SlideShare uma empresa Scribd logo
Custos_05a09_1.pdf
Contabilidade de Custos
➢Contador;
➢Perito;
➢Consultor Financeiro e Tributário;
➢Especialista em Gestão Fiscal e Tributária;
➢Acadêmico do curso de Direito;
➢Consultor e Instrutor do SEBRAE/SE;
➢Palestrante do CRC/SE, CRC/PE, CRC/AC, CRC/RO, CRC/TO e SESCAP/SE;
➢Professor da FANESE;
➢Professor da pós graduação da FAMA e BSSP;
➢Diretor da DiasRosa Consultoria. (www.diasrosa.com.br)
Rodrigo Dias de Oliveira Rosa
Algumas dúvidas cruéis ...
Minha empresa é um bom
negócio?
Quanto eu estou
ganhando?
Quais as melhores
decisões a tomar?
Uma resposta possível ...
É preciso entender as
Finanças e a Contabilidade
do negócio!!!
Entendendo a Contabilidade
O que é a Contabilidade?
Como ela pode me ajudar na gestão do meu
negócio?
Contabilidade
É a ciência que registra os
acontecimentos verificados
no patrimônio de uma entidade
Escreve, oficializa
Possuem denominador financeiro comum
Conjunto de bens direitos e obrigações
Definição formal ...
Custos o que é isso?
Custos
• Quantia que uma coisa custou.
• Gastos habituais em bens de consumo de uma família média,
em certa faixa de renda. (Dicionário Aurélio)
Custos – Novo Dicionário de
Economia
• “Avaliação em unidades de dinheiro de todos os bens materiais e
imateriais, trabalho e serviços consumidos pela empresa na produção
de bens industriais, bem como aqueles consumidos também na
manutenção de suas instalações. Expresso monetariamente, o custo
resulta da multiplicação da quantidade dos fatores de produção
utilizados pelos seus respectivos preços”. (Sandroni).
Custos - Conceito
• Custo Industrial compreende a soma dos gastos com bens e serviços
aplicados ou consumidos na produção de outros bens. (Ribeiro, Osni)
• Mensuração econômica dos recursos (produtos, serviços, e direitos)
adquiridos para a obtenção e a venda dos produtos e serviços da
empresa. (Clóvis)
Forma Simples
•Custo nada mais é que o valor pago por alguma coisa.
(popular)
Contabilidade de Custos?
• É um ramo da Contabilidade aplicado às empresas industriais. (Osni)
• É o seguimento da ciência contábil especializado na gestão
econômica do custo e dos preços de venda dos produtos e serviços
oferecidos pelas empresas. (Clóvis)
A contabilidade de Custos
•Fornece os dados detalhados sobre os custos que a
gestão precisa para controlar as operações atuais e
planejar para o futuro.
Surgimento
• Até 1760, século XVIII, quase só existia a
Contabilidade Financeira ou Geral.
Desenvolvida na era mercantilista, atendia
adequadamente as empresas comerciais.
• Transação:
COMPRA VENDA LUCRO
• Em meados do século XVIII, 1760, com o advento da
Revolução Industrial, ocorre o surgimento da Contabilidade de
Custos.
• Transação:
(+) DISPONIBILIZAÇÃO DE
RECURSOS(AGREGADO)
COMPRA
VENDA LUCRO
•A Revolução Industrial tendo como marco
principal os avanços técnicos e Científicos,
caracteriza-se até os tempos de hoje, por pelo
menos três fases distintas encadeadas.
• 1ª Fase acontece por volta de 1760 - século XVIII na Inglaterra e destaca-se
pelos Inventos da máquina à vapor e o tear mecânico. A aplicação do ferro
em substituição à madeira, estimula a siderurgia e a implantação de indústria
pesada de máquinas.
• 2ª Fase, inicia-se à partir de 1870 - século XIX, com a industrialização da
França, da Alemanha, da Itália, dos Estados Unidos e do Japão. Ocorre neste
período o avanço da tecnologia e a descoberta de novas fontes de energia
(eletricidade e petróleo) e produtos químicos, como plástico são
desenvolvidos.
• 3ª Fase ocorre à partir da década de 50, quando surgem
complexos industriais e empresas multinacionais. As indústrias
química e eletrônica desenvolvem-se complementados pelos
avanços da automação, da informática e da engenharia
genética, agora incorporadas ao processo produtivo.
•A evolução das três fases da Revolução
Industrial, obrigou a Contabilidade de Custos a
desenvolver novas técnicas de
acompanhamento e controle dos custos.
• Na primeira fase da Revolução Industrial, a Contabilidade de Custos
preocupou-se fundamentalmente com a apuração dos custos e
lucros. Neste período, a mão de obra direta tinha uma participação
considerável na composição dos custos.
• Na segunda fase, continua a preocupação com a apuração dos custos e
lucros, porém já se verificava aí o emprego da mecanização com
