SlideShare uma empresa Scribd logo
523 Rev Bras Epidemiol
2009; 12(4): 523-32
Caracterização epidemiológica
dos casos de varicela em
pacientes internados em um
hospital universitário da cidade
do Recife
Epidemiological characterization
of varicella cases in patients of a
university hospital located in Recife
Karina Siqueira dos AnjosI
Marília Monteiro Emídio FerreiraII
Maria do Céu ArrudaIII
Karla da Silva RamosIV
Ana Paula Regazzi MagalhãesV
I
Programa de Pós-Graduação em Enfermagem Cirúrgica do Instituto Materno-
Infantil Professor Fernando Figueira, Recife, PE.
II
Unidade de Saúde da Família do Bonfim I da Prefeitura de Igarassu, PE.
III
Departamento de Epidemiologia da Fundação de Ensino Superior de Olinda,
PE.
IV
Departamento de Saúde Materno-Infantil da Faculdade Pernambucana de
Saúde-Enfermagem; Instituto Materno Infantil Professor Fernando Figueira,
Recife, PE.
V
Núcleo de Epidemiologia do Hospital Universitário Oswaldo Cruz de
Pernambuco.
Correspondência: Karina Siqueira dos Anjos. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem Ci-
rúrgica, Instituto Materno-Infantil Professor Fernando Figueira. Rua Augusto Carlos Brandão,
98, apt 305, Bloco Napolis, Cond Reserva do coliseu – Centro - Petrolina CEP:56304110. E-mail:
Karina_anjos@ig.com.br
Considerações éticas: Esta pesquisa foi submetida e aprovada pelo Comitê de Ética e Pesquisa
do Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros e Universidade de Pernambuco (CISAM/UPE)
– processo n° 106/05.
Resumo
A varicela é uma doença cosmopolita, com
contagiosidade extremamente acentuada,
causada pelo vírus Varicela – Zoster. Em-
bora considerada uma doença benigna da
infância, atualmente tem-se demonstrado
uma crescente incidência de complicações
severas com um alto potencial de morbi-
mortalidade em crianças e adultos pre-
viamente saudáveis. O trabalho tem como
objetivocaracterizaroperfilepidemiológico
dos casos de varicela em pacientes interna-
dos em um hospital universitário da cidade
do Recife. Trata-se de um estudo do tipo
descritivo-exploratório com abordagem
quantitativa, realizado no período de janei-
ro de 2004 a janeiro de 2005 em pacientes
internados por varicela no Hospital Univer-
sitário Oswaldo Cruz da cidade do Recife.
Observou-se que, do total de 255 pacientes
internados por varicela, 53% eram do sexo
masculino; 77,3% dos casos apresentaram
como complicação predominante as in-
fecções bacterianas secundárias da pele,
sendo a celulite a mais freqüente, em 48,1%
dos casos; verificou-se que 2% evoluíram a
óbito; constatou-se na análise dos custos e
benefícios que ocorreria uma economia de
R$61.710,00seapopulaçãoemestudofosse
vacinada. A pesquisa apresenta dados que
fundamentam a importância da redução no
número de casos da doença, tendo em vista
que existe a possibilidade de uma evolução
não satisfatória e, inclusive, evolução ao
óbito. Nesse sentido, esses achados poderão
nortear os gestores de saúde na adoção de
condutas preventivas e no planejamento
das ações de saúde.
Palavras-chaves:Caracterização epidemio-
lógica. Varicela. Complicações.
524
Rev Bras Epidemiol
2009; 12(4): 523-32
Caracterização epidemiológica dos casos de varicela em pacientes internados em um hospital universitário da cidade do Recife
Anjos,K.S.et al.
Abstract
Varicella is an extremely contagious cosmo-
politan disease. It is caused by theVaricella-
Zoster Virus1
. Although it is not considered
harmfulinchildhood,ithascurrentlyshown
a rising incidence in several complications
with a high mortality potential in previously
healthy children and adults. The present
work had as objective to characterize the
epidemiological profile of varicella cases in
patients of a university hospital located in
Recife. It is a descriptive-exploratory study
with a quantitative approach, performed
from January 2004 to January of 2005, with
patients admitted with varicella in a univer-
sity hospital, Oswaldo Cruz, in Recife. Out
of a total of 225 patients hospitalized with
varicella, 53% were male; in 77.3% of cases,
secondary bacterial infections were iden-
tified as the main complication, of which
cellulites was the most frequent with 62.2%
of cases; patients evolved to cure, albeit 2%
of cases led to death.The cost-effectiveness
study proved that R$ 61,710 would be saved
ifthestudypopulationhadbeenvaccinated.
Data shown in this research bring on the
rationale of the importance of reduction in
the number of cases of the disease, because
thereisapossibilityofanon-satisfactorycli-
nical course leading to death. In this sense,
findings may lead managers to adopt pre-
ventive measures and plan health actions.
Keyswords: Characterize Epidemiological.
Varicella. Complications.
Introdução
A varicela é uma doença infecciosa
aguda, altamente transmissível, causada
pelo vírus varicela-zoster (VVZ). É carac-
teristicamente uma doença da infância,
de alta morbidade, baixa mortalidade e de
distribuição universal1
.
Com base nos dados do National Health
Interview Survey (NHIS) de 1980–1990, as
estatísticas dos Estados Unidos sugerem
que ocorreram cerca de quatro milhões de
casos por ano nesse país, e 80% incidiram
em crianças menores de 10 anos de idade,
principalmente no inverno e na prima-
vera. A taxa média de letalidade foi de 6,7
mortes/10.000 casos, predominando nos
grupos etários menores de 5 anos e maiores
de 20 anos. Embora a varicela seja habitu-
almente considerada como uma doença
benigna, é importante ressaltar que cerca
de 90 crianças morriam todos os anos por
varicela e suas complicações nos Estados
Unidos, o que a transformava na doença
imunoprevenível que mais matava crianças
naquele país2-4
.
No Brasil, a varicela não é uma doença
de notificação compulsória e os estudos no
país são limitados5
, porém os surtos decor-
rentesdesseagravoemcreches,pré-escolas,
escolas e comunidades em geral devem ser
notificados no Sistema de Informação de
Agravos Notificáveis (SINAN). No ano de
2003 foram notificados quase 60.000 casos
de varicela no Estado de São Paulo, com um
total de 60 óbitos6
.
Segundo o Comitê de Infectologia da
Sociedade de Pediatria do Estado do Rio
de Janeiro, a varicela é uma doença grave,
passível de prevenção através de imuniza-
ção, e que, além de acarretar custos diretos
(internaçõeseusodemedicamentos)eindi-
retos(faltasnaescola),apresentaumgrande
potencial de morbidade e mortalidade7
.
A varicela é uma doença que sofreu
uma profunda mudança de imagem. Con-
siderada anos atrás uma doença benigna
da infância, incômodo pelo qual todas as
crianças deveriam passariam mais cedo
ou mais tarde, hoje é vista como um sério
525 Rev Bras Epidemiol
2009; 12(4): 523-32
Caracterização epidemiológica dos casos de varicela em pacientes internados em um hospital universitário da cidade do Recife
Anjos,K.S.et al.
problema que pode levar a complicações
graves e até causar óbito8
.
O fundamento da opção pelo tema re-
side em caracterizar o perfil dos pacientes
internados por varicela e identificar a rela-
ção entre tratamento e vacinação em um
hospital universitário da cidade do Recife,
subsidiando meios para a sua prevenção,
tendo em vista que existem poucos estu-
dos nessa perspectiva, em Pernambuco e
no Brasil.
Metodologia
Trata-se de um estudo do tipo descriti-
vo-exploratório, com abordagem quantita-
tiva,realizadonoperíododemaioaoutubro
de 2005, no Hospital Universitário Oswaldo
Cruz (HUOC). O hospital está localizado no
Recife, capital do Estado de Pernambuco,
Brasil,comtradiçãonoensinouniversitário,
sendo referência do Norte e Nordeste em
Doenças Infecciosas e Parasitárias (DIP) e
Centro de Referência de Imunobiológicos
Especiais (CRIE), e também oferece uma
unidade de cuidados intensivos, hospital-
dia para HIV e urgência 24horas.
O universo constituiu–se de 255 casos,
que correspondem a 100% dos pacientes
internados por varicela durante o perío-
do de janeiro de 2004 a janeiro de 2005.
As informações foram obtidas através do
levantamento dos casos notificados pelo
Sistema de Informação de Agravos de No-
tificação (SINAN), versão 5.1 do núcleo de
Vigilância Epidemiológica; e na busca ativa
emprontuáriosdospacientesinternadosno
DIP do HUOC, Recife – PE.
Análise estatística
Os dados foram analisados de forma
descritiva-exploratória, utilizando-se a fre-
qüência absoluta e relativa, sendo demons-
trados em forma de gráficos e tabelas, com
alicerce na literatura. Realizou-se a análise
estatística no programa Microsoft Office
Excel 2003. Para avaliar a associação entre as
variáveis foi utilizado o teste Qui-quadrado,
com uma confiança de 95%. As variáveis
estudadas foram: sexo, faixa etária, proce-
dência, complicações (definem-se como
todo conjunto de sintomas ou de lesões que
se adicionam aos de uma doença existente
e que surgem após estes últimos)9
, evolução
(cura/óbito), tempo de internação, relação
entre o tratamento e vacinação.
Resultados
A Tabela 1 apresenta uma descrição de-
talhada da distribuição por idade e sexo. Em
total de 255 casos internados por varicela,
observou-se que o sexo masculino corres-
pondeu a 53% em relação ao sexo feminino
com 47%, o que não implica diferença esta-
tisticamente significativa p = 0,546. O grupo
etário com o maior percentual foi o de 1 a 4
anos (42,4%), seguido da faixa etária de 5 a 9
anos (22,7%), e de menores de 1 ano (20%),
perfazendo um total de 94,5% em menores
de15anos,apresentandoummenorpercen-
tualnafaixaetáriade15anosoumais(5,5%).
Observa-se na Figura 1 que na faixa
etária de 1 a 4 anos 49,3% dos casos apre-
sentaram complicações.
Em relação às complicações por vari-
cela distribuídas por sistemas, na Tabela
2 observou-se que, dos 255 pacientes, 154
(60,4%) apresentaram complicações decor-
rentes da doença. Uma maior proporção
por complicações dermatológicas foi re-
presentada por 119 casos (77,3%), sendo a
celulite a complicação mais predominante
(48,1%);emseguida,asdoençasdoaparelho
respiratório, que constituíram a segunda
complicação mais freqüente. 4 casos (2,6%)
evoluíram para septicemia referentes a ou-
tras complicações.
Salienta-se que, no período de estudo,
algumas complicações evoluíram para óbi-
to. Dentre elas temos encefalite associada à
pneumonia, pneumonia, varicela hemorrá-
gica associada à septicemia, septicemia, e
paciente imunodeprimido, perfazendo-se
um total de 5 óbitos no período estudado.
Houve a presença de 1 caso (0,8%) com
fasceíte necrozante, tendo lesão extensa em
coxa direita, o qual foi submetido a cirurgia
plástica para a realização de enxerto.
526
Rev Bras Epidemiol
2009; 12(4): 523-32
Caracterização epidemiológica dos casos de varicela em pacientes internados em um hospital universitário da cidade do Recife
