SlideShare uma empresa Scribd logo
INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO E EDUCAÇÃO SOCIAL DA AMAZÔNIA
INSTITUTO DE
DESENVOLVIMENTO
E EDUCAÇÃO
SOCIAL DA
AMAZÔNIA
Estudos Geotécnicos
Para pavimentação de
estrada rural.
Estudos realizados em amostra de solos recebidas de Jazidas de
Santa Catarina para ensaios de laboratório com estabilização
química, com a finalidade de pavimentação de estrada rural.
Rodovia de
acesso à sede
da Associação
Ambientalista,
Comunitária e
Espiritualista
Patriarca São
José
INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE EDUCAÇÃO SOCIAL DA AMAZÔNIA
DIRETORIA DE ENGENHARIA E PROJETOS
NÚCLEO DE ESTABILIZAÇÃO QUÍMICA DE SOLOS
LABORATÓRIO DE MECÂNICA DE SOLOS
TRECHO:
FURO Nº. 01 Posição:
AMOSTRA Nº. 01 Profundidade:
OPERADOR: DATA: 24/05/2011 CALCULISTA:
PROJETO: ESTABLIZAÇÃO QUIMICA REGISTRO Jeronimo Souza Pires-CREA 8496DT PA
% % TOTAL PARCIAL
8 6 Recipiente N°
76,41 76,41 Peso Bruto Úmido (g)
Peso Úmido (g) 2000,00 200,00
Peso Retido na # Nº 10 455,5
5,06 5,06 Peso Úmido < # nº 10 1544,50
71,35 71,35 Peso Seco < # Nº 10 1442,22
7,09 7,09 1897,72 186,76
MÉDIA
PENEIRAMENTO
Peso Peso Q. % Q.
Retido Passa Passa
Pol. mm Parcial Acumul. A. Total 100 Pedregulho 4,68
2 50,8 0,00 1897,72 100,00 K¹= ------ 0,052695 Areia Grossa 19,32
1 1/2 38,1 0,00 1897,72 100,00 Areia Média 39,77
1 25,4 0,00 1897,72 100,00 Areia Fina 15,45
3/4 19,1 19,00 1878,72 99,00 Silte+Argila 20,77
1/2 12,7 16,27 1862,45 98,14 K² = ------- 0,406936
3/8 9,5 13,91 1848,54 97,41
N° 4 4,8 39,67 1808,87 95,32
N° 10 2,0 366,65 1442,22 76,00 FAIXA AASHITO
N° 40 0,42 97,74 89,02 36,22 Obs: Atende
N° 200 0,074 37,97 51,05 20,77 DNER ES - 303/98
Obs.: SOLO ARENO - ARGILOSO VARIEGADO (Solo Puro)
ENSAIO DE GRANULOMETRIA DE SOLOS - DNER-ME 051/94
RODOVIA: SUBTRECHO:
SANTA CATARINA
UMIDADE HIGROSCÓPICA AMOSTRA 01
VIAS URBANAS Estaca:
PROCEDENCIA
PENEIRAS
Capsula nº
Peso Bruto Úmido (g)
Peso Bruto Seco (g)
Peso da Cápsula (g)
Peso da Água (g)
Peso do Solo Seco (g)
Umidade
RESUMO
Peso da Amostra Seca
7,09
CONSTANTES
2
2 3
4
3
4
0
10
20
30
40
50
60
70
80
90
100
0,01 0,1 1 10 100
Porc.Passante
Abertura das Peneiras
Distribuição Granulométrica
INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE EDUCAÇÃO SOCIAL DA AMAZÔNIA
DIRETORIA DE ENGENHARIA E PROJETOS
NÚCLEO DE ESTABILIZAÇÃO QUÍMICA DE SOLOS
LABORATÓRIO DE MECÂNICA DE SOLOS
TRECHO: SUBTRECHO:
FURO Nº. 01 Posição:
AMOSTRA Nº. 01
OPERADOR:
PROJETO: ESTABILIZAÇÃO QUIMICA REGISTRO: Jeronimo Souza Pires-CREA 8496DT PA
% % 19
26 29 2083
76,41 76,41 4920 1,804
4536
2 1/2" 15,1
5,06 5,06 26
71,35 71,35 5
7,09 7,09 70,45
MÉDIA
PONTO PESO PESO DENS. UM ID. DENS.
N° BRUTO SOLO SOLO PESO ÁGUA ÁGUA PESO DA PESO DO M EDIA DO
ÙM IDO ÙM IDO ÙM IDO BRUTO EXISTENTE ADICION. ÁGUA SOLO SOLO
ÚM IDO SECO SECO
1 8790 3870 1,858 6000 397 200 597 5603 10,66 1,679
2 9020 4100 1,968 6000 120 717 5603 12,80 1,745
3 9240 4320 2,074 6000 120 837 5603 14,95 1,804
4 9240 4320 2,074 6000 120 957 5603 17,09 1,771
5 9130 4210 2,021 6000 120 1077 5603 19,23 1,695
6
7
Obs.: SOLO ARENO - ARGILOSO VARIEGADO (Solo Puro)
Peso da Cápsula (g) Espessura do Disco
Peso do Solo Seco (g) Nº de Camadas
DETERMINAÇÃO DA UMIDADE
Umidade Altura de Queda
7,09 Energia da Compact.
Capsula nº Volume do Molde Densidade Maxima (g/cm³)
Peso da Água (g) Golpes por Camada
Peso Bruto Úmido (g) Peso do Molde
Peso Bruto Seco (g) Peso do Soquete Umidade Ótima (%)
VIAS URBANAS Estaca:
PROCEDENCIA DATA: Profundidade:
ENSAIO DE COMPACTAÇÃO DE SOLOS - DNER-ME 129/94
RODOVIA:
Expansão (%)
CBR (%)
SANTA CATARINA 24/5/2011 CALCULISTA:
UMIDADE HIGROSCÓPICA Molde Nº RESULTADOS
1,600
1,620
1,640
1,660
1,680
1,700
1,720
1,740
1,760
1,780
1,800
1,820
1,840
1,860
1,880
1,900
9,00 10,00 11,00 12,00 13,00 14,00 15,00 16,00 17,00 18,00 19,00 20,00
DensidadeSeca-kg/cm³
Umidade - %
Gráfico de Compactação
Dmáxs= 1,804g/cm³
Hot= 15,1%
INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE EDUCAÇÃO SOCIAL DA AMAZÔNIA
DIRETORIA DE ENGENHARIA E PROJETOS
NÚCLEO DE ESTABILIZAÇÃO QUÍMICA DE SOLOS
LABORATÓRIO DE MECÂNICA DE SOLOS
TRECHO: SUBTRECHO:
Estaca: Posição: L/D Local: RAMAL DO MACACO
Furo: 01 Amostra: 01 Prof.: a m DATA: 24/05/2011
PROJETO: OPERADOR: CALCULISTA: VISTO:
PROJETO: REGISTRO: VISTO:
25 47 39,08
17 29 28,33
23,11 18,42 10,74
18,27 15,09
6,62 6,29 0,954
4,84 3,33 1,018
Peso do Solo Seco 11,65 8,8
41,55 37,84 39,63
38,52
39,08
99 98 21 28 19
6,12 6,15 5,98 5,22 5,29
5,84 5,85 5,61 4,83 4,87
4,85 4,76 4,27 3,47 3,45
0,28 0,30 0,37 0,39 0,42
0,99 1,09 1,34 1,36 1,42
28,28 27,5 27,61 28,68 29,58
28,33
FRACAMENTE PLÁSTICO 1< IP < 7 FALSO
MEDIANAMENTE PLÁSTICO 7 < IP < 15 MEDIANAMENTE PLÁSTICO
ALTAMENTE PLÁSTICO > 15 FALSO
Obs.: SOLO ARENO - ARGILOSO VARIEGADO (Solo Puro)
LIMITES DE CONSISTÊNCIA
Peso da Capsula Fator 01
LIMITE DE LIQUIDEZ LIMITE DE PLASTICIDADE
Capsula Nº Limite de Liquidez
Nº de Golpes Limite de Plasticidade
Peso Bruto Úmido Índice de Plasticidade
Peso Bruto Seco TABELA
ROD.:
PROCEDENCIA
SANTA CATARINA
%de Umidade Média
Peso da Agua Fator 02
% de Umidade Correção Fator 01
%de Umidade Média Correção Fator 02
Média Umidade Fator
h = (n / 25)
Peso da Capsula
Peso da Agua
Peso do Solo Seco
% de Umidade
LIMITE DE PLASTICIDADE
Capsula Nº
Peso Bruto Úmido
CLASSIFICAÇÃO DO SOLO EM FUNÇÃO DO IP
Peso Bruto Seco
37,0
37,4
37,8
38,2
38,6
39,0
39,4
39,8
40,2
40,6
41,0
41,4
41,8
1 10 100
%deUmidade
Nº. de Golpes
Gráfico de limite de Liquidez
INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE EDUCAÇÃO SOCIAL DA AMAZÔNIA
DIRETORIA DE ENGENHARIA E PROJETOS
NÚCLEO DE ESTABILIZAÇÃO QUÍMICA DE SOLOS
LABORATÓRIO DE MECÂNICA DE SOLOS
TRECHO: MATO GROSSO SUBTRECHO:
FURO Nº, 01 Posição.:
AMOSTRA: 01 Profundidade:
OPERADOR: Jeronimo DATA: 24/05/2011 CALCULISTA:
PROJETO: ESTABILIZAÇÃO QUIMICA Registro: Jeronimo Souza Pires-CREA 8496DT PA
Molde Nº
15 29 26 32 Volume do Molde
76,41 76,41 100,00 100,00 Peso do Molde
Peso do Soquete
Espessura do Disco
5,06 5,06 13,12 13,12 Golpes por Camada
71,35 71,35 86,88 86,88 Nº de Camadas
7,09 7,09 15,10 15,10 Altura de Queda
MÉDIA % h absorvida na imersão
Densidade Máxima (Kg/cm³) 1,804 Peso do Solo Úmido 5598,5
Umidade Ótima (%) 15,1 Passando na # Nº 4 Seco 5227,8
Umidade Higroscópica (%) 7,09 Peso do Pedreg. Retido na # Nº 4 401,5
Difereça de Umidade (%) 8,01 Peso do Solo Seco Total 5629,3
Peso da Amostra Umida 6000,0
0,0957 Altura co Corpo de Prova (mm) 114,5
Tempo Leitura Leitura Dif.
min. Pol. mm Extens. Determ. Corrigida Padrão % Dia Hora Deflec. mm
0,5 0,025 0,63 60 5,74
1 0,05 1,27 110 10,53
2 0,1 2,54 175 16,75 16,7 70 23,93
4 0,2 5,08 255 24,40 24,40 105 23,24
