio final pronto!
Relatorio final pronto!
Silvio Medeiros
 
PEB I - PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA I - SIMULADO 2011
PEB I - PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA I  -  SIMULADO 2011PEB I - PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA I  -  SIMULADO 2011
PEB I - PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA I - SIMULADO 2011
Valdeci Correia
 
Métodos de ensino
Métodos de ensinoMétodos de ensino
Métodos de ensino
Mara Salvucci
 
Capítulo 3 parte marcia
Capítulo 3 parte marciaCapítulo 3 parte marcia
Capítulo 3 parte marcia
Marcia Nakamura
 
Relatorio de estagio supervisionado administrativo
Relatorio de estagio supervisionado administrativoRelatorio de estagio supervisionado administrativo
Relatorio de estagio supervisionado administrativo
Alessandra Alves
 
Constituição
Constituição  Constituição
Constituição
karlyapessoa
 
História da psicopedagogia
História da psicopedagogiaHistória da psicopedagogia
História da psicopedagogia
Júlia Eugênia Gonçalves
 
Atendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional EspecializadoAtendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional Especializado
ceciliaconserva
 
5. modelos de escola tradicional
5. modelos de escola tradicional5. modelos de escola tradicional
5. modelos de escola tradicional
joaovitorinopolacimatos
 
Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...
Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...
Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...
Viegas Fernandes da Costa
 
90429836 abordagens-pedagogicas-maria-da-graca-nicoletti-mizukami
90429836 abordagens-pedagogicas-maria-da-graca-nicoletti-mizukami90429836 abordagens-pedagogicas-maria-da-graca-nicoletti-mizukami
90429836 abordagens-pedagogicas-maria-da-graca-nicoletti-mizukami
cavcap
 
O Papel do Brinquedo no Desenvolvimento - Pontos de Reflexão
O Papel do Brinquedo no Desenvolvimento - Pontos de Reflexão O Papel do Brinquedo no Desenvolvimento - Pontos de Reflexão
O Papel do Brinquedo no Desenvolvimento - Pontos de Reflexão
Gabrielle Silva
 
Modelo de relatório
Modelo de relatórioModelo de relatório
Modelo de relatório
matemagico10lula
 
PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018
PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018
PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018
Antônio Fernandes
 
DECLARAÇÃO DE SALAMANCA.pptx
DECLARAÇÃO DE SALAMANCA.pptxDECLARAÇÃO DE SALAMANCA.pptx
DECLARAÇÃO DE SALAMANCA.pptx
ssuser7c005d
 
Aula 2 e 3 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
Aula 2 e 3 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVAAula 2 e 3 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
Aula 2 e 3 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
Rute Pereira
 
]Plano nacional de educação 2014 2024
]Plano nacional de educação 2014 2024]Plano nacional de educação 2014 2024
]Plano nacional de educação 2014 2024
Lucimara Foloni
 

Mais procurados (20)

Johann Friedrich Herbart
Johann Friedrich HerbartJohann Friedrich Herbart
Johann Friedrich Herbart
 
LDB 9394-96.pdf
LDB 9394-96.pdfLDB 9394-96.pdf
LDB 9394-96.pdf
 
Cartilha
CartilhaCartilha
Cartilha
 
Relatorio final pronto!
Relatorio final pronto!Relatorio final pronto!
Relatorio final pronto!
 
PEB I - PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA I - SIMULADO 2011
PEB I - PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA I  -  SIMULADO 2011PEB I - PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA I  -  SIMULADO 2011
PEB I - PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA I - SIMULADO 2011
 
Métodos de ensino
Métodos de ensinoMétodos de ensino
Métodos de ensino
 
Capítulo 3 parte marcia
Capítulo 3 parte marciaCapítulo 3 parte marcia
Capítulo 3 parte marcia
 
Relatorio de estagio supervisionado administrativo
Relatorio de estagio supervisionado administrativoRelatorio de estagio supervisionado administrativo
Relatorio de estagio supervisionado administrativo
 
Constituição
Constituição  Constituição
Constituição
 
História da psicopedagogia
História da psicopedagogiaHistória da psicopedagogia
História da psicopedagogia
 
Atendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional EspecializadoAtendimento Educacional Especializado
Atendimento Educacional Especializado
 
5. modelos de escola tradicional
5. modelos de escola tradicional5. modelos de escola tradicional
5. modelos de escola tradicional
 
Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...
Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...
Relatório Final do Projeto de Extensão: Ocupação pré-colonial e patrimônio ar...
 
