SlideShare uma empresa Scribd logo
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228
Volume 20 - Número 2 - 2º Semestre 2020
GESTÃO DE PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS E SUGESTÕES DE MELHORIAS EM
UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR NO MÉDIO NORTE MATO-
GROSSENSE
Nádia Ligianara D. Nyari; Leonardo dos Santos; Geverson Tobias Böhm; Sandra Inês Horn Bohm;
Michelle Malaggi
RESUMO
O objetivo do trabalho foi analisar a realização de práticas sustentáveis de acordo com critérios ambientais em
uma Instituição de Ensino Superior (IES) na Região Norte do Mato Grosso - MT, através de uma abordagem
qualitativa foi possível sugerir possíveis ações de melhorias, ampliando assim sua visão sustentável. Para tanto
foi utilizado uma breve revisão da literatura sobre o assunto reportado, através de um questionário com a
finalidade de levantamento de dados, junto a direção acadêmica, administrativa e financeira. Ao final da análise
de dados, foi possível caracterizar, destacar e identificar a função do IES em desenvolver práticas ambientais
ainda está deficiente, com isso a economia de energia e redução no uso materiais descartáveis ainda é
ineficiente. A implementação e instalação de placas fotovoltaicas captação de energia e venda para o Mercado
Livre de Energia, uso de irrigação dos jardins com água coletada das chuvas e dos ar-condicionados, além de
atividades complementares como o plantio de mudas de árvores e ações de reciclagem. Demonstrando assim
que a instituição está aberta ao uso de novas tecnologia e tem evoluído quanto o seu papel na sociedade e na
questão ambiental. Nesse sentido observa-se uma efetiva conscientização e adoção de mais práticas ambientais
concretas altamente sustentáveis na questão de gestão ambiental, para o IES, adquirindo assim futuramente o
selo verde ou ainda a normativa ISO 14.000.
Palavras-chave: Sustentabilidade, Gestão ambiental, Instituições de Ensino Superior (IES).
MANAGEMENT OF SUSTAINABLE PRACTICES AND SUGGESTIONS FOR
IMPROVEMENTS IN A HIGHER EDUCATION INSTITUTION IN THE MIDDLE
NORTH MATO-GROSSENSE
ABSTRACT
The objective of the work was to analyze the realization of sustainable practices according to environmental
criteria in a Higher Education Institution (HEI) in the Northern Region of Mato Grosso - MT, through a
qualitative approach it was possible to suggest possible improvement actions, thus expanding its sustainable
vision. For this purpose, a brief review of the literature on the reported subject was used, through a questionnaire
for the purpose of collecting data, with the academic, administrative and financial management. At the end of
the data analysis, it was possible to characterize, highlight and identify the role of the HEI in developing
environmental practices is still deficient, thus saving energy and reducing the use of disposable materials is still
inefficient. The implementation and installation of photovoltaic plates capturing energy and selling to the Free
Energy Market, use of irrigation of the gardens with water collected from the rains and from the air conditioners,
in addition to complementary activities such as planting tree seedlings and recycling actions . Thus
demonstrating that the institution is open to the use of new technologies and has evolved in terms of its role in
society and in the environmental issue. In this sense, there is an effective awareness and adoption of more
concrete, highly sustainable environmental practices in the matter of environmental management, for the IES,
thus acquiring in the future the green seal or even the ISO 14,000 standard.
Keywords: Sustainability, Environmental management, Higher Education Institutions
(HEIs).
34
INTRODUÇÃO
O modelo de desenvolvimento
sustentável observado atualmente é baseado no
consumo descontrolado dos recursos naturais
de todos os tipos de atividades, até mesmo os
alimentícios. Para amenizar um pouco este uso
descontrolado dos recursos, faz-se necessário o
emprego de mecanismos que diminuem os
impactos causados pela exploração dos
recursos naturais em prol deste
desenvolvimento consumista.
Para a minimização dos problemas
ambientais, causados por empresas e indústrias,
é necessária uma nova atitude do setor
empresarial e de administradores, implantando
tecnologias e práticas mais sustentáveis, que
auxiliem a capacidade de suporte do planeta, já
que a Constituição Federal em seu artigo 225,
dispõe que: “todos temos direito ao meio
ambiente ecologicamente equilibrado, bem de
uso comum do povo e essencial à sadia
qualidade de vida” (BRASIL, 1988).
Avaliando esses requisitos legais e a
importância que a sustentabilidade tem
assumido perante a sociedade, observa-se uma
crescente transformação nas pequenas, médias
e grandes empresas quanto a suas ações
ambientais, de modo a trabalhar o assunto em
seus relacionamentos com os clientes e
fornecedores.
Para tanto a sustentabilidade é a busca
constante de resultados empresariais positivos,
os quais abrangem três dimensões: a social, a
ambiental e econômica, visto que as empresas
deste século buscam alinhar estas três variáveis
em seus negócios, pois verifica-se uma relação
direta entre estes pontos, cujo resultado traz
grandes implicações nas organizações.
Para Barbieri (2011) espera-se que as
empresas deixem de ser problemas e façam
parte das soluções. Pois na maioria das vezes o
foco de algumas empresas, se aplica em práticas
sustentáveis, a fim de conseguir incrementar
seus ganhos, sem agredir o meio ambiente,
auxiliando, contudo, em uma sociedade
internalizadora do pensamento sócio ambiental.
Não diferente destes cenários, temos as
Instituições de Ensino Superior (IES), que além
de oferecerem serviços educacionais,
influenciam diretamente a sociedade em geral
onde atuam. Dessa forma a presente pesquisa
visa buscar avaliar por meio de estudo de caso,
as práticas ambientais adotadas pela Instituição
de Ensino Superior na Região Norte do Mato
Grosso - MT, identificando e analisando as
práticas adotadas em relação a ações de
sustentabilidade ambiental e propondo novas e
importantes alternativas de melhorias,
possibilitando ações de contornar essas
dificuldades apresentadas pelo IES.
A problemática visa investigar de
maneira específica através de um levantamento
e as práticas sustentáveis, com uma análise
geral e crítica como um todo, identificando os
benefícios da implementação de práticas
ambientais corretas e sugerindo novas ações
ambientais. Com o intuito esclarecer de forma
ampla e clara as ações ambientais
desenvolvidas por uma instituição de ensino
superior frente este tema, almejando novas
expectativas e linhas de pensamento as quais as
instituições de ensino superior no Brasil estão
se enquadrando, além de relacionar essa
temática com exemplos práticos, apresentados
no dia a dia da instituição, bem como
conhecimento em prol da melhoria na formação
dos futuros profissionais das diversas
graduações oferecidas pela faculdade.
Meio Ambiente
O Meio ambiente é tido como todo o
ambiente que nos cerca. A palavra ambiente
vem do latim, que significa aquilo que está ao
nosso redor ou o conjunto de tudo que existe no
planeta que nos rodeia. Para Barbieri (2011) a
palavra meio e ambiente, traz ao entendimento
e a ideia de algo que está ao redor, de tudo que
existe em nosso planeta, de modo que a
expressão meio ambiente encerra de forma
redundante. Ou seja, meio ambiente
compreende como o habitat, de tal modo que o
espaço físico é constituído pelos fatores
abióticos e bióticos que condicionam – se em
um ecossistema, interagindo – se entre si.
Percebe -se que o crescimento acelerado
e desordenado das indústrias oriundas da
Revolução Industrial, tem proporcionado a
utilização desordenada dos recursos naturais,
concomitantemente isso a geração desenfreada
de resíduos sólidos, líquidos e gasosos. Porém
a partir das décadas de 1960 e 1970, começaram
a apresentar os primeiros indícios negativos
desse desenvolvimento, principalmente em
decorrência do esgotamento dos recursos
naturais e o desequilíbrio do meio ambiente
(SILVA FILHO et al., 2009).
Partindo da abordagem de Silva Filho et
al. (2009) e de outras publicações de renome,
encontram- se os estudos de Rachel Carsten que
em 1964, publicou o estudo intitulado de
“Primavera Silenciosa”, que evidenciou de
forma ampla um novo período para a
comunidade científica, trazendo uma forma de
reflexão da realidade a sociedade científica,
originando a partir desse momento os debates
de punho internacional.
Segundo Barbieri (2011) os problemas
ambientais provocados pelos seres humanos
decorrem do uso do meio ambiente para obter
recursos necessários para produzir os bens e
serviços de que necessitam e dos despejos de
materiais e energias não aproveitados. Partindo
dessa premissa nota-se que a ação
antropogênica é a responsável pelo
desequilíbrio ambiental, em que indústrias e
empresas com alto potencial poluidor não
desenvolvem mecanismos adequados para a
gestão destes resíduos, antes de liberá-los ao
meio.
Gestão ambiental
Gestão ambiental é uma área da
administração empresarial que tem como um de
seus objetivos principais o desenvolvimento
sustentável, com uma abordagem direta a todo
processo de gestão ambiental, direcionando e
ampliando os esforços nas práticas e métodos
administrativos, podem influenciar de maneira
positiva, diminuindo assim o impacto
ambiental, decorrentes das atividades
provocadas nas instituições que utilizam
recursos naturais em suas atividades
econômicas.
De acordo com Barbieri (2011)
evidencia em seu estudo.
[...] Administração ou gestão do meio ambiente,
ou simplesmente gestão ambiental é entendida como as
diretrizes e as atividades administrativas e operacionais,
