SlideShare uma empresa Scribd logo
1 Abril | 2020 			 	 	 O jornal que tem o que falar...
PONTOS E ESTAÇÕES-TUBO DE
TRANSPORTE COLETIVO SÃO
HIGIENIZADOS
O jornal que tem o que falar
Gas
Abril de 2020 - Edição 219 - Curitiba
Página 3
Foto: Daniel Castellano
LINHA VERDE NO
ATUBA TEM NOVA
ETAPA DE OBRAS,
COM ALTERAÇÕES
NO TRÂNSITO
NESTE TRECHO
PÁGINA 5
2 Abril | 2020 			 	 	 O jornal que tem o que falar...
Diretor: Adilson da Costa Moreira
CNPJ: 12.698.306/0001-42
Dep. comercial: Johana Choinski
E-mail: gazetasantacandida@gmail.com
Diagramação: Ulysses de Melo
Site: www.gazetasantacandida.blogspot.com
Fone: 41 99211-8943
Empresa: Adilson da Costa Moreira
Endereço: Rua Hilário Moro, 526, Tingui,
Torre 05,ap 902
Tiragem: 10.000 exemplares
Colaborador: José Cândido (im memorian)
As matérias assinadas não refletem necessariamente a opinião do jornal
EXPEDIENTE
SETH, O MITO, A IMAGEM DO CAOS E DA DESORDEM
SETH ou SET: É o deus maléfico
do antigo Egito. Inicialmente era
visto como um deus bom, mas
passou a ser considerado um deus
mal quando o mito de Osíris e Ísis
começou a se difundir por todo o
antigo Egito. Foi retratado tam-
bém ajudando Rá na luta contra a
serpente Apep.
Em mitos, Seth é o deus da con-
fusão, da desordem e da pertur-
bação, que é enfatizada pela es-
crita hieroglífica em que o animal
de Seth serve como determinante
para conceitos negativos (autor-
itarismo, fúria, crueldade, crise,
tumulto, desastre, sofrimento,
doença, tempestade). Mestre de
trovões e relâmpagos, exerce seu
poder nas margens do Egito, que
são terras do deserto, áreas áridas
e países fora da planície do Nilo.
Seth é um deus complexo.
Ele geralmente é mostrado como
um animal desconhecido, uma
espécie de burro ou cachorro e
com um longo nariz lembrando
o de um tamanduá. Seth também
teve um associação com Sobek
(deus crocodilo), que tinha um
lado feroz em sua natureza.
No período de declínio e instab-
ilidade política(1077 da a.C até
664 a.C) do Egito, a imagem de
Seti mancha permanentemente,
talvez em resposta às sucessi-
vas aquisições de vários povos
estrangeiros sobre o Reino do
Egito. Set, associado a potências
estrangeiras, torna-se o agente
maligno da perda do país. Os mi-
tos sobre Seti o retratam como
ambicioso, intrigante, manipula-
dor, com foco no assassinato de
seu irmão Osiris. Ele é grad-
ualmente confundido com
Apófis, a serpente do caos,
apesar da antiga tradição que
ele lutou contra ele em nome
de Rá. O mundo grego identif-
icou-o com o Tifão, o monstro
primordial do caos e uma enti-
dade do mal comparável.
No Livro dos Mortos, Seti é
chamado “O Senhor dos Céus
do Norte” e é considerado re-
sponsável pelas tempestades
e o mau tempo. A história
do longo conflito entre Seti e
Hórus é vista por alguns como
uma representação de uma
grande batalha entre cultos no
Egito cujo culto vencedor pode
ter transformado o deus do
culto inimigo em deus do mal.
O PENSAMENTO COMO FERRAMENTA DE PREVENÇÃO E SAÚDE
Claudia Honorato
Você dá muita atenção ao que es-
cuta? Acredita que a opinião alheia
tem alguma influência sobre a sua
saúde?
“Enfrenta as fases iniciais da
doença com oposição mental tão
poderosa como a que um legis-
lador empregaria para impedir a
aprovação de uma lei desumana”,
escreveu Mary Baker Eddy, uma
pensadora metafísica americana,
em sua obra Ciência e Saúde.
Lembro-me de ter ouvido esta
fábula: “Era uma vez, duas rãs que,
por terem passado muito tempo
na floresta, ao anoitecer, tiveram
de buscar abrigo em uma pequena
casa de madeira, em cujo interior
encontraram um balde com leite.
Subiram até a borda do balde, mas
ao tentarem beber o leite, caíram
dentro dele. Após se fartarem,
tentaram sair, saltando, mas sem
êxito.
Chamaram as outras rãs para so-
corrê-las. As rãs chegaram e, na
borda do balde, gritavam, incen-
tivando-as: ‘Vocês conseguem!
Força! Vamos!’ Apesar disso, as
horas se passaram e não houve re-
sultados.
Então, as rãs começaram a dizer:
‘Agora é tarde, vocês não têm mais
forças, é melhor que se entreguem
à morte´. Uma das rãzinhas mor-
reu, porém a outra persistiu, até
conseguir sair.
“Por que essa rã conseguiu sair e
salvar-se?” “Porque era surda!”
Na vida cotidiana, assim como
a rãzinha que estava no bal-
de, você ouve frases negativas,
pensamentos deprimentes, te-
mores de outras pessoas, inclu-
sive sobre os perigos em relação
à saúde.
É possível manter-se perfeito,
bem e saudável, não dando
atenção às informações sobre os
riscos à saúde? O Departamento
de Psiquiatria e Ciência Com-
portamental de Nova Iorque
realizou um interessante experi-
mento,noqualfoisimuladauma
ameaça biológica a três grupos
de pessoas. Ao primeiro grupo,
denominado de controle, não
foram dadas informações. Ao
segundo, sugeriram tratar-se de
uma doença psicogênica (não
orgânica) e ao terceiro, além da
sugestão psicogênica, forneceram maior
quantidade de informações a respeito da
enfermidade. O resultado mostrou que os
dois grupos induzidos psicologicamente
apresentaram 11 vezes mais sintomas da
enfermidade do que o grupo de controle.
Isso mostra como, algumas vezes, há in-
formações que colocam em risco a saúde,
a menos que se coloque um filtro no pens-
amento.
Estar atento, observar uma paisagem men-
tal focada na saúde e harmonia ajuda a
manter-se saudável. Existem pessoas que
conseguiram detectar um problema e pre-
venir-se, tal qual fez Aurora Acebedo Ruiz,
uma química da Colômbia, que, começan-
do a ter os sintomas de câncer, orou,
opondo-se mentalmente a essa doença,
rebatendo-a e agarrando-se ao reconheci-
mento consciente de sua natureza espiritu-
al saudável.
Para mim, essa experiência encorajadora
comprova que é possível livrar-se de en-
fermidades. Ao desejar o bem tanto para
si próprio como para o próximo, o pensa-
mento é conectado a uma fonte espiritual
superior e saudável, o qual, unido ao senti-
mento de gratidão, pode ajudar a prevenir
ou superar anomalias, abolir pensamentos
de deterioração, substituindo-os por ideias
renovadoras que trazem a saúde.
Claudia Honorato é Comitê de Publi-
cação da Ciência Cristã para o Chile.
3 Abril | 2020 			 	 	 O jornal que tem o que falar...
PONTOS E ESTAÇÕES-TUBO DO TRANSPORTE
COLETIVO PASSAM POR AÇÃO DE ASSEPSIA
O trabalho de assepsia nos pontos
de ônibus e estações-tubo de Curi-
tiba continua. Em dois dias, foram
higienizados, com peróxido de hi-
drogênio, 73 estações-tubo do eixo
Leste/Oeste, 30 estações do Eixo
Circular Sul e 58 pontos de ônibus
no Cajuru e no Capão da Imbuia.
O objetivo da Urbanização de Curi-
tiba (Urbs) desinfectar 2.640 pontos
de ônibus com cobertura metálica
e 271 estações-tubo. O serviço nos
pontos de ônibus e estações-tubos
começou na terça-feira (31/3). Além
disso, no último fim de semana foi
feita a limpeza dos 22 terminais e as
estações-tubo anexas e a Rodofer-
roviária.
O reforço na higienização é para
evitar a propagação do novo coro-
navírus em locais de grande cir-
culação, como espaços ligados ao
transporte público da capital.
Como é feita
Os profissionais de limpeza usam
pulverizadores costais com hipoclo-
rito de sódio e peróxido de hidrogê-
nio para lavar pontos de contato, co-
bertura e apoios e, com isso, ajudar a
reduzir a velocidade de circulação de
agentes infecciosos.
Nos pontos, a limpeza está sendo re-
alizada de dia e a aplicação dura cerca
de 15 minutos. Os passageiros podem
utilizar o espaço normalmente após a
desinfecção.
