SlideShare uma empresa Scribd logo
FERRAMENTAS DE
PLANEJAMENTO E
CONTROLE DE
VERSÃO
Grupo 1:
Ademir Almeida
Alef Deus
Maryellen Martins
Rafael Assis
Universidade Federal de Sergipe
Prof.: Rogério Patrício Chagas do Nascimento
Centro de Ciências Exatas e Tecnologia
Roteiro
1. Ferramentas de Planejamento
A. Visão Geral
B. Principais Ferramentas
2. Sistemas de Controle de Versão
A. Visão Geral
B. Controle de Versão Centralizado x Distribuído
C. Resumo das Operações Básicas dos Controles de
Versão
D. Principais Ferramentas
3. Estudo de Caso
3
F
P
Visão Geral
● Gerenciamento de projetos:
○ Redução de custos;
○ Cumprimento de prazos;
○ Eficácia no resultado;
○ Mensuração de prazo.
● Necessidades dinâmicas.
5
Visão Geral
● Desenvolvimento de Software:
○ Volatilidade de requisitos;
○ Cumprir prazos;
○ Orçamentos previstos.
6
Gerência de Projetos + Desenvolvimento de Projeto de Software
● Visualizar o projeto como um todo
7
● Parâmetros:
○ Escopo do projeto;
○ Riscos;
○ Recursos necessários;
○ Tarefas;
○ Indicadores para acompanhamento;
○ Esforços e custos;
○ Linha de raciocínio a ser seguida.
Gerência de Projetos + Desenvolvimento de Projeto de Software
8
Ferramentas de gestão de projetos
● Métodos;
● Processos;
● Tempo real;
● Alcance.
Recursos Tecnológicos
○ Investimento;
○ Vantagem;
○ Sucesso.
9
P
F
MS Project
● Microsoft - 1985
● Características:
○ Planeamento do escopo do projeto;
○ Acompanhar o progresso das atividades;
○ Previsão de situações de riscos;
○ Nivelamento dos recursos de forma gráfica;
○ Geração de relatórios e gráficos;
○ Diversas formas de apresentação (Gantt, Marcos, Calendário, etc.);
○ Definição de níveis hierárquico por atividades.
11
MS Project
12
MS Project
13
OpenProj
● Projity - 2007;
● Código aberto;
● Recursos:
○ Custo do valor agregado;
○ Gráfico de Gantt;
○ Gráfico PERT;
○ Gráfico de Estrutura Analítica de recursos (EAR);
○ Relatórios de uso da tarefa;
○ Gráfico de Estrutura Analítica de Projeto (EAP).
14
OpenProj
15
ProjectLibre
● 2012
● Novos recursos:
○ Importa e exporta arquivos do/para o Microsoft Project 2010;
○ Exportação para PDF;
○ Nova interface de botões;
○ Correções de erros e problemas OpenProj.
16
ProjectLibre
17
ProjectLibre Enterprise Cloud
18
Comparativo
MS Project ProjectLibre
Multiplataforma x
Multiusuarios x
Notificações x
Acompanhament
o em macro
x x
Dependências de
tarefas
x x
Gráficos de Gantt x x
Suporte Scrum
Suporte Kanban
19
Comparativo
MS Project ProjectLibre
Gerenciamento
de portfólio de
projetos
x
Gerenciamento
de riscos
x
Gerenciamento
de valor
agregado
x x
Rastreamento de
custos
x x
Rastreamento de
tempo
x x
20
F
M Á
JIRA
Ferramentas para Métodos Ágeis
22
Slack
Ferramentas para Métodos Ágeis
23
Xplanner
Ferramentas para Métodos Ágeis
24
TRELLO
25
Ferramentas para Métodos Ágeis
KanbanFlow
26
Ferramentas para Métodos Ágeis
S
C V
Introdução
● VCS ou SCM;
● Utilização comum;
● Soluções comerciais vs. soluções livres;
● A eficácia do VCS inerente ao CMMI e SPICE;
● Trabalho em equipe;
● Integração com outros softwares.
28
Introdução
Gerações dos SCVs
Derivados de sistemas de gerenciamento de mudanças de registro;
1ª Geração
● Orientados a arquivos e centralizados;
● Baseada em bloqueio e fusões (merging);
● SCCS (Source Code Control System), 1972;
● RCS (Revision Control System), início dos anos 80;
● DSEE (Domain Software Engineering Environment), 1984.
29
Introdução
Gerações dos SCVs
2ª Geração
● Uso de redes centralizadas;
● Uso de multi-arquivos e merge (fusão) antes do commit (envio);
● Dick Grune escreve scripts que envolvem o RCS (1984-85);
● Brian Berliner, Sistema de Versões Concorrentes (RCS) (1986-87);
● Subversion (SVN) vs CVS, 2000.
● Camada SVK.
30
Introdução
Gerações dos SCVs
3ª Geração
● Descentralizados;
● Commit antes do merge;
● Changesets;
● Maior parte open source;
● Arch (BitKeeper), 2002;
● ArX, 2003;
● Monotone, 2003;
● BitKeeper 1997-98.
● Git, 2005
● Baseado em conceito de instantâneo;
● Descentralizado.
31
Visão Geral
As principais vantagens de se utilizar um sistema de
controle de versão para rastrear as alterações feitas
durante o desenvolvimento de um documento são:
● Controle do histórico;
● Trabalho em equipe;
● Marcação e resgate de versões estáveis;
● Ramificação de projeto.
32
Introdução
Controle de Versão Centralizado
● Topologia em
estrela;
● Único repositório
central;
● Várias cópias de
trabalho, uma
para cada
desenvolvedor;
● Comunicação
apenas através do
repositório
central.
33
Introdução
Controle de Versão Distribuído
● Vários repositórios
autônomos e
independentes;
● Cada repositório
possui uma área
de trabalho
acoplada;
● Comunicação
através de
commit e update.
34
Introdução
Controle de Versão Distribuído
Um repositório pode
se comunicar com
qualquer outro
através das
operações básicas
pull (Puxar) e push
(Empurrar). Não há
necessidade de
nenhuma topologia
pré-definida.
35
Introdução
Distribuído vs centralizado
Tipo Vantagens Desvantagens
Centralizado
● Controle de acesso
● Cópia de segurança
● Controle de Qualidade
● Dependência do
repositório central
● Ponto único de
falha
Distribuído
● Permite submissões
particulares, offline
● Melhor suporte a
ramificação e mescla
● Independência da
rede(mais rápido)
● Estimula o
isolamento de
desenvolvedores
● Questões de
privacidade e
segurança
36
Introdução
Resumo das Operações Básicas dos Controles de Versão
Centralizado Distribuído Descrição
checkout clone Criação da cópia de trabalho/repositório
commit commit
Envia alterações para o repositório
criando uma revisão
update update
Atualiza a cópia/área de trabalho em
uma revisão