Anjos,K.S.et al.
No presente estudo, verificou-se que
112 (99,1%) casos evoluíram para cura e
foram procedentes do Recife, seguido da
Região Metropolitana com 87 (98,9%).
Foram observados 5 casos de óbitos (2,0%)
nas seguintes faixas etárias: 1ano, 4 anos, 7
anos, 13 anos, e 55 anos, e entre eles 3 (5,5%)
foram provenientes do interior. Acredita-se
que os casos muito graves do interior foram
encaminhados para internação na capital.
Quanto ao tempo de internação devido
à varicela, constatou-se na Figura 2 uma
maior freqüência de hospitalizações no
períodode1a5dias56,4%.Aduraçãomédia
da hospitalização foi de 7,5 (1 a 50) dias.
No estudo, observou-se que o valor do
tratamento foi de R$ 67.830,00, enquanto
que se essa mesma população recebesse
a vacinação, os custos talvez seriam de R$
6.120,00 reais, considerando-se que o preço
de1dosedavacinaparaaredepúblicacusta
cerca de R$ 24,00 reais para o Sistema de
Tabela 1 - Distribuição dos casos internados por varicela segundo sexo e faixa etária. Recife - PE,
2004 a janeiro de 2005.
Table 1 - Distribution of cases hospitalized due to varicella according to sex and age. Recife - PE,
January 2004 to January 2005.
Faixa etária
(anos)
Sexo
Total %Feminino Masculino
N % N %
<1 24 20,0 27 20,0 51 20,0
1 |– 4 57 47,5 51 37,7 108 42,4
5 |– 9 23 19,2 35 26,0 58 22,7
10 |– 14 10 8,3 14 10,3 24 9,4
15 ou + 6 5,0 8 6,0 14 5,5
Total 120 47 135 53 255 100
Fonte/Source:Sistemas de Informação de Agravos de Notificação (SINAN),Núcleo de Epidemiologia.p = 0,546
Fonte/Source:Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN),Núcleo de Epidemiologia.
Figura 1 - Distribuição dos casos internados por varicela segundo faixa etária e presença de
complicações. Recife - PE, 2004 a janeiro 2005.
Figure 1 – Distribution of cases hospitalized due to varicella according to age group and presence of
complications. Recife - PE, January 2004 to January 2005.
527 Rev Bras Epidemiol
2009; 12(4): 523-32
Caracterização epidemiológica dos casos de varicela em pacientes internados em um hospital universitário da cidade do Recife
Anjos,K.S.et al.
Tabela 2 - Percentual de ocorrência das complicações identificadas entre os pacientes internados por varicela. Recife -
PE, 2004 a janeiro 2005.
Table 2 – Percentage of complications identified among patients hospitalized due to varicella. Recife - PE, January 2004 to
January 2005.
Complicações N % Subclassificações N %
Dermatológicas (Infecção bacteriana
secundária da pele)
119 77,3
Celulite 74 48,1
Impetigo 23 15,0
Abscesso 13 8,5
Gangrena 4 2,6
Erisipela 2 1,3
Escarlatina 2 1,3
Fasceíte Necrozante 1 0,6
Respiratórias 11 7,1
Pneumonia 10 6,5
Pneumonite 1 0,6
Renais 8 5,2 Glomerulonefrite 8 5,2
Sistema Nervoso 6 3,9
Encefalite 5 3,3
Cerebelite 1 0,6
Hematológicas 2 1,3
Púrpura Trombocitopênica 1 0,6
Varicela Hemorrágica 1 0,6
Outras 8 5,2
Septicemia 4 2,6
Conjuntivite 3 2,0
Artrite 1 0,6
Total 154 100   154 100
Fonte/Source:Sistemas de Informação de Agravos de Notificação (SINAN),Núcleo de Epidemiologia.
Variável Excludente/Excluding Variable
Fonte/Source:Sistemas de Informação de Agravos de Notificação (SINAN),Núcleo de Epidemiologia.
Figura 2 - Distribuição dos casos internados por varicela segundo tempo de internamento.
Recife - PE, 2004 a janeiro 2005.
Figure 2 – Distribution of cases hospitalized due to varicella according to length of hospitalization.
Recife - PE, January 2004 to January 2005.
528
Rev Bras Epidemiol
2009; 12(4): 523-32
Caracterização epidemiológica dos casos de varicela em pacientes internados em um hospital universitário da cidade do Recife
Anjos,K.S.et al.
Informação de Estoque e Distribuição de
Imunobiológicos da Central de Frio da Se-
cretaria de Saúde Estadual de Pernambuco
(PNI). De acordo com o setor de Contas
Médicas do hospital em estudo, através da
Tabela Unificada – DATA SUS – Sistema de
GerenciamentodaTabeladeProcedimentos
do SUS, para cada paciente com varicela o
hospital tem um custo inicial de R$ 266,00
reais, considerando a varicela como trata-
mento de estafilococcias no sistema, tendo
em vista que ela não consta com essa deno-
minação na AIH. Salienta-se que esse valor
não cobre se o paciente apresentar outras
doenças ao decorrer do tratamento, sendo
acrescido ao final do faturamento.
Discussão
Neste estudo, observou-se uma maior
prevalência nos acometidos porvaricelaen-
tre o sexo masculino, com 53%, em relação
ao sexo feminino, com 47% (p = 0,546). Em
estudo semelhante realizado em 4 cidades
brasileiras em 1996-1997, a maior prevalên-
cia da doença ocorreu no sexo feminino10
.
No entanto, outros estudos11
afirmam que
indivíduosdeambosossexossãoigualmen-
te infectados.
O maior número de pacientes com vari-
cela ocorreu em pré-escolares e escolares, e
maisde90%doscasosocorrememmenores
de 15 anos de idade11,12
. Isso corrobora os
dados encontrados neste estudo, onde a
faixa etária de menores de 15 anos repre-
sentou 94,5%.
Observou-se, no estudo, que o grupo
de 1 a 4 anos apresentou-se como a faixa
etária mais acometida pela doença, sendo
esperado maior número absoluto de com-
plicações (49,3%). Nessa faixa etária de 1 a 4
anos, possivelmente o sistema imunológico
ainda está em desenvolvimento e existe um
risco maior de complicações13
.
Neste estudo, 60,4% dos casos foram
acometidos de complicações, sendo a
maioria crianças previamente saudáveis.
As infecções bacterianas secundárias da
pele constituíram a complicação mais
comum da varicela, correspondendo a
77,3%, causando extensas perdas teciduais
que, muitas vezes, necessitavam de enxer-
tos (0,6%), dados confirmados em outras
literaturas14,15
. Outro estudo afirma que a
complicação mais freqüente da varicela
é a infecção secundária da pele, causada
por Staphlococcus aureus e Streptococcus
pyogenes, que incluem impetigo, furúnculo,
abscesso,erisipelaecelulite,sendoestaúlti-
ma a mais freqüente11,12
. Nas complicações
mais graves, podem ocorrer septicemia,
gangrena e fasceíte necrozante2
. A falta de
hábitos de higiene e saneamento básico
também influenciam a presença de compli-
cações, principalmente quando se refere às
infecções bacterianas secundárias da pele13
.
O estudo atual apresentou 7,1% das
doenças respiratórias, sendo predominan-
te a pneumonia com 6,49%. A pneumonia
pós-varicela é a complicação mais grave
Tabela 3 - Distribuição dos casos internados por varicela segundo evolução clínica e
procedência. Recife - PE, 2004 a janeiro 2005.
Table 3 - Distribution of cases hospitalized due to varicella according to clinical course and origin.
Recife - PE, January 2004 to January 2005.
Procedência
Evolução Clínica
Total %Cura Óbito
N % N %
Recife 112 99,1 1 0,9 113 44,3
Região Metropolitana 87 98,9 1 1,1 88 34,5
Interior 51 94,4 3 5,5 54 21,2
Total 250 98 5 2,0 255 100
Fonte/Source:Sistemas de Informação de Agravos de Notificação (SINAN),Núcleo de Epidemiologia.
529 Rev Bras Epidemiol
2009; 12(4): 523-32
Caracterização epidemiológica dos casos de varicela em pacientes internados em um hospital universitário da cidade do Recife
Anjos,K.S.et al.
do aparelho respiratório e ocorre mais co-
mumente em adultos (até 20% dos casos) e
imunodeprimidos.14,15
Em relação às complicações do sistema
nervoso apresentaram-se, no estudo, 6 ca-
sos (3,39%), dentre eles 5 casos de encefali-
tes,podendosedesenvolverantesoudepois
da doença16
. Dados dos EUA relataram a
ocorrência de encefalopatia por varicela
com 3,9/10.000 casos e uma letalidade
média de 18,7%, o que representou 10% de
todos os óbitos. A encefalite14,15
é uma das
complicações mais grave da varicela e a taxa
de mortalidade varia entre 5 a 35%2
.
As complicações hematológicas en-
contradas foram 2 casos (1,3%) de púrpura
trombocitopênica e varicela hemorrágica;
incluem-se também em outros estudos a
púrpurafulminante,epistaxe,gengivorragia
e petéquias12,16
. A artrite, glomerulonefrite
e púrpura trombocitopênica são compli-
cações raras1
.
Aspectos importantes a serem discu-
tidos referem-se à condição clínica do
paciente na evolução negativa da doença.
A literatura relata11
que, em imunodepri-
midos, a varicela é freqüentemente grave,
tendo forma progressiva, disseminada e he-
morrágica, podendo ser fatal. Em pacientes
infectados pelo Vírus da Imunodeficiência
Humana (HIV), ela pode ser mais agressiva,
apresentando quadros disseminados e com
envolvimento mais comum do sistema ner-
voso central e ocular17
.
Tendo em vista o aumento de complica-
ções da varicela com o aumento da idade, os
dadosdesteestudocompreendemtambém,
de forma consistente, a importância dada
à imunização de indivíduos susceptíveis a
varicela e que têm um contato íntimo com
pessoas com maior probabilidade de com-
plicações graves da doença (tais como pro-
fissionais de saúde, contato com domicilia-
res imunodeprimidos) e, também, daqueles
commaiorexposição,alémdemulheresnão
grávidas em idade fértil. Ressalta-se, neste
estudo, que 5,5% dos pacientes correspon-
dem a faixa etária de 15 anos ou mais. Há
estudos que revelam que cerca de 25% dos
óbitos por varicela ocorrem em adultos, e a
chance de levar a morte em pacientes com
mais de 20 anos de idade é 25 vezes maior
do que em crianças, tendo em vista que o
adulto se comporta como um imunodepri-
mido, não sendo capaz de produzir uma
resposta imune celular adequada ao VVZ1
.
No Estado de São Paulo, em 2003, foram
registrados 60 óbitos associados à varicela e
suas complicações, sendo 85% em crianças
menores de 5 anos. Desde 2003, a Secretaria
de Saúde do Estado de São Paulo preconi-
za a vacinação em creches como uma das
medidas de controle dessa doença, tendo
em vista que a taxa de complicações e
mortalidade é mais elevada nas crianças
que frequentam estes estabelecimentos18,19
.
Nopresenteestudo,verificou-seque112
(99,1%)evoluíramparacuraesãoproceden-
tes do Recife, seguido da Região Metropo-
litana com 87 (98,9%), porém cinco óbitos
(2,0%), entre eles 3 (5,5%) provenientes do
interior (vale salientar que geralmente os
casos graves do interior procuram inter-
nação na capital). Um estudo realizado no
HUOCentre1998a2003observouummaior
número de casos de complicações proce-
dentes do Recife (43,6%), seguida da Região
Metropolitana (39,4%) e interior (16,8%)13
.
A alta densidade demográfica tem sido
apontada como um dos principais fatores
para a aquisição da infecção5
. A ocorrência
de varicela tende a ser menor em áreas ru-
rais,resultandoemumamaiorproporçãode
adultos que não tiveram a doença na infân-
cia (susceptíveis), sendo particularmente
preocupante a possibilidade de que esses
indivíduos adquiriram essa doença (com
maior risco de formas graves nessa faixa
