SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Marcelo Araujo
EscolaTécnica Estadual Maximiano Accioly Campos
Jaboatão dos Guararapes
Linux
SistemaOperacional
• É o programa que controla o computador, servindo de Interface entre o usuário e a máquina,
O SistemaOperacional faz isso através de dois componentes: o Kernel e o Shell.
• Kernel é o nome dado ao “centro nervoso” do Sistema Operacional. É a parte deste programa
que se comunica com o hardware do computador;
• Shell é a “fachada” do Sistema Operacional. Essa é a parte do programa que se comunica com
o usuário, recebendo seus comandos e repassando-os ao Kernel.
HISTÓRIA
Década de 1970
• Predominância dos computadores de grande porte (em universidades e empresas);
• Criação do Sistema Operacional UNIX, para os sistemas de grande porte;
UNIX
• MuItiusuário: Permite o uso por vários usuários simultaneamente
• Multitarefa: permite a execução de diversas tarefas (programas) simultaneamente;
• Separação em Níveis: Kernel, SheII e Aplicativos.
1980 - 1985
• Início da utilização dos microcomputadores (PC-XT) com o Sistema Operacional adequado
(DOS);
• Popularização do UNIX em ambiente de grande porte;
• Criação da FSF (Free Software Foundation) por Richard Stallman;
FSF - Free Software Foundation
• A Fundação do Software Livre foi criada por Richard Stallman para “modificar” a forma como
os programas de computador são distribuídos.
• A idéia da mudança deve-se ao preço exigido pelas licenças do UNIX naquela época.
Objetivos da FSF
• Criar um Sistema Operacional baseado no UNIX totalmente livre (chamado de Projeto GNU);
• Propagar a idéia de Liberdade de Software através de um documento/manifesto chamado
GPL (Licença Pública Geral).
Projeto GNU
• GNU significa GNU Não é UNIX (uma sigla que recorre ao sentido dela mesma...
Recursividade: muito usado por programadores).
• Seu objetivo é permitir a criação de um UNIX livre, para que todos possam ter acesso a esse
sistema operacional.
GPL - Licença PúblicaGeral
• A GPL descreve a idéia de software livre. É um documento nascido do projeto GNU, daí seu
nome GNU/GPL.
• Todos os softwares que são distribuídos sob essa licença têm que oferecer, aos usuários os
direitos de:
1. Usar o programa para qualquer finalidade;
2. Copiar e distribuir livremente o programa;
3. Estudar o programa (é necessário ter acesso ao código-fonte);
4. Modificar livremente o programa (é necessário ter acesso ao código-fonte)
Código-Fonte Aberto e Acessível
• A principal característica de um software livre não é o preço...
• Um software livre tem seu código-fonte (a “receita”) liberado para quem desejar estudá-lo e
até mesmo modificá-lo.
• Se o programador quer fazer um software livre, deve tornar acessível o seu código- fonte.
1986 - 1990
• A FSF difunde a idéia de Software Livre entre universitários e programadores do mundo todo;
• O Projeto GNU consegue algumas vitórias, como o desenvolvimento de vários utilitários e
aplicativos (mas o sistema operacional, que é bom... NADA!)
O Projeto GNU falhou?
• Diversas foram as ferramentas criadas sob o Projeto GNU, incluindo algumas partes de um
SistemaOperacional (o SheIl).
• O Projeto GNU não conseguiu criar um Kernel satisfatoriamente estável.
1990 - 1992
• Muitos universitários treinavam UNIX com um programa semelhante a ele (um “UNIX-Like”)
chamado MINIX, para PCs.
• Na Finlândia, um estudante chamado Linus Torvalds, cria um Kernel para PCs semelhante ao
UNIX. Esse Kernel é batizado de Linux.
Afinal, o que é o Linux?
• Linux é um Kernel imitação do UNIX (ou seja, é um “UNIX-Like”) livre e feito para PCs.
• O Linux é a peça do quebra-cabeças que o projeto GNU nao conseguiu!
• Linus testou seu Kernel fazendo várias ferramentas GNU serem executadas nele!
1992 (O Convite de Linus)
• Linus envia, pela Internet, a outros programadores no planeta, o código-fonte (“receita”) do
seu Kernel, buscando ajuda para amadurecer aquele embrião.
• Isso é o início da grande “Comunidade Linux”, um grande conjunto de programadores no
mundo que mantém e melhora o Linux diariamente.
Restante da Década de 1990
• Muitas empresas podem “pegar” o Kernel Linux pela Internet (www.kernel.org) e, com isso,
podem “fazer” seus próprios Linux.
• Esses diversos “tipos” de Linux, assinados por vários responsáveis, são as chamadas
Distribuições.
Distribuição Linux
• É o nome dado ao conjunto de programas formado pelo Kernel Linux e por mais alguns
softwares distintos (como Shells, aplicativos, jogos, utilitários, etc.).
• Várias empresas (ou pessoas) podem “juntar” os programas que acham interessantes e criar
suas próprias distros. 3
Distribuições Mais Famosas
• Red Hat (EUA);
• Fedora Core (EUA);
• Slackware (ALE);
• SuSE (ALE);
• Conectiva (BRA);
• Mandrake (FRA);
• Mandriva (Junção das duas acima);
• Debian (EUA);
Distribuições Live CD
• Essas distros Linux são configuradas para serem executadas diretamente do CD, sem precisar
instalar no computador.
• Kurumin (BRA);
• Ubuntu (África);
O Que Há Numa Distribuição?
Tipicamente, toda distro contém:
• Kernel: Núcleo do Sistema.
• Shell: ambientes que interpretam os comandos digitados pelo usuário (aquela tela preta para
digitar comandos)
O Que é um Ambiente Gráfico?
• São programas que apresentam uma interface amigável para o usuário (ícones, janelas, etc.
como o Windows).
• Os Ambientes gráficos “rodam” sobre o Shell, Portanto aqueles precisam destes. Além do
shell, é necessario que se esteja rodando um programa chamado Servidor X.
• Os ambientes gráficos são chamados também de Gerenciadores de Janelas ou Interfaces
Gráficas.
Quais São Eles?
• KDE (K Desktop Environment): O mais usado
• GNOME: mais parecido com o Windows, instituiu a idéia de “meu computador” para ficar fácil
de aprender a partir do sistema da Microsoft.
• BlackBox, WindowMaker, Fluxbox: menos usados porem bem mais leves que os dois mais
famosos.
Instalando o Linux
• A forma mais fácil de instalar o Linux é sendo ele o único Sistema Operacional do
computador.
• Basta colocar o CD (ou DVD) do Linux no drive e proceder com a instalação que, hoje, é tão
simplificada quando a do Windows!
Instalando o Linux em Dual Boot
• Outra maneira de instalá-lo é como o segundo Sistema Operacional (tendo,
normalmente, oWindows como principal).
• Para isso, há alguns requisitos a serem respeitados...
1. Como os dois Sistemas (Windows e Linux), não podem conviver pacifica mente no
mesmo espaço, deve-se: ter três partições de um mesmo HD (o Linux exige duas); ou
ter dois HDs (um deles dividido em duas partições para o Linux);
2. O Particionamento pode ocorrer assim (imaginemos um disco de 80GB):
• 60 GB para oWindows
• 19 GB para o Linux
• 1 GB para a partição SWAP (memória virtual do Linux)
3. Instale oWindows primeiro;
4. Instale o Linux depois;
5. Pronto!Todas as vezes que o micro for ligado, ele vai perguntar quem vai ser usado!
Gerenciador de Boot
• Por que a ordem é essa? Porque o Linux instala, consigo, um programa chamado Gerenciador
de Boot, que permitirá a escolha entre os dois sistemas toda vez que o micro for ligado.
• Se o Windows for instalado depois, ele não instalará o Gerenciador, impossibilitando o acesso
ao Sistema Linux.
Características do Linux
• Multitarefa: permite a execução de vários programas ao mesmo tempo
• Multiusuário: permite a utilização do sistema por vários usuários simultaneamente
• Portável: por ser livre, ele pode ser compilado para vários tipos de hardwares, como
processadores de 32 e 64 bits e até mainframes
• Case-Sensitive: o Linux faz diferença entre Maiúsculas e Minúsculas nos nomes de arquivos e
comandos.
Contas de Usuário
• Por ser um sistema multiusuário criado para controlar desde micros pequenos até servidores,
o Linux exige certos níveis de acesso a partes “íntimas” do sistema.
• Cada pessoa que vai usar o computador com Linux deve possuir uma conta de usuário (Nome
e Senha) que será solicitada sempre que o sistema for iniciado.
Usuários Comuns
• A maioria das contas de usuário criadas no Linux tem acesso limitado aos recursos do
sistema.., Os seus logins normalmente têm ligação com o nome (ou cargo) do usuário (joao,
ana, pedro, diretor, gerente, etc.)
• São os usuários comuns, que apenas podem realizar operações apenas onde e como forem
permitidos... (mas, por quem?)
Superusuário (o Administrador)