pull
Importa revisões feita em outro
repositório
push
Envia revisões locais para outro
repositório
37
P
F
Ferramentas Apresentadas
● Microsoft Team Foundation Server
Reviews;
● Git;
● Perforce;
● Subversion;
● Mercurial;
● Rational ClearCase.
39
Team Foundation Server
● Também conhecido por TFS:
○ Gerenciamento de projetos, requisitos, etc.
○ Integração com Eclipse e o próprio Visual
Studio.
● On-premises vs. online;
● Extensão: Java SDK e .NET Framework;
● Controle de Versão;
● Gerenciamento de Liberação.
40
Git
● Global information tracker
● Características:
○ Forte apoio ao desenvolvimento não-linear
○ Desenvolvimento distribuído
○ Compatibilidade com sistemas e protocolos
existentes
○ Manipulação eficiente de grandes projetos
● Adoção;
● Segurança.
41
Perforce
● Características:
○ Histórico completo de revisões
○ Interface Gráfica
○ Multi-plataforma
○ Suportes
● Modelo de concorrência;
● Branching e merging;
● Controle de acesso e segurança
● Disponibilidade.
42
Subversion
● Conhecido por SVN;
● Características:
○ Commits como verdadeiras operações
atômicas
○ Merge tracking
○ Tipos de repositório
● Sistema de arquivos;
● Ramificação e marcação;
● Limitações e problemas.
43
Mercurial
● História;
● Características:
○ História segura com Mercurial
○ Suporte para GUI
○ Suporte ao Windows, Linux e MAC OS
○ Fácil de Estender
● Design;
● Adoção.
44
Rational Clear Case
● História;
● Sistema de arquivos Multi-Versão:
○ Snapshot views
● Suporte;
● Integração com outras ferramentas.
45
Comparativo
Software/
Característica
Mantenedor Modelo de
Repositório
Licença SO Suportado
TFS Microsoft Cliente
Servidor e
distribuído
Proprietária Windows,
cross-platform via
Visual Studio Team
Services
GIT Junio Hamano Distribuído BSD LINUX, OS X,
Windows
Perforce Perforce
Software Inc
Cliente
Servidor
Proprietária LINUX, OS X,
Windows
SVN Apache Software
Foundation
Cliente
Servidor
Apache LINUX, OS X,
Windows
ClearCase IBM Cliente
Servidor
Proprietária Linux, Windows
Mercurial Matt Mackall Distribuído GNU GPL LINUX, OS X,
Windows
46
Comparativo
Software/
Característica
Linguagem
de
Programação
Integração e/ou Plugins para
IDEs
TFS C++ e C#
Visual Studio. Java client for Eclipse IDE and IntelliJ IDEA
(standard in Ultimate Edition)
GIT
C, shell scripts,
Perl
Eclipse (JGit/EGit); Netbeans (NbGit); KDevelop; Visual
Studio (Git Extensions); Emacs (extension for standard
VC); SAP Web IDE; TextMate (Git TextMate Bundle);
Perforce
C++, C,
LabVIEW
Eclipse, Visual Studio (P4SCC), KDevelop (standard?),
IntelliJ IDEA (standard in Ultimate Edition), Komodo IDE,
BBEdit, Emacs (p4.el)
SVN C
Eclipse (Subclipse, Subversive), IntelliJ IDEA (standard in
Community and Ultimate Editions), KDevelop (standard),
Netbeans, Visual Studio
ClearCase Java
Emacs, Eclipse ( IBM Proprietary, Eclipse-CCase ), Visual
Studio (IBM proprietary), KDevelop (standard?), IntelliJ
IDEA (standard in Ultimate Edition)
Mecurial Python, C
IntelliJ IDEA (hg4idea 3:rd party plugin), Eclipse,
NetBeans, Visual Studio 2008, Emacs, Vim, Komodo IDE,
Eric Python IDE, WingIDE 47
E C :
NTI - UFS
Estudo de Caso
49
Histórico e Motivação - Redmine
● Implantado em 2009 sob influência do professor
Marcos Barbosa Dósea;
● Caractéristicas:
○ Open-source;
○ Fácil integração com outras ferramentas;
○ Controle de atividades;
○ Diagrama de Gantt e calendário;
○ Documents: Deve ser ativado quando o projeto
possuir um repositório de documentos;
○ Repository: Permite associar o projeto a um
repositório de versionamento.
50
Redmine - Tela inicial
●
51
Histórico e Motivação - SVN
● Pré-requisito para uso dos SIGs;
● Instalado em 2009;
● Integração com o Redmine (plugin);
● Jekins:
○ Alteração no repositório;
○ Testes automatizados;
○ Atribuir status resolvido aos tickets.
52
Workflow
53
Commit e relacionamento
●
54
55
Referências
● Comparison of Version Control Software. Wikipédia. Disponível em:
<https://en.wikipedia.org/wiki/Comparison_of_version_control_software>.
Acesso em 12 de Fevereiro de 2017.
● List of Version Control Software. Wikipédia. Disponível em:
<https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_version_control_software>. Acesso
em 12 de Fevereiro de 2017.
● Team Foundation Server. Wikipédia. Disponível em:
<https://en.wikipedia.org/wiki/Team_Foundation_Server>. Acesso em 12 de
Fevereiro de 2017.
● Understanding Version-Control Systems (DRAFT). Disponível em:
<http://www.catb.org/~esr/writings/version-control/version-control.html#hi
story>. Acesso em 13 de Fevereiro de 2017.
● Um Histórico de Controle de Versão. Disponível em:
<http://ericsink.com/vcbe/html/history_of_version_control.html>. Acesso
em 13 de Fevereiro de 2017.
56
Referências
● Conceitos Básicos de Controle de Versão de Software — Centralizado e
Distribuído. Disponível em:
<https://blog.pronus.io/posts/conceitos-basicos-de-controle-de-versao-de-s
oftware-centralizado-e-distribuido/>. Acesso em 13 de Fevereiro de 2017.
● MS Project. Disponível em:
<https://products.office.com/pt-br/project/project-management>. Acesso
em 13 de Fevereiro de 2017.
● MS Project vs OpenProj.Disponível em:
<http://www.tiespecialistas.com.br/2011/04/guia-do-openproj-x-microsoft-p
roject-foco-em-gestao-de-projetos/>. Acesso em 17 de Fevereiro de 2017.
● ProjectLibre. Disponível em:
<http://www.projectlibre.com/product/projectlibre-cloud>. Acesso em 12 de
Fevereiro de 2017.
● MSProject vs ProjectLibreDisponível em:
<http://project-management.zone/system/microsoft-project,projectlibre>.
Acesso em 12 de Fevereiro de 2017.
57
Dúvidas?
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