etária) ao imigrarem para áreas urbanas2
.
Em um estudo retrospectivo realizado
em crianças internadas por varicela no
Hospital Del Niño de Panamá, de janeiro
de 1991 a dezembro de 2000, a duração
média da hospitalização foi de 8,9 (1 a 27)
dias13
. Em um estudo realizado nos EUA
entre 1988 a 1995, antes da introdução da
vacina contra a varicela, registrou-se uma
média de duração da internação de 5,4 dias,
correspondendoaaproximadamente57.000
dias de hospitalização por ano20
.
530
Rev Bras Epidemiol
2009; 12(4): 523-32
Caracterização epidemiológica dos casos de varicela em pacientes internados em um hospital universitário da cidade do Recife
Anjos,K.S.et al.
Entre os principais resultados deste es-
tudo, ressalta-se que os gastos e a represen-
tação da vacina na economia têm sido estu-
dados sobre o prisma da análise econômica
em diferentes países, e foi constatado que
na análise dos custos e benefícios poderia
ocorrer uma econômia de R$ 31.110,00 se a
população em estudo fosse vacinada. Vale
salientar que este estudo apresenta poucos
recursos para uma analise econômica. ���Es-
tudo semelhante no Uruguai revelou que
o custo anual com a vacinação atinge US$
822.500,00, ao passo que os custos diretos
da doença atingem US$ 2.332.000,00. A
prevenção da varicela implica em uma
economia de US$ 1.509.500,0021
. Outro es-
tudo realizado no Centro Hospitalar Pereira
Rossell,noUruguai,mostraclaramenteuma
redução no número de hospitalizações por
varicela depois da introdução da vacina,
isto é, no período de 1997 a 1999, o que
correspondeu a 233 casos, comparados a
119 casos no intervalo de 2000 a 2002, após
a implementação da vacina22
.
A utilização da vacina contra a varicela
ainda é limitada no Brasil. Acredita-se que
isto ocorra por duas razões: primeiro, por-
que a varicela é muitas vezes vista como
uma doença benigna19
; em segundo lugar,
porqueoscustosdavacinasãodispendiosos
para o país.
Os países que adotaram a vacinação
sistemática das crianças contra a varicela
obtiveram uma queda significativa do nú-
mero de casos e óbitos. Nos EUA, durante
os 5 anos anteriores à introdução da vacina,
ocorriam por ano aproximadamente 11
mil hospitalizações e cerca de 100 óbitos
devido à varicela2
. Outros estudos23,24
têm
demonstrado que a vacina contra a varicela
é altamente eficaz.
No que se refere ao Brasil, há poucos
estudos sobre a situação epidemiológica,
o que dificulta as análises econômicas. De
acordo com a Secretária de Vigilância em
Saúde do Ministério da Saúde, o motivo
para a não inclusão da vacina no PNI é o alto
custo da dose da vacina, que custa cerca de
RS 24,00 reais para a rede pública10
.
Ainda que na maioria dos casos não
apresentecomplicações,avaricelaapresen-
ta um custo social e econômico, e mesmo se
considerando as crianças previamente sau-
dáveis,essescustosincluemdespesasmédi-
cas, tais como consultas, uso de terapêutica
sintomática ou antiviral, hospitalizações
devido a complicações e, principalmente, o
ônusfinanceirorelacionadoaoabsenteísmo
dos pais no trabalho e das crianças que ne-
cessitam ser afastadas da escola ou da cre-
che. Dados da vigilância de áreas sentinelas
mostram que, desde 1995, com a liberação
da vacina ocorreu uma redução de casos da
doença (em torno de 90%) e da mortalidade
(cerca de 66%). A maior queda ocorreu no
grupo alvo primário da vacinação, crianças
de 1 a 4 anos de idade6,25,26
.
Segundo o Boletim Informativo do Nú-
cleo de Epidemiologia do HUOC (2004), a
varicela não é de notificação compulsória,
mas em decorrência da situação da doença
apresentada na reunião das Doenças Res-
piratórias Agudas em Brasília, em outubro
de 2003, e do grande número de complica-
ções observadas em pacientes internados,
esse agravo passou a fazer parte dos DNCs
(Doenças de Notificação Compulsória) no
HUOC e em outras unidades de saúde, a
partir de janeiro de 200427
.
A vacina contra a varicela não faz parte
do PNI, estando disponível na rede particu-
lar e gratuitamente nos CRIES em situações
especiais28
. A vacina é recomendada pela
Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e
pela Sociedade Brasileira de Imunizações
(SBIm) para todas as pessoas não imunes
com mais de 1 ano de idade.
Constatou-se na pesquisa que crianças
previamente saudáveis foram acometidas
por uma patologia considerada “benigna”
da infância e obtiveram uma evolução
não satisfatória, como complicações e in-
clusive óbitos. Verificou-se no estudo que
talvez pudesse ocorrer uma economia de
R$ 61.710 reais se a população em questão
fosse vacinada, porém não foram analisa-
dos os custos indiretos (faltas ao trabalho
e à escola) sendo que as despesas com a
doença estão bem acima. Recomenda–se
fomentar o incentivo de pesquisas científi-
531 Rev Bras Epidemiol
2009; 12(4): 523-32
Caracterização epidemiológica dos casos de varicela em pacientes internados em um hospital universitário da cidade do Recife
Anjos,K.S.et al.
cas no sentido de avaliar o custo-benefício
do uso da vacinação, assim como a inserção
da varicela como doença de notificação
compulsória, ainda que neste estudo não se
permita uma análise econômica, para que
todasasunidadesfederativasimplementem
ainvestigaçãoepidemiológicanapopulação
brasileira e a inclusão da vacina contra a
varicela no PNI, visto que a doença pode
apresentar um número de complicações
importantes e óbitos.
Referências
1.	 Tonelli E, Freire LMS. Doenças infecciosas na infância e
adolescência. São Paulo: MEDSI; 2000.
2.	 Veronesi R, Focaccia R. Tratado de infectologia. São
Paulo: Atheneu; 2002.
3.	 Centers for Disease Control and Prevention. Prevention
of varicella. Recommendations of the Advisory
Commitee on Immunization Practices (ACIP). MMWR
1996; 45: 1-25. Disponível em http://www.cdc.gov
[Acessado em 13 de dezembro de 2007]
4.	 Marin M, et al. Centers for Disease Control and
Prevention. Prevention of varicella. Recommendations
of the Advisory Commitee on Immunization Practices
(ACIP). MMWR 2007; 56: 1-40. Disponível em http://
www.cdc.gov [Acessado em 13 de dezembro de 2007]
5.	 Reis AD, Pannuti CS, Souza VAUF. Prevalência de
anticorpos para o vírus da varicela-zoster em adultos
jovens de diferentes regiões climáticas brasileiras. Rev
Soc Bras Med Trop 2003; 36(3): 317-20.
6.	 Secretária de Estado da Saúde. Centro de Vigilância
Epidemiológica “Alexandre Vranjac”. Surto de varicela
em creches e escolas da Direção Regional de Saúde XXII,
junho de 2005. Rev Saúde Pública 2005; 9(4): 687-90.
7.	 Comitê de Infectologia da Sociedade de Pediatria do
Estado do Rio de Janeiro. Varicela. 2003. Disponível em
http://www.soperj.org.br [Acessado em 25 de maio de
2005]
8.	 Secretária de Estado da Saúde. Centro de Vigilância
Epidemiológica “Alexandre Vranjac”. Divisão de Doenças
Respiratórias e Divisão de Zoonoses. Varicela, difteria
e febre maculosa brasileira: aspectos epidemiológicos
no Estado de São Paulo. Rev Saúde Pública 2003; 37(6)
Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script
=aci_arttext&pid=. [Acessado em 25 de janeiro de 2005]
9.	 Dicionário Médico ANDREI. L. Manuila, A. Manuila,
M. Nicoulin (7ª ed.). Copyright da Edição Brasileira.
Organização Andrei Editora; 1997.
10.	 Clemens AS, Azevedo T, Fonseca JC, Silva AMC, Silveira
TR, Clemens R. Soroepidemiologia da varicela no Brasil
– resultados de um estudo prospectivo transversal.
Jornal de Pediatria da Sociedade Brasileira de Pediatria.
Porto Alegre 1999; 75(6): 433-41.
11.	 Ministério da Saúde. Secretária de Políticas de Saúde.
Departamento de Atenção Básica. Dermatologia na
atenção básica de saúde. Caderno nº 9. 2002. Disponível
em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/
guiafinal9.pdf [Acessado em 10 de agosto de 2007]
12.	 Hinrichsen SL. Doenças infecciosas e parasitárias.
MEDSI 2005; 183: 53-55.
13.	 Informe Varicela 2006. Como evitar os prejuízos de uma
doença aparentemente benigna. Sociedade Brasileira de
Imunizações. Ano I N. 5 Setembro 2006. Disponível em
http://www.sbim.org.br/ [Acessado em 10 de agosto de
2007]
14.	 Centers for Disease Control and Prevention. Prevention
of varicella - Update recommendations of the Advisory
Committee on Immunization Practices (ACIP). MMWR
1999; 48: 1-5. Disponível em http:www.cdc.gov [10 de
agosto de 2007]
15.	 Marticelli R, Bricks LF. Varicella zoster in children
attending day care centers. Clinics 2006; 61: 147-52.
16.	 Cecil RL, et al. Tratado de medicina interna. São Paulo:
Guanabara Koogan 2001; 383: 2016-8.
17.	 Azulay RD, Azulay DR. Dermatologia (ed. Azulay &
Azulay). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan 2004; 16:
183-4.
18.	 Yu ALF, Costa JM, Amaku M, Pannuti CS, Souza VA,
Zanetta DM. Three year seroepidemiological study of
varicella-zoster virus in São Paulo Brazil. Rev Inst Med
Trop 2000; 42: 125-8.
19.	 Secretária de Estado da Saúde. Centro de Vigilância
Epidemiológica“Alexandre Vranjac”. Divisão de Doenças
Respiratórias. Informe técnico vacina contra a varicela.
Elaborado em agosto de 2004. Disponível em http://
www.cve.saude.sp.gov.br/html/cve_varicela.htm
[Acessado em 17 de outubro de 2005]
20.	 Galil et al. Hospitalizations for varicella in the United
States, 1988 to 1999. Ped Infect Dis J 2002; 21(10): 931-4.
21.	 Law B, Macdonald N, Halperin S, Scheifele D, Dery P,
Jadavji T et al. The Immunization Monitoring Program
Active (IMPACT) prospective five year study of Canadian
children hospitalized for chickenpox or an associated
complication. Ped Infect Dis J 2000; 19: 1053-9.
22.	 Experiência bem-sucedida: programa de imunização do
Uruguai. Revista Vacinação 2004; 9(4).
532
Rev Bras Epidemiol
2009; 12(4): 523-32
Caracterização epidemiológica dos casos de varicela em pacientes internados em um hospital universitário da cidade do Recife
Anjos,K.S.et al.
23.	 Marietta V. Varicella zoster virus infections in children
after the introduction of live attenuated varicella
vaccine. Cur Opin Ped 2004; 16(1): 80-4.
24.	 Seward JF, et al. Varicella Disease After Introduction of
Varicella Vaccine in the United States, 1995-2000. J Am
Med Assoc 2002; 287(5): 606-11.
25.	 Vasquez & Shapiro. Decline in mortality due to varicella
after implementation of varicella vaccination in the
United States. N Engl J Med 2005; 352(5): 450-8.
26.	 Nguyen et al. Varicella vaccine and infection with
varicella-zoster virus. N Engl J Med 2005; 352(5): 439-40.
27.	 Boletim Informativo do Núcleo de Epidemiologia do
Hospital Universitário Oswaldo Cruz – NEHUOC 2004;
20(1).
28.	 Paraíba. Vacina contra varicela. Disponível em http://
www.saude.pb.gov.br/ [Acessado em 4 de novembro de
2005].
Recebido em: 04/03/08
Versão final reapresentada em: 26/04/09
Aprovado em: 05/10/09