90429836 abordagens-pedagogicas-maria-da-graca-nicoletti-mizukami
90429836 abordagens-pedagogicas-maria-da-graca-nicoletti-mizukami90429836 abordagens-pedagogicas-maria-da-graca-nicoletti-mizukami
90429836 abordagens-pedagogicas-maria-da-graca-nicoletti-mizukami
 
O Papel do Brinquedo no Desenvolvimento - Pontos de Reflexão
O Papel do Brinquedo no Desenvolvimento - Pontos de Reflexão O Papel do Brinquedo no Desenvolvimento - Pontos de Reflexão
O Papel do Brinquedo no Desenvolvimento - Pontos de Reflexão
 
Modelo de relatório
Modelo de relatórioModelo de relatório
Modelo de relatório
 
PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018
PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018
PPP PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ESCOLA CORNÉLIA 2016-2018
 
DECLARAÇÃO DE SALAMANCA.pptx
DECLARAÇÃO DE SALAMANCA.pptxDECLARAÇÃO DE SALAMANCA.pptx
DECLARAÇÃO DE SALAMANCA.pptx
 
Aula 2 e 3 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
Aula 2 e 3 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVAAula 2 e 3 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
Aula 2 e 3 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
 
]Plano nacional de educação 2014 2024
]Plano nacional de educação 2014 2024]Plano nacional de educação 2014 2024
]Plano nacional de educação 2014 2024
 

Semelhante a Introdução monografia

A construção social do conhecimento no ensino aprendizagem química
A construção social do conhecimento no ensino aprendizagem químicaA construção social do conhecimento no ensino aprendizagem química
A construção social do conhecimento no ensino aprendizagem química
Giseli Capaci
 
EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NO ENSINO SUPERIOR
EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NO ENSINO SUPERIOREDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NO ENSINO SUPERIOR
EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NO ENSINO SUPERIOR
Felipe Machado
 
Budel
BudelBudel
Atualmente os profissionais da área da educação (salvo automaticamente)
Atualmente os profissionais da área da educação (salvo automaticamente)Atualmente os profissionais da área da educação (salvo automaticamente)
Atualmente os profissionais da área da educação (salvo automaticamente)
Hanna Magalhaes
 
Metodologias Ativas como proposta estratégica para a o desenvolvimento de apr...
Metodologias Ativas como proposta estratégica para a o desenvolvimento de apr...Metodologias Ativas como proposta estratégica para a o desenvolvimento de apr...
Metodologias Ativas como proposta estratégica para a o desenvolvimento de apr...
LindsaiSantosAmaralB
 
Teoria da aprendizagem_ausubel
Teoria da aprendizagem_ausubelTeoria da aprendizagem_ausubel
Teoria da aprendizagem_ausubel
Mary Carneiro Rezende
 
Mtc 01 ausubel
Mtc   01 ausubelMtc   01 ausubel
Mtc 01 ausubel
Allan Ulisses
 
Teoria da Aprendizagem Significativa
Teoria da Aprendizagem SignificativaTeoria da Aprendizagem Significativa
Teoria da Aprendizagem Significativa
Fernando S. S. Barbosa
 
PELIZZARI et al-Teoria da aprendizagem significativa.pdf
PELIZZARI et al-Teoria da aprendizagem significativa.pdfPELIZZARI et al-Teoria da aprendizagem significativa.pdf
PELIZZARI et al-Teoria da aprendizagem significativa.pdf
AdrianaCirino
 
os desfios da escola Pública
os desfios da escola Públicaos desfios da escola Pública
os desfios da escola Pública
SEED
 
Dificuldades de Aprendizagem e a Instituição.docx
Dificuldades de Aprendizagem e a Instituição.docxDificuldades de Aprendizagem e a Instituição.docx
Dificuldades de Aprendizagem e a Instituição.docx
ClaudineRodriguesAra1
 
Estrutura e tendências politicas
Estrutura e tendências politicasEstrutura e tendências politicas
Estrutura e tendências politicas
Alexsandro Prates
 
Restinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati Pereira
Restinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati PereiraRestinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati Pereira
Restinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati Pereira
CursoTICs
 