6 0,3 7,62 325 31,10 133
8 0,4 10,16 360 34,45 161
10 0,5 12,7 380 36,37 182
24 0,07
Peso Bruto Umido
Densidade
Seca (Kg/m³)
% em Relação
a Dens. Máxima Obs.: SOLO ARGILO-ARENOSO VARIEGADO (Solo Puro)
Obs.: Peso após Imersão 9000
1,725
Umido (Kg/m³)
4160
Verificação da CBR (%)
3,1395,63
Densidae
Umida (Kg/m³)
1,986
% de Absorção
1,08 0,08
8870
Peso do Solo
Expansão (%)
Moldagem
27/5/2011 72
26/5/2011 48 1,08 0,08
25/5/2011 24 1,08 0,08
24/5/2011 0 1,00 0
Ensaio de Penetração Ensaio de Expansão
Penetração Pressão - Kg/cm² Datas
Àgua a Juntar (ml) 450,80
Nº do Anel Constante da Prensa
DADOS DA COMPACTAÇÃO CALCULO DA ÁGUA
Umidade 70,45
7,09 15,10
Peso da Água (g) 26
Peso do Solo Seco (g) 5
Peso da Cápsula (g) 2 1/2"
Umidade Higroscópica Umid. de Moldagem 2
Peso Bruto Seco (g) 4536
2095
Peso Bruto Úmido (g) 4710
Estaca:
SANTA CATARINA
Capsula nº
ENSAIO DE CBR DE SOLOS - DNER-ME 049/94
RODOVIA
VIAS URBANAS
PROCEDENCIA
0
5
10
15
20
25
30
35
40
0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6
Pressão-Kg/cm²
Penetração - pol.
Gráfico de CBR
INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE EDUCAÇÃO SOCIAL DA AMAZÔNIA
DIRETORIA DE ENGENHARIA E PROJETOS
NÚCLEO DE ESTABILIZAÇÃO QUÍMICA DE SOLOS
LABORATÓRIO DE MECÂNICA DE SOLOS
TRECHO: MATO GROSSO SUBTRECHO:
FURO Nº, 01 Posição.;
AMOSTRA: 01 Profundidade:
OPERADOR: DATA: 27/07/2010 CALCULISTA:
PROJETO: ESTABILIZAÇÃO QUIMICA Registro: Jeronimo Souza Pires-CREA 8496DT PA
Molde Nº
15 29 26 32 Volume do Molde
76,41 76,41 100,00 100,00 Peso do Molde
Peso do Soquete
Espessura do Disco
5,06 5,06 13,12 13,12 Golpes por Camada
71,35 71,35 86,88 86,88 Nº de Camadas
7,09 7,09 15,10 15,10 Altura de Queda
MÉDIA % h absorvida na imersão
ESTAB./EGLOM
Densidade Máxima (Kg/cm³) 1,804 Peso do Solo Úmido 5598,5 AlO3 1,41
Umidade Ótima (%) 15,1 Passando na # Nº 4 Seco 5227,8 SolAlO3 112,6
Umidade Higroscópica (%) 7,09 Peso do Pedreg. Retido na # Nº 4 401,5 ECOL. 3,75
Difereça de Umidade (%) 8,01 Peso do Solo Seco Total 5629,3 solEcol. 75
Peso da Amostra Umida 6000,0
0,0957 Altura co Corpo de Prova (mm) 114,5
Tempo Leitura Leitura Dif.
min. Pol. mm Extens. Determ. Corrigida Padrão % Dia Hora Deflec. mm
0,5 0,025 0,63 55 5,26
1 0,05 1,27 160 15,31
2 0,1 2,54 322 30,82 30,8 70 44,02
4 0,2 5,08 515 49,29 49,29 105 46,94
6 0,3 7,62 645 61,73 133
8 0,4 10,16 700 66,99 161
10 0,5 12,7 750 71,78 182
47 0,03
Peso Bruto Umido
Densidade
Seca (Kg/m³)
% em Relação
a Dens. Máxima Obs.: SOLO+ECOL.(1/1500)+SULFATO.ALUMINIO(1/4000)
Obs.: Peso após Imersão 9090
SANTA CATARINA
4536
Estaca:
ENSAIO DE CBR DE SOLOS - DNER-ME 049/94
RODOVIA
VIAS URBANAS
PROCEDENCIA
Absorção (%)
Umidade Higroscópica Umid. de Moldagem 14
Capsula nº 2092
Peso Bruto Úmido (g) 4660
Peso Bruto Seco (g)
Peso da Cápsula (g) 2 1/2"
Peso da Água (g) 26
Peso do Solo Seco (g) 5
Ensaio de Penetração Ensaio de Expansão
Umidade 70,45
7,09 15,10
DADOS DA COMPACTAÇÃO CALCULO DA ÁGUA
Àgua a Juntar (ml) 450,80
Nº do Anel Constante da Prensa
1,03 0,03
Penetração Pressão - Kg/cm² Datas
24/5/2011 0
Expansão (%)
26/5/2011 48
27/5/2011 72 1,03
9000
Peso do Solo
0
25/5/2011 24 1,03 0,03
1,00
Verificação da CBR (%)
Umido (Kg/m³)
4340
0,03
2,0799,91
Densidae
Umida (Kg/m³)
2,075
1,802
Moldagem
0
10
20
30
40
50
60
70
80
0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6
Pressão-Kg/cm²
Penetração - pol.
Gráfico de CBR
INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE EDUCAÇÃO SOCIAL DA AMAZÔNIA
DIRETORIA DE ENGENHARIA E PROJETOS
NÚCLEO DE ESTABILIZAÇÃO QUÍMICA DE SOLOS
LABORATÓRIO DE MECÂNICA DE SOLOS
TRECHO: SUBTRECHO:
FURO Nº, 01 Posição.;
AMOSTRA: 01 Profundidade:
OPERADOR: DATA: 24/05/2011 CALCULISTA:
PROJETO: ESTABILIZAÇÃO QUIMICA Registro: Jeronimo Souza Pires-CREA 8496DT PA
Molde Nº
15 29 26 32 Volume do Molde
76,41 76,41 100,00 100,00 Peso do Molde
Peso do Soquete
Espessura do Disco
5,06 5,06 13,12 13,12 Golpes por Camada
71,35 71,35 86,88 86,88 Nº de Camadas
7,09 7,09 15,10 15,10 Altura de Queda
MÉDIA % h absorvida na imersão
ESTAB./EGLOM
Densidade Máxima (Kg/cm³) 1,804 Peso do Solo Úmido 5598,5 AlO3 1,41
Umidade Ótima (%) 15,1 Passando na # Nº 4 Seco 5227,8 SolAlO3 112,6
Umidade Higroscópica (%) 7,09 Peso do Pedreg. Retido na # Nº 4 401,5 ECOL. 5,63
Difereça de Umidade (%) 8,01 Peso do Solo Seco Total 5629,3 solEcol. 113
Peso da Amostra Umida 6000,0
0,0957 Altura co Corpo de Prova (mm) 114,5
Tempo Leitura Leitura Dif.
min. Pol. mm Extens. Determ. Corrigida Padrão % Dia Hora Deflec. mm
0,5 0,025 0,63 105 10,05
1 0,05 1,27 225 21,53
2 0,1 2,54 380 36,37 36,4 70 51,95
4 0,2 5,08 580 55,51 55,51 105 52,86
6 0,3 7,62 680 65,08 133
8 0,4 10,16 774 74,07 161
10 0,5 12,7 836 80,01 182
53 0,06
Peso Bruto Umido
Densidade
Seca (Kg/m³)
% em Relação
a Dens. Máxima Obs.: SOLO+ECOL.(1/1000)+SULFATO.ALUMINIO(1/4000)
Obs.: Peso após Imersão 9270
Umido (Kg/m³)
4300
Verificação da CBR (%)
1,1699,42
Densidae
Umida (Kg/m³)
2,064
1,794
1,07 0,07
9220
Peso do Solo
Expansão (%)
Moldagem
27/5/2011 72
26/5/2011 48 1,07 0,07
1,00 0
25/5/2011 24 1,07 0,07
Penetração Pressão - Kg/cm² Datas
24/5/2011 0
Nº do Anel Constante da Prensa
Ensaio de Penetração Ensaio de Expansão
DADOS DA COMPACTAÇÃO CALCULO DA ÁGUA
Àgua a Juntar (ml) 450,80
Umidade 70,45
7,09 15,10
26
Peso do Solo Seco (g) 5
Peso Bruto Seco (g) 4536
Peso da Cápsula (g) 2 1/2"
Absorção (%)
Umidade Higroscópica Umid. de Moldagem 19
Capsula nº 2083
Peso Bruto Úmido (g) 4920
Peso da Água (g)
Estaca:
ENSAIO DE CBR DE SOLOS - DNER-ME 049/94
RODOVIA
VIAS URBANAS
PROCEDENCIA
SANTA CATARINA
0
10
20
30
40
50
60
70
80
90
0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6
Pressão-Kg/cm²
Penetração - pol.
Gráfico de CBR
INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE EDUCAÇÃO SOCIAL DA AMAZÔNIA
DIRETORIA DE ENGENHARIA E PROJETOS
NÚCLEO DE ESTABILIZAÇÃO QUÍMICA DE SOLOS
LABORATÓRIO DE MECÂNICA DE SOLOS
TRECHO: SUBTRECHO:
FURO Nº, 01 Posição.;
AMOSTRA: 01 Profundidade:
OPERADOR: DATA: 24/05/2011 CALCULISTA:
PROJETO: ESTABILIZAÇÃO QUIMICA Registro: Jeronimo Souza Pires-CREA 8496DT PA
Molde Nº
15 29 26 32 Volume do Molde
76,41 76,41 100,00 100,00 Peso do Molde
Peso do Soquete
Espessura do Disco
5,06 5,06 13,12 13,12 Golpes por Camada
71,35 71,35 86,88 86,88 Nº de Camadas
7,09 7,09 15,10 15,10 Altura de Queda
MÉDIA % h absorvida na imersão
CALCULO DA ÁGUA ESTAB./EGLOM
Densidade Máxima (Kg/cm³) 1,804 Peso do Solo+Cimento Úmido 5598,5 Cimtº. 0,02
Umidade Ótima (%) 15,1 Passando na # Nº 4 Seco 5227,8 P.Cimtº. 112,6
Umidade Higroscópica (%) 7,09 Peso do Pedreg. Retido na # Nº 4 401,5 ECOL. 3,83
Difereça de Umidade (%) 8,01 Peso do Solo Seco Total 5629,3 5741,8 solEcol. 77
