SlideShare uma empresa Scribd logo
1
FOTOGRAFIA - AULA 3 
UNISAL - Americana 
2
ILUMINAÇÃO 
3
ILUMINAÇÃO 
A luz natural possui características 
variadas ao longo do dia e pode ser 
usada de forma eficiente para criar 
diversos efeitos fotográficos. Uma 
lâmpada incandescente, 
fluorescente ou um flash cria a luz 
artificial na fotografia. 
A luz artificial requer observação, 
habilidade e conhecimento por parte 
do fotógrafo, já que ele precisa 
visualizar previamente o efeito que 
a luz criará no objeto. 
4
LEI DO INVERSO DO 
QUADRADO DA LUZ 
5
LEI DO INVERSO DO 
QUADRADO DA LUZ 
Descoberto por Isaac 
Newton no século XVII. 
Segundo sua lei, a luz fica 
mais fraca o quadrado da 
distância que percorre. 
6
LEI DO INVERSO 
DO QUADRADO DA LUZ 
Se uma luz, de valor 4, sai por aí em alta velocidade, no primeiro 
metro ela vai ter a perda de 1/1², ou seja, “4-1/1²=3” 
Ela continua sua jornada agora com valor 3. 
Quando passa pelo segundo metro, ela terá uma perda de 1/2², 
sendo assim, “3-½²=2,75”. 
Ela segue seu caminho com o valor de 2,75. Quando passa pelo 
terceiro metro, ela perderá 1/3², “2,75 – 1/3²= 2,64”, e assim por 
diante (como mostrado na imagem baixo). 
7
LEI DO INVERSO 
DO QUADRADO DA LUZ 
8
Fotografia | aula 03
Fotografia | aula 03
A área que a luz ilumina dobra o quadrado da distância 
11
LUZ NATURAL 
E ARTIFICIAL 
12
PROPRIEDADES 
DA LUZ NATURAL 
A luz natural é autogerada e divide-se 
em um espectro de cores, as cores 
visíveis dos raios que sentimos. 
O espectro contém luz com 
comprimentos de ondas mais curtos e 
próximos ao violeta em uma das 
extremidades e luz com 
comprimentos de onda mais longos e 
próximos ao vermelho em outra. 
Respectivamente, esses raios são 
chamados de ultravioleta e 
infravermelho, e não são visíveis ao 
olho humano. 
13
PROPRIEDADES 
DA LUZ NATURAL 
A luz solar não pode ser 
alterada ou controlada de 
acordo com as necessidades 
humanas. 
Sendo assim, o fotógrafo 
precisa se adaptar ao ambiente 
e trabalhar com a posição do 
sol. 
14
PROPRIEDADES 
DA LUZ ARTIFICIAL 
A luz artificial é gerada por fontes 
de energia não-naturais. 
É possível monitorar 
adequadamente a intensidade, a 
qualidade e a quantidade de luz 
para determinadas situações. 
A luz artificial não tem um 
espectro de cores ou 
comprimentos de onda tão 
variados quanto a luz natural. 
15
PROPRIEDADES 
DA LUZ ARTIFICIAL 
A vantagem dessa luz reside no 
fato de que ela pode ser 
controlada de acordo com as 
vontades e as necessidades do 
homem. 
Pode ser gerada a partir de 
luzes de estúdio ou unidades de 
flash externo. 
Proporciona uma grande 
flexibilidade e oportunidades 
criativas. 
16
EFEITOS DE COR 
A luz natural é ideal para gerar as 
melhores cores na fotografia. Diversos 
tons do espectro das cores aparecem em 
diferentes horas do dia. 
Ao meio-dia, o azul prevalece, gerando um 
efeito frio às fotos. 
De forma oposta, ao nascer ou pôr do sol, 
o vermelho predomina, deixando as fotos 
com tons mais quentes. Efeitos com luz 
artificial dependem da lâmpada usada. 
A luz incandescente dá um toque 
amarelado às fotos, enquanto a 
fluorescente produz uma luz difusa que 
gera tons verde-azulados. 
17
Fotografia | aula 03
Fotografia | aula 03
CONDIÇÕES CLIMÁTICAS 
A luz natural não pode ser uma 
fonte constante para a fotografia, já 
que varia de acordo com o clima, o 
lugar, a latitude e a época do ano. A 
luz artificial pode ser criada em 
qualquer situação com o flash 
embutido da câmera, ou um 
equipamento secundário. 
Tripés de iluminação digital ou um 
estúdio inteiro equipado podem ser 
usados para criar a luz desejada 
independentemente das condições 
climáticas externas. 
20
Fotografia | aula 03
CONTROLE DE TEMPERATURA 
A luz artificial permite controlar a 
temperatura, que determina a luz 
predominante no espectro de luz branca. 
Uma fonte mais quente produzirá fotos 
em tons avermelhados, enquanto diminui 
os tons azuis. 
Lâmpadas de tungstênio podem gerar 
ambientes altamente quentes, e 
fotógrafos profissionais frequentemente a 
usam para obter os resultados 
desejados. 
Um controle de temperatura variado para 
efeitos diferenciados não é possível em 
luz natural. 22
Fotografia | aula 03
Fotografia | aula 03
FOTOGRAFIA PROFISSIONAL 
Em áreas especializadas, o tipo, 
quantidade e qualidade da luz 
desempenham um papel 
fundamental. 
A direção e localização da fonte de 
luz em retratos são determinantes 
para os contornos, formas e o 
ambiente da foto. 
A luz artificial é crucial em 
fotografia de moda e glamour, já 