Nas estações-tubo, o trabalho é feito
de madrugada, para evitar interromp-
er o funcionamento durante o dia.
Como as estações são maiores e reú-
nem mais passageiros, o trabalho pre-
cisa ser conduzido no período em que
não há movimento.
Parceria voluntária
O peróxido de hidrogênio, doado pela
Peróxidos do Brasil, é conhecido pelo
poder desinfetante e de desinfecção.
A aplicação do produto nos pontos de
ônibus é feita pela Climax 8 Prestação
de Serviços. Nos tubos, o serviço é da
Abaiti Limpeza Industrial. Ambas as
empresas são voluntárias no projeto.
A higienização faz parte de uma
ampla ação de assepsia lançada pela
Prefeitura de Curitiba para cont-
er o avanço do novo coronavírus.
Além dos terminais e dos pontos
de ônibus, já foi feito o reforço de
limpeza com peróxido nos acessos a
Unidades de Pronto Atendimen-
to (UPAs) e hospitais públicos
de Curitiba. Os primeiros pon-
tos atendidos foram a UPA Pin-
heirinho, a UPA Sítio Cercado, o
Hospital Municipal do Idoso e o
Hospital do Trabalhador.
Foto: Daniel Castellano
Foto: Pedro Ribas
4 Abril | 2020 			 	 	 O jornal que tem o que falar...
Em 2018, especialistas em doenças
infecciosas da Universidade de
Hong Kong (HKU) se deparam com
um paciente incomum. O homem
de 56 anos, que havia passado por
um transplante de fígado, estava
apresentando funções hepáticas
anormais sem qualquer causa óbvia.
Exames revelaram que seu sistema
imunológico estava reagindo à hep-
atite E, mas não eram capazes de en-
contrar a cepa humana do vírus da
hepatite E ( VHE) em seu sangue.
A hepatite E é uma doença hepáti-
ca que também pode causar febre,
icterícia e aumento do fígado.
O vírus vem em quatro tipos, que
circulam em diferentes animais;
naquele momento, apenas um dess-
es quatro era conhecido por ser ca-
paz de infectar humanos.
Com os exames para essa cepa hu-
mana de VHE dando negativos, os
pesquisadores reformularam o teste
diagnóstico,fizeram-no de novo e
encontraram, pela primeira vez na
história, hepatite E de rato em um
humano. Quando achavam que era
“ um incidente isolado, e que o paci-
ente estava no lugar errado, na hora
errada’’, ocorriam 10 novos casos,
e podendo haver centenas de pes-
soas infectadas não diagnosticadas
naquele momento, dizia o especial-
ista Sridhar
A cepa humana da hepatite E é tipi-
camente transmitida através de con-
taminação fecal da água potável, de
acordo com a Organização Mundial
de Saúde.Mas a cepa de rato impõe
um novo mistério:ninguém sabe ex-
atamente como essas pessoas estão
sendo infectadas.
Mas a cepa de rato impõe um novo
mistério: ninguém sabe exatamente
como essas pessoas estão sendo
infectadas. Nos dois anos desde a
descoberta, pesquisadores ainda
têm que identificar a rota exata da
transmissão de ratos para humanos.
Eles têm teorias – talvez os pacien-
tes tenham bebido água contamina-
da com a cepa humana comum, ou
manuseando objetos contaminados
– mas nada foi provado definitiv-
amente. Um recente paciente de 61
anos deixou as autoridades particu-
larmente perplexas, não havia ratos
ou excrementos de rato em sua casa,
ninguém mais na casa apresentou
sintomas, e ele não tem histórico de
viagens recentes.
“Com base nas informações epide-
miológicas disponíveis, a fonte e a
rota de infecção não puderam ser
determinadas”, disse o Centro de
Proteção à Saúde de Hong Kong (
CHP) em uma declaração em 30 de
abril. O homem está no hospital, e a
investigação do CHP segue em curso
O vírus trás sérias consequências
para a saúde, especialmente para pa-
cientes com a imunidade enfraquec-
ida. Pessoas jovens e saudáveis sem
condições pré-existentes podem se
recuperar sozinhas mas, em popu-
lações vulneráveis, ele pode causar
uma hepatite crônica que os pacien-
tes não conseguem eliminar, assim
como danos ao fígado no longo pra-
zo e escarificação de tecidos.
A maior dúvida que continua a inco-
modar os cientistas é não saber como
o vírus pula de ratos para humanos
complicando a forma de prevenir
infeccões futuras e como entend-
er todos os dados coletados pelos
pesquisadores, exemplo; pessoas que
vivem em em área infestadas por ra-
tos deveriam, teoricamente, estar em
maior risco, mas alguns pacientes
infectados vêm de bairros com
baixa incidência de ratos.
Uma solução poderia ser simples-
mente eliminar todos os ratos em
Hong Kong, mas erradicar ratos
é uma operação longa e compli-
cada não exatamente viável. Seria
necessário reduzir os lugares nos
quais eles podem se abrigar, bem
como seu acesso à comida, com
medidas como impedir o descarte
de comida em becos.
Até agora, tudo o que as autori-
dades podem fazer é orientarem
as pessoas a tomarem medidas
preventivas,como lavar as mãos
antes de comer, estocar comida de
forma apropriada ou na geladeira,
e manter a casa limpa e desinfe-
tada com um mínimo de lugares
que possam servir de ninhos para
roedores.
Na Europa, uma “falta de consci-
entização por parte dos clínicos
e diagnósticos pobremente pa-
dronizados levaram à subnotifi-
cação” de casos de hepatite E, diz a
especialista Cornelia Adlhoch do
Centro Europeu para Prevenção
e Controle de Doenças (European
Centre for Disease Prevention and
Control - ECDC), e Sally Baylis,
do Paul-Ehrlich-Institut, da Ale-
manha, em carta publicada em
NOVO VÍRUS TRANSMITIDO POR RATOS TEM
GERADO PREOCUPAÇÃO EM CIENTISTAS
março último no jornal Hepa-
tology.
Apenas no ano passado o ECDC
finalmente desenvolveu dire-
trizes para a coleta de dados e
relatório de informações sobre
esta hepatite, diz a carta, mas,
estas novas diretrizes concen-
tram-se na variante humana e
não inclui a HEV de rato, deix-
ando o que o o pesquisador, Sri-
dhar chama de “um ponto cego
em nossos diagnósticos”
Este ponto cego, e a possibili-
dade de que o vírus esteja in-
fectando pessoas globalmente
sem quaisquer medidass de con-
trole colocam algumas pessoas
mais vulneráveis da sociedade
em risco – os idosos, comuni-
dades afetadas pelo HIV, aqueles
com condições pré-existentes,
e outros. “ Isto não deveria es-
tar acontecendo,” diz Sridhar. “
Precisamos de vigilância con-
tínua do público para controlar
esta infecção incomum. Eu real-
mente espero que as autoridades
da saúde deem o primeiro pas-
so e vejam o quanto suas pop-
ulações estão, de fato sendo ex-
postas à hepatite E de rato.
CNN
5 Abril | 2020 			 	 	 O jornal que tem o que falar...
LINHA VERDE NO ATUBA TEM NOVA ETAPA DE OBRAS,
COM ALTERAÇÕES NO TRÂNSITO NESTE TRECHO
No Trevo do Atuba a obras avançam
e o trânsito tem desvio a partir de
quarta-feira, dia 22.
A alteração no trânsito será
necessária para a continuidade da
implantação da trincheira e início
da construção dos viadutos que irão
favorecer o trânsito de chegada em
Curitiba de motoristas vindos de
Colombo, Campina Grande do Sul,
Quatro Barras e do estado de São
Paulo.
Serão 300 metros de desvio,
começando antes do cruzamento da
Linha Verde com a Estrada da Ri-
beira no sentido norte-sul. Os mo-
toristas terão que entrar à direita na
Estrada da Ribeira para, em seguida,
realizarem o retorno à esquerda e
voltarem para a Linha Verde ou para
acessar a Avenida Marechal Mascar-
enhas de Moraes e seguir caminho
para o Boa Vista e Bacacheri.
A previsão da Secretaria Municipal
de Obras Públicas (SMOP), que co-
ordena a execução do trabalho na
Linha Verde, é de que o desvio per-
maneça no local durante dez meses.
Mesmo prazo aplicado ao desvio im-