Vivenciando novas experiências na educação de jovens e adultos
Vivenciando novas experiências na educação de jovens e adultosVivenciando novas experiências na educação de jovens e adultos
Vivenciando novas experiências na educação de jovens e adultos
pedagogianh
 
Interação no espaço escolar contribuições para a construção do conhecimento e...
Interação no espaço escolar contribuições para a construção do conhecimento e...Interação no espaço escolar contribuições para a construção do conhecimento e...
Interação no espaço escolar contribuições para a construção do conhecimento e...
Valria13
 
Didática
DidáticaDidática
Didática
gadea
 
Andragogia.pptx
Andragogia.pptxAndragogia.pptx
Andragogia.pptx
Benedito32
 
Carla rita franceschett-paim_sobradinho
Carla rita franceschett-paim_sobradinhoCarla rita franceschett-paim_sobradinho
Carla rita franceschett-paim_sobradinho
equipetics
 
Educacao fisica escolar_e_fisiologia
Educacao fisica escolar_e_fisiologiaEducacao fisica escolar_e_fisiologia
Educacao fisica escolar_e_fisiologia
Marcos Ferreira
 
Fichamento - Sintonia entre teoria e a prática no ensino de Língua Inglesa no...
Fichamento - Sintonia entre teoria e a prática no ensino de Língua Inglesa no...Fichamento - Sintonia entre teoria e a prática no ensino de Língua Inglesa no...
Fichamento - Sintonia entre teoria e a prática no ensino de Língua Inglesa no...
Maria Glalcy Fequetia Dalcim
 

Semelhante a Introdução monografia (20)

A construção social do conhecimento no ensino aprendizagem química
A construção social do conhecimento no ensino aprendizagem químicaA construção social do conhecimento no ensino aprendizagem química
A construção social do conhecimento no ensino aprendizagem química
 
EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NO ENSINO SUPERIOR
EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NO ENSINO SUPERIOREDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NO ENSINO SUPERIOR
EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NO ENSINO SUPERIOR
 
Budel
BudelBudel
Budel
 
Atualmente os profissionais da área da educação (salvo automaticamente)
Atualmente os profissionais da área da educação (salvo automaticamente)Atualmente os profissionais da área da educação (salvo automaticamente)
Atualmente os profissionais da área da educação (salvo automaticamente)
 
Metodologias Ativas como proposta estratégica para a o desenvolvimento de apr...
Metodologias Ativas como proposta estratégica para a o desenvolvimento de apr...Metodologias Ativas como proposta estratégica para a o desenvolvimento de apr...
Metodologias Ativas como proposta estratégica para a o desenvolvimento de apr...
 
Teoria da aprendizagem_ausubel
Teoria da aprendizagem_ausubelTeoria da aprendizagem_ausubel
Teoria da aprendizagem_ausubel
 
Mtc 01 ausubel
Mtc   01 ausubelMtc   01 ausubel
Mtc 01 ausubel
 
Teoria da Aprendizagem Significativa
Teoria da Aprendizagem SignificativaTeoria da Aprendizagem Significativa
Teoria da Aprendizagem Significativa
 
PELIZZARI et al-Teoria da aprendizagem significativa.pdf
PELIZZARI et al-Teoria da aprendizagem significativa.pdfPELIZZARI et al-Teoria da aprendizagem significativa.pdf
PELIZZARI et al-Teoria da aprendizagem significativa.pdf
 
os desfios da escola Pública
os desfios da escola Públicaos desfios da escola Pública
os desfios da escola Pública
 
Dificuldades de Aprendizagem e a Instituição.docx
Dificuldades de Aprendizagem e a Instituição.docxDificuldades de Aprendizagem e a Instituição.docx
Dificuldades de Aprendizagem e a Instituição.docx
 
Estrutura e tendências politicas
Estrutura e tendências politicasEstrutura e tendências politicas
Estrutura e tendências politicas
 
Restinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati Pereira
Restinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati PereiraRestinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati Pereira
Restinga Sêca - Maria Nelcinda Forrati Pereira
 
Vivenciando novas experiências na educação de jovens e adultos
Vivenciando novas experiências na educação de jovens e adultosVivenciando novas experiências na educação de jovens e adultos
Vivenciando novas experiências na educação de jovens e adultos
 
Interação no espaço escolar contribuições para a construção do conhecimento e...
Interação no espaço escolar contribuições para a construção do conhecimento e...Interação no espaço escolar contribuições para a construção do conhecimento e...
Interação no espaço escolar contribuições para a construção do conhecimento e...
 