tais como planejamento, direção e controle, alocação de
recursos e outras realizadas com o objetivo de obter
efeitos positivos sobre o meio ambiente, tanto reduzindo,
eliminando ou compensando os danos ou problemas
causados pelas ações humanas, quanto evitando que eles
surjam [...] (BARDIERI, 2011).
Segundo Butzke et al. (2001), o sistema
de gestão ambiental é utilizado como uma
indispensável metodologia administrativa que
auxilia nos controles de práticas ambientais nas
organizações, podendo assim demonstrar os
resultados de determinadas ações a fim de
reduzir os problemas ambientais desenvolvidas
pelas atividades econômicas das instituições.
Faz parte da gestão ambiental o
entendimento de desenvolvimento sustentável,
que ações sustentáveis podem partir também da
gestão ambiental. Conforme Butzke (2001)
uma sociedade sustentável é aquela que
preserva os recursos de capital natural ou
compensa pelo desenvolvimento do capital
tecnológico uma reduzida depleção do capital
natural, permitindo, assim, o desenvolvimento
das gerações futuras.
Alcançar o desenvolvimento
sustentável é evidenciar crescimento
econômico por vias de práticas ambientais,
advindo de nova cultura social para uso racional
dos recursos naturais bem como novas
tecnologias que poluem menos ou auxiliam na
retirada de resíduos já existentes no meio
ambiente devido às atividades econômicas das
instituições.
Há quem diga, que o desenvolvimento
sustentável é apenas um projeto social e de
marketing do estado perante a Organização das
Nações Unidas (ONU) e das indústrias de
fronte aos seus clientes de visão sustentável,
visando satisfazer às necessidades básicas da
humanidade, que oferece os princípios e as
orientações para o desenvolvimento harmônico
da sociedade, considerando a apropriação e a
transformação sustentável dos recursos
ambientais (SEIFFERT, 2007).
Segundo Dias (2011) apud Dias e Neto
(2013), o desenvolvimento sustentável nas
empresas apresenta três dimensões que são: a
econômica, a social e a ambiental. Contudo as
organizações começam a focar, em questões a
frente do lucro, custo e do preço, sua imagem
diante de seus consumidores em relação a
sustentabilidade ambiental que tem sido
assunto recorrente nas organizações deste
século.
Para Pereira (2011) o conceito de
sustentabilidade explora as relações entre
desenvolvimento econômico, qualidade
ambiental e equidade social. Entretendo as
organizações passam a focar não somente em
lucro, redução de custos e melhores preços para
competir no mercado, mas no reflexo que sua
imagem projetará para a sociedade, enquanto
empresa comprometida com o meio ambiente,
geração e tratamento dos resíduos gerados e
consequentemente melhoria da qualidade de
vida dos funcionários e comunidade.
Segundo Savitz (2007) existem três
maneiras de como a sustentabilidade melhora
as empresas: Proteger a empresa, reduzindo
riscos, Gestão da empresa, reduzindo custos e
melhorando a produtividade e promover
crescimento da empresa inserindo-se em novos
mercados e tendências. Porém o autor refere-se
a inter-relação dos fatores da sustentabilidade,
onde a simples abordagem do tema ambiental
através de políticas e práticas adotadas pelas
empresas podem abrir um leque de alternativas
e representação no mercado, tais como:
exigências legais para garantia da qualidade do
produto ou serviço, novos mercados ou
produtos, crescimento da empresa e melhorias
da sua imagem e marca.
METODOLOGIA
O presente estudo visa buscar avaliar
por meio de estudo de caso, as práticas
ambientais adotadas pela instituição de ensino
superior na Região Norte do Mato Grosso - MT.
Através do método de abordagem qualitativo
indutivo, que analisa de forma generalista a
interpretação dos fatos, apresentando
contribuições no decorrer do processo e de
futuras mudança das mesmas ocorridas.
Para Lakatos e Marconi (2007), a
indução é um processo mental por intermédio
do qual, partindo de dados particulares,
suficientemente constatados, infere-se uma
verdade geral ou universal, não contida nas
partes examinadas. Portanto no pensamento
indutivo se faz uma generalização das
observações feitas através da análise de
questionário aplicado, com a realidade, em que
o objetivo dos argumentos coletados traz um
conteúdo muito mais amplo.
O procedimento foi aplicado através de
um estudo de caso, propiciando um amplo e
detalhado conhecimento nesse tema. Para Yin
(2001) apud Prodanov e Freitas (2013), o
estudo de caso refere-se ao estudo minucioso e
profundo de um ou mais objetos. Enquanto Gil
(2010), afirma que o estudo de caso consiste no
estudo profundo e exaustivo de um ou mais
objetos, de maneira que permita seu amplo e
detalhado conhecimento.
Do ponto de vista dos objetivos, esta
pesquisa foi realizada de forma descritiva onde
visa expor as características de uma
determinada população, definindo o fenômeno
ou estabelecimento as relações entre variáveis,
entretendo de forma geral, apresenta – se como
um Levantamento de dados, com a finalidade
de estudar as práticas ambientais utilizadas em
uma IES e sugerir novos mecanismos de
desenvolvimento sustentável.
O instrumento de coleta de dados, que
segundo Marconi e Lakatos (1999) foi de forma
de coleta de dados, constituído por uma série de
perguntas, que devem ser respondidas por
escrito, através do questionário, foi estruturado
6 questões, entre elas 3 questões abertas e 2 de
múltipla escolha, facilitando ao pesquisado
passar um maior número de informação
possíveis.
Portanto em seguida foi realizada uma
pesquisa na literatura disponível sobre o
assunto em livros e artigos científicos.
Posteriormente o questionário foi elaborado
com base no programa “Google Formulários”,
disponibilizado gratuitamente pela plataforma
“Google”, fornecendo dados tabulados.
Em um segundo momento os dados
obtidos junto a IES, através do questionário
apresentado sobre as práticas de gestão
ambiental, foram analisadas e expostas,
mostrando dessa forma que a faculdade já
desenvolve ações de punho ambiental. Com
base nesses dados, foi elaborado gráficos em
percentuais para uma melhor compreensão dos
resultados, facilitando assim a análise geral de
forma clara e objetiva.
A escolha dos percentuais para análise
dos dados e formulação dos gráficos, ocorreram
com a captação dos resultados, delimitando o
aprofundamento dos dados. Ente eles podem
citar o período em que ocorrem as ações
ambientais, valores em investimentos com a
energia elétrica, gastos com materiais de
consumo, destinação de resíduos e o uso da
água de forma racional para as atividades.
Dessa forma o objeto do estudo foi uma
Instituição de Ensino Superior localizada no
Norte do Mato Grosso - MT, região de grande
atividade agrícola, como produção de soja,
milho, algodão, além da presença de indústrias
de processamento e beneficiamento das
mesmas.
RESULTADOS E DISCUSSÕES
Com a aplicabilidade do questionário
em relação às práticas ambientais adotadas pela
IES, os resultados obtidos foram analisados e
apresentados de forma geral, para que os
mesmos fossem passíveis de entendimento.
Através dos resultados obtidos quando
questionados sobre a realização de boas
práticas de Gestão Ambiental realizados pela
IES, 100% dos entrevistados responderam de
forma positiva e as principais práticas adotadas
forma o Uso racional da água, do solo, da
energia e a conscientização Ambiental dos seus
colaboradores por parte da Instituição.
De maneira geral, aproximadamente
50% da economia se deu por parte da
diminuição ou redução do gasto em (watts) com
a iluminação, apenas com a substituição de
lâmpadas fluorescente por lâmpadas de LED
Light Emitting Diode.
Para melhor entendimento devemos
notar que quando empregados lâmpadas, o
custo em (kWh) quilowatts hora é fornecido,
nesse sentido percebemos que para cada 1.000
watts de potência de qualquer aparelho ou
lâmpada utilizada, necessitará de 1 kWh.
Para Valle (2012) às novas tecnologias
uma vez comprovada a eficácia de uma nova
tecnologia, ela passa a ser considerada como
padrão de qualidade mínimo para soluções de
problemas descartando soluções menos
eficazes e de emprego tradicional.
Ressalta-se que o uso de novas
tecnologias, tanto para as lâmpadas, como em
aparelhos eletrônicos, reduziu
significativamente o consumo de energia, não
convém apenas para satisfazer a necessidade de
economia da IES, mas também para diminuir a
troca incessante de lâmpadas em um curto
período de tempo, uma vez que essas lâmpadas
de LED tem uma vida útil maior do que as
consideradas halógenas ou fluorescentes,
durando em média 10 anos, enquanto que as
halógenas duram apenas 1 ano e as
fluorescentes duram de 3 a 4 anos.
Segundo o mesmo autor (VALLE,
2012) o monitoramento é definido como um
sistema contínuo de observação, medição e
avaliação visando: documentar os impactos
resultantes de uma ação proposta”. Entre outras
ações podemos destacar a economia de energia
elétrica e a diminuição das trocas de lâmpadas
fluorescentes.
Pereira (2011) traz que a inovação deve
sempre buscar as melhores soluções do ponto
de vista ecológico, tendo sustentabilidade como
um de seus pressupostos elementares. Toda
tecnologia sustentável só pode ser considerada
eficaz na gestão ambiental, se esta reduzir a
emissão de resíduos no meio ambiente e possuir
maior durabilidade no ciclo de vida útil,
evidenciando baixa em energia e gastos com a
mesma e menor geração de descarte e
poluentes.
A redução em Watts é comprovada na
conta de energia elétrica da instituição, com
base em informações de simulador de consumo,
disponibilizado pela empresa de fornecimento
de energia em Mato Grosso a (Energisa) em
plataforma on-line.
O simulado demonstra a economia, em
relação a equivalência de Watts para quilowatts
que corresponde: 700.000 watts economizados