Peso da Amostra Umida 6112,6
0,0957 Altura co Corpo de Prova (mm) 114,5
Tempo Leitura Leitura Dif.
min. Pol. mm Extens. Determ. Corrigida Padrão % Dia Hora Deflec. mm
0,5 0,025 0,63 290 27,75
1 0,05 1,27 480 45,94
2 0,1 2,54 795 76,08 76,1 70 109
4 0,2 5,08 1290 123,45 123,45 105 118
6 0,3 7,62 1510 144,51 133
8 0,4 10,16 1720 164,60 161
10 0,5 12,7 1910 182,79 182
118 0,01
Peso Bruto Umido
Densidade
Seca (Kg/m³)
% em Relação
a Dens. Máxima Obs.: SOLO+ECOL.(1/1500)+CIMENTO(2%)
Obs.: Peso após Imersão 9120
4536
Estaca:
SANTA CATARINA
ENSAIO DE CBR DE SOLOS - DNER-ME 049/94
RODOVIA
VIAS URBANAS
PROCEDENCIA
Absorção (%)
Umidade Higroscópica Umid. de Moldagem 9
Capsula nº 2087
Peso Bruto Úmido (g) 4790
Peso Bruto Seco (g)
Peso da Cápsula (g) 2 1/2"
Peso da Água (g) 26
Peso do Solo Seco (g) 5
Ensaio de Penetração Ensaio de Expansão
Umidade 70,45
7,09 15,10
DADOS DA COMPACTAÇÃO
Àgua a Juntar (ml) 459,82
Nº do Anel Constante da Prensa
1,01 0,01
Penetração Pressão - Kg/cm² Datas
24/5/2011 0 1,00
9050
Moldagem
0
25/5/2011 24 1,01 0,01
26/5/2011 48
27/5/2011 1,01 0,01
Verificação da CBR (%) Expansão (%)
72
Peso do Solo
Umido (Kg/m³)
1,6498,30
Densidae
Umida (Kg/m³)
2,041
1,773
4260
0
20
40
60
80
100
120
140
160
180
200
0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6
Pressão-Kg/cm²
Penetração - pol.
Gráfico de CBR
INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE EDUCAÇÃO SOCIAL DA AMAZÔNIA
DIRETORIA DE ENGENHARIA E PROJETOS
NÚCLEO DE ESTABILIZAÇÃO QUÍMICA DE SOLOS
LABORATÓRIO DE MECÂNICA DE SOLOS
TRECHO: SUBTRECHO:
FURO Nº, 01 Posição.;
AMOSTRA: 01 Profundidade:
OPERADOR: DATA: 24/05/2011 CALCULISTA:
PROJETO: ESTABILIZAÇÃO QUIMICA Registro: Jeronimo Souza Pires-CREA 8496DT PA
Molde Nº
15 29 26 32 Volume do Molde
76,41 76,41 100,00 100,00 Peso do Molde
Peso do Soquete
Espessura do Disco
5,06 5,06 13,12 13,12 Golpes por Camada
71,35 71,35 86,88 86,88 Nº de Camadas
7,09 7,09 15,10 15,10 Altura de Queda
MÉDIA % h absorvida na imersão
CALCULO DA ÁGUA ESTAB./EGLOM
Densidade Máxima (Kg/cm³) 1,804 Peso do Solo+Cimento Úmido 5598,5 Cimtº. 0,02
Umidade Ótima (%) 15,1 Passando na # Nº 4 Seco 5227,8 P.Cimtº. 112,6
Umidade Higroscópica (%) 7,09 Peso do Pedreg. Retido na # Nº 4 401,5 ECOL. 5,74
Difereça de Umidade (%) 8,01 Peso do Solo Seco Total 5629,3 5741,8 solEcol. 115
Peso da Amostra Umida 6112,6
0,0957 Altura co Corpo de Prova (mm) 114,5
Tempo Leitura Leitura Dif.
min. Pol. mm Extens. Determ. Corrigida Padrão % Dia Hora Deflec. mm
0,5 0,025 0,63 320 30,62
1 0,05 1,27 710 67,95
2 0,1 2,54 1120 107,18 107,2 70 153
4 0,2 5,08 1530 146,42 146,42 105 139
6 0,3 7,62 1810 173,22 133
8 0,4 10,16 1980 189,49 161
10 0,5 12,7 2090 200,01 182
153 0,01
Peso Bruto Umido
Densidade
Seca (Kg/m³)
% em Relação
a Dens. Máxima Obs.: SOLO+ECOL.(1/1000)+CIMENTO(2%)
Obs.: Peso após Imersão 9270
Umido (Kg/m³)
4290
Verificação da CBR (%)
1,4099,04
Densidae
Umida (Kg/m³)
2,057
1,787
1,01 0,01
9210
Peso do Solo
Expansão (%)
Moldagem
27/5/2011 72
26/5/2011 48 1,01 0,01
25/5/2011 24 1,01 0,01
24/5/2011 0 1,00 0
Ensaio de Penetração Ensaio de Expansão
Penetração Pressão - Kg/cm² Datas
DADOS DA COMPACTAÇÃO
Àgua a Juntar (ml) 459,82
Nº do Anel Constante da Prensa
Umidade 70,45
7,09 15,10
26
Peso do Solo Seco (g) 5
Peso Bruto Seco (g) 4536
Peso da Cápsula (g) 2 1/2"
Absorção (%)
Umidade Higroscópica Umid. de Moldagem 15
Capsula nº 2086
Peso Bruto Úmido (g) 4920
Peso da Água (g)
Estaca:
ENSAIO DE CBR DE SOLOS - DNER-ME 049/94
RODOVIA
VIAS URBANAS
PROCEDENCIA
SANTA CATARINA
0
50
100
150
200
250
0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6
Pressão-Kg/cm²
Penetração - pol.
Gráfico de CBR
INSTITUTO DEDESENVOLVIMENTO DEEDUCAÇÃO SOCIAL DA AMAZÔNIA
DIRETORIA DEENGENHARIA EPROJETOS
NÚCLEO DEESTABILIZAÇÃO QUÍMICA DESOLOS
LABORATÓRIO DE MECÂNICA DE SOLOS
RODOVIA: VIAS URBANAS TRECHO: JAZIDA: X PISTA: APLICAÇÃO:
PROCEDENCIA: SANTA CATARINA LABORATORISTA: Jeronimo Souza Pires - CREA 8496 DT PA
DENS. LIMITE INDICE
Estaca Camada SECA UMID. CBR EXPAN- DE DEPLAS- IG HRB
MÁX. OTIMA SÃO LIQUIDEZ TICIDADEKg/m³ % % 2" 1" 3/8" N° 4 N° 10 N° 40 N° 200
2" 1" 3/8" N° 4 N° 10 N° 40 N° 200
Ensaio 1 Base 1,804 15,1 24 0,07 39,1 10,74 100 100,0 97,4 95,3 76,00 36,22 20,77 0 A-2-6
Ensaio 2 Base 1,804 15,1 47 0,03 39,1 10,74 100 100,0 97,4 95,3 76,00 36,22 20,77 0 A-2-6
Ensaio 3 Base 1,804 15,1 53 0,06 39,1 10,74 100 100,0 97,4 95,3 76,00 36,22 20,77 0 A-2-6
Ensaio 4 Base 1,804 15,1 118 0,01 39,1 10,74 100 100,0 97,4 95,3 76,00 36,22 20,77 0 A-2-6
Ensaio 5 Base 1,804 15,1 153 0,01 39,1 10,74 100 100,0 97,4 95,3 76,00 36,22 20,77 0 A-2-6
Obs.: SANTA CATARINA
Classificação HRB, IG=0 Grupo=A-2-6 - Solo Areno-Argiloso (Excelente a bom)
Condições do Ensaio: Foi observado a perda de 40% de umidade de moldagem.
SOLO + ECOLOPAVI(D=1/1500)+CIMENTO( D=2%) - PROCTOR INTERMEDIÁRIO
DADOS DOS ENSAIOS DELABORATÓRIO
SOLO PURO - PROCTOR INTERMEDIÁRIO
PENEIRAS - ABERTURAS
SOLO + ECOLOPAVI(D=1/1000)+CIMENTO( D=2%) - PROCTOR INTERMEDIÁRIO
Profund.(m) GRANULOMETRIA - PORCENTAGEM PASSANDO
SOLO + ECOLOPAVI (D= 1/1500)+ SULFATO DE ALUMINIO(D=1/4000) - PROCTOR INTERMEDIÁRIO
PERIODO: 20 a 30/05/2011
RESUMO DE ENSAIOS DE SOLOS
REGISTRO
POSIÇÃO
SOLO + ECOLOPAVI (D= 1/1000)+ SULFATO DE ALUMINIO(D=1/4000) - PROCTOR INTERMEDIÁRIO
Dentre os quatro resultados, muito embora a elevação do CBR , saindo de 24% tenha atingido
a marca exponencial de 153%, para o fim a que se destina a pavimentação em tela, basta o
primeiro resultado da estabilização em que a resistência medida em CBR saiu de 24 para 47%,
ideal para revestimento primário de rodovias vicinais.
INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO E EDUCAÇÃO SOCIAL DA AMAZÔNIA
DIRETORIA DE ENEGENHARIA E PROJETOS
NÚCLEO DE ESTABILIZAÇÃO QUÍMICA DE SOLOS
LABORATÓRIO DE MECÂNICA DE SOLOS
ESTABILIZAÇÃO DE SOLO PARA CAMADA DE BASE DE PAVIMENTO com solo estabilizado 1.000m²
OBRA - Estrada de acesso à Associação ACEPSJ - SC - CBR Requerido ≥ 40%
Dimensionamento
ITEM unid Quant
1 m
2 m
3 m 0,2
4 m2 1.000
5 m3 200
6 1,804
7 ton 361
MATERIAIS
ITEM UNID Quant P.Unit (R$)TOTAL(R$)
1 litros 241 13,06 3.143,02
2
3 tambor
4 kg 158 3,50 552,13
TOTAL 3.695,14
Custo de materiais por m2 3,6951446
CONSIUDERAÇÕES
Cimento Portland CPIII - Dosagem 3% em peso
Massa de ECOLOPAVI- 2.916 KG /200 = 14,58 = 16 tambores
Massa de sulfato de aluminio( dosagem de 1: 4000
Densidade máxima aprente seca presumível (Kg/m³ )
Massa do solso a estabilizar
DISCRIMINAÇÃO
Ecolopavi dosagem 1:1.500 em peso
Espessura da camada
Área a estabilizar
Volume de solo a estabilizar
DISCRIMINAÇÃO Total
Extensão do trecho
Largura da pista