que a luz do sol não é adequada 
para atingir os efeitos particulares 
necessários aos retratos. 25
LUZ 
FRONTAL 
26
LUZ FRONTAL 
Ao deixar a luz do sol 
diretamente atrás do fotógrafo, o 
local será totalmente iluminado. 
Essa técnica é comumente 
utilizada por fotógrafos de vida 
selvagem que querem capturar 
todos os detalhes. 
Por outro lado, a iluminação 
frontal não deve ser utilizada 
quando se fotografa um retrato 
de uma paisagem, pois ela 
parecerá plana e os detalhes 
não serão captados. 27
LUZ FRONTAL 
A iluminação frontal também é 
utilizada para tirar fotografias de 
arquitetura ou qualquer outra 
fotografia onde os detalhes são 
de extrema importância. Se você 
for um iniciante na fotografia, 
essa pode ser uma boa técnica, 
porque é mais fácil de obter a 
exposição correta. 
28
Fotografia | aula 03
Fotografia | aula 03
LUZ LATERAL 
31
LUZ LATERAL 
Iluminação lateral é quando a 
luz reflete no objeto por um dos 
lados. 
Isso geralmente fornece muito 
contraste, podendo criar longas 
sombras e acrescentando 
profundidade à imagem. 
32
LUZ LATERAL 
O efeito de iluminação lateral 
indireta ao ar livre é aquele que 
envolve o local de foco para que 
não haja sombras e nenhum 
detalhe seja perdido. 
Esse efeito criará sombras em 
certas áreas do objeto 
fotografado, o que pode 
adicionar atmosfera à fotografia. 
33
Fotografia | aula 03
Fotografia | aula 03
LUZ DE FUNDO 
36
LUZ DE FUNDO 
• Iluminação de fundo é quando a 
luz estiver atrás do objeto e é 
dirigida para sua câmera. 
• Este tipo de iluminação cria 
silhuetas com facilidade. 
Combinado com certas condições 
atmosféricas, tais como neblina ou 
poeira no ar que você pode obter 
efeitos de iluminação dramática. 
37
LUZ DE FUNDO 
• Durante a luz de fundo, um fotógrafo 
colocará seu foco diretamente em 
frente da luz do sol, de modo que o 
sol esteja no fundo da fotografia. 
• Ao fotografar corretamente, uma 
fotografia com iluminação de fundo 
fornecerá um contorno sólido de um 
objeto contra o céu. 
• A iluminação de fundo é um pouco 
mais difícil de dominar e você pode 
precisar de suporte para obter a 
melhor fotografia possível. 
38
Fotografia | aula 03
Fotografia | aula 03
LUZ SUAVE 
OU DIFUSA 
41
LUZ SUAVE OU DIFUSA 
• Luz suave é a luz com um 
preenchimento uniforme. 
• Esse tipo de luz diminui contrastes 
e minimaliza as sombras. 
• Luz suave é excelente para 
retratos, fotos macro e natureza. 
42
Fotografia | aula 03
Fotografia | aula 03
LUZ DURA 
45
LUZ DURA 
• Luz “dura" é quando a luz atinge 
diretamente o objeto, deixando um 
brilho intenso. 
• Esse tipo de luz cria sombras 
fortes e muito contraste, onde se 
destacam as partes claras do 
objeto. 
46
Fotografia | aula 03
Fotografia | aula 03
LUZ AMBIENTE 
49
LUZ AMBIENTE 
As fotos que usam apenas luz 
ambiente sem flash são chamadas de 
fotos com luz existente, luz natural, ou 
luz ambiente. 
Elas trazem inúmeras vantagens em 
relação à fotografia com flash. 
Na fotografia com luz ambiente, a sua 
câmera lê a luz de toda a cena. O 
objeto fotografado fica 
apropriadamente exposto e o plano 
de fundo também, proporcionando 
mais profundidade à foto. 
50
LUZ AMBIENTE 
Mais profundidade: O flash ilumina 
apenas os primeiros metros da cena. Tudo 
além disso fica mais escuro. 
Menos aspereza. A luz ambiente da foto 
geralmente é proveniente de fontes 
diversas como lâmpadas, janelas, 
luminárias e reflexos das paredes e teto. 
Tudo isso contribui para uma iluminação 
mais suave e equilibrada 
Mais expressividade: Fotos com luz 
ambiente tendem a ser mais naturais e 
expressivas, e as pessoas fotografadas se 
sentem mais confortáveis quando não 
estão sendo dominadas por holofotes de 
luz. 
51
Fotografia | aula 03
Fotografia | aula 03
LUZ PRINCIPAL E 
PREENCHIMENTO 
54
LUZ PRINCIPAL E 
PREENCHIMENTO 
Luz principal é a luz usada no 
seu objeto. 
Luz de preenchimento é 
utilizada para preencher as 
sombras criadas pela luz 
principal, impedindo-os de ficar 
muito escuro. 
Luz de Fundo: utilizada para 
separar o objeto do fundo. 
55
Fotografia | aula 03
Fotografia | aula 03
Fotografia | aula 03
Fotografia | aula 03
SEJA CRIATIVO 
Você pode usar todas as 
váriavéis de posicionamento de 
luz para compor sua foto. 
Em um ambiente você 
perceberá que a luz reflete 
diferente em todas as direções. 
Faça uso disso! 
60
BOAS 
FOTOS!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ISO, Diafragma e Obturador
ISO, Diafragma e Obturador ISO, Diafragma e Obturador
ISO, Diafragma e Obturador
Clara Ferreira
 
