SlideShare uma empresa Scribd logo
Java Básico
Aula 04
Natanael Fonseca - Arquiteto de Software
Ementa
• Pacotes, tratamento de erros;
• Classes utilitárias: String, Wrappers, Date e
Calendar;
Pra que servem os pacotes ?
Imagine um projeto com 100 ou mais classes, como organizar isso tudo ? Pois
bem, a linguagem Java oferece uma maneira bem interessante de arrumar o
projeto, separando as classes em diretórios específicos chamados de pacotes.
De fato, a própria API do java está organizada dessa forma, conforme pode
ser visto na JavaDoc API (http://docs.oracle.com/javase/8/docs/api/):
Pacotes, tratamento de erros 3
Analisando o arquivo rt.jar
No diretório %JAVA_HOME%jrelibrt.jar é possível encontrar o
jar que contem as classes da API do Java, podemos abrir e
analisa-lo.
Pacotes, tratamento de erros 4
Declarando o pacote das classes
A primeira instrução de um arquivo .java é a declaração de
pacote, desta forma podemos declarar o pacote a qual uma
determinada classe pertence usando a palavra reservada
package.
Exemplo:
******************************
package br.com.treinamento;
public class Pessoa{
//Codigo da classe
}
Pacotes, tratamento de erros 5
Incluir a classe no diretório br/com/treinamento
Convenção
Convenciona-se declarar o nome de pacotes utilizando uma URL
invertida: normalmente a URL do “proprietario” da classe como,
por exemplo, o site comercial da empresa.
Exemplo:
Se o site da empresa for:
www.tabajara.com.br
O pacote deve ser:
br.com.tabajara
Pacotes, tratamento de erros 6
Compilando classes que estão em
pacotes
Apesar de no código fonte nos referirmos ao pacote utilizando
ponto, na hora de compilar devemos seguir o padrão do sistema
operacional.
Exemplo (Windows):
c:java> javac brcomtreinamentoPessoa.java
E para executar a classe:
c:java> java br.com.treinamento.Pessoa
Pacotes, tratamento de erros 7
Utilizando classes de outro pacote
Uma classe não tem automaticamente acesso a classes de outros
pacotes. Para utilizar uma classe que esta em outro pacote e,
consequentemente, em outro diretório há duas opções:
1- Utilizar o nome completo da classe (fully qualified name), que inclui
também o nome do pacote (Ex: br.com.treinamento.Exemplo)
2- importar a classe através da instrução import. Desta forma, não é
necessário utilizar o nome completo da classe no código.
Exemplo:
import java.útil.ArrayList;
Pacotes, tratamento de erros 8
Dicas
• Para melhorar a legibilidade do código, é conveniente declarar
explicitamente o import individual das classes;
• Caso seu código necessite utilizar duas classes com mesmo
nome mas pacotes diferentes, você precisará referenciar as
classes utilizando seu nome totalmente qualificado.
• Além das classes do próprio pacote, as únicas classes que
podem ser utilizadas diretamente no código sem a
necessidade de importação são aquelas do pacote java.lang.
Neste pacote estão as classes consideradas fundamentais da
linguagem, como a classe System e String, entre outras.
Pacotes, tratamento de erros 9
Importação estática
Até antes do Java 5, quando o programador queria acessar um
atributo estativo de uma classe, ele era obrigado a incluir o
nome da classe antes do atributo estático. Ex: Pessoa.STATUS.
Mas a partir do Java 5 foi incluído o suporte a importação de
elementos estáticos de uma classe, melhorando a legibilidade do
código fonte.
Sintaxe para importação estática
Import static nomeCompletoDaClasse.nomeMembro
ou
Import static nomeCompletoDaClasse.*;
Pacotes, tratamento de erros 10
Java Archive
O software desenvolvido em Java pode ser um aplicativo ou uma biblioteca
utilitária, que deve ser instalado ou distribuído para ser utilizado em outros
computadores. Existe um padrão de empacotamento das classes em um
único arquivo chamado JAR (Java Archive).
Existe um utilitário do próprio JDK chamado jar que facilita a criação destes
arquivos.
Comando para criar um jar simples:
jar –cvf nomeDoJar.jar raizDoPacote
Onde as opções cvf significam create, verbose e file, respectivamente.
vale lembrar que o arquivo jar possui o mesmo formato de um arquivo zip
qualquer, portanto, podemos abrir este tipo de arquivo no winrar, 7zip ou
quaisquer outros utilitários que trabalhem com o formato zip.
Pacotes, tratamento de erros 11
Criação de um Jar executavel
Para criar um JAR executável é necessário indicar no arquivo
MANIFEST.MF o nome da classe, cujo método main, deverá ser
executado em decorrência da chamada ao JAR.
Exemplo:
******************************
Manifest-Version: 1.0
Created-By: Criador do Arquivo
Main-Class: Nome totalmente qualificado da classe que queremos executar.
******************************
Pacotes, tratamento de erros 12
Executando um Arquivo Jar
Para executar um arquivo JAR usa-se o utilitário java, passando –jar como
argumento, assim como nome do arquivo que se quer executar.
Sintaxe
java –jar nomeJar.jar
E caso o arquivo jar possua como dependências outras bibliotecas devemos
informar no classpath os jars necessários para a execução.
Exemplo:
java –classpath commons-logging.jar –jar meujarexecutavel.jar
Pacotes, tratamento de erros 13
Tratamento de Erros
Característica fundamental para sistemas de software, porque é praticamente
impossível criar uma aplicação totalmente livre de erros.
Erros não são necessariamente causados por falhas no desenvolvimento.
Alguns exemplos:
• Um servidor de banco de dados pode estar fora do ar;
• Um arquivo de configuração pode ter sido removido acidentalmente;
• O usuário pode ter digitado um valor não aceitável.
Importante dar atenção ao tratamento de erros em aplicações. Por isso, é
importante reforçar aqui a necessidade do planejamento no tratamento de
erros.
Pacotes, tratamento de erros 14
Exceções
Uma exceção é a indicação de que algum problema ocorreu durante a
execução do programa. Chama-se de tratamento de exceções ou tratamento
de erros o mecanismo de sinalização de erros na plataforma Java.
Java define um conjunto de classes que representam erros. O pacote java.io,
por exemplo, possui uma família de classes de exceção derivadas de
IOException e o pacote java.sql contém uma família derivada de
SQLException.
Através da extensibilidade oferecida pela linguagem é possível criar tipos
próprios de exceções e para isso basta estender a classe java.lang.Exception.
Pacotes, tratamento de erros 15
Hierarquia
Existe uma super classe de Exception denominada Throwable que, como diz o
próprio nome, representa algo que pode ser lançado, interrompendo a
exceção de um método.
Error – representa condições anormais
Graves e geralmente irrecuperáveis;
