SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Baixar para ler offline
Método Básico para Sax Alto
Elaboração: Prof. MS Costa Holanda
Prof. Jardilino Maciel
Governo do Estado do Ceará – Secretaria da Cultura
Sistema Estadual de Bandas de Música – Apostila editada em Setembro/2008
INTRODUÇÃO
Este método consiste em orientar de uma maneira mais direta e didática o
aprendizado no saxofone, instrumentos bastante utilizados pelas bandas de música.
Veremos detalhadamente neste método tópicos que facilitarão o aprendizado no
saxofone, desde a formação de embocadura até execução de um trecho musical pelo aluno.
Neste trabalho esperamos um melhor aproveitamento do aluno, sem esquecermos que a
orientação do professor de música será de grande importância para a formação do aluno.
Governo do Estado do Ceará – Secretaria da Cultura
Sistema Estadual de Bandas de Música – Apostila editada em Setembro/2008
O SAXOFONE
O saxofone foi inventado por Adolfe Sax perto de 1840 e
aperfeiçoado posteriormente. Dizem que Sax pretendia
construir um instrumento que oitavasse como a flauta e o
oboé, com o propósito de substituir a dificuldade que
possuía o Saxofone de oitavar. Não faz parte do conjunto
habitual das orquestras sinfônicas, mas já tinha sido
utilizado por Ambroise Thomas no seu Hamlet, em 1868, e
em 1873 por Georges Bizet em A Arlesiana. A partir desse
momento, a sua presença em conjuntos orquestrais para
obras concretas é cada vez mais freqüente. Tem uma só
palheta, maior do que a do Saxofone, e tem seção cônica
como do oboé. A família dos saxofones é muito ampla e os
mais comuns são os Sopranino, em Mi bemol; o Soprano,
em Si bemol; o Alto, em Mi bemol; o Tenor, em Si bemol;
o Barítono, em Mi bemol e o Baixo; em Si bemol. É
sempre construído em metal, embora as características
técnicas, tais como o uso de palheta simples o faça ser
incluído nos instrumentos de sopro-madeira. A sua principal
missão é a de servir de ponte entre os instrumentos de
madeira e os de metal. A música para saxofone escreve-se
na clave de Sol na segunda linha. Após a sua presença
habitual no jazz, foi utilizado em muitas obras para conjuntos instrumentais dos compositores do
atual século. O saxofone é pouco usado na música clássica, mas faz brilhante carreira no jazz e na
música popular. O saxofone tem uma sonoridade bastante atraente, flexível e que permite grandes
variações de dinâmica - nada pode ser mais estridente do que um sax tenor em fortíssimo! O
Saxofone é o símbolo do jazz e de certos estilos da vida boêmia e noturna, o saxofone foi
patenteado como instrumento para bandas militares em 1846 por Antoine-Joseph Sax, conhecido
também como Adolphe Sax, que acabou seus dias na pobreza depois de viver anos dependendo da
ajuda de compositores e intérpretes franceses. Durante a primeira guerra mundial, o saxofone
alcançou grande popularidade nos Estados Unidos, como integrante das orquestras de baile e nos
solos de jazz, e sofreu algumas alterações em seu desenho com a finalidade de alcançar um timbre
mais brilhante. Saxofonistas como Charlie Parker, John Coltrane e Sonny Rollins criaram
posteriormente importantes escolas de interpretação desse instrumento e um estilo característico de
composição jazzística.
Na música sinfônica, autores como Claude Debussy e Aleksandr Glazunov escreveram obras
executadas por virtuoses como Marcel Mule e Sigurd Rascher em que o saxofone é o protagonista.
Villa-Lobos utilizou o instrumento nas Bachianas brasileiras.
CONHECENDO O SAXOFONE
Saxofone é um instrumento de sopro de palheta simples que consiste basicamente de um tubo
cônico de metal, com 24 aberturas acionadas mediante chaves. Em sua forma mais característica,
apresenta o extremo final da campana com a boca virada para cima e o arco porção curvada do tubo
na parte inferior. Somente o sax soprano apresenta construção reta, semelhante à da clarineta.
O saxofone propriamente dito é composto por duas partes distintas.
O corpo e o cachimbo, também conhecido como Tudel.
A "boca" do sax onde sai o som recebe o nome de campana.
É no Tudel que se encaixa a boquilha.
Feito isso, encaixa-se o Tudel no orifício correspondente e aperte a
presilha existente ali.
Pronto, o sax já pode ser tocado.
A família dos saxofones atualmente em uso consiste de:
- Soprano em Bb
- Alto (ou contralto) em Eb
- Tenor em Bb
- Barítono em Eb
Governo do Estado do Ceará – Secretaria da Cultura
Sistema Estadual de Bandas de Música – Apostila editada em Setembro/2008
Todos os membros da família dos saxofones tem o mesmo sistema de digitação e mesma escrita; de
um tipo de sax para outro a mudança de embocadura exige mínimos ajustes, pois o conceito de
produção de som permanece o mesmo - e a principal diferença estrutural é mesmo o tamanho e
conseqüentemente, sua tessitura.
Os saxofones são instrumentos transpositores, ou seja, a nota escrita é diferente da nota que soa
