SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 70
Laboratório de Jorn. Impresso
                   Aula 1





    Temas:
Princípios da produção gráfica
Tipologia
Cores – usos na produção visual e gráfica
Laboratório de Jorn. Impresso
                Aula 1 - Tipologia


    História da escrita
Tipologia vai surgir a partir do sistema ocidental,
  definido pelo material usado como superfície
  para a escrita.


Escrita monumental ou maiúscula: materiais
 duros (pedra, osso, bronze)
Escrita cursiva ou minúscula: materiais leves
 (papel, couro, madeira)
Laboratório de Jorn. Impresso
                Aula 1 - Introdução


    Alfabeto grego – surge a partir das letras
    semíticas (principalmente fenício), entre os
    séculos X e VIII a.C.


    Dele surgem os alfabetos cirílico e etrusco.


    A fusão do alfabeto grego e etrusco dá origem
    ao alfabeto latino.

    Alfabetos
    antigos

    Alfabeto grego

    Tipos de escrita
Capitular quadrada: estabelece-se por volta do séc. I
 e II, escrita alcança equilíbrio e proporção.
Capitular rústica: contemporânea da quadrada, surge
 para aproveitar melhor o espaço do pergaminho.
 Mais delgada e hastes mais curtas.
Unciais: Transição do papiro para o códex encadernado,
 por volta do século IV até VIII. Escrita maiúscula, mais
 ágil; surgem as capitulares.
Semiunciais: baseado no cursivo romano; surgem as
  minúsculas; sem serifa; traços curvos; altura irregular.
Carolíngio: normalizado por Carlos Magno, em 789;
 diferencia maiúsculas de minúsculas; introduz
 pontuação e espaço em branco entre as palavras.

    Gótico: letras anguladas, espessas, adornadas,
    sem ligaduras. Consolida-se no séc. XIV.

    Humanística: desenvolvida na Itália, no começo do
    século XV; letras delgadas de corpo redondo.

    Cancellaresca, minúscula veneziana, ou
    humanística cursiva: hastes maiores, levemente
    inclinada; usada pelos secretários papais.
Laboratório de Jorn. Impresso
     Aula 1 – Princípios da produção gráfica


    Estética: ciência que trata da beleza e de
    seus fundamentos filosóficos


    Artistas x Artesãos: beleza x necessidade



    Composição
Reunião de imagens, letras e ornamentos
 em um impresso.
Laboratório de Jorn. Impresso
     Aula 1 - Princípios da produção gráfica

    Estética gráfica
Objetivo principal é transmitir informação de
 maneira limpa e objetiva.


    Influência da pintura e da arquitetura.


    Estilos clássicos: gótico, românico
    (antigo e moderno), egípcio, floreal,
    liberty
Laboratório de Jorn. Impresso
    Aula 1 - Princípios da produção gráfica




Estilo Bizantino (Catedral de Santa Sofia - Kiev)
Laboratório de Jorn. Impresso
  Aula 1 - Princípios da produção gráfica




 Estilo Românico (Campo Miracoli - Pisa)
Laboratório de Jorn. Impresso
   Aula 1 - Princípios da produção gráfica




 Basílica de Saint-Sernin de Toulouse
Laboratório de Jorn. Impresso
  Aula 1 - Princípios da produção gráfica




  Estilo Gótico (Catedral de Milan)
Laboratório de Jorn. Impresso
      Aula 1 - Princípios da produção gráfica




Estilo Renascentista (Villa La Rotonda - Vicenza)
Laboratório de Jorn. Impresso
               Aula 1 - Tipologia

    Estilo gótico
Primeiro estilo, surge no período dos
 incunábulos (1450 – 1500)


Influência das 'iluminuras'


Excesso de adornos e pouco legível

    Detalhe da catedral
    de Notre Dame

    Detalhe da
catedral
de Milão

    Tipos
    góticos

    Iluminura
portuguesa
séc. XIV/XV

    Missal
    medieval

    Bíblia de
    Gutenberg
Laboratório de Jorn. Impresso
              Aula 1 - Tipologia


    Estilo românico
Surge em 1465, baseadas no alfabeto latino
 de escritura itálica romana e carolíngea;
 maiúsculas criadas a partir das inscrições
 lapidárias romanas


