SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
 A crescente aparição dos jornais populares
começou no ano 2000, para atrair
principalmente os leitores de baixo poder
aquisitivo, com preços acessíveis, linguagem
mais comum, que admitem até gírias e
expressões. Esses veículos possuem um
processo de produção de notícias
diferenciado.
 Democratização da informação;
 Introdução à pratica da leitura;
 Gera proximidade dos leitores.
 Distração por notícias com menor interesse
jornalístico (Banalidades);
 Estimula o público a ser complacente com a
mediocridade e ignorância;
 Tratam os leitores como “menos capazes”
(Crianças);
 Usa mão do emocional para atrair.
 O uso do entretenimento nos jornais marca uma
nova fase do jornalismo. Esse processo
demonstra os reflexos da atual “sociedade do
espetáculo”, além de fazer forte uso da
persuasão para atrair leitores.
 Histórias escabrosas, assuntos policiais
(assassinatos), fofocas, conteúdo esportivo e
erótico (Gata da Hora, por exemplo), presença
de horóscopos e passatempos, além de inserção
sutil da publicidade e manchetes escandalosas
são os pontos principais utilizados por esses
veículos.
 Esses jornais apresentam diferentes linhas
éticas, o que pode causar confusões: Jornalismo
e Entretenimento, dois campos extremamente
diferentes. Enquanto o primeiro deve prezar pela
imparcialidade e seriedade, o segundo permite
uso de fantasia e ficção, e em grande parte das
vezes necessária.
 Outra característica desses veículos é o “assunto
do momento”, como acidentes em coletivos,
acidentes causados por jovens, maioridade penal
e mães que agridem filhos. Além da exploração
de reality shows como fonte de matérias.
 Ana Luisa Vieira
 Ethieny Santana
 Lucas Lima
 Stéphanie Parreira

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Crítica de mídia

Aula 3 declaratorio, dossie e investigativo
Aula 3   declaratorio, dossie e investigativoAula 3   declaratorio, dossie e investigativo
Aula 3 declaratorio, dossie e investigativoEd Marcos
 
Semana 1 - Origens do Jornalismo Policial.pdf
Semana 1 - Origens do Jornalismo Policial.pdfSemana 1 - Origens do Jornalismo Policial.pdf
Semana 1 - Origens do Jornalismo Policial.pdfrdlevoti
 
Jornais e revistas
Jornais e revistasJornais e revistas
Jornais e revistasElzaH
 
JI_A1: O que é jornalismo?
JI_A1: O que é jornalismo?JI_A1: O que é jornalismo?
JI_A1: O que é jornalismo?Joseline Pippi
 
Cp ng3 dr4 power point andreina e helio
Cp ng3 dr4 power point andreina e helio Cp ng3 dr4 power point andreina e helio
Cp ng3 dr4 power point andreina e helio xavelhinha
 
Jornalismo 4.0 - A era dos gamers jornalistas
Jornalismo 4.0 - A era dos gamers jornalistasJornalismo 4.0 - A era dos gamers jornalistas
Jornalismo 4.0 - A era dos gamers jornalistasGeraldo Seabhra
 
Revista pronews 48 - UMA PRA MIM, UMA PRA TU: UM CASO DE SEGMENTAÇÃO
Revista pronews 48 - UMA PRA MIM, UMA PRA TU: UM CASO DE SEGMENTAÇÃORevista pronews 48 - UMA PRA MIM, UMA PRA TU: UM CASO DE SEGMENTAÇÃO
Revista pronews 48 - UMA PRA MIM, UMA PRA TU: UM CASO DE SEGMENTAÇÃOGestão de Comunicação
 
Lorenzo Gomis - jornalismo e negociação entre fontes
Lorenzo Gomis - jornalismo e negociação entre fontesLorenzo Gomis - jornalismo e negociação entre fontes
Lorenzo Gomis - jornalismo e negociação entre fontesGisele Dotto Reginato
 
DE; Lourinopelembe O papel político do jornalismo e as representações de “men...
DE; Lourinopelembe O papel político do jornalismo e as representações de “men...DE; Lourinopelembe O papel político do jornalismo e as representações de “men...
DE; Lourinopelembe O papel político do jornalismo e as representações de “men...Lourino Pelembe
 
Jornais Populares X Quality Papers
Jornais Populares X Quality PapersJornais Populares X Quality Papers
Jornais Populares X Quality PapersArtur Araujo
 
Jorimp aula4 2011-popular_quality
Jorimp aula4 2011-popular_qualityJorimp aula4 2011-popular_quality
Jorimp aula4 2011-popular_qualityArtur Araujo
 