Didática
DidáticaDidática
Didática
 
Andragogia.pptx
Andragogia.pptxAndragogia.pptx
Andragogia.pptx
 
Carla rita franceschett-paim_sobradinho
Carla rita franceschett-paim_sobradinhoCarla rita franceschett-paim_sobradinho
Carla rita franceschett-paim_sobradinho
 
Educacao fisica escolar_e_fisiologia
Educacao fisica escolar_e_fisiologiaEducacao fisica escolar_e_fisiologia
Educacao fisica escolar_e_fisiologia
 
Fichamento - Sintonia entre teoria e a prática no ensino de Língua Inglesa no...
Fichamento - Sintonia entre teoria e a prática no ensino de Língua Inglesa no...Fichamento - Sintonia entre teoria e a prática no ensino de Língua Inglesa no...
Fichamento - Sintonia entre teoria e a prática no ensino de Língua Inglesa no...
 

Introdução monografia

  • 1. Introdução Ao longo de uma formação acadêmica para se tornar professor de química, além de um curso teórico muito difícil é necessário que ao fim dos estágios nas escolas públicas e/ouprivadas os futuros professores estejam aptos a lecionar de maneira que a disciplina seja atraente para o público que irá aprendê-la.Muitos desafios aparecem até a formatura e um deles seria como mostrar para os alunos que a Química é uma disciplina interessante e quea entendendo bem, podem usar o que aprenderam em sala de aula no dia-a-dia fora dela. O professor de química deve mostrar para os alunos que a química não é a grande vilã do final do século. Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais – PCN - (2000) os meios de comunicação informam a população de maneira superficial, errada ou exagerando no linguajar técnico. A escola juntamente com o professor precisa evoluir junto com as novas tecnologias e se adaptar para que os alunos se sintam atraídos pelo ambiente escolar. A química é uma ciência experimental e deveria ser assim ensinada em todas as escolas. O aluno ao sair de sala e se transferir para outro ambiente, como o laboratório de química, iria fazer com que ele se aproximasse da realidade cientifica. Segundo a revista PEC (2002), para haver aprendizagem significativa o aluno precisa em primeiro lugar estar disposto a aprender, a memorização de algum conteúdo torna a aprendizagem mecânica. Em segundo lugar, o conteúdo escolar a ser aprendido tem que ser logicamente e psicologicamente significativo, ou seja, o significado lógico depende somente da natureza do conteúdo, e o significado psicológico é uma experiência de cada individuo. Cada aluno faz a filtragem do que tem sentido ou não pra si próprio. Os PCN (2000) falam sobre o “conhecimento acumulado”, onde o aluno, de modo geral, ao memorizar as informações de forma passiva estaria ganhando conhecimento, porém aprender é muito mais do que decorar certas regras ou nomes complicados. Existe uma preocupação com a situação do ensino de química, apesar de nos últimos anos tenha ocorrido uma complementação do currículo com a abordagem CTS (Ciência, Tecnologia e Sociedade), o ensino de química nas escolas continua praticamente o mesmo. A finalidade social da abordagem CTS é promover a alfabetização cientifica mostrando a ciência e a tecnologia como atividades importantes, pois
  • 2. formam parte da cultura geral das sociedades modernas. O jovem é estimulado a ter um olhar critico sobre ciência e tecnologia além de uma analise reflexiva bem embasada das suas relações sociais. Os estudos CTS ainda pretende diminuir o abismo que se consolidou entre a cultura humanista e a cultura cientifico tecnológica que tanto fragmenta os diversos grupos humanos. O ensino médio é definido pela Lei de Diretrizes e Bases (1996)– Lei da LDB - nº 9.394/1996 – como a última etapa da educação básica. São necessários três anos para concluir essa etapa e para os estudantes que concluem os estudos sem interrupção e/ou reprovação ocorre nessa etapa à maturidade sexual e intelectual. Segundo Vygotsky (1997) é nesse período que o adolescente constitui a capacidade do pensamento conceitual. Em suateoria sócio-cultural, Vygotsky diz que o desenvolvimento cognitivo é limitado a um determinado potencial para cada intervalo de idade, o indivíduo/aluno deve estar inserido em um grupo social para aprender o que seu grupo produz; o conhecimento surgirá primeiro daquele grupo e depois será interiorizado. A aprendizagem ocorre no relacionamento do aluno com o