PROPOSTA DE ADAPTAÇÃO DAS PRÁTICAS DO SCRUM PARA O MPS.BR NIVEL G
PROPOSTA DE ADAPTAÇÃO DAS PRÁTICAS DO SCRUM PARA O MPS.BR NIVEL GPROPOSTA DE ADAPTAÇÃO DAS PRÁTICAS DO SCRUM PARA O MPS.BR NIVEL G
PROPOSTA DE ADAPTAÇÃO DAS PRÁTICAS DO SCRUM PARA O MPS.BR NIVEL G
jrnavarro
 
Tees Final
Tees FinalTees Final
Tees Final
Marcus Oliveira
 
Apresentação estrela vs cmmi nivel 2
Apresentação estrela vs cmmi nivel 2Apresentação estrela vs cmmi nivel 2
Apresentação estrela vs cmmi nivel 2
Fernando Vargas
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 3.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 3.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 3.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 3.pptx
Roberto Nunes
 
Modelos de Processo e Desenvolvimento de Software 3 - Prof.ª Cristiane Fidelix
Modelos de Processo e Desenvolvimento de Software 3 - Prof.ª Cristiane FidelixModelos de Processo e Desenvolvimento de Software 3 - Prof.ª Cristiane Fidelix
Modelos de Processo e Desenvolvimento de Software 3 - Prof.ª Cristiane Fidelix
Cris Fidelix
 
Projeto de Software
Projeto de SoftwareProjeto de Software
Projeto de Software
Wagner Zaparoli
 
Aula Modelos de Processos Tradicionais para Desenvolvimento de Software
Aula Modelos de Processos Tradicionais para Desenvolvimento de Software Aula Modelos de Processos Tradicionais para Desenvolvimento de Software
Aula Modelos de Processos Tradicionais para Desenvolvimento de Software
Cloves da Rocha
 
Ciclo de Vida
Ciclo de VidaCiclo de Vida
Ciclo de Vida
Wagner Zaparoli
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 5.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 5.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 5.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 5.pptx
Roberto Nunes
 
Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software
Ferramenta de apoio a gerência de configuração de softwareFerramenta de apoio a gerência de configuração de software
Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software
elliando dias
 
Crystal Clear
Crystal ClearCrystal Clear
Crystal Clear
Elaine Cecília Gatto
 
Processos de software
Processos de softwareProcessos de software
Processos de software
Computação Depressão
 
Outras Metodologias Ágeis Parte 3
Outras Metodologias Ágeis Parte 3Outras Metodologias Ágeis Parte 3
Outras Metodologias Ágeis Parte 3
Elaine Cecília Gatto
 
Introdução à Qualidade e Testes Ágeis de Software
Introdução à Qualidade e Testes Ágeis de SoftwareIntrodução à Qualidade e Testes Ágeis de Software
Introdução à Qualidade e Testes Ágeis de Software
Claudia Melo
 
Gerência de configuração ágil
Gerência de configuração ágilGerência de configuração ágil
Gerência de configuração ágil
Claudia Melo
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 1.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 1.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 1.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 1.pptx
Roberto Nunes
 
DSDM
DSDMDSDM
Microsoft solutions framework
Microsoft solutions frameworkMicrosoft solutions framework
Microsoft solutions framework
Albert José
 
Estudo RTCA DO-330 Software Tool Qualification
Estudo RTCA DO-330 Software Tool QualificationEstudo RTCA DO-330 Software Tool Qualification
Estudo RTCA DO-330 Software Tool Qualification
Airton Lastori
 
DESENVOLVIMENTO E GERENCIAMENTO ÁGIL DE PROJETOS DE SOFTWARE
DESENVOLVIMENTO E GERENCIAMENTO ÁGIL DE PROJETOS DE SOFTWAREDESENVOLVIMENTO E GERENCIAMENTO ÁGIL DE PROJETOS DE SOFTWARE
DESENVOLVIMENTO E GERENCIAMENTO ÁGIL DE PROJETOS DE SOFTWARE
Cloves da Rocha
 

Mais procurados (20)

PROPOSTA DE ADAPTAÇÃO DAS PRÁTICAS DO SCRUM PARA O MPS.BR NIVEL G
PROPOSTA DE ADAPTAÇÃO DAS PRÁTICAS DO SCRUM PARA O MPS.BR NIVEL GPROPOSTA DE ADAPTAÇÃO DAS PRÁTICAS DO SCRUM PARA O MPS.BR NIVEL G
PROPOSTA DE ADAPTAÇÃO DAS PRÁTICAS DO SCRUM PARA O MPS.BR NIVEL G
 
Tees Final
Tees FinalTees Final
Tees Final
 
Apresentação estrela vs cmmi nivel 2
Apresentação estrela vs cmmi nivel 2Apresentação estrela vs cmmi nivel 2
Apresentação estrela vs cmmi nivel 2
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 3.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 3.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 3.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 3.pptx
 
Modelos de Processo e Desenvolvimento de Software 3 - Prof.ª Cristiane Fidelix
Modelos de Processo e Desenvolvimento de Software 3 - Prof.ª Cristiane FidelixModelos de Processo e Desenvolvimento de Software 3 - Prof.ª Cristiane Fidelix
Modelos de Processo e Desenvolvimento de Software 3 - Prof.ª Cristiane Fidelix
 
Projeto de Software
Projeto de SoftwareProjeto de Software
Projeto de Software
 
Aula Modelos de Processos Tradicionais para Desenvolvimento de Software
Aula Modelos de Processos Tradicionais para Desenvolvimento de Software Aula Modelos de Processos Tradicionais para Desenvolvimento de Software
Aula Modelos de Processos Tradicionais para Desenvolvimento de Software
 
Ciclo de Vida
Ciclo de VidaCiclo de Vida
Ciclo de Vida
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 5.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 5.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 5.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 5.pptx
 
Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software
Ferramenta de apoio a gerência de configuração de softwareFerramenta de apoio a gerência de configuração de software
Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software
 
Crystal Clear
Crystal ClearCrystal Clear
Crystal Clear
 
Processos de software
Processos de softwareProcessos de software
Processos de software
 