incorporação de novos elementos de custos nos meios de produção.
~[A mão de obra direta já não é o único elemento de custos que chama
atenção.5ç.1,7827
• Já na terceira fase, a Contabilidade de Custos se vê obrigada a
desenvolver métodos e metodologias para a gestão dos
custos, com vista à melhoria nos processos de produção, que
assegure um melhor resultado para as organizações.
Campo de Aplicação
• Empresas industriais. (Forma geral)
Definição Legal de Industrialização
• Caracteriza industrialização qualquer operação que modifique a
natureza, o funcionamento, o acabamento, a apresentação ou a
finalidade do produto, ou o aperfeiçoe para consumo. (Art. 4º, DECRETO
Nº 7.212, DE 15 DE JUNHO DE 2010).
Transformação
A que, exercida sobre matéria-prima ou produto
industrializado, importe na obtenção de espécie de novo
produto (nova espécie);
Beneficiado
A que importe em modificar, aperfeiçoar ou, de qualquer
forma, alterar o funcionamento, a utilização, o
acabamento ou aparência do produto;
Montagem
A que consiste na reunião de produtos, peças ou partes
que resulte em novo produto ou unidade autônoma,
ainda que sob a mesma classificação fiscal;
Acondicionamento ou reacondicionamento
A que importe em alterar a apresentação do produto, pela
colocação da embalagem, ainda que em substituição da original,
salvo quando a embalagem colocada se destine apenas ao
transporte da mercadoria;
Renovação ou recondicionamento
A que, exercida sobre produto usado ou parte remanescente
de produto deteriorado ou inutilizado, renove ou restaure o produto
para utilização.
Terminologia de Custos
Terminologia
• Gasto: Aquisição de um produto ou serviço qualquer, que gera
sacrifício financeiro* para a entidade, representado por entrega ou
promessa de entrega de ativos. (Martins Eliseu)
• Só existe gasto no ato da passagem para a propriedade da empresa
do bem ou serviço, ou seja, no momento em que existe o
reconhecimento contábil da dívida assumida ou da redução do ativo
dado em pagamento.
Terminologia
• *Desembolso: Entrega de numerário.
• Pode acontecer:
• antes;
• no momento, ou
• depois da ocorrência dos gastos.
• Investimento: Gasto ativado em função de sua vida útil ou de benefícios
atribuíveis a futuro(s) período(s).
• Todos os sacrifícios havidos pela aquisição de bens ou serviços (gastos)
que são “estocados” nos Ativos da empresa para baixa ou amortização
quando de sua venda, de seu consumo, de seu desaparecimento ou de
sua desvalorização são especificamente chamados de investimentos.
EX: Matéria-prima (gasto contabilizado temporariamente como investimento
circulante)
Máquina – (gasto que se transforma num investimento permanente).
Terminologia
Terminologia
• Despesa: Bem ou serviço consumido direta ou indiretamente para a
obtenção de receitas. (MARTINS, 2010)
• As despesas são itens que reduzem o Patrimônio Líquido e que têm
essa característica de representar sacrifícios no processo de obtenção
de receitas. (MARTINS, 2010)
• Os insumos consumidos para o funcionamento da empresa e não
identificados com a fabricação. (BORNIA, 2009)
Terminologia
• Perda: Bem ou serviço consumidos de forma anormal e involuntária.
• Perda Normal: são apropriados aos produtos em elaboração e se constituem
em custo de produção. EX: parte do corte de uma madeira.
• Perda anormais: são apropriados diretamente ao resultado do exercício. EX:
salário dos operários de produção durante o período de greve.
Terminologia
Custo: É um gasto reconhecido como custo no momento da utilização
dos fatores de produção (bens e serviços), para fabricação de um
produto ou execução de um serviço.
EX: Matéria-prima foi um gasto em sua aquisição que imediatamente
se tornou investimento, e assim ficou durante o tempo de sua
Estocagem.
No momento da utilização na fabricação se tornou custo, um novo
investimento já que fica ativado até sua venda.
Exercício
• Durante o primeiro semestre de 2011, a fábrica de pipocas Milho que
Pula Ltda, registrou as transações relatadas a seguir. Com base nas datas,
históricos e valores, determine o mês em que foram computados, no
custo de produção, os 2.200 kg de milho.
Data Valor Histórico
07/05/2011 R$ 800,00 Compra para pagamento em 90 dias de 2.200kg de milho para pipoca.
11/06/2011 R$ 800,00 Setor de produção solicita ao setor de estocagem os 2.200kg de milho