no mês pela IES, correspondendo a 700
quilowatts, com o preço do Kwh mês de maio
de 2017 de R$0,51 na região. Se este for
multiplicado por 700.000 Kwh, provocará uma
economia média mensal de R$357,00 reais, ou
seja, durante um ano a instituição economizar
cerca de R$ 4.284,00 reais.
Outra redução significativa, refere- se a
redução aproximadamente de 3.500.000
unidades de copos descartáveis, impactando
tanto na redução de resíduos como nas emissões
de CO² na atmosfera.
A diminuiu a solicitação deste item em
suas compras de materiais de consumo, em
busca de cumprir com um dos itens da visão da
IES. Durante a análise verificou-se que os
custos com os copos descartáveis também
diminuíram, em valores atuais o orçamento
pesquisado em sites de venda de materiais
descartáveis, obteve o valor de R$ 0,04
centavos por copo o que anualmente seriam
desembolsados pela instituição cerca de R$
21.120,00 reais e durante 5 anos seriam de
105.600,00 reais.
As sugestões de novas práticas
ambientais podem ser baseadas nas entradas e
saídas realizadas pela instituição. Fouto (2002)
apud, Salgado e Catarino sugere que o ponto de
partida será a realização de um levantamento
ambiental para, a partir da caracterização da
situação ambiental e do registro sistemático das
informações, integrar o componente ambiental
às atividades institucionais.
Os resíduos sólidos, líquidos e gasosos
gerados pela IES são oriundos de sua
existência, demonstrando a necessidade de
implantar e melhorar ações ambientais
existentes ou em estudo, o que evidencia que as
faculdades e universidade podem ser
comparadas com pequenas e médias empresas,
em que estão envolvidas diversas atividades de
ensino, pesquisa e extensão, bem como a
existência de carros circulando, cantina,
escritórios, laboratórios, banheiros, cozinha,
área de convivência, edificações com uso de
energia e água, enfim, demonstra claramente o
uso dos recursos naturais e a necessidade de
implantação de ações ambientais.
Para Tauchen e Brandi (2006), são
inúmeros os benefícios que se pode obter
através da adoção da Gestão ambiental em uma
IES, como por exemplo: economias devido ao
uso racional de água, energia, material de
expediente, conformidade com legislação
ambiental brasileira, reduzindo riscos de
sanções e penalidades por gerar passivos
ambientais, melhoria da imagem institucional,
elaboração de marketing verde, obtenção de
ISO ambiental, obtenção de selo verde e
melhoria da produtividade.
Quanto a utilização do ar-condicionado
pela IES é constante, gerando uma grande
quantidade de água de resíduo devido ao seu
funcionamento. Esta água pode ser canalizada
para um reservatório ou diretamente para
pontos estratégicos do jardim que será irrigado
com o gotejamento de água gerado pelo uso do
ar-condicionado. Observa - se que esta prática
pode diminuir o consumo de água potável na
irrigação dos jardins da faculdade.
O conceito ambiental utilizado para
sugerir esta prática é o de Valorização, que
segundo (VALLE, 2012) Valorização procura
diminuir os custos decorrentes da destinação
dos resíduos, sob uma ótica econômica.
Atividades complementares na
ementa dos cursos com foco em projetos
ambientais sustentáveis
O incentivo parte da ementa da grade
curricular de cada curso da IES onde o foco é
incentivar o acadêmico a praticar de alguma
prática sustentável em sua carreira acadêmica
onde ele poderá influenciar a comunidade onde
reside com estas boas práticas que utilizou na
faculdade para poder se formar.
Esta prática não é algo inovador pois já
utilizada em outras instituições. O objetivo da
ação é demonstrar ao acadêmico a preocupação
que a instituição tem com meio ambiente e a
gestão sustentável. Segundo Marco et al.
(2010), promover a educação ambiental dentro
das IES desperta a consciência e sensibilidade
para as problemáticas envolvendo sociedade e
meio ambiente, estimulando comportamentos
que fomentam a mudança. Neste sentido faz-se
necessário exercícios práticos, integrando
ensino – aprendizado, como exemplo sugere-se
programas de plantio de uma espécie de árvore
em cada início de curso da instituição. Também
se sugere um projeto de pesquisa e extensão nos
cursos em que há as disciplinas de educação
ambiental e gestão ambiental.
Iluminação para jardim com uso de
lâmpadas de LED a base de energia solar
Atualmente o uso de lâmpadas de LED
tem sido constante devido a sua durabilidade
em relação à as lâmpadas mais comuns como as
Halógenas que duram cerca de 1 a 3 anos, já as
de LED podem durar até 10 anos e ainda
iluminar uma área maior e com mais economia
de energia. Este tipo de iluminação a base de
energia solar é geralmente encontrado em lojas
de artigos eletrônicos, possuem baixo preço e
alta durabilidade, o objetivo da prática é
substituir as lâmpadas tradicionais para a
iluminação do jardim, estas lâmpadas utilizam
energia solar para se recarregar, além de formas
tamanhos e múltiplas cores. Esta ação pode
impactar positivamente nos gastos com
eletricidade.
Ações de reciclagem
Algumas ações devem fazer parte da
gestão ambiental da instituição, um exemplo
disto são os materiais considerados recicláveis,
estes materiais podem ser direcionados à
reciclagem das seguintes formas:
● Separar lixo produzido pela
faculdade em: metal, papel, plástico e vidro;
● Destinar esses materiais
separados para empresas coletoras locais ou de
outros munícipes;
● Fios e cabos que contenha cobre
ou alumínio podem ser destinados a empresas
que permutam esses materiais por novos de sua
marca;
● Resíduos orgânicos tais como,
folhas, grama e resto de alimentos, podem ser
utilizadas como adubo para as plantas que
decoram a instituição pelo processo de
compostagem.
Estas práticas também podem ser
realizadas junto à comunidade acadêmica e os
moradores locais criando uma espécie de dia
“D” de ações ambientais, mobilizando-os para
a consciência socioambiental.
CONCLUSÃO
De acordo com o estudo conclui-se que
a Instituição de Ensino Superior (IES)
localizada na Região Norte do Mato Grosso
realiza e adota práticas sustentáveis. De forma
específica as intervenções já realizadas
apresentaram resultados positivos tanto
econômicos como ambientais, sendo aberta a
implantação de novas tecnologias, sobretudo
quando tem visão sustentável. Ainda foi
verificado a necessidade de instalar na IES
outros controles ambientais, para ter maiores
informações sobre o impacto ambiental,
repassando forma de conhecimento aos
acadêmicos e com podem influenciar a
sociedade onde atuam, trazendo uma visão
ampliada e dinâmica das questões ambientais.
MATERIAL SUPLEMENTAR
Questões
1. A Instituição possui práticas de
Gestão Ambiental?
2. Se a resposta anterior foi sim, quais
das práticas de gestão ambiental abaixo são
utilizadas na IES?
a. Uso racional da água
b. Uso racional do solo.
c. Uso racional da energia
d. Educação ambiental para
funcionários.
3. As práticas de gestão ambiental
aplicadas na (IES) trouxeram resultados
positivos?
4. A IES acredita que as práticas de
Gestão Ambiental auxiliam na sustentabilidade
da instituição?
5. A (IES) gostaria de receber sugestões
de novas práticas sustentáveis de gestão
ambiental?
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
BARBIERI, J. C. Gestão Ambiental
Empresarial: Conceitos, modelos e
instrumentos. 3° Edição Atual. E ampl. Editora
Saraiva, São Paulo, SP, 2011.
BUTZKE, I. C., PEREIRA, G. R.,
NOEBAUER, D. Sugestão de Indicadores para
Avaliação do Desempenho das Atividades
Educativas do Sistema de Gestão Ambiental –
SGA da Universidade Regional de Blumenau –
FURB. In: Congresso de Educação Ambiental
na Área do Mar de Dentro, Revista Eletrônica
do Mestrado em Educação Ambiental, FURB,
Rio Grande, Rio Grande, RS, 2001.
DE FREITAS, M., DA SILVA FREITAS, M.
C. Sustentabilidade como paradigma (A):
Cultura, ciência e cidadania. Editora Vozes
Limitada, 2016.
DIAS, R. do. Marketing Ambiental – Ética,
Responsabilidade Social e Competitividade nos
Negócios. São Paulo: Atlas, 2011.
ENERGISA, simulador de consumo.
Disponível em www.energisa.com.br. Acesso
em maio de 2017.
ENLAZADOR, T. Almanaque para práticas
sustentáveis. Recife: Unimed, 2007.
FOUTO, A. R. F. O papel das universidades
rumo ao Desenvolvimento Sustentável: das
relações internacionais às práticas ambientais.
Disponível em www.campus.fct.unl.pt. Acesso
em maio de 2017.
DE MARCO, D. Sistema de Gestão Ambiental
em Ensino Superior. ACET, Joaçaba, v. 1, n. 2,
2010.
MB, Embalagens, Orçamento de copos
descartáveis. Disponível em
www.embalagens.com.br. Acesso em maio de
2017.
MEC - Ministério Da Educação, Instituições de
Ensino Superior. Disponível em
www.mec.gov.br. Acesso abril de 2017.
ONDINI, V. E. D., DOMINGUES, M. J. C. de
S. Entendendo a Classificação das IES no
brasil, 2005.
PEREIRA, A. C. Sustentabilidade,
Responsabilidade Social e Meio Ambiente.
Editora Saraiva, São Paulo, SP, 2011.
SEIFFERT, M. E. B. Gestão Ambiental:
instrumentos, esferas de ação e educação
ambiental. Editora Atlas, São Paulo, SP, 2007.
TAUCHEN, J., BRANDLI, L. L. A gestão
ambiental em instituições de ensino superior:
modelo para implantação em campus
universitário. Gestão & Produção, v. 13, n. 3, p.
503-515, 2006.
VALÉRIO, A. A. Sustentabilidade: uma
abordagem teórica sobre o tema. Revista
Interatividade, v. 4, n. 1, p. 38-55,
2016.VALLE, Cyro Eyer do. Qualidade
ambiental: ISO 14000. 12° Edição, Editora
Senac, São Paulo, SP. 2012.
_____________________________________
Os autores Nádia Ligianara D. Nyari, Leonardo
dos Santos, Geverson Tobias Böhm, Sandra
Ines Horn Bohm e Michelle Malaggi atuam
junto a UniLaSalle Lucas de Lucas do Rio
Verde - MT, Brasil.
Contatos: Nádia Ligianara D. Nyari
Dra em Engenharia de Alimentos, URI –
Erechim, RS
UniLaSalle Lucas de Lucas do Rio Verde, MT,
Brasil.
nadialigianara@hotmail.com
41