• Uma conta (cujo login é root) dá a seu detentor direitos ilimitados no
Linux.
• O usuário root é conhecido como superusuário ou administrador e pode fazer qualquer coisa
no Sistema Linux (qualquer comando dado pelo root será obedecido pelo Linux sem
pestanejar).
Estrutura de Diretórios
• Quando um Sistema Operacional é instalado, ele cria uma estrutura de pastas (diretórios)
para guardar seus próprios arquivos (e os futuros arquivos do usuário) organizadamente.
Estrutura de Diretórios do Linux
• 1: diretório Raiz (nível mais alto da árvore). É o primeiro diretório a ser
lido. Todos os demais diretórios estão dentro desse aqui. Recomenda-
se não criar arquivos diretamente aqui na raiz.
• /home: diretório que guarda as pastas pessoais dos usuários (como
/home/joao). É como se /home/joao fosse a pasta “Meus Documentos”
do usuário joao. Além de conter os arquivos pessoais que o usuário
criou, sua pasta pessoal guarda as configurações dos programas que
aquele usuário utiliza.
/root: pasta pessoal (“Meus documentos”) do superusuário
(administrador). Além de guardar os arquivos pessoais criados pelo
superusuário, este diretório armazena as configurações dos programas
que ele usa.
/bin: possui diversos arquivos executáveis (programas e comandos) - é como “Arquivos de
Programas” noWindows. Os arquivos aqui contidos podem ser usados pelos usuários comuns.
/etc: possui os arquivos de configuração do SistemaOperacional e dos aplicativos. Quando
houver algum problema (ou ajuste) no Linux, provavelmente a correção será feita em algum
arquivo contido aqui!
/boot: contém os arquivos de inicialização do sistema (para possibilitar o boot). Dentro desse
diretório ficam o Kernel do Sistema e o Gerenciador de Boot (Lilo ou Grub), entre outros
programas importantes...
/dev: diretório que contém os arquivos dos dispositivos (referências ao hardware). Os arquivos
dentro desse diretório são, na verdade, atalhos aos equipamentos de hardware (como discos,
teclado, mouse, etc.)
/sbin: semelhante ao /bin, esse diretório contém comandos e programas que só deveriam ser
usados pelo root (alguns deles podem ser usados pelos outros usuários).
/proc: é um diretório fictício (não é em disco, mas na RAM) que armazena as informações dos
processos — Processo é a mesma coisa que “programa em execução”, ou seja, o diretório /proc
guarda os programas que estão na RAM!
/temp: armazena os arquivos temporários.
/var: diretório usado por programas em execução para armazenar informações úteis aos seus
funcionamentos.
Diretório /dev (Devices)
• O diretório /dev possui arquivos que representam os dispositivos de hardware do computador.
Desde teclado e mouse até HD e gravador de CD so representados por arquivos dentro de /dev.
• Esses arquivos ainda não estão prontos para serem acessados diretamente, é necessário usar
um comando (mount) para criar uma pasta que os acesse (veremos depois).
Arquivos do Diretório /dev
• Aqui estão os nomes de alguns equipamentos do computador...
• Discos IDE: todos os equipamentos que serão ligados nas interfaces IDE são conhecidos por
hd*, onde * uma letra que identifica a controladora IDE (primária ou secundária) e a posição do
disco nela (mestre ou escravo).
Discos IDE
• hda — disco mestre da primária
• hdb — disco escravo da primária
• hdc — disco mestre da secundária
• hdd — disco escravo da secundária
Discos não IDE
• Discos em outras interfaces (SCSI ou, mais comumente agora, os SATA) são entendidos como
sd (special disk)..
• sda — primeiro disco no SATA
• sdb — segundo disco no SATA
• E assim por diante...
Drives de Disquete e Pendrives
• Embora não mais muito utilizados, os drives de disquete têm seus próprios dois arquivos: fd0
e fd1 (como A: e B:, no Windows).
• Pendrives são entendidos como discos especiais, portanto, são identificados por sda, sdb,
como os discos SCSI e SATA.
Outros dispositivos
• As impressoras são nomeadas por lp (Line Printer) e pode haver várias delas: lp0, lp1, etc.
• Placas de rede: eth0, ethl (incluindo as placas de rede sem fio)...
Comandos Linux
• Agora, a parte mais ampla do assunto de Linux: Os comandos do Shell.
[root@localhost /root]#
Você sabe o que signfica isso aí em cima? O Linux usa uma estrutura diferente de organização
em seu sistema de arquivos*. Por isso, em vez da sua pasta ser c:arquivospastaarquivo.txt,
simplesmente no Linux, pode ser /home/pasta/arquivo.txt. Para você entender melhor, vamos
analisar o prompt do Linux:
[root@localhost/root]#
usuário - diretório / local (PC ou rede) - modo usuário
Usuário: No Linux, cada pessoa precisa ter uma conta de usuário. Uma conta de usuário indica
um nome e senha que devem ser utilizados para se conectar no sistema. Se o nome escolhido
por você for, por exemplo, Fulano, em vez de root aparecerá fulano no lugar.
localhost/root : é o local (diretório) onde você está no momento (/root é
padrão e equivale a C: no DOS).
Modo usuário: indica quem está usando a máquina, se um usuário comum ou o super-usuário.
Veja:
# - modo super-usuário
$ - modo usuário
LINHA DE COMANDO
Antes de vermos os comandos em si, é necessário saber o que é Linha de Comando. Trata-se de
um modo de trabalho com caracteres, onde você digita o comando e o executa pressionando
"Enter" no teclado. Mas você também pode usar uma linha de comando em um ambiente
gráfico. Se você usar o KDE por exemplo, pode procurar o aplicativo KDE Terminal para abrir
uma janela com linha de comando. Mas isso vária de acordo com a versão do seu Linux. Mesmo
assim não se preocupe, pois a linha de comando é muito fácil de se achar.
OS COMANDOS BÁSICOS
Conheça agora os comandos básicos do Linux, seguidos de uma breve explicação:
(qualquer comando) --help: mostra o HELP (arquivo de ajuda) do comando que você digitou;
ls: lista os arquivos e diretórios da pasta (DIR no DOS);
clear: limpa a tela (CLS no DOS);
cd ___ : entra em um diretório (igual ao DOS);
cd: vai direto para o diretório raiz do usuário conectado;
pwd: mostra o diretório inteiro que você está;
cat: igual aoTYPE no DOS;
df: Mostra as partições usadas ou livres do HD;
|more: lista o arquivo com pausa de linha em linha (exemplo: CAT leiame |more)
|lpr: imprime o arquivo listado;
free: mostra a memória do computador (MEM no DOS);
shutdown: desliga o computador:
shutdown -r now : reinicia o computador;
shutdown -h now : desliga o computador (só desligue quando aparecer
escrito "system halted" ou algo equivalente);
OBS.: O now pode ser mudado. Por exemplo: shutdown -r +10 e o sistema irá reiniciar daqui a 10
minutos).
Reboot: reinicia o sistema instantaneamente (pouco recomendável, preferível shutdown -r
now). Use somente em emergências;
startx: inicia o X-Windows (interface gráfica) do Linux;
mkdir: cria um diretório (MD no DOS);
rmdir: destrói um diretórioVAZIO (RD no DOS);
rm: apaga um arquivo (DEL no DOS);
rm �r: apaga um diretório;
who: mostra quem está usando a máquina;
wc: conta a quantidade de:
wc -c arquivo : quantidade de bytes
wc -w arquivo : quantidade de palavras
wc -l arquivo : quantidade de linhas;
date: mostra data e hora;
telnet: inicia aTELNET;
m: abre o MINICOM e permite configurar o modem;
type: explica um determinado arquivo do sistema;
file: descreve um determinado arquivo;
find / - name ____ : procura arquivo "____";
useradd nome_do_novo_usuário: cria uma nova conta usuário;
passwd nome_do_usuário: cria ou modifica a senha do usuário;
userdel -r nome_do_usuário: apaga um usuário;
su: passa para o superusuário (perceba que no prompt irá mudar o $ pelo #);
write: escreve mensagens para outro usuário em rede;
mv: move arquivos;
linuxconf: configuração do Linux;
alias: possibilita a criação de comandos simples;
&: coloca o comando desejado em background, ou seja, trabalha enquanto você faz outra coisa
no computador;
ps: relata os processos em execução;
kill: encerra um ou mais processos em andamento;
history: mostra os comandos que o usuário já digitou;
lpr: imprime um arquivo (exemplo: lpr arquivo);
lpq: mostra o status da fila de impressão;
lprm: remove trabalhos da fila de impressão;
whereis ___: procura pelo binário do arquivo indicado, útil para saber seu diretório ou se ele
existe no sistema;
vi: inicia o editor de textos vi.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trabalho OpenSUSe
Trabalho OpenSUSeTrabalho OpenSUSe
Trabalho OpenSUSe
ngeloTeixeira3
 