de pipoca.
07/08/2011 R$ 800,00 O setor financeiro quita o boleto bancário referente aos 2.200kg de
milho
Custo pode ser:
• Direto – quando for possível identificar a quantidade do elemento de custo
aplicada no produto.
- Quando a apropriação de um custo ao produto se dá pelo que
esse produto consumiu de fato.
Quando não é possível identificar a quantidade do elemento de custo
aplicado no produto.
• Indireto – - Quando a apropriação de um custo ao produto
ocorre por rateio.
Ex: Conta de um bar.
Custo pode ser:
• Variáveis – É a classificação que leva em consideração a relação entre o valor
total de um custo e o volume de atividade numa unidade de tempo.
• Quanto maior a quantidade fabricada, maior seu consumo.
• Materiais Diretos são custos variáveis.
Ex: O valor global de consumo dos materiais diretos por mês (unidade de tempo)
depende diretamente do volume de produção.
Custo pode ser:
• Custos Fixos – seu valor é independente de aumentos ou diminuições naquele
mês do volume elaborado de produtos.
• Subclassificar em Repetitivos e Não-repetitivos em valor.
• Repetitivos - custos que se repetem em vários períodos seguintes na mesma importância
(caso comum do pessoal da chefia da fábrica, das depreciações etc.).
• Não-repetitivos - custos que são diferentes em cada período (manutenção, energia etc.).
Custo pode ser:
• Custos semivariáveis ou semifixos: têm componentes das duas
naturezas (fixo e variável).
• Ex: A Energia Elétrica possui uma parcela que é fixa e outra variável;
• Parcela Fixa aquela independe de volume de produção, e é definida em
função do potencial de consumo instalado.
• Parcela variável - e esta depende diretamente do consumo efetivo
(energia da máquina).
Considerações:
• Todos os custos podem ser classificados ao mesmo tempo, em:
• Fixos ou Variáveis e
• Diretos ou Indiretos.
• Ex: Matéria-prima é um custo Variável e Direto.
Seguro é Fixo e Indireto.
Considerações:
• Custos variáveis são sempre diretos por
natureza, embora possam, às vezes, ser tratados
como indiretos por razões de economia.
Terminologia por Área
FLUXO DOS CUSTOS E DESPESAS
CUSTOS DEPESAS
INDIRETOS DIRETOS
RATEIO
PRODUTO A
PRODUTO B
PRODUTO C
ESTOQUES
CUSTO PRODUTOS VENDIDOS
RESULTADO
VENDAS
DESPESAS
1 2 3 4
5
6
7
8
Componentes contábeis ...
MD
Materiais
Diretos
Matéria-Prima
Embalagem
MOD
Mão-de-Obra Dir
Mensurada e
identificada
de forma direta
CIF
Custos Indiretos
Custos que não
são
MD nem MOD
Despesas
Gastos não
associados
à produção
Custo primário ou direto
Custo de transformação
Custo total, contábil ou fabril
Gastos incorridos ou custo integral
Exercício
• Alguns dados contábeis e financeiros das Fábricas Sandálias
Aladas Ltda. São fornecidos com base nos números
apresentados, estime o valor: a) Custo Primário; b) Custo de
transformação; c) Custo fabril e d) Custo integral.
Conta R$
Materiais requisitados: diretos 8.200,00
Depreciação do parque industrial 1.700,00
Aluguel da fábrica 5.200,00
Aluguel de escritórios administrativos 7.400,00
Materiais requisitados: indiretos 950,00
Depreciações de computadores da diretoria 720,00
Mão-de-obra direta 9.400,00
Seguro da área industrial 2.600,00
• CP (Custo Primário) = MD + MOD
• CP = 8.200,00 + 9.400,00
• CP = 17.600,00
• CTransf(Custo de transformação) = MOD + CIF
• CTransf = 9.400 + (1.700 + 5.200 + 950 + 2.600)
• CTransf = 9.400 + 10.450
• CTransf = 19.850,00
• CF/ CT (Custo fabril/Custo total) = MD + MOD + CIF
• CF/ CT = 8.200 + 9.400 + 10.450
• CF/ CT = 28.050
• CI (Custo integral) = MD + MOD + CIF + D (q não é custo)
• CI (Custo integral) = 8.200 + 9.400 + 10.450 + (7.400 + 720)
• CI (Custo integral) = 28.050 + 8.120
• CI (Custo integral) = 36.170
Despesa pode ser:
• Fixas;
• Variáveis.
• Definidas em função do volume de atividade (o volume de atividade, para
essa despesa, são as vendas e não a produção).
Despesa pode ser:
• Despesas Fixas
Ex: Propaganda, salários da administração das vendas, parte fixa da remuneração dos vendedores etc.).
Despesas Financeiras Fixas - juros e encargos de empréstimos.
• Despesas Variáveis
Ex: Comissão de vendedores, despesas de entrega etc.
Despesas Financeiras Variáveis - descontos de duplicatas.
GRATIDÃO
@profrodrigodiasrosa
Professor Rodrigo Dias Rosa
rodrigodias
(79) 9 9878-5578
rodrigo@diasrosa.com.br
Fanpage: www.diasrosa.com.br