plantado em 3 de março, no sentido
Pinheirinho-Atuba, logo após o via-
duto da Rua Alberico Flores Bueno,
que serve de rota para Bairro Alto e
Bacacheri.
Obras do Lote 4.1
Onde havia o antigo trevo do Atuba,
926 estacas estão sendo edificadas em
concreto e ferragem para sustentar
as novas estruturas viárias do Lote
4.1 da Linha Verde. Um conjunto de
trincheira e viadutos que eliminará
os semáforos e dará mais fluidez ao
trânsito de motoristas que se deslo-
cam no eixo norte-sul de Curitiba.
Também estão em andamento outras
frentes de trabalho. Está sendo feito
o aterro nas imediações do Conjun-
to Solar – onde serão instaladas es-
tações-tudo do sistema de transporte
coletivo, a preparação da base para a
nova pista da Rua Rua Maria Petros-
ki, marginal da Linha Verde,
e a implantação da galeria
celular antes da entrada para
a Rua Fagundes Varela.
O Lote 4.1 da Linha Verde
tem 2,84 quilômetros e com-
preende o trecho entre as
estações Solar e Atuba. Suas
obras foram retomadas em
dezembro do ano passado,
após a rescisão contratual
com a empresa que estava
executando os serviços.
6 Abril | 2020 			 	 	 O jornal que tem o que falar...
OQUEFAZERAOCHEGAREMCASA?
CURITIBA
CORONAVIRUS
CONTRA
DÚVIDAS SOBRE O CORONAVÍRUS:
www.curitiba.pr.gov.br | 41 99876-2903
Nãotoqueemnada
antesdesehigienizar
Limpeasembalagensque
trouxeantesdeguardar
Tomeumbanho
Tireos
sapatos
Deixebolsaecarteira
emumacaixanaentrada
Senãopudertomarbanho,
lavebemmãos,punhose
partesexpostas
Coloquesuasroupas
paralavar
Higienizeoseu
celulareóculos
Saiucomopet?
Desinfeteas
patinhasdele
7 Abril | 2020 			 	 	 O jornal que tem o que falar...
PREFEITO VISTORIA OBRAS NO RIO BACACHERI
E NO TREVO DO ATUBA
Seguindo todos os protocolos de
cuidado para barrar o avanço do
novo coronavírus, o prefeito Rafael
Greca vistoriou no dia 22 de abril,
as obras em andamento no Rio Ba-
cacheri e na porção norte da Linha
Verde, no Atuba.
O prefeito foi acompanhado pelo
secretário municipal de Obras
Públicas, Rodrigo Rodrigues, usou
máscara e álcool em gel para man-
ter as mãos limpas.
O Rio Bacacheri está passando por
intervenção em dois pontos do seu
leito. Um deles é no trecho de 125
metros entre as ruas João Gbur e
Canadá, no Boa Vista, e o outro é
no interior do Parque Bacacheri.
O trabalho tem o objetivo de prote-
ger o talude de possíveis erosões e,
ainda, conter a vazão do rio e mini-
mizar seu potencial destrutivo.
“Estamos fazendo uma importante
obra de contenção de cheias, que
terá impacto em toda a bacia hi-
drográfica em que o Rio Bacacheri
está inserido. As inundações que
muito infelicitam os moradores da
região do Boa Vista terão fim”, disse
Greca.
O prefeito explicou que os muros
de contenção que estão sendo con-
struídos são em forma de gabião.
“A muralha de contenção das cheias
é feita com gabiões, que são como
grandes gaiolas recheadas com pe-
dras. Fico feliz não só pelo benefício
que será gerado por esta obra, mas
também pelos empregos que estão
sendo mantidos pelo setor da nossa
construção civil”, avaliou Greca.
Dentro do parque
No interior do Parque Bacacheri,os
trabalhadores estão concluindo a
detenção do rio com a implantação
de duas estruturas de controle tam-
bém em forma de gabião. Cada um
dos dois muros tem cerca de 20
metros de comprimento, com 63
metros cúbicos de pedras envol-
tas por uma manta metálica.
As barreiras de pedra e manta
metálica terão a finalidade de in-
terromper o escoamento normal
das águas do rio, diminuindo a
velocidade da vazão e atenuando
a capacidade de provocar estra-
gos com inundações e alagamen-
tos.
A previsão do Departamento de
Pontes e Drenagem da Secretar-
ia Municipal de Obras Públicas
é que o trabalho no Rio Bacach-
eri esteja concluído até o final do
mês de maio.
ANUNCIE AQUI ! 41 992-118943
8 Abril | 2020 			 	 	 O jornal que tem o que falar...
RUA AMÁCIO MAZZAROPI, BAIRRO SANTA CÂNDIDA
EM HOMENAGEM AO MAIOR CÔMICO
DO CINEMA BRASILEIRO
(rua nos fundos da Polícia Federal;
inicia na rua Mariano Fardolinski,
finalizando na rua Catarina Ferra-
rini.)
O pequeno Amácio passava longas
temporadas no município vizin-
ho de Tremembé, na casa do avô
materno, o português João José
Ferreira, exímio tocador de viola e
dançarino de cana verde. Seu avô
também era animador das festas
do bairro onde morava, às quais
levava seus netos que, desde cedo,
entram em contato com a vida cul-
tural do caipira, que tanto inspirou
Mazzaropi. Em 1919, sua família
volta à capital e Mazzaropi ingres-
sa no curso primário do Colégio
Amadeu Amaral, no bairro do
Belém. Bom aluno, era reconheci-
do por sua facilidade em decorar
poesias e declamá-las, tornando-se
o centro das atenções nas festas
escolares. Em 1922, morre o avô
paterno e a família muda-se nova-
mente para Taubaté, onde abrem
um pequeno bar. Mazzaropi con-
tinua a interpretar tipos nas ativi-
dades escolares e começa a frequen-
tar o mundo circense. Preocupados
com o envolvimento do filho com o
circo, os pais mandam Amácio aos
cuidados do tio Domenico Mazza-
roppi, em Curitiba, onde trabalhou
na loja de tecidos da família.
Aos quatorze anos, em 1926, re-
gressa à capital paulista ainda
com o sonho de participar em es-
petáculos circenses. Finalmente
entra para a caravana do Circo La
Paz. Nos intervalos do número do
faquir, Mazzaropi conta anedotas
e causos, ganhando uma pequena
gratificação. Sem poder se man-
ter sozinho, em 1929 Mazzaropi
volta a Taubaté com os pais, onde
começa a trabalhar como tecelão,
mas não consegue se manter longe
dos palcos e atua numa escola do
bairro. Quando ele fez o primeiro
filme, já tinha passado por todos
os outros segmentos. Já tinha tra-
balhado com circo, teatro, rádio e TV.
Seu biografo, Paulo Duarte disse que
Mazzaropi não ficou apenas rico, mas
bilionário, fazendo cinema no Brasil.
Ele negava, mas provavelmente por
medo que roubassem, medo que fiz-
essem algum tipo de maldade com
ele. Todas as pessoas que eu entrev-
istei disseram que ele tinha muito
medo de ser uma figura pública. Era
um pânico que ele tinha. Mas Mazz-
aropi morava numa casa com lareira,
tinha amigos na Academia Brasile-
ira de Letras, frequentava teatros,
gostava de ópera, de música clássica,
então era o falso caipira. Na verdade,
o personagem era um caipirão, mas
ele mesmo não. Vestia-se bem, era
vaidoso, estava sempre de terno e
gravata, usava até smoking. Estava
sempre bem colocado.
Eu costumo dizer que o Mazzaropi
era o cara certo no lugar certo em
todos os momentos. Quando aconte-
ceu a Revolução Constitucionalista,
ele morava em Taubaté, que era onde
as tropas descansavam. Então,
para animá-las, tinha que ter te-
atro, circo, música. Naquela épo-
ca, na década de 1930, Taubaté
acabou virando um pólo muito
efervescente de cultura. E ele viu
muitos artistas importantes do
Brasil passarem pela cidade. Já
de primeira, ele estava no lugar
certo. Depois, começou no te-
atro porque o Oscarito teve um
problema com uma das peças,
precisaram de alguém e colo-
caram Mazzaropi. No dia da es-
treia da televisão, ele estava lá.
Outros cômicos não puderam ir,
então também tem aquela coisa
da sorte. Foi ele o cara que con-
seguiu mostrar a cara primeiro
na televisão. Qual era a relação
de Mazzaropi com o cinema
norte-americano? Ele tinha meio
raiva de Hollywood. O que ele fa-
zia era um pouco tirar uma onda
do que fazia sucesso. O Exorcista
fez muito sucesso, aí ele foi lá e
fez o Jeca contra o Capeta