Apresentação de Linux Ubuntu
Apresentação de Linux UbuntuApresentação de Linux Ubuntu
Apresentação de Linux Ubuntu
CDP_Online
 
Kernel do Linux
Kernel do LinuxKernel do Linux
Kernel do Linux
PeslPinguim
 
Aula 1 sistema operacional linux
Aula 1 sistema operacional linuxAula 1 sistema operacional linux
Aula 1 sistema operacional linux
Rogério Cardoso
 
Sistemas Operacionais - Gnu/Linux
Sistemas Operacionais - Gnu/LinuxSistemas Operacionais - Gnu/Linux
Sistemas Operacionais - Gnu/Linux
Luiz Arthur
 
Núcleo do Linux (Kernel Linux)
Núcleo do Linux (Kernel Linux)Núcleo do Linux (Kernel Linux)
Núcleo do Linux (Kernel Linux)
Luiz Arthur
 
Aula 3 - Sistemas operacionais - Linux
Aula 3 - Sistemas operacionais - LinuxAula 3 - Sistemas operacionais - Linux
Aula 3 - Sistemas operacionais - Linux
LucasMansueto
 
Trabalho linux
Trabalho linuxTrabalho linux
Trabalho linux
David Pereira
 
03 Sistemas Operacionais Linux
03   Sistemas Operacionais Linux03   Sistemas Operacionais Linux
03 Sistemas Operacionais Linux
Mauro Duarte
 
Sistema operativo linux e as suas versões
Sistema operativo linux e as suas versõesSistema operativo linux e as suas versões
Sistema operativo linux e as suas versões
xandernat82
 
Vale a pena usar o Linux!?
Vale a pena usar o Linux!?Vale a pena usar o Linux!?
Vale a pena usar o Linux!?
bardo
 