Outras Metodologias Ágeis Parte 3
Outras Metodologias Ágeis Parte 3Outras Metodologias Ágeis Parte 3
Outras Metodologias Ágeis Parte 3
 
Introdução à Qualidade e Testes Ágeis de Software
Introdução à Qualidade e Testes Ágeis de SoftwareIntrodução à Qualidade e Testes Ágeis de Software
Introdução à Qualidade e Testes Ágeis de Software
 
Gerência de configuração ágil
Gerência de configuração ágilGerência de configuração ágil
Gerência de configuração ágil
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 1.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 1.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 1.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 1.pptx
 
DSDM
DSDMDSDM
DSDM
 
Microsoft solutions framework
Microsoft solutions frameworkMicrosoft solutions framework
Microsoft solutions framework
 
Estudo RTCA DO-330 Software Tool Qualification
Estudo RTCA DO-330 Software Tool QualificationEstudo RTCA DO-330 Software Tool Qualification
Estudo RTCA DO-330 Software Tool Qualification
 
DESENVOLVIMENTO E GERENCIAMENTO ÁGIL DE PROJETOS DE SOFTWARE
DESENVOLVIMENTO E GERENCIAMENTO ÁGIL DE PROJETOS DE SOFTWAREDESENVOLVIMENTO E GERENCIAMENTO ÁGIL DE PROJETOS DE SOFTWARE
DESENVOLVIMENTO E GERENCIAMENTO ÁGIL DE PROJETOS DE SOFTWARE
 

Destaque

SIG
SIGSIG
Vakantiebeurs 2017 Statistics - Africa Interested Visitors
Vakantiebeurs 2017 Statistics - Africa Interested VisitorsVakantiebeurs 2017 Statistics - Africa Interested Visitors
Vakantiebeurs 2017 Statistics - Africa Interested Visitors
Sami Chouchane
 
Trabajo econima sobre oferta y demanda
Trabajo econima sobre oferta y demandaTrabajo econima sobre oferta y demanda
Trabajo econima sobre oferta y demanda
Abi Reyes
 
Prajwalana min
Prajwalana minPrajwalana min
Prajwalana min
Ksj Writers
 
Magazine des programme immobiliers neufs à Nantes
Magazine des programme immobiliers neufs à NantesMagazine des programme immobiliers neufs à Nantes
Magazine des programme immobiliers neufs à Nantes
Fanny Rousselon
 
Descripción del puesto final ingeniero alimentos
Descripción del puesto final ingeniero alimentosDescripción del puesto final ingeniero alimentos
Descripción del puesto final ingeniero alimentos
TATIANA VILLALOBOS
 
Flask First-Timer
Flask First-TimerFlask First-Timer
Flask First-Timer
Aijaz Ansari
 
Los conectores logicos
Los conectores logicosLos conectores logicos
Los conectores logicos
Alejandra Vega
 
Small Cell State of the Nation 2017
Small Cell State of the Nation 2017Small Cell State of the Nation 2017
Small Cell State of the Nation 2017
David Chambers
 
PLANO DE PROJETO DE SOFTWARE para produtos da Lacertae SW
PLANO DE PROJETO DE SOFTWARE para produtos da Lacertae SWPLANO DE PROJETO DE SOFTWARE para produtos da Lacertae SW
PLANO DE PROJETO DE SOFTWARE para produtos da Lacertae SW
Instituto Federal de Sergipe
 
Plano de Projeto de Software para CFCSYSTEM
Plano de Projeto de Software para CFCSYSTEMPlano de Projeto de Software para CFCSYSTEM
Plano de Projeto de Software para CFCSYSTEM
Instituto Federal de Sergipe
 
Plano deprojeto grupo1
Plano deprojeto grupo1Plano deprojeto grupo1
Plano deprojeto grupo1
Jéssica Silveira
 
Plano de Projeto
Plano de ProjetoPlano de Projeto
Plano de Projeto
Anne Caroline
 
Plano de Projeto de Software
Plano de Projeto de SoftwarePlano de Projeto de Software
Plano de Projeto de Software
Matheus Mendonça
 
Gestão de Projectos de SW OO Métricas Estimações e Planificações
Gestão de Projectos de SW OO Métricas Estimações e PlanificaçõesGestão de Projectos de SW OO Métricas Estimações e Planificações
Gestão de Projectos de SW OO Métricas Estimações e Planificações
Rogerio P C do Nascimento
 
PLANO DE PROJETO DE SOFTWARE para produtos da Lacertae SW
PLANO DE PROJETO DE SOFTWARE  para produtos da Lacertae SWPLANO DE PROJETO DE SOFTWARE  para produtos da Lacertae SW
PLANO DE PROJETO DE SOFTWARE para produtos da Lacertae SW
Matheus Costa
 
Métricas para o Processo e o Projecto de Software
Métricas para o Processo e o Projecto de SoftwareMétricas para o Processo e o Projecto de Software
Métricas para o Processo e o Projecto de Software
Rogerio P C do Nascimento
 
Planeamento Temporal E Monitorização do Projecto de SW
Planeamento Temporal E Monitorização do Projecto de SW Planeamento Temporal E Monitorização do Projecto de SW
Planeamento Temporal E Monitorização do Projecto de SW
Rogerio P C do Nascimento
 
Gestão de Configuração de Software
Gestão de Configuração de Software Gestão de Configuração de Software
Gestão de Configuração de Software
Rogerio P C do Nascimento
 
Ferramentas CASE
Ferramentas  CASEFerramentas  CASE
Ferramentas CASE
Rogerio P C do Nascimento
 

Destaque (20)

SIG
SIGSIG
SIG
 
Vakantiebeurs 2017 Statistics - Africa Interested Visitors
Vakantiebeurs 2017 Statistics - Africa Interested VisitorsVakantiebeurs 2017 Statistics - Africa Interested Visitors
Vakantiebeurs 2017 Statistics - Africa Interested Visitors
 
Trabajo econima sobre oferta y demanda
Trabajo econima sobre oferta y demandaTrabajo econima sobre oferta y demanda
Trabajo econima sobre oferta y demanda
 
Prajwalana min
Prajwalana minPrajwalana min
Prajwalana min
 
Magazine des programme immobiliers neufs à Nantes
Magazine des programme immobiliers neufs à NantesMagazine des programme immobiliers neufs à Nantes
Magazine des programme immobiliers neufs à Nantes
 
Descripción del puesto final ingeniero alimentos
Descripción del puesto final ingeniero alimentosDescripción del puesto final ingeniero alimentos
Descripción del puesto final ingeniero alimentos
 
Flask First-Timer
Flask First-TimerFlask First-Timer
Flask First-Timer
 
Los conectores logicos
Los conectores logicosLos conectores logicos
Los conectores logicos
 