(som real). Assim, para podermos ouvir o Dó central do piano é preciso escrever notas diferentes
nos diversos tipos de sax, conforme figura 1 abaixo:
E a seguir a tessitura de cada um em sons reais:
Na figura abaixo pode-se ver os tipos mais comuns de saxofones:
O Sax Soprano O Sax Alto O Sax Tenor O Sax Barítono
Veja as especificações do Sax Alto e do Tenor Montados, dois da família dos saxofones
mais utilizados em Bandas de Música.
ESPECIFICAÇÕES SAX-ALTO:
• Corpo em latão
• Chaves com regulagem de abertura
• Parafusos de aço inoxidável
• Acabamento: Laqueado com Chaves Niqueladas
• Afinação: Mib
• Dimensões: 32cm x 66cm x 17cm (AxCxL)
• Peso: 6Kg
Governo do Estado do Ceará – Secretaria da Cultura
Sistema Estadual de Bandas de Música – Apostila editada em Setembro/2008
ESPECIFICAÇÕES SAX-TENOR:
• Corpo em latão
• Chaves com regulagem de abertura
• Parafusos de aço inoxidável
• Acabamento: Laqueado com Chaves Niqueladas
• Afinação: Sib
• Dimensões: 35cm x 85cm x 19cm (AxCxL)
• Peso: 8Kg
A EMBOCADURA NO SAXOFONE
O estudo deste tópico consiste no aprimoramento da emissão e qualidade sonora no
saxofone, onde veremos a respiração, o posicionamento do lábio na boquilha (embocadura)
e a emissão do som no instrumento.
• Respiração:
Define-se como respiração, a entrada e a saída livre do ar nos pulmões. A ação de respirar
consiste em duas fases:
INSPIRAÇÃO: dilatação da caixa torácica para a entrada de ar nos pulmões.
EXPIRAÇÃO: ato dos pulmões expelir, com a intervenção do diafragma, o ar inspirado.
Observe a figura abaixo o processo de respiração:
OS PULMÕES, antes e depois de contraído o diafragma. A parte escura mostra o aumento na capacidade
pulmonar.
Não há nenhuma dúvida que a potência do som depende da quantidade de ar e da
velocidade como saem dos pulmões. A respiração diafragmática é o tipo de respiração que
o professor deve recomendar, pois é a mais benéfica e correta.
• Embocadura
Há várias maneiras de se colocar a boquilha na boca. Essa maneira específica é por nós
chamada de embocadura. Existem vários tipos de embocaduras, como também há diferentes
boquilhas e palhetas. Temos que formar um conjunto equilibrado e único para nosso
próprio uso. O mesmo conjunto (embocadura, boquilha e palheta) não funciona bem com
outro saxofonista e vice-versa, justamente pela diversificação de lábios, arcadas dentárias e
cavidade bucal.
Governo do Estado do Ceará – Secretaria da Cultura
Sistema Estadual de Bandas de Música – Apostila editada em Setembro/2008
Como deve ser a embocadura?
O uso dos lábios é aconselhável somente para quem não tem os dentes superiores ou
possui algum tipo de ponte móvel ou algum outro problema com a raiz do dente. Devemos
usar o apoio dos dentes superiores. Não é necessário morder a boquilha e, mesmo que você
use uma dentadura, ponte móvel ou dente postiço, isso não é impedimento para o uso da
embocadura de apoio com os dentes. Esse apoio só deverá ser evitado caso venha trazer
algum dano à sua saúde. Sem esses sintomas, você deve usar o apoio dos dentes superiores
na boquilha. Ver figura na próxima página.
Posição da boquilha na boca
Quando somente usamos os lábios para segurar a boquilha em nossa boca, sem o uso dos
dentes superiores, a afinação fica seriamente comprometida em passagens rápidas ou de
intervalos distantes, e o músico não tem domínio dos graves e tampouco dos agudos, pois
não trabalha os harmônicos, que necessitam da precisão de abertura feita com o apoio dos
dentes (tanto para os graves como para os agudos). Desse modo, a sonoridade é pequena e a
resistência superbaixa. Se, ainda assim, o músico tira um som bonito, não se engane! O
efeito dura pouco, pois o lábio não tem resistência para manter o som ou segurar a afinação.
Observe figura abaixo:
Figura: Posição correta da boquilha na boca
Esta é a maneira correta que o aluno deverá embocar a boquilha, lembrando que a pressão
da boquilha na boca será responsavel pela emissão de um som afinado e de melhor
qualidade, depois é só soprar e ver os resultados.
Governo do Estado do Ceará – Secretaria da Cultura
Sistema Estadual de Bandas de Música – Apostila editada em Setembro/2008
A emissão do som no Saxofone
O som no Saxofone é produzido devido à vibração da palheta que é presa por uma
abraçadeira junto a boquilha. Com a pressão dos lábios e a passagem da coluna de ar pelo
tubo do instrumento produz o som.
Aconselhamos o aluno como forma de adaptação a boquilha, iniciar o estudo do sopro
primeiramente só com a boquilha e o tudel, isso para que o aluno possa se familiarizar com
a forma de soprar o instrumento, posteriormente é que se sopra com o instrumento
completamente montado.
POSTURA CORRETA DO SAXOFONISTA
O Aluno deve estar relaxado, os pés devem estar confortavelmente separados, com a cabeça
acima e os ombros para baixo. Este procedimento ajuda na respiração. Os braços devem