Introdução Linux
Introdução LinuxIntrodução Linux
Introdução Linux
Wellington Oliveira
 
Linux - Sistema Operacional
Linux - Sistema Operacional Linux - Sistema Operacional
Linux - Sistema Operacional
Carine Furlanetto
 
Linux
LinuxLinux
Linux Como Tudo Começou
Linux Como Tudo ComeçouLinux Como Tudo Começou
Linux Como Tudo Começou
guestaa94fe
 
Soa cap1 introducao a linux
Soa cap1 introducao a linuxSoa cap1 introducao a linux
Soa cap1 introducao a linux
portal_Do_estudante
 
Curso de Linux Básico com o Linux Educacional
Curso de Linux Básico com o Linux EducacionalCurso de Linux Básico com o Linux Educacional
Curso de Linux Básico com o Linux Educacional
Felipe Queiroz
 
Linux, Software Livre e tudo mais
Linux, Software Livre e tudo maisLinux, Software Livre e tudo mais
Linux, Software Livre e tudo mais
guilhermemar
 
Linux
LinuxLinux
Sistemas Operativos - Linux
Sistemas Operativos - LinuxSistemas Operativos - Linux
Sistemas Operativos - Linux
Fernando de Sá
 

Mais procurados (20)

Trabalho OpenSUSe
Trabalho OpenSUSeTrabalho OpenSUSe
Trabalho OpenSUSe
 
Apresentação de Linux Ubuntu
Apresentação de Linux UbuntuApresentação de Linux Ubuntu
Apresentação de Linux Ubuntu
 
Kernel do Linux
Kernel do LinuxKernel do Linux
Kernel do Linux
 
Aula 1 sistema operacional linux
Aula 1 sistema operacional linuxAula 1 sistema operacional linux
Aula 1 sistema operacional linux
 
Sistemas Operacionais - Gnu/Linux
Sistemas Operacionais - Gnu/LinuxSistemas Operacionais - Gnu/Linux
Sistemas Operacionais - Gnu/Linux
 
Núcleo do Linux (Kernel Linux)
Núcleo do Linux (Kernel Linux)Núcleo do Linux (Kernel Linux)
Núcleo do Linux (Kernel Linux)
 
Aula 3 - Sistemas operacionais - Linux
Aula 3 - Sistemas operacionais - LinuxAula 3 - Sistemas operacionais - Linux
Aula 3 - Sistemas operacionais - Linux
 
Trabalho linux
Trabalho linuxTrabalho linux
Trabalho linux
 
03 Sistemas Operacionais Linux
03   Sistemas Operacionais Linux03   Sistemas Operacionais Linux
03 Sistemas Operacionais Linux
 
Sistema operativo linux e as suas versões
Sistema operativo linux e as suas versõesSistema operativo linux e as suas versões
Sistema operativo linux e as suas versões
 
Vale a pena usar o Linux!?
Vale a pena usar o Linux!?Vale a pena usar o Linux!?
Vale a pena usar o Linux!?
 
Introdução Linux
Introdução LinuxIntrodução Linux
Introdução Linux
 
Linux - Sistema Operacional
Linux - Sistema Operacional Linux - Sistema Operacional
Linux - Sistema Operacional
 
Linux
LinuxLinux
Linux
 
Linux Como Tudo Começou
Linux Como Tudo ComeçouLinux Como Tudo Começou
Linux Como Tudo Começou
 
Soa cap1 introducao a linux
Soa cap1 introducao a linuxSoa cap1 introducao a linux
Soa cap1 introducao a linux
 
Curso de Linux Básico com o Linux Educacional
Curso de Linux Básico com o Linux EducacionalCurso de Linux Básico com o Linux Educacional
Curso de Linux Básico com o Linux Educacional
 
Linux, Software Livre e tudo mais
Linux, Software Livre e tudo maisLinux, Software Livre e tudo mais
Linux, Software Livre e tudo mais
 
Linux
LinuxLinux
Linux
 
Sistemas Operativos - Linux
Sistemas Operativos - LinuxSistemas Operativos - Linux
Sistemas Operativos - Linux
 

Semelhante a A.S.O 2 - Linux

Sistema operacional-1-ano-de-informatica-completa
Sistema operacional-1-ano-de-informatica-completaSistema operacional-1-ano-de-informatica-completa
Sistema operacional-1-ano-de-informatica-completa
Odeberto Borges Vieira L. da Rocha
 
Aula 04 informática aplicada - comando básicos
Aula 04  informática aplicada - comando básicosAula 04  informática aplicada - comando básicos
Aula 04 informática aplicada - comando básicos
Robson Ferreira
 
Linux
LinuxLinux
Oficinalinux Comotudo Começou
Oficinalinux Comotudo ComeçouOficinalinux Comotudo Começou
Oficinalinux Comotudo Começou
guest96251d
 
Resumo sistemas operacionais
Resumo sistemas operacionaisResumo sistemas operacionais
Resumo sistemas operacionais
Daniel Brandão
 
Módulo 6 - Gnu/Linux
Módulo 6 - Gnu/LinuxMódulo 6 - Gnu/Linux
Módulo 6 - Gnu/Linux
Paulo Guimarães
 
So-mod-4
So-mod-4So-mod-4
So-mod-4
diogoa21
 
Linux Desktop (Campus Party Recife)
Linux Desktop (Campus Party Recife)Linux Desktop (Campus Party Recife)
Linux Desktop (Campus Party Recife)
Adriano Melo
 
1 - Introdução ao linux
1 - Introdução ao linux1 - Introdução ao linux
1 - Introdução ao linux
Rosanete Grassiani dos Santos
 
Sistemas Operacionais - 06 - Sistemas Operacionais Linux
Sistemas Operacionais - 06 - Sistemas Operacionais LinuxSistemas Operacionais - 06 - Sistemas Operacionais Linux
Sistemas Operacionais - 06 - Sistemas Operacionais Linux
Mauro Duarte
 
Introdução Linux
Introdução LinuxIntrodução Linux
Introdução Linux
Ivani Nascimento
 
Apresentação Semi-Final
Apresentação Semi-FinalApresentação Semi-Final
Apresentação Semi-Final
Jordan Claussen
 
Apresentação Final
Apresentação FinalApresentação Final
Apresentação Final
José Ricardo Vieira
 
Linux
LinuxLinux
Sistemas operacionais1
Sistemas operacionais1Sistemas operacionais1
Sistemas operacionais1
Nauber Gois
 
01.01 - Introdução ao Linux.pdf
01.01 - Introdução ao Linux.pdf01.01 - Introdução ao Linux.pdf
01.01 - Introdução ao Linux.pdf
Sergio778021
 