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Custos_05a09_1.pdf

Contabilidade gerencial
Contabilidade gerencialContabilidade gerencial
Contabilidade gerencial
zeramento contabil
 
Material aula contabilidade de custos
Material aula contabilidade de custosMaterial aula contabilidade de custos
Material aula contabilidade de custos
Rafhael Sena
 
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosContabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Diego Lopes
 
Apostila formacao preco
Apostila formacao precoApostila formacao preco
Apostila formacao preco
Jean Ricardo Soares
 
Custos
CustosCustos
Contabilidade de custos material prova 01
Contabilidade de custos   material prova 01Contabilidade de custos   material prova 01
Contabilidade de custos material prova 01
simuladocontabil
 
Custos industriais conceitos
Custos industriais conceitosCustos industriais conceitos
Custos industriais conceitos
zeramento contabil
 
Contabilidade custos introducao a contabilidade de custos
Contabilidade custos introducao a contabilidade de custosContabilidade custos introducao a contabilidade de custos
Contabilidade custos introducao a contabilidade de custos
custos contabil
 
Contabilidade de custo e Industrial rev01.pptx
Contabilidade de custo e Industrial rev01.pptxContabilidade de custo e Industrial rev01.pptx
Contabilidade de custo e Industrial rev01.pptx
RogerLevidosSantosRo
 
Apostila contabilidade de custos
Apostila contabilidade de custosApostila contabilidade de custos
Apostila contabilidade de custos
Néia Salomão
 
Contabilidade
ContabilidadeContabilidade
Contabilidade
Neli Chastinet
 
Contabilidade custos intro contabilidade custos
Contabilidade custos intro contabilidade custosContabilidade custos intro contabilidade custos
Contabilidade custos intro contabilidade custos
custos contabil
 
Custos
CustosCustos
Contabilidade e Fiscalidade-M13.pptx
Contabilidade e Fiscalidade-M13.pptxContabilidade e Fiscalidade-M13.pptx
Contabilidade e Fiscalidade-M13.pptx
IsabelMariaAlmeida1
 
Contabilidade e Fiscalidade-M13.pptx
Contabilidade e Fiscalidade-M13.pptxContabilidade e Fiscalidade-M13.pptx
Contabilidade e Fiscalidade-M13.pptx
ssuser129a121
 
Cont custos contas
Cont custos contasCont custos contas
Cont custos contas
zeramento contabil
 
Cont custos contas
Cont custos contasCont custos contas
Cont custos contas
zeramento contabil
 
A ciência contabilística e a contabilidade de custos
A ciência contabilística e a contabilidade de custosA ciência contabilística e a contabilidade de custos
A ciência contabilística e a contabilidade de custos
Universidade Pedagogica
 
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 5 e 6
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 5 e 6Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 5 e 6
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 5 e 6
Wandick Rocha de Aquino
 