Small Cell State of the Nation 2017
Small Cell State of the Nation 2017Small Cell State of the Nation 2017
Small Cell State of the Nation 2017
 
PLANO DE PROJETO DE SOFTWARE para produtos da Lacertae SW
PLANO DE PROJETO DE SOFTWARE para produtos da Lacertae SWPLANO DE PROJETO DE SOFTWARE para produtos da Lacertae SW
PLANO DE PROJETO DE SOFTWARE para produtos da Lacertae SW
 
Plano de Projeto de Software para CFCSYSTEM
Plano de Projeto de Software para CFCSYSTEMPlano de Projeto de Software para CFCSYSTEM
Plano de Projeto de Software para CFCSYSTEM
 
Plano deprojeto grupo1
Plano deprojeto grupo1Plano deprojeto grupo1
Plano deprojeto grupo1
 
Plano de Projeto
Plano de ProjetoPlano de Projeto
Plano de Projeto
 
Plano de Projeto de Software
Plano de Projeto de SoftwarePlano de Projeto de Software
Plano de Projeto de Software
 
Gestão de Projectos de SW OO Métricas Estimações e Planificações
Gestão de Projectos de SW OO Métricas Estimações e PlanificaçõesGestão de Projectos de SW OO Métricas Estimações e Planificações
Gestão de Projectos de SW OO Métricas Estimações e Planificações
 
PLANO DE PROJETO DE SOFTWARE para produtos da Lacertae SW
PLANO DE PROJETO DE SOFTWARE  para produtos da Lacertae SWPLANO DE PROJETO DE SOFTWARE  para produtos da Lacertae SW
PLANO DE PROJETO DE SOFTWARE para produtos da Lacertae SW
 
Métricas para o Processo e o Projecto de Software
Métricas para o Processo e o Projecto de SoftwareMétricas para o Processo e o Projecto de Software
Métricas para o Processo e o Projecto de Software
 
Planeamento Temporal E Monitorização do Projecto de SW
Planeamento Temporal E Monitorização do Projecto de SW Planeamento Temporal E Monitorização do Projecto de SW
Planeamento Temporal E Monitorização do Projecto de SW
 
Gestão de Configuração de Software
Gestão de Configuração de Software Gestão de Configuração de Software
Gestão de Configuração de Software
 
Ferramentas CASE
Ferramentas  CASEFerramentas  CASE
Ferramentas CASE
 

Semelhante a Apresentação Gerpro

Apresentacao dev ops
Apresentacao dev opsApresentacao dev ops
Apresentacao dev ops
Carlos Wagner Costa
 
Como aplicar práticas DevOps em um sistema monólito
Como aplicar práticas DevOps em um sistema monólito Como aplicar práticas DevOps em um sistema monólito
Como aplicar práticas DevOps em um sistema monólito
Anderson Silveira
 
Curso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como Código
Curso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como CódigoCurso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como Código
Curso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como Código
GuilhermeJorgeAragod
 
TDD e BDD - Developers-SP - Abril/2017
TDD e BDD - Developers-SP - Abril/2017TDD e BDD - Developers-SP - Abril/2017
TDD e BDD - Developers-SP - Abril/2017
Renato Groff
 
Apresentação RUP
Apresentação RUPApresentação RUP
Apresentação RUP
Fernando Nogueira
 
BDD (Behavior-Driven Development) - GDG-SP - Julho/2016
BDD (Behavior-Driven Development) - GDG-SP - Julho/2016BDD (Behavior-Driven Development) - GDG-SP - Julho/2016
BDD (Behavior-Driven Development) - GDG-SP - Julho/2016
Renato Groff
 
Testes automatizados.pptx
Testes automatizados.pptxTestes automatizados.pptx
Testes automatizados.pptx
Carlos Gonzaga
 
ALM Open Source Ponta a Ponta - Minicurso Globalcode MC-122
ALM Open Source Ponta a Ponta - Minicurso Globalcode MC-122ALM Open Source Ponta a Ponta - Minicurso Globalcode MC-122
ALM Open Source Ponta a Ponta - Minicurso Globalcode MC-122
Bruno Souza
 
Indo além dos testes de classes com BDD (Behavior-Driven Development) - Inter...
Indo além dos testes de classes com BDD (Behavior-Driven Development) - Inter...Indo além dos testes de classes com BDD (Behavior-Driven Development) - Inter...
Indo além dos testes de classes com BDD (Behavior-Driven Development) - Inter...
Renato Groff
 
Behavior-Driven Development (BDD) - QA Ninja Conf 2016
Behavior-Driven Development (BDD) - QA Ninja Conf 2016Behavior-Driven Development (BDD) - QA Ninja Conf 2016
Behavior-Driven Development (BDD) - QA Ninja Conf 2016
Renato Groff
 
Open4Education | MC122 - Introdução a ALM OpenSource
Open4Education | MC122 - Introdução a ALM OpenSourceOpen4Education | MC122 - Introdução a ALM OpenSource
Open4Education | MC122 - Introdução a ALM OpenSource
tdc-globalcode
 
FDD
FDDFDD
TDCPOA2018 - Trilha Delphi - Desconstruindo Monolitos Delphi
TDCPOA2018 - Trilha Delphi - Desconstruindo Monolitos DelphiTDCPOA2018 - Trilha Delphi - Desconstruindo Monolitos Delphi
TDCPOA2018 - Trilha Delphi - Desconstruindo Monolitos Delphi
Mayara Fernandes
 
Desconstruindo monolitos - Construindo microservicos em Delphi
Desconstruindo monolitos - Construindo microservicos em DelphiDesconstruindo monolitos - Construindo microservicos em Delphi
Desconstruindo monolitos - Construindo microservicos em Delphi
Felipe Caputo
 
CPqD Developer Suite - SPIN Campinas - Reunião #56
CPqD Developer Suite - SPIN Campinas - Reunião #56CPqD Developer Suite - SPIN Campinas - Reunião #56
CPqD Developer Suite - SPIN Campinas - Reunião #56
CPqD
 
Arquitetura de Software
Arquitetura de SoftwareArquitetura de Software
Arquitetura de Software
eros.viggiano
 
Behavior-Driven Development (BDD) - DevOps Summit 2016
Behavior-Driven Development (BDD) - DevOps Summit 2016Behavior-Driven Development (BDD) - DevOps Summit 2016
Behavior-Driven Development (BDD) - DevOps Summit 2016
Renato Groff
 
Engenharia software rup
Engenharia software   rupEngenharia software   rup
Engenharia software rup
Felipe
 