    Do séc. XVIII ao XIX, surgem as romanas
    transicionais e modernas.
Laboratório de Jorn. Impresso
               Aula 1 - Tipologia





    Garamond
Laboratório de Jorn. Impresso
            Aula 1 - Tipologia





    Didot
Laboratório de Jorn. Impresso
               Aula 1 - Tipologia

    Estilo egípcio
Criados pelos italianos, a pedido dos
 ingleses, durante a Revolução Industrial


Desenhos simples e com alta visibilidade


Deram origem ao lapidário, ou bastão,
 inspirado nas inscrições fenícias, com
 ausência de serifas
Laboratório de Jorn. Impresso
              Aula 1 - Tipologia





    American Typewriter (egípcio)
Laboratório de Jorn. Impresso
              Aula 1 - Tipologia





    Futura (bastão)
Laboratório de Jorn. Impresso
               Aula 1 - Tipologia


    Estilo floreal
Popularização e maior liberdade criativa,
 inspiração em flores para criação.
 Primeira metade do séc. 20 (art nouveau).


    Estilo Liberty
Estilização dos góticos, mais flexibilidade e
 menos rebuscamento.
Laboratório de Jorn. Impresso
              Aula 1 - Tipologia





    Edison Swirl
Laboratório de Jorn. Impresso
             Aula 1 - Tipologia





    Apollo
Laboratório de Jorn. Impresso
         Aula 1 - Tipologia




                      
                          Mucha
Laboratório de Jorn. Impresso
            Aula 1 - Tipologia


    Tipo
Bloco de metal fundido onde se encontra,
  em relevo, um determinado sinal.


Fonte
Conjuntos de caracteres e símbolos
 desenvolvidos em um mesmo desenho.
Laboratório de Jorn. Impresso
              Aula 1 - Tipologia


    Estrutura tipográfica
Laboratório de Jorn. Impresso
                 Aula 1 - Tipologia


    Critérios para seleção do tipo

    Família Romana Antiga
Alto grau de legibilidade, rápida absorção e resposta do
   leitor. Ex.: Times New Roman



    Família Romana moderna
Alta legibilidade, contraste entre hastes ainda mais
   acentuado. Não aconselhável para corpos pequenos e
   impressão por rotogravura e serigrafia. Ex.: Bodoni
Laboratório de Jorn. Impresso
                  Aula 1 - Tipologia


    Critérios para seleção do tipo

    Família Egípcia
Hastes uniformes e serifas retangulares. Recomendada
  para textos curtos e comunicação rápida. Ex.: Geometric
  Slabserif



    Família Lapidária ou Bastão
Hastes de espessura uniforme e sem serifa. Muito usada
  na publicidade. Popularizada pelo movimento Bauhaus.
  Ex.: Helvetica
Laboratório de Jorn. Impresso
                  Aula 1 - Tipologia


    Critérios para seleção do tipo

    Família Cursiva
Bonitas plasticamente, porém comprometem a
  comunicação nos quesitos visibilidade e legibilidade.
  Esta família inclui as letras manuscritas; as de fantasia;
  as góticas; e demais fontes que recebem adornos.
Laboratório de Jorn. Impresso
                  Aula 1 - Tipologia


    Classificações dos tipos
Envolve diferentes inclinações, larguras, tonalidades e
  usos ortográficos.



    Classificação por inclinação
Redondo: Sem inclinação; Itálicos ou grifos: inclinados



    Classificação por largura
Média, condensada ou expandida
Laboratório de Jorn. Impresso
                  Aula 1 - Tipologia


    Classificação por tonalidade
Ligada à força da letra e a relação entre a espessura das
   hastes e o espaço em branco interno da letra. Pode ser
   regular; bold ou negrito (extrabold / semibold) e light
   (extralight).



    Classificação por uso ortográfico
Caixa alta (maiúsculas); caixa baixa (minúsculas); e
  versaletes (maiúsculas com altura de minúsculas).