ficar um pouco para fora do corpo, com o Saxofone em um ângulo de 45 graus do seu
corpo. Os movimentos dos dedos devem ser discretos, sem digitar com muita força. Se o
aluno estiver movendo seus dedos descontroladamente isto irá dificultar a execução no
instrumento. Só lembrando que o aluno sentado deverá manter a mesma postura.
DIGITAÇÃO DO SAXOFONE
Observe na figura abaixo como se desenvolve a digitação (posicionamento dos dedos no
instrumento) do Saxofone:
O Aluno deverá observar a disposição dos dedos nas teclas como mostra a figura acima
para uma boa afinação e qualidade da emissão sonora.
Palheta
Boquilha
Posição incorreta que
não deve ser aplicada
Posição correta deve
ser aplicada
Posição correta deve
ser aplicada
Governo do Estado do Ceará – Secretaria da Cultura
Sistema Estadual de Bandas de Música – Apostila editada em Setembro/2008
ESTUDANDO NO SAXOFONE (ESCALAS)
Conhecido todos os procedimentos iniciais do Saxofone agora o aluno deverá iniciar o
estudo de escalas, este estudo deverá ser lento e feito com notas longas, para que o aluno
possa fixar a altura das notas e aperfeiçoar o som no instrumento. A escala que aluno
deverá iniciar o estudo será a de Dó maior, como mostra estudo abaixo e depois seguindo o
estudo com as outras escalas. Sempre lembrando que o estudo deve ser feito bem lento e
com notas longas, de acordo, com a fixação e melhora da execução é que o aluno deverá
acelerar o estudo.
Governo do Estado do Ceará – Secretaria da Cultura
Sistema Estadual de Bandas de Música – Apostila editada em Setembro/2008
Governo do Estado do Ceará – Secretaria da Cultura
Sistema Estadual de Bandas de Música – Apostila editada em Setembro/2008
PARTITURAS PARA ESTUDAR NO SAXOFONE
Governo do Estado do Ceará – Secretaria da Cultura
Sistema Estadual de Bandas de Música – Apostila editada em Setembro/2008
Governo do Estado do Ceará – Secretaria da Cultura
Sistema Estadual de Bandas de Música – Apostila editada em Setembro/2008
Governo do Estado do Ceará – Secretaria da Cultura
Sistema Estadual de Bandas de Música – Apostila editada em Setembro/2008
Governo do Estado do Ceará – Secretaria da Cultura
Sistema Estadual de Bandas de Música – Apostila editada em Setembro/2008
DICAS PARA O SAXOFONE
CUIDADOS COM O SAXOFONE
Para ter um instrumento sempre em perfeitas condições, é necessário antes
de tudo tratá-lo muito bem. Alguns cuidados são essenciais para que o
saxofone tenha uma vida útil muito longa, bastando apenas alguns
cuidados bem simples. Segue abaixo uma série de procedimentos que serão
bastante úteis para manter o sax com uma boa aparência.
ESTOJO
O estojo não só serve para guardar o saxofone como também serve para
protegê-lo de pancadas e coisas do tipo. Existe também uma espécie de
bolsa que serve para transportar o saxofone. É bem mais prática para
transportar o sax, pois você pode colocar nas costas e levá-lo por aí. Para quem pega ônibus
é bem mais prático do que com o estojo, mas não oferece uma proteção tão boa quanto o
outro.
SECANDO O SAX
Após terminar de tocar o instrumento, você deve sempre secar suas partes. Para
isso retire a boquilha, a palheta da boquilha e enxugue bem. No caso da palheta
basta passá-la apertando-a levemente sobre um pano que não solte fiapos, o
ideal mesmo é colocá-la numa folha de papel vegetal dentro de um livro. A
pressão faz a umidade ser transferida para a folha. Para limpar o sax por dentro
você deve usar escovas especiais de secagem que são encontradas com
facilidade em lojas de acessórios para instrumentos, mas se você não tem esse
tipo de escova, faça da seguinte maneira. Arrume um pedaço de fio-barbante
resistente, um pesinho (pode ser um parafuso, porca, etc.) e um pano macio (de
preferência que não solte fiapos, recomendo aquele pano que se usa como fralda). Prenda o
peso numa extremidade e o pano na outra. Recomendo que cubra o peso com uma fita,
pode ser esparadrapo. Isso evita que arranhe o seu instrumento. Introduza o peso pela
campana do sax. Manobre o instrumento de maneira que o peso saia pelo outro lado. Puxe o
barbante com o pano e repita a operação quantas vezes forem necessárias. O mesmo deve
ser feito com o Todel.
LIMPANDO O SAX
Após a secagem, o mais indicado é passar uma flanela ou um pano macio em toda a
superfície, principalmente no caso dos instrumentos prateados, que são muito mais
sensíveis às marcas de dedos e outros tipos de manchas causadas pelo uso.
Periodicamente, os instrumentos prateados podem ser limpos com um polidor de prata
(Silvo) e os niquelados com polidor de metais (Kaol ou Brasso). Mas atenção: isto não
deve ser feito com muita freqüência ou acabará danificando o acabamento do
instrumento. Já os instrumentos laqueados devem ser limpos apenas com a flanela,
pois os polidores e similares podem remover a fina camada de verniz que recobre a
superfície, expondo o metal ao ar e provocando oxidação.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (15)

