SlideShare uma empresa Scribd logo
62º Forum de Debates Projeto Brasil




                          Brig Eng VENÂNCIO Alvarenga Gomes
                             Subdiretor de Empreendimentos
                                      17 DEZ 2008
“É consagrado, no mundo inteiro, que, cada valor, cada dólar
investido em desenvolvimentos aeroespaciais, retorna aumentado de 7 a 15
vezes em benefícios para toda a economia nacional.”

       “Podemos exemplificar, como agregação de valor:
 1 Kg de minério de ferro custa alguns centavos;
 1 Kg de ERJ-145 custa mil dólares; e
 150 mil dólares por quilo foi quanto o Brasil pagou aos norte-americanos
para colocarem em órbita dois satélites do MCT/INPE.
                              Maj Brig do Ar Aluízio Weber, 17.06.1999 (Ex-Diretor do CTA)
“O faturamento já contratado pela EMBRAER equivale a
     900 anos (nove séculos) de funcionamento do ITA.”

                      Carlos Henrique de Brito Cruz - Presidente da FAPESP
                                              Folha de São Paulo 05.07.1999
Embargos e Dificuldades no Setor de Defesa
                 0
Embargo (área defesa)

      The attached application has been denied
      and is being returned in accordance with 22
      CFR 126.7(a) for the reasons indicated
      below. Any questions you may have
      regarding this decision may be directed to
      Patty Dudley of this office at (703) 812-2286.

           Anti-radar
        technology is not
          releasable for
        national security
          reasons. This
       technology exceeds
           the level of
      capability approved
            for Brazil.              MAR-1
Embargo Implícito (área   de Defesa)

           adotado




 disponibilizado




     original




1998: Judson altera sensor de
  infravermelho do MAA-1
Embargo Implícito (área aeronáutica)




               1995: Modelamento Aeroelástico do F-5
                      Motivação: Míssil MAA-1


Det
    erm
das inaçã
     freq    o
          üên dos m
             cias    odo
                  natu s e
                      rais
Embargo (área de defesa)
DEFENSE TECHNOLOGY SECURITY
   ADMINISTRATION - DTSA




                MAA-1B




                  Date: 04 Apr 2008

                   Export of two-color infrared detector technology
                     specifically designed for integration into the
                    Sidewinder missile is not recommended at this
                     time. The use of two-color infrared detector
                     arrays coud potencially result in a significant
                       upgrade of the Sidewinder missile seeker
                   capability against decoys and countermeasures.
Bloqueios no Setor Espacial
           0
Embargo (área       espacial)

The attached application/request has been denied and
is being returned in accordance with Title 22, Code of
Federal Regulations, Section 126.7(a) for the reasons
indicated below. Any questions regarding this decision
may be directed to....
                140 km




   90 km
           0s            220s

                                   Current US
                                 Nonproliferation
                                 Policy prohibits
                                  support to the
                                Brazilian Sounding
                                Rocket Programs.
Embargo (área   espacial)

                           Tubos-Motores do VLS

         Tratamento Térmico dos Tubo-motores do VLS
•1982: início tratamento térmico EUA-LA (aço 300M)

•1985: tratamentos térmicos EUA-Chicago (aço 300M)

 •1990: atividade iniciada e embargada definitivamente pelo DoS - EUA.

• 1995: Forno na Vilares: tratamento térmico, motores em aço 300M)




  Vilares – SP
• 2006 – A Vilares desistiu da atividade, desmontou as instalações de tratamento térmico
          do aço 300M e devolveu o forno ao CTA.
Embargo (áreas   espacial e defesa)
        Sistemas Inerciais para Aplicações Espaciais




Não se conseguiu adquir nos EUA:

•sistema de navegação inercial para lançadores de satélites; e

•bloco girométrico para controle de atitude para satélites em órbita.
Embargo (área   aeronáutica e espacial)




Após jul 2007, não se consegue mais adquirir o circuito
                    integrado nos EUA
Embargo (área   espacial)

Metalização do Veículo Lançador de Satélite
                 Metalizar um veículo: tornar sua estrutura
                  eletricamente condutora (deslocamento
                   do veículo ou descargas atmosféricas
                        induzem eletricidade estática)
VLS-1
            Em 14/11/2008, a empresa Lightning Technologies dos
              EUA, que detém a tecnologia de metalização e que
             estava em fase final de contratação (P.O. já emitido),
                             cancelou o contrato:

             ”I discussed the program with out ITAR consultant
            and she says we need to apply for a license before we
            can continue with any work. Unfortunately, the costs in
            services and labor for the license application means
            there is not sufficient funding on the contract to
            support your project. Therefore, we must regrettably
            decline the work at this time. Please proceed with
            cancelling our contract.
                                        Best regards, Kenneth Wiles”
Embargos e Dificuldades no Setor Aeronáutico
                  0
EGIR,
                Embargo Implícito (área aeronáutica)

     EGIR (EMBEDDED GPS, INERTIAL AND RADAR ALTIMETER)
(Sistema inercial usado nos programas ALX, F5BR e A-1 Modernizado)


                    MAR 08: DoS impôs restrições à Honeywell para
                            exportar 33 EGIR ao Brasil, após mais de 60
                            ALX produzidas pela EMBRAER.
              ALX




                              F5BR

                                                       A-1 Modernizado

 Os EUA mudaram repentinamente a política de exportação de
        produtos de alta tecnologia, gerando incertezas.
EGIR,
                   Embargo Implícito (área aeronáutica)

    Sistema inercial/GPS LN100              G, da Northrop Grumman
             JUL 2008: DoS impôs novas ressalvas de exportação




              P-3AM BR                   CASA 295 (C-105 Amazonas)

•   P/N original 802715-0004 (precisão: 0,8 nm/h)

•   P/N proposto pelos EUA 802715-0005 (precisão: 2,0 nm/h)

•   Situação P-3: já recebidas 04 EA com P/N original. Ainda faltam 14 EA)

•   Situação C-105: já existem 12 aeronaves. E os próximos 08 aviões?

     Novamente, mudanças repentinas na política de exportação
           de tecnologia dos EUA já estão gerando incertezas.
Objetivo


      Identificar o CTA como
o Órgão responsável Pelas Pesquisas,
  Desenvolvimentos e Inovações
    para o Setor Aeroespacial.
Roteiro

Histórico
Missão
Estrutura Organizacional
Formação
Visão Prospectiva
Roteiro

Histórico
Missão
Estrutura Organizacional
Formação
Visão Prospectiva
IME                          Decreto-Lei N. 1.735 de 3 NOV 1939
Instituto Militar
 de Engenharia
                                     Criação do 1º Curso de Engenharia
                                           Aeronáutica no Brasil


                           (Escola Técnica do Exército - RJ, atual IME)


1939



 1940               1950            1960                 1970
Decreto-Lei N. 2.691 de 10 JAN 1941
                      Criação de MAER




   1941



1940      1950              1960              1970
Criação do CTA
       1946



1940          1950           1960     1970
Criação do ITA
       1950



1940   1950               1960   1970
Professor Henrich Fock




                                          Projeto:
                                              turboeixo Double-Mamba Rolls Royce
                                                       (3.260 shp, pesando 200 kg);
           1º Projeto
                                          Opção:
CONVERTIPLANO (Heliconair-HC-1):              motor do Super Constellation a pistão
         1951 a 1956                                 (2.200 hp, pesando toneladas)
                          1951



1940                    1950       1960                  1970
Professor Henrich Fock




 2º Projeto IPD Beija- flor BF-01
           1956 a 1965
            Projeto
             Início




                        1º Vôo




                                           1º Vôo – FEV 1960
            1956      1960



1950                  1960          1970             1980
1968:     1º Vôo




1965:    Início 3º Projeto do CTA
                                                         Lider: Max Holste
       IPD 6504 Bandeirante
                              Projeto


                                         1º Vôo
                               Início




                              1965      1968



1950               1960                           1970            1980
1969: Criação da EMBRAER
                                     1969



1940   1950            1960            1970
1965: Criação do CLBI - Centro de
              Lançamento da Barreira do Inferno




              1965



1950   1960           1970              1980
Desenvolvimento de Foguetes de Sondagem                                     1966: SONDA III, no CTA
       1965: SONDA I
              na AVIBRAS




                                                                            4,5 m




                                                                                         8m
     3,9 m




                                               1966: SONDA II, no CTA
                                         Fomento industrial (SONDAS II e III): ligas
                                      metálicas com grande resistência ( > 200 kg/mm2)
Fomento industrial (SONDA I):
    tubos sem costura


                       SONDA I                SONDA II     SONDA III
                      1º Vôo 1967           1º Vôo 1974   1º Vôo 1978



  1960                              1970                         1980                         1990
Desenvolvimento do Foguete de Sondagem


   1966: SONDA III                                                              1974: SONDA IV




                                                            Motor S-30




                                                                         11 m
                                               Motor S-40


       SONDA III                SONDA IV
       1º Vôo 1978              1º Vôo 1984




1970                     1980                 1990                                    2000
Desenvolvimento de Foguete de Sondagem
      1987: Início do Projeto VLS

  SONDA IV




                                                                              VLS
                                                        r S-40)
                                              io (1 moto
                                      3º estág



                     1º (4 m
                             otores
                                    S-   43) e 2
                                                 º (1 m
                                                        otor S
                                                              -43) es
                                                                     tágios
                       Projeto
                        Início

                         VLS




       SONDA IV
       1º Vôo 1984      1987



1980                           1990                           2000
Satélite




                              Veículo
                              Lançador


                                                                  Centro de
        Missão Espacial
       Completa Brasileira                                       Lançamento
                                                                 de Alcântara
 1980: Criação do MECB

                                         1994: Criação PNAE e AEB (Agência
                                                               Espacial Brasileira)


                       MECB                      PNAE e AEB
                       1980                         1994



1970                   1980              1990                   2000
Centro de Controle
                                                                Telemetria
                                    Comando e Controle