Sistemas operacionais linux
Sistemas operacionais linuxSistemas operacionais linux
Sistemas operacionais linux
Leandro Lemes
 
linux: um pouco sobre ele e como aprender .pdf
linux: um pouco sobre ele e como aprender .pdflinux: um pouco sobre ele e como aprender .pdf
linux: um pouco sobre ele e como aprender .pdf
VitriaNorazDeusmeure
 
Curso Básico de Linux
Curso Básico de LinuxCurso Básico de Linux
Curso Básico de Linux
Jonata Marim
 
Linux e Jogos (in 2011)
Linux e Jogos  (in 2011)Linux e Jogos  (in 2011)
Linux e Jogos (in 2011)
Lucas Santos Marins
 

Semelhante a A.S.O 2 - Linux (20)

Sistema operacional-1-ano-de-informatica-completa
Sistema operacional-1-ano-de-informatica-completaSistema operacional-1-ano-de-informatica-completa
Sistema operacional-1-ano-de-informatica-completa
 
Aula 04 informática aplicada - comando básicos
Aula 04  informática aplicada - comando básicosAula 04  informática aplicada - comando básicos
Aula 04 informática aplicada - comando básicos
 
Linux
LinuxLinux
Linux
 
Oficinalinux Comotudo Começou
Oficinalinux Comotudo ComeçouOficinalinux Comotudo Começou
Oficinalinux Comotudo Começou
 
Resumo sistemas operacionais
Resumo sistemas operacionaisResumo sistemas operacionais
Resumo sistemas operacionais
 
Módulo 6 - Gnu/Linux
Módulo 6 - Gnu/LinuxMódulo 6 - Gnu/Linux
Módulo 6 - Gnu/Linux
 
So-mod-4
So-mod-4So-mod-4
So-mod-4
 
Linux Desktop (Campus Party Recife)
Linux Desktop (Campus Party Recife)Linux Desktop (Campus Party Recife)
Linux Desktop (Campus Party Recife)
 
1 - Introdução ao linux
1 - Introdução ao linux1 - Introdução ao linux
1 - Introdução ao linux
 
Sistemas Operacionais - 06 - Sistemas Operacionais Linux
Sistemas Operacionais - 06 - Sistemas Operacionais LinuxSistemas Operacionais - 06 - Sistemas Operacionais Linux
Sistemas Operacionais - 06 - Sistemas Operacionais Linux
 
Introdução Linux
Introdução LinuxIntrodução Linux
Introdução Linux
 
Apresentação Semi-Final
Apresentação Semi-FinalApresentação Semi-Final
Apresentação Semi-Final
 
Apresentação Final
Apresentação FinalApresentação Final
Apresentação Final
 
Linux
LinuxLinux
Linux
 
Sistemas operacionais1
Sistemas operacionais1Sistemas operacionais1
Sistemas operacionais1
 
01.01 - Introdução ao Linux.pdf
01.01 - Introdução ao Linux.pdf01.01 - Introdução ao Linux.pdf
01.01 - Introdução ao Linux.pdf
 
Sistemas operacionais linux
Sistemas operacionais linuxSistemas operacionais linux
Sistemas operacionais linux
 
linux: um pouco sobre ele e como aprender .pdf
linux: um pouco sobre ele e como aprender .pdflinux: um pouco sobre ele e como aprender .pdf
linux: um pouco sobre ele e como aprender .pdf
 
Curso Básico de Linux
Curso Básico de LinuxCurso Básico de Linux
Curso Básico de Linux
 
Linux e Jogos (in 2011)
Linux e Jogos  (in 2011)Linux e Jogos  (in 2011)
Linux e Jogos (in 2011)
 

Mais de Mateus Cardoso

S.D.I - SEGURANÇA DE DADOS E INFORMAÇÕES
S.D.I - SEGURANÇA DE DADOS E INFORMAÇÕESS.D.I - SEGURANÇA DE DADOS E INFORMAÇÕES
S.D.I - SEGURANÇA DE DADOS E INFORMAÇÕES
Mateus Cardoso
 
T.A.R - Tecnologias Atuais de Redes
T.A.R - Tecnologias Atuais de RedesT.A.R - Tecnologias Atuais de Redes
T.A.R - Tecnologias Atuais de Redes
Mateus Cardoso
 
Sintese proteica
Sintese proteicaSintese proteica
Sintese proteica
Mateus Cardoso
 
Placa mãe 1A REDES
Placa mãe 1A REDESPlaca mãe 1A REDES
Placa mãe 1A REDES
Mateus Cardoso
 
Memórias 1A REDES
Memórias 1A REDESMemórias 1A REDES
Memórias 1A REDES
Mateus Cardoso
 
Memórias 1A REDES
Memórias 1A REDESMemórias 1A REDES
Memórias 1A REDES
Mateus Cardoso
 
HD 1A REDES
HD 1A REDESHD 1A REDES
HD 1A REDES
Mateus Cardoso
 
D.I.D NORMAS DA ABNT 1A REDES
D.I.D NORMAS DA ABNT 1A REDESD.I.D NORMAS DA ABNT 1A REDES
D.I.D NORMAS DA ABNT 1A REDES
Mateus Cardoso
 
Endereço IP 1A REDES
Endereço IP 1A REDESEndereço IP 1A REDES
Endereço IP 1A REDES
Mateus Cardoso
 
Aterramento 1A REDES
Aterramento 1A REDESAterramento 1A REDES
Aterramento 1A REDES
Mateus Cardoso
 
Arte medieval 1A REDES
Arte medieval 1A REDESArte medieval 1A REDES
Arte medieval 1A REDES
Mateus Cardoso
 
Aristoteles 1A REDES
Aristoteles 1A REDESAristoteles 1A REDES
Aristoteles 1A REDES
Mateus Cardoso
 
Antivirus 1A REDES
Antivirus 1A REDESAntivirus 1A REDES
Antivirus 1A REDES
Mateus Cardoso
 
Placas de expansão 1A REDES
Placas de expansão 1A REDESPlacas de expansão 1A REDES
Placas de expansão 1A REDES
Mateus Cardoso
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
Mateus Cardoso
 
400 palavrasem inglês em um minuto
400 palavrasem inglês em um minuto400 palavrasem inglês em um minuto
400 palavrasem inglês em um minuto
Mateus Cardoso
 

Mais de Mateus Cardoso (16)

S.D.I - SEGURANÇA DE DADOS E INFORMAÇÕES
S.D.I - SEGURANÇA DE DADOS E INFORMAÇÕESS.D.I - SEGURANÇA DE DADOS E INFORMAÇÕES
S.D.I - SEGURANÇA DE DADOS E INFORMAÇÕES
 