Runtime Exception – representa erros
do próprio programador (unchecked).
Exception – representa erros que fogem
ao controle do programador (checked).
Pacotes, tratamento de erros 16
Tratamento de Exceções
Ao estudar a linguagem no que tange os aspectos de tratamento de exceções é
importante entender : como criar, como lançar e por último como trata-las.
1) Criando exceptions:
 Estendendo a classe Exception;
Class MyException extends Exception{}
 Instanciando a classe criada;
MyException ex = new MyException();
2) Lançando exceptions:
 Indicando que o método irá lançar a exception
public void metodoQueLancaException() throws Exception{}
 Utilizando a instrução throw
throw ex;
3) Tratando exceptions:
 Utiliza-se a instrução try-catch
Try{
obj.metodoquelancaexception();
}catch( MyException ex){
//codigo que faz alguma coisa.
}
Pacotes, tratamento de erros 17
Métodos uteis da classe throwable
A classe throwable define alguns métodos herdados pela classe Exception,
que são uteis no tratamento de exceções.
Método printStackTrace()
Fornece uma visão detalhada do erro, indicando qual o o método que
originou a exceção, assim como, cada um dos métodos que a chamaram,
além de mostrar a localização da linha responsável pelo lançamento da
exceção. Essa informação é impressa no console, chamada de stack trace.
Método getMessage()
Recupera a mensagem da exceção que é definida no momento da construção
da Exception, utilizando o construtor que recebe uma String como parâmetro.
Pacotes, tratamento de erros 18
Instrução Finally
Usualmente, este bloco é utilizado para códigos clean-up. Operações como
fechar um arquivo ou uma conexão com o servidor são exemplos de
operações de clean-up.
Sintaxe :
try{
//instruções que podem gerar/lançar exceções
}catch(TipoException e){
//codigo que devera ser executado caso uma excecao seja lancada
}finally{
//liberação de recursos, log, etc.
}
O bloco finally é sempre executado !
Pacotes, tratamento de erros 19
Capturando múltiplas exceções
Em muitos casos cada tipo de erro terá um tratamento diferente. Para conseguir este
tratamento diferenciado são utilizadas diversas instruções catch, uma para cada exceção.
Sintaxe para captura de múltiplas exceções
try{
//instruções que podem gerar/lançar exceptions
}catch(TipoDaExcecao1 e){
//logs, codigo
}catch(TipoDaExcecao2 e){
//logs, codigo
}finally{
//liberação de recursos, log, etc....
}
 Não é permitido colocar instruções catch para checked expcetions que não tem
possibilidade de serem lançadas, ou seja, não foram declaradas por nenhum método;
 Declaram-se primeiramente as exceções mais especificas, isto é, as classes filhas e,
depois, as mais genericas.
20Pacotes, tratamento de erros
Exercício
Crie um pacote chamado br.com.<<seunome>>
e inclua uma classe chamada Principal com
método main que ao ser executado, exibe por
meio de um JOptionpane uma mensagem de
boas vindas. Tente criar um Jar executável do
programa criado, por meio de um pen drive,
passe o jar para o colega ao lado para que ele
teste o seu programa.
21Pacotes, tratamento de erros
Wrapper Classes
Foram projetadas para encapsular valores de tipo primitivo
dentro de suas instancias. Existe uma wrapper class para cada
tipo primitivo, conforme podemos ver na tabela a seguir:
22
Classes utilitárias: String, Wrappers, Date e
Calendar
Tipo Primitivo Wrapper Class
boolean java.lang.Boolean
char java.lang.Character
byte java.lang.Byte
short java.lang.Short
int java.lang.Integer
long java.lang.Long
float java.lang.Float
double java.lang.Double
Características comuns as
Wrapper Classes
Todas as wrapper classes que representam tipos primitivos
numéricos são sub-classes de java.lang.Number.
Todas as wrapper classes tem um construtor que recebe como
parâmetro um valor do tipo primitivo correspondente.
Exemplo:
Double d = new Double(10.8);
Integer i = new Integer(20);
Float f = new Float(4.2F);
23
Classes utilitárias: String, Wrappers, Date e
Calendar
Classe Date
Classe utilizada para representar o tempo, que é
composto por ano, mês, dia atual, minuto, entre
outras propriedades.
Hoje a maioria dos métodos da classe Date
estão classificados como deprecated, ou seja,
são métodos que não são mais utilizados, por
isso essa classe foi substituída pela classe
Calendar, para haver suporte correto a
internacionalização do sistema de datas.
24
Classes utilitárias: String, Wrappers, Date e
Calendar
Testando a Classe Date
import java.util.Date;
public class TestDate{
public static void main(String[] args){
Date data = new Date();
Sytem.out.println(“Data agora:” + data );
}
}
25
Classes utilitárias: String, Wrappers, Date e
Calendar
Classe Calendar
Classe mais completa e pode produzir valores de
todos os campos de calendário necessários para
implementar a formatação de data e hora, para
uma determinada língua e estilo de calendário.
Por exemplo, japonês, americano, italiano,
brasileiro entre outros.
Por ser uma classe abstrata, para obter um
calendário é necessário chamar o método
estático getInstance().
26
Classes utilitárias: String, Wrappers, Date e
Calendar
Testando a Classe Calendar
import java.util.Calendar;
public class TestCalendar{
public static void main(String[] args){
Calendar c = Calendar.getInstance();
System.out.println(“Data e hora atual” + c.getTime());
}
}
27
Classes utilitárias: String, Wrappers, Date e
Calendar
Classe DateFormat
Permite converter informações do tipo String
para data do tipo Date, permitindo seguir um
formato. Consegue-se trabalhar ao contrário,
convertendo um dado do tipo Date para uma
String.
Como acontece com Calendar, está classe
também é abstrata, ou seja, para obter uma
instancia dela o programador deve chamar o
método estático getDateInstance().
28
Classes utilitárias: String, Wrappers, Date e
Calendar
Utilizando DateFormat
import java.util.Calendar;
import java.util.DateFormat;
Import java.util.Date;
public class TestDateFormat{
public static void main(String[] args){
Calendar c = Calendar.getInstance();
Date data = c.getTime();
DateFormat formataData = DateFormat.getDateInstance();
System.out.println( formataData.format( data ) );
}
} 29
Classes utilitárias: String, Wrappers, Date e
Calendar
Fim da Quarta Aula
Obrigado.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Programação Orientada a Objetos - Conceitos básicos da linguagem JAVA
Programação Orientada a Objetos - Conceitos básicos da linguagem JAVAProgramação Orientada a Objetos - Conceitos básicos da linguagem JAVA
Programação Orientada a Objetos - Conceitos básicos da linguagem JAVA
Cristiano Almeida
 