Gestão e Gerenciamento de Custos na Formação de Preços.ppt
Gestão e Gerenciamento de Custos na Formação de Preços.pptGestão e Gerenciamento de Custos na Formação de Preços.ppt
Gestão e Gerenciamento de Custos na Formação de Preços.ppt
ZanardLuciano
 

Semelhante a Custos_05a09_1.pdf (20)

Contabilidade gerencial
Contabilidade gerencialContabilidade gerencial
Contabilidade gerencial
 
Material aula contabilidade de custos
Material aula contabilidade de custosMaterial aula contabilidade de custos
Material aula contabilidade de custos
 
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosContabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
 
Apostila formacao preco
Apostila formacao precoApostila formacao preco
Apostila formacao preco
 
Custos
CustosCustos
Custos
 
Contabilidade de custos material prova 01
Contabilidade de custos   material prova 01Contabilidade de custos   material prova 01
Contabilidade de custos material prova 01
 
Custos industriais conceitos
Custos industriais conceitosCustos industriais conceitos
Custos industriais conceitos
 
Contabilidade custos introducao a contabilidade de custos
Contabilidade custos introducao a contabilidade de custosContabilidade custos introducao a contabilidade de custos
Contabilidade custos introducao a contabilidade de custos
 
Contabilidade de custo e Industrial rev01.pptx
Contabilidade de custo e Industrial rev01.pptxContabilidade de custo e Industrial rev01.pptx
Contabilidade de custo e Industrial rev01.pptx
 
Apostila contabilidade de custos
Apostila contabilidade de custosApostila contabilidade de custos
Apostila contabilidade de custos
 
Contabilidade
ContabilidadeContabilidade
Contabilidade
 
Contabilidade custos intro contabilidade custos
Contabilidade custos intro contabilidade custosContabilidade custos intro contabilidade custos
Contabilidade custos intro contabilidade custos
 
Custos
CustosCustos
Custos
 
Contabilidade e Fiscalidade-M13.pptx
Contabilidade e Fiscalidade-M13.pptxContabilidade e Fiscalidade-M13.pptx
Contabilidade e Fiscalidade-M13.pptx
 
Contabilidade e Fiscalidade-M13.pptx
Contabilidade e Fiscalidade-M13.pptxContabilidade e Fiscalidade-M13.pptx
Contabilidade e Fiscalidade-M13.pptx
 
Cont custos contas
Cont custos contasCont custos contas
Cont custos contas
 
Cont custos contas
Cont custos contasCont custos contas
Cont custos contas
 
A ciência contabilística e a contabilidade de custos
A ciência contabilística e a contabilidade de custosA ciência contabilística e a contabilidade de custos
A ciência contabilística e a contabilidade de custos
 
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 5 e 6
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 5 e 6Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 5 e 6
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 5 e 6
 
Gestão e Gerenciamento de Custos na Formação de Preços.ppt
Gestão e Gerenciamento de Custos na Formação de Preços.pptGestão e Gerenciamento de Custos na Formação de Preços.ppt
Gestão e Gerenciamento de Custos na Formação de Preços.ppt
 