Engenharia Software Rup
Engenharia Software   RupEngenharia Software   Rup
Engenharia Software Rup
Felipe
 
Macro Arquitetura de Software
Macro Arquitetura de SoftwareMacro Arquitetura de Software
Macro Arquitetura de Software
Edjalma Queiroz da Silva
 

Semelhante a Apresentação Gerpro (20)

Apresentacao dev ops
Apresentacao dev opsApresentacao dev ops
Apresentacao dev ops
 
Como aplicar práticas DevOps em um sistema monólito
Como aplicar práticas DevOps em um sistema monólito Como aplicar práticas DevOps em um sistema monólito
Como aplicar práticas DevOps em um sistema monólito
 
Curso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como Código
Curso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como CódigoCurso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como Código
Curso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como Código
 
TDD e BDD - Developers-SP - Abril/2017
TDD e BDD - Developers-SP - Abril/2017TDD e BDD - Developers-SP - Abril/2017
TDD e BDD - Developers-SP - Abril/2017
 
Apresentação RUP
Apresentação RUPApresentação RUP
Apresentação RUP
 
BDD (Behavior-Driven Development) - GDG-SP - Julho/2016
BDD (Behavior-Driven Development) - GDG-SP - Julho/2016BDD (Behavior-Driven Development) - GDG-SP - Julho/2016
BDD (Behavior-Driven Development) - GDG-SP - Julho/2016
 
Testes automatizados.pptx
Testes automatizados.pptxTestes automatizados.pptx
Testes automatizados.pptx
 
ALM Open Source Ponta a Ponta - Minicurso Globalcode MC-122
ALM Open Source Ponta a Ponta - Minicurso Globalcode MC-122ALM Open Source Ponta a Ponta - Minicurso Globalcode MC-122
ALM Open Source Ponta a Ponta - Minicurso Globalcode MC-122
 
Indo além dos testes de classes com BDD (Behavior-Driven Development) - Inter...
Indo além dos testes de classes com BDD (Behavior-Driven Development) - Inter...Indo além dos testes de classes com BDD (Behavior-Driven Development) - Inter...
Indo além dos testes de classes com BDD (Behavior-Driven Development) - Inter...
 
Behavior-Driven Development (BDD) - QA Ninja Conf 2016
Behavior-Driven Development (BDD) - QA Ninja Conf 2016Behavior-Driven Development (BDD) - QA Ninja Conf 2016
Behavior-Driven Development (BDD) - QA Ninja Conf 2016
 
Open4Education | MC122 - Introdução a ALM OpenSource
Open4Education | MC122 - Introdução a ALM OpenSourceOpen4Education | MC122 - Introdução a ALM OpenSource
Open4Education | MC122 - Introdução a ALM OpenSource
 
FDD
FDDFDD
FDD
 
TDCPOA2018 - Trilha Delphi - Desconstruindo Monolitos Delphi
TDCPOA2018 - Trilha Delphi - Desconstruindo Monolitos DelphiTDCPOA2018 - Trilha Delphi - Desconstruindo Monolitos Delphi
TDCPOA2018 - Trilha Delphi - Desconstruindo Monolitos Delphi
 
Desconstruindo monolitos - Construindo microservicos em Delphi
Desconstruindo monolitos - Construindo microservicos em DelphiDesconstruindo monolitos - Construindo microservicos em Delphi
Desconstruindo monolitos - Construindo microservicos em Delphi
 
CPqD Developer Suite - SPIN Campinas - Reunião #56
CPqD Developer Suite - SPIN Campinas - Reunião #56CPqD Developer Suite - SPIN Campinas - Reunião #56
CPqD Developer Suite - SPIN Campinas - Reunião #56
 
Arquitetura de Software
Arquitetura de SoftwareArquitetura de Software
Arquitetura de Software
 
Behavior-Driven Development (BDD) - DevOps Summit 2016
Behavior-Driven Development (BDD) - DevOps Summit 2016Behavior-Driven Development (BDD) - DevOps Summit 2016
Behavior-Driven Development (BDD) - DevOps Summit 2016
 
Engenharia software rup
Engenharia software   rupEngenharia software   rup
Engenharia software rup
 
Engenharia Software Rup
Engenharia Software   RupEngenharia Software   Rup
Engenharia Software Rup
 
Macro Arquitetura de Software
Macro Arquitetura de SoftwareMacro Arquitetura de Software
Macro Arquitetura de Software
 

Mais de rafahreis

Plano de Projeto de Software para produtos da Lacertae SW
Plano de Projeto de Software para produtos da Lacertae SWPlano de Projeto de Software para produtos da Lacertae SW
Plano de Projeto de Software para produtos da Lacertae SW
rafahreis
 
RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE USABILIDADE OBJETO DA AVALIAÇÃO: Bb
RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE USABILIDADE OBJETO DA AVALIAÇÃO: BbRELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE USABILIDADE OBJETO DA AVALIAÇÃO: Bb
RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE USABILIDADE OBJETO DA AVALIAÇÃO: Bb
rafahreis
 
Artefato final
Artefato finalArtefato final
Artefato final
rafahreis
 
Artefato final 2014 02-17 08h34min
Artefato final 2014 02-17  08h34minArtefato final 2014 02-17  08h34min
Artefato final 2014 02-17 08h34min
rafahreis
 
Pre apresentação da PETIC
Pre apresentação da PETICPre apresentação da PETIC
Pre apresentação da PETIC
rafahreis
 
Pre apresentação petic do grupo
Pre apresentação petic do grupoPre apresentação petic do grupo
Pre apresentação petic do grupo
rafahreis
 

Mais de rafahreis (6)

Plano de Projeto de Software para produtos da Lacertae SW
Plano de Projeto de Software para produtos da Lacertae SWPlano de Projeto de Software para produtos da Lacertae SW
Plano de Projeto de Software para produtos da Lacertae SW
 
RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE USABILIDADE OBJETO DA AVALIAÇÃO: Bb
RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE USABILIDADE OBJETO DA AVALIAÇÃO: BbRELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE USABILIDADE OBJETO DA AVALIAÇÃO: Bb
RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE USABILIDADE OBJETO DA AVALIAÇÃO: Bb
 
Artefato final
Artefato finalArtefato final
Artefato final
 
Artefato final 2014 02-17 08h34min
Artefato final 2014 02-17  08h34minArtefato final 2014 02-17  08h34min
Artefato final 2014 02-17 08h34min
 
Pre apresentação da PETIC
Pre apresentação da PETICPre apresentação da PETIC
Pre apresentação da PETIC
 