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a GAZETA SANTA CÂNDIDA, ABRIL 2020

DEUSES INDIGENAS E DEUSAS INDIGENAS..pdf
DEUSES INDIGENAS E DEUSAS INDIGENAS..pdfDEUSES INDIGENAS E DEUSAS INDIGENAS..pdf
DEUSES INDIGENAS E DEUSAS INDIGENAS..pdf
ignaciosilva517
 
DEUSES INDIGENAS E DEUSAS INDIGENAS.....
DEUSES INDIGENAS E DEUSAS INDIGENAS.....DEUSES INDIGENAS E DEUSAS INDIGENAS.....
DEUSES INDIGENAS E DEUSAS INDIGENAS.....
ls4231294
 
DEUSES INDIGENAS E DEUSAS INDIGENAS..pdf
DEUSES INDIGENAS E DEUSAS INDIGENAS..pdfDEUSES INDIGENAS E DEUSAS INDIGENAS..pdf
DEUSES INDIGENAS E DEUSAS INDIGENAS..pdf
carlos784vt
 
AGRISSÊNIOR nOTÍCIAS - nº 588 an 06 setembro_2016.ok
AGRISSÊNIOR nOTÍCIAS - nº 588 an  06 setembro_2016.okAGRISSÊNIOR nOTÍCIAS - nº 588 an  06 setembro_2016.ok
AGRISSÊNIOR nOTÍCIAS - nº 588 an 06 setembro_2016.ok
Roberto Rabat Chame
 
GRALHA AZUL No. 7 - Janeiro - 2011
GRALHA AZUL No. 7 - Janeiro - 2011GRALHA AZUL No. 7 - Janeiro - 2011
GRALHA AZUL No. 7 - Janeiro - 2011
Sérgio Pitaki
 
Atividade de Revisão.pdf
Atividade de Revisão.pdfAtividade de Revisão.pdf
Atividade de Revisão.pdf
MarceloDuarte397148
 
Dia mundial de luta contra a aids diario da serra 2016 2
Dia mundial de luta contra a aids diario da serra 2016 2Dia mundial de luta contra a aids diario da serra 2016 2
Dia mundial de luta contra a aids diario da serra 2016 2
Alexandre Naime Barbosa
 
INTRODUCAO-AS-CIENCIAS-SOCIAIS-II.pptx.ppt
INTRODUCAO-AS-CIENCIAS-SOCIAIS-II.pptx.pptINTRODUCAO-AS-CIENCIAS-SOCIAIS-II.pptx.ppt
INTRODUCAO-AS-CIENCIAS-SOCIAIS-II.pptx.ppt
ssuser2af87a
 
apostila__historia_7_ano_1_bimestre.pdf
apostila__historia_7_ano_1_bimestre.pdfapostila__historia_7_ano_1_bimestre.pdf
apostila__historia_7_ano_1_bimestre.pdf
JosSilva345210
 
Atividade dia 03.08
Atividade dia 03.08Atividade dia 03.08
Atividade dia 03.08
Rosangela Vieira
 
Tipos de conhecimento
Tipos de conhecimentoTipos de conhecimento
Tipos de conhecimento
janaroza
 
Gralha Azul No. 7 - Sobrames Paraná - Janeiro 2011
Gralha Azul No. 7 - Sobrames Paraná - Janeiro 2011Gralha Azul No. 7 - Sobrames Paraná - Janeiro 2011
Gralha Azul No. 7 - Sobrames Paraná - Janeiro 2011
Sérgio Pitaki
 
Scientific american brasil janeiro 2016
Scientific american brasil   janeiro 2016Scientific american brasil   janeiro 2016
Scientific american brasil janeiro 2016
Ariovaldo Cunha
 
Forum Social
Forum SocialForum Social
Forum Social
gueste62687ab
 
Forum Social Mundial
Forum Social MundialForum Social Mundial
Forum Social Mundial
João Melo
 
Forum Social
Forum SocialForum Social
Forum Social
renatotf
 
L. Boff no Fórum Social Mundial 2009
L. Boff no Fórum Social Mundial 2009L. Boff no Fórum Social Mundial 2009
L. Boff no Fórum Social Mundial 2009
Gustavo C. Rodríguez
 
Forum Social
Forum SocialForum Social
Forum Social
herciliamoret
 
Um Outro Mundo é Possível e Urgente
Um Outro Mundo é Possível e UrgenteUm Outro Mundo é Possível e Urgente
Um Outro Mundo é Possível e Urgente
guestacec1f
 
Forum Social
Forum SocialForum Social
Forum Social
maysa2009
 

Semelhante a GAZETA SANTA CÂNDIDA, ABRIL 2020 (20)

DEUSES INDIGENAS E DEUSAS INDIGENAS..pdf
DEUSES INDIGENAS E DEUSAS INDIGENAS..pdfDEUSES INDIGENAS E DEUSAS INDIGENAS..pdf
DEUSES INDIGENAS E DEUSAS INDIGENAS..pdf
 
DEUSES INDIGENAS E DEUSAS INDIGENAS.....
DEUSES INDIGENAS E DEUSAS INDIGENAS.....DEUSES INDIGENAS E DEUSAS INDIGENAS.....
DEUSES INDIGENAS E DEUSAS INDIGENAS.....
 
DEUSES INDIGENAS E DEUSAS INDIGENAS..pdf
DEUSES INDIGENAS E DEUSAS INDIGENAS..pdfDEUSES INDIGENAS E DEUSAS INDIGENAS..pdf
DEUSES INDIGENAS E DEUSAS INDIGENAS..pdf
 
AGRISSÊNIOR nOTÍCIAS - nº 588 an 06 setembro_2016.ok
AGRISSÊNIOR nOTÍCIAS - nº 588 an  06 setembro_2016.okAGRISSÊNIOR nOTÍCIAS - nº 588 an  06 setembro_2016.ok
AGRISSÊNIOR nOTÍCIAS - nº 588 an 06 setembro_2016.ok
 
GRALHA AZUL No. 7 - Janeiro - 2011
GRALHA AZUL No. 7 - Janeiro - 2011GRALHA AZUL No. 7 - Janeiro - 2011
GRALHA AZUL No. 7 - Janeiro - 2011
 
Atividade de Revisão.pdf
Atividade de Revisão.pdfAtividade de Revisão.pdf
Atividade de Revisão.pdf
 
Dia mundial de luta contra a aids diario da serra 2016 2
Dia mundial de luta contra a aids diario da serra 2016 2Dia mundial de luta contra a aids diario da serra 2016 2
Dia mundial de luta contra a aids diario da serra 2016 2
 