Custos_05a09_1.pdf

  • 3. ➢Contador; ➢Perito; ➢Consultor Financeiro e Tributário; ➢Especialista em Gestão Fiscal e Tributária; ➢Acadêmico do curso de Direito; ➢Consultor e Instrutor do SEBRAE/SE; ➢Palestrante do CRC/SE, CRC/PE, CRC/AC, CRC/RO, CRC/TO e SESCAP/SE; ➢Professor da FANESE; ➢Professor da pós graduação da FAMA e BSSP; ➢Diretor da DiasRosa Consultoria. (www.diasrosa.com.br) Rodrigo Dias de Oliveira Rosa
  • 4. Algumas dúvidas cruéis ... Minha empresa é um bom negócio? Quanto eu estou ganhando? Quais as melhores decisões a tomar?
  • 5. Uma resposta possível ... É preciso entender as Finanças e a Contabilidade do negócio!!!
  • 6. Entendendo a Contabilidade O que é a Contabilidade? Como ela pode me ajudar na gestão do meu negócio?
  • 7. Contabilidade É a ciência que registra os acontecimentos verificados no patrimônio de uma entidade Escreve, oficializa Possuem denominador financeiro comum Conjunto de bens direitos e obrigações Definição formal ...
  • 8. Custos o que é isso?
  • 9. Custos • Quantia que uma coisa custou. • Gastos habituais em bens de consumo de uma família média, em certa faixa de renda. (Dicionário Aurélio)
  • 10. Custos – Novo Dicionário de Economia • “Avaliação em unidades de dinheiro de todos os bens materiais e imateriais, trabalho e serviços consumidos pela empresa na produção de bens industriais, bem como aqueles consumidos também na manutenção de suas instalações. Expresso monetariamente, o custo resulta da multiplicação da quantidade dos fatores de produção utilizados pelos seus respectivos preços”. (Sandroni).
  • 11. Custos - Conceito • Custo Industrial compreende a soma dos gastos com bens e serviços aplicados ou consumidos na produção de outros bens. (Ribeiro, Osni) • Mensuração econômica dos recursos (produtos, serviços, e direitos) adquiridos para a obtenção e a venda dos produtos e serviços da empresa. (Clóvis)
  • 12. Forma Simples •Custo nada mais é que o valor pago por alguma coisa. (popular)
  • 13. Contabilidade de Custos? • É um ramo da Contabilidade aplicado às empresas industriais. (Osni) • É o seguimento da ciência contábil especializado na gestão econômica do custo e dos preços de venda dos produtos e serviços oferecidos pelas empresas. (Clóvis)
  • 14. A contabilidade de Custos •Fornece os dados detalhados sobre os custos que a gestão precisa para controlar as operações atuais e planejar para o futuro.
  • 15. Surgimento • Até 1760, século XVIII, quase só existia a Contabilidade Financeira ou Geral. Desenvolvida na era mercantilista, atendia adequadamente as empresas comerciais. • Transação: COMPRA VENDA LUCRO
  • 16. • Em meados do século XVIII, 1760, com o advento da Revolução Industrial, ocorre o surgimento da Contabilidade de Custos. • Transação: (+) DISPONIBILIZAÇÃO DE RECURSOS(AGREGADO) COMPRA VENDA LUCRO
  • 17. •A Revolução Industrial tendo como marco principal os avanços técnicos e Científicos, caracteriza-se até os tempos de hoje, por pelo menos três fases distintas encadeadas.
  • 18. • 1ª Fase acontece por volta de 1760 - século XVIII na Inglaterra e destaca-se pelos Inventos da máquina à vapor e o tear mecânico. A aplicação do ferro em substituição à madeira, estimula a siderurgia e a implantação de indústria pesada de máquinas. • 2ª Fase, inicia-se à partir de 1870 - século XIX, com a industrialização da França, da Alemanha, da Itália, dos Estados Unidos e do Japão. Ocorre neste período o avanço da tecnologia e a descoberta de novas fontes de energia (eletricidade e petróleo) e produtos químicos, como plástico são desenvolvidos.
  • 19. • 3ª Fase ocorre à partir da década de 50, quando surgem complexos industriais e empresas multinacionais. As indústrias química e eletrônica desenvolvem-se complementados pelos avanços da automação, da informática e da engenharia genética, agora incorporadas ao processo produtivo.
  • 20. •A evolução das três fases da Revolução Industrial, obrigou a Contabilidade de Custos a desenvolver novas técnicas de acompanhamento e controle dos custos.
  • 21. • Na primeira fase da Revolução Industrial, a Contabilidade de Custos preocupou-se fundamentalmente com a apuração dos custos e lucros. Neste período, a mão de obra direta tinha uma participação considerável na composição dos custos. • Na segunda fase, continua a preocupação com a apuração dos custos e lucros, porém já se verificava aí o emprego da mecanização com incorporação de novos elementos de custos nos meios de produção. ~[A mão de obra direta já não é o único elemento de custos que chama atenção.5ç.1,7827