                        CLA – Centro de Lançamento de
                                  Alcântara
                         (2º 18' de latitude Sul do Equador)
       Radar                                                   Meteorologia
1982: GICLA Grupo para Implantação do Centro de Lançamento de Alcântara

                            GICLA     1º lançamento
                            1982           1987



1970                 1980                        1990            2000
Roteiro

Histórico
Missão
Estrutura Organizacional
Formação
Visão Prospectiva
Missão

      Ampliar o conhecimento e desenvolver soluções
científico-tecnológicas    para    fortalecer       o     Poder
Aeroespacial, contribuindo para a soberania nacional
e para o progresso da sociedade brasileira, por meio
de ensino, pesquisa, desenvolvimento, inovação e
serviços especializados, no campo aeroespacial


                             DCA 80-2 - PEPD, de 19 de julho de 2007
Roteiro

Histórico
Missão
Estrutura Organizacional
Formação
Visão Prospectiva
Estrutura do Ministério da Defesa
                                           Ministério da
                                              Defesa


                       Comando da          Comando da           Comando do
                         Marinha           Aeronáutica            Exército


                        EMAER                                        SEFA




  COMGAR          COMGAP          COMGEP               CTA           DEPENS          DECEA

Comando General Comando General Comando General   Comando General   Departamento    Departamento
    do Ar                         de Pessoal        de Tenologia     de Ensino     de Controle do
                   de Apoio
                                                    Aeroespacial                    Espaço Aéreo
Estrutura                CTA
     CTA                                                 DCTA

                                    SDE
                                    SDF                  SDF                       SDDP

  ITA            IAE        IEAv             IFI                GIA                 GEEV




                                                               INFRA-ESTRUTURA E
                                          CERTIFICAÇÃO
EDUCAÇÃO




                     PESQUISA
PESQUISA




                                           FOMENTO E
                        E
    E




                 DESENVOLVIMENTO




                                                                     APOIO
           CLA                     CLBI
Resumo de Criação dos Institutos do CTA

 1950            1954             1969                1975              1982              1990           2006


 (ITA)
  Instituto
Tecnológico
     de
Aeronáutica
                 (IPD)
                Instituto de
                Pesquisas e
              Desenvolvimento
                                  (IAE)
                            Instituto de Atividades
                                   Espaciais
                                                      (IFI)
                                              Instituto de Fomento e
                                              Coordenação Industrial

                                                                       (IEAv)
                                     +                           Instituto de Estudos
                                                                      Avançados

                                 1969                                                     (IAE)
                                                                                         Instituto de
                                                                                        Aeronaútica e
                                                                                           Espaço
                                                                                                        (GEEV)
Campus do CTA
CARACTERÍSTICAS
                                          • Área Total : 14 km2 o 1.383,261 Ha
                                             • Área Construida: 382.000 m2
                                                   • Perímetro: 31 Km.
                                          • Localización: a 70 Km. de São Paulo
                                                         a 330 Km. de Río de
                                                              Janeiro
                                               •Servidores: 4.100 en total
                    Campus del CTA                       2.400 civiles y 1.700
                        S.J.Campos                         militares
                                                   •Estudiantes: 1.800
                                            • Área Residencial: 950 unidades
                                          • Red Vial: de 65 Km. de vías internas
        FACILIDADES
• 3 Hoteles de Tránsito, Tres Clubes        EMBRAER
• Hospital, maternidad y Odontoclínica
      • Supermercado, farmacia
 • Lavadero, sastrería, zapatería, etc.
        • Correos, Gasolinera
           • Cinco Bancos
     • Escuelas (de Jardin a Pós-
             Doctorado)
Centro de Lançamento de Alcântara
Centros de Lançamento no Mundo




Área do CLA: 62.000 ha
Plano de Ocupação
312 famílias transferidas e assentadas em 07   agrovilas   (JUN 86 a DEZ 88)




DISTRITO AGRICOLA
    “MARUDÁ”                                                   Residência original
C E A – Centro Espacial de Alcântara



                     Escolha de Alcântara:

                    Fatores associados à
                    Operacionalidade:
                      Localização equatorial
                      Área disponível para
                    expansão


                        Área do CLA
ALCANTARA CICLONE SPACE - ACS

PREVISÃO INICIAL




                                                        Ciclone 4


                                                        Raio = 3 km


                   Área II                                  SPL II / VLS-3



   Área da                                                            Raio = 3 km


Binacional ACS
                                  Centro de
                                  Controle                                SPL I
                                                                      VLS-1 e VLS-2
                         Área I
                                              Estação
                                               INPE




 Área do CLA
Solução de Consenso ACS, CTA, e AEB:
                 Ciclone 4 e VLS no CLA.
   Área da
                                                Sítio Futuro
Binacional ACS                                   do VLS-2




                                            Sítio atual
                                            do VLS-1
Centro de Lançamento da Barreira do Inferno
Centro de Lançamento da Barreira do Inferno


                                                            rn
                                                       ea
                                                     eB
                              ia                                 Radar BEARN
                          etr                   ur
                      lem                   r do
                    Te                    sA
                                      ar e
                                   Rad




Marco Geográfico:
Área: 19,6 Km2
Perímetro: 39 Km
Orla Marítima: 8,6 Km
RASTREAMENTO DO ARIANE
          Cooperação Brasil - ESA




   CLBI
Roteiro

Histórico
Missão
Estrutura Organizacional
Formação
Visão Prospectiva
Graduação 0e Pós-graduação
Ensino                  Cursos de Graduação

                              Engenharia    Engenharia de
Engenharia     Engenharia                                     Engenharia de
                              Mecânica -    Infra-Estrutura
Aeronáutica     Eletrônica                                     Computação
                              Aeronáutica    Aeronáutica




                Eletrônica
Aerodinâmica    Aplicada                                      Computação
 Estruturas    Circuitos e       Energia      Edificações      Científica
 Propulsão     Microondas                      Geotecnia       Engenharia
                                Projetos
Mecânica de    Sistemas de                     Hidráulica
                                                               de Software
                              Organização
   Vôo           Controle                                       Teoria da
                                              Transportes
  Projetos     Telecomuni-     Tecnologia                      Computação
                 cações
GRADUADOS ATÉ 2007

  Aeronáutica (desde 1950)            1.343 (295)
  Eletrônica (desde 1953)             1.880 (199)
  Mecânica-Aeronáutica (desde 1965)   1.216 (161)
  Infra-Estrutura Aer (desde 1976)     375 (127)
  Computação (desde 1991)              265 (58)


Total de Engenheiros                  5.079 (840)
  (***) - militares
Vestibular: 24 locais
            Manaus
            Belém
            Fortaleza
            Natal
            Recife
            Salvador
            Brasília
            Goiânia
            Campo Grande
            Cuiabá
            Belo Horizonte
            Juiz de Fora (JFA)
            Rio de Janeiro
            Vitória
            São Paulo
            São José dos Campos (SJC)
            Campinas (CPS)
            Bauru (BRU)
            Ribeirão Preto (RPO)
            São José do Rio Preto (SRP
            Curitiba
            Londrina (LDA)
            Florianópolis
            Porto Alegre
Ensino                 Cursos de Pós-graduação

 Engenharia             Engenharia           Engenharia de
Aeronáutica e           Eletrônica e         Infra-estrutura            Física
  Mecânica              Computação            Aeronáutica


    Aerodinâmica,         Dispositivos e                             Física Atômica e
                                               Infra-Estrutura de
Propulsão e Energia          Sistemas                                     Nuclear
                                                   Transportes
    Mecânica dos          Eletrônicos                                 Física Nuclear
                                              Transporte Aéreo e
      Sólidos               Informática            Aeroportos       Física de Plasmas
     e Estruturas         Microondas e
Física e Química dos      Optoeletrônica
Materiais Aeroespa-    Sistemas e Controle
         ciais
                       Telecomunicações
      Produção
Sistemas Aeroespa-
 ciais e Mecatrônica

   MP – Embraer
   MP – Pilkington
PÓS-GRADUADOS ATÉ 2007

PG stricto sensu              1.834 (148)
 Mestres        (1963-2006)    1.567 (136)

 Doutores (1970-2006)           267 (12)

PG lato sensu                  567 (335)

   (***) - militares
Roteiro

Histórico
Missão
Estrutura Organizacional
Formação
Visão Prospectiva
ENSINO
               Criação de Cursos
Graduação                                  Pós-graduação
Engenharia                                   Engenharia
 Espacial                                     Espacial


Aerodinâmica                                   Aerodinâmica,
                                           Propulsão e Energia
  Estruturas
                                           Mecânica dos Sólidos
  Propulsão                                     e Estruturas
 Mecânica de                               Física e Química dos
               Dobrar o número de alunos    Materiais Aeroespa-
    Vôo
                                                    ciais
                     de graduação
  Projetos                                       Produção
                 nos próximos 10 anos
                                           Sistemas Aeroespa-
                                            ciais e Mecatrônica

                                                 AEB
Projetos Mobilizadores




Programa 0Cruzeiro do Sul
2 NOV 1997: 1º Lançamento
   Protótipo VLS-1-V01
                            Projetos




                                       11 DEZ 1999: 2º Lançamento
                                           Protótipo VLS-1-V02




                                                                    22 AGO 2003: Acidente com o
                                                                        Protótipo VLS-1-V03


                            Filme
Projetos




                              Gama


                  Delta
                                     Beta

                    Epsilon


                              Alfa




           Programa Cruzeiro do Sul
           Programa Cruzeiro do Sul
Projetos                  Programa Cruzeiro do Sul - Propulsores
2 propulsores líquidos (Ker+LOx)
                                             Família de Lançadores
7,5 t empuxo _ L75                             Pequeno, Médio
150 t empuxo _ L1500                            e Grande Porte


1 propulsor sólido 32 t a 40 t
                                                                                L75


                                                              ?             4xL75




                       L75
                                                                        L1500
                                                   L1500
                                     4xL75