    Times New Roman redondo e itálico

    Futura média e condensada

    Gill Sans regular, light, bold e extrabold

    Fonte em caixa alta e versalete
Laboratório de Jorn. Impresso
             Aula 1 - Tipologia

Unidades tipográficas
Sistema duodecimal (francês / Didot e
  anglo-americano)
Unidades
Ponto: criada por Pierre Simon Fournier em
 1737. Aperfeiçoada por Didot.
(0,376 mm)
Cícero: 12 pts (4,532 mm)
Laboratório de Jorn. Impresso
            Aula 1 - Tipologia

Unidades tipográficas
Paica: do inglês pica. Baseado
 na polegada. Equivale a 12 pontos
 (0,3515 mm) = 4,218 mm.
Laboratório de Jorn. Impresso
           Aula 1 – Teoria das Cores
Cor
Informação recebida pelos seres vivos por meio de
seus aparelhos visuais – quanto mais complexo o
aparelho, mais cores irá perceber cada ser vivo.


Diferentes fatores atuam na preferência, como sexo,
idade, cultura, clima e gosto pessoal.


É composta por ondas eletromagnéticas cujo
comprimento de onda varia entre 380 nanômetros e
780 nanômetros. (nanômetro = 10 ângstroms =
0,000000001 metro)

    Espectro visível e invisível aos olhos humanos

    Frequência e comprimento de onda das cores
Laboratório de Jorn. Impresso
           Aula 1 – Teoria das Cores
Síntese aditiva
Teoria das Cores foi descoberta por Isaac Newton.


Decomposição da luz branca gera 30 cores, com
predomínio de três cores básicas: vermelho, verde e
azul-violeta.


Soma das cores básicas gera cores complementares
ou branca.


Modelo RGB
Laboratório de Jorn. Impresso
            Aula 1 – Teoria das Cores
Síntese subtrativa
Oposto da aditiva.


Corpos absorvem a luz e refletem determinado
comprimento de onda, que enxergamos como cor.


Assim, adição de cores subtrativas reduz a luz refletida
pelo objeto até chegar ao preto.
Laboratório de Jorn. Impresso
           Aula 1 – Teoria das Cores
Círculo cromático
Disposição das cores complementares em círculo
facilitando identificação entre opostos.


Soma dará branco para cores emitidas ou preto para
cores adicionadas.


Cores complementares são as que causam mais
contrastes ao serem combinadas.
Laboratório de Jorn. Impresso
            Aula 1 – Teoria das Cores
Psicologia das cores
Contrastes simultâneos devem ser usados com pesos
diferentes.


Comportamento das cores é influenciado pelo
contraste entre fundo e figura.


Cores têm significados psicológicos.
Laboratório de Jorn. Impresso
               Aula 1 – Teoria das Cores
Significado das cores
Preto – tragédia, luto, vazio, solidão, luxo, distinção.
Branco – paz, isolamento.
Vermelho – alegria, força, vitalidade, amor, estímulo à procriação
e à sobrevivência, força, dinamismo, revolta, energia, barbárie,
coragem, furor, vulgaridade, poderio, glória, calor, etc.
Laranja – força, calor, fortuna.
Verde – calma, frio, estático, estabilidade, adolescência, bem-
estar, paz, saúde, abundância, tranquilidade.
Amarelo – cor quente que contrasta com o preto melhor que o
branco.
Azul – profundidade, feminina, discreta, que acalma, espaço,
viagem, verdade, sentido, afeto, espiritualidade.
Laboratório de Jorn. Impresso
           Aula 1 – Teoria das Cores
Poder de atração das cores




Formas e seu poder de concentração
Laboratório de Jorn. Impresso
             Aula 1 – Teoria das Cores
Cores e os sentidos

     Ácido            Doce          Amargo
Laboratório de Jorn. Impresso
           Aula 1 – Teoria das Cores
Legibilidade

color          color      color        color




color          color      color        color



color          color      color        color
Laboratório de Jorn. Impresso
           Aula 1 – Teoria das Cores
Contraste x fonte

   color            color              color



   color            color              color



   color            color              color

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Los órganos divulgativos impresos y digitales
Los órganos divulgativos impresos y digitalesLos órganos divulgativos impresos y digitales
Los órganos divulgativos impresos y digitalesjuanlquintana
 
Newsmaking - teorias da comunicação
Newsmaking - teorias da comunicaçãoNewsmaking - teorias da comunicação
Newsmaking - teorias da comunicaçãoLaércio Góes
 
História do Design Impresso
História do Design ImpressoHistória do Design Impresso
História do Design ImpressoÉrica Rigo
 