  • 22. • Já na terceira fase, a Contabilidade de Custos se vê obrigada a desenvolver métodos e metodologias para a gestão dos custos, com vista à melhoria nos processos de produção, que assegure um melhor resultado para as organizações.
  • 23. Campo de Aplicação • Empresas industriais. (Forma geral)
  • 24. Definição Legal de Industrialização • Caracteriza industrialização qualquer operação que modifique a natureza, o funcionamento, o acabamento, a apresentação ou a finalidade do produto, ou o aperfeiçoe para consumo. (Art. 4º, DECRETO Nº 7.212, DE 15 DE JUNHO DE 2010).
  • 25. Transformação A que, exercida sobre matéria-prima ou produto industrializado, importe na obtenção de espécie de novo produto (nova espécie); Beneficiado A que importe em modificar, aperfeiçoar ou, de qualquer forma, alterar o funcionamento, a utilização, o acabamento ou aparência do produto; Montagem A que consiste na reunião de produtos, peças ou partes que resulte em novo produto ou unidade autônoma, ainda que sob a mesma classificação fiscal;
  • 26. Acondicionamento ou reacondicionamento A que importe em alterar a apresentação do produto, pela colocação da embalagem, ainda que em substituição da original, salvo quando a embalagem colocada se destine apenas ao transporte da mercadoria; Renovação ou recondicionamento A que, exercida sobre produto usado ou parte remanescente de produto deteriorado ou inutilizado, renove ou restaure o produto para utilização.
  • 28. Terminologia • Gasto: Aquisição de um produto ou serviço qualquer, que gera sacrifício financeiro* para a entidade, representado por entrega ou promessa de entrega de ativos. (Martins Eliseu) • Só existe gasto no ato da passagem para a propriedade da empresa do bem ou serviço, ou seja, no momento em que existe o reconhecimento contábil da dívida assumida ou da redução do ativo dado em pagamento.
  • 29. Terminologia • *Desembolso: Entrega de numerário. • Pode acontecer: • antes; • no momento, ou • depois da ocorrência dos gastos.
  • 30. • Investimento: Gasto ativado em função de sua vida útil ou de benefícios atribuíveis a futuro(s) período(s). • Todos os sacrifícios havidos pela aquisição de bens ou serviços (gastos) que são “estocados” nos Ativos da empresa para baixa ou amortização quando de sua venda, de seu consumo, de seu desaparecimento ou de sua desvalorização são especificamente chamados de investimentos. EX: Matéria-prima (gasto contabilizado temporariamente como investimento circulante) Máquina – (gasto que se transforma num investimento permanente). Terminologia
  • 31. Terminologia • Despesa: Bem ou serviço consumido direta ou indiretamente para a obtenção de receitas. (MARTINS, 2010) • As despesas são itens que reduzem o Patrimônio Líquido e que têm essa característica de representar sacrifícios no processo de obtenção de receitas. (MARTINS, 2010) • Os insumos consumidos para o funcionamento da empresa e não identificados com a fabricação. (BORNIA, 2009)
  • 32. Terminologia • Perda: Bem ou serviço consumidos de forma anormal e involuntária. • Perda Normal: são apropriados aos produtos em elaboração e se constituem em custo de produção. EX: parte do corte de uma madeira. • Perda anormais: são apropriados diretamente ao resultado do exercício. EX: salário dos operários de produção durante o período de greve.
  • 33. Terminologia Custo: É um gasto reconhecido como custo no momento da utilização dos fatores de produção (bens e serviços), para fabricação de um produto ou execução de um serviço. EX: Matéria-prima foi um gasto em sua aquisição que imediatamente se tornou investimento, e assim ficou durante o tempo de sua Estocagem. No momento da utilização na fabricação se tornou custo, um novo investimento já que fica ativado até sua venda.
  • 34. Exercício • Durante o primeiro semestre de 2011, a fábrica de pipocas Milho que Pula Ltda, registrou as transações relatadas a seguir. Com base nas datas, históricos e valores, determine o mês em que foram computados, no custo de produção, os 2.200 kg de milho. Data Valor Histórico 07/05/2011 R$ 800,00 Compra para pagamento em 90 dias de 2.200kg de milho para pipoca. 11/06/2011 R$ 800,00 Setor de produção solicita ao setor de estocagem os 2.200kg de milho de pipoca. 07/08/2011 R$ 800,00 O setor financeiro quita o boleto bancário referente aos 2.200kg de milho