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Artigo bioterra v20_n2_03

2962 9012-1-pb artigo sobre coleta com universitarios
2962 9012-1-pb artigo sobre coleta com universitarios2962 9012-1-pb artigo sobre coleta com universitarios
2962 9012-1-pb artigo sobre coleta com universitarios
Ercília Mendes Ferreira
 
tema livre-pb
tema livre-pbtema livre-pb
tema livre-pb
Fabricio Duarte
 
306 306 instrumentos_de_gestao_ambiental_uma_ferramenta_para_competitividade
306 306 instrumentos_de_gestao_ambiental_uma_ferramenta_para_competitividade306 306 instrumentos_de_gestao_ambiental_uma_ferramenta_para_competitividade
306 306 instrumentos_de_gestao_ambiental_uma_ferramenta_para_competitividade
sandra09121970
 
Coromandel meio ambiente g3
Coromandel meio ambiente g3Coromandel meio ambiente g3
Coromandel meio ambiente g3
temastransversais
 
Educação ambiental no ambito escolar oficina de reciclagem de papel como ativ...
Educação ambiental no ambito escolar oficina de reciclagem de papel como ativ...Educação ambiental no ambito escolar oficina de reciclagem de papel como ativ...
Educação ambiental no ambito escolar oficina de reciclagem de papel como ativ...
bio_fecli
 
Livro logística reversa
Livro logística reversaLivro logística reversa
Livro logística reversa
elianeiarabendix
 
Gestao de-residuos solidos
 Gestao de-residuos solidos Gestao de-residuos solidos
Gestao de-residuos solidos
Orlando Junior Binda
 
Artigo educação ambiental(1)
Artigo educação ambiental(1)Artigo educação ambiental(1)
Artigo educação ambiental(1)
Lara Sossai Correa da Costa
 
Diagnóstico ambiental de uma instituição de ensino superior
Diagnóstico ambiental de uma instituição de ensino superiorDiagnóstico ambiental de uma instituição de ensino superior
Diagnóstico ambiental de uma instituição de ensino superior
Marisa Correia
 
POLÍTICAS ECOAMBIENTAIS APLICADAS NAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÀO CIVIL
POLÍTICAS ECOAMBIENTAIS APLICADAS NAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÀO CIVILPOLÍTICAS ECOAMBIENTAIS APLICADAS NAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÀO CIVIL
POLÍTICAS ECOAMBIENTAIS APLICADAS NAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÀO CIVIL
MaisoDias
 
Pre projeto ufrr
Pre projeto ufrrPre projeto ufrr
Pre projeto ufrr
Flavia Costa
 
GESTÃO AMBIENTAL COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: UM ESTUDO DE ESTRATÉGIAS DE VE...
GESTÃO AMBIENTAL COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: UM ESTUDO DE ESTRATÉGIAS DE VE...GESTÃO AMBIENTAL COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: UM ESTUDO DE ESTRATÉGIAS DE VE...
GESTÃO AMBIENTAL COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: UM ESTUDO DE ESTRATÉGIAS DE VE...
MaisoDias
 
Ética e responsabilidade social nas organizações (Trabalho de Conclusão de Cu...
Ética e responsabilidade social nas organizações (Trabalho de Conclusão de Cu...Ética e responsabilidade social nas organizações (Trabalho de Conclusão de Cu...
Ética e responsabilidade social nas organizações (Trabalho de Conclusão de Cu...
Leandro Giovede Costa
 
Gestao Ambiental e Social na Empresa Coelce
Gestao Ambiental e Social na Empresa CoelceGestao Ambiental e Social na Empresa Coelce
Gestao Ambiental e Social na Empresa Coelce
Odilio Augusto
 
Fernanda guedes
Fernanda guedesFernanda guedes
Fernanda guedes
Carlos Elson Cunha
 
TRABALHO SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL.docx
TRABALHO SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL.docxTRABALHO SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL.docx
TRABALHO SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL.docx
AdrianaEspindola9
 