Técnicas fotográficas
Técnicas fotográficasTécnicas fotográficas
Técnicas fotográficas
Marcio Duarte
 
Fotografia
FotografiaFotografia
Fotografia
Celoy Mascarello
 
Iluminação e flash
Iluminação e flashIluminação e flash
Iluminação e flash
journalistas
 
Câmera DSLR
Câmera DSLRCâmera DSLR
Câmera DSLR
Cid Costa Neto
 
Fotografia para iniciantes: conceitos e princípios
Fotografia para iniciantes: conceitos e princípiosFotografia para iniciantes: conceitos e princípios
Fotografia para iniciantes: conceitos e princípios
Eduardo Graziosi Silva
 
Luz e Composição Fotográfica
Luz e Composição FotográficaLuz e Composição Fotográfica
Luz e Composição Fotográfica
Cid Costa Neto
 
Flash dedicado
Flash dedicadoFlash dedicado
Flash dedicado
Cid Costa Neto
 
Luz cinema tv
Luz cinema tvLuz cinema tv
Luz cinema tv
Celso Viviani
 
ILUMINAÇÃO
ILUMINAÇÃOILUMINAÇÃO
ILUMINAÇÃO
Thiago Aguiar
 
Aula 01 - Curso de Fotografia Básica
Aula 01 - Curso de Fotografia BásicaAula 01 - Curso de Fotografia Básica
Aula 01 - Curso de Fotografia Básica
tiago.ufc
 
Fotografia elementos visuais
Fotografia   elementos visuaisFotografia   elementos visuais
Fotografia elementos visuais
Oswaldo Hernandez
 
Mini Curso de Fotografia - Aula 1
Mini Curso de Fotografia - Aula 1Mini Curso de Fotografia - Aula 1
Mini Curso de Fotografia - Aula 1
Thiago Araujo
 
Historia da Fotografia
Historia da FotografiaHistoria da Fotografia
Historia da Fotografia
Cid Costa Neto
 
Técnicas fotográficas
Técnicas fotográficasTécnicas fotográficas
Técnicas fotográficas
Thayse Beckner
 
Mini Curso de Fotografia - Aula 2
Mini Curso de Fotografia - Aula 2Mini Curso de Fotografia - Aula 2
Mini Curso de Fotografia - Aula 2
Thiago Araujo
 
Princípios da fotografia
Princípios da fotografiaPrincípios da fotografia
Princípios da fotografia
Cid Costa Neto
 
02 principios da fotografia (2012)
02 principios da fotografia (2012)02 principios da fotografia (2012)
02 principios da fotografia (2012)
Marcio Duarte
 
Oficina de Fotografia SIMTUD – 2011
Oficina de Fotografia SIMTUD – 2011Oficina de Fotografia SIMTUD – 2011
Oficina de Fotografia SIMTUD – 2011
Alessandra Mota
 
Fotografia composição enquadramento
Fotografia composição enquadramentoFotografia composição enquadramento
Fotografia composição enquadramento
victormlcosta
 

Mais procurados (20)

ISO, Diafragma e Obturador
ISO, Diafragma e Obturador ISO, Diafragma e Obturador
ISO, Diafragma e Obturador
 