Método básico para sax alto
Método básico para sax altoMétodo básico para sax alto
Método básico para sax alto
 
Som rouco
Som roucoSom rouco
Som rouco
 
História da flauta apostila para flauta completa
História da flauta    apostila para flauta completa História da flauta    apostila para flauta completa
História da flauta apostila para flauta completa
 
Bíblia para afinar bateria
Bíblia para afinar bateriaBíblia para afinar bateria
Bíblia para afinar bateria
 
Características da Embocadura - Trompete
Características da Embocadura - TrompeteCaracterísticas da Embocadura - Trompete
Características da Embocadura - Trompete
 
Ponteio
PonteioPonteio
Ponteio
 
Apostila tin-whistle
Apostila tin-whistleApostila tin-whistle
Apostila tin-whistle
 
Apt000007
Apt000007Apt000007
Apt000007
 
Tipos de-saxofone
Tipos de-saxofoneTipos de-saxofone
Tipos de-saxofone
 
Tipos de flauta
Tipos de flautaTipos de flauta
Tipos de flauta
 
Historia dos instrumentos
Historia dos instrumentosHistoria dos instrumentos
Historia dos instrumentos
 
Flautas
FlautasFlautas
Flautas
 
Curso de Bateria
Curso de BateriaCurso de Bateria
Curso de Bateria
 
Apostila-de-violao-avancado
Apostila-de-violao-avancadoApostila-de-violao-avancado
Apostila-de-violao-avancado
 
Curso de pandeiro ogã hebert de oxosse
Curso de pandeiro ogã hebert de oxosseCurso de pandeiro ogã hebert de oxosse
Curso de pandeiro ogã hebert de oxosse
 

Destaque

Sax artigo-embocadura-palheta-e-superagudos-no-saxofone
Sax artigo-embocadura-palheta-e-superagudos-no-saxofoneSax artigo-embocadura-palheta-e-superagudos-no-saxofone
Sax artigo-embocadura-palheta-e-superagudos-no-saxofoneRichard Cleyton Chiaveli
 
Instrumentos musicais giovanna, eduardo e marilia
Instrumentos musicais giovanna, eduardo e mariliaInstrumentos musicais giovanna, eduardo e marilia
Instrumentos musicais giovanna, eduardo e marilianacirbertini
 
Saxofone metodo da_capo_(sax_alto_e_soprano)
Saxofone metodo da_capo_(sax_alto_e_soprano) Saxofone metodo da_capo_(sax_alto_e_soprano)
Saxofone metodo da_capo_(sax_alto_e_soprano) Adelaide Florencio
 
Tipos de saxofones
Tipos de saxofonesTipos de saxofones
Tipos de saxofonesSax_99
 
What should I practice ?
What should I practice ?What should I practice ?
What should I practice ?conrado dangavs
 
Apostila completa de saxofone
Apostila completa de saxofoneApostila completa de saxofone
Apostila completa de saxofoneJorge Oliveira
 
Carruagem de fogo - Banda Marcial
Carruagem de fogo - Banda MarcialCarruagem de fogo - Banda Marcial
Carruagem de fogo - Banda Marcialedu frois
 
Apostila musica ef 09
Apostila musica ef 09Apostila musica ef 09
Apostila musica ef 09Elvis Live
 
teoría y práctica de la flauta - vol. 2 técnica - flauta traversa - trevor wye
teoría y práctica de la flauta - vol. 2 técnica - flauta traversa - trevor wyeteoría y práctica de la flauta - vol. 2 técnica - flauta traversa - trevor wye
teoría y práctica de la flauta - vol. 2 técnica - flauta traversa - trevor wyeconrado dangavs
 
O cristão pode praticar artes marciais?
O cristão pode praticar artes marciais?O cristão pode praticar artes marciais?
O cristão pode praticar artes marciais?Raniere Menezes
 
teoría y práctica de la flauta - vol. 1 sonido - flauta traversa - trevor wye
teoría y práctica de la flauta - vol. 1 sonido - flauta traversa - trevor wyeteoría y práctica de la flauta - vol. 1 sonido - flauta traversa - trevor wye
teoría y práctica de la flauta - vol. 1 sonido - flauta traversa - trevor wyeconrado dangavs
 
Clarinete método - da capo - joel barbosa (1)
Clarinete   método - da capo - joel barbosa (1)Clarinete   método - da capo - joel barbosa (1)
Clarinete método - da capo - joel barbosa (1)Marcelo Antonio
 
Norma nacional-uniforme-bombeiro-cnbc
Norma nacional-uniforme-bombeiro-cnbcNorma nacional-uniforme-bombeiro-cnbc
Norma nacional-uniforme-bombeiro-cnbcLeila Brandão
 
Apostilha iniciciacao musical
Apostilha iniciciacao musicalApostilha iniciciacao musical
Apostilha iniciciacao musicalJorge Nobre
 

Destaque (20)

Sax artigo-embocadura-palheta-e-superagudos-no-saxofone
Sax artigo-embocadura-palheta-e-superagudos-no-saxofoneSax artigo-embocadura-palheta-e-superagudos-no-saxofone
Sax artigo-embocadura-palheta-e-superagudos-no-saxofone
 
Instrumentos musicais giovanna, eduardo e marilia
Instrumentos musicais giovanna, eduardo e mariliaInstrumentos musicais giovanna, eduardo e marilia
Instrumentos musicais giovanna, eduardo e marilia
 
Saxofone metodo da_capo_(sax_alto_e_soprano)
Saxofone metodo da_capo_(sax_alto_e_soprano) Saxofone metodo da_capo_(sax_alto_e_soprano)
Saxofone metodo da_capo_(sax_alto_e_soprano)
 
Livro de exercícios para saxofone
Livro de exercícios para saxofoneLivro de exercícios para saxofone
Livro de exercícios para saxofone
 
Tipos de saxofones
Tipos de saxofonesTipos de saxofones
Tipos de saxofones
 
What should I practice ?
What should I practice ?What should I practice ?
What should I practice ?
 