INTRODUCAO-AS-CIENCIAS-SOCIAIS-II.pptx.ppt
INTRODUCAO-AS-CIENCIAS-SOCIAIS-II.pptx.pptINTRODUCAO-AS-CIENCIAS-SOCIAIS-II.pptx.ppt
INTRODUCAO-AS-CIENCIAS-SOCIAIS-II.pptx.ppt
 
apostila__historia_7_ano_1_bimestre.pdf
apostila__historia_7_ano_1_bimestre.pdfapostila__historia_7_ano_1_bimestre.pdf
apostila__historia_7_ano_1_bimestre.pdf
 
Atividade dia 03.08
Atividade dia 03.08Atividade dia 03.08
Atividade dia 03.08
 
Tipos de conhecimento
Tipos de conhecimentoTipos de conhecimento
Tipos de conhecimento
 
Gralha Azul No. 7 - Sobrames Paraná - Janeiro 2011
Gralha Azul No. 7 - Sobrames Paraná - Janeiro 2011Gralha Azul No. 7 - Sobrames Paraná - Janeiro 2011
Gralha Azul No. 7 - Sobrames Paraná - Janeiro 2011
 
Scientific american brasil janeiro 2016
Scientific american brasil   janeiro 2016Scientific american brasil   janeiro 2016
Scientific american brasil janeiro 2016
 
Forum Social
Forum SocialForum Social
Forum Social
 
Forum Social Mundial
Forum Social MundialForum Social Mundial
Forum Social Mundial
 
Forum Social
Forum SocialForum Social
Forum Social
 
L. Boff no Fórum Social Mundial 2009
L. Boff no Fórum Social Mundial 2009L. Boff no Fórum Social Mundial 2009
L. Boff no Fórum Social Mundial 2009
 
Forum Social
Forum SocialForum Social
Forum Social
 
Um Outro Mundo é Possível e Urgente
Um Outro Mundo é Possível e UrgenteUm Outro Mundo é Possível e Urgente
Um Outro Mundo é Possível e Urgente
 
Forum Social
Forum SocialForum Social
Forum Social
 

Mais de Adilson Moreira

GAZETA DO SANTA CANDIDA, ABRIL DE 2023
GAZETA DO SANTA CANDIDA, ABRIL DE 2023GAZETA DO SANTA CANDIDA, ABRIL DE 2023
GAZETA DO SANTA CANDIDA, ABRIL DE 2023
Adilson Moreira
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA FEVEREIRO 2023
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA FEVEREIRO 2023GAZETA DO SANTA CÂNDIDA FEVEREIRO 2023
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA FEVEREIRO 2023
Adilson Moreira
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JULHO 2021
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JULHO 2021GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JULHO 2021
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JULHO 2021
Adilson Moreira
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, EDIÇÃO DEZEMBRO 2021
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, EDIÇÃO DEZEMBRO 2021GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, EDIÇÃO DEZEMBRO 2021
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, EDIÇÃO DEZEMBRO 2021
Adilson Moreira
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, NOVEMBRO 2021
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, NOVEMBRO 2021GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, NOVEMBRO 2021
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, NOVEMBRO 2021
Adilson Moreira
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, OUTUBRO 2021
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, OUTUBRO 2021GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, OUTUBRO 2021
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, OUTUBRO 2021
Adilson Moreira
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, SETEMBRO 2021
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, SETEMBRO 2021GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, SETEMBRO 2021
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, SETEMBRO 2021
Adilson Moreira
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, MAIO 2021
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, MAIO 2021GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, MAIO 2021
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, MAIO 2021
Adilson Moreira
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, MARÇO 2021
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, MARÇO 2021GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, MARÇO 2021
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, MARÇO 2021
Adilson Moreira
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, EDIÇÃO DEZEMBRO 2020
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, EDIÇÃO DEZEMBRO 2020GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, EDIÇÃO DEZEMBRO 2020
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, EDIÇÃO DEZEMBRO 2020
Adilson Moreira
 
GAZETA SANTA CÂNDIDA, MAIO 2020
GAZETA SANTA CÂNDIDA, MAIO 2020GAZETA SANTA CÂNDIDA, MAIO 2020
GAZETA SANTA CÂNDIDA, MAIO 2020
Adilson Moreira
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, NOVEMBRO DE 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, NOVEMBRO DE 2019GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, NOVEMBRO DE 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, NOVEMBRO DE 2019
Adilson Moreira
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, OUTUBRO 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, OUTUBRO 2019GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, OUTUBRO 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, OUTUBRO 2019
Adilson Moreira
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, AGOSTO 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, AGOSTO 2019GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, AGOSTO 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, AGOSTO 2019
Adilson Moreira
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JULHO 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JULHO 2019GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JULHO 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JULHO 2019
Adilson Moreira
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JUNHO 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JUNHO 2019GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JUNHO 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JUNHO 2019
Adilson Moreira
 
GAZETA SANTA CÂNDIDA, MAIO 2019
GAZETA SANTA CÂNDIDA, MAIO 2019GAZETA SANTA CÂNDIDA, MAIO 2019
GAZETA SANTA CÂNDIDA, MAIO 2019
Adilson Moreira
 
GAZETA SANTA CANDIDA, ABRIL 2019
GAZETA SANTA CANDIDA, ABRIL 2019GAZETA SANTA CANDIDA, ABRIL 2019
GAZETA SANTA CANDIDA, ABRIL 2019
Adilson Moreira
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, FEVEREIRO 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, FEVEREIRO 2019GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, FEVEREIRO 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, FEVEREIRO 2019
Adilson Moreira
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JANEIRO 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JANEIRO 2019GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JANEIRO 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JANEIRO 2019
Adilson Moreira
 

Mais de Adilson Moreira (20)

GAZETA DO SANTA CANDIDA, ABRIL DE 2023
GAZETA DO SANTA CANDIDA, ABRIL DE 2023GAZETA DO SANTA CANDIDA, ABRIL DE 2023
GAZETA DO SANTA CANDIDA, ABRIL DE 2023
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA FEVEREIRO 2023
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA FEVEREIRO 2023GAZETA DO SANTA CÂNDIDA FEVEREIRO 2023
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA FEVEREIRO 2023
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JULHO 2021
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JULHO 2021GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JULHO 2021
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JULHO 2021
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, EDIÇÃO DEZEMBRO 2021
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, EDIÇÃO DEZEMBRO 2021GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, EDIÇÃO DEZEMBRO 2021
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, EDIÇÃO DEZEMBRO 2021
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, NOVEMBRO 2021
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, NOVEMBRO 2021GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, NOVEMBRO 2021
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, NOVEMBRO 2021
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, OUTUBRO 2021
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, OUTUBRO 2021GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, OUTUBRO 2021
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, OUTUBRO 2021
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, SETEMBRO 2021
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, SETEMBRO 2021GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, SETEMBRO 2021
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, SETEMBRO 2021
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, MAIO 2021
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, MAIO 2021GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, MAIO 2021
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, MAIO 2021
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, MARÇO 2021
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, MARÇO 2021GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, MARÇO 2021
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, MARÇO 2021
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, EDIÇÃO DEZEMBRO 2020
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, EDIÇÃO DEZEMBRO 2020GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, EDIÇÃO DEZEMBRO 2020
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, EDIÇÃO DEZEMBRO 2020
 
GAZETA SANTA CÂNDIDA, MAIO 2020
GAZETA SANTA CÂNDIDA, MAIO 2020GAZETA SANTA CÂNDIDA, MAIO 2020
GAZETA SANTA CÂNDIDA, MAIO 2020
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, NOVEMBRO DE 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, NOVEMBRO DE 2019GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, NOVEMBRO DE 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, NOVEMBRO DE 2019
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, OUTUBRO 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, OUTUBRO 2019GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, OUTUBRO 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, OUTUBRO 2019
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, AGOSTO 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, AGOSTO 2019GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, AGOSTO 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, AGOSTO 2019
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JULHO 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JULHO 2019GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JULHO 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JULHO 2019
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JUNHO 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JUNHO 2019GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JUNHO 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JUNHO 2019
 
GAZETA SANTA CÂNDIDA, MAIO 2019
GAZETA SANTA CÂNDIDA, MAIO 2019GAZETA SANTA CÂNDIDA, MAIO 2019
GAZETA SANTA CÂNDIDA, MAIO 2019
 