                                     P36                    1600 kg
                                                            GTO 2,3º
                                                             Ciclone 4
       VLS -1      VLS ALFA      VLS BETA    VLS GAMA      VLS DELTA
                                                            VLS DELTA           VLS EPSILON
                                                            JUN 2010
NECESSIDADES




      Reconstrução do Sistema
“Plataforma de 0Lançamento do VLS”
  (TMI + Infra-estrutura + Eletro-eletrônicos)
Custo total: R$ 33 milhões




                                Custos %
                      1- Obras civis: ~25%
                      2 - Elétrica-eletrônica: ~45%
                      3 - Estrutura metálica: ~30%
Sistema Plataforma de Lançamento VLS-1
   Ilustração da nova versão do sistema plataforma – SIS.PLAT/VLS
D-36

             1º Estágio



                 2º Estágio




1º Estágio




                                     io
                                   st á g
                                  1º E
                     1º Estágio
NECESSIDADES




REDES ELÉTRICAS E PIROTÉCNICAS
            0
Redes Elétricas
•   Rede Elétrica de Serviço
•   Rede Elétrica de Telemedidas
•   Rede Elétrica Controle
•   Rede Elétrica de Segurança

       Redes Pirotécnicas
•Sistema de Ignição
•Sistema de Destruição
•Sistema de Separação
NECESSIDADES




PREQUALIFICAÇÃO DE EMPRESAS
           0
Prequalifição de Empresas

• CTA: em fase de elaboração dos critérios e
das especificações tecnicas, para se emitir o
EDITAL para a prequalificação de empresas
(até 15 NOV).


• AEB: após a elaboração dos critérios e
especificações, será publicado o EDITAL de
concorrência.
Projetos Mobilizadores




    Propulsão Líquida
          0
Ignitor Gás-dinâmico
P&D de Veículo Lançador de Satélites com
            emprego de Propulsão Líquida
                                  VS-15 (1,5 ton)
                            Foguete Mono-Estágio a
                              Propelente Líquido

Motor 5 kN


                                                                    gio
                                                                s tá
               1ª Queima em banco - previsão: dez 08         3ºE




                                     Motor 75 kN (7,5 ton)                VLS-Alfa
Projetos Mobilizadores




     Família de VANT
          0
60,000                                       Missões Estratégicas - Alta Altitude
                                                                           20-60 h
                                                                    100 - >250 kg Payload
                 50,000                        Global Hawk
Altitude (pés)




                 40,000                         Missões Estratégicas - Média Altitude
                                                               20-60 h
                 30,000       Predator                  100 - 250 kg Payload

                 20,000
                                                         Missões Táticas 2
                                                               10-20 h
                 10,000                                  50 - 100 kg Payload
                                                                                  Hunter

                      0
                                     100          200         300          400          500          600
                 Missões Táticas 1                                                Alcance (km)
                      4-10 h                                 Fase 1: Projeto
                 20-40 kg Payload                             VANT Tático
                                     Pioneer
VANT – Veículos Aéreos Não-Tripulados
                        VANT               Alvo Aéreo
                    Reconhecimento         Baixo Custo
    Alvo Aéreo                                                  VANT
 Alto Desempenho                                           Reconhecimento
                          CTEx              IPqM
           CTA                                           AVIBRAS

                                 Item comum:
                            Sistema de Navegação
                                   e Controle



                               Projeto VANT
                                   FINEP

• Ago 2007: vôo c/ controle manual (instrumentado)
• Out 2007 e Maio 2008: vôos comandados e módulos autônomos (PA)
MICROVA WASP
                                                                               0.2 kg / 1 h /9 km




                                NAVA – Nanoveículo Aéreo
    VANT CT-AERO                  10 g / 20 min / 1 km


                 SNC                                                                                          MICROVA Raven
  Plataf.                                                                                                     2 kg /1.5h/12 km


  de Vôo       TC&TM                                               VANT Global Hawk
                                                           13 ton / 32h / 11.000km / 65.000 pés

DESDOBRAMENTOS
    FUTUROS
                                MINIVA ScanEagle
     VANT de                    20kg / 20h /120km

  Reconhecimento
(Tático, Estratégico e Civil)


                                                                                                  High Altitude Airship (HAA)
                                                                                                   2 Ton / 30 dias/ 65.000 pés
Subenção FINEP 2008           2009                                2012                         2016
        (EMBRAER + AVIBRAS)

                                            VANT RE TÁTICO : 3 anos


                                       Certificação, Industrialização ,
VANT RE (Tático 1):>15hs; 15000 pés
               (3 anos)
                                                Apoio Logístico

               3 – PDP: SISVANTRE Estratégico Armado de Grande Altitude
                                                                           Aeroeletrônica
                                                                       Plataforma Inercial
                                                                       SGNA - Sistema
                                                                       de Guiamento e
         MAA-1B                                                         Navegação de
                                                                          Aeronaves
                                      Torreta FLIR




        Turboeixo
        Off the shelf
                                       (EMBRAER + AVIBRAS + outras)                   07 anos
                                         VANT RE: > 30hs; >30000 pés




          TR 3500


                             Turboeixo nacional
                            Desenv., Fabric., certific.
                               e industrialização
    Conclusão do                                                                                OTHR
   Desenv., fabric. e
     certificação
                                                                 SAR UAV                RWR
Projetos Mobilizadores




        Turbomotores
            0
  (Turboélice, Turboeixo e Turborreator)
Turbomotores de Pequena Potência


                                                                                                                                     VANT tipo Predador B
                                    $ FINEP
Turborreator 3.500 N - 27 set 08



                                                               Turboélice de 1.000 SHP
                                                                                2009 a 2012


                                    Fu
                                      tu
                                           ro
                                              s
                                                  De
                                                    sd
                                                         ob
               $




                                                              ra                           TR 5000
                AE




                                                                m
                                                                    en             Tuborreator de 3500 a 5000 N
                  B




                                                                       to
                                                                          s   .R
                                                                                ec
                                                                                  ur
                                                                                     s   os
                                                                                              FI
                                                                                                   NE
                                                                                                     P,
                                                                                                        Pe
                                                                                                           tro
                                                                                                                 br                       TE 5000
                                                                                                                      as
                                                                                                                        ...
                                                                                                                              ?
                                                                                                                                  Tuboeixo de 1 a 5 Mwe para
         Turbobombas para motores                                                                                                    geração elétrica, com
         foguetes a propulsão líquida                                                                                                  REGENERAÇÃO
Projetos Mobilizadores




       Área Nuclear
          0
Programa TERRA
(Tecnologia de Reatores Rápidos Avançados)




                                     se              (250kWe a 1 MWe); Peso: ~1 ton;
                                1ª Fa    létri
                                              ca
 Reator Rápido Pequeno                oE                     ~ US$ 1 bilhão
                              Ge  raçã     1)
                                       202
                                    9a
                               (200




                      Pro
                         pu     2ª
                            lso    Fa
                               rn     se
                       (20       uc
                          21        lea
                             a2        re
                                031      sp
                                   )       aci
                                              al   Transferência de órbita e viagens
                                                           interplanetárias
                                                     (250kWe a 1 MWe); Peso: ~1 ton
                                                             ~US$ 1 bilhão
Projetos
               Projeto PASIL – Terras Raras
                      (Separação Isotópica a LASER)



 ABLAÇÃO A LASER
    (Produção de
   vapor atômico a
    partir de alvos
     complexos)
                                                         +v


                      +                                            -v
                        +v

 Fotoionização
    seletiva                                          Separação isotópica
                               -v                      de terras raras, a
                                                        partir de alvos
                                                          complexos
Projetos Mobilizadores




       Hipersônica
          0
Propulsão Hipersônica
  Propulsão a laser em
escoamento hipersônico




                         Ensaio do modelo em escala
                            do 14-X SCRAMJET
                             (Combustão supersônica)
Projetos
           Lançador Hipersônico de Massa - Zarabatana




                                          m = 0,2 a 0,4 kg



                              Já foi demonstrado Mach 10

                              Meta: Mach 27
Projetos Mobilizadores




 Motor Flex Aeronáutico
          0
Motor Aeronáutico a Álcool e Motor Flex
       22/10/2005




                                      Empresa:
                                    Magneti Marelli
Roteiro

Histórico
Missão
Estrutura Organizacional
Formação
Visão Prospectiva
Objetivo


Identificar o CTA como o órgão responsável
    Pelas Pesquisas e Desenvolvimentos
Estratégicos de Curto, Médio e Longo Prazos,
         Para o Setor Aeroespacial.
COMANDO-GERAL DE TECNOLOGIA AEROESPACIAL


“Os povos sem ciência, sem
tecnologia, não passam de
cortadores de lenha e
carregadores de água para os
povos mais esclarecidos".
              RUTHERFORD

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Formulario 3C
Formulario 3CFormulario 3C
Identifying Web Servers: A First-look Into the Future of Web Server Fingerpri...
Identifying Web Servers: A First-look Into the Future of Web Server Fingerpri...Identifying Web Servers: A First-look Into the Future of Web Server Fingerpri...
Identifying Web Servers: A First-look Into the Future of Web Server Fingerpri...
Jeremiah Grossman
 
Iis Security Programming Countermeasures
Iis Security Programming CountermeasuresIis Security Programming Countermeasures
Iis Security Programming Countermeasures
guestc27cd9
 
Return oriented programming
Return oriented programmingReturn oriented programming
Return oriented programming
hybr1s
 
Digital Astroturfing: Definition, typology, and countermeasures.
Digital Astroturfing: Definition, typology, and countermeasures.Digital Astroturfing: Definition, typology, and countermeasures.
Digital Astroturfing: Definition, typology, and countermeasures.
Marko Kovic
 
Designing Countermeasures For Tomorrows Threats
Designing Countermeasures For Tomorrows ThreatsDesigning Countermeasures For Tomorrows Threats
Designing Countermeasures For Tomorrows Threats
Darwish Ahmad
 