Técnicas fotográficas
Técnicas fotográficasTécnicas fotográficas
Técnicas fotográficas
 
Fotografia
FotografiaFotografia
Fotografia
 
Iluminação e flash
Iluminação e flashIluminação e flash
Iluminação e flash
 
Câmera DSLR
Câmera DSLRCâmera DSLR
Câmera DSLR
 
Fotografia para iniciantes: conceitos e princípios
Fotografia para iniciantes: conceitos e princípiosFotografia para iniciantes: conceitos e princípios
Fotografia para iniciantes: conceitos e princípios
 
Luz e Composição Fotográfica
Luz e Composição FotográficaLuz e Composição Fotográfica
Luz e Composição Fotográfica
 
Flash dedicado
Flash dedicadoFlash dedicado
Flash dedicado
 
Luz cinema tv
Luz cinema tvLuz cinema tv
Luz cinema tv
 
ILUMINAÇÃO
ILUMINAÇÃOILUMINAÇÃO
ILUMINAÇÃO
 
Aula 01 - Curso de Fotografia Básica
Aula 01 - Curso de Fotografia BásicaAula 01 - Curso de Fotografia Básica
Aula 01 - Curso de Fotografia Básica
 
Fotografia elementos visuais
Fotografia   elementos visuaisFotografia   elementos visuais
Fotografia elementos visuais
 
Mini Curso de Fotografia - Aula 1
Mini Curso de Fotografia - Aula 1Mini Curso de Fotografia - Aula 1
Mini Curso de Fotografia - Aula 1
 
Historia da Fotografia
Historia da FotografiaHistoria da Fotografia
Historia da Fotografia
 
Técnicas fotográficas
Técnicas fotográficasTécnicas fotográficas
Técnicas fotográficas
 
Mini Curso de Fotografia - Aula 2
Mini Curso de Fotografia - Aula 2Mini Curso de Fotografia - Aula 2
Mini Curso de Fotografia - Aula 2
 
Princípios da fotografia
Princípios da fotografiaPrincípios da fotografia
Princípios da fotografia
 
02 principios da fotografia (2012)
02 principios da fotografia (2012)02 principios da fotografia (2012)
02 principios da fotografia (2012)
 
Oficina de Fotografia SIMTUD – 2011
Oficina de Fotografia SIMTUD – 2011Oficina de Fotografia SIMTUD – 2011
Oficina de Fotografia SIMTUD – 2011
 
Fotografia composição enquadramento
Fotografia composição enquadramentoFotografia composição enquadramento
Fotografia composição enquadramento
 

Destaque

Curso de Fotografa F8imagem
Curso de Fotografa F8imagemCurso de Fotografa F8imagem
Curso de Fotografa F8imagem
Oswaldo Luiz Calzavara
 
Cartilhaaudiovisual final (1)
Cartilhaaudiovisual final (1)Cartilhaaudiovisual final (1)
Cartilhaaudiovisual final (1)
Larissa Zambelli
 
Fotografia de A a Z - Aula 02
Fotografia de A a Z - Aula 02Fotografia de A a Z - Aula 02
Fotografia de A a Z - Aula 02
João Leopoldo Padoveze
 
02 Fotografia Digital - Historia da fotografia
02 Fotografia Digital - Historia da fotografia02 Fotografia Digital - Historia da fotografia
02 Fotografia Digital - Historia da fotografia
Paulo Neves
 
Seminário - Fotografia Still Life (Natureza Morta)
Seminário - Fotografia Still Life (Natureza Morta)Seminário - Fotografia Still Life (Natureza Morta)
Seminário - Fotografia Still Life (Natureza Morta)
Rafael da Silva
 
Fotografia
FotografiaFotografia
E book efeitos e ajustes photoshop
E book efeitos e ajustes photoshopE book efeitos e ajustes photoshop
E book efeitos e ajustes photoshop
Jean Carlo
 
Guia dslr de_cinematografia_digital
Guia dslr de_cinematografia_digitalGuia dslr de_cinematografia_digital
Guia dslr de_cinematografia_digital
Luara Schamó
 
FOTOMETRIA - DSLR
FOTOMETRIA - DSLRFOTOMETRIA - DSLR
FOTOMETRIA - DSLR
Renan Cesar Antunes
 
Curso de Fotografia da VPR
Curso de Fotografia da VPRCurso de Fotografia da VPR
Curso de Fotografia da VPR
Alexandre Fernandes
 
História da fotografia
História da fotografiaHistória da fotografia
História da fotografia
Tatiana Aneas
 
Fotografia Atual
Fotografia AtualFotografia Atual
Fotografia Atual
Ellen_Assad
 
Fotografia digital
Fotografia digitalFotografia digital
Fotografia digital
Maratona Digital
 