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Titan Medical Market Potential
Titan Medical Market PotentialTitan Medical Market Potential
Titan Medical Market Potential
NextLevelAnalytics
 
Retaining wall/level backfill
Retaining wall/level backfillRetaining wall/level backfill
Retaining wall/level backfill
Timóteo Rocha
 
Syllabus vision internacional
Syllabus vision internacionalSyllabus vision internacional
Syllabus vision internacional
Manuel Bedoya D
 
Guide for the design of crane supporting steel structures
Guide for the design of crane supporting steel structuresGuide for the design of crane supporting steel structures
Guide for the design of crane supporting steel structures
Timóteo Rocha
 
Qihu
QihuQihu
Creating an Opportunity-Driven Career | February 2017
Creating an Opportunity-Driven Career | February 2017Creating an Opportunity-Driven Career | February 2017
Creating an Opportunity-Driven Career | February 2017
BeLeaderly.com
 
Introduction to corporate finance
Introduction to corporate financeIntroduction to corporate finance
Introduction to corporate finance
University of Balochistan
 

Destaque (8)

Titan Medical Market Potential
Titan Medical Market PotentialTitan Medical Market Potential
Titan Medical Market Potential
 
Retaining wall/level backfill
Retaining wall/level backfillRetaining wall/level backfill
Retaining wall/level backfill
 
Syllabus vision internacional
Syllabus vision internacionalSyllabus vision internacional
Syllabus vision internacional
 
Guide for the design of crane supporting steel structures
Guide for the design of crane supporting steel structuresGuide for the design of crane supporting steel structures
Guide for the design of crane supporting steel structures
 
Qihu
QihuQihu
Qihu
 
Creating an Opportunity-Driven Career | February 2017
Creating an Opportunity-Driven Career | February 2017Creating an Opportunity-Driven Career | February 2017
Creating an Opportunity-Driven Career | February 2017
 
Introduction to corporate finance
Introduction to corporate financeIntroduction to corporate finance
Introduction to corporate finance
 
100 Euros
100 Euros100 Euros
100 Euros
 

Semelhante a estudos geotecnicos Santa Catarina2

Ciu 13 010
Ciu 13 010Ciu 13 010
P451 r01v0008 1a_etapa_mj
P451 r01v0008 1a_etapa_mjP451 r01v0008 1a_etapa_mj
P451 r01v0008 1a_etapa_mj
wabag
 
P451 r02v0008 2a_etapa_mj
P451 r02v0008 2a_etapa_mjP451 r02v0008 2a_etapa_mj
P451 r02v0008 2a_etapa_mj
wabag
 
10060627 200041 1_nw3520t090099_10060627_motor-a-combustão_monitorar_08052017...
10060627 200041 1_nw3520t090099_10060627_motor-a-combustão_monitorar_08052017...10060627 200041 1_nw3520t090099_10060627_motor-a-combustão_monitorar_08052017...
10060627 200041 1_nw3520t090099_10060627_motor-a-combustão_monitorar_08052017...
Natanael Carvalho
 
Apresentação luiz di bernardo 2 - seminário cianobactérias
Apresentação   luiz di bernardo 2 - seminário cianobactériasApresentação   luiz di bernardo 2 - seminário cianobactérias
Apresentação luiz di bernardo 2 - seminário cianobactérias
Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Doce - CBH-Doce
 
Diana kaue artigo4
Diana kaue artigo4Diana kaue artigo4
Diana kaue artigo4
Rodrigo Rocha de Lima
 
I ENCONTRO MASTER MIND AGRO FAZENDA SÃO MATHEUS E STA OFELIA /
I ENCONTRO MASTER MIND AGRO FAZENDA SÃO MATHEUS E STA OFELIA /I ENCONTRO MASTER MIND AGRO FAZENDA SÃO MATHEUS E STA OFELIA /
I ENCONTRO MASTER MIND AGRO FAZENDA SÃO MATHEUS E STA OFELIA /
Mateus Arantes
 
Microdrenagem aula 2 4 (1)
Microdrenagem aula 2 4 (1)Microdrenagem aula 2 4 (1)
Microdrenagem aula 2 4 (1)
Jorge Maximiano Filho
 
Microdrenagem aula 2 4 (1)
Microdrenagem aula 2 4 (1)Microdrenagem aula 2 4 (1)
Microdrenagem aula 2 4 (1)
Jorge Maximiano Filho
 
Encontro Agro - Oxitemo 07/05/2015
Encontro Agro - Oxitemo 07/05/2015Encontro Agro - Oxitemo 07/05/2015
Encontro Agro - Oxitemo 07/05/2015
Mateus Arantes
 
Apresentação Técnica - 1CSM
Apresentação Técnica - 1CSMApresentação Técnica - 1CSM
Apresentação Técnica - 1CSM
Frau Soares
 
Relatorio de compra mes oubtubro 2010
Relatorio de compra mes oubtubro 2010Relatorio de compra mes oubtubro 2010
Relatorio de compra mes oubtubro 2010
José Graunna
 