Webinar Gratuito: "Herramientas Graficas en Kali Linux 2.0"
Webinar Gratuito: "Herramientas Graficas en Kali Linux 2.0"Webinar Gratuito: "Herramientas Graficas en Kali Linux 2.0"
Webinar Gratuito: "Herramientas Graficas en Kali Linux 2.0"
Alonso Caballero
 
Google Hacking for Cryptographic Secrets
Google Hacking for Cryptographic SecretsGoogle Hacking for Cryptographic Secrets
Google Hacking for Cryptographic Secrets
Dr. Emin İslam Tatlı
 
Irregularity Countermeasures in Massively Parallel BigData Processors
Irregularity Countermeasures in Massively Parallel BigData ProcessorsIrregularity Countermeasures in Massively Parallel BigData Processors
Irregularity Countermeasures in Massively Parallel BigData Processors
Tokyo University of Science
 
[CB16] Air-Gap security: State-of-the-art Attacks, Analysis, and Mitigation b...
[CB16] Air-Gap security: State-of-the-art Attacks, Analysis, and Mitigation b...[CB16] Air-Gap security: State-of-the-art Attacks, Analysis, and Mitigation b...
[CB16] Air-Gap security: State-of-the-art Attacks, Analysis, and Mitigation b...
CODE BLUE
 
Security Site Surveys and Risk Assessments
Security Site Surveys and Risk AssessmentsSecurity Site Surveys and Risk Assessments
Security Site Surveys and Risk Assessments
Enterprise Security Risk Management
 
Secure routing in wsn-attacks and countermeasures
Secure routing in  wsn-attacks and countermeasuresSecure routing in  wsn-attacks and countermeasures
Secure routing in wsn-attacks and countermeasures
Muqeed Abdul
 
Web application security: Threats & Countermeasures
Web application security: Threats & CountermeasuresWeb application security: Threats & Countermeasures
Web application security: Threats & Countermeasures
Aung Thu Rha Hein
 
Root cause analysis apr 2010
Root cause analysis apr 2010Root cause analysis apr 2010
Root cause analysis apr 2010
Michael Sahota
 
Java ist doch schon sicher?!
Java ist doch schon sicher?!Java ist doch schon sicher?!
Java ist doch schon sicher?!
BridgingIT GmbH
 
Webinar Gratuito: Técnicas Antiforenses Básicas
Webinar Gratuito: Técnicas Antiforenses BásicasWebinar Gratuito: Técnicas Antiforenses Básicas
Webinar Gratuito: Técnicas Antiforenses Básicas
Alonso Caballero
 
Webinar Gratuito "Explotación CMSs Web"
Webinar Gratuito "Explotación CMSs Web"Webinar Gratuito "Explotación CMSs Web"
Webinar Gratuito "Explotación CMSs Web"
Alonso Caballero
 
Webinar Gratuito "Ataques a Bases de Datos"
Webinar Gratuito "Ataques a Bases de Datos"Webinar Gratuito "Ataques a Bases de Datos"
Webinar Gratuito "Ataques a Bases de Datos"
Alonso Caballero
 
La movilidad en el entorno industrial
La movilidad en el entorno industrialLa movilidad en el entorno industrial
La movilidad en el entorno industrial
Diego Juez Lasarte
 
Countermeasures For Equine Laminitis (Mc Intosh)
Countermeasures For Equine Laminitis (Mc Intosh)Countermeasures For Equine Laminitis (Mc Intosh)
Countermeasures For Equine Laminitis (Mc Intosh)
Gwyn Shelle
 

Destaque (20)

Formulario 3C
Formulario 3CFormulario 3C
Formulario 3C
 
Identifying Web Servers: A First-look Into the Future of Web Server Fingerpri...
Identifying Web Servers: A First-look Into the Future of Web Server Fingerpri...Identifying Web Servers: A First-look Into the Future of Web Server Fingerpri...
Identifying Web Servers: A First-look Into the Future of Web Server Fingerpri...
 
Iis Security Programming Countermeasures
Iis Security Programming CountermeasuresIis Security Programming Countermeasures
Iis Security Programming Countermeasures
 
Return oriented programming
Return oriented programmingReturn oriented programming
Return oriented programming
 
Digital Astroturfing: Definition, typology, and countermeasures.
Digital Astroturfing: Definition, typology, and countermeasures.Digital Astroturfing: Definition, typology, and countermeasures.
Digital Astroturfing: Definition, typology, and countermeasures.
 
Designing Countermeasures For Tomorrows Threats
Designing Countermeasures For Tomorrows ThreatsDesigning Countermeasures For Tomorrows Threats
Designing Countermeasures For Tomorrows Threats
 
Webinar Gratuito: "Herramientas Graficas en Kali Linux 2.0"
Webinar Gratuito: "Herramientas Graficas en Kali Linux 2.0"Webinar Gratuito: "Herramientas Graficas en Kali Linux 2.0"
Webinar Gratuito: "Herramientas Graficas en Kali Linux 2.0"
 
Google Hacking for Cryptographic Secrets
Google Hacking for Cryptographic SecretsGoogle Hacking for Cryptographic Secrets
Google Hacking for Cryptographic Secrets
 
Irregularity Countermeasures in Massively Parallel BigData Processors
Irregularity Countermeasures in Massively Parallel BigData ProcessorsIrregularity Countermeasures in Massively Parallel BigData Processors
Irregularity Countermeasures in Massively Parallel BigData Processors
 
[CB16] Air-Gap security: State-of-the-art Attacks, Analysis, and Mitigation b...
[CB16] Air-Gap security: State-of-the-art Attacks, Analysis, and Mitigation b...[CB16] Air-Gap security: State-of-the-art Attacks, Analysis, and Mitigation b...
[CB16] Air-Gap security: State-of-the-art Attacks, Analysis, and Mitigation b...
 
Security Site Surveys and Risk Assessments
Security Site Surveys and Risk AssessmentsSecurity Site Surveys and Risk Assessments
Security Site Surveys and Risk Assessments
 
Secure routing in wsn-attacks and countermeasures
Secure routing in  wsn-attacks and countermeasuresSecure routing in  wsn-attacks and countermeasures
Secure routing in wsn-attacks and countermeasures
 
Web application security: Threats & Countermeasures
Web application security: Threats & CountermeasuresWeb application security: Threats & Countermeasures
Web application security: Threats & Countermeasures
 
Root cause analysis apr 2010
Root cause analysis apr 2010Root cause analysis apr 2010
Root cause analysis apr 2010
 
Java ist doch schon sicher?!
Java ist doch schon sicher?!Java ist doch schon sicher?!
Java ist doch schon sicher?!
 
Webinar Gratuito: Técnicas Antiforenses Básicas
Webinar Gratuito: Técnicas Antiforenses BásicasWebinar Gratuito: Técnicas Antiforenses Básicas
Webinar Gratuito: Técnicas Antiforenses Básicas
 
Webinar Gratuito "Explotación CMSs Web"
Webinar Gratuito "Explotación CMSs Web"Webinar Gratuito "Explotación CMSs Web"
Webinar Gratuito "Explotación CMSs Web"
 
Webinar Gratuito "Ataques a Bases de Datos"
Webinar Gratuito "Ataques a Bases de Datos"Webinar Gratuito "Ataques a Bases de Datos"
Webinar Gratuito "Ataques a Bases de Datos"
 
La movilidad en el entorno industrial
La movilidad en el entorno industrialLa movilidad en el entorno industrial
La movilidad en el entorno industrial
 
Countermeasures For Equine Laminitis (Mc Intosh)
Countermeasures For Equine Laminitis (Mc Intosh)Countermeasures For Equine Laminitis (Mc Intosh)
Countermeasures For Equine Laminitis (Mc Intosh)
 

Semelhante a Brigadeiro Engº VenâNcio Alvarenga Gomes

O desgaste de componentes e equipamentos - parte 2
O desgaste de componentes e equipamentos - parte 2O desgaste de componentes e equipamentos - parte 2
O desgaste de componentes e equipamentos - parte 2
Instituto Nacional de Engenharia de Superfícies
 
Contribuições da tecnologia espacial na solução de problemas de defesa
Contribuições da tecnologia espacial na solução de problemas de defesaContribuições da tecnologia espacial na solução de problemas de defesa
Contribuições da tecnologia espacial na solução de problemas de defesa
SAE - Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República
 
18 - Album_de_projetos_tipo_dispositivos_de_drenagem_ipr_736.pdf
18 - Album_de_projetos_tipo_dispositivos_de_drenagem_ipr_736.pdf18 - Album_de_projetos_tipo_dispositivos_de_drenagem_ipr_736.pdf
18 - Album_de_projetos_tipo_dispositivos_de_drenagem_ipr_736.pdf
WILIANEDEALMEIDALIMA
 
RELAÇÃO DOS MANUAIS DE CAMPANHA (C) E INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS (IP)
 RELAÇÃO DOS MANUAIS DE CAMPANHA (C) E INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS (IP) RELAÇÃO DOS MANUAIS DE CAMPANHA (C) E INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS (IP)
RELAÇÃO DOS MANUAIS DE CAMPANHA (C) E INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS (IP)
Falcão Brasil
 
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA GUERRA ELETRÔNICA C 34-1
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA GUERRA ELETRÔNICA C 34-1MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA GUERRA ELETRÔNICA C 34-1
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA GUERRA ELETRÔNICA C 34-1
Falcão Brasil
 
MANUAL DE CAMPANHA INSTALAÇÕES NA ZONA DE COMBATE C 5-39
MANUAL DE CAMPANHA INSTALAÇÕES NA ZONA DE COMBATE C 5-39MANUAL DE CAMPANHA INSTALAÇÕES NA ZONA DE COMBATE C 5-39
MANUAL DE CAMPANHA INSTALAÇÕES NA ZONA DE COMBATE C 5-39
Falcão Brasil
 