professor e com outros alunos. O processo de construção de conhecimento deve ser vinculado à realidade, pensando assim a aprendizagem pode ser definida como o modo como os seres adquirem novos conhecimentos, desenvolvem competências e mudam o comportamento.Por teorias de aprendizagem podemos observar três modalidades gerais: Cognitiva, afetiva e psicomotora.A cognitiva ou significativa está relacionada com o conhecimento e pode ser entendida com aquela resultante do armazenamento de informações de maneira organizada pelo ser que se aprende.O indivíduo é visto como um ser que interage com o meio e é graças a essa interação que aprende. A aprendizagem afetiva é um tipo de conhecimento que provoca sentimentos ou sensações como dor, prazer, satisfações, desejos e ansiedades.Já a aprendizagem psicomotora é aquela que provoca respostas condicionadas, resultado de muita práticae treino (MOREIRA, 1982) O psicólogo norte americano David Ausubel dedicou sua carreira à psicologia educacional e dentre os três tipos de aprendizagem, Ausubel, se ocupou primordialmente da cognitiva. Nos meados de 1960 propôs uma explicação teórica para o processo de aprendizagem.Nesse processo a nova informação interage com uma estrutura de conhecimento específica que Ausubel chama de “subsunçor”. Quando o conteúdo escolar a ser aprendido não consegue ligar-se a algo já
  • 3. conhecido, ocorre oque Ausubel chama de aprendizagem mecânica, ou seja, quando as novas informações são aprendidassem interagir com o conhecimento prévio do aluno. Assim, a pessoa decora fórmulas,leis, mas esquece após a avaliação (PELIZZARE e outros, 2002). Sua teoria é construtivista e o papel da interação professor aluno, sem dúvida é importante, para que, a partir dos subsunçores que o aluno possui construir novos subsunçores ou modificar os velhos. A aprendizagem é dinâmica, pois ela é uma interação entre aluno e professor, a partir do conhecimento prévio que o aluno tem. (AUSUBEL, NOVAK E HANESIAN, 1983). Na aprendizagem significativa, o aprendiz não é um receptor passivo. Ele deve fazer uso dos significados que já incorporou inconscientemente, de maneira substantiva e não arbitrária, para poder captar os significados dos materiais educativos. Nesse processo, ao mesmo tempo em que está progressivamente diferenciando sua estrutura cognitiva, está também fazendo a reconciliação integradora de modo a identificar semelhanças e diferenças e reorganizar seu conhecimento (MOREIRA, 2006). Complementando essa ideia, GOWIN apud MOREIRA (2006), diz que outro aspecto fundamental da aprendizagem significativa, é que o aprendiz deve apresentar uma pré-disposição para aprender. Ou seja, para aprender significativamente, o aluno tem que manifestar uma disposição para relacionar de maneira não arbitrária e não literal, à sua estrutura cognitiva e os significados que capta dos materiais educativos. Mas a dificuldade está em como motivar esse aluno a ter essa pré- disposição em aprender e não apenas memorizar conteúdos soltos sem relação com seu cotidiano. Quanto mais se relaciona o novo conteúdo de maneira substancial e nãoarbitráriacom algum aspecto da estrutura cognitiva prévia que lhe for relevante, mais próximo se estáda aprendizagem significativa. Quanto menos se estabelece esse tipo de relação, mais próxima se está daaprendizagem mecânica ou repetitiva, assim a aprendizagem não seria mais cognitiva e sim psicomotora. Segundo a teoria de Ausubel, na aprendizagem significativa há três vantagens essenciais em relação
  • 4. àaprendizagem memorística. Em primeiro lugar, o conhecimento que se adquire de maneira significativaé retido e lembrado por mais tempo. Em segundo, aumenta a capacidade de aprender outros conteúdosde uma maneira mais fácil, mesmo se a informação original for esquecida. E, em terceiro, uma vezesquecida, facilita a aprendizagem seguinte– a “reaprendizagem”. A aprendizagem significativa tem vantagens notáveis, tanto do ponto de vista do enriquecimento da estrutura cognitiva do aluno como do ponto de vista da lembrança posterior, esses fatores mostram que a aprendizagem cognitiva é a mais adequada para ser promovida entre os alunos. (PELIZZARE e outros, 2002). Além de saber motivar o aluno para ter uma aprendizagem significativa, existe uma preocupação em saber pra que e como