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Microbiologia trabalho final
Microbiologia   trabalho finalMicrobiologia   trabalho final
Microbiologia trabalho final
Marina Sousa
 
Marcadores sorológicos de hepatite b em indivíduos submetidos a exames de san...
Marcadores sorológicos de hepatite b em indivíduos submetidos a exames de san...Marcadores sorológicos de hepatite b em indivíduos submetidos a exames de san...
Marcadores sorológicos de hepatite b em indivíduos submetidos a exames de san...
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
Artigo definições boas
Artigo   definições boasArtigo   definições boas
Artigo definições boas
Gabrielle de Sá
 
Consenso sbi spi sbmt paracococcidiodomicose
Consenso sbi spi sbmt paracococcidiodomicoseConsenso sbi spi sbmt paracococcidiodomicose
Consenso sbi spi sbmt paracococcidiodomicose
Arquivo-FClinico
 
447 tese ccd-souza_pinto_v_2005
447 tese ccd-souza_pinto_v_2005447 tese ccd-souza_pinto_v_2005
447 tese ccd-souza_pinto_v_2005
ssuser75f44f
 
Cuidado de enfermagem baseado em genômica para mulheres com síndrome de turner
Cuidado de enfermagem baseado em genômica para mulheres com síndrome de turnerCuidado de enfermagem baseado em genômica para mulheres com síndrome de turner
Cuidado de enfermagem baseado em genômica para mulheres com síndrome de turner
Tayslane Rocha
 
Pé diabético relação com atenção básica
Pé diabético relação com atenção básicaPé diabético relação com atenção básica
Pé diabético relação com atenção básica
adrianomedico
 
Endemias e epidemias brasileiras: hanseníase.
Endemias e epidemias brasileiras: hanseníase.Endemias e epidemias brasileiras: hanseníase.
Endemias e epidemias brasileiras: hanseníase.
SANTANA, José Francisco de
 
Impacto das MF congênitas na mortalidade
Impacto das MF congênitas na mortalidadeImpacto das MF congênitas na mortalidade
Impacto das MF congênitas na mortalidade
gisa_legal
 
Hepatite b crônica e esquistossomose mansoni uma associação deletéria jose ...
Hepatite b crônica e esquistossomose mansoni   uma associação deletéria jose ...Hepatite b crônica e esquistossomose mansoni   uma associação deletéria jose ...
Hepatite b crônica e esquistossomose mansoni uma associação deletéria jose ...
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
Incidência de CC na sínd de Down
Incidência de CC na sínd de DownIncidência de CC na sínd de Down
Incidência de CC na sínd de Down
gisa_legal
 
Trocando ideias xx
Trocando ideias xxTrocando ideias xx
Trocando ideias xx
Aparecida Monteiro
 
Cancer
CancerCancer
Apresentação das cc diagnosticadas ao nascimento 2008
Apresentação das cc diagnosticadas ao nascimento   2008Apresentação das cc diagnosticadas ao nascimento   2008
Apresentação das cc diagnosticadas ao nascimento 2008
gisa_legal
 
Prevalência de CC em down
Prevalência de CC em downPrevalência de CC em down
Prevalência de CC em down
gisa_legal
 
Consenso sepse
Consenso sepseConsenso sepse
Consenso sepse
Vinicius Oliveira
 
Malformações do Sistema Nervoso Central
Malformações do Sistema Nervoso CentralMalformações do Sistema Nervoso Central
Malformações do Sistema Nervoso Central
João Antônio Granzotti
 
Estudo epidemiológico das cc na infância e adolescência
Estudo epidemiológico das cc na infância e adolescênciaEstudo epidemiológico das cc na infância e adolescência
Estudo epidemiológico das cc na infância e adolescência
gisa_legal
 
Medicina personalizada - Carlos Gil
Medicina personalizada - Carlos GilMedicina personalizada - Carlos Gil
Medicina personalizada - Carlos Gil
Oncoguia
 
1º boletim hanseníase sesdf_2013
1º boletim  hanseníase   sesdf_20131º boletim  hanseníase   sesdf_2013
1º boletim hanseníase sesdf_2013
Secretaria de Saúde do Distrito Federal - SES/DF
 

Mais procurados (20)

Microbiologia trabalho final
Microbiologia   trabalho finalMicrobiologia   trabalho final
Microbiologia trabalho final
 
Marcadores sorológicos de hepatite b em indivíduos submetidos a exames de san...
Marcadores sorológicos de hepatite b em indivíduos submetidos a exames de san...Marcadores sorológicos de hepatite b em indivíduos submetidos a exames de san...
Marcadores sorológicos de hepatite b em indivíduos submetidos a exames de san...
 
Artigo definições boas
Artigo   definições boasArtigo   definições boas
Artigo definições boas
 
Consenso sbi spi sbmt paracococcidiodomicose
Consenso sbi spi sbmt paracococcidiodomicoseConsenso sbi spi sbmt paracococcidiodomicose
Consenso sbi spi sbmt paracococcidiodomicose
 
447 tese ccd-souza_pinto_v_2005
447 tese ccd-souza_pinto_v_2005447 tese ccd-souza_pinto_v_2005
447 tese ccd-souza_pinto_v_2005
 
Cuidado de enfermagem baseado em genômica para mulheres com síndrome de turner
Cuidado de enfermagem baseado em genômica para mulheres com síndrome de turnerCuidado de enfermagem baseado em genômica para mulheres com síndrome de turner
Cuidado de enfermagem baseado em genômica para mulheres com síndrome de turner
 
Pé diabético relação com atenção básica
Pé diabético relação com atenção básicaPé diabético relação com atenção básica
Pé diabético relação com atenção básica
 
Endemias e epidemias brasileiras: hanseníase.
Endemias e epidemias brasileiras: hanseníase.Endemias e epidemias brasileiras: hanseníase.
Endemias e epidemias brasileiras: hanseníase.
 
Impacto das MF congênitas na mortalidade
Impacto das MF congênitas na mortalidadeImpacto das MF congênitas na mortalidade
Impacto das MF congênitas na mortalidade
 
Hepatite b crônica e esquistossomose mansoni uma associação deletéria jose ...
Hepatite b crônica e esquistossomose mansoni   uma associação deletéria jose ...Hepatite b crônica e esquistossomose mansoni   uma associação deletéria jose ...
Hepatite b crônica e esquistossomose mansoni uma associação deletéria jose ...
 
Incidência de CC na sínd de Down
Incidência de CC na sínd de DownIncidência de CC na sínd de Down
Incidência de CC na sínd de Down
 
Trocando ideias xx
Trocando ideias xxTrocando ideias xx
Trocando ideias xx
 
Cancer
CancerCancer
Cancer
 
Apresentação das cc diagnosticadas ao nascimento 2008
Apresentação das cc diagnosticadas ao nascimento   2008Apresentação das cc diagnosticadas ao nascimento   2008
Apresentação das cc diagnosticadas ao nascimento 2008
 
Prevalência de CC em down
Prevalência de CC em downPrevalência de CC em down
Prevalência de CC em down
 
Consenso sepse
Consenso sepseConsenso sepse
Consenso sepse
 
Malformações do Sistema Nervoso Central
Malformações do Sistema Nervoso CentralMalformações do Sistema Nervoso Central
Malformações do Sistema Nervoso Central
 
Estudo epidemiológico das cc na infância e adolescência
Estudo epidemiológico das cc na infância e adolescênciaEstudo epidemiológico das cc na infância e adolescência
Estudo epidemiológico das cc na infância e adolescência
 
Medicina personalizada - Carlos Gil
Medicina personalizada - Carlos GilMedicina personalizada - Carlos Gil
Medicina personalizada - Carlos Gil
 
1º boletim hanseníase sesdf_2013
1º boletim  hanseníase   sesdf_20131º boletim  hanseníase   sesdf_2013
1º boletim hanseníase sesdf_2013
 

Destaque

Stress and strain
Stress and strainStress and strain
Stress and strain
Mero Sarade
 
Structure of english
Structure of englishStructure of english
Structure of english
janus rubiales
 
Faster and compliance driven onboarding | Intense Technologies
Faster and compliance driven onboarding | Intense TechnologiesFaster and compliance driven onboarding | Intense Technologies
Faster and compliance driven onboarding | Intense Technologies
Intense Technologies Limited
 
Colleen Parish Resume 090815
Colleen Parish Resume 090815Colleen Parish Resume 090815
Colleen Parish Resume 090815
Colleen Parish
 
Plan Estratégico
Plan EstratégicoPlan Estratégico
Plan Estratégico
Luis German Ramirez Lobato
 
Tarea 2 evidencia de instalacion MS SQL SERVER EXPRESS EDITION 2012
Tarea 2 evidencia de instalacion MS SQL SERVER EXPRESS EDITION 2012Tarea 2 evidencia de instalacion MS SQL SERVER EXPRESS EDITION 2012
Tarea 2 evidencia de instalacion MS SQL SERVER EXPRESS EDITION 2012
alimeth27
 
Resume General, September 08, 2015
Resume General, September 08, 2015Resume General, September 08, 2015
Resume General, September 08, 2015
Tommy Hayes, CPA, CMA
 
Gruppo di famiglia in un interno facebook
Gruppo di famiglia in un interno facebookGruppo di famiglia in un interno facebook
Gruppo di famiglia in un interno facebook
yuliy davidov
 
Miért vagyok opció kiíró
Miért vagyok opció kiíróMiért vagyok opció kiíró
Miért vagyok opció kiíró
OpcioGuru Gery
 
svetlana-drabkin.suka.se
svetlana-drabkin.suka.sesvetlana-drabkin.suka.se
svetlana-drabkin.suka.se
yuliy davidov
 