Java e orientação a objetos - aula 01
Java e orientação a objetos - aula 01Java e orientação a objetos - aula 01
Java e orientação a objetos - aula 01
John Godoi
 
Curso java 04 - ap is e bibliotecas
Curso java   04 - ap is e bibliotecasCurso java   04 - ap is e bibliotecas
Curso java 04 - ap is e bibliotecas
Maurício Linhares
 
Java orientação a objetos (variaveis de instancia e metodos)
Java   orientação a objetos (variaveis de instancia e metodos)Java   orientação a objetos (variaveis de instancia e metodos)
Java orientação a objetos (variaveis de instancia e metodos)
Armando Daniel
 
JAVA - Pacotes
JAVA - PacotesJAVA - Pacotes
JAVA - Pacotes
Elaine Cecília Gatto
 
Curso de Java (Parte 2)
 Curso de Java (Parte 2) Curso de Java (Parte 2)
Curso de Java (Parte 2)
Mario Sergio
 
Java6
Java6Java6
Java5
Java5Java5
Java2
Java2Java2
Java 07
Java 07Java 07
Java 07
samuelthiago
 
Java8
Java8Java8
Programação orientada a objetos – III
Programação orientada a objetos – IIIProgramação orientada a objetos – III
Programação orientada a objetos – III
Gabriel Faustino
 
Conceitos Básicos de OO e Java
Conceitos Básicos de OO e JavaConceitos Básicos de OO e Java
Conceitos Básicos de OO e Java
Charles Jungbeck
 
Programação orientada a objetos - IV
Programação orientada a objetos - IVProgramação orientada a objetos - IV
Programação orientada a objetos - IV
Gabriel Faustino
 
Curso Java Basico
Curso Java BasicoCurso Java Basico
Curso Java Basico
Jamildo Feitosa
 
Curso de Java (Parte 4)
Curso de Java (Parte 4)Curso de Java (Parte 4)
Curso de Java (Parte 4)
Mario Sergio
 
Programação Orientada a Objetos - 001
Programação Orientada a Objetos - 001Programação Orientada a Objetos - 001
Programação Orientada a Objetos - 001
José Volmei Dal Prá Junior
 