T.A.R - Tecnologias Atuais de Redes
T.A.R - Tecnologias Atuais de RedesT.A.R - Tecnologias Atuais de Redes
T.A.R - Tecnologias Atuais de Redes
 
Sintese proteica
Sintese proteicaSintese proteica
Sintese proteica
 
Placa mãe 1A REDES
Placa mãe 1A REDESPlaca mãe 1A REDES
Placa mãe 1A REDES
 
Memórias 1A REDES
Memórias 1A REDESMemórias 1A REDES
Memórias 1A REDES
 
Memórias 1A REDES
Memórias 1A REDESMemórias 1A REDES
Memórias 1A REDES
 
HD 1A REDES
HD 1A REDESHD 1A REDES
HD 1A REDES
 
D.I.D NORMAS DA ABNT 1A REDES
D.I.D NORMAS DA ABNT 1A REDESD.I.D NORMAS DA ABNT 1A REDES
D.I.D NORMAS DA ABNT 1A REDES
 
Endereço IP 1A REDES
Endereço IP 1A REDESEndereço IP 1A REDES
Endereço IP 1A REDES
 
Aterramento 1A REDES
Aterramento 1A REDESAterramento 1A REDES
Aterramento 1A REDES
 
Arte medieval 1A REDES
Arte medieval 1A REDESArte medieval 1A REDES
Arte medieval 1A REDES
 
Aristoteles 1A REDES
Aristoteles 1A REDESAristoteles 1A REDES
Aristoteles 1A REDES
 
Antivirus 1A REDES
Antivirus 1A REDESAntivirus 1A REDES
Antivirus 1A REDES
 
Placas de expansão 1A REDES
Placas de expansão 1A REDESPlacas de expansão 1A REDES
Placas de expansão 1A REDES
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
 
400 palavrasem inglês em um minuto
400 palavrasem inglês em um minuto400 palavrasem inglês em um minuto
400 palavrasem inglês em um minuto
 