Jorimp aula3 2011-categorias
Jorimp aula3 2011-categoriasJorimp aula3 2011-categorias
Jorimp aula3 2011-categoriasArtur Araujo
 

Semelhante a Crítica de mídia (20)

Artigo erick
Artigo erickArtigo erick
Artigo erick
 
Aula 3 declaratorio, dossie e investigativo
Aula 3   declaratorio, dossie e investigativoAula 3   declaratorio, dossie e investigativo
Aula 3 declaratorio, dossie e investigativo
 
Semana 1 - Origens do Jornalismo Policial.pdf
Semana 1 - Origens do Jornalismo Policial.pdfSemana 1 - Origens do Jornalismo Policial.pdf
Semana 1 - Origens do Jornalismo Policial.pdf
 
Jornais e revistas
Jornais e revistasJornais e revistas
Jornais e revistas
 
JI_A1: O que é jornalismo?
JI_A1: O que é jornalismo?JI_A1: O que é jornalismo?
JI_A1: O que é jornalismo?
 
Pesquisa De IniciaçãO CientíFica
Pesquisa De IniciaçãO CientíFicaPesquisa De IniciaçãO CientíFica
Pesquisa De IniciaçãO CientíFica
 
Cp ng3 dr4
Cp ng3 dr4 Cp ng3 dr4
Cp ng3 dr4
 
Cp ng3 dr4 power point andreina e helio
Cp ng3 dr4 power point andreina e helio Cp ng3 dr4 power point andreina e helio
Cp ng3 dr4 power point andreina e helio
 
História do jornalismo
História do jornalismoHistória do jornalismo
História do jornalismo
 
Jornalismo 4.0 - A era dos gamers jornalistas
Jornalismo 4.0 - A era dos gamers jornalistasJornalismo 4.0 - A era dos gamers jornalistas
Jornalismo 4.0 - A era dos gamers jornalistas
 
Revista pronews 48 - UMA PRA MIM, UMA PRA TU: UM CASO DE SEGMENTAÇÃO
Revista pronews 48 - UMA PRA MIM, UMA PRA TU: UM CASO DE SEGMENTAÇÃORevista pronews 48 - UMA PRA MIM, UMA PRA TU: UM CASO DE SEGMENTAÇÃO
Revista pronews 48 - UMA PRA MIM, UMA PRA TU: UM CASO DE SEGMENTAÇÃO
 
Lorenzo Gomis - jornalismo e negociação entre fontes
Lorenzo Gomis - jornalismo e negociação entre fontesLorenzo Gomis - jornalismo e negociação entre fontes
Lorenzo Gomis - jornalismo e negociação entre fontes
 
Fake News.pdf
Fake News.pdfFake News.pdf
Fake News.pdf
 
Fake News.pdf
Fake News.pdfFake News.pdf
Fake News.pdf
 
Especializadopopular
EspecializadopopularEspecializadopopular
Especializadopopular
 
DE; Lourinopelembe O papel político do jornalismo e as representações de “men...
DE; Lourinopelembe O papel político do jornalismo e as representações de “men...DE; Lourinopelembe O papel político do jornalismo e as representações de “men...
DE; Lourinopelembe O papel político do jornalismo e as representações de “men...
 
Newsgames
NewsgamesNewsgames
Newsgames
 
Jornais Populares X Quality Papers
Jornais Populares X Quality PapersJornais Populares X Quality Papers
Jornais Populares X Quality Papers
 
Jorimp aula4 2011-popular_quality
Jorimp aula4 2011-popular_qualityJorimp aula4 2011-popular_quality
Jorimp aula4 2011-popular_quality
 
Jorimp aula3 2011-categorias
Jorimp aula3 2011-categoriasJorimp aula3 2011-categorias
Jorimp aula3 2011-categorias
 

Mais de Ana Luisa Vieira

O NEW JOURNALISM E O RELATO LITERÁRIO NÃO FICCIONAL DE TRUMAN CAPOTE EM ‘A SA...
O NEW JOURNALISM E O RELATO LITERÁRIO NÃO FICCIONAL DE TRUMAN CAPOTE EM ‘A SA...O NEW JOURNALISM E O RELATO LITERÁRIO NÃO FICCIONAL DE TRUMAN CAPOTE EM ‘A SA...
O NEW JOURNALISM E O RELATO LITERÁRIO NÃO FICCIONAL DE TRUMAN CAPOTE EM ‘A SA...Ana Luisa Vieira
 