Ica 63 19
Ica 63 19Ica 63 19
Ica 63 19
thyago
 
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA ENGENHARIA C 5-1
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA ENGENHARIA C 5-1MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA ENGENHARIA C 5-1
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA ENGENHARIA C 5-1
Falcão Brasil
 
Sabotagem programa espacial_brasileiro
Sabotagem programa espacial_brasileiroSabotagem programa espacial_brasileiro
Sabotagem programa espacial_brasileiro
Lucio Borges
 
Parecer técnico n
Parecer técnico nParecer técnico n
Parecer técnico n
Carlos Elson Cunha
 
Vertiportos Estado da arte e o que fazer já
Vertiportos Estado da arte e o que fazer jáVertiportos Estado da arte e o que fazer já
Vertiportos Estado da arte e o que fazer já
Igor Rafailov
 
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS A VIATURA BLINDADA DE COMBATE - CARRO DE COMBATE LEOPA...
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS A VIATURA BLINDADA DE COMBATE - CARRO DE COMBATE LEOPA...INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS A VIATURA BLINDADA DE COMBATE - CARRO DE COMBATE LEOPA...
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS A VIATURA BLINDADA DE COMBATE - CARRO DE COMBATE LEOPA...
Falcão Brasil
 
PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE SUBMARINOS (PROSUB) Apresentação na Comissão ...
PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE SUBMARINOS (PROSUB)  Apresentação na Comissão ...PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE SUBMARINOS (PROSUB)  Apresentação na Comissão ...
PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE SUBMARINOS (PROSUB) Apresentação na Comissão ...
Leonam Guimarães
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO O LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO ELETRÔNICO CI 6-199/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO O LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO ELETRÔNICO CI 6-199/1CADERNO DE INSTRUÇÃO O LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO ELETRÔNICO CI 6-199/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO O LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO ELETRÔNICO CI 6-199/1
Falcão Brasil
 
Osx project update port_novembro_final
Osx project update port_novembro_finalOsx project update port_novembro_final
Osx project update port_novembro_final
osxri
 
MANUAL DE CAMPANHA A ENGENHARIA DIVISIONÁRIA C 5-31
MANUAL DE CAMPANHA A ENGENHARIA DIVISIONÁRIA C 5-31MANUAL DE CAMPANHA A ENGENHARIA DIVISIONÁRIA C 5-31
MANUAL DE CAMPANHA A ENGENHARIA DIVISIONÁRIA C 5-31
Falcão Brasil
 
Manual de laboratórios
Manual de laboratóriosManual de laboratórios
Manual de laboratórios
Professor
 
Álbum de Projetos - Tipo de dispositivos de drenagem
Álbum de Projetos - Tipo de dispositivos de drenagemÁlbum de Projetos - Tipo de dispositivos de drenagem
Álbum de Projetos - Tipo de dispositivos de drenagem
Jiselmo Vieira
 
MANUAL DE CAMPANHA O APOIO DE ENGENHARIA NO ESCALÃO BRIGADA C 5-10
MANUAL DE CAMPANHA O APOIO DE ENGENHARIA NO ESCALÃO BRIGADA C 5-10MANUAL DE CAMPANHA O APOIO DE ENGENHARIA NO ESCALÃO BRIGADA C 5-10
MANUAL DE CAMPANHA O APOIO DE ENGENHARIA NO ESCALÃO BRIGADA C 5-10
Falcão Brasil
 
10 nbr 6123
10 nbr 612310 nbr 6123

Semelhante a Brigadeiro Engº VenâNcio Alvarenga Gomes (20)

O desgaste de componentes e equipamentos - parte 2
O desgaste de componentes e equipamentos - parte 2O desgaste de componentes e equipamentos - parte 2
O desgaste de componentes e equipamentos - parte 2
 
Contribuições da tecnologia espacial na solução de problemas de defesa
Contribuições da tecnologia espacial na solução de problemas de defesaContribuições da tecnologia espacial na solução de problemas de defesa
Contribuições da tecnologia espacial na solução de problemas de defesa
 
18 - Album_de_projetos_tipo_dispositivos_de_drenagem_ipr_736.pdf
18 - Album_de_projetos_tipo_dispositivos_de_drenagem_ipr_736.pdf18 - Album_de_projetos_tipo_dispositivos_de_drenagem_ipr_736.pdf
18 - Album_de_projetos_tipo_dispositivos_de_drenagem_ipr_736.pdf
 
RELAÇÃO DOS MANUAIS DE CAMPANHA (C) E INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS (IP)
 RELAÇÃO DOS MANUAIS DE CAMPANHA (C) E INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS (IP) RELAÇÃO DOS MANUAIS DE CAMPANHA (C) E INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS (IP)
RELAÇÃO DOS MANUAIS DE CAMPANHA (C) E INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS (IP)
 
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA GUERRA ELETRÔNICA C 34-1
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA GUERRA ELETRÔNICA C 34-1MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA GUERRA ELETRÔNICA C 34-1
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA GUERRA ELETRÔNICA C 34-1
 
MANUAL DE CAMPANHA INSTALAÇÕES NA ZONA DE COMBATE C 5-39
MANUAL DE CAMPANHA INSTALAÇÕES NA ZONA DE COMBATE C 5-39MANUAL DE CAMPANHA INSTALAÇÕES NA ZONA DE COMBATE C 5-39
MANUAL DE CAMPANHA INSTALAÇÕES NA ZONA DE COMBATE C 5-39
 
Ica 63 19
Ica 63 19Ica 63 19
Ica 63 19
 
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA ENGENHARIA C 5-1
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA ENGENHARIA C 5-1MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA ENGENHARIA C 5-1
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA ENGENHARIA C 5-1
 
Sabotagem programa espacial_brasileiro
Sabotagem programa espacial_brasileiroSabotagem programa espacial_brasileiro
Sabotagem programa espacial_brasileiro
 
Parecer técnico n
Parecer técnico nParecer técnico n
Parecer técnico n
 
Vertiportos Estado da arte e o que fazer já
Vertiportos Estado da arte e o que fazer jáVertiportos Estado da arte e o que fazer já
Vertiportos Estado da arte e o que fazer já
 
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS A VIATURA BLINDADA DE COMBATE - CARRO DE COMBATE LEOPA...
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS A VIATURA BLINDADA DE COMBATE - CARRO DE COMBATE LEOPA...INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS A VIATURA BLINDADA DE COMBATE - CARRO DE COMBATE LEOPA...
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS A VIATURA BLINDADA DE COMBATE - CARRO DE COMBATE LEOPA...
 
PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE SUBMARINOS (PROSUB) Apresentação na Comissão ...
PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE SUBMARINOS (PROSUB)  Apresentação na Comissão ...PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE SUBMARINOS (PROSUB)  Apresentação na Comissão ...
PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE SUBMARINOS (PROSUB) Apresentação na Comissão ...
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO O LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO ELETRÔNICO CI 6-199/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO O LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO ELETRÔNICO CI 6-199/1CADERNO DE INSTRUÇÃO O LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO ELETRÔNICO CI 6-199/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO O LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO ELETRÔNICO CI 6-199/1
 
Osx project update port_novembro_final
Osx project update port_novembro_finalOsx project update port_novembro_final
Osx project update port_novembro_final
 
MANUAL DE CAMPANHA A ENGENHARIA DIVISIONÁRIA C 5-31
MANUAL DE CAMPANHA A ENGENHARIA DIVISIONÁRIA C 5-31MANUAL DE CAMPANHA A ENGENHARIA DIVISIONÁRIA C 5-31
MANUAL DE CAMPANHA A ENGENHARIA DIVISIONÁRIA C 5-31
 
Manual de laboratórios
Manual de laboratóriosManual de laboratórios
Manual de laboratórios
 
Álbum de Projetos - Tipo de dispositivos de drenagem
Álbum de Projetos - Tipo de dispositivos de drenagemÁlbum de Projetos - Tipo de dispositivos de drenagem
Álbum de Projetos - Tipo de dispositivos de drenagem
 
MANUAL DE CAMPANHA O APOIO DE ENGENHARIA NO ESCALÃO BRIGADA C 5-10
MANUAL DE CAMPANHA O APOIO DE ENGENHARIA NO ESCALÃO BRIGADA C 5-10MANUAL DE CAMPANHA O APOIO DE ENGENHARIA NO ESCALÃO BRIGADA C 5-10
MANUAL DE CAMPANHA O APOIO DE ENGENHARIA NO ESCALÃO BRIGADA C 5-10
 
10 nbr 6123
10 nbr 612310 nbr 6123
10 nbr 6123
 

Mais de Luis Nassif

Ações da APAE Paraná defendias por Marlus Arns
Ações da APAE Paraná defendias por Marlus ArnsAções da APAE Paraná defendias por Marlus Arns
Ações da APAE Paraná defendias por Marlus Arns
Luis Nassif
 
Brasil século XX aO PÉ DA LETRA DA CANÇÃO POPULAR
 Brasil  século XX  aO PÉ DA LETRA DA CANÇÃO POPULAR	 Brasil  século XX  aO PÉ DA LETRA DA CANÇÃO POPULAR
Brasil século XX aO PÉ DA LETRA DA CANÇÃO POPULAR
Luis Nassif
 
AI-5
AI-5AI-5
Mandado de citação via postal eduardo c. cunha
Mandado de citação via postal eduardo c. cunhaMandado de citação via postal eduardo c. cunha
Mandado de citação via postal eduardo c. cunha
Luis Nassif
 
Parecer pgr adpf anistia
Parecer pgr adpf anistiaParecer pgr adpf anistia
Parecer pgr adpf anistia
Luis Nassif
 
Educação e desenvolvimento, estudo do CGEE sobre modelos educacionais
Educação e desenvolvimento, estudo do CGEE sobre modelos educacionaisEducação e desenvolvimento, estudo do CGEE sobre modelos educacionais
Educação e desenvolvimento, estudo do CGEE sobre modelos educacionais
Luis Nassif
 