TRABALHO SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL.docx
TRABALHO SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL.docxTRABALHO SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL.docx
TRABALHO SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL.docx
AdrianaEspindola9
 
Curso Sustentabilidade e Saude Humana
Curso Sustentabilidade e Saude HumanaCurso Sustentabilidade e Saude Humana
Curso Sustentabilidade e Saude Humana
Grupo Treinar
 
A contribuição da academia na eaeb 27 29 10 ii seaerj
A contribuição da academia na eaeb 27 29 10 ii seaerjA contribuição da academia na eaeb 27 29 10 ii seaerj
A contribuição da academia na eaeb 27 29 10 ii seaerj
AlexandrePedrini
 
A contribuição da academia na eaeb 27 29 10 ii seaerj
A contribuição da academia na eaeb 27 29 10 ii seaerjA contribuição da academia na eaeb 27 29 10 ii seaerj
A contribuição da academia na eaeb 27 29 10 ii seaerj
AlexandredeGusmaoPedrini
 

Semelhante a Artigo bioterra v20_n2_03 (20)

2962 9012-1-pb artigo sobre coleta com universitarios
2962 9012-1-pb artigo sobre coleta com universitarios2962 9012-1-pb artigo sobre coleta com universitarios
2962 9012-1-pb artigo sobre coleta com universitarios
 
tema livre-pb
tema livre-pbtema livre-pb
tema livre-pb
 
306 306 instrumentos_de_gestao_ambiental_uma_ferramenta_para_competitividade
306 306 instrumentos_de_gestao_ambiental_uma_ferramenta_para_competitividade306 306 instrumentos_de_gestao_ambiental_uma_ferramenta_para_competitividade
306 306 instrumentos_de_gestao_ambiental_uma_ferramenta_para_competitividade
 
Coromandel meio ambiente g3
Coromandel meio ambiente g3Coromandel meio ambiente g3
Coromandel meio ambiente g3
 
Educação ambiental no ambito escolar oficina de reciclagem de papel como ativ...
Educação ambiental no ambito escolar oficina de reciclagem de papel como ativ...Educação ambiental no ambito escolar oficina de reciclagem de papel como ativ...
Educação ambiental no ambito escolar oficina de reciclagem de papel como ativ...
 
Livro logística reversa
Livro logística reversaLivro logística reversa
Livro logística reversa
 
Gestao de-residuos solidos
 Gestao de-residuos solidos Gestao de-residuos solidos
Gestao de-residuos solidos
 
Artigo educação ambiental(1)
Artigo educação ambiental(1)Artigo educação ambiental(1)
Artigo educação ambiental(1)
 
Diagnóstico ambiental de uma instituição de ensino superior
Diagnóstico ambiental de uma instituição de ensino superiorDiagnóstico ambiental de uma instituição de ensino superior
Diagnóstico ambiental de uma instituição de ensino superior
 
POLÍTICAS ECOAMBIENTAIS APLICADAS NAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÀO CIVIL
POLÍTICAS ECOAMBIENTAIS APLICADAS NAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÀO CIVILPOLÍTICAS ECOAMBIENTAIS APLICADAS NAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÀO CIVIL
POLÍTICAS ECOAMBIENTAIS APLICADAS NAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÀO CIVIL
 
Pre projeto ufrr
Pre projeto ufrrPre projeto ufrr
Pre projeto ufrr
 
GESTÃO AMBIENTAL COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: UM ESTUDO DE ESTRATÉGIAS DE VE...
GESTÃO AMBIENTAL COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: UM ESTUDO DE ESTRATÉGIAS DE VE...GESTÃO AMBIENTAL COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: UM ESTUDO DE ESTRATÉGIAS DE VE...
GESTÃO AMBIENTAL COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO: UM ESTUDO DE ESTRATÉGIAS DE VE...
 
Ética e responsabilidade social nas organizações (Trabalho de Conclusão de Cu...
Ética e responsabilidade social nas organizações (Trabalho de Conclusão de Cu...Ética e responsabilidade social nas organizações (Trabalho de Conclusão de Cu...
Ética e responsabilidade social nas organizações (Trabalho de Conclusão de Cu...
 
Gestao Ambiental e Social na Empresa Coelce
Gestao Ambiental e Social na Empresa CoelceGestao Ambiental e Social na Empresa Coelce
Gestao Ambiental e Social na Empresa Coelce
 
Fernanda guedes
Fernanda guedesFernanda guedes
Fernanda guedes
 
TRABALHO SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL.docx
TRABALHO SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL.docxTRABALHO SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL.docx
TRABALHO SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL.docx
 
TRABALHO SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL.docx
TRABALHO SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL.docxTRABALHO SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL.docx
TRABALHO SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL.docx
 
Curso Sustentabilidade e Saude Humana
Curso Sustentabilidade e Saude HumanaCurso Sustentabilidade e Saude Humana
Curso Sustentabilidade e Saude Humana
 
A contribuição da academia na eaeb 27 29 10 ii seaerj
A contribuição da academia na eaeb 27 29 10 ii seaerjA contribuição da academia na eaeb 27 29 10 ii seaerj
A contribuição da academia na eaeb 27 29 10 ii seaerj
 
A contribuição da academia na eaeb 27 29 10 ii seaerj
A contribuição da academia na eaeb 27 29 10 ii seaerjA contribuição da academia na eaeb 27 29 10 ii seaerj
A contribuição da academia na eaeb 27 29 10 ii seaerj
 

Mais de Universidade Federal de Sergipe - UFS

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 

Mais de Universidade Federal de Sergipe - UFS (20)