Laboratório de Comunicação Popular - Aula 2
Laboratório de Comunicação Popular - Aula 2Laboratório de Comunicação Popular - Aula 2
Laboratório de Comunicação Popular - Aula 2Diedro Barros
 
O jornal impresso em tempos de mídias digitais
O jornal impresso em tempos de mídias digitaisO jornal impresso em tempos de mídias digitais
O jornal impresso em tempos de mídias digitaisAndrey Martins
 
Hd 2016.1 aula 7_influências das vanguardas europeias - futurismo
Hd 2016.1 aula 7_influências das vanguardas europeias - futurismoHd 2016.1 aula 7_influências das vanguardas europeias - futurismo
Hd 2016.1 aula 7_influências das vanguardas europeias - futurismoTicianne Darin
 
A História da Imprensa
A História da ImprensaA História da Imprensa
A História da ImprensaUAlg
 
Introdução ao Jornalismo
Introdução ao JornalismoIntrodução ao Jornalismo
Introdução ao JornalismoTallita Alves
 
Teoria da comunicação (quadro-resumo)
Teoria da comunicação (quadro-resumo)Teoria da comunicação (quadro-resumo)
Teoria da comunicação (quadro-resumo)Ana Dall'Agnol
 
Linha do tempo história do design
Linha do tempo   história do designLinha do tempo   história do design
Linha do tempo história do designLuciana Lopes
 
Timeline e historia do design
Timeline e historia do designTimeline e historia do design
Timeline e historia do designMarcio Duarte
 
História do Design - Movimento de Vanguarda - Hd05
História do Design - Movimento de Vanguarda - Hd05História do Design - Movimento de Vanguarda - Hd05
História do Design - Movimento de Vanguarda - Hd05Valdir Soares
 
Introdução à Teoria da ComunicaçãO
Introdução à Teoria da ComunicaçãOIntrodução à Teoria da ComunicaçãO
Introdução à Teoria da ComunicaçãOTaïs Bressane
 
Publicações jornalísticas empresariais
Publicações jornalísticas empresariaisPublicações jornalísticas empresariais
Publicações jornalísticas empresariaisJessica de Paula
 
A coluna jornalística
A coluna jornalísticaA coluna jornalística
A coluna jornalísticaArtur Araujo
 

Mais procurados (20)

Los órganos divulgativos impresos y digitales
Los órganos divulgativos impresos y digitalesLos órganos divulgativos impresos y digitales
Los órganos divulgativos impresos y digitales
 
Newsmaking - teorias da comunicação
Newsmaking - teorias da comunicaçãoNewsmaking - teorias da comunicação
Newsmaking - teorias da comunicação
 
História do Design Impresso
História do Design ImpressoHistória do Design Impresso
História do Design Impresso
 
Laboratório de Comunicação Popular - Aula 2
Laboratório de Comunicação Popular - Aula 2Laboratório de Comunicação Popular - Aula 2
Laboratório de Comunicação Popular - Aula 2
 
O jornal impresso em tempos de mídias digitais
O jornal impresso em tempos de mídias digitaisO jornal impresso em tempos de mídias digitais
O jornal impresso em tempos de mídias digitais
 
Oficina: Jornalismo cultural
Oficina: Jornalismo culturalOficina: Jornalismo cultural
Oficina: Jornalismo cultural
 
Hd 2016.1 aula 7_influências das vanguardas europeias - futurismo
Hd 2016.1 aula 7_influências das vanguardas europeias - futurismoHd 2016.1 aula 7_influências das vanguardas europeias - futurismo
Hd 2016.1 aula 7_influências das vanguardas europeias - futurismo
 
A História da Imprensa
A História da ImprensaA História da Imprensa
A História da Imprensa
 
Introdução ao Jornalismo
Introdução ao JornalismoIntrodução ao Jornalismo
Introdução ao Jornalismo
 
A pauta
A pautaA pauta
A pauta
 
Teoria da comunicação (quadro-resumo)
Teoria da comunicação (quadro-resumo)Teoria da comunicação (quadro-resumo)
Teoria da comunicação (quadro-resumo)
 
Linha do tempo história do design
Linha do tempo   história do designLinha do tempo   história do design
Linha do tempo história do design
 
Timeline e historia do design
Timeline e historia do designTimeline e historia do design
Timeline e historia do design
 