Curso de OO com C# - Parte 01 - Orientação a objetos
Curso de OO com C# - Parte 01 - Orientação a objetosCurso de OO com C# - Parte 01 - Orientação a objetos
Curso de OO com C# - Parte 01 - Orientação a objetos
Leonardo Melo Santos
 

Mais procurados (18)

Programação Orientada a Objetos - Conceitos básicos da linguagem JAVA
Programação Orientada a Objetos - Conceitos básicos da linguagem JAVAProgramação Orientada a Objetos - Conceitos básicos da linguagem JAVA
Programação Orientada a Objetos - Conceitos básicos da linguagem JAVA
 
Java e orientação a objetos - aula 01
Java e orientação a objetos - aula 01Java e orientação a objetos - aula 01
Java e orientação a objetos - aula 01
 
Curso java 04 - ap is e bibliotecas
Curso java   04 - ap is e bibliotecasCurso java   04 - ap is e bibliotecas
Curso java 04 - ap is e bibliotecas
 
Java orientação a objetos (variaveis de instancia e metodos)
Java   orientação a objetos (variaveis de instancia e metodos)Java   orientação a objetos (variaveis de instancia e metodos)
Java orientação a objetos (variaveis de instancia e metodos)
 
JAVA - Pacotes
JAVA - PacotesJAVA - Pacotes
JAVA - Pacotes
 
Curso de Java (Parte 2)
 Curso de Java (Parte 2) Curso de Java (Parte 2)
Curso de Java (Parte 2)
 
Java6
Java6Java6
Java6
 
Java5
Java5Java5
Java5
 
Java2
Java2Java2
Java2
 
Java 07
Java 07Java 07
Java 07
 
Java8
Java8Java8
Java8
 
Programação orientada a objetos – III
Programação orientada a objetos – IIIProgramação orientada a objetos – III
Programação orientada a objetos – III
 
Conceitos Básicos de OO e Java
Conceitos Básicos de OO e JavaConceitos Básicos de OO e Java
Conceitos Básicos de OO e Java
 
Programação orientada a objetos - IV
Programação orientada a objetos - IVProgramação orientada a objetos - IV
Programação orientada a objetos - IV
 
Curso Java Basico
Curso Java BasicoCurso Java Basico
Curso Java Basico
 
Curso de Java (Parte 4)
Curso de Java (Parte 4)Curso de Java (Parte 4)
Curso de Java (Parte 4)
 
Programação Orientada a Objetos - 001
Programação Orientada a Objetos - 001Programação Orientada a Objetos - 001
Programação Orientada a Objetos - 001
 
Curso de OO com C# - Parte 01 - Orientação a objetos
Curso de OO com C# - Parte 01 - Orientação a objetosCurso de OO com C# - Parte 01 - Orientação a objetos
Curso de OO com C# - Parte 01 - Orientação a objetos
 

Semelhante a Curso Java Básico - Aula 04

Java
JavaJava
Java
bielgott
 
Java1
Java1Java1
1707331929 ltp iv java original
1707331929 ltp iv   java original1707331929 ltp iv   java original
1707331929 ltp iv java original
Diego Hansen Guimarães
 
Pacotes em Java
Pacotes em JavaPacotes em Java
Pacotes em Java
Luis Fernando Pimenta
 
Pacotes -organizando_suas_classes_e_bibliotecas
Pacotes  -organizando_suas_classes_e_bibliotecasPacotes  -organizando_suas_classes_e_bibliotecas
Pacotes -organizando_suas_classes_e_bibliotecas
Pedro Neto
 
Java 11 Pacotes
Java 11 PacotesJava 11 Pacotes
Java 11 Pacotes
Regis Magalhães
 
Apostila: Curso de java I
Apostila: Curso de java IApostila: Curso de java I
Apostila: Curso de java I
Verônica Veiga
 
01 java fundamentos
01 java fundamentos01 java fundamentos
01 java fundamentos
Paulo Alves Dos Santos
 
01 introducao ao java
01   introducao ao java01   introducao ao java
01 introducao ao java
Artur Todeschini
 
03 fundamentos java
03 fundamentos java03 fundamentos java
03 fundamentos java
Raytssa Martins
 
Introdução ao Java 5
Introdução ao Java 5Introdução ao Java 5
Introdução ao Java 5
Maurício Linhares
 
Reuse release equivalence principle
Reuse release equivalence principleReuse release equivalence principle
Reuse release equivalence principle
Engenharia de Software Ágil
 
Java primeiros-passos
Java primeiros-passosJava primeiros-passos
Java primeiros-passos
Leide Sayuri Ogasawara
 
Excecoes
ExcecoesExcecoes
Excecoes
EMSNEWS
 
Java introdução ao java
Java   introdução ao javaJava   introdução ao java
Java introdução ao java
Armando Daniel
 
Java generics-basics
Java generics-basicsJava generics-basics
Java generics-basics
Universidade de São Paulo
 
Tutorial javac
Tutorial javacTutorial javac
Tutorial javac
Marcio Ballem De Souza
 
JBossClassLoader
JBossClassLoaderJBossClassLoader
Excepções JAVA
Excepções JAVAExcepções JAVA
Excepções JAVA
Pedro De Almeida
 
Exceptions Em Java UFF
Exceptions Em Java UFFExceptions Em Java UFF
Exceptions Em Java UFF
Leonardo Freitas
 