Metrologia 02
Metrologia 02Metrologia 02
Metrologia 02
Rik Alexandre
 
Apresentação_Geocontrole_Br
Apresentação_Geocontrole_BrApresentação_Geocontrole_Br
Apresentação_Geocontrole_Br
M Alfaia
 
Aula 3 dimensionamento tratamento preliminar 2
Aula 3   dimensionamento tratamento preliminar 2Aula 3   dimensionamento tratamento preliminar 2
Aula 3 dimensionamento tratamento preliminar 2
Giovanna Ortiz
 
Analise de efluentes
Analise de efluentesAnalise de efluentes
Analise de efluentesJupira Silva
 
Memorial hidrosanit+írio
Memorial hidrosanit+írioMemorial hidrosanit+írio
Memorial hidrosanit+írio
reativo
 
Ensaio do limite de liquidez e plasticidade
Ensaio do limite de liquidez e plasticidadeEnsaio do limite de liquidez e plasticidade
Ensaio do limite de liquidez e plasticidade
Erick Silva
 
Projeto de Drenagem Urbana utilizando Poços de Infiltração
Projeto de Drenagem Urbana utilizando Poços de InfiltraçãoProjeto de Drenagem Urbana utilizando Poços de Infiltração
Projeto de Drenagem Urbana utilizando Poços de Infiltração
Felipe Harano
 
Relatório 1-secagem-por-convecção-natural
Relatório 1-secagem-por-convecção-naturalRelatório 1-secagem-por-convecção-natural
Relatório 1-secagem-por-convecção-natural
Gabriela Carletti
 

Semelhante a estudos geotecnicos Santa Catarina2 (20)

Ciu 13 010
Ciu 13 010Ciu 13 010
Ciu 13 010
 
P451 r01v0008 1a_etapa_mj
P451 r01v0008 1a_etapa_mjP451 r01v0008 1a_etapa_mj
P451 r01v0008 1a_etapa_mj
 
P451 r02v0008 2a_etapa_mj
P451 r02v0008 2a_etapa_mjP451 r02v0008 2a_etapa_mj
P451 r02v0008 2a_etapa_mj
 
10060627 200041 1_nw3520t090099_10060627_motor-a-combustão_monitorar_08052017...
10060627 200041 1_nw3520t090099_10060627_motor-a-combustão_monitorar_08052017...10060627 200041 1_nw3520t090099_10060627_motor-a-combustão_monitorar_08052017...
10060627 200041 1_nw3520t090099_10060627_motor-a-combustão_monitorar_08052017...
 
Apresentação luiz di bernardo 2 - seminário cianobactérias
Apresentação   luiz di bernardo 2 - seminário cianobactériasApresentação   luiz di bernardo 2 - seminário cianobactérias
Apresentação luiz di bernardo 2 - seminário cianobactérias
 
Diana kaue artigo4
Diana kaue artigo4Diana kaue artigo4
Diana kaue artigo4
 
I ENCONTRO MASTER MIND AGRO FAZENDA SÃO MATHEUS E STA OFELIA /
I ENCONTRO MASTER MIND AGRO FAZENDA SÃO MATHEUS E STA OFELIA /I ENCONTRO MASTER MIND AGRO FAZENDA SÃO MATHEUS E STA OFELIA /
I ENCONTRO MASTER MIND AGRO FAZENDA SÃO MATHEUS E STA OFELIA /
 
Microdrenagem aula 2 4 (1)
Microdrenagem aula 2 4 (1)Microdrenagem aula 2 4 (1)
Microdrenagem aula 2 4 (1)
 
Microdrenagem aula 2 4 (1)
Microdrenagem aula 2 4 (1)Microdrenagem aula 2 4 (1)
Microdrenagem aula 2 4 (1)
 
Encontro Agro - Oxitemo 07/05/2015
Encontro Agro - Oxitemo 07/05/2015Encontro Agro - Oxitemo 07/05/2015
Encontro Agro - Oxitemo 07/05/2015
 
Apresentação Técnica - 1CSM
Apresentação Técnica - 1CSMApresentação Técnica - 1CSM
Apresentação Técnica - 1CSM
 
Relatorio de compra mes oubtubro 2010
Relatorio de compra mes oubtubro 2010Relatorio de compra mes oubtubro 2010
Relatorio de compra mes oubtubro 2010
 
Metrologia 02
Metrologia 02Metrologia 02
Metrologia 02
 
Apresentação_Geocontrole_Br
Apresentação_Geocontrole_BrApresentação_Geocontrole_Br
Apresentação_Geocontrole_Br
 
Aula 3 dimensionamento tratamento preliminar 2
Aula 3   dimensionamento tratamento preliminar 2Aula 3   dimensionamento tratamento preliminar 2
Aula 3 dimensionamento tratamento preliminar 2
 
Analise de efluentes
Analise de efluentesAnalise de efluentes
Analise de efluentes
 
Memorial hidrosanit+írio
Memorial hidrosanit+írioMemorial hidrosanit+írio
Memorial hidrosanit+írio
 
Ensaio do limite de liquidez e plasticidade
Ensaio do limite de liquidez e plasticidadeEnsaio do limite de liquidez e plasticidade
Ensaio do limite de liquidez e plasticidade
 
Projeto de Drenagem Urbana utilizando Poços de Infiltração
Projeto de Drenagem Urbana utilizando Poços de InfiltraçãoProjeto de Drenagem Urbana utilizando Poços de Infiltração
Projeto de Drenagem Urbana utilizando Poços de Infiltração
 
Relatório 1-secagem-por-convecção-natural
Relatório 1-secagem-por-convecção-naturalRelatório 1-secagem-por-convecção-natural
Relatório 1-secagem-por-convecção-natural
 