  • 35. Custo pode ser: • Direto – quando for possível identificar a quantidade do elemento de custo aplicada no produto. - Quando a apropriação de um custo ao produto se dá pelo que esse produto consumiu de fato. Quando não é possível identificar a quantidade do elemento de custo aplicado no produto. • Indireto – - Quando a apropriação de um custo ao produto ocorre por rateio. Ex: Conta de um bar.
  • 36. Custo pode ser: • Variáveis – É a classificação que leva em consideração a relação entre o valor total de um custo e o volume de atividade numa unidade de tempo. • Quanto maior a quantidade fabricada, maior seu consumo. • Materiais Diretos são custos variáveis. Ex: O valor global de consumo dos materiais diretos por mês (unidade de tempo) depende diretamente do volume de produção.
  • 37. Custo pode ser: • Custos Fixos – seu valor é independente de aumentos ou diminuições naquele mês do volume elaborado de produtos. • Subclassificar em Repetitivos e Não-repetitivos em valor. • Repetitivos - custos que se repetem em vários períodos seguintes na mesma importância (caso comum do pessoal da chefia da fábrica, das depreciações etc.). • Não-repetitivos - custos que são diferentes em cada período (manutenção, energia etc.).
  • 38. Custo pode ser: • Custos semivariáveis ou semifixos: têm componentes das duas naturezas (fixo e variável). • Ex: A Energia Elétrica possui uma parcela que é fixa e outra variável; • Parcela Fixa aquela independe de volume de produção, e é definida em função do potencial de consumo instalado. • Parcela variável - e esta depende diretamente do consumo efetivo (energia da máquina).
  • 39. Considerações: • Todos os custos podem ser classificados ao mesmo tempo, em: • Fixos ou Variáveis e • Diretos ou Indiretos. • Ex: Matéria-prima é um custo Variável e Direto. Seguro é Fixo e Indireto.
  • 40. Considerações: • Custos variáveis são sempre diretos por natureza, embora possam, às vezes, ser tratados como indiretos por razões de economia.
  • 42. FLUXO DOS CUSTOS E DESPESAS CUSTOS DEPESAS INDIRETOS DIRETOS RATEIO PRODUTO A PRODUTO B PRODUTO C ESTOQUES CUSTO PRODUTOS VENDIDOS RESULTADO VENDAS DESPESAS
  • 43. 1 2 3 4 5 6 7 8 Componentes contábeis ... MD Materiais Diretos Matéria-Prima Embalagem MOD Mão-de-Obra Dir Mensurada e identificada de forma direta CIF Custos Indiretos Custos que não são MD nem MOD Despesas Gastos não associados à produção Custo primário ou direto Custo de transformação Custo total, contábil ou fabril Gastos incorridos ou custo integral
  • 44. Exercício • Alguns dados contábeis e financeiros das Fábricas Sandálias Aladas Ltda. São fornecidos com base nos números apresentados, estime o valor: a) Custo Primário; b) Custo de transformação; c) Custo fabril e d) Custo integral. Conta R$ Materiais requisitados: diretos 8.200,00 Depreciação do parque industrial 1.700,00 Aluguel da fábrica 5.200,00 Aluguel de escritórios administrativos 7.400,00 Materiais requisitados: indiretos 950,00 Depreciações de computadores da diretoria 720,00 Mão-de-obra direta 9.400,00 Seguro da área industrial 2.600,00
  • 45. • CP (Custo Primário) = MD + MOD • CP = 8.200,00 + 9.400,00 • CP = 17.600,00 • CTransf(Custo de transformação) = MOD + CIF • CTransf = 9.400 + (1.700 + 5.200 + 950 + 2.600) • CTransf = 9.400 + 10.450 • CTransf = 19.850,00
  • 46. • CF/ CT (Custo fabril/Custo total) = MD + MOD + CIF • CF/ CT = 8.200 + 9.400 + 10.450 • CF/ CT = 28.050 • CI (Custo integral) = MD + MOD + CIF + D (q não é custo) • CI (Custo integral) = 8.200 + 9.400 + 10.450 + (7.400 + 720) • CI (Custo integral) = 28.050 + 8.120 • CI (Custo integral) = 36.170
  • 47. Despesa pode ser: • Fixas; • Variáveis. • Definidas em função do volume de atividade (o volume de atividade, para essa despesa, são as vendas e não a produção).
  • 48. Despesa pode ser: • Despesas Fixas Ex: Propaganda, salários da administração das vendas, parte fixa da remuneração dos vendedores etc.). Despesas Financeiras Fixas - juros e encargos de empréstimos. • Despesas Variáveis Ex: Comissão de vendedores, despesas de entrega etc. Despesas Financeiras Variáveis - descontos de duplicatas.
  • 49. GRATIDÃO @profrodrigodiasrosa Professor Rodrigo Dias Rosa rodrigodias (79) 9 9878-5578 rodrigo@diasrosa.com.br Fanpage: www.diasrosa.com.br