A copa e a midia
A copa e a midiaA copa e a midia
A copa e a midia
Luis Nassif
 
91 302-1-pb
91 302-1-pb91 302-1-pb
91 302-1-pb
Luis Nassif
 
Denúncia de suspeitos da morte de Bernardo
Denúncia de suspeitos da morte de BernardoDenúncia de suspeitos da morte de Bernardo
Denúncia de suspeitos da morte de Bernardo
Luis Nassif
 
Laudo Médico de Genoino
Laudo Médico de GenoinoLaudo Médico de Genoino
Laudo Médico de Genoino
Luis Nassif
 
O choro em Belo Horizonte
O choro em Belo HorizonteO choro em Belo Horizonte
O choro em Belo Horizonte
Luis Nassif
 
20140211 mprfullreport
20140211 mprfullreport20140211 mprfullreport
20140211 mprfullreport
Luis Nassif
 
Ap 536, o mensalão mineiro
Ap 536, o mensalão mineiroAp 536, o mensalão mineiro
Ap 536, o mensalão mineiro
Luis Nassif
 
Escritos não criativos sobre economia criativa: por um novo olhar da relação...
Escritos não criativos sobre economia criativa:  por um novo olhar da relação...Escritos não criativos sobre economia criativa:  por um novo olhar da relação...
Escritos não criativos sobre economia criativa: por um novo olhar da relação...
Luis Nassif
 
Inquérito 2474
Inquérito 2474Inquérito 2474
Inquérito 2474
Luis Nassif
 
Boletim necon 2013_1
Boletim necon 2013_1Boletim necon 2013_1
Boletim necon 2013_1
Luis Nassif
 
RDC, a Experiência Federal
RDC, a Experiência FederalRDC, a Experiência Federal
RDC, a Experiência Federal
Luis Nassif
 
13 1184 reforma_política_cati - apresentação dos resultados - divulgação
13 1184 reforma_política_cati - apresentação dos resultados - divulgação13 1184 reforma_política_cati - apresentação dos resultados - divulgação
13 1184 reforma_política_cati - apresentação dos resultados - divulgação
Luis Nassif
 
Pl de autoria_do_deputado_ibsen_pinheiro
Pl de autoria_do_deputado_ibsen_pinheiroPl de autoria_do_deputado_ibsen_pinheiro
Pl de autoria_do_deputado_ibsen_pinheiro
Luis Nassif
 
EFEITOS DOS CUSTOS TRANSACIONAIS NA IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GOVERNO
EFEITOS DOS CUSTOS TRANSACIONAIS NA IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GOVERNOEFEITOS DOS CUSTOS TRANSACIONAIS NA IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GOVERNO
EFEITOS DOS CUSTOS TRANSACIONAIS NA IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GOVERNO
Luis Nassif
 

Mais de Luis Nassif (20)

Ações da APAE Paraná defendias por Marlus Arns
Ações da APAE Paraná defendias por Marlus ArnsAções da APAE Paraná defendias por Marlus Arns
Ações da APAE Paraná defendias por Marlus Arns
 
Brasil século XX aO PÉ DA LETRA DA CANÇÃO POPULAR
 Brasil  século XX  aO PÉ DA LETRA DA CANÇÃO POPULAR	 Brasil  século XX  aO PÉ DA LETRA DA CANÇÃO POPULAR
Brasil século XX aO PÉ DA LETRA DA CANÇÃO POPULAR
 
AI-5
AI-5AI-5
AI-5
 
Mandado de citação via postal eduardo c. cunha
Mandado de citação via postal eduardo c. cunhaMandado de citação via postal eduardo c. cunha
Mandado de citação via postal eduardo c. cunha
 
Parecer pgr adpf anistia
Parecer pgr adpf anistiaParecer pgr adpf anistia
Parecer pgr adpf anistia
 
Educação e desenvolvimento, estudo do CGEE sobre modelos educacionais
Educação e desenvolvimento, estudo do CGEE sobre modelos educacionaisEducação e desenvolvimento, estudo do CGEE sobre modelos educacionais
Educação e desenvolvimento, estudo do CGEE sobre modelos educacionais
 
A copa e a midia
A copa e a midiaA copa e a midia
A copa e a midia
 
91 302-1-pb
91 302-1-pb91 302-1-pb
91 302-1-pb
 
Denúncia de suspeitos da morte de Bernardo
Denúncia de suspeitos da morte de BernardoDenúncia de suspeitos da morte de Bernardo
Denúncia de suspeitos da morte de Bernardo
 
Laudo Médico de Genoino
Laudo Médico de GenoinoLaudo Médico de Genoino
Laudo Médico de Genoino
 
O choro em Belo Horizonte
O choro em Belo HorizonteO choro em Belo Horizonte
O choro em Belo Horizonte
 
20140211 mprfullreport
20140211 mprfullreport20140211 mprfullreport
20140211 mprfullreport
 
Ap 536, o mensalão mineiro
Ap 536, o mensalão mineiroAp 536, o mensalão mineiro
Ap 536, o mensalão mineiro
 
Escritos não criativos sobre economia criativa: por um novo olhar da relação...
Escritos não criativos sobre economia criativa:  por um novo olhar da relação...Escritos não criativos sobre economia criativa:  por um novo olhar da relação...
Escritos não criativos sobre economia criativa: por um novo olhar da relação...
 
Inquérito 2474
Inquérito 2474Inquérito 2474
Inquérito 2474
 
Boletim necon 2013_1
Boletim necon 2013_1Boletim necon 2013_1
Boletim necon 2013_1
 
RDC, a Experiência Federal
RDC, a Experiência FederalRDC, a Experiência Federal
RDC, a Experiência Federal
 
13 1184 reforma_política_cati - apresentação dos resultados - divulgação
13 1184 reforma_política_cati - apresentação dos resultados - divulgação13 1184 reforma_política_cati - apresentação dos resultados - divulgação
13 1184 reforma_política_cati - apresentação dos resultados - divulgação
 
Pl de autoria_do_deputado_ibsen_pinheiro
Pl de autoria_do_deputado_ibsen_pinheiroPl de autoria_do_deputado_ibsen_pinheiro
Pl de autoria_do_deputado_ibsen_pinheiro
 
EFEITOS DOS CUSTOS TRANSACIONAIS NA IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GOVERNO
EFEITOS DOS CUSTOS TRANSACIONAIS NA IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GOVERNOEFEITOS DOS CUSTOS TRANSACIONAIS NA IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GOVERNO
EFEITOS DOS CUSTOS TRANSACIONAIS NA IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GOVERNO
 