estudos geotecnicos Santa Catarina2

  • 1. INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO E EDUCAÇÃO SOCIAL DA AMAZÔNIA INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO E EDUCAÇÃO SOCIAL DA AMAZÔNIA Estudos Geotécnicos Para pavimentação de estrada rural. Estudos realizados em amostra de solos recebidas de Jazidas de Santa Catarina para ensaios de laboratório com estabilização química, com a finalidade de pavimentação de estrada rural. Rodovia de acesso à sede da Associação Ambientalista, Comunitária e Espiritualista Patriarca São José
  • 2. INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE EDUCAÇÃO SOCIAL DA AMAZÔNIA DIRETORIA DE ENGENHARIA E PROJETOS NÚCLEO DE ESTABILIZAÇÃO QUÍMICA DE SOLOS LABORATÓRIO DE MECÂNICA DE SOLOS TRECHO: FURO Nº. 01 Posição: AMOSTRA Nº. 01 Profundidade: OPERADOR: DATA: 24/05/2011 CALCULISTA: PROJETO: ESTABLIZAÇÃO QUIMICA REGISTRO Jeronimo Souza Pires-CREA 8496DT PA % % TOTAL PARCIAL 8 6 Recipiente N° 76,41 76,41 Peso Bruto Úmido (g) Peso Úmido (g) 2000,00 200,00 Peso Retido na # Nº 10 455,5 5,06 5,06 Peso Úmido < # nº 10 1544,50 71,35 71,35 Peso Seco < # Nº 10 1442,22 7,09 7,09 1897,72 186,76 MÉDIA PENEIRAMENTO Peso Peso Q. % Q. Retido Passa Passa Pol. mm Parcial Acumul. A. Total 100 Pedregulho 4,68 2 50,8 0,00 1897,72 100,00 K¹= ------ 0,052695 Areia Grossa 19,32 1 1/2 38,1 0,00 1897,72 100,00 Areia Média 39,77 1 25,4 0,00 1897,72 100,00 Areia Fina 15,45 3/4 19,1 19,00 1878,72 99,00 Silte+Argila 20,77 1/2 12,7 16,27 1862,45 98,14 K² = ------- 0,406936 3/8 9,5 13,91 1848,54 97,41 N° 4 4,8 39,67 1808,87 95,32 N° 10 2,0 366,65 1442,22 76,00 FAIXA AASHITO N° 40 0,42 97,74 89,02 36,22 Obs: Atende N° 200 0,074 37,97 51,05 20,77 DNER ES - 303/98 Obs.: SOLO ARENO - ARGILOSO VARIEGADO (Solo Puro) ENSAIO DE GRANULOMETRIA DE SOLOS - DNER-ME 051/94 RODOVIA: SUBTRECHO: SANTA CATARINA UMIDADE HIGROSCÓPICA AMOSTRA 01 VIAS URBANAS Estaca: PROCEDENCIA PENEIRAS Capsula nº Peso Bruto Úmido (g) Peso Bruto Seco (g) Peso da Cápsula (g) Peso da Água (g) Peso do Solo Seco (g) Umidade RESUMO Peso da Amostra Seca 7,09 CONSTANTES 2 2 3 4 3 4 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 0,01 0,1 1 10 100 Porc.Passante Abertura das Peneiras Distribuição Granulométrica
  • 3. INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE EDUCAÇÃO SOCIAL DA AMAZÔNIA DIRETORIA DE ENGENHARIA E PROJETOS NÚCLEO DE ESTABILIZAÇÃO QUÍMICA DE SOLOS LABORATÓRIO DE MECÂNICA DE SOLOS TRECHO: SUBTRECHO: FURO Nº. 01 Posição: AMOSTRA Nº. 01 OPERADOR: PROJETO: ESTABILIZAÇÃO QUIMICA REGISTRO: Jeronimo Souza Pires-CREA 8496DT PA % % 19 26 29 2083 76,41 76,41 4920 1,804 4536 2 1/2" 15,1 5,06 5,06 26 71,35 71,35 5 7,09 7,09 70,45 MÉDIA PONTO PESO PESO DENS. UM ID. DENS. N° BRUTO SOLO SOLO PESO ÁGUA ÁGUA PESO DA PESO DO M EDIA DO ÙM IDO ÙM IDO ÙM IDO BRUTO EXISTENTE ADICION. ÁGUA SOLO SOLO ÚM IDO SECO SECO 1 8790 3870 1,858 6000 397 200 597 5603 10,66 1,679 2 9020 4100 1,968 6000 120 717 5603 12,80 1,745 3 9240 4320 2,074 6000 120 837 5603 14,95 1,804 4 9240 4320 2,074 6000 120 957 5603 17,09 1,771 5 9130 4210 2,021 6000 120 1077 5603 19,23 1,695 6 7 Obs.: SOLO ARENO - ARGILOSO VARIEGADO (Solo Puro) Peso da Cápsula (g) Espessura do Disco Peso do Solo Seco (g) Nº de Camadas DETERMINAÇÃO DA UMIDADE Umidade Altura de Queda 7,09 Energia da Compact. Capsula nº Volume do Molde Densidade Maxima (g/cm³) Peso da Água (g) Golpes por Camada Peso Bruto Úmido (g) Peso do Molde Peso Bruto Seco (g) Peso do Soquete Umidade Ótima (%) VIAS URBANAS Estaca: PROCEDENCIA DATA: Profundidade: ENSAIO DE COMPACTAÇÃO DE SOLOS - DNER-ME 129/94 RODOVIA: Expansão (%) CBR (%) SANTA CATARINA 24/5/2011 CALCULISTA: UMIDADE HIGROSCÓPICA Molde Nº RESULTADOS 1,600 1,620 1,640 1,660 1,680 1,700 1,720 1,740 1,760 1,780 1,800 1,820 1,840 1,860 1,880 1,900 9,00 10,00 11,00 12,00 13,00 14,00 15,00 16,00 17,00 18,00 19,00 20,00 DensidadeSeca-kg/cm³ Umidade - % Gráfico de Compactação Dmáxs= 1,804g/cm³ Hot= 15,1%
  • 4. INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE EDUCAÇÃO SOCIAL DA AMAZÔNIA DIRETORIA DE ENGENHARIA E PROJETOS NÚCLEO DE ESTABILIZAÇÃO QUÍMICA DE SOLOS LABORATÓRIO DE MECÂNICA DE SOLOS TRECHO: SUBTRECHO: Estaca: Posição: L/D Local: RAMAL DO MACACO Furo: 01 Amostra: 01 Prof.: a m DATA: 24/05/2011 PROJETO: OPERADOR: CALCULISTA: VISTO: PROJETO: REGISTRO: VISTO: 25 47 39,08 17 29 28,33 23,11 18,42 10,74 18,27 15,09 6,62 6,29 0,954 4,84 3,33 1,018 Peso do Solo Seco 11,65 8,8 41,55 37,84 39,63 38,52 39,08 99 98 21 28 19 6,12 6,15 5,98 5,22 5,29 5,84 5,85 5,61 4,83 4,87 4,85 4,76 4,27 3,47 3,45 0,28 0,30 0,37 0,39 0,42 0,99 1,09 1,34 1,36 1,42 28,28 27,5 27,61 28,68 29,58 28,33 FRACAMENTE PLÁSTICO 1< IP < 7 FALSO MEDIANAMENTE PLÁSTICO 7 < IP < 15 MEDIANAMENTE PLÁSTICO ALTAMENTE PLÁSTICO > 15 FALSO Obs.: SOLO ARENO - ARGILOSO VARIEGADO (Solo Puro) LIMITES DE CONSISTÊNCIA Peso da Capsula Fator 01 LIMITE DE LIQUIDEZ LIMITE DE PLASTICIDADE Capsula Nº Limite de Liquidez Nº de Golpes Limite de Plasticidade Peso Bruto Úmido Índice de Plasticidade Peso Bruto Seco TABELA ROD.: PROCEDENCIA SANTA CATARINA %de Umidade Média Peso da Agua Fator 02 % de Umidade Correção Fator 01 %de Umidade Média Correção Fator 02 Média Umidade Fator h = (n / 25) Peso da Capsula Peso da Agua Peso do Solo Seco % de Umidade LIMITE DE PLASTICIDADE Capsula Nº Peso Bruto Úmido CLASSIFICAÇÃO DO SOLO EM FUNÇÃO DO IP Peso Bruto Seco 37,0 37,4 37,8 38,2 38,6 39,0 39,4 39,8 40,2 40,6 41,0 41,4 41,8 1 10 100 %deUmidade Nº. de Golpes Gráfico de limite de Liquidez
  • 5. INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE EDUCAÇÃO SOCIAL DA AMAZÔNIA DIRETORIA DE ENGENHARIA E PROJETOS NÚCLEO DE ESTABILIZAÇÃO QUÍMICA DE SOLOS LABORATÓRIO DE MECÂNICA DE SOLOS TRECHO: MATO GROSSO SUBTRECHO: FURO Nº, 01 Posição.: AMOSTRA: 01 Profundidade: OPERADOR: Jeronimo DATA: 24/05/2011 CALCULISTA: PROJETO: ESTABILIZAÇÃO QUIMICA Registro: Jeronimo Souza Pires-CREA 8496DT PA Molde Nº 15 29 26 32 Volume do Molde 76,41 76,41 100,00 100,00 Peso do Molde Peso do Soquete Espessura do Disco 5,06 5,06 13,12 13,12 Golpes por Camada 71,35 71,35 86,88 86,88 Nº de Camadas 7,09 7,09 15,10 15,10 Altura de Queda MÉDIA % h absorvida na imersão Densidade Máxima (Kg/cm³) 1,804 Peso do Solo Úmido 5598,5 Umidade Ótima (%) 15,1 Passando na # Nº 4 Seco 5227,8 Umidade Higroscópica (%) 7,09 Peso do Pedreg. Retido na # Nº 4 401,5 Difereça de Umidade (%) 8,01 Peso do Solo Seco Total 5629,3 Peso da Amostra Umida 6000,0 0,0957 Altura co Corpo de Prova (mm) 114,5 Tempo Leitura Leitura Dif. min. Pol. mm Extens. Determ. Corrigida Padrão % Dia Hora Deflec. mm 0,5 0,025 0,63 60 5,74 1 0,05 1,27 110 10,53 2 0,1 