Tabla de contenidos
Tabla de contenidosTabla de contenidos
Tabla de contenidos
Norman Lucero
 
Convergencia
ConvergenciaConvergencia
Convergencia
andresmartin40101
 
Burke Gibson Aviation Presentation
Burke Gibson Aviation PresentationBurke Gibson Aviation Presentation
Burke Gibson Aviation Presentation
Curtis Shugarts
 
Generation Y: Herausforderungen der Branche
Generation Y: Herausforderungen der BrancheGeneration Y: Herausforderungen der Branche
Generation Y: Herausforderungen der Branche
FAMAB_Verband
 
Aprendizaje cooperativo
Aprendizaje cooperativoAprendizaje cooperativo
Aprendizaje cooperativo
Carlos Marín
 
Castanyada 2015
Castanyada 2015Castanyada 2015
Castanyada 2015
ciclesuperiorescolapalau
 
The lemon thieves
The lemon thievesThe lemon thieves
The lemon thieves
ciclesuperiorescolapalau
 
Apadrinamentlector 2015 16
Apadrinamentlector 2015 16Apadrinamentlector 2015 16
Apadrinamentlector 2015 16
ciclesuperiorescolapalau
 

Destaque (19)

Stress and strain
Stress and strainStress and strain
Stress and strain
 
Structure of english
Structure of englishStructure of english
Structure of english
 
Faster and compliance driven onboarding | Intense Technologies
Faster and compliance driven onboarding | Intense TechnologiesFaster and compliance driven onboarding | Intense Technologies
Faster and compliance driven onboarding | Intense Technologies
 
Colleen Parish Resume 090815
Colleen Parish Resume 090815Colleen Parish Resume 090815
Colleen Parish Resume 090815
 
Plan Estratégico
Plan EstratégicoPlan Estratégico
Plan Estratégico
 
Tarea 2 evidencia de instalacion MS SQL SERVER EXPRESS EDITION 2012
Tarea 2 evidencia de instalacion MS SQL SERVER EXPRESS EDITION 2012Tarea 2 evidencia de instalacion MS SQL SERVER EXPRESS EDITION 2012
Tarea 2 evidencia de instalacion MS SQL SERVER EXPRESS EDITION 2012
 
Resume General, September 08, 2015
Resume General, September 08, 2015Resume General, September 08, 2015
Resume General, September 08, 2015
 
Gruppo di famiglia in un interno facebook
Gruppo di famiglia in un interno facebookGruppo di famiglia in un interno facebook
Gruppo di famiglia in un interno facebook
 
Miért vagyok opció kiíró
Miért vagyok opció kiíróMiért vagyok opció kiíró
Miért vagyok opció kiíró
 
svetlana-drabkin.suka.se
svetlana-drabkin.suka.sesvetlana-drabkin.suka.se
svetlana-drabkin.suka.se
 
Tabla de contenidos
Tabla de contenidosTabla de contenidos
Tabla de contenidos
 
Convergencia
ConvergenciaConvergencia
Convergencia
 
Burke Gibson Aviation Presentation
Burke Gibson Aviation PresentationBurke Gibson Aviation Presentation
Burke Gibson Aviation Presentation
 
Generation Y: Herausforderungen der Branche
Generation Y: Herausforderungen der BrancheGeneration Y: Herausforderungen der Branche
Generation Y: Herausforderungen der Branche
 
Aprendizaje cooperativo
Aprendizaje cooperativoAprendizaje cooperativo
Aprendizaje cooperativo
 
Castanyada 2015
Castanyada 2015Castanyada 2015
Castanyada 2015
 
The lemon thieves
The lemon thievesThe lemon thieves
The lemon thieves
 
Apadrinamentlector 2015 16
Apadrinamentlector 2015 16Apadrinamentlector 2015 16
Apadrinamentlector 2015 16
 
Figures 3 d
Figures 3 dFigures 3 d
Figures 3 d
 

Semelhante a Caracterização epidemiológica dos casos de varicela

H1N1.pdf
H1N1.pdfH1N1.pdf
ANÁLISE RETROSPECTIVA - O QUE DENOTA OS EXAMES CITOPATOLÓGICOS.pdf
ANÁLISE RETROSPECTIVA - O QUE DENOTA OS EXAMES CITOPATOLÓGICOS.pdfANÁLISE RETROSPECTIVA - O QUE DENOTA OS EXAMES CITOPATOLÓGICOS.pdf
ANÁLISE RETROSPECTIVA - O QUE DENOTA OS EXAMES CITOPATOLÓGICOS.pdf
Glaucya Markus
 
Hiv 06
Hiv 06Hiv 06
Hiv 06
Hiolanda
 
V79s1a11
V79s1a11V79s1a11
V79s1a11
Maria Muniz
 
Artigo: Desmame precoce favorece maior morbimortalidade na infância
Artigo: Desmame precoce favorece maior morbimortalidade na infância Artigo: Desmame precoce favorece maior morbimortalidade na infância
Artigo: Desmame precoce favorece maior morbimortalidade na infância
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Nota de Alerta SBP - Vacinas COVID-19 em crianças no Brasil: Uma questão prio...
Nota de Alerta SBP - Vacinas COVID-19 em crianças no Brasil: Uma questão prio...Nota de Alerta SBP - Vacinas COVID-19 em crianças no Brasil: Uma questão prio...
Nota de Alerta SBP - Vacinas COVID-19 em crianças no Brasil: Uma questão prio...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Relato de caso ped 2023.pptx
Relato de caso ped 2023.pptxRelato de caso ped 2023.pptx
Relato de caso ped 2023.pptx
FlviaFranchin
 
Acidentes de trabalho com exposição a material biológico entre os profissiona...
Acidentes de trabalho com exposição a material biológico entre os profissiona...Acidentes de trabalho com exposição a material biológico entre os profissiona...
Acidentes de trabalho com exposição a material biológico entre os profissiona...
Ekateriny Melo
 
Exemplo revisao febre amarela
Exemplo revisao febre amarelaExemplo revisao febre amarela
Exemplo revisao febre amarela
Thais Oliveira
 
Vírus hep b avaliação da resposta sorológica à vacina em funcionários de li...
Vírus hep b   avaliação da resposta sorológica à vacina em funcionários de li...Vírus hep b   avaliação da resposta sorológica à vacina em funcionários de li...
Vírus hep b avaliação da resposta sorológica à vacina em funcionários de li...
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
Youth HPV Prevention in Brazil
Youth HPV Prevention in BrazilYouth HPV Prevention in Brazil
Youth HPV Prevention in Brazil
Rotary International
 
Onco hematologia
Onco hematologiaOnco hematologia
Onco hematologia
gisa_legal
 
Métodos de Investigação Epidemiológica
Métodos de Investigação Epidemiológica Métodos de Investigação Epidemiológica
Métodos de Investigação Epidemiológica
Daniela Frizon Alfieri
 
Enteroparasitoses 75
Enteroparasitoses   75Enteroparasitoses   75
Enteroparasitoses 75
Pericles Figueiredo
 
Varicela 6
Varicela 6Varicela 6
Varicela 6
Mateus Mendes
 
Varicela 5
Varicela 5Varicela 5
Varicela 5
Mateus Mendes
 
Anais - I SPEED
Anais - I SPEEDAnais - I SPEED
xI2koZPW2NjlwGlTYPNmD5WiHMb6.pdf
xI2koZPW2NjlwGlTYPNmD5WiHMb6.pdfxI2koZPW2NjlwGlTYPNmD5WiHMb6.pdf
xI2koZPW2NjlwGlTYPNmD5WiHMb6.pdf
RodrigoPAESVIEIRA
 
Surta,+estima v14n1 21-28
Surta,+estima v14n1 21-28Surta,+estima v14n1 21-28
Surta,+estima v14n1 21-28
kratos8
 
Txt 690106550
Txt 690106550Txt 690106550
Txt 690106550
Débora Luana
 

Semelhante a Caracterização epidemiológica dos casos de varicela (20)

H1N1.pdf
H1N1.pdfH1N1.pdf
H1N1.pdf
 
ANÁLISE RETROSPECTIVA - O QUE DENOTA OS EXAMES CITOPATOLÓGICOS.pdf
ANÁLISE RETROSPECTIVA - O QUE DENOTA OS EXAMES CITOPATOLÓGICOS.pdfANÁLISE RETROSPECTIVA - O QUE DENOTA OS EXAMES CITOPATOLÓGICOS.pdf
ANÁLISE RETROSPECTIVA - O QUE DENOTA OS EXAMES CITOPATOLÓGICOS.pdf
 
Hiv 06
Hiv 06Hiv 06
Hiv 06
 
V79s1a11
V79s1a11V79s1a11
V79s1a11
 
Artigo: Desmame precoce favorece maior morbimortalidade na infância
Artigo: Desmame precoce favorece maior morbimortalidade na infância Artigo: Desmame precoce favorece maior morbimortalidade na infância
Artigo: Desmame precoce favorece maior morbimortalidade na infância
 
Nota de Alerta SBP - Vacinas COVID-19 em crianças no Brasil: Uma questão prio...
Nota de Alerta SBP - Vacinas COVID-19 em crianças no Brasil: Uma questão prio...Nota de Alerta SBP - Vacinas COVID-19 em crianças no Brasil: Uma questão prio...
Nota de Alerta SBP - Vacinas COVID-19 em crianças no Brasil: Uma questão prio...
 
Relato de caso ped 2023.pptx
Relato de caso ped 2023.pptxRelato de caso ped 2023.pptx
Relato de caso ped 2023.pptx
 
Acidentes de trabalho com exposição a material biológico entre os profissiona...
Acidentes de trabalho com exposição a material biológico entre os profissiona...Acidentes de trabalho com exposição a material biológico entre os profissiona...
Acidentes de trabalho com exposição a material biológico entre os profissiona...
 
Exemplo revisao febre amarela
Exemplo revisao febre amarelaExemplo revisao febre amarela
Exemplo revisao febre amarela
 
Vírus hep b avaliação da resposta sorológica à vacina em funcionários de li...
Vírus hep b   avaliação da resposta sorológica à vacina em funcionários de li...Vírus hep b   avaliação da resposta sorológica à vacina em funcionários de li...
Vírus hep b avaliação da resposta sorológica à vacina em funcionários de li...
 