Revistas
RevistasRevistas
Revistas
 
História do Design - Movimento de Vanguarda - Hd05
História do Design - Movimento de Vanguarda - Hd05História do Design - Movimento de Vanguarda - Hd05
História do Design - Movimento de Vanguarda - Hd05
 
DIAGRAMAÇÃO DE JORNAIS
DIAGRAMAÇÃO DE JORNAISDIAGRAMAÇÃO DE JORNAIS
DIAGRAMAÇÃO DE JORNAIS
 
Introdução à Teoria da ComunicaçãO
Introdução à Teoria da ComunicaçãOIntrodução à Teoria da ComunicaçãO
Introdução à Teoria da ComunicaçãO
 
Planos de Ensinos de Design Digital 2012
Planos de Ensinos de Design Digital 2012Planos de Ensinos de Design Digital 2012
Planos de Ensinos de Design Digital 2012
 
Publicações jornalísticas empresariais
Publicações jornalísticas empresariaisPublicações jornalísticas empresariais
Publicações jornalísticas empresariais
 
A coluna jornalística
A coluna jornalísticaA coluna jornalística
A coluna jornalística
 

Destaque (8)

Diagramação de Jornais
Diagramação de JornaisDiagramação de Jornais
Diagramação de Jornais
 
Aula01 planejamento grafico
Aula01 planejamento graficoAula01 planejamento grafico
Aula01 planejamento grafico
 
Aula04 planejamento grafico
Aula04 planejamento graficoAula04 planejamento grafico
Aula04 planejamento grafico
 
Aula06 planejamento grafico
Aula06 planejamento graficoAula06 planejamento grafico
Aula06 planejamento grafico
 
Aula05 planejamento grafico
Aula05 planejamento graficoAula05 planejamento grafico
Aula05 planejamento grafico
 
Aula08 planejamento grafico
Aula08 planejamento graficoAula08 planejamento grafico
Aula08 planejamento grafico
 
Aula07 planejamento grafico
Aula07 planejamento graficoAula07 planejamento grafico
Aula07 planejamento grafico
 
Como Criar um Jornal
Como Criar um Jornal Como Criar um Jornal
Como Criar um Jornal
 

Último

Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Pauloririg29454
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................mariagrave
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)Centro Jacques Delors
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxLucasFCapistrano
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxAntonioVieira539017
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaANNAPAULAAIRESDESOUZ
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaREGIANELAURALOUREIRO1
 

Último (20)

Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João EudesNovena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 