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 

Artigo bioterra v20_n2_03

  • 1. REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 Volume 20 - Número 2 - 2º Semestre 2020 GESTÃO DE PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS E SUGESTÕES DE MELHORIAS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR NO MÉDIO NORTE MATO- GROSSENSE Nádia Ligianara D. Nyari; Leonardo dos Santos; Geverson Tobias Böhm; Sandra Inês Horn Bohm; Michelle Malaggi RESUMO O objetivo do trabalho foi analisar a realização de práticas sustentáveis de acordo com critérios ambientais em uma Instituição de Ensino Superior (IES) na Região Norte do Mato Grosso - MT, através de uma abordagem qualitativa foi possível sugerir possíveis ações de melhorias, ampliando assim sua visão sustentável. Para tanto foi utilizado uma breve revisão da literatura sobre o assunto reportado, através de um questionário com a finalidade de levantamento de dados, junto a direção acadêmica, administrativa e financeira. Ao final da análise de dados, foi possível caracterizar, destacar e identificar a função do IES em desenvolver práticas ambientais ainda está deficiente, com isso a economia de energia e redução no uso materiais descartáveis ainda é ineficiente. A implementação e instalação de placas fotovoltaicas captação de energia e venda para o Mercado Livre de Energia, uso de irrigação dos jardins com água coletada das chuvas e dos ar-condicionados, além de atividades complementares como o plantio de mudas de árvores e ações de reciclagem. Demonstrando assim que a instituição está aberta ao uso de novas tecnologia e tem evoluído quanto o seu papel na sociedade e na questão ambiental. Nesse sentido observa-se uma efetiva conscientização e adoção de mais práticas ambientais concretas altamente sustentáveis na questão de gestão ambiental, para o IES, adquirindo assim futuramente o selo verde ou ainda a normativa ISO 14.000. Palavras-chave: Sustentabilidade, Gestão ambiental, Instituições de Ensino Superior (IES). MANAGEMENT OF SUSTAINABLE PRACTICES AND SUGGESTIONS FOR IMPROVEMENTS IN A HIGHER EDUCATION INSTITUTION IN THE MIDDLE NORTH MATO-GROSSENSE ABSTRACT The objective of the work was to analyze the realization of sustainable practices according to environmental criteria in a Higher Education Institution (HEI) in the Northern Region of Mato Grosso - MT, through a qualitative approach it was possible to suggest possible improvement actions, thus expanding its sustainable vision. For this purpose, a brief review of the literature on the reported subject was used, through a questionnaire for the purpose of collecting data, with the academic, administrative and financial management. At the end of the data analysis, it was possible to characterize, highlight and identify the role of the HEI in developing environmental practices is still deficient, thus saving energy and reducing the use of disposable materials is still inefficient. The implementation and installation of photovoltaic plates capturing energy and selling to the Free Energy Market, use of irrigation of the gardens with water collected from the rains and from the air conditioners, in addition to complementary activities such as planting tree seedlings and recycling actions . Thus demonstrating that the institution is open to the use of new technologies and has evolved in terms of its role in society and in the environmental issue. In this sense, there is an effective awareness and adoption of more concrete, highly sustainable environmental practices in the matter of environmental management, for the IES, thus acquiring in the future the green seal or even the ISO 14,000 standard. Keywords: Sustainability, Environmental management, Higher Education Institutions (HEIs). 34
  • 2. INTRODUÇÃO O modelo de desenvolvimento sustentável observado atualmente é baseado no consumo descontrolado dos recursos naturais de todos os tipos de atividades, até mesmo os alimentícios. Para amenizar um pouco este uso descontrolado dos recursos, faz-se necessário o emprego de mecanismos que diminuem os impactos causados pela exploração dos recursos naturais em prol deste desenvolvimento consumista. Para a minimização dos problemas ambientais, causados por empresas e indústrias, é necessária uma nova atitude do setor empresarial e de administradores, implantando tecnologias e práticas mais sustentáveis, que auxiliem a capacidade de suporte do planeta, já que a Constituição Federal em seu artigo 225, dispõe que: “todos temos direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida” (BRASIL, 1988). Avaliando esses requisitos legais e a importância que a sustentabilidade tem assumido perante a sociedade, observa-se uma crescente transformação nas pequenas, médias e grandes empresas quanto a suas ações ambientais, de modo a trabalhar o assunto em seus relacionamentos com os clientes e fornecedores. Para tanto a sustentabilidade é a busca constante de resultados empresariais positivos, os quais abrangem três dimensões: a social, a ambiental e econômica, visto que as empresas deste século buscam alinhar estas três variáveis em seus negócios, pois verifica-se uma relação direta entre estes pontos, cujo resultado traz grandes implicações nas organizações. Para Barbieri (2011) espera-se que as empresas deixem de ser problemas e façam parte das soluções. Pois na maioria das vezes o foco de algumas empresas, se aplica em práticas sustentáveis, a fim de conseguir incrementar seus ganhos, sem agredir o meio ambiente, auxiliando, contudo, em uma sociedade internalizadora do pensamento sócio ambiental. Não diferente destes cenários, temos as Instituições de Ensino Superior (IES), que além de oferecerem serviços educacionais, influenciam diretamente a sociedade em geral onde atuam. Dessa forma a presente pesquisa visa buscar avaliar por meio de estudo de caso, as práticas ambientais adotadas pela Instituição de Ensino Superior na Região Norte do Mato Grosso - MT, identificando e analisando as práticas adotadas em relação a ações de sustentabilidade ambiental e propondo novas e importantes alternativas de melhorias, possibilitando ações de contornar essas dificuldades apresentadas pelo IES. A problemática visa investigar de maneira específica através de um levantamento e as práticas sustentáveis, com uma análise geral e crítica como um todo, identificando os benefícios da implementação de práticas ambientais corretas e sugerindo novas ações ambientais. Com o intuito esclarecer de forma ampla e clara as ações ambientais desenvolvidas por uma instituição de ensino superior frente este tema, almejando novas expectativas e linhas de pensamento as quais as instituições de ensino superior no Brasil estão se enquadrando, além de relacionar essa temática com exemplos práticos, apresentados no dia a dia da instituição, bem como conhecimento em prol da melhoria na formação dos futuros profissionais das diversas graduações oferecidas pela faculdade. Meio Ambiente O Meio ambiente é tido como todo o ambiente que nos cerca. A palavra ambiente vem do latim, que significa aquilo que está ao nosso redor ou o conjunto de tudo que existe no planeta que nos rodeia. Para Barbieri (2011) a palavra meio e ambiente, traz ao entendimento e a ideia de algo que está ao redor, de tudo que existe em nosso planeta, de modo que a expressão meio ambiente encerra de forma redundante. Ou seja, meio ambiente compreende como o habitat, de tal modo que o espaço físico é constituído pelos fatores abióticos e bióticos que condicionam – se em um ecossistema, interagindo – se entre si. Percebe -se que o crescimento acelerado e desordenado das indústrias oriundas da Revolução Industrial, tem proporcionado a utilização desordenada dos recursos naturais, concomitantemente isso a geração desenfreada de resíduos sólidos, líquidos e gasosos. Porém
  • 3. a partir das décadas de 1960 e 1970, começaram a apresentar os primeiros indícios negativos desse desenvolvimento, principalmente em decorrência do esgotamento dos recursos naturais e o desequilíbrio do meio ambiente (SILVA FILHO et al., 2009). Partindo da abordagem de Silva Filho et al. (2009) e de outras publicações de renome, encontram- se os estudos de Rachel Carsten que em 1964, publicou o estudo intitulado de “Primavera Silenciosa”, que evidenciou de forma ampla um novo período para a comunidade científica, trazendo uma forma de reflexão da realidade a sociedade científica, originando a partir desse momento os debates de punho internacional. Segundo Barbieri (2011) os problemas ambientais provocados pelos seres humanos decorrem do uso do meio ambiente para obter recursos necessários para produzir os bens e serviços de que necessitam e dos despejos de materiais e energias não aproveitados. Partindo dessa premissa nota-se que a ação antropogênica é a responsável pelo desequilíbrio ambiental, em que indústrias e empresas com alto potencial poluidor não desenvolvem mecanismos adequados para a gestão destes resíduos, antes de liberá-los ao meio. Gestão ambiental Gestão ambiental é uma área da administração empresarial que tem como um de seus objetivos principais o desenvolvimento sustentável, com uma abordagem direta a todo processo de gestão ambiental, direcionando e ampliando os esforços nas práticas e métodos administrativos, podem influenciar de maneira positiva, diminuindo assim o impacto ambiental, decorrentes das atividades provocadas nas instituições que utilizam recursos naturais em suas atividades econômicas. De acordo com Barbieri (2011) evidencia em seu estudo. [...] Administração ou gestão do meio ambiente, ou simplesmente gestão ambiental é entendida como as diretrizes e as atividades administrativas e operacionais, tais como planejamento, direção