Breve História da Fotografia
Breve História da FotografiaBreve História da Fotografia
Breve História da Fotografia
João Lima
 
Tipos de fotografia
Tipos de fotografiaTipos de fotografia
Tipos de fotografia
Marcio Duarte
 
Planos e ângulos
Planos e ângulosPlanos e ângulos
Planos e ângulos
Marcio Duarte
 
Iluminação
IluminaçãoIluminação
Iluminação
Cláudia
 
Planos fotográficos
Planos fotográficosPlanos fotográficos
Planos fotográficos
Antonella Gala
 
Cinema - Movimentos De Camera
Cinema - Movimentos De CameraCinema - Movimentos De Camera
Cinema - Movimentos De Camera
Chaiane Bitelo
 
Planos fotográficos
Planos fotográficosPlanos fotográficos
Planos fotográficos
Niebla Luminosa
 

Destaque (20)

Curso de Fotografa F8imagem
Curso de Fotografa F8imagemCurso de Fotografa F8imagem
Curso de Fotografa F8imagem
 
Cartilhaaudiovisual final (1)
Cartilhaaudiovisual final (1)Cartilhaaudiovisual final (1)
Cartilhaaudiovisual final (1)
 
Fotografia de A a Z - Aula 02
Fotografia de A a Z - Aula 02Fotografia de A a Z - Aula 02
Fotografia de A a Z - Aula 02
 
02 Fotografia Digital - Historia da fotografia
02 Fotografia Digital - Historia da fotografia02 Fotografia Digital - Historia da fotografia
02 Fotografia Digital - Historia da fotografia
 
Seminário - Fotografia Still Life (Natureza Morta)
Seminário - Fotografia Still Life (Natureza Morta)Seminário - Fotografia Still Life (Natureza Morta)
Seminário - Fotografia Still Life (Natureza Morta)
 
Fotografia
FotografiaFotografia
Fotografia
 
E book efeitos e ajustes photoshop
E book efeitos e ajustes photoshopE book efeitos e ajustes photoshop
E book efeitos e ajustes photoshop
 
Guia dslr de_cinematografia_digital
Guia dslr de_cinematografia_digitalGuia dslr de_cinematografia_digital
Guia dslr de_cinematografia_digital
 
FOTOMETRIA - DSLR
FOTOMETRIA - DSLRFOTOMETRIA - DSLR
FOTOMETRIA - DSLR
 
Curso de Fotografia da VPR
Curso de Fotografia da VPRCurso de Fotografia da VPR
Curso de Fotografia da VPR
 
História da fotografia
História da fotografiaHistória da fotografia
História da fotografia
 
Fotografia Atual
Fotografia AtualFotografia Atual
Fotografia Atual
 
Fotografia digital
Fotografia digitalFotografia digital
Fotografia digital
 
Breve História da Fotografia
Breve História da FotografiaBreve História da Fotografia
Breve História da Fotografia
 
Tipos de fotografia
Tipos de fotografiaTipos de fotografia
Tipos de fotografia
 
Planos e ângulos
Planos e ângulosPlanos e ângulos
Planos e ângulos
 
Iluminação
IluminaçãoIluminação
Iluminação
 
Planos fotográficos
Planos fotográficosPlanos fotográficos
Planos fotográficos
 
Cinema - Movimentos De Camera
Cinema - Movimentos De CameraCinema - Movimentos De Camera
Cinema - Movimentos De Camera
 
Planos fotográficos
Planos fotográficosPlanos fotográficos
Planos fotográficos
 

Semelhante a Fotografia | aula 03

IluminaçAo
IluminaçAoIluminaçAo
IluminaçAo
Auriene
 
O negativo luana alflen
O negativo luana alflenO negativo luana alflen
O negativo luana alflen
Luana Alflen
 
O negativo luana alflen
O negativo luana alflenO negativo luana alflen
O negativo luana alflen
Luana Alflen
 
FOTO 2016-04
FOTO 2016-04FOTO 2016-04
Fotografia de-pessoas-7-tecnicas-de-iluminacao-para-ambientes-externos
Fotografia de-pessoas-7-tecnicas-de-iluminacao-para-ambientes-externosFotografia de-pessoas-7-tecnicas-de-iluminacao-para-ambientes-externos
Fotografia de-pessoas-7-tecnicas-de-iluminacao-para-ambientes-externos
Carlos Alberto Souza
 
O negativo Ansel Adams
O negativo Ansel Adams O negativo Ansel Adams
O negativo Ansel Adams
Daniela Pires
 
O negativo Ansel Adams. Laboratorio Preto e Branco
O negativo Ansel Adams. Laboratorio Preto e BrancoO negativo Ansel Adams. Laboratorio Preto e Branco
O negativo Ansel Adams. Laboratorio Preto e Branco
Daniela Pires
 