Jornalismo e sensacionalismo
Jornalismo e sensacionalismoJornalismo e sensacionalismo
Jornalismo e sensacionalismoAna Luisa Vieira
 
Ana aplicação do código de ética.pdf
Ana aplicação do código de ética.pdfAna aplicação do código de ética.pdf
Ana aplicação do código de ética.pdfAna Luisa Vieira
 
Arquitetura da informação
Arquitetura da informaçãoArquitetura da informação
Arquitetura da informaçãoAna Luisa Vieira
 
Entrevista com Francisco Rezende (Chico Torcedor) - Globo Esporte
Entrevista com Francisco Rezende (Chico Torcedor) - Globo EsporteEntrevista com Francisco Rezende (Chico Torcedor) - Globo Esporte
Entrevista com Francisco Rezende (Chico Torcedor) - Globo EsporteAna Luisa Vieira
 

Mais de Ana Luisa Vieira (10)

All About You
All About You All About You
All About You
 
O NEW JOURNALISM E O RELATO LITERÁRIO NÃO FICCIONAL DE TRUMAN CAPOTE EM ‘A SA...
O NEW JOURNALISM E O RELATO LITERÁRIO NÃO FICCIONAL DE TRUMAN CAPOTE EM ‘A SA...O NEW JOURNALISM E O RELATO LITERÁRIO NÃO FICCIONAL DE TRUMAN CAPOTE EM ‘A SA...
O NEW JOURNALISM E O RELATO LITERÁRIO NÃO FICCIONAL DE TRUMAN CAPOTE EM ‘A SA...
 
Jornalismo e sensacionalismo
Jornalismo e sensacionalismoJornalismo e sensacionalismo
Jornalismo e sensacionalismo
 
Estudo em tcc. 35.doc
Estudo em tcc. 35.docEstudo em tcc. 35.doc
Estudo em tcc. 35.doc
 
Informação Política
Informação PolíticaInformação Política
Informação Política
 
Ana aplicação do código de ética.pdf
Ana aplicação do código de ética.pdfAna aplicação do código de ética.pdf
Ana aplicação do código de ética.pdf
 
Arquitetura da informação
Arquitetura da informaçãoArquitetura da informação
Arquitetura da informação
 
Movimento hippie
Movimento hippieMovimento hippie
Movimento hippie
 
Ana fotojornalismo
Ana fotojornalismoAna fotojornalismo
Ana fotojornalismo
 
Entrevista com Francisco Rezende (Chico Torcedor) - Globo Esporte
Entrevista com Francisco Rezende (Chico Torcedor) - Globo EsporteEntrevista com Francisco Rezende (Chico Torcedor) - Globo Esporte
Entrevista com Francisco Rezende (Chico Torcedor) - Globo Esporte
 

Crítica de mídia

  • 1.
  • 2.  A crescente aparição dos jornais populares começou no ano 2000, para atrair principalmente os leitores de baixo poder aquisitivo, com preços acessíveis, linguagem mais comum, que admitem até gírias e expressões. Esses veículos possuem um processo de produção de notícias diferenciado.
  • 3.  Democratização da informação;  Introdução à pratica da leitura;  Gera proximidade dos leitores.
  • 4.  Distração por notícias com menor interesse jornalístico (Banalidades);  Estimula o público a ser complacente com a mediocridade e ignorância;  Tratam os leitores como “menos capazes” (Crianças);  Usa mão do emocional para atrair.
  • 5.  O uso do entretenimento nos jornais marca uma nova fase do jornalismo. Esse processo demonstra os reflexos da atual “sociedade do espetáculo”, além de fazer forte uso da persuasão para atrair leitores.  Histórias escabrosas, assuntos policiais (assassinatos), fofocas, conteúdo esportivo e erótico (Gata da Hora, por exemplo), presença de horóscopos e passatempos, além de inserção sutil da publicidade e manchetes escandalosas são os pontos principais utilizados por esses veículos.
  • 6.  Esses jornais apresentam diferentes linhas éticas, o que pode causar confusões: Jornalismo e Entretenimento, dois campos extremamente diferentes. Enquanto o primeiro deve prezar pela imparcialidade e seriedade, o segundo permite uso de fantasia e ficção, e em grande parte das vezes necessária.  Outra característica desses veículos é o “assunto do momento”, como acidentes em coletivos, acidentes causados por jovens, maioridade penal e mães que agridem filhos. Além da exploração de reality shows como fonte de matérias.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.  Ana Luisa Vieira  Ethieny Santana  Lucas Lima  Stéphanie Parreira