Aula 1 jornalismo impresso

  • 1. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1  Temas: Princípios da produção gráfica Tipologia Cores – usos na produção visual e gráfica
  • 2. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 - Tipologia  História da escrita Tipologia vai surgir a partir do sistema ocidental, definido pelo material usado como superfície para a escrita. Escrita monumental ou maiúscula: materiais duros (pedra, osso, bronze) Escrita cursiva ou minúscula: materiais leves (papel, couro, madeira)
  • 3. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 - Introdução  Alfabeto grego – surge a partir das letras semíticas (principalmente fenício), entre os séculos X e VIII a.C.  Dele surgem os alfabetos cirílico e etrusco.  A fusão do alfabeto grego e etrusco dá origem ao alfabeto latino.
  • 4. Alfabetos antigos
  • 5. Alfabeto grego
  • 6. Tipos de escrita Capitular quadrada: estabelece-se por volta do séc. I e II, escrita alcança equilíbrio e proporção.
  • 7. Capitular rústica: contemporânea da quadrada, surge para aproveitar melhor o espaço do pergaminho. Mais delgada e hastes mais curtas.
  • 8. Unciais: Transição do papiro para o códex encadernado, por volta do século IV até VIII. Escrita maiúscula, mais ágil; surgem as capitulares.
  • 9. Semiunciais: baseado no cursivo romano; surgem as minúsculas; sem serifa; traços curvos; altura irregular.
  • 10. Carolíngio: normalizado por Carlos Magno, em 789; diferencia maiúsculas de minúsculas; introduz pontuação e espaço em branco entre as palavras.
  • 11. Gótico: letras anguladas, espessas, adornadas, sem ligaduras. Consolida-se no séc. XIV.
  • 12. Humanística: desenvolvida na Itália, no começo do século XV; letras delgadas de corpo redondo.
  • 13. Cancellaresca, minúscula veneziana, ou humanística cursiva: hastes maiores, levemente inclinada; usada pelos secretários papais.
  • 14. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 – Princípios da produção gráfica  Estética: ciência que trata da beleza e de seus fundamentos filosóficos  Artistas x Artesãos: beleza x necessidade  Composição Reunião de imagens, letras e ornamentos em um impresso.
  • 15. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 - Princípios da produção gráfica  Estética gráfica Objetivo principal é transmitir informação de maneira limpa e objetiva.  Influência da pintura e da arquitetura.  Estilos clássicos: gótico, românico (antigo e moderno), egípcio, floreal, liberty
  • 16. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 - Princípios da produção gráfica Estilo Bizantino (Catedral de Santa Sofia - Kiev)
  • 17. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 - Princípios da produção gráfica Estilo Românico (Campo Miracoli - Pisa)
  • 18. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 - Princípios da produção gráfica Basílica de Saint-Sernin de Toulouse
  • 19. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 - Princípios da produção gráfica Estilo Gótico (Catedral de Milan)
  • 20. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 - Princípios da produção gráfica Estilo Renascentista (Villa La Rotonda - Vicenza)
  • 21. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 - Tipologia  Estilo gótico Primeiro estilo, surge no período dos incunábulos (1450 – 1500) Influência das 'iluminuras' Excesso de adornos e pouco legível
  • 22. Detalhe da catedral de Notre Dame
  • 23. Detalhe da catedral de Milão
  • 24. Tipos góticos
  • 25. Iluminura portuguesa séc. XIV/XV
  • 26. Missal medieval
  • 27. Bíblia de Gutenberg
  • 28. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 - Tipologia  Estilo românico Surge em 1465, baseadas no alfabeto latino de escritura itálica romana e carolíngea; maiúsculas criadas a partir das inscrições lapidárias romanas  Do séc. XVIII ao XIX, surgem as romanas transicionais e modernas.
  • 29. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 - Tipologia  Garamond
  • 30. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 - Tipologia  Didot
  • 31. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 - Tipologia  Estilo egípcio Criados pelos italianos, a pedido dos ingleses, durante a Revolução Industrial Desenhos simples e com alta visibilidade Deram origem ao lapidário, ou bastão, inspirado nas inscrições fenícias, com ausência de serifas
  • 32. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 - Tipologia  American Typewriter (egípcio)
  • 33. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 - Tipologia  Futura (bastão)
  • 34. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 - Tipologia  Estilo floreal Popularização e maior liberdade criativa, inspiração em flores para criação. Primeira metade do séc. 20 (art nouveau).  Estilo Liberty Estilização dos góticos, mais flexibilidade e menos rebuscamento.
  • 35. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 - Tipologia  Edison Swirl
  • 36. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 - Tipologia  Apollo
  • 37. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 - Tipologia  Mucha
  • 38.
  • 39.
  • 40. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 - Tipologia  Tipo Bloco de metal fundido onde se encontra, em relevo, um determinado sinal. Fonte Conjuntos de caracteres e símbolos desenvolvidos em um mesmo desenho.
  • 41. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 - Tipologia  Estrutura tipográfica