Pre apresentação petic do grupo
Pre apresentação petic do grupoPre apresentação petic do grupo
Pre apresentação petic do grupo
 

Último

TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Gabriel de Mattos Faustino
 
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Jonathas Muniz
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Danilo Pinotti
 

Último (7)

TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
 
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
 

Apresentação Gerpro

  • 2. Grupo 1: Ademir Almeida Alef Deus Maryellen Martins Rafael Assis Universidade Federal de Sergipe Prof.: Rogério Patrício Chagas do Nascimento Centro de Ciências Exatas e Tecnologia
  • 3. Roteiro 1. Ferramentas de Planejamento A. Visão Geral B. Principais Ferramentas 2. Sistemas de Controle de Versão A. Visão Geral B. Controle de Versão Centralizado x Distribuído C. Resumo das Operações Básicas dos Controles de Versão D. Principais Ferramentas 3. Estudo de Caso 3
  • 4. F P
  • 5. Visão Geral ● Gerenciamento de projetos: ○ Redução de custos; ○ Cumprimento de prazos; ○ Eficácia no resultado; ○ Mensuração de prazo. ● Necessidades dinâmicas. 5
  • 6. Visão Geral ● Desenvolvimento de Software: ○ Volatilidade de requisitos; ○ Cumprir prazos; ○ Orçamentos previstos. 6
  • 7. Gerência de Projetos + Desenvolvimento de Projeto de Software ● Visualizar o projeto como um todo 7
  • 8. ● Parâmetros: ○ Escopo do projeto; ○ Riscos; ○ Recursos necessários; ○ Tarefas; ○ Indicadores para acompanhamento; ○ Esforços e custos; ○ Linha de raciocínio a ser seguida. Gerência de Projetos + Desenvolvimento de Projeto de Software 8
  • 9. Ferramentas de gestão de projetos ● Métodos; ● Processos; ● Tempo real; ● Alcance. Recursos Tecnológicos ○ Investimento; ○ Vantagem; ○ Sucesso. 9
  • 10. P F
  • 11. MS Project ● Microsoft - 1985 ● Características: ○ Planeamento do escopo do projeto; ○ Acompanhar o progresso das atividades; ○ Previsão de situações de riscos; ○ Nivelamento dos recursos de forma gráfica; ○ Geração de relatórios e gráficos; ○ Diversas formas de apresentação (Gantt, Marcos, Calendário, etc.); ○ Definição de níveis hierárquico por atividades. 11
  • 14. OpenProj ● Projity - 2007; ● Código aberto; ● Recursos: ○ Custo do valor agregado; ○ Gráfico de Gantt; ○ Gráfico PERT; ○ Gráfico de Estrutura Analítica de recursos (EAR); ○ Relatórios de uso da tarefa; ○ Gráfico de Estrutura Analítica de Projeto (EAP). 14
  • 16. ProjectLibre ● 2012 ● Novos recursos: ○ Importa e exporta arquivos do/para o Microsoft Project 2010; ○ Exportação para PDF; ○ Nova interface de botões; ○ Correções de erros e problemas OpenProj. 16
  • 19. Comparativo MS Project ProjectLibre Multiplataforma x Multiusuarios x Notificações x Acompanhament o em macro x x Dependências de tarefas x x Gráficos de Gantt x x Suporte Scrum Suporte Kanban 19
  • 20. Comparativo MS Project ProjectLibre Gerenciamento de portfólio de projetos x Gerenciamento de riscos x Gerenciamento de valor agregado x x Rastreamento de custos x x Rastreamento de tempo x x 20
  • 27. S C V
  • 28. Introdução ● VCS ou SCM; ● Utilização comum; ● Soluções comerciais vs. soluções livres; ● A eficácia do VCS inerente ao CMMI e SPICE; ● Trabalho em equipe; ● Integração com outros softwares. 28
  • 29. Introdução Gerações dos SCVs Derivados de sistemas de gerenciamento de mudanças de registro; 1ª Geração ● Orientados a arquivos e centralizados; ● Baseada em bloqueio e fusões (merging); ● SCCS (Source Code Control System), 1972; ● RCS (Revision Control System), início dos anos 80; ● DSEE (Domain Software Engineering Environment), 1984. 29
  • 30. Introdução Gerações dos SCVs 2ª Geração ● Uso de redes centralizadas; ● Uso de multi-arquivos e merge (fusão) antes do commit (envio); ● Dick Grune escreve scripts que envolvem o RCS (1984-85); ● Brian Berliner, Sistema de Versões Concorrentes (RCS) (1986-87); ● Subversion (SVN) vs CVS, 2000. ● Camada SVK. 30
  • 31. Introdução Gerações dos SCVs 3ª Geração ● Descentralizados; ● Commit antes do merge; ● Changesets; ● Maior parte open source; ● Arch (BitKeeper), 2002; ● ArX, 2003; ● Monotone, 2003; ● BitKeeper 1997-98. ● Git, 2005 ● Baseado em conceito de instantâneo; ● Descentralizado. 31
  • 32. Visão Geral As principais vantagens de se utilizar um sistema de controle de versão para rastrear as alterações feitas durante o desenvolvimento de um documento são: ● Controle do histórico; ● Trabalho em equipe; ● Marcação e resgate de versões estáveis; ● Ramificação de projeto. 32
  • 33. Introdução Controle de Versão Centralizado ● Topologia em estrela; ● Único repositório central; ● Várias cópias de trabalho, uma para cada desenvolvedor; ● Comunicação apenas através do repositório central. 33
  • 34. Introdução Controle de Versão Distribuído ● Vários repositórios autônomos e independentes; ● Cada repositório possui uma área de trabalho acoplada; ● Comunicação através de commit e update. 34
  • 35. Introdução Controle de Versão Distribuído Um repositório pode se comunicar com qualquer outro através das operações básicas pull (Puxar) e push (Empurrar). Não há necessidade de nenhuma topologia pré-definida. 35
  • 36. Introdução Distribuído vs centralizado Tipo Vantagens Desvantagens Centralizado ● Controle de acesso ● Cópia de segurança ● Controle de Qualidade ● Dependência do repositório central ● Ponto único de falha Distribuído ● Permite submissões particulares, offline ● Melhor suporte a ramificação e mescla ● Independência da rede(mais rápido) ● Estimula o isolamento de desenvolvedores ● Questões de privacidade e segurança 36