Obetivas Fotografia
Obetivas FotografiaObetivas Fotografia
Obetivas Fotografia
Lorredana Pereira
 
CRP-422-2014-04
CRP-422-2014-04CRP-422-2014-04
LAB_O Negativo_BrunaFlores
LAB_O Negativo_BrunaFloresLAB_O Negativo_BrunaFlores
LAB_O Negativo_BrunaFlores
Bruna Flores
 
ILUMINAÇAO
ILUMINAÇAOILUMINAÇAO
ILUMINAÇAO
Brunotozzi Tozzi
 
O negativo
O negativoO negativo
O negativo
Alice Lindorfer
 
Resenha-técnica - "O Negativo" - Ansel Adams
Resenha-técnica - "O Negativo" - Ansel AdamsResenha-técnica - "O Negativo" - Ansel Adams
Resenha-técnica - "O Negativo" - Ansel Adams
Paola de Medeiros
 
Terceira Aula De Fotografia
Terceira Aula De FotografiaTerceira Aula De Fotografia
Terceira Aula De Fotografia
elizetearantes
 
Introdução à fotografia básica
Introdução à fotografia básicaIntrodução à fotografia básica
Introdução à fotografia básica
artenalente
 
O negativo
O negativo O negativo
O negativo
Alice Lindorfer
 
Tutorial Fotografia Básica
Tutorial Fotografia BásicaTutorial Fotografia Básica
Tutorial Fotografia Básica
Felipe Feca Fotografia
 
Imagem Magica
Imagem MagicaImagem Magica
Imagem Magica
Josefa Araujo
 
Aula 5 fotografia digital
Aula 5   fotografia digitalAula 5   fotografia digital
Aula 5 fotografia digital
Vitor Braga
 
A arte da fotografia
A arte da fotografiaA arte da fotografia
A arte da fotografia
Malu Rosan
 

Semelhante a Fotografia | aula 03 (20)

IluminaçAo
IluminaçAoIluminaçAo
IluminaçAo
 
O negativo luana alflen
O negativo luana alflenO negativo luana alflen
O negativo luana alflen
 
O negativo luana alflen
O negativo luana alflenO negativo luana alflen
O negativo luana alflen
 
FOTO 2016-04
FOTO 2016-04FOTO 2016-04
FOTO 2016-04
 
Fotografia de-pessoas-7-tecnicas-de-iluminacao-para-ambientes-externos
Fotografia de-pessoas-7-tecnicas-de-iluminacao-para-ambientes-externosFotografia de-pessoas-7-tecnicas-de-iluminacao-para-ambientes-externos
Fotografia de-pessoas-7-tecnicas-de-iluminacao-para-ambientes-externos
 
O negativo Ansel Adams
O negativo Ansel Adams O negativo Ansel Adams
O negativo Ansel Adams
 
O negativo Ansel Adams. Laboratorio Preto e Branco
O negativo Ansel Adams. Laboratorio Preto e BrancoO negativo Ansel Adams. Laboratorio Preto e Branco
O negativo Ansel Adams. Laboratorio Preto e Branco
 
Obetivas Fotografia
Obetivas FotografiaObetivas Fotografia
Obetivas Fotografia
 
CRP-422-2014-04
CRP-422-2014-04CRP-422-2014-04
CRP-422-2014-04
 
LAB_O Negativo_BrunaFlores
LAB_O Negativo_BrunaFloresLAB_O Negativo_BrunaFlores
LAB_O Negativo_BrunaFlores
 
ILUMINAÇAO
ILUMINAÇAOILUMINAÇAO
ILUMINAÇAO
 
O negativo
O negativoO negativo
O negativo
 
Resenha-técnica - "O Negativo" - Ansel Adams
Resenha-técnica - "O Negativo" - Ansel AdamsResenha-técnica - "O Negativo" - Ansel Adams
Resenha-técnica - "O Negativo" - Ansel Adams
 
Terceira Aula De Fotografia
Terceira Aula De FotografiaTerceira Aula De Fotografia
Terceira Aula De Fotografia
 
Introdução à fotografia básica
Introdução à fotografia básicaIntrodução à fotografia básica
Introdução à fotografia básica
 
O negativo
O negativo O negativo
O negativo
 
Tutorial Fotografia Básica
Tutorial Fotografia BásicaTutorial Fotografia Básica
Tutorial Fotografia Básica
 
Imagem Magica
Imagem MagicaImagem Magica
Imagem Magica
 
Aula 5 fotografia digital
Aula 5   fotografia digitalAula 5   fotografia digital
Aula 5 fotografia digital
 