  • 42. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 - Tipologia  Critérios para seleção do tipo  Família Romana Antiga Alto grau de legibilidade, rápida absorção e resposta do leitor. Ex.: Times New Roman  Família Romana moderna Alta legibilidade, contraste entre hastes ainda mais acentuado. Não aconselhável para corpos pequenos e impressão por rotogravura e serigrafia. Ex.: Bodoni
  • 43. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 - Tipologia  Critérios para seleção do tipo  Família Egípcia Hastes uniformes e serifas retangulares. Recomendada para textos curtos e comunicação rápida. Ex.: Geometric Slabserif  Família Lapidária ou Bastão Hastes de espessura uniforme e sem serifa. Muito usada na publicidade. Popularizada pelo movimento Bauhaus. Ex.: Helvetica
  • 44. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 - Tipologia  Critérios para seleção do tipo  Família Cursiva Bonitas plasticamente, porém comprometem a comunicação nos quesitos visibilidade e legibilidade. Esta família inclui as letras manuscritas; as de fantasia; as góticas; e demais fontes que recebem adornos.
  • 45. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 - Tipologia  Classificações dos tipos Envolve diferentes inclinações, larguras, tonalidades e usos ortográficos.  Classificação por inclinação Redondo: Sem inclinação; Itálicos ou grifos: inclinados  Classificação por largura Média, condensada ou expandida
  • 46. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 - Tipologia  Classificação por tonalidade Ligada à força da letra e a relação entre a espessura das hastes e o espaço em branco interno da letra. Pode ser regular; bold ou negrito (extrabold / semibold) e light (extralight).  Classificação por uso ortográfico Caixa alta (maiúsculas); caixa baixa (minúsculas); e versaletes (maiúsculas com altura de minúsculas).
  • 47. Times New Roman redondo e itálico
  • 48. Futura média e condensada
  • 49. Gill Sans regular, light, bold e extrabold
  • 50. Fonte em caixa alta e versalete
  • 51. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 - Tipologia Unidades tipográficas Sistema duodecimal (francês / Didot e anglo-americano) Unidades Ponto: criada por Pierre Simon Fournier em 1737. Aperfeiçoada por Didot. (0,376 mm) Cícero: 12 pts (4,532 mm)
  • 52. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 - Tipologia Unidades tipográficas Paica: do inglês pica. Baseado na polegada. Equivale a 12 pontos (0,3515 mm) = 4,218 mm.
  • 53. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 – Teoria das Cores Cor Informação recebida pelos seres vivos por meio de seus aparelhos visuais – quanto mais complexo o aparelho, mais cores irá perceber cada ser vivo. Diferentes fatores atuam na preferência, como sexo, idade, cultura, clima e gosto pessoal. É composta por ondas eletromagnéticas cujo comprimento de onda varia entre 380 nanômetros e 780 nanômetros. (nanômetro = 10 ângstroms = 0,000000001 metro)
  • 54. Espectro visível e invisível aos olhos humanos
  • 55. Frequência e comprimento de onda das cores
  • 56. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 – Teoria das Cores Síntese aditiva Teoria das Cores foi descoberta por Isaac Newton. Decomposição da luz branca gera 30 cores, com predomínio de três cores básicas: vermelho, verde e azul-violeta. Soma das cores básicas gera cores complementares ou branca. Modelo RGB
  • 57.
  • 58. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 – Teoria das Cores Síntese subtrativa Oposto da aditiva. Corpos absorvem a luz e refletem determinado comprimento de onda, que enxergamos como cor. Assim, adição de cores subtrativas reduz a luz refletida pelo objeto até chegar ao preto.
  • 59.
  • 60. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 – Teoria das Cores Círculo cromático Disposição das cores complementares em círculo facilitando identificação entre opostos. Soma dará branco para cores emitidas ou preto para cores adicionadas. Cores complementares são as que causam mais contrastes ao serem combinadas.
  • 61.
  • 62.
  • 63. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 – Teoria das Cores Psicologia das cores Contrastes simultâneos devem ser usados com pesos diferentes. Comportamento das cores é influenciado pelo contraste entre fundo e figura. Cores têm significados psicológicos.
  • 64.
  • 65.
  • 66. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 – Teoria das Cores Significado das cores Preto – tragédia, luto, vazio, solidão, luxo, distinção. Branco – paz, isolamento. Vermelho – alegria, força, vitalidade, amor, estímulo à procriação e à sobrevivência, força, dinamismo, revolta, energia, barbárie, coragem, furor, vulgaridade, poderio, glória, calor, etc. Laranja – força, calor, fortuna. Verde – calma, frio, estático, estabilidade, adolescência, bem- estar, paz, saúde, abundância, tranquilidade. Amarelo – cor quente que contrasta com o preto melhor que o branco. Azul – profundidade, feminina, discreta, que acalma, espaço, viagem, verdade, sentido, afeto, espiritualidade.
  • 67. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 – Teoria das Cores Poder de atração das cores Formas e seu poder de concentração
  • 68. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 – Teoria das Cores Cores e os sentidos Ácido Doce Amargo
  • 69. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 – Teoria das Cores Legibilidade color color color color color color color color color color color color
  • 70. Laboratório de Jorn. Impresso Aula 1 – Teoria das Cores Contraste x fonte color color color color color color color color color