Semelhante a Curso Java Básico - Aula 04 (20)

Java
JavaJava
Java
 
Java1
Java1Java1
Java1
 
1707331929 ltp iv java original
1707331929 ltp iv   java original1707331929 ltp iv   java original
1707331929 ltp iv java original
 
Pacotes em Java
Pacotes em JavaPacotes em Java
Pacotes em Java
 
Pacotes -organizando_suas_classes_e_bibliotecas
Pacotes  -organizando_suas_classes_e_bibliotecasPacotes  -organizando_suas_classes_e_bibliotecas
Pacotes -organizando_suas_classes_e_bibliotecas
 
Java 11 Pacotes
Java 11 PacotesJava 11 Pacotes
Java 11 Pacotes
 
Apostila: Curso de java I
Apostila: Curso de java IApostila: Curso de java I
Apostila: Curso de java I
 
01 java fundamentos
01 java fundamentos01 java fundamentos
01 java fundamentos
 
01 introducao ao java
01   introducao ao java01   introducao ao java
01 introducao ao java
 
03 fundamentos java
03 fundamentos java03 fundamentos java
03 fundamentos java
 
Introdução ao Java 5
Introdução ao Java 5Introdução ao Java 5
Introdução ao Java 5
 
Reuse release equivalence principle
Reuse release equivalence principleReuse release equivalence principle
Reuse release equivalence principle
 
Java primeiros-passos
Java primeiros-passosJava primeiros-passos
Java primeiros-passos
 
Excecoes
ExcecoesExcecoes
Excecoes
 
Java introdução ao java
Java   introdução ao javaJava   introdução ao java
Java introdução ao java
 
Java generics-basics
Java generics-basicsJava generics-basics
Java generics-basics
 
Tutorial javac
Tutorial javacTutorial javac
Tutorial javac
 
JBossClassLoader
JBossClassLoaderJBossClassLoader
JBossClassLoader
 
Excepções JAVA
Excepções JAVAExcepções JAVA
Excepções JAVA
 
Exceptions Em Java UFF
Exceptions Em Java UFFExceptions Em Java UFF
Exceptions Em Java UFF
 

Mais de Natanael Fonseca

Microservices With Istio Service Mesh
Microservices With Istio Service MeshMicroservices With Istio Service Mesh
Microservices With Istio Service Mesh
Natanael Fonseca
 
Microservices com Spring Boot e Spring Cloud Netflix
Microservices com Spring Boot e Spring Cloud NetflixMicroservices com Spring Boot e Spring Cloud Netflix
Microservices com Spring Boot e Spring Cloud Netflix
Natanael Fonseca
 
Curso Java Básico - Aula 05
Curso Java Básico - Aula 05Curso Java Básico - Aula 05
Curso Java Básico - Aula 05
Natanael Fonseca
 
Desafios de projeto para quem usa a plataforma Android
Desafios de projeto para quem usa a plataforma AndroidDesafios de projeto para quem usa a plataforma Android
Desafios de projeto para quem usa a plataforma Android
Natanael Fonseca
 
Fragmentos
FragmentosFragmentos
Fragmentos
Natanael Fonseca
 
Atividades e Intenções (Android)
Atividades e Intenções (Android)Atividades e Intenções (Android)
Atividades e Intenções (Android)
Natanael Fonseca
 
Introdução à plataforma Android
Introdução à plataforma AndroidIntrodução à plataforma Android
Introdução à plataforma Android
Natanael Fonseca
 
Certificados Digitais x509
Certificados Digitais x509Certificados Digitais x509
Certificados Digitais x509
Natanael Fonseca
 
Certificados Digitais x509
Certificados Digitais x509Certificados Digitais x509
Certificados Digitais x509
Natanael Fonseca
 
Infra Estrutura de Chaves Publicas(PKI)
Infra Estrutura de Chaves Publicas(PKI)Infra Estrutura de Chaves Publicas(PKI)
Infra Estrutura de Chaves Publicas(PKI)
Natanael Fonseca
 
Introdução a criptografia
Introdução a criptografiaIntrodução a criptografia
Introdução a criptografia
Natanael Fonseca
 
Transações em EJB
Transações em EJBTransações em EJB
Transações em EJB
Natanael Fonseca
 
Introdução ao Spring Framework
Introdução ao Spring FrameworkIntrodução ao Spring Framework
Introdução ao Spring Framework
Natanael Fonseca
 
Java annotation
Java annotationJava annotation
Java annotation
Natanael Fonseca
 
Validação de certificados digitais
Validação de certificados digitaisValidação de certificados digitais
Validação de certificados digitais
Natanael Fonseca
 

Mais de Natanael Fonseca (15)

Microservices With Istio Service Mesh
Microservices With Istio Service MeshMicroservices With Istio Service Mesh
Microservices With Istio Service Mesh
 
Microservices com Spring Boot e Spring Cloud Netflix
Microservices com Spring Boot e Spring Cloud NetflixMicroservices com Spring Boot e Spring Cloud Netflix
Microservices com Spring Boot e Spring Cloud Netflix
 
Curso Java Básico - Aula 05
Curso Java Básico - Aula 05Curso Java Básico - Aula 05
Curso Java Básico - Aula 05
 