GAZETA SANTA CANDIDA, ABRIL 2019
GAZETA SANTA CANDIDA, ABRIL 2019GAZETA SANTA CANDIDA, ABRIL 2019
GAZETA SANTA CANDIDA, ABRIL 2019
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, FEVEREIRO 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, FEVEREIRO 2019GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, FEVEREIRO 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, FEVEREIRO 2019
 
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JANEIRO 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JANEIRO 2019GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JANEIRO 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JANEIRO 2019
 

GAZETA SANTA CÂNDIDA, ABRIL 2020

  • 1. 1 Abril | 2020 O jornal que tem o que falar... PONTOS E ESTAÇÕES-TUBO DE TRANSPORTE COLETIVO SÃO HIGIENIZADOS O jornal que tem o que falar Gas Abril de 2020 - Edição 219 - Curitiba Página 3 Foto: Daniel Castellano LINHA VERDE NO ATUBA TEM NOVA ETAPA DE OBRAS, COM ALTERAÇÕES NO TRÂNSITO NESTE TRECHO PÁGINA 5
  • 2. 2 Abril | 2020 O jornal que tem o que falar... Diretor: Adilson da Costa Moreira CNPJ: 12.698.306/0001-42 Dep. comercial: Johana Choinski E-mail: gazetasantacandida@gmail.com Diagramação: Ulysses de Melo Site: www.gazetasantacandida.blogspot.com Fone: 41 99211-8943 Empresa: Adilson da Costa Moreira Endereço: Rua Hilário Moro, 526, Tingui, Torre 05,ap 902 Tiragem: 10.000 exemplares Colaborador: José Cândido (im memorian) As matérias assinadas não refletem necessariamente a opinião do jornal EXPEDIENTE SETH, O MITO, A IMAGEM DO CAOS E DA DESORDEM SETH ou SET: É o deus maléfico do antigo Egito. Inicialmente era visto como um deus bom, mas passou a ser considerado um deus mal quando o mito de Osíris e Ísis começou a se difundir por todo o antigo Egito. Foi retratado tam- bém ajudando Rá na luta contra a serpente Apep. Em mitos, Seth é o deus da con- fusão, da desordem e da pertur- bação, que é enfatizada pela es- crita hieroglífica em que o animal de Seth serve como determinante para conceitos negativos (autor- itarismo, fúria, crueldade, crise, tumulto, desastre, sofrimento, doença, tempestade). Mestre de trovões e relâmpagos, exerce seu poder nas margens do Egito, que são terras do deserto, áreas áridas e países fora da planície do Nilo. Seth é um deus complexo. Ele geralmente é mostrado como um animal desconhecido, uma espécie de burro ou cachorro e com um longo nariz lembrando o de um tamanduá. Seth também teve um associação com Sobek (deus crocodilo), que tinha um lado feroz em sua natureza. No período de declínio e instab- ilidade política(1077 da a.C até 664 a.C) do Egito, a imagem de Seti mancha permanentemente, talvez em resposta às sucessi- vas aquisições de vários povos estrangeiros sobre o Reino do Egito. Set, associado a potências estrangeiras, torna-se o agente maligno da perda do país. Os mi- tos sobre Seti o retratam como ambicioso, intrigante, manipula- dor, com foco no assassinato de seu irmão Osiris. Ele é grad- ualmente confundido com Apófis, a serpente do caos, apesar da antiga tradição que ele lutou contra ele em nome de Rá. O mundo grego identif- icou-o com o Tifão, o monstro primordial do caos e uma enti- dade do mal comparável. No Livro dos Mortos, Seti é chamado “O Senhor dos Céus do Norte” e é considerado re- sponsável pelas tempestades e o mau tempo. A história do longo conflito entre Seti e Hórus é vista por alguns como uma representação de uma grande batalha entre cultos no Egito cujo culto vencedor pode ter transformado o deus do culto inimigo em deus do mal. O PENSAMENTO COMO FERRAMENTA DE PREVENÇÃO E SAÚDE Claudia Honorato Você dá muita atenção ao que es- cuta? Acredita que a opinião alheia tem alguma influência sobre a sua saúde? “Enfrenta as fases iniciais da doença com oposição mental tão poderosa como a que um legis- lador empregaria para impedir a aprovação de uma lei desumana”, escreveu Mary Baker Eddy, uma pensadora metafísica americana, em sua obra Ciência e Saúde. Lembro-me de ter ouvido esta fábula: “Era uma vez, duas rãs que, por terem passado muito tempo na floresta, ao anoitecer, tiveram de buscar abrigo em uma pequena casa de madeira, em cujo interior encontraram um balde com leite. Subiram até a borda do balde, mas ao tentarem beber o leite, caíram dentro dele. Após se fartarem, tentaram sair, saltando, mas sem êxito. Chamaram as outras rãs para so- corrê-las. As rãs chegaram e, na borda do balde, gritavam, incen- tivando-as: ‘Vocês conseguem! Força! Vamos!’ Apesar disso, as horas se passaram e não houve re- sultados. Então, as rãs começaram a dizer: ‘Agora é tarde, vocês não têm mais forças, é melhor que se entreguem à morte´. Uma das rãzinhas mor- reu, porém a outra persistiu, até conseguir sair. “Por que essa rã conseguiu sair e salvar-se?” “Porque era surda!” Na vida cotidiana, assim como a rãzinha que estava no bal- de, você ouve frases negativas, pensamentos deprimentes, te- mores de outras pessoas, inclu- sive sobre os perigos em relação à saúde. É possível manter-se perfeito, bem e saudável, não dando atenção às informações sobre os riscos à saúde? O Departamento de Psiquiatria e Ciência Com- portamental de Nova Iorque realizou um interessante experi- mento,noqualfoisimuladauma ameaça biológica a três grupos de pessoas. Ao primeiro grupo, denominado de controle, não foram dadas informações. Ao segundo, sugeriram tratar-se de uma doença psicogênica (não orgânica) e ao terceiro, além da sugestão psicogênica, forneceram maior quantidade de informações a respeito da enfermidade. O resultado mostrou que os dois grupos induzidos psicologicamente apresentaram 11 vezes mais sintomas da enfermidade do que o grupo de controle. Isso mostra como, algumas vezes, há in- formações que colocam em risco a saúde, a menos que se coloque um filtro no pens- amento. Estar atento, observar uma paisagem men- tal focada na saúde e harmonia ajuda a manter-se saudável. Existem pessoas que conseguiram detectar um problema e pre- venir-se, tal qual fez Aurora Acebedo Ruiz, uma química da Colômbia, que, começan- do a ter os sintomas de câncer, orou, opondo-se mentalmente a essa doença, rebatendo-a e agarrando-se ao reconheci- mento consciente de sua natureza espiritu- al saudável. Para mim, essa experiência encorajadora comprova que é possível livrar-se de en- fermidades. Ao desejar o bem tanto para si próprio como para o próximo, o pensa- mento é conectado a uma fonte espiritual superior e saudável, o qual, unido ao senti- mento de gratidão, pode ajudar a prevenir ou superar anomalias, abolir pensamentos de deterioração, substituindo-os por ideias renovadoras que trazem a saúde. Claudia Honorato é Comitê de Publi- cação da Ciência Cristã para o Chile.