2,54 175 16,75 16,7 70 23,93 4 0,2 5,08 255 24,40 24,40 105 23,24 6 0,3 7,62 325 31,10 133 8 0,4 10,16 360 34,45 161 10 0,5 12,7 380 36,37 182 24 0,07 Peso Bruto Umido Densidade Seca (Kg/m³) % em Relação a Dens. Máxima Obs.: SOLO ARGILO-ARENOSO VARIEGADO (Solo Puro) Obs.: Peso após Imersão 9000 1,725 Umido (Kg/m³) 4160 Verificação da CBR (%) 3,1395,63 Densidae Umida (Kg/m³) 1,986 % de Absorção 1,08 0,08 8870 Peso do Solo Expansão (%) Moldagem 27/5/2011 72 26/5/2011 48 1,08 0,08 25/5/2011 24 1,08 0,08 24/5/2011 0 1,00 0 Ensaio de Penetração Ensaio de Expansão Penetração Pressão - Kg/cm² Datas Àgua a Juntar (ml) 450,80 Nº do Anel Constante da Prensa DADOS DA COMPACTAÇÃO CALCULO DA ÁGUA Umidade 70,45 7,09 15,10 Peso da Água (g) 26 Peso do Solo Seco (g) 5 Peso da Cápsula (g) 2 1/2" Umidade Higroscópica Umid. de Moldagem 2 Peso Bruto Seco (g) 4536 2095 Peso Bruto Úmido (g) 4710 Estaca: SANTA CATARINA Capsula nº ENSAIO DE CBR DE SOLOS - DNER-ME 049/94 RODOVIA VIAS URBANAS PROCEDENCIA 0 5 10 15 20 25 30 35 40 0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 Pressão-Kg/cm² Penetração - pol. Gráfico de CBR
  • 6. INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE EDUCAÇÃO SOCIAL DA AMAZÔNIA DIRETORIA DE ENGENHARIA E PROJETOS NÚCLEO DE ESTABILIZAÇÃO QUÍMICA DE SOLOS LABORATÓRIO DE MECÂNICA DE SOLOS TRECHO: MATO GROSSO SUBTRECHO: FURO Nº, 01 Posição.; AMOSTRA: 01 Profundidade: OPERADOR: DATA: 27/07/2010 CALCULISTA: PROJETO: ESTABILIZAÇÃO QUIMICA Registro: Jeronimo Souza Pires-CREA 8496DT PA Molde Nº 15 29 26 32 Volume do Molde 76,41 76,41 100,00 100,00 Peso do Molde Peso do Soquete Espessura do Disco 5,06 5,06 13,12 13,12 Golpes por Camada 71,35 71,35 86,88 86,88 Nº de Camadas 7,09 7,09 15,10 15,10 Altura de Queda MÉDIA % h absorvida na imersão ESTAB./EGLOM Densidade Máxima (Kg/cm³) 1,804 Peso do Solo Úmido 5598,5 AlO3 1,41 Umidade Ótima (%) 15,1 Passando na # Nº 4 Seco 5227,8 SolAlO3 112,6 Umidade Higroscópica (%) 7,09 Peso do Pedreg. Retido na # Nº 4 401,5 ECOL. 3,75 Difereça de Umidade (%) 8,01 Peso do Solo Seco Total 5629,3 solEcol. 75 Peso da Amostra Umida 6000,0 0,0957 Altura co Corpo de Prova (mm) 114,5 Tempo Leitura Leitura Dif. min. Pol. mm Extens. Determ. Corrigida Padrão % Dia Hora Deflec. mm 0,5 0,025 0,63 55 5,26 1 0,05 1,27 160 15,31 2 0,1 2,54 322 30,82 30,8 70 44,02 4 0,2 5,08 515 49,29 49,29 105 46,94 6 0,3 7,62 645 61,73 133 8 0,4 10,16 700 66,99 161 10 0,5 12,7 750 71,78 182 47 0,03 Peso Bruto Umido Densidade Seca (Kg/m³) % em Relação a Dens. Máxima Obs.: SOLO+ECOL.(1/1500)+SULFATO.ALUMINIO(1/4000) Obs.: Peso após Imersão 9090 SANTA CATARINA 4536 Estaca: ENSAIO DE CBR DE SOLOS - DNER-ME 049/94 RODOVIA VIAS URBANAS PROCEDENCIA Absorção (%) Umidade Higroscópica Umid. de Moldagem 14 Capsula nº 2092 Peso Bruto Úmido (g) 4660 Peso Bruto Seco (g) Peso da Cápsula (g) 2 1/2" Peso da Água (g) 26 Peso do Solo Seco (g) 5 Ensaio de Penetração Ensaio de Expansão Umidade 70,45 7,09 15,10 DADOS DA COMPACTAÇÃO CALCULO DA ÁGUA Àgua a Juntar (ml) 450,80 Nº do Anel Constante da Prensa 1,03 0,03 Penetração Pressão - Kg/cm² Datas 24/5/2011 0 Expansão (%) 26/5/2011 48 27/5/2011 72 1,03 9000 Peso do Solo 0 25/5/2011 24 1,03 0,03 1,00 Verificação da CBR (%) Umido (Kg/m³) 4340 0,03 2,0799,91 Densidae Umida (Kg/m³) 2,075 1,802 Moldagem 0 10 20 30 40 50 60 70 80 0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 Pressão-Kg/cm² Penetração - pol. Gráfico de CBR
  • 7. INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE EDUCAÇÃO SOCIAL DA AMAZÔNIA DIRETORIA DE ENGENHARIA E PROJETOS NÚCLEO DE ESTABILIZAÇÃO QUÍMICA DE SOLOS LABORATÓRIO DE MECÂNICA DE SOLOS TRECHO: SUBTRECHO: FURO Nº, 01 Posição.; AMOSTRA: 01 Profundidade: OPERADOR: DATA: 24/05/2011 CALCULISTA: PROJETO: ESTABILIZAÇÃO QUIMICA Registro: Jeronimo Souza Pires-CREA 8496DT PA Molde Nº 15 29 26 32 Volume do Molde 76,41 76,41 100,00 100,00 Peso do Molde Peso do Soquete Espessura do Disco 5,06 5,06 13,12 13,12 Golpes por Camada 71,35 71,35 86,88 86,88 Nº de Camadas 7,09 7,09 15,10 15,10 Altura de Queda MÉDIA % h absorvida na imersão ESTAB./EGLOM Densidade Máxima (Kg/cm³) 1,804 Peso do Solo Úmido 5598,5 AlO3 1,41 Umidade Ótima (%) 15,1 Passando na # Nº 4 Seco 5227,8 SolAlO3 112,6 Umidade Higroscópica (%) 7,09 Peso do Pedreg. Retido na # Nº 4 401,5 ECOL. 5,63 Difereça de Umidade (%) 8,01 Peso do Solo Seco Total 5629,3 solEcol. 113 Peso da Amostra Umida 6000,0 0,0957 Altura co Corpo de Prova (mm) 114,5 Tempo Leitura Leitura Dif. min. Pol. mm Extens. Determ. Corrigida Padrão % Dia Hora Deflec. mm 0,5 0,025 0,63 105 10,05 1 0,05 1,27 225 21,53 2 0,1 2,54 380 36,37 36,4 70 51,95 4 0,2 5,08 580 55,51 55,51 105 52,86 6 0,3 7,62 680 65,08 133 8 0,4 10,16 774 74,07 161 10 0,5 12,7 836 80,01 182 53 0,06 Peso Bruto Umido Densidade Seca (Kg/m³) % em Relação a Dens. Máxima Obs.: SOLO+ECOL.(1/1000)+SULFATO.ALUMINIO(1/4000) Obs.: Peso após Imersão 9270 Umido (Kg/m³) 4300 Verificação da CBR (%) 1,1699,42 Densidae Umida (Kg/m³) 2,064 1,794 1,07 0,07 9220 Peso do Solo Expansão (%) Moldagem 27/5/2011 72 26/5/2011 48 1,07 0,07 1,00 0 25/5/2011 24 1,07 0,07 Penetração Pressão - Kg/cm² Datas 24/5/2011 0 Nº do Anel Constante da Prensa Ensaio de Penetração Ensaio de Expansão DADOS DA COMPACTAÇÃO CALCULO DA ÁGUA Àgua a Juntar (ml) 450,80 Umidade 70,45 7,09 15,10 26 Peso do Solo Seco (g) 5 Peso Bruto Seco (g) 4536 Peso da Cápsula (g) 2 1/2" Absorção (%) Umidade Higroscópica Umid. de Moldagem 19 Capsula nº 2083 Peso Bruto Úmido (g) 4920 Peso da Água (g) Estaca: ENSAIO DE CBR DE SOLOS - DNER-ME 049/94 RODOVIA VIAS URBANAS PROCEDENCIA SANTA CATARINA 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 Pressão-Kg/cm² Penetração - pol. Gráfico de CBR