  • 37. Introdução Resumo das Operações Básicas dos Controles de Versão Centralizado Distribuído Descrição checkout clone Criação da cópia de trabalho/repositório commit commit Envia alterações para o repositório criando uma revisão update update Atualiza a cópia/área de trabalho em uma revisão pull Importa revisões feita em outro repositório push Envia revisões locais para outro repositório 37
  • 38. P F
  • 39. Ferramentas Apresentadas ● Microsoft Team Foundation Server Reviews; ● Git; ● Perforce; ● Subversion; ● Mercurial; ● Rational ClearCase. 39
  • 40. Team Foundation Server ● Também conhecido por TFS: ○ Gerenciamento de projetos, requisitos, etc. ○ Integração com Eclipse e o próprio Visual Studio. ● On-premises vs. online; ● Extensão: Java SDK e .NET Framework; ● Controle de Versão; ● Gerenciamento de Liberação. 40
  • 41. Git ● Global information tracker ● Características: ○ Forte apoio ao desenvolvimento não-linear ○ Desenvolvimento distribuído ○ Compatibilidade com sistemas e protocolos existentes ○ Manipulação eficiente de grandes projetos ● Adoção; ● Segurança. 41
  • 42. Perforce ● Características: ○ Histórico completo de revisões ○ Interface Gráfica ○ Multi-plataforma ○ Suportes ● Modelo de concorrência; ● Branching e merging; ● Controle de acesso e segurança ● Disponibilidade. 42
  • 43. Subversion ● Conhecido por SVN; ● Características: ○ Commits como verdadeiras operações atômicas ○ Merge tracking ○ Tipos de repositório ● Sistema de arquivos; ● Ramificação e marcação; ● Limitações e problemas. 43
  • 44. Mercurial ● História; ● Características: ○ História segura com Mercurial ○ Suporte para GUI ○ Suporte ao Windows, Linux e MAC OS ○ Fácil de Estender ● Design; ● Adoção. 44
  • 45. Rational Clear Case ● História; ● Sistema de arquivos Multi-Versão: ○ Snapshot views ● Suporte; ● Integração com outras ferramentas. 45
  • 46. Comparativo Software/ Característica Mantenedor Modelo de Repositório Licença SO Suportado TFS Microsoft Cliente Servidor e distribuído Proprietária Windows, cross-platform via Visual Studio Team Services GIT Junio Hamano Distribuído BSD LINUX, OS X, Windows Perforce Perforce Software Inc Cliente Servidor Proprietária LINUX, OS X, Windows SVN Apache Software Foundation Cliente Servidor Apache LINUX, OS X, Windows ClearCase IBM Cliente Servidor Proprietária Linux, Windows Mercurial Matt Mackall Distribuído GNU GPL LINUX, OS X, Windows 46
  • 47. Comparativo Software/ Característica Linguagem de Programação Integração e/ou Plugins para IDEs TFS C++ e C# Visual Studio. Java client for Eclipse IDE and IntelliJ IDEA (standard in Ultimate Edition) GIT C, shell scripts, Perl Eclipse (JGit/EGit); Netbeans (NbGit); KDevelop; Visual Studio (Git Extensions); Emacs (extension for standard VC); SAP Web IDE; TextMate (Git TextMate Bundle); Perforce C++, C, LabVIEW Eclipse, Visual Studio (P4SCC), KDevelop (standard?), IntelliJ IDEA (standard in Ultimate Edition), Komodo IDE, BBEdit, Emacs (p4.el) SVN C Eclipse (Subclipse, Subversive), IntelliJ IDEA (standard in Community and Ultimate Editions), KDevelop (standard), Netbeans, Visual Studio ClearCase Java Emacs, Eclipse ( IBM Proprietary, Eclipse-CCase ), Visual Studio (IBM proprietary), KDevelop (standard?), IntelliJ IDEA (standard in Ultimate Edition) Mecurial Python, C IntelliJ IDEA (hg4idea 3:rd party plugin), Eclipse, NetBeans, Visual Studio 2008, Emacs, Vim, Komodo IDE, Eric Python IDE, WingIDE 47
  • 48. E C : NTI - UFS
  • 50. Histórico e Motivação - Redmine ● Implantado em 2009 sob influência do professor Marcos Barbosa Dósea; ● Caractéristicas: ○ Open-source; ○ Fácil integração com outras ferramentas; ○ Controle de atividades; ○ Diagrama de Gantt e calendário; ○ Documents: Deve ser ativado quando o projeto possuir um repositório de documentos; ○ Repository: Permite associar o projeto a um repositório de versionamento. 50
  • 51. Redmine - Tela inicial ● 51
  • 52. Histórico e Motivação - SVN ● Pré-requisito para uso dos SIGs; ● Instalado em 2009; ● Integração com o Redmine (plugin); ● Jekins: ○ Alteração no repositório; ○ Testes automatizados; ○ Atribuir status resolvido aos tickets. 52
  • 55. 55 Referências ● Comparison of Version Control Software. Wikipédia. Disponível em: <https://en.wikipedia.org/wiki/Comparison_of_version_control_software>. Acesso em 12 de Fevereiro de 2017. ● List of Version Control Software. Wikipédia. Disponível em: <https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_version_control_software>. Acesso em 12 de Fevereiro de 2017. ● Team Foundation Server. Wikipédia. Disponível em: <https://en.wikipedia.org/wiki/Team_Foundation_Server>. Acesso em 12 de Fevereiro de 2017. ● Understanding Version-Control Systems (DRAFT). Disponível em: <http://www.catb.org/~esr/writings/version-control/version-control.html#hi story>. Acesso em 13 de Fevereiro de 2017. ● Um Histórico de Controle de Versão. Disponível em: <http://ericsink.com/vcbe/html/history_of_version_control.html>. Acesso em 13 de Fevereiro de 2017.
  • 56. 56 Referências ● Conceitos Básicos de Controle de Versão de Software — Centralizado e Distribuído. Disponível em: <https://blog.pronus.io/posts/conceitos-basicos-de-controle-de-versao-de-s oftware-centralizado-e-distribuido/>. Acesso em 13 de Fevereiro de 2017. ● MS Project. Disponível em: <https://products.office.com/pt-br/project/project-management>. Acesso em 13 de Fevereiro de 2017. ● MS Project vs OpenProj.Disponível em: <http://www.tiespecialistas.com.br/2011/04/guia-do-openproj-x-microsoft-p roject-foco-em-gestao-de-projetos/>. Acesso em 17 de Fevereiro de 2017. ● ProjectLibre. Disponível em: <http://www.projectlibre.com/product/projectlibre-cloud>. Acesso em 12 de Fevereiro de 2017. ● MSProject vs ProjectLibreDisponível em: <http://project-management.zone/system/microsoft-project,projectlibre>. Acesso em 12 de Fevereiro de 2017.