Desafios de projeto para quem usa a plataforma Android
Desafios de projeto para quem usa a plataforma AndroidDesafios de projeto para quem usa a plataforma Android
Desafios de projeto para quem usa a plataforma Android
 
Fragmentos
FragmentosFragmentos
Fragmentos
 
Atividades e Intenções (Android)
Atividades e Intenções (Android)Atividades e Intenções (Android)
Atividades e Intenções (Android)
 
Introdução à plataforma Android
Introdução à plataforma AndroidIntrodução à plataforma Android
Introdução à plataforma Android
 
Certificados Digitais x509
Certificados Digitais x509Certificados Digitais x509
Certificados Digitais x509
 
Certificados Digitais x509
Certificados Digitais x509Certificados Digitais x509
Certificados Digitais x509
 
Infra Estrutura de Chaves Publicas(PKI)
Infra Estrutura de Chaves Publicas(PKI)Infra Estrutura de Chaves Publicas(PKI)
Infra Estrutura de Chaves Publicas(PKI)
 
Introdução a criptografia
Introdução a criptografiaIntrodução a criptografia
Introdução a criptografia
 
Transações em EJB
Transações em EJBTransações em EJB
Transações em EJB
 
Introdução ao Spring Framework
Introdução ao Spring FrameworkIntrodução ao Spring Framework
Introdução ao Spring Framework
 
Java annotation
Java annotationJava annotation
Java annotation
 
Validação de certificados digitais
Validação de certificados digitaisValidação de certificados digitais
Validação de certificados digitais
 

Último

Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Annelise Gripp
 
Gestão de dados: sua importância e benefícios
Gestão de dados: sua importância e benefíciosGestão de dados: sua importância e benefícios
Gestão de dados: sua importância e benefícios
Rafael Santos
 
Orientações para utilizar Drone no espaço Brasil
Orientações para utilizar Drone no espaço BrasilOrientações para utilizar Drone no espaço Brasil
Orientações para utilizar Drone no espaço Brasil
EliakimArajo2
 
Por que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdf
Por que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdfPor que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdf
Por que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdf
Ian Oliveira
 
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product ownerPRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
anpproferick
 
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptxComo fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
tnrlucas
 
Teoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .docTeoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .doc
anpproferick
 

Último (7)

Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
 
Gestão de dados: sua importância e benefícios
Gestão de dados: sua importância e benefíciosGestão de dados: sua importância e benefícios
Gestão de dados: sua importância e benefícios
 
Orientações para utilizar Drone no espaço Brasil
Orientações para utilizar Drone no espaço BrasilOrientações para utilizar Drone no espaço Brasil
Orientações para utilizar Drone no espaço Brasil
 
Por que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdf
Por que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdfPor que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdf
Por que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdf
 
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product ownerPRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
 
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptxComo fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
 
Teoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .docTeoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .doc
 