Apostila completa de saxofone
Apostila completa de saxofoneApostila completa de saxofone
Apostila completa de saxofone
 
Carruagem de fogo - Banda Marcial
Carruagem de fogo - Banda MarcialCarruagem de fogo - Banda Marcial
Carruagem de fogo - Banda Marcial
 
Banda
BandaBanda
Banda
 
Hinário esbo pequeno
Hinário esbo   pequenoHinário esbo   pequeno
Hinário esbo pequeno
 
projeto
projetoprojeto
projeto
 
Apostila musica ef 09
Apostila musica ef 09Apostila musica ef 09
Apostila musica ef 09
 
Carate
CarateCarate
Carate
 
teoría y práctica de la flauta - vol. 2 técnica - flauta traversa - trevor wye
teoría y práctica de la flauta - vol. 2 técnica - flauta traversa - trevor wyeteoría y práctica de la flauta - vol. 2 técnica - flauta traversa - trevor wye
teoría y práctica de la flauta - vol. 2 técnica - flauta traversa - trevor wye
 
O cristão pode praticar artes marciais?
O cristão pode praticar artes marciais?O cristão pode praticar artes marciais?
O cristão pode praticar artes marciais?
 
teoría y práctica de la flauta - vol. 1 sonido - flauta traversa - trevor wye
teoría y práctica de la flauta - vol. 1 sonido - flauta traversa - trevor wyeteoría y práctica de la flauta - vol. 1 sonido - flauta traversa - trevor wye
teoría y práctica de la flauta - vol. 1 sonido - flauta traversa - trevor wye
 
Clarinete método - da capo - joel barbosa (1)
Clarinete   método - da capo - joel barbosa (1)Clarinete   método - da capo - joel barbosa (1)
Clarinete método - da capo - joel barbosa (1)
 
Norma nacional-uniforme-bombeiro-cnbc
Norma nacional-uniforme-bombeiro-cnbcNorma nacional-uniforme-bombeiro-cnbc
Norma nacional-uniforme-bombeiro-cnbc
 
Apostilha iniciciacao musical
Apostilha iniciciacao musicalApostilha iniciciacao musical
Apostilha iniciciacao musical
 
Digitação da flauta
Digitação da flautaDigitação da flauta
Digitação da flauta
 

Semelhante a Apostila de saxofone

Saxofone metodo-amadeu-russo
Saxofone metodo-amadeu-russoSaxofone metodo-amadeu-russo
Saxofone metodo-amadeu-russoClaudio Camara
 
Saxofone método - amadeu russo
Saxofone   método - amadeu russoSaxofone   método - amadeu russo
Saxofone método - amadeu russoSaulo Gomes
 
Método básico para clarinete(2)
Método básico para clarinete(2)Método básico para clarinete(2)
Método básico para clarinete(2)Partitura de Banda
 
Aprenda-Saxofone-em-180-Dias-UNISAXPRO_3599d72c75824116b4903b5284bf9bcf.pdf
Aprenda-Saxofone-em-180-Dias-UNISAXPRO_3599d72c75824116b4903b5284bf9bcf.pdfAprenda-Saxofone-em-180-Dias-UNISAXPRO_3599d72c75824116b4903b5284bf9bcf.pdf
Aprenda-Saxofone-em-180-Dias-UNISAXPRO_3599d72c75824116b4903b5284bf9bcf.pdfJosé Gonçalves Filho
 
Apostila Sobre Saxofone - Rodrigo Capistrano
Apostila Sobre Saxofone - Rodrigo CapistranoApostila Sobre Saxofone - Rodrigo Capistrano
Apostila Sobre Saxofone - Rodrigo CapistranoPartitura de Banda
 
Apostila - Metódo Básico para Clarinete
Apostila - Metódo Básico para ClarineteApostila - Metódo Básico para Clarinete
Apostila - Metódo Básico para ClarinetePartitura de Banda
 
Método básico para trompete
Método básico para trompeteMétodo básico para trompete
Método básico para trompetePartitura de Banda
 
Método básico para trompete
Método básico para trompeteMétodo básico para trompete
Método básico para trompeteSaulo Gomes
 
Metodo basico para_trombone
Metodo basico para_tromboneMetodo basico para_trombone
Metodo basico para_tromboneErnando Ramos
 
Apostila contra-baixo
Apostila contra-baixoApostila contra-baixo
Apostila contra-baixoeltoleon
 
Apostila contra-baixo
Apostila contra-baixoApostila contra-baixo
Apostila contra-baixoMiranda Fase
 

Semelhante a Apostila de saxofone (20)

Saxofone metodo-amadeu-russo
Saxofone metodo-amadeu-russoSaxofone metodo-amadeu-russo
Saxofone metodo-amadeu-russo
 
Método Completo de Saxofone
Método Completo de SaxofoneMétodo Completo de Saxofone
Método Completo de Saxofone
 
Saxofone metodo-amadeu-russo
Saxofone metodo-amadeu-russoSaxofone metodo-amadeu-russo
Saxofone metodo-amadeu-russo
 
Saxofone método - amadeu russo
Saxofone   método - amadeu russoSaxofone   método - amadeu russo
Saxofone método - amadeu russo
 
Apostilade sax
Apostilade saxApostilade sax
Apostilade sax
 
Método básico para clarinete(2)
Método básico para clarinete(2)Método básico para clarinete(2)
Método básico para clarinete(2)
 
Aprenda-Saxofone-em-180-Dias-UNISAXPRO_3599d72c75824116b4903b5284bf9bcf.pdf
Aprenda-Saxofone-em-180-Dias-UNISAXPRO_3599d72c75824116b4903b5284bf9bcf.pdfAprenda-Saxofone-em-180-Dias-UNISAXPRO_3599d72c75824116b4903b5284bf9bcf.pdf
Aprenda-Saxofone-em-180-Dias-UNISAXPRO_3599d72c75824116b4903b5284bf9bcf.pdf
 
Apostila Sobre Saxofone - Rodrigo Capistrano
Apostila Sobre Saxofone - Rodrigo CapistranoApostila Sobre Saxofone - Rodrigo Capistrano
Apostila Sobre Saxofone - Rodrigo Capistrano
 