avaliar o rendimento escolar dos alunos. A verificação do rendimento escolar observará os seguintes critérios: a) avaliação contínua e cumulativa do desempenho do aluno, com prevalência dos aspectos qualitativos sobre os quantitativos e dos resultados ao longo doperíodo sobre os de eventuais provas finais; b) possibilidade de aceleração de estudos para alunos com atraso escolar; c) possibilidade de avanço nos cursos e nas series mediante verificação do aprendizado d) aproveitamento de estudos concluídos com êxito e) obrigatoriedade de estudos de recuperação, de preferência paralelos ao período letivo, para os casos de baixo rendimento escolar, a serem disciplinados pelas instituições de ensino em seus regimentos (LDB, 1996). O principal propósito de uma avaliação de sistema é possibilitar o desenvolvimento de politicas públicas da área educacional que contemplem a qualidade do ensino oferecido a todos os alunos, e a igualdade de oportunidade para que os alunos possam aprender. No Brasil, a avaliação de sistema desenvolvida pelo Ministério de Educação e Cultura (MEC) analisa quais os desempenhos conquistados pelos alunos no 5º e no 9º ano do ensino fundamental e no 3º ano do Ensino Médio, em disciplinas como Língua Portuguesa, Matemática e Ciências. Nessas avaliações, além da aprendizagem dos alunos, procura-se também analisar variáveis que interfiram no desempenho do aluno e possam assim ajudar na compreensão de diferenças encontradas nos resultados apresentados pelos alunos, como por exemplo: formação dos docentes, situação das escolas etc (SOUSA, 2008).
  • 5. Para iniciar uma avaliação do rendimento escolar que traduza na pratica o compromisso da escola com o desenvolvimento do aluno, três perguntas podem orientar o trabalho do docente: PARA QUE AVALIAR, O QUE AVALIAR E COMO AVALIAR. A avaliação do aluno em sala de aula tem como propósito melhorar e aperfeiçoar o ensino da forma que vem sendo oferecido, além de situar o próprio professor e principalmente o aluno de como está seu percurso escolar. Baseado na legislação já citada no texto sobre a verificação do rendimento escolar, o professor amplia o nível das decisões que pode tomar a partir da sai avaliação e não somente para classificar o aluno e definir aprovação e reprovação, segundo Sousa (2008) a avaliação do rendimento escolar assume agora legalmente o que a teoria especializada preconiza como sua função básica: subsidiar o aperfeiçoamento do ensino. O que deve ser avaliado vai depender da instituição e para qual a finalidade dessa avaliação. Escolas que atendem uma população de alunos bastante diversificada e com habilidades escolares muito heterogêneas precisariam avaliar pelo diagnósticos de pré-requisito, na eficácia dos programas de aceleração que são desenvolvidos para os estudantes com maiores dificuldades tendo em vista a preparação de programas que levassem a superação (SOUSA, 2008) Como avaliar? O que significa avaliar? A avaliação deve substituir a função classificatória da aprendizagem do aluno pela função formativa, uma vez que seu objetivo principal é promover o processo de ensino-aprendizagem. Avaliar não é medir e a avaliação chamada de formadora realiza um processo não fragmentado, não punitivo e orientado por princípios éticos. Comprometida com a transformação social, essa prática educativa prioriza a analise do pensamento crítico do aluno e focaliza sua capacidade de solucionar problemas reais. Dentro da disciplina Química existem três grandes áreas: Química Geral e Inorgânica, Físico - Química e Química Orgânica e é essa ultima que o trabalho irá focar. Por tradição, a Química Orgânica é apresentada nos livros didáticos do Ensino Médio como a última parte do volume único ou, em caso de volumes seriados é apresentada no volume três. Pelo currículo básico, as escolas de Ensino Médio, quando tradicionais, apresentam essa parte da química no ultimo ano. Em muitas escolas particulares e publicas, oestudo da Química Orgânica inicia na segunda metade do segundo ano e termina no terceiro ano. Nos colégios/cursos, toda a química orgânica é lecionada no segundo ano e no terceiro é feita uma
  • 6. revisão geral, a fim de preparar o aluno para os vestibulares de todo o Brasil.................................................................................