e controle, alocação de recursos e outras realizadas com o objetivo de obter efeitos positivos sobre o meio ambiente, tanto reduzindo, eliminando ou compensando os danos ou problemas causados pelas ações humanas, quanto evitando que eles surjam [...] (BARDIERI, 2011). Segundo Butzke et al. (2001), o sistema de gestão ambiental é utilizado como uma indispensável metodologia administrativa que auxilia nos controles de práticas ambientais nas organizações, podendo assim demonstrar os resultados de determinadas ações a fim de reduzir os problemas ambientais desenvolvidas pelas atividades econômicas das instituições. Faz parte da gestão ambiental o entendimento de desenvolvimento sustentável, que ações sustentáveis podem partir também da gestão ambiental. Conforme Butzke (2001) uma sociedade sustentável é aquela que preserva os recursos de capital natural ou compensa pelo desenvolvimento do capital tecnológico uma reduzida depleção do capital natural, permitindo, assim, o desenvolvimento das gerações futuras. Alcançar o desenvolvimento sustentável é evidenciar crescimento econômico por vias de práticas ambientais, advindo de nova cultura social para uso racional dos recursos naturais bem como novas tecnologias que poluem menos ou auxiliam na retirada de resíduos já existentes no meio ambiente devido às atividades econômicas das instituições. Há quem diga, que o desenvolvimento sustentável é apenas um projeto social e de marketing do estado perante a Organização das Nações Unidas (ONU) e das indústrias de fronte aos seus clientes de visão sustentável, visando satisfazer às necessidades básicas da humanidade, que oferece os princípios e as orientações para o desenvolvimento harmônico da sociedade, considerando a apropriação e a transformação sustentável dos recursos ambientais (SEIFFERT, 2007). Segundo Dias (2011) apud Dias e Neto (2013), o desenvolvimento sustentável nas empresas apresenta três dimensões que são: a econômica, a social e a ambiental. Contudo as organizações começam a focar, em questões a frente do lucro, custo e do preço, sua imagem diante de seus consumidores em relação a sustentabilidade ambiental que tem sido
  • 4. assunto recorrente nas organizações deste século. Para Pereira (2011) o conceito de sustentabilidade explora as relações entre desenvolvimento econômico, qualidade ambiental e equidade social. Entretendo as organizações passam a focar não somente em lucro, redução de custos e melhores preços para competir no mercado, mas no reflexo que sua imagem projetará para a sociedade, enquanto empresa comprometida com o meio ambiente, geração e tratamento dos resíduos gerados e consequentemente melhoria da qualidade de vida dos funcionários e comunidade. Segundo Savitz (2007) existem três maneiras de como a sustentabilidade melhora as empresas: Proteger a empresa, reduzindo riscos, Gestão da empresa, reduzindo custos e melhorando a produtividade e promover crescimento da empresa inserindo-se em novos mercados e tendências. Porém o autor refere-se a inter-relação dos fatores da sustentabilidade, onde a simples abordagem do tema ambiental através de políticas e práticas adotadas pelas empresas podem abrir um leque de alternativas e representação no mercado, tais como: exigências legais para garantia da qualidade do produto ou serviço, novos mercados ou produtos, crescimento da empresa e melhorias da sua imagem e marca. METODOLOGIA O presente estudo visa buscar avaliar por meio de estudo de caso, as práticas ambientais adotadas pela instituição de ensino superior na Região Norte do Mato Grosso - MT. Através do método de abordagem qualitativo indutivo, que analisa de forma generalista a interpretação dos fatos, apresentando contribuições no decorrer do processo e de futuras mudança das mesmas ocorridas. Para Lakatos e Marconi (2007), a indução é um processo mental por intermédio do qual, partindo de dados particulares, suficientemente constatados, infere-se uma verdade geral ou universal, não contida nas partes examinadas. Portanto no pensamento indutivo se faz uma generalização das observações feitas através da análise de questionário aplicado, com a realidade, em que o objetivo dos argumentos coletados traz um conteúdo muito mais amplo. O procedimento foi aplicado através de um estudo de caso, propiciando um amplo e detalhado conhecimento nesse tema. Para Yin (2001) apud Prodanov e Freitas (2013), o estudo de caso refere-se ao estudo minucioso e profundo de um ou mais objetos. Enquanto Gil (2010), afirma que o estudo de caso consiste no estudo profundo e exaustivo de um ou mais objetos, de maneira que permita seu amplo e detalhado conhecimento. Do ponto de vista dos objetivos, esta pesquisa foi realizada de forma descritiva onde visa expor as características de uma determinada população, definindo o fenômeno ou estabelecimento as relações entre variáveis, entretendo de forma geral, apresenta – se como um Levantamento de dados, com a finalidade de estudar as práticas ambientais utilizadas em uma IES e sugerir novos mecanismos de desenvolvimento sustentável. O instrumento de coleta de dados, que segundo Marconi e Lakatos (1999) foi de forma de coleta de dados, constituído por uma série de perguntas, que devem ser respondidas por escrito, através do questionário, foi estruturado 6 questões, entre elas 3 questões abertas e 2 de múltipla escolha, facilitando ao pesquisado passar um maior número de informação possíveis. Portanto em seguida foi realizada uma pesquisa na literatura disponível sobre o assunto em livros e artigos científicos. Posteriormente o questionário foi elaborado com base no programa “Google Formulários”, disponibilizado gratuitamente pela plataforma “Google”, fornecendo dados tabulados. Em um segundo momento os dados obtidos junto a IES, através do questionário apresentado sobre as práticas de gestão ambiental, foram analisadas e expostas, mostrando dessa forma que a faculdade já desenvolve ações de punho ambiental. Com base nesses dados, foi elaborado gráficos em percentuais para uma melhor compreensão dos resultados, facilitando assim a análise geral de forma clara e objetiva. A escolha dos percentuais para análise dos dados e formulação dos gráficos, ocorreram
  • 5. com a captação dos resultados, delimitando o aprofundamento dos dados. Ente eles podem citar o período em que ocorrem as ações ambientais, valores em investimentos com a energia elétrica, gastos com materiais de consumo, destinação de resíduos e o uso da água de forma racional para as atividades. Dessa forma o objeto do estudo foi uma Instituição de Ensino Superior localizada no Norte do Mato Grosso - MT, região de grande atividade agrícola, como produção de soja, milho, algodão, além da presença de indústrias de processamento e beneficiamento das mesmas. RESULTADOS E DISCUSSÕES Com a aplicabilidade do questionário em relação às práticas ambientais adotadas pela IES, os resultados obtidos foram analisados e apresentados de forma geral, para que os mesmos fossem passíveis de entendimento. Através dos resultados obtidos quando questionados sobre a realização de boas práticas de Gestão Ambiental realizados pela IES, 100% dos entrevistados responderam de forma positiva e as principais práticas adotadas forma o Uso racional da água, do solo, da energia e a conscientização Ambiental dos seus colaboradores por parte da Instituição. De maneira geral, aproximadamente 50% da economia se deu por parte da diminuição ou redução do gasto em (watts) com a iluminação, apenas com a substituição de lâmpadas fluorescente por lâmpadas de LED Light Emitting Diode. Para melhor entendimento devemos notar que quando empregados lâmpadas, o custo em (kWh) quilowatts hora é fornecido, nesse sentido percebemos que para cada 1.000 watts de potência de qualquer aparelho ou lâmpada utilizada, necessitará de 1 kWh. Para Valle (2012) às novas tecnologias uma vez comprovada a eficácia de uma nova tecnologia, ela passa a ser considerada como padrão de qualidade mínimo para soluções de problemas descartando soluções menos eficazes e de emprego tradicional. Ressalta-se que o uso de novas tecnologias, tanto para as lâmpadas, como em aparelhos eletrônicos, reduziu significativamente o consumo de energia, não convém apenas para satisfazer a necessidade de economia da IES, mas também para diminuir a troca incessante de lâmpadas em um curto período de tempo, uma vez que essas lâmpadas de LED tem uma vida útil maior do que as consideradas halógenas ou fluorescentes, durando em média 10 anos, enquanto que as halógenas duram apenas 1 ano e as fluorescentes duram de 3 a 4 anos. Segundo o mesmo autor (VALLE, 2012) o monitoramento é definido como um sistema contínuo de observação, medição e avaliação visando: documentar os impactos resultantes de uma ação proposta”. Entre outras ações podemos destacar a economia de energia elétrica e a diminuição das trocas de lâmpadas fluorescentes. Pereira (2011) traz que a inovação deve sempre buscar as melhores soluções do ponto de vista ecológico, tendo sustentabilidade como um de seus pressupostos elementares. Toda tecnologia sustentável só pode ser considerada eficaz na gestão ambiental, se esta reduzir a emissão de resíduos no meio ambiente e possuir maior durabilidade no ciclo de vida útil, evidenciando baixa em energia e gastos com a mesma e menor geração de descarte e poluentes. A redução em Watts é comprovada na conta de energia elétrica da instituição, com base em informações de simulador de consumo, disponibilizado pela empresa de fornecimento de energia em Mato Grosso a (Energisa) em plataforma on-line. O simulado demonstra a economia, em relação a equivalência de Watts para quilowatts que corresponde: 700.000 watts economizados no mês pela IES, correspondendo a 700 quilowatts, com o preço do Kwh mês de maio de 2017 de R$0,51 na região. Se este for multiplicado por 700.000 Kwh, provocará uma economia média mensal de R$357,00 reais, ou seja, durante um ano a instituição economizar cerca de R$ 4.284,00 reais. Outra redução significativa, refere- se a redução aproximadamente de 3.500.000 unidades de copos descartáveis, impactando tanto na redução de resíduos como nas emissões de CO² na atmosfera.