Curso Java Básico - Aula 04

  • 1. Java Básico Aula 04 Natanael Fonseca - Arquiteto de Software
  • 2. Ementa • Pacotes, tratamento de erros; • Classes utilitárias: String, Wrappers, Date e Calendar;
  • 3. Pra que servem os pacotes ? Imagine um projeto com 100 ou mais classes, como organizar isso tudo ? Pois bem, a linguagem Java oferece uma maneira bem interessante de arrumar o projeto, separando as classes em diretórios específicos chamados de pacotes. De fato, a própria API do java está organizada dessa forma, conforme pode ser visto na JavaDoc API (http://docs.oracle.com/javase/8/docs/api/): Pacotes, tratamento de erros 3
  • 4. Analisando o arquivo rt.jar No diretório %JAVA_HOME%jrelibrt.jar é possível encontrar o jar que contem as classes da API do Java, podemos abrir e analisa-lo. Pacotes, tratamento de erros 4
  • 5. Declarando o pacote das classes A primeira instrução de um arquivo .java é a declaração de pacote, desta forma podemos declarar o pacote a qual uma determinada classe pertence usando a palavra reservada package. Exemplo: ****************************** package br.com.treinamento; public class Pessoa{ //Codigo da classe } Pacotes, tratamento de erros 5 Incluir a classe no diretório br/com/treinamento
  • 6. Convenção Convenciona-se declarar o nome de pacotes utilizando uma URL invertida: normalmente a URL do “proprietario” da classe como, por exemplo, o site comercial da empresa. Exemplo: Se o site da empresa for: www.tabajara.com.br O pacote deve ser: br.com.tabajara Pacotes, tratamento de erros 6
  • 7. Compilando classes que estão em pacotes Apesar de no código fonte nos referirmos ao pacote utilizando ponto, na hora de compilar devemos seguir o padrão do sistema operacional. Exemplo (Windows): c:java> javac brcomtreinamentoPessoa.java E para executar a classe: c:java> java br.com.treinamento.Pessoa Pacotes, tratamento de erros 7
  • 8. Utilizando classes de outro pacote Uma classe não tem automaticamente acesso a classes de outros pacotes. Para utilizar uma classe que esta em outro pacote e, consequentemente, em outro diretório há duas opções: 1- Utilizar o nome completo da classe (fully qualified name), que inclui também o nome do pacote (Ex: br.com.treinamento.Exemplo) 2- importar a classe através da instrução import. Desta forma, não é necessário utilizar o nome completo da classe no código. Exemplo: import java.útil.ArrayList; Pacotes, tratamento de erros 8
  • 9. Dicas • Para melhorar a legibilidade do código, é conveniente declarar explicitamente o import individual das classes; • Caso seu código necessite utilizar duas classes com mesmo nome mas pacotes diferentes, você precisará referenciar as classes utilizando seu nome totalmente qualificado. • Além das classes do próprio pacote, as únicas classes que podem ser utilizadas diretamente no código sem a necessidade de importação são aquelas do pacote java.lang. Neste pacote estão as classes consideradas fundamentais da linguagem, como a classe System e String, entre outras. Pacotes, tratamento de erros 9
  • 10. Importação estática Até antes do Java 5, quando o programador queria acessar um atributo estativo de uma classe, ele era obrigado a incluir o nome da classe antes do atributo estático. Ex: Pessoa.STATUS. Mas a partir do Java 5 foi incluído o suporte a importação de elementos estáticos de uma classe, melhorando a legibilidade do código fonte. Sintaxe para importação estática Import static nomeCompletoDaClasse.nomeMembro ou Import static nomeCompletoDaClasse.*; Pacotes, tratamento de erros 10
  • 11. Java Archive O software desenvolvido em Java pode ser um aplicativo ou uma biblioteca utilitária, que deve ser instalado ou distribuído para ser utilizado em outros computadores. Existe um padrão de empacotamento das classes em um único arquivo chamado JAR (Java Archive). Existe um utilitário do próprio JDK chamado jar que facilita a criação destes arquivos. Comando para criar um jar simples: jar –cvf nomeDoJar.jar raizDoPacote Onde as opções cvf significam create, verbose e file, respectivamente. vale lembrar que o arquivo jar possui o mesmo formato de um arquivo zip qualquer, portanto, podemos abrir este tipo de arquivo no winrar, 7zip ou quaisquer outros utilitários que trabalhem com o formato zip. Pacotes, tratamento de erros 11
  • 12. Criação de um Jar executavel Para criar um JAR executável é necessário indicar no arquivo MANIFEST.MF o nome da classe, cujo método main, deverá ser executado em decorrência da chamada ao JAR. Exemplo: ****************************** Manifest-Version: 1.0 Created-By: Criador do Arquivo Main-Class: Nome totalmente qualificado da classe que queremos executar. ****************************** Pacotes, tratamento de erros 12
  • 13. Executando um Arquivo Jar Para executar um arquivo JAR usa-se o utilitário java, passando –jar como argumento, assim como nome do arquivo que se quer executar. Sintaxe java –jar nomeJar.jar E caso o arquivo jar possua como dependências outras bibliotecas devemos informar no classpath os jars necessários para a execução. Exemplo: java –classpath commons-logging.jar –jar meujarexecutavel.jar Pacotes, tratamento de erros 13
  • 14. Tratamento de Erros Característica fundamental para sistemas de software, porque é praticamente impossível criar uma aplicação totalmente livre de erros. Erros não são necessariamente causados por falhas no desenvolvimento. Alguns exemplos: • Um servidor de banco de dados pode estar fora do ar; • Um arquivo de configuração pode ter sido removido acidentalmente; • O usuário pode ter digitado um valor não aceitável. Importante dar atenção ao tratamento de erros em aplicações. Por isso, é importante reforçar aqui a necessidade do planejamento no tratamento de erros. Pacotes, tratamento de erros 14
  • 15. Exceções Uma exceção é a indicação de que algum problema ocorreu durante a execução do programa. Chama-se de tratamento de exceções ou tratamento de erros o mecanismo de sinalização de erros na plataforma Java. Java define um conjunto de classes que representam erros. O pacote java.io, por exemplo, possui uma família de classes de exceção derivadas de IOException e o pacote java.sql contém uma família derivada de SQLException. Através da extensibilidade oferecida pela linguagem é possível criar tipos próprios de exceções e para isso basta estender a classe java.lang.Exception. Pacotes, tratamento de erros 15