Apostila - Metódo Básico para Clarinete
Apostila - Metódo Básico para ClarineteApostila - Metódo Básico para Clarinete
Apostila - Metódo Básico para Clarinete
 
Método básico para trompete
Método básico para trompeteMétodo básico para trompete
Método básico para trompete
 
Método básico para trompete
Método básico para trompeteMétodo básico para trompete
Método básico para trompete
 
Embocadurapalhetaesuperagudosno saxofone
Embocadurapalhetaesuperagudosno saxofoneEmbocadurapalhetaesuperagudosno saxofone
Embocadurapalhetaesuperagudosno saxofone
 
Metodo basico para_trombone
Metodo basico para_tromboneMetodo basico para_trombone
Metodo basico para_trombone
 
Apostila para tuba
Apostila para tubaApostila para tuba
Apostila para tuba
 
Baião de Lacan
Baião de LacanBaião de Lacan
Baião de Lacan
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
 
Dois Corações
Dois CoraçõesDois Corações
Dois Corações
 
cavaquinho solo
cavaquinho solocavaquinho solo
cavaquinho solo
 
Apostila contra-baixo
Apostila contra-baixoApostila contra-baixo
Apostila contra-baixo
 
Apostila contra-baixo
Apostila contra-baixoApostila contra-baixo
Apostila contra-baixo
 

Último

Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxsfwsoficial
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 

Último (20)

Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 

Apostila de saxofone

  • 1. Método Básico para Sax Alto Elaboração: Prof. MS Costa Holanda Prof. Jardilino Maciel
  • 2. Governo do Estado do Ceará – Secretaria da Cultura Sistema Estadual de Bandas de Música – Apostila editada em Setembro/2008 INTRODUÇÃO Este método consiste em orientar de uma maneira mais direta e didática o aprendizado no saxofone, instrumentos bastante utilizados pelas bandas de música. Veremos detalhadamente neste método tópicos que facilitarão o aprendizado no saxofone, desde a formação de embocadura até execução de um trecho musical pelo aluno. Neste trabalho esperamos um melhor aproveitamento do aluno, sem esquecermos que a orientação do professor de música será de grande importância para a formação do aluno.
  • 3. Governo do Estado do Ceará – Secretaria da Cultura Sistema Estadual de Bandas de Música – Apostila editada em Setembro/2008 O SAXOFONE O saxofone foi inventado por Adolfe Sax perto de 1840 e aperfeiçoado posteriormente. Dizem que Sax pretendia construir um instrumento que oitavasse como a flauta e o oboé, com o propósito de substituir a dificuldade que possuía o Saxofone de oitavar. Não faz parte do conjunto habitual das orquestras sinfônicas, mas já tinha sido utilizado por Ambroise Thomas no seu Hamlet, em 1868, e em 1873 por Georges Bizet em A Arlesiana. A partir desse momento, a sua presença em conjuntos orquestrais para obras concretas é cada vez mais freqüente. Tem uma só palheta, maior do que a do Saxofone, e tem seção cônica como do oboé. A família dos saxofones é muito ampla e os mais comuns são os Sopranino, em Mi bemol; o Soprano, em Si bemol; o Alto, em Mi bemol; o Tenor, em Si bemol; o Barítono, em Mi bemol e o Baixo; em Si bemol. É sempre construído em metal, embora as características técnicas, tais como o uso de palheta simples o faça ser incluído nos instrumentos de sopro-madeira. A sua principal missão é a de servir de ponte entre os instrumentos de madeira e os de metal. A música para saxofone escreve-se na clave de Sol na segunda linha. Após a sua presença habitual no jazz, foi utilizado em muitas obras para conjuntos instrumentais dos compositores do atual século. O saxofone é pouco usado na música clássica, mas faz brilhante carreira no jazz e na música popular. O saxofone tem uma sonoridade bastante atraente, flexível e que permite grandes variações de dinâmica - nada pode ser mais estridente do que um sax tenor em fortíssimo! O Saxofone é o símbolo do jazz e de certos estilos da vida boêmia e noturna, o saxofone foi patenteado como instrumento para bandas militares em 1846 por Antoine-Joseph Sax, conhecido também como Adolphe Sax, que acabou seus dias na pobreza depois de viver anos dependendo da ajuda de compositores e intérpretes franceses. Durante a primeira guerra mundial, o saxofone alcançou grande popularidade nos Estados Unidos, como integrante das orquestras de baile e nos solos de jazz, e sofreu algumas alterações em seu desenho com a finalidade de alcançar um timbre mais brilhante. Saxofonistas como Charlie Parker, John Coltrane e Sonny Rollins criaram posteriormente importantes escolas de interpretação desse instrumento e um estilo característico de composição jazzística. Na música sinfônica, autores como Claude Debussy e Aleksandr Glazunov escreveram obras executadas por virtuoses como Marcel Mule e Sigurd Rascher em que o saxofone é o protagonista. Villa-Lobos utilizou o instrumento nas Bachianas brasileiras. CONHECENDO O SAXOFONE Saxofone é um instrumento de sopro de palheta simples que consiste basicamente de um tubo cônico de metal, com 24 aberturas acionadas mediante chaves. Em sua forma mais característica, apresenta o extremo final da campana com a boca virada para cima e o arco porção curvada do tubo na parte inferior. Somente o sax soprano apresenta construção reta, semelhante à da clarineta. O saxofone propriamente dito é composto por duas partes distintas. O corpo e o cachimbo, também conhecido como Tudel. A "boca" do sax onde sai o som recebe o nome de campana. É no Tudel que se encaixa a boquilha. Feito isso, encaixa-se o Tudel no orifício correspondente e aperte a presilha existente ali. Pronto, o sax já pode ser tocado. A família dos saxofones atualmente em uso consiste de: - Soprano em Bb - Alto (ou contralto) em Eb - Tenor em Bb - Barítono em Eb
  • 4. Governo do Estado do Ceará – Secretaria da Cultura Sistema Estadual de Bandas de Música – Apostila editada em Setembro/2008 Todos os membros da família dos saxofones tem o mesmo sistema de digitação e mesma escrita; de um tipo de sax para outro a mudança de embocadura exige mínimos ajustes, pois o conceito de produção de som permanece o mesmo - e a principal diferença estrutural é mesmo o tamanho e conseqüentemente, sua tessitura. Os saxofones são instrumentos transpositores, ou seja, a nota escrita é diferente da nota que soa (som real). Assim, para podermos ouvir o Dó central do piano é preciso escrever notas diferentes nos diversos tipos de sax, conforme figura 1 abaixo: E a seguir a tessitura de cada um em sons reais: Na figura abaixo pode-se ver os tipos mais comuns de saxofones: O Sax Soprano O Sax Alto O Sax Tenor O Sax Barítono Veja as especificações do Sax Alto e do Tenor Montados, dois da família dos saxofones mais utilizados em Bandas de Música. ESPECIFICAÇÕES SAX-ALTO: • Corpo em latão • Chaves com regulagem de abertura • Parafusos de aço inoxidável • Acabamento: Laqueado com Chaves Niqueladas • Afinação: Mib • Dimensões: 32cm x 66cm x 17cm (AxCxL) • Peso: 6Kg
  • 5. Governo do Estado do Ceará – Secretaria da Cultura Sistema Estadual de Bandas de Música – Apostila editada em Setembro/2008 ESPECIFICAÇÕES SAX-TENOR: • Corpo em latão • Chaves com regulagem de abertura • Parafusos de aço inoxidável • Acabamento: Laqueado com Chaves Niqueladas • Afinação: Sib • Dimensões: 35cm x 85cm x 19cm (AxCxL) • Peso: 8Kg A EMBOCADURA NO SAXOFONE O estudo deste tópico consiste no aprimoramento da emissão e qualidade sonora no saxofone, onde veremos a respiração, o posicionamento do lábio na boquilha (embocadura) e a emissão do som no instrumento. • Respiração: Define-se como respiração, a entrada e a saída livre do ar nos pulmões. A ação de respirar consiste em duas fases: INSPIRAÇÃO: dilatação da caixa torácica para a entrada de ar nos pulmões. EXPIRAÇÃO: ato dos pulmões expelir, com a intervenção do diafragma, o ar inspirado. Observe a figura abaixo o processo de respiração: OS PULMÕES, antes e depois de contraído o diafragma. A parte escura mostra o aumento na capacidade pulmonar. Não há nenhuma dúvida que a potência do som depende da quantidade de ar e da velocidade como saem dos pulmões. A respiração diafragmática é o tipo de respiração que o professor deve recomendar, pois é a mais benéfica e correta. • Embocadura Há várias maneiras de se colocar a boquilha na boca. Essa maneira específica é por nós chamada de embocadura. Existem vários tipos de embocaduras, como também há diferentes boquilhas e palhetas. Temos que formar um conjunto equilibrado e único para nosso próprio uso. O mesmo conjunto (embocadura, boquilha e palheta) não funciona bem com outro saxofonista e vice-versa, justamente pela diversificação de lábios, arcadas dentárias e cavidade bucal.