Youth HPV Prevention in Brazil
Youth HPV Prevention in BrazilYouth HPV Prevention in Brazil
Youth HPV Prevention in Brazil
 
Onco hematologia
Onco hematologiaOnco hematologia
Onco hematologia
 
Métodos de Investigação Epidemiológica
Métodos de Investigação Epidemiológica Métodos de Investigação Epidemiológica
Métodos de Investigação Epidemiológica
 
Enteroparasitoses 75
Enteroparasitoses   75Enteroparasitoses   75
Enteroparasitoses 75
 
Varicela 6
Varicela 6Varicela 6
Varicela 6
 
Varicela 5
Varicela 5Varicela 5
Varicela 5
 
Anais - I SPEED
Anais - I SPEEDAnais - I SPEED
Anais - I SPEED
 
xI2koZPW2NjlwGlTYPNmD5WiHMb6.pdf
xI2koZPW2NjlwGlTYPNmD5WiHMb6.pdfxI2koZPW2NjlwGlTYPNmD5WiHMb6.pdf
xI2koZPW2NjlwGlTYPNmD5WiHMb6.pdf
 
Surta,+estima v14n1 21-28
Surta,+estima v14n1 21-28Surta,+estima v14n1 21-28
Surta,+estima v14n1 21-28
 
Txt 690106550
Txt 690106550Txt 690106550
Txt 690106550
 

Caracterização epidemiológica dos casos de varicela

  • 1. 523 Rev Bras Epidemiol 2009; 12(4): 523-32 Caracterização epidemiológica dos casos de varicela em pacientes internados em um hospital universitário da cidade do Recife Epidemiological characterization of varicella cases in patients of a university hospital located in Recife Karina Siqueira dos AnjosI Marília Monteiro Emídio FerreiraII Maria do Céu ArrudaIII Karla da Silva RamosIV Ana Paula Regazzi MagalhãesV I Programa de Pós-Graduação em Enfermagem Cirúrgica do Instituto Materno- Infantil Professor Fernando Figueira, Recife, PE. II Unidade de Saúde da Família do Bonfim I da Prefeitura de Igarassu, PE. III Departamento de Epidemiologia da Fundação de Ensino Superior de Olinda, PE. IV Departamento de Saúde Materno-Infantil da Faculdade Pernambucana de Saúde-Enfermagem; Instituto Materno Infantil Professor Fernando Figueira, Recife, PE. V Núcleo de Epidemiologia do Hospital Universitário Oswaldo Cruz de Pernambuco. Correspondência: Karina Siqueira dos Anjos. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem Ci- rúrgica, Instituto Materno-Infantil Professor Fernando Figueira. Rua Augusto Carlos Brandão, 98, apt 305, Bloco Napolis, Cond Reserva do coliseu – Centro - Petrolina CEP:56304110. E-mail: Karina_anjos@ig.com.br Considerações éticas: Esta pesquisa foi submetida e aprovada pelo Comitê de Ética e Pesquisa do Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros e Universidade de Pernambuco (CISAM/UPE) – processo n° 106/05. Resumo A varicela é uma doença cosmopolita, com contagiosidade extremamente acentuada, causada pelo vírus Varicela – Zoster. Em- bora considerada uma doença benigna da infância, atualmente tem-se demonstrado uma crescente incidência de complicações severas com um alto potencial de morbi- mortalidade em crianças e adultos pre- viamente saudáveis. O trabalho tem como objetivocaracterizaroperfilepidemiológico dos casos de varicela em pacientes interna- dos em um hospital universitário da cidade do Recife. Trata-se de um estudo do tipo descritivo-exploratório com abordagem quantitativa, realizado no período de janei- ro de 2004 a janeiro de 2005 em pacientes internados por varicela no Hospital Univer- sitário Oswaldo Cruz da cidade do Recife. Observou-se que, do total de 255 pacientes internados por varicela, 53% eram do sexo masculino; 77,3% dos casos apresentaram como complicação predominante as in- fecções bacterianas secundárias da pele, sendo a celulite a mais freqüente, em 48,1% dos casos; verificou-se que 2% evoluíram a óbito; constatou-se na análise dos custos e benefícios que ocorreria uma economia de R$61.710,00seapopulaçãoemestudofosse vacinada. A pesquisa apresenta dados que fundamentam a importância da redução no número de casos da doença, tendo em vista que existe a possibilidade de uma evolução não satisfatória e, inclusive, evolução ao óbito. Nesse sentido, esses achados poderão nortear os gestores de saúde na adoção de condutas preventivas e no planejamento das ações de saúde. Palavras-chaves:Caracterização epidemio- lógica. Varicela. Complicações.
  • 2. 524 Rev Bras Epidemiol 2009; 12(4): 523-32 Caracterização epidemiológica dos casos de varicela em pacientes internados em um hospital universitário da cidade do Recife Anjos,K.S.et al. Abstract Varicella is an extremely contagious cosmo- politan disease. It is caused by theVaricella- Zoster Virus1 . Although it is not considered harmfulinchildhood,ithascurrentlyshown a rising incidence in several complications with a high mortality potential in previously healthy children and adults. The present work had as objective to characterize the epidemiological profile of varicella cases in patients of a university hospital located in Recife. It is a descriptive-exploratory study with a quantitative approach, performed from January 2004 to January of 2005, with patients admitted with varicella in a univer- sity hospital, Oswaldo Cruz, in Recife. Out of a total of 225 patients hospitalized with varicella, 53% were male; in 77.3% of cases, secondary bacterial infections were iden- tified as the main complication, of which cellulites was the most frequent with 62.2% of cases; patients evolved to cure, albeit 2% of cases led to death.The cost-effectiveness study proved that R$ 61,710 would be saved ifthestudypopulationhadbeenvaccinated. Data shown in this research bring on the rationale of the importance of reduction in the number of cases of the disease, because thereisapossibilityofanon-satisfactorycli- nical course leading to death. In this sense, findings may lead managers to adopt pre- ventive measures and plan health actions. Keyswords: Characterize Epidemiological. Varicella. Complications. Introdução A varicela é uma doença infecciosa aguda, altamente transmissível, causada pelo vírus varicela-zoster (VVZ). É carac- teristicamente uma doença da infância, de alta morbidade, baixa mortalidade e de distribuição universal1 . Com base nos dados do National Health Interview Survey (NHIS) de 1980–1990, as estatísticas dos Estados Unidos sugerem que ocorreram cerca de quatro milhões de casos por ano nesse país, e 80% incidiram em crianças menores de 10 anos de idade, principalmente no inverno e na prima- vera. A taxa média de letalidade foi de 6,7 mortes/10.000 casos, predominando nos grupos etários menores de 5 anos e maiores de 20 anos. Embora a varicela seja habitu- almente considerada como uma doença benigna, é importante ressaltar que cerca de 90 crianças morriam todos os anos por varicela e suas complicações nos Estados Unidos, o que a transformava na doença imunoprevenível que mais matava crianças naquele país2-4 . No Brasil, a varicela não é uma doença de notificação compulsória e os estudos no país são limitados5 , porém os surtos decor- rentesdesseagravoemcreches,pré-escolas, escolas e comunidades em geral devem ser notificados no Sistema de Informação de Agravos Notificáveis (SINAN). No ano de 2003 foram notificados quase 60.000 casos de varicela no Estado de São Paulo, com um total de 60 óbitos6 . Segundo o Comitê de Infectologia da Sociedade de Pediatria do Estado do Rio de Janeiro, a varicela é uma doença grave, passível de prevenção através de imuniza- ção, e que, além de acarretar custos diretos (internaçõeseusodemedicamentos)eindi- retos(faltasnaescola),apresentaumgrande potencial de morbidade e mortalidade7 . A varicela é uma doença que sofreu uma profunda mudança de imagem. Con- siderada anos atrás uma doença benigna da infância, incômodo pelo qual todas as crianças deveriam passariam mais cedo ou mais tarde, hoje é vista como um sério
  • 3. 525 Rev Bras Epidemiol 2009; 12(4): 523-32 Caracterização epidemiológica dos casos de varicela em pacientes internados em um hospital universitário da cidade do Recife Anjos,K.S.et al. problema que pode levar a complicações graves e até causar óbito8 . O fundamento da opção pelo tema re- side em caracterizar o perfil dos pacientes internados por varicela e identificar a rela- ção entre tratamento e vacinação em um hospital universitário da cidade do Recife, subsidiando meios para a sua prevenção, tendo em vista que existem poucos estu- dos nessa perspectiva, em Pernambuco e no Brasil. Metodologia Trata-se de um estudo do tipo descriti- vo-exploratório, com abordagem quantita- tiva,realizadonoperíododemaioaoutubro de 2005, no Hospital Universitário Oswaldo Cruz (HUOC). O hospital está localizado no Recife, capital do Estado de Pernambuco, Brasil,comtradiçãonoensinouniversitário, sendo referência do Norte e Nordeste em Doenças Infecciosas e Parasitárias (DIP) e Centro de Referência de Imunobiológicos Especiais (CRIE), e também oferece uma unidade de cuidados intensivos, hospital- dia para HIV e urgência 24horas. O universo constituiu–se de 255 casos, que correspondem a 100% dos pacientes internados por varicela durante o perío- do de janeiro de 2004 a janeiro de 2005. As informações foram obtidas através do levantamento dos casos notificados pelo Sistema de Informação de Agravos de No- tificação (SINAN), versão 5.1 do núcleo de Vigilância Epidemiológica; e na busca ativa emprontuáriosdospacientesinternadosno DIP do HUOC, Recife – PE. Análise estatística Os dados foram analisados de forma descritiva-exploratória, utilizando-se a fre- qüência absoluta e relativa, sendo demons- trados em forma de gráficos e tabelas, com alicerce na literatura. Realizou-se a análise estatística no programa Microsoft Office Excel 2003. Para avaliar a associação entre as variáveis foi utilizado o teste Qui-quadrado, com uma confiança de 95%. As variáveis estudadas foram: sexo, faixa etária, proce- dência, complicações (definem-se como todo conjunto de sintomas ou de lesões que se adicionam aos de uma doença existente e que surgem após estes últimos)9 , evolução (cura/óbito), tempo de internação, relação entre o tratamento e vacinação. Resultados A Tabela 1 apresenta uma descrição de- talhada da distribuição por idade e sexo. Em total de 255 casos internados por varicela, observou-se que o sexo masculino corres- pondeu a 53% em relação ao sexo feminino com 47%, o que não implica diferença esta- tisticamente significativa p = 0,546. O grupo etário com o maior percentual foi o de 1 a 4 anos (42,4%), seguido da faixa etária de 5 a 9 anos (22,7%), e de menores de 1 ano (20%), perfazendo um total de 94,5% em menores de15anos,apresentandoummenorpercen- tualnafaixaetáriade15anosoumais(5,5%). Observa-se na Figura 1 que na faixa etária de 1 a 4 anos 49,3% dos casos apre- sentaram complicações. Em relação às complicações por vari- cela distribuídas por sistemas, na Tabela 2 observou-se que, dos 255 pacientes, 154 (60,4%) apresentaram complicações decor- rentes da doença. Uma maior proporção por complicações dermatológicas foi re- presentada por 119 casos (77,3%), sendo a celulite a complicação mais predominante (48,1%);emseguida,asdoençasdoaparelho respiratório, que constituíram a segunda complicação mais freqüente. 4 casos (2,6%) evoluíram para septicemia referentes a ou- tras complicações. Salienta-se que, no período de estudo, algumas complicações evoluíram para óbi- to. Dentre elas temos encefalite associada à pneumonia, pneumonia, varicela hemorrá- gica associada à septicemia, septicemia, e paciente imunodeprimido, perfazendo-se um total de 5 óbitos no período estudado. Houve a presença de 1 caso (0,8%) com fasceíte necrozante, tendo lesão extensa em coxa direita, o qual foi submetido a cirurgia plástica para a realização de enxerto.