A arte da fotografia
A arte da fotografiaA arte da fotografia
A arte da fotografia
 

Último

Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 

Último (20)

RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 

Fotografia | aula 03

  • 1. 1
  • 2. FOTOGRAFIA - AULA 3 UNISAL - Americana 2
  • 4. ILUMINAÇÃO A luz natural possui características variadas ao longo do dia e pode ser usada de forma eficiente para criar diversos efeitos fotográficos. Uma lâmpada incandescente, fluorescente ou um flash cria a luz artificial na fotografia. A luz artificial requer observação, habilidade e conhecimento por parte do fotógrafo, já que ele precisa visualizar previamente o efeito que a luz criará no objeto. 4
  • 5. LEI DO INVERSO DO QUADRADO DA LUZ 5
  • 6. LEI DO INVERSO DO QUADRADO DA LUZ Descoberto por Isaac Newton no século XVII. Segundo sua lei, a luz fica mais fraca o quadrado da distância que percorre. 6
  • 7. LEI DO INVERSO DO QUADRADO DA LUZ Se uma luz, de valor 4, sai por aí em alta velocidade, no primeiro metro ela vai ter a perda de 1/1², ou seja, “4-1/1²=3” Ela continua sua jornada agora com valor 3. Quando passa pelo segundo metro, ela terá uma perda de 1/2², sendo assim, “3-½²=2,75”. Ela segue seu caminho com o valor de 2,75. Quando passa pelo terceiro metro, ela perderá 1/3², “2,75 – 1/3²= 2,64”, e assim por diante (como mostrado na imagem baixo). 7
  • 8. LEI DO INVERSO DO QUADRADO DA LUZ 8
  • 11. A área que a luz ilumina dobra o quadrado da distância 11
  • 12. LUZ NATURAL E ARTIFICIAL 12
  • 13. PROPRIEDADES DA LUZ NATURAL A luz natural é autogerada e divide-se em um espectro de cores, as cores visíveis dos raios que sentimos. O espectro contém luz com comprimentos de ondas mais curtos e próximos ao violeta em uma das extremidades e luz com comprimentos de onda mais longos e próximos ao vermelho em outra. Respectivamente, esses raios são chamados de ultravioleta e infravermelho, e não são visíveis ao olho humano. 13
  • 14. PROPRIEDADES DA LUZ NATURAL A luz solar não pode ser alterada ou controlada de acordo com as necessidades humanas. Sendo assim, o fotógrafo precisa se adaptar ao ambiente e trabalhar com a posição do sol. 14
  • 15. PROPRIEDADES DA LUZ ARTIFICIAL A luz artificial é gerada por fontes de energia não-naturais. É possível monitorar adequadamente a intensidade, a qualidade e a quantidade de luz para determinadas situações. A luz artificial não tem um espectro de cores ou comprimentos de onda tão variados quanto a luz natural. 15
  • 16. PROPRIEDADES DA LUZ ARTIFICIAL A vantagem dessa luz reside no fato de que ela pode ser controlada de acordo com as vontades e as necessidades do homem. Pode ser gerada a partir de luzes de estúdio ou unidades de flash externo. Proporciona uma grande flexibilidade e oportunidades criativas. 16
  • 17. EFEITOS DE COR A luz natural é ideal para gerar as melhores cores na fotografia. Diversos tons do espectro das cores aparecem em diferentes horas do dia. Ao meio-dia, o azul prevalece, gerando um efeito frio às fotos. De forma oposta, ao nascer ou pôr do sol, o vermelho predomina, deixando as fotos com tons mais quentes. Efeitos com luz artificial dependem da lâmpada usada. A luz incandescente dá um toque amarelado às fotos, enquanto a fluorescente produz uma luz difusa que gera tons verde-azulados. 17
  • 20. CONDIÇÕES CLIMÁTICAS A luz natural não pode ser uma fonte constante para a fotografia, já que varia de acordo com o clima, o lugar, a latitude e a época do ano. A luz artificial pode ser criada em qualquer situação com o flash embutido da câmera, ou um equipamento secundário. Tripés de iluminação digital ou um estúdio inteiro equipado podem ser usados para criar a luz desejada independentemente das condições climáticas externas. 20
  • 22. CONTROLE DE TEMPERATURA A luz artificial permite controlar a temperatura, que determina a luz predominante no espectro de luz branca. Uma fonte mais quente produzirá fotos em tons avermelhados, enquanto diminui os tons azuis. Lâmpadas de tungstênio podem gerar ambientes altamente quentes, e fotógrafos profissionais frequentemente a usam para obter os resultados desejados. Um controle de temperatura variado para efeitos diferenciados não é possível em luz natural. 22