  • 8. INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE EDUCAÇÃO SOCIAL DA AMAZÔNIA DIRETORIA DE ENGENHARIA E PROJETOS NÚCLEO DE ESTABILIZAÇÃO QUÍMICA DE SOLOS LABORATÓRIO DE MECÂNICA DE SOLOS TRECHO: SUBTRECHO: FURO Nº, 01 Posição.; AMOSTRA: 01 Profundidade: OPERADOR: DATA: 24/05/2011 CALCULISTA: PROJETO: ESTABILIZAÇÃO QUIMICA Registro: Jeronimo Souza Pires-CREA 8496DT PA Molde Nº 15 29 26 32 Volume do Molde 76,41 76,41 100,00 100,00 Peso do Molde Peso do Soquete Espessura do Disco 5,06 5,06 13,12 13,12 Golpes por Camada 71,35 71,35 86,88 86,88 Nº de Camadas 7,09 7,09 15,10 15,10 Altura de Queda MÉDIA % h absorvida na imersão CALCULO DA ÁGUA ESTAB./EGLOM Densidade Máxima (Kg/cm³) 1,804 Peso do Solo+Cimento Úmido 5598,5 Cimtº. 0,02 Umidade Ótima (%) 15,1 Passando na # Nº 4 Seco 5227,8 P.Cimtº. 112,6 Umidade Higroscópica (%) 7,09 Peso do Pedreg. Retido na # Nº 4 401,5 ECOL. 3,83 Difereça de Umidade (%) 8,01 Peso do Solo Seco Total 5629,3 5741,8 solEcol. 77 Peso da Amostra Umida 6112,6 0,0957 Altura co Corpo de Prova (mm) 114,5 Tempo Leitura Leitura Dif. min. Pol. mm Extens. Determ. Corrigida Padrão % Dia Hora Deflec. mm 0,5 0,025 0,63 290 27,75 1 0,05 1,27 480 45,94 2 0,1 2,54 795 76,08 76,1 70 109 4 0,2 5,08 1290 123,45 123,45 105 118 6 0,3 7,62 1510 144,51 133 8 0,4 10,16 1720 164,60 161 10 0,5 12,7 1910 182,79 182 118 0,01 Peso Bruto Umido Densidade Seca (Kg/m³) % em Relação a Dens. Máxima Obs.: SOLO+ECOL.(1/1500)+CIMENTO(2%) Obs.: Peso após Imersão 9120 4536 Estaca: SANTA CATARINA ENSAIO DE CBR DE SOLOS - DNER-ME 049/94 RODOVIA VIAS URBANAS PROCEDENCIA Absorção (%) Umidade Higroscópica Umid. de Moldagem 9 Capsula nº 2087 Peso Bruto Úmido (g) 4790 Peso Bruto Seco (g) Peso da Cápsula (g) 2 1/2" Peso da Água (g) 26 Peso do Solo Seco (g) 5 Ensaio de Penetração Ensaio de Expansão Umidade 70,45 7,09 15,10 DADOS DA COMPACTAÇÃO Àgua a Juntar (ml) 459,82 Nº do Anel Constante da Prensa 1,01 0,01 Penetração Pressão - Kg/cm² Datas 24/5/2011 0 1,00 9050 Moldagem 0 25/5/2011 24 1,01 0,01 26/5/2011 48 27/5/2011 1,01 0,01 Verificação da CBR (%) Expansão (%) 72 Peso do Solo Umido (Kg/m³) 1,6498,30 Densidae Umida (Kg/m³) 2,041 1,773 4260 0 20 40 60 80 100 120 140 160 180 200 0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 Pressão-Kg/cm² Penetração - pol. Gráfico de CBR
  • 9. INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE EDUCAÇÃO SOCIAL DA AMAZÔNIA DIRETORIA DE ENGENHARIA E PROJETOS NÚCLEO DE ESTABILIZAÇÃO QUÍMICA DE SOLOS LABORATÓRIO DE MECÂNICA DE SOLOS TRECHO: SUBTRECHO: FURO Nº, 01 Posição.; AMOSTRA: 01 Profundidade: OPERADOR: DATA: 24/05/2011 CALCULISTA: PROJETO: ESTABILIZAÇÃO QUIMICA Registro: Jeronimo Souza Pires-CREA 8496DT PA Molde Nº 15 29 26 32 Volume do Molde 76,41 76,41 100,00 100,00 Peso do Molde Peso do Soquete Espessura do Disco 5,06 5,06 13,12 13,12 Golpes por Camada 71,35 71,35 86,88 86,88 Nº de Camadas 7,09 7,09 15,10 15,10 Altura de Queda MÉDIA % h absorvida na imersão CALCULO DA ÁGUA ESTAB./EGLOM Densidade Máxima (Kg/cm³) 1,804 Peso do Solo+Cimento Úmido 5598,5 Cimtº. 0,02 Umidade Ótima (%) 15,1 Passando na # Nº 4 Seco 5227,8 P.Cimtº. 112,6 Umidade Higroscópica (%) 7,09 Peso do Pedreg. Retido na # Nº 4 401,5 ECOL. 5,74 Difereça de Umidade (%) 8,01 Peso do Solo Seco Total 5629,3 5741,8 solEcol. 115 Peso da Amostra Umida 6112,6 0,0957 Altura co Corpo de Prova (mm) 114,5 Tempo Leitura Leitura Dif. min. Pol. mm Extens. Determ. Corrigida Padrão % Dia Hora Deflec. mm 0,5 0,025 0,63 320 30,62 1 0,05 1,27 710 67,95 2 0,1 2,54 1120 107,18 107,2 70 153 4 0,2 5,08 1530 146,42 146,42 105 139 6 0,3 7,62 1810 173,22 133 8 0,4 10,16 1980 189,49 161 10 0,5 12,7 2090 200,01 182 153 0,01 Peso Bruto Umido Densidade Seca (Kg/m³) % em Relação a Dens. Máxima Obs.: SOLO+ECOL.(1/1000)+CIMENTO(2%) Obs.: Peso após Imersão 9270 Umido (Kg/m³) 4290 Verificação da CBR (%) 1,4099,04 Densidae Umida (Kg/m³) 2,057 1,787 1,01 0,01 9210 Peso do Solo Expansão (%) Moldagem 27/5/2011 72 26/5/2011 48 1,01 0,01 25/5/2011 24 1,01 0,01 24/5/2011 0 1,00 0 Ensaio de Penetração Ensaio de Expansão Penetração Pressão - Kg/cm² Datas DADOS DA COMPACTAÇÃO Àgua a Juntar (ml) 459,82 Nº do Anel Constante da Prensa Umidade 70,45 7,09 15,10 26 Peso do Solo Seco (g) 5 Peso Bruto Seco (g) 4536 Peso da Cápsula (g) 2 1/2" Absorção (%) Umidade Higroscópica Umid. de Moldagem 15 Capsula nº 2086 Peso Bruto Úmido (g) 4920 Peso da Água (g) Estaca: ENSAIO DE CBR DE SOLOS - DNER-ME 049/94 RODOVIA VIAS URBANAS PROCEDENCIA SANTA CATARINA 0 50 100 150 200 250 0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 Pressão-Kg/cm² Penetração - pol. Gráfico de CBR
  • 10. INSTITUTO DEDESENVOLVIMENTO DEEDUCAÇÃO SOCIAL DA AMAZÔNIA DIRETORIA DEENGENHARIA EPROJETOS NÚCLEO DEESTABILIZAÇÃO QUÍMICA DESOLOS LABORATÓRIO DE MECÂNICA DE SOLOS RODOVIA: VIAS URBANAS TRECHO: JAZIDA: X PISTA: APLICAÇÃO: PROCEDENCIA: SANTA CATARINA LABORATORISTA: Jeronimo Souza Pires - CREA 8496 DT PA DENS. LIMITE INDICE Estaca Camada SECA UMID. CBR EXPAN- DE DEPLAS- IG HRB MÁX. OTIMA SÃO LIQUIDEZ TICIDADEKg/m³ % % 2" 1" 3/8" N° 4 N° 10 N° 40 N° 200 2" 1" 3/8" N° 4 N° 10 N° 40 N° 200 Ensaio 1 Base 1,804 15,1 24 0,07 39,1 10,74 100 100,0 97,4 95,3 76,00 36,22 20,77 0 A-2-6 Ensaio 2 Base 1,804 15,1 47 0,03 39,1 10,74 100 100,0 97,4 95,3 76,00 36,22 20,77 0 A-2-6 Ensaio 3 Base 1,804 15,1 53 0,06 39,1 10,74 100 100,0 97,4 95,3 76,00 36,22 20,77 0 A-2-6 Ensaio 4 Base 1,804 15,1 118 0,01 39,1 10,74 100 100,0 97,4 95,3 76,00 36,22 20,77 0 A-2-6 Ensaio 5 Base 1,804 15,1 153 0,01 39,1 10,74 100 100,0 97,4 95,3 76,00 36,22 20,77 0 A-2-6 Obs.: SANTA CATARINA Classificação HRB, IG=0 Grupo=A-2-6 - Solo Areno-Argiloso (Excelente a bom) Condições do Ensaio: Foi observado a perda de 40% de umidade de moldagem. SOLO + ECOLOPAVI(D=1/1500)+CIMENTO( D=2%) - PROCTOR INTERMEDIÁRIO DADOS DOS ENSAIOS DELABORATÓRIO SOLO PURO - PROCTOR INTERMEDIÁRIO PENEIRAS - ABERTURAS SOLO + ECOLOPAVI(D=1/1000)+CIMENTO( D=2%) - PROCTOR INTERMEDIÁRIO Profund.(m) GRANULOMETRIA - PORCENTAGEM PASSANDO SOLO + ECOLOPAVI (D= 1/1500)+ SULFATO DE ALUMINIO(D=1/4000) - PROCTOR INTERMEDIÁRIO PERIODO: 20 a 30/05/2011 RESUMO DE ENSAIOS DE SOLOS REGISTRO POSIÇÃO SOLO + ECOLOPAVI (D= 1/1000)+ SULFATO DE ALUMINIO(D=1/4000) - PROCTOR INTERMEDIÁRIO
  • 11. Dentre os quatro resultados, muito embora a elevação do CBR , saindo de 24% tenha atingido a marca exponencial de 153%, para o fim a que se destina a pavimentação em tela, basta o primeiro resultado da estabilização em que a resistência medida em CBR saiu de 24 para 47%, ideal para revestimento primário de rodovias vicinais. INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO E EDUCAÇÃO SOCIAL DA AMAZÔNIA DIRETORIA DE ENEGENHARIA E PROJETOS NÚCLEO DE ESTABILIZAÇÃO QUÍMICA DE SOLOS LABORATÓRIO DE MECÂNICA DE SOLOS ESTABILIZAÇÃO DE SOLO PARA CAMADA DE BASE DE PAVIMENTO com solo estabilizado 1.000m² OBRA - Estrada de acesso à Associação ACEPSJ - SC - CBR Requerido ≥ 40% Dimensionamento ITEM unid Quant 1 m 2 m 3 m 0,2 4 m2 1.000 5 m3 200 6 1,804 7 ton 361 MATERIAIS ITEM UNID Quant P.Unit (R$)TOTAL(R$) 1 litros 241 13,06 3.143,02 2 3 tambor 4 kg 158 3,50 552,13 TOTAL 3.695,14 Custo de materiais por m2 3,6951446 CONSIUDERAÇÕES Cimento Portland CPIII - Dosagem 3% em peso Massa de ECOLOPAVI- 2.916 KG /200 = 14,58 = 16 tambores Massa de sulfato de aluminio( dosagem de 1: 4000 Densidade máxima aprente seca presumível (Kg/m³ ) Massa do solso a estabilizar DISCRIMINAÇÃO Ecolopavi dosagem 1:1.500 em peso Espessura da camada Área a estabilizar Volume de solo a estabilizar DISCRIMINAÇÃO Total Extensão do trecho Largura da pista