A.S.O 2 - Linux

  • 1. Prof. Marcelo Araujo EscolaTécnica Estadual Maximiano Accioly Campos Jaboatão dos Guararapes
  • 3. SistemaOperacional • É o programa que controla o computador, servindo de Interface entre o usuário e a máquina, O SistemaOperacional faz isso através de dois componentes: o Kernel e o Shell. • Kernel é o nome dado ao “centro nervoso” do Sistema Operacional. É a parte deste programa que se comunica com o hardware do computador; • Shell é a “fachada” do Sistema Operacional. Essa é a parte do programa que se comunica com o usuário, recebendo seus comandos e repassando-os ao Kernel.
  • 4. HISTÓRIA Década de 1970 • Predominância dos computadores de grande porte (em universidades e empresas); • Criação do Sistema Operacional UNIX, para os sistemas de grande porte; UNIX • MuItiusuário: Permite o uso por vários usuários simultaneamente • Multitarefa: permite a execução de diversas tarefas (programas) simultaneamente; • Separação em Níveis: Kernel, SheII e Aplicativos.
  • 5. 1980 - 1985 • Início da utilização dos microcomputadores (PC-XT) com o Sistema Operacional adequado (DOS); • Popularização do UNIX em ambiente de grande porte; • Criação da FSF (Free Software Foundation) por Richard Stallman;
  • 6. FSF - Free Software Foundation • A Fundação do Software Livre foi criada por Richard Stallman para “modificar” a forma como os programas de computador são distribuídos. • A idéia da mudança deve-se ao preço exigido pelas licenças do UNIX naquela época. Objetivos da FSF • Criar um Sistema Operacional baseado no UNIX totalmente livre (chamado de Projeto GNU); • Propagar a idéia de Liberdade de Software através de um documento/manifesto chamado GPL (Licença Pública Geral).
  • 7. Projeto GNU • GNU significa GNU Não é UNIX (uma sigla que recorre ao sentido dela mesma... Recursividade: muito usado por programadores). • Seu objetivo é permitir a criação de um UNIX livre, para que todos possam ter acesso a esse sistema operacional. GPL - Licença PúblicaGeral • A GPL descreve a idéia de software livre. É um documento nascido do projeto GNU, daí seu nome GNU/GPL.
  • 8. • Todos os softwares que são distribuídos sob essa licença têm que oferecer, aos usuários os direitos de: 1. Usar o programa para qualquer finalidade; 2. Copiar e distribuir livremente o programa; 3. Estudar o programa (é necessário ter acesso ao código-fonte); 4. Modificar livremente o programa (é necessário ter acesso ao código-fonte)
  • 9. Código-Fonte Aberto e Acessível • A principal característica de um software livre não é o preço... • Um software livre tem seu código-fonte (a “receita”) liberado para quem desejar estudá-lo e até mesmo modificá-lo. • Se o programador quer fazer um software livre, deve tornar acessível o seu código- fonte.
  • 10. 1986 - 1990 • A FSF difunde a idéia de Software Livre entre universitários e programadores do mundo todo; • O Projeto GNU consegue algumas vitórias, como o desenvolvimento de vários utilitários e aplicativos (mas o sistema operacional, que é bom... NADA!) O Projeto GNU falhou? • Diversas foram as ferramentas criadas sob o Projeto GNU, incluindo algumas partes de um SistemaOperacional (o SheIl). • O Projeto GNU não conseguiu criar um Kernel satisfatoriamente estável.
  • 11. 1990 - 1992 • Muitos universitários treinavam UNIX com um programa semelhante a ele (um “UNIX-Like”) chamado MINIX, para PCs. • Na Finlândia, um estudante chamado Linus Torvalds, cria um Kernel para PCs semelhante ao UNIX. Esse Kernel é batizado de Linux. Afinal, o que é o Linux? • Linux é um Kernel imitação do UNIX (ou seja, é um “UNIX-Like”) livre e feito para PCs. • O Linux é a peça do quebra-cabeças que o projeto GNU nao conseguiu! • Linus testou seu Kernel fazendo várias ferramentas GNU serem executadas nele!
  • 12. 1992 (O Convite de Linus) • Linus envia, pela Internet, a outros programadores no planeta, o código-fonte (“receita”) do seu Kernel, buscando ajuda para amadurecer aquele embrião. • Isso é o início da grande “Comunidade Linux”, um grande conjunto de programadores no mundo que mantém e melhora o Linux diariamente. Restante da Década de 1990 • Muitas empresas podem “pegar” o Kernel Linux pela Internet (www.kernel.org) e, com isso, podem “fazer” seus próprios Linux. • Esses diversos “tipos” de Linux, assinados por vários responsáveis, são as chamadas Distribuições.
  • 13. Distribuição Linux • É o nome dado ao conjunto de programas formado pelo Kernel Linux e por mais alguns softwares distintos (como Shells, aplicativos, jogos, utilitários, etc.). • Várias empresas (ou pessoas) podem “juntar” os programas que acham interessantes e criar suas próprias distros. 3
  • 14. Distribuições Mais Famosas • Red Hat (EUA); • Fedora Core (EUA); • Slackware (ALE); • SuSE (ALE); • Conectiva (BRA); • Mandrake (FRA); • Mandriva (Junção das duas acima); • Debian (EUA);
  • 15. Distribuições Live CD • Essas distros Linux são configuradas para serem executadas diretamente do CD, sem precisar instalar no computador. • Kurumin (BRA); • Ubuntu (África);
  • 16. O Que Há Numa Distribuição? Tipicamente, toda distro contém: • Kernel: Núcleo do Sistema. • Shell: ambientes que interpretam os comandos digitados pelo usuário (aquela tela preta para digitar comandos) O Que é um Ambiente Gráfico? • São programas que apresentam uma interface amigável para o usuário (ícones, janelas, etc. como o Windows). • Os Ambientes gráficos “rodam” sobre o Shell, Portanto aqueles precisam destes. Além do shell, é necessario que se esteja rodando um programa chamado Servidor X. • Os ambientes gráficos são chamados também de Gerenciadores de Janelas ou Interfaces Gráficas.
  • 17. Quais São Eles? • KDE (K Desktop Environment): O mais usado • GNOME: mais parecido com o Windows, instituiu a idéia de “meu computador” para ficar fácil de aprender a partir do sistema da Microsoft. • BlackBox, WindowMaker, Fluxbox: menos usados porem bem mais leves que os dois mais famosos.
  • 18.
  • 19. Instalando o Linux • A forma mais fácil de instalar o Linux é sendo ele o único Sistema Operacional do computador. • Basta colocar o CD (ou DVD) do Linux no drive e proceder com a instalação que, hoje, é tão simplificada quando a do Windows!
  • 20. Instalando o Linux em Dual Boot • Outra maneira de instalá-lo é como o segundo Sistema Operacional (tendo, normalmente, oWindows como principal). • Para isso, há alguns requisitos a serem respeitados... 1. Como os dois Sistemas (Windows e Linux), não podem conviver pacifica mente no mesmo espaço, deve-se: ter três partições de um mesmo HD (o Linux exige duas); ou ter dois HDs (um deles dividido em duas partições para o Linux); 2. O Particionamento pode ocorrer assim (imaginemos um disco de 80GB): • 60 GB para oWindows • 19 GB para o Linux • 1 GB para a partição SWAP (memória virtual do Linux) 3. Instale oWindows primeiro; 4. Instale o Linux depois; 5. Pronto!Todas as vezes que o micro for ligado, ele vai perguntar quem vai ser usado!
  • 21. Gerenciador de Boot • Por que a ordem é essa? Porque o Linux instala, consigo, um programa chamado Gerenciador de Boot, que permitirá a escolha entre os dois sistemas toda vez que o micro for ligado. • Se o Windows for instalado depois, ele não instalará o Gerenciador, impossibilitando o acesso ao Sistema Linux.
  • 22. Características do Linux • Multitarefa: permite a execução de vários programas ao mesmo tempo • Multiusuário: permite a utilização do sistema por vários usuários simultaneamente • Portável: por ser livre, ele pode ser compilado para vários tipos de hardwares, como processadores de 32 e 64 bits e até mainframes • Case-Sensitive: o Linux faz diferença entre Maiúsculas e Minúsculas nos nomes de arquivos e comandos.
  • 23. Contas de Usuário • Por ser um sistema multiusuário criado para controlar desde micros pequenos até servidores, o Linux exige certos níveis de acesso a partes “íntimas” do sistema. • Cada pessoa que vai usar o computador com Linux deve possuir uma conta de usuário (Nome e Senha) que será solicitada sempre que o sistema for iniciado. Usuários Comuns • A maioria das contas de usuário criadas no Linux tem acesso limitado aos recursos do sistema.., Os seus logins normalmente têm ligação com o nome (ou cargo) do usuário (joao, ana, pedro, diretor, gerente, etc.) • São os usuários comuns, que apenas podem realizar operações apenas onde e como forem permitidos... (mas, por quem?)