  • 16. Hierarquia Existe uma super classe de Exception denominada Throwable que, como diz o próprio nome, representa algo que pode ser lançado, interrompendo a exceção de um método. Error – representa condições anormais Graves e geralmente irrecuperáveis; Runtime Exception – representa erros do próprio programador (unchecked). Exception – representa erros que fogem ao controle do programador (checked). Pacotes, tratamento de erros 16
  • 17. Tratamento de Exceções Ao estudar a linguagem no que tange os aspectos de tratamento de exceções é importante entender : como criar, como lançar e por último como trata-las. 1) Criando exceptions:  Estendendo a classe Exception; Class MyException extends Exception{}  Instanciando a classe criada; MyException ex = new MyException(); 2) Lançando exceptions:  Indicando que o método irá lançar a exception public void metodoQueLancaException() throws Exception{}  Utilizando a instrução throw throw ex; 3) Tratando exceptions:  Utiliza-se a instrução try-catch Try{ obj.metodoquelancaexception(); }catch( MyException ex){ //codigo que faz alguma coisa. } Pacotes, tratamento de erros 17
  • 18. Métodos uteis da classe throwable A classe throwable define alguns métodos herdados pela classe Exception, que são uteis no tratamento de exceções. Método printStackTrace() Fornece uma visão detalhada do erro, indicando qual o o método que originou a exceção, assim como, cada um dos métodos que a chamaram, além de mostrar a localização da linha responsável pelo lançamento da exceção. Essa informação é impressa no console, chamada de stack trace. Método getMessage() Recupera a mensagem da exceção que é definida no momento da construção da Exception, utilizando o construtor que recebe uma String como parâmetro. Pacotes, tratamento de erros 18
  • 19. Instrução Finally Usualmente, este bloco é utilizado para códigos clean-up. Operações como fechar um arquivo ou uma conexão com o servidor são exemplos de operações de clean-up. Sintaxe : try{ //instruções que podem gerar/lançar exceções }catch(TipoException e){ //codigo que devera ser executado caso uma excecao seja lancada }finally{ //liberação de recursos, log, etc. } O bloco finally é sempre executado ! Pacotes, tratamento de erros 19
  • 20. Capturando múltiplas exceções Em muitos casos cada tipo de erro terá um tratamento diferente. Para conseguir este tratamento diferenciado são utilizadas diversas instruções catch, uma para cada exceção. Sintaxe para captura de múltiplas exceções try{ //instruções que podem gerar/lançar exceptions }catch(TipoDaExcecao1 e){ //logs, codigo }catch(TipoDaExcecao2 e){ //logs, codigo }finally{ //liberação de recursos, log, etc.... }  Não é permitido colocar instruções catch para checked expcetions que não tem possibilidade de serem lançadas, ou seja, não foram declaradas por nenhum método;  Declaram-se primeiramente as exceções mais especificas, isto é, as classes filhas e, depois, as mais genericas. 20Pacotes, tratamento de erros
  • 21. Exercício Crie um pacote chamado br.com.<<seunome>> e inclua uma classe chamada Principal com método main que ao ser executado, exibe por meio de um JOptionpane uma mensagem de boas vindas. Tente criar um Jar executável do programa criado, por meio de um pen drive, passe o jar para o colega ao lado para que ele teste o seu programa. 21Pacotes, tratamento de erros
  • 22. Wrapper Classes Foram projetadas para encapsular valores de tipo primitivo dentro de suas instancias. Existe uma wrapper class para cada tipo primitivo, conforme podemos ver na tabela a seguir: 22 Classes utilitárias: String, Wrappers, Date e Calendar Tipo Primitivo Wrapper Class boolean java.lang.Boolean char java.lang.Character byte java.lang.Byte short java.lang.Short int java.lang.Integer long java.lang.Long float java.lang.Float double java.lang.Double
  • 23. Características comuns as Wrapper Classes Todas as wrapper classes que representam tipos primitivos numéricos são sub-classes de java.lang.Number. Todas as wrapper classes tem um construtor que recebe como parâmetro um valor do tipo primitivo correspondente. Exemplo: Double d = new Double(10.8); Integer i = new Integer(20); Float f = new Float(4.2F); 23 Classes utilitárias: String, Wrappers, Date e Calendar
  • 24. Classe Date Classe utilizada para representar o tempo, que é composto por ano, mês, dia atual, minuto, entre outras propriedades. Hoje a maioria dos métodos da classe Date estão classificados como deprecated, ou seja, são métodos que não são mais utilizados, por isso essa classe foi substituída pela classe Calendar, para haver suporte correto a internacionalização do sistema de datas. 24 Classes utilitárias: String, Wrappers, Date e Calendar
  • 25. Testando a Classe Date import java.util.Date; public class TestDate{ public static void main(String[] args){ Date data = new Date(); Sytem.out.println(“Data agora:” + data ); } } 25 Classes utilitárias: String, Wrappers, Date e Calendar
  • 26. Classe Calendar Classe mais completa e pode produzir valores de todos os campos de calendário necessários para implementar a formatação de data e hora, para uma determinada língua e estilo de calendário. Por exemplo, japonês, americano, italiano, brasileiro entre outros. Por ser uma classe abstrata, para obter um calendário é necessário chamar o método estático getInstance(). 26 Classes utilitárias: String, Wrappers, Date e Calendar
  • 27. Testando a Classe Calendar import java.util.Calendar; public class TestCalendar{ public static void main(String[] args){ Calendar c = Calendar.getInstance(); System.out.println(“Data e hora atual” + c.getTime()); } } 27 Classes utilitárias: String, Wrappers, Date e Calendar
  • 28. Classe DateFormat Permite converter informações do tipo String para data do tipo Date, permitindo seguir um formato. Consegue-se trabalhar ao contrário, convertendo um dado do tipo Date para uma String. Como acontece com Calendar, está classe também é abstrata, ou seja, para obter uma instancia dela o programador deve chamar o método estático getDateInstance(). 28 Classes utilitárias: String, Wrappers, Date e Calendar
  • 29. Utilizando DateFormat import java.util.Calendar; import java.util.DateFormat; Import java.util.Date; public class TestDateFormat{ public static void main(String[] args){ Calendar c = Calendar.getInstance(); Date data = c.getTime(); DateFormat formataData = DateFormat.getDateInstance(); System.out.println( formataData.format( data ) ); } } 29 Classes utilitárias: String, Wrappers, Date e Calendar
  • 30. Fim da Quarta Aula Obrigado.