Brigadeiro Engº VenâNcio Alvarenga Gomes

  • 1. 62º Forum de Debates Projeto Brasil Brig Eng VENÂNCIO Alvarenga Gomes Subdiretor de Empreendimentos 17 DEZ 2008
  • 2. “É consagrado, no mundo inteiro, que, cada valor, cada dólar investido em desenvolvimentos aeroespaciais, retorna aumentado de 7 a 15 vezes em benefícios para toda a economia nacional.” “Podemos exemplificar, como agregação de valor: 1 Kg de minério de ferro custa alguns centavos; 1 Kg de ERJ-145 custa mil dólares; e 150 mil dólares por quilo foi quanto o Brasil pagou aos norte-americanos para colocarem em órbita dois satélites do MCT/INPE. Maj Brig do Ar Aluízio Weber, 17.06.1999 (Ex-Diretor do CTA)
  • 3. “O faturamento já contratado pela EMBRAER equivale a 900 anos (nove séculos) de funcionamento do ITA.” Carlos Henrique de Brito Cruz - Presidente da FAPESP Folha de São Paulo 05.07.1999
  • 4. Embargos e Dificuldades no Setor de Defesa 0
  • 5. Embargo (área defesa) The attached application has been denied and is being returned in accordance with 22 CFR 126.7(a) for the reasons indicated below. Any questions you may have regarding this decision may be directed to Patty Dudley of this office at (703) 812-2286. Anti-radar technology is not releasable for national security reasons. This technology exceeds the level of capability approved for Brazil. MAR-1
  • 6. Embargo Implícito (área de Defesa) adotado disponibilizado original 1998: Judson altera sensor de infravermelho do MAA-1
  • 7. Embargo Implícito (área aeronáutica) 1995: Modelamento Aeroelástico do F-5 Motivação: Míssil MAA-1 Det erm das inaçã freq o üên dos m cias odo natu s e rais
  • 8. Embargo (área de defesa) DEFENSE TECHNOLOGY SECURITY ADMINISTRATION - DTSA MAA-1B Date: 04 Apr 2008 Export of two-color infrared detector technology specifically designed for integration into the Sidewinder missile is not recommended at this time. The use of two-color infrared detector arrays coud potencially result in a significant upgrade of the Sidewinder missile seeker capability against decoys and countermeasures.
  • 9. Bloqueios no Setor Espacial 0
  • 10. Embargo (área espacial) The attached application/request has been denied and is being returned in accordance with Title 22, Code of Federal Regulations, Section 126.7(a) for the reasons indicated below. Any questions regarding this decision may be directed to.... 140 km 90 km 0s 220s Current US Nonproliferation Policy prohibits support to the Brazilian Sounding Rocket Programs.
  • 11. Embargo (área espacial) Tubos-Motores do VLS Tratamento Térmico dos Tubo-motores do VLS •1982: início tratamento térmico EUA-LA (aço 300M) •1985: tratamentos térmicos EUA-Chicago (aço 300M) •1990: atividade iniciada e embargada definitivamente pelo DoS - EUA. • 1995: Forno na Vilares: tratamento térmico, motores em aço 300M) Vilares – SP • 2006 – A Vilares desistiu da atividade, desmontou as instalações de tratamento térmico do aço 300M e devolveu o forno ao CTA.
  • 12. Embargo (áreas espacial e defesa) Sistemas Inerciais para Aplicações Espaciais Não se conseguiu adquir nos EUA: •sistema de navegação inercial para lançadores de satélites; e •bloco girométrico para controle de atitude para satélites em órbita.
  • 13. Embargo (área aeronáutica e espacial) Após jul 2007, não se consegue mais adquirir o circuito integrado nos EUA
  • 14. Embargo (área espacial) Metalização do Veículo Lançador de Satélite Metalizar um veículo: tornar sua estrutura eletricamente condutora (deslocamento do veículo ou descargas atmosféricas induzem eletricidade estática) VLS-1 Em 14/11/2008, a empresa Lightning Technologies dos EUA, que detém a tecnologia de metalização e que estava em fase final de contratação (P.O. já emitido), cancelou o contrato: ”I discussed the program with out ITAR consultant and she says we need to apply for a license before we can continue with any work. Unfortunately, the costs in services and labor for the license application means there is not sufficient funding on the contract to support your project. Therefore, we must regrettably decline the work at this time. Please proceed with cancelling our contract. Best regards, Kenneth Wiles”
  • 15. Embargos e Dificuldades no Setor Aeronáutico 0
  • 16. EGIR, Embargo Implícito (área aeronáutica) EGIR (EMBEDDED GPS, INERTIAL AND RADAR ALTIMETER) (Sistema inercial usado nos programas ALX, F5BR e A-1 Modernizado) MAR 08: DoS impôs restrições à Honeywell para exportar 33 EGIR ao Brasil, após mais de 60 ALX produzidas pela EMBRAER. ALX F5BR A-1 Modernizado Os EUA mudaram repentinamente a política de exportação de produtos de alta tecnologia, gerando incertezas.
  • 17. EGIR, Embargo Implícito (área aeronáutica) Sistema inercial/GPS LN100 G, da Northrop Grumman JUL 2008: DoS impôs novas ressalvas de exportação P-3AM BR CASA 295 (C-105 Amazonas) • P/N original 802715-0004 (precisão: 0,8 nm/h) • P/N proposto pelos EUA 802715-0005 (precisão: 2,0 nm/h) • Situação P-3: já recebidas 04 EA com P/N original. Ainda faltam 14 EA) • Situação C-105: já existem 12 aeronaves. E os próximos 08 aviões? Novamente, mudanças repentinas na política de exportação de tecnologia dos EUA já estão gerando incertezas.
  • 18. Objetivo Identificar o CTA como o Órgão responsável Pelas Pesquisas, Desenvolvimentos e Inovações para o Setor Aeroespacial.
  • 21. IME Decreto-Lei N. 1.735 de 3 NOV 1939 Instituto Militar de Engenharia Criação do 1º Curso de Engenharia Aeronáutica no Brasil (Escola Técnica do Exército - RJ, atual IME) 1939 1940 1950 1960 1970
  • 22. Decreto-Lei N. 2.691 de 10 JAN 1941 Criação de MAER 1941 1940 1950 1960 1970
  • 23. Criação do CTA 1946 1940 1950 1960 1970
  • 24. Criação do ITA 1950 1940 1950 1960 1970
  • 25. Professor Henrich Fock Projeto: turboeixo Double-Mamba Rolls Royce (3.260 shp, pesando 200 kg); 1º Projeto Opção: CONVERTIPLANO (Heliconair-HC-1): motor do Super Constellation a pistão 1951 a 1956 (2.200 hp, pesando toneladas) 1951 1940 1950 1960 1970
  • 26. Professor Henrich Fock 2º Projeto IPD Beija- flor BF-01 1956 a 1965 Projeto Início 1º Vôo 1º Vôo – FEV 1960 1956 1960 1950 1960 1970 1980
  • 27. 1968: 1º Vôo 1965: Início 3º Projeto do CTA Lider: Max Holste IPD 6504 Bandeirante Projeto 1º Vôo Início 1965 1968 1950 1960 1970 1980
  • 28. 1969: Criação da EMBRAER 1969 1940 1950 1960 1970
  • 29. 1965: Criação do CLBI - Centro de Lançamento da Barreira do Inferno 1965 1950 1960 1970 1980
  • 30. Desenvolvimento de Foguetes de Sondagem 1966: SONDA III, no CTA 1965: SONDA I na AVIBRAS 4,5 m 8m 3,9 m 1966: SONDA II, no CTA Fomento industrial (SONDAS II e III): ligas metálicas com grande resistência ( > 200 kg/mm2) Fomento industrial (SONDA I): tubos sem costura SONDA I SONDA II SONDA III 1º Vôo 1967 1º Vôo 1974 1º Vôo 1978 1960 1970 1980 1990
  • 31. Desenvolvimento do Foguete de Sondagem 1966: SONDA III 1974: SONDA IV Motor S-30 11 m Motor S-40 SONDA III SONDA IV 1º Vôo 1978 1º Vôo 1984 1970 1980 1990 2000
  • 32. Desenvolvimento de Foguete de Sondagem 1987: Início do Projeto VLS SONDA IV VLS r S-40) io (1 moto 3º estág 1º (4 m otores S- 43) e 2 º (1 m otor S -43) es tágios Projeto Início VLS SONDA IV 1º Vôo 1984 1987 1980 1990 2000
  • 33. Satélite Veículo Lançador Centro de Missão Espacial Completa Brasileira Lançamento de Alcântara 1980: Criação do MECB 1994: Criação PNAE e AEB (Agência Espacial Brasileira) MECB PNAE e AEB 1980 1994 1970 1980 1990 2000
  • 34. Centro de Controle Telemetria Comando e Controle CLA – Centro de Lançamento de Alcântara (2º 18' de latitude Sul do Equador) Radar Meteorologia 1982: GICLA Grupo para Implantação do Centro de Lançamento de Alcântara GICLA 1º lançamento 1982 1987 1970 1980 1990 2000
  • 36. Missão Ampliar o conhecimento e desenvolver soluções científico-tecnológicas para fortalecer o Poder Aeroespacial, contribuindo para a soberania nacional e para o progresso da sociedade brasileira, por meio de ensino, pesquisa, desenvolvimento, inovação e serviços especializados, no campo aeroespacial DCA 80-2 - PEPD, de 19 de julho de 2007
  • 38. Estrutura do Ministério da Defesa Ministério da Defesa Comando da Comando da Comando do Marinha Aeronáutica Exército EMAER SEFA COMGAR COMGAP COMGEP CTA DEPENS DECEA Comando General Comando General Comando General Comando General Departamento Departamento do Ar de Pessoal de Tenologia de Ensino de Controle do de Apoio Aeroespacial Espaço Aéreo
  • 39. Estrutura CTA CTA DCTA SDE SDF SDF SDDP ITA IAE IEAv IFI GIA GEEV INFRA-ESTRUTURA E CERTIFICAÇÃO EDUCAÇÃO PESQUISA PESQUISA FOMENTO E E E DESENVOLVIMENTO APOIO CLA CLBI
  • 40. Resumo de Criação dos Institutos do CTA 1950 1954 1969 1975 1982 1990 2006 (ITA) Instituto Tecnológico de Aeronáutica (IPD) Instituto de Pesquisas e Desenvolvimento (IAE) Instituto de Atividades Espaciais (IFI) Instituto de Fomento e Coordenação Industrial (IEAv) + Instituto de Estudos Avançados 1969 (IAE) Instituto de Aeronaútica e Espaço (GEEV)