  • 24. Superusuário (o Administrador) • Uma conta (cujo login é root) dá a seu detentor direitos ilimitados no Linux. • O usuário root é conhecido como superusuário ou administrador e pode fazer qualquer coisa no Sistema Linux (qualquer comando dado pelo root será obedecido pelo Linux sem pestanejar).
  • 25. Estrutura de Diretórios • Quando um Sistema Operacional é instalado, ele cria uma estrutura de pastas (diretórios) para guardar seus próprios arquivos (e os futuros arquivos do usuário) organizadamente.
  • 26. Estrutura de Diretórios do Linux • 1: diretório Raiz (nível mais alto da árvore). É o primeiro diretório a ser lido. Todos os demais diretórios estão dentro desse aqui. Recomenda- se não criar arquivos diretamente aqui na raiz. • /home: diretório que guarda as pastas pessoais dos usuários (como /home/joao). É como se /home/joao fosse a pasta “Meus Documentos” do usuário joao. Além de conter os arquivos pessoais que o usuário criou, sua pasta pessoal guarda as configurações dos programas que aquele usuário utiliza. /root: pasta pessoal (“Meus documentos”) do superusuário (administrador). Além de guardar os arquivos pessoais criados pelo superusuário, este diretório armazena as configurações dos programas que ele usa.
  • 27. /bin: possui diversos arquivos executáveis (programas e comandos) - é como “Arquivos de Programas” noWindows. Os arquivos aqui contidos podem ser usados pelos usuários comuns. /etc: possui os arquivos de configuração do SistemaOperacional e dos aplicativos. Quando houver algum problema (ou ajuste) no Linux, provavelmente a correção será feita em algum arquivo contido aqui! /boot: contém os arquivos de inicialização do sistema (para possibilitar o boot). Dentro desse diretório ficam o Kernel do Sistema e o Gerenciador de Boot (Lilo ou Grub), entre outros programas importantes... /dev: diretório que contém os arquivos dos dispositivos (referências ao hardware). Os arquivos dentro desse diretório são, na verdade, atalhos aos equipamentos de hardware (como discos, teclado, mouse, etc.)
  • 28. /sbin: semelhante ao /bin, esse diretório contém comandos e programas que só deveriam ser usados pelo root (alguns deles podem ser usados pelos outros usuários). /proc: é um diretório fictício (não é em disco, mas na RAM) que armazena as informações dos processos — Processo é a mesma coisa que “programa em execução”, ou seja, o diretório /proc guarda os programas que estão na RAM! /temp: armazena os arquivos temporários. /var: diretório usado por programas em execução para armazenar informações úteis aos seus funcionamentos.
  • 29. Diretório /dev (Devices) • O diretório /dev possui arquivos que representam os dispositivos de hardware do computador. Desde teclado e mouse até HD e gravador de CD so representados por arquivos dentro de /dev. • Esses arquivos ainda não estão prontos para serem acessados diretamente, é necessário usar um comando (mount) para criar uma pasta que os acesse (veremos depois). Arquivos do Diretório /dev • Aqui estão os nomes de alguns equipamentos do computador... • Discos IDE: todos os equipamentos que serão ligados nas interfaces IDE são conhecidos por hd*, onde * uma letra que identifica a controladora IDE (primária ou secundária) e a posição do disco nela (mestre ou escravo).
  • 30. Discos IDE • hda — disco mestre da primária • hdb — disco escravo da primária • hdc — disco mestre da secundária • hdd — disco escravo da secundária Discos não IDE • Discos em outras interfaces (SCSI ou, mais comumente agora, os SATA) são entendidos como sd (special disk).. • sda — primeiro disco no SATA • sdb — segundo disco no SATA • E assim por diante...
  • 31. Drives de Disquete e Pendrives • Embora não mais muito utilizados, os drives de disquete têm seus próprios dois arquivos: fd0 e fd1 (como A: e B:, no Windows). • Pendrives são entendidos como discos especiais, portanto, são identificados por sda, sdb, como os discos SCSI e SATA. Outros dispositivos • As impressoras são nomeadas por lp (Line Printer) e pode haver várias delas: lp0, lp1, etc. • Placas de rede: eth0, ethl (incluindo as placas de rede sem fio)...
  • 32. Comandos Linux • Agora, a parte mais ampla do assunto de Linux: Os comandos do Shell. [root@localhost /root]# Você sabe o que signfica isso aí em cima? O Linux usa uma estrutura diferente de organização em seu sistema de arquivos*. Por isso, em vez da sua pasta ser c:arquivospastaarquivo.txt, simplesmente no Linux, pode ser /home/pasta/arquivo.txt. Para você entender melhor, vamos analisar o prompt do Linux: [root@localhost/root]# usuário - diretório / local (PC ou rede) - modo usuário Usuário: No Linux, cada pessoa precisa ter uma conta de usuário. Uma conta de usuário indica um nome e senha que devem ser utilizados para se conectar no sistema. Se o nome escolhido por você for, por exemplo, Fulano, em vez de root aparecerá fulano no lugar.
  • 33. localhost/root : é o local (diretório) onde você está no momento (/root é padrão e equivale a C: no DOS). Modo usuário: indica quem está usando a máquina, se um usuário comum ou o super-usuário. Veja: # - modo super-usuário $ - modo usuário
  • 34. LINHA DE COMANDO Antes de vermos os comandos em si, é necessário saber o que é Linha de Comando. Trata-se de um modo de trabalho com caracteres, onde você digita o comando e o executa pressionando "Enter" no teclado. Mas você também pode usar uma linha de comando em um ambiente gráfico. Se você usar o KDE por exemplo, pode procurar o aplicativo KDE Terminal para abrir uma janela com linha de comando. Mas isso vária de acordo com a versão do seu Linux. Mesmo assim não se preocupe, pois a linha de comando é muito fácil de se achar.
  • 35. OS COMANDOS BÁSICOS Conheça agora os comandos básicos do Linux, seguidos de uma breve explicação: (qualquer comando) --help: mostra o HELP (arquivo de ajuda) do comando que você digitou; ls: lista os arquivos e diretórios da pasta (DIR no DOS); clear: limpa a tela (CLS no DOS); cd ___ : entra em um diretório (igual ao DOS); cd: vai direto para o diretório raiz do usuário conectado; pwd: mostra o diretório inteiro que você está; cat: igual aoTYPE no DOS; df: Mostra as partições usadas ou livres do HD; |more: lista o arquivo com pausa de linha em linha (exemplo: CAT leiame |more) |lpr: imprime o arquivo listado; free: mostra a memória do computador (MEM no DOS);
  • 36. shutdown: desliga o computador: shutdown -r now : reinicia o computador; shutdown -h now : desliga o computador (só desligue quando aparecer escrito "system halted" ou algo equivalente); OBS.: O now pode ser mudado. Por exemplo: shutdown -r +10 e o sistema irá reiniciar daqui a 10 minutos). Reboot: reinicia o sistema instantaneamente (pouco recomendável, preferível shutdown -r now). Use somente em emergências; startx: inicia o X-Windows (interface gráfica) do Linux; mkdir: cria um diretório (MD no DOS); rmdir: destrói um diretórioVAZIO (RD no DOS); rm: apaga um arquivo (DEL no DOS); rm �r: apaga um diretório; who: mostra quem está usando a máquina;
  • 37. wc: conta a quantidade de: wc -c arquivo : quantidade de bytes wc -w arquivo : quantidade de palavras wc -l arquivo : quantidade de linhas; date: mostra data e hora; telnet: inicia aTELNET; m: abre o MINICOM e permite configurar o modem; type: explica um determinado arquivo do sistema; file: descreve um determinado arquivo; find / - name ____ : procura arquivo "____"; useradd nome_do_novo_usuário: cria uma nova conta usuário; passwd nome_do_usuário: cria ou modifica a senha do usuário; userdel -r nome_do_usuário: apaga um usuário; su: passa para o superusuário (perceba que no prompt irá mudar o $ pelo #);
  • 38. write: escreve mensagens para outro usuário em rede; mv: move arquivos; linuxconf: configuração do Linux; alias: possibilita a criação de comandos simples; &: coloca o comando desejado em background, ou seja, trabalha enquanto você faz outra coisa no computador; ps: relata os processos em execução; kill: encerra um ou mais processos em andamento; history: mostra os comandos que o usuário já digitou; lpr: imprime um arquivo (exemplo: lpr arquivo); lpq: mostra o status da fila de impressão; lprm: remove trabalhos da fila de impressão; whereis ___: procura pelo binário do arquivo indicado, útil para saber seu diretório ou se ele existe no sistema; vi: inicia o editor de textos vi.