  • 25. FOTOGRAFIA PROFISSIONAL Em áreas especializadas, o tipo, quantidade e qualidade da luz desempenham um papel fundamental. A direção e localização da fonte de luz em retratos são determinantes para os contornos, formas e o ambiente da foto. A luz artificial é crucial em fotografia de moda e glamour, já que a luz do sol não é adequada para atingir os efeitos particulares necessários aos retratos. 25
  • 27. LUZ FRONTAL Ao deixar a luz do sol diretamente atrás do fotógrafo, o local será totalmente iluminado. Essa técnica é comumente utilizada por fotógrafos de vida selvagem que querem capturar todos os detalhes. Por outro lado, a iluminação frontal não deve ser utilizada quando se fotografa um retrato de uma paisagem, pois ela parecerá plana e os detalhes não serão captados. 27
  • 28. LUZ FRONTAL A iluminação frontal também é utilizada para tirar fotografias de arquitetura ou qualquer outra fotografia onde os detalhes são de extrema importância. Se você for um iniciante na fotografia, essa pode ser uma boa técnica, porque é mais fácil de obter a exposição correta. 28
  • 32. LUZ LATERAL Iluminação lateral é quando a luz reflete no objeto por um dos lados. Isso geralmente fornece muito contraste, podendo criar longas sombras e acrescentando profundidade à imagem. 32
  • 33. LUZ LATERAL O efeito de iluminação lateral indireta ao ar livre é aquele que envolve o local de foco para que não haja sombras e nenhum detalhe seja perdido. Esse efeito criará sombras em certas áreas do objeto fotografado, o que pode adicionar atmosfera à fotografia. 33
  • 37. LUZ DE FUNDO • Iluminação de fundo é quando a luz estiver atrás do objeto e é dirigida para sua câmera. • Este tipo de iluminação cria silhuetas com facilidade. Combinado com certas condições atmosféricas, tais como neblina ou poeira no ar que você pode obter efeitos de iluminação dramática. 37
  • 38. LUZ DE FUNDO • Durante a luz de fundo, um fotógrafo colocará seu foco diretamente em frente da luz do sol, de modo que o sol esteja no fundo da fotografia. • Ao fotografar corretamente, uma fotografia com iluminação de fundo fornecerá um contorno sólido de um objeto contra o céu. • A iluminação de fundo é um pouco mais difícil de dominar e você pode precisar de suporte para obter a melhor fotografia possível. 38
  • 41. LUZ SUAVE OU DIFUSA 41
  • 42. LUZ SUAVE OU DIFUSA • Luz suave é a luz com um preenchimento uniforme. • Esse tipo de luz diminui contrastes e minimaliza as sombras. • Luz suave é excelente para retratos, fotos macro e natureza. 42
  • 46. LUZ DURA • Luz “dura" é quando a luz atinge diretamente o objeto, deixando um brilho intenso. • Esse tipo de luz cria sombras fortes e muito contraste, onde se destacam as partes claras do objeto. 46
  • 50. LUZ AMBIENTE As fotos que usam apenas luz ambiente sem flash são chamadas de fotos com luz existente, luz natural, ou luz ambiente. Elas trazem inúmeras vantagens em relação à fotografia com flash. Na fotografia com luz ambiente, a sua câmera lê a luz de toda a cena. O objeto fotografado fica apropriadamente exposto e o plano de fundo também, proporcionando mais profundidade à foto. 50
  • 51. LUZ AMBIENTE Mais profundidade: O flash ilumina apenas os primeiros metros da cena. Tudo além disso fica mais escuro. Menos aspereza. A luz ambiente da foto geralmente é proveniente de fontes diversas como lâmpadas, janelas, luminárias e reflexos das paredes e teto. Tudo isso contribui para uma iluminação mais suave e equilibrada Mais expressividade: Fotos com luz ambiente tendem a ser mais naturais e expressivas, e as pessoas fotografadas se sentem mais confortáveis quando não estão sendo dominadas por holofotes de luz. 51
  • 54. LUZ PRINCIPAL E PREENCHIMENTO 54
  • 55. LUZ PRINCIPAL E PREENCHIMENTO Luz principal é a luz usada no seu objeto. Luz de preenchimento é utilizada para preencher as sombras criadas pela luz principal, impedindo-os de ficar muito escuro. Luz de Fundo: utilizada para separar o objeto do fundo. 55
  • 60. SEJA CRIATIVO Você pode usar todas as váriavéis de posicionamento de luz para compor sua foto. Em um ambiente você perceberá que a luz reflete diferente em todas as direções. Faça uso disso! 60

Notas do Editor

  1. Isaac Newton descobriu a Lei da Gravidade quando sentado embaixo de uma macieira uma maça caiu sobre sua cabeça.
  2. Os fótons gerados pela luz do sol levam cerca de 8 segundos para chegar até a Terra.