  • 42. CARACTERÍSTICAS • Área Total : 14 km2 o 1.383,261 Ha • Área Construida: 382.000 m2 • Perímetro: 31 Km. • Localización: a 70 Km. de São Paulo a 330 Km. de Río de Janeiro •Servidores: 4.100 en total Campus del CTA 2.400 civiles y 1.700 S.J.Campos militares •Estudiantes: 1.800 • Área Residencial: 950 unidades • Red Vial: de 65 Km. de vías internas FACILIDADES • 3 Hoteles de Tránsito, Tres Clubes EMBRAER • Hospital, maternidad y Odontoclínica • Supermercado, farmacia • Lavadero, sastrería, zapatería, etc. • Correos, Gasolinera • Cinco Bancos • Escuelas (de Jardin a Pós- Doctorado)
  • 43. Centro de Lançamento de Alcântara
  • 44. Centros de Lançamento no Mundo Área do CLA: 62.000 ha
  • 45. Plano de Ocupação 312 famílias transferidas e assentadas em 07 agrovilas (JUN 86 a DEZ 88) DISTRITO AGRICOLA “MARUDÁ” Residência original
  • 46. C E A – Centro Espacial de Alcântara Escolha de Alcântara: Fatores associados à Operacionalidade: Localização equatorial Área disponível para expansão Área do CLA
  • 47. ALCANTARA CICLONE SPACE - ACS PREVISÃO INICIAL Ciclone 4 Raio = 3 km Área II SPL II / VLS-3 Área da Raio = 3 km Binacional ACS Centro de Controle SPL I VLS-1 e VLS-2 Área I Estação INPE Área do CLA
  • 48. Solução de Consenso ACS, CTA, e AEB: Ciclone 4 e VLS no CLA. Área da Sítio Futuro Binacional ACS do VLS-2 Sítio atual do VLS-1
  • 49. Centro de Lançamento da Barreira do Inferno
  • 50. Centro de Lançamento da Barreira do Inferno rn ea eB ia Radar BEARN etr ur lem r do Te sA ar e Rad Marco Geográfico: Área: 19,6 Km2 Perímetro: 39 Km Orla Marítima: 8,6 Km
  • 51. RASTREAMENTO DO ARIANE Cooperação Brasil - ESA CLBI
  • 54. Ensino Cursos de Graduação Engenharia Engenharia de Engenharia Engenharia Engenharia de Mecânica - Infra-Estrutura Aeronáutica Eletrônica Computação Aeronáutica Aeronáutica Eletrônica Aerodinâmica Aplicada Computação Estruturas Circuitos e Energia Edificações Científica Propulsão Microondas Geotecnia Engenharia Projetos Mecânica de Sistemas de Hidráulica de Software Organização Vôo Controle Teoria da Transportes Projetos Telecomuni- Tecnologia Computação cações
  • 55. GRADUADOS ATÉ 2007 Aeronáutica (desde 1950) 1.343 (295) Eletrônica (desde 1953) 1.880 (199) Mecânica-Aeronáutica (desde 1965) 1.216 (161) Infra-Estrutura Aer (desde 1976) 375 (127) Computação (desde 1991) 265 (58) Total de Engenheiros 5.079 (840) (***) - militares
  • 56. Vestibular: 24 locais Manaus Belém Fortaleza Natal Recife Salvador Brasília Goiânia Campo Grande Cuiabá Belo Horizonte Juiz de Fora (JFA) Rio de Janeiro Vitória São Paulo São José dos Campos (SJC) Campinas (CPS) Bauru (BRU) Ribeirão Preto (RPO) São José do Rio Preto (SRP Curitiba Londrina (LDA) Florianópolis Porto Alegre
  • 57. Ensino Cursos de Pós-graduação Engenharia Engenharia Engenharia de Aeronáutica e Eletrônica e Infra-estrutura Física Mecânica Computação Aeronáutica Aerodinâmica, Dispositivos e Física Atômica e Infra-Estrutura de Propulsão e Energia Sistemas Nuclear Transportes Mecânica dos Eletrônicos Física Nuclear Transporte Aéreo e Sólidos Informática Aeroportos Física de Plasmas e Estruturas Microondas e Física e Química dos Optoeletrônica Materiais Aeroespa- Sistemas e Controle ciais Telecomunicações Produção Sistemas Aeroespa- ciais e Mecatrônica MP – Embraer MP – Pilkington
  • 58. PÓS-GRADUADOS ATÉ 2007 PG stricto sensu 1.834 (148) Mestres (1963-2006) 1.567 (136) Doutores (1970-2006) 267 (12) PG lato sensu 567 (335) (***) - militares
  • 60. ENSINO Criação de Cursos Graduação Pós-graduação Engenharia Engenharia Espacial Espacial Aerodinâmica Aerodinâmica, Propulsão e Energia Estruturas Mecânica dos Sólidos Propulsão e Estruturas Mecânica de Física e Química dos Dobrar o número de alunos Materiais Aeroespa- Vôo ciais de graduação Projetos Produção nos próximos 10 anos Sistemas Aeroespa- ciais e Mecatrônica AEB
  • 62. 2 NOV 1997: 1º Lançamento Protótipo VLS-1-V01 Projetos 11 DEZ 1999: 2º Lançamento Protótipo VLS-1-V02 22 AGO 2003: Acidente com o Protótipo VLS-1-V03 Filme
  • 63. Projetos Gama Delta Beta Epsilon Alfa Programa Cruzeiro do Sul Programa Cruzeiro do Sul
  • 64. Projetos Programa Cruzeiro do Sul - Propulsores 2 propulsores líquidos (Ker+LOx) Família de Lançadores 7,5 t empuxo _ L75 Pequeno, Médio 150 t empuxo _ L1500 e Grande Porte 1 propulsor sólido 32 t a 40 t L75 ? 4xL75 L75 L1500 L1500 4xL75 P36 1600 kg GTO 2,3º Ciclone 4 VLS -1 VLS ALFA VLS BETA VLS GAMA VLS DELTA VLS DELTA VLS EPSILON JUN 2010
  • 65. NECESSIDADES Reconstrução do Sistema “Plataforma de 0Lançamento do VLS” (TMI + Infra-estrutura + Eletro-eletrônicos)
  • 66. Custo total: R$ 33 milhões Custos % 1- Obras civis: ~25% 2 - Elétrica-eletrônica: ~45% 3 - Estrutura metálica: ~30%
  • 67. Sistema Plataforma de Lançamento VLS-1 Ilustração da nova versão do sistema plataforma – SIS.PLAT/VLS
  • 68. D-36 1º Estágio 2º Estágio 1º Estágio io st á g 1º E 1º Estágio
  • 70. Redes Elétricas • Rede Elétrica de Serviço • Rede Elétrica de Telemedidas • Rede Elétrica Controle • Rede Elétrica de Segurança Redes Pirotécnicas •Sistema de Ignição •Sistema de Destruição •Sistema de Separação
  • 72. Prequalifição de Empresas • CTA: em fase de elaboração dos critérios e das especificações tecnicas, para se emitir o EDITAL para a prequalificação de empresas (até 15 NOV). • AEB: após a elaboração dos critérios e especificações, será publicado o EDITAL de concorrência.
  • 73. Projetos Mobilizadores Propulsão Líquida 0
  • 75. P&D de Veículo Lançador de Satélites com emprego de Propulsão Líquida VS-15 (1,5 ton) Foguete Mono-Estágio a Propelente Líquido Motor 5 kN gio s tá 1ª Queima em banco - previsão: dez 08 3ºE Motor 75 kN (7,5 ton) VLS-Alfa
  • 76. Projetos Mobilizadores Família de VANT 0
  • 77. 60,000 Missões Estratégicas - Alta Altitude 20-60 h 100 - >250 kg Payload 50,000 Global Hawk Altitude (pés) 40,000 Missões Estratégicas - Média Altitude 20-60 h 30,000 Predator 100 - 250 kg Payload 20,000 Missões Táticas 2 10-20 h 10,000 50 - 100 kg Payload Hunter 0 100 200 300 400 500 600 Missões Táticas 1 Alcance (km) 4-10 h Fase 1: Projeto 20-40 kg Payload VANT Tático Pioneer
  • 78. VANT – Veículos Aéreos Não-Tripulados VANT Alvo Aéreo Reconhecimento Baixo Custo Alvo Aéreo VANT Alto Desempenho Reconhecimento CTEx IPqM CTA AVIBRAS Item comum: Sistema de Navegação e Controle Projeto VANT FINEP • Ago 2007: vôo c/ controle manual (instrumentado) • Out 2007 e Maio 2008: vôos comandados e módulos autônomos (PA)
  • 79. MICROVA WASP 0.2 kg / 1 h /9 km NAVA – Nanoveículo Aéreo VANT CT-AERO 10 g / 20 min / 1 km SNC MICROVA Raven Plataf. 2 kg /1.5h/12 km de Vôo TC&TM VANT Global Hawk 13 ton / 32h / 11.000km / 65.000 pés DESDOBRAMENTOS FUTUROS MINIVA ScanEagle VANT de 20kg / 20h /120km Reconhecimento (Tático, Estratégico e Civil) High Altitude Airship (HAA) 2 Ton / 30 dias/ 65.000 pés
  • 80. Subenção FINEP 2008 2009 2012 2016 (EMBRAER + AVIBRAS) VANT RE TÁTICO : 3 anos Certificação, Industrialização , VANT RE (Tático 1):>15hs; 15000 pés (3 anos) Apoio Logístico 3 – PDP: SISVANTRE Estratégico Armado de Grande Altitude Aeroeletrônica Plataforma Inercial SGNA - Sistema de Guiamento e MAA-1B Navegação de Aeronaves Torreta FLIR Turboeixo Off the shelf (EMBRAER + AVIBRAS + outras) 07 anos VANT RE: > 30hs; >30000 pés TR 3500 Turboeixo nacional Desenv., Fabric., certific. e industrialização Conclusão do OTHR Desenv., fabric. e certificação SAR UAV RWR
  • 81. Projetos Mobilizadores Turbomotores 0 (Turboélice, Turboeixo e Turborreator)
  • 82. Turbomotores de Pequena Potência VANT tipo Predador B $ FINEP Turborreator 3.500 N - 27 set 08 Turboélice de 1.000 SHP 2009 a 2012 Fu tu ro s De sd ob $ ra TR 5000 AE m en Tuborreator de 3500 a 5000 N B to s .R ec ur s os FI NE P, Pe tro br TE 5000 as ... ? Tuboeixo de 1 a 5 Mwe para Turbobombas para motores geração elétrica, com foguetes a propulsão líquida REGENERAÇÃO
  • 83. Projetos Mobilizadores Área Nuclear 0
  • 84. Programa TERRA (Tecnologia de Reatores Rápidos Avançados) se (250kWe a 1 MWe); Peso: ~1 ton; 1ª Fa létri ca Reator Rápido Pequeno oE ~ US$ 1 bilhão Ge raçã 1) 202 9a (200 Pro pu 2ª lso Fa rn se (20 uc 21 lea a2 re 031 sp ) aci al Transferência de órbita e viagens interplanetárias (250kWe a 1 MWe); Peso: ~1 ton ~US$ 1 bilhão
  • 85. Projetos Projeto PASIL – Terras Raras (Separação Isotópica a LASER) ABLAÇÃO A LASER (Produção de vapor atômico a partir de alvos complexos) +v + -v +v Fotoionização seletiva Separação isotópica -v de terras raras, a partir de alvos complexos
  • 86. Projetos Mobilizadores Hipersônica 0
  • 87. Propulsão Hipersônica Propulsão a laser em escoamento hipersônico Ensaio do modelo em escala do 14-X SCRAMJET (Combustão supersônica)
  • 88. Projetos Lançador Hipersônico de Massa - Zarabatana m = 0,2 a 0,4 kg Já foi demonstrado Mach 10 Meta: Mach 27
  • 89. Projetos Mobilizadores Motor Flex Aeronáutico 0
  • 90. Motor Aeronáutico a Álcool e Motor Flex 22/10/2005 Empresa: Magneti Marelli
  • 92. Objetivo Identificar o CTA como o órgão responsável Pelas Pesquisas e Desenvolvimentos Estratégicos de Curto, Médio e Longo Prazos, Para o Setor Aeroespacial.
  • 93. COMANDO-GERAL DE TECNOLOGIA AEROESPACIAL “Os povos sem ciência, sem tecnologia, não passam de cortadores de lenha e carregadores de água para os povos mais esclarecidos". RUTHERFORD