  • 6. Governo do Estado do Ceará – Secretaria da Cultura Sistema Estadual de Bandas de Música – Apostila editada em Setembro/2008 Como deve ser a embocadura? O uso dos lábios é aconselhável somente para quem não tem os dentes superiores ou possui algum tipo de ponte móvel ou algum outro problema com a raiz do dente. Devemos usar o apoio dos dentes superiores. Não é necessário morder a boquilha e, mesmo que você use uma dentadura, ponte móvel ou dente postiço, isso não é impedimento para o uso da embocadura de apoio com os dentes. Esse apoio só deverá ser evitado caso venha trazer algum dano à sua saúde. Sem esses sintomas, você deve usar o apoio dos dentes superiores na boquilha. Ver figura na próxima página. Posição da boquilha na boca Quando somente usamos os lábios para segurar a boquilha em nossa boca, sem o uso dos dentes superiores, a afinação fica seriamente comprometida em passagens rápidas ou de intervalos distantes, e o músico não tem domínio dos graves e tampouco dos agudos, pois não trabalha os harmônicos, que necessitam da precisão de abertura feita com o apoio dos dentes (tanto para os graves como para os agudos). Desse modo, a sonoridade é pequena e a resistência superbaixa. Se, ainda assim, o músico tira um som bonito, não se engane! O efeito dura pouco, pois o lábio não tem resistência para manter o som ou segurar a afinação. Observe figura abaixo: Figura: Posição correta da boquilha na boca Esta é a maneira correta que o aluno deverá embocar a boquilha, lembrando que a pressão da boquilha na boca será responsavel pela emissão de um som afinado e de melhor qualidade, depois é só soprar e ver os resultados.
  • 7. Governo do Estado do Ceará – Secretaria da Cultura Sistema Estadual de Bandas de Música – Apostila editada em Setembro/2008 A emissão do som no Saxofone O som no Saxofone é produzido devido à vibração da palheta que é presa por uma abraçadeira junto a boquilha. Com a pressão dos lábios e a passagem da coluna de ar pelo tubo do instrumento produz o som. Aconselhamos o aluno como forma de adaptação a boquilha, iniciar o estudo do sopro primeiramente só com a boquilha e o tudel, isso para que o aluno possa se familiarizar com a forma de soprar o instrumento, posteriormente é que se sopra com o instrumento completamente montado. POSTURA CORRETA DO SAXOFONISTA O Aluno deve estar relaxado, os pés devem estar confortavelmente separados, com a cabeça acima e os ombros para baixo. Este procedimento ajuda na respiração. Os braços devem ficar um pouco para fora do corpo, com o Saxofone em um ângulo de 45 graus do seu corpo. Os movimentos dos dedos devem ser discretos, sem digitar com muita força. Se o aluno estiver movendo seus dedos descontroladamente isto irá dificultar a execução no instrumento. Só lembrando que o aluno sentado deverá manter a mesma postura. DIGITAÇÃO DO SAXOFONE Observe na figura abaixo como se desenvolve a digitação (posicionamento dos dedos no instrumento) do Saxofone: O Aluno deverá observar a disposição dos dedos nas teclas como mostra a figura acima para uma boa afinação e qualidade da emissão sonora. Palheta Boquilha Posição incorreta que não deve ser aplicada Posição correta deve ser aplicada Posição correta deve ser aplicada
  • 8. Governo do Estado do Ceará – Secretaria da Cultura Sistema Estadual de Bandas de Música – Apostila editada em Setembro/2008 ESTUDANDO NO SAXOFONE (ESCALAS) Conhecido todos os procedimentos iniciais do Saxofone agora o aluno deverá iniciar o estudo de escalas, este estudo deverá ser lento e feito com notas longas, para que o aluno possa fixar a altura das notas e aperfeiçoar o som no instrumento. A escala que aluno deverá iniciar o estudo será a de Dó maior, como mostra estudo abaixo e depois seguindo o estudo com as outras escalas. Sempre lembrando que o estudo deve ser feito bem lento e com notas longas, de acordo, com a fixação e melhora da execução é que o aluno deverá acelerar o estudo.
  • 9. Governo do Estado do Ceará – Secretaria da Cultura Sistema Estadual de Bandas de Música – Apostila editada em Setembro/2008
  • 10. Governo do Estado do Ceará – Secretaria da Cultura Sistema Estadual de Bandas de Música – Apostila editada em Setembro/2008 PARTITURAS PARA ESTUDAR NO SAXOFONE
  • 11. Governo do Estado do Ceará – Secretaria da Cultura Sistema Estadual de Bandas de Música – Apostila editada em Setembro/2008
  • 12. Governo do Estado do Ceará – Secretaria da Cultura Sistema Estadual de Bandas de Música – Apostila editada em Setembro/2008
  • 13. Governo do Estado do Ceará – Secretaria da Cultura Sistema Estadual de Bandas de Música – Apostila editada em Setembro/2008
  • 14. Governo do Estado do Ceará – Secretaria da Cultura Sistema Estadual de Bandas de Música – Apostila editada em Setembro/2008 DICAS PARA O SAXOFONE CUIDADOS COM O SAXOFONE Para ter um instrumento sempre em perfeitas condições, é necessário antes de tudo tratá-lo muito bem. Alguns cuidados são essenciais para que o saxofone tenha uma vida útil muito longa, bastando apenas alguns cuidados bem simples. Segue abaixo uma série de procedimentos que serão bastante úteis para manter o sax com uma boa aparência. ESTOJO O estojo não só serve para guardar o saxofone como também serve para protegê-lo de pancadas e coisas do tipo. Existe também uma espécie de bolsa que serve para transportar o saxofone. É bem mais prática para transportar o sax, pois você pode colocar nas costas e levá-lo por aí. Para quem pega ônibus é bem mais prático do que com o estojo, mas não oferece uma proteção tão boa quanto o outro. SECANDO O SAX Após terminar de tocar o instrumento, você deve sempre secar suas partes. Para isso retire a boquilha, a palheta da boquilha e enxugue bem. No caso da palheta basta passá-la apertando-a levemente sobre um pano que não solte fiapos, o ideal mesmo é colocá-la numa folha de papel vegetal dentro de um livro. A pressão faz a umidade ser transferida para a folha. Para limpar o sax por dentro você deve usar escovas especiais de secagem que são encontradas com facilidade em lojas de acessórios para instrumentos, mas se você não tem esse tipo de escova, faça da seguinte maneira. Arrume um pedaço de fio-barbante resistente, um pesinho (pode ser um parafuso, porca, etc.) e um pano macio (de preferência que não solte fiapos, recomendo aquele pano que se usa como fralda). Prenda o peso numa extremidade e o pano na outra. Recomendo que cubra o peso com uma fita, pode ser esparadrapo. Isso evita que arranhe o seu instrumento. Introduza o peso pela campana do sax. Manobre o instrumento de maneira que o peso saia pelo outro lado. Puxe o barbante com o pano e repita a operação quantas vezes forem necessárias. O mesmo deve ser feito com o Todel. LIMPANDO O SAX Após a secagem, o mais indicado é passar uma flanela ou um pano macio em toda a superfície, principalmente no caso dos instrumentos prateados, que são muito mais sensíveis às marcas de dedos e outros tipos de manchas causadas pelo uso. Periodicamente, os instrumentos prateados podem ser limpos com um polidor de prata (Silvo) e os niquelados com polidor de metais (Kaol ou Brasso). Mas atenção: isto não deve ser feito com muita freqüência ou acabará danificando o acabamento do instrumento. Já os instrumentos laqueados devem ser limpos apenas com a flanela, pois os polidores e similares podem remover a fina camada de verniz que recobre a superfície, expondo o metal ao ar e provocando oxidação.