  • 4. 526 Rev Bras Epidemiol 2009; 12(4): 523-32 Caracterização epidemiológica dos casos de varicela em pacientes internados em um hospital universitário da cidade do Recife Anjos,K.S.et al. No presente estudo, verificou-se que 112 (99,1%) casos evoluíram para cura e foram procedentes do Recife, seguido da Região Metropolitana com 87 (98,9%). Foram observados 5 casos de óbitos (2,0%) nas seguintes faixas etárias: 1ano, 4 anos, 7 anos, 13 anos, e 55 anos, e entre eles 3 (5,5%) foram provenientes do interior. Acredita-se que os casos muito graves do interior foram encaminhados para internação na capital. Quanto ao tempo de internação devido à varicela, constatou-se na Figura 2 uma maior freqüência de hospitalizações no períodode1a5dias56,4%.Aduraçãomédia da hospitalização foi de 7,5 (1 a 50) dias. No estudo, observou-se que o valor do tratamento foi de R$ 67.830,00, enquanto que se essa mesma população recebesse a vacinação, os custos talvez seriam de R$ 6.120,00 reais, considerando-se que o preço de1dosedavacinaparaaredepúblicacusta cerca de R$ 24,00 reais para o Sistema de Tabela 1 - Distribuição dos casos internados por varicela segundo sexo e faixa etária. Recife - PE, 2004 a janeiro de 2005. Table 1 - Distribution of cases hospitalized due to varicella according to sex and age. Recife - PE, January 2004 to January 2005. Faixa etária (anos) Sexo Total %Feminino Masculino N % N % <1 24 20,0 27 20,0 51 20,0 1 |– 4 57 47,5 51 37,7 108 42,4 5 |– 9 23 19,2 35 26,0 58 22,7 10 |– 14 10 8,3 14 10,3 24 9,4 15 ou + 6 5,0 8 6,0 14 5,5 Total 120 47 135 53 255 100 Fonte/Source:Sistemas de Informação de Agravos de Notificação (SINAN),Núcleo de Epidemiologia.p = 0,546 Fonte/Source:Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN),Núcleo de Epidemiologia. Figura 1 - Distribuição dos casos internados por varicela segundo faixa etária e presença de complicações. Recife - PE, 2004 a janeiro 2005. Figure 1 – Distribution of cases hospitalized due to varicella according to age group and presence of complications. Recife - PE, January 2004 to January 2005.
  • 5. 527 Rev Bras Epidemiol 2009; 12(4): 523-32 Caracterização epidemiológica dos casos de varicela em pacientes internados em um hospital universitário da cidade do Recife Anjos,K.S.et al. Tabela 2 - Percentual de ocorrência das complicações identificadas entre os pacientes internados por varicela. Recife - PE, 2004 a janeiro 2005. Table 2 – Percentage of complications identified among patients hospitalized due to varicella. Recife - PE, January 2004 to January 2005. Complicações N % Subclassificações N % Dermatológicas (Infecção bacteriana secundária da pele) 119 77,3 Celulite 74 48,1 Impetigo 23 15,0 Abscesso 13 8,5 Gangrena 4 2,6 Erisipela 2 1,3 Escarlatina 2 1,3 Fasceíte Necrozante 1 0,6 Respiratórias 11 7,1 Pneumonia 10 6,5 Pneumonite 1 0,6 Renais 8 5,2 Glomerulonefrite 8 5,2 Sistema Nervoso 6 3,9 Encefalite 5 3,3 Cerebelite 1 0,6 Hematológicas 2 1,3 Púrpura Trombocitopênica 1 0,6 Varicela Hemorrágica 1 0,6 Outras 8 5,2 Septicemia 4 2,6 Conjuntivite 3 2,0 Artrite 1 0,6 Total 154 100   154 100 Fonte/Source:Sistemas de Informação de Agravos de Notificação (SINAN),Núcleo de Epidemiologia. Variável Excludente/Excluding Variable Fonte/Source:Sistemas de Informação de Agravos de Notificação (SINAN),Núcleo de Epidemiologia. Figura 2 - Distribuição dos casos internados por varicela segundo tempo de internamento. Recife - PE, 2004 a janeiro 2005. Figure 2 – Distribution of cases hospitalized due to varicella according to length of hospitalization. Recife - PE, January 2004 to January 2005.
  • 6. 528 Rev Bras Epidemiol 2009; 12(4): 523-32 Caracterização epidemiológica dos casos de varicela em pacientes internados em um hospital universitário da cidade do Recife Anjos,K.S.et al. Informação de Estoque e Distribuição de Imunobiológicos da Central de Frio da Se- cretaria de Saúde Estadual de Pernambuco (PNI). De acordo com o setor de Contas Médicas do hospital em estudo, através da Tabela Unificada – DATA SUS – Sistema de GerenciamentodaTabeladeProcedimentos do SUS, para cada paciente com varicela o hospital tem um custo inicial de R$ 266,00 reais, considerando a varicela como trata- mento de estafilococcias no sistema, tendo em vista que ela não consta com essa deno- minação na AIH. Salienta-se que esse valor não cobre se o paciente apresentar outras doenças ao decorrer do tratamento, sendo acrescido ao final do faturamento. Discussão Neste estudo, observou-se uma maior prevalência nos acometidos porvaricelaen- tre o sexo masculino, com 53%, em relação ao sexo feminino, com 47% (p = 0,546). Em estudo semelhante realizado em 4 cidades brasileiras em 1996-1997, a maior prevalên- cia da doença ocorreu no sexo feminino10 . No entanto, outros estudos11 afirmam que indivíduosdeambosossexossãoigualmen- te infectados. O maior número de pacientes com vari- cela ocorreu em pré-escolares e escolares, e maisde90%doscasosocorrememmenores de 15 anos de idade11,12 . Isso corrobora os dados encontrados neste estudo, onde a faixa etária de menores de 15 anos repre- sentou 94,5%. Observou-se, no estudo, que o grupo de 1 a 4 anos apresentou-se como a faixa etária mais acometida pela doença, sendo esperado maior número absoluto de com- plicações (49,3%). Nessa faixa etária de 1 a 4 anos, possivelmente o sistema imunológico ainda está em desenvolvimento e existe um risco maior de complicações13 . Neste estudo, 60,4% dos casos foram acometidos de complicações, sendo a maioria crianças previamente saudáveis. As infecções bacterianas secundárias da pele constituíram a complicação mais comum da varicela, correspondendo a 77,3%, causando extensas perdas teciduais que, muitas vezes, necessitavam de enxer- tos (0,6%), dados confirmados em outras literaturas14,15 . Outro estudo afirma que a complicação mais freqüente da varicela é a infecção secundária da pele, causada por Staphlococcus aureus e Streptococcus pyogenes, que incluem impetigo, furúnculo, abscesso,erisipelaecelulite,sendoestaúlti- ma a mais freqüente11,12 . Nas complicações mais graves, podem ocorrer septicemia, gangrena e fasceíte necrozante2 . A falta de hábitos de higiene e saneamento básico também influenciam a presença de compli- cações, principalmente quando se refere às infecções bacterianas secundárias da pele13 . O estudo atual apresentou 7,1% das doenças respiratórias, sendo predominan- te a pneumonia com 6,49%. A pneumonia pós-varicela é a complicação mais grave Tabela 3 - Distribuição dos casos internados por varicela segundo evolução clínica e procedência. Recife - PE, 2004 a janeiro 2005. Table 3 - Distribution of cases hospitalized due to varicella according to clinical course and origin. Recife - PE, January 2004 to January 2005. Procedência Evolução Clínica Total %Cura Óbito N % N % Recife 112 99,1 1 0,9 113 44,3 Região Metropolitana 87 98,9 1 1,1 88 34,5 Interior 51 94,4 3 5,5 54 21,2 Total 250 98 5 2,0 255 100 Fonte/Source:Sistemas de Informação de Agravos de Notificação (SINAN),Núcleo de Epidemiologia.
  • 7. 529 Rev Bras Epidemiol 2009; 12(4): 523-32 Caracterização epidemiológica dos casos de varicela em pacientes internados em um hospital universitário da cidade do Recife Anjos,K.S.et al. do aparelho respiratório e ocorre mais co- mumente em adultos (até 20% dos casos) e imunodeprimidos.14,15 Em relação às complicações do sistema nervoso apresentaram-se, no estudo, 6 ca- sos (3,39%), dentre eles 5 casos de encefali- tes,podendosedesenvolverantesoudepois da doença16 . Dados dos EUA relataram a ocorrência de encefalopatia por varicela com 3,9/10.000 casos e uma letalidade média de 18,7%, o que representou 10% de todos os óbitos. A encefalite14,15 é uma das complicações mais grave da varicela e a taxa de mortalidade varia entre 5 a 35%2 . As complicações hematológicas en- contradas foram 2 casos (1,3%) de púrpura trombocitopênica e varicela hemorrágica; incluem-se também em outros estudos a púrpurafulminante,epistaxe,gengivorragia e petéquias12,16 . A artrite, glomerulonefrite e púrpura trombocitopênica são compli- cações raras1 . Aspectos importantes a serem discu- tidos referem-se à condição clínica do paciente na evolução negativa da doença. A literatura relata11 que, em imunodepri- midos, a varicela é freqüentemente grave, tendo forma progressiva, disseminada e he- morrágica, podendo ser fatal. Em pacientes infectados pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV), ela pode ser mais agressiva, apresentando quadros disseminados e com envolvimento mais comum do sistema ner- voso central e ocular17 . Tendo em vista o aumento de complica- ções da varicela com o aumento da idade, os dadosdesteestudocompreendemtambém, de forma consistente, a importância dada à imunização de indivíduos susceptíveis a varicela e que têm um contato íntimo com pessoas com maior probabilidade de com- plicações graves da doença (tais como pro- fissionais de saúde, contato com domicilia- res imunodeprimidos) e, também, daqueles commaiorexposição,alémdemulheresnão grávidas em idade fértil. Ressalta-se, neste estudo, que 5,5% dos pacientes correspon- dem a faixa etária de 15 anos ou mais. Há estudos que revelam que cerca de 25% dos óbitos por varicela ocorrem em adultos, e a chance de levar a morte em pacientes com mais de 20 anos de idade é 25 vezes maior do que em crianças, tendo em vista que o adulto se comporta como um imunodepri- mido, não sendo capaz de produzir uma resposta imune celular adequada ao VVZ1 . No Estado de São Paulo, em 2003, foram registrados 60 óbitos associados à varicela e suas complicações, sendo 85% em crianças menores de 5 anos. Desde 2003, a Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo preconi- za a vacinação em creches como uma das medidas de controle dessa doença, tendo em vista que a taxa de complicações e mortalidade é mais elevada nas crianças que frequentam estes estabelecimentos18,19 . Nopresenteestudo,verificou-seque112 (99,1%)evoluíramparacuraesãoproceden- tes do Recife, seguido da Região Metropo- litana com 87 (98,9%), porém cinco óbitos (2,0%), entre eles 3 (5,5%) provenientes do interior (vale salientar que geralmente os casos graves do interior procuram inter- nação na capital). Um estudo realizado no HUOCentre1998a2003observouummaior número de casos de complicações proce- dentes do Recife (43,6%), seguida da Região Metropolitana (39,4%) e interior (16,8%)13 . A alta densidade demográfica tem sido apontada como um dos principais fatores para a aquisição da infecção5 . A ocorrência de varicela tende a ser menor em áreas ru- rais,resultandoemumamaiorproporçãode adultos que não tiveram a doença na infân- cia (susceptíveis), sendo particularmente preocupante a possibilidade de que esses indivíduos adquiriram essa doença (com maior risco de formas graves nessa faixa etária) ao imigrarem para áreas urbanas2 . Em um estudo retrospectivo realizado em crianças internadas por varicela no Hospital Del Niño de Panamá, de janeiro de 1991 a dezembro de 2000, a duração média da hospitalização foi de 8,9 (1 a 27) dias13 . Em um estudo realizado nos EUA entre 1988 a 1995, antes da introdução da vacina contra a varicela, registrou-se uma média de duração da internação de 5,4 dias, correspondendoaaproximadamente57.000 dias de hospitalização por ano20 .