  • 3. 3 Abril | 2020 O jornal que tem o que falar... PONTOS E ESTAÇÕES-TUBO DO TRANSPORTE COLETIVO PASSAM POR AÇÃO DE ASSEPSIA O trabalho de assepsia nos pontos de ônibus e estações-tubo de Curi- tiba continua. Em dois dias, foram higienizados, com peróxido de hi- drogênio, 73 estações-tubo do eixo Leste/Oeste, 30 estações do Eixo Circular Sul e 58 pontos de ônibus no Cajuru e no Capão da Imbuia. O objetivo da Urbanização de Curi- tiba (Urbs) desinfectar 2.640 pontos de ônibus com cobertura metálica e 271 estações-tubo. O serviço nos pontos de ônibus e estações-tubos começou na terça-feira (31/3). Além disso, no último fim de semana foi feita a limpeza dos 22 terminais e as estações-tubo anexas e a Rodofer- roviária. O reforço na higienização é para evitar a propagação do novo coro- navírus em locais de grande cir- culação, como espaços ligados ao transporte público da capital. Como é feita Os profissionais de limpeza usam pulverizadores costais com hipoclo- rito de sódio e peróxido de hidrogê- nio para lavar pontos de contato, co- bertura e apoios e, com isso, ajudar a reduzir a velocidade de circulação de agentes infecciosos. Nos pontos, a limpeza está sendo re- alizada de dia e a aplicação dura cerca de 15 minutos. Os passageiros podem utilizar o espaço normalmente após a desinfecção. Nas estações-tubo, o trabalho é feito de madrugada, para evitar interromp- er o funcionamento durante o dia. Como as estações são maiores e reú- nem mais passageiros, o trabalho pre- cisa ser conduzido no período em que não há movimento. Parceria voluntária O peróxido de hidrogênio, doado pela Peróxidos do Brasil, é conhecido pelo poder desinfetante e de desinfecção. A aplicação do produto nos pontos de ônibus é feita pela Climax 8 Prestação de Serviços. Nos tubos, o serviço é da Abaiti Limpeza Industrial. Ambas as empresas são voluntárias no projeto. A higienização faz parte de uma ampla ação de assepsia lançada pela Prefeitura de Curitiba para cont- er o avanço do novo coronavírus. Além dos terminais e dos pontos de ônibus, já foi feito o reforço de limpeza com peróxido nos acessos a Unidades de Pronto Atendimen- to (UPAs) e hospitais públicos de Curitiba. Os primeiros pon- tos atendidos foram a UPA Pin- heirinho, a UPA Sítio Cercado, o Hospital Municipal do Idoso e o Hospital do Trabalhador. Foto: Daniel Castellano Foto: Pedro Ribas
  • 4. 4 Abril | 2020 O jornal que tem o que falar... Em 2018, especialistas em doenças infecciosas da Universidade de Hong Kong (HKU) se deparam com um paciente incomum. O homem de 56 anos, que havia passado por um transplante de fígado, estava apresentando funções hepáticas anormais sem qualquer causa óbvia. Exames revelaram que seu sistema imunológico estava reagindo à hep- atite E, mas não eram capazes de en- contrar a cepa humana do vírus da hepatite E ( VHE) em seu sangue. A hepatite E é uma doença hepáti- ca que também pode causar febre, icterícia e aumento do fígado. O vírus vem em quatro tipos, que circulam em diferentes animais; naquele momento, apenas um dess- es quatro era conhecido por ser ca- paz de infectar humanos. Com os exames para essa cepa hu- mana de VHE dando negativos, os pesquisadores reformularam o teste diagnóstico,fizeram-no de novo e encontraram, pela primeira vez na história, hepatite E de rato em um humano. Quando achavam que era “ um incidente isolado, e que o paci- ente estava no lugar errado, na hora errada’’, ocorriam 10 novos casos, e podendo haver centenas de pes- soas infectadas não diagnosticadas naquele momento, dizia o especial- ista Sridhar A cepa humana da hepatite E é tipi- camente transmitida através de con- taminação fecal da água potável, de acordo com a Organização Mundial de Saúde.Mas a cepa de rato impõe um novo mistério:ninguém sabe ex- atamente como essas pessoas estão sendo infectadas. Mas a cepa de rato impõe um novo mistério: ninguém sabe exatamente como essas pessoas estão sendo infectadas. Nos dois anos desde a descoberta, pesquisadores ainda têm que identificar a rota exata da transmissão de ratos para humanos. Eles têm teorias – talvez os pacien- tes tenham bebido água contamina- da com a cepa humana comum, ou manuseando objetos contaminados – mas nada foi provado definitiv- amente. Um recente paciente de 61 anos deixou as autoridades particu- larmente perplexas, não havia ratos ou excrementos de rato em sua casa, ninguém mais na casa apresentou sintomas, e ele não tem histórico de viagens recentes. “Com base nas informações epide- miológicas disponíveis, a fonte e a rota de infecção não puderam ser determinadas”, disse o Centro de Proteção à Saúde de Hong Kong ( CHP) em uma declaração em 30 de abril. O homem está no hospital, e a investigação do CHP segue em curso O vírus trás sérias consequências para a saúde, especialmente para pa- cientes com a imunidade enfraquec- ida. Pessoas jovens e saudáveis sem condições pré-existentes podem se recuperar sozinhas mas, em popu- lações vulneráveis, ele pode causar uma hepatite crônica que os pacien- tes não conseguem eliminar, assim como danos ao fígado no longo pra- zo e escarificação de tecidos. A maior dúvida que continua a inco- modar os cientistas é não saber como o vírus pula de ratos para humanos complicando a forma de prevenir infeccões futuras e como entend- er todos os dados coletados pelos pesquisadores, exemplo; pessoas que vivem em em área infestadas por ra- tos deveriam, teoricamente, estar em maior risco, mas alguns pacientes infectados vêm de bairros com baixa incidência de ratos. Uma solução poderia ser simples- mente eliminar todos os ratos em Hong Kong, mas erradicar ratos é uma operação longa e compli- cada não exatamente viável. Seria necessário reduzir os lugares nos quais eles podem se abrigar, bem como seu acesso à comida, com medidas como impedir o descarte de comida em becos. Até agora, tudo o que as autori- dades podem fazer é orientarem as pessoas a tomarem medidas preventivas,como lavar as mãos antes de comer, estocar comida de forma apropriada ou na geladeira, e manter a casa limpa e desinfe- tada com um mínimo de lugares que possam servir de ninhos para roedores. Na Europa, uma “falta de consci- entização por parte dos clínicos e diagnósticos pobremente pa- dronizados levaram à subnotifi- cação” de casos de hepatite E, diz a especialista Cornelia Adlhoch do Centro Europeu para Prevenção e Controle de Doenças (European Centre for Disease Prevention and Control - ECDC), e Sally Baylis, do Paul-Ehrlich-Institut, da Ale- manha, em carta publicada em NOVO VÍRUS TRANSMITIDO POR RATOS TEM GERADO PREOCUPAÇÃO EM CIENTISTAS março último no jornal Hepa- tology. Apenas no ano passado o ECDC finalmente desenvolveu dire- trizes para a coleta de dados e relatório de informações sobre esta hepatite, diz a carta, mas, estas novas diretrizes concen- tram-se na variante humana e não inclui a HEV de rato, deix- ando o que o o pesquisador, Sri- dhar chama de “um ponto cego em nossos diagnósticos” Este ponto cego, e a possibili- dade de que o vírus esteja in- fectando pessoas globalmente sem quaisquer medidass de con- trole colocam algumas pessoas mais vulneráveis da sociedade em risco – os idosos, comuni- dades afetadas pelo HIV, aqueles com condições pré-existentes, e outros. “ Isto não deveria es- tar acontecendo,” diz Sridhar. “ Precisamos de vigilância con- tínua do público para controlar esta infecção incomum. Eu real- mente espero que as autoridades da saúde deem o primeiro pas- so e vejam o quanto suas pop- ulações estão, de fato sendo ex- postas à hepatite E de rato. CNN