  • 6. A diminuiu a solicitação deste item em suas compras de materiais de consumo, em busca de cumprir com um dos itens da visão da IES. Durante a análise verificou-se que os custos com os copos descartáveis também diminuíram, em valores atuais o orçamento pesquisado em sites de venda de materiais descartáveis, obteve o valor de R$ 0,04 centavos por copo o que anualmente seriam desembolsados pela instituição cerca de R$ 21.120,00 reais e durante 5 anos seriam de 105.600,00 reais. As sugestões de novas práticas ambientais podem ser baseadas nas entradas e saídas realizadas pela instituição. Fouto (2002) apud, Salgado e Catarino sugere que o ponto de partida será a realização de um levantamento ambiental para, a partir da caracterização da situação ambiental e do registro sistemático das informações, integrar o componente ambiental às atividades institucionais. Os resíduos sólidos, líquidos e gasosos gerados pela IES são oriundos de sua existência, demonstrando a necessidade de implantar e melhorar ações ambientais existentes ou em estudo, o que evidencia que as faculdades e universidade podem ser comparadas com pequenas e médias empresas, em que estão envolvidas diversas atividades de ensino, pesquisa e extensão, bem como a existência de carros circulando, cantina, escritórios, laboratórios, banheiros, cozinha, área de convivência, edificações com uso de energia e água, enfim, demonstra claramente o uso dos recursos naturais e a necessidade de implantação de ações ambientais. Para Tauchen e Brandi (2006), são inúmeros os benefícios que se pode obter através da adoção da Gestão ambiental em uma IES, como por exemplo: economias devido ao uso racional de água, energia, material de expediente, conformidade com legislação ambiental brasileira, reduzindo riscos de sanções e penalidades por gerar passivos ambientais, melhoria da imagem institucional, elaboração de marketing verde, obtenção de ISO ambiental, obtenção de selo verde e melhoria da produtividade. Quanto a utilização do ar-condicionado pela IES é constante, gerando uma grande quantidade de água de resíduo devido ao seu funcionamento. Esta água pode ser canalizada para um reservatório ou diretamente para pontos estratégicos do jardim que será irrigado com o gotejamento de água gerado pelo uso do ar-condicionado. Observa - se que esta prática pode diminuir o consumo de água potável na irrigação dos jardins da faculdade. O conceito ambiental utilizado para sugerir esta prática é o de Valorização, que segundo (VALLE, 2012) Valorização procura diminuir os custos decorrentes da destinação dos resíduos, sob uma ótica econômica. Atividades complementares na ementa dos cursos com foco em projetos ambientais sustentáveis O incentivo parte da ementa da grade curricular de cada curso da IES onde o foco é incentivar o acadêmico a praticar de alguma prática sustentável em sua carreira acadêmica onde ele poderá influenciar a comunidade onde reside com estas boas práticas que utilizou na faculdade para poder se formar. Esta prática não é algo inovador pois já utilizada em outras instituições. O objetivo da ação é demonstrar ao acadêmico a preocupação que a instituição tem com meio ambiente e a gestão sustentável. Segundo Marco et al. (2010), promover a educação ambiental dentro das IES desperta a consciência e sensibilidade para as problemáticas envolvendo sociedade e meio ambiente, estimulando comportamentos que fomentam a mudança. Neste sentido faz-se necessário exercícios práticos, integrando ensino – aprendizado, como exemplo sugere-se programas de plantio de uma espécie de árvore em cada início de curso da instituição. Também se sugere um projeto de pesquisa e extensão nos cursos em que há as disciplinas de educação ambiental e gestão ambiental. Iluminação para jardim com uso de lâmpadas de LED a base de energia solar Atualmente o uso de lâmpadas de LED tem sido constante devido a sua durabilidade em relação à as lâmpadas mais comuns como as Halógenas que duram cerca de 1 a 3 anos, já as de LED podem durar até 10 anos e ainda iluminar uma área maior e com mais economia
  • 7. de energia. Este tipo de iluminação a base de energia solar é geralmente encontrado em lojas de artigos eletrônicos, possuem baixo preço e alta durabilidade, o objetivo da prática é substituir as lâmpadas tradicionais para a iluminação do jardim, estas lâmpadas utilizam energia solar para se recarregar, além de formas tamanhos e múltiplas cores. Esta ação pode impactar positivamente nos gastos com eletricidade. Ações de reciclagem Algumas ações devem fazer parte da gestão ambiental da instituição, um exemplo disto são os materiais considerados recicláveis, estes materiais podem ser direcionados à reciclagem das seguintes formas: ● Separar lixo produzido pela faculdade em: metal, papel, plástico e vidro; ● Destinar esses materiais separados para empresas coletoras locais ou de outros munícipes; ● Fios e cabos que contenha cobre ou alumínio podem ser destinados a empresas que permutam esses materiais por novos de sua marca; ● Resíduos orgânicos tais como, folhas, grama e resto de alimentos, podem ser utilizadas como adubo para as plantas que decoram a instituição pelo processo de compostagem. Estas práticas também podem ser realizadas junto à comunidade acadêmica e os moradores locais criando uma espécie de dia “D” de ações ambientais, mobilizando-os para a consciência socioambiental. CONCLUSÃO De acordo com o estudo conclui-se que a Instituição de Ensino Superior (IES) localizada na Região Norte do Mato Grosso realiza e adota práticas sustentáveis. De forma específica as intervenções já realizadas apresentaram resultados positivos tanto econômicos como ambientais, sendo aberta a implantação de novas tecnologias, sobretudo quando tem visão sustentável. Ainda foi verificado a necessidade de instalar na IES outros controles ambientais, para ter maiores informações sobre o impacto ambiental, repassando forma de conhecimento aos acadêmicos e com podem influenciar a sociedade onde atuam, trazendo uma visão ampliada e dinâmica das questões ambientais. MATERIAL SUPLEMENTAR Questões 1. A Instituição possui práticas de Gestão Ambiental? 2. Se a resposta anterior foi sim, quais das práticas de gestão ambiental abaixo são utilizadas na IES? a. Uso racional da água b. Uso racional do solo. c. Uso racional da energia d. Educação ambiental para funcionários. 3. As práticas de gestão ambiental aplicadas na (IES) trouxeram resultados positivos? 4. A IES acredita que as práticas de Gestão Ambiental auxiliam na sustentabilidade da instituição? 5. A (IES) gostaria de receber sugestões de novas práticas sustentáveis de gestão ambiental? REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BARBIERI, J. C. Gestão Ambiental Empresarial: Conceitos, modelos e instrumentos. 3° Edição Atual. E ampl. Editora Saraiva, São Paulo, SP, 2011. BUTZKE, I. C., PEREIRA, G. R., NOEBAUER, D. Sugestão de Indicadores para Avaliação do Desempenho das Atividades Educativas do Sistema de Gestão Ambiental – SGA da Universidade Regional de Blumenau – FURB. In: Congresso de Educação Ambiental na Área do Mar de Dentro, Revista Eletrônica
  • 8. do Mestrado em Educação Ambiental, FURB, Rio Grande, Rio Grande, RS, 2001. DE FREITAS, M., DA SILVA FREITAS, M. C. Sustentabilidade como paradigma (A): Cultura, ciência e cidadania. Editora Vozes Limitada, 2016. DIAS, R. do. Marketing Ambiental – Ética, Responsabilidade Social e Competitividade nos Negócios. São Paulo: Atlas, 2011. ENERGISA, simulador de consumo. Disponível em www.energisa.com.br. Acesso em maio de 2017. ENLAZADOR, T. Almanaque para práticas sustentáveis. Recife: Unimed, 2007. FOUTO, A. R. F. O papel das universidades rumo ao Desenvolvimento Sustentável: das relações internacionais às práticas ambientais. Disponível em www.campus.fct.unl.pt. Acesso em maio de 2017. DE MARCO, D. Sistema de Gestão Ambiental em Ensino Superior. ACET, Joaçaba, v. 1, n. 2, 2010. MB, Embalagens, Orçamento de copos descartáveis. Disponível em www.embalagens.com.br. Acesso em maio de 2017. MEC - Ministério Da Educação, Instituições de Ensino Superior. Disponível em www.mec.gov.br. Acesso abril de 2017. ONDINI, V. E. D., DOMINGUES, M. J. C. de S. Entendendo a Classificação das IES no brasil, 2005. PEREIRA, A. C. Sustentabilidade, Responsabilidade Social e Meio Ambiente. Editora Saraiva, São Paulo, SP, 2011. SEIFFERT, M. E. B. Gestão Ambiental: instrumentos, esferas de ação e educação ambiental. Editora Atlas, São Paulo, SP, 2007. TAUCHEN, J., BRANDLI, L. L. A gestão ambiental em instituições de ensino superior: modelo para implantação em campus universitário. Gestão & Produção, v. 13, n. 3, p. 503-515, 2006. VALÉRIO, A. A. Sustentabilidade: uma abordagem teórica sobre o tema. Revista Interatividade, v. 4, n. 1, p. 38-55, 2016.VALLE, Cyro Eyer do. Qualidade ambiental: ISO 14000. 12° Edição, Editora Senac, São Paulo, SP. 2012. _____________________________________ Os autores Nádia Ligianara D. Nyari, Leonardo dos Santos, Geverson Tobias Böhm, Sandra Ines Horn Bohm e Michelle Malaggi atuam junto a UniLaSalle Lucas de Lucas do Rio Verde - MT, Brasil. Contatos: Nádia Ligianara D. Nyari Dra em Engenharia de Alimentos, URI – Erechim, RS UniLaSalle Lucas de Lucas do Rio Verde, MT, Brasil. nadialigianara@hotmail.com 41