  • 8. 530 Rev Bras Epidemiol 2009; 12(4): 523-32 Caracterização epidemiológica dos casos de varicela em pacientes internados em um hospital universitário da cidade do Recife Anjos,K.S.et al. Entre os principais resultados deste es- tudo, ressalta-se que os gastos e a represen- tação da vacina na economia têm sido estu- dados sobre o prisma da análise econômica em diferentes países, e foi constatado que na análise dos custos e benefícios poderia ocorrer uma econômia de R$ 31.110,00 se a população em estudo fosse vacinada. Vale salientar que este estudo apresenta poucos recursos para uma analise econômica. ���Es- tudo semelhante no Uruguai revelou que o custo anual com a vacinação atinge US$ 822.500,00, ao passo que os custos diretos da doença atingem US$ 2.332.000,00. A prevenção da varicela implica em uma economia de US$ 1.509.500,0021 . Outro es- tudo realizado no Centro Hospitalar Pereira Rossell,noUruguai,mostraclaramenteuma redução no número de hospitalizações por varicela depois da introdução da vacina, isto é, no período de 1997 a 1999, o que correspondeu a 233 casos, comparados a 119 casos no intervalo de 2000 a 2002, após a implementação da vacina22 . A utilização da vacina contra a varicela ainda é limitada no Brasil. Acredita-se que isto ocorra por duas razões: primeiro, por- que a varicela é muitas vezes vista como uma doença benigna19 ; em segundo lugar, porqueoscustosdavacinasãodispendiosos para o país. Os países que adotaram a vacinação sistemática das crianças contra a varicela obtiveram uma queda significativa do nú- mero de casos e óbitos. Nos EUA, durante os 5 anos anteriores à introdução da vacina, ocorriam por ano aproximadamente 11 mil hospitalizações e cerca de 100 óbitos devido à varicela2 . Outros estudos23,24 têm demonstrado que a vacina contra a varicela é altamente eficaz. No que se refere ao Brasil, há poucos estudos sobre a situação epidemiológica, o que dificulta as análises econômicas. De acordo com a Secretária de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, o motivo para a não inclusão da vacina no PNI é o alto custo da dose da vacina, que custa cerca de RS 24,00 reais para a rede pública10 . Ainda que na maioria dos casos não apresentecomplicações,avaricelaapresen- ta um custo social e econômico, e mesmo se considerando as crianças previamente sau- dáveis,essescustosincluemdespesasmédi- cas, tais como consultas, uso de terapêutica sintomática ou antiviral, hospitalizações devido a complicações e, principalmente, o ônusfinanceirorelacionadoaoabsenteísmo dos pais no trabalho e das crianças que ne- cessitam ser afastadas da escola ou da cre- che. Dados da vigilância de áreas sentinelas mostram que, desde 1995, com a liberação da vacina ocorreu uma redução de casos da doença (em torno de 90%) e da mortalidade (cerca de 66%). A maior queda ocorreu no grupo alvo primário da vacinação, crianças de 1 a 4 anos de idade6,25,26 . Segundo o Boletim Informativo do Nú- cleo de Epidemiologia do HUOC (2004), a varicela não é de notificação compulsória, mas em decorrência da situação da doença apresentada na reunião das Doenças Res- piratórias Agudas em Brasília, em outubro de 2003, e do grande número de complica- ções observadas em pacientes internados, esse agravo passou a fazer parte dos DNCs (Doenças de Notificação Compulsória) no HUOC e em outras unidades de saúde, a partir de janeiro de 200427 . A vacina contra a varicela não faz parte do PNI, estando disponível na rede particu- lar e gratuitamente nos CRIES em situações especiais28 . A vacina é recomendada pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e pela Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) para todas as pessoas não imunes com mais de 1 ano de idade. Constatou-se na pesquisa que crianças previamente saudáveis foram acometidas por uma patologia considerada “benigna” da infância e obtiveram uma evolução não satisfatória, como complicações e in- clusive óbitos. Verificou-se no estudo que talvez pudesse ocorrer uma economia de R$ 61.710 reais se a população em questão fosse vacinada, porém não foram analisa- dos os custos indiretos (faltas ao trabalho e à escola) sendo que as despesas com a doença estão bem acima. Recomenda–se fomentar o incentivo de pesquisas científi-
  • 9. 531 Rev Bras Epidemiol 2009; 12(4): 523-32 Caracterização epidemiológica dos casos de varicela em pacientes internados em um hospital universitário da cidade do Recife Anjos,K.S.et al. cas no sentido de avaliar o custo-benefício do uso da vacinação, assim como a inserção da varicela como doença de notificação compulsória, ainda que neste estudo não se permita uma análise econômica, para que todasasunidadesfederativasimplementem ainvestigaçãoepidemiológicanapopulação brasileira e a inclusão da vacina contra a varicela no PNI, visto que a doença pode apresentar um número de complicações importantes e óbitos. Referências 1. Tonelli E, Freire LMS. Doenças infecciosas na infância e adolescência. São Paulo: MEDSI; 2000. 2. Veronesi R, Focaccia R. Tratado de infectologia. São Paulo: Atheneu; 2002. 3. Centers for Disease Control and Prevention. Prevention of varicella. Recommendations of the Advisory Commitee on Immunization Practices (ACIP). MMWR 1996; 45: 1-25. Disponível em http://www.cdc.gov [Acessado em 13 de dezembro de 2007] 4. Marin M, et al. Centers for Disease Control and Prevention. Prevention of varicella. Recommendations of the Advisory Commitee on Immunization Practices (ACIP). MMWR 2007; 56: 1-40. Disponível em http:// www.cdc.gov [Acessado em 13 de dezembro de 2007] 5. Reis AD, Pannuti CS, Souza VAUF. Prevalência de anticorpos para o vírus da varicela-zoster em adultos jovens de diferentes regiões climáticas brasileiras. Rev Soc Bras Med Trop 2003; 36(3): 317-20. 6. Secretária de Estado da Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica “Alexandre Vranjac”. Surto de varicela em creches e escolas da Direção Regional de Saúde XXII, junho de 2005. Rev Saúde Pública 2005; 9(4): 687-90. 7. Comitê de Infectologia da Sociedade de Pediatria do Estado do Rio de Janeiro. Varicela. 2003. Disponível em http://www.soperj.org.br [Acessado em 25 de maio de 2005] 8. Secretária de Estado da Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica “Alexandre Vranjac”. Divisão de Doenças Respiratórias e Divisão de Zoonoses. Varicela, difteria e febre maculosa brasileira: aspectos epidemiológicos no Estado de São Paulo. Rev Saúde Pública 2003; 37(6) Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script =aci_arttext&pid=. [Acessado em 25 de janeiro de 2005] 9. Dicionário Médico ANDREI. L. Manuila, A. Manuila, M. Nicoulin (7ª ed.). Copyright da Edição Brasileira. Organização Andrei Editora; 1997. 10. Clemens AS, Azevedo T, Fonseca JC, Silva AMC, Silveira TR, Clemens R. Soroepidemiologia da varicela no Brasil – resultados de um estudo prospectivo transversal. Jornal de Pediatria da Sociedade Brasileira de Pediatria. Porto Alegre 1999; 75(6): 433-41. 11. Ministério da Saúde. Secretária de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Dermatologia na atenção básica de saúde. Caderno nº 9. 2002. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/ guiafinal9.pdf [Acessado em 10 de agosto de 2007] 12. Hinrichsen SL. Doenças infecciosas e parasitárias. MEDSI 2005; 183: 53-55. 13. Informe Varicela 2006. Como evitar os prejuízos de uma doença aparentemente benigna. Sociedade Brasileira de Imunizações. Ano I N. 5 Setembro 2006. Disponível em http://www.sbim.org.br/ [Acessado em 10 de agosto de 2007] 14. Centers for Disease Control and Prevention. Prevention of varicella - Update recommendations of the Advisory Committee on Immunization Practices (ACIP). MMWR 1999; 48: 1-5. Disponível em http:www.cdc.gov [10 de agosto de 2007] 15. Marticelli R, Bricks LF. Varicella zoster in children attending day care centers. Clinics 2006; 61: 147-52. 16. Cecil RL, et al. Tratado de medicina interna. São Paulo: Guanabara Koogan 2001; 383: 2016-8. 17. Azulay RD, Azulay DR. Dermatologia (ed. Azulay & Azulay). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan 2004; 16: 183-4. 18. Yu ALF, Costa JM, Amaku M, Pannuti CS, Souza VA, Zanetta DM. Three year seroepidemiological study of varicella-zoster virus in São Paulo Brazil. Rev Inst Med Trop 2000; 42: 125-8. 19. Secretária de Estado da Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica“Alexandre Vranjac”. Divisão de Doenças Respiratórias. Informe técnico vacina contra a varicela. Elaborado em agosto de 2004. Disponível em http:// www.cve.saude.sp.gov.br/html/cve_varicela.htm [Acessado em 17 de outubro de 2005] 20. Galil et al. Hospitalizations for varicella in the United States, 1988 to 1999. Ped Infect Dis J 2002; 21(10): 931-4. 21. Law B, Macdonald N, Halperin S, Scheifele D, Dery P, Jadavji T et al. The Immunization Monitoring Program Active (IMPACT) prospective five year study of Canadian children hospitalized for chickenpox or an associated complication. Ped Infect Dis J 2000; 19: 1053-9. 22. Experiência bem-sucedida: programa de imunização do Uruguai. Revista Vacinação 2004; 9(4).
  • 10. 532 Rev Bras Epidemiol 2009; 12(4): 523-32 Caracterização epidemiológica dos casos de varicela em pacientes internados em um hospital universitário da cidade do Recife Anjos,K.S.et al. 23. Marietta V. Varicella zoster virus infections in children after the introduction of live attenuated varicella vaccine. Cur Opin Ped 2004; 16(1): 80-4. 24. Seward JF, et al. Varicella Disease After Introduction of Varicella Vaccine in the United States, 1995-2000. J Am Med Assoc 2002; 287(5): 606-11. 25. Vasquez & Shapiro. Decline in mortality due to varicella after implementation of varicella vaccination in the United States. N Engl J Med 2005; 352(5): 450-8. 26. Nguyen et al. Varicella vaccine and infection with varicella-zoster virus. N Engl J Med 2005; 352(5): 439-40. 27. Boletim Informativo do Núcleo de Epidemiologia do Hospital Universitário Oswaldo Cruz – NEHUOC 2004; 20(1). 28. Paraíba. Vacina contra varicela. Disponível em http:// www.saude.pb.gov.br/ [Acessado em 4 de novembro de 2005]. Recebido em: 04/03/08 Versão final reapresentada em: 26/04/09 Aprovado em: 05/10/09