  • 5. 5 Abril | 2020 O jornal que tem o que falar... LINHA VERDE NO ATUBA TEM NOVA ETAPA DE OBRAS, COM ALTERAÇÕES NO TRÂNSITO NESTE TRECHO No Trevo do Atuba a obras avançam e o trânsito tem desvio a partir de quarta-feira, dia 22. A alteração no trânsito será necessária para a continuidade da implantação da trincheira e início da construção dos viadutos que irão favorecer o trânsito de chegada em Curitiba de motoristas vindos de Colombo, Campina Grande do Sul, Quatro Barras e do estado de São Paulo. Serão 300 metros de desvio, começando antes do cruzamento da Linha Verde com a Estrada da Ri- beira no sentido norte-sul. Os mo- toristas terão que entrar à direita na Estrada da Ribeira para, em seguida, realizarem o retorno à esquerda e voltarem para a Linha Verde ou para acessar a Avenida Marechal Mascar- enhas de Moraes e seguir caminho para o Boa Vista e Bacacheri. A previsão da Secretaria Municipal de Obras Públicas (SMOP), que co- ordena a execução do trabalho na Linha Verde, é de que o desvio per- maneça no local durante dez meses. Mesmo prazo aplicado ao desvio im- plantado em 3 de março, no sentido Pinheirinho-Atuba, logo após o via- duto da Rua Alberico Flores Bueno, que serve de rota para Bairro Alto e Bacacheri. Obras do Lote 4.1 Onde havia o antigo trevo do Atuba, 926 estacas estão sendo edificadas em concreto e ferragem para sustentar as novas estruturas viárias do Lote 4.1 da Linha Verde. Um conjunto de trincheira e viadutos que eliminará os semáforos e dará mais fluidez ao trânsito de motoristas que se deslo- cam no eixo norte-sul de Curitiba. Também estão em andamento outras frentes de trabalho. Está sendo feito o aterro nas imediações do Conjun- to Solar – onde serão instaladas es- tações-tudo do sistema de transporte coletivo, a preparação da base para a nova pista da Rua Rua Maria Petros- ki, marginal da Linha Verde, e a implantação da galeria celular antes da entrada para a Rua Fagundes Varela. O Lote 4.1 da Linha Verde tem 2,84 quilômetros e com- preende o trecho entre as estações Solar e Atuba. Suas obras foram retomadas em dezembro do ano passado, após a rescisão contratual com a empresa que estava executando os serviços.
  • 6. 6 Abril | 2020 O jornal que tem o que falar... OQUEFAZERAOCHEGAREMCASA? CURITIBA CORONAVIRUS CONTRA DÚVIDAS SOBRE O CORONAVÍRUS: www.curitiba.pr.gov.br | 41 99876-2903 Nãotoqueemnada antesdesehigienizar Limpeasembalagensque trouxeantesdeguardar Tomeumbanho Tireos sapatos Deixebolsaecarteira emumacaixanaentrada Senãopudertomarbanho, lavebemmãos,punhose partesexpostas Coloquesuasroupas paralavar Higienizeoseu celulareóculos Saiucomopet? Desinfeteas patinhasdele
  • 7. 7 Abril | 2020 O jornal que tem o que falar... PREFEITO VISTORIA OBRAS NO RIO BACACHERI E NO TREVO DO ATUBA Seguindo todos os protocolos de cuidado para barrar o avanço do novo coronavírus, o prefeito Rafael Greca vistoriou no dia 22 de abril, as obras em andamento no Rio Ba- cacheri e na porção norte da Linha Verde, no Atuba. O prefeito foi acompanhado pelo secretário municipal de Obras Públicas, Rodrigo Rodrigues, usou máscara e álcool em gel para man- ter as mãos limpas. O Rio Bacacheri está passando por intervenção em dois pontos do seu leito. Um deles é no trecho de 125 metros entre as ruas João Gbur e Canadá, no Boa Vista, e o outro é no interior do Parque Bacacheri. O trabalho tem o objetivo de prote- ger o talude de possíveis erosões e, ainda, conter a vazão do rio e mini- mizar seu potencial destrutivo. “Estamos fazendo uma importante obra de contenção de cheias, que terá impacto em toda a bacia hi- drográfica em que o Rio Bacacheri está inserido. As inundações que muito infelicitam os moradores da região do Boa Vista terão fim”, disse Greca. O prefeito explicou que os muros de contenção que estão sendo con- struídos são em forma de gabião. “A muralha de contenção das cheias é feita com gabiões, que são como grandes gaiolas recheadas com pe- dras. Fico feliz não só pelo benefício que será gerado por esta obra, mas também pelos empregos que estão sendo mantidos pelo setor da nossa construção civil”, avaliou Greca. Dentro do parque No interior do Parque Bacacheri,os trabalhadores estão concluindo a detenção do rio com a implantação de duas estruturas de controle tam- bém em forma de gabião. Cada um dos dois muros tem cerca de 20 metros de comprimento, com 63 metros cúbicos de pedras envol- tas por uma manta metálica. As barreiras de pedra e manta metálica terão a finalidade de in- terromper o escoamento normal das águas do rio, diminuindo a velocidade da vazão e atenuando a capacidade de provocar estra- gos com inundações e alagamen- tos. A previsão do Departamento de Pontes e Drenagem da Secretar- ia Municipal de Obras Públicas é que o trabalho no Rio Bacach- eri esteja concluído até o final do mês de maio. ANUNCIE AQUI ! 41 992-118943
  • 8. 8 Abril | 2020 O jornal que tem o que falar... RUA AMÁCIO MAZZAROPI, BAIRRO SANTA CÂNDIDA EM HOMENAGEM AO MAIOR CÔMICO DO CINEMA BRASILEIRO (rua nos fundos da Polícia Federal; inicia na rua Mariano Fardolinski, finalizando na rua Catarina Ferra- rini.) O pequeno Amácio passava longas temporadas no município vizin- ho de Tremembé, na casa do avô materno, o português João José Ferreira, exímio tocador de viola e dançarino de cana verde. Seu avô também era animador das festas do bairro onde morava, às quais levava seus netos que, desde cedo, entram em contato com a vida cul- tural do caipira, que tanto inspirou Mazzaropi. Em 1919, sua família volta à capital e Mazzaropi ingres- sa no curso primário do Colégio Amadeu Amaral, no bairro do Belém. Bom aluno, era reconheci- do por sua facilidade em decorar poesias e declamá-las, tornando-se o centro das atenções nas festas escolares. Em 1922, morre o avô paterno e a família muda-se nova- mente para Taubaté, onde abrem um pequeno bar. Mazzaropi con- tinua a interpretar tipos nas ativi- dades escolares e começa a frequen- tar o mundo circense. Preocupados com o envolvimento do filho com o circo, os pais mandam Amácio aos cuidados do tio Domenico Mazza- roppi, em Curitiba, onde trabalhou na loja de tecidos da família. Aos quatorze anos, em 1926, re- gressa à capital paulista ainda com o sonho de participar em es- petáculos circenses. Finalmente entra para a caravana do Circo La Paz. Nos intervalos do número do faquir, Mazzaropi conta anedotas e causos, ganhando uma pequena gratificação. Sem poder se man- ter sozinho, em 1929 Mazzaropi volta a Taubaté com os pais, onde começa a trabalhar como tecelão, mas não consegue se manter longe dos palcos e atua numa escola do bairro. Quando ele fez o primeiro filme, já tinha passado por todos os outros segmentos. Já tinha tra- balhado com circo, teatro, rádio e TV. Seu biografo, Paulo Duarte disse que Mazzaropi não ficou apenas rico, mas bilionário, fazendo cinema no Brasil. Ele negava, mas provavelmente por medo que roubassem, medo que fiz- essem algum tipo de maldade com ele. Todas as pessoas que eu entrev- istei disseram que ele tinha muito medo de ser uma figura pública. Era um pânico que ele tinha. Mas Mazz- aropi morava numa casa com lareira, tinha amigos na Academia Brasile- ira de Letras, frequentava teatros, gostava de ópera, de música clássica, então era o falso caipira. Na verdade, o personagem era um caipirão, mas ele mesmo não. Vestia-se bem, era vaidoso, estava sempre de terno e gravata, usava até smoking. Estava sempre bem colocado. Eu costumo dizer que o Mazzaropi era o cara certo no lugar certo em todos os momentos. Quando aconte- ceu a Revolução Constitucionalista, ele morava em Taubaté, que era onde as tropas descansavam. Então, para animá-las, tinha que ter te- atro, circo, música. Naquela épo- ca, na década de 1930, Taubaté acabou virando um pólo muito efervescente de cultura. E ele viu muitos artistas importantes do Brasil passarem pela cidade. Já de primeira, ele estava no lugar certo. Depois, começou no te- atro porque o Oscarito teve um problema com uma das peças, precisaram de alguém e colo- caram Mazzaropi. No dia da es- treia da televisão, ele estava lá. Outros cômicos não puderam ir, então também tem aquela coisa da sorte. Foi ele o cara que con- seguiu mostrar a cara primeiro na televisão. Qual era a relação de Mazzaropi com o cinema norte-americano? Ele tinha meio raiva de Hollywood. O que ele fa- zia era um pouco tirar uma onda do que fazia sucesso. O Exorcista fez muito sucesso, aí ele foi lá e fez o Jeca contra o Capeta